INSTRUMENTOS ECONÔMICOS PARA A PROTEÇÃO SOCIOAMBIENTAL - O PAPEL DOS PAGAMENTOS DE SERVIÇOS AMBIENTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUMENTOS ECONÔMICOS PARA A PROTEÇÃO SOCIOAMBIENTAL - O PAPEL DOS PAGAMENTOS DE SERVIÇOS AMBIENTAIS"

Transcrição

1 IX ENCONTRO NACIONAL DA ECOECO Outubro de 2011 Brasília - DF - Brasil INSTRUMENTOS ECONÔMICOS PARA A PROTEÇÃO SOCIOAMBIENTAL - O PAPEL DOS PAGAMENTOS DE SERVIÇOS AMBIENTAIS Danielle de Ouro Mamed (Universidade do Estado do Amazonas) - Advogada, Mestranda em Direito Ambiental pelo PPGDA/UEA, Bolsista CAPES. Joelson Rodrigues Cavalcante (Universidade do Estado do Amazonas) - Advogada, Mestrando em Direito Ambiental pelo PPGDA/UEA, Bolsista FAPEAM

2 INSTRUMENTOS ECONÔMICOS PARA A PROTEÇÃO SOCIOAMBIENTAL - O PAPEL DOS PAGAMENTOS DE SERVIÇOS AMBIENTAIS Eixo temático: H Políticas Públicas e Meio Ambiente Resumo: Diante da crise que envolve a disponibilidade de recursos naturais, diversas alternativas tem sido buscadas pelos mais diversos âmbitos da sociedade. Das várias formas de contornar a crise, surgem aquelas derivadas dos próprios mecanismos inerentes ao sistema capitalista de produção, ou seja, nota-se a instituição de instrumentos econômicos para a proteção socioambiental. Nesse contexto, um instrumento que tem tomado destaque são os sistemas de pagamento por serviços ambientais. No entanto, há uma discussão que não pode ser esquecida quando se pensa a instituição de políticas desse gênero: aspectos filosóficos em torno da questão de valoração da natureza e as conseqüências disso para a sociedade em toda sua complexidade precisam ser levados em conta com a devida precaução. Palavras-chave: Instrumentos econômicos, proteção ambiental, pagamentos por serviços ambientais. Abstract: Faced with the crisis involving the availability of natural resources, several alternatives have been tought by diverse sectors of society. Various ways to resolve the crisis, there are those derived from their own mechanisms inherent in the capitalist system of production, as there is the introduction of economic instruments for social and environmental protection. In this context, an instrument that has taken prominence are the systems of payment for environmental services. However, there is a discussion that can not be overlooked when considering the establishment of policies of this genre: philosophical aspects surrounding the issue of assessing the nature and the consequences for society in all its complexity must be considered with due precaution. Key-words: Economics instruments, environmental protection, payments for environment services. 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema do uso de instrumentos econômicos para a preservação do meio ambiente, especificamente, quanto ao uso de sistemas de pagamento por serviços ambientais. Sobre o tema, nota-se uma certa expectativa e interesse político e acadêmico. No entanto, para que seja possível uma análise pautada em pilares científicos, é necessário observar os vários aspectos que envolvam a questão. O objetivo do trabalho, portanto, será analisar os principais aspectos a respeito da conceituação do instrumento, bem como de uma breve análise de como essas políticas que visam unir o econômico ao ecológico, foram construídas. 2. METODOLOGIA E INFORMAÇÕES UTILIZADAS Para consecução dos objetivos do trabalho proposto serão empregadas premissas do método indutivo de pesquisa, o qual se mostra mais adequado à problemática que se pretende abordar, de acordo com os seguintes critérios:

3 a) Observação dos fenômenos e teorias que envolvem o tema; b) Descoberta da relação entre tais fenômenos e teorias na realidade a qual se delimita o estudo (brasileira); Buscou-se informações a partir das leis que instituem tais políticas, bem como em autores nacionais e internacionais que tratam do tema. 3. RESULTADOS OBTIDOS 3.1 Sobre os instrumentos econômicos na preservação socioambiental Decorrente do paradigma do desenvolvimento sustentável 1, uma das alternativas que tem sido apresentadas remete ao uso de instrumentos econômicos e de mercado (economia ambiental) para responder às turbulências ocasionadas pelo modelo de produção vigente, ao qual se atribuem as diversas crises já apresentadas. No tocante à relação existente entre a economia e os problemas ambientais, nota-se o estudo da economia ambiental (ou ecológica) como a tentativa de explicar a relação entre economia e a degradação do meio ambiente, bem como para oferecer respostas aos danos ocasionados por esta relação. Phillip Hartmann, ao explicar os fundamentos teóricos da economia ambiental comenta que frequentemente as causas da escassez na natureza residem em uma avaliação errônea que dela se faz como um bem livre e gratuito à disposição de todos (HARTMANN, 2010, p. 6). O autor explica, ainda, que a opinião pública em geral rejeita uma visão econômica dos bens ambientais justamente por essa visão que se tem de que recursos naturais são direito de todos indiscriminadamente, assertiva nem sempre aplicada em relação aos prejuízos causados por uma gestão irracional do meio ambiente. Tendo em vista esse problema, defende François Ost que apenas o mercado permite uma melhor avaliação possível dos bens ambientais, pois, enquanto for possível que os direitos recíprocos de poluir e de não poluir forem negociáveis, prevalecerá a melhor solução econômica (OST, 1999, p. 158). Este pensamento, no entanto, deve ser 1 O conceito de desenvolvimento sustentável ganhou uma dimensão global através do Relatório Brundtland, de 1987 da Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Esse Relatório, conhecido como Nosso Futuro Comum determinou que da expressão desenvolvimento sustentável depreende-se que a fruição dos recursos naturais pela presente geração, não deve prejudicar o mesmo direito das gerações futuras.

4 pautado numa noção de economia que busque sempre o bem-estar social, mais além da simples lógica do lucro. O uso dos recursos naturais, explica Seroa da Motta, gera custos externos negativos intra e intertemporais (MOTTA, 2006, p. 75). Isto porque os custos de produção, normalmente consideram apenas elementos de fácil previsão (terra, capital e trabalho), ignorando outros custos como aqueles ocasionados pela degradação ambiental, fazendo, portanto, com que esses custos circulem externamente nos mercados eis as externalidades (AQUINO NETO e DERANI, 2007, p. 57). Esta concepção, lembra Eugénio Cánepa, remete ao estudo pioneiro de Arthur Cecil Pigou, no começo do século XX lidando com a correção de externalidades negativas mediante a cobrança, pelo Estado, da diferença entre o custo marginal privado e o custo marginal social (CÁNEPA, 2005, p. 61). Assim, em economia ambiental, uma das formas de realizar a correção de mercado no sentido de incorporar ao preço dos produtos às externalidades desconsideradas corresponde à instituição de instrumentos econômicos. Nessa perspectiva complementa Aragon Ortiz que, para alcançar o fim a que se propõem os instrumentos econômicos, há que serem observadas as contribuições do recurso ambiental analisado para o bem-estar social. Portanto, o grande desafio da economia seria estimar os custos sociais de usar recursos escassos e incluir os benefícios e custos ambientais na análise de custo/ benefício envolvendo recursos ambientais (ORTIZ, 2003, p. 82). Nota-se, dessa forma, que analisar os custos externos do uso/ degradação de recursos naturais constitui uma tarefa árdua, que deve considerar, além de meros fatores econômicos, outros aspectos relevantes quando se trata de meio ambiente. Os elementos culturais e cosmológicos, por exemplo, não podem ser simplesmente desconsiderados quando da construção de políticas públicas dessa natureza, urgindo a necessidade do debate em torno de uma valoração ambiental analisada como uma das partes que compõem o todo, utilizando-se da teoria dos sistemas, na visão de José Aroudo Mota (2001, p. 13), ou a partir de uma perspectiva complexa, como defende Enrique Leff (p. 191). 3.2 Pagamentos de serviços ambientais: conceituação e breve histórico

5 Primeiramente, necessário se faz esclarecer que na literatura sobre o tema, há quem denomine os benefícios gerados pelo meio ambiente como serviços ambientais, ou, ainda, serviços ecológicos, de forma que surge a necessidade de analisar de que forma esses dois termos tem sido distinguidos. A Lei Estadual n , de 9 de novembro de 2009, institui no Estado de São Paulo a Política Estadual de Mudanças Climáticas, e traz a definição do que deva ser considerado serviço ecossistêmicos e serviços ambientais. No inciso I do artigo 3º, estabelece-se que serviços ecossistêmicos são aqueles benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Por sua vez, o inciso II define como serviços ambientais aqueles serviços ecossistêmicos que geram impactos positivos além das áreas em que são instituídos. Dessa forma, mostra-se que a expressão serviço ambiental teria um conteúdo mais abrangente que serviço ecossistêmico, o que poderia corresponder, inclusive, àqueles casos de benefícios gerados por biomas como o amazônico, que traspassam seus domínios territoriais regulando os fluxos hidrológicos em vários outros pontos do continente, conforme já observado. Para Irigaray (2009, p. 05), o que se convencionou a chamar na América Latina de "pagamento por serviços ambientais" seria uma tradução da expressão "payment for ecosystem services", o qual seria mais abrangente. Desse modo, Irigaray (2009, p. 06), defende: Nessa linha de raciocínio, são serviços ecológicos prestados pelas florestas tropicais os benefícios gerados pela cobertura vegetal, não apenas em proveito humano, e incluem muito além do estoque de carbono nela armazenado, mas também a provisão de alimentos (para homens e animais) e os serviços de regulação do fluxo hídrico e do clima, reciclagem de nutrientes, geração de chuvas, absorção de dióxido de carbono, entre outros. Assim, Irigaray 2 traz definição constante na Avaliação Sistêmica do Milênio (Millenium Ecosystem Assessement), relatório produzido com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), qual seja: 2 IRIGARAY, C. T. Pagamento por Serviços Ecológicos e o emprego de REDD para contenção do desmatamento na Amazônia. P. 6. Informação disponível em:

6 Serviços ecossistêmicos são os benefícios que as pessoas obtém dos ecossistemas. Entre eles se incluem serviços de provisões como, por exemplo, alimentos e água, serviços de regulação como controle de enchentes e de pragas, serviços de suporte como o ciclo de nutrientes que mantém as condições para a vida na Terra, e serviços culturais como espiritual, recreativos e benefícios culturais. Nessa definição, poderia entrar no conceito de serviço ecossistêmico todos os benefícios que as pessoas poderiam obter desses ecossistemas, inclusive aqueles de cunho cultural, espiritual e recreativo, deixando patente uma lógica de valoração ambiental que considera o meio ambiente além do mero valor de mercado. Melissa Furlan, ao tratar do tema, não considera que haja diferença entre serviço ambiental e ecológico, usando, inclusive, o termo serviço ecossistêmico como sinônimo de serviço ambiental : Inicialmente, é importante um esclarecimento acerca do que se compreende por serviço ambiental ou ecossistêmico. (...) A manutenção dos serviços ambientais, isto é, a manutenção da capacidade dos ecossistemas de manter as condições ambientais apropriadas, depende da implementação de práticas humanas que minimizem os impactos negativos do desenvolvimento/ industrialização nesses ecossistemas (FURLAN, 2010, p ). Assim, infere-se que a autora entende por serviços ambientais a capacidade dos ecossistemas de manter as condições ambientais apropriadas. Outro questionamento que se faz a respeito do tema remete ao seguinte: a idéia de serviços ambientais seria compatível com a aquisição de serviços? Seria possível determinar a porção a ser adquirida por cada adquirente? Mais adequada parece a saída que utiliza o termo financiador da manutenção de determinado serviço ecossistêmico ou ambiental. Em âmbito nacional têm-se, ainda, a definição de PSA dada por Alexandre Altmman que os define como: um contrato entre provedores e beneficiários, através do qual esses remuneram àqueles pela garantia do fluxo contínuo de determinado serviço ambiental, com intervenção do Estado para operacionalizar o sistema e garantir o cumprimento dos contratos (Altmman, p. 09). Essa conceituação, como se vê, demonstra um pouco mais de plausibilidade, uma vez que prevê que as obrigações Acesso em 06 de abril de 2011, às 10:51.

7 estarão previstas em contrato e que deverão servir à garantia de um fluxo contínuo de determinado serviço ambiental, apesar de que, seria mais adequado que se previsse a manutenção das condições necessárias ao regular fluxo de determinado serviço ambiental. Ainda quanto à terminologia adotada, mostra-se que também é possível analisá-la à luz do artigo 3º, 2º do Código de Defesa do Consumidor, que é o dispositivo legal do direito interno que denomina serviço como: qualquer atividade fornecida no mercado de consumo mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes de caráter trabalhista. Assim, recorrendo-se ao Dicionário Aurélio, infere-se que o termo atividade, além de ação, diligência ou qualquer trabalho específico, também pode significar energia, força, vigor ou, ainda, atividades naturais como a atividade geomagnética, nuclear, óptica ou solar (FERREIRA, 2004). Portanto, como se nota, à primeira vista é possível vislumbrar uma coerência entre a atividade natural dos componentes do meio ambiente e sua determinação como serviços, a saber, os chamados serviços ambientais. Por outro lado, é possível encontrar, ainda, os autores céticos a respeito da plausibilidade e conveniência dos instrumentos de pagamento por serviços ambientais que questionam, por exemplo, a falta de conhecimento científico a respeito das reais contribuições da substituição de atividades como o desmatamento, em termos de sustentabilidade (HECKEN e BASTIAENSEN, 2010, p. 787). A esse respeito Niro Higuchi, cita o exemplo amazônico, defendendo que o impacto do desmatamento na Amazônia em termos globais é questionável, no entanto, considerando-se o Brasil, ou mesmo o continente sul-americano é possível observar uma maior influência da manutenção da floresta em termos de equilíbrio ambiental, sendo que o mau uso dos recursos florestais afetará, principalmente, a economia brasileira (HIGUCHI, 2010, p. 46). Hecken e Bastiaensen, ainda, questionam a conveniência da aplicação desses instrumentos em face de fazendeiros e proprietários de florestas, que tendem a ganhar poucos benefícios privados para conservar a florestas (HECKEN e BASTIAENSEN, 2010, p. 785), o que poderia dar a essas ações um caráter demasiadamente pontual. No entanto, há que se ressaltar que um maior cuidado deverá ser tomado na instituição dessas políticas, principalmente tendo em vista a associação a mecanismos de mercado. Muito além de servir às questões de cunho econômico, as políticas

8 ambientais devem servir ao bem estar da sociedade, respeitando-se a diversidade sociocultural e não a mera lógica mercadológica. 3.3 Origem Teórica Ao abordar a gênese da conceituação a respeito dos serviços ambientais, Gómez- Baggethun et al. (2009, p. 1213) afirmam que nos anos de 1970 e 1980, autores começaram o processo de estudos que tinham em seu cerne, as preocupações ecológicas, mormente em relação à economia, no que tange à dependência social em relação aos diversos ecossistemas naturais, bem como despertar o interesse público em relação à conservação da biodiversidade. Assim, Schumacher (1973) apud Gómez- Baggethun et al. (2009, p. 1213) provavelmente, fora o primeiro autor a cunhar o conceito, a respeito de capital natural, o que veio ser nomeado, posteriormente como sendo os "serviços ecossistêmicos", serviços ecológicos, serviços ambientais, ou serviços da natureza. Na mesma esteira, Perrings et al. (1992; 1995) apud Gómez- Baggethun et al. (2009, p. 1213) afirmam que o Beijer Institute s Biodiversity Program 3, que data dos primórdios da década de 1990, fora responsável pelo desenvolvimento dos serviços ecossistêmicos, aqui nomeados de serviços ambientais. No que tange, ao capital natural global e serviços ecossistêmicos, estabeleceu-se um novo padrão de discussão. Assim, o que veio a ser chamado de serviços ecossistêmicos ou serviços ambientais, apresentava a figura financeira nesta relação, conforme Constanza et al. (1997). Assim, nos fins da década de 1990, e início dos anos 2000, o conceito de serviços ambientais veio a encontrar lugar na arena política, por exemplo, o Global Biodiversity Assessment 4, bem como o Ecosystem Approach 5, que fora adotado pelo UNEP-CDB (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente 6-3 Informações disponíveis em Acesso em 19 de abril de 2011, às 12:23. 4 Para maiores informações, Acesso em 20 de abril de 2011, às 11:55. 5 "The ecosystem approach is a strategy for the integrated management of land, water and living resources that promotes conservation and sustainable use in an equitable way. Application of the ecosystem approach will help to reach a balance of the three objectives of the Convention. It is based on the application of appropriate scientific methodologies focused on levels of biological organization which encompass the essential processes, functions and interactions among organisms and their environment. It recognizes that humans, with their cultural diversity, are an integral component of ecosystems." Informações disponíveis em. Acesso em 20 de abril de 2011, às 12:01. 6 Para maiores informações, Acesso em 19 de abril de 2011, às 13:08.

9 Convenção da Diversidade Biológica 7 ), conforme Goméz-Baggethun et al. (2009, p. 1214). Do mesmo modo, a Avaliação Sistêmica do Milênio apresenta-se como baliza, no sentido de nortear a crítica, bem como sedimentar o conceito de serviços ecossistêmicos, ou serviços ambientais, em seus diversos ecossistemas, de modo a reforçar a dependência dos seres humanos em relação aos serviços ambientais. Da mesma forma, a articulação dos mercados adveio aos anos de 1990 aos 2000, quando houve uma ampliação na pesquisa, no que tange aos valores monetários dos serviços ambientais, o que motivou a criação de instrumentos, como incentivos econômicos, que objetivasse a conservação, como bem observam Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1209). Assim, percebe-se que os serviços ambientais têm sido negociados no mercado por um longo período, contudo não eram, assim, chamados de "serviços ambientais", e sua ligação, costumava dá-se de forma indireta, por exemplo, às taxas de energia, que têm sido implementadas há um longo período, contudo, sem conexão com o seqüestro de carbono, conforme Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1214), igualmente com as políticas de preço na agricultura na Comunidade Européia, a fim de melhorar a qualidade do meio ambiente e a biodiversidade. O Congresso dos Estados Unidos, em 1990, fixou limites às emissões de dióxido sulfúrico, bem como emitiram as permissões negociáveis para emissões de larga escala de SO², por meio do Clean Air Act 8, conforme Stavins apud Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1214). Da mesma forma, que por meio de seu Código de Águas (Clean Water Act) 9, foi permitido ao Corpo de Engenharia (Corps of Enginners) 10, emitir licenças, com o fim de autorizar danos nas zonas úmidas, desde que assumido o compromisso de restaurar, ou até mesmo, criar zonas úmidas em outros lugares. Os Mercados de Carbono tiveram sua gênese nos anos 2000, por exemplo, o United Kingdom Emissions Trading Scheme (ETS), que veio a fomentar o ingresso de companhias no Climate Change Agreement com o Governo. Assim, com o intuito de atender às metas, no que tange às emissões de gases causadores do efeito estufa, tal instrumento seria utilizado pelos participantes, por meio do comércio de emissões. 7 Para maiores informações, Acesso em 19 de abril de 2011, às 13:06. 8 Informações disponíveis em: Acesso em 20 de abril de 2011, às 13:31. 9 Informações disponíveis em: Acesso em 20 de Abril de 2011, às 13: Informações disponíveis em: Acesso em 20 de Abril de 2011, às 13:57.

10 Ainda, conforme Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1214), em 2005 fora lançado o Chicago Climate Exchange, que criou um regime de comércio baseado em metas voluntárias, no qual as companhias participantes, as quais, tivessem seus níveis de emissão acima de suas metas, poderiam negociar créditos daquelas, as quais, emitissem menos gases causadores do efeito estufa. Assim, ao tratar-se de Mercados de Serviços Ecossistêmicos (Markets for Ecosystem Services MES), provavelmente, o primeiro em escala internacional é o European Union Trading System (Comércio Europeu de Licenças de Emissão), que teve seu lançamento em 2005, que veio a instituir o mecanismo de negociação para os seis maiores gases 11 causadores do efeito estufa. De acordo com Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1214) um número crescente de mecanismos de pagamento por serviços ambientais espalhou-se por outros países meso-americanos e da América do Sul no início dos anos Por seu turno, Wunder (2005) ao definir o pagamento por serviços ambientais, o conceitua como "[I] uma transação voluntária através da qual [II] um serviço ecológico específico [III] é adquirido por um (ou mais adquirente [IV] de um (ou mais) provedor do serviço ecológico [V] se, e somente se, o provedor do serviço ecológico assegurar sua provisão (condicionalmente)" 12. Da mesma forma, Wunder et al (2008, p. 01) afirma que o pagamento por serviços ambientais é uma abordagem inovadora para a conservação que tem sido aplicada crescentemente, tanto nos países desenvolvidos, como nos países em desenvolvimento 13. Assim, os serviços ambientais são aqueles que fundamentalmente, 11 CO 2 - Dióxido de Carbono, N 2 O - Óxido Nitroso, CH 4 - Metano, CFCs - Clorofluorcarboneto, HFCs - Hidrofluorcarboneto, PFCs - Perfluorcarnoneto, e SF 6 - Hexafluoreto de enxofre. Conforme Anexo A Gases de efeito estufa e categorias de setores/fontes. Informações disponíveis em: Acesso em 26 de maio de 2011, às 12: defining PES as (a) a voluntary transaction where (b) a well-defined environmental service (ES) or a land use likely to secure that service (c) is being bought by a (minimum one) service buyer (d) from a (minimum one) service provider (e) if and only if the service provider secures service provision (conditionality). In: Wunder, S., Engel, S., Pagiola, S. Taking Stock: A comparative analysis of payments for environment services programs in developed and developing countries, Ecological Economics (2008), doi: /j.ecolecon Tradução livre de Payments for environmental services (PES) are an innovative approach to conservation that has been applied increasingly often in both developed and developing countries. In: Wunder, S., Engel, S., Pagiola, S. Taking Stock: A comparative analysis of payments for environment

11 mas não exclusivamente brindam as áreas silvestres, áreas que em seu conjunto conformam ecossistemas, paisagens, bacias hidrográficas e regiões. Dentro dos serviços ambientais de maior reconhecimento na literatura especializada 14 podemos citar: a estabilidade hidrológica, a mitigação de inundações, a moderação de microclimas, os processos ecológicos que têm lugar na biodiversidade das áreas naturais protegidas, os bancos genéticos e o habitat sano e intacto para a flora e a fauna. Os serviços ambientais, conceitualmente, foram associados ao conceito econômico de externalidades positivas, tal qual o conceito de poluição teve sua significação ligada às externalidades negativas 15. Desse modo, os serviços ambientais seriam como externalidades positivas oriundas dos diversos ecossistemas terrestres. A partir desse entendimento vislumbra-se a possibilidade de novas estratégias para internalizá-las, reconhecendo seu valor. 16 Desse modo, o pagamento por serviços ambientais configura-se como uma tentativa de instrumentalizar o Teorema de Coase 17, o qual estipula que o problema dos efeitos externos podem, sob certas condições, ser superados por meio de negociações privadas entre as partes afetadas 18, como também afirma Wunder et al. (2008, p. 665). Assim, as externalidades são os os custos ou benefícios gerados a terceiros e que não são levados em conta nos preços de mercado. Desta maneira, quando em caso de manifestar-se nos preços de mercado, o preço diminuiria se a atividade gera custo ou services programs in developed and developing countries, /j.ecolecon Ecological Economics (2008), doi: 14 Conforme os seguintes autores: MURANDIAN, R., Norgaard, R. B., Wunder, S., Engel, S., Pagiola, S., FISHER, Brendan., MORLING, Paul., TURNER, R. Kerry., KEMKES, R.J., PASCUAL, U., VATN, A.. 15 ALTMANN, A. Pagamento por serviços ambientais: Aspectos jurídicos para a sua aplicação no Brasil. Informação disponível em: Acesso em 06 de abril de 2011, às 14: ALTMANN, A. Pagamento por serviços ambientais: Aspectos jurídicos para a sua aplicação no Brasil. Informação disponível em: Acesso em 06 de abril de 2011, às 14: COASE, R. H. The problem of social cost. The Journal of Law and Economics3, pp In effect, PES programs attempt to put into practice the Coase theorem, which estipulates that the problems of external effects can, under certain conditions, be overcome through private negotiation between affected parties (Coase, 1960). In: Wunder, S., Engel, S., Pagiola, S. Taking Stock: A comparative analysis of payments for environment services programs in developed and developing countries, Ecological Economics (2008), doi: /j.ecolecon

12 externalidade negativa, ou aumentaria, se gera um benefício ou externalidade positiva 19. O valor concedido aos serviços ambientais e a necessidade de cobrar por eles são conceitos relativamente novos no mundo, sendo a Costa Rica um dos países pioneiros em idealizar e aplicar este mecanismo financeiro para fazer cobrança e pagamento por esses serviços. Assim, criou um programa chamado Pago por Servicios Ambientales (PSA), em 1997, que tinha como objetivo reverter as altas taxas de desflorestamento existentes à época, conforme Pagiola (2008). O fundamento desta figura não emerge da ocorrência, e sim da lógica racional de que o gênero humano deseja continuar recebendo os serviços de água limpa, ar puro, energia não contaminante, possibilidade de recreação, investigação e contemplação das belezas naturais por meio do turismo recreativo. É óbvio que eles têm um preço que devemos pagar, os usuários destes serviços. A floresta amazônica nos brinda com externalidades positivas, chamados aqui de serviços ambientais, na forma de florestas, recursos hídricos e biodiversidade. Entendemos aqui a externalidade 20 como a impossibilidade de internalizar todos os custos e benefícios derivados de uma atividade econômica, o qual introduz diferenças entre os custos e benefícios privados e os custos e benefícios sociais. A manutenção da quantidade e qualidade de água e sua distribuição no tempo, por exemplo, é um serviço ambiental das florestas que geralmente não se paga. Entretanto, o tema da qualidade da água não se esgota na discussão da transcendência do serviço ambiental, em comento. Assim mesmo, estudos de organismos internacionais 21 afirmam em crua realidade, que nos próximos anos a luta por acesso à água, por exemplo, em algumas regiões do mundo, será um dos motivos de conflitos entre países. 19 ALTMANN, A. Pagamento por serviços ambientais: Aspectos jurídicos para a sua aplicação no Brasil. Informação disponível em: Acesso em 06 de abril de 2011, às 14: Se os custos marginais privados divergem dos custos marginais sociais, para atingir o ponto óptimo da economia, há que internalizar essa diferença. Internalizar as externalidades ambientais negativas significa fazer com que o s prejuízos, que para a colectividade advêm da actividade desenvolvida pelos poluidores, sejam suportados por estes como verdadeiros custos de produção, de tal modo que as decisões dos agentes económicos acerca do nível de produção o situem num ponto mais próximo do ponto socialmente aceitável. ARAGÃO, Maria Alexandra de Sousa. O princípio do poluidor-pagador: pedra angular da política comunitária do ambiente. Coimbra, 1997, p Informações disponíveis em: Acesso em 24 de junho de 2009.

13 A conceituação de serviços ambientais ultrapassou o espaço acadêmico de modo a atingir as políticas públicas governamentais, as ONGS, os setores privados e públicos, de modo que foram avaliadas em termos econômicos, da mesma forma que foram incorporadas aos mercados e mecanismos de pagamentos, como em Gómez-Baggethun (2009, p. 1209). Desse modo, a idéia central destes mecanismos funda-se no argumento de que os provedores devem ser compensados pelos beneficiários de tais serviços ambientais. Mercados paralelos das externalidades ambientais comercializáveis, tidas como serviços ambientais, podem vir a fomentar mercados paralelos, por meio de seus pagamentos, que podem ser considerados, mais eficientes, às políticas governamentais, como as políticas educacionais, ou até mesmo as de comando e controle, conforme Ferraro (2001) e Wunder (2005) apud Van Hecken e Bastiaensen (2010, p. 786). O pagamento por serviços ambientais tenta uma conciliação entre os aspectos sociais e os benefícios dos proprietários de terras. Assim, tal mecanismo dá-se por meio de transferência da gestão dos recursos naturais do Estado para os agentes descentralizados, respondendo individualmente aos incentivos monetários. Da mesma forma, por meio da abordagem de tributação Pigoviana, ou seja, taxar as externalidades negativas ou subsidiar as externalidades positivas nos mercados, dos produtos existentes, visa a internalizar os valores relativos aos bens e serviços ambientais na economia de mercado, conforme, McAfee e Shapiro (2008) apud Hecken e Bastiaensen (2010, p. 786). Deste modo, teoricamente cria-se novos mecanismos de transação no mercado, que pagam separadamente para a provisão de serviços ambientais positivos. O pagamento por serviços ambientais visa à implementação do Teorema de Coase, que estipula que os problemas devam ser superados por meio de negociações privadas entre as partes afetadas, ou seja, ao invés de punir os fazendeiros pelo "mau comportamento", os beneficiários de "bom comportamento" devam ser pagos. Ainda, os pagamentos deveriam ser fomentados em mercados onde a demanda por parte dos compradores de serviços ambientais são ofertados pelos provedores de serviços ambientais, que determinam os preços, de acordo com Van Hecken & Bastiaensen (2010, p. 789). Entretanto, atores nacionais, internacionais, ou semi-públicos (Governos, doadores, agências de desenvolvimento, ONGs) e / ou corpos locais de governança (municipalidades, organizações comunitárias) frequentemente precisam

14 organizar pagamentos e estabelecer preços, substituindo a inexpressiva e de difícil organização demanda no mercado de serviços ambientais. Entretanto, chama-se a atenção para o que pode ser considerado como uma divergência do propósito original, no que tange à aplicação do conceito de serviços ambientais, que em sua gênese, objetivava fins pedagógicos, para atingir o interesse público, contudo, houve um aumento na ênfase pela cobrança pelos serviços ambientais como commodities em potenciais mercados, de acordo com Peterson et al. (2010) apud Gómez-Baggethun (2009, p. 1209). Contudo, no que tange ao pagamento por serviços ecossistêmicos, tais esquemas de pagamentos têm sido adotados em grande velocidade, e frequentemente sem muita discussão crítica, através do espectro do debate das políticas de conservação, desenvolvendo uma vida independente de seus promulgadores. O processo de commodificação dos serviços ambientais é feito em três estágios, quais sejam i) enquadramento de uma função ecológica como serviço; ii) atribuir-lhe um único valor de troca e, iii) unir provedores e usuários desses serviços em um mercado de troca 22. Gómez-Baggethun (2009, p. 1215) prossegue, ao afirmar que uma visão pragmática tem dado o tom da discussão em torno da temática dos pagamentos por serviços ambientais, com uma visão voltada para o mercado como uma resposta ao apelo conservacionista em busca de uma ação política no curto prazo, a fim de que se estanque a perda de tais serviços ambientais. Da mesma forma, Turner e Daily 23 (2008, p. 29), como segue: Acordos nacionais aos internacionais que buscam proteger e conservar o capital natural mundial principalmente através de mecanismos econômicos baseados no mercado necessitam incorporar as complexidades locais sociais, políticas, legais e culturais em sua concepção e prática. 22 Nossa tradução: " ( ) the commodification process covers three main stages: i) framing an ecological function as a service, ii) assigning it a single exchange-value and, iii) linking providers and users of these services in a market exchange." In: GÓMEZ-BAGGETHUN, E., GROOT, R., LOMAS, P., MONTES, C. The history of ecosystem services in economic theory and practice: from early notions to markets and payment schemes. p doi: /j.ecolecon p Nossa tradução:"national to international arrangements seeking to protect and conserve global natural capital mainly through market-based economic incentive mechanisms need to incorporate local social, political, legal and cultural complexities into their design and practice." TURNER, R. K., DAILY, G. C. The Ecosystem Services framework and natural capital conservation. Environ, Resource Economics. DOI: /s , pp

15 Turner e Daily (2008, p.29) asseveram ao afirmar que "a questão levantada é que talvez, em termos de ação real e não retórica, a comunidade global não se preocupa muito com a perda da biodiversidade e assuntos relacionados." 24 A compreensão das funções ecossistêmicas como valores de troca que poderão estar sujeitos à monetização e venda, dá-se a partir da divulgação dos conceitos relativos aos serviços ecossistêmicos. Assim, a aplicação da lógica do mercado ao mercado da conservação dos ecossistemas, apresenta-se controverso no processo de transformação dos serviços ambientais em commodities, por meio de uma sistematização econômica, conforme. Para tanto, Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1215) afirmam que umas das implicações para que se fundamente a lógica dos pagamentos por serviços ambientais, seja feita conforme uma análise embasada no Teorema de Coase, que objetiva "internalizar valores não-transacionáveis da natureza em incentivos econômicos reais, com ênfase na eficiência econômica das transações puras de mercado, direitos de propriedade bem definidos, e ausência de intermediários" 25. Entretanto, as construções ideológicas não são neutras, pois afetam, por exemplo, o regime de valoração e relação com as propriedades. Da mesma forma, afirmam Corbera et al. (2007) apud Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1215) que uma vez assumido o imperativo de que se tenha uma titulação territorial bem definida, a fim de que se crie mercados que atuem de forma norteadora, por exemplo, na privatização do sistema de propriedades comuns baseadas no direito costumeiro, o que apresenta-se como uma conseqüência da valoração econômica, no estabelecimento de mecanismos de mercado para a conservação dos diversos ecossistemas. 24 Nossa tradução: "The question is raised that maybe, in terms of real action rather than rhetoric, the global community does not care that much about biodiversity loss and related issues. The pessimistic perspective is strengthened further by the argument that the "easiest" ecosystem conservation options have already been taken and that in the future, contexts in which the economic opportunity costs of conservation will be higher will be the norm." pp. 30. TURNER, R. K., DAILY, G. C. The Ecosystem Services framework and natural capital conservation. Environ, Resource Economics. DOI: /s , pp "Coasean-based analysis is used to pose the logic of PES as mechanisms to translate non-market values of nature into real economic incentives, emphasizing the economic efficiency advantages of sheer maket transactions, well-defined property rights and absence of intermediaries." In: GÓMEZ- BAGGETHUN, E., GROOT, R., LOMAS, P., MONTES, C. The history of ecosystem services in economic theory and practice: from early notions to markets and payment schemes. doi: /j.ecolecon p

16 Desse modo, o fomento de incentivos econômicos, é um aspecto a ser considerado, que podem levar à lógica do individualismo e competição em sociedades previamente estruturadas sob os valores de comunidade e reciprocidade. Assim, tais pagamentos podem transformar a lógica do que é considerado apropriado a ser feito, para começar a pensar o que é individualmente melhor. Na mesma esteira, Bowles (2008) apud Gómez-Baggethun et al. (2009, p. 1216) afirmam, a partir de experiências empíricas, que se o pagamento é tido como insuficiente a fim de compensar o custo de oportunidade pela conservação, tais mecanismos, como os pagamentos por serviços ambientais, poder ser contra-produtivos. Assim, o pagamento por serviços ambientais ao ser introduzido em países em desenvolvimento, em sociedades alijadas do mercado, mecanismos de mercado com fins de preservação da natureza, por meio de organizações internacionais, podem originar conscientemente, ou inconscientemente, o homo economicus, em ambientes, onde tal lógica inexistia. Da mesma forma, Gómez-Baggethun et al.(2009, p. 1216) questionam a forma utilitária como tem se formulado as questões ecológicas e estratégias de mercado, que podem vir a mudar a forma como as pessoas entendem e se relacionam com a natureza, o que pode ser contra-produtivo, tendo como premissa a preservação. Contudo, o usuário da terra, agora é visto como um provedor de serviço, chamado de serviço ambiental, conforme Van Hecken e Bastiaensen (2010, p. 789). Embora não configure como objetivo principal nos sistemas de pagamentos por serviços ambientais, a redução da pobreza tem sido reconhecida como um efeito colateral positivo do mercado ambiental. Assim mesmo, há críticas ao conceito dos pagamentos dos serviços ambientais, quando tais programas ignoram o contexto nos quais estão inseridos, bem como as interações humanas decorrentes deste contexto, para embasar-se, sobretudo, nos mercados potenciais, a fim de superar os problemas envolvidos, enquanto que deveriam embasar-se em ações coletivas, conforme autores como Murandian et al. (2010), Van Hecken e Bastiaensen (2010), bem como Vatn (2010). Da mesma forma, McAfee (1999, p. 151) aponta para a despolitização implícita do ambientalismo, no sentido de criar-se a idéia de que a diversidade biológica pode ser salva sem mudanças estruturais na distribuição de poder. Assim, o pagamento por serviços ambientais não deveria ser visto como uma solução solitária, mas sim como parte integrante de uma abordagem

17 política mais vasta que abranja uma diversidade de intervenções mercantis e nãomercantis, como bem entendem Engel et al.(2008), bem com Murandian et al. (2010). Deste modo, um ponto importante da presente questão diz respeito aos limites sociais de direitos de propriedade privada, pois uma correta caracterização de uma externalidade está mais ligada com questões políticas e morais, do que como um objetivo, com atribuições técnicas. Da mesma forma, afirma Salzman (2005) apud Van Hecken e Bastiaensen (2010, p. 789) sobre a categorização de externalidades, que objetiva menos nos modelos ecológicos e nas medidas biofísicas, do que na atribuição e a definição da titulação, que mudam ao longo do tempo. Da mesma forma, a expropriação, ou atenuação dos direitos de propriedade dos usuários da localidade em nome de programas de pagamento por serviços ambientais seria insustentável, ineficiente e possivelmente injusto, sob o ponto de vista do bem-estar social. Entretanto, reconhece-se que ao empurrar a conservação em um contexto de mercado condicionado, os programas de pagamentos por serviços ambientais requerem pagamentos em curso, em detrimento de programas de pagamentos finitos, conforme Pagiola et al. (2002). Assim, os projetos em curto prazo, financiados pelo Governo, os regimes de pagamentos por serviços ambientais levam a resultados insustentáveis, de modo que o financiamento em longo prazo devam ser garantidos, a fim de transformar projetos singulares, em projetos de pagamentos por serviços ambientais sustentáveis a longo prazo. Os serviços globais, como a proteção da biodiversidade e seqüestro de carbono, deveriam ser financiados globalmente, ao passo que os benefícios locais, tais como serviços de bacias hidrográficas, ou beleza cênica, deveriam ser financiados localmente, afirmam Van Hecken e Bastiaensen (2010, p. 789). Por outro lado, os sistemas de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), especificamente no caso de seqüestro de carbono, por vezes, são de complicada implementação, principalmente pelo escasso financiamento, altos custos de transação, regras rígidas e condicionalidade atrelada ao seu financiamento. Deste modo, as perspectivas para o financiamento sustentável, nessa conjuntura de pagamento por serviços ambientais, encontra-se largamente concentrado nas comunidades locais. Assim, há um movimento de mudança de programas de financiamento governamental para programas financiados pelos usuários, nos quais há uma tentativa

18 de desenvolver fontes adicionais de financiamento dos usuários individuais de serviços ambientais para complementar seus financiamentos públicos, conforme Wunder et al. (2008, p. 851). Deste modo, o tema de quem paga, e quem se favorece, necessita ser equacionado com mais rigor e maior aprofundamento, no momento da avaliação das propostas para implementação de esquemas de pagamentos de pagamentos por serviços ambientais, segundo Van Hecken e Bastiaensen (2010, p. 790). De acordo com Turner e Daily 26, como segue: Para a prestação dos serviços ambientais ser eficiente, é importante que os investimentos na cobertura/uso em terrenos particulares sejam estrategicamente orientados em torno do conjunto completo de serviços desejados e coordenados em toda a paisagem. Isso ocorre porque a configuração espacial dos ecossistemas influencia a produção de serviços. Assim, a fim de que se tenha um programa de pagamento de serviços ambientais, faz-se necessário um sistema que tenha em seu escopo, provisionamento para uma cobertura holística dos serviços ambientais ofertados em uma determinada região, para que tenha uma proteção integral dos bens e serviços ambientais envolvidos. Turner e Daily sugerem que, "o quadro de serviços ambientais e experimentos práticos aqui destacam a clara e poderosa ética, e cada vez mais, uma racionalidade econômica - para proteger as pessoas de água poluída, enchentes e mudanças climáticas" 27. Assim, pretende-se utilizar a racionalidade econômica, a fim de promover as mudanças necessárias na forma como os bens e serviços ambientais são percebidos pela sociedade, mormente os agentes econômicos, no sentido de mitigar os efeitos das mudanças climáticas. 26 Nossa tradução: "For the provision of ecosystem services to be efficient, it is important that investments in particular land covers/uses be strategically oriented around the full suite of desired services and coordinated across landscapes. This is because the spatial configuration of ecosystems greatly influences the production of services. (Goldman et. forthcoming). " pp. 33 In: TURNER, R. K., DAILY, G. C. The Ecosystem Services framework and natural capital conservation. Environ, Resource Economics. DOI: /s , pp Nossa tradução: "The ESF and practical experiments described here highlight the clear and powerful ethic - and increasingly, an economic rationale for protecting people from unsafe drinking water, flooding and climate change." pp. 34. In: TURNER, R. K., DAILY, G. C. The Ecosystem Services framework and natural capital conservation. Environ, Resource Economics. DOI: /s , pp

19 Entretanto, há provas analíticas e empíricas, a fim de que se façam recomendações aos economistas e elaboradores de políticas públicas, contudo, faz-se necessário uma análise por parte dos cientistas, no sentido de confirmarem, se o modelo de taxas e impostos de Pigou são suficientes para se manterem a sustentabilidade dos serviços ecossistêmicos, conforme Brown et al. (2010, p. 363). Na mesma esteira, Seppelt et al. (2011, p. 06) afirmam que após análises de diversas pesquisas, no que tange aos serviços ecossistêmicos, fora constatado que as informações, a partir de específicos métodos empregados, em geral, foram apresentadas de forma não confiável, ou incompletas, o que, ocasionalmente, tornara difícil, o julgamento, a respeito da qualidade científica do estudo. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando-se as proporções dos problemas ambientais enfrentados atualmente pela humanidade, tem-se um consenso a respeito da necessidade de um enfrentamento da origem do problema, além da adoção de medidas mitigadoras, que constitui uma urgência da contemporaneidade. A adoção de instrumentos econômicos de preservação ambiental constitui uma resposta que não busca um rompimento com o sistema capitalista, mas propõe uma adequação para que se atendam as necessidades de preservação, notadamente, aquelas relativas à manutenção do funcionamento de certos ecossistemas, como as florestas ou os fluxos hidrológicos, que possuem importância vital para a manutenção da vida com qualidade no planeta. Os sistemas de pagamento por serviços ambientais tem sido pensados no intuito de evitar o desgaste dos ecossistemas e, se servir a esse propósito, podem ser de valiosa utilidade para que se alcance, gradativamente o equilíbrio ambiental almejado. No entanto, conforme se pôde observar, nota-se que há que se pensar o mecanismo de forma mais voltada às necessidades sociais, dissociando-o, na medida do possível, das medidas meramente econômicas. Outra constatação demonstrada é a necessidade de uma construção teórico-científica plausível desses mecanismos, para que contem com a credibilidade necessária a plena realização de seus objetivos no campo prático,

20 principalmente no que tange a sanar as contradições e inadequações demonstradas pelos críticos, como aquelas demonstradas no presente trabalho. Obviamente, esses mecanismos não poder ser vistos como a panacéia dos problemas do planeta, mas se somados a toda uma gama de mudanças comportamentais no trato com a natureza, podem contribuir para que se atinja esse objetivo. 5. REFERÊNCIAS ALTMANN, Alexandre. Pagamento por serviços ambientais: aspectos jurídicos para sua aplicação no Brasil. In: BENJAMIM, Antonio Herman; IRIGARAY, Carlos Teodoro; LECEY, Eladio e CAPPELI, Silvia. Florestas, mudanças climáticas e serviços ecológicos. V. 1. São Paulo: Imprensa oficial do Estado de São Paulo, pp BRASIL. Lei de 11 de setembro de Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. In: Diário Oficial da União, Brasília: 11 de setembro, FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3ª Ed. Formato eletrônico. São Paulo: Editora Positivo, FURLAN, Melissa. Mudanças climáticas e valoração econômica da preservação ambiental: o pagamento por serviços ambientais e o princípio do protetor-recebedor. Curitiba: Juruá, GOMÉZ-BAGGETHUN, Erik; GROOT, Rudolf de; LOMAS, Pedro L.; MONTES, Carlos. The history os ecosystem services in economic theory and pratice: from early notions to markets ans payment schemes. Ecological economics. Vol. 69, 2010, HARTMANN, Philipp. A cobrança pelo uso de água como instrumento econômico na política ambiental: estudo comparativo e avaliação econômica dos modelos de cobrança pelo uso da água bruta propostos e implementados no Brasil. Porto Alegre: AEBA, HECKEN, Gert Van; BASTIAENSEN, Johan. Payments for ecosystem services: justified or net? A political review. Envoronmental science & police. Vol. 13, 2010, HIGUCHI, Niro. O papel da floresta amazônica no processo de mudanças climáticas globais. Disponível em <http://www.web.cena.usp.br>. Acesso em 25 de março de 2011.

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Haroldo Palo. Hilton Franco. Mirella Domenich. A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Artur Paiva Engenheiro Florestal MSc. Coordenador

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 CONCEITO PSA: transação voluntária, na qual um serviço ambiental bem definido é comprado por um comprador de um provedor, sob a condição

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends Serviços Ambientais OFICINA DE FORMACAO Rio Branco, Acre 12 de Marco, 2013 Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Programa Comunidades - Forest Trends Promovendo participação e beneficios

Leia mais

A Mensuração dos Ativos Ambientais

A Mensuração dos Ativos Ambientais A Mensuração dos Ativos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br I CONGRESSO INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO MF,MPO,FGV, ISI e ESAF Brasília, 31 de agosto

Leia mais

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera

O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera O Papel dos Critérios Econômicos na Gestão das Reservas da Biosfera Ronaldo Seroa da Motta ronaldo.seroa@ipea.gov.br Seminário Internacional sobre Reservas da Biosfera, Serviços Ambientais e Indicadores

Leia mais

DA TERRA UM NOVO PATRIMÓNIO PARA UMA NOVA ECONOMIA CO-FINANCIADO POR:

DA TERRA UM NOVO PATRIMÓNIO PARA UMA NOVA ECONOMIA CO-FINANCIADO POR: E se pensássemos da Terra... como um imenso condomínio? O QUE Sistemas Climático e Oceânico NOS UNE A TODOS Um Património Natural Intangível para a Humanidade CONDOMÍNIO DA TERRA UM NOVO PATRIMÓNIO PARA

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Brasília Março de 2013 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA Política Nacional

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Declaração do Capital Natural

Declaração do Capital Natural Declaração do Capital Natural Uma declaração do setor financeiro demonstrando nosso compromisso durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável [Rio +20 Earth Summit] em trabalhar

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Sustentabilidade Empresarial

Sustentabilidade Empresarial Política de Sustentabilidade como Instrumento de Competitividade São Paulo Out/2010 Laercio Bruno Filho 1 Desenvolvimento Sustentável 2 Aquecimento Global Word Population WORLD GDP 3 Questões Críticas

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais Teoria e Experiências no Brasil

Pagamentos por Serviços Ambientais Teoria e Experiências no Brasil Pagamentos por Serviços Ambientais Teoria e Experiências no Brasil Stefano Pagiola Environment Department World Bank 1818 H Str NW Washington DC 20433 USA spagiola@worldbank.org The opinions expressed

Leia mais

Economia de Floresta em Pé

Economia de Floresta em Pé Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia Economia de Floresta em Pé 12/Julho/2011 Porto Velho, Rondônia AGENDA MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CARBONO DE FLORESTA REDD NA PRÁTICA

Leia mais

Carta Verde das Américas 2013

Carta Verde das Américas 2013 Carta Verde das Américas 2013 CONSIDERANDO que o Planeta Terra não tem recursos inesgotáveis que possam sustentar um consumo desordenado, sem consciência socioambiental! Que, em função disso, precisamos

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Seminário sobre Pagamento por Serviços Ambientais 21 de Agosto, 2009 Rio Branco, Acre FOREST TRENDS

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais

Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Metodologias de Análise e Valoração de Impactos Ambientais Ronaldo Seroa da Motta seroadamotta.ronaldo@gmail.com Curso de Aperfeiçoamento: Elaboração de diretrizes para atuação do Ministério Público na

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

Consequências da escassês ou desaparecimento dos serviços ambientais. Hannah Murray

Consequências da escassês ou desaparecimento dos serviços ambientais. Hannah Murray Consequências da escassês ou desaparecimento dos serviços ambientais Hannah Murray Objetivos Oferecer exemplos concretos de serviços das florestas relacionados aos recursos hídricos, seqüestro de carbono,

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL Carmem Lucia Castro da Cruz Introdução Nick Dallas, no livro Como tornar sua empresa ecologicamente responsável, discorre de

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil

Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil Marco Legal para Negócios Sustentáveis no Brasil Vinicius Diniz Vizzotto, LL.M Mestrando em Direito Internacional Econômico Universidade Federal do Rio Grande do Sul Fórum Fundo Vale 08 de maio de 2012

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 1 RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 RESUMO: Este trabalho pretende discutir a relação existente entre educação e organização

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Resumo do Relatório. Objetivos e Escopo do Relatório. Estatísticas Gerais

Resumo do Relatório. Objetivos e Escopo do Relatório. Estatísticas Gerais SITUAÇÃO DOS PAGAMENTOS POR SERVIÇOS HÍDRICOS: UM MERCADO EMERGENTE - SUMÁRIO EXECUTIVO Por Tracy Stanton, Marta Echavarria, Katherine Hamilton e Caroline Ott 2010 Resumo do Relatório Um esforço de pesquisa

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Inovação com base na Biodiversidade CAPITAL NATURAL BRASIL PAÍS MEGADIVERSO

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1

Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 1 Turismo responsável: uma alternativa ao turismo sustentável?. 1 Sérgio Domingos de Oliveira, Docente Dr;. 2 Rosislene de Fátima Fontana, Docente Msc. 3 Universidade Estadual Paulista. Unidade de Rosana,

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis O sistema de licenças negociáveis é um tipo especifico de direito de propriedade. O direito de propriedade consiste em uma licença por meio da qual os agentes

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais