Hipofracionamento em câncer de mama:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hipofracionamento em câncer de mama:"

Transcrição

1 Hipofracionamento em câncer de mama: resultados de um estudo piloto BORGES, Allisson B. B. ANGOTTI, Clarissa C. R. ALMEIDA, Cristiane M AGUILAR, P. B. STUART, Silvia R. CARVALHO, Heloisa A. Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Divisão de Oncologia Serviço de Radioterapia

2 Introdução Radioterapia adjuvante pós cirurgia conservadora de mama (CC) - Reduz risco recorrência local (Veronesi, 1993) - Reduz a incidência idê i de mastectomia t (Forrest, 1996) 30 % das mulheres submetidas a CC nos EUA, não realizam RT adjuvante devido aos custos e às inconveniências do tratamento (Virning, 2007)

3 Introdução Filas de espera nos serviços públicos de radioterapia são uma realidade. (2010)

4 Introdução Fracionamento convencional 50Gy/ 50,4 Gy em 25 / 28 frações (Fisher, 2002) Modelos radiobiológicos: esquemas hipofracionados (40 a 44 Gy) podem ser efetivos (Fowler, 1989) Doses maiores por fação fração aumento da toxicidade?

5 Introdução RT hipofracionada i em câncer de mama Estudos fase III START A (Owen, Lancet Oncol 2006) START B (Yarnold, RO 2005) Canadá (Whelan, JNCI 2005; NEJM 2010) Hipofracionamento vs Convencional (25 x 2 Gy) Controle local l e sobrevida Equivalentes (Efeitos tardios)

6 Introdução Guidelines ASTRO anos pt1-2 2N0 e cirurgia i conservadora Sem quimioterapia Planejamento: ± 7% homogeneidade (sem correção de heterogeneidades, como em 2D) Smith et al, IJROBP 2010 (no prelo)

7 Objetivo Avaliar a toxicidade aguda de um esquema hipofracionado de radioterapia para câncer de mama.

8 Pacientes e Métodos Protocolo HC-FMUSP 17 x 250 cgy 4250 cgy 3,3 sem BED Gy10 = 44,3 BED Gy3 =468 46,8

9 Pacientes e Métodos Critérios de inclusão Cirurgia conservadora ou mastectomia Semindicação de RT em drenagens linfáticas Preferencialmente > 50 anos ( Boost : margens < 1cm e/ou 50 anos)

10 Pacientes e Métodos Critérios de exclusão Expansor ou prótese Doença do tecido conectivo RT em mamas / leito cirúrgico bilateral Pacientes sem condições de seguimento Mamas grandes : PTV > 1000 cc ou DAL > 20 cm (Rosalmeida et al, 2009)

11 Pacientes e Métodos Toxicidade aguda RTOG Toxicidade Grau 1 Grau 2 Grau 3 Grau 4 Pele Eritema leve, descamação seca, alopecia, sudorese diminuída. Eritema moderado, descamação úmida em placas, edema moderado. Descamação úmida confluente, exceto dobras de pele, edema acentuado. Ulceração, hemorragia, necrose. Hematológica Leucócitos (x 10 3 ) Plaquetas (x 10 3 /mm3) Neutrófilos (x 10 3 ) Hemoglobina (g%) Hematócrito (%) 3,0 a < 4,0 75 a < 100 1,3 a < 1,9 11 a 9,5 28 a < 32 2,0 a < 3,0 50 a < 73 1,0 a < 1,5 < 9,5 a 7,5 < 28 1,0 a < 2,0 25 a < 50 0,5 a < 1,0 < 7,5 a 5,0 Transfusão necessária < 1,0 < 25 ou hemorragia espontânea < 0,5 ou sepse

12 Resultados Casuística Mai/2009 Jul/ pacientes 35 pacientes: 3 meses de seguimento Idade mediana: 63 anos (41 82a) PSK > 80%

13 Resultados Casuística Histologia Outros: 6 CDI: 27 CDIS:

14 Resultados Casuística Tipo de Cirurgia Conservadora: 31 (88,57%) Mastectomia: 4 (11,43%) RE/RP : 83% Her-2 : 2 Quimioterapia: 9 (25,71%) Boost : 15 (42,9%)

15 Resultados Toxicidade Aguda Hematológica: Radiodermite G0: 12 (34,3%) 3%) G1: 12 (34,3%) G2: 8 (22,8%) G3: 2 (5,7%) G4: 1 (2,8%) 68,6% 8,5 %

16 Resultados Pré e Pós Dia do planejamento Pós RT hipofracionada

17 Resultados Pré e Pós No dia do planejamento Pós RT hipofracionada

18 Discussão Seleção de pacientes Bom prognóstico Efeitos agudos (Botti et al, 2009) Cerca de 15 dias após o término RT Efeitos tardios (Whelan et al, 2010) Quem são os 10 a 20% com efeitos tardios Q indesejáveis?

19 Discussão EQD2 para 50Gy, 2Gy/d, 5x/sem Esquema BED 10Gy BED 3Gy 45 Gy y( (25 x 1,8 Gy) 44,3 43,2 50,4 Gy (28 x 1,8 Gy) 49,6 48,4 40 Gy (15 x 2,67 Gy) 3 sem 42,3 45,4 42,5 Gy (17 x 2,5 Gy) 3,3 sem 44,3 46,8 42,5 Gy (16 x 2,67 Gy) 3,5 sem 45,7 48,4

20 Discussão Esquema de tratamento dose/dia 2Gy vs 2,67Gy (START B/Canadá): 30% 1,8Gy vs 2Gy (HC vs Controle): 10% 1,8Gy vs 2,5Gy (HC vs Esquema proposto): p 38% Minimizar efeitos colaterais indesejáveis ou inesperados

21 Discussão Esquema de tratamento Protocolo HC-FMUSP BED Gy10 = 44,3 BED Gy3 = 46,8 Dose/fração maior Dose total t menor Tumor x Tec. Normal Impacto na demanda reprimida? Quem não entrou no protocolo? RT em drenagens linfáticas RT metástases

22 Conclusões Até o momento a tolerância do esquema proposto têm-se mostrado satisfatória, e vai de encontro com os principais trabalhos publicados. A continuidade id d deste estudo nos permitirá melhor avaliar os efeitos agudos e tardios, bem como as taxas de controle o local a longo prazo. pao

23

Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt

Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt Cenário Busca pela diminuição do tempo da Radioterapia adjuvante Aumento da conveniência do tratamento Sem comprometimento dos resultados clínicos

Leia mais

Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃO. Robson Ferrigno

Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃO. Robson Ferrigno Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃ Robson Ferrigno Estudos fase III Estudo N Período Esquema Seguimento Publicação CNDENSE 1224 1993 1996 16 x

Leia mais

Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama

Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama Radioterapia Unidade Brasília Enfª Roberta Fiuza Nas últimas décadas têm ocorrido em todo o mundo aumento significativo da incidência do câncer de mama.

Leia mais

Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ

Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ Tumores primários SNC 2% das neoplasias; 1ª -infância e 2ª -adultos jovens masculino; Os gliomassão os tumores primários mais frequentes; Nos EUA diagnosticados

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses Tratamento das Metástases Cerebrais Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Tratar ou Não Tratar? Piora do prognóstico Déficits neurológicos

Leia mais

Módulo Doença avançada

Módulo Doença avançada Módulo Doença avançada Radioterapia de SNC no Câncer de pulmão: Up date 2013 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais Câncer mais freqüente do SNC 1/3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: MASTOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Versão eletrônica atualizada em Julho de 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA Dr. Markus Gifoni Oncologista Clínico Instituto do Câncer do Ceará Fortaleza 01/06/2013 Informações

Leia mais

30/05/2016. Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante?

30/05/2016. Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Estamos num momento de quebra de paradigmas? José

Leia mais

Qual o melhor tratamento? A favor da radioterapia Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia Meningiomas do seio cavernoso Possibilidades

Leia mais

Estado atual da quimioterapia de indução seguida de radioquimioterapianos tumores de cabeça e pescoço

Estado atual da quimioterapia de indução seguida de radioquimioterapianos tumores de cabeça e pescoço Estado atual da quimioterapia de indução seguida de radioquimioterapianos tumores de cabeça e pescoço Juliana Karassawa R3 Radioterapia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Divisão de Oncologia

Leia mais

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata JUMARA MARTINS R3 RADIOTERAPIA/ 2013 FCM- UNICAMP Anatomia Classificação

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau Versão eletrônica atualizada em Julho 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA

O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA Rita Lucas 2, Luis Duarte Silva 3, Mónica Coutinho 1, José Carlos Marques 1 1 Serviço de Radiologia

Leia mais

O que há de verdade sobre os efeitos deletérios da radioterapia para o cérebro todo?

O que há de verdade sobre os efeitos deletérios da radioterapia para o cérebro todo? O que há de verdade sobre os efeitos deletérios da radioterapia para o cérebro todo? Rodrigo Hanriot Radioterapeuta Hospital Israelita Albert Einstein Radioterapeuta Hospital Alemao Oswaldo Cruz Tumor

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Radioterapia para Metástases em Coluna Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia para Metástases em Coluna Aspectos Clínicos Indicações

Leia mais

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Rafael Kaliks Oncologia Hospital Albert Einstein Diretor Científico Instituto Oncoguia rkaliks@gmail.com Risco hereditário:

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Modelo de Bula ao Paciente RDC 47/09

Modelo de Bula ao Paciente RDC 47/09 ATRED pemetrexede dissódico Pó liófilo solução injetável 100 mg ou 500 mg APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo pemetrexede dissódico 2,5 hidratado equivalente a 100 mg de pemetrexede

Leia mais

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO INTRAVENOSA

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO INTRAVENOSA CDS22MAR13 ALIMTA pemetrexede dissódico D.C.B. 06898 APRESENTAÇÕES ALIMTA é apresentado na forma de pó estéril liofilizado para uso intravenoso, em frascos de vidro incolor tipo I, contendo pemetrexede

Leia mais

Qual a importância. definição do tipo histológico Carcinoma. vs Adenocarcinoma de

Qual a importância. definição do tipo histológico Carcinoma. vs Adenocarcinoma de Qual a importância clínica na definição do tipo histológico Carcinoma Escamocelular (CEC) vs Adenocarcinoma de esôfago? Qual a importância clínica na definição i do tipo histológico i CEC vs Adenocarcinoma

Leia mais

Radioterapia em neoplasia de vagina: comparação entre técnicas convencional, conformacional, IMRT e RAPID ARC

Radioterapia em neoplasia de vagina: comparação entre técnicas convencional, conformacional, IMRT e RAPID ARC Radioterapia em neoplasia de vagina: comparação entre técnicas convencional, conformacional, IMRT e RAPID ARC Anna Myrian Lannes Vieira, Guilherme Bittencourt, Rosamaria Cugula Ventura, Rafael Daher Carvalho,

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS RCBP e Vigilância de DCNT Ferramenta para vigilância e monitoramento das neoplasias

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal.

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal. Câncer de próstata Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal Robson Ferrigno RT + HT Bloqueio hormonal isolado: sem intuito curativo Associado

Leia mais

Geth Reunião Científica. Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP

Geth Reunião Científica. Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP Geth Reunião Científica Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP Objetivos Orientação da paciente da paciente com teste positivo Orientação da prole de pacientes com

Leia mais

Sarcoma de partes moles com linfonodos negativos: revisão bibliográfica associada a relato de caso

Sarcoma de partes moles com linfonodos negativos: revisão bibliográfica associada a relato de caso Sarcoma de partes moles com linfonodos negativos: revisão bibliográfica associada a relato de caso CARDOSO, Victor Caldeira. Discente do Curso de Graduação em Medicina. RIBEIRO, Flávio Antônio de Sá. Docente

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO HEPATITE B em portadores de IRC Prevalência de HBsAg (+) em pacientes

Leia mais

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS III ENCONTRO DE RESIDENTES DA SBRT 2012 RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS VINICIUS T. MOSCHINI DA SILVA Residente de Radioterapia HSPE/IAMSPE -SP Introdução O câncer de mama:

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 12 - outubro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

Editorial EDITORIAL DO BOLETIM. Maria do Socorro Maciel Diretoria do Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo

Editorial EDITORIAL DO BOLETIM. Maria do Socorro Maciel Diretoria do Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo B o l e t i m d a 7220994390-DR/SPM Soc. Bras. de Mastologia FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT A N O X V - N º 9 7 - J A N E I R O 2 0 1 2 Editorial EDITORIAL DO BOLETIM Maria do Socorro Maciel

Leia mais

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão Posicionamento, Imobilização e Técnica de Tratamento nos Tumores do Pulmão INTRODUÇÃO Tumores malignos que ocorrem no Tórax. Carcinoma de Esôfago, Timoma, Tumores de células germinativas, Doenças Metastáticas,

Leia mais

O que fazer perante:nódulo da tiroideia

O que fazer perante:nódulo da tiroideia 10º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante:nódulo da tiroideia Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa

Leia mais

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS A Beneficência Portuguesa de São Paulo e a Casa de Portugal tem a mesma origem e cooperam entre si há mais de 80 anos.

Leia mais

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse Ygor Vieira de Oliveira Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Desenvolvimento de novos medicamentos

Desenvolvimento de novos medicamentos Curso de Farmacovigilância Desenvolvimento de novos medicamentos Dr. Sergio Mengardo Farmacêutico do CVS-SES-SP Nos Estados Unidos háh 2900 moléculas em teste ou a espera de aprovação. HáH 20 milhões

Leia mais

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS

VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 1 VIVER BEM ÂNGELA HELENA E A PREVENÇÃO DO CÂNCER NEOPLASIAS 2 3 Como muitas mulheres, Ângela Helena tem uma vida corrida. Ela trabalha, cuida da família, faz cursos e também reserva um tempo para cuidar

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

Revista Portuguesa de

Revista Portuguesa de Revista Portuguesa de Cirurgia II Série N. 6 Setembro 2008 Revista Portuguesa de i r u r g i a II Série N. 6 Setembro 2008 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ARTIGO ORIGINAL

Leia mais

Casos Clínicos: câncer de mama

Casos Clínicos: câncer de mama Casos Clínicos: câncer de mama Coordenador: Eder Babygton Alves Clinirad Curitiba PR Comentários: Dr. Alvaro Martinez Oakland University William Beaumont School of Medicine Dr. Robert Kuske MD Scottsdale

Leia mais

glioblastoma controvérsias Suzana M F Malheiros

glioblastoma controvérsias Suzana M F Malheiros glioblastoma controvérsias Suzana M F Malheiros Milestones in Neuro-Oncology Radiotherapy Lomustine Carmustine Approvals BCNU wafer TMZ for relapsed AA accelerated approval TMZ upfront for GBM Bevacizumab

Leia mais

Manejo da Doença Metastática em Coluna Indicações da radioterapia

Manejo da Doença Metastática em Coluna Indicações da radioterapia Manejo da Doença Metastática em Coluna Indicações da radioterapia Metástases Ósseas 40% dos pacientes com câncer podem desenvolver metástases na coluna vertebral (Wong, 1990) Até 20% dos pacientes com

Leia mais

Qualidade no registo de dados clínicos

Qualidade no registo de dados clínicos Qualidade no registo de dados clínicos Características clínico-patológicas, padrões de tratamento e outcomes clínicos de doentes com cancro da mama no ROR-Sul: estudo prospetivo Jornadas ROR Sul 2016 Arlindo

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO HUWC COMISSÃO DE RISCOS HOSPITALARES HEMOCE ROCIVÂNIA LÉLIS

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 43 - PADRÃO TISS

CONSULTA PÚBLICA Nº 43 - PADRÃO TISS CONSULTA PÚBLICA Nº 43 - PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA GUIAS, ANEXOS, DEMONSTRATIVOS E MONITORAMENTO DO PADRÃO TISS Indice Guia de Consulta 4 Legenda da Guia de Consulta 5 Guia Comprovante

Leia mais

Câncer de pulmão. Ellias Magalhães e Abreu Lima Março 2015

Câncer de pulmão. Ellias Magalhães e Abreu Lima Março 2015 Câncer de pulmão Ellias Magalhães e Abreu Lima Março 2015 Objetivos Sintetizar as principais publicações / apresentações de 2014 Apresentação assim dividida: Rastreamento (1) Adjuvância (1) Metastático

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO

DIA MUNDIAL DO CANCRO: 4/2/2015 ONCOLOGIA NA RAM - RELATÓRIO INFOGRÁFICO 1. CARACTERIZAÇÃO DA MORTALIDADE 1.1 Principais causas de morte, 2010-2013, RAM 1.2 Taxa de mortalidade padronizada (/100.000 hab), Região (RAM, RAA e Portugal), 2009 a 2012 Fonte: Estatísticas da Saúde,

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada Imagem 01. Ultrassonografia Cervical (região de espaço carotídeo direito) Imagem 02. Ultrassonografia Cervical com Doppler (região de espaço

Leia mais

17-06-2016 1/2 Info Saude

17-06-2016 1/2 Info Saude 17-06-2016 1/2 Info Saude Cancro do fígado O cancro do fígado, também denominado carcinoma hepatocelular, é um dos tumores mais frequentes no mundo, com aproximadamente 1 milhão de novos casos registados

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo TMO em Anemia Falciforme O objetivo do TMO na anemia falciforme: Eliminar

Leia mais

III Curso de Sinalização Celular no Câncer

III Curso de Sinalização Celular no Câncer III Curso de Sinalização Celular no Câncer AbordagensImunoterapêuticas Para Câncer Maria Aparecida Lima da Silva, PhD Lab. Sinalização e Plasticidade Celular-UFRGS Centro de Tecnologia e Terapia Celular

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar CP não-operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar CP não-operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar CP não-operado Versão eletrônica atualizada em Julho 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES

USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES A CATEGORIA 3 FOI CRIADA PARA SITUAÇÕES ESPECÍFICAS DE LESÕES QUE APRESENTAM MENOS QUE 2% DE CHANCE

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC

Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC Gaudencio Barbosa R3CCP HUWC Pacientes com carcinoma de celulas escamosas (CEC) comumente se apresentam com massa cervical O primario geralmente é revelado após avaliação clínica O primário pode ser desconhecido

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Câncer de Testículo Não Seminomatoso

Câncer de Testículo Não Seminomatoso Câncer de Testículo Não Seminomatoso Estágio Clínico II Estado da Arte Fabio Kater Centro Paulista de Oncologia / Hospital Nove de Julho Introdução Incidência maior que no começo do século passado Idade

Leia mais

TERAPIAS UTILIZADAS EM PACIENTES DIAGNOSTICADAS COM CÂNCER DE MAMA EM UMA CIDADE DO SUL DE MINAS GERAIS

TERAPIAS UTILIZADAS EM PACIENTES DIAGNOSTICADAS COM CÂNCER DE MAMA EM UMA CIDADE DO SUL DE MINAS GERAIS TERAPIAS UTILIZADAS EM PACIENTES DIAGNOSTICADAS COM CÂNCER DE MAMA EM UMA CIDADE DO SUL DE MINAS GERAIS 1. Acadêmicas de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano. 2. Docentes da Universidade José

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

PROJETO DE HUMANIZAÇÃO DO PARTO EM CAMPINA GRANDE - PB: RESULTADOS MATERNOS

PROJETO DE HUMANIZAÇÃO DO PARTO EM CAMPINA GRANDE - PB: RESULTADOS MATERNOS XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno - ENAM Universidade Federal de Campina Grande UFCG Instituto de Saúde Elpídio de Almeida ISEA PROJETO DE HUMANIZAÇÃO DO PARTO EM CAMPINA GRANDE - PB: RESULTADOS

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Sarcomas em Cabeça e Pescoço

Sarcomas em Cabeça e Pescoço Residência de Cirurgia de Cabeça e Dr. Wendell Leite Introdução - São neoplasias raras de origem mesodérmica -Sua incidência anual nos E.U.A é menor que 10.000/ano -15% dos casos ocorrem na região da CP

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Jéssica Stacciarini Liga de diabetes 15/04/2015 Benefícios do exercício físico em relação ao diabetes mellitus:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Versão eletrônica atualizada em Julho 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

Radioterapia Hipofracionada no Câncer de Mama Pode Ser Utilizada em Todas as Pacientes? Eduardo Martella

Radioterapia Hipofracionada no Câncer de Mama Pode Ser Utilizada em Todas as Pacientes? Eduardo Martella Radioterapia Hipofracionada no Câncer de Mama Pode Ser Utilizada em Todas as Pacientes? Eduardo Martella NÃO Fatores de Risco para RL Fator prognóstico Efeito Suporte Comentário Idade Jovens RL Múltiplos

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

Sarah Barros Leal Radioterapeuta

Sarah Barros Leal Radioterapeuta Sarah Barros Leal Radioterapeuta Sem conflito de interesse CRONOGRAMA DA AULA 1. Vírus 2. Infecção 3. Tipos de câncer mais relacionados 4. Vacina 1 Conhecendo o vírus... HPV: Papilomavírus humano Infecta

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

Não há conflito de interesses

Não há conflito de interesses Dr. Ricardo Sales dos Santos Médico UFBA, Salvador Cirurgia Geral e Torax UNICAMP, Campinas Minimally Invasive Surgery UPMC, Pittsburgh Lung Transplantation UPMC, Pittsburgh MIS Instructor & Robotic Surgery

Leia mais

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni Especialista em Enfermagem Oncológica- Hospital Erasto Gaertner Mestrando em Distúrbios da Comunicação UTP Coordenador do Serviço de Oncologia - Hospital

Leia mais

Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt

Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt Transições familiares Processos biológicos X psicológicos adaptativos Bárbara Figueiredo bbfi@psi.uminho.pt Background: Processos biológicos e psicológicos (comportamentos, emoções e representações) colaboram

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

RADIOTERAPIA. (Tumores de Pulmão) Mauro Cabral de Rosalmeida

RADIOTERAPIA. (Tumores de Pulmão) Mauro Cabral de Rosalmeida RADIOTERAPIA (Tumores de Pulmão) Mauro Cabral de Rosalmeida Índice Terapêutico Positivo X Wilhelm Konrad Röentgen Raios-X Radiologia 1895 Teleterapia: 1897 Evolução Tecnológica da Radioterapia 1897 1951

Leia mais

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Clarissa Biehl Printes (Ph.D.) cbprintes.isce@gmail.com Porto Alegre, 2015 Introdução A literatura descreve que 70 a 85% da população

Leia mais

História natural de carcinoma lobular x ductal

História natural de carcinoma lobular x ductal Filomena Marino Carvalho filomena@usp.br História natural de carcinoma lobular x ductal 1 Classificaçãohistológicados tumores de mama Carcinoma invasivo de tipo não especial (ductal invasivo) Subtipos

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina

Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina Pesquisa com células tronco para tratamento de doenças da retina O Setor de Retina da Divisão de Oftalmologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP(HCRP-FMRP-USP) está

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA (Actualização limitada do texto em Março de 2009) M. Babjuk, W. Oosterlinck, R. Sylvester, E. Kaasinen, A. Böhle, J. Palou Introdução Eur Urol 2002;41(2):105-12

Leia mais

O que é câncer de pele? Incidência. Fatores de Risco

O que é câncer de pele? Incidência. Fatores de Risco Câncer de Pele O que é câncer de pele? Como a pele é um órgão heterogêneo, esse tipo de câncer pode apresentar neoplasias de diferentes linhagens. As mais frequentes são o carcinoma basocelular, o carcinoma

Leia mais