PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL"

Transcrição

1 PROJETO INTEGRDO EM EMPRESRIL CLIENTE UFPE - QUDRNTE D ESTUDO NÁLISE DE RISCO Emitido em: 28/06/2013

2 SUMÁRIO 1. LISTGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLSSIFICÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICÇÃO FTORES DE RISCOS 5. IDENTIFICÇÃO MOTRICIDDE MTRIZ SWOT 5.1 FTORES DE RISCOS COMUNS 6. NÁLISE DE RISCOS 7. VLIÇÃO DE RISCOS 7.1 MTRIZ DE RISCOS 7.2 NÍVEL DE RISCOS 8. PLNO DE ÇÃO

3 1. LISTGEM DOS RISCOS 1. FLT DE ILUMINÇÃO 2. FLT DE CFTV 3. FLT DE SENSORES

4 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 1 FLT DE ILUMINÇÃO: 2 FLT DE CFTV: Circuito fechado ou circuito interno de televisão (também conhecido pela sigla CFTV; do inglês: closed-circuit television, CCTV) é um sistema de televisão que distribui sinais provenientes de câmeras localizadas em locais específicos, para um ou mais pontos de visualização. 3 FLT DE SENSORES: Um sensor é um dispositivo que responde a um estímulo físico/químico de maneira específica e mensurável analógicamente.

5 3. CLSSIFICÇÃO DOS RISCOS CLSSIFICÇÃO RISCOS ESTRTÉGICO FINNCEIRO OPERCIONL CONFORMIDDE / LEGL 1 FLT DE ILUMINÇÃO X X X X 2 FLT DE CFTV X X X X 3 FLT DE SENSORES X X X X

6 4. IDENTIFICÇÃO FTORES DE RISCOS 4.1 FLT DE ILUMINÇÃO MEIOS TÉCNICOS TIVOS RH - MEIOS ORGNIZCIONIS LRMES USÊNCI DE UNIFORME CHECK LIST CKUP DE IMGENS IOMETRI OTÃO DE PÂNICO CONTROLE DE CESSO SENSOR DE PRESENÇ SENSORES DESVIO DE FUNÇÃO EQUIPE INSUFICIENTE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE ENDOMRKETING FLT DE PROCEDIMENTO POLÍTIC DE TERMO DE RESPONSILIDDE FLT DE ILUMINÇÃO EDIFICÇÕES ILUMINÇÃO LYOUT PORTRI PERÍMETRO PORTRI MIENTE POLÍTICO CONDIÇÃO SÓCIO ECONÔMICO CORRUPÇÃO CRIMINLIDDE DISTÂNCI POSTO POLICIL EXCLUSÃO SOCIL GEOGRFI ILUMINÇÃO EXTERN ROT DE FUG LIVRE CIRCULÇÃO PÚLICO JOVEM ÁRES CRÍTICS ÁRES TÉCNICS MEIOS TÉCNICOS PSSIVOS MIENTE EXTERNO MIENTE INTERNO

7 4.2 FLT DE CFTV MEIOS TÉCNICOS TIVOS RH - MEIOS ORGNIZCIONIS LRMES USÊNCI DE UNIFORME CHECK LIST CKUP DE IMGENS IOMETRI CONTROLE DE CESSO DETECTOR DE METL INFRVERMELHO TIVO SENSOR DE PRESENÇ SENSORES DESVIO DE FUNÇÃO EFETIVO DE EQUIPE INSUFICIENTE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE FLT DE PROCEDIMENTO NORM DE CONTROLE DE CESSO TERMO DE RESPONSILIDDE FLT DE CFTV ECLUS DE PEDESTRES ILUMINÇÃO PERÍMETRO PORTRI MIENTE POLÍTICO CORRUPÇÃO CRIMINLIDDE DISTÂNCI POSTO POLICIL EXCLUSÃO SOCIL GEOGRFI PROXIMIDDE FVEL ROT DE FUG LIVRE CIRCULÇÃO PÚLICO JOVEM ÁRES CRÍTICS ÁRES TÉCNICS MEIOS TÉCNICOS PSSIVOS MIENTE EXTERNO MIENTE INTERNO

8 4.3 FLT DE SENSORES MEIOS TÉCNICOS TIVOS RH - MEIOS ORGNIZCIONIS LRMES USÊNCI DE UNIFORME ENDOMRKETING IOMETRI CENTRL DE SENSOR DE PRESENÇ SENSORES DESVIO DE FUNÇÃO EQUIPE INSUFICIENTE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE FLT DE PROCEDIMENTO NORM DE CONTROLE DE CESSO TERMO DE RESPONSILIDDE FLT DE SENSORES RREIR PERIMETRL ILUMINÇÃO LYOUT CENTRL DE PERÍMETRO CRIMINLIDDE GEOGRFI ILUMINÇÃO EXTERN PROXIMIDDE FVEL ROT DE FUG LIVRE CIRCULÇÃO PÚLICO JOVEM ÁRES CRÍTICS ÁRES TÉCNICS MEIOS TÉCNICOS PSSIVOS MIENTE EXTERNO MIENTE INTERNO

9 5. IDENTIFICÇÃO MOTRICIDDE - MTRIZ SWOT FORÇS OPORTUNIDDES ITEM MGNITUDE IMPORTÂNCI TOTL ITEM MGNITUDE IMPORTÂNCI TOTL DOCUMENTÇÃO DE EQUIPE DE 3 3 LRMES 3 3 EFETIVO DE 3 3 CKUP DE IMGENS 3 3 EQUIPE TERCEIRIZD 3 3 RREIR PERIMETRL 3 3 INVESTIGÇÃO 3 3 NORM PR CENTRL DE 3 3 INVESTIGÇÃO SOCIL 3 3 NORMS E PROCEDIMENTOS 3 3 OPERDOR CENTRL DE 3 3 NORMS PR MNUSEIO DE RMMENTO 3 3 QULIFICÇÃO 3 3 POLITIC DE 3 3 ROND 3 3 POLITIC MOTIVCIONL 3 3 ROTTIVIDDE 3 3 TERMO DE RESPONSILIDDE 3 3 SELEÇÃO 3 3 TREINMENTO 3 3 UNIFORME 3 3 FRQUEZS MEÇS ITEM MGNITUDE IMPORTÂNCI TOTL ITEM MGNITUDE IMPORTÂNCI TOTL LRMES MIENTE POLÍTICO USÊNCI DE UNIFORME CONDIÇÃO SÓCIO ECONÔMICO CKUP DE IMGENS CORRUPÇÃO RREIR PERIMETRL CRIMINLIDDE IOMETRI DISTÂNCI POSTO POLICIL OTÃO DE PÂNICO EXCLUSÃO SOCIL CENTRL DE GEOGRFI CHECK LIST ILUMINÇÃO EXTERN CONTROLE DE CESSO PROXIMIDDE FVEL DESVIO DE FUNÇÃO ROT DE FUG DETECTOR DE METL ECLUS DE PEDESTRES

10 EDIFICÇÕES EFETIVO DE ENDOMRKETING EQUIPE INSUFICIENTE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE FLT DE PROCEDIMENTO ILUMINÇÃO INFRVERMELHO TIVO LYOUT CENTRL DE LYOUT PORTRI LIVRE CIRCULÇÃO NORM DE CONTROLE DE CESSO PERÍMETRO POLÍTIC DE PORTRI PÚLICO JOVEM SENSOR DE PRESENÇ SENSORES TERMO DE RESPONSILIDDE ÁRES CRÍTICS ÁRES TÉCNICS

11 5.1 FTORES DE RISCOS COMUNS CRITICIDDE FTORES COMUNS LRMES CKUP DE IMGENS IOMETRI OTÃO DE PÂNICO CHECK LIST CONTROLE DE CESSO DETECTOR DE METL ECLUS DE PEDESTRES EFETIVO DE ENDOMRKETING EQUIPE INSUFICIENTE ILUMINÇÃO INFRVERMELHO TIVO LYOUT CENTRL DE LYOUT PORTRI LIVRE CIRCULÇÃO NORM DE CONTROLE DE CESSO PERÍMETRO POLÍTIC DE PORTRI PÚLICO JOVEM SENSOR DE PRESENÇ SENSORES TERMO DE RESPONSILIDDE ÁRES CRÍTICS ÁRES TÉCNICS USÊNCI DE UNIFORME RREIR PERIMETRL CENTRL DE DESVIO DE FUNÇÃO EDIFICÇÕES FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE FLT DE PROCEDIMENTO

12 6. NÁLISE DE RISCOS 6.1 PROILIDDE PERIGOS I E FTOR DE PERIGO RH MO MT MTP FR E GP FRxE CLSSIFICÇÃO GRU DE PROILIDDE PROILIDDE DE CONTECER 1 FLT DE ILUMINÇÃO , ,15 ELEVD 6,60% 2 FLT DE CFTV , ,15 ELEVD 6,60% 3 FLT DE SENSORES , ,00 ELEVD 100,00% 6.2 IMPCTO PERIGOS IMGEM FINNCEIRO LEGISLÇÃO OPERCIONL NOT MÉDI PONDERD DO IMPCTO NÍVEL DE IMPCTO 1 FLT DE ILUMINÇÃO ,00 5,00 CTSTRÓFICO 2 FLT DE CFTV ,00 5,00 CTSTRÓFICO 3 FLT DE SENSORES ,00 5,00 CTSTRÓFICO

13 7. VLIÇÃO DE RISCOS 7.1 MTRIZ DE RISCOS Elevada PROILIDDE C Muito lta lta D Média E aixa 1 2 Insignificante Leve 3 Moderado IMPCTO 4 5 Severo Catastrófico Legenda Niveis de Tratamento PROILIDDE C D D D C D D C C C D ÇÃO IMEDIT ÇÃO MÉDI E CURTO PRZO MONITORMENTO E GESTÃO RISCO CONTROLÁVEL IMPCTO LEGEND 1. FLT DE ILUMINÇÃO 2. FLT DE CFTV 3. FLT DE SENSORES

14 7.2 NÍVEL DE RISCOS PERIGOS PROILIDDE ESCL IMPCTO FLT DE ILUMINÇÃO 24,15 4 5,00 FLT DE CFTV 24,15 4 5,00 FLT DE SENSORES 25,00 4 5,00 TOTL MÉDI 4,00 5,00 NÍVEL DE RISCO 20,00 1 a 5 5,01 a 10 10,01 a 15 15,01 a 25 NÍVEL DE RISCOS VERDE MRELO LRNJ VERMELHO

15 8. PLNO DE ÇÃO O QUÊ FLT DE CFTV QUEM QUNDO ONDE PORQUE COMO CUSTO STTUS LRMES PCU 30/0/2013 QUDRNTE PREVENÇÃO E IMPLNTÇÃO SENSÇÃO DE CKUP DE IMGENS PCU 30/0/2013 QUDRNTE R Q U I V R QUISIÇÃO IMGENS IOMETRI PCU 30/0/2013 QUDRNTE R E G I S T R R QUISIÇÃO CESSO CHECK LIST PCU 30/0/2013 QUDRNTE MNTER DIVULGÇÃO ORDEM CONTROLE DE CESSO PCU 30/0/2013 QUDRNTE R E G I S T R R / C O N QUISIÇÃO TROLR CESSO DETECTOR DE METL PCU 30/0/2013 QUDRNTE SENSÇÃO DE QUISIÇÃO ECLUS DE PEDESTRES PCU 30/0/2013 QUDRNTE QUISIÇÃO EFETIVO DE PCU 30/0/2013 QUDRNTE UMENTR CONTRTÇÃO EQUIPE INSUFICIENTE PCU 30/0/2013 QUDRNTE DR QULIDDE CONTRTÇÃO O SERVIÇO ILUMINÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO-TROC INFRVERMELHO TIVO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO LIVRE CIRCULÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE MNTER RE MPEMENTO D MONITORD RE NORM DE CONTROLE DE CESSO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R INSTRUÇÃO PERÍMETRO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R PORTRI PCU 30/0/2013 QUDRNTE C O N T R O L R QUISIÇÃO/CONS CESSO TRUÇÃO

16 PÚLICO JOVEM PCU 30/0/2013 QUDRNTE T E R CESSO C O N H E C I M E N T O INFORMÇÕES DO PULICO SENSOR DE PRESENÇ PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO SENSORES PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO TERMO DE RESPONSILIDDE PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R SSINTUR DE DOC ÁRES CRÍTICS PCU 30/0/2013 QUDRNTE MPER RE ESTUDO TOPOGRFICO ÁRES TÉCNICS PCU 30/0/2013 QUDRNTE MPER RE ESTUDO TOPOGRFICO USÊNCI DE UNIFORME PCU 30/0/2013 QUDRNTE MNTER EQUIPE QUISIÇÃO PDRONIZD DESVIO DE FUNÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE PCU 30/0/2013 QUDRNTE E V I T R P O S I C I O N M E N T O INCORRETO FLT DE PROCEDIMENTO PCU 30/0/2013 QUDRNTE FLT DE ILUMINÇÃO LRMES PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO CKUP DE IMGENS PCU 30/0/2013 QUDRNTE M N T E R QUISIÇÃO REGISTROS DE IMGENS IOMETRI PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO OTÃO DE PÂNICO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO CHECK LIST PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R INSTRUÇÃO CONTROLE DE CESSO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO ENDOMRKETING PCU 30/0/2013 QUDRNTE DIVULGÇÃO DIVULGÇÃO

17 EQUIPE INSUFICIENTE PCU 30/0/2013 QUDRNTE REDISTRIUIÇÃO CONTRTÇÃO DE EQUIPE ILUMINÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO/TROC LYOUT PORTRI PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO LIVRE CIRCULÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE MNTER RE MPEMENTO D MONITORD RE PERÍMETRO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R POLÍTIC DE PCU 30/0/2013 QUDRNTE M N T E R DIVULGÇÃO POLITIC DE PORTRI PCU 30/0/2013 QUDRNTE C O N T R O L R QUISIÇÃO/CONT CESSO RUÇÃO PÚLICO JOVEM PCU 30/0/2013 QUDRNTE T E R CESSO C O N H E C I M E N T O INFORMÇÕES DO PULICO SENSOR DE PRESENÇ PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO SENSORES PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R QUISIÇÃO TERMO DE RESPONSILIDDE PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R E S E R V R SSINTUR DE DOC ÁRES CRÍTICS PCU 30/0/2013 QUDRNTE MPER RE ESTUDO TOPOGRFICO ÁRES TÉCNICS PCU 30/0/2013 QUDRNTE MPER RE ESTUDO TOPOGRFICO USÊNCI DE UNIFORME PCU 30/0/2013 QUDRNTE MNTER EQUIPE QUISIÇÃO PDRONIZD DESVIO DE FUNÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE EDIFICÇÕES PCU 30/0/2013 QUDRNTE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE PCU 30/0/2013 QUDRNTE E V I T R P O S I C I O N M E N T O INCORRETO FLT DE PROCEDIMENTO PCU 30/0/2013 QUDRNTE

18 FLT DE SENSORES LRMES PCU 30/0/2013 QUDRNTE C O N T R O L R QUISIÇÃO CESSO IOMETRI PCU 30/0/2013 QUDRNTE C O N T R O L R QUISIÇÃO CESSO ENDOMRKETING PCU 30/0/2013 QUDRNTE DIVULGÇÃO DIVULGÇÃO EQUIPE INSUFICIENTE PCU 30/0/2013 QUDRNTE T E N D I M E N T O CONTRTÇÃO DEMNDDO ILUMINÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P O R M O V E R INSTLÇÃO E SENSÇÃO DE SUSTITUIÇÃO LYOUT CENTRL DE PCU 30/0/2013 QUDRNTE M N T E R QUISIÇÃO SENSÇÃO DE LIVRE CIRCULÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE MNTER RE MPEMENTO D MONITORD ÁRE NORM DE CONTROLE DE CESSO PCU 30/0/2013 QUDRNTE M N T E R IMPLNTÇO CONTROLE DE CESSO PERÍMETRO PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R O M O V E R MNTER RE MONITOR PÚLICO JOVEM PCU 30/0/2013 QUDRNTE C O N H E C I M E N T O CESSO DE DO PÚLICO INFORMÇÕES SENSOR DE PRESENÇ PCU 30/0/2013 QUDRNTE C O N T R O L R QUISIÇÃO CESSO SENSORES PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R O M O V E R QUISIÇÃO SENSÇÃO DE TERMO DE RESPONSILIDDE PCU 30/0/2013 QUDRNTE E N V O L V E R MNTER EQUIPE DOCUMENTÇÃO ÁRES CRÍTICS PCU 30/0/2013 QUDRNTE MPEMENTO D ESTUDO ÁRE TOPOGRÁFICO ÁRES TÉCNICS PCU 30/0/2013 QUDRNTE MPEMENTO D ESTUDO ÁRE TOPOGRÁFICO USÊNCI DE UNIFORME PCU 30/0/2013 QUDRNTE MNTER EQUIPE QUISIÇÃO PDRONIZD

19 RREIR PERIMETRL PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R O M O V E R QUISIÇÃO CENTRL DE PCU 30/0/2013 QUDRNTE P R O M O V E R QUISIÇÃO DESVIO DE FUNÇÃO PCU 30/0/2013 QUDRNTE FLH NO POSICIONMENTO D EQUIPE PCU 30/0/2013 QUDRNTE E V I T R P O S I C I O N M E N T O INCORRETO FLT DE PROCEDIMENTO PCU 30/0/2013 QUDRNTE TOTL GERL: 0,00

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRDO EM EMPRESRIL CLIENTE CCS-ECONOMI ESTUDO NÁLISE DE RISCO Emitido em: 10/07/2013 SUMÁRIO 1. LISTGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLSSIFICÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICÇÃO FTORES DE

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRDO EM SEGURNÇ EMPRESRIL CLIENTE UFPE - CIS - CENTRO INTEGRDO DE SÚDE - CT-SUDENE ESTUDO DNOS O PTRIMÔNIO Emitido em: 07/02/2013 SUMÁRIO 1. LISTGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLSSIFICÇÃO

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRDO EM SEGURNÇ EMPRESRIL CLIENTE UFPE ESTUDO FURTO / ROUO Emitido em: 10/05/2013 SUMÁRIO 1. LISTGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLSSIFICÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICÇÃO FTORES DE RISCOS

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM EMPRESARIAL CLIENTE UFPE - QUADRANTE B ESTUDO ANÁLISE DE RISCO Emitido em: 28/06/2013 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL CLIENTE UFPE - ONDONTO - BUCO ESTUDO DANO AO PATRIMONIO Emitido em: 21/02/2013 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL CLIENTE CAC/UFPE ESTUDO ANALISE DE RISCO Emitido em: 21/11/2012 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL CLIENTE UFPE - BC ESTUDO DANO AO PATRIMONIO Emitido em: 16/05/2013 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL CLIENTE SPRING WIRELESS ESTUDO ANALISE DE RISCO 2 Emitido em: 4/12/212 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL CLIENTE UFPE - CFCH ESTUDO CONTROLE DE ACESSO Emitido em: 28/01/2013 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Proposta de Adequação Tecnológica da Área de Segurança

Proposta de Adequação Tecnológica da Área de Segurança Proposta de Adequação Tecnológica da Área de Segurança 1 Mapeamento dos pilares da Segurança prestada atualmente Serviço de Segurança Patrimonial; Ronda perimetral, muros e cercas; Ronda nas Alamedas;

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Nossa Tecnologia - Seus Olhos

Nossa Tecnologia - Seus Olhos Somos uma empresa de comércio e serviços de equipamentos para veículos e locais onde o CFTV (Circuito Fechado de TV) convencional não supre a necessidade do cliente. p/.ex: marinas, prédios com mais 30

Leia mais

ENGINSTREL ENGEMATIC. ANUNCIADOR DE ALARME Série 84: Microprocessado CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

ENGINSTREL ENGEMATIC. ANUNCIADOR DE ALARME Série 84: Microprocessado CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ENGINSTREL ENGEMTI NUNIOR E LRME Série : Microprocessado ESRIÇÃO O nunciador de larme é um conjunto centralizado que possibi!ita uma supervisão das condições de seu processo industrial. Estas condições

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade 17 LEADERSHIP AGENDA gnhr o futuro trvés d lidernç, gestão e inovção O sector ferroviário definiu um modelo estruturdo e inovdor pr umentr su competitividde O sector ferroviário português definiu um progrm

Leia mais

existência de sensores de presença nos andares existência de sistema de câmeras existência de sistema de alarmes posicionamento das câmeras é adequado

existência de sensores de presença nos andares existência de sistema de câmeras existência de sistema de alarmes posicionamento das câmeras é adequado existência de sensores de presença nos andares existência de sistema de câmeras existência de sistema de alarmes posicionamento das câmeras é adequado posicionamento dos alarmes é adequado existem áreas

Leia mais

DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS COMUNICACIONAIS POR MEIO DA SWOTCOM

DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS COMUNICACIONAIS POR MEIO DA SWOTCOM DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS COMUNICACIONAIS POR MEIO DA SWOTCOM Prof. Dr. Mrcéli Lupetti 1 Resumo O presente rtigo tem como objetivo o perfeiçomento dos procedimentos pr elborção de um plnejmento

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

O Plano de Teste Consolidando requisitos do MPT- Nível 1

O Plano de Teste Consolidando requisitos do MPT- Nível 1 O Plno de Teste Consolidndo requisitos do MPT- Nível 1 Elizbeth Mocny ECO Sistems Agend Plno de Teste d ECO Sistems Nível 1- Áres de Processos- Prátics Específics e Genérics Ciclo de Vid do Projeto de

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 040/REITORIA/2008

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 040/REITORIA/2008 EDITL DE DISCIPLINS ISOLDS Nº 00/REITORI/008 O Reitor da Universidade Comunitária Regional de Chapecó - UNOCHPECÓ, Prof. Odilon Luiz Poli, em conjunto com Vice-Reitora de Graduação, Profª. Maria Luiza

Leia mais

ANEXO III REMUNERAÇÃO, PRAZOS E FORMA DE PAGAMENTO APLICADOS A PROJETOS PARA EDIFICAÇÕES NOVAS, REFORMAS E/OU AMPLIAÇÕES EM GERAL

ANEXO III REMUNERAÇÃO, PRAZOS E FORMA DE PAGAMENTO APLICADOS A PROJETOS PARA EDIFICAÇÕES NOVAS, REFORMAS E/OU AMPLIAÇÕES EM GERAL NEXO III REMUNERÇÃO, PRZOS E FORM DE PGMENTO PLICDOS PROJETOS PR EDIFICÇÕES NOVS, REFORMS E/OU MPLIÇÕES EM GERL 1. CONSIDERÇÕES PRELIMINRES 1.1. Enquadram-se como edificações novas as construções a serem

Leia mais

Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Vol. V Indústrias Manual de Segurança Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br I mplementar um sistema de segurança eficaz em uma indústria não costuma ser uma tarefa fácil, principalmente porque, na

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plno de Trblho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Hbilitção Profissionl:Técnic de Nível Médio de TÉCNICO EM CONTABILIDADE

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS NO PERÍODO DA MANHÃ CURSOS OFERECIDOS NO PERÍODO DA TARDE CURSOS OFERECIDOS NO PERÍODO DA NOITE

CURSOS OFERECIDOS NO PERÍODO DA MANHÃ CURSOS OFERECIDOS NO PERÍODO DA TARDE CURSOS OFERECIDOS NO PERÍODO DA NOITE PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA ESCOLA MUNICIPAL PROFISSIONALIZANTE MILTON BALLERINI Av. São José nº 150 centro Loren SP Tel. (12) 3153-1548 CEP 12.600-560 125 CURSOS GRATUITOS OFERECIDOS PELA PREFEITURA

Leia mais

Rubel, inspirando as pessoas a viverem melhor 1

Rubel, inspirando as pessoas a viverem melhor 1 Rubel, inspirndo s pessos viverem melhor 1 Willim Gbriel Romeo CARRATE 2 Anne Croline Amrl ANDRADE 3 Glucy Stel Cndido TAVARES 4 Fculdde Pulus de Tecnologi e Comunicção, São Pulo, SP RESUMO O plnejmento

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE LOGÍSTICA E OPERAÇÕES

MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE LOGÍSTICA E OPERAÇÕES IDENTIFICAÇAO DO CURSO: Nome do curso: MBA Executivo em Gestão de Logístic e Operções Modlidde: distânci Áre do conhecimento Ciêncis Sociis Aplicds totl/tempo de integrlizção: 460 h/ 18 meses ou 12 meses

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verz Código: 164 Município: Plmitl Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnico em Contbilidde Qulificção:

Leia mais

SOLUÇÃO DE MONITORAMENTO INTEGRADO NA PREVENÇÃO DE PERDAS III FÓRUM ABRAS. HAÍLTON SANTOS Desenvolvimento de Novos Negócios

SOLUÇÃO DE MONITORAMENTO INTEGRADO NA PREVENÇÃO DE PERDAS III FÓRUM ABRAS. HAÍLTON SANTOS Desenvolvimento de Novos Negócios SOLUÇÃO DE MONITORAMENTO INTEGRADO NA PREVENÇÃO DE PERDAS HAÍLTON SANTOS Desenvolvimento de Novos Negócios Presente em 33 países Atuação em mais de 100 mercados ao redor do mundo Faturamento anual de 610

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sistema Operacional: Compatível com Windows XP ou superior; Banco de Dados: Padrão do sistema em SQL Server, podendo, no entanto, ser utilizado com a maioria dos bancos de dados

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA COPPE ANEXO AO EDITAL UFRJ/COPPE/PEN nº 380/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA

Leia mais

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL O Serviço Socil do Comércio Administrção Regionl no Distrito Federl SESC/DF, instituição privd inscrit no CNPJ 03.288.908/0001-30, por meio d su Divisão de Administrção

Leia mais

Governance, Risk and Compliance Management [GRC] Gerenciamento Efetivo e Sustentável.

Governance, Risk and Compliance Management [GRC] Gerenciamento Efetivo e Sustentável. Governnce, Rik nd Complince Mngement [GRC] Gerencimento Efetivo e Sutentável. O SoftExpert GRC Suite oferece um etrutur de governnç que poibilit um tomd de decião eficz e poio à mudnç comportmenti. O SoftExpert

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Edital 005/2017/CCB BOLSA DE AÇÕES EXTENSIONISTAS

Edital 005/2017/CCB BOLSA DE AÇÕES EXTENSIONISTAS Editl 005/2017/CCB BOLSA DE AÇÕES EXTENSIONISTAS 1 DA ABERTURA 1.1 A Universidde Estdul de Goiás (UEG), pesso jurídic de direito público, utrqui do poder executivo estdul, constituíd pel Lei Estdul n.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira 24/08/2015 Coorden Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente 2015 Etec Profª Ermelind Ginnini Teixeir Código: 187 Município: Sntn

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 42/REITORIA/2009

EDITAL DE DISCIPLINAS ISOLADAS Nº 42/REITORIA/2009 EDITL DE DISCIPLINS ISOLDS Nº /REITORI/009 O Reitor da Universidade Comunitária Regional de Chapecó - UNOCHPECÓ, Prof. Odilon Luiz Poli, em conjunto com Vice-Reitora de Graduação, Profª. Maria Luiza de

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

20W-60W. LED Solar iluminação externa autônoma. Manual do Usuário

20W-60W. LED Solar iluminação externa autônoma. Manual do Usuário 20W-60W LED Solr iluminção extern utônom Mnul do Usuário Prezdo cliente, Obrigdo por escolher um modo limpo e renovável de iluminção extern LED Solr. Este mnul contém instruções e recomendções pr instlção,

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Programa Vizinhança Solidária O Programa Vizinhança Solidária cria a adoção de mecanismos dentro da filosofia de polícia comunitária de estímulo à mudança de comportamento dos integrantes de determinadas

Leia mais

Oferta n.º As funções serão exercidas nos Estabelecimentos de Ensino de 1º Ciclo Ensino Básico da rede pública do Concelho da Maia.

Oferta n.º As funções serão exercidas nos Estabelecimentos de Ensino de 1º Ciclo Ensino Básico da rede pública do Concelho da Maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Atividde Físic e Desportiv Ofert n.º 1257 A Câmr Municipl Mi

Leia mais

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Agend Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 2 Deloitte Consultores,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT

NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT NOVAS FORMAS DE NEGÓCIOS NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA - DIRECT SHIPMENT Eng. Mário Eugênio Longto Universidde Pulist - São Pulo SP Dr. João Pulo Alves Fusco Universidde Pulist São Pulo SP Dr Antonio Roberto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CLOSED CIRCUIT TELEVISION CCTV António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 Enquadramento Cada vez é maior o recurso à vigilância através dos sistemas de CCTV, quer como elementos

Leia mais

PLANO SETORIAL DE AÇÃO ÓRGÃOS E UNIDADES ADMINISTRATIVAS

PLANO SETORIAL DE AÇÃO ÓRGÃOS E UNIDADES ADMINISTRATIVAS MINISTÉRIO PÚBLICO do Estdo do Prná ANO: 2015 PLANO SETORIAL DE AÇÃO ÓRGÃOS E UNIDADES ADMINISTRATIVAS ÓRGÃO OU UNIDADE ADMINISTRATIVA: DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL SUBPLAN PROJETO/ATIVIDADE

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO

3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO 3º ENCONTRO ESTADUAL DE CIPA E SESMT DO SETOR QUÍMICO PROTEÇÃO DE MÁQUINAS NR 12 ENG. ROBERTO DO VALLE GIULIANO CONVENÇÃO COLETIVA DE 1995 EXEMPLOS DE PROTEÇÕES UNIDADE DE FECHAMENTO Proteção móvel Proteção

Leia mais

UO: SENAI/SC - SÃO JOSÉ DR: SC

UO: SENAI/SC - SÃO JOSÉ DR: SC UO: SENAI/SC - SÃO JOSÉ DR: SC Reltório d Unidde Opercionl CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Brg de Andrde Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rfel Esmerldo Lucchesi Rmcciotti

Leia mais

[ Introdução ] [ Projeto ] [ Eventos Paralelos ] projeto APP. F. PENDOLARI

[ Introdução ] [ Projeto ] [ Eventos Paralelos ] projeto APP. F. PENDOLARI [ Introdução ] [ Projeto ] [ Eventos Paralelos ] projeto APP. F. PENDOLARI. [ Introdução ] [ Projeto ] [ Eventos Paralelos ] CONCEITO Cultura de novas alternativas de mobilidade urbana (abertura e adesão).

Leia mais

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento.

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Serviço de Comunicação Secullum Acesso.Net Estacionamento Gerencial Integração CFTV Pessoal Recepção Refeitório Automação Sistema Operacional: compatível com Windows XP ou superior

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia Plno Estrtégico Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 1 ÍNDICE 1 Enqudrmento... 3 2 Modelo de Execução d Estrtégi... 5 2.1 Definir estrtégi... 5 2.1.1 Missão... 6 2.1.2 Visão... 6 2.1.3 Atribuições

Leia mais

Guia do Usuário. Monitor de CO 2. Modelo CO200

Guia do Usuário. Monitor de CO 2. Modelo CO200 Guia do Usuário Monitor de CO 2 Modelo CO200 Introdução Parabéns pela sua compra deste Medidor de Dióxido de Carbono Modelo CO200. Este aparelho mede o nível de CO2, a temperatura do ar, umidade, data

Leia mais

Destaques da 7ª mesa de debates Gerenciamento de riscos Um novo modelo para geração de valor ao acionista

Destaques da 7ª mesa de debates Gerenciamento de riscos Um novo modelo para geração de valor ao acionista Destques d 7ª mes de detes 1 Destques d 7ª mes de detes Gerencimento de riscos Um novo modelo pr gerção de vlor o cionist AUDIT COMMITTEE INSTITUTE DA KPMG NO BRASIL TRANSCRIÇÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia GRANDES EVENTOS SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO 1 EVENTO DATA E HORA LOCAL TIPO E OBJETIVO DURAÇÃO INTERFERÊNCIAS

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER)

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) Dispõe sobre as empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança e dá outras Providências. O Congresso nacional decreta: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR

GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR Esta tecnologia torna possível o sistema de anti sequestro, rastreamento, escuta e bloqueio de veículos conforme a área de cobertura, que ao ser acionado,

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA PRÂMETRO DESCRIÇÃO IMGEM SÍNTESE FUNCIONL VILL SVOYE LOCLIZ-SE CERC DE 30 KM NOROESTE DE PRIS, NOS SUBÚRBIOS D PEQUEN CIDDE DE POISSY. ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO,

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica SRPA- Sl de Recuperção Pós-Anestésic Locl destindo receber o pciente em pós-opertório imedito té que recupere consciênci e tenh seus sinis vitis estáveis; A ssistênci prestd o pciente n SRPA requer cuiddos

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

4 AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DO DUTO

4 AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DO DUTO 56 4 AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DO DUTO Pr elborr um plno de gestão d integridde é importnte conhecer os métodos de inspeções que podem ser empregdos, critérios pr vlir criticidde ds nomlis detectds ns inspeções,

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*)

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips, para monitoramento de ativos pessoas ou objetos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

HM+HC - LPPM - DA - UFPB

HM+HC - LPPM - DA - UFPB V. LFRED ELMONTET V. ROMND V. CLODOLD PROJETO: VILL DLL'V RQUITETUR: REM KOOLHS LOCL: PRIS, FRNÇ NO: PLNT DE LOCLIZÇÃO ESCL 1/500 5 15 20m HM+HC - LPPM - D - UFP DISCIPLIN: H..U. IV LUNOS: ISEL CMPOS PRNCH

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira 04/09/2015 Coorden Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente 2015 Etec Profª Ermelind Ginnini Teixeir Código: 187 Município: Sntn

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. REFEITUR MUNICIL DE SÃO GONÇLO CHEFI DE GBINETE lano lurianual - Sec. Mun. dministração ROGRM : DMINISTRÇÃO GERL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13. Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica

SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13. Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica SECRETARIA DA FAZENDA VOLUME 13 Prestação de Serviços de Vigilância Eletrônica Versão Janeiro/2015 VOLUME 13 PREFÁCIO... 2 INSTRUÇÕES GERAIS... 3 INSTRUÇÕES GERAIS APLICÁVEIS A CADA MÓDULO DE SERVIÇOS...

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

29.69 RUA SERPA PINTO RUA JOSÉ EDUARDO CÉSAR TRAVESSA DE SÃO TIAGO PRAÇA MACHADO SANTOS IGREJA DE SANTIAGO LARGO DOUTOR JUSTINO FREIRE

29.69 RUA SERPA PINTO RUA JOSÉ EDUARDO CÉSAR TRAVESSA DE SÃO TIAGO PRAÇA MACHADO SANTOS IGREJA DE SANTIAGO LARGO DOUTOR JUSTINO FREIRE .0.8. SERVIÇO.0. 9.9 C O N C U R S O P Ú B L I C O D E C O N C E P Ç Ã O P R E L B O R Ç Ã O D O P R O J E C T O D MUNICIPL E MUSEU DO BRINQUEDO DE TORRES VEDRS / VIST DE CONJUNTO (MODELO) PLNT DE IMPLNTÇÃO

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

Um Sistema informatizado desenvolvido com alto padrão tecnológico para maior

Um Sistema informatizado desenvolvido com alto padrão tecnológico para maior Um Sistema informatizado desenvolvido com alto padrão tecnológico para maior segurança e bem-estar dos condôminos. Oferecemos a mais nova solução tecnológica, ideal contra invasão domiciliar, objetivando

Leia mais

rio Coletor á su Real Time U o l daunam

rio Coletor á su Real Time U o l daunam Manual do Usuário Coletor e m i T l a e R Sumário Introdução... Especificações... 2 2 Ilustrações Coletor Real - Time... Base Carregadora e Fonte AC... Coutri... Ibutton... Eventos que o Coletor Real -

Leia mais

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM ADKL.ZELLER 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA; SOLUÇÕES EM ENGENHARIA ELÉTRICA E AUTOMAÇÃO DE A a Z; DESENVOLVEMOS TODAS AS ETAPAS DE UM PROJETO; DIVERSAS CERTIFICAÇÕES; LONGAS PARCERIAS

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Nome/Designação Social: Nº Identificação do Registo Nacional de Pessoas Colectivas: Endereço: Concelho: Actividade Principal:

Nome/Designação Social: Nº Identificação do Registo Nacional de Pessoas Colectivas: Endereço: Concelho: Actividade Principal: GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA IP RAM Cndidtur Progrm Formção/Emprego (FE) (Portri nº 19/2009 de 23 de Fevereiro) A preencher pelo Instituto de

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS. Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Viana - Felipe Dalla Vecchia 2013

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS. Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Viana - Felipe Dalla Vecchia 2013 INSTRUMENTAÇÃO SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS Jocarli Alencastro Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Viana - Felipe Dalla Vecchia 2013 Introdução Os sensores indutivos e capacitivos foram desenvolvidos

Leia mais