VALORES DO ENXOFRE, COBRE E MAGNÉSIO NO SORO SANGUÍNEO E NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NOS TRAUMATISMOS CRÂNIO-ENCEFÁLICOS RECENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALORES DO ENXOFRE, COBRE E MAGNÉSIO NO SORO SANGUÍNEO E NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NOS TRAUMATISMOS CRÂNIO-ENCEFÁLICOS RECENTES"

Transcrição

1 VALORES DO ENXOFRE, COBRE E MAGNÉSIO NO SORO SANGUÍNEO E NO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NOS TRAUMATISMOS CRÂNIO-ENCEFÁLICOS RECENTES DARCY DE FREITAS VELLUTINI*; FRANCISCO BASTOS DE JORGE** O metabolismo do enxofre, cobre e magnésio tem sido, nestes últimos anos, objeto de vários estudos. Entre nós, De Jorge e col > 9 determinaram seus valores normais no sangue, líquido cefalorraqueano (LCR) e urina. Canelas e col estudaram o metabolismo desses elementos em algumas afeções neurológicas. MATERIAL E MÉTODOS Nosso estudo se baseia em 25 casos de traumatismos crânio-encefálicos recentes atendidos no Pronto Socorro do Hospital das Clinicas. Nesta série, 22 pacientes eram do sexo masculino e 3 do feminino; 19 eram da raça branca, 5 pretos ou pardos e um amarelo; a idade variava de 17 a 70 anos. A determinação do cobre foi realizada pela reação do dietilditiocarbamato de sódio (De Jorge e col. 8 ); para o enxofre inorgânico foi usado o método turbidimétrico (De Jorge e col. 10 ); o magnésio foi determinado pelo método do titã amarelo e mmeio alcalino (De Jorge e col."). Os resultados obtidos nas dosagens foram relacionados com o estado de consciência dos pacientes e com a aspecto do LCR, sendo constituídos, assim, três grupos: 1 pacientes conscientes e com LCR hemorrágico (7 casos); 2 pacientes inconscientes e com LCR hemorrágico (11 casos); 3 pacientes conscientes e com LCR límpido (6 casos). Um quarto grupo (pacientes inconscientes com LCR límpido) foi desprezado, por constar apenas de um caso. Foi feita a análise estatística dos resultados em relação aos valores normais , usando-se a comparação entre médias pelo cálculo do intervalo de confiança para 95% de probabilidade. RESULTADOS Os resultados estão representados na tabela 1 e nos gráficos 1, 2 e 3. COMENTÁRIOS O estudo estatístico permitiu tirar as seguintes conclusões: 1. Enxofre: Não há diferença estatisticamente significante nos valores obtidos no sangue dos três grupos em relação ao normal nem entre si; os valores dos grupos de pacientes inconscientes + LCR hemorrágico e de pacientes conscientes 4- LCR límpido tendem, porém, a ser maiores que os valores normais. O grupo de pacientes conscientes + LCR límpido apresentou valores de enxofre no LCR significativamente maiores que os normais, não diferindo, porém, dos outros dois grupos. Os valores do Departamento de Neurologia, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: * Assistente; ** Laboratorista.

2

3 grupo de pacientes inconscientes + LCR hemorrágico tendem a ser maiores que os normais no LCR. 2. Magnésio: Os três grupos não diferem estatisticamente entre si nem dos valores normais, tanto para os valores encontrados no sangue como para os encontrados no LCR; os valores do magnésio no LCR no grupo de pacientes inconsciente + LCR hemorrágico tendem, entretanto, a ser maiores que os normais. 3. Cobre: Não há diferença estatisticamente significante nos valores do cobre no sangue e no LCR dos três grupos nem em relação ao normal nem entre si. Os valores no LCR do grupo de pacientes conscientes + LCR hemorrágico tendem a ser menores que os normais. RESUMO Foram feitas dosagens de enxofre, sobre e magnésio no sangue e no líquido cefalorraqueano (LCR) de 25 pacientes com traumatismos crânio-encefálicos recentes. Dos três grupos em que foram classificados os casos, o grupo com pacientes inconscientes com LCR hemorrágico foi o mais frequente (11 casos). A dosagem do enxofre no LCR do grupo de pacientes conscientes com LCR límpido mostrou nítido aumento em relação à taxa normal. Nas demais dosagens houve, apenas em alguns casos, tendência dos valores em se dissociar do normal. SUMMARY Sulfur, copper and magnesium contents in blood and in cerebrospinal fluid of patients with recent cranio-cerebral trauma. The contests of sulfur, copper and magnesium in the blood and cerebrospinal fluid (CSF) of 25 patients with recent cranio-cerebral trauma were

4 determined. From the three groups in which the cases were classified, the group of unconscious patients with hémorragie CSF was the most frequent (11 cases). The values of sulfur in the CSF in the group of conscious patients with clear CSF were significantly higher than the normal levels. In the other cases there was only, in some cases, a tendency of the values to dissociate from the normal levels. REFERÊNCIAS 1. CANELAS, H. M.; ASSIS, L. M. & DE JORGE, F. B. Disorders of magsesium metabolism in epilepsy. J. Neurol Neurosurg. Psychiat. 28:378, CANELAS, H. M.; ASSIS, L. M.; DE JORGE, F. B.; TOLOSA, A. P. M. & CINTRA, A. B. U. Disorders of copper metabolism in epilepsy. Acta Neurol. Scand 40:97, CANELAS, H. M.; DE JORGE, F. B. & TOGNOLA, W. A. Metabolic balances of copper in patients with hepatolenticular degeneration submitted to vegetarian and mixed diets. J. Neurol Neurosurg. Psychiat. 30:371, CA NELAS, H. M.; DE JORGE; F. B. & TOGNOLA, W. A. Metabolic balances of sulfur in patients with metachromatic leucodystrophy. Arq. Neuro-Psiquiat. (São Paulo) 26:325, CANELAS, H. M.; DE JORGE, F. B. & TOGNOLA, W. A. Metabolic balances of sulfur in patients with hepatolenticular degeneration and effect of the use of D-penicilamine. Arq. Neuro-Psiquiat. (São Paulo) 27: 266, DE JORGE, F. B.; CANELAS, H. M. & COSTA-SILVA, A. Contribuição ao estudo do metabolismo de cobre: metodologia da determinação de cobre em materiais biológicos. Rev. paul. Med. 61:350, DE JORGE, F. B.; CA NELAS, H. M. & SPINA-FRANCA, A. Contribuição ao estudo do metabolismo do cobre: valores normais do cobre no sangue, líquido cefalorraqueano e urina. Rev. paul. Med. 62:125, DE JORGE, F. B.; CANELAS, H. M. & ZANINI, A. C. Metabolismo do magnesio: valores normais no soro, plasma, sangue total, líquido cefalorraqueano, urina e fezes. Rev. paul. Med. 65:95, DE JORGE, F. B.; CANELAS, H. M. & ZANINI, A. C. Metabolismo do enxofre: valores normais no soro sangüíneo, saliva, urina e fezes. Rev. paul. Med. 65:332, DE JORGE, F. B.; SILVA, A. G. & CINTRA, A. B. U. Determinação quantitativa do enxofre nos materiais biológicos. Rev. bras. Med. 21:491, DE JORGE, F. B.; SILVA, A. G. & CINTRA, A. B. U. Determinação quantitativa do magnesio nos materiais biológicos. Rev. paul. Med. 64:224, VALORES DE GLICOSE, URÉIA E CERULOPLASMINA NO SANGUE EM PACIENTES COM TRAUMATISMOS CRÂNI-ENCEFÁLICOS RECENTES DARCY DE FREITAS VELLUTINI FRANCISCO BASTOS DE JORGE Pesquisando a literatura não encontramos trabalhos nos quais houvessem sido estudadas as variações que poderiam ter a glicase, uréia e ceruloplasmina do sangue nos casos de traumatismos crânio-encefálicos recentes. MATERIAL E MÉTODOS Nosso estudo se baseia em 25 casos de traumatismos crânio-encefálicos recentes atendidos no Pronto Socorro do Hospital das Clínicas. Nesta série, 22 pacientes eram

5 do sexo masculino e 3 do feminino; 19 eram da raça branca, 5 pretos ou pardos e um amarelo; a idade variava de 17 a 70 anos. A determinação da glicose foi feita pelo método de Somogyi modificado por Nelson 3. A dosagem da uréia foi feita pelo reagente de Ehrlich modificado (p-dimetilaminobenzaldeido) descrito por Levine, Leon e Steigmann, simplificado por De Jorge e Cintra *. A atividade cobre-oxidase (ceruloplasmina) foi determinada pelo método de Houchin (De Jorge e Canelas 2 ). Os resultados obtidos nas dosagens foram relacionados com o estado de consciência dos pacientes e com o aspecto do líquido cefalorraqueano (LCR), sendo constituidos, assim, 3 grupos: 1 pacientes conscientes e LCR hemorrágico (7 casos); 2 pacientes inconscientes e LCR hemorrágico (11 casos); 3 pacientes conscientes e LCR límpido (6 casos). Um quarto grupo (paciente inconsciente e LCR límpido) foi desprezado por constar apenas de um caso. Foi feita a análise estatística dos resultados usando-se a comparação médias pelo cálculo do intervalo de confiança para 95% de probabilidade. entre RESULTADOS Os resultados estão representados na tabela 1 e nos gráficos 1, 2 e 3. COMENTÁRIOS O estudo estatístico nos permitiu tirar as seguintes conclusões: 1 Ceruloplasmina não há diferença.estatisticamente significante, nos valores do soro sangüíneo dos três grupos em relação ao normal e entre si. 2 Uréia os valores do grupo paciente inconsciente LCR hemorrágico são significativamente maiores que os valores normais, mas não diferem dos outros grupos, que por sua vez não diferem nem dos valores normais entre si. Os valores do grupo de pacientes conscientes LCR hemorrágico têm, porém, tendência a ser maiores que os valores normais.

6

7 RESUMO Foram feitas dosagens de glicose, uréia e ceruloplasmina no sangue de 25 pacientes com traumatismos crânio-encefálicos recentes. Dos três grupos em que foram classificados, o grupo de pacientes inconscientes com LCR hemorrágico foi o mais frequente (11 casos). A dosagem da uréia e da glicose no sangue do grupo de pacientes inconscientes com LCR hemorrágico mostrou nítido aumento com relação à taxa normal. Nas demais dosagens houve apenas, em alguns casos, tendência dos valores em se dissociar do normal. SUMMARY Glucosis, urea and ceruloplasmin contents in the blood of patients with recent cranio-cerebral trauma The values of glucosis, urea and ceruloplasmin in the blood of 25 patients with recent cranio-cerebral trauma were determined. From the groups in which the cases were classified, the group of unconscious patients with hemorragic cerebrospinal fluid (CSF) was the most frequent (11 cases). The urea and glucosis in the blood of the unconscious patients with hemorragic CSF were significantly higher than the normal levels. In the other cases there was only, in some cases, a tendency of the values to dissociate from the normal levels. REFERÊNCIAS 1. DE JORGE, F. B. & CINTRA, A. B. V. Contribuição ao estudo das substâncias nitrogenadas. II Método rápido e preciso para determinação de uréia nos líquidos biológicos (sangue, líquido cefalorraqueano, urina e saliva). Rev. paul. Med. 62:289, DE JORGE, F. B. & CANELAS, H. M. Contribuição ao estudo da ceruloplasmina. I Valores normais no soro sanguíneo. Arq. Neuro- Psiquiat. (São Paulo) 22:271, NELSON, N. A photometric adaptation of the Somogyi method for determination of glucose. J. Biol. Chem. 153:275, Departamento de Neurologia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Caixa Postal 3461 São Paulo, SP Brasil.

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA

VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA VARIAÇÕES FISIOLÓGICAS DA PRESSÃO DO LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO NA CISTERNA MAGNA A. SPINA-FRANÇA * A pressão normal do líquido cefalorraqueano (LCR) ao nível do fundo de saco lombar varia entre 7 e 18 cm

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS.

DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. 67 DETERMINAÇÃO DOS VALORES DE REFERÊNCIA PARA URÉIA E CREATININA SÉRICAS EM EQÜINOS. Juliana Salomão Doretto 1 ; Maria Adriana Machado Lobo e Silva 1 ; Marina Santo Lagos 2 RESUMO A determinação sérica

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RA: ATIVIDADE PRÁTICA 1 A- ESPECTROFOTOMETRIA Espectroscopia

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS PROCESSO SELETIVO 2016/2 - CPS PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA INSTRUÇÕES: 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco)

Leia mais

Como Interpretar um Boletim de Análises Clínicas

Como Interpretar um Boletim de Análises Clínicas um Boletim Cristina V. Almeida Análises - Definição Conjunto de exames e testes, realizados normalmente a pedido do médico, executados em laboratórios de análise clínica. Os produtos biológicos mais comuns

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA DE BIOLOGIA A prova de Biologia do vestibular UFPR 2016 apresentou questões de nível médio em sua maioria. O conteúdo foi cobrado de forma criativa e inteligente. Como em anos anteriores,

Leia mais

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Na aula de hoje, vamos falar de: 1. Importância da análise de amostras biológicas como ferramentas de diagnóstico 2. Composição dos dois fluidos mais analisados:

Leia mais

ESTUDO CLÍNICO DE 84 PACIENTES EPILÉPTICOS COM LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO ALTERADO

ESTUDO CLÍNICO DE 84 PACIENTES EPILÉPTICOS COM LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO ALTERADO ESTUDO CLÍNICO DE 84 PACIENTES EPILÉPTICOS COM LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO ALTERADO LUÍS MARQUES-ASSIS * LAMARTINE CORRÊA DE MORAES JUNIOR ** De algum tempo para cá as epilepsias não mais têm sido encaradas

Leia mais

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde)

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD SMP 35 FRAÇÃO ÁCIDA cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise bombona plástica de 5 ou

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

CURSO PARA REMETENTES Módulo I Termos Utilizados na Expedição de Substâncias Infecciosas

CURSO PARA REMETENTES Módulo I Termos Utilizados na Expedição de Substâncias Infecciosas Módulo I Agosto 2011 Sumário Página 2 de 20 Produtos perigosos Substâncias infecciosas Culturas e espécimes de pacientes Embalagem Etiquetagem Marcação Exercício I: Diferenças entre PI620 e PI650 Página

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

AÇÚCARES E SÓLIDOS SOLÚVEIS EM BEBIDAS E BLENDS DE CAFÉS TORRADOS TIPO EXPRESSO

AÇÚCARES E SÓLIDOS SOLÚVEIS EM BEBIDAS E BLENDS DE CAFÉS TORRADOS TIPO EXPRESSO AÇÚCARES E SÓLIDOS SOLÚVEIS EM BEBIDAS E BLENDS DE CAFÉS TORRADOS TIPO EXPRESSO PINTO, N.A.V.D. 1 ; PEREIRA, R.G.F.A. 1 ; FERNANDES, S.M. 1 e CARVALHO, V.D. 1 1 DCA/UFLA, cx. postal 37, Lavras -MG,

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DA VITAMINA "C" NAS DIFERENTES PARTES DE "CITRUS LIMETTA RISSO" (LARANJA LIMA)

SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DA VITAMINA C NAS DIFERENTES PARTES DE CITRUS LIMETTA RISSO (LARANJA LIMA) Vol. 2 Fasc. 2 Setembro de 1942 Departamento de Química Orgânica e Biológica Diretor: Prof. Dr. Fonseca Ribeiro SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DA VITAMINA "C" NAS DIFERENTES PARTES DE "CITRUS LIMETTA RISSO" (LARANJA

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

a epidemiologia da doença que mais mata

a epidemiologia da doença que mais mata a epidemiologia da doença que mais mata O Acidente Vascular Cerebral (AVC) caracteriza-se pela perda abrupta de uma função neurológica causada pela interrupção do fluxo de sangue para uma região do cérebro

Leia mais

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB

APLICAÇÕES GOLD ANALISA PARA O QUICK LAB ÁCIDO ÚRICO - PP - Cat. 451 200 Determinações - Volume: 200 ml Técnica de Análise: Seguir as Instruções de Uso do produto. Calibração Para a calibração, usar o (1) do kit ou o Calibrador Gold Analisa Cat.

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

Introdução ao Metabolismo Celular Nutrição

Introdução ao Metabolismo Celular Nutrição Introdução ao Metabolismo Celular Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto MAR/2011 Energética básicab Energia é a capacidade de realizar trabalho, que ocorre quando uma força age sobre

Leia mais

Avaliação custo benefício da dosagem da relação albumina\ creatinina pela manhã em pacientes com pré-eclampsia.

Avaliação custo benefício da dosagem da relação albumina\ creatinina pela manhã em pacientes com pré-eclampsia. 1 Avaliação custo benefício da dosagem da relação albumina\ creatinina pela manhã em pacientes com pré-eclampsia. Vasconcelos Marcos, Docente do curso de graduação em medicina. Mendes Mariani Correa, dicente

Leia mais

muda de marrom para azula (medida pela absorvância da luz em um comprimento de onda de 595 nm) é proporcional à concentração de proteína presente.

muda de marrom para azula (medida pela absorvância da luz em um comprimento de onda de 595 nm) é proporcional à concentração de proteína presente. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS E APOSTILAS CITADOS ABAIXO. 1 Na determinação de uma proteína pelo método de Bradford, a cor de um corante muda de marrom para

Leia mais

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph SISTEMAS TAMPÕES Faculdade de Medicina PUC-Campinas Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes ph = potencial hidrogeniônico ph = -log [H + ] Sorenson 1909 A escala de ph é logarítma; portanto, quando duas

Leia mais

Manutenção do ph do sangue

Manutenção do ph do sangue Manutenção do ph do sangue Muitos dos fluidos biológicos, quer no interior, quer no exterior das células, apresentam intervalos de ph muito apertados, ou seja um valor de ph praticamente constante, uma

Leia mais

Passo a passo da implantação da estimativa da taxa de filtração glomerular (etfg): 1

Passo a passo da implantação da estimativa da taxa de filtração glomerular (etfg): 1 Passo a passo da implantação da estimativa da taxa de filtração glomerular (etfg): 1 Identificar o método para a análise de creatinina sérica usado no seu laboratório. Esta informação deve constar na bula

Leia mais

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances

Comparando riscos e chances. Risco relativo e Razão de Chances Comparando riscos e chances Risco relativo e Razão de Chances Exemplo Inicial Estudo para verificar se a ingestão de extrato de guaraná tem efeito sobre a fadiga em pacientes tratados com quimioterapia

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM 2. Objetivo da circular normativa Implementar a gestão

Leia mais

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n Profa Alessandra Barone www.profbio.com.br Metabolismo Conjunto de reações realizadas a partir da transformação de substâncias com a finalidade de suprimento de energia, renovação de moléculas e manutenção

Leia mais

2º trimestre Biologia Sala de estudos Data: Agosto/2015 Ensino Médio 1º ano classe: Profª Elisete Nome: nº

2º trimestre Biologia Sala de estudos Data: Agosto/2015 Ensino Médio 1º ano classe: Profª Elisete Nome: nº 2º trimestre Biologia Sala de estudos Data: Agosto/2015 Ensino Médio 1º ano classe: Profª Elisete Nome: nº Valor: 10 Nota:.. Conteúdo: A química da vida 1) A principal substância INORGÂNICA que encontramos

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

O presente estudo remete-nos para as causas de extração e perda dentária na dentição permanente, durante um período de 12 meses. Neste estudo foram incluídos todos os pacientes atendidos na clínica de

Leia mais

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2013, este informativo apresenta um perfil dos 50.798 profissionais

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS Marcos Abrantes Moreira. Acadêmico de Fisioterapia da Faculdade Santa Maria. E-mail:markim.abrantes@hotmail.com Luma Soares Lustosa. Acadêmica

Leia mais

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central.

Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Figura 3.42 Resultados das medidas de tendência central. Atividade 2 Ao longo dos próximos exercícios nós trabalharemos com uma planilha de dados a ser fornecida durante a aula. A planilha contém dados

Leia mais

Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar

Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar Bárbara de Castro Borges 1 Tania Cristina Andrade 2 Resumo A manutenção da glicemia normal depende principalmente da capacidade

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia Atividade de Monitoria Taxa de Filtração Glomerular - Marcadores A taxa de filtração glomerular (TFG) é considerada

Leia mais

Métodos de avaliação da função renal

Métodos de avaliação da função renal Métodos de avaliação da função renal Fernando Domingos Instituto de Fisiologia Faculdade de Medicina de Lisboa 2014 1 Avaliação clínica Medição da pressão arterial (pode estar elevada na doença renal)

Leia mais

VITAMINAS E MINERAIS

VITAMINAS E MINERAIS VITAMINAS E MINERAIS MINERAIS São substâncias de origem inorgânica que fazem parte dos tecidos duros do organismo, como ossos e dentes. Também encontrados nos tecidos moles como músculos, células sanguíneas

Leia mais

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05 Distribuição Normal Introdução O pesquisador estuda variáveis. O estatístico diz que essas variáveis são aleatórias porque elas têm um componente que varia ao acaso. Por exemplo, a variabilidade dos pesos

Leia mais

Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose

Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose Influência do Tempo na Determinação de Glicose Sanguínea Influence of Time on the Determination of Blood Glucose Artigo original RESUMO Larissa Ágata Amaral Becher 1 Franciele Bona Verzeletti 2 Os laboratórios

Leia mais

INFLUENCIA DA MENSTRUAÇAO SOBRE AS EPILEPSIAS

INFLUENCIA DA MENSTRUAÇAO SOBRE AS EPILEPSIAS INFLUENCIA DA MENSTRUAÇAO SOBRE AS EPILEPSIAS LUIS Μ ARQUES-ASSIS * É conhecido o fato do paciente epiléptico exibir certas características próprias no que se refere ao padrão das crises, à sua freqüência

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO GRAU DE HEMÓLISE E SUA INTERFERÊNCIA EM ANÁLISES BIOQUÍMICAS DE AMOSTRAS OBTIDAS POR DIFERENTES TÉCNICAS DE COLETA DE SANGUE VENOSO Marina

Leia mais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Adriana Maria Rocha Trancoso Santos 1 Gérson Rodrigues dos Santos 2 Nilcilene das Graças Medeiros 1 Eduardo

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Princípios de Bioestatística Cálculo do Tamanho de Amostra Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 32 2 / 32 Cálculo do Tamanho de Amostra Parte fundamental

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário

Programa Analítico de Disciplina VET362 Laboratório Clínico Veterinário 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social

Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social Mariana Marques Lima Cálculo da Reserva de Benefícios Concedidos da Previdência Social Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa

Leia mais

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Plasma sanguíneo ph normal Acidose Alcalose Líquido extracelular Sangue arterial

Leia mais

ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - I sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Ricardo Barros IPEA Mirela de Carvalho IETS Ao longo da última década, cada vez mais redes públicas de ensino municipais e estaduais passaram

Leia mais

AULA PRÁTICA SOBRE CARIÓTIPO - Pg 1

AULA PRÁTICA SOBRE CARIÓTIPO - Pg 1 AULA PRÁTICA SOBRE CARIÓTIPO - Pg 1 Cada célula humana possui 46 cromossomos, que são iguais dois a dois, existindo na verdade 23 pares de cromossomos. Destes 23 pares, 22 são chamados de cromossomos autossômicos

Leia mais

ADIAMENTO DO CONCURSO DA ÁREA DE DESIGN DE MODA, DO NÚCLEO DE DESIGN, DO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE.

ADIAMENTO DO CONCURSO DA ÁREA DE DESIGN DE MODA, DO NÚCLEO DE DESIGN, DO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE. ADIAMENTO DO CONCURSO DA ÁREA DE DESIGN DE MODA, DO NÚCLEO DE DESIGN, DO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE. Comunicamos o adiamento da realização do Concurso Público de Provas e Títulos para Docentes do Magistério

Leia mais

Rio de Janeiro, 23 de janeiro de Prezado Doutor Maurício Couto de Castro,

Rio de Janeiro, 23 de janeiro de Prezado Doutor Maurício Couto de Castro, Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2008 Prezado Doutor Maurício Couto de Castro, Conforme solicitação, estamos lhe enviando literatura e sugestões de fórmulas sobre: Cafeína no Tratamento da Alopécia, disponíveis

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida Nomes: Leonardo e Samuel Turma: 103 Para iniciar o estudo das células (citologia) devemos primeiramente ter uma noção das estruturas básicas da célula ou as estruturas

Leia mais

Desigualdades sociais e doenças crônicas de adultos:

Desigualdades sociais e doenças crônicas de adultos: Desigualdades sociais e doenças crônicas de adultos: Estudo Pró-Saúde Dóra Chor XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia 2008 Conclusões Observamos, na Europa,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES VOLUMOSOS SOBRE OS CONSTITUÍNTES SANGUÍNEOS DE VACAS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO DE DIFERENTES VOLUMOSOS SOBRE OS CONSTITUÍNTES SANGUÍNEOS DE VACAS DA RAÇA HOLANDESA Código 0155 EFEITO DE DIFERENTES VOLUMOSOS SOBRE OS CONSTITUÍNTES SANGUÍNEOS DE VACAS DA RAÇA HOLANDESA CLÓVES CABREIRA JOBIM 1,4, VIVIAN FERNANDA GAI 2, GERALDO TADEU DOS SANTOS 1,4, ULYSSES CECATO 1,4,

Leia mais

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares Camila Belonci Internato em Cirurgia Cardíaca Prof. Mário Augusto Cray da Costa Medicina UEPG Uso do AAS na Prevenção Primária de Eventos Cardiovasculares

Leia mais

Corpo da Dissertação ou Tese

Corpo da Dissertação ou Tese PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DOS MATERIAIS PGCEM DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA SEMINÁRIOS Corpo da Dissertação ou Tese 2015/02 Corpo

Leia mais

WWW.MMCUIDADOSINTENSIVOS.CO.CC Doppler transcraniano (DTC), é usado nas unidades de terapia intensiva como exame confirmatório para o diagnóstico de morte encefálica. O DTC está incluído entre as ferramentas

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

Noções sobre Probabilidade

Noções sobre Probabilidade Noções sobre Probabilidade Introdução Vimos anteriormente como apresentar dados em tabelas e gráficos, e também como calcular medidas que descrevem características específicas destes dados. Mas além de

Leia mais

DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente

DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente FOLHA DE QUESTÕES CURSO: ASS.: Engenharia de Produção DISCIPLINA: NOME: Química Geral DATA: Nº de ordem GRAU: PROVA: TURMA MATRÍCULA: Estudo Independente 5PRD31A 01) O grupo de átomos que é encontrado

Leia mais

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Projecto Ciência Viva 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Introdução O Diabetes mellitus é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do

Leia mais

AULA 19 Análise de Variância

AULA 19 Análise de Variância 1 AULA 19 Análise de Variância Ernesto F. L. Amaral 18 de outubro de 2012 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC. Capítulo

Leia mais

Bases Moleculares da Vida

Bases Moleculares da Vida Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São Paulo Bases Moleculares da Vida Disciplina: Bioquímica I Docente: Profa. Fernanda Sugestão de leitura: Cap. 1 do Lehninger Bioquímica Estudo

Leia mais

Água o componente fundamental!

Água o componente fundamental! Ms. Sandro de Souza Água o componente fundamental! Claude Bernard, no século XIX, foi o primeiro fisiologista a elucidar a quantidade de líquidos no corpo humano. Posteriormente os líquidos foram compartimentalizados

Leia mais

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2010/2011. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2010/2011. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2010/2011 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 4ª AULA PRÁTICA Determinação

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO Luiz Fernando Stringhini 1 Na tentativa de mostrar as possibilidades de uso das ferramentas da estatística dentro da contabilidade,

Leia mais

Ministério da Saúde, Junho de 2016

Ministério da Saúde, Junho de 2016 PROMOÇÃO DA SAÚDE Redução Clique para de adicionar sódio nos alimentos um processados título Clique para adicionar um subtítulo Ministério da Saúde, Junho de 2016 Consumo Clique para de sódio adicionar

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Coleta e Conservação de Material Biológico

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Coleta e Conservação de Material Biológico FACULDADE DE IMPERATRIZ FACIMP Associação Região Tocantina de Educação e Cultura S/C Ltda. Telefax: (99) 524-8298 site: www.facimp.edu.br e-mail: facimp@facimp.edu.br. Av. Prudente de Morais, s/nº, Qd.

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA

~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA ~ 5 ~ A EFETIVIDADE DAS TÉCNICAS DE ISOSTRETCHING E ALOGAMENTO ESTÁTICO NA LOMBALGIA Isadora Carneiro Kovalhuk 1 Daniela dos Santos 2 Recebido em: 20.10.2013 Aceito em: 20.11.2013 Resumo: Lombalgia é o

Leia mais

Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação

Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação Comparação da contagem de plaquetas entre o método de Fônio e automação Comparison of the platelet count between the Fonio method and automation Avila FA a, Oliveira LS a a: Faculdades Metropolitanas Unidas

Leia mais

Revisão geral 8º ANO.

Revisão geral 8º ANO. Revisão geral 8º ANO. Cromossomos e Determinação do sexo biológico 46 Cromossomos (Total) 44 Cromossomos Autossomos 2 Cromossomos Sexuais Cariótipo e Cariograma XX (Feminino) XY (Masculino) Genes Alelos

Leia mais

Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar

Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar Anderson I. F. Kobayashi, Denis M. Fernandes, Abílio J. Meiato, Gustavo Pedrazzi, Amalia Estela Mozambani Centro Universitário Moura Lacerda, Caixa

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

Metabolismo Energético em Ruminates. Integrantes: Êmili H, Mariéli M. e Theline R.

Metabolismo Energético em Ruminates. Integrantes: Êmili H, Mariéli M. e Theline R. Metabolismo Energético em Ruminates 1 METABOLISMO VISCERAL Integrantes: Êmili H, Mariéli M. e Theline R. INTRODUÇÃO 2 Os animais necessitam de um aporte de energia química para realizar suas diversas funções;

Leia mais

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique

Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique 1.0 Excreção Apostila de Biologia 06 Sistema Excretor Fábio Henrique É a Eliminação de subprodutos do metabolismo celular. 1.1 Homeostase É uma condição na qual o meio interno do corpo permanece dentro

Leia mais

PERFIL BIOQUÍMICO DE CABRAS LACTANTES DAS RAÇAS SAANEN E ANGLO-NUBIANA ABSTRACT

PERFIL BIOQUÍMICO DE CABRAS LACTANTES DAS RAÇAS SAANEN E ANGLO-NUBIANA ABSTRACT PERFIL BIOQUÍMICO DE CABRAS LACTANTES DAS RAÇAS SAANEN E ANGLO-NUBIANA Kalina Simplício 1, Felipe Cotrim 2, José Jurandir Fagliari 3, Cláudia Aparecida da Silva Nogueira 4 1. Mestranda do programa de Pós-Graduação

Leia mais

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Métodos Computacionais para Estatística II Prof: Jony Arrais Pinto Junior Lista 05 1. Leia o banco de dados

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG

PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG INTRODUÇÃO MUHLEN,CAMILA SCAPINI.¹ TAGLIETTI, MARCELO.² Faculdade Assis Gurgacz-FAG, Cascavel-PR, Brasil

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB

Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás. Bioestatística. Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Federal de Goiás Bioestatística Prof. Thiago Rangel - Dep. Ecologia ICB rangel.ufg@gmail.com Página do curso: http://www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/bioestat

Leia mais

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e Projecto Tutorial - Diabetes Trabalho realizado por: Carlos Bernardo 2 º Ano Bioquímica No âmbito da Cadeira de M.E.T. III Ano Lectivo: 2007/2008 Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino.

Leia mais

LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM 50 PACIENTES COM AIDS

LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM 50 PACIENTES COM AIDS LÍQUIDO CEFALORRAQUEANO EM 50 PACIENTES COM AIDS S.L.HINRICHSEN*.L.ATAÍDE JR.**, F.TRAVASSOS***, P.TRAVASSOS***, E. ALBURQUERQUE****,L.MOURA*****, L. C. ARRAES*****, L. V. ROCHA******, M. R. G. AMORM******,

Leia mais

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS

Leia mais

Matemática- Profª. Janaína

Matemática- Profª. Janaína Lista de Exercício Gabaritada- Teoria dos Conjuntos 1) Dados { } { } { } { }, calcule: a) {0, 1, 2, 3, 4, 5} b) {1} c) d) {3, 5} e) {2,4}= E f) g) h) ( ) {2, 4} i) ( ) {1} {3, 5}= {1, 3, 5} j) ( ) ( )

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental: Reação do Mercado de Ações Brasileiras

Responsabilidade Social e Ambiental: Reação do Mercado de Ações Brasileiras Tatiana Botelho Responsabilidade Social e Ambiental: Reação do Mercado de Ações Brasileiras Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2011/2012 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA I Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 1ª AULA PRÁTICA 1. Composição

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS Autores: Ana Raquel de Figueiredo Rego 1, Mônica Oliveira da Silva Simões 2, Rômulo Lustosa Pimenteira de Melo 3, Paulo Cesar Dantas da

Leia mais