UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO MARIANNA PERANTONI A APLICAÇÃO DO ACORDO SOBRE SUBSÍDIOS E MEDIDAS COMPENSATÓRIAS PELO ESTADO BRASILEIRO NATAL 2012

2 MARIANNA PERANTONI A APLICAÇÃO DO ACORDO SOBRE SUBSÍDIOS E MEDIDAS COMPENSATÓRIAS PELO ESTADO BRASILEIRO Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Direito - PPGD da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Direito (Área de Concentração: Constituição e Garantia de Direitos). Orientador: Prof. Doutor Jahyr-Philippe Bichara NATAL 2012

3 Catalogação da Publicação na Fonte. UFRN / Biblioteca Setorial do CCSA Perantoni, Marianna. A aplicação do acordo sobre subsídios e medidas compensatórias pelo estado brasileiro/ Marianna Perantoni. - Natal, RN, f. Orientador: Prof. Dr. Jahyr-philippe Bichara. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Departamento de Direito. Programa de Pós-graduação em Direito. 1. Direito Internacional - Dissertação. 2. Subsídios - Dissertação. 3. Medidas compensatórias - Dissertação. 4. Controle administrativo - Dissertação. 5. Regulação econômica Dissertação. I. Bichara, Jahyrphilippe. II. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. III. Título. RN/BS/CCSA CDU 341

4 MARIANNA PERANTONI A APLICAÇÃO DO ACORDO SOBRE SUBSÍDIOS E MEDIDAS COMPENSATÓRIAS PELO ESTADO BRASILEIRO Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Direito Aprovada em 11 / 12/ 2012, pela banca examinadora formada por: Presidente: Prof. Doutor Jahyr-Philippe Bichara (Orientador UFRN) Membro: Prof. Doutor Otacílio dos Santos Silveira Neto (Examinador do Programa UFRN) Membro: Prof. Doutor Marcílio Toscano Franca Filho (Examinador Externo à Instituição UFPB)

5 Dedico este trabalho, e a própria vida, a Elizabeth, João Ricardo e Giovanna Perantoni, porque tudo é melhor quando estamos juntos. Dedico, também, à Iracy Perantoni, meu anjo da guarda A minh'alma chorou tanto Que de pranto está vazia Desde que aqui fiquei Sem a tua companhia. Não há pranto sem saudade Nem amor sem alegria E é por isso que eu reclamo Essa tua companhia...

6 AGRADECIMENTOS Agradeço ao Ministério da Educação e à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) por incentivar o aprimoramento acadêmico dos brasileiros, e também pelo financiamento dos meus estudos. Gostaria de agradecer, igualmente, à Universidade Federal do Rio Grande do Norte, pelo suporte institucional crescente ao ensino. Ao Programa da Pós-Graduação em Direito (PPGD) e a todos que colaboraram com sua instituição, agradeço o enorme esforço e contribuição para que o estado potiguar não sofra com a fuga de cérebros que historicamente revelou efeitos malignos para o seu desenvolvimento. À Secretaria do PPGD, nas pessoas de Lígia e Cecília, agradeço o atendimento solícito e a disponibilidade em sempre ajudar os alunos em suas pendências administrativas. Agradeço imensamente ao Professor Doutor Jahyr-Philippe Bichara, que me honra orientando este trabalho, e que pacientemente apontou as melhorias que minhas limitações por si só não permitiriam que fossem feitas. Finalmente, agradeço à razão da minha vida, minha amada mãe, que além de exemplo de ser humano e companheira de todos os momentos, participa ativamente da minha jornada acadêmica e revisa todos os textos que escrevo, permitindo maior acuidade e coerência. E, como se já não bastasse a minha própria existência, me deu de presente meus melhores e eternos amigos, meus irmãos, que cuidam sempre com carinho desta caçulinha.

7 Great power involves great responsibility. Franklin Delano Roosevelt

8 RESUMO O Sistema Multilateral do Comércio evoluiu e adveio com normas internacionais de cumprimento obrigatório pelos Estados. Juntamente com o acordo constitutivo da Organização Mundial do Comércio, o Brasil incorporou em seu ordenamento jurídico interno o Acordo sobre Subsídios e Medidas Compensatórias (ASMC). Este tratado internacional limita a margem de concessão de subsídios pelos governos em razão de a prática poder constituir um mecanismo de deslealdade comercial, afetando o desenvolvimento da indústria nacional do país importador. Ao mesmo tempo, o acordo multilateral outorga aos Estados instrumentos legítimos de defesa, dentre os quais se destaca a aplicação, a nível interno e de maneira unilateral, de medidas compensatórias aos produtos que adentrarem o território nacional com o incentivo das subvenções. Em se tratando de matéria em que as órbitas internacional e interna complementam-se, a presente pesquisa, além de perscrutar acerca dos deveres oriundos do tratado internacional, prontifica-se a estudar os fundamentos jurídicos domésticos para a aplicação do ASMC pelo Brasil. A questão insere-se, por conseguinte, na condução estatal de seu comércio internacional e também nos mecanismos de intervenção na ordem econômica, consagrados constitucionalmente. O poder regulamentar do Estado brasileiro revela-se fundamental para a internalização dos requisitos do acordo internacional no ordenamento jurídico pátrio, o que, inclusive, representa requisito basilar para a aplicação das medidas compensatórias. Uma vez compreendido todo o arcabouço normativo pertinente, este estudo procurará deslindar os elementos essenciais do processo administrativo de defesa comercial, juntamente com os meios de controle da administração pública. A conduta dos órgãos públicos diretamente envolvidos no tratamento do comércio exterior brasileiro será, finalmente, analisada, como forma de se apreender se a implementação unilateral dos direitos compensatórios pelo Estado brasileiro ocorre, como deve ser, de maneira legítima. Palavras-chave: Subsídios. Medidas Compensatórias. Regulamentação. Controle Administrativo.

9 ABSTRACT The Multilateral Trading System has evolved and presented new international mandatory rules to States. Along with the World Trade Organization constitutive treaty, Brazil has incorporated the Agreement on Subsidies and Countervailing Measures (ASCM) in the national legal system. That treaty limits de scope of subsidies concession by governments since this practice can constitute a mechanism of commercial disloyalty, affecting national industrial development in the importing country. At the same time, the multilateral agreement grants defense legitimate instruments to States, among them the possibility of domestically and unilaterally imposing countervailing measures to subsidized products that enter the national territory. Since the issue concerns both international and domestic level in complementary grounds, this research, besides investigating the treaty related obligation, aims at studying the national legal fundaments to ASCM s application by the Brazilian State. Therefore, the essential point resides in the State s conduction of its international trading and also in its available and constitutionally established mechanisms of economic intervention. State s regulating power reveals itself as a fundamental prerogative to succeed in the internalization of international agreement s requirements in the domestic legal system, which represents a basic prerequisite to the implementation of countervailing measures. Once the whole normative outlines are apprehended, this study shall scan the administrative process of trading defense main elements, along with the means of controlling public administration acts. The action taken by the public organs that directly intervene in foreign trade shall be analyzed as well, so as to enable reasoning if the unilateral application of countervailing duties by the Brazilian State is happening on legitimacy grounds Keywords: Subsidies. Countervailing Measures. Regulation. Administrative Control.

10 LISTA DE SIGLAS ACP Ásia, Caribe e Pacífico AsA Acordo sobre Agricultura ASMC Acordo sobre Subsídios e Medidas Compensatórias CADE Conselho Administrativo de Defesa Econômica CAMEX Câmara de Comércio Exterior CE Comunidades Europeias CEE Comunidade Econômica Europeia COFIG Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações CONEX Conselho Consultivo do Setor Privado CSMC Comitê de Subsídios e Medidas Compensatórias DECOM Departamento de Defesa Comercial ESC Entendimento Relativo às Regras e Procedimentos sobre Solução de Controvérsias GATS Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços GATT Acordo Geral de Tarifas e Comércio GECEX Comitê Executivo de Gestão GPE Grupo Permanente de Especialistas GTDC Grupo Técnico de Defesa Comercial GTIP Grupo Técnico de Avaliação de Interesse Público LGPA Lei Geral dos Processos Administrativos MAA Medida Agregada de Apoio MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior OA Órgão de Apelação OCDE Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico OIC Organização Internacional do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio ONU Organização das Nações Unidas OSC Órgão de Solução de Controvérsias PAC Política Agrícola Comum PEDs Países em Desenvolvimento PIB Produto Interno Bruto PMDRs Países com Menor Desenvolvimento Relativo PNB Produto Nacional Bruto

11 PROEX Programa de Financiamento às Exportações SBDC Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência SEAE Secretaria de Acompanhamento Econômico SECEX Secretaria de Comércio Exterior SMC Sistema Multilateral do Comércio

12 SUMÁRIO Introdução PRIMEIRA PARTE O REGIME JURÍDICO INTERNACIONAL DOS SUBSÍDIOS E DAS MEDIDAS COMPENSATÓRIAS NO SISTEMA MULTILATERAL DO COMÉRCIO Capítulo 1. A evolução da regulação do comércio internacional e da prática das subvenções Seção 1. A consolidação do direito internacional econômico A conceituação da disciplina e suas fontes Os atores do DIE A coexistência do multi e unilateralismo Seção 2. O Sistema Multilateral do Comércio Premissas econômicas justificadoras do livre comércio A consolidação das instituições regentes do comércio internacional A. A atuação do GATT B. A Organização Mundial do Comércio Seção 3. As subvenções e o seu tratamento jurídico conferido durante a vigência do GATT A prática dos subsídios no comércio internacional e sua repercussão na sociedade 40 A. A fundamentação econômica dos subsídios B. A influência dos subsídios sobre o mercado e decorrências de ordem política O disciplinamento da matéria na vigência do GATT A. O insuficiente enfoque da Rodada Kennedy B. O tratamento inaugural conferido pela Rodada Tóquio... 50

13 Capítulo 2. O tratamento jurídico internacional dos subsídios Seção 1. O Acordo Sobre Subsídios e Medidas Compensatórias Definição das subvenções e seus elementos A questão da especificidade A tipologia dos subsídios A. Subsídios proibidos B. Subsídios recorríveis C. Subsídios irrecorríveis D. A permissão de subsídios que auxiliem o desenvolvimento Seção 2. O Acordo sobre Agricultura Acesso aos mercados Medidas de apoio doméstico A. Caixa Amarela B. Caixa Azul C. Caixa Verde Subsídios à exportação A cláusula da paz Seção 3. Regulação residual encontrada nos demais acordos multilaterais A reiteração da validade do sistema ASMC/AsA O regime do GATS Capítulo 3. A sistemática multilateral de solução de controvérsias e as medidas compensatórias Seção 1. As disputas comerciais em sede multilateral Os trâmites previstos no ASMC A. Procedimentos relativos aos Subsídios Proibidos B. Procedimentos relativos aos Subsídios Recorríveis Principais disputas comerciais envolvendo o Brasil A. O caso Embraer Bombardier... 96

14 B. O caso dos subsídios europeus ao setor açucareiro C. O contencioso do algodão Seção 2. As medidas compensatórias A história da aplicação de compensações As balizas jurídicas do ASMC às medidas compensatórias A. Critérios da fase de investigação B. As medidas provisórias e permanentes de compensação C. Devido processo legal Críticas à imposição unilateral de direitos compensatórios SEGUNDA PARTE A IMPLEMENTAÇÃO DO ACORDO SOBRE SUBSÍDIOS E MEDIDAS COMPENSATÓRIAS NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO Capítulo 4. Os fundamentos constitucionais justificadores da intervenção do Estado brasileiro no comércio internacional Seção 1. Principais parâmetros jurídicos da atuação estatal na ordem econômica A manutenção de uma economia de mercado consoante a CF/ A. As normas constitucionais intervenientes na ordem econômica liberal B. A função estatal de regulação da economia Os mecanismos estatais de garantia da lealdade na economia A. A defesa da concorrência B. A defesa comercial Seção 2. A competência da União nas relações comerciais internacionais A noção de soberania econômica A relevância do artigo 21, I, da CF/88 nas relações comerciais internacionais A competência legislativa da União em matéria de comércio exterior

15 Capítulo 5. A regulamentação da aplicação das medidas compensatórias no Brasil Seção 1. A organização administrativa protagonista da defesa comercial Breve evolução das instituições intervenientes no comércio exterior no país A distribuição de competências A. Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) B. Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) C. Departamento de Defesa Comercial (DECOM) Seção 2. O arcabouço jurídico nacional regente da temática Lei n de 30 de março de Circular nº 20 de 2 de abril de Decreto nº de 19 de dezembro de Capítulo 6. O controle do processo administrativo de defesa comercial autorizador das medidas compensatórias Seção 1. As premissas do controle da administração pública influentes na defesa comercial As noções elementares inerentes aos mecanismos de controle dos atos administrativos As premissas fundantes do processo administrativo regido pela lei nº 9.784/ Seção 2. Os processos de revisão dos direitos compensatórios Revisão de meio período Revisão de final de período Revisão sumária Seção 3. Os recursos previstos no artigo 23 do ASMC Recurso administrativo Recurso ao Poder Judiciário A possibilidade de recurso à arbitragem Conclusão

16 Referências Bibliográficas

17 16 Introdução A abertura das fronteiras, em razão da liberalização da economia, permitiu a circulação dos fatores de produção livre dos controles impostos pelos Estados. A globalização econômica, por conseguinte, além de promover a extensão da internacionalização, envolveu, em grande parte, a remoção progressiva das restrições impostas às transferências de recursos entre os países, interferindo, sobretudo, na forma com a qual estes delineiam suas políticas econômicas externa e interna 1. O fenômeno do protecionismo, entretanto, ocorre a cada movimento liberalizante, expressando a necessidade de se proteger a indústria nacional e de se evitar perdas de mercado 2. Ainda que pareçam antagônicos, liberalismo e protecionismo oscilam e repetem-se de forma corriqueira no comércio internacional 3, em razão disso, a abertura econômica vista hodiernamente somente pôde efetivar-se pela produção sempre crescente de normas internacionais e nacionais, iniciada após a Segunda Guerra Mundial, que limitam a soberania dos Estados em favor da admissão e concorrência de fatores de produção estrangeiros. Nessa perspectiva, os organismos internacionais de cunho econômico têm, além da função normativa de reger as relações macroeconômicas entre os Estados, o papel de principais vetores de normas jurídicas responsáveis por organizar o livre intercâmbio de mercadorias a nível regional e mundial 4. Os subsídios, também usualmente chamados de subvenções, são uma das questões focais no desenvolvimento do comércio internacional, pois concretizam ferramentas pelas quais os governos, ou quaisquer órgãos públicos, realizam políticas com vistas a auxiliar os produtores nacionais diante do contexto de internacionalização econômica 5. Quando utilizados de maneira legítima, os subsídios configuram, muitas vezes, uma garantia de viabilidade de atividades econômicas que acabam se tornando pouco atrativas para o setor produtivo, devido aos altos investimentos iniciais, o custo elevado dos necessários bens de capital e o baixo potencial de retorno no curto prazo. 1 SCHOLTE, Jan Aart. Global trade and finance. In.: BAYLIS, John; SMITH, Steve; OWENS, Patricia. The globalization of world politics: an introduction to international relations. 4 ed. New York: Oxford University Press, 2008, p BARRAL, Welber; BROGINI, Gilvan. Manual prático de defesa comercial. São Paulo: Aduaneiras, 2007, p Idem. 4 BICHARA, Jahyr-Philippe. La privatisation au Brésil: aspects juridiques et financiers. Paris: L Harmattan, 2008, p MONTORO FILHO, André Franco. Teoria Elementar do Funcionamento do Mercado. In: PINHO, Diva Benevides; VASCONCELOS, Marco Antônio S. (orgs.). Manual de economia. Cap. 6. 5ª Edição. São Paulo: Saraiva, 2004, p.152.

18 17 As subvenções, portanto, enquadram-se frequentemente no âmbito de políticas públicas que objetivam promover o desenvolvimento regional, sobretudo em lugares que sofrem notadamente com a desigualdade de dinamismo. O incentivo, por conseguinte, pode significar, dentre outras coisas, a garantia de geração de empregos, de desenvolvimento da indústria e de inovação tecnológica no Estado concedente 6. Contudo, as consequências e as controvérsias que podem suscitar, tanto nas economias nacionais como nos fluxos do comércio exterior, evidenciam a alta relevância de seu estudo. Embora nasçam de forma legal, os subsídios não raramente são utilizados para conferir uma proteção excessiva a setores econômicos domésticos. Nesses casos, atuam como barreiras ao comércio, uma vez que distorcem a concorrência, que se desenvolveria de forma natural em um sistema livre e competitivo. Assumem, portanto, um pernicioso caráter dúplice: a exportação de produtos subsidiados pode causar danos à indústria doméstica que fornece o mesmo produto no país importador; ademais, esses bens ganham vantagens artificiais sobretudo nos mercados de países em desenvolvimento, obstaculizando as exportações de outros países a esses mesmos mercados 7. As medidas compensatórias apresentam-se, então, como o meio legítimo, unilateral e mais célere de defesa comercial utilizado para evitar que a queda nos preços dos produtos importados resultante dos incentivos recebidos pelo exportador ocasionem danos ao parque industrial, aos empregos e aos recursos do orçamento do país importador. Há registros de que esse mecanismo venha sendo utilizado pelo menos desde o século XVIII 8, normalmente através da taxação dos produtos subsidiados, o que ocorre, porém, de maneira muitas vezes abusiva, extrapolando o intuito de proteção à economia nacional e constituindo, na realidade, um subterfúgio para a imposição de barreiras protecionistas nocivas, contrariamente às normas do comércio internacional. A necessidade de se estabelecer de forma clara os limites das subvenções, assim como pautar a aplicação das chamadas medidas compensatórias, minimizadoras dos efeitos danosos da prática às indústrias domésticas, acarretou no tratamento da matéria durante algumas das oito rodadas de negociação que marcaram a existência do General Agreement on Tariffs and Trade (GATT), até culminar na inclusão do Acordo sobre Subsídios e Medidas 6 DANTAS, Adriana. Subsídios agrícolas regulação internacional. São Paulo: Saraiva, 2009, p JAPÃO. Ministério da Economia, Comércio e Indústria. Subsidies and Countervailing Measures. In.: 2006 Report on the WTO Inconsistency of Trade Policies by Major Trading Partners. Disponível em Acesso em 16 de novembro de GUEDES, Josefina Maria M.M.; PINHEIRO, Silvia M. Anti-dumping, subsídios e medidas compensatórias. São Paulo: Aduaneiras, 2002, p. 20.

19 18 Compensatórias (ASMC), resultante da Rodada Uruguai, ao Anexo 1.A dos Acordos de Marraqueche. Sendo parte do Sistema Multilateral do Comércio, o ASMC integra o rol de fontes do direito internacional econômico e tem, por conseguinte, valor jurídico obrigatório para todos os membros da Organização Mundial do Comércio (OMC), os quais não podem alegar seu ordenamento jurídico interno como possível escusa a qualquer descumprimento da normativa internacional 9. O direito internacional contemporâneo, como se pode observar, imprime uma nova realidade aos Estados, pois lhes retira, em grande medida, o monopólio da produção das normas. A capacidade soberana de regular diversas matérias vem sendo mitigada, e até mesmo autolimitada, em favor de instâncias internacionais 10, revelando um cenário jurídico em que a multiplicação de tratados é irrefutável 11. As normas internacionais tornam-se, portanto, obrigatórias ao Estado brasileiro a partir do momento da manifestação do seu consentimento no sentido de a elas vincular-se. Desse modo, ao obrigar-se por meio da assinatura do ASMC, o Brasil comprometeu-se a fazer o uso adequado dos subsídios em seu território, como também passou a poder fazer prevalecer seu direito de defesa, conforme expresso no tratado. Impende, por conseguinte, perscrutar como o Estado brasileiro recepcionou o ASMC na sua ordem econômica, levando-se em consideração a constitucionalmente consolidada atuação estatal na garantia da livre concorrência e na preservação de seu mercado interno. Esta análise implica necessariamente o estudo da relação existente entre o direito internacional e o direito interno e, de forma mais precisa, de como a Constituição Federal contempla os compromissos internacionais comerciais assumidos pelo Estado dentro de sua função reguladora da economia, inserida no artigo 174. Alguns elementos de respostas serão evidenciados pela aplicação transversal do artigo 21, inciso I, também da CF/88, que assevera a competência da União para relacionar-se com Estados estrangeiros e atuar em organizações internacionais, e o artigo 22, inciso VIII, que prescreve que à União cabe legislar sobre comércio exterior. Dessa forma, a compreensão de como se dá a aplicação do ASMC pelo estado brasileiro requer o conhecimento da abordagem interna do conteúdo do regime jurídico internacional dos subsídios e das medidas compensatórias dentro do Sistema Multilateral do 9 CARREAU, Dominique; JUILLARD, Patrick, Droit international économique. 3ed. Paris: Dalloz, 2007, p MAZZUOLI,Valerio de Oliveira. Curso de direito internacional público. 3ed. São Paulo: Editora RT, 2008, p VARELLA, Marcelo Dias. Direito Internacional Público. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2011, p.28-9.

20 19 Comércio. Nesse sentido, o ASMC, incorporado por meio do Decreto nº 1.355/94, foi regulamentado no Brasil pelo Decreto nº 1.751/95, adequando-o à realidade brasileira. Este documento, juntamente com outras normas internas, determinou as competências da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), e do Departamento de Defesa Comercial (DECOM) na fixação dos direitos compensatórios, incluindo o trâmites desde a abertura de investigação até a sua revisão 12. Esses órgãos, além de seguirem as normas do tratado internacional, devem também observância ao que se pode chamar de processo administrativo de defesa comercial 13, que reúne as determinações do Decreto nº e os dispositivos e princípios guias do instituto jurídico do processo administrativo federal, tal como tratado na Lei nº 9784, chamada de Lei Geral dos Processos Administrativos (LGPA). Também por força constitucional, qualquer processo administrativo deve garantir às partes envolvidas premissas básicas como a publicidade, a solenidade, o contraditório e ampla defesa, dentre outras que serão mais bem exploradas em momento oportuno. A inobservância desses parâmetros na condução das investigações brasileiras para a aplicação das medidas compensatórias pode, inclusive, por força do inciso XXXV do art. 5º, vir a ser questionada no Poder Judiciário. Diante disso, a presente pesquisa analisa os compromissos internacionais assumidos pelo Brasil em relação ao uso dos subsídios no sistema comercial mundial. Adicionalmente, estuda os mecanismos de defesa a serem implementados pelo Estado em caso de prejuízo sofrido em decorrência de recurso indevido aos subsídios por parte de outros governos. Uma vez compreendida a sistemática internacional, restará conhecer o arcabouço constitucional regente da atuação do Estado brasileiro em matéria econômica e, como consequência, os instrumentos jurídicos internos que viabilizam a implementação do mecanismo de compensação. Com o deslinde dessas temáticas será possível analisar criticamente como os órgãos da administração pública do país vêm priorizando aspectos basilares dos seus processos administrativo e judicial, de forma a garantir, legitimamente, a defesa de seu mercado e, em última instância, a livre concorrência. 12 Tais órgãos encarregam-se igualmente da aplicação de quaisquer outras medidas de defesa comercial, que incluem não somente as medidas compensatórias, como também as antidumping e as de salvaguardas. 13 FARIA, Fábio Martins. A defesa comercial: origens e regulamentação das medidas antidumping, compensatórias e de salvaguardas. São Paulo: Aduaneiras, 2003, p.55.

21 20 PRIMEIRA PARTE O REGIME JURÍDICO INTERNACIONAL DOS SUBSÍDIOS E DAS MEDIDAS COMPENSATÓRIAS NO SISTEMA MULTILATERAL DO COMÉRCIO A globalização pode ser entendida como o processo de crescente interconectividade da sociedade internacional, de maneira tal que eventos ocorridos em uma parte do mundo tenham cada vez mais efeitos em outras partes longínquas. Esse fenômeno, apesar de irretorquivelmente abrangente, não pode ser considerado completamente novo na História Mundial, e revela similaridades com as já sedimentadas ideias atinentes a um progresso liberal 14. Não obstante se reconheça que os eventos globalizantes possuem traços sociais, políticos e econômicos, serão notadamente esses últimos que hão de fornecer as bases do presente estudo. O gradativo processo, ainda em curso, de extinção de barreiras econômicas e o consequente incremento das relações de troca internacionalmente ocorridas são uma das notáveis facetas da globalização 15. Os princípios liberais encontram-se nas raízes do processo de internacionalização, propugnando a circulação dos meios de produção pela economia global desimpedidos de controles impostos pelos Estados 16. A ordem internacional econômica contemporânea funda-se, então, na transcrição jurídica dos mencionados princípios, com a finalidade de organizar a intervenção dos capitais nacionais de um Estado em outro, por meio de convenções bilaterais ou multilaterais de cooperação econômica 17. A história econômica mostrou, entretanto, que, em momentos de inflexão do modelo liberal e da interdependência dos mercados mundiais, ondas protecionistas expressaram-se com vigor, justificadas na busca de prevalência do interesse nacional 18. A prática dos subsídios, muitas vezes determinante no desempenho concorrencial dos agentes econômicos que dela se beneficiam, tem importância central na economia internacional contemporânea. Essa modalidade de intervencionismo econômico estatal 14 BAYLIS, John; SMITH, Steve; OWENS, Patricia. The globalization of world politics: an introduction to international relations. 4 ed. New York: Oxford University Press, 2008, p CALDAS, Ricardo W. O Brasil e o mito da globalização. São Paulo: Celso Bastos Editor Instituto Brasileiro de Direito Constitucional, 1999, p SCHOLTE, Jan Aart. Global trade and finance. In.: BAYLIS, John; SMITH, Steve; OWENS, Patricia. The globalization of world politics: an introduction to international relations. 4 ed. New York: Oxford University Press, 2008, p Ganham destaque, nesse contexto, as empresas transnacionais, notadamente as principais beneficiárias da abertura dos mercados nacionais ou regionais. In: BICHARA, Jahyr-Philippe. La privatisation au Brésil: aspects juridiques et financiers. Paris: L Harmattan, 2008, p SCHOLTE, Jan Aart. op. cit., loc. cit.

