ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS"

Transcrição

1 2013 ANTEPROJECTO DE LEI DO HABEAS CORPUS RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO E PROJECTO DE LEI Comissão de Reforma da Justiça e do Direito Subcomissão de Reforma do Código de Processo Penal

2 ANTEPROJECTO DE PROPOSTA DE LEI SOBRE O HABEAS CORPUS 1) SUMÁRIO A PUBLICAR NO DIÁRIO DA REPÚBLICA Eis o sumário que deverá constar da I Série do Diário da República (DR): Lei n.º /2013 Lei sobre o Habeas Corpus. 2) NECESSIDADE DA FORMA PROPOSTA PARA O DIPLOMA A presente iniciativa legislativa é apresentada ao abrigo da alínea b) do artigo 164.º e al. d) do n.º 2 do artigo 166.º, todos da Constituição da República de Angola (CRA), sob a forma de Proposta de Lei Orgânica. A matéria em causa está sujeita à reserva absoluta de competência legislativa da Assembleia Nacional, nos termos das alíneas b) do artigo 164.º da CRA e deve ter a forma de Lei Orgânica, segundo o disposto na alínea d) do n.º 2 do artigo 166.º da CRA. 3) ACTUAL ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA MATÉRIA OBJECTO DO DIPLOMA i. Constituição da República de Angola O artigo 68.º da Constituição da República de Angola estabelece a necessidade da existência da providência do Habeas Corpus. ii. Legislação ordinária A matéria sobre o Habeas Corpus, vem regulada nos artigos 312º a 325º do Código de Processo Penal. 4) LEGISLAÇÃO A REVOGAR São revogados os artigos 312. a 325. do Código do Processo Penal e todos os preceitos que contrariem o disposto na presente lei. 1

3 5) AVALIAÇÃO SUMÁRIA DOS MEIOS FINANCEIROS E HUMANOS ENVOLVIDOS NA RESPECTIVA EXECUÇÃO A CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZOS. A aprovação da presente Lei, implicará para o Estado, a disponibilidade de recursos financeiros e humanos com vista a: Promover a publicação, publicitação e consulta alargada da Lei aos sectores envolvidos, destinatários-alvo e outras entidades de interesse; Garantir a criação, capacitação e condicionamento das Infra-estruturas para implementação efectiva dos serviços implicados; Promover a admissão e redistribuição satisfatória de quadros e profissionais do sector da Justiça em razão da necessidade de optimização da funcionalidade dos serviços implicados; Formação específica dos recursos humanos, em especial dos Operadores do Sector da Justiça, destaque aos Magistrados, Oficiais de Justiça e Escrivães de Direito, Advogados e demais profissionais e funcionários judiciais, com vista a adaptarem-se às alterações de regime introduzidas por esta Lei; 6) NOTA PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL Eis a nota que se aconselha para os órgãos de comunicação social: O Conselho de Ministros apreciou hoje para envio a Assembleia Nacional, o Projecto de Lei sobre o Habeas Corpus. Esta proposta emerge do facto da constituição da República de Angola, consagrar como missão do Estado a protecção dos direitos, liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos. O diploma insere-se num esforço do Estado, cujo o objectivo traduz-se na luta contra o abuso do poder, em virtude de prisão ou detenção ilegal, bem como capacitar magistrados competentes para a validação da prisão preventiva, contribuindo assim, para a celeridade dos processos em tribunais. Deste modo, o presente projecto de lei constitui mais um passo fundamental no compromisso do Estado angolano para com a Justiça e efectivação dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos consagrados na Constituição, e insere-se no quadro da materialização do Programa de Governação do Executivo Angolano para com o Sector da Justiça. 2

4 7) SÍNTESE DO CONTEÚDO DO DIPLOMA a) Análise na generalidade. O presente diploma foi elaborado atendendo ao facto de a Constituição da República de Angola no artigo 68.º consagrar a habeas corpus opo um direito de todos os cidadãos contra o abuso do poder, em virtude da prisão ou detenção ilegal, a interpor perante o tribunal competente. b) Análise na especialidade O presente diploma vem instituir o regime jurídico do Habeas Corpus, estando contido em 11 (onze) artigos, divididos por três capítulos. CAPÍTULO I- Disposições Gerais (artigos 1.º e 2.º); CAPÍTULO II-Procedimento de habeas corpus (artigos 3.º a 9.º); CAPÍTULO III-Disposições finais (artigos 10. e 11.º). c) Índice sistemático da proposta de Lei Anteprojecto Organização e Funcionamento dos Tribunais de Jurisdição Comum. Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Procedimento do habeas corpus Capítulo III Disposições Finais. 3

5 ASSEMBLEIA NACIONAL LEI DO HABEAS CORPUS LEI N.º /2013 DE /DE Considerando que a Constituição da República de Angola, aprovada no ano de 2010, desenvolveu as premissas constitucionais necessárias ao fortalecimento de um Estado de Direito, tendo procedido a um mais amplo reconhecimento dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, Tendo em conta que o número 3 do artigo 68.º da Constituição determina que lei própria deverá regular o instituto do habeas corpus; Havendo necessidade de materializar aquele dispositivo constitucional com aprovação de legislação específica sobre o instituto do habeas corpus; A Assembleia Nacional aprova, por mandato do povo, nos termos da alínea b) do artigo 164.º e alínea b) do n.º 2 do artigo 166.º, ambos da Constituição da República de Angola, a seguinte lei: LEI DO HABEAS CORPUS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1. (Conceito) O habeas corpus é uma providência extraordinária e expedita destinada a assegurar de forma especial o direito à liberdade constitucionalmente garantido e que visa reagir de modo imediato e urgente, contra o abuso de poder em virtude de detenção ou prisão, efectiva e actual, ferida de ilegalidade, por qualquer dos fundamentos mencionados no artigo seguinte. Artigo 2. (Fundamentos) O habeas corpus pode ser requerido com base num dos seguintes fundamentos: 4

6 a) Ser a prisão ou detenção efectuada sem mandado da autoridade competente; b) Estar excedido o prazo para entrega do arguido do detido ou preso preventivamente ao magistrado competente para a validação da prisão preventiva; c) Manter-se a privação da liberdade para além dos prazos fixados pela lei ou por decisão judicial; d) Manter-se a privação da liberdade fora dos locais para este efeito autorizados por lei; e) Ter sido a privação da liberdade ordenada ou efectuada por entidade incompetente; f) Haver violação dos pressupostos e das condições da aplicação da prisão preventiva. CAPÍTULO II Procedimento de habeas corpus Artigo 3.º (Legitimidade) Tem legitimidade para requerer o habeas corpus o detido ou preso, ou qualquer cidadão no gozo dos seus direitos civis e políticos, a pedido ou no interesse daquele. Artigo 4.º (Competência) 1. A competência para decidir a petição de habeas corpus é do juiz presidente do tribunal competente para apreciação dos factos criminais que são imputados ao detido ou preso. 2. Caso a detenção ou prisão tenha sido ordenada pelo juiz presidente do tribunal competente, cabe ao presidente da Câmara Criminal do tribunal imediatamente superior decidir a petição de habeas corpus. Artigo 5.º (Petição de habeas corpus) A petição de habeas corpus é apresentada por meio de requerimento, cujos duplicados devem ser entregues na secretaria do tribunal competente, devendo dela constar: a) A identificação do detido ou preso; b) A entidade que ordenou a detenção ou prisão ou à ordem de quem se encontra detido ou preso; c) A data da captura; d) O local da detenção ou prisão; e) Os motivos da detenção ou prisão; 5

7 f) Os fundamentos da ilegalidade da detenção ou prisão. Artigo 6.º (Informações sobre a detenção ou prisão) 1. Autuada a petição de habeas corpus, o juiz competente envia, num prazo não superior a vinte e quatro horas, o duplicado à entidade responsável pela privação da liberdade ou à entidade a ordem de quem o detido ou preso se encontra, para que informe, por escrito, no prazo máximo de 48 horas, em que circunstâncias a prisão foi efectuada e em que condições ela se mantém, juntando, se for caso disso, a respectiva prova documental. 2. O pedido de informação pode ser feito por qualquer meio de comunicação, sem prejuízo do disposto no número anterior. 3. Caso a entidade responsável pela privação da liberdade responder a informação que o detido ou o preso foi libertado ou entregue ao magistrado competente para validar a prisão preventiva, a providência suspende-se, extinguindo-se logo que se confirme tal facto, sem prejuízo de eventual averiguação da responsabilidade criminal do responsável pela detenção ou prisão ilegal. 4. A falta de resposta à solicitação de informação mencionada no n.º 1 deste artigo, fará incorrer o faltoso na prática do crime de desobediência, nos termos previstos na lei penal. Artigo 7.º (Decisão) 1. Caso a entidade a quem foi solicitada a informação nos termos do artigo anterior confirmar que a prisão se mantém ou deixar de prestar a informação no prazo legal, o juiz competente, ouvido o Ministério Público, aprecia e decide a petição de habeas corpus. 2. Na decisão que tomar, o juiz competente pode: a) Indeferir o pedido por falta de fundamento; b) Declarar a prisão ilegal e ordenar a restituição do preso à liberdade; c) Ordenar que a prisão se mantenha mas em outro estabelecimento ou que o preso fique à ordem do tribunal competente e aí seja apresentado, no prazo máximo de vinte e quatro horas; 3. A decisão sobre a providência de habeas corpus deve ser tomada num prazo nunca superior a cinco dias úteis, contados da data da entrada da petição na secretaria do tribunal Competente. 6

8 Artigo 8.º (Recurso) 1. Da decisão que indefira o pedido de habeas corpus cabe recurso para o Tribunal imediatamente superior, o qual decide em última instância, sem prejuízo do recurso extraordinário de inconstitucionalidade, nos termos da lei. 2. O recurso, com os seus fundamentos, é interposto mediante requerimento na secretaria do tribunal que tenha proferido a decisão de indeferimento de habeas corpus e deve subir no prazo de quarenta e oito horas, contado da data da entrada do requerimento na secretaria. 3. A decisão do recurso é tomada, ouvido o Ministério Público, no prazo de cinco dias úteis, contados da data da sua recepção na secretaria do tribunal. Artigo 9.º (Reclamação contra despacho que não admitiu o recurso) 1. Caso o juiz competente obste à interposição do recurso ou este não suba nos prazos mencionados no n.º 3 do artigo anterior, o interessado pode reclamar ao juiz presidente do tribunal imediatamente superior do indeferimento ou retenção do recurso, no prazo de cinco dias. 2. Da reclamação deve ser dado conhecimento ao juiz recorrido. CAPÍTULO III (Disposições finais) Artigo 10. (Revogação de legislação) São revogados os artigos 312. a 325. do Código do Processo Penal e todos os preceitos que contrariem o disposto na presente lei. Artigo 11.º (Entrada em vigor) A presente lei entra em vigor na data da sua publicação. 7

9 Vista e aprovada pela Assembleia Nacional, em Luanda, aos de de O Presidente da Assembleia Nacional, Promulgada aos de de. Publique se. O Presidente da República 8

OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Tribunal Constitucional, seminário 2013

OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Tribunal Constitucional, seminário 2013 OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL S Plano de apresentação S I. INTRODUÇÃO S II. RECURSO ORDINÁRIO DE INCONSTITUCIONALIDADE S III. RECURSO EXTRAORDINÁRIO S IV. REGIME COMPARADO

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei nº 23/92 de 16 de Setembro LEI DE REVISÃO CONSTITUCIONAL As alterações à Lei Constitucional introduzidas em Março de 1991, através da Lei nº. 12/91 destinaram

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

EXTRADIÇÃO HIPÓTESE CORRIDA.

EXTRADIÇÃO HIPÓTESE CORRIDA. EXTRADIÇÃO Caso prático de aplicação da Convenção de Extradição entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP); Praia, 23.11.2005. De acordo com o Aviso n.º 183/2011, de

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código de Processo Penal Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 86. o Publicidade do processo e segredo de justiça 1. O processo penal é, sob pena de nulidade, público a partir

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª

PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª PROJECTO DE LEI N.º 685/XII/4.ª Altera o Código de Processo Penal, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 78/87, de 17 de Fevereiro, eliminando a possibilidade de julgamentos em processo sumário para crimes puníveis

Leia mais

DEFINE O REGIME JURÍDICO DOS INQUÉRITOS PARLAMENTARES * Lei nº 110/V/99, de 13 de Setembro. Artigo 1º (Objecto) Artigo 2º Função

DEFINE O REGIME JURÍDICO DOS INQUÉRITOS PARLAMENTARES * Lei nº 110/V/99, de 13 de Setembro. Artigo 1º (Objecto) Artigo 2º Função DEFINE O REGIME JURÍDICO DOS INQUÉRITOS PARLAMENTARES * Lei nº 110/V/99, de 13 de Setembro Por mandato do Povo a Assembleia Nacional decreta, nos termos dos artigos 183º, 186º, alínea b), 188º, alíneas

Leia mais

Lei n.º 01/2007. Lei do Exercício do Direito de Petição.

Lei n.º 01/2007. Lei do Exercício do Direito de Petição. República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Nacional Lei n.º 01/2007 Lei do Exercício do Direito de Petição. Preâmbulo O artigo 60.º da Constituição da Republica Democrática de São Tomé e Príncipe,

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 554, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 554, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 554, DE 2011 Altera o 1 o do art. 306 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), para determinar o prazo de vinte e quatro

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.379, DE 2006 (MENSAGEM N o 20, de 2006) Aprova o texto do Tratado sobre Extradição entre o Governo da República Federativa

Leia mais

Lei n.º /2015. de de

Lei n.º /2015. de de Lei n.º /2015 de de Considerando o impacto significativo que as alterações do comportamento do preço do barril de petróleo no mercado internacional têm, ao nível das finanças públicas e do mercado cambial,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

Quesito avaliado. 5. Fundamentos: Cabimento do recurso: art. 102, III, a e foi interposto tempestivamente (art. 508 do CPC) (0,30);

Quesito avaliado. 5. Fundamentos: Cabimento do recurso: art. 102, III, a e foi interposto tempestivamente (art. 508 do CPC) (0,30); Peça prática Foi proposta uma ação direta de inconstitucionalidade pelo prefeito de um município do Estado X. O Tribunal de Justiça do Estado X julgou tal ação improcedente, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS ( Com a alteração constante do Parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra ) 23 DE NOVEMBRO

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS PARECER SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE PROTECÇÃO NAS EVENTUALIDADES DE INVALIDEZ E VELHICE DOS BENEFICIÁRIOS DO REGIME GERAL DE SEGURANÇA SOCIAL Angra do Heroísmo, 26 de Fevereiro

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica Prática Processual Penal e Direito Constitucional e Direitos Humanos (8 Valores) 22 de Julho de 2011 Responda a todas

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

Face ao exposto, e ao abrigo das normas constitucionais, o CDS-PP apresenta o seguinte projecto de lei: Artigo 1º Objecto

Face ao exposto, e ao abrigo das normas constitucionais, o CDS-PP apresenta o seguinte projecto de lei: Artigo 1º Objecto Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 271/XI/1ª Alteração à Lei Geral Tributária e ao Código de Procedimento e de Processo Tributário introduzindo alterações ao regime dos Juros Indemnizatórios Quando

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO

CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO 1 POR UM NOVO SISTEMA JUDICIÁRIO NO SÉCULO XXI Oradores: www.crjd-angola.com CRJDANGOLA Dra. Florbela Rocha Araújo Dr. Osvaldo Estevão Luacuti Dr. Pedro Joaquim Gola CÓDIGO

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 315/95, de 28 de Novembro e o Decreto Regulamentar n.º 34/95, de 16 de Dezembro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER RELATÓRIO E PARECER NO ÂMBITO DA AUDIÇÃO DOS ÓRGÃOS DE GOVERNO PRÓPRIO DAS REGIÕES AUTÓNOMAS, SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI REG. DL 380/2005 TRANSPÕE PARA A ORDEM JURÍDICA NACIONAL A DIRECTIVA N.º 2001/86/CE,

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que:

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: I - De acordo com o Código de Processo Penal, as

Leia mais

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1

Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 113/2009, de 17/9 1 Estabelece medidas de proteção de menores, em cumprimento do artigo 5.º da Convenção do Conselho da Europa contra a Exploração

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Organização Judiciária Programa I Introdução 1 Conceito e âmbito da organização judiciária: 1.1. Considerações preliminares 1.2. Conceito 1.3. Âmbito 2 Noções fundamentais

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO. Recurso Ordinário

RECURSO ORDINÁRIO. Recurso Ordinário RECURSO ORDINÁRIO Conceito: Os recursos ordinários são os recursos cabíveis para impugnar decisões havidas nos casos previstos no art. 1.027 do CPC. Apesar de serem julgados pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Havendo necessidade de adequar as regras

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. 1.º Âmbito

TEXTO INTEGRAL. 1.º Âmbito DATA: 15 de Dezembro de 2005 NÚMERO: 239 SÉRIE I-B EMISSOR: Ministérios da Justiça e da Saúde DIPLOMA: Portaria n.º 1288/2005 SUMÁRIO: Aprova o modelo, edição, preço, fornecimento e distribuição do livro

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO HORTA, 7 DE MAIO DE 2004 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO A Comissão de

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004

ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 ORIENTAÇÃO NORMATIVA nº 02/2004 de 20/02/2004 Nº PAUTA: 210.1 ASSUNTO: PROCEDIMENTO DISCIPLINAR ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho REVOGAÇÕES: Orientação Normativa nº.21/2000, de 20/11/2000

Leia mais

Decreto-Lei Nº 157/2005 de 20 de Setembro (PSP)

Decreto-Lei Nº 157/2005 de 20 de Setembro (PSP) Decreto-Lei Nº 157/2005 de 20 de Setembro (PSP) Pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 110/2005, de 2 de Junho, determinou o Governo que se procedesse à revisão dos regimes especiais de reforma e de

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

Da Nacionalidade. Revoga a Lei n.º 13/91, de 11 de Maio

Da Nacionalidade. Revoga a Lei n.º 13/91, de 11 de Maio Da Nacionalidade. Revoga a Lei n.º 13/91, de 11 de Maio Índice LEI DA NACIONALIDADE... 4 CAPÍTULO I Disposições Gerais... 4 ARTIGO 1.º (Objecto)... 4 ARTIGO 2.º (Modalidades)... 4 ARTIGO 3.º (Aplicação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 62/79, de 30 de Março

Decreto-Lei n.º 62/79, de 30 de Março Decreto-Lei n.º 62/79, de 30 de Março A legislação sobre o regime de trabalho do pessoal dos estabelecimentos hospitalares, que tem, em grande parte, carácter avulso, é, com frequência, diversamente interpretada,

Leia mais

OAB 2ª Fase de Direito Penal Penal Agravo em Execução Emerson Castelo Branco

OAB 2ª Fase de Direito Penal Penal Agravo em Execução Emerson Castelo Branco OAB 2ª Fase de Direito Penal Penal Agravo em Execução Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 3. AGRAVO EM EXECUÇÃO 3. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO

Leia mais

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA )

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA ) Informação do Sector Público: Acesso, reutilização e comercialização 24 de Novembro de 2004 Representação da Comissão Europeia em Portugal A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

A República Portuguesa e a República Federativa do Brasil (doravante denominadas «Partes»):

A República Portuguesa e a República Federativa do Brasil (doravante denominadas «Partes»): Decreto n.º 30/2002 Acordo entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil sobre o Exercício de Actividades Remuneradas por parte de Dependentes do Pessoal Diplomático, Consular, Administrativo,

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 29 de julho de 2013

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 29 de julho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, Série Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA DA MADEIRA Decreto Legislativo Regional n.º 26/2013/M Primeira alteração ao Decreto

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES Objecto O presente regulamento, elaborado nos termos e ao abrigo do disposto nos artigos 21.º a 23.º do Decreto Lei

Leia mais

Decreto-Lei n.º 303/99 de 6 de Agosto

Decreto-Lei n.º 303/99 de 6 de Agosto Decreto-Lei n.º 303/99 de 6 de Agosto Reconhecimento do carácter profissional das competições desportivas... 3 Objecto... 3 Conteúdo do pedido de reconhecimento... 3 Remuneração dos praticantes e treinadores...

Leia mais

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares Projeto de Decreto Legislativo Regional Regime dos Requerimentos Parlamentares As perguntas parlamentares constituem um instrumento de fiscalização e controlo parlamentar da atividade governativa cuja

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga)

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) *C0059067A* C0059067A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) Estabelece normas de atuação dos advogados das instituições de ensino superior que mantenham atendimento

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE VINCULAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA CONTRATO EM FUNÇÕES PÚBLICAS ISCTE-INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA

REGULAMENTO DO REGIME DE VINCULAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA CONTRATO EM FUNÇÕES PÚBLICAS ISCTE-INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA REGULAMENTO DO REGIME DE VINCULAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DE CARREIRA CONTRATO EM FUNÇÕES PÚBLICAS ISCTE-INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA O presente Regulamento tem por objecto regulamentar a vinculação

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da.

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da. REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º /2004 (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da Criminalidade A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea

Leia mais

5455/02 PB/cdc DG H II PT

5455/02 PB/cdc DG H II PT CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 28 de Janeiro de 2002 (OR. en) 5455/02 EUROPOL 5 ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS Assunto: Iniciativa do Reino da Bélgica e do Reino da Espanha tendo em vista

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CAMPO DE FUTEBOL SINTÉTICO DO PARQUE URBANO 25 DE ABRIL DE 1974 DE CASAL DE CAMBRA Proposta Regulamento de Utilização do Campo de Futebol Nota Justificativa A Junta de Freguesia

Leia mais

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM

DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM DECRETO N.º 210/IX REGULA A UTILIZAÇÃO DE CÂMARAS DE VÍDEO PELAS FORÇAS E SERVIÇOS DE SEGURANÇA EM LOCAIS PÚBLICOS DE UTILIZAÇÃO COMUM A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo

Leia mais

Decreto-Lei Nº 166/2005 de 23 de Setembro (Forças Armadas)

Decreto-Lei Nº 166/2005 de 23 de Setembro (Forças Armadas) Decreto-Lei Nº 166/2005 de 23 de Setembro (Forças Armadas) Constitui objectivo do Programa do XVII Governo Constitucional a progressiva uniformização dos diversos regimes de protecção social existentes.

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS RELATÓRIO E PARECER AO PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE REGULAMENTA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO E APROVA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CARTA EDUCATIVA, TRANSFERINDO

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SUBCOMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SUBCOMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Subcomissão de Política Geral, em 23 de junho de 2015, procedeu à apreciação, relato e emissão de parecer sobre a Proposta de Lei n.º 342/XII/4 que altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento n.º /2012. de de

Regulamento n.º /2012. de de Regulamento n.º /2012 de de Considerando que as candidaturas às eleições gerais têm direito à utilização do serviço público de radiodifusão e televisão, durante o período oficial da campanha eleitoral;

Leia mais

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA L sa Regulamento de Apoio Financeiro ao Movimento Associativo da Freguesia das Alcáçovas APROVAÇÕES JUNTA DE FREGUESIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Junta de Freguesia das Alcáçovas Abril 2010 INTRODUÇÃO O movimento

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS

PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 154/XI ELIMINA AS RESTRIÇÕES DE ACESSO AO PROVEDOR DE JUSTIÇA POR PARTE DOS ELEMENTOS DAS FORÇAS ARMADAS Exposição de motivos O Provedor de Justiça tem por função

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 177/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 177/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 177/X Exposição de Motivos A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) veio suceder à Direcção-Geral de Viação nas atribuições em matéria de contra-ordenações rodoviárias,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS»

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO REGIME JURÍDICO DA COBERTURA

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007)

Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007) Deliberação n.º 2473/2007, de 28 de Novembro (DR, 2.ª série, n.º 247, de 24 de Dezembro de 2007) Aprova os regulamentos sobre áreas mínimas das farmácias de oficina e sobre os requisitos de funcionamento

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 236/IX ENQUADRAMENTO DE PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATIVO À EVENTUALIDADE DE DESEMPREGO Exposição de motivos O Tribunal Constitucional (TC), mediante iniciativa do Provedor

Leia mais

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICIPIO DE GONDOMAR NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº 10/2015, de 16 de janeiro, aprovou o regime

Leia mais

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade

PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS. Regulamento de Publicidade PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS Regulamento de Publicidade 1 REGULAMENTO DE PUBLICIDADE PARA O PAVILHÃO MUNICIPAL DE DESPORTOS PREÂMBULO NOTA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Municipal de Desportos é uma infra-estrutura

Leia mais

Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso

Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso ABRIL DE 2009 APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 14 DE JANEIRO DE 2009 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 23 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA

Leia mais

Teoria Geral do Processo

Teoria Geral do Processo Arno Melo Schlichting Teoria Geral do Processo Concreta - Objetiva - Atual Livro 2 3 a Edição SUMÁRIO Apresentação 9 Identificação 11 Natureza... 13 Objetivo... 13 1 Teoria Geral das Ações 15 1.1 Ação,

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores CAPÍTULO I Introdução A da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores reuniu, no dia 23 de maio de 2016, na delegação da Assembleia Legislativa da ilha de São Miguel, com o objetivo de apreciar

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL O Secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro edita Resolução que fixa o horário de funcionamento de bares e restaurantes situados na cidade do

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 13/LIC-R/2010. Revogação da Deliberação 1/LIC-R/2010, de 6 de Janeiro

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 13/LIC-R/2010. Revogação da Deliberação 1/LIC-R/2010, de 6 de Janeiro Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 13/LIC-R/2010 Revogação da Deliberação 1/LIC-R/2010, de 6 de Janeiro Lisboa 27 de Janeiro de 2010 Conselho Regulador da Entidade

Leia mais

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários:

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários: CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL Proposta de programa a desenvolver em sumários: I Do inicio do processo o crime e sua natureza. - Crimes públicos, semi-públicos e particulares;

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO

CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO CRIAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE ADMINISTRADORES DE INSOLVÊNCIA FUNDAMENTAÇÃO 1. Introdução O Estado Moçambicano encetou um processo de reformas legislativas e administrativas, visando dotar o País de leis

Leia mais

Município de Chamusca AV I S O

Município de Chamusca AV I S O Município de Chamusca AV I S O Dr. Paulo Jorge Mira Lucas Cegonho Queimado, Presidente da Câmara Municipal de Chamusca. TORNA PÚBLICO que, nos termos e para os efeitos do disposto no art.118. º do Código

Leia mais

Data 26/06/2012 Revisão 01 Código R.EM.CPE.03

Data 26/06/2012 Revisão 01 Código R.EM.CPE.03 Em concordância com o disposto no nº1, do artigo 1º, e na alínea e), do artigo 105, do Decreto-Lei 62/2007, que estabelece o regime jurídico das instituições de ensino superior, e assegurada a sua conformidade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho O Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, assinado em Porto Seguro em 22 de Abril de 2000, aprovado,

Leia mais

Título: Regime penal de corrupção no comércio internacional e no sector privado

Título: Regime penal de corrupção no comércio internacional e no sector privado Título: Regime penal de corrupção no comércio internacional e no sector privado Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 8 páginas Formato: PDF (Portable

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL

PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 347/XII/2.ª FUNDO DE GARANTIA SALARIAL Exposição de motivos Apesar de ter sido criado há já mais de 10 anos e muito embora esteja previsto no artigo 336.º do Código

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Relatório e parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais à Proposta de Decreto Legislativo Regional - Aplicação à Região Autónoma dos Açores do Decreto-Lei nº 158/84, de 17 de Maio, que estabelece

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO DE CONFLITOS DA ERSE Outubro de 2002 Recentes Recomendações da Comissão Europeia interpelam as várias entidades com competências em matéria de resolução de conflitos

Leia mais

Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura

Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura Adoptados pelo Sétimo Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º. Regime geral de funcionamento

Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º. Regime geral de funcionamento REGULAMENTO DOS PERIODOS DE ABERTURA E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO O Governo da República definiu, através de diploma

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas. Tal como havia inscrito no seu programa, o XVII Governo Constitucional, pelo decreto-lei n.º 232/2005, de 29 de Dezembro, instituiu uma prestação extraordinária de combate à pobreza dos idosos que designou

Leia mais

DECRETO N.º 42/XIII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 42/XIII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 42/XIII Regime da restituição de bens culturais que tenham saído ilicitamente do território de um Estado membro da União Europeia (transpõe a Diretiva 2014/60/UE do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director da DMFP, Dr. José Branco. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.03.01 N/Inf.:

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 128/VIII ESTABELECE A IGUALDADE DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO A TODAS AS FREGUESIAS ABRANGIDAS PELO REGIME DE PERMANÊNCIA

PROJECTO DE LEI N.º 128/VIII ESTABELECE A IGUALDADE DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO A TODAS AS FREGUESIAS ABRANGIDAS PELO REGIME DE PERMANÊNCIA PROJECTO DE LEI N.º 128/VIII ESTABELECE A IGUALDADE DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO A TODAS AS FREGUESIAS ABRANGIDAS PELO REGIME DE PERMANÊNCIA Exposição de motivos O regime de permanência dos eleitos de

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS ORDEM DOS ADVOGADOS DELEGAÇÃO DE BARCELOS DIA DO ADVOGADO 19 DE MAIO DE 2010 ---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ECONOMIA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ECONOMIA Parecer da Comissão de Economia sobre a proposta de Decreto Legislativo Regional - REGULAMENTO DO SISTEMA TARIFÁRIO DOS PORTOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. A Comissão de Economia reuniu, no dia 11 de

Leia mais

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7 O Decreto n.º 13/10, de 10 de Fevereiro faz a regulamentação ao Decreto-Lei n.º 17/09, de 26 de Junho (que regula a Formação do Pessoal Angolano no Sector Petrolífero) nomeadamente do recrutamento, integração,

Leia mais

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação

SECÇÃO III - Prestação de trabalho a favor da comunidade e admoestação Código Penal Ficha Técnica Código Penal LIVRO I - Parte geral TÍTULO I - Da lei criminal CAPÍTULO ÚNICO - Princípios gerais TÍTULO II - Do facto CAPÍTULO I - Pressupostos da punição CAPÍTULO II - Formas

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Citação e Intimação Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal CITAÇÃO E INTIMAÇÃO TÍTULO X Das Citações e Intimações CAPÍTULO I DAS CITAÇÕES

Leia mais

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor OBJECTO O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do diretor da Escola Secundária Quinta das Palmeiras,

Leia mais

Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Mafra, que seguidamente se transcreve. Artigo 1.º. Objecto

Venda ao Público e de Prestação de Serviços do Concelho de Mafra, que seguidamente se transcreve. Artigo 1.º. Objecto PROJECTO DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DOS PERÍODOS DE ABERTURA E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE VENDA AO PÚBLICO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO CONCELHO DE MAFRA NOTA JUSTIFICATIVA Considerando, face

Leia mais