APURAÇÃO DAS INFORMAÇÕES. Laboratório de Iniciação ao Jornalismo Prof. Dr. Dennis de Oliveira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APURAÇÃO DAS INFORMAÇÕES. Laboratório de Iniciação ao Jornalismo Prof. Dr. Dennis de Oliveira"

Transcrição

1 APURAÇÃO DAS INFORMAÇÕES Laboratório de Iniciação ao Jornalismo Prof. Dr. Dennis de Oliveira

2 RUMORES, VERSÕES E DADOS O jornalismo trabalha com a articulação de outros discursos. O jornalista reconstrói o acontecimento a partir de relatos de testemunhas que participaram direta ou indiretamente do fato. Por isto, o trabalho de apuração e captação tem o objetivo de construir dados a partir de rumores e versões. A captação não se esgota apenas na obtenção de duas versões os chamados dois lados mas em contribuir para a construir no leitor indicadores de certeza.

3 PROPOSTA DE CAPTAÇÃO JORNALÍSTICA Proposição de Luiz Costa Pereira Júnior: Compreender a limitação genérica de toda a apuração jornalística (a realidade jamais caberá no apurado, será sempre o disponível ) Checagem das informações (afastar os rumores e caminhar para os dados) Rigor nos dados (buscar sempre a exatidão) VISÃO PLURAL DOS ACONTECIMENTOS Nível de incerteza (consciência da fragilidade dos resultados, de como é relativa a validade do que se apurou). Necessidade de solidez (sensibilidade de saber o quanto o destinatário da informação deseja um chão sólido para posicionar-se) A conduta do jornalista é de buscar uma e única verdade mas com espírito aberto para não cegar diante da evidência contrária ou ignorar a pluralidade de versões possíveis.

4 PASSO A PASSO PARA A APURAÇÃO JORNALÍSTICA FASE I ELABORAÇÃO DA PAUTA Pista Inicial + Sondagem inicial + Preparação da pauta FASE II PRÉ-PRODUÇÃO Análise das fontes + Seqüência da abordagem FASE III PRODUÇÃO Confrontação da informação + Checagem FASE IV PÓS-PRODUÇÃO Redação + Produção visual da reportagem + Reserva de documentação

5 PAUTA, SEGUNDO CHAPARRO

6 FASE I ELABORAÇÃO DA PAUTA Plano de ação: Relação de informações que já obtivemos Relação de informações que nos faltam Lista de fontes: onde localizar a informação que nos falta, quais as fontes mais importantes e consistentes. Check-list da qualidade da pauta Repórter mostra desconhecimento? Apresenta contraponto ás informações dadas pelas fontes? Personagens escolhidos são pouco relevantes? Dados apurados atualizam questão abordada na pauta? Premissa está forçada, equivocada ou fundada em preconceito ou senso comum? Há problema de enfoque que determina abordagem equivocada? Levantamento prévio de informações está desatualizado? Na apuração, o repórter percebeu que a informação não se encaixava o que pensara ao propor a pauta? A matéria exige tanta explicação prévia para convencer da sua importância que não se justifica?

7 FASE II PRÉ-PRODUÇÃO Análise estratégica das fontes Hierarquia da autoridade Produtividade (quantidade e qualidade da informação que uma fonte pode dar) Credibilidade (confiabilidade e regularidade RISCO: virar refém de determinadas fontes) Check-list de análise das fontes: Relações, valor, situação, riscos e credibilidade das fontes Conceitos complementares, informações que supomos que sabem e a relação que supomos que as fontes têm com o fato Até que ponto não estamos sendo usados por fontes legitimadas por sua autoridade, produtividade e credibilidade anterior e não fazemos uma avaliação isenta sobre o real valor que as informações têm para o público.

8 FASE II PRÉ-PRODUÇÃO Por ordem de importância: Documentar-se ao máximo sobre cada fonte, começando pelas fontes secundárias, documentais e técnicas e confrontar com a fonte principal. Ordenar a abordagem partindo da fonte de menor para a de maior importância apenas para fins de se preparar para as entrevistas seguintes Sempre deixar cada fonte preparada para nova consulta Por ordem de crítica Começar pelas desfavoráveis, passando pelas técnicas e neutras e terminando com as favoráveis. Este procedimento permite ter um marco crítico inicial para medir o interesse\impacto da notícia para depois ir para os argumentos que irão mediar o confronto com as fontes favoráveis.

9 FASE III - PRODUÇÃO Contato com a fonte (oportunidade de defesa de quem foi implicado na notícia) Cada apuração abrem novos vazios de informação a serem preenchidos com mais investigação. Checar se o repórter ficou refém da fonte Pende para o peixe que uma delas lhe vendeu Engole as versões sem questionamentos Não esgota o que o entrevistado tem a informar Engole opinião de apelo fácil Atribui atitudes de uma fonte baseado no depoimento de outra Aceita informação de crédito duvidoso Checagem da informação (verificação) Revisão do material apurado

10 TÉCNICAS PARA ENTREVISTA Construção ativa da entrevista: Por que estou escrevendo isto? Sobre o que julgo importante escrever? O que me incomoda na realidade que vejo? O que me desassossega? O jornalista deve distinguir entre olhar a realidade (apenas recebê-la) e vê-la ativamente (buscá-la).

11 15 COISAS QUE NÃO PODEMOS ESQUECER QUANDO ENTREVISTAMOS 1. Pergunte primeiro se pode gravar, fotografar ou filmar. 2. Esteja informado sobre o entrevistado. 3. Faça um roteiro 4. Testar os equipamentos 5. Na dúvida, senhor ou senhora 6. Ouça de verdade 7. Não dispute com o entrevistado 8. Não roube a idéia de ninguém 9. Reconheça o limite 10. Desconfie da memória 11. Não invente nada e nem ninguém 12. Tenha paixão de conversar com o outro 13. Pergunte por último 14. Solte o fio Escolha os temas e edite

Feira de Fátima Reúne Trabalho e Lixo

Feira de Fátima Reúne Trabalho e Lixo Feira de Fátima Reúne Trabalho e Lixo Carlos Marcelo Oliveira Sales Marina Moreira Mamede Eduardo Freire Universidade de Fortaleza, Fortaleza CE RESUMO O presente trabalho apresenta as fases de uma matéria

Leia mais

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro;

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; René Descartes REGRAS DO MÉTODO Primeira parte: encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; REGRAS DO MÉTODO Método: Meta por,

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de um conteúdo vídeo para os média escolares

Dicas sobre produção mediática: A produção de um conteúdo vídeo para os média escolares Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA OEI/BR08-006/SEDH/PR ATUALIZAÇÃO DE PROCESSOS POLÍTICOS E INSTITUCIONAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Proposta de Redação Tema: A honestidade é um valor

Proposta de Redação Tema: A honestidade é um valor Proposta de Redação Tema: A honestidade é um valor Tema central: Reportagem: valores sociais Produção de texto Introdução: A palavra é o meio de que cada um de nós se utiliza para dizer do outro, para

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma notícia para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma notícia para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

ROTEIRO DE REDAÇÃO. Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota:

ROTEIRO DE REDAÇÃO. Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota: ROTEIRO DE REDAÇÃO Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota: 9º ano [A ] [B] Ensino Médio Período: Matutino Conteúdo: Artigo de opinião O que é o artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 1ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3104.0 Conceitos fund. do jornalismo

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma reportagem para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma reportagem para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE ELEMENTOS MULTIMÍDIA NO JO. a cobertura do G1 sobre o Tsunami no Japão. Liana Vidigal Rocha Universidade Federal do Tocantins

A UTILIZAÇÃO DE ELEMENTOS MULTIMÍDIA NO JO. a cobertura do G1 sobre o Tsunami no Japão. Liana Vidigal Rocha Universidade Federal do Tocantins A UTILIZAÇÃO DE ELEMENTOS MULTIMÍDIA NO JO Comunicação Social Jornalismo a cobertura do G1 sobre o Tsunami no Japão Liana Vidigal Rocha Universidade Federal do Tocantins Objetivo do artigo Identificar

Leia mais

MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE

MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE MARATONA CULTURAL 2009 CARTILHA DO CANDIDATO 2ª FASE Você está recebendo a cartilha com as orientações para a construção dos trabalhos da 2ª fase da Maratona Cultural 2009. Fique atento aos procedimentos

Leia mais

AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA

AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA AS ETAPAS DA PESQUISA Prof. MSc: Anael Krelling 1 O planejamento e a execução de uma pesquisa fazem parte de um processo sistematizado que compreende etapas que podem ser detalhadas da seguinte forma:

Leia mais

Comunicação Estratégica e Marketing AULA 7. Temas: Jornalismo

Comunicação Estratégica e Marketing AULA 7. Temas: Jornalismo Comunicação Estratégica e Marketing AULA 7 Temas: Jornalismo O Jornalismoé a área da Comunicação Social que lida com a descoberta, a produção e a divulgação de notícias, isto é, o relato de acontecimentos

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Introdução ao Jornalismo

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Introdução ao Jornalismo Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003000A - Introdução ao Jornalismo Docente(s) Antonio Francisco Magnoni Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

Sumário Uma introdução à entrevista... 1 O processo de comunicação interpessoal... 16

Sumário Uma introdução à entrevista... 1 O processo de comunicação interpessoal... 16 1 Uma introdução à entrevista... 1 Características fundamentais das entrevistas... 1 Duas partes... 1 Objetivo... 1 Interacional... 2 Perguntas... 2 Exercício nº 1 O que é e o que não é uma entrevista?...

Leia mais

Atividade profissional da área de comunicação que visa coletar, investigar, analisar e transmitir periodicamente ao grande público, ou a segmentos

Atividade profissional da área de comunicação que visa coletar, investigar, analisar e transmitir periodicamente ao grande público, ou a segmentos Atividade profissional da área de comunicação que visa coletar, investigar, analisar e transmitir periodicamente ao grande público, ou a segmentos dele, informações da atualidade, utilizando veículos de

Leia mais

Outras características de morfologia e sintaxe da notícia:

Outras características de morfologia e sintaxe da notícia: O Jornalismo «O jornalismo, na sua justa e verdadeira atitude, seria a intervenção permanente do país na sua própria vida política, moral, religiosa, literária e individual. O jornalismo não sabe que há

Leia mais

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 06 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 19 de março de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos

AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos 1 AULA 01 Diretrizes para a leitura, análise e interpretação de textos Ernesto F. L. Amaral 08 de março de 2012 Metodologia (DCP 033) Fonte: Severino, Antônio Joaquim. 2007. Metodologia do trabalho científico.

Leia mais

SUGESTÕES PARA ESCREVER MELHOR

SUGESTÕES PARA ESCREVER MELHOR SUGESTÕES PARA ESCREVER MELHOR Trueffelpix / Shutterstock.com A MELHOR MANEIRA DE APRIMORAR A ESCRITA É... ESCREVENDO! Nas telas seguintes você conhecerá algumas estratégias interessantes para desenvolver

Leia mais

Desafio do jornalismo na era do engajamento

Desafio do jornalismo na era do engajamento Desafio do jornalismo na era do engajamento Luís Fernando Bovo - Estadão/2016 O jornalismo hoje: 2 maneiras de ver O jornalismo hoje: o que fazer? Apropriar-se das novas tecnologias e fazer a mesma coisa,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM ARTIGO CIENTÍFICO CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DE UM ARTIGO CIENTÍFICO PRODUZIR ARTIGOS CIENTÍFICOS Os artigos científicos são pequenos estudos, porém completos, que tratam de uma questão verdadeiramente científica, mas que

Leia mais

ATENDIMENTO DE IMPRENSA

ATENDIMENTO DE IMPRENSA :: SEI / DPU - 1136112 - Processo de trabalho :: Página 1 de 6 Defensoria Pública-Geral da União ATENDIMENTO DE IMPRENSA 1. Objetivo: Posicionar a instituição perante os órgãos de comunicação. 2. Referencial

Leia mais

Pesquisa de Campo:observações. Maria Rosangela Bez 2011

Pesquisa de Campo:observações. Maria Rosangela Bez 2011 Pesquisa de Campo:observações Maria Rosangela Bez 2011 Observação A observação engloba o conjunto da operações através das quais o modelo de análise é submetido ao teste dos fatos e confrontado com dados

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina COM350 Jornalismo Esportivo

Programa Analítico de Disciplina COM350 Jornalismo Esportivo Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Comunicação Social - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Telejornalismo I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Telejornalismo I Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003033A - Telejornalismo I Docente(s) Mayra Fernanda Ferreira Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodológica científica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1993. p.238-243. 1. ARTIGOS CIENTÍFICOS Os artigos científicos são pequenos estudos, porém

Leia mais

Fundamentos de Lógica Matemática

Fundamentos de Lógica Matemática Webconferência 3-01/03/2012 Inferência Lógica Prof. L. M. Levada http://www.dc.ufscar.br/ alexandre Departamento de Computação (DC) Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) 2012/1 Objetivos Análise

Leia mais

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE SERÁ QUE TUDO QUE VEJO É REAL e VERDADEIRO? Realidade Realismo A primeira opção, chamada provisoriamente de realismo : supõe que a realidade é uma dimensão objetiva,

Leia mais

Proposta de Redação Tema: Conto fantástico

Proposta de Redação Tema: Conto fantástico Proposta de Redação Tema: Conto fantástico Tema central: Criação de um conto fantástico Produção de texto Introdução: O conto fantástico é um gênero que tem como característica o fato de apresentar ou

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003006A - Produção Jornalística: Técnicas de Reportagem e Entrevista Docente(s) Juliana Cristina Gobbi Betti Unidade Faculdade

Leia mais

26. (Analista Judiciário TRF 3ª Região 2016/FCC) Considere verdadeiras as afirmações abaixo.

26. (Analista Judiciário TRF 3ª Região 2016/FCC) Considere verdadeiras as afirmações abaixo. 26. (Analista Judiciário TRF 3ª Região 2016/FCC) Considere verdadeiras as afirmações abaixo. Ou Bruno é médico, ou Carlos não é engenheiro. Se Durval é administrador, então Eliane não é secretária. Se

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Telejornalismo II

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Telejornalismo II Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003038A - Telejornalismo II Docente(s) Mayra Fernanda Ferreira Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

OS TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

OS TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS OS TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Peculiaridades e formas de conduzir seus estudos Thaisa Bueno Uma breve diferenciação antes de começarmos Divulgação científica Jornalismo científico Disseminação científica

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA I. Marinês Steffanello

METODOLOGIA DA PESQUISA I. Marinês Steffanello METODOLOGIA DA PESQUISA I Marinês Steffanello - Fórum de Dúvidas - Livro Base - Leitura Complementar (quadro comparativo) - Modelo Tarefa Final * marines.stf@gmail.com Pra que estudar essa disciplina?

Leia mais

Capítulo 6 Seleção de funcionários

Capítulo 6 Seleção de funcionários Capítulo 6 Seleção de funcionários slide 1 Objetivos de aprendizagem 1. Definir os conceitos básicos de testes, incluindo legitimidade e confiabilidade. 2. Discutir, pelo menos, quatro tipos básicos de

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

PRODUÇÃO DE TEXTO A Igreja fonte de notícia e Boa Nova

PRODUÇÃO DE TEXTO A Igreja fonte de notícia e Boa Nova PRODUÇÃO DE TEXTO A Igreja fonte de notícia e Boa Nova SECOM / Cláudia Brito 50 Dia Mundial das Comunicações Sociais «Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo» o que fazemos? para quem fazemos?

Leia mais

TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: O PROFISSIONAL DE RELAÇÕES PÚBLICAS NOS MUSEUS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES): TAINÁ GIGLIO

Leia mais

ELETROMAGNETISMO: UMA AULA PRÁTICA COM USO DA EXPERIMENTAÇÃO PARA ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

ELETROMAGNETISMO: UMA AULA PRÁTICA COM USO DA EXPERIMENTAÇÃO PARA ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO ELETROMAGNETISMO: UMA AULA PRÁTICA COM USO DA EXPERIMENTAÇÃO PARA ALUNOS DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO Maynã Luan Nascimento Melo (1); Eliton da Silva Lima (2); Walmir Benedito Reis Tavares (3); Ana Clecia

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Aluno: Matrícula: Curso: Unidade de Estudo: Data Prova: / / METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO AVP MÉDIA 1 A B C D 2 A B C D 3 A B C D 4 A B C D 5 A B C D 6 A B C D 7

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Redondo. Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade

Agrupamento de Escolas de Redondo. Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade Agrupamento de Escolas de Redondo Escola Básica e Secundária Dr. Hernâni Cidade INFORMAÇÃO - EXAME FINAL A NÍVEL DE ESCOLA ESPANHOL Continuação PROVA 847 Ι 2015 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Marco Zero, o jornal do centro de Curitiba 1

Marco Zero, o jornal do centro de Curitiba 1 Marco Zero, o jornal do centro de Curitiba 1 Denise BECKER 2 Isabela COLLARES 3 Roberto NICOLATO 4 Centro Universitário Internacional Uninter RESUMO O presente artigo descreve a trajetória do jornal Marco

Leia mais

Como Escrever para o ENEM. Profª Marta Helena Facco Piovesan Balsas/outubro de 2013

Como Escrever para o ENEM. Profª Marta Helena Facco Piovesan Balsas/outubro de 2013 Como Escrever para o ENEM Profª Marta Helena Facco Piovesan Balsas/outubro de 2013 O QUE É QUE EU ESTOU FAZENDO AQUI? O QUE É QUE EU ESTOU FAZENDO AQUI? Provas: dias 26 e 27 de OUTUBRO Por que fazer o

Leia mais

Artigo de opinião. Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco

Artigo de opinião. Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco Artigo de opinião Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco O TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO É UMA TIPOLOGIA TEXTUAL QUE VISA

Leia mais

ELABORAÇÃO DE ESTUDOS DE REVISÃO DA LITERATURA

ELABORAÇÃO DE ESTUDOS DE REVISÃO DA LITERATURA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS DE REVISÃO DA LITERATURA Profa. MsC. Paula Silva de Carvalho Chagas Departamento

Leia mais

DICAS DE ESTUDO Orientações para ler, escrever e aprender cada vez melhor

DICAS DE ESTUDO Orientações para ler, escrever e aprender cada vez melhor DICAS DE ESTUDO Orientações para ler, escrever e aprender cada vez melhor A seguir são propostos alguns procedimentos que, caso sejam exercitados cotidianamente, podem ser muito eficientes para o desenvolvimento

Leia mais

Técnicas de Levantamento de Dados

Técnicas de Levantamento de Dados Técnicas de Levantamento de Dados Em todo desenvolvimento de software, um aspecto fundamental é a captura dos requisitos dos usuários. Para apoiar este trabalho, diversas técnicas podem ser utilizadas.

Leia mais

OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer situações didáticas que enfatizem (ou não) a funcionalidade do gênero.

OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer situações didáticas que enfatizem (ou não) a funcionalidade do gênero. A FUNCIONALIDADE DOS GÊNEROS Aula 3 META Esta aula enfatiza a abordagem funcional que deve predominar nas aulas sobre gêneros. Traz exemplos do cotidiano escolar que suscitam uma discussão sobre a efi

Leia mais

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO CURSO: JORNALISMO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIAS DA COMUNICAÇÃO Estudo do objeto da Comunicação Social e suas contribuições interdisciplinares para constituição de uma teoria da comunicação.

Leia mais

Ruim é o seu preconceito¹. Júlia Godinho Santos², João Turquiai Junior³, Universidade Metodista de Piracicaba

Ruim é o seu preconceito¹. Júlia Godinho Santos², João Turquiai Junior³, Universidade Metodista de Piracicaba Ruim é o seu preconceito¹ Júlia Godinho Santos², João Turquiai Junior³, Universidade Metodista de Piracicaba Resumo A reportagem da revista Painel, de dezembro de 2015, traz como foco, a luta das mulheres

Leia mais

Título: Como configurar uma empresa de atividade imobiliária com Sociedade em Conta de Participação - SCP?

Título: Como configurar uma empresa de atividade imobiliária com Sociedade em Conta de Participação - SCP? Título: Como configurar uma empresa de atividade imobiliária com Sociedade em Conta de Participação - SCP? 1 PARÂMETROS DA EMPRESA 1.1 Acesse o menu CONTROLE e clique em PARÂMETROS; 1.2 Clique no botão

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA

A PESQUISA CIENTÍFICA A PESQUISA CIENTÍFICA CONCEITO e DEFINIÇÕES - A pesquisa surge quando temos consciência de um problema e nos sentimos impelidos a buscar a sua solução. (R. Mandolfo, citado em Asti Vera, 1976) - Investigação

Leia mais

Como Iniciar com Sucesso! Kalinca Paolla Diretora Sênior de Vendas Mary Kay,

Como Iniciar com Sucesso! Kalinca Paolla Diretora Sênior de Vendas Mary Kay, Como Iniciar com Sucesso! Kalinca Paolla Diretora Sênior de Vendas Mary Kay, Analise sua situação hoje e responda: Você compraria numa sessão feita por você mesma? Você iniciaria com alguém que aborda

Leia mais

Instruções da Atividade Formativa 3. Calendarização:

Instruções da Atividade Formativa 3. Calendarização: Instruções da Atividade Formativa 3 Calendarização: Observe com atenção o cronograma seguinte, no qual se propõe a planificação e a calendarização que deverá seguir na elaboração da Atividade 3. 2ª feira

Leia mais

EXPERIMENTO I MEDIDAS E ERROS

EXPERIMENTO I MEDIDAS E ERROS EXPERIMENTO I MEDIDAS E ERROS Introdução Na leitura de uma medida física deve-se registrar apenas os algarismos significativos, ou seja, todos aqueles que a escala do instrumento permite ler mais um único

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 092.3201.1 PAUTA E APURAÇÃO (PRODUÇÃO DA NOTÍCIA I) PROFESSOR (A) NÚCLEO TEMÁTICO PROCESSOS E PRODUTOS

Leia mais

Seminário de Pesquisa RIS Problema de Pesquisa em Saúde. Julio Baldisserotto, Dr; MSc;CD

Seminário de Pesquisa RIS Problema de Pesquisa em Saúde. Julio Baldisserotto, Dr; MSc;CD Seminário de Pesquisa RIS Problema de Pesquisa em Saúde Julio Baldisserotto, Dr; MSc;CD Problema de Pesquisa em Saúde A ciência e o crescimento do conhecimento estão sempre partindo de problemas e talvez

Leia mais

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões...

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões... Cabeçalho da secção 1 Índice 1. Introdução...1 1.1. O que é um relatório...1 2. Organização de um relatório...2 2.1. Identificação...2 2.2. As 4 questões...2 2.3. Informação adicional...2 2.4. Estrutura...2

Leia mais

Unidade I NORMAS PROFISSIONAIS. Prof. Geraldo Carlos

Unidade I NORMAS PROFISSIONAIS. Prof. Geraldo Carlos Unidade I NORMAS PROFISSIONAIS DE AUDITORIA Prof. Geraldo Carlos Introdução Contabilidade Ciência que estuda e controla o patrimônio das entidades, nos seus atos e fatos quantitativos e qualitativos Auditoria

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Comunicação em Mídias Digitais Código/Currículo:

Estrutura Curricular do Curso de Comunicação em Mídias Digitais Código/Currículo: ! Estrutura Curricular do Curso de Comunicação em Mídias Digitais Código/Currículo: 392009 12.2 DETALHAMENTO DA COMPOSIÇÃO CURRICULAR [ Portaria PRG/G/n 035/2016] 1. Conteúdos Básicos Profissionais 1.1

Leia mais

Técnicas de Negociação e Argumentação

Técnicas de Negociação e Argumentação Técnicas de Negociação e Argumentação R.M.L 11º I Preparação - Estudo, recolha de informação e planeamento A preparação é o planeamento básico. O seu objetivo é a fortificação da sua argumentação e o enfraquecimento

Leia mais

Noções Gerais Sobre Pesquisa

Noções Gerais Sobre Pesquisa 23 Noções Gerais Sobre Pesquisa Nossas possibilidades de conhecimento são muito, e até tragicamente, pequenas. Sabemos pouquíssimo, e aquilo que sabemos, sabemo-lo muitas vezes superficialmente, sem grande

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina COM382 Assessoria de Comunicação e Imprensa

Programa Analítico de Disciplina COM382 Assessoria de Comunicação e Imprensa 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Comunicação Social - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

IVC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EDITORWEB REVISTAS PAGAS

IVC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EDITORWEB REVISTAS PAGAS IVC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA EDITORWEB REVISTAS PAGAS Login Após acessar a página do IVC (http://www.ivc.org.br), clicar no link, conforme imagem abaixo: O associado efetuará o acesso ao sistema

Leia mais

Português Instrumental

Português Instrumental V.1 de Set/13 Português Instrumental Prof. Sérgio Fascina AULA 01 SEMANA 01 ASSUNTOS: APRESENTAÇÃO GERAL ESTRATÉGIAS DE LEITURA E DE ESTUDO APRESENTAÇÃO Prof. Sérgio Fascina BLOG: professorfascina.org

Leia mais

O clipping como ferramenta estratégica de assessoria de imprensa

O clipping como ferramenta estratégica de assessoria de imprensa 1 O clipping como ferramenta estratégica de assessoria de imprensa Assessoria de imprensa não se resume ao esforço unilateral para estampar uma marca ou uma pessoa em jornais, revistas e programas de TV.

Leia mais

Juventude: Emprego e Renda - Perspectivas Para a Juventude Em Governador Valadares Aluno(a): Ana Letícia Pastore Trindade Relatório Parcial

Juventude: Emprego e Renda - Perspectivas Para a Juventude Em Governador Valadares Aluno(a): Ana Letícia Pastore Trindade Relatório Parcial Juventude: Emprego e Renda - Perspectivas Para a Juventude Em Governador Valadares Aluno(a): Ana Letícia Pastore Trindade Relatório Parcial Introdução: 1.1.Introdução geral: 1.2.Objetivo: Explorar a quantidade

Leia mais

CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PERÍCIAS FINANCEIRAS. Paulo Cordeiro de Mello Giancarlo Zannon

CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PERÍCIAS FINANCEIRAS. Paulo Cordeiro de Mello Giancarlo Zannon CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE PERÍCIAS FINANCEIRAS Paulo Cordeiro de Mello Giancarlo Zannon Instituições Financeiras e a Justiça: O setor bancário está em destaque na lista que classifica

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO: O APRENDIZADO E SUA UTILIZAÇÃO NAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS

FERRAMENTAS DE GESTÃO: O APRENDIZADO E SUA UTILIZAÇÃO NAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO: O APRENDIZADO E SUA UTILIZAÇÃO NAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS Camila Lopes Ferreira (UTFPR) camila@pg.cefetpr.br Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar se o aprendizado das

Leia mais

Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa

Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa Rua Saraiva de Carvalho, nº41, 1269-099 Lisboa Tel: 21 114 89 00 Fax: 21 849 31 30 QUESTIONÁRIO IV Avaliação de Impacto (após 6 meses

Leia mais

Desenvolvendo a habilidade de Atrair, Convidar e Iniciar Consultoras para seu Time e seu Diretorado- Passo a Passo

Desenvolvendo a habilidade de Atrair, Convidar e Iniciar Consultoras para seu Time e seu Diretorado- Passo a Passo Desenvolvendo a habilidade de Atrair, Convidar e Iniciar Consultoras para seu Time e seu Diretorado- Passo a Passo Nada acontece até que você venda algo! Mary Kay Ash Seja ESPECIALISTA em: Em Observar

Leia mais

Vale Master: onde o vôlei não tem idade. Paloma Driemeyer VALANDRO 3. Jéssica KOCH 4. Ronaldo Ely REMPEL 5

Vale Master: onde o vôlei não tem idade. Paloma Driemeyer VALANDRO 3. Jéssica KOCH 4. Ronaldo Ely REMPEL 5 1 Vale Master: onde o vôlei não tem idade 2 Paloma Driemeyer VALANDRO 3 Jéssica KOCH 4 Ronaldo Ely REMPEL 5 Leonel José de OLIVEIRA Centro Universitário Univates, Lajeado, RS RESUMO Vale Master: onde o

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Técnicas de Negociação Administração A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Novembro/16

Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Novembro/16 Indicador de Demanda por Crédito e Investimento do Micro e Pequeno Empresário Novembro/16 SPC Brasil e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) 1. Indicador de Demanda por Crédito A demanda

Leia mais

ABORDAGEM DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

ABORDAGEM DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ABORDAGEM DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br Para Laudon e Laudon (2007), Sistemas de Informações são considerados, juntamente com as tecnologias de

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES

HISTÓRICO DAS REVISÕES Página 1 de 7 HISTÓRICO DAS REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 06/02/2015 Emissão inicial 1. OBJETIVO Criar uma sistemática de produção e disseminação de notícias institucionais para os diversos públicos

Leia mais

Instância Terciária. Culturais/Sociais. ESSÊNC IA Substâncias da Expressão. Valores. Estéticos

Instância Terciária. Culturais/Sociais. ESSÊNC IA Substâncias da Expressão. Valores. Estéticos Instância Terciária 3 ESSÊNC IA Substâncias da Expressão Valores Estésic os Estéticos Culturais/Sociais Esta terceira instância procura dar conta dos elementos de significação específicos, afetivos e cognitivos,

Leia mais

ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS

ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS - PPGECMT ESTRUTURA E FORMA DO PROJETO DO MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Jornalismo e Divulgação Científica

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Jornalismo e Divulgação Científica Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Jornalismo e Divulgação Científica Graduação em Engenharia Ambiental Pós-Graduação em Ciências Ambientais Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental 8 Jornalismo

Leia mais

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO DE HISTÓRIA: UM ESTUDO DESCRITIVO DA LEITURA E DA INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Isabel Rodrigues Diniz Graduanda em História pelo PARFOR da E-mail: eldinhasoares@hotmail.com José

Leia mais

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário

Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário Fevereiro 2017 Indicador de Confiança do MPE alcança o maior resultado desde maio de 2015 INDICADOR DE CONFIANÇA 50,2 50,6 50,2 48,9 51,0 52,5 36,6

Leia mais

Soltura de Filhotes de Quelônios no Rio Uatumã 1

Soltura de Filhotes de Quelônios no Rio Uatumã 1 Soltura de Filhotes de Quelônios no Rio Uatumã 1 Marcello de PAULO 2 Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 3 Anderson SILVA 4 Neliã ALFAIA 5 Leonardo FIERRO 6 Faculdade Boas Novas (FBN), Manaus, AM. RESUMO O

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE ALTAMIRA Ementa de Curso para Portfólio

COLÉGIO ADVENTISTA DE ALTAMIRA Ementa de Curso para Portfólio DISCIPLINA:. Língua Portuguesa SÉRIE/ TURMA:. 9º ano A/B BIMESTRE: 4º 1 e 2 - Texto Perder, ganhar, viver. Pag.( 230, 231 e 232) Leitura do texto; discussão; atividade escrita. Pag. ( 232 e 233) - Atividade

Leia mais

Engenharia de Software 2006/2007

Engenharia de Software 2006/2007 Instituto Superior Técnico Engenharia de Software 2006/2007 Segundo Teste (perguntas 5-10, 70 minutos) Primeiro Exame (perguntas 1-10, 120 minutos) 29/6/2007 Nome: Número: Escreva o seu número em todas

Leia mais

Ciclo de Conferências 50 anos das Ciências da Comunicação no Brasil: a contribuição de São Paulo Renovadores das Ciências da Comunicação

Ciclo de Conferências 50 anos das Ciências da Comunicação no Brasil: a contribuição de São Paulo Renovadores das Ciências da Comunicação Ciclo de Conferências 50 anos das Ciências da Comunicação no Brasil: a contribuição de São Paulo Renovadores das Ciências da Comunicação Mariluce Moura A imprensa em questão O seminário A imprensa em questão

Leia mais

JORNALISMO ELETRÔNICO, DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE UMA PÁGINA ELETRÔNICA

JORNALISMO ELETRÔNICO, DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE UMA PÁGINA ELETRÔNICA JORNALISMO ELETRÔNICO, DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE UMA PÁGINA ELETRÔNICA Natália Aparecida Cabeza 1, Alberto Adriano Cavalheiro², Raísa Crepaldi de Faria³, Sandro Ribas Granado ³. 1 Estudante do Curso

Leia mais

O tempo da academia ou o frenesi das redações? Reflexões sobre a periodicidade das revistas laboratoriais

O tempo da academia ou o frenesi das redações? Reflexões sobre a periodicidade das revistas laboratoriais FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO (FNPJ) 4º ENCONTRO PAULISTA DE PROFESSORES DE JORNALISMO MODALIDADE DE TRABALHO: Relato de Experiência GRUPO DE TRABALHO: Revista O tempo da academia ou o frenesi

Leia mais

Declaración de fiabilidad

Declaración de fiabilidad Saiba Mais Declaración de fiabilidad Relatório de Asseguração Limitada dos Auditores Independentes do Relatório Anual de Sustentabilidade da Natura Cosméticos S/A com base nas diretrizes do GRI, versão

Leia mais

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT

Metodologias de. Monitorização. Sessão de Formação Julho de Mário Caeiro. Com o apoio das publicações da APT Metodologias de Mário Caeiro Monitorização Sessão de Formação Julho de 2012 Com o apoio das publicações da APT Para Lá dos Muros que nos Dividem Monitorização de Locais de Detenção de Pessoas Privadas

Leia mais

Antes. Dicas de filmagem. - Verificar materiais que são necessários. Câmara de filmar/ Smartphone. Tripé

Antes. Dicas de filmagem. - Verificar materiais que são necessários. Câmara de filmar/ Smartphone. Tripé Antes - Verificar materiais que são necessários Câmara de filmar/ Smartphone Tripé O tripé é muito importante, pois ajuda a manter a imagem estável. A iluminação é outro tipo de equipamento de grande utilidade,

Leia mais

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds TS04 Teste de Software PLANOS DE TESTE COTI Informática Escola de Nerds 1. PLANOS DE TESTE. Tipos de Testes de Software Teste Funcional Uma especificação funcional é uma descrição do comportamento esperado

Leia mais

A NOTÍCIA. O facto ainda não acabou de acontecer e já a mão nervosa do repórter O transforma. Carlos Drummond de Andrade

A NOTÍCIA. O facto ainda não acabou de acontecer e já a mão nervosa do repórter O transforma. Carlos Drummond de Andrade A NOTÍCIA O facto ainda não acabou de acontecer e já a mão nervosa do repórter O transforma. Carlos Drummond de Andrade OUVIR UMA NOTÍCIA http://sic.sapo.pt/online/video/informac ao/noticias-pais/2011/2/homemsequestrou-durnate-uma-hora-umamulher-numa-agencia-do-bcp-noporto24-02-2011-0349.htm

Leia mais

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1)

ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) Prof. Dr. Onofre Miranda (1) ZANELLA, L. C. H. Metodologia da Pesquisa. Florianópolis: SEaD:UFSC, 2006. OBJETIVO(S) GERAL Apresentar as etapas para desenvolvimento de

Leia mais

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Jornalismo e Divulgação Científica

Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba. Jornalismo e Divulgação Científica Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Jornalismo e Divulgação Científica Graduação em Engenharia Ambiental Pós-Graduação em Ciências Ambientais 2 Introdução Prof. Sandro Donnini Mancini Agosto,

Leia mais

Regimento do Projeto Interdisciplinar. Escola de Ciências Humanas e Sociais Curso de Comunicação Social - Jornalismo - Publicidade e Propaganda

Regimento do Projeto Interdisciplinar. Escola de Ciências Humanas e Sociais Curso de Comunicação Social - Jornalismo - Publicidade e Propaganda Regimento do Projeto Interdisciplinar Escola de Ciências Humanas e Sociais Curso de Comunicação Social - Jornalismo - Publicidade e Propaganda Regimento do Projeto Interdisciplinar 1. Elementos introdutórios

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA Um padrão para a unificação de conceitos e procedimentos pode ser definido verticalmente e transversalmente para todos os anos de escolaridade A compreensão e as aptidões associadas à maioria dos esquemas

Leia mais

Média de ouvintes por minuto: Sexo Masculino: Sexo Feminino: Classes AB: Classe C: Classes DE:

Média de ouvintes por minuto: Sexo Masculino: Sexo Feminino: Classes AB: Classe C: Classes DE: O CAFÉ COM NOTÍCIA é apresentado pelo comunicador JUNIOR MOREIRA, que imprime um ritmo forte e dinâmico, com bom humor e alto astral. A primeira hora do programa (de 4h às 5h) é pautada na programação

Leia mais

PARTE I Os enfoques quantitativo e qualitativo na pesquisa científica

PARTE I Os enfoques quantitativo e qualitativo na pesquisa científica Sumário Prefácio... 17 Estrutura pedagógica... 23 PARTE I Os enfoques quantitativo e qualitativo na pesquisa científica 1 Definições dos enfoques quantitativo e qualitativo, suas semelhanças e diferenças...

Leia mais