ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS"

Transcrição

1 2013 ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO E PROJECTO DE LEI Comissão de Reforma da Justiça e do Direito Subcomissão de Reforma do Código de Processo Penal

2 ANTEPROJECTO DE PROPOSTA DE LEI SOBRE O HABEAS CORPUS 1) SUMÁRIO A PUBLICAR NO DIÁRIO DA REPÚBLICA Eis o sumário que deverá constar da I Série do Diário da República (DR): Lei n.º /2013 Lei sobre o Habeas Corpus. 2) NECESSIDADE DA FORMA PROPOSTA PARA O DIPLOMA A presente iniciativa legislativa é apresentada ao abrigo da alínea b) do artigo 164.º e al. d) do n.º 2 do artigo 166.º, todos da Constituição da República de Angola (CRA), sob a forma de Proposta de Lei Orgânica. A matéria em causa está sujeita à reserva absoluta de competência legislativa da Assembleia Nacional, nos termos das alíneas b) do artigo 164.º da CRA e deve ter a forma de Lei Orgânica, segundo o disposto na alínea d) do n.º 2 do artigo 166.º da CRA. 3) ACTUAL ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA MATÉRIA OBJECTO DO DIPLOMA i. Constituição da República de Angola O artigo 68.º da Constituição da República de Angola estabelece a necessidade da existência da providência do Habeas Corpus. ii. Legislação ordinária A matéria sobre o Habeas Corpus, vem regulada nos artigos 312º a 325º do Código de Processo Penal. 4) LEGISLAÇÃO A REVOGAR São revogados os artigos 312. a 325. do Código do Processo Penal e todos os preceitos que contrariem o disposto na presente lei. 1

3 5) AVALIAÇÃO SUMÁRIA DOS MEIOS FINANCEIROS E HUMANOS ENVOLVIDOS NA RESPECTIVA EXECUÇÃO A CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZOS. A aprovação da presente Lei, implicará para o Estado, a disponibilidade de recursos financeiros e humanos com vista a: Promover a publicação, publicitação e consulta alargada da Lei aos sectores envolvidos, destinatários-alvo e outras entidades de interesse; Garantir a criação, capacitação e condicionamento das Infra-estruturas para implementação efectiva dos serviços implicados; Promover a admissão e redistribuição satisfatória de quadros e profissionais do sector da Justiça em razão da necessidade de optimização da funcionalidade dos serviços implicados; Formação específica dos recursos humanos, em especial dos Operadores do Sector da Justiça, destaque aos Magistrados, Oficiais de Justiça e Escrivães de Direito, Advogados e demais profissionais e funcionários judiciais, com vista a adaptarem-se às alterações de regime introduzidas por esta Lei; 6) NOTA PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL Eis a nota que se aconselha para os órgãos de comunicação social: O Conselho de Ministros apreciou hoje para envio a Assembleia Nacional, o Projecto de Lei sobre o Habeas Corpus. Esta proposta emerge do facto da constituição da República de Angola, consagrar como missão do Estado a protecção dos direitos, liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos. O diploma insere-se num esforço do Estado, cujo o objectivo traduz-se na luta contra o abuso do poder, em virtude de prisão ou detenção ilegal, bem como capacitar magistrados competentes para a validação da prisão preventiva, contribuindo assim, para a celeridade dos processos em tribunais. Deste modo, o presente projecto de lei constitui mais um passo fundamental no compromisso do Estado angolano para com a Justiça e efectivação dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos consagrados na Constituição, e insere-se no quadro da materialização do Programa de Governação do Executivo Angolano para com o Sector da Justiça. 2

4 7) SÍNTESE DO CONTEÚDO DO DIPLOMA a) Análise na generalidade. O presente diploma foi elaborado atendendo ao facto de a Constituição da República de Angola no artigo 68.º consagrar a habeas corpus opo um direito de todos os cidadãos contra o abuso do poder, em virtude da prisão ou detenção ilegal, a interpor perante o tribunal competente. b) Análise na especialidade O presente diploma vem instituir o regime jurídico do Habeas Corpus, estando contido em 11 (onze) artigos, divididos por três capítulos. CAPÍTULO I- Disposições Gerais (artigos 1.º e 2.º); CAPÍTULO II-Procedimento de habeas corpus (artigos 3.º a 9.º); CAPÍTULO III-Disposições finais (artigos 10. e 11.º). c) Índice sistemático da proposta de Lei Anteprojecto Organização e Funcionamento dos Tribunais de Jurisdição Comum. Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Procedimento do habeas corpus Capítulo III Disposições Finais. 3

5 ASSEMBLEIA NACIONAL LEI DO HABEAS CORPUS LEI N.º /2013 DE /DE Considerando que a Constituição da República de Angola, aprovada no ano de 2010, desenvolveu as premissas constitucionais necessárias ao fortalecimento de um Estado de Direito, tendo procedido a um mais amplo reconhecimento dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, Tendo em conta que o número 3 do artigo 68.º da Constituição determina que lei própria deverá regular o instituto do habeas corpus; Havendo necessidade de materializar aquele dispositivo constitucional com aprovação de legislação específica sobre o instituto do habeas corpus; A Assembleia Nacional aprova, por mandato do povo, nos termos da alínea b) do artigo 164.º e alínea b) do n.º 2 do artigo 166.º, ambos da Constituição da República de Angola, a seguinte lei: LEI DO HABEAS CORPUS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1. (Conceito) O habeas corpus é uma providência extraordinária e expedita destinada a assegurar de forma especial o direito à liberdade constitucionalmente garantido e que visa reagir de modo imediato e urgente, contra o abuso de poder em virtude de detenção ou prisão, efectiva e actual, ferida de ilegalidade, por qualquer dos fundamentos mencionados no artigo seguinte. Artigo 2. (Fundamentos) O habeas corpus pode ser requerido com base num dos seguintes fundamentos: 4

6 a) Ser a prisão ou detenção efectuada sem mandado da autoridade competente; b) Estar excedido o prazo para entrega do arguido do detido ou preso preventivamente ao magistrado competente para a validação da prisão preventiva; c) Manter-se a privação da liberdade para além dos prazos fixados pela lei ou por decisão judicial; d) Manter-se a privação da liberdade fora dos locais para este efeito autorizados por lei; e) Ter sido a privação da liberdade ordenada ou efectuada por entidade incompetente; f) Haver violação dos pressupostos e das condições da aplicação da prisão preventiva. CAPÍTULO II Procedimento de habeas corpus Artigo 3.º (Legitimidade) Tem legitimidade para requerer o habeas corpus o detido ou preso, ou qualquer cidadão no gozo dos seus direitos civis e políticos, a pedido ou no interesse daquele. Artigo 4.º (Competência) 1. A competência para decidir a petição de habeas corpus é do juiz presidente do tribunal competente para apreciação dos factos criminais que são imputados ao detido ou preso. 2. Caso a detenção ou prisão tenha sido ordenada pelo juiz presidente do tribunal competente, cabe ao presidente da Câmara Criminal do tribunal imediatamente superior decidir a petição de habeas corpus. Artigo 5.º (Petição de habeas corpus) A petição de habeas corpus é apresentada por meio de requerimento, cujos duplicados devem ser entregues na secretaria do tribunal competente, devendo dela constar: a) A identificação do detido ou preso; b) A entidade que ordenou a detenção ou prisão ou à ordem de quem se encontra detido ou preso; c) A data da captura; d) O local da detenção ou prisão; e) Os motivos da detenção ou prisão; 5

7 f) Os fundamentos da ilegalidade da detenção ou prisão. Artigo 6.º (Informações sobre a detenção ou prisão) 1. Autuada a petição de habeas corpus, o juiz competente envia, num prazo não superior a vinte e quatro horas, o duplicado à entidade responsável pela privação da liberdade ou à entidade a ordem de quem o detido ou preso se encontra, para que informe, por escrito, no prazo máximo de 48 horas, em que circunstâncias a prisão foi efectuada e em que condições ela se mantém, juntando, se for caso disso, a respectiva prova documental. 2. O pedido de informação pode ser feito por qualquer meio de comunicação, sem prejuízo do disposto no número anterior. 3. Caso a entidade responsável pela privação da liberdade responder a informação que o detido ou o preso foi libertado ou entregue ao magistrado competente para validar a prisão preventiva, a providência suspende-se, extinguindo-se logo que se confirme tal facto, sem prejuízo de eventual averiguação da responsabilidade criminal do responsável pela detenção ou prisão ilegal. 4. A falta de resposta à solicitação de informação mencionada no n.º 1 deste artigo, fará incorrer o faltoso na prática do crime de desobediência, nos termos previstos na lei penal. Artigo 7.º (Decisão) 1. Caso a entidade a quem foi solicitada a informação nos termos do artigo anterior confirmar que a prisão se mantém ou deixar de prestar a informação no prazo legal, o juiz competente, ouvido o Ministério Público, aprecia e decide a petição de habeas corpus. 2. Na decisão que tomar, o juiz competente pode: a) Indeferir o pedido por falta de fundamento; b) Declarar a prisão ilegal e ordenar a restituição do preso à liberdade; c) Ordenar que a prisão se mantenha mas em outro estabelecimento ou que o preso fique à ordem do tribunal competente e aí seja apresentado, no prazo máximo de vinte e quatro horas; 3. A decisão sobre a providência de habeas corpus deve ser tomada num prazo nunca superior a cinco dias úteis, contados da data da entrada da petição na secretaria do tribunal Competente. 6

8 Artigo 8.º (Recurso) 1. Da decisão que indefira o pedido de habeas corpus cabe recurso para o Tribunal imediatamente superior, o qual decide em última instância, sem prejuízo do recurso extraordinário de inconstitucionalidade, nos termos da lei. 2. O recurso, com os seus fundamentos, é interposto mediante requerimento na secretaria do tribunal que tenha proferido a decisão de indeferimento de habeas corpus e deve subir no prazo de quarenta e oito horas, contado da data da entrada do requerimento na secretaria. 3. A decisão do recurso é tomada, ouvido o Ministério Público, no prazo de cinco dias úteis, contados da data da sua recepção na secretaria do tribunal. Artigo 9.º (Reclamação contra despacho que não admitiu o recurso) 1. Caso o juiz competente obste à interposição do recurso ou este não suba nos prazos mencionados no n.º 3 do artigo anterior, o interessado pode reclamar ao juiz presidente do tribunal imediatamente superior do indeferimento ou retenção do recurso, no prazo de cinco dias. 2. Da reclamação deve ser dado conhecimento ao juiz recorrido. CAPÍTULO III (Disposições finais) Artigo 10. (Revogação de legislação) São revogados os artigos 312. a 325. do Código do Processo Penal e todos os preceitos que contrariem o disposto na presente lei. Artigo 11.º (Entrada em vigor) A presente lei entra em vigor na data da sua publicação. 7

9 Vista e aprovada pela Assembleia Nacional, em Luanda, aos de de O Presidente da Assembleia Nacional, Promulgada aos de de. Publique se. O Presidente da República 8

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª Altera o Código de Processo Penal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 78/87, de 17 de Fevereiro, eliminando a possibilidade de julgamentos em processo sumário para crimes puníveis

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 378/X. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 378/X Estabelece medidas de protecção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a exploração sexual e o abuso sexual de crianças e procede à segunda

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.379, DE 2006 (MENSAGEM N o 20, de 2006) Aprova o texto do Tratado sobre Extradição entre o Governo da República Federativa

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO Exposição de motivos O Tribunal Constitucional (TC), mediante iniciativa do Provedor

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO

CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO 1 POR UM NOVO SISTEMA JUDICIÁRIO NO SÉCULO XXI Oradores: www.crjd-angola.com CRJDANGOLA Dra. Florbela Rocha Araújo Dr. Osvaldo Estevão Luacuti Dr. Pedro Joaquim Gola CÓDIGO

Leia mais

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Altera o Código de Processo Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 44129, de 28 de Dezembro de 1961, designadamente procedendo à introdução da regra de competência territorial

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO. Recurso Ordinário

RECURSO ORDINÁRIO. Recurso Ordinário RECURSO ORDINÁRIO Conceito: Os recursos ordinários são os recursos cabíveis para impugnar decisões havidas nos casos previstos no art. 1.027 do CPC. Apesar de serem julgados pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. EMENTA: Regulamenta a concessão e o pagamento de auxílio funeral no

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 197/X

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 197/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 197/X Altera o Decreto-Lei n.º 259/98 de 18 de Agosto, repondo a justiça social na atribuição do subsídio nocturno, altera o Decreto-Lei n.º53-a/98, de 11 de Março,

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Organização Judiciária Programa I Introdução 1 Conceito e âmbito da organização judiciária: 1.1. Considerações preliminares 1.2. Conceito 1.3. Âmbito 2 Noções fundamentais

Leia mais

5455/02 PB/cdc DG H II PT

5455/02 PB/cdc DG H II PT CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 28 de Janeiro de 2002 (OR. en) 5455/02 EUROPOL 5 ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS Assunto: Iniciativa do Reino da Bélgica e do Reino da Espanha tendo em vista

Leia mais

Altera a Lei Geral Tributária, o Código de Procedimento e de Processo Tributário e o Regime Geral das Infracções Tributárias

Altera a Lei Geral Tributária, o Código de Procedimento e de Processo Tributário e o Regime Geral das Infracções Tributárias DECRETO N.º 139/X Altera a Lei Geral Tributária, o Código de Procedimento e de Processo Tributário e o Regime Geral das Infracções Tributárias A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS

PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS Exposição de motivos O Provedor de Justiça tem por função

Leia mais

Grupos Parlamentares de Amizade

Grupos Parlamentares de Amizade Grupos Parlamentares de Amizade Resolução da Assembleia da República n.º 6/2003, de 24 de janeiro (TP), com as alterações introduzidas pela Resolução da Assembleia da República n.º 26/2010, de 30 de março

Leia mais

REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS

REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS Conselho Científico (Deliberação CC-46/2008, de 27 de junho) 20 03 2012 01 Art.º 1º (JÚRIS DE EXAMES) 1- Os júris das provas finais de avaliação

Leia mais

Despacho n.º B/99

Despacho n.º B/99 ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO Despacho n.º 21496-B/99 O Decreto-lei n.º 195/99, de 8 de Junho, estabelece o regime aplicável às cauções nos contratos de fornecimento aos consumidores dos serviços

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ. Artigo 1.º (Alteração do Código Penal) Artigo 142.

DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ. Artigo 1.º (Alteração do Código Penal) Artigo 142. DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º

Leia mais

Freguesia de Penela da Beira

Freguesia de Penela da Beira EDITAL Alexandre Rui Lopes Escudeiro, Presidente da Junta de Freguesia de Penela da Beira: Torna público que esta Junta de Freguesia em reunião extraordinária de 17 de Setembro de 2010, aprovou o seguinte

Leia mais

Quesito avaliado. 5. Fundamentos: Cabimento do recurso: art. 102, III, a e foi interposto tempestivamente (art. 508 do CPC) (0,30);

Quesito avaliado. 5. Fundamentos: Cabimento do recurso: art. 102, III, a e foi interposto tempestivamente (art. 508 do CPC) (0,30); Peça prática Foi proposta uma ação direta de inconstitucionalidade pelo prefeito de um município do Estado X. O Tribunal de Justiça do Estado X julgou tal ação improcedente, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro

Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro Diploma consolidado Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro O Decreto-Lei nº 156/2005, de 15 de Setembro, que institui a obrigatoriedade de existência e disponibilização do livro de reclamações a todos

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da.

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da. REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º /2004 (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da Criminalidade A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Instrução n. o 9/2016 BO n. o

Instrução n. o 9/2016 BO n. o Instrução n. o 9/2016 BO n. o 7 15-07-2016 Temas Supervisão Normas Prudenciais Índice Texto da Instrução Texto da Instrução Assunto: Autorização para a utilização de modelos internos para cálculo dos requisitos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga)

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) *C0059067A* C0059067A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) Estabelece normas de atuação dos advogados das instituições de ensino superior que mantenham atendimento

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) Susta a aplicação da RDC nº 41/2012 da ANVISA. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA E CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Equiparação a Bolseiro

Equiparação a Bolseiro Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Equiparação a Bolseiro Regulamento Preâmbulo Face ao disposto no artigo 29º- A do Decreto-Lei nº 207/2009, de 31 de Agosto - Estatuto da Carreira do Pessoal Docente

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS RELATÓRIO E PARECER AO PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE REGULAMENTA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO E APROVA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CARTA EDUCATIVA, TRANSFERINDO

Leia mais

ATO PGJ N.º 160/2013 PLANTÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE. DO AMAZONAS, por substituição legal, no desempenho de suas atribuições

ATO PGJ N.º 160/2013 PLANTÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE. DO AMAZONAS, por substituição legal, no desempenho de suas atribuições ATO PGJ N.º 160/2013 ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DO PLANTÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS, por substituição legal, no desempenho de suas atribuições legais

Leia mais

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Disposições gerais PARTE I Disposições preliminares CAPÍTULO I Definições Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Princípio da legalidade Artigo

Leia mais

Grupo Parlamentar !"#$%&!'

Grupo Parlamentar !#$%&!' Grupo Parlamentar!"#$%&!' A degradação das pensões de aposentação dos funcionários públicos tem-se vindo a acentuar, nomeadamente após a entrada em vigor do novo sistema remuneratório introduzido pelo

Leia mais

Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de )

Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de ) Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de 08.06.2005) Artigo 1º (Processo de admissão e transferência) 1. O candidato a militante deverá formular o seu pedido

Leia mais

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES Divisão de Educação e Promoção Social Ano Letivo 2014/2015 Regulamento Municipal para atribuição de Auxílios Económicos relativos a manuais escolares,

Leia mais

FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO

FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO União das Freguesias de Monção e Troviscoso Concelho de Monção FREGUESIA DE MONÇÃO E TROVISCOSO Regulamento de Controlo Interno 1 Regulamento do Sistema de Controlo Interno da Freguesia de Monção e Troviscoso

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e PORTARIA Nº 01/2011 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o processo de matrícula/2012 dos alunos nas Unidades Escolares Municipais - UEM e organização do período letivo de ensino 2012 no município de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28, DE 08 DE JUNHO DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 28, DE 08 DE JUNHO DE 2004. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS RESOLUÇÃO Nº 28, DE 08 DE JUNHO DE 2004. Dispõe sobre a concessão de Declaração de Proteção

Leia mais

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade

Lei n.º 2/92. De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. ARTIGO 1º - Objecto. ARTIGO 2º - Modalidade Lei n.º 2/92 De 6 de Abril (*) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º - Objecto A presente lei estabelece as condições de atribuição, aquisição, perda e requisição da Nacionalidade Guineense. ARTIGO 2º

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO 5672 Diário da República, 1.ª série N.º 158 18 de Agosto de 2008 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Portaria n.º 896/2008 de 18 de Agosto Na sequência da publicação

Leia mais

Licenciamento de Limpeza e Desobstrução de Linhas de Água

Licenciamento de Limpeza e Desobstrução de Linhas de Água NORMA DE PROCEDIMENTOS Junho de 2005 10 / AM Tramitação dos processos de Licenciamento de Limpeza e Desobstrução de Linhas de Água 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho O Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, assinado em Porto Seguro em 22 de Abril de 2000, aprovado,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL O Secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro edita Resolução que fixa o horário de funcionamento de bares e restaurantes situados na cidade do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.396 INSTRUÇÃO Nº 958-26.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes eleitorais.

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011 Revogada pela RMPC 2/11 O Procurador-Geral do Ministério Público de Contas, com fundamento direto nos artigos 32 e 119 da Lei Complementar nº 102, de 17 de

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA Preâmbulo No processamento da política de reorganização dos serviços municipais e no caso particular do Arquivo do Município de Fronteira, pretende-se com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.363 INSTRUÇÃO Nº 1160-71.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes

Leia mais

PORTARIA Nº 077/2013-GS/SEMUT NATAL(RN), 25 DE NOVEMBRO DE 2013.

PORTARIA Nº 077/2013-GS/SEMUT NATAL(RN), 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Publicado no DOM Nº 2655 de 27/11/2013 PORTARIA Nº 077/2013-GS/SEMUT NATAL(RN), 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Disciplina o procedimento de indeferimento de opção e de exclusão de ofício ao Regime Especial Unificado

Leia mais

Licenciamento de Exploração de Massas Minerais (Pedreiras)

Licenciamento de Exploração de Massas Minerais (Pedreiras) NORMA DE PROCEDIMENTOS Outubro de 2012 13 / AM Tramitação dos processos de Licenciamento de Exploração de Massas Minerais (Pedreiras) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 53850.003281/2013-31 Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 157/2005, de 20 de setembro

Decreto-Lei n.º 157/2005, de 20 de setembro Decreto-Lei n.º 157/2005, de 20 de setembro Pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 110/2005, de 2 de junho, determinou o Governo que se procedesse à revisão dos regimes especiais de reforma e de aposentação,

Leia mais

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica

Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ÁREA CIENTÍFICA DE ENFERMAGEM DO ADULTO E IDOSO Curso de Pós - Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica REGIME DE FREQUÊNCIA, AVALIAÇÃO, PRECEDÊNCIAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre escritório de representação, no País, de ressegurador admitido, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no

Leia mais

Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL

Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL Departamento PENITENCIÁRIO NACIONAL Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 8 às 18 horas Telefone:

Leia mais

MENSAGEM N o 924, DE 2005

MENSAGEM N o 924, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 924, DE 2005 Submete ao Congresso Nacional os textos do Protocolo Facultativo ao Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos,

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 00096/2016

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 00096/2016 Dispõe sobre critérios para elaboração da relação dos chefes de governo, gestores municipais, e demais responsáveis pela administração de dinheiros, bens e valores públicos, a ser encaminhada pelo TCM

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ N. 4 DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Considerando que o Município do Barreiro tem como princípio o bem-estar, a realização pessoal e a plena participação social dos jovens. Considerando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO. Artigo 1.º Âmbito dos poderes do Conselho Fiscal

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO. Artigo 1.º Âmbito dos poderes do Conselho Fiscal Justificação: O Conselho Fiscal da FPO vem apresentar o seu Regimento Interno à Assembleia Geral da FPO para homologação, com vista dar cumprimento às disposições estatutárias, possibilitar o regular e

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

Contrato n.º 12/2015. É celebrado o presente contrato que se regerá pelo disposto nas cláusulas seguintes: Cláusula 1ª. Objeto do Contrato

Contrato n.º 12/2015. É celebrado o presente contrato que se regerá pelo disposto nas cláusulas seguintes: Cláusula 1ª. Objeto do Contrato CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA AS ATIVIDADES PRÁTICAS DOS ALUNOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE JOVENS DE PANIFICAÇÃO E PASTELARIA E DO CURSO PROFISSIONAL DE RESTAURAÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO PREÂMBULO O licenciamento da afixação e inscrição de mensagens publicitárias no concelho da Póvoa de Varzim, tem-se regido pelas normas constantes da Lei n.º 97/88, de 17 de Agosto e, no tocante ás taxas

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. Portaria n.º 1288/2005 de 15 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. Portaria n.º 1288/2005 de 15 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Portaria n.º 1288/2005 de 15 de Dezembro O Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de Setembro, que institui a obrigatoriedade de

Leia mais

Direção-geral da Administração da Justiça

Direção-geral da Administração da Justiça Centro de Formação de Funcionários de Justiça Direção-geral da Administração da Justiça Introdução Constitui contraordenação todo o facto ilícito e censurável que preencha um tipo legal no qual se comine

Leia mais

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições:

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições: Concurso para Director (a) Agrupamento Vertical de escolas de ferreira de Aves Procedimento concursal: 1 Nos termos do disposto nos artigos 21.º e 22.º, do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, e da

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA CASA DA PRAIA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA CASA DA PRAIA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA CASA DA PRAIA O presente regulamento visa disciplinar a utilização do espaço acima referido, bem como dos equipamentos e serviços a ele adjacentes, visando o melhor aproveitamento

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES Ex.mo(a) Senhor(a) Nome n.º, com relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado/termo resolutivo desta Câmara Municipal, com a carreira/categoria de e afeto ao setor,

Leia mais

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL De acordo com o Plano Estratégico apresentado ao Conselho Geral da Universidade da Madeira (UMa) ficou estabelecida a constituição de um Observatório

Leia mais

PARECER N, DE RELATOR: Senador HUMBERTO COSTA. A proposição é estruturada em quatro artigos.

PARECER N, DE RELATOR: Senador HUMBERTO COSTA. A proposição é estruturada em quatro artigos. PARECER N, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 34, de 2012 (PL n 3.331, de 2012, na origem), da Presidenta da República, que acresce o art. 135-A

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE)

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRTA NACONAL DO EXAME FNAL DE AVALAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) GRELHAS DE CORRECÇÃO ÁREAS OPCONAS

Leia mais

Regulamento do Cartão Sénior do Município do Funchal

Regulamento do Cartão Sénior do Município do Funchal Regulamento do Cartão Sénior do Município do Funchal Nota Justificativa O Município do Funchal, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas destinados à população sénior residente no concelho,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA GERAL SEG

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA GERAL SEG 1. Processo n.: PNO 13/00178415 2. Assunto: Processo Normativo - Projeto de Resolução - Altera a Resolução n. TC-16/94 3. Interessado(a): Salomão Ribas Junior 4. Unidade Gestora: Tribunal de Contas do

Leia mais

CALHETA D ESPERANÇAS

CALHETA D ESPERANÇAS CÂMARA MUNICIPAL DA CALHETA MADEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À FAMILIA E INCENTIVO À NATALIDADE CALHETA D ESPERANÇAS Página 1 de 5 Nota Justificativa Considerando a crescente intervenção deste Município

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 351, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 351, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 351, DE 2014 Acrescenta o 2º ao art. 15- A da Lei nº 9.096, de 19 de setembro de 1995, acrescenta o 5º ao art. 22 da Lei 9.504 de 30 de setembro de 1997, e altera o inciso XI

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 3/08 de 17 de Junho

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 3/08 de 17 de Junho ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 3/08 de 17 de Junho A administração da justiça constitucional com eficácia, certeza, segurança e celeridade torna necessária a prévia definição das regras de procedimento e

Leia mais

Páginas: DECRETO LEGISLATIVO Nº. 006/2016. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BIRITINGA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, e ainda,

Páginas: DECRETO LEGISLATIVO Nº. 006/2016. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BIRITINGA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, e ainda, Páginas: 8 Índice do diário Atos Oficiais Decreto - N 006/2016 Projeto de Lei - N 001/2015 EMENDA/JUSTIFICAVA Atos Oficiais Decreto N 006/2016 DECRETO LEGISLATIVO Nº. 006/2016 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015 COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015 (Apenso: PL 2117/2015) Altera o art. 11 da Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, para caracterizar como atos

Leia mais

PROJETO DE LEI 055/98

PROJETO DE LEI 055/98 PROJETO DE LEI 055/98 Fixa os subsídios do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Secretários Municipais e dá outras providências PREFEITO MUNICIPAL DE FAZENDA VILANOVA, RS, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

I mediante solicitação da instituição financeira que efetivar a quitação antecipada da operação;

I mediante solicitação da instituição financeira que efetivar a quitação antecipada da operação; COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 1.150, DE 2011 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários IOF. Autora: Deputada

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º /2016

PROJETO DE LEI N.º /2016 PROJETO DE LEI N.º /2016 Institui o Programa de Valorização da Primeira Infância, que dispõe sobre a prorrogação remunerada da licença-maternidade e da licençapaternidade para as servidoras e servidores

Leia mais

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Definição... 2 Natureza... 2 Sede... 2 Denominação... 2 Objecto... 2 Constituição... 3 Estatutos... 3 Inscrição no Registo Nacional de Clubes e Federações Desportivas...

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO

ATOS DO PODER EXECUTIVO Página 1 de 9 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 8.754, DE 10 DE MAIO DE 2016 Altera o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Agrupamento de Escolas José Estêvão Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Secção I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e procedimentos

Leia mais

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia No Brasil, vigora o princípio da Supremacia da Constituição, segundo

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA CÓDIGO DA ESCOLA 404457 CONTRIBUINTE Nº: 600074129 RUA LONGJUMEAU 3150-122 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239940200 Fax: 239941090 Email: info@eps-condeixa-a-nova.rcts.pt REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR

Leia mais

Ética e exercício de cidadania: o papel da Administração Pública em Moçambique

Ética e exercício de cidadania: o papel da Administração Pública em Moçambique Ética e exercício de cidadania: Olinda Martinho Rio 2º Encontro Conhecimento e Cooperação PROJETO Lei de Probidade Pública Novembro 2012 A Assembleia da República moçambicana aprova na especialidade a

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 17.6.2016 L 160/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/959 DA COMISSÃO de 17 de maio de 2016 que estabelece normas técnicas de execução para as sondagens de mercado no que se refere aos sistemas e modelos

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 23480.031009/2013-35 Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrição.

Leia mais

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas

Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL DE CONCILIAÇÃO Insolvência e oportunidade para as pessoas colectivas Decreto-lei nº201/2004, de 18 de Agosto ORIGEM O Procedimento Extrajudicial de Conciliação foi inicialmente

Leia mais

DECISÃO da Diretoria Executiva em sua 8ª reunião realizada no dia 11 de novembro de 2015, ad-referendum do Plenário,

DECISÃO da Diretoria Executiva em sua 8ª reunião realizada no dia 11 de novembro de 2015, ad-referendum do Plenário, Publicado no D.O.U. nº 223 de 23/11/2015, Seção 1 pag. 138 e 139 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 472, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2015, (Alterada pela RN 482,09/06/2016) Dispõe sobre os valores das anuidades, taxas

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FIA O Estatuto da Criança e Adolescente - ECA estabelece a Política de Atendimento a Criança e Adolescente:

Leia mais