Laserterapia e ultrassom no tratamento pós-operatório da cirurgia plástica de abdominoplastia: Revisão de literatura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laserterapia e ultrassom no tratamento pós-operatório da cirurgia plástica de abdominoplastia: Revisão de literatura"

Transcrição

1 Laserterapia e ultrassom no tratamento pós-operatório da cirurgia plástica de abdominoplastia: Revisão de literatura Vanessa Cunha da Costa 1 Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em Fisioterapia Dermato Funcional Faculdade Cambury Resumo A pesquisa realizada com o tema Laserterapia e ultrassom no tratamento pósoperatório da cirurgia plástica de abdominoplastia procura explicitar o uso do tratamento da fisioterapia dermato funcional nas principais alterações decorrentes da abdominoplastia. Teremos como objetivos específicos relatar em quê a laserterapia e o ultrassom se baseiam, explicar o objetivo da abdominoplastia, explorar suas principais alterações pós-cirúrgicas e correlacionar o uso do laser e do ultrassom no seu pósoperatório. O laser e o ultrassom vêm sendo um dos arsenais mais utilizados para o tratamento estético pós-operatório de cirurgias plásticas, uma vez que oferece principalmente uma aceleração no processo cicatricial. O artigo se justifica à medida em que proporcionará conhecimentos sobre esta modalidade de tratamento através do laser e do ultrassom, permitindo outras discussões na área da saúde o que poderá gerar mais estudos nesta linha de pensamento. Para o desenvolvimento do artigo científico utilizaremos a revisão bibliográfica, através de acervo público, artigos, monografias e teses retiradas da internet de fontes seguras como Scielo, Pubmed e Lilacs. Palavras-chave: Laserterapia; Ultrassom; Abdominoplastia. INTRODUÇÃO A abdominoplastia se tornou uma intervenção muito solicitada onde se retira o tecido subcutâneo excedente da região abdominal através de uma incisão suprapúbica com a deslocação do umbigo e com uma plicatura da musculatura reto abdominal, sendo associada a uma lipoaspiração para retirada do excesso de tecido adiposo local (SOARES, 2012). Teremos como objetivos específicos relatar em quê a laserterapia e o ultrassom se baseiam, explicar o objetivo da abdominoplastia, explorar suas principais alterações pós-cirúrgicas e correlacionar o uso do laser e do ultrassom no seu pós-operatório. Devemos estar atentos quanto às consequências tardias de cirurgias plásticas, principalmente no que se refere em evita-las. O tratamento mais usado estará voltado para a prevenção de aderências cicatriciais, dor, flacidez e fraqueza muscular (MILANI, 2005). O laser é indicado em procedimentos pós-operatórios principalmente por auxiliar e acelerar o processo de cicatrização, diminuição do edema local, diminuição do processo inflamatório entre outros (OLIVEIRA, 2012). O ultrassom é um dos recursos terapêuticos empregados frequentemente para reabilitação de disfunções dermato funcionais, como pós-operatório de lipocirurgias, correção de celulites e gordura localizada, uma vez que sua atuação consiste na drenagem linfática e controle do edema (ZAMPRONIO, 2012). O completo sucesso da cirurgia plástica depende ainda da participação do paciente, com a associação de dietas, atividade física e alterações em seu modo de vida (MILANI, 2005). 1 Pós-graduando em fisioterapia dermato funcional. 2 Mestrando em Bioética e Direito em Saúde, Especialista em Metodologia do Ensino Superior, Graduada em Fisioterapia.

2 2 O artigo se justifica à medida em que proporcionará conhecimentos sobre esta modalidade de tratamento através do laser e do ultrassom, permitindo outras discussões na área da saúde o que poderá gerar mais estudos nesta linha de pensamento. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL A definição dada à fisioterapia, diz que é uma ciência que irá estudar, prevenir e tratar os distúrbios cinéticos funcionais intercorrentes em órgãos e sistemas no que concerne o corpo humano (MILANI, 2005). A fisioterapia é uma ciência aplicada que tem como alvo de estudo o movimento humano, em todas as suas formas de expressão e potencialidade, para a promoção de saúde, prevenção de doenças e reabilitação dos indivíduos (TACANI, 2009). A Fisioterapia Dermato-Funcional ou Fisioterapia Dermatológica é uma área de atuação profissional do fisioterapeuta, uma vez que os tratamentos estéticos eram tratados como empíricos, devido à falta de comprovação científica, surgiu a Fisioterapia Dermato-Funcional que evolui a cada dia e traz a formação de profissionais especializados com base científica em todas as aplicações e ações fisioterapêuticas (OLIVEIRA, 2012). A fisioterapia dermatofuncional, especialidade recentemente reconhecida pelo Coffito, tem como abordagem as disfunções físico-estético-funcionais, sejam elas advindas de patologias, procedimentos cirúrgicos e/ou sequelas que afetam direta e indiretamente a integridade do sistema tegumentar (TACANI, 2009). Neste último século, o padrão de beleza exigido pelos indivíduos, tem tornado a Fisioterapia Dermato-Funcional (FDF) uma das áreas de conhecimento mais desenvolvidas da fisioterapia (MOREIRA, 2013). Nos últimos anos, a referida especialidade tem enfrentado duas situações de extrema importância: a primeira é a crescente procura da sociedade por tratamentos estéticos, devido ao padrão de beleza imposto pela mídia, o que vem contribuindo para o seu crescimento e a inserção de adeptos; e a segunda é a necessidade de um maior número de produções científicas para qualificar a drematofuncional como uma das áreas que detenham verdadeiramente um saber próprio (TACANI, 2009). Recentemente a especialidade fisioterapia estética teve a denominação substituída por fisioterapia dermato-funcional, em uma tentativa de ampliar a área, conferindo-lhe a conotação de restauração de função, além da anteriormente sugerida (MILANI, 2005). As subáreas que a fisioterapia irá tratar é ampla e consiste tanto no aspecto preventivo como no curativo que são (TACANI, 2009): Disfunções dermatológicas; Dermatoses; Acne; Rosácea; Disfunções vasculares; Fleboedemas; Lipedemas; Linfedemas; Disfunções da cicatrização; Queimaduras; Cicatrizes hipertróficas;

3 3 Quelóides; Deiscências; Aderências; Úlceras; Disfunções estéticas; Fibro edema gelóide; Estrias atróficas; Lipodistrofias, entre outras. LASER A luz do laser é obtida artificialmente através do acúmulo de energia diferentemente da luz comum que é obtida espontaneamente. Laser é a abreviação da expressão inglesa Light Amplification by Stimuleted Emission of Radiation, que tem seu significado justificado por amplificação de luz por emissão estimulada através da radiação. A geração da onda eletromagnética depende da excitação dos elementos constituintes do material por uma corrente elétrica que irá proporcionar a emissão de fótons idênticos, cujos amplificam a emissão da radiação (OLIVEIRA, 2012). O laser de baixa potência é um recurso eletroterapêutico que tem como objetivo a reparação tecidual (RAMIRES, 2012). Indicações (OLIVEIRA, 2012): Diminuição do edema local; Diminuição de lesões; Diminuição do processo inflamatório; Implantação de baixo custo, entre outros. Entre os efeitos bioquímicos que o laser apresenta podemos citar (RAMIRES, 2012): Estímulo à liberação de histamina, serotonina e bradicinina; Produção de ATP; Síntese de prostaglandinas; Aumento do número de leucócitos e da atividade fagocitária; Vasodilatação capilar e arterial; Ação fibronolítica e antibactericída. A ação do laser após uma lesão de pele possibilita a angiogênese, estimulo da mitose celular, regulação dos fibroblastos, normalizando a produção de fibras elásticas e colágenas, impedindo a ocorrência de queloides, hipertrofias e alargamentos (MACEDO, 2010). A irradiação do laser de baixa intensidade é capaz de estimular a proliferação celular, por reação fotoquímica que altera a permeabilidade da membrana celular. A laserterapia tem sido muito utilizada para o estímulo da cicatrização de feridas, a regeneração neuronal e no controle do quadro álgico de pacientes (RAMIRES, 2012). Os protocolos propostos nas intervenções pós-cirúrgicas devem considerar a fase do processo inflamatório. As densidades de energia para as ações de aumento da circulação e diminuição da dor restringem-se à faixa de 2,0 a 4,0 Jcm 2, sendo aumentadas para 6,0 a 8,0 Jcm 2 nos casos de regeneração e/ou cicatrização tecidual. O número de pontos irradiados vai depender da área, respeitando-se a distância de 1,5 cm entre os mesmos (MACEDO, 2010). A quantidade de lasers usados em dermatologia vem aumentando, e cada tipo é utilizado para condições específicas. Quando direcionado para a pele, a maior parte dessa energia luminosa é absorvida por macrófagos (RAMIRES, 2012).

4 4 Segundo a literatura ao realizar análise histológica, verificaram que o laser potencializa de forma eficaz a reposição do colágeno no local, aumenta o número de fibroblastos, reparando o tecido (MOREIRA, 2013). Tipos de laser Modo de aplicação Hélio-Neon (HeNe) Pontual e varredura Alumínio-Gálio-Índio-Fósforo (AlGaInP) Pontual e varredura Arsênio de Gálio (AsGa) Pontual e varredura Gálio-Alumínio-Arsenato (GaAlAs) Pontual e varredura Fonte: (RAMIRES, 2012) Tabela 01 Tipos de laser de baixa potência utilizado em práticas clínicas Alguns resultados apresentados em estudos experimentais, especificamente ao processo de cicatrização, são válidos tanto para laser HeNe quanto para AsGa, porém existe maior ênfase nos estudos da ação do laser HeNe nas diversas alterações de pele (MACEDO, 2010). ULTRASSOM É um dos recursos terapêuticos empregados frequentemente para reabilitação de disfunções dermato funcionais, como pós-operatório de lipocirurgias, correção de celulites e gordura localizada (ZAMPRONIO, 2012). Ultrassom refere-se às vibrações mecânicas essencialmente as mesmas das ondas sonoras, mas com uma frequência mais alta. Essas ondas situam-se fora da audição humana e, portanto, podem ser chamadas de ultra-sonoras (KUHNEN, 2010). O ultrassom pode e deve ser usado nas diferentes fases de reparo por apresentar inúmeros benefícios ao paciente no pós-cirúrgico (MACEDO, 2010). O ultrassom terapêutico, no mercado nacional, caracteriza-se por apresentar frequências de 1,0 ou 3,0 megahertz (MHz), sendo disponível atualmente também em 5,0 megahertz (MHz). A intensidade pode variar entre 0,1 e 3,0 watts por centímetro quadrado (W/cm 2 ). Mais recentemente, alguns equipamentos foram projetados para apresentar limites de intensidades mais compatíveis com a prática clínica, as quais variam de 0,1 a 2,0 Wcm 2. Estes equipamentos estão mais próximos da prática terapêutica, uma vez que raramente utilizam-se doses superiores a 2 W/cm 2. A frequência de 5 MHz é indicada exclusivamente para a área de dermatologia por apresentar uma pequena capacidade de penetração nos tecidos biológicos (KUHNEN, 2010). Entre os benefícios que o ultrassom pode gerar podemos citar os seguintes (MACEDO, 2010): Aceleração no processo cicatricial; Alcançar força tênsil normal; Prevenir cicatrizes hipertróficas; Prevenir queloides. As ondas ultrassônicas são geradas por transdutores que convertem, no caso do ultrassom terapêutico, a energia elétrica em energia mecânica e vice-versa. A conversão para diferentes formas de energia é realizada graças aos materiais piezoelétricos (KUHNEN, 2010). O ultrassom proporciona significante aumento no número de fibroblastos, alinhamento ideal para contração da ferida e aceleração da fase inflamatória e contração da ferida (MACEDO, 2010).

5 5 A piezeletricidade é um fenômeno natural encontrado em certos cristais minerais, tais como o germânio e o quartzo, mas pode também ser sintetizado comercialmente, por exemplo, com chumbo, zinco e titânio (KUHNEN, 2010). Verifica-se que em intensidades baixas (pulsado, 0.5W/cm 2 ), houve aumento significativo de colágeno depositado na ferida num padrão cuja arquitetura tridimensional assemelha-se à pele, aumento da resistência tênsil e estímulo à contração da lesão, levando a uma cicatriz significativamente menor. Entretanto, aparentemente a terapia por ultrassom acelera o processo cicatricial, mas não oferece interferência aos mecanismos de controle que limitam o desenvolvimento da granulação (MACEDO, 2010). O ultrassom é gerado por um transdutor, que corresponde a um dispositivo que transforma uma forma de energia em outra. Essa transformação é a energia elétrica em mecânica, devido ao cristal piezoelétrico que se encontra no transdutor (KUHNEN, 2010). Para a aceleração do reparo tecidual da pele recomenda-se o uso do ultrassom no modo pulsado (Relação 1:5, 20%), utilizando frequência 3 MHZ, com intensidade abaixo de 0,5 W/cm 2, com aumento de 30% da quantidade de colágeno (MACEDO, 2010). São dois os modos de propagação do ultrassom, sendo um contínuo e o outro pulsado. O modo contínuo irá apresentar efeito térmico predominantemente, uma vez que o pulsado apresentará efeito mecânico (KUHNEN, 2010). Existe uma gama muito ampla de indicações do ultrassom, sendo que, seu uso na estética está crescendo pela obtenção de excelentes resultados conseguidos em determinadas patologias, tais como, o fibro edema gelóide e em tecido cicatricial (MENEZES, 2009). Entre as indicações ao uso do ultrassom estão (KUHNEN, 2010): Fibro edema gelóide; Traumatismos do tecido ósseo; Articulações e músculos como anomalias pós-traumáticas; Distensões; Luxações; Fraturas; Contraturas; Espasmos musculares; Neuroma; Distúrbios do sistema nervoso simpático; Pontos gatilhos; Transtornos circulatórios; Condições inflamatórias agudas e crônicas; Reparo de lesões, entre outras. O ultrassom é um método que utiliza de ondas sonoras através de um cabeçote com transdutor perpendicular à área a ser tratada, em constante movimentação é mantido em contato com o agente de acoplamento para não gerar a formação de cunhas de ar. Sua ação também promove efeito antiinflamatório (combate às dores) e aumento da circulação. A utilização do ultrassom associado à sonoforese gerou efeitos como neovascularização, aumento da circulação, rearranjo e aumento da extensibilidade das fibras colágenas, e melhorou as propriedades mecânicas do tecido, além de um aumento na permeabilidade das membranas biológicas facilitando assim a penetração de fármacos no organismo através da pele (fonoforese) (MENEZES, 2009).

6 6 O ultrassom é comumente utilizado em processos fibróticos e processos calcificados, transtornos circulatórios, tecidos de cicatrização, pós-lipoaspiração, fibro edema gelóide, pós-subcisão e tratamento de adiposidade localizada (KUHNEN, 2010). O ultrassom precisa ser usado por profissionais que entendam suas modalidades de uso, do contrário pode tornar-se um risco potencial à quem está sendo exposto (MENEZES, 2009). As contraindicações ao uso do ultrassom, bem como precauções consistem em (KUHNEN, 2010): Áreas isquêmicas; Tromboflebite e varizes; Diretamente sobre endoprótese e implantes metálicos; Sobre útero gravídico; Tumores cancerígenos; Sistema nervoso; Áreas anestesiadas; Infecção ativa; Gônadas; Área cardíaca; Olhos; Hemofílicos não tratados; Placas epifisárias. O ultrassom é uma modalidade de penetração profunda, capaz de produzir alterações nos tecidos, por mecanismos térmicos e não-térmicos (MENEZES, 2009). PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO DA ABDOMINOPLASTIA Atualmente, a busca pelo belo e a forma ideal vem aumentando significativamente a procura de procedimentos estéticos e cirúrgicos com o intuito de um corpo harmonioso e saudável. A eficiência de uma cirurgia plástica não depende somente do seu planejamento cirúrgico, mas também da intervenção e cuidados pré e pós-operatórios, o que tem demonstrado fator preventivo de possíveis complicações e promoção de um resultado estético mais satisfatório (MACEDO, 2010). A abdominoplastia se tornou uma intervenção muito solicitada onde se retira o tecido subcutâneo excedente da região abdominal através de uma incisão suprapúbica com a deslocação do umbigo e com uma plicatura da musculatura reto abdominal, sendo associada a uma lipoaspiração para retirada do excesso de tecido adiposo local (SOARES, 2012). No contexto das possibilidades cirúrgicas, encontra-se a cirurgia plástica, que tem por finalidade a reconstituição artificial de uma parte do corpo (SILVA, 2014). Indicações (SOARES, 2012): Indivíduos que apresentam gordura localizada; Flacidez decorrente de uma perda de peso grande; Flacidez devido à gravidez, entre outras. O reparo tecidual é um processo complexo que aborda a regeneração e a formação de cicatriz fibrosa após a ocorrência da lesão, sendo este organizado em várias fases nas quais participam eventos diversos e interligados (GONÇALVES, 1998).

7 7 Como consequência desse procedimento cirúrgico ocorre destruição dos vasos e nervos que irão causar dor, edema e alteração da sensibilidade da pele que por conseguinte causa um grande desconforto ao paciente (SOARES, 2012). Podemos observar no processo organizacional tissular que alguns fatores são primordiais para sua efetivação que são (GONÇALVES, 1998): Coagulação; Inflamação; Fibroplasia; Deposição matricial; Angiogênese; Epitelização; Contração. Principais complicações decorrentes da cirurgia de abdominoplastia no seu pósoperatório (SOARES, 2012): Deiscências; Hematomas; Seromas; Infecções na cicatriz cirúrgica; Alterações cicatriciais; Assimetrias; Retrações. Várias complicações são relatadas em estudos anteriores ao que consiste o pósoperatório da abdominoplastia, tais como (FLORES, 2011): Hematoma; Seroma; Infecção de ferida operatória; Deiscência; Necrose de retalho abdominal; Epidermólise. Fonte: (SOARES, 2012) Imagem 01 - Técnicas de incisões na cirurgia de abdominoplastia Devemos estar atentos quanto às consequências tardias de cirurgias plásticas, principalmente no que se refere em evita-las. O tratamento mais usado estará voltado

8 8 para a prevenção de aderências cicatriciais, dor, flacidez e fraqueza muscular (MILANI, 2005). Há risco também em ocorrer irregularidades na parede do abdômen, necrose cutâneogordurosa, desvios laterais da cicatriz umbilical e elevação dos pelos pubianos (SOARES, 2012). FISIOTERAPIA NO PÓS-OPERATÓRIO DA CIRÚRGIA PLÁSTICA DE ABDOMINOPLASTIA Muitos pacientes submetidos às cirurgias plásticas não são encaminhados para a realização de tratamentos pós-operatórios com fisioterapeutas, ou o são em fases tardias, o que pode levar a resultados poucos satisfatórios (MACEDO, 2010). Baseado no padrão fisiológico esperado durante os processos de inflamação e reparo tecidual, o fisioterapeuta pode traçar um programa efetivo, observando as características clínicas apresentadas pelo paciente e associar esse programa às características póscirúrgicas (FLORES, 2011). Para o tratamento através da laserterapia devemos ter a preocupação em relação à biossegurança, uma vez que a luz a olho nu pode vir a danificar a retina com sua radiação, por isso faz-se necessário o uso do óculos de proteção indicado para cada tipo de radiação do laser, além de utilização de luvas de procedimentos para que o paciente e/ou o fisioterapeuta não seja contaminado (RAMIRES, 2010). Atualmente, a fisioterapia dermato-funcional, que foi reconhecida como especialidade pela Resolução No. 362 do Conselho Nacional de Fisioterapia em maio de 2009, vem agregando notável importância a esse segmento, utilizando-se de seus recursos específicos, como a preparação para a intervenção cirúrgica, aceleração do processo de recuperação pós-operatória, prevenção e controle de complicações comuns. Nesse sentido, a fisioterapia estética, recentemente renomeada como fisioterapia dermato-funcional, está cada vez mais evidenciada (FLORES, 2011). A fisioterapia dermato-funcional promove a recuperação físico-funcional dos distúrbios endócrinos, metabólicos, dermatológicos e músculos-esqueléticos (SOARES, 2012). É indicada a atuação fisioterapêutica em diversas cirurgias com fins estéticos. Dentre elas, destacam-se aquelas para rejuvenescimento facial (riridoplastia), correção do contorno palpebral (blefaroplastia), correção de mama (mamoplastia), implantes mamários, correção do abdômen (abdominoplastia) e a lipoaspiração feita por várias técnicas (MILANI, 2005). O papel do fisioterapeuta no período pós-operatório é imprescindível, pois com sua gama de técnicas cientificamente comprovadas, irá atuar para o acompanhamento da evolução do paciente submetido à cirurgia plástica (FLORES, 2011). A fisioterapia no pós-cirúrgico é baseada em um planejamento amplamente variável e que é dependente da avaliação que o profissional irá realizar levando em consideração a análise do trofismo cutâneo e muscular, do edema, cicatriz, quadro álgico, sensibilidade, tipo de cirurgia realizada e do tempo de pós-operatório (MACEDO, 2010). Há uma grande necessidade de ocorrer a drenagem, uma vez ter ocorrido a destruição dos vasos e nervos causadas pelo procedimento cirúrgico que irá gerar dor, edema e diminuição da sensibilidade da pele que provoca um grande desconforto ao indivíduo que foi submetido ao procedimento. Percebe-se a melhora no quadro álgico após a realização desta técnica, além da congestão tecidual e do retorno precoce da sensibilidade cutânea local (SOARES, 2012).

9 9 Primordialmente, a fisioterapia se concentra no período pós-operatório na redução do edema e na prevenção de retrações cicatriciais, pois trata-se de um período delicado da recuperação do indivíduo (FLORES, 2011). Durante a aplicação do laser no modo pontual a área a ser tratada deve ser antecipadamente demarcada e coberta com um papel filme para evitar que a ponta da caneta encoste na superfície a ser tratada, pois nos casos de feridas abertas, úlceras e pós-cirúrgicos pode ocorrer a contaminação na lesão ou sua transferência para a caneta do laser (RAMIRES, 2012). O ato cirúrgico constitui uma agressão tecidual que, mesmo bem diferenciado, pode prejudicar a funcionalidade desses tecidos. Uma vez que o cirurgião e o paciente percebam os resultados de um tratamento adequado, a fisioterapia torna-se praticamente obrigatória e, assim, um complemento indispensável para o sucesso da cirurgia (FLORES, 2011). A fisioterapia e suas modalidades terapêuticas nos permite tratar edemas drenando e descongestionando os tecidos, promovendo uma cicatrização mais rápida e de melhor qualidade (MACEDO, 2010). A aplicação do laser de baixa potência do tipo AsGaAl (880 nm) com densidades diferentes, reduziu o edema e a inflamação e contribuiu no processo cicatricial aumentando o número de fibras colágenas e elásticas (RAMIRES, 2012). O principal fator agravante no período pós-operatório pode ser evitado com a utilização dos recursos fisioterapêuticos que a fisioterapia se faz valer, colaborando com o fluxo normal de sangue e linfa, diminuindo ainda mais o quadro edematoso e álgico que facilitará a reparação tecidual (FLORES, 2011). O método varredura seve ser empregado nas alterações que buscam acelerar o processo cicatricial nas lesões dermatológicas, especialmente sobre úlceras de decúbito, diabéticas e a própria cicatriz cirúrgica (RAMIRES, 2012).

10 10 Fonte: (SOARES, 2012) Imagem 02 Sistema linfático O fator mais agravante e comum que deve ser prevenido é a formação de aderências, pois do contrário irão impedir o fluxo normal do sangue e linfa que por seguinte aumentará ainda mais o quadro edematoso do paciente retardando sua recuperação (MACEDO, 2010). São considerados elementos lentificadores durante o processo de reparação tecidual àqueles que prolongam a resposta inflamatória e por consequência retardam a cicatrização da lesão, são eles (GONÇALVES, 1998): Presença de infecção, fístulas, abcessos, sinus e/ou corpos estranhos; Isquemia, alterações da viscosidade e perfusão sanguíneas; Alterações na drenagem do tecido lesado; Traumas repetidos e recorrentes, causando sítio de lesão que pode retornar à fase inflamatória; Manejo inapropriado da ferida, como utilização de substâncias potentes e tóxicas aos fibroblastos e linfócitos humanos, como antissépticos, desidratação e quedas de temperatura durante a troca de curativos. A fisioterapia pós-operatória tem entre outras funções a de prevenção de outro grave problema cirúrgico, a trombose venosa profunda (SOARES, 2012). No pós-operatório o momento da intervenção varia de acordo com a cirurgia e com o procedimento realizado. O tratamento para redução do edema feito por drenagem linfática é indicado para todas as técnicas cirúrgicas (MILANI, 2005). No tratamento pós-cirúrgico ela vem sendo indicada pelos cirurgiões plásticos especialmente nos casos de dermolipectomia ou abdominoplastia,

11 11 visando a melhora significativa da textura da pele, ausência de nodulações fibróticas no tecido subcutâneo, redução do edema, alívio da dor, minimização de possíveis aderências teciduais, rapidez na recuperação das áreas com diminuição da sensibilidade em geral. Ou seja, possibilita a redução de complicações e acelera o retorno do paciente às atividades de vida diária (SOARES, 2012). Em relação a laserterapia de baixa intensidade, estudos recentes têm demonstrado bons resultados como terapêutica de fácil e rápida aplicação, não-invasiva e efetiva (GONÇALVES, 1998). METODOLOGIA O estudo consta de uma revisão bibliográfica baseada em artigos de revisão, publicados pela Scielo e Pubmed, em língua portuguesa, no período de 0000 a Também foram consultadas revistas científicas, livros em acervo próprio, bibliotecas públicas e privadas. Dos materiais pesquisados procuramos extrair um conteúdo relacionado aos efeitos que o laser e o ultrassom proporcionam no tratamento das alterações pósoperatórias da abdominoplastia. A elaboração do cronograma da pesquisa se deu do mês de Maio de 2014 a Setembro de A fonte usada para a confecção do artigo foi a Times New Roman, tamanho da fonte 12 e espaçamento simples ao que pede as normas técnicas da instituição. RESULTADOS E DISCUSSÃO Com o crescente interesse por um corpo tão sonhado e por padrões de beleza estipulados pela sociedade, muitas mulheres e homens buscam cirurgias plásticas como forma rápida, eficaz e sem tanto esforço para se manter dentro dos padrões de beleza (SOARES, 2012). Existe uma escasso acesso a especialidade dermato funcional no sistema público de saúde, o que irá gerar um obstáculo para a população mais carente e assim dificultando ao profissional sua expansão ao que concerne a traçar o perfil populacional que necessita deste tipo de atendimento (TACANI, 2009). Os tópicos mais importantes para a realização da avaliação do paciente pós operado é o reconhecimento dos problemas e cirurgia, identificação do tipo e a profundidade dos tecidos envolvidos, a natureza da patologia, o estágio da cicatrização, reconhecimento de quaisquer contraindicações ao uso das modalidades de tratamentos (MACEDO, 2010). É nítido a relação entre o tempo de recuperação no pós-operatório de quem recebe um tratamento pós-operatório por um profissional fisioterapeuta com os que não recebem este tipo de tratamento, uma vez que irá influenciar numa recuperação mais saudável e menos doloroso e até mesmo de interferir no resultado da cirurgia (SOARES, 2012). Podemos observar de acordo com estudos anteriores, que quando os recursos fisioterapêuticos quando bem utilizados, podem diminuir o tempo de repouso do paciente, restaurando sua função e o devolvendo para suas atividades de vida diária o mais rápido possível (FLORES, 2011). Em estudos anteriores ficou comprovado a eficácia da utilização do ultrassom como terapia adjuvante no processo cicatricial (GONÇALVES, 1998). A busca pela beleza e pela longevida são objetivos almejados pela humanidade ao longo dos séculos. A partir do surgimento do conceito de saúde como o completo bem-estar físico, psíquico e social e não apenas a

12 12 ausência de doença, é possível compreender qua a patologia estética representa uma ameaça à integridade emocional do indivíduo, resultante da alteração do esquema e da imagem corporal e, consequentemente, da sua autoestima (FLORES, 2011). O primeiro passo a ser tomado em relação ao tratamento fisioterapêutico no póscirúrgico é o reconhecimento de todas e/ou quaisquer alterações que o paciente possa ter apresentado decorrente da cirurgia (MACEDO, 2010). O abdômen tem como uma das funções o contorno corporal estético e suas alterações provocam desconforto e prejuízos sociais e psicológicos importantes (SOARES, 2012). O completo sucesso da cirurgia plástica depende ainda da participação do paciente, com a associação de dietas, atividade física e alterações em seu modo de vida (MILANI, 2005). A fisioterapia dermato-funcional, de acordo com as resoluções COFFITO (Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional) 80 e 362, atua na prevenção, promoção e recuperação do sistema tegumentar. Está fundamentada em conceitos científicos sólidos e muito bem contribuído nos períodos pré e pós-operatório, prevenindo e/ou tratando as respostas advindas das intervenções cirúrgicas (FLORES, 2011). É certo que, o ultrassom terapêutico sobre o processo inflamatório e a reparação tecidual, tem a capacidade de potencializar ou inibir a atividade inflamatória dependendo da geração de radicais livres nos tecidos (GONÇALVES, 1998). A eficiência de uma cirurgia plástica, no entanto, não depende somente do planejamento do período relacionado ao ato cirúrgico (FLORES, 2011). Ao se optar por realizar uma cirurgia plástica, é necessário que a pessoa tenha consciência dos cuidados que devem ser tomados no pós-operatório e de possíveis complicações que podem ocorrer nesse período (MACEDO, 2010). De importância fundamental o fisioterapeuta tem no pós-operatório imediato, prevenindo e/ou tratando as respostas das intervenções cirúrgicas e atuando na ansiedade pós-operatória (SOARES, 2012). Medidas compressivas podem ser adotadas para prevenir ressecamentos cutâneos, não esquecendo que em casos de hipertrofia cicatricial a manipulação excessiva pode e irá agravar seu processo (MACEDO, 2010). O atendimento de um profissional de saúde é muito importante, pois impede futuras complicações e sequelas comprometendo o processo da cirurgia ao qual o paciente foi submetido (SOARES, 2012). Apesar das inúmeras modalidades de tratamento fisioterapêutico no pós-operatório, não há um tratamento definitivo para as principais alterações que ocorrem durante esse processo (GONÇALVES, 1998). O contato entre o fisioterapeuta e o cirurgião plástico é essencial para promover um resultado cirúrgico bem sucedido necessitando do conhecimento, não só do cirurgião como também do fisioterapeuta sobre a técnica da cirurgia e da fisiopatologia do pós-operatório planejando, assim, um tratamento adequado e diminuindo as intercorrências (SOARES, 2012). Um fato que carece atenção é o desconhecimento de alguns médicos acerca da potencialidade da recuperação do paciente que é submetido ao tratamento pósoperatório com fisioterapeutas especialistas em dermato funcional, uma vez que estarão prevenindo e tratando muitas complicações advindas da técnica cirúrgica (FLORES, 2011).

13 13 CONCLUSÃO Esta pesquisa permitiu uma compreensão acerca da atuação do fisioterapeuta no pósoperatório da cirurgia plástica de abdominoplastia com ênfase na utilização do laser e do ultrassom como adjuvantes no tratamento. Mediante a temática proposta destacamos a atuação da revisão bibliográfica como contribuinte favorável para o conhecimento, facilitação e elucidação deste artigo científico. A mídia é um fator importante ao que concerne apresentar padrões de beleza cada vez mais rígidos em relação à perfeição, deste modo novas propostas e métodos de tratamento estão sendo pesquisados e lançados no mercado. A dermato funcional é um ramo da fisioterapia que tem evoluído relativamente rápido em relação às outras especialidades que o fisioterapeuta pode optar por exercer, sendo um ponto positivo para a classe como um todo. Podemos afirmar que a intervenção fisioterapêutica atuando no pós-operatório da abdominoplastia reduz significativamente a resposta do tempo cicatricial, edemas, processos inflamatórios comuns da cirurgia, é eficaz na drenagem tecidual, condições agudas e crônicas entre muitas outras. Em relação às complicações que geralmente afetam os pacientes que passam por esse procedimento cirúrgico e que podem ser tratadas com êxito pela fisioterapia dermato funcional podemos citar deiscências, seromas, fibroses, infecções na cicatriz cirúrgica, hematomas, necrose de retalho abdominal, epidermólise, assimetrias e retrações. Finalizando, podemos concluir que os objetivos da pesquisa foram alcançados mesmo com toda a escassez de referências bibliográficas que norteiam o tema apresentado. O que pode ser motivador e gerador de novas temáticas elevando o nome da fisioterapia nesta modalidade de tratamento. Referências ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, BAUMANN, L. Dermatologia cosmética princípios e práticas. Rio de Janeiro: Revienter, BAYNES, J.; DOMINICKZAC, M. Bioquímica médica. São Paulo: Artes Médicas, BORGES, F. S. Dermato Funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte, FLORES, Alice. Análise descritiva do encaminhamento médico a tratamentos fisioterapêuticos dermato-funcional nos períodos pré e pós-operatório de cirurgias plásticas cosméticas. São Paulo, Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/analise_descritiva_encaminhamento_medico_tratamentos_cirurgi a_plastica.pdf>. Acesso: 10 Set GONÇALVES, G. Fisiopatologia da reparação cutânea: atuação da fisioterapia. Rev. Bras. Fisiot. Vol. 3, No. 1. São Paulo, GUIRRO, E.; GUIRRO, R. Fisioterapia dermato-funcional: fundamentos, recursos, patologias. São Paulo: Manole, GUYTON, A. C. Fisiologia humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KUHNEN, Ana Paula. Efeitos fisiológicos do ultrassom terapêutico no tratamento do fibro edema gelóide. Santa Catarina, Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/ana%20paula%20kuhnen.pdf>. Acesso: 15 Set MACEDO, Ana Carolina Brandt. A atuação da fisioterapia no pré e pós-operatório da cirurgia plástica corporal: uma revisão de literatura. Curitiba, Disponível em: <http://apps.unibrasil.com.br/revista/index.php/saude/article/viewfile/497/418>. Acesso 11 Set MENEZES, Raphelle Curtinaz. Ultrassom no tratamento do fibro edema gelóide. Revista Inspirar, Volume 1, Disponível em: <http://www.inspirar.com.br/revista/wpcontent/uploads/2010/04/revista_cientifica_inspirar_edicao_1_2009.pdf#page=11>. Acesso: 17 Set MILANI, Giovana Barbosa. Fundamentos da fisioterapia dermato-funcional: revisão de literatura. São Paulo, Disponível em: <

14 BR&as_sdt=0&as_vis=1&oi=scholart&sa=X&ei=Mk8BVLnIMMfu8AG93oGgDQ&ved=0CBoQgQMw AA >. Acesso: 22 Ago MOREIRA, Juliana Aparecida Ramiro. A fisioterapia dermato-funcional no tratamento de estrias: revisão de literatura. Revista Científica da UNIARARAS v. 1, n. 2. São Paulo, OLIVEIRA, Marlene dos Santos. Elaboração de um modelo para a implantação de um programa de fisioterapia dermato-funcional com laserterapia para o atendimento na rede SUS para adolescentes com cicatriz de acne. Manaus, Disponível: < >. Acesso: 28 Ago RAMIRES, Rossinê Carvalho. Os efeitos do laser no tratamento de úlcera de decúbito Revisão bibliográfica. Manaus, Disponível em: <http://www.portalbiocursos.com.br/artigos/ortopedia/79.pdf>. Acesso: 15 Set ROBBINS, S. L.; KUMAR, V.; CONTRAN, R. S. Patologia estrutural e funcional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, SAMPAIO, S.; RIVITTI, E. Dermatologia. São Paulo: Artes Médicas, STEVENS, A.; LOWE, J. Histologia humana. São Paulo: Manole, SILVA, Rodrigo Marcel Valentim. Avaliação da fibrose cicatricial no pós-operatório de lipoaspiração e/ou abdominoplastia. Rio Grande Do Norte, Disponível em: <http://repositorio.unp.br/index.php/catussaba/article/view/554/456>. Acesso: 12 Set SOARES, Rafaella Galdino. Drenagem linfática manual como coadjuvante no pós-operatório de abdominoplastia. Revista Presciência, Disponível em: <http://www.faculdadesaomiguel.com.br/saomiguel/presciencia5a.pdf#page=70>. Acesso: 25 Ago TACANI, Pascale M. Perfil clínico dos pacientes atendidos em fisioterapia dermatofuncional na clínica da Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS. São Paulo, Disponível em: <http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/300/132>. Acesso em: 12 Set ZAMPRONIO, Franciele Pereira Castro. Atuação da fisioterapia dermato-funcional nas disfunções estéticas decorrentes da gravidez. Rio Grande do Sul, Disponível em: <http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/ /498/artigo-posfisioterapia-dematofuncional.pdf?sequence=1>. Acesso: 20 Ago

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas LASER Prof. Gabriel Villas-Boas INTRODUÇÃO O termo Laser constitui-se numa sigla que significa: Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação. Esta radiação é constituída por ondas eletromagnéticas,

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

TÍTULO: ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA E LIPOASPIRAÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA

TÍTULO: ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA E LIPOASPIRAÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA TÍTULO: ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA E LIPOASPIRAÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CÓDIGO: Fisio 227 CH TOTAL: 60hs PRÉ-REQUISITO: -----

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Tratamento Pré e Pós Operatório Código: -- Pré-requisito: --

Leia mais

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Painel Setorial de Equipamentos de Fisioterapia por Ultra-som Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Prof. Dr. Rinaldo R J Guirro Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Universidade Metodista de

Leia mais

FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1

FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1 FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1 Tauana Sofia Vieira 2 Daisy Janice Aguilar Netz 3 Resumo: A procura por cirurgias

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ

FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ Ana Paula Serra de Araújo 1, Maristela Lopes Cabral 2 RESUMO:

Leia mais

VANESSA LUZIA PADILHA,

VANESSA LUZIA PADILHA, VANESSA LUZIA PADILHA, fisioterapeuta graduada pela Universidade Positivo (2004). Especialista em Fisioterapia Dermato Funcional (estética) pela Faculdade Evangélica do Paraná (2005). Consultório: Rua

Leia mais

O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000).

O termo celulite foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000). O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000). Desde então alguns termos são utilizados para designá-la,

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Facial 1 2 3 indicação de cada cliente ou resposta ao tratamento. Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTÉTICA - LATO SENSU CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO I - ESTÉTICA FACIAL

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTÉTICA - LATO SENSU CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO I - ESTÉTICA FACIAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTÉTICA - LATO SENSU CONTEÚDO PROGRAMÁTICO MÓDULO I - ESTÉTICA FACIAL DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia de Cabeça e Pescoço 10 horas Sistema Tegumentar Epiderme: suas características,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL Cássia Vanessa Baseggio 1 Deborah Ariza 2 Naudimar Di Pietro Simões 3 Resumo: Dermolipectomia abdominal ou abdominoplastia é uma

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA

LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PLÁSTICA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro PROTOCOLOS NA ESTÉTICA - Corporal 1 2 3 Papel da Luz no Estímulo ao Colágeno Leds Azuis: A absorção da luz pelas células leva ao aparecimento de radicais livres de oxigênio (O--)

Leia mais

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL

EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL EFEITOS BIOESTIMULADORES DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE E LED TERAPIA NA SAÚDE: UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR E SOCIAL 1. UFPB- Professora Orientadora 2. COI-PR Extensionista Externo- Consultor 3. Discente

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL?

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL? ABDOMINOPLASTIA Também chamada de dermolipectomia abdominal. É um procedimento cirúrgico utilizado para redefinir o contorno abdominal, através da retirada do excesso de pele e gordura depositada, além

Leia mais

A drenagem linfática manual como tratamento do edema no pós- cirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha1

A drenagem linfática manual como tratamento do edema no pós- cirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha1 1 A drenagem linfática manual como tratamento do edema no póscirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha 1 rebecadermato@gmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em

Leia mais

Ácidos Graxos Essenciais. Prevenção e Tratamento

Ácidos Graxos Essenciais. Prevenção e Tratamento Ácidos Graxos Essenciais Prevenção e Tratamento AGEs na pele - Histórico 1929 Primeiras alterações ocorridas na pele decorrentes da deficiência de AGEs; (BURN, G.O. & BURN, M.M. - A new deficiency disease

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS MAIA, Ingrid Vanessa E. 2 RAMALHO, Jéssica Soares 2 FERREIRA, Luana de Lima 2 JUNIOR, Paulo Sergio

Leia mais

11/18/2011. ILIB irradiação do laser no sangue.

11/18/2011. ILIB irradiação do laser no sangue. Analisando o significado da terminologia LASER LASER (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation) ILIB irradiação do laser no sangue. BASES FÍSICAS DA RADIAÇÃO LASER Princípios Elementares

Leia mais

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Profª Drª Fabiana Flores Sperandio O que é câncer de mama? É uma doença que surge quando células da mama sofrem uma mutação e se

Leia mais

Descrição da Eletroterapia :

Descrição da Eletroterapia : Descrição da Eletroterapia : A Eletroterapia consiste no uso de correntes elétricas dentro da terapêutica. Os aparelhos de eletroterapia utilizam uma intensidade de corrente muito baixa, são miliamperes

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais

Abdominoplastia Cirurgia do abdome

Abdominoplastia Cirurgia do abdome A abdominoplastia destina se à remoção de gordura localizada no abdome inferior, assim como da flacidez de pele ao redor da região umbelical e das estrias situadas entre o umbigo e os pêlos pubianos. Não

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro Catálogo de Produtos - ESTÉTICA Elite O Elite é a solução mais completa de fototerapia mundial com excelente performance no tratamento de acne, manchas na pele, olheiras, marcas

Leia mais

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR INTRODUÇÃO Zeferina Alexandra Trizotti da Silva Talita de Oliveira da Silva A acne é uma das alterações cutâneas mais comuns, sua

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO Eu,, identidade autorizo o Dr. Jorge Antônio de Menezes, médico cirurgião plástico, membro associado da Sociedade

Leia mais

Coutinho et al. Revista Fisioterapia Ser Ano 1 nr 4 out/nov/dez 2006. pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional da Universidade Gama Filho

Coutinho et al. Revista Fisioterapia Ser Ano 1 nr 4 out/nov/dez 2006. pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional da Universidade Gama Filho 1 A IMPORTÂNCIA DA ATENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA MINIMIZAÇÃO DO EDEMA NOS CASOS DE PÓS-OPERATÓRIO DE ABDOMINOPLASTIA ASSOCIADA À LIPOASPIRAÇÃO DE FLANCOS. THE IMPORTANCE OF THE PHISICAL THERAPY TREATMENT

Leia mais

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular O que são varizes? Varizes são veias que se tornaram dilatadas e tortuosas ao longo das pernas. Algumas varizes são calibrosas e evidentes na pele. Outras, de menor calibre, chamadas de microvarizes ou

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

TERAPIA FOTODINÂMICA

TERAPIA FOTODINÂMICA TERAPIA FOTODINÂMICA Terapia Fotodinâmica Estudo e desenvolvimento de novas tecnologias. Seu uso por podólogos brasileiros é anterior a 1995. Usado por podólogos em outros países, desde a década de 80.

Leia mais

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz O que é a Rinoplastia? A rinoplastia, ou cirurgia do nariz, é um procedimento estético que corrige a forma e a funcionalidade do nariz, melhorando tanto o aspecto

Leia mais

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Sistema Linfático Sistema auxiliar de drenagem que faz a retirada do excesso de líquidos do meio extracelular,

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

TRATAMENTO EXPRESS DE REDUÇÃO MONITORADA

TRATAMENTO EXPRESS DE REDUÇÃO MONITORADA TRATAMENTO EXPRESS DE REDUÇÃO MONITORADA PROGRAMA EM CINCO PASSOS: 1. AVALIAÇÃO 2. DESCOMPACTAÇÃO DOS TRIGLICERIDEOS 3. CONGELAMENTO DO TECIDO ADIPOSO 4. MASSAGEM MODELADORA 5. REPARAÇÃO DA FLACIDEZ TECIDUAL

Leia mais

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Isabel Seixo, Dina Nunes, Alexandra Castro Serviço de Medicina Física e de Reabilitação Hospital Dona Estefânia Novembro 2011 Queimadura Agressão

Leia mais

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras)

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) Fatores como: idade, textura da pele, distúrbios da acuidade visual, problemas emocionais, etc., poderão deixar como conseqüência sua marca no território

Leia mais

Tratamentos estéticos sob suspeita

Tratamentos estéticos sob suspeita Tratamentos estéticos sob suspeita Não há estudos científicos consistentes que comprovem a eficácia de técnicas populares, como carboxiterapia, alertam especialistas 17 de julho de 2011 0h 00 Karina Toledo

Leia mais

mae Vou ser moda 9 meses de emoções Oferta Saco de bebé La Redoute ( Veja como pode recebê-lo na página 22) Especialgravidez

mae Vou ser moda 9 meses de emoções Oferta Saco de bebé La Redoute ( Veja como pode recebê-lo na página 22) Especialgravidez Oferta Saco de bebé La Redoute ( Veja como pode recebê-lo na página 22) Especialgravidez Natural, cesariana, dentro de água... Conheça os vários tipos de parto Edição Especial n.º 40 2013 Preço Portugal

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

MITOS E VERDADES RADIOFREQUENCIA TERMOTERAPIA. RF na Medicina (Ablativa) RF na Medicina (Ablativa) 03/05/2013 RADIOFREQUÊNCIA NÃO ABLATIVA

MITOS E VERDADES RADIOFREQUENCIA TERMOTERAPIA. RF na Medicina (Ablativa) RF na Medicina (Ablativa) 03/05/2013 RADIOFREQUÊNCIA NÃO ABLATIVA S E S RADIOFREQUENCIA ESTÉTICA IN RIO 04 A 06 MAIO 2013. RIO DE JANEIRO 7º CONGRESSO CIENTÍFICO BRASILEIRO DE ESTÉTICA Ludmila Bonelli bellebonelli@bellebonelli.com.br TERMOTERAPIA NÃO ABLATIVA RF na Medicina

Leia mais

Métodos terapêuticos dermato-funcionais no pós-operatório de abdominoplastia e lipoaspiração

Métodos terapêuticos dermato-funcionais no pós-operatório de abdominoplastia e lipoaspiração 1 Métodos terapêuticos dermato-funcionais no pós-operatório de abdominoplastia e lipoaspiração Elza Castro da Costa elzacastro1@icloud.com Dayana Priscila Maia Mejia Pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE MEMBRO SUPERIOR EM MULHERES MASTECTOMIZADAS Mara Vania Guidastre - m_risaguist@hotmail.com Marcela Da Silva Mussio - marcela_mussio@hotmail.com Ana Cláudia De Souza Costa - anaclaudia@unisalesiano.edu.br

Leia mais

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Relato de Experiência. Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica. PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP

Relato de Experiência. Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica. PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP Relato de Experiência Projeto Reabilta-ação Fisioterapia Oncológica PICIN, Celis i e COPETTI, Solange M. B. ii Faculdade de Pato Branco FADEP RESUMO A intenção em produzir um material informativo a respeito

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME)

ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME) ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME) A abdominoplastia destina-se à remoção de gordura localizada no abdome inferior, assim como da flacidez de pele ao redor da região umbilical e das estrias

Leia mais

Prezado cliente, Seja bem vindo ao Instituto de Cosmetologia e Estética da Universidade Metodista

Prezado cliente, Seja bem vindo ao Instituto de Cosmetologia e Estética da Universidade Metodista Carta de serviços 2016 Prezado cliente, Seja bem vindo ao Instituto de Cosmetologia e Estética da Universidade Metodista Aqui você encontrará serviços de Beleza e Bem Estar. Agende seu horário diretamente

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

Resposta Técnica 02/2015

Resposta Técnica 02/2015 Resposta Técnica 02/2015 Data: 10/02/2015 Solicitante: Dr. Sérgio Henrique Cordeiro Caldas Fernandes Juiz de direito da 23ª Vara Cível Comarca de Belo Horizonte Processo: 1682880-83.2014.8.13.0024 Ré:

Leia mais

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso Introdução As fraturas e luxações do tornozelo são as lesões mais comuns do sistema músculo-esquelético 1, e dentre as articulações de carga, o tornozelo é a que apresenta maior incidência de fraturas

Leia mais

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA A cirurgia mamária, seja ela uma tumorectomia, quadrantectomia ou mastectomia, provoca uma alteração significativa no órgão e que pode e deve ser minimizada.

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Avaliação em Fisioterapia Dermatofuncional

Avaliação em Fisioterapia Dermatofuncional Avaliação em Fisioterapia Dermatofuncional Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermato-Funcional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte Pré e Pós Cirurgia

Leia mais

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista Um novo conceito em peeling sequencial Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista O QUE É O PEELING 3D? Método diferenciado e patenteado de peeling superficial sequencial

Leia mais

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração 1. INTRODUÇÃO REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração Perda células (necrose, inflamação, traumatismo) restituição ou reparação Inicia durante ou ao final do Processo Inflamatório Finalidade: restabelecimento

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM

TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM Rev. 00 Elaborado por: Bianca Pínola Longo baseado em literatura. PARTE I Introdução O ultra-som consiste em vibrações mecânicas de alta freqüência. São ondas

Leia mais

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM 1 ALMEIDA, Pâmela Batista 1 BUDÓ, Maria de Lourdes Denardin 2 SILVEIRA, Celso Leonel 3 ROSA, Adonias Santos 4 SILVA, Silvana Oliveira 5 SILVA, Silvana

Leia mais

REVISAGE 3D Dr. Milton Beltrão Jr. Consultor Facial - Onodera

REVISAGE 3D Dr. Milton Beltrão Jr. Consultor Facial - Onodera REVISAGE 3D Dr. Milton Beltrão Jr. Consultor Facial - Onodera Revisage3D Você verá nesta aula: Definição Envelhecimento; Sistema Tegumentar; Alterações Envelhecimento; Revisage 3D; Indicações e Contra-Indicações;

Leia mais

Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório

Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório 1 Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório de abdominoplastia Resumo Jannyle de Jesus Aguiar 1 fisio_jany@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em Fisioterapia

Leia mais

Seja muito mais com. Tratamento da celulite e modelação corporal

Seja muito mais com. Tratamento da celulite e modelação corporal Seja muito mais com Tratamento da celulite e modelação corporal o melhor tratamento para celulite do mundo, ficou agora ainda melhor! Mais de 05 anos de experiência clínica Mais de 3,5 milhões de tratamentos

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais