SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME"

Transcrição

1 Introdução SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Wagner Iared; José Eduardo Mourão; David C. Shigueoka A ultrassonografia é provavelmente o método de imagem mais frequentemente solicitado para a avaliação dos órgãos parenquimatosos do abdome. Isso porque a US é amplamente disponível, seu custo é relativamente mais baixo que outros métodos de imagem, além de apresentar algumas vantagens intrínsecas do método. É o único método de imagem realizado em tempo real. Permite a formação das imagens em múltiplos planos. Precisa do contato direto com o paciente, facilitando a obtenção de dados clínicos. É um exame dinâmico, onde se pode explorar a gravidade, a compressibilidade de estruturas. Permite avaliar o peristaltismo de alças intestinais. E, com o Doppler, avaliar o fluxo sanguíneo. É ideal que o paciente realize um preparo para otimizar o exame. O preparo é dispensado em situações de urgência. Recomenda-se um jejum de 8 horas a fim de obter repleção da vesícula biliar e minimizar a quantidade de gases intestinais. Há outros protocolos de preparo que preconizam o uso de laxantes e medicamentos antifiséticos como a dimeticona. A experiência mostrou que os laxantes podem promover efeito oposto, aumentando a quantidade de gases. A dimeticona pode ser desejável em diversas situações, como pacientes que persistem com muitos gases apesar do jejum e para melhor avaliação das artérias renais e vasos mesentéricos. O exame pode ser completamente realizado com o transdutor convexo, com freqüências de 2 a 5 MHz. Para avaliações específicas, por exemplo, avaliação do apêndice cecal, alças intestinais, enxerto renal e em pediatria, o uso do transdutor linear, com freqüências iguais ou superiores a 7 MHz pode ser de valioso auxílio. Devemos selecionar o preset mais adequado, o ganho e a curva de ganho, o foco e a profundidade ideal para cada região ou estrutura anatômica estudada. A ultrassonografia do abdome total inclui o fígado, a vesícula e vias biliares, o pâncreas, baço, rins, aorta abdominal e retroperitônio e a bexiga. Também deve ser realizada a pesquisa de líquido na cavidade abdominal. Alguns protocolos incluem a pelve, avaliando também a próstata e vesículas seminais em homens e ou útero e anexos em mulheres. No nosso serviço realizamos o estudo destes órgãos quando solicitado em separado. Quando se sistematiza um exame, minimiza-se a probabilidade de erro. Segue uma recomendação de sistematização do exame, iniciando-se pelo fígado e terminando na bexiga. A primeira coisa a fazer é ler completamente o pedido médico antes de qualquer contato com o paciente. Além de evitar a possibilidade de se realizar um exame diferente do indicado pelo colega solicitante, muitas vezes há dados clínicos relevantes ou hipóteses diagnósticas que indiquem a modificação do protocolo de rotina do exame.

2 Avaliação do fígado Inicia-se o exame com o paciente em decúbito dorsal, aplica-se o gel na região do epigástrio e hipocôndrio direito, e posiciona-se o transdutor de modo a obter-se uma imagem transversal oblíqua do fígado, onde se pode observar a veia cava inferior e a confluência das veias hepáticas. Essa imagem deve ser documentada. Passa-se para o corte longitudinal do lobo direito, posicionando-se o transdutor com o marcador voltado cranialmente, posicionado entre a linha hemiclavicular e a linha axilar anterior. Deve-se medir o diâmetro longitudinal do lobo direito. Em seguida, ainda com o transdutor em posição longitudinal e com o marcador voltado cranialmente, obtêm-se a imagem do lobo esquerdo na altura do processo xifóide. Deve-se medir o diâmetro longitudinal do lobo esquerdo. Com a tela dividida, documentar a imagem do eixo longitudinal de cada lobo com as medidas. O fígado todo deve ser rastreado para a avaliação da forma, contornos, dimensões, ecogenicidade e ecotextura do parênquima e para a pesquisa de lesões focais. Lesões focais devem ser documentadas e mensuradas em ao menos dois planos, preferencialmente ortogonais. Enquanto avaliamos o fígado, também avaliamos as vias biliares intra-hepáticas e os vasos hepáticos e portais. Deve-se obter uma imagem do tronco da veia porta, com a medida de seu calibre no ponto em que penetra o parênquima hepático, preferencialmente com o paciente em decúbito dorsal e sem inspiração profunda. Deve-se documentar esta imagem. Alterações do ducto hepatocolédoco costumam ser bem observadas nesse plano de corte e a medida realizada no porta hepatis.

3 Avaliação da vesícula biliar É possível uma boa visualização da vesícula biliar com o paciente em decúbito dorsal na maioria dos pacientes. Mas para a avaliação completa da vesícula biliar é obrigatório que se obtenham imagens com o paciente em decúbito lateral esquerdo. Eventualmente manobras de decúbito mais acentuadas, em posição quase ventral, com movimentos rápidos, ou mesmo em posição sentada ou ortostática, podem ser necessárias para averiguar a mobilidade de conteúdos em seu lúmen. Devem ser realizadas varreduras no sentido longitudinal e transversal, avaliando-se desde o infundíbulo até o fundo para averiguação dos contornos, dimensões, espessura da parede, conteúdo e lesões parietais focais. Ao menos duas imagens devem ser obtidas para a documentação, preferencialmente um corte longitudinal e um corte ortogonal a este, passando pelo maior eixo da vesícula biliar. Avaliação do pâncreas A ultrassonografia pode fornecer informações muito importantes em várias doenças do pâncreas. Embora sua situação retroperitoneal posteriormente ao antro gástrico e colo transverso possa dificultar a avaliação em muitos pacientes, o preparo intestinal e a compressão gradual, com a ajuda de manobras respiratórias, permitem, na grande maioria das vezes, uma avaliação completa. Inicia-se o exame com o transdutor em posição transversal e o marcador voltado para a direita do paciente. Um reparo anatômico extremamente útil é a veia esplênica, quase sempre situada posteriormente ao pâncreas. A cabeça pancreática está intimamente relacionada à junção esplenomesentérica, que é a origem da veia porta. Abaixo desta junção podemos observar o processo uncinado. O corpo pancreático é facilmente reconhecido, em continuidade com a cabeça. É a cauda do pâncreas que muitas vezes não é visibilizada facilmente. Mas antes de desistir de avaliá-la, duas tentativas devem ser feitas. A primeira é a

4 aquisição de sua imagem posicionando-se o transdutor na linha axilar média esquerda, usando o baço como janela acústica. Outra é oferecer água para encher o estômago do paciente, o que pode fornecer uma excelente janela acústica em muitos pacientes. Limitações intransponíveis devem ser registradas no laudo. O pâncreas deve ser avaliado quanto à forma, contornos, dimensões, ecogenicidade, ecotextura e devem-se rastrear lesões focais. O ducto pancreático principal deve ser avaliado principalmente quanto ao seu calibre. Ao menos duas imagens do pâncreas devem ser documentadas. Uma transversal, preferencialmente com a cabeça, corpo e ao menos parte da cauda, e outra longitudinal, na altura da cabeça. Avaliação do baço Inicia-se com o transdutor em posição longitudinal e o marcador voltado cranialmente, posicionado na linha axilar anterior ou média. Geralmente é facilitado com uma inspiração profunda, mantida, pelo paciente. Obtém-se uma imagem longitudinal do baço, passando pelo hilo. Nessa imagem deve-se medir o eixo longitudinal e o eixo perpendicular a este na altura do hilo. A multiplicação dessas duas medidas, em centímetros, nos dá o índice esplênico ultrassonográfico, cujo valor normal é inferior ou igual a 60. Essa imagem deve ser documentada juntamente com uma imagem perpendicular à mesma. Fazem-se varreduras longitudinais e transversais e verifica-se a forma, contornos, dimensões, ecotextura e a presença de lesões focais. Avaliação dos rins O rim direito pode ser abordado na linha axilar anterior, em decúbito dorsal ou em algum ponto entre o decúbito dorsal e o lateral esquerdo, usando o fígado como janela

5 acústica. Ou via dorsal, com o paciente em decúbito lateral esquerdo. Geralmente a inspiração profunda do paciente ajuda na aquisição da imagem. Embora o rim esquerdo possa ser visibilizado em decúbito dorsal, geralmente alguma inclinação no sentido do decúbito lateral direito facilita a obtenção da imagem. Pode ser visibilizado através da linha axilar média, onde o baço pode funcionar como janela acústica, ou por via dorsal. Em muitos pacientes, principalmente quando não foi realizado preparo adequado, a única janela disponível para avaliar o rim esquerdo é a intercostal, prejudicando a obtenção de uma imagem longitudinal livre de sombras acústicas de costelas. Os rins são avaliados quanto à topografia, forma, contornos, dimensões, espessura do parênquima, ecogenicidade do parênquima que deve ser comparada com a do fígado diferenciação parenquimossinusal, diferenciação corticomedular quando as pirâmides são evidentes, quanto à presença de lesões focais no parênquima ou seio renal, dilatações do sistema coletor e quanto à presença de fatores obstrutivos ao sistema coletor, como cálculos. Devem ser documentadas ao menos duas imagens de cada rim. Uma longitudinal, onde consta a medida do eixo bipolar e da espessura do parênquima, e outra transversal, passando pelos maiores diâmetros transversal e anteroposterior, nas quais são incluídas as respectivas medidas. Avaliação do retroperitônio Algumas regiões do retroperitônio são visibilizadas com os órgãos que já mencionamos. Quando se aborda o rim direito ou o fígado, podemos surpreender uma lesão de suprarrenal direita. Da mesma forma, quando avaliamos o rim esquerdo ou o baço, podemos observar alterações da suprarrenal esquerda. Em exames de rotina, dispensa-se a documentação das suprarrenais. Avaliação específica desses órgãos deve ser realizada em casos com indicação clínica. A suprarrenal direita pode ser visibilizada junto ao pólo superior do rim direito, posteriormente à veia cava inferior. A suprarrenal esquerda geralmente situa-se medialmente ao terço médio do rim esquerdo e sua abordagem geralmente é melhor no plano transversal, com o transdutor posicionado na região epigástrica, direcionado posteriormente à esquerda, onde se visualiza a coluna lombar, a aorta e o rim esquerdo.

6 A aorta e a veia cava inferior devem ser avaliadas desde a transição toracoabdominal até a bifurcação das ilíacas. A varredura deve ser feita no plano transversal. Mas a documentação mínima é a da aorta abdominal no plano longitudinal. Alterações específicas, como trombos em veia cava inferior devem ser documentadas em ao menos dois planos, preferencialmente com o auxílio do mapeamento colorido com Doppler. Aneurismas da aorta abdominal devem ser documentados em mais imagens. Para aneurismas infrarrenais os mais frequentes, a documentação deve ser específica, incluindo a medida do colo (distância entre o início da dilatação e a emergência da artéria mesentérica superior), a extensão do aneurisma, e a medida dos maiores diâmetros no plano transversal. Durante a varredura do retroperitônio deve-se dar atenção a imagens que possam traduzir linfonodomegalias retroperitoneais, incluindo o retroperitoneo pélvico. Avaliação da bexiga A bexiga deve conter ao menos cerca de 250 ml para uma avaliação adequada em exames de rotina. Como preparo prévio, orienta-se a ingestão de água e não urinar antes da realização do exame, de forma que o paciente tenha a sensação de repleção vesical. O volume pode ser calculado através da obtenção dos três maiores diâmetros, em centímetros, que são multiplicados entre si e pela constante da elipsoide, 0,52. Devem ser realizadas varreduras no plano longitudinal e transversal. A medida da espessura da parede pode ser obtida na parede posterior, acima da área do trígono vesical. Durante a varredura da bexiga, devem ser pesquisados alterações e fatores obstrutivos nas porções distais dos ureteres. Avalia-se a forma, contornos, capacidade, espessura da parede, conteúdo e pesquisam-se lesões vegetantes em suas paredes. A documentação mínima são duas imagens, uma no plano longitudinal e outra no plano transversal, preferencialmente evidenciando os meatos ureterais.

7 Cavidade abdominal Devemos realizar um rastreamento da cavidade abdominal para avaliação de liquido peritoneal, principalmente no espaço hepatorrenal (de Morison) e fundo de saco. Uma avaliação sumária das alças intestinais é realizada de forma concomitante, com maior atenção caso o paciente apresente sintomas localizados. Da mesma forma podem ser avaliadas eventuais linfonodomegalias mesentéricas e outras lesões cavitárias. Documentação Um exame de ultrassonografia abdominal total normal deve conter ao menos 17 imagens que podem ser documentadas em 12 fotos fazendo a divisão da tela do US para algumas imagens. Há várias razões para que se realize uma documentação adequada do exame ultrassonográfico abdominal. Entre elas citamos: a documentação vai ajudá-lo no momento de escrever seu laudo; é uma evidência do que você observou e corrobora o relatório; mostra que você foi sistemático na avaliação daquele paciente; boas imagens são um cartão de visitas do profissional e do serviço de diagnósticos. Especial atenção na colocação das legendas ou marcadores de posição do transdutor ( body mark ), a fim de se evitar erros de lateralidade, assim como da identificação do paciente.

8 Referências: 1. Chammas, M.C.; Cerri, G.G. Ultra-sonografia abdominal, 2º ed. Revinter, Rio de Janeiro: Rumack, C.M. et al. Tratado de ultra-sonografia diagnóstica, 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro: Colégio Brasileiro de Radiologia. Normas básicas para inscrição no programa de qualidade em ultrassonografia geral. Disponível em Acessado em 21/08/ ACR AIUM practice guideline for the performance of an ultrasound examination of the abdomen and/or retroperitoneum.

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA 1 Sumário PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA... 4 Preâmbulo:... 4 Introdução... 4 Qualificações

Leia mais

I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL

I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL Ana Nunes* A ultra-sonografia do rim e aparelho urinário é um método importante na abordagem diagnóstica da

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ARTÉRIAS O suprimento arterial do abdome é todo proveniente da aorta, que torna-se aorta abdominal após passar pelo hiato aórtico do diafragma ao nível de T12, e termina dividindose

Leia mais

Anatomia do abdome superior DEPARTAMENTO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM(H.U. H.U.-UNOESTE) UNOESTE) DR.FÁBIO VINICIUS DAVOLI BIANCO ESTÔMAGO CÁRDIA FUNDO CORPO CANAL PILÓRICO Relações anatômicas Fundo hemicúpula

Leia mais

I. VESÍCULA E VIAS BILIARES

I. VESÍCULA E VIAS BILIARES Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 I. VESÍCULA E VIAS BILIARES Pedro Bastos* A patologia do sistema biliar é muito frequente na prática clínica. A avaliação de doentes com

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA

MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Liga Acadêmica de Radiologia MANUAL BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA 2013 Autores Ivan Barraviera Masselli

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

Preparo para os Exames de Ultrassonografia A ultrassonografia é um método alicerçado no fenômeno de interação de som e tecidos. A partir da transmissão de onda sonora de alta frequência (>20.000 Hz), observamos

Leia mais

Validação Revalidação

Validação Revalidação NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE QUALIDADE EM ULTRASSONOGRAFIA GERAL Validação Revalidação 1) Médico Responsável pelo Serviço Membro Titular do CBR. Título de Especialista em Diagnóstico por

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 Importância da Artéria Epigástrica Inferior Dr. Adriano Czapkowski Graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí Médico coordenador do curso de 2

Leia mais

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II

SEMIOLOGIA DO ABDOME. Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II SEMIOLOGIA DO ABDOME Prof. Semi Haurani Semiologia Médica II ABDOME ABDOME INSPEÇÃO PELE: CICATRIZES, ESTRIAS, VEIAS E LESÕES UMBIGO CONTORNO ABDOMINAL: FORMA, SIMETRIA, VOLUME, MASSAS E VÍSCERAS PERISTALSE

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza Protocolo abdome Profº Cláudio Souza Abdome Quando falamos em abdome dentro da tomografia computadorizada por uma questão de radioproteção e também financeira o exame é dividido em, abdome superior e inferior

Leia mais

RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS

RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS RIM E VIAS EXCRETORAS PROXIMAIS A exploração ecográfica do rim é essencial ao diagnóstico da maior parte da patologia do sistema genito-urinário. É um exame de primeira linha dado o seu carácter não-invasivo,

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço BAÇO

7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço BAÇO 7º Curso Teórico-Prático de Ultra-sonografia Clínica para Gastrenterologistas - Baço Anatomia BAÇO O baço é um órgão linfático encapsulado, ricamente vascularizado, que levanta algumas dificuldades ao

Leia mais

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS

PROTOCOLOS RAIO-X CONTRASTADOS Pg. Página 1 de 14 ÍNDICE PROTOCOLO DE ENEMA OPACO... 2 PROTOCOLO DE ESOFAGOGRAMA... 4 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO E DUODENO (EED)... 5 PROTOCOLO DE ESTUDO DE ESÔFAGO-ESTÔMAGO PÓS GASTROPLASTIA...

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

7º Curso Teórico-Prático de Ultrassonografia Clínica para Gastrenterologistas - Pâncreas PÂNCREAS

7º Curso Teórico-Prático de Ultrassonografia Clínica para Gastrenterologistas - Pâncreas PÂNCREAS Anatomia e Ecoanatomia PÂNCREAS Localização e meios de fixação O pâncreas é uma glândula volumosa anexa ao arco duodenal. Localiza-se transversalmente em frente dos grandes vasos e do rim esquerdo, desde

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

24/02/2016 EXPELIDA DO ORGANISMO RIM. Armazenam e conduzem a urina dos rins para o meio externo. Produzem Urina URETER BEXIGA URETRA

24/02/2016 EXPELIDA DO ORGANISMO RIM. Armazenam e conduzem a urina dos rins para o meio externo. Produzem Urina URETER BEXIGA URETRA Marcelo Marques Soares Prof. Didi ARMAZENAM URINA (BEXIGA) 1 2 3 5 6 7 8 PRODUZEM URINA (RINS) São órgãos pares, com cerca de 11,25cm de comprimento por 5 a 7,5cm de largura e 2,5cm de espessura 9 10 11

Leia mais

DE ALTA VELOCIDADE. Pedro Henrique B. de Vasconcellos Serviço o de Cirurgia Geral Hospital Cardoso Fontes

DE ALTA VELOCIDADE. Pedro Henrique B. de Vasconcellos Serviço o de Cirurgia Geral Hospital Cardoso Fontes DE ALTA VELOCIDADE Pedro Henrique B. de Vasconcellos Serviço o de Cirurgia Geral Hospital Cardoso Fontes Para entendermos o que ocorre nas lesões por PAF, precisamos estudar a Balística envolvida, o armamento

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA ABDOMINAL. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA ABDOMINAL Leonardo Oliveira Moura Trauma Abdominal Órgãos sólidos: Fígado, baço, pâncreas e rins Órgãos ocos: Esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, reto e bexiga Vasos calibrosos:

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS PEQUENOS ANIMAIS Professora: Juliana Peloi Vides O som é resultado da vibração, que provoca uma onda mecânica e longitudinal. Ela se propaga em todas as direções Hertz medida utilizada para medir o número

Leia mais

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA Introdução Pré-requisitos para um bom ultrassonografista Alto nível de destreza e coordenação olhos. de mãos e Conhecimento completo de anatomia, fisiologia

Leia mais

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS

MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ESÔFAGO, ESTÔMAGO E DUODENO NORMAIS MODELOS DE LAUDOS NORMAIS ABDOME - AP Estruturas ósseas visualizadas íntegras. Distribuição normal de gases e fezes pelas alças intestinais. Ausência de imagens radiológicas sugestivas de cálculos urinários

Leia mais

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências Sistema Urinário Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências O sistema urinário ANTONIA REEVE / SCIENCE PHOTO LIBRARY O rim foi o primeiro órgão vital a ser transplantado com sucesso em pessoas. Qual a função

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V.

ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V. Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 ÍNDICE AUTORES 2 PREFÁCIO 4 I.FÍSICA DOS ULTRA-SONS E ARTEFACTOS 5 II.FÍGADO 21 III.VESICULA E VIAS BILIARES 31 IV.PÂNCREAS 39 V.BAÇO 47

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2

O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2 O Nosso Corpo Volume XXVI Sistema circulatório Parte 2 um Guia de O Portal Saúde Dezembro 2010 / Janeiro 2011 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX

TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX TN, Emerson Siraqui TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO TÓRAX SCOUT Posição do paciente: paciente em DDH, com a cabeça para o gantry e os MMSS, elevados acima da cabeça. Radiografia digital em AP. Técnica: 100

Leia mais

Radiologia e Imagem Geral

Radiologia e Imagem Geral gehealthcare.com.br Soluções em Ultrassonografia GE Radiologia e Imagem Geral Equipamentos versáteis, para diversas aplicações e que atendem a diferentes etapas da vida. logiq C5 Premium Imagens excepcionais.

Leia mais

PREPAROS E ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES ULTRASSONOGRAFIAS

PREPAROS E ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES ULTRASSONOGRAFIAS PREPAROS E ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES ULTRASSONOGRAFIAS EXAMES QUE NECESSITAM BEBER ÁGUA ABDÔMEN TOTAL, PÉLVICA, TRANSVAGINAL COM JUV, PRÓSTATA- VIA ABDOMINAL, E TRANS RETAL, APARELHO URINÁRIO,

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta?

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Como as fezes são formadas? Como a urina é formada no nosso corpo? Sistema Cardiovascular Funções Gerais: Transporte de nutrientes,

Leia mais

Desenvolvimento Gastrointestinal. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo

Desenvolvimento Gastrointestinal. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo Desenvolvimento Gastrointestinal Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo As duas regiões onde o Ectoderma se funde com o Endoderma, excluindo o mesoderma,

Leia mais

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo

Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Programação Preliminar do 41 Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo, Coloproctologia e Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo Cirurgia do Esôfago Painel de perguntas e filmes cirúrgicos

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Sumário NORMAS OPERACIONAIS Atendimento ao Cliente Marcação de Exames Alteração no Programa de Atendimento Gestão de Demanda Admitida Ficha de Convênio Atendimento Prioritário

Leia mais

MEIOS DE CONTRASTE NA TC. Profº. Emerson Siraqui

MEIOS DE CONTRASTE NA TC. Profº. Emerson Siraqui MEIOS DE CONTRASTE NA TC Profº. Emerson Siraqui MEIOS DE CONTRASTE NA TC Em termos amplos, meios de contrastes radiológicos, são compostos que, uma vez dentro de estruturas orgânicas, conseguem dar as

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário ANATOMIA HUMANA II Educação Física Sistema Genito-urinário Prof. Me. Fabio Milioni Sistema Urinário Função Excretar substâncias do corpo urina (Micção) (ác. úrico, ureia, sódio, potássio, etc) Órgãos rins

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Sistema urinário. Sistema urinário. Rins localização. urinário

Sistema urinário. Sistema urinário. Rins localização. urinário Sistema urinário Sistema urinário urinário Rins remoção de produtos residuais, regula composição do plasma, função hormonal (renina, eritropoietina). Rins localização Ureteres -condução da urina Bexiga

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOMEN DE QUATIS (NASUA NASUA)

PADRONIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOMEN DE QUATIS (NASUA NASUA) PADRONIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOMEN DE QUATIS (NASUA NASUA) Rejane Guerra RIBEIRO 1, Naida Cristina BORGES 2, Juan Carlos Duque MORENO 3 Ana Paula Araújo COSTA 4, Nathália BRAGATO 5, Angela

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Ultra-sonografia. Notas de Aula

Ultra-sonografia. Notas de Aula Ultra-sonografia Notas de Aula Fev_2007 Ultra-sonografia Notas de Aula Sumário 1. NOTA DE AULA N.01 : FÍSICA DO ULTRA-SOM... 01 2. NOTA DE AULA N.02 : PLANOS E MÉTODOS DE EXAME, E ANATOMIA SECCIONAL...

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 1 de 9 1. TC TÓRAX INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 TODO O PARÊNQUIMA PULMONAR Incluir todas as últimas costelas se para dor torácica/trauma Opcional em doenças do esôfago VELOCIDADE

Leia mais

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso RAIOS-X AR Gordura Osso preto cinza branco Radiotransparente Radiopaco Imagens formadas pelas diferentes DENSIDADES radiográficas GÁS GORDURA TECIDOS MOLES/ ÁGUA OSSO Radiologia torácica Primeira opção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

Fases de contraste. Profº Claudio Souza

Fases de contraste. Profº Claudio Souza Fases de contraste Profº Claudio Souza Fases Com a administração de meios de contraste por via endovenosa dentro da tomografia computadorizada multislice, podemos obter um estudo do abdome em fases, essas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6

sondagem Friday, April 23, 2010 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Seja bem-vindo(a) ao e-learning Sondagem Nasoenteral! Page 1 of 6 Definição Sondagem Nasoenteral é a introdução através da cavidade nasal/oral de uma sonda de poliuretano ou outro material, posicionada

Leia mais

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL Investigação Imagens Anomalias obstrutivas do trato urinário Obstrução da junção ureteropélvica Obstrução

Leia mais

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 -

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito Dr. Lucas Torres Dra. Elisa Brentas Departamento de Diagnóstico por Imagem www.unifesp.br/ddi/abdome Métodos de Diagnóstico por Imagem

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO III ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO III ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO III ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 4. o ANO/EF - 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Pâncreas: Vascularização e Inervação

Pâncreas: Vascularização e Inervação Universidade de Rio Verde UniRV Faculdade de Medicina de Rio Verde Famerv Liga de Acadêmica de Anatomia Humana - LiAAna Pâncreas: Vascularização e Inervação Ligantes: Janayna Matumoto Mota Thiago Huei

Leia mais

DAIANNE CARNEIRO DE OLIVEIRA SANTOS ULTRASSONOGRAFIA ABDOMINAL DE GATOS PEDIÁTRICOS HÍGIDOS

DAIANNE CARNEIRO DE OLIVEIRA SANTOS ULTRASSONOGRAFIA ABDOMINAL DE GATOS PEDIÁTRICOS HÍGIDOS DAIANNE CARNEIRO DE OLIVEIRA SANTOS ULTRASSONOGRAFIA ABDOMINAL DE GATOS PEDIÁTRICOS HÍGIDOS LAVRAS-MG 2014 DAIANNE CARNEIRO DE OLIVEIRA SANTOS ULTRASSONOGRAFIA ABDOMINAL DE GATOS PEDIÁTRICOS HÍGIDOS Dissertação

Leia mais

Carestream PACS - Recurso 3D

Carestream PACS - Recurso 3D Carestream PACS Carestream PACS - Recurso 3D Agilize o fluxo de trabalho com a funcionalidade nativa 3D Uma eficiente nova dimensão no fluxo de trabalho, na produtividade e na confiança do diagnóstico

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

[ECOGRAFIA ABDOMINAL]

[ECOGRAFIA ABDOMINAL] 2013 Universidade de Évora Margarida Fragoso Costa [ECOGRAFIA ABDOMINAL] Texto de apoio às aulas práticas de Imagiologia do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora Índice 1. INTRODUÇÃO À

Leia mais

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS NEONATOLOGIA ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br VIAS AÉREAS e VENTILAÇÃO Intubação Traqueal Seqüência Intubação Traqueal Técnica de Intubação Oxigenação com ambu com O2

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONTRIBUIÇÃO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DE LITÍASES EM URETRA PENIANA EM UM SCHNAUZER: RELATO DE CASO NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 1, PATRÍCIA DE CASTRO STEHLING 2, PAULA LAISE RIBEIRO DE OLIVEIRA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais