Edilson Aguiais Projetos e Análise Econômica e Financeira Perícia Judicial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edilson Aguiais Projetos e Análise Econômica e Financeira Perícia Judicial"

Transcrição

1 REQUERENTE: REQUERIDO: BANCO S/A NATUREZA: REVISIONAL Edilson Aguiais EDILSON GONÇALVES DE AGUIAIS, brasileiro, solteiro, economista, Perito Judicial, regularmente inscrito no Conselho Regional de Economia - CORECON da 18ª Região, seção Goiás, sob o número 2.337/D, inscrito no C.P.F./MF sob o número , com o endereço profissional indicado no rodapé desta, vem, respeitosamente, apresentar Laudo Técnico Revisional. LAUDO REVISIONAL 1. OBJETO A demanda refere-se à revisão de Crédito Direto ao Consumidor - CDC que versa acerca do FINANCIAMENTO com garantia real de VEÍCULO da Marca, Modelo, ano de fabricação 2010, cor ROSA, Cor ROSA, Chassi, que foi pactuado no dia 13/2/2011, conforme apresentado. 2. HISTÓRICO Para trabalho técnico utilizou-se o carnê com os boletos pagos, Contrato de Abertura de Crédito Veículos nº , além de documentos julgados pertinentes ao caso. Portanto, verifica-se: Contrato no valor de R$ 7.397,28 pactuado em 13/2/2011, para pagamento em 48 parcelas mensais, sendo o valor da primeira parcela de R$ 271,53, vencendo-se em 13/3/ /12

2 3. OBJETIVO DO LAUDO O presente Laudo Revisional busca apresentar as conseqüências da aplicação da Tabela Price, e seu efeito no contrato analisado. 4. CONSIDERAÇÕES SOBRE O CONTRATO ANALISADO De posse dos documentos em questão, verifica-se que o cliente financiou o veículo acima identificado por meio de Crédito Direto ao Consumidor - CDC concedido pelo Agente Financeiro BANCO PANAMERICANO S/A. De acordo com os cálculos solicitados pelo autor da ação, verifica-se que o mesmo vem pagando, desde março de 2011, um valor acima do que deveria pagar pela prestação referente ao FINANCIAMENTO do veículo descrito anteriormente. Consta nos documentos verificados que este contrato se deu com garantia fiduciária e outras avenças sendo estabelecido entre o mutuário e o mutuante o pagamento de R$ 7.397,28, dividido em 48 parcelas fixas de R$ 271,53 sendo a primeira vincenda em 13/3/2011 á taxa de 2,59999% ao mês, de acordo com o Sistema Price de Amortização. Assim, pela análise do Contrato percebe-se claramente que o sistema de amortização utilizado para o cálculo das prestações mensais e a evolução do saldo devedor adotado pelo agente financeiro é o Sistema Francês de Amortização, também denominado TABELA PRICE. 2/12

3 Este sistema consiste em um plano de amortização de uma dívida em prestações periódicas, iguais e sucessivas, sendo que cada parcela é composta de duas partes distintas: uma de juros e outra de amortização. O valor das prestações que foram fixadas no Contrato de Arrendamento importa em R$ 271,53 que foram calculadas conforme fórmula abaixo descrita, ou seja, conforme a fórmula dos JUROS COMPOSTOS. Sendo assim, percebe-se: PMT = PV. i. (1 + i)^n (1 + i )^n 1 Onde: PMT = Valor da parcela mensal; PV = Valor financiado; i = taxa de juros na forma unitária (*); n = prazo do financiamento; e ^ = sinal de eleva a (exponencial). PMT = 7.397,28 x 0, (1 + 0, ) ^ 48 (1 + 0, ) ^ 48 1 PMT = 271,53 Do mesmo modo, e sendo feito o mesmo cálculo para todas as prestações, elaborouse a TABELA 01 (EM ANEXO), que demonstra o valor das prestações pagas a JUROS COMPOSTOS bem como o seu saldo devedor. 3/12

4 5. A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS PELA ADOÇÃO DO SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO TABELA PRICE Os juros acordado pelas partes na conformação do contrato foram fixados em uma taxa anual de 2,59999%%, cujo o valor financiado importava em R$ 7.397,28 no prazo de 48 meses, adotando-se o Sistema Francês de Amortização Tabela Price. No item anterior, demonstra-se o cálculo da primeira prestação com base na Tabela Price (R$ 271,53) onde se observa que o valor encontrado na aplicação da fórmula da Tabela Price de juros compostos, de progressão geométrica ou CAPITALIZADA coincide com a prestação apresentada pelo BANCO PANAMERICANO S/A. Pelo Sistema Francês de Amortização, comumente denominado Tabela Price, as prestações têm valor uniforme desde o início até o fim da contratualidade. Neste sistema, que é utilizado normalmente para financiamentos de longo prazo, cada prestação mensal é calculada de maneira que parte dela paga os juros e parte amortiza o saldo devedor do principal da dívida, de modo que ao pagar a última prestação também estará quitado o saldo devedor que será igual a zero, ou próximo de zero em face de eventuais arredondamentos. É uma característica própria do Sistema Price que, no inicio do período os juros sejam a maior parte que compõe o valor da parcela e que a amortização seja a menor parte. A propósito, demonstra-se como a onerosidade da capitalização de juros no cálculo das prestações mensais no Sistema Price mediante o estudo efetuado por José Jorge Meschiatti Nogueira, em sua obra Tabela Price Da Prova Documental e Precisa Elucidação do seu Anatocismo, Editora Servanda, Campinas, 2002, cujo trabalho está baseado na consulta aos originais do livro de Richard Price, criador do sistema, com o título Observations on Reversionary Payments, editado nos anos de 1783 e 1803, onde o religioso inglês desenvolveu as TABELAS DE JUROS COMPOSTOS. 4/12

5 Desta forma, pela leitura da obra de Nogueira (2002) encontra-se fácil constatação da capitalização de juros ocorrida na Tabela Price. Assim, vejamos: O livro Observations on Reversionary Payments, de autoria do Dr. Richard Price, demonstra, com as devidas explicações do próprio autor a relação de quatro Teoremas ali propostos, com a explicação de juro composto (juro capitalizado, juros sobre juros ou ainda anatocismo) em seus sistema de pagamentos reversíveis e parcelados. É importante destacar que Price elaborou suas tabelas de juros compostos a pedido da Society for Equitable Assurance on Live (p. 174, vol. I, Ed. 1803), com a finalidade de estabelecer um método de pagamento para seguro de vida e aposentadorias que acabou sendo usado por seguradoras do mundo todo até hoje. No caso do Brasil, sua maior utilização dá-se até agora, na área de financiamento de bens de consumo e do Sistema Financeiro de Habitação. O livro ora referenciado e que apresentamos neste trabalho esclarece definitivamente pelos escritos do próprio autor que suas Tabelas, ou seja, as Tabelas de Price, tais como eles as denominou (Tables of Compound Interest) são de Juros Composto. Destaco que somente no Brasil essas tabelas são conhecidas por Tabela Price, referenciando seu autor porque, se fossem conhecidas como o próprio autor denominou, invariavelmente isso implicaria a informação de que são balizados na capitalização de juros, o que seguramente levaria a questionamentos jurídicos fundamentados no Decreto de Usura /33 e na Súmula 121/STF, que vedam expressamente a prática de juro capitalizado e suas formas sinônimas tais como juros compostos, anatocismo e juros sobre juros (grifo nosso) FIGUEIREDO, A. M. S.. Tabela Price & Capitalização de Juros. Curitiba: Juruá, 2010 p /12

6 A origem histórica, o fundamento do trabalho de Richard Price e as suas ligações com a prática de juros compostos, juros capitalizados, juros sobre juros ou até mesmo anatocismo são demonstrados de forma clara e abrangente nesta obra. Desta forma, pela leitura da obra de Nogueira (2002) encontra-se fácil constatação da capitalização de juros ocorrida na Tabela Price. Senão vejamos a aplicação no caso real: Valor do Financiamento= R$ 7.397,28 Prazo do Financiamento = 48 meses Taxa de juros do contrato = 2,59999% a. m. CÁLCULO DOS JUROS SIMPLES 2,59999% x 48 = 124,800% Conclusão: o cliente pagará 124,800% (2,59999% x 48 ) em 48 meses com uma taxa de 2,59999% a.m. CÁLCULO DOS JUROS COMPOSTOS SISTEMA PRICE (((1 + 0, )^ 48 )-1) = 242,824%% Conclusão: o cliente pagará de juros 242,824% em 48 meses. Por isto, verifica-se o pagamento de uma taxa de juros de 5,059% a.m. (242,824%/ 48 ). Com efeito, uma taxa de juros mensal de 2,59999% pode não parecer excessivamente alta mas, quando se constata a existência de uma taxa real de 5,059% a.m. percebe-se claramente a majoração que existe no valor do contrato. A onerosidade excessiva ocorre pois esta taxa é multiplicada por ela mesma (Progressão Geométrica 2,59999%^ 48 =242,824%) durante o período do financiamento enquanto no sistema de juros simples, os juros serão multiplicados pelo número de meses (2,59999% x 48 = 124,800%). 6/12

7 Ademais, Richard Price em sua obra demonstra a onerosidade excessiva do Sistema Price, mediante o seguinte exemplo: Um centavo de libra emprestado na data do nascimento de nosso Salvador a um juro composto de cinco por cento teria, no presente ano de 1781, resultado em um montante maior do que o contido em DUZENTOS MILHÕES de terras, todas de ouro maciço. Porém, caso ele tivesse sido emprestado a juros simples ele teria, no mesmo período, totalizado não mais do que SETE XELINS E SEIS CENTAVOS (NOGUEIRA, J. J. M. Tabela Price: da prova documental e precisa elucidação do seu anatocismo. São Paulo: Servanda, 2002 p. 57) A passagem acima referenciada apenas demonstra a idéia da magnitude da diferença de se computar juros simples e juros capitalizados ou compostos, e demonstra, de forma definitiva, que a Tabela Price é por si mesma constituída a base de juros capitalizados. Então, constata-se a existência de crescimento geométrico dos juros, que configura anatocismo ou capitalização nos contratos de mútuo. Outro problema fundamental da Tabela Price diz respeito à exigibilidade dos juros. Nesse sistema os juros tornam-se principal, enquanto o capital torna-se acessório. Isso porque os juros sobre todo o capital acumulado são recebidos primeiro, servindo o resíduo da prestação para amortizar o capital. Não é incomum encontrarmos quem diga que é correto que primeiro se pague os juros sobre todo o capital. Este argumento só se justifica se o contrato for mensal, ou seja, se for tomado um empréstimo hoje para devolução em 30 dias, quando serão pagos os juros totais e o capital integral. Não é o caso de empréstimos que duram 6, 12, 18, 36 ou mais meses, como os que normalmente são vinculados às operações de Crédito Direto ao Consumidor. 7/12

8 6. DA ELIMINAÇÃO DO ANATOCISMO Com efeito, percebe-se que a utilização da Tabela Price de Amortização apresenta flagrante falta de compatibilidade com o ordenamento jurídico pátrio expresso na regra proibitória estabelecida no Art. 4º do Decreto /33 orientação que consta da Súmula nº 121 do STF: É vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada. TABELA PRICE. CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS. O Sistema Price consubstancia acumulação mensal de juros e configura capitalização. Afasta-se a incidência da Tabela Price, adotando-se o método de cálculo de juros simples. Inadmissível capitalização em qualquer periodicidade, por ausência de previsão legal. RECURSO ESPECIAL Nº RS (2006/ ) Por tudo isto, os Tribunais Brasileiros já pacificaram seus entendimentos e suas decisões a respeito do assunto e consideram como ilegal a utilização da Tabela Price em qualquer sistema de cálculo de contratos financeiros. Estas decisões são embasadas posto que neste sistema de amortização os juros crescem em progressão geométrica, e não aritmética, caracterizando desta forma o anatocismo (juros sobre juros). 7. DO VALOR DA PRESTAÇÃO MENSAL PELO SISTEMA DE JUROS LINE- ARES JUROS SIMPLES O valor das prestações pelo Sistema Price de JUROS COMPOSTOS, de conformidade com os cálculos apresentados no item 4 supra, importava em R$ 774,33, ou seja, o mesmo valor apresentado no contrato. 8/12

9 Conforme citado anteriormente, a legislação brasileira não aceita a aplicação de juros compostos nas operações de crédito (Súmula 121 do STF). Abaixo, refizemos o cálculo das prestações da operação em análise, utilizando a fórmula matemática com JUROS SIMPLES ou LINEARES: PMT = K. (i. n) + K [i. (n - 1) + 1]. n 2 Onde: PMT = Valor da parcela mensal; K = Valor financiado; i = taxa de juros na forma unitária; e n = prazo do financiamento. Substituindo-se os valores da operação na fórmula tem-se o seguinte resultado: PMT = 6.296,00 x ( 0, x 48 ) ,00 {[ 0, x ( 48 1)] + 1} PMT = R$183,03 1 Do mesmo modo, e após feitos o mesmo cálculo para todas as prestações, elaborouse a PLANILHA 02 (ANEXA) que demonstra o valor que deveria ser pago bem como o saldo devedor através de JUROS LINEARES ou SEM CAPITALIZAÇÃO. Deste modo, adotando-se a fórmula de cálculo de juros simples das prestações mensais, o valor das prestações não poderá ser superior a R$183,03, cuja a formula adota como base a progressão aritmética, que assegura o RETORNO do capital a JUROS SIMPLES ou LINEARES. A propósito, o valor da primeira prestação calculada pelo Agente Financeiro foi de R$271,53, isto é, uma prestação superior a R$183,03 (equivalente à prestação superior a 48,35% R$183,03 x 1,4835 = 271,53). Outrossim, devido à cobrança de JUROS COMPOSTOS no contrato ao passo que deveriam ser cobrados JUROS LINEARES, desprende-se deste fato a diferença mensal que, 1 Utilizou-se neste caso a aplicação da taxa de juros de pactuada no contrato sem capitalização mensal, ou seja, RETIRANDO O ANATOCISMO. Neste caso retirou-se também taxas abusivas cobradas pela instituição financeira já proibidas pelo juízo como TAC, SEGUROS, GRAVAME, etc. 9/12

10 conforme saldo devedor e a prestação mensal, deverá ser atualizada segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC/IBGE). A partir destes dados, elaborou-se a PLANI- LHA 03 (ANEXA) que demonstra a diferença mensal existente entre o valor cobrado e o valor devido, sendo devidamente atualizada pelo INPC. 8. RESULTADO DOS CÁLCULOS Com base nos valores demonstrados acima e considerando o período de 48 meses como referência aos cálculos de JUROS SIMPLES ou LINEARES, constata-se que o valor de cada prestação deve ser de R$183,03, conforme PLANILHA 02. Segundo o carnê apresentado, o requerente já pagou 6 parcelas de R$ 271,53, o que representa um montante pago até a presente data de R$1.629,20 conforme PLANILHA 01. Entretanto, o valor total que o requerente deveria ter pago, corresponde a R$1.098,18 - conforme PLANILHA 02. Com efeito, percebe-se um gap entre o valor que deveria ser pago e o valor que foi feito o pagamento efetivo. Estes valores, que foram cobrados em excesso, estão demonstrados mês a mês na PLANILHA 03 (ANEXO), bem como o valor total em excesso que deverá ser pago a mais, caso não seja feita a revisão do presente contrato. Outrossim, faz-se necessário fazer a atualização destes valores que foram cobrados indevidamente. Sendo assim, a atualização foi feita conforme os valores do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC/IBGE) gerando um valor de R$582,64. 10/12

11 Dos valores apresentados na PLANILHA 03, infere-se a diferença atualizada entre o valor efetivamente pago e o valor que deveria ser pago que chega ao montante de R$582,64 - devidamente atualizado pelo INPC/IBGE, que deverá ser restituído ao requerente EM DO- BRO (conforme Art. 42 Parágrafo Único do CDC), de acordo com a tabela abaixo. VALOR PAGO R$ 1.629,20 VALOR DEVERIA PAGAR R$ 1.098,18 DIFERENÇA ATUALIZADA R$ 582,64 REPETIÇÃO EM DOBRO R$ 1.165,29 SALDO DEVEDOR 4.621,79 Por fim, verifica-se na PLANILHA 02 em anexo, que ao pagar a prestação de número 6, o saldo devedor passa a ser de R$ 5.787,08. Deduzindo desse o valor a ser restituído de R$1.165,29 tem-se um novo saldo devedor de R$ 4.621,79. Dado que, aplicando a mesma metodologia de JUROS SIMPLES OU LINEARES no montante de R$ 4.621,79 e usando as 42 parcelas restantes, as novas parcelas representarão um valor de R$ 150,17, conforme PLANILHA 04 (ANEXO) 9. RESULTADO DA ANÁLISE Pelo anteriormente disposto, entende-se que: a) O Banco aplicou, na operação, metodologia que se utiliza de JUROS COM- POSTOS (juros sobre juros) gerando conseqüente onerosidade no contrato. b) A diferença gerada nas prestações mensais, R$ 88,50, que seria paga durante o financiamento, alcança o valor de R$ 4.248,14 (R$ 88,50 x 48 ), equivalente a 57% do valor financiado. 11/12

12 c) Caso seja mantido o contrato, a cliente pagará uma taxa de 242,824% no período ou 60,706% a. a. d) Caso o cliente opte por quitar integralmente o financiamento, deverá ser feito o pagamento de R$ 4.621,79, que é o saldo devedor após paga a parcela de número 6 e descontados os valores pagos em excesso atualizados pelo INPC/IBGE. Assim, conclui-se que o valor da prestação deve ser reduzido para R$ 150,17, seguindo os valores da PLANILHA 04 (EM ANEXO). Goiânia, 14 de maio de 2012 Edilson Gonçalves de Aguiais 2.337/D CORECON GO Economista Perito 12/12

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO Tipo de Contrato: Número do Contrato: LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO Financiado: Agente Financeiro: Curitiba, 16/10/013 xxxxx xxxxxx Cédula de

Leia mais

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL Processo: Tipo: Autor/Requerente: Réu/Requerido: ESCRITÓRIO DE PERÍCIAS CONTÁBEIS Nº Ordinária Revisão de Contrato Gildeones Bandeira Nunes de Castro Banco do Brasil e Financiamentos S/A PARECER TÉCNICO

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC Autor: Lisandro Fin Nishi Instituição: UDESC E-mail: lisandro.nishi@udesc.br RESUMO

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

Perícia Judicial e Extra-Judicial:

Perícia Judicial e Extra-Judicial: Perícia Judicial e Extra-Judicial: Revisão de Financiamento de Veículos Econ. Edilson Aguiais CRE-GO 2.337/D CORECON/GO Maio/12 SENHA WI-FI: 2009102009 Page 1 Edilson Aguiais é... Atividades Profissionais

Leia mais

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO Rio, Janeiro / 2014 * Elaborado por Pedro Schubert. Administrador, Sócio Fundador da BMA Informática & Assessoramento Empresarial Ltda. 1 ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS A amortização é uma operação financeira mediante a qual um empréstimo ou financiamento é pago de maneira progressiva, por meio de prestações, de modo que ao término

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida:

EMPRÉSTIMOS. Nos financiamentos a longo prazo o devedor ou mutuário tem também três modalidades para resgatar sua dívida: EMPRÉSTIMOS Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando o prazo total não ultrapassa 1 ano ou 3 anos, respectivamente.

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126 1 DO TRABALHO PERICIAL Tomando por base os dados constantes da planilha apresentada pelo Banco, a perita reconstituiu as condições contratuais, a seguir: Em 22/11/1999 a Sra. WALKYRIA STORER e o HSBC BANK

Leia mais

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA SIMULADO COMENTADO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Quilelli 1 ) Uma dívida contraída à taxa de juros simples de 10% ao mês, deverá ser paga em duas parcelas, respectivamente iguais a R$ 126,00, daqui a

Leia mais

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ PROCESSO n : 2006.202.000000-0 AÇÃO AUTORA RÉU : DECLATÓRIA : JOCE DASILVA : BANCO DO POVO CAETANO ANTONIO DE ANDRADE, perito

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos. Matemática Financeira. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos. Empréstimos e Financiamentos Matemática Financeira Resumo Prof. Adriana C. Ferrazza Semana Acadêmica Curso de matemática O que são juros? Porque cobrar juros? O que significa Amortizar? Quais os sistemas de amortização? Quando os

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista Afinal de contas, ocorre ou não a capitalização composta dos juros na Tabela Price? A polêmica não deveria continuar, mas continua. E chegou a tal ponto que os mais renomados autores de livros de matemática

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL Campo Grande/MS, 12 de julho de 2015 Processo: 0016219-61.2012.8.12.0001

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Leonel Kern 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação N.º 99.889213-0 ordinária. GERSON VIANA DA SILVA contra BANCO ITAÚ S/A. Leonel Kern Ernesto, contabilista,

Leia mais

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos

Aula 08 Matemática Financeira. Amortização de Empréstimos ula 08 Matemática Financeira mortização de Empréstimos Introdução Freqüentemente, nas operações de médio e longo prazo, as operações de empréstimos são analisadas período por período. Consideremos os instantes

Leia mais

A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E A LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E A LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA A CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E A LEI 11.977/09 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Adriana Borghi Fernandes Monteiro Promotora de Justiça Atual integrante de GEDEC - Grupo Especial de Delitos Econômicos Ex-Coordenadora

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Laudo do cálculo Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Teste, celebrou contrato de Aquisição de veículo por pessoa física com o XXXX Financiamento S/A em 02/06/2012. No

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON

CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS. 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON CALCULADORA HP 12C 1. OPERAÇÕES BÁSICAS 1.1. LIGAR E DESLIGAR Pressione ON 1.2. NOTAÇÃO DECIMAL A máquina HP 12C possui duas formas de separar a parte fracionária da parte inteira de um número: utilizando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A

CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A UNIVERS IDADE PRESB ITER IANA M ACKENZIE CENT RO DE CI ÊNCI AS S O CI AIS E APLI CADAS - CCS A 01. Um empréstimo de $ 200.000,00, contratado a juros efetivos de 10% ao mês, no Sistema de Amortização Constante

Leia mais

PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS

PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS TABELA PRICE: MITOS E PARADIGMAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01 PRIMEIRA PARTE CAPITALIZAÇÃO DOS JUROS CAPÍTULO I - A QUESTÃO DO ANATOCISMO NA HISTÓRIA...07 1. A Usura no Contexto da História Geral...07 1.1.

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE - SAC SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO AMERICANO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Sistemas de amortização são metodologias que operacionaliza uma transação financeira, definindo regras e formas de cálculo da taxa de

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS

O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS De modo enriquecedor e a bem da evolução do conhecimento, alguns diferentes entendimentos acerca da existência da Capitalização Simples ou Composta em Sistemas de Amortização

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

TABELA PruCE: MITOS E PARADIGMAS

TABELA PruCE: MITOS E PARADIGMAS STJ00096186 JOSÉ JORGE MESCHIATTI NOGUEIRA TABELA PruCE: MITOS E PARADIGMAS 3 a Edição CAMPINAS/SP 2013 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, Sp' Brasil)

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira 1 Matemática Financeira Evanivaldo Castro Silva Júnior 21/05/2013 2 Matemática Financeira 1. Séries de Pagamento i. Séries Uniformes (Modelo PRICE) ii. Séries Não-Uniformes (Modelo SAC Sistema de Amortizações

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I. Observação: Os conceitos acompanhados de asterisco

Leia mais

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel FUNÇÕES FINANCEIRAS As funções financeiras contidas no microsoft excel prestigiam operações elementares vinculadas ao regime exponencial de capitalização ou juros compostos. Outros procedimentos pertinentes

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1 Soluções integrais Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo Soluções do Capítulo 1 Basta somar os valores, lembrando que seta para baixo indica valor

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO AÇÃO REVISIONAL - Contrato imobiliário firmado pelas regras da Carteira Hipotecária - Reajuste das prestações pelo Plano de Equivalência Salarial por categoria profissional (PES/CP) - Obrigatoriedade da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 3 26/08/2015 Administração Financeira Prof.

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem:

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF 13º SALÁRIO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Parte I MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Tipos de Sistemas de Amor8zação SISTEMA AMERICANO usado nos emprés:mos internacionais SISTEMA

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 CAPÍTULO 1 JUROS SIMPLES MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 1.1) DEFINIÇÃO No cálculo dos juros simples, os rendimentos ou ganhos J em cada período t são os mesmos, pois os juros são sempre calculados

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE JUROS SOBRE JUROS NO SISTEMA PRICE DE AMORTIZAÇÃO E O MÉTODO DE GAUSS 1

A INCIDÊNCIA DE JUROS SOBRE JUROS NO SISTEMA PRICE DE AMORTIZAÇÃO E O MÉTODO DE GAUSS 1 A INCIDÊNCIA DE JUROS SOBRE JUROS NO SISTEMA PRICE DE AMORTIZAÇÃO E O MÉTODO DE GAUSS 1 Maycon Bispo Cardoso 2 Leandro Tortosa Sequeira 3 RESUMO: A incidência de juros sobre juros ou como é conhecido no

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

Matemática Régis Cortes. JURO composto

Matemática Régis Cortes. JURO composto JURO composto 1 O atual sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, pois ele oferece uma maior rentabilidade se comparado ao regime de juros simples, onde o valor dos rendimentos se torna fixo,

Leia mais

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR.

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. Ação # 000.00.575079-2 MONITÓRIA Banco do Estado de São Paulo S/A CONTRA Agência Center S/C Ltda. controle *001480 Adir Jacob CRC# 105.027 de

Leia mais

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação# 01.105922-2 ORDINÁRIA. WMF COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA. contra BANKBOSTON BANCO MÚLTIPLO S/A. Controle 1958. Joel

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Permanente Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS

EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS SESSÕES SOBRE UTILIZAÇÃO DE CALCULADORAS FINANCEIRAS EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS (versão 2006/2007) Rogério Matias EXERCÍCIOS DE SUPORTE ÀS 1ª SESSÃO (Numeração dos exercícios do livro Cálculo Financeiro Teoria e Prática, excepto exercício designado por Extra

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas

Leia mais

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo II Capitalização Simples Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas JUROS SIMPLES O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas

Leia mais

Exercícios base para a prova 2 bimestre e final

Exercícios base para a prova 2 bimestre e final Exercícios base para a prova 2 bimestre e final Razão e proporção 1) Calcule a razão entre os números: a) 3 e 21 b) 0,333... e 2,1 2) Determine a razão entre a terça parte de 0,12 e o dobro de 0,1. 3)

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais