2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)"

Transcrição

1 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha empresas em 2004, ocupando a 1ª posição nos OPMNM com um peso sectorial 2004 de 42,5% e 2,5% na estrutura do nº empresas da indústria transformadora nacional. Foi o subsector maior criador líquido de empresas OPMNM, entre os anos 1999 e 2004, com uma variação de +220 empresas (+12,3%), uma média de empresas [máximo 2002 = ; mínimo 2001 = 1.738],. Predominam as microempresas dado cada empresa ter tido em média 8 trabalhadores [máximo = 8 ; mínimo = 7]. As PME são predominantes no trabalho da pedra em termos comunitários (~99%). Página 197 de 296

3 O trabalho da pedra empregava trabalhadores em 2004, em Portugal, sendo o 2º subsector OPMNM maior empregador, tendo criado 978 empregos desde 1999, justificado pela variação líquida de empresas em operação [taxa de variação 2004/1999 = +7% ao ritmo médio anual de 1,4%] e passou de um peso de: o 19% do emprego dos OPMNM para 24,3%; o 1,4% do emprego da indústria transformadora para 1,7%. b) Sistemas de Gestão da Garantia da Qualidade e Gestão Ambiental das empresas do Trabalho da Pedra O subsector de trabalho da pedra com empresas tinha com registo de certificação no IPAC: o 22 com certificação do Sistema de Gestão da Garantia da Qualidade da Empresa de acordo com as NP-EN-ISO 9001:2000 1,1% das empresas certificáveis ~12% do total de certificações dos OPMNM; o 2 com certificação NP-EN-ISO 14001:2004. Página 198 de 296

4 c) Capacidade Instalada e Nível de Produção do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra, (CAE 267): o inclui as operações realizadas fora das pedreiras de serragem dos blocos extraídos, corte em diferentes dimensões, polimento, acabamento, selecção e embalagem; o abrange os artigos com base nas rochas ornamentais (mármores e granitos), outras rochas e pedras e em ardósia, com origem nos recursos geológicos não metálicos extraídos nas pedreiras, muitas das quais situadas em Portugal, onde existem boas reservas; o integra 3 principais famílias de produtos: pedra de cantaria/construção ; pedra para calcetar ; ardósia natural trabalhada. o distingue-se pelos artigos poderem ser comercializados com maior ou menor integração de fases de transformação. Na Europa a produção do subsector trabalho da pedra é maioritariamente liderado pela Itália, Espanha e Portugal e na Ásia pela China e Índia. No caso italiano a liderança é feita, também, pela sua organização industrial a montante e a jusante actuando sobre os factores propiciadores de um mais acentuado valor dos produtos através da marca, design, capacidade de resposta aos clientes, controle da rede de comercialização / distribuição, fornecimento dos bens de equipamento associados à actividade. A taxa média de evolução anual do índice de produção na U E-25 do trabalho da pedra foi: o crescimento de 2,3% entre ; o decrescimento de 1,9% entre Página 199 de 296

5 O trabalho da pedra nacional teve uma produção média de 591 milhões e teve uma evolução oscilante mas, decrescente com uma redução de -21 milhões no período , tendo passado de 600 milhões em 1999 para 580 milhões em 2004, reduzindo a sua importância relativa em valor de 13,6% para 12,8% nos OPMNM e na indústria transformadora de 0,97% para 0,87%,caracterizando-se por: o produção máxima 2001 = 614 milhões ; o produção mínima 2002 = 566 milhões ; o variação produção de -3,5% em 6 anos mas, a um ritmo médio de -0,7% ao ano que foi inferior a menos de metade do da U E; o a maior variação relativa (base valor) verificou-se entre 2003/2002 com +2%; o a menor variação relativa (base valor) ocorreu entre 2002/2001 com -7,8%. A produção média por trabalhador, em valor, do trabalho da pedra foi de , tendo passado dos em 1999 para os em 2004, sendo decrescente a 2% ao ano, havendo uma criação líquida de PT no subsector a um ritmo anual de +1,4% e um decrescimento médio anual da produção em valor absoluto de -0,7%. O mínimo da produção média por trabalhador no período verificou-se em 2002, ano em que foram criados 764 PT líquidos, acompanhados por um decréscimo de 48 milhões no valor da produção entre 2002/2001. A produção média por empresa foi de 312 mil, tendo atingido o seu pico máximo de 353 mil em 2001, tendo ocorrido nesse ano a redução líquida de 164 das empresas do trabalho da pedra existentes em 2000, acompanhado do máximo do valor da produção do período. A trajectória 2004/1999 foi de decrescimento do valor da produção média por unidade empresarial, passando dos 337 mil em 1999 para os 289 mil em 2004, equivalente a uma variação de quase -15% no período (-3% ao ano). Página 200 de 296

6 A grande queda da produção do subsector do trabalho da pedra verificada em 2002 e seguintes em relação aos valores dos anos anteriores tem confirmação através da análise quantitativa e em valor dos minérios não metálicos associados que constituem as suas matérias-primas a serem transformadas (desenvolvido em ponto posterior). Página 201 de 296

7 d) Volume de Negócios do Trabalho da Pedra O consumo do subsector trabalho da pedra destina-se à construção, monumentos, arte funerária, pavimentos, estradas e outros fins. A maior procura mundial tem origem na construção civil e obras públicas. A relação entre a produção do subsector de trabalho da pedra e o VN médios no período foi de 97,5%, com uma máxima em 2001 (99,1%) e mínima em 2003 (95,9%). Página 202 de 296

8 O VN 2004 da actividade portuguesa de trabalho da pedra representou 599 milhões, variou -15,5 milhões entre 2004/1999 a uma taxa média de -0,5 % ao ano, pesando em 2004: o 0,83% na indústria transformadora [taxa de variação 1999/2004 = -12,6%, passando de 0,94% em 1999 para 0,83% em 2004]; o 12,39% na estrutura do sector de OPMNM [taxa de variação 1999/2004 = -6,1%, passando de 13,2% em 1999 para 12,39% em 2004]. Mais de 2/3 (70,4%) do VN do subsector do serragem, corte e acabamento da pedra foi em 2004 absorvido pelo mercado nacional, 16,5% teve como destino a U E e 13,1% os Países Terceiros. Página 203 de 296

9 e) Exportações / Importações / Saldo da Balança Comercial com o Exterior / Taxa de Cobertura das Importações pelas Exportações do Trabalho da Pedra A exportação do subsector trabalho da pedra (267) caracterizou-se por: o ocupar a 5ª posição e pesar 7% na exportação OPMNM mundial 2004 ; o ter tido no universo da U E-25, em 2004, um excedente da balança comercial com os países não comunitários de 540 milhões, destacando-se a Itália como o país maior exportador com uma quota superior a 50% e o maior importador com uma parcela que excedeu os 20%; o posicionar-se em 4º lugar com 12,8% na exportação nacional de OPMNM, traduzindo-se no subsector dos OPMNM portugueses com a maior expressão relativa no comércio internacional, representando 2,65% das exportações mundiais; o a distribuição, em 2005, das exportações nacionais pelos produtos do subsector face ao seu peso nos OPMNM demonstram a importância da pedra de cantaria / construção, cabendo: 10% à pedra de cantaria/construção, com uma média de 118 milhões, um máximo 2001 = 136 milhões, um mínimo 1996 = 103 milhões, uma taxa de variação 2005/1996 = +15,4% e uma taxa de variação média anual = +1,6%; 2,6% à pedra para calcetar, com uma média de 35 milhões, um máximo 2000 = 48 milhões, um mínimo 2002 = 27 milhões, uma taxa de variação 2005/1996 = -1,1% e uma taxa de variação média anual = -0,1%; 0,2% à ardósia natural trabalhada, com uma média de 1,7 milhões, um máximo 2005 = 2,2 milhões, um mínimo 1998 = 0,9 milhões, uma taxa de variação 2005/1996 = +88,3% e uma taxa de variação média anual = +7,3%; o houve flutuações positivas e negativas da procura externa nas 3 famílias de produtos portugueses deste subsector ao longo do período , sendo que as taxas de variação média anual no período se encontram no intervalo [+7,3% ; -0,1%] e que a maior procura se concentrou na pedra de cantaria/construção com 78% do subsector, a que se seguiram a pedra para calcetar (20,5%) e a ardósia natural trabalhada (1,5%); Página 204 de 296

10 o ter-se posicionado como o 2º subsector quanto ao saldo comercial 2005 dos OPMNM, contribuindo com +26%, tendo tido nos 10 anos sempre saldos positivos da balança comercial com o exterior, sendo o saldo médio do período de aprox. 123 milhões, o máximo 2000 = +145M e um mínimo 2002 = +110M ); o ter tido em 2005 a melhor das taxas de cobertura subsectoriais com 401%, não obstante a degradação dessa relação verificada desde 1997; o destacou-se em 2005 a taxa de cobertura da pedra para calcetar, embora este produto não possua a maior expressão em valor absoluto no subsector. f) Preços do Trabalho da Pedra Não foram obtidos dados desagregados que permitam analisar os preços praticados do subsector do trabalho da pedra. Página 205 de 296

11 g) Custos Operacionais e Resultados Operacionais do Trabalho da Pedra As matérias-primas que foram alvo de transformação e que constituem as rochas ornamentais caracterizaram-se no período da forma que se explicita nos pontos seguintes. o Os mármores e calcários produzidos pesaram no total da produção de rochas ornamentais : 27,5% em quantidade, tendo ocorrido um máximo de tons. em 2000 e uma variação de -14,2% entre 2005/1999; 48,5% em valor, verificando-se um máximo de 84 milhões em 2001, e uma variação de +1,5% entre 2005/1999, dada a apreciação de +18,3% dos valores médios unitários; o Os granitos e similares, inversamente após a queda de 2002 tiveram uma recuperação imediata, alcançando em 2005 a sua melhor produção e representaram: 19,1% em quantidade, tendo ocorrido um máximo de tons. em 2005 e uma variação de +38,9% entre 2005/1999; Página 206 de 296

12 18,6% em valor, verificando-se um máximo de 33 milhões em 2005, e uma variação de +17,4% entre 2005/1999, tendo os valores médios unitários depreciado - 15,5%. o A pedra para calçada e a pedra rústica tiveram oscilações, nunca voltando a atingir os seus máximos quantitativos de 2001, não obstante o valor da produção ter continuado a crescer dada a apreciação dos seus valores unitários, que foi de +7,8% na pedra para calçada mas, mais notória no caso da pedra rústica (+34,1%) e constituíram, respectivamente: 40,9% em quantidade do conjunto das rochas ornamentais e 22,2% em valor; 11,2% em quantidade e 8% em valor. Página 207 de 296

13 o a ardósia e xisto representaram 1,2% em quantidade e 2,7% em valor do total das rochas ornamentais, tiveram o seu pico máximo quantitativo em 2000, um ano antes das restantes substâncias e o seu mínimo ocorreu em 2005, embora o valor da produção tenha continuado a crescer dada a apreciação dos valores médios unitários. Página 208 de 296

14 h) VAB Valor Acrescentado Bruto do Trabalho da Pedra Quanto ao trabalho da pedra, que inclui a serragem, corte e acabamento da pedra, o VAB comunitário 2002 gerado foi de ~ 5,5 biliões, representando quase 8% do VAB OPMNM e 0,3% do VAB total da indústria transformadora da U E-25, para o qual os Estados - Membros que pesaram ~2/3 no VAB do subsector foram a Itália (28,1%), Espanha (20,8%) e Alemanha (16,7%). Portugal é um dos países mais especializados neste domínio, conjuntamente com Chipre, Espanha e Itália, tendo o subsector português de trabalho da pedra contribuído com 4% para o VAB gerado pelo subsector comunitário em Quanto à comparação estrutural U E-25 / Portugal, verificamos que o subsector português de trabalho da pedra teve um peso de 12% no VAB gerado nos OPMNM em 2002, estando acima da respectiva média comunitária de 8%. O VAB 2004 pm criado em Portugal no subsector do trabalho da pedra teve um acréscimo de 26,3 milhões ou seja, registou uma taxa de variação de +12,8% em relação a 1999 (ritmo de variação anual +2,4%), tendo passado de 206,2 milhões em 1999 para 232,5 milhões em 2004, caracterizando-se por: o significar 13,8% do VAB 2004 do sector OPMNM (ritmo de variação anual +4,3%); o representar 1,2% do VAB da indústria transformadora (ritmo de variação anual +0,9%). Página 209 de 296

15 O VAB / VN no subsector trabalho da pedra nacional foi em média de 36,9%, com um máximo de 38,8% em 2004 e um mínimo de 33,6% em 1999 (taxa de variação média anual +3%). Página 210 de 296

16

17 i) Investimento Bruto em Bens Tangíveis do Trabalho da Pedra No subsector do trabalho da pedra o investimento médio anual foi de ~49 milhões e caracterizou-se por: o máximo 2000 = ~66 milhões ; o mínimo 2002 = ~36 milhões ; o variação = -17 milhões ; o taxa de variação 2004/1999 = -31%; o ritmo médio anual 2004/1999 = -7,2%; o peso nos OPMNM 2004 = 12%; o peso na indústria transformadora 2004 = 1,8%. O investimento face ao respectivo VN no trabalho da pedra foi em média de 8,1% ou seja, 1,4 pontos percentuais acima da média dos OPMNM [máximo 2000 = 10,5% ; mínimo 2002 = 6,2% ; taxa de variação 2004/1999 = -29% ; ritmo médio anual 2004/1999 = -6,7%]. O investimento face ao VAB médio anual gerado no trabalho da pedra foi de 22%, cerca de 4,2 pontos percentuais acima da média dos OPMNM [máximo 2000 = 28,2% ; mínimo 2002 = 16,1% ; taxa de variação 2004/1999 = -39% ; ritmo médio anual 2004/1999 = -9,4%]. Página 211 de 296

18 j) Rendibilidade Líquida Média do Trabalho da Pedra A rendibilidade média líquida das vendas anuais do período foi de +0,8%, bastante baixa em relação às respectivas médias anuais do sector OPMNM e da indústria transformadora nacionais e correspondeu a uma perda significativa de rendibilidade, verificada com a viragem do sentido positivo de +2% em 1999 para negativo de -0,83% em 2003 e de -0,54% em Página 212 de 296

19 k) Produtividade Aparente do Factor Trabalho do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra nacional foi em 2004 a 1ª actividade com menor produtividade absoluta e relativa por trabalhador nos OPMNM e inferior à da indústria transformadora portuguesa. Obteve um dos piores resultados em produtividade por trabalhador 2004/1999 e taxas de crescimento médio anual com uma variação absoluta = + 0,8 mil taxa crescimento médio anual = + 1,1%. A produtividade do trabalho da pedra nacional foi, normalmente, bastante inferior às médias de produtividade aparente do factor trabalho da U E-25. Página 213 de 296

20 l) Concorrência Pontos Fortes e Fracos - Oportunidades e Desafios do Trabalho da Pedra No subsector nacional do trabalho da pedra, neste caso as rochas ornamentais, as vantagens do reconhecimento da qualidade, know-how e diversidade da oferta não é reforçado pela cooperação empresarial que vise a resolução de desvantagens competitivas comuns como a dimensão, o envelhecimento e falta de mão-de-obra e respectiva qualificação, fraco domínio de mercados, design dos produtos e minimização dos impactos ambientais negativos. No subsector trabalho da pedra torna-se importante a procura empresarial conjunta de soluções que minimizem os custos e elevem o valor acrescentado dos processos de exploração, comercialização e logísticos como forma de enfrentar a ameaça de aumento da disseminação de pedras trabalhadas provenientes de países que competem mundialmente através, principalmente, dos baixos custos salariais. Página 214 de 296

2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265)

2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265) 2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265) 2.3. Subsectores CIMENTO E BETÃO (CAE 264-265) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Cimento e Betão O nº médio 1999-2004 de empresas no território

Leia mais

Contributos para o Conhecimento no Contexto Internacional do Sector OPMNM - Outros Produtos Minerais Não Metálicos

Contributos para o Conhecimento no Contexto Internacional do Sector OPMNM - Outros Produtos Minerais Não Metálicos Conttrri ibuttos parra o Conhecimentto no Conttextto Intterrnaci I ionall do Secttorr OPMNM -- Outtrros Prroduttos Miinerraiis Não Mettálliicos - Viddrroo ee Arrt tiggooss ddee Viddrroo - Prroodduut tooss

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

José Manuel Cerqueira

José Manuel Cerqueira José Manuel Cerqueira A Indústria cerâmica no contexto nacional A indústria portuguesa de cerâmica representou em 2013 um volume de negócios de 897,8 milhões de euros, um valor acrescentado bruto de 327,6

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Empresas em Portugal 2012

Empresas em Portugal 2012 Empresas em Portugal 2012 21 de março de 2014 Principais indicadores revelaram uma contração da atividade económica em 2012 com exceção das sociedades exportadoras Em 2012 existiam em Portugal 1 086 452

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

DIAGNÓSTICO COMPREENSIVO E PROPOSTA DE ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DA PEDRA NATURAL PORTUGUESA

DIAGNÓSTICO COMPREENSIVO E PROPOSTA DE ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DA PEDRA NATURAL PORTUGUESA DIAGNÓSTICO COMPREENSIVO E PROPOSTA DE ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DA PEDRA NATURAL PORTUGUESA Índice APRESENTAÇÃO 1 PARTE A DIAGNÓSTICO COMPREENSIVO 3 ECONOMIA E MARKETING DA PEDRA NATURAL

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Indicadores Económico Financeiros da Empresa e do Sector Ana Margarida de Almeida

Indicadores Económico Financeiros da Empresa e do Sector Ana Margarida de Almeida Indicadores Económico Financeiros da Empresa e do Sector Ana Margarida de Almeida TÓPICOS 1. Central de Balanços 2. Quadros da Empresa e do Sector 3. Estatísticas da Central de Balanços 4. Bases de dados

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português XI Jornadas Técnicas O Sector Marítimo Português Modernização e Inovação na Construção e Reparação Naval J. Ventura de Sousa e Filipe Duarte IST, 25 de Novembro de 2008 A Associação das Indústrias Marítimas

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013 11 Abril de 2013 No 1º trimestre de 2013, constata-se que o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente dos últimos trimestres, ou seja, o ritmo

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA AVISO N.º 05/ SI/ 2011 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO A metodologia de cálculo para selecção e hierarquização dos prs é baseada no indicador de Mérito do Pr

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA AVISO N.º 12 / SI/ 2012 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJETO A metodologia de cálculo para seleção e hierarquização dos projetos é baseada no indicador de Mérito do

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES INTRODUÇÃO PRODUÇÃO, PRODUTORES E ESCOAMENTO VALOR DA PRODUÇÃO PRINCIPAIS ESPÉCIES PARA COMERCIALIZAÇÃO MERCADOS, ENQUADRAMENTO MUNDIAL E

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal Eduardo Pereira (CCDRN) Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Galicia Norte de Portugal: uma grande região europeia transfronteiriça

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves Utilização da Central de Balanços na caracterização dotecido empresarial português Homero Gonçalves Quantas sociedades existem em Portugal? Central de Responsabilidades decrédito 260 mil INE Modelos 22

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Centro Internacional de Negócios da Madeira Um Instrumento de Política de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 de Março de 2013 Centro de Congressos de Lisboa A- A evolução e o comportamento do sector exportador superaram todas as previsões e análises prospectivas

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética A Importância da Eficiência Energética Ordem dos Engenheiros Lisboa, 17 de Dezembro de 2013 Principal Objectivo Apresentar alguns dados que caracterizam a nossa economia, do ponto de vista macro energético,

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO INOVAÇÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (PI 1.2, 3.1 E 3.3)

SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO INOVAÇÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (PI 1.2, 3.1 E 3.3) SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO INOVAÇÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (PI 1.2, 3.1 E 3.3) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 17 TIPOLOGIAS

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

IVº CongressoNacional dos Economistas. A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa

IVº CongressoNacional dos Economistas. A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa IVº CongressoNacional dos Economistas Lisboa,19-21 Outubro 2011 A Comunidade Portuguesa no Estrangeiro um Activo na Promoção Externa Fernanda Ilhéu e Catarina Casquilho Dias Importância do tema Equilibrar

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável. COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Forum Pólos de Competitividade e Clusters - 2011

Cluster Habitat Sustentável. COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Forum Pólos de Competitividade e Clusters - 2011 Cluster Habitat Sustentável COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Forum Pólos de Competitividade e Clusters - 2011 Victor Ferreira Porto 20/12/2011 Cluster Habitat Sustentável O cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Relatórios Informa D&B

Relatórios Informa D&B Relatórios Informa D&B RELATÓRIO COMPLETO Toda a informação sobre uma empresa, em comparação com o seu sector, para quem necessite de decidir com plena confiança. - Sumário executivo Novo - Avaliação de

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Apostar na cadeia de valor

Apostar na cadeia de valor Apostar na cadeia de valor 1 Apostar na cadeia de valor A Bosch acredita que uma parte do sucesso empresarial reside na capacidade de alterar e melhorar os processos dos seus fornecedores. Na visão da

Leia mais

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico

Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico Estatísticas da CPLP 23-21 12 de julho de 213 Comunidade de Países de Língua Portuguesa: breve retrato estatístico A população residente no conjunto dos oito países 1 da Comunidade de Países de Língua

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 01/SI/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 01/SI/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 01/SI/2015 SISTEMA DE INCENTIVOS INOVAÇÃO PRODUTIVA REFERENCIAL DE MÉRITO DO PROJETO REGIME CONTRATUAL DE INVESTIMENTO (RCI) 17 DE MARÇO DE 2015 Página

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010

ISSN 0872-9514. Empresas em Portugal 2010 ISSN 0872-9514 Edição 2012 2 FICHA TÉCNICA Título Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone: 21 842 61 00 Fax: 21 842 63 64 Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial O minério de ferro é abundante no mundo, porém as jazidas concentram-se em poucos países, sendo que apenas

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2012 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL. Dezembro 2013 14

ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL. Dezembro 2013 14 ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL Dezembro 2013 14 ANÁLISE DO SETOR AUTOMÓVEL Estudos da Central de Balanços Dezembro 2013 14 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS

Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS Máquinas- ferramentas AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2001, 156 empresas e 2323 trabalhadores, empregando, cada unidade de produção, em

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Comunicado de Imprensa Abril 2012 Empresa cresce e continua a investir C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Investimentos em atuais e novas lojas Aposta nas lojas on-line Aumento nas vendas de

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu

Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu Consulta - Serviços Especializados para a criação e dinamização de redes colaborativas Portugal Sou Eu março 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3. O Contexto Atual... 3 4. Objetivos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais