NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO INTERUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO INTERUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS"

Transcrição

1 NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO INTERUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO INTERUNIDADES DE ENSINO DE CIÊNCIAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E BIOLOGIA Instituto de Física, Instituto de Química, Instituto de Biociências e Faculdade de Educação Universidade de São Paulo NORMAS ESPECÍFICAS I Taxas 1. Não há taxa de inscrição para o processo seletivo. 2. Não há taxa de matrícula para aluno especial. II. Critérios de Seleção Os critérios de seleção de alunos para o mestrado, compreendem: 1. Análise de currículo, histórico escolar, plano de pesquisa e cartas de recomendação. 2. Proficiência em língua estrangeira 3. Entrevista 4. Prova escrita de conteúdo específico 5. Disponibilidade de orientação na área de concentração Os critérios de seleção de alunos para o doutorado compreendem: 1. Análise de currículo, histórico escolar, plano de pesquisa e cartas de recomendação. 2. Proficiência em língua estrangeira 3. Entrevista 4. Prova escrita de conteúdo específico 5. Disponibilidade de orientação na área de concentração.

2 III. Prazos Os prazos para a realização do curso de mestrado e doutorado são: 1. O mestrado, incluindo o depósito da dissertação, não poderá ser concluído em prazo inferior a 12 (doze) meses e superior a 42 (quarenta e dois). 2. O doutorado direto, sem obtenção do título de mestre, incluindo o depósito da tese, não poderá ser concluído em prazo inferior a 24 (vinte e quatro) meses superior a 66 (sessenta e seis). 3. O doutorado para portadores de título de mestre pela USP ou com equivalência por ela reconhecida, não poderá ser concluído em prazo inferior a 24 (vinte e quatro) meses e superior a 48 (quarenta e oito). IV. Créditos Mínimos 1. O candidato ao título de mestre deverá integralizar pelo menos 100 (cem) unidades de crédito, obedecendo à seguinte distribuição: 1.1. no mínimo 42 (quarenta e dois) unidades de crédito em disciplinas, das quais, pelo menos, 12 unidades devem corresponder a estudos na área de física, de química ou de biologia; pelo menos 12 unidades devem corresponder a estudos na área pedagógica (cinqüenta e oito) unidades de crédito no preparo da dissertação. 1.3 dos créditos exigidos em disciplinas até 14 (catorze) poderão ser computados em créditos especiais, conforme tabela abaixo: Atividade Número de créditos I trabalho completo publicado em revista de circulação nacional ou 6 a 8 internacional que tenha corpo editorial reconhecido e sistema referencial adequado; II publicação de trabalho completo em anais (ou similares), do qual o 5 a 6 interessado é autor; III livro ou capítulo de livro de reconhecido mérito na área do 6 a 8 conhecimento; IV capítulo em manual tecnológico reconhecido por órgãos oficiais nacionais e internacionais; 4 V participação em congresso científico com apresentação de trabalho, 3 a 5 cujo resumo seja publicado em anais (ou similares) VI participação no Programa de Aperfeiçoamento do Ensino (PAE) 5

3 O candidato ao título de doutor, não portador do título de mestre, deverá integralizar pelo menos 200 (duzentas) unidades de crédito, obedecendo à seguinte distribuição: no mínimo 60 (sessenta) unidades de crédito em disciplinas, das quais, pelo menos, 16 (dezesseis) unidades devem corresponder a estudos na área de Física ou de Química; pelo menos 16 (dezesseis) unidades devem corresponder a estudos na área pedagógica. 140 (cento e quarenta) unidades de crédito no preparo da tese. 20 dos créditos em disciplinas, previstos para o doutorado. O candidato ao título de doutor, portador do título de mestre pela USP ou com equivalência por ela reconhecida, deverá integralizar pelo menos 164 (cento e sessenta e quatro) unidades de crédito, obedecendo à seguinte distribuição: no mínimo 24 (vinte e quatro ) unidades de crédito em disciplinas Um total de 8 créditos em disciplinas, poderá constituir; 140 (cento e quarenta) unidades de crédito no preparo da tese. V. Língua Estrangeira 1. Para o mestrado exige-se proficiência em inglês. 2. Para o doutorado exige-se proficiência nos seguintes idiomas: inglês e espanhol. 3. A prova de proficiência em língua estrangeira para o mestrado e doutorado consiste em exame de tradução e compreensão de texto que será aplicada pelo Programa ou por instituição especializada indicada pela CPGI 4. O critério de proficiência, para o mestrado, consiste em aprovação no exame de inglês, sendo exigido, 50% de aproveitamento. 5. O critério de proficiência, para o doutorado, consiste em aprovação no exame de cada uma das línguas, sendo exigido, no mínimo. 6. Para os alunos estrangeiros é obrigatória também a proficiência em língua portuguesa, a ser comprovada mediante prova específica. 7. Poderão ser aceitos exames externos, desde que realizados com antecedência máxima de um ano da data do processo seletivo e tendo o candidato atingido a pontuação mínima de : TOEFL: 460 pontos para o mestrado e 500 pontos para o doutorado IELTS: 5,0 pontos para o mestrado e 5,5 para o doutorado. ESPANHOL: Nível Intermediário, Pontuação: aprovado, exame administrado pelo Instituto Cervantes.

4 VI. Disciplinas A aprovação do credenciamento e recredenciamento de disciplinas e dos docentes responsáveis será baseada em parecer circunstanciado de relator indicado pela CPG. Os critérios básicos para credenciamento de disciplina compreendem: (1) Mérito e importância junto ao programa; (2) Conteúdo ligado às linhas de pesquisa; (3) Atualidade e a relevância da bibliografia; (4) Competência específica dos responsáveis. VII. Exame de Qualificação 1. O exame de qualificação é obrigatório para os alunos de mestrado e doutorado. 2. O aluno só poderá se submeter ao exame de qualificação após ter completado 60% dos créditos em disciplinas. 3. O exame de qualificação tem o objetivo de avaliar o desenvolvimento do projeto de pesquisa de dissertação ou tese do aluno, 4. O relatório a ser encaminhado à CPGI deve ter uma estrutura que contemple uma descrição do projeto de pesquisa, ressaltando objetivos, hipóteses, indicação da fundamentação teórica, metodologia, dados e resultados já obtidos, indicação dos referenciais de análise, bibliografia e um cronograma de atividades para a entrega da dissertação ou tese. 5. O prazo máximo para a inscrição para o exame de qualificação é de 21 (vinte e um) meses para o mestrado, 24 (vinte e quatro) meses para o doutorado dos alunos portadores do título de mestre e 33 (trinta e três) meses para o doutorado dos alunos não portadores do título de mestre. 6. O exame de qualificação constará de argüição do relatório apresentado e deverá avaliar a maturidade do aluno para a etapa final de desenvolvimento da dissertação ou tese. É facultada ao aluno a exposição oral do trabalho, a qual não deverá exceder 30 (trinta minutos).

5 VIII. Passagem de Mestrado para o Doutorado Direto A passagem de um aluno de mestrado para o doutorado, sem o título de mestre, somente poderá ser requerida após o aluno ter completado todos os créditos em disciplinas. 1. A passagem para o doutorado se dará mediante: 1.1. análise dos seguintes documentos: a) solicitação do orientador, com parecer circunstanciado justificando a passagem de mestrado para doutorado; b) histórico escolar e currículo do aluno; c) projeto de pesquisa do doutorado detalhado d) parecer de relator 1.2. aprovação em exame específico para esse fim. 1.3 Aprovação pela CPGI da solicitação do Orientador, mediante parecer de relator e indicação da banca para exame, composta por 3 (três) membros, sendo o orientador, membro nato e presidente. No caso de o orientador não ser docente do Instituto de Física, do Instituto de Química ou da Faculdade de Educação, um dos membros da banca deverá ser do Programa de Pós Graduação Interunidades de Ensino de Ciências. IX. Desempenho acadêmico insatisfatório O critério para desligamento de pós-graduandos com desempenho acadêmico e científico insatisfatório compreende um parecer detalhado apresentado pelo orientador, por escrito, e analisado pela Comissão de Pós-Graduação, sobre a improdutividade do aluno ou não cumprimento de cronograma por dedicação insuficiente e um relatório apresentado pelo estudante. X. Orientadores 1-Critérios para o Credenciamento de Orientadores Orientação de Mestrado: O credenciamento será por um prazo de 5 anos obedecidos os seguintes itens: 2.1- Ter título de doutor em educação, física, química ou biologia. Pesquisadores com doutoramento em outras áreas poderão ser credenciados como orientadores desde que possuam projetos de pesquisa reconhecidos pela CPGI e atendam aos demais critérios Ter linha de pesquisa definida na área de ensino de Ciências (física, química ou biologia) ou, no caso de implementação de uma área de concentração, ter linha de pesquisa definida em sua área de origem, e especificar uma linha na área de Ensino de Ciências, dentre aquelas definidas no Programa.

6 2.3- Ter publicado, nos últimos cinco anos, pelo menos três (3) artigos em revista científica indexada, nacional ou internacional, com árbitro e de ampla divulgação ou três trabalhos completos em anais de congressos, nacionais ou internacionais, com árbitro, ou ainda de dois livros ou capítulos de livros da área, com ISBN Ter participado, com apresentação de trabalho, de conferências científicas em sua área de pesquisa. Critérios para o Credenciamento de Orientadores - Orientação de Doutorado O credenciamento será por um prazo de 5 anos obedecidos os seguintes itens: 3.1- Ter título de doutor em educação, física ou química. Pesquisadores com doutoramento em outras áreas poderão ser credenciados como orientadores, desde que possuam projetos de pesquisa reconhecidos pela CPGI e atendam aos demais critérios Ter linha de pesquisa definida na área de ensino de Ciências (física e química) Ter publicado, nos últimos cinco anos, pelo menos três (3) artigos em revista científica indexada, nacional ou internacional, com árbitro e de ampla divulgação ou três trabalhos completos em anais de congressos da área, nacionais ou internacionais, com árbitro, ou ainda de dois livros ou capítulos de livros da área, com ISBN Ter participado, com apresentação de trabalho, de conferências científicas em sua área de pesquisa Ter concluído pelo menos uma orientação de mestrado. 4. a) O número máximo de orientandos por orientador é de 10. O orientador poderá co-orientar até dois alunos. b) O número máximo de orientandos por orientador, no caso de orientadores que são docentes aposentados é de 6. O co-orientador poderá co-orientar mais dois alunos. 5. Critérios para o Recredenciamento de Orientadores: O recredenciamento será por um prazo de 5 anos obedecidos os seguintes itens 5.1 Demonstrar engajamento em atividades de pós-graduação pelo menos um aluno titulado no período. 5.2 Ter publicado, nos últimos cinco anos, pelo menos três (3) artigos em revista científica indexada, nacional ou internacional, com árbitro e de ampla divulgação ou três trabalhos completos em anais de congressos da área, nacionais ou internacionais, com árbitro, ou ainda dois livros ou capítulos de livros da área, com ISBN.

7 5.3 Ter participado, com apresentação de trabalho, de conferências científicas na área de pesquisa do Programa. Jovens pesquisadores, pós-doutorandos, professores visitantes e externos à USP poderão ser credenciados como co-orientador e devem cumprir os critérios. As solicitações para co-orientação deverão ser apresentadas a CPG até no máximo, 24 meses após a matrícula. XI Procedimentos para o Depósito da Dissertação / Tese 1. O aluno de mestrado deverá depositar, dentro do prazo regimental, sua dissertação em 5 (cinco) vias impressas e 1 (uma) via eletrônica, através de formulário de encaminhamento à CPGI, assinado pelo orientador. 2. O aluno de doutorado deverá depositar, dentro do prazo regimental, sua tese em 7 (sete) vias impressas e 1 (uma) via eletrônica, através de formulário de encaminhamento à CPGI, assinado pelo orientador. 3. A dissertação ou a tese deverá ser redigida em português, com resumo em português e em inglês. 4. O aluno deverá encaminhar um exemplar, dentro dos padrões estabelecidos pela instituição, à Biblioteca do Instituto de Física e outro à Biblioteca da Faculdade de Educação da USP. Os alunos das áreas de ensino de Química e de ensino de Biologia deverão, ainda, encaminhar um exemplar, dentro dos padrões estabelecidos pela instituição, à Biblioteca do Instituto de Química ou do Instituto de Biociências. XII. Comissão Julgadora No caso de o orientador ser específico, tanto para o mestrado quanto para o doutorado, deve fazer parte da comissão julgadora pelo menos um orientador pleno do Programa. XIII. Outras Normas A CPGI não dispõe de outras normas.

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROJETOS EDUCACIONAIS DE CIÊNCIAS - PPGPE I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP- PPGPE) A Comissão Coordenadora

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós Graduação. Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós Graduação. Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (PPGEE) A CCP é constituída por 6 (seis) membros docentes e seus respectivos suplentes,

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS ESPECÍFICAS DA CPG DA EPUSP Aprovada pela Câmara de Normas e Recurso em Sessão de 09.08.2006 ÍNDICE I TAXAS II CRITÉRIOS DE SELEÇÃO III PRAZOS IV CRÉDITOS MÍNIMOS EXIGIDOS V LÍNGUA ESTRANGEIRA VI

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 10 (dez) orientadores

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) Engenharia de Transportes da Escola Politécnica

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Economia PPGE I. Composição da Comissão Coordenadora de Programa (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES

Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES - 2017 EMENTA: Normatiza os procedimentos para inscrição e seleção de alunos do PPSIG-UFF interessados na candidatura à Bolsa do Programa Institucional

Leia mais

Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - FOB

Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - FOB 108 São Paulo, 124 (64) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 4 de abril de 2014 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Resolução CoPGr-6.781, de 1º-4-2014 Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de História. Parágrafo único As Atividades Complementares

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL CAMPUS V

NORMAS COMPLEMENTARES AO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL CAMPUS V Universidade do Estado da Bahia UNEB Reconhecida pela portaria ministerial n º 909 de 31 07 95 Departamento de Ciências Humanas/Campus V Santo Antonio de Jesus Programa de Pós-Graduação em História Regional

Leia mais

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP Universidade de São Paulo Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A

Leia mais

1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE

1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE PROCEDIMENTOS PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO/TESE E DIPLOMAÇÃO STRICTO SENSU 1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE Aluno: Após integralizar os requisitos necessários para obtenção do

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) será constituída

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA (Aprovado pela Resolução Nº 780 CONSEPE de 26 de agosto de 2010)

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA (Aprovado pela Resolução Nº 780 CONSEPE de 26 de agosto de 2010) CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA (Aprovado pela Resolução Nº 780 CONSEPE de 6 de agosto de 010) EDITAL PPPG Nº. 33/010 A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Edital 09/ Local, período, documentação e pagamento de taxa

Edital 09/ Local, período, documentação e pagamento de taxa Edital 09/2012 A Coordenação do Curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos desta Universidade, ouvido o Colegiado, TORNA PÚBLICA a divulgação do cronograma do processo de recrutamento, seleção

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA COPPE/UFRJ PROGRAMA DE ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA O Doutorado em Engenharia Química exige, além do atendimento das condições dispostas na Regulamentação dos Cursos

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química EDITAL 2016/03: PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES DE MESTRADO E DOUTORADO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA ABRIL A JUNHO 2016 A Comissão Coordenadora do da Escola Politécnica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E DA SAÚDE - CCENS CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 2016 Regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCO E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCO E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA SELEÇÃO AO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE RISCO E DESASTRES NATURAIS NA TURMA 2016 A Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio da Coordenação do Programa de Pós- Graduação em Gestão de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EDITAL N 05/2013

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EDITAL N 05/2013 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EDITAL N 05/2013 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ABERTURA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016 Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística

Leia mais

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu.

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Av. Ville Roy, 5315 Bairro São Pedro 69.301-001 - Boa Vista/RR Fone (095)621-3108 Fax (095)621-3101 Resolução

Leia mais

CHAMADA INTERNA N.º 01/2016 PPG/UEMA BOLSA DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA

CHAMADA INTERNA N.º 01/2016 PPG/UEMA BOLSA DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação-PPG Coordenação de Pós-Graduação-CPG CHAMADA INTERNA N.º 01/2016 PPG/UEMA BOLSA DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

ANÁLISE DE PRÉ-PROJETO

ANÁLISE DE PRÉ-PROJETO BAREMA 01 ANÁLISE DE PRÉ-PROJETO ITENS DE AVALIAÇÃO Pontuação Máxima 1. Tema e Relevância do Projeto Pertinência com a proposta do curso 01 Originalidade 01 2. Delimitação do Problema Abordagem clara do

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado e Doutorado. EDITAL PPGE nº 11/2013

Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado e Doutorado. EDITAL PPGE nº 11/2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado e Doutorado EDITAL PPGE nº 11/2013 Edital para Credenciamento de Novos Docentes para o Programa de Pós -Graduação em

Leia mais

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES RECIFE/PE Atualizado em 21 de setembro de 2015 1 SUMÁRIO

Leia mais

FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA.

FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA. Edital Estarão abertas no período de 21 a 25 de MARÇO DE 2011, as inscrições para o preenchimento de vagas para os cursos de Mestrado acadêmico e Doutorado, para ingresso no 2º. Semestre de 2011, junto

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 Abertura do Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade das Américas Artigo 1 o A Diretoria

Leia mais

Resolução 028/99 - CONSEPE

Resolução 028/99 - CONSEPE Resolução 028/99 - CONSEPE Aprova Regulamentação para a admissão de Professores Colaboradores para atuação no Programa Magister. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE da Fundação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS EDITAL Nº 01/PROPG-PPGEMPS/2014 SELEÇÃO EXTERNA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS/FISICA EDITAL 16/2015.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS/FISICA EDITAL 16/2015. EDITAL 16/2015. Edital de Inscrição, Seleção e Matrícula para o curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciências - Área de Concentração em Física. DOUTORADO EM CIÊNCIAS/FÍSICA 1º Semestre -

Leia mais

Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica

Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica Edital 01/2016 Programa de Iniciação Científica A Faculdade Promove de Minas Gerais, Faculdade Promove de Belo Horizonte, Faculdade Promove de Tecnologia,Escola de Engenharia Kennedy, Faculdade Kennedy

Leia mais

Universidade de São Paulo (são Carlos)

Universidade de São Paulo (são Carlos) conseguiu Universidade de São Paulo (são Carlos) SP Renovação de credenciamento do Curso de Pos-Graduação em Fisica, Área de Concentração em Fisica Básica e Fi sica aplicada, a nível de Mestrado e Doutorado.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL CPD 024, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL CPD 024, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDITAL CPD 024, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 A Pró-Reitora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, da Universidade

Leia mais

EDITAL NUPEL/ILUFBA Nº 05, DE 08 DE SETEMBRO DE 2016, PARA A SELEÇÃO DE TRADUTORES EM FORMAÇÃO

EDITAL NUPEL/ILUFBA Nº 05, DE 08 DE SETEMBRO DE 2016, PARA A SELEÇÃO DE TRADUTORES EM FORMAÇÃO Universidade Federal da Bahia Núcleo Permanente de Extensão em Letras Instituto de Letras EDITAL NUPEL/ILUFBA Nº 05, DE 08 DE SETEMBRO DE 2016, PARA A SELEÇÃO DE TRADUTORES EM FORMAÇÃO O Núcleo Permanente

Leia mais

Faculdade de Medicina do ABC

Faculdade de Medicina do ABC Faculdade de Medicina do ABC Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde Edital para Preenchimento da Cota Institucional de Bolsa de Doutorado-Sanduíche - CAPES A Faculdade de Medicina do ABC faz saber

Leia mais

BAREMA PARA PROVA DE TÍTULOS EM CONCURSO PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA*

BAREMA PARA PROVA DE TÍTULOS EM CONCURSO PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA* Para cada título as pontuações listadas abaixo devem ser interpretadas de forma relativa. Para a atribuição de uma nota absoluta a cada candidato a banca examinadora deverá observar os seguintes aspectos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.15, de 1/10/1966 São Luís - Maranhão. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GERONTOLOGIA SOCIAL

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Edital n o 01/2016 Seleção de Projetos de Pesquisa A Coordenadoria do Mestrado Acadêmico e Pesquisa

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO EDITAL 2012

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO EDITAL 2012 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO EDITAL 2012 O da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura das inscrições para a seleção ao Programa de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016 PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Bolsas de Iniciação Científica tem como objetivo incentivar

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP Normas do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (Estruturas) - EESC/USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO

Leia mais

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015)

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de 2014 Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Com base na Resolução 35/2011 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que estabelece as Normas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Escola Politécnica de Pernambuco

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Escola Politécnica de Pernambuco Outubro/2005 Índice: Disposições Gerais; Anexos. Aos Sr s chefes dos departamentos: DCA, DEB, DEC, DEM, DEE e DSC. Autue e registre-se, publique-se e cumpra-se. RESOLUÇÃO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL DA POLI

Leia mais

EDITAL PROGRAD nº 35 de 09 de novembro de 2012 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA INTERNA

EDITAL PROGRAD nº 35 de 09 de novembro de 2012 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA INTERNA EDITAL PROGRAD nº 35 de 09 de novembro de 2012 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA INTERNA A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), no uso de

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Escola de Nutrição

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Escola de Nutrição Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Escola de Nutrição Endereço: R. Basílio da Gama, S/N - Canela - Salvador / Bahia CEP 40.110.907 Telefone: (071) 3283-7700 /7701 e-mail: enufba@ufba.br

Leia mais

Oncologia Normas Específicas

Oncologia Normas Específicas Oncologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em ONCOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente; mais 1

Leia mais

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA HORIZONTINA SETEMBRO/2008 O aluno do Curso de Ciências Econômicas da Faculdade Horizontina, deverá,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA RESOLUÇÃO N o 01/PPGP de 03 de outubro de 2013 Dispõe sobre os critérios para credenciamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE TECNOLOGIA COPPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE TECNOLOGIA COPPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE TECNOLOGIA COPPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA EDITAL COPPE-PEE/PÓS N o 01/2010 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

ANEXO II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE TÍTULOS

ANEXO II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE TÍTULOS ANEXO II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE TÍTULOS - Regulamento da Titulação - Regulamento da Produção Científica - Regulamento da Experiência Profissional Regulamento da Titulação Nesta categoria os examinadores

Leia mais

Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná. Título I Objetivos

Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná. Título I Objetivos Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná Título I Objetivos Art 1º. O Programa de Pós-Graduação em Psicologia, em nível de Mestrado, visa

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO Campus I Joinville 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 3 DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA...

Leia mais

COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO

COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO Normas da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo I COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Normas para realização do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 03/2013-CMCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 03/2013-CMCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 03/2013-CMCA Regulamenta as Atividade Complementares do Curso de Engenharia Mecatrônica

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO

UNIVERSIDADE POSITIVO UNIVERSIDADE POSITIVO CHAMADA DE PROJETOS PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) CICLO 2012-2013 EDITAL N o 117 de 03/04/2012 Art. 1 o A Reitoria da Universidade Positivo (UP) torna público o presente

Leia mais

aprovação do pleno, ocorrida na sessão ordinária de 7 de outubro de 2014;

aprovação do pleno, ocorrida na sessão ordinária de 7 de outubro de 2014; 1 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 13/2014, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Regulamenta o processo de revalidação de diploma de cursos de graduação em Medicina obtido em instituição estrangeira de ensino superior. A Presidente

Leia mais

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP REGULAMENTO Bolsa Instituto TIM OBMEP A bolsa Instituto TIM OBMEP é uma iniciativa do Instituto TIM, em parceria com a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas OBMEP com o objetivo de dar

Leia mais

EDITAL PPGH/UFGD N 018, de 04 de agosto de 2016.

EDITAL PPGH/UFGD N 018, de 04 de agosto de 2016. EDITAL PPGH/UFGD N 018, de 04 de agosto de 2016. O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em História da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, Prof. Dr. Thiago Leandro Vieira Cavalcante,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO III

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO III SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO III Fichas de Avaliação das Provas: Escrita, Didática e/ou Prática e de Títulos Porto Velho -RO SERVIÇO PÚBLICO

Leia mais

FACULDADE SÃO FRANCISCO DE JUAZEIRO-BA

FACULDADE SÃO FRANCISCO DE JUAZEIRO-BA EDITAL N. 1 SELEÇÃO DE ALUNOS PARA MONITORIA DA EMPRESA JÚNIOR, ESCRITÓRIO MODELO E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE SÃO FRANCISCO DE

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

FORMULÁRIO DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE AVALIADO :

FORMULÁRIO DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE AVALIADO : I. Capacitação Profissional Pontos 1. Participação em Simpósio, Congresso, Seminário e outros eventos na área pedagógica, na área de atuação do docente ou em áreas afins (1,0 por evento, máximo 4,0 pontos).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUEOLOGIA EDITAL DE SELEÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUEOLOGIA EDITAL DE SELEÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUEOLOGIA EDITAL DE SELEÇÃO A Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco torna público

Leia mais

EDITAL Nº. 02 CCNE/DEPT. BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR/UFSM SELEÇÃO DE BOLSITAS

EDITAL Nº. 02 CCNE/DEPT. BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR/UFSM SELEÇÃO DE BOLSITAS EDITAL Nº. 02 CCNE/DEPT. BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR/UFSM SELEÇÃO DE BOLSITAS A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), através do projeto Institucional FIEX, torna pública a abertura de inscrições

Leia mais

COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA RESOLUÇÃO N.º 01/2015

COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA RESOLUÇÃO N.º 01/2015 COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA RESOLUÇÃO N.º 01/2015 Estabelece critérios para concessão e manutenção de Bolsas de Agências de Fomento e de Bolsas de Monitoria destinadas a alunos

Leia mais

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Art. 1º Com base no disposto no Art. 79 do Regulamento Geral dos Cursos de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANEAMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Normas e Critérios para Concessão de Bolsas por quota - CAPES e CNPq 2014/2015 (* Alterações aprovadas em reunião do Conselho do Programa realizada no dia 22 de agosto

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CULTURAS E INDENTIDADES BRASILEIRAS. Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/CAPES 2013 (Portaria n.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CULTURAS E INDENTIDADES BRASILEIRAS. Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/CAPES 2013 (Portaria n. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CULTURAS E INDENTIDADES BRASILEIRAS Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/CAPES 2013 (Portaria n. 86/2013) Edital IEB-USP nº 31/ 2013 Edital de abertura de inscrições para o

Leia mais

EDITAL 10/2014 PROPESP ESTÁGIO PIBIC DE VERÃO - EPV

EDITAL 10/2014 PROPESP ESTÁGIO PIBIC DE VERÃO - EPV EDITAL 10/2014 PROPESP ESTÁGIO PIBIC DE VERÃO - EPV A Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPESP) torna pública a seleção de propostas para a realização do Estágio PIBIC de Verão (EPV) por discentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA Portaria nº. 01/10 - CCE Regulamenta os conteúdos complementares flexíveis, fixados no

Leia mais

Número do Documento:

Número do Documento: Número do Documento: 1323910 Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará UECE Secretaria dos Órgãos de Deliberação Coletiva - SODC RESOLUÇÃO

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são as atividades complementares? - as atividades complementares são um componente curricular obrigatório segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 207/2016

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 207/2016 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 207/2016 Altera a Deliberação Consep Nº 168/2012 que Regulamenta os Cursos de Pós-graduação Stricto Sensu. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo PRPPG- 017/2016,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema-Departamento de Ciências Biológicas

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema-Departamento de Ciências Biológicas Regulamento das Atividades Acadêmico-Científico e Culturais Normatização Regulamenta as atividades acadêmico-científicoculturais do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas, UNIFESP, Diadema. Art. 1º.

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA - UNIFOR REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor nº 22/2012

Leia mais

IV REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA FDV.

IV REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA FDV. IV REGULAMENTO DAS DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA FDV. Estabelece normas para o funcionamento das Atividades Complementares do sistema seriado do curso de Direito. Alterado pelo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DE SANTA CATARINA CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 34/99 Fixa normas para o reconhecimento da equivalência de estudos da Educação Básica e Profissional realizados no exterior, revalidação

Leia mais

I. AVALIAÇÃO DO TRABALHO E DO EVENTO (MÁXIMO 10,0 PONTOS)

I. AVALIAÇÃO DO TRABALHO E DO EVENTO (MÁXIMO 10,0 PONTOS) ANEXO V CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A nota final (NF) será dada pela média aritmética da nota de cada uma das alíneas do 1º, Art. 11 o, conforme os critérios estabelecidos nas tabelas apresentadas neste documento.

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE CONCURSOS E AVALIAÇÃO DOCENTE, CESCAD ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MEMORIAL DESCRITIVO

COMISSÃO ESPECIAL DE CONCURSOS E AVALIAÇÃO DOCENTE, CESCAD ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI DO REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE DOCENTE PARA A AQUISIÇÃO DA ESTABILIDADE NO CARGO DE PROVIMENTO EFETIVO EM VIRTUDE DE CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO ENSINO

Leia mais

Edital SELEÇÃO PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO DE CANDIDATOS A TUTORES. Dimensões da Humanização: Filosofia, Psicanálise, Medicina Aperfeiçoamento

Edital SELEÇÃO PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO DE CANDIDATOS A TUTORES. Dimensões da Humanização: Filosofia, Psicanálise, Medicina Aperfeiçoamento Ministério da Educação Universidade Federal do Espírito Santo Sistema Universidade Aberta do Brasil UAB Núcleo de Educação Aberta e a Distância Ne@ad Edital SELEÇÃO PARA CURSO DE CAPACITAÇÃO DE CANDIDATOS

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Logísticos Regulamento do Programa de em Engenharia de Sistemas Logísticos I Composição da Comissão Coordenadora de Programa (CCP) A CCP do Programa de Engenharia de Sistemas Logísticos é constituída por 3 (três)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2016 BAC

RESOLUÇÃO Nº 001/2016 BAC RESOLUÇÃO Nº 001/2016 BAC Estabelece normas para orientar o registro de Atividades Complementares (AC) no Curso Bacharelado em Artes Cênicas da UNESPAR Campus Curitiba II FAP. Considerando a Lei nº. 9394/96

Leia mais

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB 1 PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB NORMA PAPGEF UPE/UFPB N 004/015 - DISPÕE SOBRE O PROCESSO EM SISTEMA DE FLUXO CONTÍNUO PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS A INGRESSO NO CURSO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL EDITAL N 34, DE 9 DE AGOSTO DE 2016. EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA A COORDENADORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º As Atividades Complementares são exigidas para integralização da do

Leia mais

A Congregação do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia, no uso de suas atribuições, considerando que:

A Congregação do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia, no uso de suas atribuições, considerando que: PORTARIA INTERNA nº 55 Estabelece critérios e escalas para aferição de na avaliação de títulos em concursos para Professor Adjunto A do Instituto de Biologia da UFBA A Congregação do Instituto de Biologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E ESTRUTURAL DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E ESTRUTURAL DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E ESTRUTURAL DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O Departamento de Biologia Geral (DBG), com a colaboração de outros Departamentos da U.F.V, oferece

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (JOR90) 1

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (JOR90) 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, LETRAS E ARTES VISUAIS CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM JORNALISMO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (JOR90) 1 Boa Vista-RR 2014

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 31/2016 SUBMISSÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 31/2016 SUBMISSÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 31/2016 SUBMISSÃO DE PROJETOS DE PESQUISA A Pró-reitoria de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão, PRPGPE, torna público ao corpo docente do Centro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA PARA OS CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA PARA OS CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA PARA OS CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO Os Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Zoologia são regidos pelo presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR ASSISTENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERENAMBUCO, ÁREA: PROJETO DE ARQUITETURA, URBANISMO

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2014

EDITAL DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2014 EDITAL DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA 2014 A Direção do Núcleo Acadêmica do Centro Universitário Monte Serrat, no uso de suas atribuições, torna público o Programa de Iniciação Científica

Leia mais