SUÉCIA Comércio Exterior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUÉCIA Comércio Exterior"

Transcrição

1 Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SUÉCIA Comércio Exterior Dezembro de 2014

2 Índice. Dados Básicos. Principais Indicadores Econômicos. Comércio Exterior. Intercâmbio Comercial com o Brasil

3 Dados Básicos A Suécia limita-se com o mar Báltico e com o Golfo de Bórnia, entre a Finlândia e Noruega. É o 56º país em extensão e possui os recursos naturais: minério de ferro, cobre, chumbo, zinco, ouro, prata, tungstênio, urânio, madeira e energia hidrelétria. A população de 9,64 milhões de habitantes em 2013 possui expectativa de vida de 81,8 anos. No ranking do IDH 2013 a Suécia posicionou-se no 8º lugar. Nome oficial Reino da Suécia Superfície Km 2 Localização Capital Principais cidades Idioma oficial Moeda População Norte da Europa Estocolmo Estocolmo, Gothenburg, Malmo, Uppsala, Linkoping, Orebro, Norrkoping, Jonkoping Sueco Krona 9,64 milhões de habitantes Taxa de desemprego 8,0% Expectativa de vida 81,8 anos Ranking IDH 12º Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base nas seguintes publicações: (1) IMF - World Economic Outlook Database, October 2014; (2) EIU, Economist Intelligence Unit, Country Report December 2014; (3) IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; e (4) UN/UNDP/Human Development Report 2014.

4 Principais Indicadores Econômicos (1) PIB Crescimento real 2,11% PIB nominal US$ 559,11 bilhões PIB nominal "per capita" US$ PIB PPP US$ 434,18 bilhões PIB PPP "per capita" US$ Origem do PIB (2013) Agricultura 2,0% Indústria 31,3% Serviços 66,8% Balanço de pagamentos Saldo em transações correntes US$ 31,76 bilhões Saldo da balança comercial de bens (janeiro-agosto) US$ 3,45 bilhões Outros indicadores Inflação (fim do período) 0,50% Câmbio (Skr / US$) 6,77 Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base nas seguintes publicações: (1) EIU, Economist Intelligence Unit, Country Report December 2014; (2) IMF - World Economic Outlook Database, October 2014; (3) UN/UNCTAD/ITC/Trademap December (1) Estimativas FMI e EIU. Com PIB nominal estimado em US$ 559,11 bilhões e crescimento de 2,11% em 2014, a Suécia posiciona-se como a 22ª economia do mundo. O setor de serviços é o principal ramo de atividade e respondeu por 66,8% do PIB em 2013, seguido do industrial com 31,3% e do agrícola com 2,0%. A Suécia apresentou, em 2014, estimativa de superávit em transações correntes de US$ 31,76 bilhões. O saldo da balança comercial de bens foi superavitário em US$ 3,45 bilhões entre janeiro e agosto de 2014.

5 Evolução do comércio exterior (1) US$ bilhões Anos Exportações Importações Intercâmbio comercial Saldo comercial (jan-ago) (jan-ago) Var. % ,8% 33,1% 30,3% n.c. Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados da UN/UNCTAD/ITC/Trademap, December (n.c.) Dado não calculado. 400 Exportações Importações Intercâmbio comercial Saldo comercial O comércio exterior da Suécia apresentou, em 2013, crescimento de 30,3% em relação a 2009, de US$ 251 bilhões para US$ 327 bilhões. No ranking da ONU/UNCTAD de 2013, a Suécia figurou como o 30º mercado mundial, sendo o 28º exportador e o 29º importador. O saldo da balança comercial apresentou-se superavitário em todo o período sob análise, totalizando em 2013 saldo positivo de US$ 8 bilhões.

6 Direção das Exportações US$ bilhões Descrição (1) Part.% no total Noruega 17,7 10,5% Alemanha 16,2 9,7% Finlândia 11,7 7,0% Dinamarca 11,2 6,7% Reino Unido 10,7 6,4% Estados Unidos 9,8 5,8% Países Baixos 8,8 5,2% Bélgica 8,0 4,8% França 7,4 4,4% China 6,0 3,6%... Brasil 1,4 0,9% Subtotal 108,9 65,0% Outros países 58,7 35,0% Total 167,6 100,0% Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados da UN/UNCTAD/ITC/Trademap, December principais destinos das exportações Noruega 10,5% Alemanha 9,7% Finlândia 7,0% Dinamarca 6,7% Reino Unido 6,4% Estados Unidos 5,8% Países Baixos 5,2% Bélgica 4,8% França 4,4% China 3,6% As vendas da Suécia são direcionadas em grande parte aos vizinhos europeus, que absorveram 71% do total em 2013; seguidos da Ásia com 13%; do continente americano com 9%; e da África com 2%. Individualmente, a Noruega foi o principal destino das vendas suecas com 10,5% do total em Seguiram-se: Alemanha (9,7%); Finlândia (7,0%); Dinamarca (6,7%); Reino Unido (6,4%) e Estados Unidos (5,8%). O Brasil posicionou-se no 20º lugar entre os compradores da Suécia, com 0,9% do total.

7 Origem das Importações US$ bilhões Descrição (1) Part.% no total Alemanha 27,8 17,4% Noruega 14,2 8,9% Dinamarca 12,9 8,1% Países Baixos 12,4 7,8% Reino Unido 9,6 6,0% Finlândia 8,6 5,4% Rússia 7,0 4,4% China 6,7 4,2% França 6,6 4,1% Bélgica 6,2 3,9%... Brasil 0,5 0,3% Subtotal 112,6 70,5% Outros países 47,0 29,5% Total 159,6 100,0% Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados da UN/UNCTAD/ITC/Trademap, December principais origens das importações Alemanha 17,4% Noruega 8,9% Dinamarca 8,1% Países Baixos 7,8% Reino Unido 6,0% Finlândia 5,4% Rússia 4,4% China 4,2% França 4,1% Bélgica 3,9% Os países da Europa são também os principais abastecedores do mercado sueco. Em 2013, somaram 83% do total, seguidos da Ásia com 11%; do continente americano com 7% e da África com 1%. O Brasil posicionou-se no 36º lugar entre os fornecedores do mercado sueco com 0,3% do total.

8 Composição das exportações US$ bilhões Descrição (1) Part.% no total Máquinas mecânicas 26,3 15,7% Máquinas elétricas 17,7 10,6% Automóveis 17,2 10,3% Combustíveis 13,1 7,8% Papel 10,7 6,4% Farmacêuticos 7,4 4,4% Ferro ou aço 6,6 3,9% Plásticos 6,0 3,6% Instrumentos de precisão 4,9 2,9% Madeira 4,4 2,6% Subtotal 114,2 68,2% Outros 53,4 31,8% Total 167,6 100,0% Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados da UN/UNCTAD/ITC/Trademap, December principais grupos de produtos exportados Outros 31,8% Máquinas mecânicas 15,7% Máquinas elétricas 10,6% Madeira 2,6% Instrumentos de precisão 2,9% Automóveis 10,3% Plásticos 3,6% Ferro ou aço 3,9% Farmacêuticos 4,4% Papel 6,4% Combustíveis 7,8% Na pauta das exportações da Suécia predominam máquinas e automóveis. Em 2013, as máquinas mecânicas (motores, computadores, aparelhos para aquecimento, reatores nucleares) somaram 15,7% do total, seguidas das máquinas elétricas (aparelhos para telefonia, transformadores, fios e cabos, aparelhos de TV, aparelhos para corte) com 10,6%; dos automóveis (partes e acessórios, carros de passeio, tratores, veículos para transporte de mercadorias) com 10,3%; dos combustíveis (óleo de petróleo refinado, energia elétrica, coques de petróleo e gás de petróleo) com 7,8%; e do papel com 6,4%.

9 Composição das importações US$ bilhões Descrição (1) Part.% no total Combustíveis 22,9 14,3% Máquinas mecânicas 20,6 12,9% Máquinas elétricas 18,5 11,6% Automóveis 15,2 9,5% Plásticos 5,6 3,5% Farmacêuticos 4,5 2,8% Ferro e aço 4,4 2,8% Instrumentos de precisão 4,3 2,7% Pescados 4,1 2,6% Obras de ferro ou aço 3,2 2,0% Subtotal 103,3 64,7% Outros 56,4 35,3% Total 159,6 100,0% Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados da UN/UNCTAD/ITC/Trademap, December principais grupos de produtos importados Outros 35,3% Combustíveis 14,3% Máquinas mecânicas 12,9% Obras de ferro ou aço 2,0% Pescados 2,6% Máquinas elétricas 11,6% Instrumentos de precisão 2,7% Ferro e aço 2,8% Farmacêuticos 2,8% Plásticos 3,5% Automóveis 9,5% Os produtos com alto valor agregado foram os principais itens importados pela Suécia. Em 2013, os combustíveis (óleo bruto de petróleo, óleo refinado, energia elétrica, hulhas e coques e gás de petróleo) foram o principal grupo de produtos da pauta e representaram 23,4% do total. Seguiramse: máquinas mecânicas (computadores, árvores de transmissão, impressoras, bombas para líquidos) com 11,8%; máqunas elétricas (aparelhos de telefonia, transformadores elétricos, fios e cabos, circuitos integrados e aparelhos de TV) com 8,3%; e automóveis (carros de turismo, partes e acessórios, veículos para transporte de mercadorias) com 6,7%.

10 Evolução do intercâmbio comercial com o Brasil US$ milhões, fob Anos Exportações Importações Intercâmbio Comercial Valor Var.% Valor Var.% Valor Var.% Saldo ,9% ,4% ,9% ,6% ,6% ,3% ,9% ,9% ,6% ,7% ,6% ,2% ,4% ,5% ,8% (jan-nov) ,4% ,2% (+) (jan-nov) 405 5,0% ,3% ,4% Var. % ,6% 80,0% 72,0% n.c. Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados do MDIC/SECEX/Aliceweb, December (+) Variação superior a 1.000%. (n.c.) Dado não calculado A Suécia foi o 38º parceiro comercial brasileiro, com participação de 0,5% no comércio exterior brasileiro em Entre 2009 e 2013, o intercâmbio comercial brasileiro com o país cresceu 72%, de US$ 1,4 bilhão para US$ 2,4 bilhões. Nesse período, as exportações aumentaram 43,6% e as importações, 80%. O saldo da balança comercial, desfavorável ao Brasil em todo o período, registrou déficit de US$ 1,5 milhão em Exportações Importações Intercâmbio Comercial Saldo

11 Exportações e importações brasileiras por fator agregado 2014 (janeiro-novembo) Exportações Manufaturados 35,0% Básicos 53,9% As exportações brasileiras para a Suécia são compostas, em sua maior parte, por produtos básicos, que representaram 53,9% do total em janeironovembro de 2014, com destaque para café cru, carnes, minério de cobre. Os manufaturados posicionaram-se em seguida com 35% (máquinas, automóveis, plásticos e preparações de carnes) e os semimanufaturados com 11,2% (madeira serrada). Semimanufatur ados 11,2% Importações Semimanufatur ados 2,0% Os produtos manufaturados somaram a quase totalidade das importações brasileiras procedentes da Suécia entre janeiro e novembro de 2014, representados, sobretudo, por máquinas, automóveis, produtos farmacêuticos e instrumentos de precisão. Os básicos posicionaram-se em seguida com 2,0%. Manufaturados 98,0% Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados do MDIC/SECEX/Aliceweb, December 2014.

12 Composição das exportações brasileiras US$ milhões, fob Descrição Valor Part. % no total Café ,6% Minérios ,0% Máquinas elétricas ,2% Máquinas mecânicas ,4% Carnes ,5% Automóveis ,8% Ferro e aço ,1% Plásticos ,7% Madeira ,4% Preparações de carnes ,0% Subtotal ,7% Outros produtos ,3% Total ,0% Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados do MDIC/SECEX/Aliceweb, December Principais grupos de produtos exportados pelo Brasil Café 23,6% Minérios 20,0% Máquinas elétricas Máquinas mecânicas Carnes Automóveis Ferro e aço 6,5% 5,8% 5,1% 9,4% 12,2% Plásticos Madeira Preparações de carnes 2,7% 2,4% 2,0% Café cru em grãos foi o principal produto brasileiro exportado para a Suécia, representando 23,6% do total em Seguiram-se: minérios (de cobre) com 20%; máquinas elétricas (circuitos impressos, motores e suas partes) com 12,2%; máquinas mecânicas (blocos de cilindros, cabeçotes de motores, partes de máquinas para trabalhar minérios) com 9,4%; carnes (bovina) com 6,5%; e automóveis (partes para tratores) com 5,8%.

13 Composição das importações brasileiras US$ milhões, fob Descrição Valor Part. % no total Máquinas mecânicas ,7% Automóveis ,1% Máquinas elétricas ,5% Farmacêuticos ,6% Ferro e aço ,2% Instrumentos de precisão ,9% Obras de ferro ou aço ,1% Papel ,3% Ferramentas ,1% Plásticos ,1% Subtotal ,4% Outros produtos ,6% Total ,0% Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados do MDIC/SECEX/Aliceweb, December Principais grupos de produtos importados pelo Brasil Máquinas mecânicas 33,7% Automóveis 24,1% Máquinas elétricas Farmacêuticos Ferro e aço Instrumentos de precisão Obras de ferro ou aço Papel Ferramentas Plásticos 6,5% 5,6% 5,2% 4,9% 3,1% 2,3% 2,1% 2,1% Máquinas mecânicas foram o principal grupo de produtos importado pelo Brasil. Em 2013, as máquinas mecânicas (secadores para madeiras, caixas de transmissão, redutores de velocidade, cabeçotes para motores, máquinas para fabricar pasta de celulose) somaram 33,7%; seguidas de automóveis (caixas de marcha, partes e acessórios, partes de motores) com 24,1%; máquinas elétricas (circuitos impressos, interruptores, aparelhos para telefonia) com 6,5%; e produtos farmacêuticos (medicamentos) com 5,6%.

14 Composição do intercâmbio comercial (dados parciais) US$ milhões, fob DESCRIÇÃO (jan-nov) Part. % no total (jan-nov) Part. % no total Exportações Café 94 24,4% ,7% Minérios 57 14,8% 77 19,0% Máquinas mecânicas 40 10,4% 44 10,9% Ferro e aço 21 5,4% 43 10,6% Máquinas elétricas 50 13,0% 37 9,1% Carnes 26 6,7% 29 7,2% Automóveis 25 6,5% 15 3,6% Madeira 10 2,6% 8 2,0% Plásticos 10 2,6% 7 1,7% Calçados 5 1,3% 6 1,6% Principais grupos de produtos exportados pelo Brasil Café 108,0 Minérios 77,0 Máquinas mecânicas Ferro e aço Máquinas elétricas 44,0 43,0 37,0 Carnes 29,0 Automóveis 14,6 Madeira 8,0 Subtotal ,6% ,4% Outros produtos 48 12,4% 31 7,6% Total ,0% ,0% Plásticos Calçados 7,0 6,4 Principais grupos de produtos importados pelo Brasil Importações Máquinas mecânicas ,0% ,2% Automóveis ,8% ,9% Máquinas elétricas 122 6,6% 97 6,4% Farmacêuticos 97 5,3% 92 6,0% Ferro e aço 97 5,3% 83 5,4% Instrumentos de precisão 89 4,8% 60 3,9% Papel 41 2,2% 47 3,1% Obras de ferro ou aço 59 3,2% 42 2,8% Plásticos 38 2,1% 36 2,4% Ferramentas 39 2,1% 31 2,0% Máquinas mecânicas Automóveis Máquinas elétricas Farmacêuticos Ferro e aço Instrumentos de precisão Papel Obras de ferro ou aço 97,0 92,0 83,0 60,0 47,0 42,0 334,0 522,0 Subtotal ,4% ,2% Outros produtos 177 9,6% ,8% Total ,0% ,0% Plásticos Ferramentas 36,0 31,0 Elaborado pelo MRE/DPR/DIC - Divisão de Inteligência Comercial, com base em dados do MDIC/SECEX/Aliceweb, December 2014.

JAPÃO Comércio Exterior

JAPÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC JAPÃO Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

LÍBANO Comércio Exterior

LÍBANO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LÍBANO Comércio Exterior Junho de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

GUIANA Comércio Exterior

GUIANA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC GUIANA Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

NEPAL Comércio Exterior

NEPAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NEPAL Comércio Exterior Fevereiro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

BELIZE Comércio Exterior

BELIZE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BELIZE Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA Ministério das Relações Exteriores MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos DPR Divisão de Inteligência Comercial DIC SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS BRASIL x CHINA

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

PAPUA NOVA GUINÉ Comércio Exterior

PAPUA NOVA GUINÉ Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAPUA NOVA GUINÉ Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Junho de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL BALANÇA COMERCIAL Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Indicadores Sócioeconômicos dos Países do Mercosul 2010 BRASIL ARGENTINA PARAGUAI URUGUAI PIB (US$ bi) 2.090,3 370,3 18,5 40,3

Leia mais

ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior

ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

GRÉCIA Comércio Exterior

GRÉCIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC GRÉCIA Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores Econômicos

Leia mais

LIBÉRIA Comércio Exterior

LIBÉRIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIBÉRIA Comércio Exterior Setembro de 2015 Tabela 1 Principais

Leia mais

Dezembro 2014 São Paulo, 21 de janeiro de SUPERÁVIT ANUAL COM A CHINA É O MENOR DOS ÚLTIMOS SEIS ANOS

Dezembro 2014 São Paulo, 21 de janeiro de SUPERÁVIT ANUAL COM A CHINA É O MENOR DOS ÚLTIMOS SEIS ANOS Dezembro 2014 São Paulo, 21 de janeiro de 2015. SUPERÁVIT ANUAL COM A CHINA É O MENOR DOS ÚLTIMOS SEIS ANOS Apesar do saldo superavitário com a China, 2014 registrou o menor saldo positivo com o parceiro

Leia mais

NOTA TÉCNICA CHINA. Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA

NOTA TÉCNICA CHINA. Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA NOTA TÉCNICA CHINA Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/. Brasil Gráfico 1. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA Balança Comercial Brasil X China 40.616 37.345 35.608 30.719 US$ 2014

Leia mais

Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011

Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011 Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011 Saldo comercial aumenta em função das altas cotações das commodities No ano de 2011, as exportações em valor cresceram 26,8%, em relação ao ano de 2010.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Bélgica. Período: 2010 a 2015*

NOTA TÉCNICA. Bélgica. Período: 2010 a 2015* NOTA TÉCNICA Bélgica Período: 2010 a 2015* *de 2010 a 2014 foram considerados valores em US$ de janeiro a dezembro. Para 2015 foram considerados os valores em US$ acumulados entre janeiro e agosto do ano

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Sudão COMERCIO EXTERIOR

Sudão COMERCIO EXTERIOR Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Sudão COMERCIO EXTERIOR JANEIRO / 2014 SUDÃO Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL Estados Associados* 2010-2014 * Mercado Comum do Sul Estados Associados é composto por República do Chile, República da Colômbia, República do Equador, República Cooperativa da Guiana,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Agosto

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares 1 BALANÇA COMERCIAL GOIÁS OUTUBRO 2015 US$ FOB MÊS EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES SALDO OUTUBRO/2015 516.095.546 262.729.719 253.365.827 2 EVOLUÇÃO DA

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009 As exportações chinesas e o impacto na Zona Franca de Manaus FIAM 2009 Modelo econômico de desenvolvimento chinês P d Produção para exportação China A retração do mercado americano e europeu As alternativas

Leia mais

Associação Latino-Americana de Integração Comércio Exterior

Associação Latino-Americana de Integração Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Associação Latino-Americana de Integração Comércio Exterior Outubro

Leia mais

Perfil País. Moçambique

Perfil País. Moçambique Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de maio de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

Comunidade do Caribe CARICOM

Comunidade do Caribe CARICOM Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Comunidade do Caribe CARICOM Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

LIGA ÁRABE Comércio Exterior

LIGA ÁRABE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIGA ÁRABE Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Ago/2016 Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2015 FOB - US$ 270,4

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16 jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16-559 -457-490 -395-386 -404-359 -380-436 -327-226 -113 I Resultados Mensal: -14,22% Acum.

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios Sudão do Sul Guia de Negócios Sudão do Sul Guia de Negócios SUDÃO

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14 dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14-1.067-914 -822-869 -707-761 -829-928 -678-749 -708-528 I Resultados Mensal: -30,3% Acum.

Leia mais

São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral

São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral São Tomé e Príncipe - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre São Tomé e Príncipe Área (km 2 ): 1.001 Primeiro-Ministro: Gabriel Costa População (milhares hab.): 186,817 (estimativa

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15 abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15-822 -869-928 -761-829 -678-749 -708-748 -537-482 -349 I Resultados Mensal: -31,9% Acum. Ano:

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Panorama Econômico e Desempenho Setorial 2009 Apresentação Fundada em 1963, a Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da França,

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da França, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

O cenário econômico internacional e o. comércio exterior dos produtos. transformados de plástico

O cenário econômico internacional e o. comércio exterior dos produtos. transformados de plástico O cenário econômico internacional e o comércio exterior dos produtos transformados de plástico Agosto/2009 Associação Brasileira da Indústria do Plástico A CRISE MUNDIAL O ano de 2008 foi marcado pelo

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO / Balança Comercial

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO / Balança Comercial ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO - 2010/2009 1- Balança Comercial Mato Grosso registrou até novembro desse ano, um superávit acumulado na Balança Comercial de US$ 6,95 bilhões,

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014 No ano de 2014, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 51,46 bilhões (22,9% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015)

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015) Informação Geral sobre o Laos Área (km 2 ): 236 800 Primeiro-Ministro: Thongloun Sisoulith População (milhões hab.): 7,0 (estimativa 2015) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

Turquia - Síntese País

Turquia - Síntese País Informação Geral sobre a Turquia Área (km 2 ): 783 562 Primeiro-Ministro: Binali Yildirim População (milhões hab.): 76,7 (estimativa 2015) Risco de crédito: 4 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice.

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007 M A C R O C H I N A Ano Nº 7 7 de fevereiro de 7 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Consolidado de. Em, a China registrou o maior crescimento anual

Leia mais

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS R E P Ú B L I C A P O P U L A R D A C H I N A

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS R E P Ú B L I C A P O P U L A R D A C H I N A MRE - Ministério das Relações Exteriores DPR - Departamento de Promoção Comercial DIC - Divisão de Informação Comercial DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES R E P Ú B L I C A P O P U L A R D A C H I

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Joseph R. Biden População (milhões hab.): 321,3 (2015) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA = risco

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Guia de Negócios.

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Guia de Negócios. Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios Eritreia Guia de Negócios Eritreia Guia de Negócios SUMÁRIO DADOS

Leia mais

Desindustrialização + Desnacionalização. Um Risco à Soberania...

Desindustrialização + Desnacionalização. Um Risco à Soberania... Desindustrialização + Desnacionalização Um Risco à Soberania... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 SETOR INDUSTRIAL DE MT QUEM SOMOS INDICADOR MT INDÚSTRIA % FONTE Número de empresas (Dez/2010) 70.877 9.126 13% RAIS 2010 VAB (Produção)

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR DO TOCANTINS 1º Trimestre 2016

COMÉRCIO EXTERIOR DO TOCANTINS 1º Trimestre 2016 1. BALANÇA COMERCIAL DO TOCANTINS 97.051.268 Exportação Importação O Saldo da Balança Comercial (exportação importação) se manteve positivo, sendo 67% superior ao mesmo período de 55.371.631 2015. 25.178.948

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 16 de dezembro de 2016 A Diretoria Regional do CIESP de Mogi

Leia mais