Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes"

Transcrição

1 CASOS CLÍNICOS

2 Caso clínico nº 1 M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes Trazida a consulta de Pediatria por - corrimento vaginal recorrente desde há 3 meses e prurido

3 Caso clínico nº1 História clínica - Desde há 3 meses apresenta desconforto vulvovaginal e prurido; leucorreia escassa; sem melhoria com as medidas de higiene específicas - Nega queixas urinárias ou alterações do trânsito intestinal - Nega alterações do estado geral, emagrecimento, polidipsia ou polifagia; sem infeções recentes. - Nega história de possível corpo estranho, nega possível abuso sexual

4 Caso clínico nº 1 Quando questionada, a mãe referia agravamento das queixas à noite, com prurido intenso perianal

5 Caso clínico nº 1 Ao exame objetivo: Rubor vulvar e vaginal Escoriações (aparentes lesões de coceira) perineais

6 Caso clínico nº 1 Diagnósticos diferenciais de vulvovaginite na criança pré púbere: Inespecíficas+++ Streptococus pyogenes Haemophilus influenzae tipo b Stafilococus aureus Enterobius vermicularis Outras causas Corpo estranho Alterações pele vulvar Reação alérgica DST N. gonorrhoeae Chlamydia trachomatis HSV

7 Caso clínico nº 1

8 Ovos de Enterobius vermicularis

9 Enterobius vermicularis

10 Caso clínico nº 1 Tratamento empírico: erradicar o oxiúros Todos os conviventes devem ser tratados Terapêutica eficaz com : Pamoato de pirantel OU Mebendazol OU Albendazol Deve ser repetido tratamento passadas 2 semanas

11 Caso clínico nº 1 A vulvovaginite é devida a organismos coliformes transportados pelo oxiúros. Devem ser tomadas atitudes gerais para as vulvovaginites inespecíficas.

12 Caso clínico nº 2

13 Caso clínico nº 2 A.R.T., 17 anos de idade Sexo feminino Antecedentes Pessoais irrelevantes Menarca aos 14 anos de idade. Inicio da atividade sexual aos 16 anos Novo parceiro sexual há 1 mês

14 Caso clínico nº 2 Trazida ao SU por corrimento purulento com 1 semana de evolução; Desconforto vulvar, disúria Exame objetivo: leucorreia esverdeada

15 Caso clínico nº 2 Diagnósticos diferenciais vulvovaginite idade púbere Candida albicans Vaginose bacteriana Trichomonas vaginalis Outras DST Gonococo, Chlamydia HSV

16 Caso clínico nº 2 Exame ginecológico (avaliação por Ginecologia) Recolha do exsudado Zaragatoa para PCR Gonococo e Chlamydia trachomatis Rastreio de VHB, VIH, Sífilis

17 Caso clínico nº 2 Tratamento: Peso= 55 Kg Ceftriaxone 250 mg IM dose única Dado não ser possível excluir infecção por Chlamydia trachomatis, efectua terapêutica empírica com Azitromicina 20 mg/kg (máx 1 g) Tratar o parceiro

18 Caso clínico nº 2 Reavaliação em Consulta de Pediatria DI PCR positiva para: Neisseria gonorrhoeae VIH, VDRL negativos. Imune HB Reavaliação por Ginecologia Reforço de medidas de prevenção de DST

19 Caso clínico nº 3

20 Caso clínico nº 3 M. J. F., 4 anos de idade Sexo feminino Antecedentes irrelevantes Banho diário de imersão, por vezes de espuma

21 Caso clínico nº 3 Trazida ao SU de Pediatria por leucorreia e disúria intermitente com evolução de 3 semanas Referia rubor vulvar Há 2 semanas medicada com antifúngico tópico e desinfeção diária (3 x dia) com solução iodada Sem noção de melhoria com a terapêutica instituída

22 Caso clínico nº 3 Nega alterações do estado geral, nega febre Nega possível corpo estranho, traumatismo ou possível história de abuso sexual Nega polidipsia, polifagia ou poliúria; sem polaquiúria. EO: Rubor vulvar e vaginal com leucorreia escassa

23 Caso clínico nº 1 Diagnósticos diferenciais de vulvovaginite na criança pré púbere: Inespecíficas+++ Streptococus pyogenes Haemophilus influenzae tipo b Stafilococus aureus Enterobius vermicularis Outras causas Corpo estranho Alterações pele vulvar Reação alérgica DST N. gonorrhoeae Chlamydia trachomatis HSV

24 Caso clínico nº 3 Abordagem inicial: Suspender terapêutica com antifúngico tópico e suspender solução iodada Lavagem local com soro fisiológico. Secar Aplicação de creme barreira com óxido de zinco Aconselhadas medidas de higiene adequadas Aconselhas roupa interior de algodão, não apertada

25 Caso clinico nº 3 Reavaliada em consulta de Pediatria em 2 semanas A mãe referia melhoria progressiva das queixas. Atualmente sem dor ou escorrência EO: sem alterações Alta da consulta

Balanite. Candida. (+hidrocortisona tópica)

Balanite. Candida. (+hidrocortisona tópica) Curso de Verão SPP Infeciologia Pediátrica Caramulo 2012 Balanite Inflamação da glande do pénis com ou sem inflamação do prepúcio (balanopostite) 6% não circuncisados, 3% circuncisados Maioria casos ligeira

Leia mais

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto

Vulvovaginites Recorrentes. Maristela Vargas Peixoto Vulvovaginites Recorrentes Maristela Vargas Peixoto VULVOVAGINITES Frequência elevada Manifestações clínicas desconfortáveis Atividades cotidianas Desempenho sexual Alterações na pele e mucosas favorecem

Leia mais

Infecções Vulvo-vaginais

Infecções Vulvo-vaginais Infecções Vulvo-vaginais Sintomatologia: Leucorréia (Corrimento Vaginal) Prurido Dor Tumoração Lesões Verrucosas Queixas Urinárias (Ardor Miccional, Disúria, etc...) Leucorréia Inespecífica Leucorréia

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005)

Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Corrimento vaginal Resumo de diretriz NHG M38 (primeira revisão, agosto 2005) Dekker JH, Boeke AJP, Gercama AJ, Kardolus GJ, Boukes FS traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS)

LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS) Faculdade de Medicina de Santo Amaro Liga de Saúde da Mulher LEUCORRÉIA (CORRIMENTOS GENITAIS) André Augusto S. Dos Santos Juliana da S. Milhomem Renato César Monteiro Maio/2011 LEUCORRÉIA A leucorréia

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida

Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida Observações Desenvolver animação Módulo Optativo Assistência Médica por Ciclos de Vida APRESENTAÇÃO O módulo de Assistência Médica por Ciclos de Vida aborda o trabalho específico do Médico de Família,

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE TOCO-GINECOLOGIA COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES Ana Katherine

Leia mais

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE

ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE ABORDAGEM DO PARCEIRO NA CANDIDÍASE RECORRENTE E NA TRICOMONÍASE Filomena Aste Silveira Mestre ginecologia UFRJ Doutoranda UFRJ Medica do IG UFRJ Profª. Faculdade de Medicina de Valença Candidíase vulvo

Leia mais

Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA?

Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA? Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA? Inês Serras, Flora Candeias, Maria João Brito Unidade de Infeciologia Pediátrica, Assistente Hospitalar, Hospital Dona Estefânia, CHLC, Lisboa 12º Encontro de Infeciologia

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine

Vulvovaginites. Aline Estefanes Eras Yonamine Vulvovaginites Aline Estefanes Eras Yonamine Definição Manifestação inflamatória e/ou infecciosa do trato genital inferior (vulva, vagina ou ectocérvice) que se manifesta por meio de corrimento vaginal

Leia mais

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura.

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura. AIDS & DST s Prevenção e controle para uma vida sexual segura. aids A aids é uma doença causada pelo HIV, vírus da imu-nodeficiência humana que destrói o sistema imunológico responsável pela defesa do

Leia mais

SEXUALIDADE e DSTs. Profª Janaina Q. B. Matsuo

SEXUALIDADE e DSTs. Profª Janaina Q. B. Matsuo SEXUALIDADE e DSTs Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 SEXUALIDADE Chama-se sexualidade a todas as formas, jeitos, maneiras como as pessoas expressam a busca do prazer. Quando se entende que a sexualidade está

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013)

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Jan van Bergen, Janny Dekker, Joan Boeke, Elize Kronenberg, Rob van der Spruit, Jako Burgers, Margriet Bouma,

Leia mais

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas

Principais DST s DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- ducrey) Gonorréia. *Sífilisfilis. Ulcerativas DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) -BACTERIANAS- Gonorréia Sífilis Principais DST s Doenças Ulcerativas *Sífilisfilis *Doença herpética HSV1 e HSV2 *Cancro mole ( (Haemophylus ducrey) *Linfogranuloma

Leia mais

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR

INFECÇÕES DO TRATO GENITAL INFERIOR INFECÇÕES DO TRATO GENITAL OBSTETRÍCIA INFERIOR Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro CONDILOMATOSE Manifestação clínica benigna associada principalmente

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

Elementos normais em esfregaços cérvicovaginais

Elementos normais em esfregaços cérvicovaginais Colpocitopatologia (Citologia cérvico-vaginal) Para que serve - Pesquisa a presença de células cancerígenas, lesões atípicas no colo do útero e a presença de bactérias, vírus, fungos e parasitas. Como

Leia mais

VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA MT/CCS/DMI/HULW

VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA MT/CCS/DMI/HULW VULVOVAGINITES XXIII CONGRESSO MÉDICO ESTADUAL DA PARAÍBA VULVOVAGINITES Todas as manifestações inflamatórias e/ou infecciosas do trato genital feminino inferior Causas: Agentes infecciosos Agentes alérgicos

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012 Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Mauro Romero Leal Passos Professor Associado Chefe do Setor de DST - UFF Vice-Presidente da SGORJ

Leia mais

DST/HIV. ENFERMEIRO:ELTON CHAVES eltonchaves76@hotmail.com

DST/HIV. ENFERMEIRO:ELTON CHAVES eltonchaves76@hotmail.com DST/HIV ENFERMEIRO:ELTON CHAVES eltonchaves76@hotmail.com O QUE SÃO DSTS? As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) são doenças causadas por vários tipos de agentes. São transmitidas, principalmente,

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Gino-Canesten 1, 500 mg, Comprimido Vaginal Clotrimazol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode

Leia mais

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS ÚLCERAS DST ANORRETAIS Bacterianas - sífilis - cancróide - gonorréia - linfogranuloma venéreo - donovanose Virais - herpes simples - condiloma acuminado - citomegalovírus

Leia mais

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Texto de revisão Introdução Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Infecção Genital por Clamídia Baseado em artigo original do New England Journal of Medicine 2003; 349: 2424-30 Jeffrey

Leia mais

Gino-Canesten 1 Comprimido Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como "antifúngicos".

Gino-Canesten 1 Comprimido Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como antifúngicos. Folheto informativo: Informação para o utilizador Gino-Canesten 1, 500 mg, Comprimido Vaginal Clotrimazol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação

Leia mais

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses.

Caracterizada por queimação associada à irritação, ardência, prurido, dor ou edema, com duração de 3-6 meses. Vulvodínia Isabel do Val Profª Ad. Ginecologia UFF- Patologia TGI e Colposcopia Presidente da ABPTGIC- Cap RJ Membro ISSVD IFCPC Member Educational Committee Dor Vulvar Caracterizada por queimação associada

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

Sessão Televoter Urologia

Sessão Televoter Urologia 2012 Norte 17 de Novembro Sábado Sessão Televoter Urologia Tomé Lopes Palma dos Reis LUTS (Lower Urinary Tract Symptoms) Obstructivos (Esvaziamento) Irritativos (Armazenamento) Hesitação inicial Jacto

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA DIVE/ LACEN Nº 01/2012

NOTA TÉCNICA CONJUNTA DIVE/ LACEN Nº 01/2012 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE AGRAVOS NOTA TÉCNICA CONJUNTA DIVE/ LACEN

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

TIOTRAX EMS S/A. Creme vaginal. 100mg + 150mg

TIOTRAX EMS S/A. Creme vaginal. 100mg + 150mg TIOTRAX EMS S/A Creme vaginal 100mg + 150mg 1-IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Nome comercial: Tiotrax Nome genérico: tioconazol e tinidazol. APRESENTAÇÕES Tiotrax creme vaginal em embalagem contendo 1 bisnaga

Leia mais

TININ. tioconazol + tinidazol. Geolab Indústria Farmacêutica S/A creme vaginal 20mg/g + 30mg/g

TININ. tioconazol + tinidazol. Geolab Indústria Farmacêutica S/A creme vaginal 20mg/g + 30mg/g TININ tioconazol + tinidazol Geolab Indústria Farmacêutica S/A creme vaginal 20mg/g + 30mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar

Leia mais

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II

CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Regente Professor Doutor Paulo Magalhães Ramalho Docente Dra. Filipa Nunes CASO CLÍNICO PEDIATRIA II Ana Catarina Henriques (3884), Ana Luísa Pereira (6197), Anabela Aires (3918), Duarte Martins (3969)

Leia mais

VULNAGEN. (tioconazol + tinidazol)

VULNAGEN. (tioconazol + tinidazol) VULNAGEN (tioconazol + tinidazol) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Creme Vaginal 100mg + 150mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: VULNAGEN tioconazol + tinidazol APRESENTAÇÃO Creme vaginal

Leia mais

Microbiologia do trato genital

Microbiologia do trato genital Microbiologia do trato genital feminino e masculino Estrutura do trato genital feminino O trato genital consiste na genitália externa e na genitália interna em ambos os sexos. Nas mulheres a genitália

Leia mais

Gino-Canesten Creme Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como "antifúngicos".

Gino-Canesten Creme Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como antifúngicos. Folheto informativo: Informação para o utilizador Gino-Canesten 10 mg/g Creme Vaginal Clotrimazol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação

Leia mais

CARTRAX tioconazol, tinidazol. APRESENTAÇÕES Cartrax creme vaginal em embalagem contendo 1 bisnaga de 35 g, acompanhada de 7 aplicadores descartáveis.

CARTRAX tioconazol, tinidazol. APRESENTAÇÕES Cartrax creme vaginal em embalagem contendo 1 bisnaga de 35 g, acompanhada de 7 aplicadores descartáveis. CARTRAX tioconazol, tinidazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Nome comercial: Cartrax Nome genérico: tioconazol e tinidazol. APRESENTAÇÕES Cartrax creme vaginal em embalagem contendo 1 bisnaga de 35

Leia mais

Bactroban. mupirocina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Bactroban. mupirocina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Bactroban mupirocina I ) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Pomada a 2% (20 mg/g) para uso tópico. Embalagem contendo tubo de 15g.

Leia mais

Clotrimazol GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme vaginal. 10 mg/ g

Clotrimazol GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Creme vaginal. 10 mg/ g Clotrimazol GERMED FARMACÊUTICA LTDA Creme vaginal 10 mg/ g Clotrimazol medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Creme vaginal. Embalagem com 35 g de creme vaginal 10mg/g + 6 aplicadores

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS. Escola Básica e Secundária do Padrão da Légua 2013

PREVENÇÃO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS. Escola Básica e Secundária do Padrão da Légua 2013 PREVENÇÃO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Escola Básica e Secundária do Padrão da Légua 2013 Sumário 2 Doenças Sexualmente Transmissíveis Métodos Contracetivos DST s 3 Transmitem-se através do contacto

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Karina S. L. Tafner

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Karina S. L. Tafner DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Karina S. L. Tafner DST São infecções ou doenças endêmicas, de múltiplas causas, transmitidas pela relação sexual DST: possibilidade de infecção múltipla! PRINCIPAIS

Leia mais

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva

Jorge Alberto S. Ferreira e Ane Elise B. Silva POP: M 13 Página 1 de 6 1. Sinonímia: Cultura de secreção vaginal, cultura de conteúdo vaginal, cultura de secreção uretral, cultura de endocervical, cultura de lesão genital, pesquisa de Haemophilus ducreyi,

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DST DST definição. Segundo a OMS: Grupo de doenças endêmicas, de múltipla expressão, que incluem as doenças venéreas clássicas e um número crescente de síndromes e

Leia mais

Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil

Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Perspectivas Médicas ISSN: 0100-2929 perspectivasmedicas@fmj.br Faculdade de Medicina de Jundiaí Brasil Ferrian, Andréa Marta; Simões, Fernanda Cristina; Caruso, Paula Catarina; Cappi Maia, Edna Marina

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

azitromicina di-hidratada Laboratório Globo Ltda. Comprimido Revestido 500 mg

azitromicina di-hidratada Laboratório Globo Ltda. Comprimido Revestido 500 mg azitromicina di-hidratada Laboratório Globo Ltda. Comprimido Revestido 500 mg azitromicina di-hidratada Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: azitromicina di-hidratada

Leia mais

Algoritmo de Investigação Emagrecimento

Algoritmo de Investigação Emagrecimento 2012 5 de Maio Sábado Algoritmo de Investigação Emagrecimento Alice Gonçalves Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Perda ponderal Fisiopatologia: aporte energético, consumo energético Epidemiologia (Meltzer

Leia mais

Métodos contracetivos

Métodos contracetivos Métodos contracetivos Os futuros pais podem e devem planear a sua família Assim, para evitar uma gravidez indesejada, devem recorrer a métodos contracetivos. podem ser Naturais Não Naturais Calculam o

Leia mais

Raniê Ralph. A. Leucorréias ou corrimentos. 1. Vaginose bacteriana

Raniê Ralph. A. Leucorréias ou corrimentos. 1. Vaginose bacteriana A. Leucorréias ou corrimentos 1. Vaginose bacteriana Clínica e fisiopatogenia Não há processo inflamatório: por isso o nome vaginose e não vaginite. Corrimento sem prurido... com odor fétido. A vagina

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS. Mário Ronalsa

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS. Mário Ronalsa DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Mário Ronalsa O.M.S- Brasil - 12 milhões de casos/ano Notificação compulsória AIDS e Sífilis congênita Orientação à população Forma de transmissão Sequelas Sífilis 1530-

Leia mais

AZITROMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 500mg

AZITROMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 500mg AZITROMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 500mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: AZITROMICINA Medicamento genérico Lei n 9.787, 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com Palestrante Marco Vinicius da Silva Melo Enfermeiro Obstetra/Ginecologia Enfermeiro do Trabalho MBA em Auditoria em Serviços de Saúde Docência do Ensino Superior TEMA: PROTOCOLO DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA

Leia mais

Profilaxia de infeções sexualmente transmissíveis na criança e adolescente vítima de abuso sexual

Profilaxia de infeções sexualmente transmissíveis na criança e adolescente vítima de abuso sexual 0873-9781/13/44-4/189 Acta Pediátrica Portuguesa Sociedade Portuguesa de Pediatria SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA CONSENSOS E RECOMENDAÇÕES Profilaxia de infeções sexualmente transmissíveis na criança

Leia mais

AZITROLAB. Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda Comprimido revestido 500 mg

AZITROLAB. Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda Comprimido revestido 500 mg AZITROLAB Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda Comprimido revestido 500 mg Azitrolab azitromicina di-hidratada FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500mg

Leia mais

COLPISTAR. Farmoquímica S/A Creme Vaginal 250 mg/4g + 100.000 UI/4g + 5 mg/4g + 10 mg/4g. Colpistar_AR010914_Bula Paciente

COLPISTAR. Farmoquímica S/A Creme Vaginal 250 mg/4g + 100.000 UI/4g + 5 mg/4g + 10 mg/4g. Colpistar_AR010914_Bula Paciente COLPISTAR Farmoquímica S/A Creme Vaginal 250 mg/4g + 100.000 UI/4g + 5 mg/4g + 10 mg/4g BULA PACIENTE COLPISTAR metronidazol + nistatina + cloreto de benzalcônio + lisozima APRESENTAÇÃO: Creme vaginal

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL: CAUSA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO FARMACOLÓGICO

CORRIMENTO VAGINAL: CAUSA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO FARMACOLÓGICO CORRIMENTO VAGINAL: CAUSA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO FARMACOLÓGICO INGRYT FERRACIN RÚBIA MARIA WEFFORT DE OLIVEIRA Departamento de Farmácia e Farmacologia, Universidade Estadual de Maringá, UEM, Campus

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Clique para editar o título mestre

Clique para editar o título mestre Fórum HIV e Hepatites Virais NOVAS ABORDAGENS PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV ESTE É O MELHOR CAMINHO? Profilaxia Pós Exposição Denize Lotufo Estevam Infectologista Coordenação de DST/Aids de SP 1

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS SEM ESPECIALIDADE 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta: a) O achado de VDRL positivo é suficiente para confirmar a infecção.

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis

Doenças Sexualmente Transmissíveis Urologia Fundamental CAPÍTULO 32 Doenças Sexualmente Julio José Máximo de Carvalho Homero Gustavo de Campos Guidi UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) caracterizam-se

Leia mais

Colpistatin. Aché Laboratórios Farmacêuticos Creme vaginal 62,5 mg/g + 25.000 UI/g + 1,25 mg/g. Colpistatin_BU 01_VP 1

Colpistatin. Aché Laboratórios Farmacêuticos Creme vaginal 62,5 mg/g + 25.000 UI/g + 1,25 mg/g. Colpistatin_BU 01_VP 1 Colpistatin Aché Laboratórios Farmacêuticos Creme vaginal 62,5 mg/g + 25.000 UI/g + 1,25 mg/g Colpistatin_BU 01_VP 1 BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa

Universidade Nova de Lisboa Universidade Nova de Lisboa Infecções Sexualmente Transmissíveis em utentes que recorrem à consulta de DST no Centro de Saúde da Lapa: Relação entre Conhecimentos, Atitudes e Práticas de prevenção e a

Leia mais

APRESENTAÇÕES Zimicina (azitromicina di-hidratada) 500 mg. Embalagem contendo 2, 3 ou 5 comprimidos revestidos.

APRESENTAÇÕES Zimicina (azitromicina di-hidratada) 500 mg. Embalagem contendo 2, 3 ou 5 comprimidos revestidos. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Zimicina azitromicina di-hidratada APRESENTAÇÕES Zimicina (azitromicina di-hidratada) 500 mg. Embalagem contendo 2, 3 ou 5 comprimidos revestidos. USO ORAL USO ADULTO USO

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais