ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL"

Transcrição

1 ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL Aula disponível no site: Rodrigo Dias Nunes

2 Assistência ao parto normal Parto é o processo através do qual os produtos da concepção são expulsos do útero e da vagina para o ambiente externo partir da 22 a semana de gestação (500g). Gurewitsch EC, et al. Reducing the risk of shoulderd dystocia and associated brachial plexus injury. Obstet Gynecol Clin N Am 2011: 38: Bingham J, et al. Reccurent shoulder dystocia: a review. Obstet Gynecol Surv 2010;65: Overland EA, et al. Risk of shoulder dystocia in second delivery: does a history of shoulder dystocia matter? Am J Obstet Gynecol 2009; 200:506.e1-506.e6

3 Fases clínicas do parto Período premonitório (prodrômico) Primeiro período: dilatação Segundo período: expulsão Terceiro período: secundamento Quarto período (Greemberg): 1ª hora após o parto

4 Período premonitório Descida do útero (2-4 cm) Adaptação da apresentação fetal à pelve Secreção das glândulas cervicais (tampão mucoso) Aumento das contrações de Braxton-Hicks Amolecimento, apagamento e centralização do colo Início da fase latente (pródromos de trabalho de parto) Duração: 20 horas nas primíparas e 14 horas nas multíparas????

5 Diagnóstico do trabalho de parto Contrações rítmicas e dolorosas (2-3/10-30 mmhg) Contrações mantidas por 2 horas Colo uterino: Primíparas (apagado e com 2 cm de dilatação) Multíparas (semi-apagado e com 3 cm de dilatação) Formação da bolsa das águas Perda do tampão mucoso

6 Primeiro período Conceitos Início: Contrações dolorosas que modificam o colo Término: Dilatação completa do colo (10 cm) Duração: 12 horas nas primíparas e 7 horas nas multíparas Fatores musculares e convergentes (reflexo de Ferguson I) Formação do canal do parto Dilatação diferente: Primíparas ou multíparas Amniorrexe: 80% no final da dilatação Força motora: 80 UM no início e 160 UM no final

7 Primeiro período Conceitos: Apresentação

8 Primeiro período Conceitos: Descida

9 Primeiro período Conceitos: Dilatação

10 Primeiro período Conceitos: Dilatação

11 Primeiro período Conceitos: Atitudes da apresentação fetal

12 Primeiro período Conceitos: Variedade de posição

13 Primeiro período Conceitos: Planos de De Lee

14 Primeiro período Assistência Gerais: roupa / banho / acompanhante / posição Eventuais: tricotomia / enteróclise / acesso venoso Alimentação: líquidos 150 ml 2/2 horas BCF: antes, durante e depois da contração 30/30 minutos Dinâmica uterina: 1/1 hora ou 30/30 minutos durante a indução Toque vaginal: 2/2 horas com bolsa íntegra e 3/3 horas com bolsa rota Amniotomia (amniorrexe em 80%) Indução ou condução do trabalho de parto

15 Primeiro período Assistência Bishop Altura ou abaixo Dilatação > 5 Apagamento 0-30% 40-50% 60-70% > 80% Consistência firme médio amolecido Posição posterior central anterior

16 Primeiro período Assistência Indução com Misoprostol (Bishop < 5) 25 mcg vaginal 6/6 horas (máximo 8 cp) Sonda de Foley intra-cervical Indução com Ocitocina (Bishop 6) 5UI + SG 5% 500 ml EV 6 ml/h (2 gotas/min) Aumentar 30/30 até gotejamento máximo Manter gotejamento máximo por 2 horas

17 Primeiro período Partograma

18 Primeiro período Partograma

19 Segundo período Conceitos Início: Dilatação completa (10 cm) Término: Expulsão do feto Duração: 20 minutos nas multíparas e 50 minutos nas nulíparas Contrações intensas e frequentes (5-6/10 50 mmhg) Prensa abdominal voluntária (puxos 50 mmhg)) Esvaziamento retal e vesical + relaxamento perineal Retração uterina e relaxamento muscular Força motora: 250 UM

20 Segundo período Assistência Posições: horizontal, cócoras ou genupeitoral Paramentação cirúrgica, antissepsia e colocação de campos BCF: 5-10 minutos Rotação interna do polo cefálico Anestesia locorregional Episiotomia: medial, lateral ou médio-lateral E ou D Proteção perineal (manobra de Ritgen modificada) Descompressão lenta do polo cefálico

21 Segundo período Assistência Deflexão do polo cefálico Circular cervical de cordão (desfazer ou seccionar) Rotação externa do polo cefálico Rotação interna das espáduas Desprendimento dos ombros (anterior e posterior) Clampeamento do cordão umbilical (5-10 cm) Revisão do trajeto do parto Episiorrafia e sutura de lacerações (2 o e 3 o graus)

22 Segundo período Assistência Perineo sem elasticidade Necessidade de abreviação do parto Fórceps e prematuridade extrema????

23 Segundo período Assistência

24 Segundo período Assistência

25 Segundo período Assistência

26 Segundo período Assistência

27 Segundo período Assistência

28 Segundo período Assistência

29 Segundo período Assistência

30 Segundo período Assistência

31 Segundo período Assistência

32 Terceiro período Conceitos Início: descolamento da placenta Término: expulsão da placenta Duração: minutos Fase de repouso e relaxamento clínico Causado pela retração uterina Puxos ao ocupar a cavidade abdominal Mecanismos: Baudelocque-Shultze (75%) ou Baudelocque-Duncan (25%)

33 Terceiro período Conceitos

34 Terceiro período Assistência Manobra de Harvey (pinçamento parede abdominal) Manobra de Deventer-Muller Manobra de Jacob-Dublin (torção placentária) Revisão do trajeto do parto Anestesia local e sutura de lacerações se necessário Avaliar globo de segurança de Pinard Toque retal no caso de suturas

35 Terceiro período Assistência

36 Quarto período Conceitos Período de Greemberg (1 a hora após o parto) Fases clínicas: Miotamponagem (retração uterina e ligaduras vivas) Trombotamponagem (trombos e hematoma) Indiferença miouterina (contração e relaxamento) Contração fixa (tônus constante) Estimular lactação (reflexo de Ferguson II)

37 Quarto período Assistência Observação clínica (perda normal ml) Tratamento da atonia uterina Reposição volêmica com criatalóides ou colóides, avaliar hemoderivados Elevação de MMII Ocitocina EV (10 UI em bolo) Derivado da ergotamina (Methergin 1 ampola IM) Pressão uterina (saco de areia) Curetagem e histerectomia

38 Obrigado!!! Faculdade de Medicina - Unisul

Patologias do 3o. e 4o. períodos do parto

Patologias do 3o. e 4o. períodos do parto Patologias do 3o. e 4o. períodos do parto JCP DEQUITAÇÃO + 4o. PERÍODO PARTO períodos ricos acidentes e complicações mortalidade materna Dequitação ou secundamento Três fases Descolamento Descida Expulsão

Leia mais

2.1. DIAGNÓSTICO DE CERTEZA DO TRABALHO DE PARTO - FASE ATIVA

2.1. DIAGNÓSTICO DE CERTEZA DO TRABALHO DE PARTO - FASE ATIVA PROTOCOLO - OBS 028 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 6 1. CONCEITO Aquele de início espontâneo, baixo-risco no início do trabalho de parto, permanecendo assim, em todo o processo até o nascimento. O feto nasce

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DA GRAVIDEZ

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DA GRAVIDEZ DIAGNÓSTICO CLÍNICO E LABORATORIAL DA GRAVIDEZ Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes Diagnóstico da gravidez Na vida da mulher, o diagnóstico da gestação sempre provoca

Leia mais

ASSISTÊNCIA CLÍNICA AO PARTO

ASSISTÊNCIA CLÍNICA AO PARTO ASSISTÊNCIA CLÍNICA AO PARTO impc PRÉ-NATAL MANTER DIÁLOGO LOGO INFORMAR ROTINAS PROMOVER VISITAS ESCLARECER ETAPAS TP ESTABELECER VÍNCULO V DECIDIR COM O CASAL impc GRUPOS DE APOIO ATIVIDADE FÍSICA F

Leia mais

Curso de Medicina - UNISUL CARDIOTOCOGRAFIA. Aula disponível no site: Rodrigo Dias Nunes

Curso de Medicina - UNISUL CARDIOTOCOGRAFIA. Aula disponível no site:  Rodrigo Dias Nunes CARDIOTOCOGRAFIA Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes CARDIOTOCOGRAFIA LINHA DE BASE Média de 5 bpm por um intervalo de 10 minutos, excluindo - Mudanças periódicas -

Leia mais

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO

InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO CAPÍTULO 17 InDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO 1. CONCEITO Consiste em estimular artiicialmente as contrações uterinas coordenadas e efetivas antes de seu início espontâneo, levando ao desencadeamento do trabalho

Leia mais

A) Condutas que são claramente úteis e que deveriam ser encorajadas

A) Condutas que são claramente úteis e que deveriam ser encorajadas A) Condutas que são claramente úteis e que deveriam ser encorajadas Plano individual determinando onde e por quem o parto será realizado, feito em conjunto com a mulher durante a gestação, e comunicado

Leia mais

OBSTETRÍCIA PARA ESF CONDUTA NAS QUEIXAS MAIS COMUNS. Rodrigo Dias Nunes. Aula disponível no site:

