Prevenção de Perda de Dados. Prevenção de Perda. Cuidados no manuseio de dados e informações.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prevenção de Perda de Dados. Prevenção de Perda. Cuidados no manuseio de dados e informações."

Transcrição

1 Prevenção de Perda de Dados Prevenção de Perda de Dados Cuidados no manuseio de dados e informações. Marketing Gantech Maio 2014

2 Sumário Introdução... 4 Conceito... 5 Custos e consequências... 6 A Prevenção de Perda de Dados... 7 Implantando o sistema... 8 Conclusão... 9 ESTE MATERIAL É APENAS PARA CONTEÚDO INFORMATIVO, PODENDO CONTER DADOS E VARIAÇÕES TÉCNICAS DE CARÁTER EXCLUSIVO AOS CENÁRIOS EM QUE FORAM IMPLANTADOS, SERVINDO APENAS COMO REFERÊNCIA PARA CONSULTA Gantech Information Safety. Todos os direitos reservados. É vedada a reprodução do conteúdo deste material sem a prévia permissão de seus autores assim como de maneira inadequada e a distorcer seu conteúdo.

3 Prevenção de Perda de Dados 4 Introdução Vivemos em um mundo no qual a informação é fundamental. Atualmente por minuto são geradas milhares de novas publicações e dados para fundamentar desde processos educacionais até tomadas de decisões nos negócios. Relatórios, credenciais de acesso, bancos de dados e mais uma infinidade de informações fazem parte deste universo interdependente que se movimenta em uma velocidade absurdamente imperceptível aos nossos olhos e atenções. Entretanto só se dá conta de que elas realmente estão ali quando precisamos delas. Um exemplo claro desta interdependência onde as informações são fundamentais é o chamado BI (Business Intelligence), que consiste em manejar corretamente as informações de maneira estratégica, orientando os executivos a fundamentarem suas ações e planejamentos, sejam eles a curto, médio ou longo prazo. Mas e quando o uso destas informações não se faz necessário, é justo que as deixemos simplesmente ali desprotegidas? Se elas são tão necessárias nos momentos em que lembramos delas, tão logo deve-se pensar em cuidar delas também quando estão à nossa disposição prontas para ajudar.

4 5 Prevenção de Perda e Dados Conceito Inúmeros esforços vêm sendo feitos ao longo do tempo para proteger informações frente a um crescente número de violações e perdas de dados, somados aos altos custos decorrentes das ações tardias tomadas para evitar prejuízos após o fato ocorrido. Entretanto, nota-se que as boas práticas em segurança da informação na maioria das organizações não se fazem presente facilitando o tráfego e manuseio de informações sem qualquer tipo de controle. Na Segurança da Informação, preconizamos que prevenir não é somente melhor que remediar. Prevenir é coibir a ação de indivíduos mal-intencionados que podem fazer uso indevido de dados e informações que não possuem nenhum tipo de vigilância. Atuar na limitação ou controle do acesso dos funcionários ao conteúdo privativo e confidencial da empresa é cercar o patrimônio imaterial da organização. Uma vez que este conteúdo cai na mão de quem visa fazer o mal, é prejuízo para a empresa na certa! Mas somente a prevenção e controle de acesso já são suficientes? Não. Há muito mais a ser feito.

5 Prevenção de Perda de Dados 6 Custos e consequências O vazamento e perda de informações pode ser catastrófico para uma organização. Casos anteriores de vazamentos dão conta de prejuízos milionários. Estima-se que o custo médio individual por dado vazado chegue a US$ e com base neste valor, calcula-se que só no ano de 2012 houve um custo médio de US$ 5,4mi se somados todos os vazamentos de dados registrados. Entretanto os prejuízos não se limitam somente às esferas materiais. A reputação da empresa sofre sérias consequências, perdendo valor de mercado e confiança entre clientes e fornecedores. Além de alguns casos, por estar sob legislação, a organização pode enfrentar punições em virtude desta perda e vazamento de dados. 1 *2013 Cost of Data Breach Study: Global Analysys, Ponemon Institute, May 2013.

6 7 Prevenção de Perda e Dados A Prevenção de Perda de Dados Manter os dados seguros e livre de roubos e usos indevidos, teoricamente parece ser a função principal da Prevenção de Perda de Dados. Mas como classificar essas informações de modo a limitar acesso customizado e garantir a vigilância permanente? Um sistema de Prevenção de Perda de Dados age como um guardião, aplicando controles customizados sobre diferentes informações dos mais variados tipos, relevância e grau de confidencialidade. Sua atuação é global e integral, disponível a partir de um dispositivo de UTM (Unified Threat Management). O DLP, como é usualmente conhecido o Sistema de Prevenção de Perda de Dados, previne o vazamento de informações atuando como um scanner permanente em tudo que está em movimento e previamente classificado. Seja o tráfego via , web ou FTP, por exemplo. A inspeção é automática e pode contar com centenas de regras, já prédefinidas ou não, para atender com eficiência as diversas necessidades de vigilância das informações da empresa. Já os tipos de arquivos que são cobertos pelo scanner podem chegar a mais de 30 extensões diferentes. Sempre que determinado dado é movimentado de maneira inadequada conforme estabelecida na diretriz de segurança, o sistema bloqueia a operação e registra as tentativas em um relatório que pode ser facilmente acessado pelo gestor de segurança. As definições de segurança contra o vazamento também podem ser classificadas de acordo com a usabilidade dos dados (ex: informações pessoais, financeiras, médicas e etc.). O sistema de Prevenção de Perda de Dados (DLP) pode ser também um parceiro essencial para organizações que seguem regras rígidas de compliance. Sensores embutidos podem detectar e determinar regras específicas em casos de PCI DSS e HIPAA. As diretrizes e regras podem ser atualizadas periodicamente visando manter a máxima estrutura de vigilância do sistema.

7 Prevenção de Perda de Dados 8 Implantando o sistema Para implantar um sistema de Prevenção de Perda de Dados (DLP), englobando monitoramento de conteúdo, criptografia e políticas de compliance, é necessário que haja preparação. Um planejamento cuidadoso garante o sucesso da estratégia e facilita a implantação otimizando tempo e resultados. Orientamos seguir as etapas: Passo 1: Entender quais regulamentações relativas ao segmento de atuação atuam diretamente na empresa. Há casos de legislações específicas para o segmento financeiro, por exemplo, em que há necessidade de seguir regulamentações como PCI DSS. Certifique-se das regulamentações que se aplicam e havendo dúvidas, consulte seu departamento jurídico para esclarecimentos. Passo 2: Dê o pontapé inicial internamente. O sucesso no início do processo garantirá a qualidade final do trabalho e a consistência do sistema de proteção. Defina prazos e objetivos, como por exemplo iniciar pelos dados pessoais, informações de propriedade intelectual da empresa e etc. Passo 3: Assegure a participação dos membros de alto escalão no processo. Como em todos os projetos de TI, será necessário que todos os membros do board deem suporte na definição das estratégias para prevenção de perda de dados. Passo 4: Determine representantes do projeto pela empresa. Aconselhamos incluir um colaborador de cada departamento para guiar a definição e categorização do que é relevante e importante como sensibilidade de dados. Recomendamos incluir também um executivo nível sênior para contribuir com sua expertise. Passo 5: Identifique os dados existentes. É extremamente importante determinar quais tipos de dados que serão cobertos, bem como sua localização para facilitar a identificação nos monitoramentos. Ter em mente como e por quem estes dados são utilizados ajuda a compreender a importância de cada um deles e a quais outros elementos eles podem estar expostos. Passo 6: É hora de avaliar os riscos e os impactos que cada dado pode ocasionar se ocorrer perda ou vazamento. Com estas informações é possível priorizar os riscos e elencar as prioridades. Passo 7: Desenhe as políticas para identificação da sensibilidade dos dados e ações de interceptação. Passo 8: Eduque os usuários. Mostre a importância do uso correto das informações, objetivos do plano e consequências das ações.

8 9 Prevenção de Perda e Dados Conclusão A perda ou vazamento de dados para uma organização pode ser letal. Além da implantação de sistemas de proteção eficientes, espera-se que haja um fortalecimento na cultura organizacional do uso correto das informações. Estabelecer regras e punições para quem as infringir é dar o suporte às estratégias técnicas de DLP implantadas. O plano de defesa e gerenciamento das informações não deve considerar o custo como seu fator decisório. Deve-se fazer os investimentos corretos, é claro, porém entender a necessidade de contar com uma proteção deste nível é essencial.

9 CONHEÇA NOSSOS SERVIÇOS Network Security Data Protection Risk & Compliance Serviços Gerenciados Security Manager Suporte Técnico

10 Alameda Olga, 422 Conj. 112 Barra Funda São Paulo/SP

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

Nossa tecnologia. Seu sucesso.

Nossa tecnologia. Seu sucesso. Nossa tecnologia. Seu sucesso. Werner Stegmüller and Dr. Peter Buthmann Membros do Conselho de Gerenciamento da KSB AG Membros do Conselho de Gerenciamento da KSB AG. É basicamente uma questão de evolução

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA... 2 1. Considerações Gerais... 3 2. MISSÃO, VISÃO, VALORES... 3 Missão da GPS... 3 Visão da GPS... 3 Valores da GPS... 3 3. Padrão Geral de Conduta

Leia mais

Monitoramento de contratos com terceiros

Monitoramento de contratos com terceiros Monitoramento de contratos com terceiros Conheça a solução que permite o monitoramento adequado, visando à mitigação de riscos e à otimização dos contratos com terceiros www.kpmg.com.br Como funciona o

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

US$ 62,5 bilhões Estimativa a partir de dezembro de Fonte: Forbes

US$ 62,5 bilhões Estimativa a partir de dezembro de Fonte: Forbes US$ 62,5 bilhões Estimativa a partir de dezembro de 2015 Fonte: Forbes Novas demandas Mais coisas Ameaças especializadas Colaboração global Acesso em qualquer lugar Consumerização de TI (BYOD) 30% Mensagens

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017

Superintendência de Riscos e Controles 15/03/2017 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Superintendência de Riscos e Controles. 2 Abrangência 2.1 Esta Política orienta o comportamento da BB Seguridade e suas sociedades controladas. Espera-se que as empresas

Leia mais

Política de segurança da informação Normas

Política de segurança da informação Normas Política de Segurança das Informações Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Anhanguera Taboão da Serra Normas 2 BS 7799 (elaborada pela British Standards Institution). ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

onvergência dos Processos

onvergência dos Processos onvergência dos Processos de Gestão de Riscos, Auditoria Interna, Controles Internos e Compliance Situação Atual Convergência Funções e Atividades (Situação Atual) Acionistas Processo de informação e divulgação

Leia mais

SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS GESTORA DE RECURSOS S.A.

SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS GESTORA DE RECURSOS S.A. Assunto Norma de Conflito de Interesses Data 30 de Novembro de 2016 Elaborado Área Fabio Traldi Riscos e Compliance Aprovado Área Gustavo Rezende Superintendência de Riscos e Compliance Aprovado ou Revisado

Leia mais

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e Controles Internos MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 1 de 7 Manual de Compliance, Regras, Procedimentos e MANUAL - ECO GESTÃO DE ATIVOS PAG.: 2 de 7 ÍNDICE 1) Introdução...3 2) Responsabilidade da Área...3 3) Monitoramento

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Gerência de Redes. Modelo de Gerenciamento OSI

Gerência de Redes. Modelo de Gerenciamento OSI Gerência de Redes Modelo de Gerenciamento OSI Modelo de Gerenciamento OSI e Modelo de Gerenciamento SNMP Vários modelos foram criados por diversos órgãos com o objetivo de gerenciar redes, dados e telecomunicações

Leia mais

BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC

BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC 1. INTRODUÇÃO A Política de Segurança da Informação, pode ser usada para definir as interfaces entre os utilizadores, fornecedores

Leia mais

CODIGO DE ETICA E CONDUTA

CODIGO DE ETICA E CONDUTA A quem se destina este Manual CODIGO DE ETICA E CONDUTA Este documento estabelece importantes diretrizes para o cumprimento dos padrões da companhia, no que se refere às práticas comerciais e aos negócios.

Leia mais

SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DTVM S.A.

SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DTVM S.A. Assunto Norma de Conflito de Interesses Data 30 de Novembro de 2016 Elaborado Área Fabio Traldi Riscos e Compliance Aprovado Área Gustavo Rezende Superintendência de Riscos e Compliance Aprovado ou Revisado

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

FORCEPOINT DLP ENDPOINT

FORCEPOINT DLP ENDPOINT FORCEPOINT DLP ENDPOINT BLOQUEIE AMEAÇAS AVANÇADAS E PROTEJA DADOS CONFIDENCIAIS PARA USUÁRIOS EM ROAMING FORCEPOINT DLP ENDPOINT BLOQUEIE AMEAÇAS AVANÇADAS E PROTEJA DADOS CONFIDENCIAIS PARA USUÁRIOS

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS E SOLUÇÕES. Departamento Comercial DOCUMENTO PÚBLICO RESTRIÇÃO: SEM RESTRIÇÃO

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS E SOLUÇÕES. Departamento Comercial DOCUMENTO PÚBLICO RESTRIÇÃO: SEM RESTRIÇÃO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS E SOLUÇÕES Departamento Comercial Quem é a ABCTec Atuando no mercado de TI desde 1996, a ABCTec está hoje focada em oferecer soluções voltadas à Segurança da Informação. Com uma equipe

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 11 Tema:

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

Política de Decisão de Investimento, Seleção e Alocação de Ativos e Rateio e Divisão de Ordens

Política de Decisão de Investimento, Seleção e Alocação de Ativos e Rateio e Divisão de Ordens Política de Decisão de Investimento, Seleção e Alocação de Ativos e Rateio e Divisão de Ordens GAP Asset Management Última Atualização: Março de 2017 Disponível internamente e no website da GAP 1 Introdução

Leia mais

Política de Prevenção à. Corrupção

Política de Prevenção à. Corrupção Política de Prevenção à Corrupção Versão atualizada 22.04.2015 Page 1 of 5 1. OBJETIVOS A Política de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de estabelecer as diretrizes para detectar e sanar

Leia mais

EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI

EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI EQUIPE: MATEUS FERREIRA 3º Período JACKSON CALHAU JUN / 2014 FRANCISCO DE ASSIS RODRIGO LIMA ROBSON MATEUS

Leia mais

10 RAZÕES P A R A A T E R C E I R I Z A Ç Ã O D A Á R E A D E T. I.

10 RAZÕES P A R A A T E R C E I R I Z A Ç Ã O D A Á R E A D E T. I. 10 RAZÕES P A R A A T E R C E I R I Z A Ç Ã O D A Á R E A D E T. I. A Alerta Security desenvolveu uma metodologia para ajudar as empresas a manter o foco em sua atividade fim, tornando-se, assim, cada

Leia mais

Norma 2110 Governança

Norma 2110 Governança Norma 2110 Governança A atividade de auditoria interna deve avaliar e propor recomendações apropriadas para a melhoria do processo de governança no seu cumprimento dos seguintes objetivos: Promover a ética

Leia mais

Insider Threat Data Protection

Insider Threat Data Protection Insider Threat Data Protection OBTENHA VISIBILIDADE INCOMPARÁVEL DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS E SEUS DADOS Insider Threat Data Protection VISIBILIDADE INCOMPARÁVEL DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS E DA MOVIMENTAÇÃO

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA E LAYOUT

PROJETO DE FÁBRICA E LAYOUT PROJETO DE FÁBRICA E LAYOUT Ricardo A. Cassel Escopo da disciplina Foco no planejamento de instalações de manufatura Contudo, os princípios e práticas valem para instalações tão variadas quanto um hospital,

Leia mais

Política de Privacidade Engoo

Política de Privacidade Engoo Política de Privacidade Engoo 1. Política de proteção de informações pessoais DMM.com Co., Ltd. (a seguir, "nós", "nosso", "nos") se esforça em gerenciar informações pessoais corretamente em reconhecimento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS TERCON INVESTIMENTOS LTDA.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS TERCON INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS TERCON INVESTIMENTOS LTDA. AGOSTO 2016 Mensagem dos sócios aos clientes/investidores Nosso modelo proporciona a melhor relação custo/benefício, permite a operação com baixo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

Gerenciamento de relacionamento com o consumidor

Gerenciamento de relacionamento com o consumidor Gerenciamento de relacionamento com o UNIBAN Instituto de Comunicação Curso de Tecnologia em Marketing Unidade Tatuapé SP Disciplina Estratégias de Marketing Prof. Me. Francisco Leite Aulas de 18/10/2011.

Leia mais

Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio

Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio Gerenciamento de Crises e Continuidade do Negócio Palestrante Washington Grimas Arquiteto de Soluções de TI ITIL COBIT PMI TOGAF DOCENTE Objetivos Conceitos e Definições Fatores Críticos de Sucesso Normatizações

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

Projeto Integrador Sistema de Gestão Empresarial

Projeto Integrador Sistema de Gestão Empresarial Projeto Integrador Sistema de Gestão Empresarial Faculdade Senac Goiás Gestão de Tecnologia da Informação Disciplina: Sistema de Gestão Empresarial Professor: Itair Aluno: Estevão Elias B. Lopes Introdução

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP 1. OBJETIVO A Gestão de Risco da CDP visando dar segurança e consistência aos processos da Companhia, bem como levantar informações a fim de auxiliar a Alta Direção da

Leia mais

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO

POLÍTICA. TÍTULO: PLT-SGR Política do SGSI - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 1/5 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO APROVADO 0000536 - André Delgado- SEGURANCA Danielle Souza; Oscar Zuccarelli; HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA REV. ALTERAÇÕES Atualização do item 2.2 - Solicitar

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA)

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) 1. CONTEÚDO E INTRODUÇÃO O estabelecimento da Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) visa a melhoria da Governança Corporativa e considera,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 12/5/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 AÇÕES

Leia mais

BLINDAGEM LEGAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA BANCO DIGITAL

BLINDAGEM LEGAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA BANCO DIGITAL BANCO DIGITAL BLINDAGEM LEGAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA BANCO DIGITAL PASSO 1 Análise de Viabilidade Jurídica de Inovação Tecnológica PASSO 2 Oferta com contratação totalmente digital e/ou biométrica

Leia mais

Manual de Procedimentos e Políticas Operacionais

Manual de Procedimentos e Políticas Operacionais Manual de Procedimentos e Políticas Operacionais Junho de 2016 Av Pedroso de Morais 1619 cj 110 05419-001 São Paulo SP 55 11 3038 1287 setinvestimentos.com.br Índice I. Sumário Executivo... 2 II. Política

Leia mais

Possibilidade de ocorrência de perdas decorrentes de danos socioambientais.

Possibilidade de ocorrência de perdas decorrentes de danos socioambientais. 1. Conteúdo e Introdução O estabelecimento da Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) visa a melhoria da Governança Corporativa e considera, de forma integrada, as dimensões econômica, social

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA.

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Segurança da Informação Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Gestão de Segurança da Informação... 2 (C)

Leia mais

Gerenciar crises com confiança

Gerenciar crises com confiança www.pwc.com.br Gerenciar crises com confiança Preparar. Responder. Recuperar Atualmente, as organizações enfrentam crises com mais frequência. O modo como elas se preparam para essas circunstâncias e respondem

Leia mais

Ransomware e Ameaças Avançadas: Quais os Impactos Jurídicos?

Ransomware e Ameaças Avançadas: Quais os Impactos Jurídicos? Ransomware e Ameaças Avançadas: Quais os Impactos Jurídicos? Franzvitor Fiorim Especialista em Segurança da Trend Micro Adriano Mendes Sócio-Fundador, Assis e Mendes Advogados Copyright 2 2013 Trend Micro

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE PRIVACIDADE

LEGISLAÇÃO DE PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO DE PRIVACIDADE Estes regulamentos são aplicáveis a todos os sites da Petrol Raccord S.p.A. (C.F. o qual possui um endereço URL. O documento tem por objetivo a expressão dos critérios e práticas

Leia mais

Vazamento de Informações Corporativas

Vazamento de Informações Corporativas Webinar Vazamento de Informações Corporativas Foco na Distribuição e Compartilhamento de Documentos Sensíveis 2 Agenda Sobre a fiandeira tecnologia O que fazemos Soluções de conectividade para ambientes

Leia mais

Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores

Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores Assunto Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores Data 30 de junho de 2016 Páginas. 5 De Eros Henriques Dalhe e Rodrigo Gatti Telefone 3509 6600 Área Diretoria de Operações Para As sociedades

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade 1. Introdução 1.1 Estamos empenhados em guardar com segurança a privacidade dos visitantes do nosso site; nesta política, vamos explicar como vamos tratar a sua informação pessoal.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 3 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 SISTEMAS E BACKUPS... 5 SEGREGAÇÃO DE ATIVIDADES... 5 VIGÊNCIA E ATUALIZAÇÃO... 6 POLÍTICA DE SEGURANÇA

Leia mais

Fonte : sistemaerp.org

Fonte : sistemaerp.org Fonte : sistemaerp.org O QUE É SISTEMA ERP? ERP- ENTERPRISE RESOURCE PLANNING É um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais

Leia mais

ADOTI. Solução para Gestão de Ambientes de TI

ADOTI. Solução para Gestão de Ambientes de TI ADOTI Solução para Gestão de Ambientes de TI Quem é a ABCTec Atuando no mercado de TI desde 1996, a ABCTec está hoje focada em oferecer soluções voltadas à Segurança da Informação. Com uma equipe de profissionais

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

Política de Investimentos Pessoais

Política de Investimentos Pessoais Política de Investimentos Pessoais Skopos Investimentos Ltda. Ficha Técnica: Título: Política de Investimentos Pessoais. Área responsável: Compliance. Descrição do documento: A presente Política traz as

Leia mais

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS.

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Novas demandas de mercado exigem que modelos técnicos consagrados sejam incorporadas a novas tecnologias, novos conhecimentos

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento. Instrutor: José Roberto Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 5 S Introdução PROGRAMA 5 S Surgiu no Japão final da década de 60 - É a visão sistêmica de todos os agentes envolvidos no processo produtivo,

Leia mais

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MAUÁ INVESTIMENTOS LTDA. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MAIO 2016 Sumário Introdução... 3 Abrangência... 3 Risco de mercado... 3 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Risco operacional... 5 Organograma...

Leia mais

Boletim 41: Política de Informações Confidenciais

Boletim 41: Política de Informações Confidenciais SUMÁRIO EXECUTIVO Objetivo: Aplicação: Comunicar a política da Fitch Ratings relativa à proteção e permissão para divulgação de Informação Confidencial, incluindo Informação Importante Não Pública. Fitch

Leia mais

RICOH SIM. Solução Integrada Ricoh de Monitoramento e Gerenciamento de Ativos de TI.

RICOH SIM. Solução Integrada Ricoh de Monitoramento e Gerenciamento de Ativos de TI. RICOH SIM Solução Integrada Ricoh de Monitoramento e Gerenciamento de Ativos de TI www.ricoh.com.br Solução Integrada Ricoh de Monitoramento e Gerenciamento de Ativos de TI. Essa solução engloba uma série

Leia mais

Ética, Governança e Compliance. Marcelo Coimbra

Ética, Governança e Compliance. Marcelo Coimbra Ética, Governança e Compliance Marcelo Coimbra Ética Empresarial A ética empresarial é o conjunto de valores que regem uma empresa e formam uma filosofia organizacional. Essa filosofia possui princípios

Leia mais

ÍNDICE 3. COLETA DE INFORMAÇÕES PELO PORTAL INSTITUCIONAL

ÍNDICE 3. COLETA DE INFORMAÇÕES PELO PORTAL INSTITUCIONAL POLÍTICA Classificação da Informação: EXTERNA Política: PSI-013 - POLÍTICA DE PRIVACIDADE Versão: 1.0 Vigência: 01.08.2016 Atualização: 10.08.2017 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. USO DE COOKIES 3. COLETA DE INFORMAÇÕES

Leia mais

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias SUMÁRIO 1. Introdução/ prefácio...9 2. O que faz o Gerente quando administra bem os Recursos Humanos da

Leia mais

MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA.

MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA. MANUAL DE RISCO OPERACIONAL TERRA NOVA GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DE NEGOCIOS LTDA. 1 Sumário Introdução...3 Definições...3 Gerenciamento de Risco...3 Apoio ao Gerenciamento...4 Escopo de Atuação de Risco...4

Leia mais

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS REGRAS, PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A 1 1. SUMÁRIO Em atendimento a Instrução CVM nº 558, o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (doravante denominado simplesmente

Leia mais

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias 14/06/2013 Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias Luiz Umberto Modenese Diretor de Auditoria Cielo Canal de Denúncias - conceituação Processo para gestão de riscos corporativos Recebe informações

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Cláudio Dodt, CISA, CISSP, CRISC, ISMAS Consultor Senior Gerente regional - Nordeste claudio.dodt@daryus.com.br Quem é a DARYUS? Empresa 100% nacional especializada em Continuidade,

Leia mais

POLÍTICA DA CENTRAL DE SERVIÇO DE TI. Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DA CENTRAL DE SERVIÇO DE TI. Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DA CENTRAL DE SERVIÇO DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. ABRANGÊNCIA DA CENTRAL DE SERVIÇO... 3 4. FERRAMENTA UTILIZADA

Leia mais

É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI

É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI É a proximidade que nos faz enxergar com o mesmo olhar de nossos clientes. AOXTI Fones: (11) 3431-8113 * 4044-8144 * 4044-7448 Email: comercial@aoxti.com.br www.aoxti.com.br Apresentação Síntese das Atividades

Leia mais

Política de Investimentos Pessoais Pessoas Vinculadas

Política de Investimentos Pessoais Pessoas Vinculadas Política de Investimentos Pessoais Pessoas Vinculadas JURISDIÇÃO GEOGRÁFICA AND BAH BRA ESP ISR LUX MEX MON PAN SUI URU USA X A informação contida neste documento é de uso interno e propriedade do Grupo

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA CAPÍTULO I Definição e Finalidade Versão 01-Ago-13 Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Visão Geral dos O é fundamental para o gerenciamento de um ambiente de TI, uma vez que a eficácia é seriamente comprometida se uma organização não souber quais ativos de software ela possui, onde estão

Leia mais

B e n e f í c i o s. Gestão da Saúde

B e n e f í c i o s. Gestão da Saúde B e n e f í c i o s Gestão da Saúde O GRUPO NUNES & GROSSI Atuamos no mercado de benefícios, oferecendo produtos de qualidade e criados sob medida para você, sua família ou empresa. Através da nossa Administradora

Leia mais

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão

POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. 2ª Versão POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, AUTOMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS 2ª Versão Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Princípios... 4 4 Diretrizes... 5 5 Responsabilidades... 5

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

ASSESSORIA E CONSULTORIA INTERNACIONAL EM PROJETOS DE ENERGIA RENOVÁVEL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

ASSESSORIA E CONSULTORIA INTERNACIONAL EM PROJETOS DE ENERGIA RENOVÁVEL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ASSESSORIA E CONSULTORIA INTERNACIONAL EM PROJETOS DE ENERGIA RENOVÁVEL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Sumário 01. Apresentação...02 Criando oportunidades econômicas e sociais sustentáveis para as próximas gerações

Leia mais

UMA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI RESUMO

UMA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI RESUMO UMA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI Maurício Rocha Lyra Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) Cláudio Gottschalg Duque RESUMO A Information

Leia mais

Programa obrigatório em qualquer empresa que possua funcionários regidos pela CLT, independente da quantidade. Deve ser coordenado por Médico com

Programa obrigatório em qualquer empresa que possua funcionários regidos pela CLT, independente da quantidade. Deve ser coordenado por Médico com Saúde e Segurança no Trabalho Gestão de Segurança na Construção Civil e Seus Pontos Positivos PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional O que é? Programa obrigatório em qualquer empresa que

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento de Capital Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA

BONSUCESSO ASSET ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: GERÊNCIA DE RISCOS JULIANA PENTAGNA GUIMARÃES Diretoria da Sociedade LEANDRO SALIBA Diretoria da Sociedade INDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS... 2 3. CONCEITO... 2 4. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS DA JUNHO 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo... 3 2. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 2.1. Diretrizes... 3 3. RISCO DE MERCADO... 4 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 5 4.1. Introdução...

Leia mais