- Como funciona o CTI?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Como funciona o CTI?"

Transcrição

1

2 - O que é e para que serve o CTI? A sigla CTI significa Centro de Terapia Intensiva, uma unidade que, como o nome diz, é destinada a proporcionar um tratamento intensivo a seus pacientes, contando com recursos mais complexos, como diversos equipamentos e medicamentos, além de uma equipe multiprofissional que trabalha de modo integrado, oferecendo a assistência necessária. Esta unidade conta com um sistema completo de vigilância, acompanhando o tempo todo diversos parâmetros biológicos importantes para orientar o tratamento e detectar de imediato complicações indesejadas. - Como funciona o CTI? O CTI do Hospital São Francisco possui 20 leitos, sendo 4 destes destinados a pacientes com necessidade de isolamento (quando, devido à sua condição clínica, não podem ficar no mesmo ambiente que outros pacientes). Com funcionamento contínuo, os pacientes presentes no CTI recebem cuidados 24 horas, com aparelhos de alta tecnologia para uma monitorização precisa e sendo assistidos por uma equipe multiprofissional, formada por médicos, enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem, psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, farmacêuticos, etc. - Visita Pacientes internados no CTI não podem ficar com acompanhantes, mas podem receber visitas. A visita ocorre das 17h30min às 18h30min, todos os dias da semana, inclusive aos sábados e domingos. Durante este horário, é permitida e entrada de quatro pessoas, mas apenas 1 (uma) de cada vez. Apenas visitantes

3 com mais de 60 anos são autorizados a entrarem acompanhados. Pessoas com menos de 13 anos não podem entrar no CTI. Ao chegar ao hospital para a visita, dirija-se até a recepção central, onde receberá as devidas orientações. - O que fazer ao chegar no CTI? Assim que chegar ao CTI, um membro da equipe estará disponível para encaminhá-lo ao leito de seu familiar. Antes de entrar na unidade, faça a higiene de suas mãos com água e sabão: a segurança de seu familiar também depende de você. Utilize álcool gel disponível na beira do leito antes e depois de tocar o paciente. Se houver necessidade do uso de máscaras ou outro equipamento de segurança durante a visita ao CTI, você será informado (a) antes de visitar seu familiar. A equipe médica fornece informações e orientações durante o horário de visita, podendo também esclarecer eventuais dúvidas. Apenas 1 (um) familiar receberá estas informações e deverá ficar responsável pelo repasse das mesmas aos demais. Busque aproveitar ao máximo o tempo com o ente querido. - É proibido ao visitante Entrar na unidade sem higienizar corretamente as mãos. Utilização de celular, pois este pode interferir nos aparelhos que realizam a monitorização do paciente. Transitar pelo CTI e dirigir-se a outros leitos - você deve permanecer próximo ao leito de seu familiar. Trazer alimentos ou outros objetos que não tenham sido solicitados pela equipe.

4 - Informações médicas As informações médicas serão realizadas diariamente, durante horário de visita em CTI. Solicitamos que seja eleito um familiar para receber as informações diárias e que este aguarde pelo médico ao lado do leito de seu paciente. Lembre-se de tirar todas suas dúvidas durante esta conversa. - Boletim Informativo A equipe médica do CTI elabora diariamente, no período da manhã, um boletim informativo acerca do estado clínico do paciente; estes boletins são encaminhados à recepção e serão repassados aos familiares, que deverão comparecer ao hospital para ter acesso às informações. O boletim possui informações bastante resumidas e superficiais sobre o quadro do paciente, sendo indispensável à presença do familiar no horário de visita para receber do médico informações mais aprofundadas. - Visita religiosa É permitida a realização de visita religiosa ao paciente internado no CTI, mediante solicitação de familiares. A visita deve ser comunicada previamente ao setor e o(a) religioso(a) poderá entrar após liberação do médico responsável. Para maiores informações, busque auxílio da equipe da unidade ou na recepção central.

5 - Objetos pessoais do paciente Assim que o paciente é recebido no CTI, seus pertences pessoais (como óculos, jóias e prótese dentária) são retirados, pois o mesmo deve permanecer apenas com a vestimenta da unidade, facilitando a realização dos procedimentos diários. Caso a família esteja presente no momento da internação, estes pertences serão entregues a estes. Caso isto não seja possível, os objetos deverão ser retirados na hotelaria do hospital. - Aparelhos e procedimentos do CTI O CTI é uma unidade caracterizada pela presença de diversos equipamentos tecnológicos, que muitas vezes emitem barulhos desconhecidos pela família. Estes sons são apenas para o entendimento da equipe acerca de medicamentos e parâmetros do paciente. Diante de qualquer dúvida sobre barulhos ou procedimentos, solicite orientação de algum membro da equipe. - Orientações financeiras O Hospital não solicita por telefone depósitos para realização de nenhum procedimento. Eventuais dúvidas que surjam acerca de qualquer aspecto ligado à internação, entre em contato pelo telefone

6 MKT SF Nov. 2015

Seu bebê encontra-se nesse momento sob cuidados intensivos na UTI Neonatal, por apresentar um quadro de risco à saúde.

Seu bebê encontra-se nesse momento sob cuidados intensivos na UTI Neonatal, por apresentar um quadro de risco à saúde. AOS PAIS E FAMILIARES Seu bebê encontra-se nesse momento sob cuidados intensivos na UTI Neonatal, por apresentar um quadro de risco à saúde. Sabemos que a angústia, o medo e as preocupações são comuns

Leia mais

SERVIÇO DE MEDICINA INTENSIVA (SMI) GUIA DE ACOLHIMENTO À FAMÍLIA

SERVIÇO DE MEDICINA INTENSIVA (SMI) GUIA DE ACOLHIMENTO À FAMÍLIA SERVIÇO DE MEDICINA INTENSIVA (SMI) GUIA DE ACOLHIMENTO À FAMÍLIA O Serviço de Medicina Intensiva mais conhecido por Unidade de Cuidados Intensivos, é um serviço especializado para doentes com necessidade

Leia mais

Manual de orientação ao paciente para internação.

Manual de orientação ao paciente para internação. Manual de orientação ao paciente para internação. Mais comodidade para você! Ao agendar sua internação, tenha mais conforto adquirindo o nosso kit higiene. Para mais informações, consulte os valores na

Leia mais

CENTRO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO TOXICÔMANOS. Coordenador: Renato Carlos Vieira. Endereço: Rua Álvaro Sarlo, 160. Bairro: Ilha de Santa Maria

CENTRO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO TOXICÔMANOS. Coordenador: Renato Carlos Vieira. Endereço: Rua Álvaro Sarlo, 160. Bairro: Ilha de Santa Maria CENTRO DE PREVENÇÃO E TRATAMENTO AO TOXICÔMANOS Coordenador: Renato Carlos Vieira Endereço: Rua Álvaro Sarlo, 160 Bairro: Ilha de Santa Maria CEP: 29051-100 Horários de atendimento: 7 às 19h (Atendimento

Leia mais

INTERNAÇÃO (Avenida do Contorno, 9530 )

INTERNAÇÃO (Avenida do Contorno, 9530 ) INTERNAÇÃO (Avenida do Contorno, 9530 ) Atualizado em 30/11/2015 INFORMAÇÕES IMPORTANTES Convênios Atendidos Todos listados no Manual do Faturamento O que compõe a Diária: Leito próprio (cama ou berço)

Leia mais

Somos parceiros na conquista da sua autonomia

Somos parceiros na conquista da sua autonomia MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CONVALESCENÇ A DE VILA POUC A DE AGUIAR Somos parceiros na conquista da sua autonomia Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011

Leia mais

Guia do Paciente Unidades de Pronto Atendimento

Guia do Paciente Unidades de Pronto Atendimento Guia do Paciente Unidades de Pronto Atendimento Seja bem-vindo! Este guia foi desenvolvido especialmente para orientá-lo durante a permanência no Pronto Atendimento. A leitura deste material é muito importante.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES )

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) DO SERVIÇO MÉDICO da emergência: Receber o paciente na sala de observação ( amarelos e verdes ), priorizando-o em relação aos consultórios

Leia mais

GABARITO PRELIMINAR PROVA APLICADA NO DIA 22/11/2015

GABARITO PRELIMINAR PROVA APLICADA NO DIA 22/11/2015 CARGOS: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFESSOR POLIVALENTE (EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ANO) D E E A D C A D D A B D D D B B B D D B C B C E D PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA A D C B E A D

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO PACIENTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO PACIENTE MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO PACIENTE A NOSSA SANTA CASA Conheça 06 Sobre o Hospital 06 Especialidades Ambulatório de Convênios 06 PROCEDIMENTO DE INTERNAÇÃO Paciente Particular 08 Paciente de Convênio 08 Diárias

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM TUPÃ/SP 2016 SUMÁRIO I DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM II DAS DISPOSIÇÕES GERAIS III DO FUNCIONAMENTO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS

Leia mais

NORMAS DO PLANTÃO MÉDICO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU

NORMAS DO PLANTÃO MÉDICO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU NORMAS DO PLANTÃO MÉDICO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU DISPOSIÇÕES GERAIS SOBRE OS PLANTÕES O plantão médico presencial caracteriza-se pela prestação de 12 (doze) horas

Leia mais

Lei nº 7.649, de 05 de julho de 2004.

Lei nº 7.649, de 05 de julho de 2004. Lei nº 7.649, de 05 de julho de 2004. Dispõe sobre a Prestação de Assistência Terapêutica Integral ao Paciente na Rede Municipal de Saúde, com conseqüente Instituição, no Quadro de Pessoal da Prefeitura

Leia mais

Procedimentos, Regras de Proteção e Segurança para Visitantes. ITT Industrial Process Salto, SP - Brasil

Procedimentos, Regras de Proteção e Segurança para Visitantes. ITT Industrial Process Salto, SP - Brasil Procedimentos, Regras de Proteção e Segurança para Visitantes ITT Industrial Process Salto, SP - Brasil Objetivos do Módulo O propósito deste módulo é familiarizar todos os visitantes com os objetivos

Leia mais

Orientações Gerais para Família/Aluno

Orientações Gerais para Família/Aluno 1 São Luís Guanella Rogai por nós. www.emdp.com.br Orientações Gerais para Família/Aluno 2 Apresentação Querido Aluno, É com muito carinho que recebemos você em nossa Escola. Iniciamos um novo ano com

Leia mais

ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED VITÓRIA

ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED VITÓRIA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED VITÓRIA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR CIAS CENTRO INTEGRADO DE ATENÇÃO A SAÚDE UNIMED DIAGNÓSTICO SOS CONCEITO FORNECER SERVIÇOS, EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E MEDICAMENTOS AO USUÁRIO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

Conheça o Hospital do Câncer II

Conheça o Hospital do Câncer II Conheça o Hospital do Câncer II 2ª Edição 2011 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA)/ Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Interface das Áreas do INTO RESUMO DE REVISÕES

Interface das Áreas do INTO RESUMO DE REVISÕES RESUMO DE REVISÕES Nº MÊS/ANO 1 / 6 MÊS/ANO DESCRIÇÃO PRÓX. REV. JAN/09 Emissão inicial JAN/12 MAI/12 Primeira revisão MAI/15 NOV/12 Segunda revisão NOV/15 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

VÍDEO INSTITUCIONAL UNIMED VALE DO SINOS/RS

VÍDEO INSTITUCIONAL UNIMED VALE DO SINOS/RS VÍDEO INSTITUCIONAL UNIMED VALE DO SINOS/RS HOSPITAL UNIMED VALE DO SINOS/RS CENTRO DE ONCOLOGIA Viabilidade e desempenho da equipe multidisciplinar Foto1 1.1 NECESSIDADE DO SERVIÇO - Reduzir o alto custo

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 2015 I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas de

Leia mais

Diretor técnico: EMANUEL ROBSON MACEDO SILVA (CRM: )

Diretor técnico: EMANUEL ROBSON MACEDO SILVA (CRM: ) Relatório de Fiscalização UPA Maria José de Albuquerque Rosendo BR 408 Km 29, s/n Araruna Timbaúba - PE Diretor técnico: EMANUEL ROBSON MACEDO SILVA (CRM: 23.610) Por determinação deste Conselho fomos

Leia mais

REGULAMENTO do GRUPO DISCIPLINAR EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2013/2014

REGULAMENTO do GRUPO DISCIPLINAR EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2013/2014 REGULAMENTO do GRUPO DISCIPLINAR EDUCAÇÃO FÍSICA Ano Letivo 2013/2014 Tendo como referência as normas que são comuns aos vários sectores que integram a estrutura pedagógica e administrativa da Escola,

Leia mais

Atualização Ebola 18/11/15

Atualização Ebola 18/11/15 Atualização Ebola 18/11/15 Os países Serra Leoa e Libéria já são considerados pela Organização Mundial de Saúde como países livre da epidemia de ebola, pois há mais de 42 dias não apresentam casos novos

Leia mais

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R Controle Nome/Cargo Assinatura Daniela Alencar Moreira Liciana Leticia de Maraes Diego Antonio de S. Fidelis Coordenador de Farmácia Dr. Jorge Lafeta Coordenador CTI Dr. Fábio Liberalli Coordenador Pronto

Leia mais

Guia do Paciente. Leia com atenção e tenha uma agradável estadia.

Guia do Paciente. Leia com atenção e tenha uma agradável estadia. HSF_025 - SET. 2015 www.saofrancisco.com.br Referencial: - Lei Estadual n 10.241 de 17 de março de 1999 (Direitos dos Usuários da Saúde); - Lei n 13.541, de 7 de maio de 2009 (antifumo); - Lei n 8.069

Leia mais

REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE

REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE Capítulo I Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as normas e os procedimentos que regem as visitas ao Centro Hospitalar do

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Simone Röhrig de Sousa. Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Simone Röhrig de Sousa. Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem Simone Röhrig de Sousa Relatório Estágio Curricular III- Serviço Hospitalar Hospital Dia Hospital de Clinica de Porto Alegre Porto Alegre

Leia mais

PARECER CONSULTA Nº15/2015 CRM/PA - PROCESSO CONSULTA Nº 09/2015 PROTOCOLO Nº 4123/2013 INTERESSADA: Y.I.B. PARECERISTA: ARTHUR DA COSTA SANTOS.

PARECER CONSULTA Nº15/2015 CRM/PA - PROCESSO CONSULTA Nº 09/2015 PROTOCOLO Nº 4123/2013 INTERESSADA: Y.I.B. PARECERISTA: ARTHUR DA COSTA SANTOS. PARECER CONSULTA Nº15/2015 CRM/PA - PROCESSO CONSULTA Nº 09/2015 PROTOCOLO Nº 4123/2013 INTERESSADA: Y.I.B. PARECERISTA: ARTHUR DA COSTA SANTOS. EMENTA: Compete ao médico assistente a decisão de transferir

Leia mais

REGULAMENTO DAS RESIDÊNCIAS DE DOCENTES, FUNCIONÁRIOS E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS RESIDÊNCIAS DE DOCENTES, FUNCIONÁRIOS E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS RESIDÊNCIAS DE DOCENTES, FUNCIONÁRIOS E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO I OBJECTIVOS Art.º 1.º - As residências destinam-se a proporcionar alojamento a docentes, funcionários,

Leia mais

Regulamento TRILONGNIGHT

Regulamento TRILONGNIGHT Regulamento TRILONGNIGHT - 2016 REGRAS GERAIS 1. O TRILONGNIGHT é uma prova de triathlon e será disputado nos dias 03 e 04 de setembro de 2016, nas categorias masculina e feminina. 2. Poderão participar

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Mecanismos de Identificação do Paciente.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Mecanismos de Identificação do Paciente. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Mecanismos de Identificação do Paciente. POP nº 01 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 11/09/2014 Elaborado

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 6 Médico Pediatra 2 Médico de Estratégia PSF 0 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 4 Auxiliar de Saúde Bucal 4 Técnico

Leia mais

Regulamento para inscrição na 11ª Semana da Música de Ouro Branco

Regulamento para inscrição na 11ª Semana da Música de Ouro Branco Regulamento para inscrição na 11ª Semana da Música de Ouro Branco 1. Inscrições e seleção 1.1 Para efetuar a inscrições para a 11ª Semana da Música de Ouro Branco, o candidato deverá acessar o site www.semanadamusica.com;

Leia mais

WEB AULA REGULAMENTO DO ALUNO

WEB AULA REGULAMENTO DO ALUNO Associação de Ensino e Pesquisa Graccho Cardoso S/C LTDA FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe WEB AULA REGULAMENTO DO ALUNO FANESE, 2013.2 CAPITULO I DA FINALIDADE DO REGULAMENTO DA

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - RIO Unidade Dias e Horários

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL APLICADA À NEUROLOGIA

Leia mais

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Como elaborar campanhas e treinamentos. Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Como elaborar campanhas e treinamentos Enf. Juliana Prates Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Por onde começar... Importante definir : Quais os focos de atuação do Controle

Leia mais

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS.

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. O Sistema Único de Saúde (SUS) é a forma como o Governo deve prestar saúde pública e gratuita a todo o cidadão. A ideia é ter um sistema público de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PROVA OBJETIVA - GABARITO PRELIMINAR

CONCURSO PÚBLICO PROVA OBJETIVA - GABARITO PRELIMINAR 01. CARGO - ASSISTENTE SOCIAL B C C D B A A D A B B C B B A C C D B A 02. CARGO - ENFERMEIRO PLANTONISTA D NULA D A NULA B D D C A A B B D C A C A C A 03. CARGO - ENFERMEIRO - PSF B A B A D B D B D C B

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001

Política de Avaliação Fisioterapêutica dos Pacientes e Continuidade do Cuidado NORMA Nº 001 1- Objetivo Página: 1/10 Estabelecer plano de cuidado e prestar atendimento fisioterapêutico às necessidades imediatas e continuadas do paciente interno e externo. 2- Definições 2.1 Plano de cuidado: visa

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: MONITORIZAÇÃO DE PRESSÃO INTRA-ARTERIAL COM TRANSDUTOR DE PRESSÃO (PIA)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: MONITORIZAÇÃO DE PRESSÃO INTRA-ARTERIAL COM TRANSDUTOR DE PRESSÃO (PIA) 1. Introdução O método invasivo de monitoração da pressão arterial está indicado em pacientes graves para controle do uso de drogas vasoativas e/ ou coletas freqüentes de sangue arterial. 2. Objetivo Subsidiar

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP-12 Nº 06/2016 DE 03 DE AGOSTO DE 2016

RESOLUÇÃO CRP-12 Nº 06/2016 DE 03 DE AGOSTO DE 2016 RESOLUÇÃO CRP-12 Nº 06/2016 DE 03 DE AGOSTO DE 2016 Aprovar o Regimento para uso dos espaços físicos da Sede e Subsedes do CRP-12. O Presidente do Conselho Regional de Psicologia 12ª Região, no uso de

Leia mais

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Título 1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Classificação 2.SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM E OS MODELOS ORGANIZACIONAIS:

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO NA ENFERMAGEM Ampliando Conhecimentos Autores Ananda Hoffmann Sandra da Silva Kinalski Silvia Furian El Ammar Ijuí, Rio Grande do Sul Objetivos Qualificar Técnicos

Leia mais

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Anatomia

Regulamento para a utilização do Laboratório de. Anatomia Regulamento para a utilização do Laboratório de Anatomia 1 REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA I. DOS OBJETIVOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA HUMANA 1. Auxiliar o aluno na introdução

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA Unidade Dias

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO DE BRONCOASPIRAÇÃO

GERENCIAMENTO DE RISCO DE BRONCOASPIRAÇÃO 1 de 8 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial MGO,,MRM,PAD,GAA,FCA,AMR,RRM 1 Objetivo Diminuir a incidência de pneumonia hospitalar

Leia mais

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Validar Estabelecer processo de segurança para o paciente

Leia mais

RN-019/01 RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) Diretoria Cultural GERAL 1. OBJETIVOS

RN-019/01 RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) Diretoria Cultural GERAL 1. OBJETIVOS EMITENTE RESOLUÇÃO NORMATIVA (RN) Diretoria Cultural RN-019/01 APROVADA PELA DIRETORIA RN-019/00 17/11/2014 RN-019/01 11/ 2 /2015 ASSUNTO Acesso ao Recanto Infantil ABRANGÊNCIA GERAL 1. OBJETIVOS 1.1 Disciplinar

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO EXTRACURRICULAR ENFERMAGEM

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO EXTRACURRICULAR ENFERMAGEM SELEÇÃO PARA ESTÁGIO EXTRACURRICULAR ENFERMAGEM - 2008 Áreas: Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Pediatria, Centro Cirúrgico, Pronto Socorro, Trauma, UTI, Semi-Intensiva, Oncologia, UTQ, CTI Pediátrico.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 10 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA HOSPITALAR Unidade Dias e

Leia mais

Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos. Instruções de TAXAS E DIÁRIAS Anexo III

Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos. Instruções de TAXAS E DIÁRIAS Anexo III TRE-SAÚDE Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos Instruções de TAXAS E DIÁRIAS Anexo III TRE-SAÚDE Tabela Própria para Convênios e Credenciamentos I. DO ATENDIMENTO 1. O atendimento é o ato de

Leia mais

Coordenador Geral dos Programas de Residência Médica. Coordenadora da COREME. Coordenador do Programa de Pediatria

Coordenador Geral dos Programas de Residência Médica. Coordenadora da COREME. Coordenador do Programa de Pediatria PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM PEDIATRIA Coordenador Geral dos Programas de Residência Médica Dr. Arnaldo Prata Barbosa Coordenadora da COREME Dra. Vanessa Soares Lanziotti Coordenador do Programa de

Leia mais

1ª fase: 27/08 6ª feira

1ª fase: 27/08 6ª feira COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Congregação das Missionárias Servas do Espírito Santo Rua Aristides Caire, 141 Méier Rio de Janeiro / RJ CEP: 20.775-090 Tel: 2281-5088 Fax: 2501-0811 E-mail: ssps@cicm.com.br

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ORTOPEDIA MULTIDISCIPLINAR Unidade Dias

Leia mais

Normas para utilização da área de Expurgo na Central de Esterilização da FOUFF-NF

Normas para utilização da área de Expurgo na Central de Esterilização da FOUFF-NF Normas para utilização da área de Expurgo na Central de Esterilização da FOUFF-NF De acordo com o exposto na página 13 do Manual de Normas e Biossegurança, os alunos devem calçar as luvas de limpeza, colocar

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ENTREGA MENSAL DE DOCUMENTAÇÃO DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS CAJAMAR SKF FÁBRICA JORANESIA C.D SKF CAJAMAR ICS EXTERNO -SF

PROCEDIMENTO PARA ENTREGA MENSAL DE DOCUMENTAÇÃO DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS CAJAMAR SKF FÁBRICA JORANESIA C.D SKF CAJAMAR ICS EXTERNO -SF PROCEDIMENTO PARA ENTREGA MENSAL DE DOCUMENTAÇÃO DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS CAJAMAR SKF FÁBRICA JORANESIA C.D SKF CAJAMAR ICS EXTERNO -SF ÍNDICE Dica! Para ler sobre um Tópico, clique na Página relacionada

Leia mais

Propomos o Protocolo Para Internação em Hospitais Estaduais de Referência Terciária para Tuberculose

Propomos o Protocolo Para Internação em Hospitais Estaduais de Referência Terciária para Tuberculose Considerando: O Manual Técnico de Controle da Tuberculose do Ministério da Saúde 2010; As Normas de Biossegurança constantes do Manual Técnico de Controle para Tuberculose MS 2010; O perfil Institucional

Leia mais

Anexo C. Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

Anexo C. Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Anexo C Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia O Curso de Especialização/ Estágios em Cardiologia constitui modalidade do

Leia mais

[Entrevistador: As questões deste módulo são dirigidas às mulheres que tiveram o último parto posteriores a / / )

[Entrevistador: As questões deste módulo são dirigidas às mulheres que tiveram o último parto posteriores a / / ) Módulo S. Atendimento Pré-natal Agora vou lhe fazer perguntas sobre o atendimento pré-natal. [Entrevistador: As questões deste módulo são dirigidas às mulheres que tiveram o último parto posteriores a

Leia mais

19 Encontro Distrital de Interact Clubs

19 Encontro Distrital de Interact Clubs 19 Encontro Distrital de Interact Clubs Tecnologia nos conectando ao Futuro O Interact Club de Santa Fé do Sul vem por meio desta, convidá-los para participar do 19 EDI, que se realizará nos dias 02 e

Leia mais

Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ)

Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ) Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ) Apresentação Inscrições abertas Objetivos Geral Habilitar o profissional de Enfermagem para o Atendimento e Desenvolvimento de ações de específicas em Emergência

Leia mais

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas.

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas. Setor: Escritório da Qualidade Pág. 1 de 10 Código:.QLD.NOR.002 Versão: 00 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3. SIGLAS UTILIZADAS... 2 4. GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5.

Leia mais

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D.

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD.indd 1 19/10/2015 15:30:04 Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD Objetivo: Fornecer suporte ao paciente para que

Leia mais

V MOSTRA DE DANÇA GUIDO VIARO

V MOSTRA DE DANÇA GUIDO VIARO V MOSTRA DE DANÇA GUIDO VIARO REGULAMENTO 1. DA ORGANIZAÇÃO, DA PROMOÇÃO E DA REALIZAÇÃO A V Mostra de Dança Guido Viaro é uma realização do Centro Estadual de Capacitação em Artes Guido Viaro, a quem

Leia mais

NORMAS INTERNAS DOS LABORATÓRIOS DE ENFERMAGEM

NORMAS INTERNAS DOS LABORATÓRIOS DE ENFERMAGEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DOS LABORATÓRIOS DE ENFERMAGEM Define as

Leia mais

NÚCLEO DE EMPREGABILIDADE I FEIRA DE EMPREGABILIDADE DO CARIRI 09 E 10 DE MAIO DE 2017

NÚCLEO DE EMPREGABILIDADE I FEIRA DE EMPREGABILIDADE DO CARIRI 09 E 10 DE MAIO DE 2017 MANUAL DO EXPOSITOR NÚCLEO DE EMPREGABILIDADE I FEIRA DE EMPREGABILIDADE DO CARIRI 09 E 10 DE MAIO DE 2017 Prezado Expositor: Este Manual foi elaborado para orientar e regulamentar sua participação na

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento. Relatório de Fiscalização CASE CARUARU Rua Presidente Castelo Branco, s/nº - Cidade Alta Caruaru Diretor técnico: não tem Telefone: (81) 3719 9433 Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento

Leia mais

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199;

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199; Resolução COFEN 292 / 2004 O Conselho Federal de Enfermagem, no uso de suas atribuições a que alude a Lei nº 5.905/73 e a Lei 7.498/86, e tendo em vista deliberação do Plenário em sua reunião ordinária

Leia mais

Debate com Aline Julião, Coordenadora de gestão estratégica e Participativa.

Debate com Aline Julião, Coordenadora de gestão estratégica e Participativa. Angra dos Reis, 15 de Agosto de 2016 Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama, acorda e põe a roupa de viver - Clarice Lispector (Trecho retirado da placa de identificação do programa saúde da mulher

Leia mais

VISITA MULTIDISCIPLINAR UTI

VISITA MULTIDISCIPLINAR UTI Pr02 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB,SRPT 1- Introdução A Unidade de Terapia Intensiva é um setor de alta

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento de Fisioterapia em Terapia Intensiva DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA DO IMIP RECIFE

Curso de Aperfeiçoamento de Fisioterapia em Terapia Intensiva DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA DO IMIP RECIFE Curso de Aperfeiçoamento de Fisioterapia em Terapia Intensiva DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA DO IMIP RECIFE OUTUBRO/2016 1 COMISSÃO ORGANIZADORA Doralice R. G. Lima (Chefe do departamento de Fisioterapia)

Leia mais

TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO PARA AUXILIAR DE FARMÁCIA FORTALEZA/CEARÁ

TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO PARA AUXILIAR DE FARMÁCIA FORTALEZA/CEARÁ 1. OBJETIVO TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO PARA AUXILIAR DE FARMÁCIA FORTALEZA/CEARÁ Treinar e capacitar auxiliares de farmácia e/ou pessoas com interesse na área que atuam ou desejam atuar em Farmácia Hospitalar.

Leia mais

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Gestão de Leitos Objetivo Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Contextualização Leitos de Retaguarda Núcleo de Acesso e Qualidade Hospitalar e Núcleo

Leia mais

CALENDÁRIO Início das Férias 11 a 22 - Capacitação Pedagógica 25 - Retorno às aulas

CALENDÁRIO Início das Férias 11 a 22 - Capacitação Pedagógica 25 - Retorno às aulas CALENDÁRIO 2016 Janeiro Fevereiro Março Abril 01 - Confraternização Universal 28 e 29 - Capacitação Pedagógica Ed. Infantil e E.F. I 01 - Início das aulas / 1º trimestre 08 e 09 - Carnaval 10 - Feriado

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DIABETES NAS ESCOLAS

CENTRO DE REFERÊNCIA DIABETES NAS ESCOLAS CENTRO DE REFERÊNCIA DIABETES NAS ESCOLAS Centro de Especialidades Médicas Santa Casa BH Rua Domingos Vieira, 416 Santa Efigênia BH - MG diabetesnasescolas@santacasabh.org.br CENTRO DE REFERÊNCIA DIABETES

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 4 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 10 Cronograma de Aulas Pág.11 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR BH Unidade Dias e

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA 1 NORMAS GERAIS DE ATENDIMENTO OBJETIVO Orientar os recursos credenciados no atendimento prestado aos usuários da Mogidonto e seus dependentes. 1. Cartão

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS CORAIS ADULTOS 06/2012- VI ENACOPI

INSTRUÇÕES AOS CORAIS ADULTOS 06/2012- VI ENACOPI INSTRUÇÕES AOS CORAIS ADULTOS 06/2012- VI ENACOPI RECEPÇÃO 1) A recepção aos coralistas será no HALL de entrada do TEATRO MUNICIPAL DR. LOSSO NETO, Av. Independência, 277, Centro, Piracicaba. Aconselhamos

Leia mais

Site: Rodovia PR 218 KM 01 CEP Tel./Fax: (43) Arapongas PR

Site:  Rodovia PR 218 KM 01 CEP Tel./Fax: (43) Arapongas PR Site: www.honpar.com.br Rodovia PR 218 KM 01 CEP 86702-670 Tel./Fax: (43) 3275-0200 Arapongas PR OBJETIVO O nosso objetivo é proporcionar a você ou ao seu familiar o máximo de informações valiosas que

Leia mais

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento

Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) Guia de Acolhimento Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) A UCCI presta cuidados continuados integrados a pessoas portadoras de doenças raras

Leia mais

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I

Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Normas e Procedimentos Escolares Ensino Fundamental I Buscando a plena qualidade no processo ensino-aprendizagem e possibilitando um melhor acompanhamento da vida escolar de seus filhos, procuramos especificar

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1 - Têm direito à Assistência Social, os associados e seus dependentes, nas condições previstas neste Regulamento.

REGULAMENTO. Art. 1 - Têm direito à Assistência Social, os associados e seus dependentes, nas condições previstas neste Regulamento. www.securitariosp.org.br SINDICATO DOS SECURITÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO Art. 1 - Têm direito à Assistência Social, os associados e seus dependentes, nas condições previstas neste Regulamento.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CAJATI ESTADO DE SÃO PAULO CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CAJATI ESTADO DE SÃO PAULO CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CAJATI ESTADO DE SÃO PAULO CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2013 Edital de Convocação para Provas Objetivas O Prefeito Municipal de Cajati, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA

Leia mais

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód

Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód DETALHAMENTO DO FLUXO Fluxo de elaboração e aprovação de POP s v.1 - Cód. 53610 POP: ATENDIMENTO AO TELEFONE Requisitante: Bibiana Pereira (bibiana) PASSO A PASSO DO FLUXO Cód. Tarefa Início Conclusão

Leia mais

REGULAMENTO DE CERT IFICAÇÃO UNIDADE FISCO-CONTÁBIL VIASOFT

REGULAMENTO DE CERT IFICAÇÃO UNIDADE FISCO-CONTÁBIL VIASOFT REGULAMENTO DE CERT IFICAÇÃO UNIDADE FISCO-CONTÁBIL VIASOFT 1 A CERTIFICAÇÃO Art. 1º A Viasoft Softwares Empresariais realizará nos meses de Março/Abril de 2014, nos dias 31/03, 01/04, 02/04, 03/04 e 04/04

Leia mais

PROGRAMA MELHOR EM CASA E A RESPONSABILIZAÇÃO DE FAMÍLIAS NO CUIDAR

PROGRAMA MELHOR EM CASA E A RESPONSABILIZAÇÃO DE FAMÍLIAS NO CUIDAR PROGRAMA MELHOR EM CASA E A RESPONSABILIZAÇÃO DE FAMÍLIAS NO CUIDAR Larissa Fernandes Telles (Acadêmica do 3 ano de Serviço Social), Suellen Mota Oliveira (Acadêmica do 3 de Serviço Social), Marília Dal

Leia mais

São Paulo, 30 de Agosto de Prezado cliente,

São Paulo, 30 de Agosto de Prezado cliente, São Paulo, 30 de Agosto de 2011. Prezado cliente, Por determinação da operadora SJOSE (Empresa São José Ltda), houve alteração de tecnologia no processo dos cartões. A partir de agora a operadora SJOSE

Leia mais

Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT. Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012

Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT. Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012 Diretrizes Assistenciais CHECKLIST CIRÚRGICO TIME OUT Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2012 Checklist Cirúrgico TIME OUT Introdução Dados do Institute of Medicine (IOM) estimam que cerca de 98.000

Leia mais

Total de questões: 50 Qtd Questões Nulas: 0 Nota Máxima Permitida: 100,00

Total de questões: 50 Qtd Questões Nulas: 0 Nota Máxima Permitida: 100,00 (006) - AUXILIAR DE ODONTOLOGIA Página: 1 01...A.....1.. 02...C.....1.. 04...D.....1.. 05...B.....1.. 08...A.....1.. 10...C.....1.. 11...A.....1.. 15...B.....1.. 18...B.....1.. 19...D.....1.. 20...C.....1..

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD.

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. Instituído pela Portaria nº 55 da Secretaria de Assistência a Saúde (Ministério da Saúde), é um instrumento legal que visa garantir, através do SUS, tratamento

Leia mais

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE

SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR DE OBESIDADE GRAVE Procedimento Operacional Padrão (POP) SERVIÇO DE PSICOLOGIA POP nº 04 PSI/HU Hospital Universitário Prof. Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina SERVIÇO DE ATENÇÃO AO PORTADOR

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril.

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. FINALIDADE Detectar e identificar a presença de microorganismos patogênicos

Leia mais