Universidade da Beira Interior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade da Beira Interior"

Transcrição

1 Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Voz sobre IP Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação

2 Cap. 5 - Sumário ü Introdução ü Protocolo H.323 ü Session Initiation Protocol (SIP)

3 Introdução A Internet é uma rede em que cada vez mais se procura uma integração de serviços. A Internet utiliza a arquitectura TCP/IP. Disponibilizando um serviço sobre o protocolo IP, temos acesso ao mercado global. Deste modo, o serviço de voz também se apresenta como um serviço de enorme potencial para a Internet. É expectável que possa vir a substituir, em grande medida, o serviço de voz convencional.

4 Introdução O desafio associado a esta transição prende-se com a necessidade da existência de garantias a vários níveis, nomeadamente, em termos de operacionalidade, segurança, etc. Assim, o serviço de voz sobre IP (VoIP), apresenta-se como um serviço apetecível para o cliente: redução de custos facilidade de administração

5 Introdução Para o operador (enquanto fornecedor) que disponibiliza este serviço, também é apetecível pois dispõe de um mercado completamente aberto à escala global. O serviço de VoIP também é conhecido por telefonia IP, telefonia via Internet ou telefone digital.

6 Introdução Que tipo de protocolos são necessários: Sinalização Protocolo para estabelecer a presença, localizar utilizadores, e estabelecer, alterar e desligar sessões. Media Protocolos de transporte para transmissão de áudio/vídeo em pacotes. Protocolos de suporte: localização de Gateways, IP, tradução de endereços, Qualidade de Serviço, etc.

7 Introdução Alguns protocolos que temos ao dispor: Sinalização H.323 (ITU-T) e SIP (IETF). Media RTP (IETF, adoptado pela ITU-T). Transporte TCP, UDP e o Stream Control Transmission Protocol (RFC 2960) Protocolos de suporte: DNS, TRIP (telephony routing over IP), RSVP (resource reservation setup protocol), COPS (common open policy service, para QoS) e Diameter (para autenticação, accounting e autorização)

8 Introdução A maioria das soluções de VoIP usam os protocolos de sinalização: H.323 (definido pela ITU-T) Session Initiation Protocol (SIP), definido pela IETF (mais recente que o H.323 e em franco crescimento)

9 Introdução Outros protocolos são: Megaco (Media Gateway Controller), definido pelo RFC 2535, fruto de um trabalho conjunto entre a IETF e a ITU. Megaco é o nome utilizado pela IETF e H.248 é o nome utilizado pela ITU. Skinny Client Control Protocol Protocolo proprietário da Cisco MiNET - Protocolo proprietário da Mitel CorNet-IP - Protocolo proprietário da Siemens

10 Introdução Outros protocolos são: IAX Protocolo Inter-Asterisk exchange usado pelo servidor PBX (open source) Asterisk, e pelo respectivo cliente Skype Protocolo proprietário Peer-to-Peer usado pelo Skype Jajah - Protocolo proprietário Peer-to-Peer usado pelo Jajah, que é compatível com o SIP e IAX.

11 VoIP uma Solução Típica Fonte: Wikipedia

12 Cap. 5 - Sumário ü Introdução ü Protocolo H.323 ü Session Initiation Protocol (SIP)

13 H Introdução O protocolo H.323 é um protocolo standard para comunicações multimédia em redes comutadas de pacotes (não apenas em redes IP). O H.323 é uma espécie de chapéu de chuva que inclui os protocolos estandardizados H.323, H.225.0, H.245, a série H.450, e a série H.460. Geralmente, referimo-nos apenas ao protocolo H.323 Por exemplo, o protocolo H é utilizado em sistemas de videoconferência profissionais

14 H Introdução O âmbito do protocolo H.323 abrange: Voz em tempo real; Vídeo; Comunicações de dados em redes de pacotes. A primeira versão draft do H.323 foi lançada em Fevereiro de 1996 H.323 foi o primeiro protocolo estandardizado de VoIP Actualmente a ITU-T trabalha no H.323v6

15 H.323 Elementos de um sistema H.323: Terminais Multipoint Control Units (MCUs) Gateways Gatekeeper Border Elements Referred to as endpoints Terminais: Telefones Videotelefones Dispositivos IVR (sistemas Interactive Voice Response) Sistemas de Voic Soft phones (ex.: NetMeeting )

16 H MCUs Multipoint Control Units (MCUs) São responsáveis pela gestão de sessões/conferências multiponto O MCU contém um controlador multiponto que gere a sinalização das chamadas e, opcionalmente, pode ter processadores multiponto para gerir vários tipos de media, comutação e outros processamentos

17 H Gateway A Gateway é composta por um Media Gateway Controller (MGC) e uma Media Gateway (MG), que podem existir ou coexistir separadamente. O MGC gere a sinalização das chamadas e outras funções não relacionadas com os media. O MG gere os próprios media. A interface da Gateway H.323 com outras redes inclui a rede telefónica pública, os sistemas H.320,e outras redes H.323 (como proxy).

18 H Gatekeeper O Gatekeeper é um componente opcional de um sistema H.323, sendo usado inicialmente para controlo de admissão e resolução dos endereços. O Gatekeeper permite chamadas directamente entre pontos terminais ou pode encaminhar o sinal de chamada através dele próprio para desempenhar funções como follow-me/find-me e reencaminhar quando ocupado.

19 H.323 Border elements e Peer Elements Os Peer Elements, que muitas vezes são colocados com um Gatekeeper, trocam informação de endereçamento e participam na autorização da chamada dentro e entre domínios Os Peer Elements podem agregar informação de endereçamento por forma a reduzir a informação de routing passada através da rede

20 H.323 Border elements e Peer Elements Os Border Elements são um tipo especial de Peer Element que existe entre dois domínios Os Border Elements também podem auxiliar directamente na autorização/ autenticação da chamada entre dois domínios

21 H Protocolos O H.323 é um documento de referência que descreve o modo como as várias peças do sistema trabalham em conjunto. O H define a sinalização de chamada entre pontos teerminais e o Gatekeeper. O RTP/RTCP (Real-Time Protocol/ Real-Time Control Protocol) (RFC 3550) é o protocolo usado para transmitir medias, tais como vídeo e vídeo sobre IP. O H Anexo G e o H.501 definem os procedimentos e protocolos para comunicação dentro e entre os Peer Elements. O H.245 é o protocolo usado para controlar o estabelecimento e encerramento dos canais dos media dentro do contexto de uma chamada e gerir o controlo da conferência.

22 H Protocolos O H.450.x é uma série de protocolos de serviços complementares. O H.460.x tem uma série de extensões (independentemente da versão) para o protocolo H. 323 base. T.120 especifica como fazer data conferencing T.38 define como retransmitir sinais de FAX. V define como retransmitir sinais de modem. H.235 define a segurança dentro dos sistemas H.323 X.680 define a sintaxe ASN.1 (Abstract Syntax Notation One). X.691 define as Packed Encoding Rules (PER) usadas para codificar mensagens para transmissão na rede.

23 H Registration, Admission, and Status RAS Definido no protocolo H Permite que um ponto terminal possa pedir autorização para efectuar ou aceitar uma chamada. Permite que um Gatekeeper controle o acesso de e para dispositivos que estão sob seu controlo. Permite que um Gatekeeper comunique o endereço de outros pontos terminais. Permite que dois Gatekeepers possam facilmente trocar informação de endereçamento.

24 H.323 Sinalização de chamada c/ H Permite que um ponto terminal inicialize e termine uma chamada com outro ponto terminal GW Setup Alerting Connect (chamada está estabelecida) GW H.245 Sinalização pode ocorrer noutro lugar qualquer Release Complete (chamada está terminada)

25 H.323 Sinalização H.245 O H.245 é usado para negociar capacidades e controlar aspectos da conferência entre dois ou mais pontos terminais GW TCS + MSD TCS + TCS Ack + MSD Ack TCS Ack + MSD Ack + OLC OLC Ack + OLC OLC Ack GW Abre um canal em cada direcção

26 H.323 Ligação rápida e H.245 Algumas chamadas H.323 não utilizam grande parte das capacidades oferecidas pelo H.245 e apenas usam os procedimentos Fast Connect dos canais de dados (media) Deste modo, uma chamada pode ser estabelecida com apenas duas mensagens (Setup / Connect) GW Setup Connect GW

27 H.323 Pilha Protocolar Aplicações H.323 RAS H.245 Sinalização de chamada H RTP / RTCP Rede de Pacotes

28 H.323 Resolução dos Endereços Uma Gatekeeper pode resolver os endereços de várias formas Enviando uma mensagem Location Request (LRQ) para outra Gatekeeper Acedendo a um Peer Element Acedendo a uma base de dados back-end (e.g., LDAP) Os Gatekeepers e os Peer Elements podem efectuar queries a outros Gatekeepers e outros Peer Elements e podem trocar informações de endereçamento fora do contexto de uma chamada. Desde que um Gatekeeper não seja requisitado, os pontos terminais podem resolver os endereços eles próprios usando, por exemplo, o DNS, o LDAP ou outro phonebook local que contenha endereços IP estáticos.

29 H.323 Características principais Videoconferência avançada (ex.: MCUs em cascata, controlo do MCU sobre audio e video). Serviços complementares (ex.: transferência de chamadas, chamada em espera, etc. e controlo baseado em HTTP - H.323 Anexo K). Routing e Re-routing dinâmico (ex.: o Gatekeeper pode fornecer caminhos alternativos para o destino e o protocolo H permite que um ponto terminal possa efectuar uma query ao Getekeeper para buscar um caminho alternativo quando o inicial está indisponível).

30 H.323 Características principais Endereçamento (ex.: suporta URLs, incluindo URLs h323 e URLs tel ; números e chamadas para telefones normais). Qualidade de Serviço (QoS) (ex.: o protocolo H permite que um ponto terminal possa enviar informação de QoS ao Gatekeeper; os dispositivos podem utilizar os standards da IETF para fornecer QoS). Outras capacidades: Diagnóstico do dispositivo (utilizando test calls ou media loops para medir o atraso e perda de pacotes) Serviços de emergência (os dispositivos podem indicar a prioridade de uma chamada) Apoio ao utilizador, ao terminal e serviço de mobilidade (H.510)

31 H.323 Características principais Escalável (permite a ligação entre pontos terminais sem necessidade de uma entidade intermédia para manter a ligação). Decomposição de Gateways (O H define como decompor uma Gateway H.323 em uma Media Gateway Controller, e uma ou mais Media Gateways). Robustez (permite Gatekeepers alternativos). Flexibilidade (Suporta: VoIP, videoconferência, T.120 troca de dados, comunicação em tempo real em modo texto e retransmissão de sinais FAX e Modem - T.38 e V ). Multimedia ( H.323 is multimedia over IP )

32 H.323 Mailing Lists H.323 Announcement List - Para subscrever: H.323 Implementors List - Para subscrever: ITU SG16 WP2 Mailing List - Para subscrever: No corpo da msg, escrever: subscribe itu-sg16 H.323 Forum - Para subscrever, visitar:

33 Cap. 5 - Sumário ü Introdução ü Protocolo H.323 ü Session Initiation Protocol (SIP)

34 SIP O SIP é um protocolo em modo texto semelhante ao HTTP ou ao SMTP. Permite o estabelecimento de uma ligação interactiva (uma sessão), em tempo real, entre utilizadores, em redes IP. Esta ligação pode incluir voz, vídeo, chat, jogos interactivos e realidade virtual. O SIP surgiu em 1995, no IETF mmusic Workgroup, sendo publicado o 1º Draft em O SIP é um protocolo standard da IETF.

35 SIP O SIP é menos complexo que o H.323. O SIP é um protocolo de sinalização de sessão extremo a extremo baseado no modelo Cliente-Servidor. O SIP não está limitado à telefonia via Internet, permitindo estabelecer a presença do utilizador. É um protocolo apropriado para: Sistemas distribuídos de realidade virtual; Jogos em rede; Videoconferência; etc.

36 SIP A negociação das capacidades é efectuada pelo protocolo SDP (Session Description Protocol) O protocolo SDP foi desenvolvido para descrever sessões de áudio, vídeo e multimedia (qualquer tipo de MIME - Multipurpose Internet Mail Extension pode ser descrita de forma semelhante à facilidade do suportar todos os tipos de anexos em mensagens). A descrição da sessão pode ser usada para negociar a aceitação de um conjunto de tipos de medias compatíveis.

37 SIP O SIP utiliza mensagens, sendo o seu tamanho maior que as do H.323. A Microsoft desinvestiu no H.323 (do NetMeeting) e apenas se dedica ao SIP (incluído no Messenger). A especificação mais recente do SIP está no RFC 3261.

38 SIP Terminais Aplicações/terminais para o utilizador: User agent cliente (para efectuar chamadas); User agent Servidor (para receber as chamadas de entrada); Equipamentos (hardware) e software disponível.

39 SIP - Componentes O SIP define e utiliza os seguintes componentes: UAC (User agent client) cliente no terminal que inicializa a sinalização SIP. UAS (User agent server) servidor no terminal que responde à sinalização SIP que vem do UAC. UA (User Agent) Terminais de rede SIP (telefones SIP ou gateways para outras redes), contém UAC e UAS. Proxy server recebe pedidos de ligação de um UA e transfere-o para outro servidor proxy caso uma estação em particular não esteja na sua área de administração.

40 SIP - Componentes O SIP define e utiliza os seguintes componentes: Redirect server recebe pedidos de ligação e responde ao autor do pedido, incluindo os dados de destino. Location Server recebe os pedidos de registo do UA e actualiza a base de dados de terminais com eles. As sessões dos servidores (proxy, redirect e location servers) estão geralmente localizadas na mesma máquina que é o Proxy Server, que é responsável pela manutenção da base de dados dos clientes e pelo estabelecimento, manutenção e terminação das ligações.

41 Mensagens SIP Mensagens mais importantes trocadas no ambiente SIP (RFC 2543): INVITE pedido para o estabelecimento de uma ligação ACK acknowledgement do INVITE por parte do destinatário final da mensagem BYE terminação da ligação CANCEL terminação de uma ligação não estabelecida REGISTER registo do UA no proxy SIP OPTIONS inquirição das opções do servidor

42 Extensões às Mensagens SIP Extensões às mensagens SIP: INFO permitir o carregamento da informação relacionada com o controlo da sessão (RFC 2976) Ex. Mensagens de sinalização RDIS usadas para controlar a chamada de serviços telefónicos COMET usado para confirmar a conclusão de todas as pré-condições por parte do originador da sessão (draft-ietf-sip-manfolks-resource) PRACK Provisional Response ACKnowledgement - resposta afirmativa provisional (draft-ietf-sip-100rel) SUBSCRIBE/NOTIFY/MESSAGE mensagem instantânea (draft-rosemberg-impp-*)

43 SIP - Respostas As respostas às mensagens SIP são em formato digital, semelhantes às do protocolo HTTP. As mais importantes são as seguintes: 1XX mensagens informativas (100 trying, 180 ringing, 183 progress) 2XX pedido satisfeito com successo (200 OK) 3XX reencaminhamento de chamada, o pedido deve ser dirigido para outro lado (302 temporarily moved, 305 use proxy) 4XX erro (403 forbidden - proibido) 5XX erro no servidor (500 Server Internal Error, 501 not implemented) 6XX falha global (606 Not Acceptable)

44 Estrutura da Mensagem SIP Request Method INVITE SIP: SIP/2.0 Campos do Cabeçalho da Mensagem: Via: SIP/2.0/UDP here.com:5060 From: To: Call-ID: Cseq: 1 INVITE Subject: Happy Christmas Contact: Content-Type: Application/SDP Content-Length: 147 SIP/ OK Response Status Campos do Cabeçalho da Mensagem: Via: SIP/2.0/UDP here.com:5060 From: To: Call-ID: Cseq: 1 INVITE Subject: Happy Christmas Contact: Content-Type: Application/SDP Content-Length: 134 v=0 o=usera IN IPv4 here.com s=session SDP c=in IPv t=0 0 m=audio RTP/AVP 0 a=rtpmap:0 PCMU/8000 Payload Recebe RTP G Áudio codificado no :49172 v=0 o=userb IN IPv4 there.com s=session SDP c=in IPv t=0 0 m=audio 3456 RTP/AVP 0 a=rtpmap:0 PCMU/8000

45 Session Description Protocol (SDP) O SDP fornece informação suficiente para permitir uma sessão multimédia. O SDP inclui descrição do: Media utilizado (Codec, taxa de amostragem); Media de destino (Endereço IP e nº do porto); Nome da sessão e propósito; Tempo desde que a sessão está activa; Informação de contacto. Nota: O SDP, mais que um protocolo, é uma forma de formatação de dados.

46 Campos do Cabeçalho da Mensagem From: Criador da mensagem To: Receptor final Contact: Aparece nos pedidos de INVITE, OPTIONS, ACK ou REGISTER e nas respostas. Indica o endereço directo da resposta para as transações subsequentes que são enviadas. Um UA (user agent) pode enviar subsequentemente BYE ou ACK para o Contact: endereço; Inclui redireccionamento do endereço em respostas 3xx ou 485; Inclui informação adicional de erro nas respostas 4xx, 5xx ou 6xx; Pode incluir pesos de referência; Inclui a localização actual nos pedidos REGISTER; Em múltiplos contactos: os campos do cabeçalho podem ser incluídos.

47 Endereços SIP O SIP fornece um endereço único. Exemplos de endereços SIP: O endereço deve incluir o nome da máquina, pode incluir o nome do utilizador, o porto da máquina, parâmetros (ex.:transportes), etc. O endereço SIP pode ser embebido em páginas web, assinaturas , impresso no cartão de visita, etc. Também podem ser usados endereços não SIP (ex.: mailto:, etc.)

48 Servidores Públicos SIP (sip:hotfoon.com) (sip:www-db.research.bell-labs.com) (sip:cnrsipserver.coe.psu.ac.tw) (sip:kalipso. ikn.tuwien.ac.at) (sip:zdots.com) (sip:sipfx.com) (sip:sipcenter.com) (sip:siphappens.com) (sip:sipaccount.mci.com)

49 Comunicações Multimedia baseadas em IP O SIP estabelece, principalmente, os endereços IP e os portos para que os pontos terminais possam enviar e receber dados. O SIP não transporta dados e não está dependente do tipo de compressão utilizado. Provavelmente, os pacotes de dados não seguem o mesmo caminho que os pacotes SIP.

50 Comunicações Multimedia baseadas em IP As fontes de áudio/vídeo são digitalizadas, comprimidas e enviadas em pacotes UDP. Os algoritmos de compressão utilizam as limitações dos ouvidos/olhos humanos para reduzir a largura de banda. Reduz-se a largura de banda áudio usando a supressão do silêncio. Reduz-se a largura de banda vídeo usando a detecção do movimento.

51 Protocolo RTP Real Time Transport Protocol O protocolo RTP foi estandardizado pela IETF e também é usado pela ITU-T Este protocolo foi desenhado para ser escalável, flexível e existe separação entre os mecanismos de dados e controlo

52 Funções do Protocolo RTP O protocolo RTP Fornece informação acerca do(e/a): Tipo de conteúdo do media Fluídos/jorros de conversa Identificação de quem enviou Sincronização Detecção de perdas Segmentação e re-assemblagem Segurança (encriptação)

53 SIP Mailing Lists SIP - Para subscrever: sipping - Para subscrever: simple - Para subscrever: SIP implementations - Para subscrever:

54 Algumas referências Internet SIP Information Site (http://www.packetizer.com/voip/sip/) Tech-invite SIP Technical Portal (http://www.tech-invite.com/) SIP - Columbia University (http://www.cs.columbia.edu/sip/) Session Initiation Protocol (SIP) Working Group Supplemental Home Page (http://www.softarmor.com/sipwg/) JAIN(tm) SIP API (http://jcp.org/jsr/detail/32.jsp) Unicoi Systems - SIP Stack (http://www.unicoi.com/fusion_net/ fusion_sip.htm) Tekea - SIP ENUM Directory Services (http://www.tekea.com/ frames.php?session_id= ) SIP Foundry (http://www.sipfoundry.org/)

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Administração de Sistemas Licenciatura em: - Tecnologias e Sistemas de Informação 5. Serviços de Voz sobre IP Docente: Prof. Joel Rodrigues Ano

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

03.03 Session Initiation Protocol (SIP)

03.03 Session Initiation Protocol (SIP) 03.03 Session Initiation Protocol (SIP) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Introdução Desenvolvido pelo grupo Multiparty Multimedia Session Control do IETF Devido ao

Leia mais

H.323 E SIP - COMPARATIVO

H.323 E SIP - COMPARATIVO H.323 E SIP - COMPARATIVO Jean Seidi Ikuta Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói RJ 24210-040 Brasil jeanseidi@yahoo.com.br Abstract. This paper

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Romildo Martins da Silva Bezerra 1 1 Mestrado em Redes de Computadores (UNIFACS) romildo@cdl.com.br Resumo. Este trabalho visa apresentar

Leia mais

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy Convergentes e Heterogêneas Prof. Marcos Argachoy REDES CONVERGENTES Cont./ Principais preocupações: Disponibilidade de Banda Valor Máximo de Atraso (ligação com sinal de câmbio) Jitter Perda de Pacotes

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP

Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP Uma arquitectura IPtel baseada no protocolo SIP João Paulo Sousa Instituto Politécnico de Bragança R. João Maria Sarmento Pimentel, 5370-326 Mirandela, Portugal + 351 27 820 13 40 jpaulo@ipb.pt RESUMO

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP

REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES. Enunciado do Projecto de. VoIP REDES INTEGRADAS DE COMUNICAÇÕES Enunciado do Projecto de VoIP Paulo Rogério Pereira, SETEMBRO DE 2011 1. Objectivo Este trabalho tem como objectivo desenvolver um sistema de Interactive Video Voice Response

Leia mais

Tecnologias de VoIP e vídeo conferência

Tecnologias de VoIP e vídeo conferência Tecnologias de VoIP e vídeo conferência 2009/2010 1 Sumário Motivação Codificação e compressão de dados multimédia Streaming H.323 SIP Conclusões 2 VoIP Motivação Convergência de redes telefónica e de

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Redes Inteligentes e a Internet

Redes Inteligentes e a Internet Redes Inteligentes e a Internet Integração e interacção com os serviços sobre a Internet Com o protocolo: Service Initiation Protocol- SIP Com a arquitectura: H.323 Multimedia over Packet Networks Media

Leia mais

03.04 Streaming de Vídeo

03.04 Streaming de Vídeo 03.04 Streaming de Vídeo Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Streaming Dados multimédia que são consumidos à mesma velocidade que é enviado pela Internet ou outro tipo

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX

Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX Serviços de Comunicações RELATÓRIO LABORATORIAL IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO IP PBX 19 de Dezembro de 2014 Carlos Leocádio - ee09313@fe.up.pt Tiago Ferreira - ee10085@fe.up.pt Departamento de Engenharia Electrotécnica

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto

VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto VoIP @ IRICUP Telefonia IP na Universidade do Porto Orientador: Prof. Dr. Mário Leitão Co-Orientador: Eng.º Mário Serrão Ricardo Carvalho PSTFC LEEC FEUP Junho, 2006 1 Sumário Objectivos do estágio Vantagens

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Redes com Integração de Serviços

Redes com Integração de Serviços Instituto Superior Técnico Redes com Integração de Serviços 4ª Parte Voz sobre IP 1 Introdução...3 2 Codificação da voz...4 3 Recomendação H.323...5 3.1 Arquitectura de H.323...6 3.2 Componentes do sistema...8

Leia mais

2 Fundamentação Conceitual

2 Fundamentação Conceitual Fundamentação Conceitual 19 2 Fundamentação Conceitual Este capítulo apresenta alguns conceitos importantes que são utilizados ao longo do trabalho. Primeiramente, é apresentado o Session Initiation Protocol

Leia mais

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos Princípios gerais Sinalização de assinante analógico Sinalização de canal associado entre comutadores Sinalização de canal comum entre comutadores Sinalização

Leia mais

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com VOIP H323 e SIP Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Ameaças a Tecnologia VoIP. Frederico Madeira LPIC-1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br

Ameaças a Tecnologia VoIP. Frederico Madeira LPIC-1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br Ameaças a Tecnologia VoIP Frederico Madeira LPIC-1, CCNA fred@madeira.eng.br www.madeira.eng.br Agenda Introdução Infra-Estrutura VoIP Cenário Atual Protocolos SIP (Session Initiation Protocol) s Ameaças

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP TRABALHO

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

VoIP H.323 x SIP. Conteúdo. Daniel Moutinho Pataca (0 19) 705 6741 pataca@cpqd http://www.cpqd. cpqd.com..com.br/lip/ Introdução H.

VoIP H.323 x SIP. Conteúdo. Daniel Moutinho Pataca (0 19) 705 6741 pataca@cpqd http://www.cpqd. cpqd.com..com.br/lip/ Introdução H. VoIP x SIP Daniel Moutinho Pataca (0 19) 705 6741 pataca@cpqd cpqd.com..com.br http://www.cpqd cpqd.com..com.br/lip/ D i r e i t o s R e s e r v a d o s a o C P q D - 1 9 9 9 Conteúdo Introdução SIP 2

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Serviços Multimédia Sinalização em VoIP

Serviços Multimédia Sinalização em VoIP Sinalização em VoIP O Protocolo SIP Realizado por: Pedro Sousa mrs03007 Introdução Este trabalho tem como objectivo descrever o protocolo Session Initiation Protocol (SIP), as suas funções, modo de funcionamento

Leia mais

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP Visão Geral As redes convergentes trilharam um longo caminho desde a década de 1990. Novas aplicações, como as mensagens instantâneas,

Leia mais

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Gelson Dias Santos, Valter Roesler UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Construção de Redes de Voz sobre IP

Construção de Redes de Voz sobre IP Capítulo 1: Construção de Redes de Voz sobre IP 11 Capítulo 1 Construção de Redes de Voz sobre IP Arthur Callado, Gabriel Fernandes, Auristela Silva, Rodrigo Barbosa, Djamel Sadok, Judith Kelner. Abstract

Leia mais

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279

Relatório Asterisk. Pedro Brito 100503279 Relatório Asterisk Unidade Curricular: SCOM Ano Letivo: 2014/2015 Docente: João Manuel Couto das Neves Alunos: Diogo Guimarães 100503158 Pedro Brito 100503279 Índice Introdução... 2 Instalação e Configuração

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn.

Sumário. VoIP - Vantagens e Desafios. Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos. Rui Ribeiro. sip:racr@fccn. VoIP - Vantagens e Desafios Rui Ribeiro sip:racr@fccn.pt 19 Janeiro 2006 1 Sumário Introdução ao VoIP Estado da Arte Case Studies Vantagens Desafios Próximos passos 2 VoIP Introdução ao VoIP Definição

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS José Francisco Nonato Filho 1 Resumo. O presente trabalho versa sobre uma proposta de utilização da tecnologia de Voz sobre Internet Protocol (VoIP)

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Cap. 2 O nível aplicação. (3ª parte)

Cap. 2 O nível aplicação. (3ª parte) Cap. 2 O nível aplicação (3ª parte) Nota prévia A estrutura da apresentação é semelhante e utiliza algumas das figuras, textos e outros materiais do livro de base do curso James F. Kurose and Keith W.

Leia mais

Introdução. Funcionalidades Principais. Protótipo: Fluxo de execução do Programa Cliente

Introdução. Funcionalidades Principais. Protótipo: Fluxo de execução do Programa Cliente Introdução O protótipo de cliente IPTV proposto diferencia-se pelo módulo de sinalização utilizado em VoD, tanto para estabelecimento como a nível do controlo da sessão. O modelo de sinalização proposto

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Redes com Integração de Serviços

Redes com Integração de Serviços Instituto Superior Técnico Redes com Integração de Serviços 4ª Parte Voz sobre IP 1 Introdução...3 2 Codificação da voz...4 3 Recomendação H.323...5 3.1 Arquitectura de H.323...6 3.2 Componentes do sistema...8

Leia mais

VoIP Características e Estado da Arte

VoIP Características e Estado da Arte Mestrado em Redes e Serviços de Comunicação Trabalho para a disciplina de Serviços Multimédia VoIP Características e Estado da Arte Paulo Cardoso e Vitor Cardoso Porto, 12 de Julho de 2004 RESUMO A popularidade

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP. Paulo César Siécola

VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP. Paulo César Siécola VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP Paulo César Siécola DISSERTAÇÃO APRESENTADA AO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PARA

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

PABX IP utilizando Asterisk

PABX IP utilizando Asterisk PABX IP utilizando Asterisk Hélio Loureiro [helio AT loureiro DT eng DT br] [hloureiro AT dlinkbrasil DT com DT br] Palestrante Debian desde 2.0 (Hamm) Moderador da lista linux br Hélio Loureiro http://helio.loureiro.eng.br

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidade Curricular Generalidades sobre Serviços de Comunicação na Internet Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 1 - Sumário

Leia mais

RENATO LUIZ BIANCHINI IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA VOIP NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UTILIZANDO SOFTWARES LIVRES

RENATO LUIZ BIANCHINI IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA VOIP NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UTILIZANDO SOFTWARES LIVRES RENATO LUIZ BIANCHINI IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA VOIP NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UTILIZANDO SOFTWARES LIVRES Monografia de graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade

Leia mais

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP

SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP SEGURANÇA EM PROTOCOLO SIP Jeremias Neves da Silva 1 RESUMO Este artigo traz uma forma simplificada para a compreensão de todos os que desejam conhecer um pouco mais sobre segurança em protocolos SIP,

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis

Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis Autor: Orientador: Examinador: Examinador:

Leia mais

Nível aplicação e protocolos para streaming

Nível aplicação e protocolos para streaming Nível aplicação e protocolos para streaming Notas para leitura prévia Esta apresentação, enquadrada como uma parte complementar de protocolos de suporte para aplicações baseadas em streaming, corresponde

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Protocolos Multimídia na Internet

Protocolos Multimídia na Internet Parte 2 Transporte de Mídia Tópicos em Sistemas de Computação Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Protocolos para transportar mídia Protocolos de aplicação Prof. Dr. Adriano Mauro

Leia mais

2 O Protocolo SIP 2.1. Introdução Histórica

2 O Protocolo SIP 2.1. Introdução Histórica 2 O Protocolo SIP 2.1. Introdução Histórica O protocolo SIP teve suas origens em 1996 como um componente do conjunto de ferramentas e protocolos da Mbone, ou Multicast backbone [44]. A Mbone era uma rede

Leia mais

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 ASTERISK João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 VISÃO GERAL O que é Como funciona Principais Funcionalidades Vantagens vs PBX convencional O QUE É Software open-source, que corre sobre a plataforma Linux;

Leia mais

O IP Multimedia Subsystem (IMS)

O IP Multimedia Subsystem (IMS) O IP Multimedia Subsystem (IMS) O IMS é um sistema global, independente do sistema de acesso, baseado em normas, com connectividade IP e arquitecturas de controlo de serviços que permite disponibilizar

Leia mais

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun Fabrício José Rodrigues Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Acesso a Informação Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 6 - Sumário ü Introdução ü World

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

Avaliação de desempenho do PBX Asterisk. Luís António Pereira de Sousa. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em

Avaliação de desempenho do PBX Asterisk. Luís António Pereira de Sousa. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Avaliação de desempenho do PBX Asterisk Luís António Pereira de Sousa Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia de Redes de Comunicações Júri Presidente: Prof. Luís Eduardo Teixeira Rodrigues

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Benefícios da Utilização do Session Initiation Protocol (SIP) em Aplicações de Comunicação Multimídia para a Saúde

Benefícios da Utilização do Session Initiation Protocol (SIP) em Aplicações de Comunicação Multimídia para a Saúde Benefícios da Utilização do Session Initiation Protocol (SIP) em Aplicações de Comunicação Multimídia para a Saúde Dácio Miranda Ferreira 1, Paulo Roberto de Lima Lopes 2, Daniel Sigulem 3, Ivan Torres

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais