REGULAMENTO DE ESTÁGIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE ESTÁGIO"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO Artigo 1.º Âmbito de aplicação O estágio inscrito no procedimento de atribuição do título de notário rege-se, durante o período transitório estabelecido no Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 26/2004, de 4 de Fevereiro, pelas normas constantes do presente regulamento, e terá início após a publicação da lista de classificação e graduação final dos candidatos aprovados no concurso de provas públicas para atribuição do título de notário. Artigo 2.º Finalidade do estágio O estágio visa proporcionar uma formação adequada, de carácter prático, ao exercício das funções de notário, de modo a que esta profissão seja desempenhada de forma competente e responsável, designadamente nas suas vertentes técnica e deontológica. Artigo 3.º Estrutura do estágio O estágio será estruturado da forma que o notário que o oriente entender mais adequada, mas a formação, sendo embora da sua responsabilidade, versará obrigatoriamente os seguintes temas: a função notarial, na sua dupla vertente pública e privada; os princípios da legalidade e da imparcialidade; deveres dos notários; instrumentos públicos: escrituras, testamentos e instrumentos públicos avulsos. 1

2 Artigo 4.º Obrigatoriedade do estágio Os candidatos aprovados no concurso de provas públicas para atribuição do título de notário frequentam obrigatoriamente estágio, a decorrer em cartório notarial. Artigo 5.º Duração O estágio tem a duração de três meses, sem possibilidade de prorrogação. Artigo 6.º Orientador de estágio O estágio é realizado sob a orientação de notário privado, com, pelo menos, um ano de exercício de funções notariais, livremente escolhido pelo estagiário, com base em listagem para o efeito disponibilizada na página web do Instituto dos Registos e do Notariado, I.P. Artigo 7.º Processo de início de estágio 1. No prazo de dez dias úteis a contar da publicitação da listagem referida no artigo anterior, cada candidato aprovado no concurso de provas públicas para atribuição do título de notário deve solicitar, em requerimento dirigido ao Bastonário da Ordem dos Notários, e entregue nas instalações do Instituto dos Registos e do Notariado, I.P., sitas na Praça Francisco Sá Carneiro, n.º 13, 4.º andar, Lisboa, ou, ainda, remetido para o fax n.º , autorização para o início do estágio. 2. O requerimento deve ser instruído com documento subscrito pelo notário privado, escolhido como orientador de estágio, comprovativo da expressa aceitação do desempenho de tais funções, durante o período de estágio. 2

3 Artigo 8.º Dever específico dos notários privados Os notários privados que integram a listagem referida no artigo 6.º do presente regulamento devem aceitar o desempenho de funções enquanto orientadores de estágio, aconselhando, dirigindo e informando os estagiários durante todo o tempo de formação e cumprindo as formalidades legais inerentes à realização do estágio. Artigo 9.º Nomeação oficiosa de orientador de estágio Se não encontrar quem, integrando a listagem referida no artigo anterior, aceite voluntariamente a orientação do estágio a cuja frequência se encontra obrigado, o candidato aprovado no concurso de provas públicas para atribuição do título de notário pode, no prazo previsto no número um do artigo 7.º, e em requerimento dirigido ao Bastonário da Ordem dos Notários, a remeter para as instalações do Instituto dos Registos e do Notariado, I.P. enunciadas no mesmo normativo, solicitar a nomeação oficiosa de orientador de estágio. Artigo 10.º Escusa 1. Os notários privados que integram a listagem referida no artigo 6.º do presente regulamento apenas podem escusar-se do exercício de funções enquanto orientadores de estágio quando ocorra motivo fundamentado. 2. Para efeitos do disposto no número anterior constitui designadamente motivo de escusa o facto de o notário privado haver, já, assumido a orientação de dois candidatos aprovados no concurso de provas públicas para atribuição do título de notário. 3. O orientador de estágio nomeado oficiosamente pode alegar escusa no prazo de cinco dias úteis a contar da respectiva nomeação. 3

4 4. Cabe ao Bastonário da Ordem dos Notários decidir, no prazo de cinco dias úteis, sobre a existência de motivo fundamentado de escusa em ministrar o estágio. 5. Verificando-se a existência de motivo fundamentado de escusa, procederá o Bastonário da Ordem dos Notários, nos termos previstos no artigo 9.º, à nomeação oficiosa de orientador de estágio. Artigo 11.º Prazo para início de estágio O estágio tem necessariamente início no prazo máximo de quinze dias úteis a contar da notificação da decisão que recair sobre o requerimento relativo à autorização para início do estágio ou pedido de nomeação oficiosa de orientador de estágio. Artigo 12.º Controlo de assiduidade Ao notário que orienta o estágio compete verificar, pelo método que entender por mais conveniente, se o estagiário comparece regular e continuamente no cartório notarial, sendo toleradas, sem necessidade de compensação, apenas duas faltas, seguidas ou interpoladas, por mês. Artigo 13.º Dever específico dos estagiários 1. Com vista ao encerramento da fase de estágio, e para efeitos de instrução do processo individual do estagiário, constitui dever específico deste último a apresentação, no termo do período de estágio, de relatório final da sua autoria, referente a todas as actividades de estágio desenvolvidas. 2. Tendo em vista a finalidade prevista no número anterior, o relatório deve ser remetido ao Instituto dos Registos e do Notariado, I.P, pelo correio, sob registo, no prazo máximo de dez dias úteis a contar do termo do estágio. 4

5 Artigo 14.º Informação do orientador do estágio 1. No termo do período de estágio, o respectivo orientador elabora uma informação de estágio, na qual se pronuncia sobre a actividade exercida pelo estagiário e o leque de matérias no respectivo decurso abordadas, concluindo com parecer fundamentado sobre a sua aptidão para o exercício da função notarial. 2. A informação deve ser remetida ao Instituto dos Registos e do Notariado, I.P., pelo correio, sob registo, no prazo máximo de dez dias úteis a contar do termo da orientação do estágio. 5

Equiparação a Bolseiro

Equiparação a Bolseiro Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Equiparação a Bolseiro Regulamento Preâmbulo Face ao disposto no artigo 29º- A do Decreto-Lei nº 207/2009, de 31 de Agosto - Estatuto da Carreira do Pessoal Docente

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS. Proposta Alteração ao Regulamento nº 361/2012 Regulamento de Estágio

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS. Proposta Alteração ao Regulamento nº 361/2012 Regulamento de Estágio ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Proposta Alteração ao Regulamento nº 361/2012 Regulamento de Estágio A Ordem dos Engenheiros Técnicos, torna público que o Conselho Diretivo Nacional, ao abrigo do disposto

Leia mais

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas:

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas: DESPACHO NR/R/0094/2008 ASSUNTO: Regulamento de provas de agregação Na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 239/2007, de 19 de Junho e ao fim de alguns meses de aplicação na UCP, considerou-se conveniente

Leia mais

Estatísticas sobre registos e notariado ( )

Estatísticas sobre registos e notariado ( ) Abril de 2015 úmero 35 DESTAQUE ESTATÍSTICO Estatísticas sobre registos e notariado (2007-2014) O presente documento pretende retratar a evolução anual, desde 2007, da atividade dos registos e do notariado,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 16 de Maio de 2011 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE EQUIPARAÇÃO A BOLSEIRO Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as condições da atribuição

Leia mais

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA-

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Capítulo I Âmbito de aplicação e Princípios Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA. CAPÍTULO I Da constituição e objectivos

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA. CAPÍTULO I Da constituição e objectivos REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA CAPÍTULO I Da constituição e objectivos Artigo 1.º O presente regulamento respeita ao Colégio da Especialidade de Contabilidade Financeira

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Proposta de Lei nº 310/XII/4ª (Aprova o Estatuto da Ordem dos Notários e altera o Estatuto do Notariado aprovado pelo Decreto-Lei 26/2004, de 4 de Fevereiro) A Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos,

Leia mais

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO 1 - Justificação As Ciências da Saúde têm registado nos últimos anos um progresso assinalável em múltiplos domínios. Este progresso assenta, em grande

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO - PROGRAMA DE ESTÁGIOS

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO - PROGRAMA DE ESTÁGIOS ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO - PROGRAMA DE ESTÁGIOS FEVEREIRO 2013 1. Objeto O presente regulamento define o regime de acesso a estágios na Entidade Reguladora da Saúde (ERS). 2. Objetivos

Leia mais

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Universidade do Minho, julho 2016 Universidade do Minho Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia O

Leia mais

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P.

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA

MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, I.P., pessoa coletiva nº 501 460 888, com sede na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, 5, 1099-019

Leia mais

Normas regulamentares do doutoramento em Teoria da Literatura

Normas regulamentares do doutoramento em Teoria da Literatura Normas regulamentares do doutoramento em Teoria da Literatura I. Regulamento a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Condições de natureza académica e curricular São admitidos como candidatos

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul DECRETO Nº 10.565, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2001. Aprova o Regulamento do Estágio Probatório a que estão sujeitos os servidores públicos municipais. GILBERTO JOSÉ SPIER VARGAS, Prefeito Municipal de Caxias

Leia mais

REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS

REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS Conselho Científico (Deliberação CC-46/2008, de 27 de junho) 20 03 2012 01 Art.º 1º (JÚRIS DE EXAMES) 1- Os júris das provas finais de avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º xx/2012 O Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, na redação que confere ao Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores

Leia mais

EDITAL CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Nos termos do disposto no Decreto-Lei nº 107/2008 de 25 junho e do Despacho nº 1345/2010 publicado em Diário da República, II Série, Nº 13 de 20 de janeiro, faz-se

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário

Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Agrupamento de Escolas Pedro Álvares Cabral Belmonte Escola Sede: Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Pedro Álvares Cabral - Belmonte Regulamento para a Eleição do Director do Agrupamento

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL PREÂMBULO Tendo como objectivo incentivar a investigação centrada sobre o Homem, tanto sob os aspectos físicos como sob o ponto de vista

Leia mais

AVISO. 1. Montagem de circuitos de produção larvar e pós-larvar de bivalves

AVISO. 1. Montagem de circuitos de produção larvar e pós-larvar de bivalves AVISO BOLSA DE TÉCNICO DE INVESTIGAÇÃO (12ºANO) O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P./IPMA abre concurso, no prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio, para

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS ( Com a alteração constante do Parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra ) 23 DE NOVEMBRO

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Doutoramento de 3.º Ciclo em Engenharia Civil Preâmbulo A Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO Nos termos do art.º 24º da Lei nº 62/2007 de 10 de Setembro, compete às Instituições de Ensino Superior apoiar a inserção dos seus estudantes no mundo do trabalho. Tal

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 131º. do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 131º. do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DE ESTÁGIO DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 131º. do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) Publicado no Diário da República n.º 3, IIIª Série, de 04 de Janeiro de 2001

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: 1. O Decretos-lei n.º 28/2000, de 13 de Março, n.º 237/2001, de 30 de Agosto e n.º 76-A/2006, de 29 de Março atribuíram, nomeadamente, aos advogados e aos solicitadores,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR 1. OBJECTO 1.1. O presente regulamento estabelece os princípios orientadores e os procedimentos relativos ao estágio/projecto para a obtenção do grau de licenciado

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

do diretor técnico; d) Original do documento de registo da cessação da função de farmacêutico substituto do diretor técnico.

do diretor técnico; d) Original do documento de registo da cessação da função de farmacêutico substituto do diretor técnico. PROCEDIMENTO PARA REGITO DE CESSAÇÃO DA FUNÇÃO DE FARMACÊUTICO SUBSTITUTO DE DIRETOR TÉCNICO DE FARMÁCIA DE OFICINA NAS SUAS AUSÊNCIAS E IMPEDIMENTOS 1. Requisitos legais a) Deve ser designado pela proprietária

Leia mais

CIRCULAR N.º 03/BVC/05 Codificação ISIN

CIRCULAR N.º 03/BVC/05 Codificação ISIN CIRCULAR N.º 03/BVC/05 Codificação ISIN Com o objectivo de estabelecer um sistema eficiente de registo, movimentação e controlo de valores mobiliários escriturais admitidos à cotação na bolsa de valores,

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Considerando que compete ao conselho de representantes das unidades orgânicas de ensino

Leia mais

Empreendimentos Turísticos

Empreendimentos Turísticos Empreendimentos Turísticos Procedimentos associados ao processo de licenciamento Os conceitos e os requisitos mínimos de instalação e funcionamento dos vários grupos e categorias de cada um destes tipos

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE Outubro de 2002 Recentes Recomendações da Comissão Europeia interpelam as várias entidades com competências em matéria de resolução de conflitos

Leia mais

EDITAL. 2. Vagas. 1/5 Pólo Maria Fernanda Resende. Serviços Centrais Avenida do Brasil, 53-B LISBOA Tel.: / Fax:

EDITAL. 2. Vagas. 1/5 Pólo Maria Fernanda Resende. Serviços Centrais Avenida do Brasil, 53-B LISBOA Tel.: / Fax: Concurso Especial dos Estudantes Aprovados nas provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos.

Leia mais

Projeto de regulamento relativo ao registo das empresas que oferecem redes e serviços de comunicações eletrónicas

Projeto de regulamento relativo ao registo das empresas que oferecem redes e serviços de comunicações eletrónicas Projeto de regulamento relativo ao registo das empresas que oferecem redes e serviços de comunicações eletrónicas Nota justificativa 1. A Lei n.º 5/2004, de 10 de fevereiro, na sua redação em vigor (Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P.

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P.

Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P. Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P. ARTIGO 1.º OBJECTO O presente Regulamento tem por objecto aprovar o Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P., adiante designado

Leia mais

CAE Rev_3: 60200, 61100, 61200, e TELECOMUNICAÇÕES

CAE Rev_3: 60200, 61100, 61200, e TELECOMUNICAÇÕES O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 60200, 61100, 61200, 61300 e 61900 TELECOMUNICAÇÕES ACTIVIDADES ABRANGIDAS: - Operador de Redes Públicas de Telecomunicações

Leia mais

REGULAMENTO Licenças Sabáticas. Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor. Gabinete de Apoio à Reitoria GAR julho 2014.

REGULAMENTO Licenças Sabáticas. Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor. Gabinete de Apoio à Reitoria GAR julho 2014. REGULAMENTO Licenças Sabáticas Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor Gabinete de Apoio à Reitoria GAR 1.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial Página

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DO PROJETO/ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES

REGRAS DE FUNCIONAMENTO DO PROJETO/ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES REGRAS DE FUNCIONAMENTO DO PROJETO/ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELETROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A unidade curricular de Projeto/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Eletrotécnica

Leia mais

EDITAL CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Nos termos do disposto no Decreto-Lei nº 107/2008 de 25 junho e do Despacho nº 1345/2010 publicado em Diário da República, II Série, Nº 13 de 20 de janeiro, faz-se

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO, POR SORTEIO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DOS LUGARES VAGOS DO CAMPO DA FEIRA DO CADAVAL

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO, POR SORTEIO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DOS LUGARES VAGOS DO CAMPO DA FEIRA DO CADAVAL MUNÍCIPIO DE CADAVAL CÂMARA MUNICIPAL CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO, POR SORTEIO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DOS LUGARES VAGOS DO CAMPO DA FEIRA DO CADAVAL PROGRAMA DE CONCURSO Secção I Disposições Gerais ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL. ARTIGO 1. Objecto

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL. ARTIGO 1. Objecto REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL ARTIGO 1. Objecto O presente Regulamento tem por objecto a eleição dos representantes dos professores e investigadores, dos representantes

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO BRASILEIRO

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO BRASILEIRO INSCRIÇÃO DE ADVOGADO BRASILEIRO [art. 201º do EOA e art. 17º a 19º do RIAAE] Documentação a entregar 1) Norma de Requerimento de Inscrição de Advogado; 2) 2 Certidões de Registo de Nascimento; 3) Certificado

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR Artigo 1º Princípio da legalidade regulamentar Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 22/2014 que define o novo Regime Jurídico da

Leia mais

CAPITULO I. Regulamento de Formação

CAPITULO I. Regulamento de Formação CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto e Âmbito) 1. O presente regulamento é aplicável aos formandos, jovens ou adultos, que frequentem as ações de formação desenvolvidas pela FORME. 2. O presente

Leia mais

REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 10/ Codificação ISIN (com as alterações introduzidas pelo Regulamento da Interbolsa n.

REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 10/ Codificação ISIN (com as alterações introduzidas pelo Regulamento da Interbolsa n. REGULAMENTO DA INTERBOLSA N.º 10/2003 - Codificação ISIN (com as alterações introduzidas pelo Regulamento da Interbolsa n.º 4/2010) Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente Regulamento estabelece as normas de

Leia mais

REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL

REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL Aprovado na 20ª Reunião do Conselho de Representantes da ESCE/IPS, em 18 de janeiro de

Leia mais

REGULAMENTO DE EQUIVALÊNCIAS ESTRANGEIRAS

REGULAMENTO DE EQUIVALÊNCIAS ESTRANGEIRAS REGULAMENTO Nº. 12/2013 REGULAMENTO DE EQUIVALÊNCIAS ESTRANGEIRAS 2 Índice Preâmbulo 4 Objetivo e âmbito 4 Definições 4 Local para instrução dos pedidos 4 Equivalência ao grau de licenciado 5 Deliberação

Leia mais

Regulamento dos. Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL

Regulamento dos. Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL Regulamento dos Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL PREÂMBULO Tendo como objetivo incentivar a investigação centrada sobre o ser humano, tanto sob os aspetos físicos

Leia mais

Artigo 1º Natureza da Unidade Curricular

Artigo 1º Natureza da Unidade Curricular REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR DE PROJECTO APLICADO DAS LICENCIATURAS em ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONTABILIDADE E FISCALIDADE e GESTÃO DE EMPRESAS Artigo 1º Natureza da Unidade

Leia mais

Título I Disposições Gerais

Título I Disposições Gerais 1 REGULAMENTO DE DESIGNAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA Título I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro

Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de fevereiro Dimensões da avaliação a) Científica e pedagógica; b) Participação na escola e relação com a comunidade; c) Formação contínua e desenvolvimento profissional.

Leia mais

O presente regulamento é elaborado nos termos do Cap. IV da Portaria n.º

O presente regulamento é elaborado nos termos do Cap. IV da Portaria n.º REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL A ENQUADRAMENTO LEGAL O presente regulamento é elaborado nos termos do Cap. IV da Portaria n.º 423/92 que estabelece as normas de realização da Prova de Aptidão

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES, APRESENTADAS NO ÂMBITO DO CONCURSO ABERTO ATRAVÉS

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES, APRESENTADAS NO ÂMBITO DO CONCURSO ABERTO ATRAVÉS PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES, APRESENTADAS NO ÂMBITO DO CONCURSO ABERTO ATRAVÉS DO AVISO N.º 10946-A/2015, PUBLICADO NO DIÁRIO DA REPÚBLICA, 2.ª SÉRIE, N.º 188, 1º SUPLEMENTO, DE 25 DE SETEMBRO. Pergunta

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A CANDIDATURA À MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM TECNOLOGIAS DA MÚSICA MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DO INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTATUTO DO DIRIGENTE ASSOCIATIVO

REGULAMENTO DO ESTATUTO DO DIRIGENTE ASSOCIATIVO REGULAMENTO DO ESTATUTO DO DIRIGENTE ASSOCIATIVO 1 PREÂMBULO Os diplomas que disciplinam o Estatuto do Dirigente Associativo Estudantil e o Estatuto do Dirigente Associativo Juvenil, são, respectivamente,

Leia mais

AVISO. Bolsa de Investigação para doutorado, refª IPMA BI

AVISO. Bolsa de Investigação para doutorado, refª IPMA BI AVISO Bolsa de Investigação para doutorado, refª IPMA-2017-66-BI O /IPMA abre concurso, no prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio, para atribuição de uma bolsa de Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS

REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS REGULAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS Regulamento de Certificação de Entidades Formadoras Página 1 de 16 Índice Capítulo I Disposições gerais... 4 Artigo 1.º Norma habilitante... 4 Artigo

Leia mais

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ SARAMAGO-MAFRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2015-2019 Preâmbulo O presente regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

AVISO N.º 05/2014 de 15 de Setembro

AVISO N.º 05/2014 de 15 de Setembro Publicado no Diário da República, I série, nº 182, de 01 de Outubro AVISO N.º 05/2014 de 15 de Setembro ASSUNTO: Sistemas de Pagamentos de Angola Autorização para a Constituição das Sociedades Prestadoras

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 22 Data: 2015/05/12 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

Regime das Condições de Prestação e de Disciplina do Trabalho da Autoridade Reguladora para a Comunicação Social

Regime das Condições de Prestação e de Disciplina do Trabalho da Autoridade Reguladora para a Comunicação Social REPÚBLICA DE CABO VERDE AUTORIDADE REGULADORA PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL Prédio Novo Banco, 2º Andar Achada Santo António - Praia Telefone: 2623342 e-mail: arccv2015@gmail.com Regime das Condições de Prestação

Leia mais

Associação de Futebol de Lisboa

Associação de Futebol de Lisboa Associação de Futebol de Lisboa Conselho de Arbitragem FUTSAL NORMAS REGULAMENTARES PARA CRONOMETRISTAS EDIÇÃO - 2010 INDICE 5 / 00. TEMAS NOMEAÇÃO PARA JOGOS 01 TESTES ESCRITOS 02 ASSIDUIDADE E COLABORAÇÃO

Leia mais

DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015

DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015 DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015 Assunto: REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO DO 2º CICLO Considerando: 1. A publicação do Decreto-Lei nº 115/2013, de 7 de agosto, que alterou o regime Jurídico dos Graus Académicos

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL ARTIGO 1. Objeto O presente regulamento tem por objeto a eleição dos representantes dos professores e investigadores, dos representantes dos estudantes e do representante do pessoal não docente e não investigador,

Leia mais

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA O (IPMA) abre concurso, no prazo de 10 dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio, para atribuição de uma bolsa de investigação (Nível 3) no âmbito do

Leia mais

AVISO. BOLSA DE INVESTIGAÇÃO Habilitado com Mestrado

AVISO. BOLSA DE INVESTIGAÇÃO Habilitado com Mestrado AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO Habilitado com Mestrado O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P./IPMA abre concurso, no prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio, para

Leia mais

BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA ESTUDANTES DE PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA ESTUDANTES DE PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO PARA ESTUDANTES DE PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o objetivo de estimular a Investigação

Leia mais

AVISO. O presente Aviso é composto pelos seguintes capítulos: Capítulo I - Natureza do concurso

AVISO. O presente Aviso é composto pelos seguintes capítulos: Capítulo I - Natureza do concurso AVISO Nos termos dos n.ºs 1 e 2 do artigo 30º do Decreto-Lei n.º 104/2008, de 24 de Junho, e do n.º 1 do artigo 12.º do Decreto-Lei n.º 200/2007, de 22 de Maio, torna-se público que, através do Despacho

Leia mais

CÓDIGO DO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO: alterações e consequências na Administração Central e Local

CÓDIGO DO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO: alterações e consequências na Administração Central e Local CÓDIGO DO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO: alterações e consequências na Administração 2015 Lei n.º 42/2014, de 11 de julho Lei de autorização legislativa Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro aprova o novo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ALTERAÇÃO DE DIRETOR TÉCNICO DE FARMÁCIA DE OFICINA

PROCEDIMENTO PARA ALTERAÇÃO DE DIRETOR TÉCNICO DE FARMÁCIA DE OFICINA PROCEDIMENTO PARA ALTERAÇÃO DE DIRETOR TÉCNICO DE FARMÁCIA DE OFICINA 1. Requisitos legais a) A direção técnica da farmácia é assegurada em permanência, por farmacêutico diretor técnico, registado na Secretaria

Leia mais

Guia do Apoio Judiciário

Guia do Apoio Judiciário 1 de 34 30-03-2013 17:05 Início > Acesso ao Direito > Guia do Apoio Judiciário GUIA DO APOIO JUDICIÁRIO Guia do Apoio Judiciário 1. Princípios Gerais 2. Aplicação da Lei no tempo 3. Prestação da Consulta

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 71/80, de 12 de Novembro

Decreto Regulamentar n.º 71/80, de 12 de Novembro Decreto Regulamentar n.º 71/80, de 12 de Novembro Complementa as condições de acesso ao esquema de prestações de segurança social do Decreto- Lei n.º 160/80 O Decreto-Lei n.º 160/80, de 27 de Maio, embora

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários DECRETO N.º 53/XI Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1º Natureza O Programa de Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) é uma

Leia mais

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA )

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA ) Informação do Sector Público: Acesso, reutilização e comercialização 24 de Novembro de 2004 Representação da Comissão Europeia em Portugal A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação. Regulamento de Creditação. Preâmbulo

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação. Regulamento de Creditação. Preâmbulo Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação Regulamento de Creditação Preâmbulo No âmbito da concretização do Processo de Bolonha, o Decreto-Lei n.º 74/2006 consagra normas relativas à

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES PARECER Nº 47/PP/2011-P CONCLUSÕES a) Não está vedado ao advogado, genericamente e em abstracto, exercer o patrocínio contra anterior cliente, impondo-se apenas verificar se tal patrocínio configurará

Leia mais

Simplificação Administrativa no Código do Procedimento Administrativo

Simplificação Administrativa no Código do Procedimento Administrativo Simplificação Administrativa no Código do Procedimento Administrativo João Tiago Silveira Curso Revisão do CPA Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito de Lisboa 10 de julho de

Leia mais

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO PARA MESTRE

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO PARA MESTRE AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO PARA MESTRE O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P./IPMA abre concurso, no prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio, para atribuição

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COIMBRA LICENCIATURA EM SOLICITADORIA E ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos dos artigos 63.º e 64.º do Decreto-Lei n.º 74/2006,

Leia mais

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ARMANDO DE LUCENA MALVEIRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2017-2021 Preâmbulo O presente regulamento define as regras

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 O estágio dos candidatos a solicitadores rege-se pelas disposições do Estatuto da Câmara dos Solicitadores e pelo presente regulamento, aprovado

Leia mais

Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artº 1º

Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artº 1º Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim principal de estimular a investigação nos vários ramos do saber, a Fundação Calouste

Leia mais

Aviso de abertura de concurso

Aviso de abertura de concurso Aviso de abertura de concurso Faz-se público que, de harmonia com a deliberação do Conselho Superior da Magistratura do Ministério Público de 30 de Setembro do ano corrente, se encontra aberto concurso

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica A componente de formação em contexto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL Convindo regular o procedimento tendente à aceitação e confirmação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 17 Data: 2013/03/26 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

A N U N C I O REGULAMENTO DE TAXAS E EMOLUMENTOS DA CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS. Introdução

A N U N C I O REGULAMENTO DE TAXAS E EMOLUMENTOS DA CÂMARA DOS TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS. Introdução A N U N C I O António Domingues de Azevedo, Presidente da Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, vem pelo presente, nos termos e para os efeitos previstos no Estatuto da Câmara dos Técnicos

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS O primeiro outorgante, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P., doravante designado

Leia mais

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização de estágios nas modalidades de estágio obrigatório e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA(161263)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA(161263) Direcção Regional de Educação do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA(161263) Escola Básica Rainha Santa Isabel Coimbra (342580) REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR Artigo 1º Objecto O presente

Leia mais