OBSTETRÍCIA PARA ESF CONDUTA NAS QUEIXAS MAIS COMUNS. Rodrigo Dias Nunes. Aula disponível no site: OBSTETRÍCIA PARA ESF CONDUTA NAS QUEIXAS MAIS COMUNS Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes Necessidades nutricionais Conjunto de alterações anatômicas, fisiológicas e

Leia mais

INDUÇÃO DO PARTO E FÓRCIPE

INDUÇÃO DO PARTO E FÓRCIPE INDUÇÃO DO PARTO E FÓRCIPE Cuidados de Enfermagem na Sala de Parto receber a parturiente na sala e situá-la; prestar assistência física e emocional; completar os dados do prontuário; rever os cuidados

Leia mais

ÓBITO FETAL DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI

ÓBITO FETAL DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI ÓBITO FETAL EDUARDO AUGUSTO BROSCO FAMÁ PROFESSOR AFILIADO DO DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCA E GINECOLOGIA

Leia mais

MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND ASSISTÊNCIA AO PARTO VAGINAL

MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND ASSISTÊNCIA AO PARTO VAGINAL MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND ASSISTÊNCIA AO PARTO VAGINAL ASSISTÊNCIA AO PARTO VAGINAL José Richelmy Brazil Frota Aragão Carlos Augusto Alencar Júnior OBJETIVO Oferecer subsídios para a correta

Leia mais

ENFERMAGEM OBSTÉTRICA

ENFERMAGEM OBSTÉTRICA ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Questão 20 O item III está errado pois, Segundo a PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011, que Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha, a implantação

Leia mais

Saúde da Mulher II Prof.ª Ms. Ludmila Balancieri. Contratilidade Uterina.

Saúde da Mulher II Prof.ª Ms. Ludmila Balancieri. Contratilidade Uterina. Saúde da Mulher II 2013. Prof.ª Ms. Ludmila Balancieri. Contratilidade Uterina. A contratilidade uterina é o fenômeno mais importante do trabalho de parto, indispensável para fazer dilatar o colo uterino

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas PARTO VAGINAL OPERATÓRIO

Curso de Emergências Obstétricas PARTO VAGINAL OPERATÓRIO Curso de Emergências Obstétricas PARTO VAGINAL OPERATÓRIO FÓRCEPS FÓRCEPS PRÉ-REQUISITOS PARA APLICAÇÃO: Feto vivo Proporção feto-pélvica (planos +1,+2,+3) Dilatação completa do colo Bolsa rota Diagnóstico

Leia mais

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico Fisioterapia na Saúde da Mulher Obstetrícia Profa Elaine C. S. Ovalle Beta- hch Diagnóstico hormônio gonadotrófico coriônico 1 Conceitos - Embrião: até a 8ª semana - Feto: 9ª semana até o nascimento -

Leia mais

PARTO NORMAL 1 INTRODUÇÃO. Protocolo Clínico do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO CLÍNICO

PARTO NORMAL 1 INTRODUÇÃO. Protocolo Clínico do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO CLÍNICO PROTOCOLO CLÍNICO PARTO NORMAL Especialidade: Ginecologia Obstetrícia Responsável: Cristine Kolling Konopka; Caroline Mombaque dos Santos Colaboradores: Código: PC19 PN Data: Julho/2016 1 INTRODUÇÃO 1.1

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP

DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA

OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA OBSTETRÍCIA VETERINÁRIA Prof. Dr. Marcos Chalhoub Coelho Lima POSSIBILIDADES DE AUXÍLIO NO PARTO DISTÓCICO 1. Estímulos as contrações 2. Tração

Leia mais

Imagem da Semana: Partograma

Imagem da Semana: Partograma Imagem da Semana: Partograma Figura 1: Partograma. Enunciado Gestante de 22 anos, primigesta, idade gestacional de 39 semanas (confirmada à ultrassonografia), admitida na maternidade com contrações dolorosas

Leia mais

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Parto Adequado - Protocolo de Indução de Parto

Tipo Documental ProtocoloAssistencial Título Documento Parto Adequado - Protocolo de Indução de Parto OBJETIVO - POPULAÇÃO ALVO Esse protocolo se destina às pacientes que serão submetidas e indução do trabalho de parto. APLICABILIDADE: CRITÉRIOS DE INCLUSÃO E CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO CRITÉRIOS DE INCLUSÃO:

Leia mais

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos DIESTRO 14 dias Corposlúteosmaduros prod.progesterona Útero recebe óvulos fertilizados embriões Fêmeanão-prenhe luteóliseerecomeçodo ciclo Flushing > aportede energiaparaa fêmea10 diasantes dadata prevista

Leia mais

O00-O99 CAPÍTULO XV : Gravidez, parto e puerpério O00-O08 Gravidez que termina em aborto O10-O16 Edema, proteinúria e transtornos hipertensivos na gravidez, no parto e no puerpério O20-O29 Outros transtornos

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNA:

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNA: UNIDADE - 01 CURSO DE CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNA: MÓDULO 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Reitor Natalino Salgado Filho Vice-Reitor Antonio José Silva Oliveira Pró-Reitoria de Pesquisa

Leia mais

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais FÓRCIPE MEAC-UFC 1

MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais FÓRCIPE MEAC-UFC 1 MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais FÓRCIPE MEAC-UFC 1 FÓRCIPE Páblito Miguel Andrade Aguiar INTRODUÇÃO O Fórcipe ocupa o seu lugar de destaque na prática obstétrica moderna, apesar

Leia mais

MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais DISTÓCIA

MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND. Diretrizes assistenciais DISTÓCIA MATERNIDADE-ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais DISTÓCIA DISTÓCIA Raimundo Homero de Carvalho Neto Carlos Augusto Alencar Júnior DEFINIÇÕES TRABALHO DE PARTO NORMAL (EUTÓCICO): Segundo

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA 1 OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA / ULTRASSONOGRAFIA 1) Secundípara com 26 anos deu à luz por parto vaginal a recém-nascido (RN) a termo que pesou 3.450g. Ambos assintomáticos receberam alta no terceiro dia.

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE

Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE Curso de Emergências Obstétricas INTERVENÇÕES IMEDIATAS NO PARTO PREMATURO IMINENTE PREMATURIDADE DIAGNÓSTICO CORRETO DEFINIR NECESSIDADE DE TOCÓLISE DEFINIR AÇÕES DIANTE DA PREMATURIDADE IMINENTE PREMATURIDADE

Leia mais

Raniê Ralph. Ao cabo de penoso afã, desprende-se o concepto do claustro materno... (Rezende) Sem comentários

Raniê Ralph. Ao cabo de penoso afã, desprende-se o concepto do claustro materno... (Rezende) Sem comentários 01 de Maio de 2009. Parto Aula mais importante de obstetrícia. O que cai mais em prova vai ser falado em sala. Não vai ser falado e deve ser estudado: Cesariana: caem as indicações. Amniorréxis: cai o

Leia mais

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias.

Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. Prof. Enf. Obstetra Hygor Elias. O QUE É O PARTO? Parto é o processo de movimentação do feto, da placenta e das membranas para fora do útero e através do canal de parto. TRABALHO DE PARTO É o processo

Leia mais

Dr. Fábio Cabar. Sangramentos genitais da segunda metade da gestação. Sangramentos de Segunda Metade da Gestação. Placenta Prévia.

Dr. Fábio Cabar. Sangramentos genitais da segunda metade da gestação. Sangramentos de Segunda Metade da Gestação. Placenta Prévia. Dr. Fábio Cabar Médico formado pela Faculdade de Medicina da USP. Residência Médica em Obstetrícia e Ginecologia no Hospital das Clínicas da USP. Foi médico preceptor do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PUERPÉRIO. Disciplina ERM Cuidado Integral à Mulher Flávia Gomes-Sponholz 2015

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PUERPÉRIO. Disciplina ERM Cuidado Integral à Mulher Flávia Gomes-Sponholz 2015 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PUERPÉRIO Disciplina ERM - 0304 Cuidado Integral à Mulher Flávia Gomes-Sponholz 2015 1 PUERPÉRIO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PUERPÉRIO Intervalo entre o parto e a volta do

Leia mais

Indução e estímulo do trabalho de parto

Indução e estímulo do trabalho de parto Indução e estímulo do trabalho de parto ADILSON LOPES CARDOSO(UNINGÁ)¹ JAQUELINE MARIA FADONI(G-UNINGÁ) 2 ROSELI ORDIG(G-UNINGÁ) 2 RESUMO Este artigo, foi baseado em um estudo de caso, realizado em uma

Leia mais

Paciente: Representante Legal. Endereço:

Paciente: Representante Legal. Endereço: O objetivo deste Termo de Consentimento Livre e Esclarecido é comunicar e esclarecer os procedimentos médicos que ocorrerão por ocasião do seu parto, devendo discutir todas as suas dúvidas com seu médico

Leia mais

Episiotomia Amniotomia Ocitócitos

Episiotomia Amniotomia Ocitócitos Episiotomia Amniotomia Ocitócitos Primeiro Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais 20/03/2015 Néli Sueli Teixeira de Souza Episiotomia CONCEITO: A episiotomia é a ampliação cirúrgica do canal

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 11/ /11/2015

PARECER CREMEC N.º 11/ /11/2015 PARECER CREMEC N.º 11/2015 23/11/2015 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 5118/2015 ASSUNTO: Interface Enfermagem e Obstetra na Assistência ao Parto Normal INTERESSADO: Grupo de Médicos do Corpo Clínico

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA PROTOCOLO DE PREPARO DE COLO UTERINO PARA INDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO

PRODUÇÃO TÉCNICA PROTOCOLO DE PREPARO DE COLO UTERINO PARA INDUÇÃO DO TRABALHO DE PARTO PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTITUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU UNESP Programa de Pós Graduação em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica

Leia mais

Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ASSISTÊNCIA AO PARTO Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA A OMS define parto normal como aquele cujo início é espontâneo e sem risco identificado

Leia mais

ANATOMIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

ANATOMIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO ANATOMIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Estruturas do Sistema Reprodutor Feminino Gônadas - Ovários Genitais - Ovidutos - Útero - Vagina - Vestíbulo - Vulva KÖNIG, 2002 Cada componente do trato reprodutivo

Leia mais

FORMULÁRIO TERMO DE CONSENTIMENTO OBSTETRÍCIA: PARTO NORMAL OU CESÁREA

FORMULÁRIO TERMO DE CONSENTIMENTO OBSTETRÍCIA: PARTO NORMAL OU CESÁREA FORMULÁRIO Código: FOR DC / SM nº 247 Data Emissão: 27/03/2017 Versão: 001 TERMO DE CONSENTIMENTO OBSTETRÍCIA: PARTO NORMAL OU CESÁREA 1. PACIENTE No. IDENTIDADE ÓRGÃO EXPEDIDOR DATA NASCIMENTO No. PRONTUÁRIO

Leia mais

Profa Elaine Christine Dantas Moisés

Profa Elaine Christine Dantas Moisés Seminário: Vitalidade Fetal Profa Elaine Christine Dantas Moisés 1- A cardiotocografia de repouso (basal) é um dos testes mais usados na avaliação fetal anteparto.o principal achado nos fetos perto do

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

O Plano de Parto apresentado foi considerado: 1( ) Exequível 2( ) Parcialmente inexeqüível 3( ) inexequível 4( )Não houve plano de parto apresentado

O Plano de Parto apresentado foi considerado: 1( ) Exequível 2( ) Parcialmente inexeqüível 3( ) inexequível 4( )Não houve plano de parto apresentado Termo de Consentimento Livre e esclarecido Procedimento: ASSISTÊNCIA AO TRABALHO DE PARTO E PARTO NORMAL (VAGINAL) É um imperativo ético informar ao paciente sobre os procedimentos assistenciais dos quais

Leia mais

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA

PARTOGRAMA LITERATURA CLÁSSICA PARTOGRAMA CONCEITOS FISIOLÓGICOS IMPORTANTES Do ponto de vista funcional o fenômeno do parto pode ser dividido em três períodos : preparatório, dilatatório e pélvico (Friedman, 1978). Nos tratados clássicos

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO CATETER BALÃO PARA DILATAÇÃO CERVICAL

DESCRITIVO TÉCNICO CATETER BALÃO PARA DILATAÇÃO CERVICAL DESCRITIVO TÉCNICO CATETER BALÃO PARA DILATAÇÃO CERVICAL Cateter de balão duplo em silicone. Insuflação máxima do balão: 80ml/balão. Fornecido esterilizado em embalagens de abertura fácil. Destina-se a

Leia mais

ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASILE NO MUNDO

ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASILE NO MUNDO INSTITUCIONALIZAÇÃO DO Até meados do século XX, a maioria das mulheres pariram em casa e com a ajuda de outras mulheres. ASSISTÊNCIA OBSTÉTRICA NO BRASILE NO MUNDO A vivência do parto, nas mais diferentes

Leia mais

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato.

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato. no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Manejo pré-parto; parto; Introdução Manejo parto; Manejo do Neonato. 1 Manejo pré-parto parto local de parto um mês antes do

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PARTO 1/5 O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento é esclarecer os procedimentos médicos que ocorrerão por ocasião do seu parto, ressaltando-se que você deverá tirar todas as suas dúvidas com

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PARTO 1/7 O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento é esclarecer os procedimentos médicos que ocorrerão por ocasião do seu parto, ressaltando-se que você deverá tirar todas as suas dúvidas com

Leia mais

Profª Elaine C. S. Ovalle

Profª Elaine C. S. Ovalle Profª Elaine C. S. Ovalle O puerpério é um período que abrange o parto, até a volta do corpo da mulher ao seu estado normal, aproximadamente até a sexta semana (40 dias) após o nascimento. 1 As principais

Leia mais

Saúde da Mulher II 2013. Prof.ª Ms. Ludmila Balancieri. Períodos Clínicos do Parto.

Saúde da Mulher II 2013. Prof.ª Ms. Ludmila Balancieri. Períodos Clínicos do Parto. Saúde da Mulher II 2013. Prof.ª Ms. Ludmila Balancieri. Períodos Clínicos do Parto. A evolução do trabalho de parto é variável de mulher para mulher, indispensável se faz identificar as necessidades da

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

Mecanismo de Parto. divisão do mecanismo de parto em tempos:

Mecanismo de Parto. divisão do mecanismo de parto em tempos: Mecanismo de Parto divisão do mecanismo de parto em tempos: - primeiro tempo ou INSINUAÇÃO - segundo tempo ou DESCIDA ou PROGRESSÃO - terceiro tempo ou ROTAÇÃO INTERNA - quarto tempo ou DESPRENDIMENTO

Leia mais

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Reprodução e Embriologia. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Ciclo Menstrual Menstruação - fluxo de sangue e restos de mucosa uterina periodicamente eliminados pela vagina. Ciclo Menstrual Menstruação

Leia mais

Tema 3 Parto, nascimento e puerpério 55

Tema 3 Parto, nascimento e puerpério 55 Tema 3 Parto, nascimento e puerpério Objetivo geral do tema Apresentar as vantagens do parto normal. Objetivos específicos voltados para o conteúdo Ao final do estudo deste tema, você deverá ser capaz

Leia mais

CASO 1. Qual deve ser o próximo passo no manejo dessa paciente?

CASO 1. Qual deve ser o próximo passo no manejo dessa paciente? CASO 1 Uma mulher de anos, G1P0, com 39 semanas de gestação, é internada no hospital em trabalho de parto. Ela apresenta contrações uterinas a cada 7 a minutos. A história da paciente antes do parto é

Leia mais

Obstetrícia Veterinária (Parto Fisiológico) Parto. Parto 29/10/2009. Prof. Msc. Marcelo Arne Feckinghaus

Obstetrícia Veterinária (Parto Fisiológico) Parto. Parto 29/10/2009. Prof. Msc. Marcelo Arne Feckinghaus Obstetrícia Veterinária ( Fisiológico) Prof. Msc. Marcelo Arne Feckinghaus Conhecimento essencial Saber intervir Diferenciar fisiológico de patológico Segurança materna e fetal Mudanças fisiológicas e

Leia mais

CRITÉRIOS OBSTÉTRICOS/ANESTÉSICOS PARA INÍCIO DA ANALGESIA DE PARTO

CRITÉRIOS OBSTÉTRICOS/ANESTÉSICOS PARA INÍCIO DA ANALGESIA DE PARTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND PROTOCOLO ANALGESIA DE PARTO Cláudia Regina Fernandes Manoel Cláudio Azevedo Patrocínio Eleine Maria Moreira

Leia mais

TRABALHO DE PARTO PREMATURO

TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1 TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1 a edição: janeiro/2003 1 a revisão: maio/2004 2 a revisão: setembro/2008 Data prevista para a próxima revisão: setembro/2010 OBJETIVOS Responder adequadamente às complexas

Leia mais

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO. 1. Dados Gerais da coleta de dados

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO. 1. Dados Gerais da coleta de dados INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO 1. Dados Gerais da coleta de dados 1. Data da coleta de dados / / 2. Horário de início da coleta de dados : 3. Nome da mãe: 4. Nº do prontuário da mãe: 5.

Leia mais

Disciplina: Específica

Disciplina: Específica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

TRABALHO DE PARTO PREMATURO

TRABALHO DE PARTO PREMATURO MATERNIDADEESCOLA ASSISCHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais TRABALHO DE PARTO PREMATURO MEAC-UFC 1 TRABALHO DE PARTO PREMATURO José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EFICÁCIA DO MISOPROSTOL NA RESOLUÇÃO DOS CASOS DE ABORTAMENTO

EFICÁCIA DO MISOPROSTOL NA RESOLUÇÃO DOS CASOS DE ABORTAMENTO EFICÁCIA DO MISOPROSTOL NA RESOLUÇÃO DOS CASOS DE ABORTAMENTO VASCONCELLOS, Marcus Jose do Amaral. Docente do Curso de Graduação em Medicina. TURANO, Camila Toledo. Discente do Curso de Graduação em Medicina

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL e MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer os procedimentos

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA VITÓRIA MACHADO SMITH

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA VITÓRIA MACHADO SMITH UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA VITÓRIA MACHADO SMITH PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS SOBRE A ASSISTÊNCIA PRESTADA PELO ENFERMEIRO OBSTETRA NO HOSPITAL DA MULHER MÃE LUZIA FLORIANÓPOLIS (SC) 2014 2 VITÓRIA

Leia mais

Das condições abaixo, a que constitui indicação absoluta de cesariana é: A Síndrome HELLP é melhor caracterizada pela presença dos seguintes achados:

Das condições abaixo, a que constitui indicação absoluta de cesariana é: A Síndrome HELLP é melhor caracterizada pela presença dos seguintes achados: Questão 01 Das condições abaixo, a que constitui indicação absoluta de cesariana é: A) pré-eclâmpsia com feto vivo B) apresentação pélvica com feto vivo C) placenta prévia total com feto morto D) descolamento

Leia mais

Trauma Urogenital Proteus 2016

Trauma Urogenital Proteus 2016 Trauma Urogenital Proteus 2016 Fernando Ferreira Gomes Filho Medico do Departamento de Urologia - Faculdade de Medicina de Botucatu Unesp Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia Trauma Renal

Leia mais

Ureter, Bexiga e Uretra

Ureter, Bexiga e Uretra Ureter, Bexiga e Uretra 1 Ureter, Bexiga e Uretra 2 URETER 3 Estrutura do Ureter Tubo muscular que conecta o rim à bexiga Porção superior (abdominal) e inferior (pélvica) 4 Trajeto do Ureter Ao nível do

Leia mais

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DA MEDICAÇÃO MISOPROSTOL EM UM HOSPITAL DO NOROESTE PAULISTA. OLIVEIRA, Juliana Martins 1. BARBOSA, Thais Nara Lemos 1

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DA MEDICAÇÃO MISOPROSTOL EM UM HOSPITAL DO NOROESTE PAULISTA. OLIVEIRA, Juliana Martins 1. BARBOSA, Thais Nara Lemos 1 PERFIL DE UTILIZAÇÃO DA MEDICAÇÃO MISOPROSTOL EM UM HOSPITAL DO NOROESTE PAULISTA OLIVEIRA, Juliana Martins 1 BARBOSA, Thais Nara Lemos 1 MOREIRA, Franscieli da Silva 2 REZENDE, Catia 3 RIVA, Selma Bermejo

Leia mais

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento

Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento Em 1996, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu uma classificação das práticas comuns na condução do parto normal, orientando para o que deve

Leia mais

1. Considerando o desenvolvimento das políticas de saúde no Brasil aponte o item CORRETO:

1. Considerando o desenvolvimento das políticas de saúde no Brasil aponte o item CORRETO: 1. Considerando o desenvolvimento das políticas de saúde no Brasil aponte o item CORRETO: A) O Brasil possui desde a regulamentação da Lei Orgânica da Saúde, em 1986, um sistema público nacional de saúde,

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO MARCIEL PASSOS BOSONI A CONTRIBUIÇÃO DO ENFERMEIRO PARA O PARTO HUMANIZADO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO MARCIEL PASSOS BOSONI A CONTRIBUIÇÃO DO ENFERMEIRO PARA O PARTO HUMANIZADO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO MARCIEL PASSOS BOSONI A CONTRIBUIÇÃO DO ENFERMEIRO PARA O PARTO HUMANIZADO VITÓRIA 2016 MARCIEL PASSOS BOSONI A CONTRIBUIÇÃO DO ENFERMEIRO PARA O PARTO HUMANIZADO

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras.

Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras. Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras. Apresentadores: Guilherme Nunes Bolzan Igor Santa Bárbara Araújo Orientação:

Leia mais

G A B A R I T O. Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016

G A B A R I T O. Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016 G A B A R I T O Concurso: RESIDÊNCIA DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Ano: 2016 Conteúdo: QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 1 (valor total: 15,0 pontos): Nessa questão o candidato deverá estar apto à responder de forma

Leia mais

PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA AO PARTO E NASCIMENTO NO PPP INTRA-HOSPITALAR

PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA AO PARTO E NASCIMENTO NO PPP INTRA-HOSPITALAR PROTOCOLO DE ASSISTÊNCIA AO PARTO E NASCIMENTO NO PPP INTRA-HOSPITALAR O processo de mudança de paradigma na atenção obstétrica e neonatal no país, ou seja, o renascimento do respeito ao fisiológico e

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2014 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 42 MÉDICO I (Ginecologia e Obstetrícia) 01. D 11. E 21. C 02. C 12. B 22. D 03. E

Leia mais

http://www.boggiostudios.com/galleries/gallery/pregnancy 1 1- Espermatozoide atravessa a corona radiata. 2- Cabeça do espermatozoide adere à zona pelúcida 3- Reação acrossômica: o conteúdo do acrossomo

Leia mais

Gestação Prolongada. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

Gestação Prolongada. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy Gestação Prolongada Ranuce Ribeiro Aziz Ydy # GESTAÇÃO PROLONGADA Ou Pós-Termo (Serotina, Protraída, Retardada, Pós-maturidade): aquela que alcança ou ultrapassa 42 semanas (294 dias) de gestação (Organização

Leia mais

FAURGS HCPA Edital 01/2011 PS 02 ENFERMEIRO I Obstetrícia Pág. 1

FAURGS HCPA Edital 01/2011 PS 02 ENFERMEIRO I Obstetrícia Pág. 1 Pág. 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 01/2011 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 02 ENFERMEIRO I Obstetrícia 01. C 11. B 21. A 02. B 12. D 22. C 03. D 13. E

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Diretoria Geral de Pessoal Centro de Recrutamento e Seleção de Praças CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO INGRESSO DE NOVOS OFICIAIS DE SAÚDE DA POLÍCIA MILITAR

Leia mais

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS -

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - Todas as sequências efectuadas deverão ser optimizadas de acordo com as especificidades do aparelho disponível. Preparação: 4-6h de jejum Esvaziar

Leia mais

"ESCOAMENTO DO SANGUE FUNICULAR COMO MÉTODO AUXILIAR DO DESLOCAMENTO DA PLACENT A li

ESCOAMENTO DO SANGUE FUNICULAR COMO MÉTODO AUXILIAR DO DESLOCAMENTO DA PLACENT A li RBEn 29 : 24-29,1976 "ESCOAMENTO DO SANGUE FUNICULAR COMO MÉTODO AUXILIAR DO DESLOCAMENTO DA PLACENT A li Maria Zofia Bonikowska Schubert * Wanda Escobar da Silva Freddi ** RBEn/02 SCHUBERT, M.Z.B. e FREDDI,

Leia mais

Ginecologia Bovina. Parto e puerpério. Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais

Ginecologia Bovina. Parto e puerpério. Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais Ginecologia Bovina Parto e puerpério Méd. Vet. Dra. Mara Rubin Laboratório de Embriologia Animal Depto de Clinica de Grandes Animais Parto Parto: processo de dar a luz que envolve o preparo para dar a

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU

Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU Universidade Federal do Maranhão Departamento de Medicina III Disciplina de Obstetrícia Serviço de Obstetrícia e Ginecologia do HU Doutora Marília Da Glória Martins E SUAS REPERCUSSÕES NA SAÚDE DA MULHER

Leia mais

Assistência ao Parto Normal Baseada em Evidências Científicas

Assistência ao Parto Normal Baseada em Evidências Científicas XI ENCONTRO NACIONAL DE ALEITAMENTO MATERNO I ENCONTRO NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR SAUDÁVEL Assistência ao Parto Normal Baseada em Evidências Científicas Flaviano Teixeira de Queiroz Serviço de

Leia mais

ROSIANE MATTAR DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA EPM UNIFESP

ROSIANE MATTAR DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA EPM UNIFESP ROSIANE MATTAR DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA EPM UNIFESP DILEMAS EM OBSTETRÍCIA. DIRETO AO PONTO. DEVEMOS USAR PROGESTERONA PARA GESTANTES ASSINTOMÁTICAS COM COLO CURTO? PREMATURIDADE Nascimentos antes 37

Leia mais

PUERPÉRIO NORMAL E PATOLÓGICO PROF. IAPERI ARAUJO

PUERPÉRIO NORMAL E PATOLÓGICO PROF. IAPERI ARAUJO NORMAL E PATOLÓGICO PROF. IAPERI ARAUJO NORMAL CONCEITO É PERIODO QUE SE SEGUE AO PARTO NO QUAL OCORREM MANIFESTAÇÕES INVOLUTIVAS E DE RECUPERAÇÃO DO ORGANISMO MATERNO OCORRIDAS NA GESTAÇÃO E NO PARTO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM MATERNO-INFANTIL E PSIQUIÁTRICA ENP375 - ENFERMAGEM NA SAÚDE DA MULHER, NA SAÚDE MATERNA E NEONATAL 2º SEMESTRE DE 2017

DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM MATERNO-INFANTIL E PSIQUIÁTRICA ENP375 - ENFERMAGEM NA SAÚDE DA MULHER, NA SAÚDE MATERNA E NEONATAL 2º SEMESTRE DE 2017 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 - CEP 05403-000 Tel.: (011) 3061-7602 - Fax: (011) 3061-7615 São Paulo - SP - Brasil e-mail: enpee@usp.br DEPARTAMENTO

Leia mais

Protocolo de Obstetrícia - Cesariana e Parto Normal. Descrição do Procedimento Operacional Padrão

Protocolo de Obstetrícia - Cesariana e Parto Normal. Descrição do Procedimento Operacional Padrão Protocolo de Obstetrícia - Cesariana e Parto Normal Descrição do Procedimento Operacional Padrão Objetivo: Oferecer acolhimento imediato através da priorização do atendimento. Fornecer estrutura física

Leia mais