Venho por este meio, reclamar/questionar uma situação sobre a apólice de seguro da minha habitação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Venho por este meio, reclamar/questionar uma situação sobre a apólice de seguro da minha habitação."

Transcrição

1 PARA: Ocidental Seguros Av. Dr. Mário Soares, Edifício 10 - Tagus Park Porto Salvo Excelência, Venho por este meio, reclamar/questionar uma situação sobre a apólice de seguro da minha habitação. Tenho uma habitação segurada pela Ocidental Seguros e após ter acionado o seguro, devido a danos provocados por tempestade, sobre a qual existiu o pagamento de indemnização, em valores com os quais não concordo, gostando assim de saber em primeiro lugar o entendimento de V.ª Ex.ª, segundo os vossos estatutos, códigos, directivas, orientações e demais legislação interna, para a seguinte situação: - É legal aos vossos olhos, os casos em que o perito da Ocidental Seguros, que trabalha por conta de outra empresa, traz uma ata de acordo, sobre os valores da indemnização a atribuir no caso de uma habitação que sofreu danos das condições meteorológicas dizendo que tinha que ser obrigatoriamente assinado naquele momento pelo tomador do seguro, que nem podia ser mais tarde, nem que estava disposto a ceder uma cópia do documento ao outorgante, caso este assinasse? - Se a habitação se encontra coberta, no contrato de seguro do empréstimo bancário, a conclusão do processo do sinistro, só se resolve, quando o segurado assina o dito documento (ata de acordo) ou poderá haver a transferência do montante calculado pela seguradora, para reparação dos prejuízos em causa, mesmo sem o tomador do seguro assinar? - No caso de haver pagamento de indemnização, o processo fica assim concluído pelos vossos serviços, mesmo que eu discorde com o montante calculado/atribuído? - No caso do segurado não estar de acordo com a indemnização a atribuir, quais os procedimentos para efectuar a devida reclamação, respectivos prazos e a quem é dirigida? - Importa referir que depois de ter acionado o seguro, praticamente duas semanas decorridas, é que o perito compareceu na habitação para avaliar os estragos, sendo que torna-se deveras relevante mencionar que volvido todo esse tempo, os estragos foram aumentando de dimensões, como é irrepreensivelmente compreensível, sendo que não houve a alteração do local pela minha parte, de modo a poder provar e mostrar o que realmente tinha acontecido, até porque poderia colocar em causa o direito à indemnização. No entanto tenho a perfeita noção, que o perito limitou-se a avaliar os estragos iniciais, e que não devia ter sido esse o procedimento, uma vez que não sou responsável por essa demora, sendo o procedimento correto, a avaliação de todo o conjunto de materiais, que acabaram por sofrer danos colaterais, que acabaram também por ser contaminados ou que absorveram água e posteriormente a curto/médio prazo irão deteriorar-se. Contrariamente ao supracitado, ainda muito antes da chegada do perito, tive a necessidade de pregar todas as tábuas soltas pelo vento que envolvem a casa, porque como a casa é toda revestida em madeira e como houve grandes rajadas de vento conforme o Instituto de Meteorologia, tive a imperiosa e urgente obrigação de pregar todas as tábuas afetadas, as quais foram umas largas dezenas, por forma a salvaguardar um bem de maior interesse (Prevenir a completa destruição pelo vento de toda a lateral da casa, tal como se encontra consignado no Código Penal (CP) - Direito de Necessidade.)

2 - Convém informar que sobre o descrito no parágrafo anterior, ao perito, quando lhe expliquei a situação do que tinha feito às tábuas, o mesmo soltou um pequeno sorriso sarcástico e proferiu a seguinte declaração em tom irónico:... "- Está a ver o que lhe dizia à pouco? Eu não vejo prejuízo nenhum nas tábuas... Você vê? Eu não vejo... Tirou fotografias quando as pregou? Que quer que faça agora? Olhe, tenha paciência, para a próxima já sabe..." Ao receber esta resposta, fiquei estupefacto, pondo em questão nos meus pensamentos mais íntimos, a confirmar se ele tinha dado mesmo aquela resposta, e se aquele senhor seria mesmo o dito perito averiguador de sinistros que á tanto se aguardava e que finalmente tinha chegado, para meu contentamento. Sobre a resposta do perito, por certo compreendo uma ínfima parte, no sentido que há muito individuo a tentar usufruir de pagamentos, de indemnizações de apólices de seguro através de fraude, no entanto fico a pensar se o perito, queria que eu debaixo de intenso chuva e vento, à noite, assim como em cima de uma escada, assenta sobre o "deck" em madeira escorregadio da chuva, eu colocado numa altura superior a 5 metros, em alguns sítios onde andei a pregar, o Sr. perito queria que tivesse tempo para tirar fotografias ou se calhar sujeitar-me a maiores perigos, nomeadamente ficar sem toda a fachada em madeira da casa, ou cair no chão e deste modo qui çá necessitar de um tipo de seguro mais direcionado para o ramo da saúde... Pois eu acho que não seria a melhor medida a adotar no momento, nem existiam condições de aplicabilidade. - Relativamente ao perito, estar sempre a afirmar em todos os momentos/dias de contacto, que a indemnização é calculada por direito, isto é, no meu entender e no dele espero eu, para bem do seu estatuto/função, o sinónimo em direito de - justa - (nem mais nem menos do que realmente é, observados/apreciados todos os elementos, reunidas todas as formalidades e respeitados/cumpridos todos os tramites legais do processo, de forma correta, imparcial e equitativa). Como será possível que no fim, o perito tenha a perfeita consciência, de que os valores por si calculados e mencionados no seu relatório para apresentação à seguradora, para processamento da indemnização ao lesado, não correspondam à verdade, acabando eu por me sentir impotente face à situação, não tendo poderes para interferir ou alterar o desenvolvimento da sua atuação, antes da elaboração do dito relatório, inclusive tendo eu já desconfiado à priori que o resultado seria injusto? Como é que se pode justificar tal facto? - Sobre a actuação de um perito, excluindo a vertente judicial, é possível apresentar queixa por comportamentos não éticos, menos próprios, inadequados e incuriais do vosso colaborador, como por exemplo, causar intensa pressão ao segurado para que ele assinasse determinado documento, como se de vantagens ou regalias se tratasse a favor do perito, após as assinaturas do documento ou conclusão do processo do sinistro contra a vontade do segurado, ou pelas outras situações referidas anteriormente? - De referir que encontrava-me no aeroporto prestes a embarcar, quando o perito tentou "isolar-me " do resto das pessoas existentes no local, para ter abordagem que melhor lhe convinha sem existir a presença de terceiros, inclusive chegando ao ponto de ficar fulo por eu não assinar, tendo eu dito que só assinava se recebesse cópia ou então na presença do meu advogado, em virtude do documento possuir menções sobre decretos-lei em letras de tamanho minúsculo, as quais eu nunca poderia saber no momento qual o seu significado ou interpretação legal. - A tentativa de ocultação/encobrimento de determinados factos, nomeadamente o conhecimento de causa por parte do perito de que a indemnização deveria ser superior ao valor apresentado por ele junto da seguradora, produz efeitos na sua renumeração, prémios de trabalho ou semelhantes? - Haverão interesses mal explicados, e por conseguinte efeitos/passos suscetível de não serem legais, sendo por isso que ao perito interessou-lhe acelerar o processo quando lhe convinha? No entanto, o processo também esteve pendente, durante muito tempo causado forçosamente sem dúbio com dolo pelo perito, sem que o motivo estivesse relacionado com termos processuais, respetivas fases/formalidades e afins.

3 Em suma, solicito deste modo a V. Ex. ª um explicito esclarecimento sobre toda a situação, encontrando-me disponível para responder a qualquer dúvida que possa surgir,aquando da análise da presente carta e encetadas as devidas diligências para averiguação dos factos descritos. Não me oponho também à abertura de um inquérito por parte de sua Excelência tendo como visado o referido perito, sendo que neste sentido será necessário da minha parte, fornecer mais dados sobre o acontecimento, ao que fico a aguardar o vosso contacto. Aproveito também desde já, para apresentar as minhas desculpas, sobre quaisquer dificuldades/contratempos que possam emergir resultantes do meu relato. Por motivos alheios à minha pessoa, não foi possível elaborar a presente carta em anterior data, motivo pela qual seguirá também oportunamente via CTT. Sem outro assunto de momento, Despeço-me expectante Estimados cumprimentos XXXXXXXXXXXXXXXXXXX, 07 de Janeiro de 2015 O lesado VítorXXXXXXXXXXXXXXXXXX Contacto : vixxxxxxxxxxxxxx Telemóvel : XXXXXXXXXXXXXXXXX Boa tarde, O seguro encontra-se em nome da minha esposa de nome SONIA XXXXXXXXXXXXXXXX BORGES, no entanto em virtude dela se encontrar de baixa, e psicologicamente perturbada com toda esta situação, incapaz de a resolver sentindo-se imensamente lesada, por pagar um seguro para este tipo de situação e ao fim ao cabo, a seguradora foge sempre da sua obrigação legal, sou eu quem anda a resolver a papelada e burocracias que lhe dizem respeito.

4 Sendo assim, mais se informa : NIF: XXXXXXXXXXXXX MORADA: XXXXXXXXXXXXXXXXX APOLICE N.º MR (salvo erro, no entanto ainda irei confirmar com ela, em virtude de me encontrar deslocado profissionalmente) DATA DA APOLICE: EMPRESA QUE EFECTUOU OS SERVIÇOS DE PERITAGEM: RISER Mais se informa que para além dos danos na habitação, foram também provocados danos na envolvência do terreno, na qual a casa se inclui, nomeadamente nas vedações existentes, as quais sobre este facto existem fotografias a comprovar e que também foram supostamente tiradas fotografias pelo perito, aquando da sua vinda com a sua câmara fotográfica, prejuízos estes que foram excluídos logo de inicio pelo perito, e que salvo melhor e fundamentada opinião devem ser contabilizadas nos estragos gerais e incluídas assim no processo de indemnização. Relembro novamente que os orçamentos apresentados contabilizam 2557,38 em reparações/substituição e reposição de material novo por empresas credíveis, ao que foram transferidos pelos vossos serviços a módica quantia de 667,05, que correspondem simplesmente a cerca de 25 % do prejuízo total. Transmito assim por este meio que até na vinda do perito, este pediu logo um NIB para futura indemnização, ao que foi fornecido o meu, pelo que se veio a constatar que não serviu de nada e que foram os fundos transferidos para a conta da minha esposa, sendo mais um facto que nos deixa completamente desapontados com os vossos serviços, levando-nos a concluir que a atitude do perito em pedir o NIB apenas serve única e exclusivamente para acalmar os lesados segurados, ou transmitir valores/sentimentos irreais, não tendo outro fim útil na instrução do processo. Para concluir peço -lhe que tenha em apreço toda a reclamação, o presente contacto e possíveis posteriores, no sentido que se trate com justiça, isenção e imparcialidade, e nova reavaliação e que haja compensações na mesma escala e graus, em que foram causados os prejuízos/danos físicos e psicológicos, assim como, pelo todo o tempo que estamos a perder numa causa mal decidida e que possivelmente se irá prolongar. Sendo que não se justifica todo o sucedido em alegarem ser uma matéria do nosso interesse... Sem outro assunto Cumprimentos VítorXXXXXXXXXXX SERVE A PRESENTE COMUNICAÇÃO PARA ACUSAR A RECEPÇÃO DA DECISÃO REAPRECIADA POR V. EX.ª CUMPRE-ME DISCORDAR COM O V/ ENTENDIMENTO TENDO EM CONTA O VALOR PATRIMONIAL E REAL DA HABITAÇÃO, O

5 MONTANTE DO EMPRÉSTIMO BANCÁRIO FEITO, O TIPO DE SEGURO REALIZADO PARA A HABITAÇÃO, ASSIM COMO OS DANOS EXISTENTES. O VOSSO PREÇO DE m2 DE CONSTRUÇÃO/OBRAS/MANUTENÇÃO É MUITO ABAIXO DO VALOR REAL DA HABITAÇÃO. FOI ME INFORMADO QUE TINHAM ELEVADO O PREÇO DO m2, VALOR ESTE NÃO SE TRADUZ EM DOCUMENTO/DIFERENÇA ALGUMA. OS DANOS NA VEDAÇÃO SÃO ABRANGIDOS PELO SEGURO CASO HAJA DANOS NA ESTRUTURA PRINCIPAL DO EDIFÍCIO, CONFORME O CONTRATO ASSINADO NA ALTURA DO EMPRÉSTIMO BANCÁRIO. CASO O CONTRATO TENHA SIDO ALTERADO À POSTERIOR, NÃO FOI O OUTORGANTE NOTIFICADO DESSAS MESMAS ALTERAÇÕES, AS QUAIS NÃO PODERÃO SER CONSIDERADAS VIGENTES NO MOMENTO. FORAM TAMBÉM SOLICITADOS ESCLARECIMENTOS SOBRE A ACTUAÇÃO DO PERITO AVERIGUADOR, DADOS ESTES QUE ATÉ AO MOMENTO CONTINUAM SEM RESPOSTA. ASSIM SENDO SOLICITA-SE NOVAMENTE RESPOSTA PARA TODO O ASSUNTO EM EPIGRAFE. JUNTA-SE EM ANEXO AO PRESENTE, UM DOCUMENTO PARA MELHOR ORIENTAÇÃO SOBRE A SITUAÇÃO. CUMPTS

Cartas enviadas para a ZON

Cartas enviadas para a ZON Cartas enviadas para a ZON 1ª CARTA Bruno Cardoso Pimentel Macedo Praceta da Bela Vista nº8 4720-286 Carrazedo Amares ZON TV Cabo Portugal, S.A. Edifício ZON Rua Ator António Silva, 9 Campo Grande 1600-404

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela BES, Companhia de Seguros, S.A. (BES Seguros), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

Política de Gestão de Reclamações

Política de Gestão de Reclamações Política de Gestão de Reclamações DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A Popular Seguros considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que presta aos seus Clientes, Colaboradores e Parceiros

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. (GNB SEGUROS), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

PARECER N.º 170/CITE/2013

PARECER N.º 170/CITE/2013 PARECER N.º 170/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, nos termos previstos no n.º 3 do artigo 346.º e na alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

PARECER N.º 41/CITE/2008

PARECER N.º 41/CITE/2008 PARECER N.º 41/CITE/2008 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º

Leia mais

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência REGULAMENTO DA POLITICA DE TRATAMENTO DA EMPRESA DE SEGUROS, A.M.A., AGRUPACIÓN MUTUAL ASEGURADORA, MÚTUA DE SEGUROS A PRIMA FIJA NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS,

Leia mais

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Janeiro 2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA DE

Leia mais

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS 1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS - Quem explora o site Pixel4Winner.com? - Onde está sedeada a sociedade anónima? - Posso ter confiança no site Pixel4Winner.com? - A participação a uma lotaria

Leia mais

Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel

Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel I Início e Instrução do Processo 1.1. Participação do Acidente Deve ser feita em impresso de Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA), ou através

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho O que é um acidente de trabalho? Por acidente de trabalho, entende-se o acidente: a) Que se verifique no local de trabalho ou no local onde é prestado

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados.

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados. Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Artigo 1º Objecto O presente documento tem por objecto estabelecer um

Leia mais

Agradeço que essa devolução ocorra no máximo até ao final do dia de amanhã (28/08/2013).

Agradeço que essa devolução ocorra no máximo até ao final do dia de amanhã (28/08/2013). Pedro Madeira De: Pedro Madeira Enviado: 27 de agosto de 2013 23:29 Para: 'Francisco Santos' Assunto: FW: Portatil Toshiba L40-15G Importância: Alta Caro Francisco Santos, Boa noite,

Leia mais

Proposta de Seguro de Obras de Arte

Proposta de Seguro de Obras de Arte Tomador de seguro segurado Nome: Morada: Localidade: Código Postal: Email: Profissão: Data de nascimento: N.º contribuinte: Data de início pretendida: / / Local de risco Morada: Localidade: Código Postal:

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO - TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS - Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento consagra os princípios adoptados pela Zurich Insurance

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel Informação de Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel 1. PARTICIPAÇÃO DO ACIDENTE Deve ser feita em impresso de Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA), ou através de qualquer outro meio

Leia mais

Política de Gestão de Reclamações

Política de Gestão de Reclamações DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A Eurovida considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que presta aos seus Clientes, Colaboradores e Parceiros e de contribuir para a boa imagem e para

Leia mais

Nome Morada. Nome e Morada da Seguradora. ASSUNTO: Apólice nº --------------/renúncia ao seguro. Carta registada com aviso de recepção.

Nome Morada. Nome e Morada da Seguradora. ASSUNTO: Apólice nº --------------/renúncia ao seguro. Carta registada com aviso de recepção. Nome e da Seguradora ASSUNTO: Apólice nº --------------/renúncia ao seguro Nos termos e para os efeitos do artº 182º do Dec-Lei nº 94-B/98, de 17 de Abril (seguro de ramo vida)/ do artº 22º do Dec-Lei

Leia mais

PARECER N.º 52/CITE/2004

PARECER N.º 52/CITE/2004 PARECER N.º 52/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º da Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que aprovou o Código do Trabalho, conjugado

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A PROSSEGUIR NO TRATAMENTO DE QUEIXAS CONTRA SEGURADORAS, MEDIADORES DE SEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES DE DIREITO PRIVADO Introdução 1. Ao abrigo do Estatuto

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

De: Alina Fernandes Enviado: sexta-feira, 19 de Abril de 2013 14:58 Para: ijportugal@pt.intrum.com Assunto: Regularização de valores relativos a serviços CABOVISÃO - SOC. TELEVISÃO

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Foram ouvidos o Conselho Superior da Magistratura, o Conselho Superior do Ministério Público, a Ordem dos Advogados, a Câmara dos Solicitadores, o Conselho dos Oficiais de justiça, o Instituto de Seguros

Leia mais

Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II

Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II Defesa do Consumidor alerta para casos práticos II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA TERÇA-FEIRA, 29 DE ABRIL DE 2013 POR JM As companhias aéreas não serão consideradas responsáveis se tiverem tomado todas

Leia mais

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS

RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS EXCELÊNCIA NA RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS PARA EMPRESAS DE TI INCUMPRIMENTO CONTRATUAL EM TI Com mais de 15 anos de experiência e uma equipa especializada de gestores de sinistros de empresas de Tecnologias

Leia mais

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar

Manual de Procedimentos do Seguro Escolar Manual de Procedimentos do Seguro Escolar O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência, em caso de acidente escolar, complementarmente aos

Leia mais

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ATENDIMENTO AO LEITOR SEMANÁRIO SOL Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ou ligue 210 434 000 Horário de Atendimento

Leia mais

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento

Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro. Regulamento Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro Regulamento 2ª Edição, Novembro de 2011 Prémio de Jornalismo Hospital Veterinário Montenegro 2ª Edição Novembro de 2011 Regulamento Artigo 1º Objectivo

Leia mais

1 de 9 09-12-2013 11:02

1 de 9 09-12-2013 11:02 1 de 9 09-12-2013 11:02 Fuga de Oleo 21 mensagens 5 de Setembro de 2013 às 18:45 Boa tarde Sr Hugo como está. Estou a contacta-lo porque estou com

Leia mais

Módulo de Gestão Proposta de Seguro

Módulo de Gestão Proposta de Seguro Esta proposta de seguro é válida para Sociedades com faturação superior a 50 Milhões Euros. Excluem-se também desta proposta qualquer entidade seguradora e/ou financeira regulada pelos organismos competentes.

Leia mais

Sou Helena Maria Ferreira de Morais Gusmão, Cliente NOS C827261492, Contribuinte Nr.102 297 878 e venho reclamar o seguinte:

Sou Helena Maria Ferreira de Morais Gusmão, Cliente NOS C827261492, Contribuinte Nr.102 297 878 e venho reclamar o seguinte: Exmos. Senhores. Sou Helena Maria Ferreira de Morais Gusmão, Cliente NOS C827261492, Contribuinte Nr.102 297 878 e venho reclamar o seguinte: Sou cliente desde a época da TVTel nunca, até hoje, mudei de

Leia mais

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem Estimado(a) Cliente, É com grande satisfação que a Açoreana Seguros, S.A. lhe dá as boas-vindas ao Pontual Auto. Estamos seguros que o nosso serviço vai fazer toda a diferença. Junto encontra a informação

Leia mais

PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA SUCURSAL EM PORTUGAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA SUCURSAL EM PORTUGAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA SUCURSAL EM PORTUGAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ARTIGO 1.º PROVEDORIA DO CLIENTE 1. A provedoria do Cliente visa a disponibilização de uma solução de resolução

Leia mais

Inquérito Juízos Criminais de Lisboa

Inquérito Juízos Criminais de Lisboa Inquérito Juízos Criminais de Lisboa Elaborado por Sofia Galvão Gabinete de Apoio à Presidência Fevereiro de 2010 Introdução O Conselho Distrital de Lisboa enviou, via mailing electrónico, a todos os Advogados

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

1 306,90 306,90 Lado: Esquerda GIVI TREKKER OUTBACK 37 lts MONOKEY CAM- SIDE (Malas Laterais) #576674 SKU: MM-0589701

1 306,90 306,90 Lado: Esquerda GIVI TREKKER OUTBACK 37 lts MONOKEY CAM- SIDE (Malas Laterais) #576674 SKU: MM-0589701 Gonçalo Henriques 1/01 MaxyMotos vendas@maxymotospt através de shopmaniabiz 1/0 1 Olá Gonçalo Henriques, O pagamento para o pedido 79496673 de 1 Jan 016 foi confirmado Pode responder a este email se precisar

Leia mais

Projeto: Objetos de Natal Reciclados

Projeto: Objetos de Natal Reciclados Projeto: Objetos de Natal Reciclados Regulamento do Projeto Entidade Promotora O projeto Objetos de Natal Reciclados é uma iniciativa da Câmara Municipal de Gouveia. Objetivos Com este projeto pretende-se

Leia mais

O que é o Contrato de Seguro?

O que é o Contrato de Seguro? O que é o Contrato de Seguro? O contrato de seguro é um acordo através do qual o segurador assume a cobertura de determinados riscos, comprometendo-se a satisfazer as indemnizações ou a pagar o capital

Leia mais

Cancelamento de Viagem

Cancelamento de Viagem Cancelamento de Viagem Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido, mas ficamos satisfeitos por podermos oferecer-lhe a possibilidade de aceder on-line aos formulários de participação de sinistro.

Leia mais

2. 36. 2~U 1 ~)10 17 1

2. 36. 2~U 1 ~)10 17 1 Exmo. Senhor Presidente do ffistituto de Seguros de Portugal Avenida de Berna, n. 0 19 1050-037 Lisboa Sua referência Sua Comunicação Of. ~ Proc.R-1601/01 (A3) 2. 36. 2~U 1 ~)10 17 1 Assunto: Suspensão

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FCP002/2014 Prestação de serviços de seguro Ramos Acidentes Trabalho e Pessoais

CONCURSO PÚBLICO FCP002/2014 Prestação de serviços de seguro Ramos Acidentes Trabalho e Pessoais CONCURSO PÚBLICO FCP002/2014 Prestação de serviços de seguro Ramos Acidentes Trabalho e Pessoais Diário da Republica Anuncio de Procedimento n.º6122/2014 de 31/10/2014 Na sequência da abertura de concurso

Leia mais

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho)

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos resultantes do acidente escolar. É uma modalidade de apoio

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA POUPANÇA E INVESTIMENTO PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO PREENCHER A CANETA PRETA SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO 3 0 ALTERAÇÃO À APÓLICE Nº (*) AGÊNCIA/AGENTE Nº FM IB CONTA COBRANÇA Nº (*) PREENCHER

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A.

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. 1 O presente regulamento define as regras que orientam a função do Provedor do Cliente da Médis - Companhia Portuguesa

Leia mais

Cancelamento de Viagem

Cancelamento de Viagem Cancelamento de Viagem Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido, mas ficamos satisfeitos por podermos oferecer-lhe a possibilidade de aceder on-line aos formulários de participação de sinistro.

Leia mais

Garantia de Bagagem. indemnização pelos danos causados na bagagem, ou, recebendo, do valor indemnizado;

Garantia de Bagagem. indemnização pelos danos causados na bagagem, ou, recebendo, do valor indemnizado; Garantia de Bagagem Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido durante a sua viagem, mas ficamos satisfeitos por poder-lhe oferecer a possibilidade de aceder on-line aos formulários de participação

Leia mais

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA(BoS(13/164 PT Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA WesthafenTower Westhafenplatz 1 60327 Frankfurt Germany Phone: +49 69 951119(20 Fax: +49 69 951119(19

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE

REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO, UTILIZAÇÃO, GESTÃO E DESTINO DO FUNDO Artigo 1. Constituição

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO A Quatro Educativo, na pessoa de Paulo Sérgio da Silva Vieira, tem sede na Rua do Barreiro nº 5, Casal da Estortiga, 2495-102 Santa Catarina da Serra.

Leia mais

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim.

2. Posso aderir aos serviços da Nacacomunik se residir nos Açores ou na Madeira? Sim. Nacacomunik e pré-seleção de operador 1. Porque é que a ACN se chama Nacacomunik Serviços de Telecomunicações, Lda. em Portugal? Como em Portugal já existiam duas empresas com o nome ACN, registámos a

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Processo: 6686/07.8TBCSC.L1.S1 Relator: BETTENCOURT DE FARIA Meio Processual: REVISTA Decisão: NEGADA A REVISTA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I - O promitente

Leia mais

Processo n.º 753/2014

Processo n.º 753/2014 Processo n.º 753/2014 (Recurso Laboral) Data : 5/Março/2015 ASSUNTOS: - Acidente de trabalho - Duplicação de indemnização SUMÁ RIO : Se a entidade patronal pagou uma indemnização pela morte de um seu trabalhador,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE JUDO DE LISBOA

ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE JUDO DE LISBOA Anexo à Circular n.º 4/11 DIR SEGURO DESPORTIVO PARA 2012 O Seguro Desportivo de Grupo, contratado através da Corretora de Seguros VIP SEGUROS para a época de 2012, abrange toda a prática desportiva do

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH A CONVENÇÃO SOBRE OS ASPECTOS CIVIS DO SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL Autoridade Central Administrativa Federal/SDH Considerações Gerais A Convenção foi concluída em Haia,

Leia mais

PARECER N.º 261/CITE/2013

PARECER N.º 261/CITE/2013 PARECER N.º 261/CITE/2013 Assunto: Projeto de parecer Exposição do trabalhador Conciliação da Atividade Profissional com a Vida Familiar e Pessoal Duração do período para intervalo de descanso no horário

Leia mais

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA ÁREA DE ASSINATURA DO MUNDO MÁGICO NV Nutri Ventures Corporation, S.A.

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA ÁREA DE ASSINATURA DO MUNDO MÁGICO NV Nutri Ventures Corporation, S.A. TERMOS DE UTILIZAÇÃO DA ÁREA DE ASSINATURA DO MUNDO MÁGICO NV Nutri Ventures Corporation, S.A. O presente documento regula os termos de utilização da área exclusiva para assinantes do Mundo Mágico da Nutri

Leia mais

Regulamento do PASSATEMPO DELTA QOOL

Regulamento do PASSATEMPO DELTA QOOL Regulamento do PASSATEMPO DELTA QOOL 1 Regulamento dos Passatempos Delta Q 1. OBJECTO DO PASSATEMPO 1.1. O Passatempo Delta Q, adiante designados por Passatempo, é promovido pela Total Tim Serviços de

Leia mais

fui acompanhando pelo site da DHL o estado da encomenda. Como se pode aferir na figura

fui acompanhando pelo site da DHL o estado da encomenda. Como se pode aferir na figura Boa Tarde! Venho pelo presente documento proceder a uma reclamação inerente ao serviço de entrega com a referência 1369403490, expedida no dia 24/12/2016. Assim que a encomenda foi expedida, fui acompanhando

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES DE TRABALHO MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM CASO DE SINISTRO

SEGURO DE ACIDENTES DE TRABALHO MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM CASO DE SINISTRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM CASO DE SINISTRO COMO PROCEDER EM CASO DE ACIDENTE DE TRABALHO? Sempre que um trabalhador sofre um acidente, existem uma série de cuidados a ter em conta de forma a melhorar

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS S u m á r i o 1. Portaria instauradora de processo administrativo disciplinar e sindicância contraditória...

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Não há.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Não há. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Referência: 00083000078/2014-65 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): PARECER Recurso contra decisão denegatória ao

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRATAMENTO, AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DOS TOMADORES DE SEGUROS, PESSOAS SEGURAS, BENEFICIÁRIOS E OUTROS INTERESSADOS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento visa

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1) Quem passará a receber por meio de conta no BRADESCO e quem deverá providenciar a sua formalização? a. Magistrados, bem como, seus pensionistas e cotistas b. Serventuários ativos

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE FUNERAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE FUNERAL Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE FUNERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Funeral (4003 v4.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

TRATAMENTO DAS RECLAMAÇÕES

TRATAMENTO DAS RECLAMAÇÕES 1/12 TRATAMENTO Nº da versão Data Motivo 07 04/09/06 Alteração do layout e dos pontos 1, 2, 3, 4 e 5 08 31/08/09 Alteração dos pontos 1 a 6 09 18/04/11 Alteração do layout e pontos 1, 2, 4, 5.1, 5.2, 5.4,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. PERGUNTAS MAIS FREQUENTES (FAQs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. PERGUNTAS MAIS FREQUENTES (FAQs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS REGIME DE CANDIDATURA DE ATRIBUIÇÃO DOS TÍTULOS DE ESPECIALIDADE DO COLÉGIO DE BIOLOGIA HUMANA E SAÚDE (INSTRUÇÕES PARA O SECRETARIADO) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES (FAQs) Gostaria

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel Mestrado em Engenharia Automóvel / Pós-Laboral Legislação e Conflito Fundo de Garantia Automóvel Docente: Maria João Escudeiro Mauro Sousa 2140842 Tiago Fialho 2140843 15 de Junho 2015 Índice I Introdução...3

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Proposta de Seguro de Habitação

Proposta de Seguro de Habitação de Habitação 2783 07/10 TOMADOR DE SEGURO SEGURADO Nome : Morada: Localidade: Código Postal: Profissão: Data de nascimento : Nº contribuinte: Data de início pretendida: / / LOCAL DE RISCO Morada : Código

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

Responsabilidade Civil Profissional para Consultores e Empresas de Tecnologia e Informática Proposta de Seguro

Responsabilidade Civil Profissional para Consultores e Empresas de Tecnologia e Informática Proposta de Seguro O propósito desta proposta de seguro é conhecê-lo a si e ao seu negócio. O seu preenchimento não vincula nenhuma das partes à contratação deste seguro. Um seguro é um contrato de confiança entre duas partes.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 6/B/2004 Data: 25-03-2004 Entidade visada: Secretária de Estado da Administração Pública Assunto: Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública. Promoção a técnico superior de 1.ª classe. Processo:

Leia mais

PARECER N.º 182/CITE/2013

PARECER N.º 182/CITE/2013 PARECER N.º 182/CITE/2013 Assunto: Queixa de Sindicato dos Enfermeiros sobre recusa de pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares Processo

Leia mais

Garantia Assistência Médica Repatriamento

Garantia Assistência Médica Repatriamento Garantia Assistência Médica Repatriamento Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido durante a sua viagem, mas ficamos satisfeitos por poder-lhe oferecer a possibilidade de aceder on-line aos

Leia mais

******* Protocolo estabelecido com o ESPAÇO ÁVILA

******* Protocolo estabelecido com o ESPAÇO ÁVILA J U R I S T @ N L I N E CONSULTÓRIO JURÍDICO ON-LINE ******* Protocolo estabelecido com o ESPAÇO ÁVILA Considerando que: 1º A consulta jurídica é feita pelo consultório jurídico JURIST@NLINE, constituído

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem?

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem? Qual a importância do seguro de acidentes de trabalho? Desde 1913 que é reconhecida em Portugal a obrigatoriedade de as entidades empregadoras repararem as consequências dos acidentes de trabalho sofridos

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

Regulamento do Passatempo EU VOU e levo Amigos Rock in Rio Lisboa 2012

Regulamento do Passatempo EU VOU e levo Amigos Rock in Rio Lisboa 2012 Regulamento do Passatempo EU VOU e levo Amigos Rock in Rio Lisboa 2012 Os seguintes Termos e Condições destinam-se a regular o passatempo EU VOU e levo Amigos, mediante o qual a Controlinveste Media, SGPS

Leia mais

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 144/CITE/2013. Assunto: Resposta à reclamação do parecer n.º 144/CITE/2013, solicitado, nos

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 144/CITE/2013. Assunto: Resposta à reclamação do parecer n.º 144/CITE/2013, solicitado, nos RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 144/CITE/2013 Assunto: Resposta à reclamação do parecer n.º 144/CITE/2013, solicitado, nos termos do n.º 5 do artigo 57.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Parecer n.º 12/PP/2009-G Relator Dr. Marcelino Pires I. Introdução A Sra. Dra.... vem solicitar parecer

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

Declaração Política. (A Ditadura Açoriana)

Declaração Política. (A Ditadura Açoriana) Declaração Política (A Ditadura Açoriana) Os primeiros Parlamentos Liberais da História criaram o sistema de imunidades parlamentares. Este mecanismo de salvaguarda da independência parlamentar foi concebido

Leia mais

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional.

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional. - Dispensa de sigilo profissional n.º 88/SP/2010-P Através de comunicação escrita, registada com o n.º ( ), recebida a 15.04.2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN

CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN 1. DEFINIÇÕES CONDIÇÕES DE ENTREGA RECREAHOME B.V. COM A SUA SEDE REGISTADA EM ASTEN Abaixo Recreahome B.V. será referida como "vendedor". Cada pessoa singular ou entidade legal que adquire bens e/ou serviços

Leia mais