Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA"

Transcrição

1 Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA A Rota Vicentina (RV) é uma rota pedestre ao longo do Sw de Portugal que pretende afirmar esta região enquanto destino internacional de turismo de natureza, articulando trilhos, empresas, populações e outras entidades públicas e privadas, em torno de um modelo comum de desenvolvimento sustentável. Parte da necessidade de atribuir à região uma escala internacionalizável, perante um mercado com enorme potencial, mas exigente e muito bem organizado. A organização da oferta turística é parte essencial a este processo, pretendendo esta carta de compromisso garantir princípios comuns a todas as empresas que venham a fazer parte desta rede. Ao assinar esta Carta de Compromisso, o prestador compromete-se a cumprir todas condições gerais e a adaptar, tanto quanto possível o seu serviço para o cumprimento dos restantes critérios adicionais sugeridos, de forma a que, em conjunto, se possa construir uma verdadeira rede de empresas vocacionadas e comprometidas com a prestação de um serviço valorizado por um mercado com necessidades e expectativas específicas. Condições Gerais: 1. Pagar atempadamente as contribuições previstas, garantido o bom funcionamento e gestão do projecto 2. Estar conforme a regulamentação aplicável à sua tipologia e classificação e garantir padrões de segurança, higiene, limpeza e legalidade, anexando ao seu pedido de adesão, sempre que possível, os comprovativos exigidos por lei 3. Conhecer o projecto na sua generalidade, seus objectivos e características, nomeadamente através da participação do proprietário ou director da empresa em pelo menos uma acção de formação com a duração de 1 dia, organizada pela equipa de coordenação, acerca 1

2 do conceito, valores, objectivos e características do projecto Rota Vicentina e das suas diversas valências 4. Conhecer o mapa esquemático da Rota Vicentina, o que distingue o Caminho Histórico do Trilho dos Pescadores, a dimensão de cada uma das etapas e as principais regras e recomendações 5. Conhecer as principais fontes de informação disponíveis e saber orientar os seus clientes no acesso a essa informação. Disponibilizar materiais informativos e promocionais sobre a Rota Vicentina e se possível livros e guias sobre a região, fauna e flora, idealmente em diferentes línguas 6. Conhecer os restantes parceiros da rede e reconhecê-los como tal, sabendo encaminhar os seus clientes sempre que necessário 7. Participar em reuniões e/ou dar os seus contributos por 8. Manter a informação do site actualizada, contactando a equipa de gestão da RV, sempre que houver uma alteração 9. Garantir capacidade de resposta a pedidos de informação e reserva, assumindo o compromisso de consultar o , no mínimo diariamente 10. Ter atendimento aos clientes em pelo menos uma língua estrangeira (de preferência o inglês) 11. Dar resposta ao feedback de parceiros e clientes no caso de haver reclamações, esclarecendo a equipa de gestão da RV acerca da situação e sua resolução, corrigindo falhas e/ou aspectos que levaram a essa situação, sob pena de suspensão da rede 2

3 Critérios Adicionais Comuns 1. Conhecer as etapas mais próximas do negócio, permitindo uma melhor absorção do conceito e a possibilidade de esclarecer dúvidas e questões pontuais dos caminhantes, além de uma troca de impressões sempre muito apreciada 2. Conhecimento das principais ligações por transporte público até à localidade mais próxima e através região; disponibilização dos horários em papel e suporte informático, bem como o contacto de táxis para qualquer situação imprevista 3. Sugestão de serviços de guia local e de natureza sempre que solicitado, ou quaisquer outros, como serviços de massagens e/ou osteopatia para recuperação física dos caminhantes, dando prioridade à recomendação dos serviços de parceiros da rede Critérios Adicionais - Alojamento 1. Disponibilizar serviços específicos para caminhantes, incluindo: a. Transferes de passageiros e bagagens (pessoalmente ou através de acordo com táxis parceiros), dentro da região e no acesso aos aeroportos de Lisboa e Faro b. Serviço de pequeno-almoço. Em alternativa, contratação desse serviço, ou transporte até localidade com supermercado/pastelaria/café c. Menus de almoço ou piquenique, valorizando produtos locais e embalagens ecológicas. Em alternativa acordo com restaurante parceiro que forneça este menu/piquenique. Este ponto pode ser dispensável nos casos em que as etapas adjacentes tenham a meio caminho oferta de restaurantes ou cafés/mercearias (devendo ter em consideração os dias de fecho destes estabelecimentos). 3

4 d. Menus de jantar revigorantes, apostando em doses calóricas e em boa quantidade, privilegiando os produtos locais e incluindo vinho nacional, preferencialmente de qualidade. Em alternativa, acordo com restaurante parceiro para fornecimento de jantar, ou transporte até, e do restaurante, caso necessário e. Disponibilização imediata de líquidos à chegada dos caminhantes, bem como convite a um local de descanso e convívio 2. No caso de estar fora das localidades, fornecer indicação precisa do percurso de ligação do empreendimento aos pontos de ligação mais próximos da Rota Vicentina. Esta ligação, no caso de ser pedestre, deve ter o cuidado de representar uma experiência interessante e valorativa para o caminhante, que irá acrescentar alguns kms à sua etapa. A disponibilização dos trilhos deve ser preferencialmente feita através de uma ou mais das hipóteses seguintes: marcações no terreno (a definir com a equipa de coordenação do projecto), indicação em cartas militares de 1: (ou cópias), descrição do itinerário (em diversas línguas), ou disponibilização dos tracks para GPS para download em website próprio ou RV. 3. Disponibilização de aparelhos GPS / Mapas com o percurso marcado e/ou bastões de caminhada, para empréstimo aos caminhantes Critérios Adicionais - Actividades 1. Cumprir todas as disposições legais, incluindo perante o Turismo de Portugal e o ICNB, se aplicável 2. Disponibilizar serviços específicos para caminhantes, incluindo: a. Transferes de passageiros e bagagens, do alojamento até ao local de realização da actividade e regresso (pessoalmente ou através de acordo com táxis parceiros/alojamentos) 4

5 b. Sempre que for incluída refeição/piquenique, valorizar a escolha produtos locais e embalagens ecológicas. Em alternativa acordo com restaurante parceiro para fornecimento deste serviço c. Disponibilização de líquidos no decorrer da actividade 3. Disponibilização de aparelhos GPS / Mapas com o percurso marcado e/ou bastões de caminhada, para empréstimo aos caminhantes Critérios Adicionais - Restaurantes 1. Apostar no uso de produtos locais 2. Disponibilizar serviços específicos para caminhantes, incluindo: a. Criação de menus para caminhantes b. Disponibilizar almoços/piqueniques para consumo fora do restaurante (take away), apostando no uso de embalagens ecológicas c. Trabalhar em parceria com alojamentos pertencentes à rede, criando um conjunto de menus - pequeno-almoço, almoço/piquenique e jantar - para fornecimento a alojamentos sem serviço de refeições Critérios Adicionais - Comércio Local 1. Apostar na comercialização de produtos locais diferenciadores e de qualidade, quer ao nível da gastronomia (mel, medronho, enchidos, queijo, batata-doce, amendoim, etc), quer ao nível do artesanato/tradição 5

6 2. Venda e/ou aluguer de artigos de caminhada, como botas, bastões, material fotográfico, mapas da região, mochilas, chapéus, bolsas, etc 3. No caso de prestação de serviços de manutenção de equipamentos e reparação (fotografia, bicicletas, etc), manter stock das peças com maior desgaste Critérios Adicionais - Táxis e Transferes 1. Responder atempadamente a pedidos de informação e reencaminhar solicitações para parceiros da rede na impossibilidade de assegurar o serviço 2. Informar os clientes acerca da Rota Vicentina, opções de transporte e serviços turísticos disponíveis Critérios Adicionais - Agências de Viagem e Operadores Turísticos 1. Conhecer a oferta turística da rede de empresas RV e dar clara prioridade a estas empresas na composição de programas turísticos, excepto quando manifestamente impossível (ou comercialmente inviável) 2. Contribuir de forma pró-activa e construtiva na consolidação de um modelo sustentável de usufruto da Rota Vicentina e da região 3. Cumprir as condições do Modelo de Parceria para Operadores Turísticos e Agências de Viagens 6

7 Resumo dos Custos, Benefícios e Obrigações das empresas da rede ROTA VICENTINA, por tipologia PARCEIRAS LISTADAS Custo de adesão inicial - Contribuição anual - alojamentos Contribuição anual - parques de campismo n.a. CUSTOS Contribuição anual - restaurantes Contribuição anual - actividades e comércio local n.a. Contribuição anual - táxis e transferes Contribuição anual - Agências de Viagem e Operadores Turísticos - Contribuição anual - cafés/snacks/mercearias - - Sócio da Associação Rota Vicentina Utilização da marca e logo RV - Referência com nome e contactos no mapa interactivo Parceiro oficial no website da RV - Descrição detalhada no website incluindo elaboração texto, traduções, serviços para caminhantes e fotos - Integração na rede de empresas RV: partilha de know how, contactos, parcerias, iniciativas conjuntas - BENEFÍCIOS Inclusão nas acções promocionais do projecto RV - Inclusão em propostas de programas para parceiros comerciais e media - Acesso privilegiado aos serviços dos restantes parceiros da rede: serviços, overbooking, desistências,etc - Acesso ao mat. promocional da RV, para divulgação e distribuição (guias, mapas e folhetos, qt. limitada) - Acesso ao material promocional da RV, para divulgação sob consulta (1 kit+folhetos) Presença na Base de Dados de empresas da RV para informação sobre novidades do projecto Pagar contribuição anual dentro dos prazos previstos Informar equipa RV acerca de qualquer alteração de conteúdos no website OBRIGAÇÕES Entregar mínimo de 10 a 15 fotografias com qualidade profissional para fins promocionais - 7

8 Disponibilizar serviços gratuitamente (quantidade a definir) para iniciativas promocionais da RV - Participar das discussões e decisões, via ou em reuniões presenciais - Reconhecer restantes membros da parceria enquanto tal - Conhecer princípios e orientações técnicas do projecto - Conhecer RV e seus detalhes técnicos, para apoio aos clientes - Participar em acção de formação RV com 1 dia de duração - Assinar carta de compromisso da Rota Vicentina - Verificar exigências específicas de cada uma das tipologias Contributo voluntário de qualquer outra forma 8

9 DECLARAÇÃO O alojamento / actividade / restaurante / comércio local / táxi / agência de viagens / operador turístico localizado em e representado por, declara pretender participar na rede Rota Vicentina e compromete-se a cumprir as condições gerais e a adaptar o seu serviço, tanto quanto possível, ao cumprimento dos restantes critérios adicionais sugeridos. (local e data) O prestador 9

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA

CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA CARTA DE QUALIDADE EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA DAS CASAS BRANCAS DO LITORAL ALENTEJANO E COSTA VICENTINA I. CRITÉRIOS IMPERATIVOS Comprometo me a cumprir todos os critérios aqui descritos como imperativos,

Leia mais

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas)

Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Normas de Admissão (Regulamento de Jóias e Quotas) Capítulo I // Disposições Gerais As presentes normas têm como finalidade estabelecer as regras a que devem obedecer a admissão de novos associados da

Leia mais

1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique

1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique TU-Voluntário 1ª Edição Turismo e Voluntariado em Moçambique A AIDGLOBAL A AIDGLOBAL Acção e Integração para o Desenvolvimento Global é uma Organização Não Governamental que desenvolve projectos nas seguintes

Leia mais

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural I Seminário sobre Turismo Rural e Natureza Diferenciar o Produto, Qualificar a Oferta, Internacionalizar o Sector MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural TÂNIA

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Agências de Viagens e Transportes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE

Leia mais

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA A Rota Vicentina (RV) é uma rota pedestre ao longo do Sw de Portugal que pretende afirmar esta região enquanto destino internacional de turismo de natureza,

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO Fundada a 30 de Maio de 1950 Única Associação das Agências de Viagens em Portugal Medalha de Ouro de Mérito Turístico de Portugal Medalha de Ouro

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável REGULAMENTO DO PROGRAMA Considerando que a consecução dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Região Açores passa necessariamente por uma abordagem e

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

ESCAPADINHA DE OUTONO NA ROTA DA TERRA FRIA TRANSMONTANA

ESCAPADINHA DE OUTONO NA ROTA DA TERRA FRIA TRANSMONTANA ESCAPADINHA DE OUTONO NA ROTA DA TERRA FRIA TRANSMONTANA 4 NOITES/ 5 DIAS Temática: Bosques e Paisagem Outonal PROGRAMA DE ATIVIDADES: 1º Dia: Check-in no estabelecimento de alojamento aderente Recepção

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Concurso de Ideias de Negócio

Concurso de Ideias de Negócio Concurso de Ideias de Negócio Preâmbulo O Concurso de Ideias é uma iniciativa desenvolvida através do Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS) de Estarreja 7 Desafios em Rede, promovido pela DESTAC

Leia mais

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações.

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações. O Voluntariado O Voluntariado traduz-se no conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

ESCAPADINHA DE OUTONO NA ROTA DA TERRA FRIA TRANSMONTANA

ESCAPADINHA DE OUTONO NA ROTA DA TERRA FRIA TRANSMONTANA ESCAPADINHA DE OUTONO NA ROTA DA TERRA FRIA TRANSMONTANA 2 NOITES/ 3 DIAS Temática: Bosques e Paisagem Outonal PROGRAMA DE ATIVIDADES: 1º Dia: Check-in no estabelecimento de alojamento aderente Recepção

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação The importance of Information and Communication Technologies for the development of Portuguese Wine Routes 21st 23rd JUNE OPORTO Estrutura da Apresentação 2. Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

Principais Vantagens para membros Associados

Principais Vantagens para membros Associados Principais Vantagens para membros Associados ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO Fundada a 30 de Maio de 1950 Única Associação das Agências de Viagens em Portugal COMPOSIÇÃO DOS ASSOCIADOS

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 AEP - Associação Empresarial de Portugal Direcção de Serviços às Empresas Internacionalização e Promoção Externa Leça da Palmeira, 26 de Junho de 2008 A/C Direcção Comercial/Exportação

Leia mais

EDITAL N. 002/2015-ECI/CPINTER

EDITAL N. 002/2015-ECI/CPINTER UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM ESCRITÓRIO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL - ECI COMISSÃO PERMANENTE DE INTERNACIONALIZAÇÃO - CPInter PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL - GRADUAÇÃO EDITAL

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Oportunidades a explorar

Oportunidades a explorar Oportunidades a explorar 1. Candidatura ao reconhecimento da Dieta Mediterrânica de PORTUGAL (liderada por Tavira) 2. Notoriedade do ALGARVE nos principais mercados turísticos europeus [Reino Unido, Alemanha,

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE! Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: 9.302 THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Palmela - Experiências com Sabor

Palmela - Experiências com Sabor Promover a notoriedade da marca turística Palmela, como território associado à gastronomia, aos produtos locais de qualidade e às boas experiências que proporciona a quem o visita. Objectivo global Incentivar

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

Regulamento do Passatempo Facebook do Capitão Iglo.

Regulamento do Passatempo Facebook do Capitão Iglo. Regulamento do Passatempo Facebook do Capitão Iglo. Participação Este passatempo decorre até às 23h59m do dia 28 de Fevereiro de 2011 e contam todas as participações efectuadas desde as 00h00 do dia 03

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Turismo de Natureza - Birdwatching

Turismo de Natureza - Birdwatching Turismo de Natureza - Birdwatching Organização e promoção da Oferta / Balanço da atividade Departamento de Desenvolvimento e Inovação 2013 Birdwatching O Birdwatching é uma atividade de lazer baseada na

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

Ministério do Turismo. Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Turismo. Ministério do Meio Ambiente do A Campanha Passaporte Verde é uma iniciativa global que visa estimular o turista a adotar uma atitude de consumo responsável, mostrando de que forma suas escolhas podem contribuir para a conservação

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento PREÂMBULO Perante a crescente dificuldade das famílias Portuguesas no acesso ao mercado da habitação, determinada pela actual conjuntura económico-financeira,

Leia mais

Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14

Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14 Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14 Protocolo de Estágio Entre AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. e Entre PRIMEIRO: AICEP - Agência para

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Lisboa, Junho de 2014 Artigo 1º Âmbito A Incubadora StartUp Lisboa Comércio resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Montepio Geral, o IAPMEI

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 9 de Dezembro de 2005 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

ITINERÁRIOS DE TURISMO EQUESTRE METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO

ITINERÁRIOS DE TURISMO EQUESTRE METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO estudo de caso minho - lima Fevereiro 2012 O Turismo Equestre representa um importante segmento do produto Touring Cultural e Paisagístico, de Turismo de Natureza e de valorização

Leia mais

AdDIARY EXCHANGE PROGRAM REALIZAÇÃO PUCPR DE 09 A 21 DE OUTUBRO DE 2015 EDITAL PUCPR / 2015

AdDIARY EXCHANGE PROGRAM REALIZAÇÃO PUCPR DE 09 A 21 DE OUTUBRO DE 2015 EDITAL PUCPR / 2015 AdDIARY EXCHANGE PROGRAM REALIZAÇÃO PUCPR DE 09 A 21 DE OUTUBRO DE 2015 EDITAL PUCPR / 2015 O AdDIARY EXCHANGE PROGRAM, a ser desenvolvido por estudantes universitários da PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES P: Que serviços são prestados pela DAG/RP? R: Um dos principais serviços que presta é a divulgação de eventos internos e externos, através de suportes e canais vários, prestando,

Leia mais

COORDENADAS. DURAÇÃO: 6 noites NR. PARTICIPANTES: 20 a 30 TIPOLOGIA DE QUARTO: DBLS/SGLS DATA: 17 a 24 Outubro 2010

COORDENADAS. DURAÇÃO: 6 noites NR. PARTICIPANTES: 20 a 30 TIPOLOGIA DE QUARTO: DBLS/SGLS DATA: 17 a 24 Outubro 2010 COORDENADAS DURAÇÃO: 6 noites NR. PARTICIPANTES: 20 a 30 TIPOLOGIA DE QUARTO: DBLS/SGLS DATA: 17 a 24 Outubro 2010 País de beleza natural, em plena reconstrução, com gente afável e alegre PROGRAMA PRELIMINAR

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

2ª Edição. Projeto de Voluntariado em Moçambique

2ª Edição. Projeto de Voluntariado em Moçambique 2ª Edição Projeto de Voluntariado em Moçambique O Projeto: Nyumba-Kaya é o Mundo A 1ª Edição do projeto Nyumba-kaya é o Mundo foi realizada entre os meses de julho e setembro de 2009. 11 voluntários tiveram

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Produtos e Sistemas Comercializados

Produtos e Sistemas Comercializados Aquapc Quality Computers Apresentação da Empresa, produtos e serviços, guia sobre formas de compra local e envio de encomendas para Cidadãos e Empresas Angolanas O Projecto Aquapc A Aquapc Quality Computers,

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt UNIVERSIDADE SÉNIOR DE CARNAXIDE - APRENDIZAGEM E LAZER ARTIGO 1º Aspectos Gerais REGULAMENTO 1- A Universidade Sénior de Carnaxide - Aprendizagem e Lazer, adiante designada por USCAL, tem por objectivo

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa PHC dintranet A gestão eficiente dos colaboradores da empresa A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores, por forma a aumentar a sua produtividade.

Leia mais

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL -

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE TURISMO SUSTENTÁVEL VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO AO RELATÓRIO 3 ANEXO AO RELATÓRIO 3_ PROGRAMA DE EXECUÇÃO

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

PROGRAMA DE 3 DIAS NAS ILHAS DO FAIAL E PICO, AÇORES

PROGRAMA DE 3 DIAS NAS ILHAS DO FAIAL E PICO, AÇORES PROGRAMA DE 3 DIAS NAS ILHAS DO FAIAL E PICO, AÇORES ESTE PROGRAMA TEM COMO OBJECTIVO BRINDAR O NOSSO CLIENTE COM A POSSIBILIDADE DE CONHECER, DESCOBRIR E EXPLORAR AS ILHAS DO FAIAL E DO PICO. TEMOS ASSIM

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

Vila Baleira Ilha de Porto Santo

Vila Baleira Ilha de Porto Santo Vila Baleira Ilha de Porto Santo Dia 0 Lisboa Porto Santo (25 12 2009) A viagem a Porto Santo começou a ser preparada com alguma antecedência, de forma a ser adequada a uma família de 4 pessoas. Para isso,

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL)

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Decreto-Lei nº 128/2014, de 29 de agosto OBJETIVOS Alojamento Local como categoria autónoma Eficiência Simplificação Redução

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES DOMÍNIOS CRÍTICOS DA ACTIVIDADE ASSOCIATIVA: - Intervenção Política e Institucional / Produção Normativa; - Formação; - Assistência Técnica; - Assistência Documental; - Tratamento e Fornecimento de Informação:

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

I CONCURSO DE FOTOGRAFIA PAMPILHOSA DA SERRA INSPIRA NATUREZA

I CONCURSO DE FOTOGRAFIA PAMPILHOSA DA SERRA INSPIRA NATUREZA I CONCURSO DE FOTOGRAFIA PAMPILHOSA DA SERRA INSPIRA NATUREZA REGULAMENTO 1 ENTIDADE PROMOTORA O I Concurso de Fotografia Pampilhosa da Serra Inspira Natureza é uma iniciativa da Câmara Municipal de Pampilhosa

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação INSTRUÇÕES PARA A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes Março de 2013 Linha de informação 8590 3800 Estas instruções serão actualizadas periodicamente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

Estratégias da ART para Desenvolvimento do Turismo Subaquático nos Açores

Estratégias da ART para Desenvolvimento do Turismo Subaquático nos Açores Turismo Subaquático nos Açores I. Enquadramento POTRAA Plano de Ordenamento Turístico da RAA Estratégia de desenvolvimento sustentável do sector do turismo e o modelo territorial para os Açores Linhas

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

ASSINATURA DE 18 MESES DO PÚBLICO DIGITAL - OFERTA DE VOO À EUROPA

ASSINATURA DE 18 MESES DO PÚBLICO DIGITAL - OFERTA DE VOO À EUROPA ASSINATURA DE 18 MESES DO PÚBLICO DIGITAL - OFERTA DE VOO À EUROPA O Público efectuou uma parceria com a TLC Marketing, a entidade responsável pela gestão da oferta de voos ao abrigo da campanha de assinaturas

Leia mais