CADERNOS DE SEGUROS RURAIS NO BRASIL (1) a. Histórico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNOS DE SEGUROS RURAIS NO BRASIL (1) a. Histórico"

Transcrição

1 GERENSEGGERENSEGGERENSEG ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE SEGUROS LTDA. Av. São Gabriel, 149 -cj CEP SÃO PAULO - SP Tel.: (011) Fax.: (011) CADERNOS DE SEGUROS RURAIS NO BRASIL (1) a. Histórico Tradicionalmente, os seguros de riscos rurais no Brasil vêm sendo realizados há muitas décadas apenas por algumas Seguradoras estaduais, dentro de seus limites geográficos e priorizando não poucas vêzes interêsses sociais e políticos em detrimento das legítimas necessidades de proteção dos produtores agrícolas. Após a fracassada tentativa de operacionalização da Companhia Nacional de Seguro Agrícola, dissolvida através do Decreto-Lei Nº 73 em 1966, pouco ou quase nada se fez no sentido de se dotar nossa Agricultura de um seguro efetivamente adequado à sua realidade. Como apoio às operações de Seguro Rural, foi instituído em 1966 o FESR/Fundo de Estabilidade do Seguro Rural, pelo mesmo Decreto-Lei Nº 73 que criou o Sistema Nacional de Seguros Privados. Seu objetivo era garantir a estabilidade dessas operações e atender à cobertura suplementar dos riscos de catástrofes, ficando sua administração a cargo do IRB. O componente principal dos recursos destinados ao FESR, popularmente conhecido no mercado segurador como Fundão, eram as comissões de corretagem admitidas pelo CNSP para os seguros dos bens, direitos, créditos e serviços dos órgãos do Poder Púiblico Federal, que eram então contratados diretamente com as Seguradoras através de regime de sorteio. A fim de dinamizar os seguros agrícolas e pecuários, o Conselho Nacional de Seguros Privados começou a aprovar, em 1970, condições e normas tarifárias para implantação do Seguro Rural a título experimental, inicialmente no Estado de São Paulo (Resolução CNSP Nº 05, de 14/07/70) e posteriormente em outros Estados (Rio de Janeiro, Resolução Nº 15/76) e Rio Grande do Sul (Resolução CNSP 10/78). Todas essas operações seriam de responsabilidade das Seguradoras pertencentes aos respectivos Governos Estaduais (COSESP, BANERJ e UNIÃO DE SEGUROS, respectivamente), como foram em épocas posteriores as operações feitas pela BEMGE no Estado de Minas Gerais e BANESTES no Espírito Santo. A única exceção nessa linha eram os seguros, principalmente de maçãs, realizados em Santa Catarina e que, por falta de uma Seguradora Estadual, eram colocados primeiramente na PÁTRIA e em uma segunda fase na SDB Seguradora. Para amparar as atividades de Seguros Rurais no Estado, o Governo de São Paulo criou o Fundo Rural (Fundinho), cujos recursos provinham das comissões de corretagem de determinadas operações de seguros efetuadas pela COSESP, principalmente aquelas dos órgãos vinculados ao Poder Público Estadual e aos financiamentos concedidos pelo BANESPA. Nestas, as Corretoras de Seguro recebiam um percentual pela administração dos seguros, sendo a comissão de corretagem legal recolhida ao Fundo Rural. Aliás, à COSESP cabe uma menção especial no tocante aos seguros rurais no Brasil, já que desde sua origem - no Fundo do Algodão, mais tarde transformado na IPESP Cia. de Seguros - tem sido o verdadeiro sustentáculo dessa atividade no mercado e sua área técnica não deve nada àquelas dos mais desenvolvidos mercados de seguros rurais em todo o mundo. 1

2 As Seguradoras privadas, contudo, procuravam não se envolver no ramo até pelo desconhecimento de suas peculiaridades operacionais. E os bancos por sua vez, como grandes aplicadores e financiadores do crédito rural, se acomodavam com o conforto do Proagro e os seguros de Penhor Rural que aparentemente protegiam seus exposures contra perdas decorrentes de riscos da natureza Se os seguros agrícolas não prosperavam, podemos também dizer que o mesmo se dava com os seguros pecuários. Nesta modalidade específica, a distorção é ainda maior, já que existe uma nítida anti-seleção de riscos fàcilmente atestada pela decomposição de sua carteira: 85% da mesma é composta por equinos, em sua maioria garanhões de raça com elevado valor unitário, e apenas 15% de bovinos, também com as características acima. Não existe massa segurada que permita obtenção de taxas mais favoráveis, dentro de um conceito de riscos agregados, já que os grandes produtores com criações extensivas não fazem seguro e os custos de administração de apólices individuais seria proibitivo. Com a modernização da economia brasileira e sua globalização em consequência da abertura que se iniciou a partir do início da década de 90, o cenário de nossa agricultura atravessou um processo de acompanhamento dessas tendências através da utilização de novos instrumentos de financiamento criados a partir de experiências internacionais. Já em 1992, o Ministério da Fazenda criou, sob a coordenação do atual Diretor de Crédito Rural do Banco do Brasil S/A., Ricardo Conceição, uma Comissão de Monetização de Papéis Representativos de Estoques, da qual faziam parte representantes de todas as áreas envolvidas no processo, desde o Banco Central (na qualidade de gestor do Proagro) até o mercado Segurador. Dentre os instrumentos surgidos nêsse período e seus efeitos para o setor agrícola, podemos enumerar a negociação crescente de títulos representativos de negociações com commodities agrícolas nas bolsas mercantís; o surgimento de papeis específicos para o segmento do agribusiness, como a CPR/Cédula do Produtor Rural; os Certificados de Mercadoria Garantidos (CMG); e os Commodity- Linked Bonds (CLB), lançados em fins de 1994 e que, talvez por falta de um desenho mais adequado aos interêsses dos aplicadores no mercado financeiro, não obteve o sucesso esperado por seus idealizadores, apesar de seu profundo conhecimento do setor. A redução dos recursos do governo destinados ao financiamento das safras agrícolas talvez tenha sido o mais importante indutor dessa tendência: enquanto até 1989 as dotações oficiais para o crédito rural eram da ordem de US$ 20.0 bilhões por ano, em 1995 êsse volume estava reduzido a pouco mais de US$ 5.5 bilhões, sendo uma parcela substancial destinada à liquidação de dívidas antigas do Proagro. Com isso, os grandes operadores do mercado - Trading companies, esmagadores e processadores principalmente no setor de grãos - tiveram de suprir essa deficiência através do incremento dos contratos de compra e venda com pagamento à vista e entrega futura. Êsses contratos, comumente conhecidos por contratos de soja verde, nada mais são do que pré-financiamentos concedidos aos seus produtores, e sua aplicação hoje em dia não mais se restringe apenas a grãos, tendo se estendido, com pequenas alterações em sua sistemática operacional, à maioria das demais culturas brasileiras de exportação, como cana de açúcar, cítricos, fumo, cacau, café e frutas em geral. Embora os dados exatos do volume dessas operações não sejam conhecidos, estima-se que o total de pré-financiamentos concedidos a produtores rurais no Brasil esteja na casa dos US$ 10.0 bilhões anuais. Acompanhando as tendências do mercado, e visando proporcionar aos novos financiadores da produção agrícola uma proteção de seguro para sua carteira de pré-financiamentos, tivemos a partir de 1990/91 as primeiras tentativas no sentido de se desenvolver um seguro rural privado e comercial, sem subsídio e ingerência do governo em sua operacionalização, sem utilizar recursos 2

3 do Fundão e nem retrocessão de excedentes ao mercado interno. Êsse fato específico revestese de importância extraordinária já que, também em consequência das reformas economicas e administrativas do País; do programa de privatizações em que o Governo Federal está empenhado; e da extinção do regime de sorteio para a contratação dos seguros de órgãos do Poder Público Federal, a arrecadação de recursos para o FESR ficou na dependência da concessão de crédito especial da União, o que está claramente disposto na Circular PRESI- 041/95 do IRB, datada de 09/10/95. Devido à inexistência do conceito de riscos agregados de natureza catastrófica que procuramos introduzir no seguro rural brasileiro, tivemos inicialmente dificuldades de implantar essas operações junto às grandes emprêsas operadoras do ramo. O conceito introduzido difere substancialmente do até então oferecido aos produtores rurais no seguinte: Trata-se de um seguro contratado pelo financiador (Segurado) para proteger sua carteira de fornecedores (Tomadores), enquanto o seguro tradicional é contratado diretamente pelo produtor, seja a nível obrigatório, seja facultativo. Em assim sendo, a indenização é sempre paga ao Segurado, e não ao Tomador. Em caso de sinistro, o Tomador poderá repactuar sua entrega junto ao Segurado para safras futuras, o que teòricamente representaria para o mesmo uma dupla indenização, já que seria indenizado pela sua Apólice e receberia o produto em anos seguintes. Por se fazer os cálculos de taxas sôbre uma base geogràficamente muito espalhada - em muitos casos, por 4 a até 9 Estados - se obtém uma dispersão de riscos que permite se chegar a um custo final que pode representar até mesmo a apenas 15% da taxa dos Seguros Rurais tradicionais, ou do Proagro, em alguns casos. O custo de administração dêsses riscos agregados também se reduz imensamente em comparação com o dos riscos individuais, pois as inspeções prévias e o monitoramento das culturas são feitos por amostragem, acionando-se os inspetores de campo apenas para os casos de sinistros avisados ou de problemas detectados através de informações de terceiros, imprensa, rádio, televisão, etc.. No 1º Forum Nacional do Agribusiness, realizado em Brasília no mês de Dezembro de 1995, no Auditório Petronio Portella do Senado Federal, apresentamos a configuração dêsse novo conceito de seguro de Agribusiness, cujo desenvolvimento foi em parte financiado pelo Denacoop, do Ministério da Agricultura, através de convênio firmado com a Associação Brasileira do Agribusiness/ABAG para essa finalidade. Desde então, numerosas tem sido as consultas de todas as partes do Brasil, por Cooperativas, produtores, etc. interessados em saber detalhes do seguro, o que pode nos dar uma idéia bastante clara da necessidade de uma cobertura adequada para proteger suas atividades a nível de campo. O que caracteriza êsse produto que desenvolvemos é oferecer um seguro que, em última análise, permite às emprêsas operarem dentro do conceito de risco zero. A apólice contratada dessa forma oferece as seguintes coberturas: Seguro de Catástrofes de natureza climatológica Cobre para o segurado - no caso, as tradings, agroindustriais, etc. - as falhas de entrega da produção pré-financiada, em decorrência de riscos da natureza (incêndio, seca, chuvas excessivas, granizo, geada, ventos fortes, calor excessivo; bem como pragas e doenças fora de controle). A indenização será sempre paga ao segurado, a primeiro risco absoluto, uma 3

4 vez atingida a franquia dedutível da apólice. Essa apólice cobre o compromisso do produtor com seus parceiros no mercado. Seguro de garantia de adiantamentos Nos moldes aprovados pelo IRB e já em vigor desde 1993, cobre o risco moral da não entrega da mercadoria vendida antecipadamente aos segurados. Seguro do patrimônio rural É contratado através de um pacote RD/MULTIRISCO, cobrindo as benfeitorias, estoques de insumos, máquinas e implementos do produtor, bem como os bens oferecidos como garantia colateral a seus parceiros/fornecedores. Seguro temporário de vida Nos moldes do seguro prestamista, é contratado pela duração da exposição ao risco coberto pelo seguro principal, enquanto persistir seu compromisso. Seguro de mercadorias em corredores de exportação Contratado no ramo de Transportes, proporciona uma cobertura "all risks" ininterrupta, desde o momento em que a mercadoria é entregue no armazém de origem até sua colocação na indústria ou no navio para a viagem de exportação. Na cobertura estão incluídos riscos de incêndio, vendaval, transporte, etc., (incluindo transbordos e armazenagem, bem como operações de carga e descarga e, eventualmente, roubo de mercadoria). Um dos atrativos da contratação dessas coberturas integradas a uma Apólice de Seguro Rural é a isenção do I.O.F. sôbre esta, o que é uma vantagem considerável se levarmos em conta o volume dos contratos a serem incluídos no seguro. Embora à primeira vista possa parecer novidade, trata-se apenas do desenvolvimento e atualização das disposições previstas na Circular Nº 05/70 do Conselho Nacional de Seguros Privados, que há um quarto de século atrás já definia as condições de operação do Seguro Rural no Brasil! As dificuldades de venda dêsse novo conceito, porém, não são pequenas. A própria cultura de seguro do brasileiro é um fator de inibição, já que para o indivíduo na ponta da linha o seguro é para indenizar qualquer prejuízo. Assim, da mesma maneira que se o carro bater o seguro paga ou se a casa pegar fogo o seguro também paga, êle acha que se não entregar o produto por qualquer motivo - inclusive variação de preços, no conceito de risco moral - o seguro indenizaria seu financiador por essa inadimplência! Porisso, nas primeiras apólices de Seguro de Garantia de 4

5 Adiantamentos a Produtores contratadas por nós para a safra de soja 1993/94, era condição primordial que os tomadores não tivessem conhecimento da existência do seguro. E foi exatamente por êsse motivo que também chegamos a recomendar ao IRB em 1996 que não autorizasse a emissão de apólices de seguro de garantia de entrega a produtores rurais sem a correspondente cobertura do risco de perda de safra, já que isso poderia induzir a uma inadimplência generalizada no ramo. Os 2 pontos principais necessários à implementação e operacionalização de seguros rurais privados e comerciais no Brasil, a nosso ver, são os seguintes: 1. Definição da Seguradora/Seguradoras que oferecerão essa cobertura e da forma de operacioná-la, em conjunto com o IRB; e 2. Forma de obtenção de capacidade de resseguro para o Seguro Rural, seja no mercado nacional, seja pela colocação dos excedentes no mercado internacional. Os assuntos acima serão objeto do próximo artigo, e abordarão não apenas a nossa realidade atual mas também a experiência de outros Países no seguro rural, além dos novos produtos que estão disponíveis nos diferentes mercados internacionais, principalmente as coberturas de Perda de Receita introduzidas para as culturas de grãos nos Estados Unidos em São Paulo, Março de

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

Mesa Redonda Agrícola

Mesa Redonda Agrícola Mesa Redonda Agrícola Dia 14/04 das 14 às 16h Wady J. M. Cury 14 e 15 de Abril de 2015 ÍNDICE Princípios do Seguro MUTUALISMO... É um dos princípios fundamentais que constitui a base de todas as operações

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 R$ bilhões 1969 1971 1973 1975 1977 1979 1981 1983 1985

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO E SITUAÇÃO ATUAL DO SEGURO AGRÍCOLA Vera Melo - Diretora César Neves - Coordenador Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA - Criação da Federal Crop

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL S E G U R O S E G U R O Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro Aqüícola; Seguro de Florestas; Modalidades

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR Dispõe sobre o aperfeiçoamento dos instrumentos de seguro rural

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

Cartilha do Contrato de Opção de Venda

Cartilha do Contrato de Opção de Venda Cartilha do Contrato de Opção de Venda CONAB - COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO 01 O QUE É O CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA? É uma modalidade de seguro de preços que dá ao produtor rural e/ou sua cooperativa

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

GERENSEG GERENSEG GERENSEG ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE SEGUROS LTDA.

GERENSEG GERENSEG GERENSEG ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE SEGUROS LTDA. SEGURO GLOBAL DO AGRIBUSINESS COBERTURA AGREGADA PRODUTO ALL RISKS ESTUDOS TÉCNICOS INDICATIVOS DE VIABILIDADE OPERACIONAL E MERCADOLÓGICA DE UM NOVO SEGURO RURAL 1 ESTUDOS TÉCNICOS INDICATIVOS DE VIABILIDADE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA SEGURO RURAL EVOLUÇÃO PSR 2005-2014 SITUAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PSR 2016 NOVAS REGRAS 2016-2018 CONCLUSÕES

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

Avenida Paulista, 949 22º andar

Avenida Paulista, 949 22º andar Avenida Paulista, 949 22º andar São Paulo, 30 de novembro de 2012 1 I n t r o d u ç ã o 140 CRÉDITO PRODUÇÃO BRASIL Fase de ouro Fase de crise Fase da agricultura de mercado 133 127 162 120 114 117 105

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural

Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural 17nov 2015 Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural Por Fernanda Schwantes* 1. Apresentação O setor agropecuário está exposto a diferentes elementos de risco, provenientes de fatores climáticos,

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis

EXERCICIOS DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE ATUARIAL - SEGUROS 2º Bimestre - 6º período Curso de Ciências Contábeis 1. Autarquia, com personalidade jurídica de direito público, que dispõe de autonomia administrativa e financeira, que tem como atribuição fundamental fiscalizar o fiel cumprimento da legislação de seguros:

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS 04 de maio de 2009 RAZÃO DA POLÍTICA AGRÍCOLA CARACTERÍSTICA DA PRODUÇÃO Concentrada no tempo Consumo ao longo do ano Perecibilidade Baixo valor agregado Alta dispersão

Leia mais

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP NOVO MECANISMO PARA COBERTURA FINANCEIRA DO PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO Apresentador: Sérgio Leite Santiago Gerente Comercial do Rio de Janeiro Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP Ministério da

Leia mais

POLÍTICA DE SUBVENÇÃO AO SEGURO RURAL: IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROGRAMA MINAS + SEGURO NO ANO DE 2008.

POLÍTICA DE SUBVENÇÃO AO SEGURO RURAL: IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROGRAMA MINAS + SEGURO NO ANO DE 2008. POLÍTICA DE SUBVENÇÃO AO SEGURO RURAL: IMPLANTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROGRAMA MINAS + SEGURO NO ANO DE 2008. GT03 - Estado, políticas públicas e desenvolvimento. RESUMO Historicamente a produção da agropecuária

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA Nº 177/2007

AVISO DE VENDA DE CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA Nº 177/2007 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE GESTÃO DE ESTOQUES - DIGES SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES - SUOPE GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 01

ESCLARECIMENTO Nº 01 ESCLARECIMENTO Nº 01 Segue abaixo, perguntas formuladas por empresa participantes da licitação supra e a respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Seção I - Instruções aos Proponentes: 1.1) 1.4 na

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 1 - PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA ESTOCAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ESCOPO DA ANÁLISE Com base nas experiências internacionais e brasileiras sobre Seguro Agrícola, procurou-se

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP nº XXX, de X de XXXX de 2013 Estabelece critérios para fins de cálculo da provisão de sinistros ocorridos e não avisados (IBNR)

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS 1 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.1.00.00-9 Caixa UBDKIFJACTSWER-LMNHZ - - - 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) O Pronaf iniciou em 28 de julho de 1996, pelo

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. Dispõe sobre o seguro de cédula de produto rural - CPR e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

Entenda o seguro rural

Entenda o seguro rural HOME PERGUNTAS FREQUENTES MAPA DO SIT ça, 29 de Maio de 2012 HO ME INDIVÍDUO EMPRESA MERCADO GLOSSÁRIO FALE CONOSCO os de coberturas mprando uma apólice e poupando Entenda o seguro rural Comprando uma

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG - AMAZONAS Nº 002/2015.

2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG - AMAZONAS Nº 002/2015. 2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG - AMAZONAS Nº 002/2015. 2ª Chamada Pública para aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar, no âmbito do PAA, para suplementação alimentar de grupos populacionais

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 158, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 158, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 58, DE 2006. Dispõe sobre as regras sobre o capital adicional baseado nos riscos de subscrição das sociedades seguradoras

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

Sistemas de Informação para a Gestão do Seguro Rural no Brasil

Sistemas de Informação para a Gestão do Seguro Rural no Brasil Sistemas de Informação para a Gestão do Seguro Rural no Brasil Sidney Dias da Silva Campinas (SP), Junho de 2008 Agenda 1. Principais Processos Primários das Seguradoras 2. Dados e Informações Necessárias

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

ANEXO I-A Constituição da provisão de IBNR todos os ramos de seguros, exceto seguros de Vida do grupo Pessoas Individual e seguros dotais

ANEXO I-A Constituição da provisão de IBNR todos os ramos de seguros, exceto seguros de Vida do grupo Pessoas Individual e seguros dotais ANEXO I-A Constituição da provisão de IBNR todos os ramos de seguros, exceto seguros de Vida do grupo Pessoas Individual e seguros dotais Art. 1º Para os ramos que estão em run-off, deverão ser utilizados

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO RBR-02/2014 Produto 2014 FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151, de 22/7/2004, e Portaria MDA nº 48/2012, de 19/07/2012. O Ministério

Leia mais

Seguro de Crédito Comercial

Seguro de Crédito Comercial Seguro de Crédito Comercial seguro de crédito O que é:... uma modalidade de seguro que protege o seu negócio contra o risco de inadimplência ou atrasos no pagamento de vendas de produtos ou serviços. A

Leia mais

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF)

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF) 23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ Restinga Seca - RS 21-02-2013 Protagonista do Agronegócio Mundial Brasil Protagonista do Agronegócio Mundial População crescerá 2,15 bilhões de habitantes até 2050, elevando

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 0299 - Equalização de Preços nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de Estoques Reguladores e Estratégicos AGF 1. Descrição: O AGF (Aquisições do Governo Federal) é o instrumento tradicional da

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

Crédito Rural. Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011

Crédito Rural. Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011 Ciclo de Palestras e Debates Crédito Rural Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011 CONTEXTUALIZAÇÃO FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO BNDES LINHAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2008/2009

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2008/2009 O QUE É O CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA? É uma modalidade de seguro de preços que dá ao produtor rural e/ou sua cooperativa o direito - mas não a obrigação - de vender seu produto para o Governo, numa data

Leia mais

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO ,661Ã 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR 1RYHPEURGH O sistema financeiro e o crédito rural Moyses Kessel ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 6 nov 2001 P 1-10 Banco

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DE NOVA NORMA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA E CONTRAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR PROCESSO N.º 15414.002557/2008-56 DIRETOR ALEXANDRE PENNER Senhores Diretores:

Leia mais

COMO AS TRADINGS E AGROINDUSTRIAS PROTEGEM VARIAÇÕES DE PREÇOS COM CUSTOS DE APENAS 01 2005/06). 2% A 3% DO VALOR PROTEGIDO?

COMO AS TRADINGS E AGROINDUSTRIAS PROTEGEM VARIAÇÕES DE PREÇOS COM CUSTOS DE APENAS 01 2005/06). 2% A 3% DO VALOR PROTEGIDO? AGROVISION Brasília Prof. Clímaco Cezar (climaco23@gmail.com) PROGRAMAS: AGRORENDA E PESAGRO AGRORENDA: O SEGURO DE RENDA MUITO BARATO PARA PROTEGER OS INTERESSES DOS AGRICULTORES E DESENVOLVER O AGRONEGÓCIO

Leia mais

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A SEGUROS Manual de Seguros Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A 2013 SUMÁRIO 1. CONCEITOS... 3 1.1. Objeto do Seguro... 3 1.2. Tipos de Seguro... 3 1.3. Vigência... 3 2. COBERTURAS ADICIONAIS... 4 2.1. Responsabilidade

Leia mais

Seguro rural: nova lei, outras subvenções e poucas certezas

Seguro rural: nova lei, outras subvenções e poucas certezas Seguro rural: nova lei, outras subvenções e poucas certezas Fernando Lagares Távora Sumário 1. Principais novidades na legislação rural em 2003. 2. Cronologia no setor de seguro rural. 3. A Lei n o 10.823

Leia mais

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a subvenção econômica ao prêmio do Seguro Rural e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento do Café. Secretaria de Produção e Agroenergia. O café no Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento do Café Secretaria de Produção e Agroenergia O café no Brasil Maior produtor e exportador de café do mundo Segundo maior consumidor mundial

Leia mais