22 21 apresenta diferentes faces, as quais podem enquadrá-la ora como um instrumento vetor de desenvolvimento econômico, ora como uma forma agressiva e desleal de ganho de competitividade 19. Estudar como o Estado brasileiro porta-se nessa temática exige, evidentemente, conhecer seu tratamento jurídico internacional, buscar suas definições econômicas e proibições legais, assim como compreender os meios de compensação utilizados pelos países para afastar seus efeitos, o que será feito a seguir. 19 AGBODJAN, Hervé Prince. : Le droit international économique face aux défis des subventions à l exportation: évolution et traitement d une pratique déloyale. Revue Études internationales. Québec: Institut québécois des hautes études internationales, v. 39, n. 4, p , dezembro, 2008.

23 200 Referências Bibliográficas AGBODJAN, Hervé Prince. Le droit international économique face aux défis des subventions à l exportation: évolution et traitement d une pratique déloyale. Revue Études Internationales. Québec: Institut québécois des hautes études internationales, v. 39, n. 4, p , dezembro, AGUILAR, Carlos; KWEITEL, Juana (coord.). Guia prático sobre a OMC e outros acordos comerciais para defensores dos direitos humanos. São Paulo: Conectas Direitos Humanos, ALMEIDA, Marcus Elidius. Abuso do direito e concorrência desleal. São Paulo: Quartier Latin, AMARAL JÚNIOR, Alberto do. Introdução ao direito internacional público. São Paulo: Atlas, ARRIGHI, Giovanni. The global market. Journal of world-systems research. vol. 3, jun/jul/ago. Pittsburgh: American Sociological Association, AZEVEDO, Roberto Carvalho de. Reflexões sobre o contencioso do algodão entre o Brasil e os Estados Unidos. Revista Política Externa. São Paulo: Paz e Terra, v. 19, n. 2, p , set/out/nov, BARBOSA, Maiana Vaz do Amaral. A arbitragem na administração pública. Disponível em Acesso em 11 de novembro de BARCELLOS, Ana Paula. Neoconstitucionalismo, direitos fundamentais e controle das políticas públicas. Revista Diálogo Jurídico. n.15, jan/fev/mar, BARRAL, Welber (org.). Solução de controvérsias na Organização Mundial do Comércio. Brasília: Ministério das Relações Exteriores/Fundação Alexandre de Gusmão, BARRAL, Welber. A influência do comércio internacional no processo de desenvolvimento. In: BARRAL, Welber; PIMENTEL, Luiz Otávio (org.). Comércio internacional e desenvolvimento. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2006.

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. Mestrado profissionalizante (em Ciências Jurídico-Financeiras e em Direito e Economia) (1.º semestre) REGENTES

CONTRATAÇÃO PÚBLICA. Mestrado profissionalizante (em Ciências Jurídico-Financeiras e em Direito e Economia) (1.º semestre) REGENTES CONTRATAÇÃO PÚBLICA Mestrado profissionalizante (em Ciências Jurídico-Financeiras e em Direito e Economia) (1.º semestre) REGENTES PROF.ª DOUTORA M. EDUARDA AZEVEDO/PROF. DOUTOR NUNO CUNHA RODRIGUES Programa

Leia mais

Disciplina: Direito Internacional Econômico (DIE) Curso: Direito Carga Horária: 32 Departamento: Direito Público Área: Direito Público

Disciplina: Direito Internacional Econômico (DIE) Curso: Direito Carga Horária: 32 Departamento: Direito Público Área: Direito Público Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Internacional Econômico (DIE) Curso: Direito Carga Horária: 32 Departamento: Direito Público Área: Direito Público PLANO DE ENSINO EMENTA Transnacionalização

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO MASTER JURIS RJ Prof. LUIZ OLIVEIRA CASTRO JUNGSTEDT Agosto/2015 Aula 4 73 ASILO INSTITUTO LIGADO À PROTEÇÃO DA PESSOA HUMANA MESMO COM O FORTALECIMENTO DO DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II Código: DIR-369-b Pré-requisito: Direito Administrativo I Período

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD Fundamentos de Direito Internacional

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano Ano Lectivo 2002/2003 Coordenador Prof. Doutor Eduardo Paz Ferreira Regente

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regente: Pedro Infante Mota Ano Letivo 2014/2015 3.º Ano, Turma da Noite DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO 1. APRESENTAÇÃO Apesar de a propensão para trocar

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020027 7º 4 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020027 7º 4 Semanal Mensal 04 60 Credenciada pela Portaria Ministerial nº 2.611, de 18 de setembro de 2002 DOU - nº 183 - Seção 1, de 20 de Setembro de 2002 -. CURSOS AUTORIZADOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS Portaria nº 2.612 18/09/2002 PEDAGOGIA

Leia mais

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria

índice AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria índice Apresentação Pedro da Motta Veiga... 7 Política Comerciale Política Externa do Brasil AUTONOMIA, NÃO-INDIFERENÇA E PRAGMATISMO: VETORES CONCEITUAIS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA Maria Regina

Leia mais

PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA

PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA Licenciatura de Direito em Língua Portuguesa PROGRAMA DE DIREITO DA INTEGRAÇÃO ECONÓMICA 4º ANO ANO LECTIVO 2010/2011 Regente: Diogo de Sousa e Alvim 1 ELEMENTOS DE ESTUDO Bibliografia Básica: João Mota

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 13 PERÍODO: 4 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO FINANCEIRO E ECÔNOMICO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. EMENTA (Síntese do Conteúdo) OBJETIVOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. EMENTA (Síntese do Conteúdo) OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EMENTA E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Código: EASD026 Pág/Pág: 01/05 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MODALIDADE A DISTÂNCIA

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR INTEGRANTE

Leia mais

JOSÉ CRETELLA NETO Advogado empresarial; Doutor e Livre-Docente em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da USP.

JOSÉ CRETELLA NETO Advogado empresarial; Doutor e Livre-Docente em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da USP. JOSÉ CRETELLA NETO Advogado empresarial; Doutor e Livre-Docente em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da USP. EMPRESA TRANSNACIONAL E DIREITO INTERNACIONAL exame do tema a luz da globalização

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010.

COMUNICADO. Fonte de Consulta. BARROSO, Luís Roberto. Curso de direito constitucional contemporâneo. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2010. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO COMUNICADO A MESA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015 DE DIREITO DO ESTADO 2015 EMENTA O Direito Constitucional é a referência axiológica para a aplicação de todos os ramos do Direito. Nesse sentido, este curso de Prática Jurídica Constitucional possibilita

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Regime Jurídico dos Recursos Minerais

FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Regime Jurídico dos Recursos Minerais FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Regime Jurídico dos Recursos Minerais Tópicos em Direito Constitucional Carga Horária: 28 h/a 1 - Ementa Poder Constituinte e a Constituição

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Administrativo I Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Prof. José Pedro Zaccariotto Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo:

Leia mais

EXAME NACIONAL DE CURSOS E POLÍTICA DE REGULAÇÃO ESTATAL DO ENSINO SUPERIOR ALFREDO MACEDO GOMES Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco alf1964@terra.com.br RESUMO

Leia mais

Direito Administrativo I

Direito Administrativo I Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Público Direito Administrativo I Carga Horária: 60 h/a 1- Ementa 1 Estado. 2 Poderes

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013 CP019-A ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS PROF. CRISTIANO MORINI 2º SEMESTRE/2013 EMENTA: Classificação das organizações internacionais por natureza, abrangência e funções. Processo decisório. Organizações de

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Econômico PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Econômico PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Econômico Código: DIR - 567 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

1. CONTRATOS INTERNACIONAIS: EFICÁCIA ECONÔMICA E EFETIVIDADE. II PROFESSOR DOUTOR: João Bosco Lee. III CARGA HORÁRIA: 30h/a IV EMENTA

1. CONTRATOS INTERNACIONAIS: EFICÁCIA ECONÔMICA E EFETIVIDADE. II PROFESSOR DOUTOR: João Bosco Lee. III CARGA HORÁRIA: 30h/a IV EMENTA 1. CONTRATOS INTERNACIONAIS: EFICÁCIA ECONÔMICA E EFETIVIDADE II PROFESSOR DOUTOR: João Bosco Lee III CARGA HORÁRIA: 30h/a IV EMENTA Noção de Contrato Internacional (Critérios de Internacionalidade do

Leia mais

Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais

Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais Guia Prático de Aplicação de Salvaguardas O caso CHINA Capítulo 5 O Mapa da Defesa Comercial do Brasil Aspectos Institucionais Vera Sterman Kanas vkanas@tozzini.com. @tozzini.com.br Enquadramento institucional

Leia mais

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz

www.caparroz.com Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz Comércio Internacional Prova AFRFB 2009 Comentários do Prof. Roberto Caparroz 51- A participação no comércio internacional é importante dimensão das estratégias de desenvolvimento econômico dos países,

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI Andréia Nádia Lima de Sousa 1 RESUMO: O trabalho tem por objeto estudar a origem da Organização Mundial do Comércio dentro do cenário econômico

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

CAMEX- CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR

CAMEX- CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR CAMEX- CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Anita Pereira ANDRADE 1 Carlos Augusto P. ANDRADE 2 Fellipe Oliveira ULIAM³ RESUMO: O presente trabalho aborda como tema central a Câmara de Comercio Exterior, bem como

Leia mais

Ementas das disciplinas do 3º período

Ementas das disciplinas do 3º período 1 Disciplina: Direito Empresarial I (Teoria Geral) C/H: 080 H/A Teoria Geral. O Direito Comercial. Evolução Histórica. Fontes. Atividade empresarial. Regime Jurídico da livre iniciativa. Registro de empresa.

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é um banco estatal 3, fundado em 1952, que opera sob a supervisão do ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais Coordenação Acadêmica: Prof. Dr. Miguel Ferreira Lima CÓDIGO SIGA : TMBACEN*12/01 1 OBJETIVO:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino técnico Etec PAULINO BOTELHO - Extensão E.E. Arlindo Bittencourt Código: 092-02 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional:

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

D OBJETIVOS E IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA A FORMAÇÃO DO EGRESSO

D OBJETIVOS E IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA PARA A FORMAÇÃO DO EGRESSO 27/07/2015 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - CURSO SEMESTRAL Disciplina DIREITO ADMINISTRATIVO III Curso Graduação Período 8º período Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Turmas A, B e D Código

Leia mais

VII Encontro Amazônico de Agrárias

VII Encontro Amazônico de Agrárias VII Encontro Amazônico de Agrárias Segurança Alimentar: Diretrizes para Amazônia CONCESSÃO DE CRÉDITO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DO BANCO DA AMAZÔNIA RESUMO No Brasil, o setor bancário assume

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Sessões 1 e 2: Apresentação da disciplina e o estudo das políticas públicas

Sessões 1 e 2: Apresentação da disciplina e o estudo das políticas públicas Disciplina: Instituições Políticas e Políticas Públicas no Brasil (EUR0204) Dia e horário: segunda, 14 às 17h. Carga horária: 45 horas Sala: I - 9 do Setor II Docente: Alan Daniel Freire de Lacerda Apresentação

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº 55.754, de 12 de fevereiro de 1965

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº 55.754, de 12 de fevereiro de 1965 DISCIPLINA: Direito Internacional dos Direitos Humanos PROFESSOR: Dr. Antonio Celso Alves Pereira EMENTA: Formação, autonomia e consolidação do Direito Internacional dos Direitos Humanos. A Carta Internacional

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Economia Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares EMENTA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Agosto de 2013 Efeitos da taxa de câmbio: Trilema: inflação, taxa de juros, taxa de câmbio Redução do superávit comercial e déficit estrutural em

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Programa Prof. João Pedro Couto Objectivos Esta disciplina tem como finalidade fornecer aos alunos um conjunto de elementos que permitam aos mesmos, utilizando uma lógica de raciocínio

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Direito

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ABELHA, Marcelo. Ação civil pública e meio ambiente. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

ABELHA, Marcelo. Ação civil pública e meio ambiente. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. Ementa: Bem jurídico ambiental e aspectos do Meio Ambiente. Meio ambiente e legislação; Fundamentos constitucionais da proteção do ambiente; Política Nacional do Meio Ambiente; Sistema Nacional do Meio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO REPERCUSSÃO DO ATO ADMINISTRATIVO EXTINTO NA RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL GEYSON NUNES DA COSTA MESTRADO EM DIREITO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 2006/2007 UNIVERSIDADE

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO GESTÃO do MÍNÍSTRO CEISO AMORÍM NO itamaraty AqosTO 95A DEZEMBRO 94 / FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO Brasília 1995 Tricentenário do nascimento de Alexandre de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO EXERCÍCIOS PRÁTICOS DAS TÉCNICAS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS EMPRESARIAIS Professor Fernando de Oliveira Marques 1. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. Arbitragem: Elaboração de peças relativas ao processo arbitral;

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: FUNDAMENTOS DE DIREITO PÚBLICO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: FUNDAMENTOS DE DIREITO PÚBLICO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: FUNDAMENTOS DE DIREITO PÚBLICO Código: ADM- 261 Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica.

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica. DISCIPLINA: Direito de Família SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR138 1. EMENTA: O Direito de Família. Evolução do conceito de família. A constitucionalização

Leia mais

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Internacional Público. Tema geral: Direito Internacional Penal

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Internacional Público. Tema geral: Direito Internacional Penal I Curso de Doutoramento em Direito Ramo de Direito Público Direito Internacional Público Tema geral: Direito Internacional Penal Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia Prof. Doutor André Víctor Luanda, 20

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.034,DE 2011 Dispõe sobre a assistência internacional prestada pelo Brasil sobre matéria de valoração aduaneira e dá outras

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO AMBIENTAL (D-39) Área: Direito Período: Sétimo Turno: Noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 36 H; Créd.: 02 III. Pré-Requisito: DIREITO CONSTITUCIONAL II (D- 24 )

Leia mais

UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ ESCOLA DE MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA

UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ ESCOLA DE MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ ESCOLA DE MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA 1. DISCIPLINA NIVELAMENTO EM CONTABILIDADE 2. EMENTA DA DISCIPLINA Conceitos básicos

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais