DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS"

Transcrição

1 Página: 1 de OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais Eletromecânico, Petróleo / Petroquímico / Químico, e Siderúrgico / Ferroviário / Mineração / Cimenteiro. Nota: Os itens complementados são seguidos da palavra adiciona e possuem a mesma seqüência de numeração da NA-001 para os itens de 2 a 9, dentro do item a numeração poderá ser diferente. A ausência de itens neste documento significa que o texto da NA-001 atende completamente aos requisitos do setor industrial. 2. NORMAS, SIGLAS E DEFINIÇÕES (Adiciona) 2.1. Normas Norma ABENDE NA Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos Siglas END - Ensaios Não Destrutivos EV - Ensaio Visual LP - Líquido Penetrante PM - Partículas Magnéticas ER - Ensaios Radiográficos US - Ultra-Som CP - Correntes Parasitas ES - Estanqueidade EA - Emissão Acústica CEQ - Centro de Exames de Qualificação SNQC - Sistema Nacional de Qualificação e Certificação BC - Bureau de Certificação CC - Conselho de Certificação 6. PRÉ-REQUISITOS PARA CANDIDATOS A QUALIFICAÇÃO (adiciona) Neste item estão descritas as exigências adicionais ao estabelecido na norma NA-001, quando aplicáveis. 6.1 Treinamento O candidato a exames de qualificação deve comprovar, formalmente, ter obtido aproveitamento satisfatório em curso de treinamento supervisionado por um nível 3, com carga horária conforme no Anexo III para nível 1 e 2. Para nível 3 seguir os requisitos da NA-001. Nota: A prática recomendada da Abende apresenta um detalhamento dos tópicos apresentados no anexo III podendo ser utilizado como referência. Este mesmo guia pode ser utilizado para um treinamento de Nível 3 complementando os requisitos da NA Escolaridade e Experiência Profissional O candidato a exame de qualificação deve comprovar, mediante documentos legais, o atendimento aos requisitos mínimos de escolaridade e experiência profissional efetiva, conforme Anexo II. 6.3 Credenciamento CNEN em Radioproteção O candidato a exame de qualificação para ensaio radiográfico, deve estar credenciado pela CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear), no mínimo, como "operador", exceto para o candidato a exame no método/nível/subnível ER-N2-S-IL.

2 Página: 2 de 18 Os examinadores dos Centros de Exames de Qualificação estão dispensados do credenciamento pela CNEN como operadores, desde que a verificação do posicionamento do bico/arranjo radiográfico, seja feita sem a fonte radioativa. 10. ANEXOS: I II III-A III-B III-C III-D III-E III-F III-G Atribuições e Competências Experiência Profissional X Grau de Escolaridade Requisitos de Treinamento - Radiografia Requisitos de Treinamento - Ultra-Som Requisitos de Treinamento - Partículas Magnéticas Requisitos de Treinamento - Líquido Penetrante Requisitos de Treinamento - Ensaio Visual Requisitos de Treinamento - Correntes Parasitas Requisitos de Treinamento Emissão Acústica

3 Página: 3 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS TABELA 1 Métodos, Níveis e Subníveis de Qualificação MÉTODO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 ULTRA-SOM US-N1-ME US-N1-CL US-N2-FF US-N2-S1 US-N2-S2 US-N2-S2.1 US-N2-S3 US-N2-S4 US-N2-S4.1 US-N2-G US-N2-AE US-N3 ENSAIO RADIOGRÁFICO PARTÍCULAS MAGNÉTICAS ER-N1-RX ER-N1-RG ER-N1-G PM-N1-Y PM-N1-E PM-N1-B PM-N1-CC PM-N1-CD PM-N1-G ER-N2-S-RX ER-N2-S-RG ER-N2-S-IL ER-N2-FD-RX ER-N2-FD-RG ER-N2-G ER-N2-AE PM-N2-FF-Y PM-N2-FF-E PM-N2-FF-B PM-N2-FF-CC PM-N2-FF-CD PM-N2-S-Y PM-N2-S-E PM-N2-S-B PM-N2-S-CC PM-N2-S-CD PM-N2-ES PM-N2-G PM-N2-AE ER-N3 PM-N3 LÍQUIDO PENETRANTE LP-N1-G LP-N2-G LP-N3 ENSAIO VISUAL EV-N2-S EV-N2-FF EV-N2-G EV-N2-AE EV-N3 CORRENTES PARASITAS EMISSÃO ACÚSTICA CP-N1-SM CP-N1-TI CP-N1-DD CP-N1-AE CP-N1-G CP-N2-TI CP-N2-DD CP-N2-AE CP-N2-G CP-N3 EA-N1-G EA-N2-G EA-N3-G

4 Página: 4 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS TABELA 02 - ULTRA-SOM NÍVEL/SUBNÍVEL ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS US-N1-ME Execução de ensaio de medição de espessura em materiais metálicos, com avaliação de resultados. US-N1-CL Abrange US-N1-ME + execução de ensaio em laminados com cabeçotes normais e duplo cristal, com avaliação de resultados. US-N2-FF Abrange US-N1-CL + inspeção de fundidos e forjados. US-N2-S1 Abrange US-N1-CL + inspeção de soldas de topo em peças planas com e 15mm + soldas de topo circunferenciais em tubos com e 15mm e externo 220mm ( nominal 8 ) + soldas de topo longitudinais em tubos e 15 mm e externo 508mm ( nominal 20 ). US-N2-S2 Abrange US-N2-S1 + inspeção de soldas de topo em peças planas com 6mm e < 15mm + soldas de topo circunferenciais em tubos com 6mm e < 15mm e externo 220mm ( nominal 8 ) + soldas de topo longitudinais em tubos com 6mm e < 15mm e externo 508mm ( nominal 20 ). US-N2-S2.1 Abrange US-N2-S2 + inspeção de soldas de topo em peças planas com 4,8mm e < 6mm + inspeção em juntas de topo circunferenciais em tubos com e 4,8mm e 60mm externo < 220 mm (2 nominal < 8 ). US-N2-S3 Abrange US-N2-S2 + inspeção de juntas de ângulo: em quina, em L em T ou em ângulo. US-N2-S4 Abrange US-N2-S3 + inspeção em juntas de seção transversal da solda com geometria variável (conexões de equipamentos). US-N2-S4.1 Abrange US-N2-S4 + dimensionamento e registro do comprimento e altura de descontinuidades. US-N2-G Nível 2 Geral a se definir para cada setor industrial. US-N2-AE Abrange aplicações específicas detalhadas do setor. US-N3 Aquelas definidas para profissionais níveis 3, relativas ao método Ultra-Som. Caso seja requerido que o profissional Nível 3 execute atividades de avaliação, interpretação de resultados e a emissão dos laudos respectivos em atividades de produção, o mesmo deve ser qualificado como profissional Nível 2 para o conjunto método/nível/subnível pretendido. Aplicações específicas dos setores Petróleo / Petroquímico e Eletromecânico NÍVEL/SUBNÍVEL US-N2-AE1 US-N2-AE2 ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS Abrange US-N2-S4 + inspeção em juntas de nós de estrutura tubular de plataformas. Inspeção por ultra-som automatizado de soldas longitudinais e helicoidais na fabricação de tubos com costura.

5 Página: 5 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS TABELA 3 - ENSAIO RADIOGRÁFICO NÍVEL/SUBNÍVEL ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS ER-N1-RX Execução de radiografias em soldas, fundidos, forjados, laminados com Raios X. ER-N1-RG Execução de radiografias em soldas, fundidos, forjados, laminados com Raios Gama. ER-N1-G Abrange ER-N1-RX e ER-N1-RG. ER-N2-S-RX Abrange ER-N1-RX + avaliação, interpretação dos resultados dos ensaios radiográficos de juntas soldadas obtidas através de Raios X ou Gama e emissão dos respectivos laudos. ER-N2-S-RG Abrange ER-N1-RG + avaliação, interpretação dos resultados dos ensaios radiográficos de juntas soldadas obtidas através de Raios X ou Gama e emissão dos respectivos laudos. ER-N2-S-IL Avaliação, interpretação dos resultados dos ensaios radiográficos de juntas soldadas obtidas através de Raios X ou Gama e emissão dos respectivos laudos Nota: não abrange ER-N1-RX e ER-N1-RG ER-N2-FD-RX Abrange ER-N1-RX + avaliação, interpretação dos resultados dos ensaios radiográficos de fundidos obtidos através de Raios X ou Gama e emissão dos respectivos laudos. ER-N2-FD-RG Abrange ER-N1-RG + avaliação, interpretação dos resultados dos ensaios radiográficos de fundidos obtidos através de Raios X ou Gama e emissão dos respectivos laudos. ER-N2-G Nível 2 Geral a se definir para cada setor industrial. ER-N2-AE Abrange ER-N1-RX ou ER-N1-RG + avaliação e interpretação de radiografias de aplicação específica detalhada do setor. ER-N3 Aquelas definidas para profissionais níveis 3, relativas ao método Ensaio Radiográfico. Caso seja requerido que o profissional Nível 3 execute atividades de avaliação, interpretação de resultados e a emissão dos laudos respectivos em atividades de produção, o mesmo deve ser qualificado como profissional Nível 2 para o conjunto método/nível/subnível pretendido.

6 Página: 6 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS TABELA 4 - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS NÍVEL/SUBNÍVEL PM-N1-Y PM-N1-E PM-N1-B PM-N1-CC PM-N1-CD PM-N1-G PM-N2-FF-Y PM-N2-FF-E PM-N2-FF-B PM-N2-FF-CC PM-N2-FF-CD PM-N2-S-Y PM-N2-S-E PM-N2-S-B PM-N2-S-CC PM-N2-S-CD PM-N2-ES PM-N2-G PM-N2-AE PM-N3 ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS Execução de ensaios pela técnica de eletroimã (YOKE) para posterior avaliação e interpretação. Execução de ensaios pela técnica de eletrodos para posterior avaliação e interpretação. Execução de ensaios pela técnica da bobina para posterior avaliação e interpretação Execução de ensaios pela técnica de condutor central para posterior avaliação e interpretação Execução de ensaios pela técnica do contato direto para posterior avaliação e interpretação. Nível 1 Geral a se definir para cada setor industrial. Execução de ensaios em fundidos, forjados, laminados e usinados (solda inclusive) pela técnica do YOKE. Execução de ensaios em fundidos, forjados, laminados e usinados (solda inclusive) pela técnica dos Eletrodos. Execução de ensaios em fundidos, forjados, laminados e usinados (solda inclusive) pela técnica da Bobina. Execução de ensaios em fundidos, forjados, laminados e usinados (solda inclusive) pela técnica do Condutor Central. Execução de ensaios em fundidos, forjados, laminados e usinados (solda inclusive) pela técnica do Contato Direto. Abrange o PM-N2-FF-Y + inspeção em juntas soldadas com superfícies não usinadas. Abrange o PM-N2-FF-E + inspeção em juntas soldadas com superfícies não usinadas. Abrange o PM-N2-FF-B + inspeção em juntas soldadas com superfícies não usinadas. Abrange o PM-N2-FF-CC + inspeção em juntas soldadas com superfícies não usinadas. Abrange o PM-N2-FF-CD + inspeção em juntas soldadas com superfícies não usinadas. Execução de ensaios em fundidos e forjados, laminados, usinados e juntas soldadas com superfícies não usinadas utilizando-se as técnicas da Bobina, Condutor Central e Contato Direto. Abrange PM-N2-S-B/CC/CD Nível 2 Geral a se definir para cada setor industrial. Abrange aplicação específica detalhada do setor. Aquelas definidas para profissionais níveis 3, relativas ao método Partículas Magnéticas. Caso seja requerido que o profissional Nível 3 execute atividades de avaliação, interpretação de resultados e a emissão dos laudos respectivos em atividades de produção, o mesmo deve ser qualificado como profissional Nível 2 para o conjunto método/nível/subnível pretendido.

7 Página: 7 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS TABELA 5 - LÍQUIDO PENETRANTE NÍVEL/SUBNÍVEL ATRIBUIÇÃO E COMPETÊNCIAS LP-N1-G Execução de ensaios em qualquer material e qualquer método. LP-N2-G Atividades de LP-N1-G + as de Nível 2. LP-N3 Aquelas definidas para profissionais níveis 3, relativas ao método Líquido Penetrante. Caso seja requerido que o profissional Nível 3 execute atividades de avaliação, interpretação de resultados e a emissão dos laudos respectivos em atividades de produção, o mesmo deve ser qualificado como profissional Nível 2 para o conjunto método/nível/subnível pretendido.

8 Página: 8 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS TABELA 6 - ENSAIO VISUAL NÍVEL/SUBNÍVEL EV-N2-S EV-N2-FF EV-N2-G EV-N2-AE EV-N3 ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS Execução de inspeção visual e dimensional em soldas (juntas soldadas, preparação das juntas, etc.). Execução de inspeção visual em fundidos e forjados. Nível 2 geral a se definir para cada setor industrial. Abrange aplicações específicas detalhadas do setor. Aquelas definidas para profissionais níveis 3, relativas ao método Ensaio Visual. Caso seja requerido que o profissional Nível 3 execute atividades de avaliação, interpretação de resultados e a emissão dos laudos respectivos em atividades de produção, o mesmo deve ser qualificado como profissional Nível 2 para o conjunto método/nível/subnível pretendido.

9 Página: 9 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS TABELA 7 - CORRENTES PARASITAS NÍVEL/SUBNÍVEL CP-N1-SM CP-N1-TI CP-N1-DD CP-N1-AE ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS Execução de ensaios em metais ferromagnéticos e não ferromagnéticos para seleção/classificação de materiais e para medição de espessuras de camadas condutoras e não condutoras sobre bases metálicas ferromagnéticas e não ferromagnéticas. Execução de ensaios para detecção de descontinuidades e perdas de espessuras em tubos instalados em componentes de troca térmica, utilizando a técnica de multifrequência. Execução de ensaios para detectar descontinuidades em materiais ferromagnéticos e não ferromagnéticos, em situações gerais. Execução de ensaios para detectar descontinuidades em materiais ferromagnéticos e não ferromagnéticos, utilizando equipamentos automatizados ou semiautomatizados. Abrange os níveis CP-N1-SM, CP-N1-TI e CP-N1-DD. CP-N1-G CP-N2-TI Abrange CP-N1-TI com as funções do nível 2 CP-N2-DD Abrange CP-N1-DD com as funções do nível 2 CP-N2-AE Abrange CP-N1-AE com as funções do nível 2 CP-N2-G Abrange CP-N1-G com as funções do nível 2 CP-N3 Aquelas definidas para profissionais níveis 3, relativas ao método Correntes Parasitas. Caso seja requerido que o profissional Nível 3 execute atividades de avaliação, interpretação de resultados e a emissão dos laudos respectivos em atividades de produção, o mesmo deve ser qualificado como profissional Nível 2 para o conjunto método/nível/subnível pretendido.

10 Página: 10 de 18 ANEXO I ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS NÍVEL/SUBNÍVEL EA-N1-G EA-N2-G EA-N3 TABELA 8 EMISSÃO ACÚSTICA ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS Preparação da instrumentação de ensaio, montagem e verificação dos sensores, realizar a aquisição de dados. Abrange EA-N1-G + avaliação e interpretação de dados e emissão dos respectivos laudos. Aquelas definidas para profissionais níveis 3, relativas ao método Emissão Acústica. Caso seja requerido que o profissional Nível 3 execute atividades de avaliação, interpretação de resultados e a emissão dos laudos respectivos em atividades de produção, o mesmo deve ser qualificado como profissional Nível 2 para o conjunto método/nível pretendido.

11 Página: 11 de 18 ANEXO II REQUISITOS MÍNIMOS DE ESCOLARIDADE E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEIS US ER PM LP EV CP EA (1) (2) (1) (2) (1) (2) (1) (2) (1) (2) (1) (2) (1) (2) NÍVEL 1 A 3 A 3 A 1 A 1 A 1 A 3 A 6 NÍVEL B 18 B 18 B 6 B 6 B 6 B 18 B 24 C 9 C 9 C 3 C 3 C 3 C 9 C 12 2 B* 21 B* 21 B* 7 B* 7 B* 7 B* 21 B* 30 C* 12 C* 12 C* 4 C* 4 C* 4 C* 12 C* 18 B 48 B 48 B 24 B 24 B 24 B 48 B 24 NÍVEL C 24 C 24 C 12 C 12 C 12 C 24 C 12 D 12 D 12 B* 72 B* 72 B* 72 D 12 B* 72 3 B* 72 B* 72 C* 48 C* 48 C* 48 B* 72 C* 48 C* 48 C* 48 D* 24 D* 24 D* 24 C* 48 D* 24 D* 24 D* 24 D* 24 (1) GRAU DE ESCOLARIDADE: onde: A = Ensino Fundamental Completo B = Ensino Médio Completo C = Técnico de Nível Médio na área Metal/Mecânica.(completo) D = Tecnólogo ou Engenheiro na área Metal/Mecânica (completo) * = alternativa para acesso direto (2) EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL EM MESES Nota: 1. Profissional com Ensino Fundamental Completo somente pode ser qualificado como inspetor nível 2 em Ultra-som, Radiografia, Emissão Acústica ou Correntes Parasitas, após comprovar uma experiência como profissional nível 1 qualificado. 2. Para qualificação US-N2-S4.1 o profissional deve estar previamente certificado como nível 2 de ultrasom em solda, por um período mínimo de 12 meses.

12 Página: 12 de 18 ANEXO III-A REQUISITOS DE TREINAMENTO RADIOGRAFIA São estabelecidos os seguintes requisitos em relação a carga horária e assuntos principais na preparação de profissionais para a qualificação e certificação no método/nível/subnível requerido. HORAS DE TREINAMENTO ASSUNTO NÍVEL 1 NÍVEL 2 Nível 2 acesso direto 1 Conhecimentos Gerais Princípios Físicos do ensaio Equipamentos e fontes de radiação Registro através de filme radiográfico e sistemas que não utilizam filmes radiográfico Parâmetros e condições de trabalho Descontinuidades e defeitos Escolha das técnicas Escolha do método de ensaio de acordo com as normas, etc Segurança e Radioproteçào Aplicações especiais TOTAL

13 Página: 13 de 18 ANEXO III-B REQUISITOS DE TREINAMENTO ULTRA-SOM São estabelecidos os seguintes requisitos em relação a carga horária e assuntos principais na preparação de profissionais para a qualificação e certificação no método/nível/subnível requerido. HORAS DE TREINAMENTO ASSUNTO NÍVEL 1 NÍVEL 2 Nível 2 acesso direto I Conhecimentos Gerais Terminologia, Princípios e fundamentos do Ultra-som Técnicas de ensaio e suas limitações Equipamentos e acessórios Calibração do sistema de ensaio Aplicações específicas Códigos, padrões, especificações e procedimentos Registro e avaliação dos resultados Técnicas especiais total

14 Página: 14 de 18 ANEXO III-C REQUISITOS DE TREINAMENTO PARTÍCULAS MAGNÉTICAS São estabelecidos os seguintes requisitos em relação a carga horária e assuntos principais na preparação de profissionais para a qualificação e certificação no método/nível/subnível requerido. HORAS DE TREINAMENTO ASSUNTO NÍVEL 1 NÍVEL 2 Nível 2 acesso direto 1 Conhecimentos Gerais Princípios físicos e fundamentos do ensaio por partículas Mangnéticas Técnicas e métodos Equipamentos e Acessórios Códigos, padrões, especificações e procedimentos apresentação e registro dos resultados Interpretação dos resultados e limitações TOTAL

15 Página: 15 de 18 ANEXO III-D REQUISITOS DE TREINAMENTO LÍQUIDO PENETRANTE São estabelecidos os seguintes requisitos em relação a carga horária e assuntos principais na preparação de profissionais para a qualificação e certificação no método/nível/subnível requerido. HORAS DE TREINAMENTO ASSUNTO NÍVEL 1 NÍVEL 2 Nível 2 acesso direto 1 Conhecimentos Gerais Princípios físicos do ensaio Condução do ensaio Equipamentos de ensaio e Acessórios Códigos, padrões, especificações, procedimentos e requisitos de segurança TOTAL

16 Página: 16 de 18 ANEXO III-F REQUISITOS DE TREINAMENTO CORRENTES PARASITAS São estabelecidos os seguintes requisitos em relação a carga horária e assuntos principais na preparação de profissionais para a qualificação e certificação no método/nível/subnível requerido. HORAS DE TREINAMENTO ASSUNTO NÍVEL 1 NÍVEL 2 Nível 2 acesso direto 1 Conhecimentos Gerais Princípios Físicos Instrumentação Procedimento de Ensaio Aplicaçòes Registro e Avaliação dos Resultados TOTAL

17 Página: 17 de 18 ANEXO III-E REQUISITOS DE TREINAMENTO ENSAIO VISUAL São estabelecidos os seguintes requisitos em relação a carga horária e assuntos principais na preparação de profissionais para a qualificação e certificação no método/nível/subnível requerido. HORAS DE TREINAMENTO ASSUNTO NÍVEL 1 NÍVEL 2 Nível 2 acesso direto I Conhecimentos gerais Princípios físicos do ensaio Visão Equipamentos e acessórios Parâmetros e condições de trabalho Registro de imagens Códigos, padrões, especificações e procedimentos Segurança Aplicações TOTAL

18 Página: 18 de 18 ANEXO III-G REQUISITOS DE TREINAMENTO EMISSÃO ACÚSTICA São estabelecidos os seguintes requisitos em relação a carga horária e assuntos principais na preparação de profissionais para a qualificação e Certificacao no método/nível requerido. HORAS DE TREINAMENTO ASSUNTO NÍVEL 1 NÍVEL 2 Nível 2 acesso direto 1 - Conhecimentos Gerais Princípios físicos do ensaio Técnicas de ensaio Equipamentos e acessórios Códigos, padrões, especificações e recomendações Aspectos e segurança Aplicações Documentação do ensaio TOTAL

1. OBJETIVO 3 2. SIGLAS E DEFINIÇÕES 3 3. CLASSIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 6 4. SISTEMÁTICA PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 8

1. OBJETIVO 3 2. SIGLAS E DEFINIÇÕES 3 3. CLASSIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 6 4. SISTEMÁTICA PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 8 Página: 1 de 25 1. OBJETIVO 3 2. SIGLAS E DEFINIÇÕES 3 2.1 Siglas 3 2.2 Definições 3 3. CLASSIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 6 3.1 Profissionais END Nível 1 7 3.2 Profissionais END Nível

Leia mais

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS.

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. Paulo César Francisco Henriques Consultor - Rua Tirol 690 / 206 - Jacarepaguá - Rio de Janeiro RJ 22.750-007 pcfhenriques@ig.com.br

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação COPINAVAL 24/10/2007 END s Aplicação no setor naval Certificação O que significa END? Ensaios Não Destrutivos: Verificar a existência de descontinuidades; Verificar a propriedade de um material; Não causa

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS EM ESTANQUEIDADE NA-019 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS EM ESTANQUEIDADE NA-019 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 Página: 1 de 10 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. MODALIDADES DE COMPETÊNCIA 4 5. SISTEMÁTICA PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 4 5.1 Geral 4 5.2 Centros de Exames de

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

2.7 SNQC/END: SISTEMA NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

2.7 SNQC/END: SISTEMA NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 19 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção ABENDE, através do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade?

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade? CURSO: ENGENHEIRO DE CAMPO - CONSTRUÇÃO E MONTAGEM DISCIPLINA: TÉCNICAS DE INSPEÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE CARGA HORÁRIA TOTAL: 30 horas TEÓRICAS: 22 PRÁTICAS: _08 EMENTA Introdução. O que são as técnicas

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA O SETOR SUBAQUÁTICO NA-003

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA O SETOR SUBAQUÁTICO NA-003 Página: 1 de 30 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção ABENDI, através do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação

Leia mais

Sua confiança em inspeção.

Sua confiança em inspeção. , Sua confiança em inspeção. Inspeção que trás segurança. A TND Inspeções Técnicas trás a experiência de seus gestores, que atuam há mais de 10 anos no seguimento de inspeção. A capacidade técnica de sua

Leia mais

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NORMA Nº: NIT-DIOIS-003 APROVADA EM JUN/2011 Nº 0 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade

Leia mais

GUINCHO PNEUMÁTICO E-018066

GUINCHO PNEUMÁTICO E-018066 DATA BOOK TESTE DE CARGA GUINCHO PNEUMÁTICO E-018066 Local de Trabalho: Base da Continental Base: Macaé RJ Proposta Comercial: CCPC_0395/11 Data: 29/04/2011 Próxima Recertificação: 29/04/2012 Data de Emissão:

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

Relação de documentos necessários para dar entrada na qualificação de: LP, PM, ER, US, CP, EV, EA - N 1 e 2 junto a ABENDE.

Relação de documentos necessários para dar entrada na qualificação de: LP, PM, ER, US, CP, EV, EA - N 1 e 2 junto a ABENDE. Parceiros da Qualidade Relação de documentos necessários para dar entrada na qualificação de: LP, PM, ER, US, CP, EV, EA - N 1 e 2 junto a ABENDE. Check List Documento Formulário de solicitação de exames

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

História NHP SERVICE.

História NHP SERVICE. História NHP SERVICE. No ano de 2007 era fundada a NHP SERVICE com o objetivo específico de ajudar a preservação do patrimônio, meio ambiente de seus clientes executando serviços diversificados para as

Leia mais

Indicação de Ensaios Não-Destrutivos

Indicação de Ensaios Não-Destrutivos Indicação de Ensaios Não-Destrutivos Este texto apresenta regras para indicação de ensaios não destrutivos (END) e exemplos de indicações de alguns ensaios. Regras para especificação de ensaios não destrutivos

Leia mais

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011

ULTRA-SOM - SOLDA PROCEDIMENTO DE END PR 011 Página: 1 de 29 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições para a execução do ensaio por ultra-som para detecção e avaliação de descontinuidades em juntas soldadas de acordo com o Sistema Nacional

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

E. A - 3 - SNQC / END Nº

E. A - 3 - SNQC / END Nº Nestor Carlos de Moura Formação: Técnico Projetista Mecânico Engenheiro Mecânico Programa de Mestrado em engenharia de Materiais focado em Ensaios Não Destrutivos Experiência Profissional: E. A - Nível

Leia mais

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP 1 Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP Pré-requisitos Ter estudado e compeendido o conteúdo das páginas 5 até 23 do e-book Radiologia Industrial

Leia mais

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Marcelo Maciel Pereira Fundação Brasileira de Tecnologia da

Leia mais

Capacitação e Certificação de Mão de Obra em Ensaios Não Destrutivos e Inspeção

Capacitação e Certificação de Mão de Obra em Ensaios Não Destrutivos e Inspeção Capacitação e Certificação de Mão de Obra em Ensaios Não Destrutivos e Inspeção Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em 1979, com a finalidade

Leia mais

GUIA ESTUDANTIL DE. O Guia mais completo que você já viu.

GUIA ESTUDANTIL DE. O Guia mais completo que você já viu. GUIA ESTUDANTIL DE O Guia mais completo que você já viu. O QUE É END? Preservar e proteger pessoas, patrimônio e meio ambiente. Isso é ser não destrutivo. Para os profissionais de END, cuidar do amanhã

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco Certificação de Pessoas Danilo Stocco Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em 1979, com a finalidade de difundir as técnicas de Ensaios Não

Leia mais

52º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO SEQUI. Gerência de Certificação, Qualificação e Inspeção ENGENHARIA/SL/SEQUI. Classificação: PÚBLICO

52º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO SEQUI. Gerência de Certificação, Qualificação e Inspeção ENGENHARIA/SL/SEQUI. Classificação: PÚBLICO 52º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO SEQUI Gerência de Certificação, Qualificação e Inspeção ENGENHARIA/SL/SEQUI Classificação: PÚBLICO 1978 Início do Sistema Brasileiro de Certificação Criação do SEQUI

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO

AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO AVALIAÇÃO DE DESCONTINUIDADE TIPO TRINCA DETECTADA NO VASO DE NITROGÊNIO Controle de revisões 3 2 1 0 Rev Descrição Verificação Aprovação Data RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Preparação e verificação Aprovação ART

Leia mais

Certificação de Pessoas

Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas O que é? Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes e competências do trabalhador, requeridos pelo sistema produtivo e definidos em termos

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos (END)

Ensaios Não Destrutivos (END) Notas de aula: Ensaios Não Destrutivos (END) Prof. Luciano Santa Rita Oliveira Site: www.lucianosantarita.pro.br E-mail: tecnologo@lucianosantarita.pro.br Conteúdo programático Conceitos de processos de

Leia mais

RESULTADOS DE AUDITORIA EM SERVIÇOS DE END DURANTE PARADAS DE MANUTENÇÃO E CONSTRUÇÕES E MONTAGEM

RESULTADOS DE AUDITORIA EM SERVIÇOS DE END DURANTE PARADAS DE MANUTENÇÃO E CONSTRUÇÕES E MONTAGEM RESULTADOS DE AUDITORIA EM SERVIÇOS DE END DURANTE PARADAS DE MANUTENÇÃO E CONSTRUÇÕES E MONTAGEM Autores: Juvêncio Vieira Santos (PETROBRAS/ENGENHARIA/IERN) José Augusto dos Santos Serra (PETROBRAS/REPLAN)

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Norma CNEN NN 1.17 Resolução CNEN 118/11 Setembro / 2011 QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN 02/96 Publicação: DOU 19.04.1996

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem:

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS A Cugnier está credenciada junto à estatal Petrobras através do CRCC (Certificado de Registro e Classificação Cadastral), possuindo aprovação

Leia mais

APRESENTAÇÃO EMPRESA. Rômulo Paizante de Paula Diretor Técnico. Folha 1/8 Rev. 0 ATIVIDADES

APRESENTAÇÃO EMPRESA. Rômulo Paizante de Paula Diretor Técnico. Folha 1/8 Rev. 0 ATIVIDADES Folha 1/8 APRESENTAÇÃO EMPRESA Em 2001, a Paizante Inspeções Ltda, iniciou suas atividades atuando na área de Qualidade industrial, visando suprir as necessidades das empresas com Qualificação Procedimentos

Leia mais

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda.

Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Apresentação Inspetor de Solda MIPS Sistemas Ltda. Rua Ricardo Landmann, 385 Joinville SC - Brasil O Controle Digital da Geometria dos Cordões de Solda é a mais moderna e eficaz maneira de avaliar a qualidade

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Orientações Gerais. ETM CORP/ST/SEQUI-ETCM Engenharia e Tecnologias de Construção e Montagem

Orientações Gerais. ETM CORP/ST/SEQUI-ETCM Engenharia e Tecnologias de Construção e Montagem Orientações Gerais ETM CORP/ST/SEQUI-ETCM Engenharia e Tecnologias de Construção e Montagem Seja bem-vindo à Petrobras! Você está entrando em uma área operacional. Aqui você precisa seguir procedimentos

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do autor.

As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do autor. INFORMATIZAÇÃO DO CONTROLE DA QUALIDADE DAS SOLDAS DURANTE A IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES ADICIONAIS DA USINA HIDRELÉTRICA DA ITAIPU BINACIONAL Marco Aurélio Escobar ITAIPU BINACIONAL Trabalho apresentado

Leia mais

ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL

ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL ENSAIO NÃO DESTRUTIVO QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL Procedimento Geral ETM-CORP ENGENHARIA, TECNOLOGIA E MATERIAIS CORPORATIVO ST SERVIÇOS TÉCNICOS Os comentários e sugestões referentes a este documento devem

Leia mais

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO O INSTALADOR, ou empresa instaladora, para ser qualificada como instaladora de tubos poliolefínicos

Leia mais

Inspecionando Engrenagens utilizando ECA

Inspecionando Engrenagens utilizando ECA Inspecionando Engrenagens utilizando ECA em substituição aos ensaios de Líquido Penetrante e Partículas Magnéticas Rafael Ornelas Coordenador de Vendas Técnicas Representante Comercial de equipamentos

Leia mais

INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo 4. 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4

INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo 4. 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4 Curso ID.N1 INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária: 160 Conteúdo Programático Carga Horária 1- Cálculo 4 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos 2 3- Noções de Física

Leia mais

Seminário Internacional de Certificação Profissional Brasília DF 09/11/2005

Seminário Internacional de Certificação Profissional Brasília DF 09/11/2005 Seminário Internacional de Certificação Profissional Brasília DF 09/11/2005 O que é a ABENDE Uma associação sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em Março de 1979, que

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Uso da Tecnologia de Informação Aplicada ao Processo de Qualificação e Certificação de Pessoal em END

Uso da Tecnologia de Informação Aplicada ao Processo de Qualificação e Certificação de Pessoal em END Uso da Tecnologia de Informação Aplicada ao Processo de Qualificação e Certificação de Pessoal em END - Luiz Cesar de Almeida ( Gerente - ENGENHARIA/SL/SEQUI ) - Joaquim José Moreira dos Santos ( Consultor

Leia mais

ACÇÕES DE FORMAÇÃO EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

ACÇÕES DE FORMAÇÃO EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS ACÇÕE DE FORMAÇÃO EM ENAIO NÃO DETRUTIVO ANO DE 2011 ACÇÕE A DECORRER NO ORTO E EM INE 1- REFERENCIAL DO CONTEÚDO QUETÕE COMUN A TODA ACÇÕE ROGRAMADA Todos os cursos são reconhecidos pela Relacre através

Leia mais

E-QP-EUS-011 1 OBJETIVO 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 TERMINOLOGIA 4 MODALIDADES 5 REGRAS GERAIS. Apresentação

E-QP-EUS-011 1 OBJETIVO 2 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 TERMINOLOGIA 4 MODALIDADES 5 REGRAS GERAIS. Apresentação ULTRASSOM - TOFD INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO Procedimento Operacional ENGENHARIA Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS

CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS CRITÉRIOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS NORMA Nº: NIT-DICOR-004 APROVADA EM MAI/2013 Nº 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da Revisão

Leia mais

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES ENGENHARIA - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa.

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

Ensaios não-destrutivos

Ensaios não-destrutivos Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Mecânica Ensaios não-destrutivos Prof. Dr. Fábio Lúcio Santos => Partículas Magnéticas => Líquidos Penetrantes Partículas Magnéticas => O ensaio

Leia mais

PP-5EN-00029 Rev. B ESTANQUEIDADE PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO

PP-5EN-00029 Rev. B ESTANQUEIDADE PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a execução do ensaio não destrutivo de estanqueidade pelas técnicas de Pressão Positiva, Pressão Negativa e Capilaridade, a ser utilizado

Leia mais

Ensaio por raios gama

Ensaio por raios gama A UU L AL A Ensaio por raios gama Na aula anterior, você aprendeu a fazer ensaio por raios X numa chapa soldada. Constatou que durante a realização do ensaio aparentemente nada acontece, porque as radiações

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL NOVEMBRO DE 2012 Índice da Apresentação EMPRESA... 3 Missão... 3 Áreas de atuação... 3 Infraestrutura Fabril... 4 ESCOPO DE SERVIÇOS... 4 Serviços de Fabricação e Manutenção... 4 Engenharia de Soldagem...

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA.

SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA. 100% NACIONAL CATÁLOGO DE PRODUTOS POTE Pote Selagem, Condensado e Lama Pote Separador SISTEMAS DE MEDIÇÃO LTDA. www.flowmaster.com.br CAPT.1.0.2013 REV. 0.2013 A F.Master é uma empresa 100% nacional,

Leia mais

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Industrial Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Fundamentos de Radiologia Industrial Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens, navios, submarinos, etc todas estas máquinas não poderiam

Leia mais

Antonio Carlos Gomes

Antonio Carlos Gomes Antonio Carlos Gomes CREA-RJ : 841003450/TD antonio.c.gomes@uol.com.br Rua 2 N 285, Conforto-Volta Redonda-RJ-Cep 27263-450 24-9 8855-7676 24-9 9922-7676 www.manckenna.com.br OBJETIVOS Inspeção de LP,

Leia mais

Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de Magnetização"No Contact" Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda

Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de MagnetizaçãoNo Contact Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de Magnetização"No Contact" Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda Trabalho apresentado na 6ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

Leia mais

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS (Arame Tubular, Eletrodo Revestido, MIG/MAG e TIG) Esquemas de Certificação Maio de 2015 Página 1 de 42 SUMÁRIO Soldador de Materiais Metálicos no Processo Arame Tubular...

Leia mais

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A.

ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO. João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. ENDs ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS APLICADOS À FABRICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO João Bosco Santini Pereira PETROBRAS S. A. Renato Bernardes PETROBRAS S. A. Trabalho apresentado na 6ª Conferência sobre Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA ENGENHARIA QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE CONSTRUÇÃO, MONTAGEM E COMISSIONAMENTO DE INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL 1 Instruções ao Candidato Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados

Leia mais

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação INSPEÇÃO SUBMARINA - MEDIÇÃO DE ESPESSURA DE PAREDE Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. CONTEC Comissão de Normas Técnicas

Leia mais

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc.

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Radiologia Radiografia de Soldas Prof.: Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Agenda Tubulações e Equipamentos Tubulações e equipamentos Descontinuidades em

Leia mais

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036 Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições mínimas do ensaio não destrutivo por meio de ultra-som para medição de espessura em materiais metálicos, em exames de qualificação do Sistema

Leia mais

ANEXO 07 RELAÇÃO DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO

ANEXO 07 RELAÇÃO DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO Página 1 de 6 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO Pela presente declaramos ter a disponibilidade do pessoal técnico abaixo relacionado, com o compromisso de utilizá-lo na execução do Contrato

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-008 Novembro/15 Revisão 0 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA

Leia mais

E-QP-EES-014 REV. 0 02/Jan/2012

E-QP-EES-014 REV. 0 02/Jan/2012 ESTANQUEIDADE PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO ENGENHARIA Procedimento Operacional Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Documento de Divulgação Externa Certificação de Técnicos de Ensaios Não Destrutivos de Mod.CER.009-04 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERIZAÇÃO DAS CATEGORIAS... 3 2.1... 3 2.2... 4 2.3 Nível 3... 4 3

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA Montagem Estrutura Metálica Em uma obra de estruturas metálicas, a montagem é considerada uma das fases mais importantes por representar uma

Leia mais

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND.

Este padrão aplica-se às atividades de Qualificação e Certificação de Pessoal realizado pelo SEQUI-ETCM/CEND. 1. OBJETIVO PP-5EN-0063 Fornecer ao candidato no Processo de Qualificação de Pessoal para Inspetores de END Ultrassom PHASED ARRAY, as instruções necessárias para o exame prático no ensaio não destrutivo

Leia mais

Ensaios não Destrutivos

Ensaios não Destrutivos CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE EQUIPAMENTOS JÚNIOR - INSPEÇÃO Ensaios não Destrutivos Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

Oswaldo Antônio Biltoveni INSTITUTO OPUS SOBRATEMA

Oswaldo Antônio Biltoveni INSTITUTO OPUS SOBRATEMA Rigger Oswaldo Antônio Biltoveni INSTITUTO OPUS SOBRATEMA NOSSA FROTA TERÁ UM AUMENTO INCRÍVEL 70.000 NOVOS EQUIPAMENTOS POR ANO AS ESTATÍSTICAS DEMONSTRAM QUE EM MAIS DE 90% DOS ACIDENTES COM GUINDASTES

Leia mais

Procedimento Específico PE.CER.012. Reconhecimento de Cursos de Formação para acesso à Certificação de Técnicos de Ensaios Não Destrutivos ÍNDICE

Procedimento Específico PE.CER.012. Reconhecimento de Cursos de Formação para acesso à Certificação de Técnicos de Ensaios Não Destrutivos ÍNDICE ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. REFERÊNCIAS... 2 4. DEFINIÇÕES... 2 5. RESPONSABILIDADES... 2 6. PROCEDIMENTO... 3 6.1 REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DOS CURSOS DE FORMAÇÃO... 3 6.2 PROCESSO

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Tubulações pré-fabricadas

Tubulações pré-fabricadas SPECIAL PIPES AND COMPONENTS READY FOR INSTALLATION 1 Tubulações pré-fabricadas Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para instalação Tubulações e spools pré-fabricados

Leia mais

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição

Medição de vazão. Aplicações. Características especiais. Descrição Medição de vazão Bocal de vazão para instalação interna na tubulação, modelo FLC-FN-PIP Bocal de vazão para montagem entre flanges, modelo FLC-FN-FLN WIKA folha de dados FL 10.03 Aplicações Geração de

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM 28 CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM 29 TERMINOLOGIA DE SOLDAGEM A terminologia de soldagem é bastante extensa e muitas vezes os termos técnicos que utilizamos em uma região geográfica não

Leia mais

Tampos Industriais 01

Tampos Industriais 01 Tampos Industriais 0 A EMPRESA Há 40 anos, a EICA tem seu foco na busca da excelência na fabricação de tampos industriais. O resultado é um amplo Know-ow gerando um contínuo aperfeiçoamento de todas as

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

Anexo ao Comunicado nº 42 de 22/03/12 do GT PETROBRAS/ENGENHARIA - ABEMI - ABCE

Anexo ao Comunicado nº 42 de 22/03/12 do GT PETROBRAS/ENGENHARIA - ABEMI - ABCE Anexo ao Comunicado nº 42 de 22/03/12 do GT PETROBRAS/ENGENHARIA - ABEMI - ABCE Sistemática para simplificação no processo de aprovação dos procedimentos de Ensaios Não Destrutivos - (E.N.D.) utilizados

Leia mais

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas?

Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Sua empresa ainda desmonta equipamentos industriais para avaliação de suas condições internas? Reduza custos: Para garantir a durabilidade dos equipamentos, ações de manutenção preditiva e preventiva se

Leia mais

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica Clarice Cardoso Xavier Trajetória Graduação Atividades extra-curriculares 5º ano - Estágio

Leia mais

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO Certificada ISO 9001:2008 1 A técnica de MFL consiste na magnetização com imãs permanentes poderosos capazes de criar um campo

Leia mais

N-1598 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento.

N-1598 REV. E NOV / 2003 ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS. CONTEC Comissão de Normas Técnicas SC - 27. Procedimento. ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - PARTÍCULAS MAGNÉTICAS Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta

Leia mais

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015. Sempre focado no crescimento e inovação.

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015. Sempre focado no crescimento e inovação. APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Sempre focado no crescimento e inovação. INDICE Sobre a Mettalica Visão, Missão e Valores Aplicação Capacidade Programas Certificações Normas atendidas Principais Clientes

Leia mais

Ensaios visuais. END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla

Ensaios visuais. END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla A UU L AL A Ensaios visuais END não é o fim! Na verdade, esta é a sigla que identifica o novo grupo de ensaios que você vai estudar nesta e nas próximas aulas deste módulo: os ensaios não destrutivos.

Leia mais

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203

EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 EDITAL 01/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 1) Programa de Fomento à Formação de recursos humanos em Tecnologia de Equipamentos para

Leia mais

Relatório de Qualificação Térmica

Relatório de Qualificação Térmica Página 1 Relatório de Qualificação Térmica Cliente: Hospital e Maternidade Nossa Senhora das Graças Equipamento: Autoclave a Vapor Identificação/TAG: 13.00165 Local de Instalação: C.M.E. Faixa de Trabalho:

Leia mais

SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS PARÂMETROS E CRITÉRIOS

SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS PARÂMETROS E CRITÉRIOS SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS APLICAÇÃO A finalidade da inspeção ultrassônica de trilhos é a prevenção contra a ocorrência de trincas e fraturas. As trincas e fraturas resultam, basicamente,

Leia mais