ENGENHARIA DE SOFTWARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENGENHARIA DE SOFTWARE"

Transcrição

1 EMENTA

2 ENGENHARIA DE SOFTWARE DISCIPLINA: Estrutura e Fluxo de Informação EMENTA: A disciplina Estrutura e Fluxo de Informação se propõe a capacitar o aluno sobre os fundamentos da Gestão da Informação em um ambiente empresarial visando uma maior agilidade nos processos e segurança de dados. Para isso, serão abordados os conhecimentos sobre Sistemas de Informações Gerenciais e a metodologia de Gestão de Processos e representação do Fluxo de Informação. Além de uma abordagem do uso de diagramas de fluxos de dados, fluxograma e layout. DISCIPLINA: Linguagens e Ambientes para Programação de Software EMENTA: Apresentação do paradigma de Orientação a Objetos e aplicação dos conceitos por meio do ensino de programação a partir de uma linguagem de programação orientada a objetos de uso corrente (Java) e um ambiente de Programação (IDE) que dê suporte para essa utilização, nesse caso, o Eclipse. Além disso, pretende-se trabalhar de forma teórica e construtiva do conhecimento - utilizando prática - os seguintes conceitos: tipos abstratos de dados, objeto, encapsulamento, herança, classes e métodos abstratos, associação, composição, agregação, arrays, acoplamento dinâmico, polimorfismo e noções de interface, pacotes, tratamento de exceções, java.lang e java.io. DISCIPLINA: Análise Orientada a Objetos e Projeto Arquitetural EMENTA: Conceitos fundamentais da análise orientada a objetos para a estruturação e modelagem de sistemas através da construção de diagramas de classes. Diagramas dinâmicos da UML, como por exemplo, diagramas de sequência e de colaboração. Modelagem estática e modelagem dinâmica. Identificação de objetos e sua classificação em classes, especificação de atributos e operações. Identificação dos relacionamentos de generalização/especialização, agregação e associação entre as classes.

3 Noções de tipos abstratos de dados, encapsulamento, polimorfismo, herança simples e múltipla, classes abstratas, interfaces, pacotes, metaclasses, delegação e padrões de projeto. Projeto arquitetural: Conceitos básicos de arquitetura de software, Definição de componentes, conectores e configurações arquiteturais, Atributos de qualidade associadas à arquitetura de software e Desenvolvimento de sistemas centrados na arquitetura. DISCIPLINA: Projeto e Implementação Orientados a Objetos EMENTA: Introdução ao Projeto Orientado a Objetos. Projeto de Sistema: Organização de um sistema em sub-sistemas; estruturação; Identificação de concorrência inerente ao problema; Identificação de problemas de redes, banco de dados e interface com o usuário. Projeto de objetos: Definição completa das classes, padrões de objetos; Projeto dos algoritmos para implementar as operações; Particionamento em classes e relacionamentos em módulos; Iteração, verificação e refinamento do modelo Projeto de Sistema: Arquitetura de Software, padrões arquiteturais Requisitos para organização da arquitetura de software: Persistência e Bancos de Dados; Apresentação e Interface para Aplicações Web; Controle de Concorrência; Controle do Estado; Distribuição.Padrões Arquiteturais associados a cada requisito organizacional: Padrões arquiteturais básicos; Padrões para Controle; Padrões para fontes de dados; Padrões para mapeamento objeto-relacional; Padrões para apresentação web; Padrões para controle de concorrência. Implementação: Escolha do ambiente alvo para a implementação; Programação orientada a objetos: Ambientes para programação orientada a objetos; Estudo de casos. DISCIPLINA: Requisitos de Software e Modelos de Especificação EMENTA: Introdução à engenharia de software, ciclos de vida de desenvolvimento, UP (Unified Process), disciplinas do ciclo de vida de desenvolvimento, principais artefatos e percentual de esforço gasto em cada etapa. Visão geral da norma ISO/IEC 25010:2011 para engenharia de software e sistemas. Paradigmas de desenvolvimento de software. Processo de elicitação,

4 especificação, documentação, priorização e validação de requisitos. Requisitos funcionais e requisitos não funcionais. Diferenciação de requisitos de cliente, requisitos de produto e requisitos de componentes de produto. Critérios de aceitação. Determinação da complexidade dos requisitos com base no seu tamanho funcional. Estimativa de desenvolvimento utilizando análise de pontos de função. Gerenciamento de requisitos, controle de mudança de requisitos e desenvolvimento de requisitos de acordo com modelo de qualidade CMMI-DEV. Padrões e modelos de documentação de requisitos utilizando casos de uso (paradigma tradicional) e histórias de usuários (métodos ágeis). Utilização de UML para especificação de sistemas baseados em software. Introdução ao cálculo de custos de um projeto com base no levantamento de requisitos. Tendências e oportunidades na elaboração de propostas de desenvolvimento: RFI (Request for Information), RFP (Request for Proposal) e RFQ (Request for Quaotation). DISCIPLINA: Verificação e Validação de Software EMENTA: Introdução; Definição; Importância da Verificação e Validação ao longo do ciclo de vida; Classificação das técnicas : Revisões técnicas: Passeio (walkthrough); Inspeção do produto. Abordagens formais: Prova de correção; O processo sala limpa (clean room). Testes: Fundamentos; Os testes e o ciclo de vida. Testes unitários: Testes Estruturais; Testes Funcionais Outras estratégias de teste, Testes de Integração, Testes Validação, Testes de Sistemas e Testes de sistemas Orientados a Objeto, Testes de classes e Testes de grupos de classes. DISCIPLINA: Modelagem e Projeto de Bancos de Dados EMENTA: Visão Geral de Modelagem e Projeto de Banco de Dados (MPBD); Fundamentos de Banco de Dados, de Projeto de Banco de Dados (PBD) e de Modelagem de Banco de Dados(MBD); Projeto Conceitual de Banco de Dados; Projeto Lógico de Banco de Dados; Projeto Físico de Banco de Dados (PFBD); Prática com estudos de caso. DISCIPLINA: Qualidade de Software

5 EMENTA: Origem, evolução, padrões, modelos, certificações e aplicação dos conceitos de qualidade de software. Diferenciação dos conceitos de qualidade de produto e de processo, normas de qualidade e institutos internacionais normalizadores. Crise de Software e Sistemas de Qualidade ISO e ISO 9001, processo de certificação ISO, normas de qualidade do produto de software ISO/IEC 9126 e ISO Normas de qualidade de processo de software ISO (SPICE). Papel do SEI (Software Engineering Institute) e da Universidade de Carnegie Mellon no desenvolvimento de processos e modelos de qualidade de software. Modelo de qualidade CMMI-DEV (Capability Maturity Model Integration Development), Visão Geral das Constelações do CMMI (Development, Services e Acquisition), PSP (Personal Software Process), TSP (Team Software Process), MPS-Br (Melhoria de Processo do Software Brasileiro). Processo de institucionalização e avaliação oficial (SCAMPI appraisal) dos modelos CMMI e MPS-Br. Tendências e oportunidades de mercado. Evoluções recentes: Lean, Six Sigma, modelos de qualidade em ambientes de desenvolvimento ágil, Scrum e XP (extreme Programming). DISCIPLINA: Manutenção de Software CARGA-HORÁRIA: 16 horas EMENTA: Introdução Manutenção: definição e características,manutenabilidade, Processos de Manutenção, Técnicas de Desenvolvimento para a Manutenabilidade Padrões de Desenvolvimento, Padrões de Manutenção, Desenvolvimento Baseado em Componentes e Impactos na Manutenção,Desenvolvimento Orientado a Aspectos e Impactos na Manutenção, Atividades de Apoio a Manutenção, Gestão de Configuração,Gestão de Versão e Compreensão de Programas. DISCIPLINA: Metodologia do Trabalho Científico CARGA-HORÁRIA: 12 horas EMENTA: Estudo da metodologia de planejamento e execução da pesquisa acadêmica em suas dimensões epistemológicas, políticas e técnicas de investigação científica. Reflexão acerca dos tipos de conhecimento e dos aspectos teóricos e metodológicos da pesquisa, bem como do método científico e dos instrumentos e recursos utilizados no planejamento, execução e apresentação de uma pesquisa.

6 DISCIPLINA: Interfaces Homem Computador EMENTA: Introdução : Conceitos básicos e terminologia empregada, Porque interfaces são importantes, Dificuldades com o projeto e implementação de Interfaces e Visão geral da área. O Humano: Percepção motora e sentidos, Processamento da informação e modelos mentais do usuário, Modelos cognitivos, Percepção visual, Representações gráficas na interface e Restrições da memória. O Computador: Dispositivos de entrada, Dispositivos de saída, Controle físico, sensores e dispositivos especiais e Design para trabalho cooperativo e ambientes virtuais. Projetos de interfaces: Princípios de projeto, Resumo sucinto de algumas propostas de projeto,visão detalhada de projeto de interfaces com ênfase em tarefas (análise do usuário, de tarefas, protótipos,...), Projeto Centrado no Usuário, Diretrizes para o Projeto Centrado no Usuário. Princípios de Projeto Centrado no Usuário, Ergonomia da Interação, Importância do Projeto IHM, Ferramentas e Visão geral (objetivos, classificação, ênfase, etapa onde são empregadas e outros). DISCIPLINA: Gerenciamento de Projetos de Software EMENTA: Conceitos de Gerenciamento de Projetos de Software, Métricas de processo e de produto. Modelos de previsão de custo/duração. Técnicas de decisão e análise de risco. Planejamento: estudo de viabilidade, organização de projetos, acompanhamento e controle de projetos. DISCIPLINA: Componentização e Reuso de Software EMENTA: Introdução a componentização, reuso e CBSE;Componentes de software: principais características, propriedades e categorias; Especificação, modelagem e arquiteturas de componentes utilizando a UML;Componentes e a Arquitetura Orientada a Serviços (SOA); Implementação, modelos (padrões) e frameworks de componentes. Padrão SCA; Manutenção, evolução e gerência de configuração (CM) de componentes e soluções componentizadas;

7 Gestão estratégica de componentes. DISCIPLINA: Arquitetura Orientada a Serviços - SOA & WebServices EMENTA: Introdução SOA: motivadores, definições, benefícios e desafios;principais características: provider, consumer & registry; Estudo de Casos nacionais e internacionais; Identificação e modelagem de serviços; Principais tecnologias de Web Services: XML, WSDL, SOAP e UDDI; Interoperabilidade em Web Services, especificações emergentes e ferramentas;governança SOA e Métricas de Reúso; Infra-estrutura SOA (ESB, Registries and Repositories etc.); Roadmap de adoção nas empresas e tendências de mercado. DISCIPLINA: Desenvolvimento e Apresentação do Projeto EMENTA: Definição de um problema; Elaboração de uma proposta de desenvolvimento; Análise e projeto do sistema; Implementação e teste

8

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Requisitos de Sistemas Unidade II - Processos de Negócio Identificação Conceitos Modelagem - BPM - UML Processos x Requisitos 1 Processo de negócio CONCEITO Um processo de negócio, processo organizacional

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS CÓDIGO: EXA808 DISCIPLINA: EI5 ENGENHARIA DE SOFTWARE CARGA HORÁRIA: 180h EMENTA: Estudo

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Para Sommerville a arquitetura de sistemas descreve o sistema em termos de um conjunto de unidades

Leia mais

Elementos Fundamentais para a Melhoria da Qualidade de Software nas Organizações de TI

Elementos Fundamentais para a Melhoria da Qualidade de Software nas Organizações de TI Elementos Fundamentais para a Melhoria da Qualidade de Software nas Organizações de TI Ana Cervigni Guerra Eduardo Paulo de Souza Projeto Reconhecido na Categoria Serviços Tecnológicos Brasília, 31 de

Leia mais

Curso Técnico Concomitante em Informática

Curso Técnico Concomitante em Informática Curso Técnico Concomitante em Informática CÂMPUS TUBARÃO MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Informática Básica 4 Arquitetura de Computadores 4 Introdução à Programação 4 Administração

Leia mais

Introdução a Sistemas de Informação

Introdução a Sistemas de Informação Introdução a Sistemas de Informação Orivaldo Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho, Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado Graduação 1 Introdução Sistema de Informação (SI)

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Modelagem de sistemas A fase do desenvolvimento do sistema exige: esforço; dedicação; envolvimento; um único objetivo. Estilo de desenvolvimento

Leia mais

Pós-Graduação. Gestão Estratégica de Processos de Negócios

Pós-Graduação. Gestão Estratégica de Processos de Negócios Pós-Graduação Gestão Estratégica de Processos de Negócios - 2017 Disciplinas: 1) Introdução a BPM, Contexto Organizacional e Profissional 2) Estratégia e Modelagem do Negócio Aplicada com Foco em BPM 3)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º CINF0012- FUNDAMENTOS DA GESTÃO DA INFORMAÇÃO OBRIG 60 0 60 4.0 CONCEITOS FUNDAMENTAIS EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO. CINF0013- INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO OBRIG 60 0 60 4.0 FUNDAMENTOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 15 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 15 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 15 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 08 de Novembro de 2013. Contextualização Nas próximas aula iremos começar a modelar e projetar sistemas

Leia mais

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Ciclos de Vida 1 Ciclo de Vida de um Produto Qualquer desenvolvimento de produto inicia com uma idéia e termina com o produto pretendido. O ciclo de vida de um produto

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

EMENTA Psicologia aplicada à Administração, A compreensão pessoal e do outro; Comunicação interpessoal; Liderança; Ética Profissional.

EMENTA Psicologia aplicada à Administração, A compreensão pessoal e do outro; Comunicação interpessoal; Liderança; Ética Profissional. DISCIPLINA: RELAÇÕES HUMANAS NO TRABALHO CARGA HORÁRIA: 67 HORAS PERÍODO: 6º SEMESTRE LETIVO: 2014.2 CRÉDITOS: 04 Reconhecer a importância de se estudar Relações Humanas no Trabalho, sensibilizando para

Leia mais

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Objetivos da aula: Introduzir os conceitos da Orientação à Objetos (O.O) Introduzir os conceitos da UML Relacionar os processos às ferramentas

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO Universidade Estadual de Ponta Grossa PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO: INFORMÁTICA DISCIPLINA: PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO: 203094 Nº de aulas

Leia mais

Introdução Diagrama de Classes Diagrama de Seqüência Diagrama de Atividades. Diagramas UML. Classe, Seqüência e Atividades. Marcio E. F.

Introdução Diagrama de Classes Diagrama de Seqüência Diagrama de Atividades. Diagramas UML. Classe, Seqüência e Atividades. Marcio E. F. Diagramas UML Classe, Seqüência e Atividades Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 15 de maio

Leia mais

Definição e Melhoria de Processo na Produção de Software Web

Definição e Melhoria de Processo na Produção de Software Web Definição e Melhoria de Processo na Produção de Software Web Márcio Stefani Ci&T Systems Ci&T Systems Desde 1995 Principais atividades Fábrica de Software - Projetos Web Fábrica de Componentes Web Consultoria

Leia mais

UML. Rodrigo Leite Durães.

UML. Rodrigo Leite Durães. UML Rodrigo Leite Durães. rodrigo_l_d@yahoo.com.br O que é Análise de Software? UML: É o estágio de um sistema que captura os requisitos e o domínio do problema, focalizando no que deve ser feito, não

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS SUZETE KEINER SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS CIOS Orientador: Prof.. Carlos Eduardo Negrão Bizzotto ROTEIRO Introdução Objetivos Informática na Educação Etapas de Implantação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

Java para Desenvolvimento Web Carga Horária: 40 Horas.

Java para Desenvolvimento Web Carga Horária: 40 Horas. Java para Desenvolvimento Web Carga Horária: 40 Horas. PROGRAMAÇÃO AULAS AOS SABADOS: Início : 20/08/2011 - Término: 17/09/2011 Horário: 8:30 as 12:30 13:30 ás 17:30. Pagamento em 6X no cartão ou cheque.

Leia mais

CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS

CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO DAS ESTAÇÕES DA CPTM PARA MELHORIA DO FLUXO DE PASSAGEIROS DANILO TEMERLOGLOU DE ABREU EDSON LUIZ BELLUOMINI FÁBIO CÂNDIDO DOS SANTOS AGENDA OBJETIVO CONCEPÇÃO

Leia mais

2. Processos em Engenharia de Software

2. Processos em Engenharia de Software Renato Cardoso Mesquita Departamento de Eng. Elétrica da UFMG renato@cpdee.ufmg.br Engenharia de Software 2. Processos em Engenharia de Software.......... 2.1. Visão Geral Conceito de processo conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistemas de Informação DISCIPLINA: Engenharia de

Leia mais

Arquitetura de software

Arquitetura de software Arquitetura de software Problema: vamos implementar um clone do compraentrega.com.br Mantém preços atualizados Recebe encomendas e pagamento Recomenda itens a usuários Por onde começamos? Arquitetura =

Leia mais

Sobre a KTEC KTEC Escola de Tecnologia

Sobre a KTEC KTEC Escola de Tecnologia Programação em JAVA Sobre a KTEC A KTEC Escola de Tecnologia oferece uma série de cursos, para os que procuram uma base sólida no aprendizado, com foco nas boas práticas que fazem a diferença no mercado

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Protótipo de Protocolo de Aplicação para Troca de Documentos da Área Extra Judicial. Acadêmico: Fabrício Bento Orientador: Paulo Fernando da Silva

Protótipo de Protocolo de Aplicação para Troca de Documentos da Área Extra Judicial. Acadêmico: Fabrício Bento Orientador: Paulo Fernando da Silva Protótipo de Protocolo de Aplicação para Troca de Documentos da Área Extra Judicial Acadêmico: Fabrício Bento Orientador: Paulo Fernando da Silva Conteúdo Introdução Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

1 ANEXO I - QUADRO GERAL DE VAGAS, REQUISITOS E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/TEMAS POR FACULDADE E ÁREAS, onde se lê:

1 ANEXO I - QUADRO GERAL DE VAGAS, REQUISITOS E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/TEMAS POR FACULDADE E ÁREAS, onde se lê: RETIFICAÇÃO DE Nº 01 DE 20 DE ABRIL DE 2016. EDITAL DE Nº 01 DE 31 DE MARÇO DE 2016. O Reitor da UniRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE, no uso de suas atribuições legais, torna pública a presente Retificação

Leia mais

Perfil Formação Acadêmica Experiência Profissional Capacitação Profissional

Perfil Formação Acadêmica Experiência Profissional Capacitação Profissional Programador - DESENVOLVEDOR JAVA Deverá possuir experiência comprovada de pelo menos 01 (um) ano em desenvolvimento de aplicações WEB com J2EE; Conhecimentos em JSP, TagLib, Servlets, Classes Java, linguagem

Leia mais

Introdução. à UML. Histórico (cont.) Histórico Definição Benefícios Notação Diagrama de Classes Diagramas de Interação Conclusões Revisão

Introdução. à UML. Histórico (cont.) Histórico Definição Benefícios Notação Diagrama de Classes Diagramas de Interação Conclusões Revisão Sumário Introdução à UML BSI Bacharelado em Sistemas de Informação LOO Linguagens Orientadas a Objetos Humberto Mossri de Almeida hmossri_cursos@yahoo.com.br Marcelo Nassau Malta nassau_cursos@yahoo.com.br

Leia mais

Processo Unificado (PU) Unified Process

Processo Unificado (PU) Unified Process Processo Unificado (PU) Unified Process 10 de junho de 2011 Adonai Canêz One comment Introdução O Processo Unificado (PU) surgiu para realizar o desenvolvimento de software visando a construção de sistemas

Leia mais

Documento de Arquitetura de Software- SGE

Documento de Arquitetura de Software- SGE Documento de Arquitetura de Software- SGE IFG Autor: Marcelo Roldrin Barros Silva 1. Introdução 1.1 Finalidade Este documento oferece uma visão geral arquitetural abrangente do sistema SGE (Sistema de

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Engenharia de Software. Projeto de Software. Projeto: definição. Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff

Engenharia de Software. Projeto de Software. Projeto: definição. Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff Engenharia de Software Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff Projeto de Software Fundamentos de projeto de software Projeto estruturado Índice do documento de projeto

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

RUP Rational Unified Proccess (Processo Unificado da Rational) Equipe WEB Cercomp

RUP Rational Unified Proccess (Processo Unificado da Rational) Equipe WEB Cercomp RUP Rational Unified Proccess (Processo Unificado da Rational) Equipe WEB Cercomp web@cercomp.ufg.br 1. Introdução É um processo proprietário de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation,

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web Prof. Marcelo Roberto Zorzan História do Java Origem Linguagem desenvolvida pela Sun Microsystems Sintaxe similar ao C++ Inicialmente chamada

Leia mais

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo MODELAGEM DE DADOS Sistemas de Banco de Dados Profa. Rosemary Melo SISTEMAS DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS Apresentar os conceitos fundamentais de Sistemas de Banco de Dados. Principais componentes dos SGBDs

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO GERENCIAL ANALISTA FGV EM PROCESSOS.

CURSO DE FORMAÇÃO GERENCIAL ANALISTA FGV EM PROCESSOS. CURSO DE FORMAÇÃO GERENCIAL ANALISTA FGV EM PROCESSOS wwwstrongcombr ANALISTA FGV PROCESSOS 1 COORDENAÇÃO Coordenação Acadêmica: Profa Maria Cândida Torres, Mestre 2 APRESENTAÇÃO O programa ANALISTA FGV

Leia mais

Descrição do Requisito

Descrição do Requisito ANEXO III 1 REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste Anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia O Uso da Lógica Fuzzy na Avaliação dos Impactos de Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia Autores: Vilma Guimarães Antonio Morim - Fabio Krykhtine Guilherme Weber Eduardo Sá Fortes A FERRAMENTA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital 5ª turma em Santa Catarina Ingresso Agosto 2016 Informações: Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br Fone: (51) 3218-1426 ESPM /

Leia mais

PLANO DE ENSINO BIBLIOGRAFIAS

PLANO DE ENSINO BIBLIOGRAFIAS Disciplina: Processos Organizacionais / 2012 Carga horária: 68h / 34h Curso/Semestre: 2 / 6 ( x ) ADM ( x ) ADM COMEX ( x ) ADM MKT Data de atualização: janeiro 2012 Núcleo: Estratégia Nucleador: Fábio

Leia mais

Registrador Eletrônico de Ponto

Registrador Eletrônico de Ponto Registrador Eletrônico de Ponto Desejabilidade Cliente: COMFOR - Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Professores do Magistério da Educação Básica da UFC. Instituído por meio

Leia mais

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Agosto de 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaprocessoteste.odt Número de páginas: 11 Versão Data Mudanças Autor 1.0 26/12/07 Criação.

Leia mais

QUESTÕES TESTES. Questão 1. O modelo de ciclo de vida em cascata:

QUESTÕES TESTES. Questão 1. O modelo de ciclo de vida em cascata: QUESTÕES 1. 0 que é domínio da aplicação (ou do problema)? 2. Qual a importância da engenharia de software e como se justificam os custos a ela associados? 3. O que é processo de desenvolvimento de software

Leia mais

JAVA Express com Lógica. Subtítulo

JAVA Express com Lógica. Subtítulo JAVA Express com Lógica Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Usabilidade em aplicações web 1.2 Câmpus de Origem: São Borja 1.3

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:25. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:25. Centro de Ciências Exatas e Naturais 7// 9:5 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: 6 Sistemas de Informação (Noturno) Currículo: / ADM.96.-7 Funções Empresariais I Ementa: Introdução à administração. Conceitos de Organização e Administração.

Leia mais

Disciplinas Fundamentais Curso de Especialização em Administração Industrial (CEAI)

Disciplinas Fundamentais Curso de Especialização em Administração Industrial (CEAI) Disciplinas Fundamentais - 2007 Curso de Especialização em Administração Industrial (CEAI) Administração da Produtividade Produção X Produtividade Indicadores de produtividade: globais e parciais Balanced

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU FERRAMENTA DE GERÊNCIA DE REQUISITOS DE SOFTWARE INTEGRADA COM ENTERPRISE ARCHITECT

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU FERRAMENTA DE GERÊNCIA DE REQUISITOS DE SOFTWARE INTEGRADA COM ENTERPRISE ARCHITECT UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU FERRAMENTA DE GERÊNCIA DE REQUISITOS DE SOFTWARE INTEGRADA COM ENTERPRISE ARCHITECT Raphael Marcos Batista Profa. Fabiane Barreto Vavassori Benitti, Drª Eng. Roteiro da

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 3. Gerência de s de Software 4. Gerência

Leia mais

Sistemas de Informação e Decisão. Douglas Farias Cordeiro

Sistemas de Informação e Decisão. Douglas Farias Cordeiro Sistemas de Informação e Decisão Douglas Farias Cordeiro Decisão Tomamos decisões a todo momento! O que é uma decisão? Uma decisão consiste na escolha de um modo de agir, entre diversas alternativas possíveis,

Leia mais

PROJETO DE MELHORIA DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO NA METODOLOGIA PMBOK

PROJETO DE MELHORIA DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO NA METODOLOGIA PMBOK PROJETO DE MELHORIA DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE BASEADO NA METODOLOGIA PMBOK Eliseu Castelo Branco Jr. RESUMO Este artigo descreve o projeto de Implementação de Melhoria de Processos Gerenciais

Leia mais

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso.

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Objetivo: Construção de uma ferramenta capaz de auxiliar a construção de modelos de casos de uso de sistemas,

Leia mais

Construção de. Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio

Construção de. Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio Construção de Software Orientado ao Negócio A solução proposta pelo método iron integração de Requisitos Orientados a Negócio O que é um REQUISITO? Podemos conceituar requisitos como sendo uma ação a ser

Leia mais

Mo#vação. Objec#vo. Estudar uma abordagem de desenvolvimento de so9ware orientada pelos objectos. Linguagens usadas: UML (Unified Modeling Language)

Mo#vação. Objec#vo. Estudar uma abordagem de desenvolvimento de so9ware orientada pelos objectos. Linguagens usadas: UML (Unified Modeling Language) Mo#vação Esta disciplina mostra como construir um bom alicerce para desenvolver so9ware orientado pelos objectos Ensina técnicas de análise e desenho para ajudar a produzir so9ware orientado pelos objectos

Leia mais

PROJETO DE INCLUSÃO DE DISCIPLINAS OPTATIVAS NO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS CURITIBA

PROJETO DE INCLUSÃO DE DISCIPLINAS OPTATIVAS NO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS CURITIBA PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação PROJETO DE INCLUSÃO DE DISCIPLINAS

Leia mais

Cursos para turbinar a sua carreira profissional

Cursos para turbinar a sua carreira profissional Cursos para turbinar a sua carreira profissional CONTATOS: FONE: (92) 3216-3080 FUNDACAOREDEAM.COM.BR CERTIFICAÇÃO OFICIAL FURUKAWA FCP Data Cabling System (28 horas) Introduzir e direcionar profissionais

Leia mais

Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas

Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas Engenharia de Software Engenharia de Software 2012/3 Aula 5 Modelagem de Sistemas Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Agenda Modelagem de Sistemas Modelos de contexto Diagramas de Atividades Modelos

Leia mais

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Dado: conjunto de símbolos arranjados a fim de representar a informação fora da mente humana. Elemento de Dado: subconjunto de símbolos que compõem um dado com

Leia mais

Visão Geral da UML. SSC Engenharia de Software I Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012

Visão Geral da UML. SSC Engenharia de Software I Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012 Visão Geral da UML SSC 121 - Engenharia de Software I Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012 Conteúdo Introdução Ferramentas de Apoio Diagramas da UML Elementos Genéricos Material sobre UML

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CARGA HORÁRIA: 60 horas I - Ementa Modelagem de Processos

Leia mais

Fábio Amado João Maio 33306

Fábio Amado João Maio 33306 Fábio Amado 33637 João Maio 33306 Universidade de Aveiro Especificação, Modelação e Projecto de Sistemas Embutidos 21-11-2009 1. UML - o que é? 2. A Natureza dos Sistemas Embutidos 1. Heterogeneidade 2.

Leia mais

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE, CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público Nelson Machado e Victor Holanda MAIO 2011, NATAL RN Ambiente e Desafios

Leia mais

Programação Orientada a Objetos II. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Programação Orientada a Objetos II. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Programação Orientada a Objetos II Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Revisão de Conceitos de Programação Orientada a Objetos O PROPÓSITO DA ORIENTAÇÃO A OBJETOS A Orientação a Objeto é

Leia mais

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Analista em ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Focada na formação intelectual e no desenvolvimento de pessoas para integrarem e inovarem a nova cultura de negócios do XXI, a FAN oferece cursos para graduação e especialização

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática

Leia mais

MPT.Br Melhoria do Processo de Teste Brasileiro

MPT.Br Melhoria do Processo de Teste Brasileiro MPT.Br Melhoria do Processo de Teste Brasileiro Ivaldir Junior junior@recife.softex.br Motivação Sistemas de software são cada vez mais parte do nosso dia-a-dia. Softwares que não funcionam adequadamente

Leia mais

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS Prof. Fabiano Papaiz IFRN O RUP recomenda as seguintes práticas que devem ser utilizadas no desenvolvimento de um software: 1. Desenvolver de forma iterativa

Leia mais

MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO. PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE.

MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO. PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE. MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO Rodrigo Hernandez SOARES 1 ; Ricardo Couto Antunes da ROCHA 2 PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE. 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Projeto para o IV semestre TADS

Projeto para o IV semestre TADS Projeto para o IV semestre TADS 02 2016 Conceito Já abordados Conceitos 2 Cronograma de atividades Sprints, documentos e apresentações Instrumentos Avaliativos Peso Avaliação das atividades 60,00 Avaliação

Leia mais

Ementas. Certificate in Business Administration CBA

Ementas. Certificate in Business Administration CBA Ementas Certificate in Business Administration CBA Agosto 2012 Módulo Fundamental Administração Financeira EMENTA: Disciplina desenvolve a capacidade de contribuição para as decisões gerenciais aplicando

Leia mais

A Grow RH. êxito, qualidade e agilidade, garantindo a

A Grow RH. êxito, qualidade e agilidade, garantindo a A Grow RH Oriunda de um dos maiores grupos de RH do Brasil, a Grow RH atua há 13 anos na área de consultoria em Recursos Humanos. Temos como clientes empresas e profissionais de diversos segmentos e portes,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM

Leia mais

1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração); Administração Administração (EII) Administração - Ênfase em

1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação Administração) (Administração); Administração Administração (EII) Administração - Ênfase em 1 - Aplicativos Informatizados (para a Habilitação ) (); (EII) - Ênfase em Análise de Sistemas - Habilitação em de Empresas - Habilitação em de Negócios - Habilitação em Hoteleira - Habilitação em Análise

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO BOLETIM OFICIAL NÚMERO ESPECIAL SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO E ESTRUTURA CURRICULAR DO MESTRADO PROFISSIONALIZANTE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO B. O.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 12 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 12 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 12 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 29 de Outubro de 2013. Revisão aula passada Modelagem de sistemas Perspectiva externa Perspectiva de iteração

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS ABERTOS 1º SEMESTRE

PROGRAMAÇÃO DE CURSOS ABERTOS 1º SEMESTRE ÇÃO DE CURSOS ABERTOS 1º SEMESTRE - 2014 Título Carga horária Jan Fev Mar Abr Mai Jun ISO 9001:2008 Interpretação de requisitos 1 dia 08 horas Dia 21 Formação Green Belt Lean Six Sigma 8 dias 80 horas

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS Profª Andrea Padovan Jubileu Definição de SI e software Processo de Software Modelagem de Sistemas 2 Um Sistema de Informação Baseado em Computador (SIBC) é parte integrante

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E OPERAÇÕES

GESTÃO DE PROCESSOS E OPERAÇÕES GESTÃO DE PROCESSOS E OPERAÇÕES Guia da Disciplina Informações sobre a Disciplina A Administração de Operações ou Administração da Produção é a função administrativa responsável pelo estudo e pelo desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa Desenvolvimento de programas 1 Análise do problema Desenvolvimento do algoritmo Codificação do programa Compilação e execução Teste e depuração Análise do problema 2 Conhecer exatamente o que o problema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 03 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 03 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 03 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 13 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processo de software Um modelo de processo de software consiste

Leia mais

Gerenciamento de Projetos na Prática Uma Abordagem Sistêmica

Gerenciamento de Projetos na Prática Uma Abordagem Sistêmica Gerenciamento de Projetos na Prática Uma Abordagem Sistêmica Introdução Abordagem diferenciada da prática de gerenciamento de projetos através de uma visão sistêmica, envolvendo Organização, Processos

Leia mais

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2)

Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Análise de Sistemas 3º Bimestre (material 2) Professor: José Ronaldo Leles Júnior Turma: 2º ano do curso de Sistemas de Informação UEG Universidade Estadual de Goiás Campus Posse POO Paradigma Orientado

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 033/2010 Reestrutura o Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Economia Empresarial. CONSIDERANDO a solicitação da Coordenação do Curso, conforme processo nº 17069/2010;

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Estimação com Métricas Indiretas e Contagem de Pontos de Função

Estimação com Métricas Indiretas e Contagem de Pontos de Função Projeto de Sistemas de Informação Estimação com Métricas Indiretas e Contagem de Pontos de Função FCUL, Departamento de Informática Ano Lectivo 2011/2012 António Ferreira Emanuel Santos psi@di.fc.ul.pt

Leia mais

Termos de Referência para serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Transito

Termos de Referência para serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Transito Termos de Referência para serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Transito Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais