H.323 E SIP - COMPARATIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "H.323 E SIP - COMPARATIVO"

Transcrição

1 H.323 E SIP - COMPARATIVO Jean Seidi Ikuta Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói RJ Brasil Abstract. This paper presents a brief description about H323 stack protocols and SIP protocol that are used in NGN (Next Generations Network), where it discusses a comparison between them and presents their differences, advantages and disadvantages. Keywords: H323, SIP Resumo. O presente trabalho apresenta uma breve descrição dos protocolos H323 e SIP utilizados na NGN (Next Generations Network), onde é realizado um quadro comparativo entre eles apresentando suas diferenças, vantagens e desvantagens. Palavra-chave: H323, SIP. 1 Introdução Nos últimos anos, o mercado de telecomunicações mundial tem passado por muitos desafios como manter a base de assinantes, aumentar a receita e reduzir os custos frente a crescente concorrência. Foi ficando cada vez mais claro que o pré-requisito para se chegar a idéia de informação e comunicação a qualquer hora, em qualquer lugar e em qualquer forma é a convergência das atuais redes, cada uma empregando diferentes tecnologias de transporte e controle, em uma única rede multiserviços baseada em pacotes, oferecendo serviços com diferentes qualidades e custos em uma plataforma de serviços aberta. NGN (Next Generations Network) pode ser entendida como uma rede baseada em pacotes onde a comutação por pacotes e elementos de transporte (roteadores, switches e gateways) é lógica e fisicamente separada do controle inteligente de serviços/chamadas. Esse controle inteligente é usado para suportar todos os tipos de serviços baseados em rede de pacotes, incluindo serviços básicos de voz (telefone), dados, vídeo, multimídia, e gerenciamento de aplicações, que pode ser pensado como mais um tipo de serviço que a NGN irá suportar [J. C. Crimi]. Este artigo trata dos padrões e protocolos utilizados na NGN, onde é realizado um quadro comparativo entre H.323 e SIP (Session Initiation Protocol). Na seção 2 é abordada uma visão geral sobre a pilha de protocolos que compõem o H.323. Na seção 3, de maneira análoga, é abordada uma visão geral do protocolo SIP. Um quadro comparativo entre o SIP e o H.323 é apresentado na seção 4 e a seção 5 apresenta as conclusões do trabalho. 2 Conceitos básicos do H.323

2 O padrão H.323 é parte da família de recomendações ITU-T (International Telecommunication Union - Telecommunication Standardization Sector) H.32x, que pertence à série H da ITU-T, e que trata de "Sistemas Audiovisuais e Multimídia". A recomendação H.323 tem o objetivo de especificar sistemas de comunicação multimídia em redes baseadas em pacotes. Além disso, estabelece padrões para codificação e decodificação de fluxos de dados de áudio e vídeo. 2.1 Arquitetura H.323 O padrão H.323 especifica quatro tipos de componentes, que interligados, possibilitam a comunicação multimídia. A figura 1 apresenta a arquitetura H.323. Figura 1 - Arquitetura H.323 Uma rede H.323 típica é composta por zonas ou domínios interconectados através de uma comunicação WAN (Wide Area Network). A funcionalidade de cada componente é descrita abaixo: Um Terminal (TE) H.323 é um componente da rede que provê comunicação em tempo real com outro TE H.323, Gateway (GW) ou Multipoint Control Unit (MCU). A comunicação consiste de controle, indicações, audio, vídeo, e ou dados entre os dois pontos finais (endpoints). Um terminal pode estabelecer uma chamada diretamente com outro terminal ou através da ajuda de um Gatekeeper (GK). O Gatekeeper (GK) é uma entidade H.323 na rede que provê tradução de endereços e controla o acesso (autorização e autenticação) à rede dos terminais H.323, GWs, e MCUs. Os GKs podem comunicar-se entre si para coordenar seus serviços de controle. O GK também provê serviços para os terminais, GWs e MCUs como gerenciamento de banda, localização de GWs e billing. A função do GK é opcional em sistemas H.323. Ele é logicamente separado das outras entidades H.323, mas pode coexistir fisicamente com terminais, GWs ou MCUs. A presença dele no sistema H.323 provê as seguintes funções: - Tradução de endereços: O GK traduz endereços fictícios (ex: números E164 de telefone convencional) para endereços de transporte (endereço IP e porta) usando a tabela de tradução que é atualizada através das mensagens de registro e outros modos. - Controle de admissão: O GK autoriza o acesso à rede usando mensagens H.225. Critérios de admissão incluem autorização de chamada, largura de banda, e outras políticas. - Controle de banda: O GK controla quanto de banda cada terminal pode usar.

3 - Gerência de zonas: Uma vez registrado em um GK, um TE não pode se registrar em outro GK, ou seja, um TE pode se registrar em apenas um GK por vez. O GK provê as funções descritas acima para os TEs e GWs registrados nele. Um Gateway (GW) H.323 é um componente da rede que provê comunicação em tempo real entre terminais H.323 e terminais de outras redes como PSTN, PLMN, etc. O Multipoint Control Unit (MCU) é um componente da rede que provê a funcionalidade de três ou mais terminais e GWs participarem de uma conferência mutiponto. 2.2 Sinalização e Controle em H.323 O H.323 é uma suíte completa e integrada de protocolos que definem cada um dos componentes descritos acima. Alguns dos protocolos são: H.225 para controle de registro, admissão e status (Registration, admission and status - RAS). H.225 (derivado do Q ) para sinalização da chamada, como estabelecimento e término de chamadas. H.245 para troca de informações sobre as funcionalidades do terminal e criação de canais de mídia. RTP/RTCP para sequenciamento de pacotes de audio e vídeo. G.711, uma especificação de codec. T.120 para conferência de dados. Figura 2 Protocolos em H.323 Basicamente, a sinalização no H.323 é composta de três funções (através dos protocolos H.225 e H.245). 1 Recomendação ITU-T que especifica os procedimentos de estabelecimento, manutenção e término de conexões de rede dentro da interface de usuário ISDN (Integrated Services Digital Network).

4 2.2.1 Canal de Registro, Admissão e Status (RAS) O canal RAS transporta mensagens usadas no processo de registro do TE no GK em que associa um endereço fictício (ex: número E.164 de telefone) a um endereço IP e porta para ser utilizado na sinalização da chamada. O canal RAS é também usado para transmissão de admissões a fim de estabelecer ou receber chamadas, descoberta de GKs, controle de banda, informações de status (através do envio de mensagens keep-alive), e localização de terminais (ou pontos finais). O H.225, usado no canal RAS, recomenda time-outs e contadores para as mensagens RAS, já que as mesmas são transmitidas em um canal não confiável UDP. Suas funções principais são: Descoberta de gatekeepers: Permite ao ponto final identificar em qual GK se registrar. O processo pode ser manual ou automático. Registro: Permite a pontos finais e MCUs se juntarem a uma zona. Os procedimentos de registro incluíram as seguintes mensagens: Localização de pontos finais: Permite a pontos finais e (principalmente) GKs obter informações sobre destinatários. Admissão: autoriza o acesso a uma zona H.323. Informação de status: O GK pode usar o canal RAS para obter o status de um ponto final. Controle de banda: embora a banda de uma chamada seja negociada na admissão, pode ser modificada na chamada Canal de Sinalização de Chamada O canal de sinalização de chamada carrega mensagens H.225 de controle usando conexão TCP, fazendo com que este seja um canal confiável. Em redes sem GKs, um terminal envia mensagens de sinalização diretamente para outro terminal usando endereços de transporte (endereços IP) para sinalização de chamada. Se a rede possuir um GK, o terminal chamador envia a mensagem de admissão inicial para o GK usando o endereço de transporte do canal RAS. Na troca inicial de mensagens de admissão, o GK diz ao ponto final originador se ele deve enviar as mensagens de sinalização diretamente para o outro ponto final ou se deve rotear as mensagens através dele. As mensagens de sinalização de chamada podem ser roteadas das duas formas. Tanto o H.225 quanto o H.245 usam conexões TCP para estabelecer uma conexão confiável entre pontos finais. No caso de sinalização de chamada roteada pelo GK, as conexões TCP são mantidas até o final da chamada. Embora normalmente confiável, a falha de uma conexão TCP pode resultar na terminação da chamada, mesmo se a conexão TCP não estiver em uso naquele momento. Por exemplo, suponha que uma sinalização de chamada roteada pelo GK seja usada, e que a conexão TCP entre o ponto final e o GK seja quebrada devido a um time-out ou falha na troca de mensagens keep alive durante uma falha na conexão ou roteamento. As chamadas podem cair mesmo se os fluxos RTP de áudio não forem afetados pelo evento na rede que causou a conexão

5 TCP entre o ponto final e o GK falhar. A tabela 1 lista as mensagens usadas na sinalização de chamada. Tabela 1 Mensagens utilizadas na sinalização de chamadas Mensagem Descrição Setup Indica que um ponto final deseja iniciar uma conexão com outro ponto final. Call Proceeding Alerting Connect Release Complete Status Status Inquiry Facility Indica uma que uma requisição de estabelecimento de chamada está sendo iniciada. Nenhuma informação adicional relativa ao estabelecimento da chamada será aceita após o envio desta mensagem. É enviada pelo ponto final de destino. Ponto final de destino está sendo alertado (telefone tocando). É enviada pelo ponto final de destino. Indica que a chamada sendo processada foi aceita pelo ponto final de destino. É enviada pelo ponto final que originou a chamada. Indica a porta TCP a ser usada para o estabelecimento do canal de controle H.245. Indica a liberação de uma chamada. Após a liberação, os identificadores da chamada podem ser reutilizados. É enviada por um ponto final. Resposta a uma mensagem de sinalização desconhecida ou a uma mensagem de Status Inquiry. Fornece informações do status da chamada. Requisita informação da chamada. Pode ser enviada por um ponto final ou GK. Indica que o roteamento de uma chamada deve ser direto ou por meio de um GK Canal de Controle de Funções H.245 O H.245 carrega mensagens de controle que governam a operação entre entidades H.323. A principal função é a troca de informações sobre capacidades (ou funcionalidades), como os codecs de áudio/vídeo suportados. Uma vez que a sinalização e a codificação ocorrem, o Real-time Transport Protocol (RTP) e o Real-time Control Protocol (RTCP) são utilizados para transportar os pacotes de áudio e/ou vídeo. Os fluxos de áudio/vídeo são divididos em pacotes de acordo com o formato pré-definido. Os serviços providos pelo RTP incluem identificação do tipo de dados, seqüênciamento, marcação de tempo (timestamping) e monitoração da entrega. As aplicações tipicamente rodam RTP em cima de UDP (User Datagram Protocol). O Real-time Control Protocol (RTCP) baseia-se na transmissão periódica de pacotes de controle para todos os participantes da sessão. O RTCP executa as seguintes funções de feedback da qualidade da distribuição dos dados e controla a taxa de modo

6 que o RTP possa ser escalável até um grande número de participantes. Além disso, transporta uma quantidade mínima de informação de controle de sessão. 3 Conceitos básicos do SIP SIP (Session Initiation Protocol) foi desenvolvido para estabelecer, modificar e terminar qualquer tipo de sessão. As aplicações SIP têm focado em sessões interativas multimídia, como chamadas através da Internet ou conferências multimídia. A estrutura da sua mensagem é baseada no HTTP e SMTP (protocolos baseados em texto), a fim de criar um protocolo simples, flexível e escalável. As especificações do H.323, por exemplo, possuem mais de 700 páginas e seu desenvolvimento em C++ possuem cerca de linhas de código, o que o tornam extremamente complexo. Foi padronizado pelo IETF com a RFC2543 inicialmente. O trabalho inicial do SIP recebeu grande atenção das companhias de tecnologia que estavam prontas para lançar seus produtos baseados em SIP, fato que impulsionou a sua difusão e seu uso. A RFC2543 foi substituída pelo novo conjunto de especificações baseados na RFC3261, devido ao rápido desenvolvimento e extensão às funções do SIP. 3.1 Visão Geral O SIP é um protocolo de controle da camada de aplicação que pode estabelecer, modificar e terminar sessões multimídia como ligações telefônicas através da Internet. Foi desenvolvido para que sinalização fosse simples, atendendo somente aos requisitos básicos (criar, modificar e terminar) de um protocolo de sinalização de chamadas. Logo, as chamadas podem ser estabelecidas de maneira mais rápida do que no H.323. O rápido estabelecimento de chamadas é crucial para uma alta qualidade de serviço (QoS). Além disso, um grande número de parâmetros usados na negociação e estabelecimento de fluxos de mídia entre participantes de uma chamada é encapsulado no corpo da mensagem do SIP através do SDP (Session Description Protocol), o que aumenta a velocidade no estabelecimento da chamada. [H. Schulzrinne and J. Rosenberg] SIP foi concebido com base em texto. Sua estrutura de mensagem tem facilidade de extensão a novas aplicações do que protocolos equivalentes, como o H.323 que utiliza o padrão de codificação ASN.1 em vez de texto. Desta maneira, facilita a implementação em linguagens de programação orientadas a objetos como Java e Perl, possibilitando fácil depuração de problemas e fazendo do SIP um protocolo simples, flexível e extensível. Os caminhos entre sinalização e mídia são independentes. A sinalização e mídia podem passar por diferentes rotas através de conjuntos independentes de equipamentos em diferentes redes. O SIP utiliza UDP ao invés de TCP. O estabelecimento de conexões TCP e suas rotinas de confirmações introduzem atrasos e devem ser evitados em transmissões de

7 voz. Adotando o UDP, entretanto, os tempos das mensagens e suas retransmissões podem ser controlados pela camada de aplicação. Existe um mecanismo de procura paralela, o que possibilita que vários equipamentos sejam associados a um único endereço com o intuito de que todos ou uma seleção desses equipamentos sejam contatados simultaneamente ou sequencialmente. Quem recebe a chamada é o primeiro equipamento que atender. Existem cinco etapas para estabelecimento e término de uma chamada dentre as quais são mencionados: Localização do usuário Descobrir a localização do usuário. Disponibilidade do usuário Verificar disponibilidade do usuário para chamadas telefônicas. Capacidades do usuário Negociação e determinação dos formatos de mídia a serem utilizados entre o usuário chamador e usuário chamado. Estabelecimento da sessão O diálogo é estabelecido e os fluxos de mídia são transportados. Controle da sessão, incluindo transferência e término de sessões, modificações de parâmetros da sessão e adição de serviços. 3.2 Arquitetura da Rede SIP SIP é baseado no modelo cliente-servidor, onde um cliente é qualquer elemento de rede, como um PC com um microfone ou um SIP phone, que envia requisições SIP (SIP requests) e recebe respostas SIP (SIP responses) e o servidor é um elemento de rede que recebe requisições e envia respostas, que podem aceitar, rejeitar ou redirecionar a requisição. Existem quatro tipos diferentes de servidores: proxies, user agent servers (UAS), redirect servers e registrars [RFC 3261]: Proxy: Servidores proxies são como roteadores da camada de aplicação, responsáveis por receber uma requisição, determinar para onde enviá-la baseando-se no conhecimento da localização do usuário, e então enviá-la. Para outras entidades, para que a mensagem vem do proxy e não de alguma entidade escondida atrás do proxy. Eles podem adicionar parâmetros às requisições e podem rejeitar requisições, mas não iniciam requisições ou respondem positivamente a qualquer requisição que eles recebem. As mensagens passam pelos proxies sem qualquer modificação. Isso significa que muitas novas funcionalidades podem ser implementadas na rede através do upgrade de user agents, sem qualquer modificação aos proxies. UAS: O user agent server é uma entidade lógica que gera respostas a uma requisição SIP e contacta o usuário. Na realidade, um terminal SIP (como um SIP phone) funcionará como ambos user agent client (UAC), gerando requisições, e user agent server (UAS), respondendo às requisições, provendo uma comunicação peer-to-peer.

8 Redirect server: Um redirect server é um servidor que recebe requisições SIP, localiza o endereço de destino em um conjunto de um ou mais endereços, e retorna a informação de roteamento para o originador da requisição. O originador da requisição pode então enviar uma nova requisição para o(s) endereço(s) retornado(s) pelo redirect server. O redirect server não gera requisições, apenas responde a uma requisição. Registrar: O registrar funciona como o elemento principal do serviço de localização de usuários em um domínio, consultando e adicionando mapeamentos entre usuários e endereços IP baseados nas mensagens REGISTER. Isso possibilita que um usuário seja contactado mesmo ele se registre em outro domínio que não seja o seu de origem. Os servidores proxies, que são responsáveis em enviar a requisição para o local atual onde o usuário chamado se encontra, consultam esse serviço de localização. 3.3 Mensagem SIP Conforme mencionado anteriormente, o SIP é baseado em texto (utiliza o conjunto de caracteres ISO com codificação UTF-8 8 bit unicode transformation format) e usa uma sintaxe similar ao HTTP. Uma mensagem SIP, que pode ser uma requisição de um cliente para um servidor ou uma resposta de um servidor para um cliente, é a unidade básica da comunicação usando SIP. A mensagem contém uma sequência estruturada de octetos formando uma sintaxe definida. Ambas as mensagens de requisição e resposta possuem uma linha de início (start-line), um ou mais cabeçalhos (headers), uma linha vazia (carriage-return line feed CRLF) indicando o fim dos cabeçalhos, e um corpo de mensagem (message body) opcional. Uma mensagem típica parecerá com a mostrada a seguir: Generic-message = start-line *message-header CRLF [message-body] Start-line = Request-Line Status-Line Request SIP messages Response Client Server Server Client Request=Request-Line *(general-header request-header entity-header) CRFL [message-body] Response=Status-Line *(general-header response-header entity-header) CRFL [message-body]

9 Figura 3 - mensagem SIP A RFC2543 define seis métodos que podem ser usados em requisições: INVITE, ACK, OPTIONS, BYE, CANCEL e REGISTER. Como não havia um mecanismo para carregar controle de informações durante uma sessão, o IETF adicionou o método INFO para resolver esse problema. A tabela 2 descreve resumidamente a função de cada um dos métodos. Mensagem SIP INVITE ACK OPTIONS BYE CANCEL REGISTER INFO Tabela 2 Requisições SIP Descrição Convida um usuário a participar de uma chamada Usado para facilitar a troca confiável de mensagens INVITEs Solicita informações sobre as funcionalidades do servidor Termina uma conexão entre usuários ou rejeita uma chamada Termina uma requisição, ou procura, por um usuário Registra a localização atual de um usuário Usado para troca de sinalização durante a sessão A mensagem de resposta contém um código de status (três números) indicando a consequência da tentativa de entender e satisfazer uma requisição. A tabela 3 indica os possíveis códigos, assim como suas descrições. Tabela 3 Códigos de resposta Classe Descrição Exemplo 1xx Informativo : requisição recebida, continuando o processo de requisição 100 Trying, 180 Ringing 2xx Bem sucedido : a ação foi recebida com sucesso, entendida e aceita 200 OK 3xx Redirecionado : uma ação mais adiante precisa ser tomada para que a requisição 302 Moved Temporarily possa ser completada 4xx Erro do cliente : a requisição contém sintaxe falha ou não pôde ser executada pelo 404 Not Found servidor 5xx Erro do servidor : o servidor falhou em executar uma requisição aparentemente 501 Not Implemented válida 6xx Falha global : a requisição não pôde ser executada pelo servidor 603 Decline Os cabeçalhos acompanham as mensagens a fim de prover mais informação e garantir que as mensagens sejam tratadas corretamente. O corpo da mensagem é responsável pela descrição da sessão a ser estabelecida. O tipo de mídia e codec, as taxas de amostragem fazem parte da negociação entre usuário chamador e usuário chamado. O SDP (Session Description Protocol) é utilizado por padrão para esse fim. O SDP simplesmente provê uma forma de descrever a informação contida em uma sessão, incluindo parâmetros da sessão e parâmetros de mídia. O SDP precisa ser utilizado em conjunto com outros protocolos, já que não provê um meio de transportar ou informar aos potenciais participantes de uma sessão. Como o SIP é independente das características da sessão, ele carrega a informação do SDP em seu corpo da mensagem.

10 Para estabelecer uma sessão de áudio, o usuário chamador precisa conhecer o endereço do(s) usuário(s) chamado(s). No SIP, esses endereços são similares a endereços de e são conhecidos como SIP URI (Uniform Resource Identifier). A URI é um ponteiro para um recurso que gera diferentes respostas em diferentes horas, dependendo da entrada. A URI não depende da localização do recurso e geralmente consiste de três partes: o protocolo para comunicação com o servidor (ex: SIP), o nome do servidor (ex: host.com) e o nome do recurso. A URL é a forma mais comum de URI. Como os endereços de , as SIP URI s podem ser colocados em web pages ou mensagens de s. Elas contêm informação suficiente para iniciar e manter sessões para comunicação com um usuário. SIP URI s usam o formato como um endereço de . Isso possibilita que as pessoas reutilizem seus endereços de como seus endereços SIP, evitando a necessidade de se ter um outro endereço para fins de comunicação. Para interconexão com a PSTN, o SIP possibilita que a parte do endereço destinado ao nome ou apelido do usuário seja um número de telefone. Assim, podemos ter um endereço SIP do tipo: sip: Em uma dada rede, este endereço SIP pode ser usado para rotear a mídia para um Media Gateway (da companhiatelefonica.com). Para indicar que a chamada é para um número de telefone, a URI pode ser complementada com o parâmetro user=phone. Nesse caso, a URI teria o seguinte formato: sip: user=phone 4 Quadro comparativo entre H.323 e SIP H.323 e SIP foram desenvolvidos para controle e sinalização de chamadas em arquiteturas de comunicação distribuídas. O H.323 é baseado em protocolos do ITU-T já existentes e tem uma abordagem voltada aos equipamentos terminais. O SIP é similar ao HTTP e tem uma abordagem voltada aos usuários e serviços integrados na Internet. Em termos de complexidade, a implementação do H.323 é maior em relação ao SIP. A documentação do H.323 tem 736 páginas contra apenas 128 do SIP o que leva o desenvolvedor a dedicar muito tempo apenas para o entendimento do funcionamento do H.323. O SIP trabalha com apenas 37 tipos de cabeçalhos enquanto que o H.323 tem centenas. O H.323 trabalha com vários protocolos sem uma separação clara, ou seja, esses protocolos são usados por vários serviços. Já no SIP, em uma mesma requisição estão todas as informações necessárias. Em se tratando de expansão funcional, temos que devido à estrutura textual do SIP, novas características são incluídas de forma fácil e compatível com versões anteriores e novos parâmetros podem ser colocados em qualquer parte de mensagem. No H.323 existem campos predefinidos para essas novas inclusões. Se um novo codec é registrado em um órgão competente, é possível ser suportado pelo SIP, enquanto o H.323 há uma dificuldade na inclusão de novos codecs porque eles devem ser padronizados pelo ITU-T. No SIP, o Proxy descreve os tipos de mídia e endereços de transporte da mídia, enquanto no H.323 temos diversos subprotocolos (H.245, H.225, etc); no SIP temos servidores com diferentes comportamentos (registrador, proxy e redirecionador), enquanto o H.323 conta com um servidor único Gatekeeper.

11 Quanto à escalabilidade, os servidores ou gateways SIP podem trabalhar nos modos stateful ou stateless, sendo que no segundo caso os servidores recebem e encaminham as requisições não mantendo nenhum tipo de informação, pois as mensagens possuem informações suficientes para garantir que a mensagem seja enviada corretamente. O H.323 é stateful, ou seja, ele mantém todo o controle do estado da chamada durante toda a duração, em um ambiente onde pode haver muitas chamadas simultaneamente implicando em problemas de desempenho. O fato de o SIP usar mensagens de texto, utilizar apenas um pedido para enviar toda a informação necessária para o estabelecimento de uma chamada e ser baseado em UDP, torna-o um protocolo com muitas potencialidades para ser usado na telefonia IP. Contudo, neste momento o H.323 tem uma vantagem de já ter muitos sistemas implementados, o que obrigará o SIP a fornecer mecanismos de interoperabilidade. Quanto à arquitetura, o H.323 tem os seguintes componentes: terminal, gateway, gatekeeper e MCU; o SIP tem UA e Servers. Os protocolos no H.323 são H.245, RAS/ Q.931, H.225, enquanto no SIP, o próprio SIP e SDP [SOUZA, I]. Em se tratando dos aspectos de segurança, o H.323 define seus mecanismos de segurança e negociação de facilidades via H.235 e também pode utilizar SSL. Autenticação e encriptação no SIP são suportadas hop-by-hop via SSL/TSL, mas o SIP pode utilizar qualquer outra camada de transporte ou mecanismo de segurança similares ao HTTP, como o SSH ou S-HTTP. Chaves para encriptação de mídia são transportadas usando SDP. Interoperabilidade entre as versões e a completa compatibilidade existente no H.323 permitem que todas as implementações baseadas nas diferentes versões podem ser integradas. Já no SIP uma nova versão pode descartar um atributo antigo que não é esperado ser mais utilizado. Isto aproxima o melhor aproveitamento do tamanho do código e reduz a complexidade do protocolo, mas perde em algumas compatibilidades em diferentes versões. Em termos de Billing, mesmo havendo o modelo de chamada direta no H.323, a habilidade de bilhetar uma chamada com sucesso não é perdida porque os terminais se reportam para o gatekeeper desde o início até o final da chamada através do protocolo RAS. Já no SIP proxy, para realizar a coleta de informação de bilhetagem é necessário estar entre o caminho de sinalização durante o tempo de duração da chamada para que ele possa detectar quando a chamada completa. 5 Conclusão O uso da Internet como meio de transporte de Voz tem alguns casos de sucesso, principalmente nas chamadas de longa distância. Hoje o usuário que está fazendo uma chamada desse tipo não consegue identificar o tipo de tecnologia que está sendo usada, e mesmo qual o caminho que a sua conversa está seguindo. Entretanto, nem todas as aplicações têm o mesmo resultado. O mercado corporativo e mesmo residencial ainda tem dificuldades para usar de forma generalizada esse tipo de tecnologia. À medida que o mercado for demandando novos serviços através da Internet, a estrutura de se estabelecer preços desses serviços poderá ser aperfeiçoada de forma a definir o custo do acesso de acordo com o tipo de aplicação do usuário.

12 Esse novo formato de custo/benefício pode permitir o aperfeiçoamento da própria arquitetura da Internet, através da implantação de protocolos mais sofisticados que permitem a definição de prioridades para o transporte dos pacotes de dados de acordo com o tipo de aplicação do usuário. A força do H.323 tem sido a sua disponibilidade de sistemas/aplicações desktop e salas de videoconferência de preço acessível. O SIP é um protocolo desenvolvido pensando-se na Internet e promete grande escalabilidade e flexibilidade. Nesse novo contexto, tanto provedores como usuários terão a oportunidade de usar a Internet para as aplicações de telefonia IP (e para outras mídias) com custos um pouco superiores aos atuais. O H.323 é um protocolo muito complexo e que define especificações para comunicação em tempo real de dados para vídeo, dados e voz, enquanto o SIP foi desenvolvido de maneira mais simples e eficiente. 6 Referências bibliográficas [1] Net-Net Session Director solutions, Acme Packet [2] H. Schulzrinne and J. Rosenberg, Signaling for Internet Telephony,Feb [3] J. C. Crimi, Next Generation Network (NGN) Services Telcordia Technologies [4] P. Falcarin and C. A. Licciardi, Analysis of NGN service creation technologies. [5] H. Schulzrinne and J. Rosenberg, The Session Initiation Protocol: Internet-Centric Signaling, IEEE Communications Magazine, Oct 2000, pgs [6] IETF RFC 2543, SIP: Session Initiation Protocol, March [7] IETF RFC 3261, SIP: Session Initiation Protocol, June [8] SOUZA, I., Voice over IP, UFBA, Salvador, [9] BERNAL FILHO, H., Tutoriais sobre banda larga e VoIP, Telefonia IP, [10] PINHEIRO, C.D.B., Especificação H.323, UFPR, Dez [11] H.323 Forum

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

2 O Protocolo SIP 2.1. Introdução Histórica

2 O Protocolo SIP 2.1. Introdução Histórica 2 O Protocolo SIP 2.1. Introdução Histórica O protocolo SIP teve suas origens em 1996 como um componente do conjunto de ferramentas e protocolos da Mbone, ou Multicast backbone [44]. A Mbone era uma rede

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Administração de Sistemas Licenciatura em: - Tecnologias e Sistemas de Informação 5. Serviços de Voz sobre IP Docente: Prof. Joel Rodrigues Ano

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Comunicação, Conhecimento, Convergência Brasil: Rua Líbero Badaró, 293, 30º andar - São Paulo, SP - Brasil, CEP 01009-907

Comunicação, Conhecimento, Convergência Brasil: Rua Líbero Badaró, 293, 30º andar - São Paulo, SP - Brasil, CEP 01009-907 VoxScale GKS SIP-H.323 Gateway Descrição do equipamento VoxScale-GKS exerce a função de "Gateway H.323 / SIP" e "SIP Proxy/Registrar", em um único equipamento. Os terminais SIP se registram no VoxScale-GKS,

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP Jeremias Neves da Silva 1 RESUMO Este artigo traz uma forma simplificada para a compreensão de todos os que desejam conhecer um pouco mais sobre segurança em protocolos SIP,

Leia mais

2 Fundamentação Conceitual

2 Fundamentação Conceitual Fundamentação Conceitual 19 2 Fundamentação Conceitual Este capítulo apresenta alguns conceitos importantes que são utilizados ao longo do trabalho. Primeiramente, é apresentado o Session Initiation Protocol

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy Convergentes e Heterogêneas Prof. Marcos Argachoy REDES CONVERGENTES Cont./ Principais preocupações: Disponibilidade de Banda Valor Máximo de Atraso (ligação com sinal de câmbio) Jitter Perda de Pacotes

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro

Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro Introdução Enquanto as pessoas estão comentando sobre as redes da próxima geração (NGN) e o subsistema IP multimídia (IMS), talvez seja

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS José Francisco Nonato Filho 1 Resumo. O presente trabalho versa sobre uma proposta de utilização da tecnologia de Voz sobre Internet Protocol (VoIP)

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

1 Introdução 1.1. Contexto Atual

1 Introdução 1.1. Contexto Atual 1 Introdução 1.1. Contexto Atual Recentemente, o mercado de telecomunicações mundial tem enfrentado muitos dilemas. Como reduzir os custos, aumentar as receitas com novos serviços e manter a base de assinantes

Leia mais

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP João Paulo Sousa Instituto Politécnico de Bragança R. João Maria Sarmento Pimentel, 5370-326 Mirandela, Portugal + 351 27 820 13 40 jpaulo@ipb.pt RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Romildo Martins da Silva Bezerra 1 1 Mestrado em Redes de Computadores (UNIFACS) romildo@cdl.com.br Resumo. Este trabalho visa apresentar

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Redes com Integração de Serviços

Redes com Integração de Serviços Instituto Superior Técnico Redes com Integração de Serviços 4ª Parte Voz sobre IP 1 Introdução...3 2 Codificação da voz...4 3 Recomendação H.323...5 3.1 Arquitectura de H.323...6 3.2 Componentes do sistema...8

Leia mais

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP CURITIBA 2006 ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP Trabalho apresentado para a disciplina de REDES,

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Voz sobre IP Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 5 - Sumário ü Introdução ü Protocolo

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos Princípios gerais Sinalização de assinante analógico Sinalização de canal associado entre comutadores Sinalização de canal comum entre comutadores Sinalização

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA

FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA - DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE CAMPUS CAMPINAS Voz sobre IP ( Voip ) RODRIGO CAMPOS DO AMARAL

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

3 Gerenciamento de Mobilidade

3 Gerenciamento de Mobilidade Gerenciamento de Mobilidade 38 3 Gerenciamento de Mobilidade A Internet não foi originalmente projetada para suportar a mobilidade de dispositivos. A infra-estrutura existente e o conjunto dos principais

Leia mais

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações

A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações TERMINAL OPEN TRADE A primeira plataforma inteligente de comunicação para ambientes de negociações Soluções Completas e Diferenciadas O assistente perfeito para ambientes de negociações O Open Trade é

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Gelson Dias Santos, Valter Roesler UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Protocolos Multimídia na Internet

Protocolos Multimídia na Internet Parte 2 Transporte de Mídia Tópicos em Sistemas de Computação Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Protocolos para transportar mídia Protocolos de aplicação Prof. Dr. Adriano Mauro

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais