Hipofracionamento em câncer de mama:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hipofracionamento em câncer de mama:"

Transcrição

1 Hipofracionamento em câncer de mama: resultados de um estudo piloto BORGES, Allisson B. B. ANGOTTI, Clarissa C. R. ALMEIDA, Cristiane M AGUILAR, P. B. STUART, Silvia R. CARVALHO, Heloisa A. Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Divisão de Oncologia Serviço de Radioterapia

2 Introdução Radioterapia adjuvante pós cirurgia conservadora de mama (CC) - Reduz risco recorrência local (Veronesi, 1993) - Reduz a incidência idê i de mastectomia t (Forrest, 1996) 30 % das mulheres submetidas a CC nos EUA, não realizam RT adjuvante devido aos custos e às inconveniências do tratamento (Virning, 2007)

3 Introdução Filas de espera nos serviços públicos de radioterapia são uma realidade. (2010)

4 Introdução Fracionamento convencional 50Gy/ 50,4 Gy em 25 / 28 frações (Fisher, 2002) Modelos radiobiológicos: esquemas hipofracionados (40 a 44 Gy) podem ser efetivos (Fowler, 1989) Doses maiores por fação fração aumento da toxicidade?

5 Introdução RT hipofracionada i em câncer de mama Estudos fase III START A (Owen, Lancet Oncol 2006) START B (Yarnold, RO 2005) Canadá (Whelan, JNCI 2005; NEJM 2010) Hipofracionamento vs Convencional (25 x 2 Gy) Controle local l e sobrevida Equivalentes (Efeitos tardios)

6 Introdução Guidelines ASTRO anos pt1-2 2N0 e cirurgia i conservadora Sem quimioterapia Planejamento: ± 7% homogeneidade (sem correção de heterogeneidades, como em 2D) Smith et al, IJROBP 2010 (no prelo)

7 Objetivo Avaliar a toxicidade aguda de um esquema hipofracionado de radioterapia para câncer de mama.

8 Pacientes e Métodos Protocolo HC-FMUSP 17 x 250 cgy 4250 cgy 3,3 sem BED Gy10 = 44,3 BED Gy3 =468 46,8

9 Pacientes e Métodos Critérios de inclusão Cirurgia conservadora ou mastectomia Semindicação de RT em drenagens linfáticas Preferencialmente > 50 anos ( Boost : margens < 1cm e/ou 50 anos)

10 Pacientes e Métodos Critérios de exclusão Expansor ou prótese Doença do tecido conectivo RT em mamas / leito cirúrgico bilateral Pacientes sem condições de seguimento Mamas grandes : PTV > 1000 cc ou DAL > 20 cm (Rosalmeida et al, 2009)

11 Pacientes e Métodos Toxicidade aguda RTOG Toxicidade Grau 1 Grau 2 Grau 3 Grau 4 Pele Eritema leve, descamação seca, alopecia, sudorese diminuída. Eritema moderado, descamação úmida em placas, edema moderado. Descamação úmida confluente, exceto dobras de pele, edema acentuado. Ulceração, hemorragia, necrose. Hematológica Leucócitos (x 10 3 ) Plaquetas (x 10 3 /mm3) Neutrófilos (x 10 3 ) Hemoglobina (g%) Hematócrito (%) 3,0 a < 4,0 75 a < 100 1,3 a < 1,9 11 a 9,5 28 a < 32 2,0 a < 3,0 50 a < 73 1,0 a < 1,5 < 9,5 a 7,5 < 28 1,0 a < 2,0 25 a < 50 0,5 a < 1,0 < 7,5 a 5,0 Transfusão necessária < 1,0 < 25 ou hemorragia espontânea < 0,5 ou sepse

12 Resultados Casuística Mai/2009 Jul/ pacientes 35 pacientes: 3 meses de seguimento Idade mediana: 63 anos (41 82a) PSK > 80%

13 Resultados Casuística Histologia Outros: 6 CDI: 27 CDIS:

14 Resultados Casuística Tipo de Cirurgia Conservadora: 31 (88,57%) Mastectomia: 4 (11,43%) RE/RP : 83% Her-2 : 2 Quimioterapia: 9 (25,71%) Boost : 15 (42,9%)

15 Resultados Toxicidade Aguda Hematológica: Radiodermite G0: 12 (34,3%) 3%) G1: 12 (34,3%) G2: 8 (22,8%) G3: 2 (5,7%) G4: 1 (2,8%) 68,6% 8,5 %

16 Resultados Pré e Pós Dia do planejamento Pós RT hipofracionada

17 Resultados Pré e Pós No dia do planejamento Pós RT hipofracionada

18 Discussão Seleção de pacientes Bom prognóstico Efeitos agudos (Botti et al, 2009) Cerca de 15 dias após o término RT Efeitos tardios (Whelan et al, 2010) Quem são os 10 a 20% com efeitos tardios Q indesejáveis?

19 Discussão EQD2 para 50Gy, 2Gy/d, 5x/sem Esquema BED 10Gy BED 3Gy 45 Gy y( (25 x 1,8 Gy) 44,3 43,2 50,4 Gy (28 x 1,8 Gy) 49,6 48,4 40 Gy (15 x 2,67 Gy) 3 sem 42,3 45,4 42,5 Gy (17 x 2,5 Gy) 3,3 sem 44,3 46,8 42,5 Gy (16 x 2,67 Gy) 3,5 sem 45,7 48,4

20 Discussão Esquema de tratamento dose/dia 2Gy vs 2,67Gy (START B/Canadá): 30% 1,8Gy vs 2Gy (HC vs Controle): 10% 1,8Gy vs 2,5Gy (HC vs Esquema proposto): p 38% Minimizar efeitos colaterais indesejáveis ou inesperados

21 Discussão Esquema de tratamento Protocolo HC-FMUSP BED Gy10 = 44,3 BED Gy3 = 46,8 Dose/fração maior Dose total t menor Tumor x Tec. Normal Impacto na demanda reprimida? Quem não entrou no protocolo? RT em drenagens linfáticas RT metástases

22 Conclusões Até o momento a tolerância do esquema proposto têm-se mostrado satisfatória, e vai de encontro com os principais trabalhos publicados. A continuidade id d deste estudo nos permitirá melhor avaliar os efeitos agudos e tardios, bem como as taxas de controle o local a longo prazo. pao

23

O estado da arte da braquiterapia de mama. Camila Zerbini Residente 3º ano

O estado da arte da braquiterapia de mama. Camila Zerbini Residente 3º ano O estado da arte da braquiterapia de mama Camila Zerbini Residente 3º ano Histórico Tumores iniciais de mama Cirurgia conservadora Irradiação de toda a mama (ITM) Early Breast Cancer Trialists Collaborative

Leia mais

O Papel da Radioterapia no Contexto da Quimioterapia Neoadjuvante do Câncer de Mama. Osmar Barbosa Neto

O Papel da Radioterapia no Contexto da Quimioterapia Neoadjuvante do Câncer de Mama. Osmar Barbosa Neto O Papel da Radioterapia no Contexto da Quimioterapia Neoadjuvante do Câncer de Mama Osmar Barbosa Neto Objetivos do Tratamento Controle da Doença Locorregional + rradicação de Metástases Sistêmicas Oculta

Leia mais

Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt

Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt Cenário Busca pela diminuição do tempo da Radioterapia adjuvante Aumento da conveniência do tratamento Sem comprometimento dos resultados clínicos

Leia mais

Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃO. Robson Ferrigno

Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃO. Robson Ferrigno Hipofracionamento de dose pode ser considerado tratamento padrão para todas as pacientes? NÃ Robson Ferrigno Estudos fase III Estudo N Período Esquema Seguimento Publicação CNDENSE 1224 1993 1996 16 x

Leia mais

USO DA ALOE VERA NA PROFILAXIA DAS RADIODERMITES EM PACIENTES PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À CIRURGIA E TRATADAS COM RADIOTERAPIA ADJUVANTE

USO DA ALOE VERA NA PROFILAXIA DAS RADIODERMITES EM PACIENTES PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À CIRURGIA E TRATADAS COM RADIOTERAPIA ADJUVANTE USO DA ALOE VERA NA PROFILAXIA DAS RADIODERMITES EM PACIENTES PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À CIRURGIA E TRATADAS COM RADIOTERAPIA ADJUVANTE Orientado por: Prof. Dr. Fernando Augusto Soares Prof.

Leia mais

Braquiterapia Guiada por Imagem: Ponto de vista do radioterapeuta

Braquiterapia Guiada por Imagem: Ponto de vista do radioterapeuta Braquiterapia Guiada por Imagem: Ponto de vista do radioterapeuta Heloisa de Andrade Carvalho heloisa.carvalho@hc.fm.usp.br heloisa.carvalho@hsl.org.br Tumores ginecológicos Colo Incidência câncer colo

Leia mais

Benefício da radioterapia neoadjuvante na sobrevida de pacientes com câncer de mama localmente avançado

Benefício da radioterapia neoadjuvante na sobrevida de pacientes com câncer de mama localmente avançado Benefício da radioterapia neoadjuvante na sobrevida de pacientes com câncer de mama localmente avançado Igor Martinez Bruna Villani Daniel Przybysz Marlison Caldas Celia Viegas Carlos Manoel Lilian Faroni

Leia mais

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP Introdução EUA (2014): 6º mais comum 75.000 casos novos; 15.600 mortes. Brasil (2014): 9940 casos

Leia mais

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014.

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014. 1 Braquiterapia de Alta Taxa de Dose em tumores de pele não melanoma: Experiência do setor de Radioterapia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia. ROSEANE E. M SILVA; EURÍPEDES.

Leia mais

Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama

Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama Radioterapia Unidade Brasília Enfª Roberta Fiuza Nas últimas décadas têm ocorrido em todo o mundo aumento significativo da incidência do câncer de mama.

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ

Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ Jessé Marcos de Oliveira - Acadêmico 5º Período UFSJ Tumores primários SNC 2% das neoplasias; 1ª -infância e 2ª -adultos jovens masculino; Os gliomassão os tumores primários mais frequentes; Nos EUA diagnosticados

Leia mais

Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia?

Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia? Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia? Autores Alice de Campos Ana Carolina Rezende Icaro T. Carvalho Heloisa A. Carvalho Alice de Campos Residente HCFMUSP INTRODUÇÃO Urgências em

Leia mais

Como eu faço. Aspectos práticos da braquiterapia de próstata com baixa taxa de dose. HSL - Jun/98 a Março/ casos. Paula P. Rodrigues Ferreira

Como eu faço. Aspectos práticos da braquiterapia de próstata com baixa taxa de dose. HSL - Jun/98 a Março/ casos. Paula P. Rodrigues Ferreira Como eu faço Aspectos práticos da braquiterapia de próstata com baixa taxa de dose HSL - Jun/98 a Março/14 985 casos Paula P. Rodrigues Ferreira R3 Hospital Sírio-Libanês paulapratti@hotmail.com Por que

Leia mais

Talita Lozano Vanzelli Carmo

Talita Lozano Vanzelli Carmo Talita Lozano Vanzelli Carmo talivanzelli@hotmail.com Convidada Mesa Redonda x Reações de Pele Hospital do Câncer de Barretos Missão: Promover saúde através de atendimento médico hospitalar qualificado

Leia mais

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses

Sobrevida Mediana Classe I: 7,1 meses Classe II: 4,2 meses Classe III: 2,3 meses Tratamento das Metástases Cerebrais Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Tratar ou Não Tratar? Piora do prognóstico Déficits neurológicos

Leia mais

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA PARA O TRATAMENTO DE ESTÁDIOS INICIAIS

Leia mais

Módulo Doença avançada

Módulo Doença avançada Módulo Doença avançada Radioterapia de SNC no Câncer de pulmão: Up date 2013 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais Câncer mais freqüente do SNC 1/3

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: MASTOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP Operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

30/05/2016. Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante?

30/05/2016. Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Estamos num momento de quebra de paradigmas? José

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Versão eletrônica atualizada em Julho de 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

Qual o melhor tratamento? A favor da radioterapia Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia Meningiomas do seio cavernoso Possibilidades

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA Dr. Markus Gifoni Oncologista Clínico Instituto do Câncer do Ceará Fortaleza 01/06/2013 Informações

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO Pollyanna d Ávila Leite Thiago Jardim Arruda Maria Carolina Silva Thaís Nogueira Souza Felipe Erlich Célia Pais Viegas

Leia mais

LIGA NORTE-RIOGRANDENSE CONTRA O CÂNCER SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA

LIGA NORTE-RIOGRANDENSE CONTRA O CÂNCER SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA LIGA NORTE-RIOGRANDENSE CONTRA O CÂNCER SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de reto e canal anal. Alfrêdo Walburgo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Linfoma em gatos (sinônimos) Linfoma Século XXI

Leia mais

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata JUMARA MARTINS R3 RADIOTERAPIA/ 2013 FCM- UNICAMP Anatomia Classificação

Leia mais

Estado atual da quimioterapia de indução seguida de radioquimioterapianos tumores de cabeça e pescoço

Estado atual da quimioterapia de indução seguida de radioquimioterapianos tumores de cabeça e pescoço Estado atual da quimioterapia de indução seguida de radioquimioterapianos tumores de cabeça e pescoço Juliana Karassawa R3 Radioterapia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Divisão de Oncologia

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC alto grau Versão eletrônica atualizada em Julho 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

O que há de verdade sobre os efeitos deletérios da radioterapia para o cérebro todo?

O que há de verdade sobre os efeitos deletérios da radioterapia para o cérebro todo? O que há de verdade sobre os efeitos deletérios da radioterapia para o cérebro todo? Rodrigo Hanriot Radioterapeuta Hospital Israelita Albert Einstein Radioterapeuta Hospital Alemao Oswaldo Cruz Tumor

Leia mais

RECORRÊNCIA LOCORREGIONAL E CIRURGIA DE SALVAMENTO

RECORRÊNCIA LOCORREGIONAL E CIRURGIA DE SALVAMENTO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR RECORRÊNCIA LOCORREGIONAL E CIRURGIA DE SALVAMENTO Painel de Especialistas em Radioterapia Grupo de Trabalho de Mama: Beryl McCormick, Médico

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Modelo de Bula ao Paciente RDC 47/09

Modelo de Bula ao Paciente RDC 47/09 ATRED pemetrexede dissódico Pó liófilo solução injetável 100 mg ou 500 mg APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo pemetrexede dissódico 2,5 hidratado equivalente a 100 mg de pemetrexede

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

- Papel da Quimioterapia Neo e

- Papel da Quimioterapia Neo e Carcinoma Urotelial de Bexiga: Tratamento Sistêmico na Doença Músculo-Invasiva - Papel da Quimioterapia Neo e Adjuvante Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Prof. Medicina Interna Univ. Católica de Brasília

Leia mais

A BRAQUITERAPIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA: QUAIS AS PRINCIPAIS VANTAGENS?

A BRAQUITERAPIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA: QUAIS AS PRINCIPAIS VANTAGENS? A BRAQUITERAPIA NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA: QUAIS AS PRINCIPAIS VANTAGENS? Maria Aparecida da Silva Melo (1); Carmem Maria Maracajá Coutinho (1); Orientadora Jeane Karla de Mendonça Mota (2) Faculdade

Leia mais

MOREIRA, LLR; MENDES, MCR; NAJAS, RMXF; SANTOS, EM; AZEVEDO, DB; BEZERRA, AP; LIGUORI, AAL. Liga Norte Riograndense Contra o Câncer.

MOREIRA, LLR; MENDES, MCR; NAJAS, RMXF; SANTOS, EM; AZEVEDO, DB; BEZERRA, AP; LIGUORI, AAL. Liga Norte Riograndense Contra o Câncer. MOREIRA, LLR; MENDES, MCR; NAJAS, RMXF; SANTOS, EM; AZEVEDO, DB; BEZERRA, AP; LIGUORI, AAL. Liga Norte Riograndense Contra o Câncer. INTRODUÇÃO 2ª neoplasia mulheres brasileiras 15.540 novos casos(2012)

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

Radioterapia para Metástases em Coluna Eduardo Weltman Hospital Israelita Albert Einstein Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Radioterapia para Metástases em Coluna Aspectos Clínicos Indicações

Leia mais

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho TUMOR DO TESTÍCULO 10 / 100 000 homens entre os 20 e os 54 anos aumento da incidência nas últimas décadas Neoplasia sólida mais comum nos homens entre os

Leia mais

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO INTRAVENOSA

EXCLUSIVAMENTE PARA ADMINISTRAÇÃO INTRAVENOSA CDS22MAR13 ALIMTA pemetrexede dissódico D.C.B. 06898 APRESENTAÇÕES ALIMTA é apresentado na forma de pó estéril liofilizado para uso intravenoso, em frascos de vidro incolor tipo I, contendo pemetrexede

Leia mais

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Rafael Kaliks Oncologia Hospital Albert Einstein Diretor Científico Instituto Oncoguia rkaliks@gmail.com Risco hereditário:

Leia mais

X Encontro de Técnicos em Radioterapia. Toxicidade aguda da radioterapia: quais os principais sinais e sintomas Dra.

X Encontro de Técnicos em Radioterapia. Toxicidade aguda da radioterapia: quais os principais sinais e sintomas Dra. X Encontro de Técnicos em Radioterapia Toxicidade aguda da radioterapia: quais os principais sinais e sintomas Dra. Larissa Amadei Hospital do Cancer Haroldo Juaçaba Unidade Sobral Conflito de Interesses

Leia mais

O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA

O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA Rita Lucas 2, Luis Duarte Silva 3, Mónica Coutinho 1, José Carlos Marques 1 1 Serviço de Radiologia

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Sarcoma de partes moles com linfonodos negativos: revisão bibliográfica associada a relato de caso

Sarcoma de partes moles com linfonodos negativos: revisão bibliográfica associada a relato de caso Sarcoma de partes moles com linfonodos negativos: revisão bibliográfica associada a relato de caso CARDOSO, Victor Caldeira. Discente do Curso de Graduação em Medicina. RIBEIRO, Flávio Antônio de Sá. Docente

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Hospital Santa Isabel 22.900m² de área construída. N total de leitos: 250. 20 leitos provisórios

Leia mais

Radioterapia em neoplasia de vagina: comparação entre técnicas convencional, conformacional, IMRT e RAPID ARC

Radioterapia em neoplasia de vagina: comparação entre técnicas convencional, conformacional, IMRT e RAPID ARC Radioterapia em neoplasia de vagina: comparação entre técnicas convencional, conformacional, IMRT e RAPID ARC Anna Myrian Lannes Vieira, Guilherme Bittencourt, Rosamaria Cugula Ventura, Rafael Daher Carvalho,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar CP não-operado Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal.

Câncer de próstata. Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal. Câncer de próstata Câncer de próstata localmente avançado Resultados do tratamento com radioterapia e supressão hormonal Robson Ferrigno RT + HT Bloqueio hormonal isolado: sem intuito curativo Associado

Leia mais

1- Noções básicas de radioterapia e suas aplicações: 2- A importância da radioterapia em tumores digestivos, particularmente nos tumores do recto.

1- Noções básicas de radioterapia e suas aplicações: 2- A importância da radioterapia em tumores digestivos, particularmente nos tumores do recto. Anotadas do 5º Ano 2007/08 Data: 27/11/2008 Disciplina: Cirurgia II Prof.: Dra. Isabel Monteiro Grillo Tema da Aula Teórica: Radioterapia aplicada à Oncologia Digestiva Autores: Catarina Santos Equipa

Leia mais

Geth Reunião Científica. Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP

Geth Reunião Científica. Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP Geth Reunião Científica Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP Objetivos Orientação da paciente da paciente com teste positivo Orientação da prole de pacientes com

Leia mais

Qual a importância. definição do tipo histológico Carcinoma. vs Adenocarcinoma de

Qual a importância. definição do tipo histológico Carcinoma. vs Adenocarcinoma de Qual a importância clínica na definição do tipo histológico Carcinoma Escamocelular (CEC) vs Adenocarcinoma de esôfago? Qual a importância clínica na definição i do tipo histológico i CEC vs Adenocarcinoma

Leia mais

Pemeker pemetrexede dissódico hemipentaidratado

Pemeker pemetrexede dissódico hemipentaidratado Pemeker pemetrexede dissódico hemipentaidratado APRESENTAÇÕES 1 frasco-ampola com 500 mg FORMA FARMACÊUTICA Pó Liófilo para solução injetável USO INTRAVENOSO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Pemeker 500 mg: Cada

Leia mais

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS

RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS III ENCONTRO DE RESIDENTES DA SBRT 2012 RADIOTERAPIA HIPOFRACIONADA EM MAMA: INDICAÇÕES E RESULTADOS VINICIUS T. MOSCHINI DA SILVA Residente de Radioterapia HSPE/IAMSPE -SP Introdução O câncer de mama:

Leia mais

NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA)

NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA) NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA) ANDERSON ARANTES SILVESTRINI Oncologista clínico - Diretor técnico Grupo Acreditar

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão

Posicionamento, Imobilização e. Técnica de Tratamento nos Tumores. do Pulmão Posicionamento, Imobilização e Técnica de Tratamento nos Tumores do Pulmão INTRODUÇÃO Tumores malignos que ocorrem no Tórax. Carcinoma de Esôfago, Timoma, Tumores de células germinativas, Doenças Metastáticas,

Leia mais

Câncer de Bexiga Musculo Invasivo. Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo

Câncer de Bexiga Musculo Invasivo. Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo Câncer de Bexiga Musculo Invasivo Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo Epidemiologia 9º câncer mais comum no mundo Média de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2016

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2016 Procedimento Investigatório Criminal nº 1.30.002.000194/2015-23 RECOMENDAÇÃO Nº 01/2016 Ao: Ministério da Saúde O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no exercício de suas

Leia mais

DOU de 22/08/2007 seção 1. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 467, DE 20 DE AGOSTO DE 2007

DOU de 22/08/2007 seção 1. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 467, DE 20 DE AGOSTO DE 2007 DOU de 22/08/2007 seção 1 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 467, DE 20 DE AGOSTO DE 2007 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, considerando a constante

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE GEAMBERG MACÊDO ABRIL - 2006 INTRODUÇÃO Câncer de cabeça e pescoço : 6º lugar. 90% são

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

Câncer de Endométrio Hereditário

Câncer de Endométrio Hereditário Disciplina de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo Coordenador do Serviço de Cirurgia Oncológica I Disciplina Eletiva de Fundamentos da Cirurgia Oncológica Professor Afiliado Abner Jorge Jácome Barrozo

Leia mais

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA AGUDA EM GATOS Rafael

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER INSTITUTO CENTRAL Hospital das Clínicas da Faculdade da Medicina da Universidade de São Paulo Av. Enéas de Carvalho Aguiar n.º 255 CEP 05403-900 São Paulo Brasil ANEXO 1 ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA

Leia mais

Data: 20 a 23 de junho de 2012 Local: Expo Unimed - Curitiba (PR), Brasil Realização: Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT) RESUMOS

Data: 20 a 23 de junho de 2012 Local: Expo Unimed - Curitiba (PR), Brasil Realização: Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT) RESUMOS RESUMOS XIV Congresso da Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT) III Encontro de Residentes em Radioterapia da SBRT XII Jornada de Física Médica X Encontro de Enfermeiros Oncologistas em Radioterapia

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS RCBP e Vigilância de DCNT Ferramenta para vigilância e monitoramento das neoplasias

Leia mais

Casos Clínicos: câncer de mama

Casos Clínicos: câncer de mama Casos Clínicos: câncer de mama Coordenador: Eder Babygton Alves Clinirad Curitiba PR Comentários: Dr. Alvaro Martinez Oakland University William Beaumont School of Medicine Dr. Robert Kuske MD Scottsdale

Leia mais

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse Ygor Vieira de Oliveira Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS A Beneficência Portuguesa de São Paulo e a Casa de Portugal tem a mesma origem e cooperam entre si há mais de 80 anos.

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO DE MAMA CONFORMACIONAL 3D, FORWARD IMRT, IMRT HÍBRIDO DE CAMPOS TANGENTES E IMRT INVERSO

COMPARAÇÃO ENTRE TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO DE MAMA CONFORMACIONAL 3D, FORWARD IMRT, IMRT HÍBRIDO DE CAMPOS TANGENTES E IMRT INVERSO PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS FUNDAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO - FUNDAP COMPARAÇÃO ENTRE TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO DE MAMA

Leia mais

A avaliação na ponta dos dedos

A avaliação na ponta dos dedos Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular Hospital Pulido Valente CHLN Guideline NKF K/DOQUI: Definição do termo, em relação ao acesso vascular Monitorização Exame

Leia mais

Highlights Edição do 3. trimestre de Imagiologia por fluorescência

Highlights Edição do 3. trimestre de Imagiologia por fluorescência Highlights 2016 Edição do 3. trimestre de 2016 Imagiologia por fluorescência Fonte: Prof. Boni, University of Insubria, Varese, Itália (imagem endoscópica) Visualização do sistema linfático com ICG na

Leia mais

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso de carcinoma de células renais Lisboa 2015 PAPEL DOS MÉTODOS DE IMAGEM Diagnóstico Estadiamento

Leia mais

Valéria Mika Massunaga Enfermeira do setor da Radioterapia do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein

Valéria Mika Massunaga Enfermeira do setor da Radioterapia do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein Câncer de pulmão Valéria Mika Massunaga Enfermeira do setor da Radioterapia do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein QUIMIOTERAPIA Introdução O câncer de pulmão é um dos

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO HEPATITE B em portadores de IRC Prevalência de HBsAg (+) em pacientes

Leia mais

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico

Nivaldo Vieira. Oncologista Clínico Nivaldo Vieira Oncologista Clínico Câncer de Colo de Útero Terceira causa mais comum de câncer das mulheres Desenvolve-se a partir de lesões prémalignas Altamente prevenível Doença das regiões pobres do

Leia mais

Manejo da Doença Metastática em Coluna Indicações da radioterapia

Manejo da Doença Metastática em Coluna Indicações da radioterapia Manejo da Doença Metastática em Coluna Indicações da radioterapia Metástases Ósseas 40% dos pacientes com câncer podem desenvolver metástases na coluna vertebral (Wong, 1990) Até 20% dos pacientes com

Leia mais

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Alysson Zanatta Diretor de Comunicação, Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Doutor em Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade de São

Leia mais

Editorial EDITORIAL DO BOLETIM. Maria do Socorro Maciel Diretoria do Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo

Editorial EDITORIAL DO BOLETIM. Maria do Socorro Maciel Diretoria do Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo B o l e t i m d a 7220994390-DR/SPM Soc. Bras. de Mastologia FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT A N O X V - N º 9 7 - J A N E I R O 2 0 1 2 Editorial EDITORIAL DO BOLETIM Maria do Socorro Maciel

Leia mais

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia N i i l d d d b d Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia Câncer de próstata :malignidade mais diagnosticada em homens Incontinência urinária afeta diretamente qualidade de vida Cirurgia:

Leia mais