Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU"

Transcrição

1 Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU Eng. José Vanderlei de Abreu

2 Agenda 1 Patologia e suas definições 2 Ciclo de vida de uma pavimentação em concreto 3 Patologias mais comuns 4 Tecnologia indicada 5 Casos práticos e aplicações 6 Resultados obtidos 7 Certificações e comprovação de eficácia 8 Considerações 1

3 Patologias e Reabilitações (conceitos básico) Patologia dos Pavimentos: É o estudo das manifestações patológicas que podem ocorrer no pavimento. São decorrentes de deficiências, tanto no projeto como execução, podendo ser decorrentes também de uma falta de manutenção permanente ou operação inadequada. Reabilitação (reparo) do Pavimento: É a intervenção da engenharia para a conservação da estrutura construída. 2

4 Defeitos Críticos em pavimentos Segundo DNIT: Alçamento / assentamento das placas; Fissuras de canto / quebra de cantos das juntas; placa dividida / buracos; Degrau nas juntas / placa bailarina; Bombeamento; Transmissão deficiente da carga nas juntas transversais. Outras fontes: Fissuras de retração diversas; Desgaste superficial; Perda Capacidade de Suporte (erosão da sub-base). 3

5 Ciclo de Vida de uma Estrutura de Concreto - Visão macro retorna às condições iniciais de serventia Estrutura de concreto Patologia fator de decisão Tratamento sim Sistema Microinjet tempo não Falha no projeto Execução Utilização Outros fatores Demolição? não sim Resíduo (fim da vida útil) 4

6 Como recuperar... Formas de recuperação do pavimento de concreto (GIUBLIN, 2009) 5

7 Sistema Microinjet Conceito,Tecnologia e Utilização Campo de Aplicação

8 O que é osistema Microinjet Tecnologia que explora o potencial dos microcimentos Holcim em aplicações de alto desempenho de concretos, geotecnia, RECUPERAÇÃO e REVITALIZAÇÃO de estruturas Materiais Preparação Customizada Ex. Aplicações Microcimento Adições Especiais Produtos Injeções em pavimentos Aditivos Polimeros Bicos injetores Eqtos Injeção Microgrouting e MIcropintura 7

9 O Sistema Microinjet - Conceito. Oferta de soluções inovadoras baseadas em compósitos de microcimentos; Potencial para aplicações nos segmentos de revitalização, recuperação e injeção em estrutura de concretos e geotecnia; Soluções baseadas em recuperação de baixo impacto ambiental Minimiza demolições Menores prazos de intervenção nas estruturas Pequena mobilização de equipe e equipamentos 8

10 Posicionamento das aplicações Microinjet Custo ($) Sistema Microinjet Intervenção Completa Manutenção Corretiva Ruína Manutenção Preventiva Patologias Estrutura Tempo 9

11 Produtos e Aplicações

12 Patologias Patologias x Soluções x Benefícios Estabilização base ou sub-base de pavimento rígido e flexível; Colmatação de fissuras estruturais e não estruturais; Correção de placas bailarinas e bombeamento; Consolidação de fraturas em maciço rochoso; Desgaste superficial acentuado Revitalização de pavimento em concreto; Pintura em superfícies de concreto; Portfólio de Serviços Injeção de calda coloidal de microcimento Microcapa Micropintura Benefícios Solução não destrutiva; Menor tempo de execução x soluções tradicionais; Adequação ambiental; Fast-track; Preenchimento de vazios diversos; Grouteamento diversos; Reforço estrutural. Nanogrout Melhor relação custo / benefício. Cada solução Microinjet, acompanha um projeto de engenharia, metodologia de execução e testes de comprovação tecnológica 11

13 Casos práticos Tecnologia de Injeção de Calda Coloidal de Microcimento

14 Perda de capacidade de suporte Transmissão deficiente de carga, degrau na junta, placa bailarina, alçamento, etc 13

15 Perda de capacidade de suporte Recalque diferencial e afundamento de placa 14

16 Perda de capacidade de suporte Mensuração do Problema Avaliação inicial com o emprego do Falling Weight Deflectometer Dynatest 8000 (FWD), que é um deflectômetro de impacto, simulando o efeito de cargas de rodas em movimento. A carga empregada simula a passagem do semi-eixo padrão rodoviário brasileiro eixo simples de roda dupla carregado com 8.2tf. 15

17 Perda de capacidade de suporte Mensuração do Problema Localização dos de vazios sobre as placas de concreto Equipamento GEORADAR ou GROUND PENETRATING RADARO - Consiste na emissão contínua de ondas eletromagnéticas e recepção dos sinais refletidos das estruturas mapeando as áreas onde existem vazios, que necessitam ser reparadas. 16

18 Execução da Injeção Identificação dos pontos de furação conforme projeto Início da Injeção de calda coloidal de microcimento 17

19 Correção de Placa Bailarina Via Oeste / Rodoanel 18

20 Estabilização de camada granular Via Oeste / Castelo Branco 19

21 Controle Tecnológico da Calda de Microcimento Controle de fluidez da calda de Microcimento para injeção. (conforme projeto) Controle de resistencia da calda de Microcimento. 20

22 Recalque diferencial em fundação de piso e pavimentos 21

23 Recalque diferencial em Pavimentação Urbana 22

24 Bombeamento em pavimento 23

25 Bombeamento em pavimento

26 Antes Injeção Calda Coloidal de Microcimento Fissuras de retração plástica Situação: Retração plástica por falta de controle na cura; Solução : Injeção de calda coloidal de microcimento em rodovia de pavimento de concreto num total de 20 km em 2 faixas de rolamento. Liberação em 10 h. Durante 25 Depois

27 Injeção Calda Coloidal de Microcimento Fissuras estruturais

28 Fissuras em Piso de Hangar 27

29 Alçamento de placa de piso industrial 28

30 Casos práticos Tecnologia de Aplicação de Microrevestimentos a base de Microcimento

31 Reparo de desgaste superficial em pavimento urbano antes durante depois 30

32 Aspecto Final da Microcapa A Resultado ao longo do tempo antes depois 31

33 Resultado Aspecto Final da Microcapa depois antes 32

34 Microcapa Desgaste Superficial Problema: Pavimento foi fresado para atender a Formula Indy 2010 e ficou incompatível para o desfile das escolas de samba 2011; Solução : Execução de microcapa com espessuras entre 2 a 10 mm, revitalizando e recuperando camada superficial do piso em concreto fresado. Execução de área superior a 6 mil m2 em 18 dias. Liberação para tráfego entre 12 e 16 h após aplicação. Alta aderência e resistência a abrasão. Condição Inicial do pavimento Condição Final do pavimento 33 após tratamento

35 Micropintura Aplicação após microfresagem 34

36 Revitalização de Passarela rodoviária 35

37 Defeitos superficiais por (outros) fatores externos... 36

38 Comprovações Tecnológicas Sistema Microinjet

39 Serra da Tijuca: resultados Deformação inicial aproximada: 2mm Deformação final aproximada: 0,1mm 38

40 Certifications 39

41 Certificações - Empresa Certificadora Vazios localizados através do Georadar GEORADAR FWD Vazios preenchidos com Calda Coloidal de Microcimento 40

42 Certificações Especificação pelo DENIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte) da Tecnologia HOLCIM para a recuperação da rodovia BR101 Nordeste 41

43 Certificações Obra BR 101 Nordeste 42

44 Considerações: Principais valores da solução Microinjet Solução Tradicional Solução Microinjet Tempo de execução e liberação Facilita deslocamento urbano Geração mínima de resíduos Maior Produtividade: Menor quantidade de materiais por m² Equipe mínima para grandes áreas 43

45 Contem Conosco! Agradecemos a atenção Sistema Microinjet Holcim (15) / (15)

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas INTRODUÇÃO AO DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Por que pavimentar? Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

XIV ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Universidade de Fortaleza 20 a 24 de outubro de 2014

XIV ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Universidade de Fortaleza 20 a 24 de outubro de 2014 XIV ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Universidade de Fortaleza 20 a 24 de outubro de 2014 Identificação de Patologias em Pavimentação Asfáltica de Estacionamento do Campus da Unifor. Roberto Macambira

Leia mais

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Estudo de Caso Levantamentos de FWD e para Avaliação Estrutural dos Pavimentos Introdução Necessidade de conhecer a condição estrutural

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns

Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Piso novo Como ocorrem e como evitar patologias em pisos de concreto? Veja as recomendações para escolha de materiais e reparo de falhas mais comuns Método "extremo" de recuperação, o overlay é praticamente

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado 1 de 6 01/11/2010 22:15 Como Construir Whitetopping Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado Owhitetopping é uma técnica de recuperação de pavimentos asfálticos deteriorados (foto 1). A superfície recebe

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE Associação de Ensino Superior Unificado do Centro Leste ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PAVIMENTO RÍGIDO R E FLEXÍVEL Msc. Flavia Regina Bianchi Engª.. Isis Raquel Tacla Brito Engª.. Veronica Amanda Brombley

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS

DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS DEFEITOS, AVALIAÇÃO E RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS DEFEITOS DE SUPERFÍCIE DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS Defeitos de superfície Os defeitos de superfície são os danos ou deteriorações na superfície dos

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais /Departamento de Engenharia dos Materiais / carolineburatto@yahoo.com.br 2

Universidade Federal de Minas Gerais /Departamento de Engenharia dos Materiais / carolineburatto@yahoo.com.br 2 Análise da Eficácia de Métodos de Reforço em Ponte Rodoviária de Concreto Armado - Estudo de Caso Oliveira, Caroline Buratto de Lima 1 e, Calixto, José Márcio Fonseca 2, 1 Universidade Federal de Minas

Leia mais

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Caracterização e Reabilitação de Pavimentos Aeroportuários APVP EDUARDO FUNG Coordenador de Projectos da COBA e Director Técnico

Leia mais

Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys).

Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys). Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys). Relatório Mensal nº 01 Março 2014 PAVESYS ENGENHARIA 1 ÍNDICE 1. Introdução...

Leia mais

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO RECICLAGEM DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS A FRIO IN SITU RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Reciclagem a Frio in situ do Revestimento Asfáltico RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Concessionária INTERVIAS Poder

Leia mais

Técnicas de conservação dos pavimentos da rede BCR. Dora Baptista, Fernanda Caetano, Joana Martins e Armando Matos - Brisa, Engenharia e Gestão

Técnicas de conservação dos pavimentos da rede BCR. Dora Baptista, Fernanda Caetano, Joana Martins e Armando Matos - Brisa, Engenharia e Gestão Técnicas de conservação dos pavimentos da rede BCR Dora Baptista, Fernanda Caetano, Joana Martins e Armando Matos - Brisa, Engenharia e Gestão Índice 1. Rede BCR 2. Processo para definição das técnicas

Leia mais

3/6/2014 INTRODUÇÃO PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RÍGIDOS INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO APLICAÇÕES TÍPICAS INTRODUÇÃO. Primeiras placas de concreto

3/6/2014 INTRODUÇÃO PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RÍGIDOS INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO APLICAÇÕES TÍPICAS INTRODUÇÃO. Primeiras placas de concreto INTRODUÇÃO PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RÍGIDOS Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

CASOS PRÁTICOS DE ADEQUAÇÕES ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE OAE s. Eng. Júlio Timerman

CASOS PRÁTICOS DE ADEQUAÇÕES ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE OAE s. Eng. Júlio Timerman CASOS PRÁTICOS DE ADEQUAÇÕES ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE OAE s Eng. Júlio Timerman Estrutura da apresentação Introdução Panorama de Concessões Rodoviárias no Estado de São Paulo Patologias Típicas em OAEs

Leia mais

MINISTRO DOS TRANSPORTES Dr. Paulo Sérgio Oliveira Passos. DIRETOR GERAL DO DNIT Luiz Antonio Pagot

MINISTRO DOS TRANSPORTES Dr. Paulo Sérgio Oliveira Passos. DIRETOR GERAL DO DNIT Luiz Antonio Pagot MINISTRO DOS TRANSPORTES Dr. Paulo Sérgio Oliveira Passos DIRETOR GERAL DO DNIT Luiz Antonio Pagot DIRETOR EXECUTIVO DO DNIT Eng. o José Henrique Coelho Sadok de Sá INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS Eng.

Leia mais

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO 2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugal é o 5º país da Europa dos 27+6 (Turquia, Noruega, Suíça, Croácia, Macedónia e Islândia) com mais km de AEs por milhão

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS

Leia mais

ESTRADAS E TRANSPORTES 2

ESTRADAS E TRANSPORTES 2 MANUTENÇÃO DE PAVIMENTOS ESTRADAS E TRANSPORTES 2 Adaptado de Pavimentação Asfáltica Bernucci, L.B., Motta, L.M.G., Ceratti, J.A.P.,Soares, J. B. 1. Conceitos O desempenho adequado do conjunto de camadas

Leia mais

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS.

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. Ana Machado 1, Simona Fontul 2 e Ana Cristina Freire 3 1 Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade

Leia mais

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Ana Carolina da Cruz Reis Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil, anakkrol@gmail.com

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS PORTO ALEGRE MARÇO DE 2013 DADOS DO SERVIÇO: Cliente: DEAM - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FORO DA

Leia mais

Planilha de Preços Unitários

Planilha de Preços Unitários 1.0 F(5)100% + H(4) + Geogrelha + H(3) Fresagem Contínua do Pav. (e = 5,0 cm) m3 4.009,300 142,92 573.009,15 Selagem das juntas m 30.270,793 3,34 101.104,44 CBUQ Faixa B t 7.778,045 118,34 920.453,84 CBUQ

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt)

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) Pavimentos de Infraestruturas de Transportes Dimensionamento expedito 1/14 1 Acções (tráfego)

Leia mais

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC 33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC APLICAÇÃO DE RECICLAGEM A FRIO COM ESPUMA DE ASFALTO NA RESTAURAÇÃO DA BR-29 NO TRECHO ENTRE ELDORADO DO SUL E PORTO ALEGRE Marcelo Archanjo Dama 1 Fernando

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução Efeitos da Mudança da NBR 7188:2013 nos Projetos de Pontes. Estudo de Caso: Projeto de Recuperação da Ponte sobre o Rio Correias na BR 101/SC. Pauline Fonseca da Silva 1, Marcus Alexandre Noronha de Brito

Leia mais

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto Pavimentação Intertravada de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que

Leia mais

SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA

SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA Painel Energia Eólica + Construção Civil Vinicius Serves Dow.com AGENDA Deteriorização de Estruturas Proteção da Estrutura Proteção de Estruturas de Concreto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves AGOSTO 1997

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto para pavimentos com peças pré-moldadas de concreto no Município de São Paulo, orientando e padronizando os procedimentos de caráter

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ JONAS HENRIQUE TEIXEIRA ALGUMAS METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS DE BAIXO VOLUME DE TRÁFEGO Guaratinguetá 2012

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 042.212/2012-0

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 042.212/2012-0 GRUPO I CLASSE V PLENÁRIO TC-042.212/2012-0 Natureza: Relatório de Auditoria Responsáveis: Jorge Ernesto Pinto Fraxe (Diretor Geral do DNIT) e Terrabrás Terraplenagens do Brasil S.A. Unidade: Departamento

Leia mais

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1

3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 BNDES 3ª ETAPA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS - FASE 1 Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 BR 381 ES PROJETO TRECHO NORTE BR-381 SP RJ Produto 3B

Leia mais

DNIT. Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento NORMA DNIT 013/2004 - PRO. 2 Referências normativas... 2.

DNIT. Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento NORMA DNIT 013/2004 - PRO. 2 Referências normativas... 2. DNIT NORMA DNIT 013/2004 - PRO Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES Autor: Diretoria

Leia mais

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Valmir Bonfim Diretor Técnico do Grupo ANE Fresagem de pavimentos Microfresagem para

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO DA AVENIDA NOSSA SENHORA DA LUZ CURITIBA PR

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO DA AVENIDA NOSSA SENHORA DA LUZ CURITIBA PR APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO DA AVENIDA NOSSA SENHORA DA LUZ CURITIBA PR Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Ivan Macedo JULHO 1998 Revisado JANEIRO 2011 - Departamento

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS RELAÇÃO ENTRE DEFLEXÕES MEDIDAS COM VIGA BENKELMAN E FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER: ESTUDO DE CASO DURANTE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS DO DER-SP Dario Ramos Coordenador de Projetos

Leia mais

CURSO DE BOAS PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DE ABERTURA E FECHAMENTO DE VALAS E SUA FISCALIZAÇÃO

CURSO DE BOAS PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DE ABERTURA E FECHAMENTO DE VALAS E SUA FISCALIZAÇÃO Descrição CURSO DE BOAS PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DE ABERTURA E FECHAMENTO DE VALAS E SUA FISCALIZAÇÃO Sinopse O curso visa apresentar as diretrizes executivas de serviços com o objetivo de fixar a maneira

Leia mais

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios.

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios. e de pós reativos: características, aplicações e desafios. Wellington L. Repette, Prof. Dr., Eng. Civil (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC) Retração! Fissuras 1 Estruturas novas Reparo H2O

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície Linha P05 Cime Endurecedor mineral de superfície 1 Descrição. Composto granulométrico à base de cimento e agregados selecionados de origem mineral e/ou mineral metálica, para aplicações em sistema de aspersão

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL HERALDO DE ALCÂNTARA BITTENCOURT AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA COLMATAÇÃO DE

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC. (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa)

ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC. (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa) ANÁLISE EXPEDITA da Situação Física das Obras na Rodovia BR-470/SC (Duplicação e CREMA- 2ª Etapa) Setembro de 2015 Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC Glauco José Côrte Presidente

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS Assunto: REVITALIZAÇÃO DE PISOS ESPORTIVOS DE BASE ASFÁLTICA Data: 25/10/2012 Referência: OT REVITALIZAÇÃO DE PISO ESPORTIVO ASFÁLTICO Nº pág.: 07 OBJETIVO Demonstrar a utilização

Leia mais

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação 16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação Profa. Dra. Liedi Bariani Bernucci Professora Titular Coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação

Leia mais

Pavimentação com Sustentabilidade PREMISSAS DE PROJETO DO PAVIMENTO DE CONCRETO

Pavimentação com Sustentabilidade PREMISSAS DE PROJETO DO PAVIMENTO DE CONCRETO Pavimentação com Sustentabilidade PREMISSAS DE PROJETO DO PAVIMENTO DE CONCRETO Ronaldo Vizzoni ENG.º MARCOS DUTRA DE CARVALHO Chave do sucesso Materiais de boa qualidade Projeto correto Construção adequada

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas submetidas a tráfego leve e médio no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO DA RODOVIA PER RODOVIA BR-116/ - PRESIDENTE DUTRA TRECHO: RIO DE JANEIRO SÃO

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

Pavimentação - reabilitação de pavimentos rígidos

Pavimentação - reabilitação de pavimentos rígidos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

DNIT. Pavimento rígido Reabilitação Especificação de serviço NORMA DNIT 067/2004 - ES. Prefácio. Resumo

DNIT. Pavimento rígido Reabilitação Especificação de serviço NORMA DNIT 067/2004 - ES. Prefácio. Resumo NORMA DNIT 067/2004 - ES DNIT Pavimento rígido Reabilitação Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA

Leia mais

Usinas Hidrelétricas. Soluções para construção, recuperação e estanqueidade de usinas hidrelétricas e barragens

Usinas Hidrelétricas. Soluções para construção, recuperação e estanqueidade de usinas hidrelétricas e barragens Usinas Hidrelétricas Soluções para construção, recuperação e estanqueidade de usinas hidrelétricas e barragens MC-Bauchemie Presente nas principais obras de usinas hidrelétricas do país. O Brasil apresenta

Leia mais

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS Angelo Derolle Filho SISTEMA VULKEM PRINCIPAIS VANTAGENS Sistema Impermeável

Leia mais

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com ASFALTO ADICIONADO COM GRANULADO DE BORRACHA IN SITU. Procuramos uma rodovia estadual

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1)

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

DNIT. Pavimentos asfálticos Fresagem a frio Especificação de serviço. Prefácio. Resumo

DNIT. Pavimentos asfálticos Fresagem a frio Especificação de serviço. Prefácio. Resumo DNIT Novembro/2011 NORMA DNIT 159/2011-ES Pavimentos asfálticos Fresagem a frio Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA

Leia mais

Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, theisenkm@yahoo.com.br

Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, theisenkm@yahoo.com.br METODOLOGIA DE EMPREGO DE SOFTWARES DE RETROANÁLISE DE BACIAS OBTIDAS VIA FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER (FWD) CONSIDERANDO CASOS DE CARREGAMENTO COM EIXO PADRÃO Klaus Machado Theisen Universidade Federal

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE PAVIMENTOS A SEREM IMPLANTADAS EM SOLOS DA FORMAÇÃO PALERMO - ESTUDO DE CASO

DETERMINAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE PAVIMENTOS A SEREM IMPLANTADAS EM SOLOS DA FORMAÇÃO PALERMO - ESTUDO DE CASO Artigo Submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - DETERMINAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE PAVIMENTOS A SEREM IMPLANTADAS EM SOLOS DA FORMAÇÃO PALERMO - ESTUDO DE CASO RESUMO Cláudia Borges Fenali (1), Adailton

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA AUTORIA: MANUEL J. C. MOLARES D ABRIL & TERESINHA BERNARDA GASPAR

Leia mais

Innovation in Building Chemicals

Innovation in Building Chemicals Innovation in Building Chemicals Engº José Roberto Saleme Jr. MC-Bauchemie MC Muller Chemie Bau Construção Chemie Químicos MC-Bauchemie Multinacional Alemão Privado 48 anos de experiência 19 fábricas e

Leia mais

TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS. Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela

TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS. Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela A CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 DO METRÔ CENÁRIO EXISTENTE VIAS ARTERIAIS DE TRÁFEGO INTENSO.

Leia mais

DER/PR ES-P 31/05 PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO

DER/PR ES-P 31/05 PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO PAVIMENTAÇÃO: FRESAGEM À FRIO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

Revestimentos Asfálticos SMA. 6 o Encontro Técnico DER - PR osvaldo.tuchumantel@betunel.com.br Maio de 2008

Revestimentos Asfálticos SMA. 6 o Encontro Técnico DER - PR osvaldo.tuchumantel@betunel.com.br Maio de 2008 Revestimentos Asfálticos SMA 6 o Encontro Técnico DER - PR osvaldo.tuchumantel@betunel.com.br Maio de 2008 Benefício do Investimento em Pavimentação: Manter baixa irregularidade dos pavimentos investimentos

Leia mais

PISOS EM CONCRETO ARMADO

PISOS EM CONCRETO ARMADO PISOS EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS Pisos armados são estruturas constituídas por placas de concreto, armadura em telas soldadas posicionada a 1/3 da face superior, por juntas com barras de transferência,

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Autor: João Duarte Guimarães Filho Nos últimos 40 anos temos realizado algumas intervenções para evitar gotejamento de águas e saturação dos sistemas de ventilação e iluminação

Leia mais

Agosto de 2006. MBrace ARI DE PAULA MACHADO

Agosto de 2006. MBrace ARI DE PAULA MACHADO Agosto de 2006 O Sistema Composto 1 CARACTERISTICAS DA FIBRA DE CARBONO UTILIZADA NO SISTEMA Fibra de Carbono do Sistema 2 SISTEMAS COMPOSTOS ESTRUTURADOS COM FIBRAS DE CARBONO FIBRA DE CARBONO MATRIZ

Leia mais

ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG

ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG Luiz Henrique Costa Gomes Universidade Federal de Ouro Preto Cláudio Ângelo

Leia mais

TUBOS TECIDOS DE ALTA TENACIDADE

TUBOS TECIDOS DE ALTA TENACIDADE TUBOS TECIDOS DE ALTA TENACIDADE DESIDRATAÇÃO DE LODOS O QuiniTube ECO é um sistema de desidratação de lodos e sedimentos contaminados. São tubos constituídos por tecidos de alta tenacidade e permeáveis,

Leia mais

13 o Encontro Técnico DER-PR

13 o Encontro Técnico DER-PR 13 o Encontro Técnico DER-PR Imprimaduras Impermeabilizante e Ligante Osvaldo Tuchumantel Jr. Imprimadura ato ou efe ito de imprima r Impermeabilizante - Aplicação uniforme de material betuminoso sobre

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-08/94 Instrução

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 11 Ensaio de Fadiga Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Fadiga. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Introdução Quando são aplicados esforços

Leia mais