Administration of Dispute Settlement Regimes in Free Trade Agreements. OEA/Puebla - Mexico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administration of Dispute Settlement Regimes in Free Trade Agreements. OEA/Puebla - Mexico"

Transcrição

1 Administration of Dispute Settlement Regimes in Free Trade Agreements OEA/Puebla - Mexico Effective administration of a team responsible for bringing and/or defending against claims. Practical Experiences Introduction. Brazil and the multilateral trading system. The Doha Round. The G-20. Brazil s participation in the Mercosul dispute settlement mechanism

2 Brazil s participation in the WTO dispute settlement mechanism AS COMPLAINANT: 1) Argentina - Salvaguardas Transitórias contra Têxteis (DS190) 2) Argentina Direitos Antidumping Definitivos sobre Frangos Provenientes do Brasil (DS241) 3) Canadá Medidas Relativas às Exportações de Aeronaves Civis (DS70) 4) Canadá Créditos à Exportação e Garantias de Empréstimos para Aeronaves Regionais (DS222) 5) Comunidades Européias Medidas relativas à Importação de Carne de Aves (DS69) 6) Comunidades Européias Medidas Relativas ao Tratamento Diferenciado e Favorável do Café (DS154) e Medidas Relativas a Café Solúvel (DS209) 7) Comunidades Européias Direitos Antidumping sobre Tubos e Conexões de Ferro Fundido Maleável (DS219) 8) Comunidades Européias Subsídios à Exportação de Açúcar (DS266) 9) Comunidades Européias Classificação Aduaneira do Frango Desossado Congelado (DS269) 10) Comunidades Européias Regime Europeu de Importação de Bananas (sem número porque à margem do Mecanismo de Solução de Controvérsias da OMC) 11) Estados Unidos Padrões para Gasolina Reformulada e Convencional (DS2 e DS4) 12) Estados Unidos Lei de compensação por dumping e subsídio continuado de 2000 ( Emenda Byrd ) (DS217 e DS234) 13) Estados Unidos Medidas Compensatórias sobre Certos Produtos Siderúrgicos (DS218)

3 14) Estados Unidos Lei de Patentes dos EUA (DS224) 15) Estados Unidos Direitos Antidumping sobre Silício Metálico do Brasil (DS239) 16) Estados Unidos Imposto de Equalização do Estado da Flórida sobre o Suco de Laranja (DS250) 17) Estados Unidos Medidas de Salvaguarda Definitivas sobre Importações de Certos Produtos Siderúrgicos (DS259) 18) Estados Unidos Subsídios ao Algodão (DS267) 19) México Medida Antidumping Provisória sobre Transformadores Elétricos (DS216) 20) Peru Investigação de Direitos Compensatórios sobre Importações de Ônibus do Brasil (DS112) 21) Turquia Direito Antidumping sobre Conexões de Aço e Ferro (DS208) AS DEFENDANT: Canada 1) Brasil - Programa de Financiamento às Exportações de Aeronaves (DS46) European Communities 2) Brasil Medidas sobre Licenciamento a Importações e Preços Mínimos de Importação (DS183) European Communties, USA, Switzerland, Japan, Australia, Korea 3) Brasil Medidas Relativas a Prazos de Pagamento para Importações (DS116) European Communities 4) Brasil Medidas Relativas a Importações de Pneus Reformados (DS332)

4 USA 5) Brasil Medidas sobre Preços Mínimos de Importação (DS197) USA 6) Brasil Medidas Referentes à Proteção Patentária (DS199) USA, European Communities, Japan, Korea, Canada 7) Brasil Certas Medidas Referentes a Comércio e Investimento no Setor Automotivo (DS51, 52, 65 e 81) Philippines 8) Brasil Medidas Referentes a Coco Ralado (DS22) India 9) Brasil Direitos Antidumping sobre Sacos de Juta (DS229) Sri Lanka 10) Brasil Medidas Compensatórias Referentes a Coco Ralado (DS30) As a third party: 1) Argentina Medidas de Salvaguarda sobre Importações de Calçados (painéis solicitados pelos EUA [DS56] e pelas CE [DS121]) 2) Canadá Proteção Patentária de Produtos Farmacêuticos (painel solicitado pelas CE; DS114). 3)Chile Sistema de Banda de Preços e Medidas de Salvaguardas relacionadas a Certos Produtos Agrícolas (painel solicitado pela Argentina para examinar o sistema de banda de preços do Chile e as salvaguardas aplicadas sobre trigo, farinha de trigo e óleos comestíveis; DS207).

5 4)Comunidades Européias Medidas Relativas a Amianto e Produtos Contendo Amianto (painel solicitado pelo Canadá; DS135). 5)Comunidades Européias Condições de Concessão de Preferências Tarifárias para Países em Desenvolvimento (painel solicitado pela Índia; DS246). 6)Comunidades Européias Proteção de Marcas e Indicações Geográficas de Produtos Agrícolas e Alimentícios (painel solicitado pelos EUA DS174 e pela Austrália DS290). 7)Comunidades Européias Medidas Relativas à Aprovação e Comercialização de Organismos Geneticamente Modificados (consultas solicitadas pelos Estados Unidos DS291, Canadá DS292, e Argentina DS293). 8)Comunidades Européias Certas Questões Alfandegárias (consultas solicitadas pelos EUA, DS315). 9)Comunidades Européias Medidas que Afetam o Comércio de Grandes Aeronaves Civis (Boeing e Airbus, DS316). 10)Estados Unidos Imposição de Medidas Compensatórias sobre Certos Produtos de Aço ao Carbono, Chumbo e Bismuto Laminados a Quente Originários do Reino Unido (DS138). 11)Estados Unidos - Seção da Lei de Comércio de 1974 (painel solicitado pelas CE; DS152). 12)Estados Unidos Seção 110(5) do US Copyright Act (painel solicitado pelas CE; DS160). 13)Estados Unidos Medidas Antidumping sobre Certos Produtos Siderúrgicos Laminados a Quente (painel solicitado pelo Japão; DS184). 14)Estados Unidos - Medidas Compensatórias sobre Certos Produtos Oriundos das CE (painel solicitado pelas CE para examinar medidas compensatórias aplicadas pelos EUA sobre produtos siderúrgicos de empresas privatizadas; DS212).

6 15)Estados Unidos - Lei, Regulamentos e Metodologia para o Cálculo das Margens de Dumping (consulta solicitada pelas CE, DS294). 16)Estados Unidos Medidas que Afetam o Comércio de Grandes Aeronaves Civis (consulta solicitada pelas CE, DS317). 16)Estados Unidos Suspensão Continuada das Obrigações no Contencioso CE Hormônios (DS320) e Canadá Suspensão Continuada das Obrigações no Contencioso CE Hormônios (DS321). 17)Estados Unidos Revisão de Fim de Período dos Direitos Antidumping Aplicados aos Produtos Planos de Aço-Carbono Resistentes à Corrosão Provenientes do Japão (painel solicitado pelo Japão; DS244). O painel foi estabelecido no dia 22 de maio de )Japão Medidas Relativas a Produtos Agrícolas (painel solicitado pelos EUA; DS76). 19)Japão Medidas Relativas à Importação de Maçãs (painel solicitado pelos EUA; DS245). 20) México Medidas Relativas a Serviços de Telecomunicações (painel solicitado pelos EUA; DS204).

7 Modus operandi in Mercosul s Arbitral Tribunals: - Actors: Government (different Ministries); private sector; diplomats. Mercosul Division. -Shorter submissions. Streamlined process. No appeal stage until Olivos Protocol. -Practical cases: Import Licenses; Poultry Modus operandi in the WTO s dispute settlement mechanism -More complexity. Higher costs. Expertise. Longer process. -Pivotal role of Aircraft Disputes with Canada (Embraer vs. Bombardier). Public opinion. Awakening to importance of WTO. -Actors: Government; CAMEX (Foreign Trade Chamber. Inter-ministerial Organ that decides on important foreign trade issues); Role of Foreign Ministry (Brasília and Geneva); private sector; Brazilian and foreign lawyers; experts (econometry, agriculture); private research institutions (Icone). - The Dispute Settlement Unit (CGC) in Brasília. Creation in Other actors (public diplomacy): NGOs; press; civil society. Formation of young lawyers. Practical examples A) US Subsidies on Cotton (DS267) - Agricultural development in Brazil. Uruguay Round and Doha Round. Important products: soybean; cotton; poultry; orange juice; sugar; beef; rice. - Kick-off: Ministry of Agriculture. Private Sector - Decision-making process: Ministry of Foreign Relations and CAMEX. - Administering the team: CGC (dispute settlement unit)

8 Geneva Mission; private sector; selection of private lawyers; selection of agricultural experts; witnesses (oral deposition). NGOs. Costs. - Coordination with third parties - Guidelines: preparation of written documents (submissions; oral statements). Meetings with lawyers, experts. Search for evidence (USDA/Congress/FAO/ICCAC/EWG) Main issues/aspects of the case: - Annex V - Peace Clause ( level of 1992 and boxes) - Domestic Subsidies (actionable subsidies) - Export Subsidies - How to prove serious prejudice? - Judicial process: deadlines; adverse inference; cooperation with the panel B) EC Subsidies on Sugar (DS266) (also Australia and Thailand) - Actors: CAMEX; Ministry of Agriculture; Foreign Affairs; private sector; lawyers; economists. Main issues/aspects in the case - Coordination with other parties (Australia and Thailand) - Cross-subsidies (C-Sugar) - Subsidized re-exportation (ACP countries/footnote) C) EC Salted poultry - Actors: Ministry of Agriculture; Ministry of Industry and Development; Ministry of Foreign Affairs. Private sector. Brazilian Lawyer. - Visits in loco. Collection of evidence (Brussels). Network of diplomatic missions. Main issue in the case

9 - Poultry that is frozen and salted should be classified as salted meat or as frozen poultry? - EC s Uruguay Round commitments General guidelines: - definition of case as national interest; - relevance to be given to consultation phase (ex: orange juice case); - degree of complexity of the case; - costs; - definition of internal team to be assigned; - availability or not of lawyers; - degree of organization and engagement of private sector; - Alternative: hiring of permanent lawyers. Note on choice of forum: experience of Poultry case in Mercosul and in the WTO. What happened?

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

Objetivos: Na parte I do programa, dotar os alunos do arcabouço conceitual sobre a

Objetivos: Na parte I do programa, dotar os alunos do arcabouço conceitual sobre a Instituto Rio Branco Disciplina: OMC e Sistema de Solução de Controvérsias 2009 / 2010 Programa Revisado Professor: Cons. Celso de Tarso Pereira /Sub-Chefe da Coordenação Geral de Contenciosos Assistente:

Leia mais

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica

Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC. Nota Técnica Bens remanufaturados e as negociações em curso na OMC Nota Técnica 1. Introdução O comércio internacional de bens usados tem sido, em muitos países, objeto de um tratamento diferenciado em comparação com

Leia mais

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra

A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra A Nova Fronteira? A China na Arena Mundial A China como Membro da OMC VERA THORSTENSEN Missão do Brasil junto das Organizações Internacionais, Genebra I - Introdução A acessão da China à OMC Organização

Leia mais

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil

Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel 01: Sistemas e Órgãos de Defesa Comercial e de Defesa da Concorrência na União Européia e no Brasil Welber

Leia mais

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos Inteligência Institucional BRF Abril 2014 INDEX Introdução aos PTAs PTAs hoje -

Leia mais

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales *

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales * Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais Institute for International Trade Negotiations INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula *

EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL. Germano Mendes de Paula * EVOLUÇÃO RECENTE DOS MECANISMOS DE PROTEÇÃO NA SIDERURGIA MUNDIAL Germano Mendes de Paula * No dia 5 de março de 2002, o Presidente George W. Bush anunciou a adoção de medidas de salvaguardas, com vistas

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

PARTE IV - BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO TARIFÁRIAS

PARTE IV - BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO TARIFÁRIAS - BARREIRAS TARIFÁRIAS E NÃO TARIFÁRIAS Quando a China se associou à Organização Mundial do Comércio OMC, em dezembro de 2001, o país se comprometeu a implementar reformas para reduzir as barreiras ao

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios

1.1 POLÍTICA INDUSTRIAL: Componentes básicos: incentivos e subsídios COMÉRCIO E FINANÇAS INTERNACIONAIS Prof. José Alfredo A. Leite (Ph.D.) 2. Políticas Externas, p. 1 2A. PROTECIONISMO Características: O protecionismo compreende um conjunto de políticas econômicas destinadas

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Michelle R S Badin COSCEX/FIESP, March 13, 2013 Estratégias Política Econômica Jurídica Zona de influência Alianças Liberalização, contenção ou

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO

O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO O DESENVOLVIMENTO NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: O CONTENCIOSO BRASIL X EUA DO ALGODÃO Rafael Chaves Ferraz RESUMO O governo norte-americano concedeu grandes subsídios a seus produtores de algodão,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO 3.2 Painéis NAÇÕES UNIDAS Nova York e Genebra, 2003 NOTA Curso de Solução de Disputas

Leia mais

O Sistema de Solução de Controvérsias da OMC: para além dos contenciosos, a política externa 1

O Sistema de Solução de Controvérsias da OMC: para além dos contenciosos, a política externa 1 O Sistema de Solução de Controvérsias da OMC: para além dos contenciosos, a política externa 1 Carlos Márcio Bicalho Cozendey 2 Desde a entrada em vigor do Entendimento relativo às Normas e Procedimentos

Leia mais

Resoluções CAMEX - 2011

Resoluções CAMEX - 2011 Resoluções CAMEX - 2011 Resolução nº 100, de 29/12/2011, publicada no D.O.U. de 30/12/2011 Atualiza o enquadramento tarifário e as numerações de Ex-tarifários de Bens de Capital vigentes, em adequação

Leia mais

DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO. Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal

DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO. Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO 2013 Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal 2 Sistema Multilateral de Comércio Regras Multilaterais OMC (DSB), FMI, BM, OCDE, UNCTAD, FAO, OMPI Regras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS ASPECTOS ECONÔMICOS DE SOLUÇÕES DE CONTROVÉRSIAS: NO CASO MERCOSUL ROSANA ALVES Florianópolis,

Leia mais

Síntese. Políticas Agrícolas nos Países da OCDE

Síntese. Políticas Agrícolas nos Países da OCDE Síntese Políticas Agrícolas nos Países da OCDE Monitoramento e Avaliação 2002 Overview Agricultural Policies in OECD Countries - Monitoring and Evaluation 2002 As Sínteses constituem-se em excertos de

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Sistemas gerais de preferências, defesa comercial e práticas desleais de comércio

Sistemas gerais de preferências, defesa comercial e práticas desleais de comércio Sistemas gerais de preferências, defesa comercial e práticas desleais de comércio Sistemas gerais de preferências O Sistema Geral de Preferências (SGP) A obediência à cláusula da nação mais favorecida

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira

A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira Edição 1 - Outubro de 2015 ESPECIAL A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira A conclusão das negociações da Parceria Transpacífico (TPP), anunciada formalmente na segunda-feira,

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO:

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: REFLEXÕES, OPORTUNIDADES E DESAFIOS Marcelo Fernandes Guimarães Coordenador Geral de Estudos e Informações Agropecuárias Secretaria de Política Agrícola Principais Perspectivas

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014

Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014 Perspectivas para as Carnes Bovina, de Frango e Suína 2013-2014 Brasil PARTICIPAÇÃO NO SUPRIMENTO MUNDIAL DE CARNES 2013 Bovino Frango Suíno Produção 2º 3º 4º Consumo 2º 3º 5º Exportação 2º 1º 4º Fonte:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR COLÔMBIA BARREIRAS EXTERNAS AO COMÉRCIO Tarifas, Taxas e Preferências A Colômbia é membro da Comunidade Andina

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC

CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC OS ACORDOS DA OMC COMO INTERPRETADOS PELO ÓRGÃO DE SOLUÇÃO

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

DIREITO ECONÔMICO E DEMOCRACIA: OS EUA, O SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS DA OMC E O CASO DO ALGODÃO (OSC - DS 267 EUA).

DIREITO ECONÔMICO E DEMOCRACIA: OS EUA, O SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS DA OMC E O CASO DO ALGODÃO (OSC - DS 267 EUA). DIREITO ECONÔMICO E DEMOCRACIA: OS EUA, O SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS DA OMC E O CASO DO ALGODÃO (OSC - DS 267 EUA). ANTITRUST AND DEMOCRACY: THE USA, THE WTO DISPUTE SETTLEMENT SYSTEM AND THE

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã Durval de Noronha Goyos Jr. São Paulo, 12

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Entraves ao aumento do Comércio Internacional de Produtos Agrícolas Brasileiros

Entraves ao aumento do Comércio Internacional de Produtos Agrícolas Brasileiros Câmara dos Deputados Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica Desafios à Expansão da Agropecuária Brasileira Brasília, DF 21 de novembro de 2006 Entraves ao aumento do Comércio Internacional de

Leia mais

Policy Brief. Participando com dentes : os BRICS no Órgão de Solução de Controvérsias da OMC

Policy Brief. Participando com dentes : os BRICS no Órgão de Solução de Controvérsias da OMC Policy Brief os BRICS no Órgão de Solução de Controvérsias da OMC Agosto, 2013 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças e Investimentos Autores: Manuela Trindade Viana, Vivian Ojo Coordenação: Leane

Leia mais

DISPUTAS AGRÍCOLAS NA OMC: os casos envolvendo o Brasil como demandante INTRODUÇÃO

DISPUTAS AGRÍCOLAS NA OMC: os casos envolvendo o Brasil como demandante INTRODUÇÃO 246 DISPUTAS AGRÍCOLAS NA OMC: os casos envolvendo o Brasil como demandante Claudine Campanhol Milinski 1 Carla Aparecida Arena Ventura 2 INTRODUÇÃO Observa-se, ao longo da história, a grande relevância

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO 3.5 GATT 1994 NAÇÕES UNIDAS Nova York e Genebra, 2003 NOTA O Curso sobre Solução de

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

IVAN TIAGO MACHADO OLIVEIRA

IVAN TIAGO MACHADO OLIVEIRA IVAN TIAGO MACHADO OLIVEIRA DETERMINANTES SISTÊMICOS E DOMÉSTICOS DA POLÍTICA COMERCIAL EXTERNA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE NEGOCIAÇÃO COMERCIAL DO BRASIL (1995-2010) Tese apresentada no

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Implementação da CITES na União Europeia

Implementação da CITES na União Europeia Implementação da CITES na União Europeia Reunião com IBAMA sobre Aniba rosaeodora Manaus, 23 de fevereiro 2015 The views expressed in this presentation do not necessarily reflect the views of the European

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

A CONTROVÉRSIA DS 267 NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: BRASIL VERSUS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SUBSÍDIOS AO ALGODÃO

A CONTROVÉRSIA DS 267 NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: BRASIL VERSUS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SUBSÍDIOS AO ALGODÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO RELAÇÕES INTERNACIONAIS MARCELA SCHOTT CEOLIN A CONTROVÉRSIA DS 267 NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO: BRASIL VERSUS ESTADOS

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Agricultura Propriedade Intelectual

Agricultura Propriedade Intelectual Agricultura Propriedade Intelectual Patentes publicadas no mundo na área Agrifoods (A01,A21, A22, A23) Agrifoods 5% de todas as patentes publicadas US, DE e CN 49% de todas as patentes Fonte IPO/UK - 2012

Leia mais

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o MERCOSUL Nome oficial: Mercado Comum do Sul Estados membros: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela Idiomas oficiais: Espanhol e Português Estados associados: Chile, Colômbia, Equador,

Leia mais

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.

http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller. http://revistagloborural.globo.com/noticias/politica/noticia/2014/10/brasil-nao-deveentrar-em-nova-disputa-com-eua-na-omc-diz-neri-geller.html Celso Lafer, A OMC e a regulamentação do comércio internacional.

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar ETHOS Conferência Internacional 2012 Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar André M Nassar ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 12 de junho de 2012 Segurança Alimentar: Questões Fundamentais

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados panorama da situação atual Rinaldo Junqueira de Barros Balança comercial do Agronegócio 120 100 100 80 83 60 40 20 17 0 1997 1998 1999

Leia mais

Evolução dos principais aspectos da Proposta Falconer

Evolução dos principais aspectos da Proposta Falconer I) Apoio Interno Evolução dos principais aspectos da Proposta Falconer Julho de 2007 Fevereiro de 2008 Maio 2008 Julho 2008 Dezembro 2008 A) Medida Global de Apoio Total OTDS (Overall Trade Distorting

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo 3.3 Integração da Economia Regional e Acordos Cooperativos International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Definir

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 84 17/02/06 a 23/02/06

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 84 17/02/06 a 23/02/06 Apresentação: - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 84 17/02/06 a 23/02/06 O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanal da Graduação em Relações Internacionais,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

MEDIDAS DE DEFESA COMERCIAL APLICADAS PELO MERCADO INTERNACIONAL ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS: UM ESTUDO DAS MEDIDAS EM VIGOR E INVESTIGAÇÕES EM CURSO

MEDIDAS DE DEFESA COMERCIAL APLICADAS PELO MERCADO INTERNACIONAL ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS: UM ESTUDO DAS MEDIDAS EM VIGOR E INVESTIGAÇÕES EM CURSO MEDIDAS DE DEFESA COMERCIAL APLICADAS PELO MERCADO INTERNACIONAL ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS: UM ESTUDO DAS MEDIDAS EM VIGOR E INVESTIGAÇÕES EM CURSO Julio César Zilli, UNESC, zilli42@hotmail.com Adriana

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO 3.7 Subsídios e Medidas Compensatórias NAÇÕES UNIDAS Nova York e Genebra, 2003 NOTA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000 Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 17: O Setor Externo Logo WTO Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-7-Slide 1 de 47/2005.1 Sumário 1. Introdução; 1.

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

FREDERICO JOSÉ STRAUBE

FREDERICO JOSÉ STRAUBE FREDERICO JOSÉ STRAUBE R. Xavier de Toledo, 316, 5º andar São Paulo - SP - Brasil Tel.: 55 11 3255-8744 straube@straube.com.br Advogado e Árbitro. Foi Presidente do CAM-CCBC (Centro de Arbitragem e Mediação

Leia mais

HTSUS. Estados Unidos. Investigações em Curso. Data de Abertura. Produto

HTSUS. Estados Unidos. Investigações em Curso. Data de Abertura. Produto Estados Unidos Investigações em Curso Produto HTSUS Data de Abertura Medida Provisória Situação Atual Papel não revestido (AD) Laminados a frio (AD/CVD) 4802.56.1000, 4802.56.2000, 4802.56.3000, 4802.56.4000,

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

José Alexandre Scheinkman

José Alexandre Scheinkman José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics Columbia University Brasil: O Desafio da Produtividade Brasil: Problemas O Brasil tem problemas econômicos prementes de curto prazo. Déficit

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior. Mario Marconini Diretor de Negociações Internacionais

DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior. Mario Marconini Diretor de Negociações Internacionais DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Mario Marconini Diretor de Negociações Internacionais 1. Onde estamos? 2. De onde viemos? 3. Para onde vamos? 1. Quadro Atual Mundo: 1.

Leia mais

POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE

POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE Marta Castilho Universidade Federal Fluminense Seminário Estado, Tributação e Seguridade Social Seminário Estado, Tributação

Leia mais