VALORES DO ENXOFRE, COBRE E MAGNÉSIO NO SORO SANGUÍNEO E NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NOS TRAUMATISMOS CRÂNIO-ENCEFÁLICOS RECENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALORES DO ENXOFRE, COBRE E MAGNÉSIO NO SORO SANGUÍNEO E NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NOS TRAUMATISMOS CRÂNIO-ENCEFÁLICOS RECENTES"

Transcrição

1 VALORES DO ENXOFRE, COBRE E MAGNÉSIO NO SORO SANGUÍNEO E NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NOS TRAUMATISMOS CRÂNIO-ENCEFÁLICOS RECENTES DARCY DE FREITAS VELLUTINI*; FRANCISCO BASTOS DE JORGE** O metabolismo do enxofre, cobre e magnésio tem sido, nestes últimos anos, objeto de vários estudos. Entre nós, De Jorge e col > 9 determinaram seus valores normais no sangue, líquido cefalorraqueano (LCR) e urina. Canelas e col estudaram o metabolismo desses elementos em algumas afeções neurológicas. MATERIAL E MÉTODOS Nosso estudo se baseia em 25 casos de traumatismos crânio-encefálicos recentes atendidos no Pronto Socorro do Hospital das Clinicas. Nesta série, 22 pacientes eram do sexo masculino e 3 do feminino; 19 eram da raça branca, 5 pretos ou pardos e um amarelo; a idade variava de 17 a 70 anos. A determinação do cobre foi realizada pela reação do dietilditiocarbamato de sódio (De Jorge e col. 8 ); para o enxofre inorgânico foi usado o método turbidimétrico (De Jorge e col. 10 ); o magnésio foi determinado pelo método do titã amarelo e mmeio alcalino (De Jorge e col."). Os resultados obtidos nas dosagens foram relacionados com o estado de consciência dos pacientes e com a aspecto do LCR, sendo constituídos, assim, três grupos: 1 pacientes conscientes e com LCR hemorrágico (7 casos); 2 pacientes inconscientes e com LCR hemorrágico (11 casos); 3 pacientes conscientes e com LCR límpido (6 casos). Um quarto grupo (pacientes inconscientes com LCR límpido) foi desprezado, por constar apenas de um caso. Foi feita a análise estatística dos resultados em relação aos valores normais , usando-se a comparação entre médias pelo cálculo do intervalo de confiança para 95% de probabilidade. RESULTADOS Os resultados estão representados na tabela 1 e nos gráficos 1, 2 e 3. COMENTÁRIOS O estudo estatístico permitiu tirar as seguintes conclusões: 1. Enxofre: Não há diferença estatisticamente significante nos valores obtidos no sangue dos três grupos em relação ao normal nem entre si; os valores dos grupos de pacientes inconscientes + LCR hemorrágico e de pacientes conscientes 4- LCR límpido tendem, porém, a ser maiores que os valores normais. O grupo de pacientes conscientes + LCR límpido apresentou valores de enxofre no LCR significativamente maiores que os normais, não diferindo, porém, dos outros dois grupos. Os valores do Departamento de Neurologia, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: * Assistente; ** Laboratorista.

2

3 grupo de pacientes inconscientes + LCR hemorrágico tendem a ser maiores que os normais no LCR. 2. Magnésio: Os três grupos não diferem estatisticamente entre si nem dos valores normais, tanto para os valores encontrados no sangue como para os encontrados no LCR; os valores do magnésio no LCR no grupo de pacientes inconsciente + LCR hemorrágico tendem, entretanto, a ser maiores que os normais. 3. Cobre: Não há diferença estatisticamente significante nos valores do cobre no sangue e no LCR dos três grupos nem em relação ao normal nem entre si. Os valores no LCR do grupo de pacientes conscientes + LCR hemorrágico tendem a ser menores que os normais. RESUMO Foram feitas dosagens de enxofre, sobre e magnésio no sangue e no líquido cefalorraqueano (LCR) de 25 pacientes com traumatismos crânio-encefálicos recentes. Dos três grupos em que foram classificados os casos, o grupo com pacientes inconscientes com LCR hemorrágico foi o mais frequente (11 casos). A dosagem do enxofre no LCR do grupo de pacientes conscientes com LCR límpido mostrou nítido aumento em relação à taxa normal. Nas demais dosagens houve, apenas em alguns casos, tendência dos valores em se dissociar do normal. SUMMARY Sulfur, copper and magnesium contents in blood and in cerebrospinal fluid of patients with recent cranio-cerebral trauma. The contests of sulfur, copper and magnesium in the blood and cerebrospinal fluid (CSF) of 25 patients with recent cranio-cerebral trauma were

4 determined. From the three groups in which the cases were classified, the group of unconscious patients with hémorragie CSF was the most frequent (11 cases). The values of sulfur in the CSF in the group of conscious patients with clear CSF were significantly higher than the normal levels. In the other cases there was only, in some cases, a tendency of the values to dissociate from the normal levels. REFERÊNCIAS 1. CANELAS, H. M.; ASSIS, L. M. & DE JORGE, F. B. Disorders of magsesium metabolism in epilepsy. J. Neurol Neurosurg. Psychiat. 28:378, CANELAS, H. M.; ASSIS, L. M.; DE JORGE, F. B.; TOLOSA, A. P. M. & CINTRA, A. B. U. Disorders of copper metabolism in epilepsy. Acta Neurol. Scand 40:97, CANELAS, H. M.; DE JORGE, F. B. & TOGNOLA, W. A. Metabolic balances of copper in patients with hepatolenticular degeneration submitted to vegetarian and mixed diets. J. Neurol Neurosurg. Psychiat. 30:371, CA NELAS, H. M.; DE JORGE; F. B. & TOGNOLA, W. A. Metabolic balances of sulfur in patients with metachromatic leucodystrophy. Arq. Neuro-Psiquiat. (São Paulo) 26:325, CANELAS, H. M.; DE JORGE, F. B. & TOGNOLA, W. A. Metabolic balances of sulfur in patients with hepatolenticular degeneration and effect of the use of D-penicilamine. Arq. Neuro-Psiquiat. (São Paulo) 27: 266, DE JORGE, F. B.; CANELAS, H. M. & COSTA-SILVA, A. Contribuição ao estudo do metabolismo de cobre: metodologia da determinação de cobre em materiais biológicos. Rev. paul. Med. 61:350, DE JORGE, F. B.; CA NELAS, H. M. & SPINA-FRANCA, A. Contribuição ao estudo do metabolismo do cobre: valores normais do cobre no sangue, líquido cefalorraqueano e urina. Rev. paul. Med. 62:125, DE JORGE, F. B.; CANELAS, H. M. & ZANINI, A. C. Metabolismo do magnesio: valores normais no soro, plasma, sangue total, líquido cefalorraqueano, urina e fezes. Rev. paul. Med. 65:95, DE JORGE, F. B.; CANELAS, H. M. & ZANINI, A. C. Metabolismo do enxofre: valores normais no soro sangüíneo, saliva, urina e fezes. Rev. paul. Med. 65:332, DE JORGE, F. B.; SILVA, A. G. & CINTRA, A. B. U. Determinação quantitativa do enxofre nos materiais biológicos. Rev. bras. Med. 21:491, DE JORGE, F. B.; SILVA, A. G. & CINTRA, A. B. U. Determinação quantitativa do magnesio nos materiais biológicos. Rev. paul. Med. 64:224, VALORES DE GLICOSE, URÉIA E CERULOPLASMINA NO SANGUE EM PACIENTES COM TRAUMATISMOS CRÂNI-ENCEFÁLICOS RECENTES DARCY DE FREITAS VELLUTINI FRANCISCO BASTOS DE JORGE Pesquisando a literatura não encontramos trabalhos nos quais houvessem sido estudadas as variações que poderiam ter a glicase, uréia e ceruloplasmina do sangue nos casos de traumatismos crânio-encefálicos recentes. MATERIAL E MÉTODOS Nosso estudo se baseia em 25 casos de traumatismos crânio-encefálicos recentes atendidos no Pronto Socorro do Hospital das Clínicas. Nesta série, 22 pacientes eram

5 do sexo masculino e 3 do feminino; 19 eram da raça branca, 5 pretos ou pardos e um amarelo; a idade variava de 17 a 70 anos. A determinação da glicose foi feita pelo método de Somogyi modificado por Nelson 3. A dosagem da uréia foi feita pelo reagente de Ehrlich modificado (p-dimetilaminobenzaldeido) descrito por Levine, Leon e Steigmann, simplificado por De Jorge e Cintra *. A atividade cobre-oxidase (ceruloplasmina) foi determinada pelo método de Houchin (De Jorge e Canelas 2 ). Os resultados obtidos nas dosagens foram relacionados com o estado de consciência dos pacientes e com o aspecto do líquido cefalorraqueano (LCR), sendo constituidos, assim, 3 grupos: 1 pacientes conscientes e LCR hemorrágico (7 casos); 2 pacientes inconscientes e LCR hemorrágico (11 casos); 3 pacientes conscientes e LCR límpido (6 casos). Um quarto grupo (paciente inconsciente e LCR límpido) foi desprezado por constar apenas de um caso. Foi feita a análise estatística dos resultados usando-se a comparação médias pelo cálculo do intervalo de confiança para 95% de probabilidade. entre RESULTADOS Os resultados estão representados na tabela 1 e nos gráficos 1, 2 e 3. COMENTÁRIOS O estudo estatístico nos permitiu tirar as seguintes conclusões: 1 Ceruloplasmina não há diferença.estatisticamente significante, nos valores do soro sangüíneo dos três grupos em relação ao normal e entre si. 2 Uréia os valores do grupo paciente inconsciente LCR hemorrágico são significativamente maiores que os valores normais, mas não diferem dos outros grupos, que por sua vez não diferem nem dos valores normais entre si. Os valores do grupo de pacientes conscientes LCR hemorrágico têm, porém, tendência a ser maiores que os valores normais.

6

7 RESUMO Foram feitas dosagens de glicose, uréia e ceruloplasmina no sangue de 25 pacientes com traumatismos crânio-encefálicos recentes. Dos três grupos em que foram classificados, o grupo de pacientes inconscientes com LCR hemorrágico foi o mais frequente (11 casos). A dosagem da uréia e da glicose no sangue do grupo de pacientes inconscientes com LCR hemorrágico mostrou nítido aumento com relação à taxa normal. Nas demais dosagens houve apenas, em alguns casos, tendência dos valores em se dissociar do normal. SUMMARY Glucosis, urea and ceruloplasmin contents in the blood of patients with recent cranio-cerebral trauma The values of glucosis, urea and ceruloplasmin in the blood of 25 patients with recent cranio-cerebral trauma were determined. From the groups in which the cases were classified, the group of unconscious patients with hemorragic cerebrospinal fluid (CSF) was the most frequent (11 cases). The urea and glucosis in the blood of the unconscious patients with hemorragic CSF were significantly higher than the normal levels. In the other cases there was only, in some cases, a tendency of the values to dissociate from the normal levels. REFERÊNCIAS 1. DE JORGE, F. B. & CINTRA, A. B. V. Contribuição ao estudo das substâncias nitrogenadas. II Método rápido e preciso para determinação de uréia nos líquidos biológicos (sangue, líquido cefalorraqueano, urina e saliva). Rev. paul. Med. 62:289, DE JORGE, F. B. & CANELAS, H. M. Contribuição ao estudo da ceruloplasmina. I Valores normais no soro sanguíneo. Arq. Neuro- Psiquiat. (São Paulo) 22:271, NELSON, N. A photometric adaptation of the Somogyi method for determination of glucose. J. Biol. Chem. 153:275, Departamento de Neurologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caixa Postal 3461 São Paulo, SP Brasil.

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA A. SPINA-FRANÇA * A pressão normal do líquido cefalorraqueano (LCR) ao nível do fundo de saco lombar varia entre 7 e 18 cm

Leia mais

PROTEINOGRAMA DO LÍQÜIDO CEFALORRAQUIDIANO NA LEPRA

PROTEINOGRAMA DO LÍQÜIDO CEFALORRAQUIDIANO NA LEPRA PROTEINOGRAMA DO LÍQÜIDO CEFALORRAQUIDIANO NA LEPRA A. SPINA-FRANÇA * WILSON BROTTO ** O acometimento do sistema nervoso na lepra não costuma ser acompanhado de modificações do quadro liquórico. Ocasionalmente

Leia mais

SÓDIO E POTÁSSIO NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM

SÓDIO E POTÁSSIO NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM SÓDIO E POTÁSSIO NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM CONDIÇÕES NORMAIS E PATOLÓGICAS JOÃO BAPTISTA DOS REIS * ISNARD DOS REIS Filho * ANTONIO BEI * Quando o organismo apresenta distúrbios bioquímicos, como conseqüência

Leia mais

CONCENTRAÇÕES DE CLORO, SODIO, POTÁSSIO E FOSFORO NO LIQUIDO CEFALORRAQUEANO NORMAL

CONCENTRAÇÕES DE CLORO, SODIO, POTÁSSIO E FOSFORO NO LIQUIDO CEFALORRAQUEANO NORMAL CONCENTRAÇÕES DE CLORO, SODIO, POTÁSSIO E FOSFORO NO LIQUIDO CEFALORRAQUEANO NORMAL A. SPINA-FRANÇA * FRANCISCO B. DE JORGE * Mestrezat 9, em 1912, registrara seus resultados e os de outros pesquisadores

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RA: ATIVIDADE PRÁTICA 1 A- ESPECTROFOTOMETRIA Espectroscopia

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS.

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. 67 DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. Juliana Salomão Doretto 1 ; Maria Adriana Machado Lobo e Silva 1 ; Marina Santo Lagos 2 RESUMO A determinação sérica

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS PROCESSO SELETIVO 2016/2 - CPS PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA INSTRUÇÕES: 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco)

Leia mais

JOÃO BAPTISTA DOS REIS FILHO * JOSÉ RODOLFO PASQUALIN ** GIL JOSÉ PACE ***

JOÃO BAPTISTA DOS REIS FILHO * JOSÉ RODOLFO PASQUALIN ** GIL JOSÉ PACE *** VARIAÇÕES DA TAXA DE AÇÚCAR NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM CASOS DE DERRAME DE SANGUE NO ESPAÇO SUB-ARACNÓIDE COM ESPECIAL REFERÊNCIA À HIPOGLICORRAQUIA JOÃO BAPTISTA DOS REIS FILHO * JOSÉ RODOLFO PASQUALIN

Leia mais

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Na aula de hoje, vamos falar de: 1. Importância da análise de amostras biológicas como ferramentas de diagnóstico 2. Composição dos dois fluidos mais analisados:

Leia mais

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde)

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD SMP 35 FRAÇÃO ÁCIDA cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise bombona plástica de 5 ou

Leia mais

TÁBUA DE VIDA DA POPULAÇÃO FEMININA DE RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1973*

TÁBUA DE VIDA DA POPULAÇÃO FEMININA DE RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1973* TÁBUA DE VIDA DA POPULAÇÃO FEMININA DE RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1973* Clarisse D. G. Carvalheiro * RSPU-B/381 CARVALHEIRO, C. D. G. Tábua de vida da população feminina de Ribeirão Preto, SP (Brasil),

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL 1. EXAME DE URINA Cor Aspecto Densidade urinária ph Glicosúria Proteinúria Pigmentos e Sais biliares Hemoglobinúria e Mioglobinúria

Leia mais

LABORATÓRIO BOM JESUS

LABORATÓRIO BOM JESUS GLICEMIA...: 74 Metodo: Colorimetrico Valor de Referencia: 70 a 110,0 mg/dl UREIA...: 32 Metodo : Urease/GluDH Valor de Referencia: 15 a 38 mg/dl CREATININA...: 0,65 Metodo : Picrato Alcalino Homens :

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos.

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 1) Introdução A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 2) Elementos químicos da matéria viva Existem 96 elementos químicos que ocorrem

Leia mais

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante

MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1. GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS. 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante MTAC Aula 6 BIOQUÍMICA DO SANGUE PARTE 1 GLICEMIA e LIPÍDIOS PLASMÁTICOS GLICEMIA 1) Mecanismos de regulação da glicemia: agentes hiper e hipoglicemiante 2) Métodos para determinação da glicemia: Baseados

Leia mais

ESTUDO CLÍNICO DE 84 PACIENTES EPILÉPTICOS COM LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO ALTERADO

ESTUDO CLÍNICO DE 84 PACIENTES EPILÉPTICOS COM LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO ALTERADO ESTUDO CLÍNICO DE 84 PACIENTES EPILÉPTICOS COM LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO ALTERADO LUÍS MARQUES-ASSIS * LAMARTINE CORRÊA DE MORAES JUNIOR ** De algum tempo para cá as epilepsias não mais têm sido encaradas

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Como Interpretar um Boletim de Análises Clínicas

Como Interpretar um Boletim de Análises Clínicas um Boletim Cristina V. Almeida Análises - Definição Conjunto de exames e testes, realizados normalmente a pedido do médico, executados em laboratórios de análise clínica. Os produtos biológicos mais comuns

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E BIOQUÍMICA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E BIOQUÍMICA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E BIOQUÍMICA Caracterização de Polímeros usados na Indústria de Cabos Elétricos: Ensaios de fogo com monitorização de parâmetros associados

Leia mais

Lactente de 15 meses de idade com meningite Modulo de urgência

Lactente de 15 meses de idade com meningite Modulo de urgência CASO CLINICO Lactente de 15 meses de idade com meningite Objetivos da apresentação Avaliar o cumprimento das normas existentes relativas à abordagem da criança com processo infeccioso associado a convulsões

Leia mais

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO Tampões biológicos Relembrar os conceitos de ácido e base (Brönsted-Lowry), ph, pka; Compreender a importância do ph na manutenção da estrutura tridimensional das biomoléculas; Conhecer os valores de ph

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética BG403 - GENÉTICA ANIMAL. Lista de Exercícios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Biológicas Departamento de Genética Profa Angelica Boldt BG403 - GENÉTICA ANIMAL Lista de Exercícios T7 GENÉTICA DE POPULAÇÕES 1) As propriedades genéticas

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

REGISTRO DA PRESSÃO INTRACRANIANA

REGISTRO DA PRESSÃO INTRACRANIANA REGISTRO DA PRESSÃO INTRACRANIANA PAULO ANDRADE DE MELLO * CARLOS TELLES ** MÁRCIO PALLIS HORTA ** Desde os trabalhos de Lundberg 1 que, em 1960, relatou o registro da pressão intraventricular em pacientes

Leia mais

FINANCEIRO Transferência ao FMS , , ,09 Lançamento de receita , ,

FINANCEIRO Transferência ao FMS , , ,09 Lançamento de receita , , ANOS DE AVALIAÇÃO FINANCEIRO 2013 Recursos Financeiro 1º Q 2º Q 3º Q Transferência ao FMS 1.433.937,48 2.114.288,06 3.493.955,09 Lançamento de receita 3.073.090,96 5.114.410,04 4.265.512,36 6.000.000,00

Leia mais

PROTEÍNA BÁSICA DE MIELINA NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA NEUROCISTICERCOSE

PROTEÍNA BÁSICA DE MIELINA NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA NEUROCISTICERCOSE PROTEÍNA BÁSICA DE MIELINA NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA NEUROCISTICERCOSE J. A. LIVRAMENTO * L. R. MACHADO* J. N. WHITAKER ** A. SPINA-FRANÇA *** As propriedades antigênicas do sistema nervoso central

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL MESTRADO PROVA A. Candidato:

PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO NÍVEL MESTRADO PROVA A. Candidato: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIENCIAS DA SAÚDE - Processo seletivo 2017 PROVA DE CONHECIMENTO EM METODOLOGIA CIENTÍFICA E INTERPRETAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia do vestibular UFPR 2016 apresentou questões de nível médio em sua maioria. O conteúdo foi cobrado de forma criativa e inteligente. Como em anos anteriores,

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue.

Excreção. Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Sistema Urinário Excreção Expulsão de produtos residuais da actividade celular e de outras substâncias presentes em excesso no sangue. Como eliminar os produtos tóxicos que se formam nas células? Vias

Leia mais

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central.

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Atividade 2 Ao longo dos próximos exercícios nós trabalharemos com uma planilha de dados a ser fornecida durante a aula. A planilha contém dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE MEDICINA ESPECIALIZADA DISCIPLINA: NEUROLOGIA CARGA HORÁRIA: 120 HORAS CRÉDITOS: 07 CÓDIGO: SME0013 PROFESSOR: REGINA MARIA PAPAIS ALVARENGA

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

Avaliação custo benefício da dosagem da relação albumina\ creatinina pela manhã em pacientes com pré-eclampsia.

Avaliação custo benefício da dosagem da relação albumina\ creatinina pela manhã em pacientes com pré-eclampsia. 1 Avaliação custo benefício da dosagem da relação albumina\ creatinina pela manhã em pacientes com pré-eclampsia. Vasconcelos Marcos, Docente do curso de graduação em medicina. Mendes Mariani Correa, dicente

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA CONTAGEM DE PLAQUETAS ENTRE O MÉTODO DE FÔNIO E O MÉTODO SEMI-AUTOMATIZADO

TÍTULO: COMPARAÇÃO DA CONTAGEM DE PLAQUETAS ENTRE O MÉTODO DE FÔNIO E O MÉTODO SEMI-AUTOMATIZADO TÍTULO: COMPARAÇÃO DA CONTAGEM DE PLAQUETAS ENTRE O MÉTODO DE FÔNIO E O MÉTODO SEMI-AUTOMATIZADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

a epidemiologia da doença que mais mata

a epidemiologia da doença que mais mata a epidemiologia da doença que mais mata O Acidente Vascular Cerebral (AVC) caracteriza-se pela perda abrupta de uma função neurológica causada pela interrupção do fluxo de sangue para uma região do cérebro

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

DOSEAMENTO DE ÁCIDO ASCORBICO EM VEGETAIS SULFATADOS. O. F. Ribeiro

DOSEAMENTO DE ÁCIDO ASCORBICO EM VEGETAIS SULFATADOS. O. F. Ribeiro Vol. fasc. Dezembro de 9 Departamento de Química Orgânica e Biológica Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo Diretor Prof. Dr. Fonseca Ribeiro DOSEAMENTO DE ÁCIDO ASCORBICO EM VEGETAIS

Leia mais

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B.

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B. Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N 2016 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio 1 1. Um extrato de proteínas foi obtido a partir da

Leia mais

Exames Complementares Morte Encefálica. Pedro Antonio P. de Jesus

Exames Complementares Morte Encefálica. Pedro Antonio P. de Jesus Exames Complementares Morte Encefálica Pedro Antonio P. de Jesus Exames Complementares Angiografia cerebral Cintilografia radioisotópica Doppler transcraniano Monitorização da pressão intra-craniana Tomografia

Leia mais

Aluno (a): Para as questões de Ciências Exatas têm que ser apresentados os respectivos cálculos.

Aluno (a): Para as questões de Ciências Exatas têm que ser apresentados os respectivos cálculos. Matemática 1) Uma caixa tem 5 bolas azuis e 3 vermelhas. Tirando-se, ao mesmo tempo, duas bolas ao acaso, a probabilidade de que as duas sejam de cores diferentes é: a) 15 56 b) 56 59 c) 15 28 d) 7 10

Leia mais

Passo a passo da implantação da estimativa da taxa de filtração glomerular (etfg): 1

Passo a passo da implantação da estimativa da taxa de filtração glomerular (etfg): 1 Passo a passo da implantação da estimativa da taxa de filtração glomerular (etfg): 1 Identificar o método para a análise de creatinina sérica usado no seu laboratório. Esta informação deve constar na bula

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM 2. Objetivo da circular normativa Implementar a gestão

Leia mais

FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNIA EM TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE NO INSTITUTO PRÓ VIDA RENAL, LONDRINA-PR

FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNIA EM TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE NO INSTITUTO PRÓ VIDA RENAL, LONDRINA-PR FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE PACIENTES PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNIA EM TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE NO INSTITUTO PRÓ VIDA RENAL, LONDRINA-PR SILVA, M. P. C; PIRES, C. R. RESUMO Foi aplicado um questionário

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso.

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. ÁCIDO ÚRICO Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. # Usar os calibrador protéico da Katal. Verificar os parâmetros da aplicação

Leia mais

ELETROFORESE EM PAPEL DAS PROTEÍNAS DO LÍQÜIDO CEFALORRAQUIDIANO. III. TÉCNICA

ELETROFORESE EM PAPEL DAS PROTEÍNAS DO LÍQÜIDO CEFALORRAQUIDIANO. III. TÉCNICA TÉCNICAS DE LABORATÓRIO ELETROFORESE EM PAPEL DAS PROTEÍNAS DO LÍQÜIDO CEFALORRAQUIDIANO. III. TÉCNICA A. SPINA-FRANÇA * A eletroforese em papel (EFP) tem-se mostrado método bastante útil para o estudo

Leia mais

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph = potencial hidrogeniônico ph = -log [H + ] Sorenson 1909 A escala de ph é logarítma; portanto, quando duas

Leia mais

2º trimestre Biologia Sala de estudos Data: Agosto/2015 Ensino Médio 1º ano classe: Profª Elisete Nome: nº

2º trimestre Biologia Sala de estudos Data: Agosto/2015 Ensino Médio 1º ano classe: Profª Elisete Nome: nº 2º trimestre Biologia Sala de estudos Data: Agosto/2015 Ensino Médio 1º ano classe: Profª Elisete Nome: nº Valor: 10 Nota:.. Conteúdo: A química da vida 1) A principal substância INORGÂNICA que encontramos

Leia mais

CONCENTRAÇÕES DE CLORO, SÓDIO, POTÁSSIO E FÓSFORO NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO DURANTE CRISES CONVULSIVAS

CONCENTRAÇÕES DE CLORO, SÓDIO, POTÁSSIO E FÓSFORO NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO DURANTE CRISES CONVULSIVAS CONCENTRAÇÕES DE CLORO, SÓDIO, POTÁSSIO E FÓSFORO NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO DURANTE CRISES CONVULSIVAS A. SPINA-FRANÇA * WALDEMAR SALVIA ** Luís M. DE Assis * FRANCISCO B. DE JORGE * J. M. MARLET*** MILTON

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS Avaliação do Estado Nutricional. CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof.

EXAMES LABORATORIAIS Avaliação do Estado Nutricional. CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof. m CURSO TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA Química e Bioquímica Aplicada Prof. Adriano Silva Estado Nutricional Composição da alimentação (tipo e quantidade dos alimentos ingeridos); Necessidades do organismo

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 10 EXCREÇÃO HUMANA Fixação 1) A ingestão de álcool inibe a liberação de ADH (hormônio antidiurético) pela hipófise. Assim sendo, espera-se que um homem alcoolizado: a)

Leia mais

CURSO PARA REMETENTES Módulo I Termos Utilizados na Expedição de Substâncias Infecciosas

CURSO PARA REMETENTES Módulo I Termos Utilizados na Expedição de Substâncias Infecciosas Módulo I Agosto 2011 Sumário Página 2 de 20 Produtos perigosos Substâncias infecciosas Culturas e espécimes de pacientes Embalagem Etiquetagem Marcação Exercício I: Diferenças entre PI620 e PI650 Página

Leia mais

Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose

Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose Artigo original RESUMO Larissa Ágata Amaral Becher 1 Franciele Bona Verzeletti 2 Os laboratórios

Leia mais

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin Coleta de Amostras Biológicas Enf Karin Material Biológico (Amostras): Líquidos Secreções Excreções Fragmentos de tecido Mais utilizados: sangue e urina Coletas laboratoriais Normas e Rotinas O resultado

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO

A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO A ORGANIZAÇÃO DO SER VIVO PRINCIPAIS ELEMENTOS QUE CONSTITUEM OS SERES VIVOS Carbono CHONPS Compõe as principais cadeias das moléculas orgânicas (lipídios, carboidratos e proteínas) presentes em nosso

Leia mais

Amostragem. Amostragem. Técnica: possibilita realizar a pesquisa em universos infinitos.

Amostragem. Amostragem. Técnica: possibilita realizar a pesquisa em universos infinitos. Técnica: possibilita realizar a pesquisa em universos infinitos. A Estatística pode ser estendida ao estudo das populações chamadas infinitas nas quais não temos a possibilidade de observar todos os elementos

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO

TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE ANTROPOMÉTRICA DE SACROS DO SEXO MASCULINO E FEMININO DO ESTADO DE SÃO PAULO CATEGORIA:

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá- UEM Universidade Estadual de Maringá-UEM

Universidade Estadual de Maringá- UEM  Universidade Estadual de Maringá-UEM CARACTERIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE PACIENTES IDOSOS QUE SOFRERAM QUEDA ATENDIDOS NO PRONTO ATENDIMENTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PÚBLICO NO NOROESTE DO PARANÁ Autor Josy Anne Silva; Co-autor Edivaldo

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DA VITAMINA "C" NAS DIFERENTES PARTES DE "CITRUS LIMETTA RISSO" (LARANJA LIMA)

SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DA VITAMINA C NAS DIFERENTES PARTES DE CITRUS LIMETTA RISSO (LARANJA LIMA) Vol. 2 Fasc. 2 Setembro de 1942 Departamento de Química Orgânica e Biológica Diretor: Prof. Dr. Fonseca Ribeiro SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DA VITAMINA "C" NAS DIFERENTES PARTES DE "CITRUS LIMETTA RISSO" (LARANJA

Leia mais

EXAME LABORATORIAL DO LÍQÜIDO CEFALORAQUIDIANO (LCR)

EXAME LABORATORIAL DO LÍQÜIDO CEFALORAQUIDIANO (LCR) EXAME LABORATORIAL DO LÍQÜIDO CEFALORAQUIDIANO (LCR) Prof. Adjunto Paulo César Ciarlini Laboratório Clínico Veterinário FMV Araçatuba - UNESP E-Mail: Ciarlini@fmva.unesp.br FUNÇÃO DO LCR Proteção do cérebro

Leia mais

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances Comparando riscos e chances Risco relativo e Razão de Chances Exemplo Inicial Estudo para verificar se a ingestão de extrato de guaraná tem efeito sobre a fadiga em pacientes tratados com quimioterapia

Leia mais

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de

20 A dosagem do HDL-colesterol apresenta uma distribuição simétrica com média de 46,5 mg/d1, desvio padrão de 17,9 mg/di e coeficiente de variação de 19 V- RESULTADOS A idade no grupo de pacientes virchovianos, apresenta uma média de 54,5 anos, desvio padrão de 16,35 anos e coeficiente de variação de 29,96%. Quanto à distribuição dessas idades, 35,4%

Leia mais

SÔBRE O TEOR EM ÁCIDO ASCÕRBICO DA BATATA {SOL AN UM TUBEROSUM)

SÔBRE O TEOR EM ÁCIDO ASCÕRBICO DA BATATA {SOL AN UM TUBEROSUM) DEPARTAMENTO DE QUÍMICA ORGÂNICA E BIOLÓGICA Diretor: Prof. Fonseca Ribeiro SÔBRE O TEOR EM ÁCIDO ASCÕRBICO DA BATATA {SOL AN UM TUBEROSUM) (ASCORBIC ACID CONTENT OF POTATOES) F o nseca R ib eiro Catedrático

Leia mais

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo

Descrição do Procedimento VALOR (R$) Prazo de entrega Material enviado. Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Bioquímicos Ácidos biliares totais (jejum ou pós prandial) 130,00 4 dias Soro sanguíneo Ácidos biliares totais (2 dosagens- jejum e pós prandial) 250,00 4 dias Soro sanguíneo Ácido úrico 47,00 48 horas

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Ao longo deste capítulo, serão apresentados os resultados obtidos bem como a sua discussão, após o tratamento estatístico das variáveis envolvidas no

Leia mais

INFLUENCIA DA MENSTRUAÇAO SOBRE AS EPILEPSIAS

INFLUENCIA DA MENSTRUAÇAO SOBRE AS EPILEPSIAS INFLUENCIA DA MENSTRUAÇAO SOBRE AS EPILEPSIAS LUIS Μ ARQUES-ASSIS * É conhecido o fato do paciente epiléptico exibir certas características próprias no que se refere ao padrão das crises, à sua freqüência

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COM TESTES ΝΑΟ-VERBAIS EM AFASICOS

AVALIAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COM TESTES ΝΑΟ-VERBAIS EM AFASICOS AVALIAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COM TESTES ΝΑΟ-VERBAIS EM AFASICOS JANETE SIMIEMA CESCHIN * MARIE JOBETTE BRAVER *** ROBERTO MELARA ΟΝΟ FILHO** MARIA ALICE MATTOS P. PARENTE**** Preservação ou alteração da inteligência

Leia mais

AÇÚCARES E SÓLIDOS SOLÚVEIS EM BEBIDAS E BLENDS DE CAFÉS TORRADOS TIPO EXPRESSO

AÇÚCARES E SÓLIDOS SOLÚVEIS EM BEBIDAS E BLENDS DE CAFÉS TORRADOS TIPO EXPRESSO AÇÚCARES E SÓLIDOS SOLÚVEIS EM BEBIDAS E BLENDS DE CAFÉS TORRADOS TIPO EXPRESSO PINTO, N.A.V.D. 1 ; PEREIRA, R.G.F.A. 1 ; FERNANDES, S.M. 1 e CARVALHO, V.D. 1 1 DCA/UFLA, cx. postal 37, Lavras -MG,

Leia mais

PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO CURSO: FÍSICA MÉDICA DISCIPLINA: BIOQUÍMICA BÁSICA ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: QUÍMICA E BIOQUÍMICA DOCENTE RESPONSÁVEL: PROFA. DRA. GIUSEPPINA P.P. LIMA

Leia mais

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária

Não existem valores de referência estabelecidos para essa faixa etária 30/01/2017 0818 DN 25/10/1946 / 70a 3m Página 1 de 7 Protocolo 1701.001.083-6 Documento ACIDO URICO 7,5 mg/dl Enzimático. EXAME REVISTO E CONFIRMADO. 2,5 6,5 mg/dl

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada

Leia mais

Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Advantage e Accu-Chek Comfort Curve. Introdução I. RIGOR. Método

Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Advantage e Accu-Chek Comfort Curve. Introdução I. RIGOR. Método Desempenho de rigor e precisão do Sistema Accu-Chek Advantage e Accu-Chek Comfort Curve Introdução O rigor do sistema foi avaliado através da norma ISO 15197:2003. O sangue capilar de indivíduos diagnosticados

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade

Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade Testes de Aderência Testes de Independência Testes de Homogeneidade 1 1. Testes de Aderência Objetivo: Testar a adequabilidade de um modelo probabilístico a um conjunto de dados observados Exemplo 1: Genética

Leia mais

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe

Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo Avaliação da telelaringoscopia no diagnóstico das lesões benignas da laringe Márcio Cavalcante Salmito SÃO PAULO 2012 Márcio Cavalcante Salmito Avaliação

Leia mais

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05 Distribuição Normal Introdução O pesquisador estuda variáveis. O estatístico diz que essas variáveis são aleatórias porque elas têm um componente que varia ao acaso. Por exemplo, a variabilidade dos pesos

Leia mais

Métodos de avaliação da função renal

Métodos de avaliação da função renal Métodos de avaliação da função renal Fernando Domingos Instituto de Fisiologia Faculdade de Medicina de Lisboa 2014 1 Avaliação clínica Medição da pressão arterial (pode estar elevada na doença renal)

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Definição da síndrome Insuficiência renal Insuficiência

Leia mais

VITAMINAS E MINERAIS

VITAMINAS E MINERAIS VITAMINAS E MINERAIS MINERAIS São substâncias de origem inorgânica que fazem parte dos tecidos duros do organismo, como ossos e dentes. Também encontrados nos tecidos moles como músculos, células sanguíneas

Leia mais

Lista 5 de exercícios

Lista 5 de exercícios Lista 5 de exercícios 1. (ANDRADE; OGLIARI, 2010) Em um experimento, 320 em 400 sementes germinaram. Determine o intervalo de confiança de 99% para a verdadeira proporção de sementes que germinaram. Para

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 Márcia Regina Buzzar Divisão de Zoonoses CVE SES-SP mbuzzar@saude.sp.gov.br INTRODUÇÃO A Leptospirose é doença infecciosa

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell 1. Considere uma solução aquosa de NH 3, preparada na concentração de 0,100 mol L -1. Calcule o ph desta solução. Use K b = 1,8 10-5. 2. Uma alíquota

Leia mais

Assunto: Ligações Químicas. 1) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é:

Assunto: Ligações Químicas. 1) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: Aluno: Série: 1º ano Assunto: Ligações Químicas 1) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: a) Halogênios b) Calcogênios c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais

Leia mais

muda de marrom para azula (medida pela absorvância da luz em um comprimento de onda de 595 nm) é proporcional à concentração de proteína presente.

muda de marrom para azula (medida pela absorvância da luz em um comprimento de onda de 595 nm) é proporcional à concentração de proteína presente. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS E APOSTILAS CITADOS ABAIXO. 1 Na determinação de uma proteína pelo método de Bradford, a cor de um corante muda de marrom para

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

O PERFIL DO SETOR DE NEUROLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO - CAMPO GRANDE-MS

O PERFIL DO SETOR DE NEUROLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO - CAMPO GRANDE-MS 23 O PERFIL DO SETOR DE NEUROLOGIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO - CAMPO GRANDE-MS Aline Schio* Karla de Toledo Candido** Lúcio Benedicto Kroll*** RESUMO Este artigo descreve a característica dos

Leia mais

Metabolismo de aminoácidos de proteínas. Profa Dra Mônica Santos de Freitas

Metabolismo de aminoácidos de proteínas. Profa Dra Mônica Santos de Freitas Metabolismo de aminoácidos de proteínas Profa Dra Mônica Santos de Freitas 16.05.2011 1 Introdução As proteínas são a segunda maior fonte de estocagem de energia no corpo; O maior estoque de proteínas

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELA FISIOTERAPIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA

PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELA FISIOTERAPIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELA FISIOTERAPIA NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA VIALE, C. S. S.; SANTOS, K. K. V.; HAYASHI, D. Resumo: O objetivo deste trabalho

Leia mais

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n Profa Alessandra Barone www.profbio.com.br Metabolismo Conjunto de reações realizadas a partir da transformação de substâncias com a finalidade de suprimento de energia, renovação de moléculas e manutenção

Leia mais

PREVALENCIA DA INCONTINÊNCIA COMBINADA AUTO-RELATADA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

PREVALENCIA DA INCONTINÊNCIA COMBINADA AUTO-RELATADA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS PREVALENCIA DA INCONTINÊNCIA COMBINADA AUTO-RELATADA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS Vera Lucia Conceição Gouvêa Santos Claudia Regina de Souza Santos Introdução Conforme a Sociedade International Continence

Leia mais