EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR."

Transcrição

1 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação Revisional de Contratos com Pedido de Antecipação de Tutela Inibitória sob nº Belicor Comercial Ltda e Outros x Banco Sudameris S/A CONTROLE 2599 Maria Regina Rato Avelar, Contadora, CRC 1SP071497/O-4, Perita nomeada e compromissada nos autos dos Embargos do processo supra, às fls 191 vem mui respeitosamente peticionar à V. Excia o que abaixo se segue: ENTREGA DE SEU LAUDO PERICIAL FLS DE LAUDO e FLS. DE ANEXO, NUMERADAS E RUBRICADAS, NUM TOTAL DE FLS. Nestes termos P.Deferimento. SÃO PAULO, 30 de Outubro de Maria Regina Rato Avelar Perita Nomeada pelo Juízo

2 2 INTRODUÇÃO Em Fevereiro de 1999 a empresa Belicor Comercial Ltda firmou com o Banco Sudameris S/A contrato de Cheque Empresa. 1 - Comunicado de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, datado de 08/12/99, (fls. 261), conforme segue: Vencimento alterado para 28/01/2000 Taxa de Juros 100%ªª a partir de 08/12/99 Juros Pré-fixados, Linear, Dias Corridos, Cobrados no Vencimento da Operação. 2 - Comunicado de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, datado de 28/01/00, (fls. 262), conforme segue: Vencimento alterado para 27/04/2000 Taxa de Juros 100%ªª a partir de 28/01/00 Juros Pré-fixados, Linear, Dias Corridos, Cobrados Mensalmente. 3 - Comunicado de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, datado de 27/04/00, (fls. 263), conforme segue: Vencimento alterado para 26/07/2000 Taxa de Juros 100%ªª a partir de 27/04/00 Juros Pré-fixados, Linear, Dias Corridos, Cobrados Mensalmente. 4 Contrato de Empréstimo nº 10029, datado de 20/02/01 (fls. 258/260) IV Especificação do Crédito Crédito Fixo V - Valor do Crédito R$ ,00

3 3 VI Dados de abertura de crédito Vencimento 22/04/2002 Encargos: Pré-fixados Taxa de juros nominal 39,17 ªª Taxa de juros efetiva 47,92% ªª - 3,32%ªm. IOF Cálculo dos Encargos: Dias corridos base 360 dias Linear VII - Forma de Pagamento: Principal e encargos parcelados Parcelas: Quantidade 12 Vencimento da 1ª parcela 21/05/2001 Vencimento da última parcela 22/04/2002 Valor R$ 1.488,62 Dia de vencimento 20 Em 11/12/2001 a Empresa Belicor Comercial Ltda ingressou com Ação Revisional de Contratos com Pedido de Antecipação de Tutela Inibitória. Alegações da Autora: - Capitalização mensal de juros. - Spread abusivo. - Encadeamento de operações sem liberação de dinheiro, e com incorporação dos juros da operação anterior (Anatocismo). Pedidos da Autora: - Concessão de liminar para retirada do nome do SERASA/SPC/SISBACEN - Tutela inibitória, com ciência da liminar aos principais órgãos. - Inexistência dos negócios jurídicos sucessivos às únicas e tangíveis liberações de crédito efetivadas, entendendo-se que só poderiam ser exigidos os valores que os Autores efetivamente lançaram mão. - Reconhecimento da ilegalidade da capitalização de juros. - Decretação do Spread como abusivo, o que exceder a 20% do custo de captação, utilizando como base o custo de capitação do CDB.

4 4 - Acolhidos os pedidos acima mencionados, sejam afastados dos referidos contratos, durante todo o período que abrange o relacionamento creditício, qualquer encargos referente a mora (Multa moratória, Comissão de Permanência, etc), já que a mora será do Réu pela cobrança de valores indevidos. - Requer a citação do Banco Réu. - Requer seja julgada procedente a ação, condenando o Réu na verba de sucumbência, composta de custas judiciais e honorários advocatícios. - Requer prova pericial. Em 17/12/2001 foi citado o Banco Réu. Alegações do Réu: - Inaplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor. - Inexistência de capitalização de juros. - Não cabe a redução do débito em virtude da incidência da comissão de permanência, visto que não houve cobrança cumulada de correção monetária e comissão de permanência. - A inclusão dos devedores nos cadastros dos órgãos de proteção de crédito é perfeitamente legal. Pedidos do Réu: - Requer seja julgada totalmente improcedente esta demanda, com a condenação dos autores a arcarem com o ônus que da sucumbência decorrem. DOS TRABALHOS PERICIAIS A perita examinou os Comunicados de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, que estão apensos aos autos. Entretanto, o Contrato de Cheque Empresa que deu início as transações entre o Banco - Réu e a Belicor - Autora, não foi anexado aos autos. Foi analisado também, o Contrato de Empréstimo nº 10029, datado de 20/02/01 (fls. 258/260)

5 5 Para conferir as condições pactuadas, a perita elaborou a planilha Contratos, conforme abaixo transcrita, em resumo: Contrato anual % TAXAS mensal % anual % efetiva nominal (((1+L)^(12))-1)*100 L L* calculado 59,439 3, , calculado 47,983 3, , contratual 47,92 3,32 39,17 Cheque Especial 161,304 8, ,000 Cheque Especial 100,000 5, ,356 Para o contrato a perita somente encontrou o valor da prestação 1.488,62, usando uma taxa maior que a especificada em contrato, isto é; 3,9640%ªm ou 59,439%ªa na forma efetiva quando contratualmente, na forma efetiva a taxa especificada foi 47,92%ªa Na planilha BelicorAnato, a perita reproduziu o saldo devedor apresentado no extrato de conta corrente, expurgando a capitalização da capitalização dos juros. Na planilha BelicorCDB+20%, a perita reproduziu o saldo devedor apresentado na planilha BelicorAnato, considerando o Spread como o que exceder a 20% do custo de captação, utilizando como base o custo de capitação do CDB. Na planilha Belicor1%, a perita reproduziu o saldo devedor apresentado na planilha BelicorAnato, considerando o Spread como o que é especificado na constituição de 88. Na planilha Resumo, a perita apresenta uma composição do saldo devedor do empréstimo com os saldos apurados nas planilhas BelicorAnato, BelicorCDB+20% e Belicor1%, apurando o saldo devedor final, conforme segue:

6 6 RESUMO DOS SALDOS Empréstimo /02/01 12 x 1.488,62 (17.863,39) Pgto.1ª parcela 21/05/ ,62 (16.374,78) Estorno 21/06/ ,62 (17.863,39) Pgto.2ª parcela 21/06/ ,62 (16.374,78) Saldo planilha BelicorAnato 7.018,53 (9.356,25) Saldo devedor BelicorAnato (9.356,25) Saldo planilha BelicorCDB+20% 9.326,02 (7.048,75) Saldo devedor BelicorCDB+20% (7.048,75) Saldo planilha Belicor1% 9.662,75 (6.712,03) Saldo devedor Belicor1% (6.712,03) QUESITOS DO RÉU - BANCO SUDAMERIS fls Autora e Réu firmaram contrato? RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Segundo se depreende das informações contidas nos autos, Autora e Réu firmaram contrato, tendo em vista os Comunicados de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, datado de 08/12/99, (fls. 261), (fls. 262) e (fls. 263). O único contrato apenso aos autos é o que se segue: Contrato de Empréstimo nº 10029, datado de 20/02/01 (fls. 258/260) 2 Em sendo positiva a resposta anterior, podemos afirmar que o Réu disponibilizou determinada importância para a Autora? RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: No Contrato de Empréstimo nº datado de 20/02/01 (fls. 258/260) o Réu disponibilizou para a Autora o valor na forma que se segue: V - Valor do Crédito R$ ,00 Conforme extrato de conta corrente, apenso as fls. 336 dos autos, a importância de R$ ,00, foi creditada na conta corrente da Autora em 20/02/2001, dando cobertura a um saldo negativo de R$ (13.173,41), restando um saldo positivo de R$ 800,69.

7 7 3 As taxas cobradas pelo Réu correspondem àquelas pactuadas? RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Não. Para conferir as condições pactuadas, a perita elaborou a planilha Contratos, conforme abaixo transcrita, em resumo: Contrato anual % TAXAS mensal % anual % efetiva nominal (((1+L)^(12))-1)*100 L L* calculado 59,439 3, , calculado 47,983 3, , contratual 47,92 3,32 39,17 Cheque Especial 161,304 8, ,000 Cheque Especial 100,000 5, ,356 Para o contrato a perita somente encontrou o valor da prestação 1.488,62, usando uma taxa maior que a especificada em contrato, isto é; 3,9640%ªm ou 59,439%ªa na forma efetiva quando contratualmente, na forma efetiva a taxa especificada foi 47,92%ªa Para o contrato de cheque especial as taxas aplicadas, calculadas na forma hamburguesa e abaixo exibidas, sacadas da planilha Taxas: mês Taxas referência Praticadas chq. Empresa abr/99 6,37 mai/99 20,75 jun/99 jul/99 ago/99 set/99 out/99 6,94 nov/99 9,39 dez/99 8,34 jan/00 7,65 fev/00 9,45 mar/00 8,64 abr/00 8,54 mai/00 7,08 jun/00 8,55 jul/00 9,15 ago/00 8,67

8 8 QUESITOS DA AUTORA BELICOR fls. 198/206 QUESITO Nº 01: Queira a Perícia descrever a conta corrente da movimentação financeira entre as partes, na qual eram realizadas as operações de crédito/empréstimos, bem como a natureza dos contratos ce1ebrados no período e qual a finalidade dos mesmos. Informe a Perícia se, registrando todo o relacionamento financeiro entre as partes, havia apenas uma conta ou, do contrário, quantas contas foram abertas para a movimentação das linhas de crédito operadas. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Com base nos extratos apensos aos autos, fls. 285/344, pode-se deduzir que a Autora possuía uma conta corrente, de nº , do tipo Cheque Empresa. Segundo se depreende das informações contidas nos autos, Autora e Réu firmaram contrato, tendo em vista os Comunicados de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, apensos as (fls. 261), (fls. 262) e (fls. 263). Nessa conta eram lançados: Liberação de Contrato de Câmbio, Despesas de exportação, cheque compensados, tarifas bancárias, Encargos de Excesso de limite, Juros cheque empresa, bem como Liberação de Financiamento. O único contrato apenso aos autos é o que se segue: Contrato de Empréstimo nº 10029, datado de 20/02/01 (fls. 258/260). QUESITO Nº 02: Queira o Sr. Perito afirmar que as linhas de credito que a cliente vinha movimentando junto ao banco eram as seguintes: - Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial - Contrato de Empréstimo para Capital de Giro RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Quanto a Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, o referido contrato não está anexado aos autos. O Contrato de Empréstimo nº 10029, datado de 20/02/01 está apenso as (fls. 258/260). QUESITO Nº 03 : Queira o Sr. Perito descrever: 1) em que consiste um Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial 2) um Contrato de Empréstimo para Capital de Giro - RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Um Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, coloca a disposição do correntista um valor determinado, para que o mesmo faça uso quando necessário, mediante o pagamento das taxas de juros pactuadas em contrato. O Contrato de Empréstimo nº 10029, datado de 20/02/01, apenso as (fls. 258/260), disponibilizou para a Autora a título de suprimento extra de capital,

9 9 capital de giro, empréstimo no valor de R$ ,00 a ser pago na forma que se segue: Quantidade Parcelas: 12 Vencimento da 1ª parcela 21/05/2001 Vencimento da última parcela 22/04/2002 Valor R$ 1.488,62 totalizando, portanto, R$ ,39. Conforme extrato de conta corrente, apenso as fls. 336 dos autos, a importância de R$ ,00, foi creditada na conta corrente da Autora em 20/02/2001, dando cobertura a um saldo negativo de R$ (13.173,41), restando um saldo positivo de R$ 800,69. 3) Determinar quais são as características de cada uma das operações celebradas entre as partes no âmbito da C/C nº (valor financiado, prazo contratual, número de parcelas de pagamentos, valor da parcela de pagamento, taxa de juros, índice de correção monetária e período de carência (se houver) em todo o período. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Pelas informações dos autos a perita teve acesso apenas ao Contrato de Empréstimo nº 10029, cujas condições são as que se seguem: IV Especificação do Crédito Crédito Fixo V - Valor do Crédito R$ ,00 VI Dados de abertura de crédito Vencimento 22/04/2002 Encargos: Pré-fixados Taxa de juros nominal 39,17 ªª Taxa de juros efetiva 47,92% ªª - 3,32%ªm. IOF Cálculo dos Encargos: Dias corridos base 360 dias Linear VII - Forma de Pagamento: Principal e encargos parcelados Parcelas: Quantidade 12 Vencimento da 1ª parcela 21/05/2001 Vencimento da última parcela 22/04/2002 Valor R$ 1.488,62 Dia de vencimento 20

10 10 QUESITO Nº 04: Queira o Sr. Perito descrever as metodologias de cálculo dos juros e capitalização utilizada nos modelos de empréstimo de Contratos de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, e de Contrato de Empréstimo para Capital de Giro, segundo as cláusulas contratuais das operações realizadas entre as partes, justificando sua resposta e fornecendo matematicamente um exemplo dessas aplicações. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Quanto a Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, o referido contrato não está anexado aos autos. Um Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, coloca a disposição do correntista um valor determinado, para que o mesmo faça uso quando necessário, mediante o pagamento das taxas de juros pactuadas em contrato. QUESITO Nº 05: Afirme a Perícia de que maneira nas operações de empréstimos segundo os Contratos de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, e o Contrato de Empréstimo para Capital de Giro ocorre à capitalização de juros, tanto dentro do período de normalidade quanto no período de inadimplência. Justificar sua resposta com base na metodologia de cálculo aplicada pelo Requerido. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Nas operações de Contratos de Abertura de Crédito em Conta Corrente (Cheque Empresarial), quando não existem recursos próprios em movimento na conta, refletidos pelo saldo da mesma, os débitos de juros representam automaticamente a CAPITALIZAÇÃO DE JUROS. QUESITO Nº 06: Confirme a Perícia que nas operações de Contratos de Abertura de Crédito em Conta Corrente (Cheque Empresarial), quando não existem recursos próprios em movimento na conta, refletidos pelo saldo da mesma, os débitos de juros representam automaticamente a CAPITALIZAÇÃO DE JUROS. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: A Perícia Confirma que nas operações de Contratos de Abertura de Crédito em Conta Corrente (Cheque Empresarial), quando não existem recursos próprios em movimento na conta, refletidos pelo saldo da mesma, os débitos de juros representam automaticamente a CAPITALIZAÇÃO DE JUROS. QUESITO Nº 07: Confirme a Perícia que no Contrato de Empréstimo para Capital de Giro celebrado entre as partes foi efetuado o cálculo das parcelas de pagamento na formação do contrato segundo a seguinte fórmula base:

11 11 PRESTAÇÃO = Principal * (1 + 0,03) 24 * (0,03) ((1 + 0,03) 24 1) Em qual dos sistemas de amortização de dívidas conhecidos é aplicada tal fórmula de cálculo para a geração de prestações mensais e sucessivas, de igual valor na data zero? RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: É no Sistema Francês de Amortização e sua variante Tabela Price e consiste em um plano de amortização de uma dívida em prestações periódicas, iguais e sucessivas, dentro do conceito de termos vencidos, em que o valor de cada prestação, ou pagamento, é composto por duas parcelas distintas: uma de juros e outra de capital (chamada amortização)...- Conceito do matemático Jose Dutra Vieira Sobrinho em sua obra Matemática Financeira. A tabela price é uma das soluções matemáticas para uma série uniforme de pagamentos na modalidade dita juros compostos" (Definição da Perita). QUESITO Nº 08: Analisando a evolução da conta corrente que encerrou a movimentação financeira entre as partes supra, possa a Perícia informar qual foi o objetivo da celebração do contrato de Empréstimo para Capital de Giro no período. Qual foi a origem do Principal pactuado no contrato, e qual foi a aplicação (destino) dos recursos creditados na movimentação da C/C nº ? RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Conforme extrato de conta corrente, apenso as fls. 336 dos autos, a importância de R$ ,00, foi creditada na conta corrente da Autora em 20/02/2001, dando cobertura a um saldo negativo de R$ (13.173,41), restando um saldo positivo de R$ 800,69. QUESITO Nº 09: Queira a Perícia determinar claramente a metodologia de cálculo empregada na operação do contrato de Empréstimo para Capital de Giro, determinando o sistema de amortização empregado, e apresentar o cálculo da prestação inicial do fluxo de pagamentos contratado. Afirmar que, na forma da fórmula de cálculo aplicada nesse caso, a taxa de juros da operação é capitalizada, em face do sistema de cálculo das prestações mensais da operação na data da assinatura do contrato (formação do fluxo de pagamentos). RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: A perita apresenta abaixo o cálculo da prestação inicial do fluxo de pagamentos contratado, Contrato Na forma da fórmula de cálculo aplicada nesse caso, a taxa de juros da operação é capitalizada, em face do sistema de cálculo Tabela Price.

12 12 Cálculo pela Fórmula da Tabela Price, Taxa mensal, calculada. linha Coluna E 2 (1+tx/100)^(F10) 1, (tx/100)*e2 0, E2(-)1 0, fator TP E3/E4 0, capital ,00 PAGTO fator*capital 1.488,62 QUESITO Nº 10: Queira a Perícia demonstrar o quadro de todas as operações realizadas pela Requerente com o Requerido, caracterizadas na C/C nº , desde o início das operações, obedecendo a ordem cronológica dos fatos, e considerando as liberações como DÉBITO e os pagamentos como CRÉDITO, seguindo os passos a seguir: - Considerando todos os contratos celebrados, inclusive os saldos devedores diários em conta corrente; - Determinar as taxas de juros aplicadas e métodos de cálculo aplicados para cada operação; e, - Determinar prazos e formas de pagamento RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: O perquirido acha-se efetuado nas planilhas da perita BelicorAnato, BelicorCDB+20%, Belicor1%. QUESITO Nº 11: Promovendo uma análise crítica a respeito da relação de causalidade entre: a celebração dos empréstimos nas linhas de crédito verificadas no relacionamento financeiro, (Cheque Empresarial, e Empréstimo para Capital de Giro), queira a Perícia informar se desde o início das operações ocorreu: a) a renovação sucessiva do Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial caracterizando, em última análise, a prorrogação do instrumento original, e a manutenção da dívida em aberto entre as partes: RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: A renovação sucessiva do Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial se deu através de Comunicados de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, conforme demonstrado a seguir:

13 13 Comunicado de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, datado de 08/12/99, (fls. 261), conforme segue: Vencimento alterado para 28/01/2000 Taxa de Juros 100%ªª a partir de 08/12/99 Juros Pré-fixados, Linear, Dias Corridos, Cobrados no Vencimento da Operação. Comunicado de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, datado de 28/01/00, (fls. 262), conforme segue: Vencimento alterado para 27/04/2000 Taxa de Juros 100%ªª a partir de 28/01/00 Juros Pré-fixados, Linear, Dias Corridos, Cobrados Mensalmente. Comunicado de Alterações de Condições no Contrato de Cheque Empresa, datado de 27/04/00, (fls. 263), conforme segue: Vencimento alterado para 26/07/2000 Taxa de Juros 100%ªª a partir de 27/04/00 Juros Pré-fixados, Linear, Dias Corridos, Cobrados Mensalmente. Conforme pode ser verificado, tais comunicados efetivavam a renovação do período do cheque empresa. b) a apropriação do valor do Contrato de Empréstimo para Capital de Giro para a amortização da dívida proveniente de operações anteriores segundo outra modalidade de operação, ou seja, se nas operações de empréstimo o valor financiado foi utilizado pelo banco para abater o saldo devedor apresentado em conta corrente, em decorrência do Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial celebrado anteriormente, Pede-se para identificar tal ocorrência com a memória de cálculo analisada dos eventos. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Sim. Conforme extrato de conta corrente, apenso as fls. 336 dos autos, a importância de R$ ,00, foi creditada na conta corrente da Autora em 20/02/2001, para a amortização da dívida proveniente de operações anteriores segundo outra modalidade de operação, ou seja, se nas operações de empréstimo o valor financiado foi utilizado pelo banco para abater o saldo devedor apresentado em conta corrente, em decorrência do Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial celebrado anteriormente, dando cobertura a um saldo negativo de R$ (13.173,41), restando um saldo positivo de R$ 800,69. QUESITO Nº 12: Determine o Sr. Perito a ocorrência ou não de incorporação dos encargos relativos à operação encadeada (conforme apuração nos quesitos nº 10 e nº 11) para a formação do Principal do novo contrato sobre as operações de empréstimo realizadas entre as partes; para tanto, realizar um estudo a partir da memória de cálculo analisada de cada uma das operações.

14 14 Concluir a respeito do cálculo de juros sobre juros/encargos provenientes das operações anteriores a cada ocorrência de encadeamento entre os contratos. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: De três em três meses eram renovados, um em cima do outro. QUESITO Nº 13: Queira o Sr. Perito definir o conceito de juros e suas aplicações em instituições financeiras e financiadoras. Favor afirmar que para tornar lucrativa a operação de financiamento faz-se necessária a incidência de uma taxa de juros sobre o valor financiado. Pede-se, também à Perícia, a definição de Capitalização de Juros e definição matemática de conceito de capitalização de juros simples e composta, não se limitando a explicações de taxas de juros e fórmulas lineares e exponenciais, justificar resposta com exemplos matemáticos e utilizar conceitos descritos em livros de matemática financeira. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Os conceitos matemáticos que se seguem estão descritos por ASSAF, Alexandre Neto, na obra Matemática Financeira e Suas Aplicações,2000, 5ª edição, São Paulo, Atlas. Taxa de juros é o coeficiente que determina o valor do juro, isto é, a remuneração do fator capital utilizado durante certo período de tempo. Juros simples são aqueles que incidem apenas sobre o principal corrigido monetariamente, isto é, não incidem sobre os juros que se acrescentem ao saldo devedor. Vale dizer que os juros não pagos não constituem a base de cálculo para a incidência posterior de novos juros simples. Juros Compostos são aqueles que incidem não apenas sobre o principal corrigido monetariamente, mas também sobre os juros que já incidiram sobre o débito. Os juros compostos são também denominados, em Matemática Financeira, juros capitalizados. Capitalização de juros Os critérios (regimes) de capitalização demonstram como os juros são formados e sucessivamente incorporados ao capital no decorrer do tempo. Nesta conceituação podem ser identificados dois regimes de capitalização dos juros: - Regime de Capitalização Simples (ou linear) esse regime comporta-se como se fosse uma progressão aritmética (PA). Neste critério os juros somente incidem sobre o capital inicial da operação, não se registrando juros sobre o saldo dos juros acumulados.

15 15 Exemplo Matemático Exemplo Matemático de cálculo com Juros Simples Juros p/ ano Período Saldo 10%ªa Saldo devedor Início do período 1.000,00 Ano l 1.000,00 100, ,00 Ano II 1.100,00 100, ,00 Ano III 1.200,00 100, ,00 b) Regime de capitalização composta incorpora ao capital não somente os juros referentes a cada período, mas também os juros sobre os juros acumulados até o momento anterior. É um comportamento equivalente a uma progressão geométrica (PG) no qual os juros incidem sempre sobre o saldo apurado no início do período correspondente (e não unicamente sobre o capital inicial). Exemplo matemático: Exemplo Matemático de cálculo com Juros Compostos Juros p/ ano Período Saldo 10%ªa Saldo devedor Início do período 1.000,00 Ano l 1.000,00 100, ,00 Ano II 1.100,00 110, ,00 Ano III 1.210,00 121, ,00 NOTA DA PERITA - Como se pode observar, o mesmo capital, emprestado pelo mesmo período, e mesma taxa de juros, ao final do terceiro ano, na Capitalização Simples, o saldo devedor importa em R$ 1.300,00, e na Capitalização Composta importa em R$ 1.331,00. QUESITO Nº 14: Queira a Perícia afirmar que a fórmula de capitalização composta de juros, quando aplicada a fluxos financeiros de períodos maiores ou iguais a dois (2), promove a incidência de juros sobre juros. Confirme também que tal expediente, denominado juridicamente como anatocismo, acontece quando se faz incidir uma taxa de juros sobre outra taxa de juros dentro de um mesmo período, em qualquer fluxo de caixa estudado.

16 16 RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Sim. A fórmula de capitalização composta de juros, quando aplicada a fluxos financeiros de períodos maiores ou iguais a dois (2), promove a incidência de juros sobre juros. O anatocismo acontece quando se faz incidir uma taxa de juros sobre outra taxa de juros dentro de um mesmo período. Tal prática vem sendo veementemente condenada, conforme demonstramos a seguir: Súmula 121 do C.S.T.F. SUMULA é vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada. Referida vedação é ap1icavel, inclusive, as instituições financeiras, conforme se depreende do melhor entendimento jurisprudencial acima transcrito. Juros sobre juros é conduta proibida inclusive para as operações das instituições financeiras, consoante -Sumula 121 do STF, ainda em vigor já que a SUMULA 596 não afasta a aplicação da Súmula 121"(RE Nº DJU ), entendimento hoje recepcionado pela totalidade transcritos: Acórdãos modulares lavrados pelos E. Tribunais de alçada, em todo o Pais vejamos: Agravo de instrumento provido, em parte.(julgados,75/156) JUROS - Norma Constitucional restritiva. Sua aplicabilidade. é preceito do parágrafo 3o do artigo 192 da Constituição da República que limita 12% ao ano a taxa de juros, inclui-se na categoria das normas constitucionais de eficácia imediata, mas tão somente sobre os efeitos posteriores do negocio jurídico. Apelação desprovida.(julgados 76/298)

17 17 JUROS REAIS. ART. 192, PARÁGRAFO 3º da Constituição Federal. Dispositivo não sujeito à regulamentação. Aplicabilidade imediata. A remuneração do capital e a remuneração do serviço a concessão de crédito constituem juros reais e não podem superar a 12% ao ano. Decisão unânime -AC 491-0/91 unânime da 2ª. Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco, publicada em 25/O 7/91. DO. PE. Fls.02. INICUMULABILIDIDE - ANATOCISMO - VEDAÇÃO. Embargos à execução. Vedação das cobranças de juros capitalizados e da cumulação de correção monetária e taxa de permanência. Excesso de execução caracterizada. - Legal e justa a cobrança por instituição financeira, de correção capitalizada dia a dia, pois assim é que ela remunera o capital nas operações de mercado financeiro. Anatocismo. Vedação. A contagem de juros dia-a-dia, contudo, é proibida no direito brasileiro, mesmo quando expressamente convencionado, porquanto a Lei 4.595/64 não revogou a regra do art.4 0 do Decreto nº /33 (Lei de Usura ). Excesso de execução caracterizada. Inacumuláveis, igualmente, nas execuções de título de dívida liquida e certa, a comissão de permanência e a correção monetária. - Provimento do Apelo em parte, para, reformando a sentença, determinar a exclusão do saldo devedor cobrado, das quantias relativas às taxas de permanência e a capitalização de juros. Recurso ordinário conhecido e parcialmente provido ( REVISTA DO SUPERiOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, ano 2, nº 15 pag. 361) JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA -CUMULAÇÃO IMPOSSIBILIDADE. Não podem ser cumulados juros remuneratórios com correção monetária. Trata-se de bis in idem. Tais juros substituem a antiga denominação comissão de permanência.

18 18 EMENTA = MUTUO. OPERAÇÃO COM INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO. COMISSÁO DE PERMANÊNCIA. Avençada a comissão de permanência, como acréscimo correspondente à desvalorização da moeda, não pode ser cumulada a correção monetária para efeito de cobrança TJ. RJ- AC. Unânime da 1ª Câmara Cível reg. em Ap /89. JUROS - REDUÇÃO - OPERAÇÕES DE CRÉDITO- CF/88- APLICAÇÃO IMEDIATA- Fixada a taxa de juros no limite máximo de 12 por cento, em texto expresso da Constituição Federal, a redução a esse limite de juros cobrados em operações de crédito é imposição constitucional que dispensa Regulamentação para sua imediata aplicação". Recurso Especial nº Paraná- 4a. Turma do STJ - unânime j. em 17 de setembro de "Essa é a exata caracterização da capitalização, ou seja, apurado o montante devido e não pago, toma-se um novo empréstimo para saldar o anterior. Nesse mútuo são agregadas as parcelas quais se decompõem a dívida anterior (capital mais encargos) e os custos decorrentes da nova apuração. Inadimplida a obrigação, procede-se do mesmo modo: valor total da dívida anterior mais encargos da dívida moderna, previamente fixados, resultando em outros valores globais. E, repete-se a operação quando do vencimento, instituindo uma verdadeira "ciranda", financeira, que tende a se tornar impagável. O exame dessa base empírica põe a descoberto a capitalização dos juros, posto que a novação levou em consideração a soma do principal e dos encargos, incidindo sobre o resultado novos encargos. Inequivocamente há, nessa hipótese, incidência de juros sobre juros anteriores, em atrito com o preceituado no art. 4º do Dec /33".

19 19 QUESITO Nº 15: Queira a perícia afirmar, de acordo com os exemplos anteriores e a definição de juros capitalizados, que o banco capitalizou juros mensais para o(s) Contrato(s) de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, aplicando também a metodologia de cálculo de juros exponenciais para a capitalização composta dos juros em função do tempo (anatocismo) na operação de Empréstimo para Capital de Giro, e ao fim, a formação dos contratos de Empréstimo para Capital de Giro promove também a capitalização de juros dentro da Tabela Price. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Sim. O banco capitalizou juros mensais para o(s) Contrato(s) de Abertura de Crédito em Conta Corrente em função do tempo. Sim. O contrato de Empréstimo para Capital de Giro pela Tabela Price promove também a capitalização de juros (juros exponenciais). QUESITO Nº 16: Em relação à Tabela Price queira a Perícia afirmar que: Esse sistema consiste em um plano de amortização de dívida em prestações periódicas, iguais e sucessivas, dentro do conceito de termos vencidos, em que o valor de cada prestação, ou pagamento, é composto por duas parcelas distintas: uma de juros e outra de capital (amortização). SOBRINHO, José Dutra Vieira, Matemática Financeira, São Paulo, Atlas, 1998; 4ª edição, página 220. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Respondido no quesito # 7. QUESITO Nº 17: Considerando que o banco utilizou-se de metodologias de cálculo em que existe capitalização composta de juros (TABELA PRICE / sistema francês de amortização), e considerando o seguinte ensinamento da FUNDAÇÃO INSTITUTO DE pesquisas contábeis, atuariais e financeiras, NA OBRA manual de controle operacional de sociedades de arrendamento mercantil, 2ª EDIÇÃO, Atlas:... o critério de capitalização composta indica um comportamento exponencial do capital ao longo do tempo, ou seja, o valor se altera como se fosse uma progressão geométrica. Nesse sistema os juros são sempre calculados sobre um saldo acumulado imediatamente precedente, sobre o qual já foram incorporados juros de períodos anteriores. Queira o Sr. Perito afirmar que a metodologia Price, bem como qualquer tipo de metodologia de cálculo que se utilize juros compostos, promove a capitalização de juros na formação do contrato, quando é calculado todo o fluxo de pagamentos da operação, resultando no cálculo de juros sobre juros ( em razão do Fator de Capitalização), ainda que na operação do contrato os juros sejam calculados sobre o saldo devedor em aberto e recebam pagamento mensal.

20 20 RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: A metodologia Price promove a capitalização de juros na formação da prestação, no corpo da tabela price não existe incidência de juros sobre juros. QUESITO Nº 18: Queira o Sr. Perito afirmar que as taxas de juros das operações de empréstimos são capitalizadas. Queira a Perícia definir a composição da taxa de juros utilizada nos contratos de Abertura de Crédito em Conta Corrente Cheque Empresarial, e no Contrato de Empréstimo para Capital de Giro, especificando o custo de capitação para cada operação, o imposto e o percentual de ganho da instituição financeira, justificar e fundamentar a resposta exemplificando matematicamente esta composição. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: Resposta dada no quesito a seguir. QUESITO Nº 19: Identifique o Sr. Perito, nas respectivas datas de celebração ou renovação de todos os contratos celebrados durante o relacionamento financeiro, qual era o valor médio que o banco estava pagando aos investidores em CDB s (modalidade 30 dias pré-fixada), bem como qual a taxa de juros paga aos investidores em caderneta de poupança. Apresente o digno Perito qual foi o percentual de spread entre o que o banco pagou aos investidores e cobrou dos tomadores durante o prazo de análise (CDB s préfixados 30 dias para operações diversas), tendo em mira que o spread, é medida pelo diferencial entre as taxas de juros de captação e aplicação e que segundo a opinião do Sr. ERIVELTO MARTINS, diretor da AUSTIN ASIS, especialista na análise do setor bancário : O ganho dos bancos é a diferença ou spread, como se diz no jargão financeiro entre os juros pagos na capitação (Certificado de Depósito Bancário, por exemplo) e no empréstimo. FOLHA DE SÃO PAULO, 26/05/1996, CADERNO DE ECONOMIA. Considere ainda o Sr. Expert que os juros são o preço do dinheiro, isto é, o valor, o aluguel que é cobrado pela utilização por determinado tempo de determinada soma, de sorte a informar qual a diferença percentual entre a taxa que o banco pagou e os juros que cobrou pelo empréstimo. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: O spread DE UM BANCO BRASILEIRO é composto de: CAPTAÇÃO/COMPULSÓRIO, RISCO, IMPOSTO, e MARGEM DO BANCO, como a seguir: O BANCO CAPTA DINHEIRO DE OUTROS BANCOS OU DE CLIENTES PAGANDO EM VOLTA DE 21,0% ªª

21 21 CAPTAÇÃO 21,0% ANTES DE EMPRESTAR, INCLUI NA TAXA DE JUROS O RISCO DA OPERAÇÃO (Inadimplência): 19,0%ªª RISCO 19,0% NO CALCULO TAMBEM SERÁ EMBUTIDA A CARGA FISCAL E TRIBUTÁRIA DIRETA NÃO REPASSÁVEL, REPRESENTANDO 9,0%ªª DA OPERAÇÃO. IMPOSTO 9,0% A MARGEM PARA O BANCO É DE 35,0%ªª, (Despesas administrativas, IR/CSLL, Impostos Indiretos e Lucro do Banco). MARGEM DO BANCO 35,0% O EMPRÉSTIMO CHEGA AO TOMADOR À TAXA DE 111,9%ªª ou, 1,21*1,19*1,09*1,35 = 2,119 (-) 1,00 = 1,119 TAXA DA OPERAÇÃO DE EMPRÉSTIMO: 111,9%ªª QUESITO Nº 20: Queira a Perícia proceder ao cálculo de todo o fluxo financeiro caracterizado pelas linhas de financiamento verificadas dentro do bojo da movimentação financeira na C/C nº durante todo o período, conforme os seguintes critérios matemáticos: 1 Utilização do Método Hamburguês, ou seja, o cálculo dos juros lineares sobre os saldos devedores médios ponderados; 2 Considerar todas as operações como parte de um conjunto único em conta; 3 Considerar todos os saldos da conta corrente nas suas respectivas datas de apuração conforme expressam os extratos das contas; 4 Considerar os lançamentos referentes aos empréstimos, lançando a DËBITO na planilha de evolução financeira, e acumula-los periodicamente em coluna paralela;

22 Considerar os lançamentos referentes aos pagamentos das prestações/contratos, bem como os juros, como CRÉDITO na planilha de evolução financeira, A FIM DE EXPURGAR A COBRANÇA DE JUROS CAPITALIZADOS, e acumula-los periodicamente em coluna paralela; 6 Considerar o SALDO da operação como o resultado direto entre: SALDO DA C/C DÉBITO ACUMULADO + CRÉDITO ACUMULADO 7 Substituir a taxa de juros contratual pela evolução do CDB, acrescendo a taxa de 20%, e, 8 Acumular periodicamente os juros calculados, até chegado o período de um ano do início da evolução financeira, e capitaliza-los a cada período vencido de um ano. RESPOSTA DA PERITA DO JUÍZO: O perquirido acha-se calculado nas planilhas da perita BelicorAnato, BelicorCDB+20%, Belicor1%, anexadas a este trabalho.

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126 1 DO TRABALHO PERICIAL Tomando por base os dados constantes da planilha apresentada pelo Banco, a perita reconstituiu as condições contratuais, a seguir: Em 22/11/1999 a Sra. WALKYRIA STORER e o HSBC BANK

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR.

Adir Jacob Contador Perito Judicial. Tel. 223-6488 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. Ação # 000.00.575079-2 MONITÓRIA Banco do Estado de São Paulo S/A CONTRA Agência Center S/C Ltda. controle *001480 Adir Jacob CRC# 105.027 de

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Leonel Kern 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação N.º 99.889213-0 ordinária. GERSON VIANA DA SILVA contra BANCO ITAÚ S/A. Leonel Kern Ernesto, contabilista,

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ PROCESSO n : 2006.202.000000-0 AÇÃO AUTORA RÉU : DECLATÓRIA : JOCE DASILVA : BANCO DO POVO CAETANO ANTONIO DE ANDRADE, perito

Leia mais

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR.

Economista, Perito. Tel 11 223 6488 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA CAPITAL FORUM JOÃO MENDES JR. Ação# 01.105922-2 ORDINÁRIA. WMF COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA. contra BANKBOSTON BANCO MÚLTIPLO S/A. Controle 1958. Joel

Leia mais

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO

LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO SISTEMA RECALCULADO Tipo de Contrato: Número do Contrato: LAUDO PERICIAL REVISIONAL VINCULADO A CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULO Financiado: Agente Financeiro: Curitiba, 16/10/013 xxxxx xxxxxx Cédula de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR, DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DE COMPETÊNCIA RESIDUAL DA COMARCA DE CAMPO GRANDE (MS) PARECER TÉCNICO JUDICIAL Campo Grande/MS, 12 de julho de 2015 Processo: 0016219-61.2012.8.12.0001

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL

PARECER TÉCNICO CONTÁBIL Processo: Tipo: Autor/Requerente: Réu/Requerido: ESCRITÓRIO DE PERÍCIAS CONTÁBEIS Nº Ordinária Revisão de Contrato Gildeones Bandeira Nunes de Castro Banco do Brasil e Financiamentos S/A PARECER TÉCNICO

Leia mais

SENTENÇA. Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 332 SENTENÇA Processo Digital nº: 1059894-56.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Marcelo Monea e outro Requerido: Vila

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL nº 492592/AL (2009.80.00.001267-9)

APELAÇÃO CÍVEL nº 492592/AL (2009.80.00.001267-9) APTE : VALÉRIA ALVES LOPES GUIMARÃES ADV/PROC : ELISBÁRBARA MENDONÇA PEREIRA APDO : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : CARLOS ANDRÉ CANUTO DE ARAÚJO ORIGEM : 2ª VARA FEDERAL DE ALAGOAS RELATOR :

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT)

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO APTE. APDO. : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) CRÉDITO - Legalidade da cobrança de juros que englobem o custo

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061 Adir Jacob 1 Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2 ª Vara Cível Fórum João Mendes Jr. Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle

Leia mais

Ação Revisional Bancária

Ação Revisional Bancária Ação Revisional Bancária Em relação as taxas de juros a jurisprudência do STJ fixou que a limitação dos juros a 12% a.a prevista na Lei da Usura não se aplica as instituições financeiras. No entanto aquela

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO AÇÃO REVISIONAL - Contrato imobiliário firmado pelas regras da Carteira Hipotecária - Reajuste das prestações pelo Plano de Equivalência Salarial por categoria profissional (PES/CP) - Obrigatoriedade da

Leia mais

EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. Joel Pereira de Sousa 1 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. Ação # 000.00.573284-0 ORDINÁRIA Banco Econômico S/A contra Renato Arruda Pimenta CONTROLE 001441 Joel Pereira de Sousa,

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC

ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC ÁREA TEMÁTICA: FINANÇAS E ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO O ANATOCISMO NOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: TABELA PRICE E TABELA SAC Autor: Lisandro Fin Nishi Instituição: UDESC E-mail: lisandro.nishi@udesc.br RESUMO

Leia mais

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista

TABELA PRICE A POLÊMICA CONTINUA LUIZ DONIZETE TELES Economista Afinal de contas, ocorre ou não a capitalização composta dos juros na Tabela Price? A polêmica não deveria continuar, mas continua. E chegou a tal ponto que os mais renomados autores de livros de matemática

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO E RECURSO ADESIVO N. 2001997051712-0/001 Relator Des. José Di Lorenzo Serpa 1 Apelante Banco do Nordeste do Brasil

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA DECORRENTES DE SENTENÇA Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br Qualquer débito decorrente de decisão judicial, incide juros ainda que

Leia mais

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento

UNIDADE Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento UNIDADE 4 Sistemas de amortização de empréstimo e financiamento 109 Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você será levado a: diferenciar os dois tipos de sistema de amortização;

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 6 Reciprocidade Bancária São exigências estabelecidas pelas instituições

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 1 COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO Art. 1º - Este Regulamento estabelece as modalidades de empréstimos,

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br

Matemática Financeira Aplicada. www.adrianoparanaiba.com.br Matemática Financeira Aplicada www.adrianoparanaiba.com.br Conceitos Básicos - Juros Simples - Juros Composto Juros Simples: J = C x i x n M = C + J Juros Compostos M = C x (1 + i) n J = M C Exemplo: Aplicação

Leia mais

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A

Laudo do cálculo. Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Laudo do cálculo Contrato: 000000 Contratante: Teste Contratado: XXXX Financiamento S/A Teste, celebrou contrato de Aquisição de veículo por pessoa física com o XXXX Financiamento S/A em 02/06/2012. No

Leia mais

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo.

Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. O SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO PRICE NÃO PRATICA ANATOCISMO. Em qualquer área de saber que se queira emitir opinião, é de fundamental importância que se defina o objeto de estudo. No caso em questão, sem a definição

Leia mais

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem:

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF 13º SALÁRIO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061

Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle 2061 Adir Jacob 1 Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2 ª Vara Cível Fórum João Mendes Jr. Ação # 01.114777-6 ORDINÁRIA. Waldir Rodrigues Bio CONTRA Bradesco Administradora de cartões de Crédito Ltda. controle

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO

ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO *Maraísa Santana No mês passado (abril/2014) escrevi artigo (AÇÃO REVISIONAL DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS É GARANTIDA POR LEI), que foi publicado

Leia mais

EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR.

EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. 1 EXMO SR. DR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VC FORUM JOÃO MENDES JR. Ação # 000.00.573284-0 ORDINÁRIA Banco Econômico S/A contra Renato Arruda Pimenta CONTROLE 001441 Joel Pereira de Sousa, CORECON # 2413, perito

Leia mais

caso; c) seja consolidada a propriedade do autor junto ao bem objeto do contrato; d) seja declarada a quitação do contrato em questão, bem como seja

caso; c) seja consolidada a propriedade do autor junto ao bem objeto do contrato; d) seja declarada a quitação do contrato em questão, bem como seja Estado do Rio de Janeiro Poder Judiciário Fls. Processo: 0047641-29.2012.8.19.0205 Processo Eletrônico Classe/Assunto: Procedimento Ordinário - Revisão Contratual / Obrigações / D. Civil Em 09/07/2014

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

Inteiro Teor (869390)

Inteiro Teor (869390) : Acórdão Publicado no D.J.U. de 19/10/2005 EMENTA PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DA RMI. IRSM DE FEVEREIRO/94 (39,67%). NÃO RETENÇÃO DE IRRF. JUROS MORATÓRIOS. 1. Os salários de contribuição devem ser reajustados,

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DECISAUW ^ N0 ACÓRDÃO \\ll\w "»"»'" lo3046968* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento n 990.10.048613-6, da Comarca de São Paulo, em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Guilherme Campos) Dispõe sobre juros de mora e atualização monetária dos débitos judiciais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei disciplina os juros de mora

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

ORIGEM SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO Rio, Janeiro / 2014 * Elaborado por Pedro Schubert. Administrador, Sócio Fundador da BMA Informática & Assessoramento Empresarial Ltda. 1 ORIGEM DO SISTEMA FRANCÊS

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I. Observação: Os conceitos acompanhados de asterisco

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Cálculos de Revisional de Contratos PARECER TÉCNICO

Cálculos de Revisional de Contratos PARECER TÉCNICO PARECER TÉCNICO 1 - INTRODUÇÃO O presente Parecer Técnico tem por objetivo calcular, analisar e emitir comentários sobre o Contrato de Empréstimo de (cliente do banco) junto ao BANCO xxx S/A., no valor

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL PERMANENTE PLANO DE BENEFÍCIOS 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Permanente Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação

Leia mais

O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS

O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS O REGIME DE JUROS PRICE E GAUSS De modo enriquecedor e a bem da evolução do conhecimento, alguns diferentes entendimentos acerca da existência da Capitalização Simples ou Composta em Sistemas de Amortização

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO PARA CAPITAL DE GIRO PESSOAS JURÍDICAS

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO PARCELADO PARA CAPITAL DE GIRO PESSOAS JURÍDICAS CLÁUSULAS GERAIS que regem o Contrato de Abertura de Crédito Parcelado para Capital de Giro Pessoas Jurídicas, tendo de um lado o BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A., com sede em Brasília, Capital Federal, inscrito

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples UFS FM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTIA MTM 5151 MATEMÁTIA FINAEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 1 JUROS SIMPLES onceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples Juro j É uma compensação

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.273016-1/001 Númeração 2730161- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Marcos Lincoln Des.(a) Marcos Lincoln 11/02/2015 23/02/2015 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Operações Financeiras Empréstimo e leasing

Operações Financeiras Empréstimo e leasing Operações Financeiras Empréstimo e leasing Análise da formação das prestações e o entendimento contábil da expressão jurídica juros sobre juros. Prof. Marco Antônio Amaral Pires Membro da Academia Brasileira

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº: 0110168-33.2001.8.19.0001 Apelante: Jucimar Alves da Silva Barros Apelado: Banco Itaú Unibanco SA Desembargador

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto CRÉDITO PESSOAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE CREDI-RÁPIDO CLIENTE - 1º TITULAR CPF CÓD. DA AGÊNCIA CLIENTE - 2º TITULAR CPF NÚMERO DA CONTA CLÁUSULAS GERAIS, que regem o Contrato de Abertura de Credi-Rápido, que são

Leia mais