Titulo: O Sistema de Soluções de Controvérsias da OMC: A aplicação Coativa do Direito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Titulo: O Sistema de Soluções de Controvérsias da OMC: A aplicação Coativa do Direito"

Transcrição

1 Titulo: O Sistema de Soluções de Controvérsias da OMC: A aplicação Coativa do Direito Autor: Jackson Apolinário Yoshiura Publicado em: Revista Eletrônica de Direito Internacional, vol. 6, 2010, pp. Disponível em: ISSN Com o objetivo de consolidar o debate acerca das questões relativas ao Direito e as Relações Internacionais, o Centro de Direito Internacional CEDIN - publica semestralmente a Revista Eletrônica de Direito Internacional, que conta com artigos selecionados de pesquisadores de todo o Brasil. O conteúdo dos artigos é de responsabilidade exclusiva do(s) autor (es), que cederam ao CEDIN os respectivos direitos de reprodução e/ou publicação. Não é permitida a utilização desse conteúdo para fins comerciais e/ou profissionais. Para comprar ou obter autorização de uso desse conteúdo, entre em contato, 151

2 O SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS DA OMC: A APLICAÇÃO COATIVA DO DIREITO. Jackson Apolinário Yoshiura * RESUMO A OMC, que possui 153 Países Membros, regula a maior parte das trocas comerciais do mundo, o que a torna uma grande responsável pelo processo de fortalecimento do sistema multilateral de comercio e de globalização. O sistema de solução de controvérsias segue o mesmo caminho, posto que é um elemento chave para garantir o cumprimento das normas primarias da Organização. Esse fato justifica o interesse que a doutrina tem de estudar o tema. Como conseqüência, muitas questões são suscitadas, entre elas, a autonomia do regime da OMC, visto que sua lex specialis se ocupa de regulamentar o cumprimento de suas normas primarias e uma possível relação com outras normas do Direito Internacional Geral. Baseado no Direito Internacional vamos fazer uma analise das formas de aplicação coativa do direito, para, por fim, analisar a natureza jurídica das medidas aplicadas pelo sistema de solução de controvérsias no âmbito da OMC. ABSTRACT WTO, with 153 Member States, regulates the biggest share of trade exchanges in the world, which renders the organization responsible for the process of strengthening the multilateral system of trade and globalization. The dispute settlement system follows the same path, since it is a key element to ensure the fulfillment of primary rules of the Organization. This fact justifies the interest on the theme. As a consequence, many questions arise, among them the autonomy of the WTO regime, insofar as its lex specialis is responsible for regulating the fulfillment of its primary rules and a possible relation with other rules of International Law. Based on the International Law, an analysis will be made of the forms of coercive law enforcement, in order to, finally, analyze the juridical nature of the measures applied by the dispute settlement system in the ambit of the WTO 152

3 1 INTRODUÇÃO Antes da criação da Organização Mundial do Comercio OMC, o comercio mundial era regido pelo Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio de 1947 (GATT 47). Era um Acordo provisório, mas foi o principal instrumento que norteava as relações comerciais até o inicio dos anos 90. Com o passar dos dias, a comunidade internacional percebeu a necessidade de incorporar ao GATT matérias que este não tratava, ou ainda, que tratava, mas que já estavam ultrapassadas, para que assim tivesse condições de acompanhar as demandas das relações comerciais internacionais. Foi nesse contexto que surgiu a OMC. A última rodada de negociação do GATT, o Uruguay Round, durou 8 anos, e o principal motivo para isso foram às posições antagônicas entre as partes negociadoras, que acabaram por obstaculizar a assinatura da alguns Acordos. Não podemos dizer que foi uma rodada que contemplou todas as expectativas do comercio internacional, mas toda melhora, todo o progresso, é positivo, e foi isso que ocorreu. Um exemplo foi à negociação do novo sistema de solução de controvérsias. Na era GATT47, antes da OMC e do Entendimento relativo a Solução de Controvérsias 1 (ESC), o mecanismo para solucionar os conflitos entre os países membros era um dos pontos débeis do Acordo. O antigo formato do sistema permitia que uma das partes, por força da regra do consenso positivo, pudesse obstaculizar indefinidamente a adoção de uma decisão. Além disso, não previa prazos fixos, como conseqüência, as diferenças permaneciam sem uma solução por anos. Isso caracterizou a não coercitividade do sistema utilizado pelo GATT, onde o respeito pelas suas normas figurava mais no campo a espontaneidade do que da obrigatoriedade. O novo sistema de solução de controvérsias é uma das funções mais relevantes da OMC, regulamentado pelo Entendimento Relativo às Normas e Procedimentos sobre Solução de Controvérsias, que entrou em vigor no dia 1 de janeiro de 1995 e está previsto no Anexo 2 do Acordo Constitutivo da OMC. 1 Nomenclatura utilizada para fazer referencia ao Anexo 2 - Entendimento Relativo às Normas e Procedimentos sobre Solução de Controvérsias. 153

4 O ESC surge como responsável em regulamentar as controvérsias no âmbito da OMC, primando pela observância de suas normas primarias, fato que a caracteriza, de acordo com os princípios gerais do direito internacional, como normas secundarias. Por regular a maior parte das relações comerciais no mundo, a OMC desenvolve um papel fundamental no processo de globalização e é a responsável pelo fortalecimento do sistema multilateral de comercio. De forma indireta, podemos dizer o mesmo do sistema de solução de controvérsias, posto que é um elemento chave para garantir o cumprimento das normas primarias da Organização. Devido a essa importância, a OMC e seu sistema de solução de controvérsias tem interessado cada vez mais aos estudiosos. Em conseqüência desse interesse, muitas questões são suscitadas, entre elas, a autonomia do regime da OMC, visto que sua lex specialis se ocupa de regulamentar o cumprimento de suas normas primarias e uma possível relação com outras normas do Direito internacional geral. Nesse artigo, vamos analisar a natureza jurídica da aplicação coativa do direito no âmbito da OMC. Para tanto, a priori, vamos fazer uma introdução a OMC, seus objetivos, funções e estrutura. Depois, vamos analisar o Sistema de Solução de Controvérsias e o procedimento utilizado para sua consecução. Essa analise introdutória é importante para a compreensão do ultimo capitulo, que se ocupa do estudo do objeto principal desse estudo: a analise da relação entre as normas secundarias da OMC e do Direito Internacional Geral, mais especificamente, as referentes à aplicação coativa do direito. 2 A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO - OMC A Organização Mundial do Comércio OMC foi criada no Uruguay Round, depois de oito anos de negociações, que se concluiu com a assinatura dos Acordos de Marrakech em abril de

5 O GATT47 2, antecessor da OMC, surgiu em um momento de transição. Herdeiro do Capitulo IV (Política Comercial) da Carta de Havana, foi ratificado por 23 países e entrou em vigor em 01 de janeiro de Apesar de não ser uma organização internacional em sentido estrito e ter sido criado como um texto de caráter provisório, o GATT47 perdurou por 47 anos e foi considerado como principal responsável pela regulamentação e promotor do desenvolvimento do comércio internacional, sendo considerado como uma das maravilhas da história da econômia internacional do pósguerra 4 e a instituição mais eficiente dos últimos cinqüenta anos em termos de performance econômica mundial. 5 nesse período. 6 No inicio das negociações no âmbito da Rodada Uruguai ( ), um dos objetivos era deter a erosão do sistema multilateral de comércio e das disciplinas comerciais, devido a uma combinação de políticas protecionistas e restritivas (gerada 2 Sobre o GATT47 ver BARRAL, Welber. De Bretton Woods a Seattle, in O Brasil e a OMC: os interesses brasileiros e as futuras negociações multilaterais. Ed. by Welber Barral. Colaboradores Odete Maria de Oliveira. Florianópolis: Diploma legal, 2000, p. 23 e ss; MOTTA, Pedro Infante. O Sistema GATT / OMC: introdução histórica e princípios fundamentais. Coimbra: Almedina, 2005, pp ; PERONI, Giulio. Il Commercio internazionale dei prodotti agricoli nell'accordo WTO e nella giurisprudenza del dispute settlement body. Milano: Giuffrè, 2005, pp ; SRINIVASAN, T. N.. Developing countries and the multilateral trading system : from GATT to the Uruguay Round and the future. Boulder: Westview Press, 2000, pp. 9 19; e THORSTENSEN, Vera. OMC Organização Mundial do Comércio: as regras do comércio internacional e a nova rodada de negociações multilaterais: [coordenadora Yone Silva Pontes] 2 ed. São Paulo: Aduaneiras, 2001, pp Os 23 paises contratantes do GATT de 1947 foram: Os Governos da Comunidade da Austrália, do Reino da Bélgica, dos Estados Unidos do Brasil, da Birmânia, do Canadá, do Ceilão, da República do Chile, da República da China, da República Cuba, dos Estados Unidos da América, da República Francesa, da Índia, do Líbano, do Grão Ducado de Luxemburgo, do Reino da Noruega, da Nova Zelândia, do Pakistan, do Reino dos Paises-Baixos, da Rodésia do Sul, do Reino-Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte, da Síria, da República Tchecoslovaca e da União Sul-Africana. 4 JACKSON, John H. Multilateral and bilateral negoatiating approaches for the Conduct of U.S Trade Polices, in U.S Trade Policies in a Changing World Economy, Robert M. Stern ed., The Massachusetts Institute of Technology Press, 1998, p. 379, apud MOTTA, Pedro Infante. O Sistema GATT / OMC..., cit., p KRUEGER, Anne O. Whither the World Bank and the IMF?, in JEL, 1998, p.2017, apud MOTTA, Pedro Infante. O Sistema GATT / OMC..., cit., p. 26. Nesse mesmo sentido vid. ATANÁSIO, João; FERREIRA, Eduardo Paz. Textos de Direito do Comércio Internacional e do Desenvolvimento económico. Coimbra: Almedina. 2004, p Nesse sentido MOTTA, Pedro Infante. O Sistema GATT / OMC..., cit., pp e ZABALO, Patxi. OMC (Organização Mundial do Comercio). Diccionario de Acción Humanitaria y Cooperación al Desarrollo. Disponible em: <http://dicc.hegoa.efaber.net/listar/mostrar/160>. Acesso em 25 de março de

6 principalmente pelas crises dos anos 70 e inicio dos 80) 7. Diante desse contexto, para muitos países, era importante não só melhorar o GATT47, mas também criar uma organização mundial para administrar os acordos comerciais negociados. Os câmbios ocorridos no comércio internacional convenceram os países participantes da urgência de concluir as negociações com êxito, pois era evidente que o marco comercial e jurídico do GATT47 resultava insuficiente para encarar os ditos câmbios. A criação da OMC buscava conformar um novo marco legal, para assegurar que as normas comerciais acompanhassem a evolução da economia mundial e seu sistema multilateral de comércio 8. Nesse contexto, surgiu a Organização Mundial do Comércio. O Acordo que instituiu a OMC foi assinado por 120 países em 1994; em julho de 2008 o numero de Países Membros era de Vid. SOUZA, Cláudio Luiz Gonçalves. As relações internacionais do comércio: aspectos atuais do oversea trade. Belo Horizonte: Ed. 2005, p Nesse sentido HOEKMAN diz que the WTO differs in a number of important respects from the GATT. The GATT was a rather flexible institution; bargaining and deal-making lay at its core, with significant opportunities for countries to opt out of specific disciplines. In contrast, WTO rules apply to all members, who are subject to binding dispute settlement procedures. This is attractive to groups seeking to introduce multilateral disciplines on a variety of subjects, ranging from the environment and labor standards to competition and investment policies to animal rights (HOEKMAN, Bernard. The WTO: Functions and Basic Principles. In Development,Trade and the WTO: A Handbook. ed. B. Hoekman, A. Matoo, and P. English Washington, DC: World Bank, p. 41). Mesmo com diferenças, como destaca HOEKMAN, o ex. Diretor Geral da OMC, RUGGIERO, fala do sistema como um todo, e salienta que The multilateral system has contributed to an extraordinary period of growth in world trade and output - growth which in turn generates the economic resources that allow more ambitious and costly environmental and social policies to be put in place. World trade flows have increased fourteen fold since exceeding US$ 6 trillion for the first time in In the same period, world GDP increased by 1.9 per cent per year at constant prices and taking account of overall population growth - an extremely high figure by historical standards. I do not claim that the multilateral trading system that we have built in the last 50 years is a perfect one. But it is a system which is treats all countries equally, regardless of size, wealth or power. It is a system which operates by consensus, with all decisions approved by each government and ratified by each national parliament. And, more fundamentally, it is a system which is rule-based, not power-based, as a shared responsibility of all its members. It would be difficult to find a more transparent and democratic system in the international community - a reality which explains the lengthening list of developing and transition economies lining up to join. And yet we do not offer grants or loans, but just a framework to negotiate the lowering of trade barriers inside binding rules with the appropriate flexibilities for developing countries. (RUGGIERO, Renato. The Future of the World Trading System. Address to the Institute for International Economics Conference, in Washington D.C. World Trade Organization, 1998) 9 Cfr. OMC. Entender la OMC: La Organización. Miembros y Observadores. Disponível em: <http://www.wto.org/english/thewto_e/whatis_e/tif_e/org6_e.htm>. Acesso em 04 de março de

7 La Organización Mundial del Comercio (OMC) es la única organización internacional que se ocupa de las normas que rigen el comercio entre los países. Los pilares sobre los que descansa son los Acuerdos de la OMC, que han sido negociados y firmados por la gran mayoría de los países que participan en el comercio mundial y ratificados por sus respectivos parlamentos. 10 Os acordos da OMC pilares do sistema foram negociados e adotados pelos Países Membros (ratificados por seus respectivos parlamentos), constituindo normas fundamentais que garantem direitos e obrigações para os signatários. Assim a OMC constituirá o quadro institucional comum para a condução das relações comerciais entre seus Membros nos assuntos relacionados com os acordos e instrumentos legais conexos incluídos nos Anexos ao presente Acordo. 11 Importante destacar que, de acordo com o art. VIII, 1 do Acordo Constitutivo da Organização Mundial do Comércio, a OMC terá personalidade legal e receberá de cada um de seus Membros a capacidade legal necessária para exercer suas funções. 1.1 Objetivos Conforme o preâmbulo do Acordo Constitutivo da Organização Mundial do Comércio, um dos seus objetivos é: Reconhecendo que suas relações na esfera da atividade comercial e econômica devem objetivar a elevação dos níveis de vida, o pleno emprego e um volume considerável e em constante elevação de receitas reais e demanda efetiva, o aumento da produção e do comércio de bens e serviços, permitindo ao mesmo tempo a utilização ótima dos recursos mundiais em conformidade com o objetivo de um desenvolvimento sustentável e procurando proteger e preservar o meio ambiente e incrementar os meios para faze-lo, de maneira compatível com suas respectivas necessidades e interesses segundo os 10 OMC. Qué es la OMC?. Disponible em: Acesso em 04 de março de Nesse sentido MOORE diz que The WTO is not a global government ; but it is a key forum where governments cooperate globally. It is not a world democracy in the sense of being a government of the world s people but it is the most democratic international body in existence today. (MOORE, Mike. The WTO s first decade. In World Trade Review (2005), 4: 3, , p. 359) 11 Artigo II, 1 do Acordo Constitutivo da Organização Mundial do Comércio 157

8 diferentes níveis de desenvolvimento econômico. [...] Reconhecendo ademais que é necessário realizar esforços positivos para que os países em desenvolvimento, especialmente os de menor desenvolvimento relativo, obtenham uma parte do incremento do comércio internacional que corresponda às necessidades de seu desenvolvimento econômico. Podemos citar também o objetivo de ayudar a los productores de bienes y de servicios, los exportadores y los importadores a llevar adelante sus actividades 12 além de asegurar que las corrientes comerciales circulen con la máxima facilidad, revisibilidad y libertad posible. 13 A OMC destaca um outro objetivo, mais genérico, mas de grande expressão, que é o de melhorar o bem estar da população dos países Membros 14. Para a realização destes objetivos, o preâmbulo do Acordo que Estabelece a OMC prevê que: Desejosos de contribuir para o consecução desses objetivos mediante a celebração de acordos destinados a obter, na base da reciprocidade e de vantagens mútuas, a redução substancial das tarifas aduaneiras e dos demais obstáculos ao comércio assim como a eliminação do tratamento discriminatório nas relações comerciais internacionais [...] desenvolver um sistema multilateral de comércio integrado, mais viável e duradouro que compreenda o Acordo Geral sobre Tarifas Aduaneiras e Comércio, os resultados de esforços anteriores de liberalização do comércio e os resultados integrais das Negociações Comerciais Multilaterais da Rodada Uruguai. Os Acordos, sua observância e a redução dos obstáculos ao livre comércio, são meios que a OMC utiliza para tentar eliminar as barreiras que existem entre os povos e as nações, o que faz com que se aproxime da realização do seu objetivo. 12 OMC. La OMC en Pocas Palabras. Disponivel em: Acesso em 05 de março de OMC. Qué es la OMC?..., cit.. 14 OMC. La OMC en Pocas Palabras..., cit.. 158

9 1.2 As funções A OMC tem um propósito primordial de liberalizar o comércio mundial, contribuindo para que las corrientes comerciales circulen com fluidez, libertad, equidad y previsibilidad. 15 Para a realização de seus propósitos e logro de seus objetivos, a OMC se encarrega de: Administra los acuerdos comerciales de la OMC Foro para negociaciones comerciales Trata de resolver las diferencias comerciales Supervisa las políticas comerciales nacionales Asistencia técnica y cursos de formación para los países en desarrollo Cooperación con otras organizaciones internacionales. 16 Para HOEKMAN 17, a função principal da OMC é servir de foro de cooperação internacional em matérias ligadas às políticas comerciais (segundo ponto). Nessa perspectiva, os Governos dos Países Membros deveriam ter as normas da OMC como códigos de conduta 18, observando-as, para direcionar suas políticas comerciais internacionais. 15 OMC. La Organización Mundial del Comercio... Disponivel em: Acesso em 12 de agosto de OMC. La OMC. Disponível em: Acesso em 12 de agosto de Ver também o Artigo III do Acodo Constitutivo da Organização Mundial do Comércio. 17 Cfr. HOEKMAN, Bernard. The WTO: Functions and Basic Principles..., cit., pp. 41 e Ver CUNHA, Luis Pedro Rodrigues da. O Sistema Comercial Multilateral face aos espaços de integração regional. Dissertação de doutoramento em Ciências Jurídico-Económicas apresentada à Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. 2006, p.14 e ss. These codes emerge from the exchange of trade policy commitments in periodic negotiations. The WTO can be seen as a market in the sense that countries come together to exchange market access commitments on a reciprocal basis. It is, in fact, a barter market. In contrast to the markets one finds in city squares, countries do not have access to a medium of exchange: they do not have money with which to buy, and against which to sell, trade policies. Instead they have to exchange apples for oranges: for example, tariff reductions on iron for foreign market access commitments regarding cloth. This makes the trade policy market less efficient than one in which money can be used, and it is one of the reasons that WTO negotiations can be a tortuous process. One result of the market exchange is the development of codes of conduct. The WTO contains a set of specific legal obligations regulating trade policies of member states, and these are embodied in the GATT, the GATS, and the TRIPS agreement. (HOEKMAN, Bernard. The WTO: Functions and Basic Principles..., cit., p. 42.) 159

10 1.3 A estrutura A OMC está integrada por 153 Membros 19, que representam mais de 90% do comércio mundial. Mais de 30 países, entre eles 10 países menos desenvolvidos, estão negociando sua adesão a Organização. Na Organização Mundial do Comércio as decisões são adotadas em conjunto por todos os Membros, geralmente por consenso 20, e depois são ratificadas pelos respectivos parlamentos, como ocorreu com os Acordos da OMC, os quais foram ratificados pelo parlamento de todos os Membros. Para o desempenho de suas atividades institucionais, a OMC dispõe de uma estrutura. A máxima autoridade na estrutura da OMC é a Conferência Ministerial, que:...terá a faculdade de adotar decisões sobro todos os assuntos compreendidos no âmbito de qualquer dos Acordos Comerciais Multilaterais, caso assim o solicite um Membro, em conformidade com o estipulado especificamente em matéria de adoção de decisões no presente Acordo e no Acordo Comercial Multilateral relevante. El Consejo General es el órgano decisorio de más alto nivel de la OMC en Ginebra 23, responsável por desempenhar as funções da Organização e, nos intervalos entre reuniões da Conferencia Ministerial, o Conselho Geral desempenhará as funções da Conferência 24, é composto por representantes (geralmente embaixadores ou funcionários de classe equivalente) de todos os Membros, que se reúnem periodicamente. 19 Estes são os últimos números divulgados pela OMC em julho de Não obstante, também é possível recorrer a votação por maioria dos votos emitidos. Esse sistema nunca foi utilizado na OMC. 21 Artigo IV, 1. do Acordo Constitutivo da Organização Mundial do Comércio. 22 Até os dias atuais, já ocorreram seis Conferências Ministeriais: Singapura, de 9-13 de dezembro de 1996; Genebra, de de maio de 1998; Seattle, de 30 de novembro - 3 de dezembro de 1999; Doha, de 9-13 de novembro de 2001; Cancún, de de setembro de 2003 y Hong Kong, de de dezembro de OMC. El Consejo General de la OMC. Disponivel em: Acesso em 05 de março de Articulo IV, 2. do Acordo Constitutivo da Organização Mundial do Comércio 160

11 O Conselho tem a prerrogativa de se reunir em qualidade de Órgão de Exame de Políticas Comerciais e Órgão de Solução de Diferenças. Além disso, o Conselho Geral delega responsabilidades em outros Conselhos e Comitês. 25 No nível seguinte, estão os Conselhos para o Comércio de Bens, para o Comércio de Serviços e para os Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual relacionados com o Comércio (ADPIC), que prestam relatórios ao Conselho Geral. A OMC possui um importante número de comitês e grupos de trabalho especializados que se encarregam dos distintos acordos e de outras esferas, como o meio ambiente, o desenvolvimento, as solicitações de adesão a Organização e os acordos comerciais regionais. A pesar de não estar exposto no organograma, a OMC conta com uma Secretaria, situada em Genebra, que tem, aproximadamente, 500 funcionários 26, encabeçados por seu Diretor Geral. A principal função da Secretaria é prestar assistência técnica aos diversos conselhos e comitês, e as Conferências Ministeriais, prestar assistência técnica aos países em desenvolvimento, analisar o comércio mundial e dar publicidade aos assuntos relacionados com a OMC. Além disso, presta algumas formas de assessoramento jurídico nos procedimentos de solução de controvérsias e instrui os governos que desejem se converter em Membros da OMC. 1.4 A Natureza jurídica das obrigações assumidas no âmbito da OMC. De acordo com grande parte da doutrina que analisa o tema, as obrigações assumidas no âmbito da OMC têm uma natureza jurídica de obrigações dissociáveis em relações bilaterais Las negociaciones prescritas en la Declaración de Doha tienen lugar en el Comité de Negociaciones Comerciales y sus órganos subsidiarios, y entre ellas figuran ahora las negociaciones sobre la agricultura y los servicios iniciadas a principios de El CNC actúa bajo la autoridad del Consejo General. (OMC. Entender la OMC. La Organización. Estructura de la OMC. Disponivel em: Acesso em 05 de março de 2010) 26 O pressuposto anual de 2008 foi de 185 milhões de Francos Suíços (OMC. Qué es la OMC?..., cit..). 161

12 Um dos principais argumentos dessa corrente é que: A relevancia del principio de reciprocidad en su funcionamiento y el que, en caso de incumplimiento, se permita que el miembro afectado suspenda obligaciones o concesiones comerciales contraídas en virtud de los propios acuerdo de la OMC con respecto al Miembro infractor, inspirándose en la maxima inadimplendi non est adimplendum y presuponiendo que la suspensión no conculca los derechos del resto de Miembros. 28 Nessa perspectiva, quando um Membro utiliza uma restrição ilícita a um produto de um determinado País Membro, a relação será bilateral. Assim, só o Membro lesionado estaria legitimado a reclamar contra o Membro infrator 29. O fato de a mesma conduta afetar mais de um Membro e, por conseqüência, legitimar a todos os afetados, geraria múltiplas relações bilaterais com um único responsável. 2. O SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS DA OMC 2.1 As controvérsias no âmbito do Gatt de 1947 Durante toda vigência do GATT47, o sistema de solução de controvérsias pode ser destacado com um dos seus pontos mais deficientes. O antigo sistema permitia que uma das partes implicadas no desacordo comercial pudesse obstaculizar indefinidamente a adoção de uma decisão final sobre o caso. Além disso, não previa prazos fixos, como conseqüência, as diferenças permaneciam sem uma solução por anos, quando havia. As controvérsias eram disciplinadas pelos art.s XXII e XXIII do GATT47, que permanecem vigentes até hoje. Estes dois artigos estabeleceram o direito das Partes Contratantes de formularem consultas ou reclamações relativas à aplicação do Acordo. O problema era que se limitava a isso e não estabelecia um procedimento para administrar 27 FERNÁNDEZ PONS, Xavier. La Organización mundial del comercio y el derecho internacional: un estudio sobre el sistema de solución de diferencias de la OMC y las normas secundarias del derecho internacional general. Madrid, [etc.] : Marcial Pons, 2006, p Ibidem Segundo as normas secundarias gerais sobre a invocação da responsabilidade internacional. 162

13 as controvérsias, que acabava por ficar a cargo das Partes Contratantes. Como não existia uma regulamentação do procedimento geral, não é difícil concluir que também não existia qualquer processo de apelação. Isso, nos dias de hoje, parece um absurdo, já que a OMC conta com dispositivos para regulamentar todo o procedimento e também disponibiliza a possibilidade de apelar, caso o resultado não seja satisfatório. Durante as etapas iniciais, as disputas eram submetidas às Partes Contratantes; posteriormente, as resoluções eram entregues a grupos de trabalho com até 20 delegados, representantes dos governos, inclusive das partes em disputa, e as suas recomendações eram entregues às Partes Contratantes para sua decisão final. Em 1952, surgiram os painéis, que foram estabelecidos com o intuito de resolver as reclamações, e se basearam no princípio segundo o qual se presumia que uma medida que infringisse qualquer acordo contraído constituía um caso de anulação ou de restrição dos benefícios conferidos pelas normas do GATT Com essa modificação, as partes litigantes não poderiam ser membros dos painéis, mas as recomendações dos painéis continuavam sendo entregues a decisão final das Partes Contratantes. Na verdade, isso foi uma formalidade sem benefícios práticos, uma vez que, por força do princípio do consenso positivo adotado na época, uma só Parte Contratante tinha o poder de impedir o cumprimento de uma decisão. Assim, a decisão final dependia do consenso de todas as Partes Contratantes, inclusive das Partes em disputa. Como conseqüência do consenso positivo, a maior parte das controvérsias no âmbito do GATT47 se resolveu pela via diplomática ou política, o que sobrelevou a importância do poder na resolução das controvérsias naquela época. 31 Durante o período compreendido entre os anos de De acordo com SEVILLA in the GATT's early history, the panel procedure was quite informal. Disputes were simply referred to the chair of the plenary meeting of the contracting parties, who issued a ruling to the parties. As the volume of complaints grew, the practice of referring a dispute to a "working party" composed of the disputants and other interested parties developed. From 1952 onward the procedure became more formalized, with disputes being referred to a panel of independent experts acting in their own capacities, and not as representatives of the member states. These panels issued rulings based on a legal interpretation and examination of evidence submitted by the disputants, and could make policy recommendations about what steps, if any, should be taken to bring the offending policies into compliance with GATT rules, or what compensatory measures would be sufficient to make restitution to the complainant. (SEVILLA, Christina R. Explaining Patterns of GATT WTO Trade Complaints. Workig Paper Cambridge, MA: Weatherhead Center for International Affairs, Harvard University. 1998) 31 OESCH, Matthias. Standards of review in WTO dispute resolution. Oxford : Oxford University Press, 2003, p

14 1994 resolveram-se 196 disputas, mas somente em um caso foi autorizada a suspensão de concessões pelo não cumprimento das obrigações provenientes dos Acordos por um Membro As controvérsias na OMC Na Rodada Uruguai, estabeleceu-se um procedimento melhor estruturado e com etapas mais definidas para o sistema de solução de controvérsias. A expectativa era que, em alguns anos, seria possível observar as mudanças e o progresso, quando comparado com o sistema utilizado do GATT47. Mas como ressaltou JACKSON 33, não era um sistema sem falhas, e seria surpreendente se todas as características inovadoras funcionassem perfeitamente como foram idealizadas. O novo procedimento é regulamentado pelo Entendimento sobre as Normas e procedimentos que Regem o Sistema de Solução de Controvérsias (ESC) 34, que é composto por 27 artigos que definem as regras e os procedimentos aplicados à solução das controvérsias, relativas aos acordos abrangidos 35 e Acordo da OMC", entre os Membros 36, e se encontra no Anexo 2 dos Acordos da OMC. Nesta perspectiva, por regulamentar o sistema de solução de controvérsias, delimitando procedimentos e etapas, o ESC criou um ambiente mais seguro e previsível PETERSMANN, E. International trade law and the GATT/WTO Dispute Settlement System : an introduction. Studies in Transnational Economic Law, vol. II, La Haya, Kluwer Law Internacional, p Vid. JACKSON, John H. Dispute Settlement and a New Round. In The WTO After Seattle, ed. by Jeffrey J. Schott. Washington: Institute for International Economics, 2000, p Em inglês: Dispute Settlement Understanding (DSU) 35 Vid. Nomenclatura utilizada no art. 1 do ESC. 36 Vid. Art. 1 do ESC. 37 Cfr. BARRAL, Welber. Organização Mundial do Comercio (OMC). In Tribunais Internacionais: Mecanismos contemporâneos de solução de controvérsias. Welber Barral, organizador. Florianópolis: Fundação Boiteux, p. 35. Ver. também art. 3.2 do ESC. 164

15 Assim como ocorre com os demais acordos multilaterais da OMC, o ESC é concebido como um compromisso único 38, vinculando a todos los Miembros de la Organización por el mero hecho de serlo, sin requerir una ulterior y especifica prestación del consentimiento 39. Ademais, é o foro exclusivo para solucionar as controvérsias relacionadas com qualquer acordo abrangido da OMC. Desta forma, se houver qualquer desacordo entre os Países Membros da OMC, referente a algum acordo, esta divergência deve ser solucionada no âmbito da OMC, mas precisamente, por seu Sistema de Solução de Controvérsias. 40 Sendo assim, todo el Miembro tiene el derecho a reclamar a otro a través del sistema de solución de diferencias y a obtener, mediante el procedimiento central, que se determinen los términos de solución de la diferencia. 41 Além dos procedimentos e das etapas definidas, um outro ponto que influenciou substancialmente a estrutura do novo sistema foi o princípio do consenso negativo. 42 Antes, com o consenso positivo, bastava à vontade de uma Parte Contratante para o painel ser bloqueado. Agora, com o consenso negativo, para um painel ser bloqueado é necessário à vontade de todos os Membros, inclusive do demandante, o que faz com que o novo procedimento seja quase automático single undertaking -. Vid. JACKSON, John H. Designing and Implementing Effective Dispute Settlement Procedures: WTO Dispute Settlement, Appraisal and Prospects. In The WTO as an International Organization. Ed. by Anne O. Krueger. Chicago and London: The University of Chicago Press,1998, p. 162; e DISTEFANO, Marcella. Soluzione delle controversie nell'omc e diritto internazionale. Padova : CEDAM, 2001, p FERNÁNDEZ PONS, Xavier. La Organización mundial del comercio..., cit., p. 70. Nesse mesmo sentido OESCH diz que it estabishes, for the first time, a unified and compulsory dispute settlement system for all covered agreements adopted under the umbrella of the WTO. (OESCH, Matthias. Standards of review..., cit., p. 5) 40 De acordo com MACHADO o sistema de resolução de litígios da OMC tem uma natureza compulsória e unificada, abranendo os acordos celebrados sob a égide da OMC. (MACHADO, Jónatas E. M.. Direito Internacional: do paradigma clássico ao pós-11 de setembro. 3ª ed. Coimbra: Coimbra Editora, p. 488) 41 FERNÁNDEZ PONS, Xavier. La Organización mundial del comercio..., cit., p Vid. DISTEFANO, Marcella. Soluzione delle controversie nell'omc..., cit., p Nesse sentido JACKSON diz que the key attribute of the new procedures, as we will see below, is "automaticity." No longer will it he feasible for a nation to block the results of a dispute settlement procedure (JACKSON, John H. Designing and Implementing Effective..., cit., p.163).ver também DISTEFANO, Marcella. Soluzione delle controversie nell'omc..., cit., p. 26; e ARAKI, Ichiro. In Memory of Robert Emil Hudec ( ). In World Trade Review (2005), 4: 1, , p. 98; 165

16 O ESC prevê uma pluralidade de procedimentos para solucionar as controvérsias no âmbito da OMC. Existe o procedimento central, desenvolvido pelo Grupo Especial (Painel) e pelo Órgão de Apelação, e os chamados procedimentos alternativos, que são os bons ofícios, a conciliação, a mediação e a arbitragem. De acordo com as novas normas, o processo inicia-se com uma consulta obrigatória, almejando uma solução sem a necessidade de estabelecer um Grupo Especial. 44 Durante as consultas, as parte interessadas procurarão obter uma solução satisfatória da questão antes de recorrer a outras medidas previstas no presente Entendimento 45. Qualquer parte, por ato voluntário, pode solicitar os bons ofícios, a conciliação ou mediação, em qualquer momento, sem prejudicar o direito de solicitar a abertura do Grupo Especial na hipótese de não chegar a uma solução satisfatória entre as partes. 46 Assim, se a controvérsia não é solucionada por nenhum desses três meios, um Grupo Especial examinará o assunto e emitirá uma decisão final em um prazo de 12 a 15 meses, a partir da data formal da solicitação de formação do Grupo (incluindo o período da apelação). Se surgir alguma obrigação, esta tem que ser satisfatoriamente cumprida, em regra, em um prazo de 18 meses. Existe também a possibilidade de se recorrer à arbitragem, caso seja de comum acordo entre as partes interessadas. As partes concordarão em acatar o laudo arbitral, que será notificado ao Órgão de Solução de Controvérsias (OSC) e ao Conselho ou Comitê dos acordos pertinentes. 47 De acordo com a OMC, menos da metade das solicitações de consultas chegam até o Grupo Especial, uma que vez se resolvem por meio dos procedimentos alternativos 48 ou são abandonadas. 44 Vid. art. 4.3 do ESC 45 Art. 4.5 do ESC 46 Vid. art. 4.7 e 5.4 do ESC. 47 Art do ESC. 48 A OMC se refere a eles como the out-of-court solution of disputes fazendo uma referencia aos domestic judicial systems. (OMC. A Handbook on the WTO Dispute Settlement System: A WTO Secretariat Publication. Cambrige : Cambrige University Press, 2004, p. 92.) 166

17 É importante ressaltar que todos os meios citados têm que estar em compatibilidade com os acordos abrangidos e não deverão anular ou prejudicar os benefícios de qualquer Membro em virtude daqueles acordos, nem impedir a consecução de qualquer objetivo daqueles acordos. 49 O ESC é administrado pelo Órgão de Solução de Controvérsias nomenclatura que o Conselho Geral utiliza quando atua nessa função. O OSC exerce uma função de direção dos procedimentos de solução de controvérsias entre Países Membros, tem a faculdade de estabelecer Grupos Especiais, adotar seus relatórios, estabelecer os Órgãos de Apelação, vigiar a aplicação dos relatórios e autorizar a imposição das medidas de retaliação em caso do não cumprimento pelo país demandado As Consultas O sistema de solução de controvérsias busca sempre uma solução negociada, instância que se materializa na celebração das consultas entre o reclamante e o reclamado. Uma solução negociada tem uma natureza política e conserva, como destaca FERNÁNDEZ PONS, la aptitud para promover un cambio del derecho propia de los medios políticos para el arreglo pacifico de controversias, aunque sea dentro de los límites de la compatibilidad con los acuerdos abarcados 50. Sendo assim, as negociações devem estar sempre em conformidade com todo o sistema, respeitando os direitos dos demais Membros e constituindo-se em uma solução satisfatória para ambas as partes. Fortalecendo este pensamento, o art do ESC destaca que as consultas devem sempre estar dotada de boa fé. Quando um Membro formular uma solicitação de celebração de consultas, o Membro ao qual se dirija a referida solicitação deverá responder em um prazo de 10 dias, e, em 30 dias, iniciar-se-ão consultas de boa fé 51, buscando chegar a uma solução satisfatória para todas as partes envolvidas. Caso isso não ocorra, ou se as partes não 49 Art. 3.5 do ESC 50 FERNÁNDEZ PONS, Xavier. La Organización mundial del comercio..., cit., p Vid. art. 4.3 do ESC 167

18 chegarem a um acordo em um prazo de 60 dias 52, o Membro que solicitou a celebração das consultas poderá solicitar o estabelecimento de um Grupo Especial (Painel). O OSC e os Conselhos e Comitês devem ser notificados das solicitações apresentadas pelo Membro que o fez 53. O ESC, no art. 4.8, prevê a possibilidade de casos de urgência, oportunidade em que as consultas têm um prazo mais curto. [...] os Membros iniciarão as consultas dentro de prazo não superior a 10 dias contados da data de recebimento da solicitação. Se as consultas não produzirem solução da controvérsia dentro de prazo não superior a 20 dias contados da data de recebimento da solicitação, a parte reclamante poderá requerer o estabelecimento de um grupo especial Bons ofícios, conciliação e mediação. Estes procedimentos alternativos estão previstos no art. 5 do ESC, e, assim como na consulta, tem uma natureza política, uma vez que o que fica acordado nesses procedimentos é proveniente da vontade das partes, que têm discricionariedade para chegar a uma solução negociada ou não. Ao negociar uma solução para determinado conflito, as partes interessadas devem sempre primar pela observância dos acordos abrangidos e os direitos dos outros Países Membros, primando por não violá-los. Faz-se mister salientar que esses procedimentos alternativos, como sugere o próprio nome, não são obrigatórios, ou seja, são utilizados voluntariamente se as partes na controvérsia assim acordarem 55 e poderão iniciar-se ou encerrar-se a qualquer tempo. 56 O ESC não regulamenta a forma com que se devem desenvolver esses procedimentos, o que da uma margem, para que as partes convencionem e utilizem os procedimentos que entendam mais conveniente. 52 Vid. art. 4.7 do ESC 53 Vid. art. 4.4 do ESC 54 Art. 4.8 do ESC 55 Art. 5.1 do ESC 56 Art. 5.3 do ESC 168

19 A utilização de tais procedimentos, de acordo com o art. 5.6 do ESC, poderá ser oferecido, de oficio, pelo Diretor Geral, para ajudar os Membros a resolver a controvérsia existente. Se estabelecido voluntariamente ou por oferecimento do Diretor Geral, e as partes não chegarem a um acordo, a utilização destes procedimentos não prejudica o direito de solicitar o estabelecimento do Grupo Especial. Além disso, de acordo com o art. 5.5 do ESC, se as partes envolvidas na controvérsia concordarem, os procedimentos para bons ofícios, conciliação e mediação poderão continuar enquanto prosseguirem os procedimentos do grupo especial A Arbitragem De acordo com o art do ESC a arbitragem é um procedimento rápido [...] como meio alternativo de solução de controvérsias que pode facilitar a resolução de algumas controvérsias que tenham por objeto questões claramente definidas por ambas as partes. O procedimento a ser utilizado estará sujeito a acordo mútuo entre as partes, que acordarão quanto ao procedimento a ser seguido, devendo notificar a todos os Membros com suficiente antecedência ao efetivo início do processo de arbitragem. 57 A participação de outros Membros é uma faculdade das partes na diferença. Depois de desenvolvido todo o processo de arbitragem, será feito um laudo arbitral que deve ser acatado pelas partes e notificado ao OSC e ao Conselho ou Comitê dos acordos pertinentes, oportunidade na qual qualquer Membro poderá levantar qualquer questão com eles relacionada. Não podemos deixar de ressaltar que existem duas possibilidades para usar a arbitragem: a primeira é a sua utilização como um procedimento alternativo, como foi descrito a cima; a segunda é como um procedimento obrigatório, utilizado para 57 Art do ESC 169

20 determinar, quando solicitado, o prazo prudencial 58 e analisar a impugnação do nível de suspensão proposta 59, depois de todo o contencioso O Grupo Especial (Painel) Quando a controvérsia não tem uma solução satisfatória na fase das consultas, o reclamante poderá solicitar o estabelecimento de um Grupo Especial (GE), também chamado painel. Feita a solicitação, esta figurará como ordem do dia em uma reunião do OSC. Na reunião seguinte a esta, o Grupo Especial será estabelecido (existe a possibilidade, por consenso, de não se estabelecer o GE). O Membro interessado deve apresentar uma petição por escrito, solicitando o estabelecimento do GE. Essa petição deve informar sobre a celebração das consultas, os fatos e também uma exposição dos fundamentos de direito que motivaram a controvérsia, que devem ser suficientes para apresentar o problema com claridade. O GE funciona como um tribunal, que estuda, analisa e informa sobre os aspectos fáticos e jurídicos da controvérsia. É formado por três integrantes, a menos que as partes na diferença entrem em acordo, para estabelecer dez integrantes (isso só pode ocorrer nos dez dias seguintes ao estabelecimento do GE). Os candidatos a integrantes 60 são apresentados pela Secretaria às partes, que não devem se opor a eles, a menos que tenham razões imperiosas 61. O GE deverá facilitar o alcance de uma solução satisfatória do conflito para ambas as partes. Irá determinar um calendário de trabalho e informar às partes o tempo para que cada uma delas apresente seus comunicados. Depois, almejando sempre um 58 Vid. art c) do ESC 59 Vid. art do ESC 60 Os grupos especiais serão compostos por pessoas qualificadas, funcionários governamentais ou não, incluindo aquelas que tenham integrado um grupo especial ou a ele apresentado uma argumentação, que tenham atuado como representantes de um Membro ou de uma parte contratante do GATT 1947 ou como representante no Conselho ou Comitê de qualquer acordo abrangido ou do respectivo acordo precedente, ou que tenha atuado no Secretariado, exercido atividade docente ou publicado trabalhos sobre direito ou política comercial internacional, ou que tenha sido alto funcionário na área de política comercial de um dos Membros. (Art. 8, 1 do ESC) 61 Vid. art. 8.6 do ESC 170

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO As Partes do presente Acordo, Reconhecendo que as suas relações na esfera da atividade comercial e econômica devem objetivar a elevação dos níveis

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC

CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC CENTRO DO COMÉRCIO GLOBAL E INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS PROJETO CESA - IBRAC OS ACORDOS DA OMC COMO INTERPRETADOS PELO ÓRGÃO DE SOLUÇÃO

Leia mais

PROTOCOLO DE BRASÍLIA PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS

PROTOCOLO DE BRASÍLIA PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS PROTOCOLO DE BRASÍLIA PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, doravante denominados "Estados

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regente: Pedro Infante Mota Ano Letivo 2014/2015 3.º Ano, Turma da Noite DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO 1. APRESENTAÇÃO Apesar de a propensão para trocar

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas por Partes : Animadas pela vontade

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Manutenção da Paz Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Conclusão e assinatura: 01 de julho de 1968 Entrada em vigor: No Brasil: Aprovação:

Leia mais

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças 21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns a fim de facilitar a administração internacional de

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 30/04 REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no MERCOSUL

Leia mais

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Conclusão e assinatura: Viena Áustria, 23 de agosto de 1978

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO. (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO (Programa e bibliografia geral seleccionada) 5º Ano Ano Lectivo 2002/2003 Coordenador Prof. Doutor Eduardo Paz Ferreira Regente

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO A Organização mundial de comércio em poucas palavras A Organização Mundial de Comércio (OMC) é a única organização internacional que trata das regras que regem o comércio

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Disciplina: Direito Internacional Econômico (DIE) Curso: Direito Carga Horária: 32 Departamento: Direito Público Área: Direito Público

Disciplina: Direito Internacional Econômico (DIE) Curso: Direito Carga Horária: 32 Departamento: Direito Público Área: Direito Público Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Internacional Econômico (DIE) Curso: Direito Carga Horária: 32 Departamento: Direito Público Área: Direito Público PLANO DE ENSINO EMENTA Transnacionalização

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI Andréia Nádia Lima de Sousa 1 RESUMO: O trabalho tem por objeto estudar a origem da Organização Mundial do Comércio dentro do cenário econômico

Leia mais

ACORDO QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE O COMÉRCIO E INVESTIMENTO PREÂMBULO

ACORDO QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE O COMÉRCIO E INVESTIMENTO PREÂMBULO ACORDO QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE O COMÉRCIO E INVESTIMENTO PREÂMBULO O Governo da República de Angola e o Governo dos Estados Unidos

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 1. Partes da disputa As partes da disputa serão o titular da marca e o operador de registro do gtld.

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES

CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES CONVENÇÃO INTERAMERICANA SOBRE CUMPRIMENTO DE MEDIDAS CAUTELARES Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de concluir uma convenção sobre cumprimento de medidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

Desejando progredir mais no caminho que identificaram para permitir que alcancem uma solução mutuamente acordada para o contencioso, Seção I

Desejando progredir mais no caminho que identificaram para permitir que alcancem uma solução mutuamente acordada para o contencioso, Seção I MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE UM FUNDO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E FORTALECIMENTO DA CAPACITAÇÃO RELATIVO AO CONTENCIOSO

Leia mais

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em português da Organização

Leia mais

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes 1 CONVENÇÃO N. 159 Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes I Aprovada na 69ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1983), entrou em vigor no plano internacional em

Leia mais

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978

Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 Decreto n.º 101/78 Acordo de Base entre a Organização Mundial de Saúde e Portugal, assinado em Copenhaga em 12 de Junho de 1978 O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985

DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985 PORTUGAL Acordo de Co-Produção Brasil - Portugal - 03/02/1981 Decreto Nº 91.332, de 14 de junho de 1985 DECRETO Nº 91.332, DE 14 DE JUNHO DE 1985 Promulga o Acordo de Co-Produção Cinematográfica entre

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. CAPÍTULO I Princípios Gerais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. CAPÍTULO I Princípios Gerais REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do Banco Comercial Português, SA (o Banco), tem por função

Leia mais

Glossário - OMC. Cartel

Glossário - OMC. Cartel Glossário - OMC C Cartel Cartel é uma prática comercial semelhante ao Truste, porém consistindo na cooperação de empresas independentes, podendo ser utilizado tanto para fixação de preços quanto para a

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

Capitulo 5: O Comércio Internacional

Capitulo 5: O Comércio Internacional Capitulo 5: O Comércio Internacional O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Dessa

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

Promoção do Emprego e Proteção Contra o Desemprego

Promoção do Emprego e Proteção Contra o Desemprego 1 CONVENÇÃO N. 168 Promoção do Emprego e Proteção Contra o Desemprego I Aprovada na 75ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1988), entrou em vigor no plano internacional em 17.10.91.

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington

Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Decreto n.º 588/76 Tratado de não Proliferação das Armas Nucleares, assinado em Londres, Moscovo e Washington Usando da faculdade conferida pelo artigo 3.º, n.º 1, alínea 3), da Lei Constitucional n.º

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de estabelecer uma Convenção sobre Asilo Diplomático, convieram nos seguintes artigos:

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público Bruno Alexander Vieira Soares Promotor de Justiça de Defesa da Saúde/BH Coordenador da Coordenadoria de Defesa das Pessoas

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto.

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto. ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem Capítulo I Denominação, sede e objeto Artigo 1 É constituída por tempo indeterminado, com sede em Lisboa, na Rua Rodrigo

Leia mais

Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra)

Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra) Anexo VI Termos e Condições Gerais (Ordem de Compra) 1. ACEITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA Esta Ordem de Compra somente será aceita pelo PNUD mediante a assinatura por ambas as partes e fornecimento de acordo

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA MERCOSUL/GMC/RES Nº 16/97 LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO PREVISTA NAS CONCLUSÕES DE GRUPOS DE TRABALHO DA SUBCOMISSÃO COMERCIAL MERCOSUL UNIÃO EUROPÉIA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

DECRETO Nº 2.682, DE 21 DE JULHO DE 1998 (DOU 22.07.1998) Promulga a Convenção nº 168 da OIT, relativa à Promoção do Emprego e à Proteção contra o

DECRETO Nº 2.682, DE 21 DE JULHO DE 1998 (DOU 22.07.1998) Promulga a Convenção nº 168 da OIT, relativa à Promoção do Emprego e à Proteção contra o DECRETO Nº 2.682, DE 21 DE JULHO DE 1998 (DOU 22.07.1998) Promulga a Convenção nº 168 da OIT, relativa à Promoção do Emprego e à Proteção contra o Desemprego. O Presidente da República, no uso das atribuições

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.034,DE 2011 Dispõe sobre a assistência internacional prestada pelo Brasil sobre matéria de valoração aduaneira e dá outras

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FRANCESA SOBRE A COOPERAÇÃO NA PESQUISA E NOS USOS DO ESPAÇO EXTERIOR PARA FINS PACÍFICOS O Governo da República

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Mercosul Protocolo de Ouro Preto

Mercosul Protocolo de Ouro Preto PROTOCOLO DE OURO PRETO PROTOCOLO ADICIONAL AO TRATADO DE ASSUNÇÃO SOBRE A ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO MERCOSUL (Ouro Preto, 17/12/1994) A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República

Leia mais

Projeto de acordo do consórcio entre a Universidade de Coimbra e a Universidade Aberta

Projeto de acordo do consórcio entre a Universidade de Coimbra e a Universidade Aberta Projeto de acordo do consórcio entre a Universidade de Coimbra e a Universidade Aberta Anexo à deliberação n.º 31-CG/2015 Documento n.º 32-/2015 Entre: A UNIVERSIDADE DE COIMBRA, pessoa coletiva número

Leia mais

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito Associação Catarinense de Ensino FACULDADE GUILHERME GUIMBALA - FGG Curso de Direito Autorização da Unificação de Mantidas - FGG: Portaria SESu Nº 56, de 18/01/2008 (DOU de 21/01/2008) Curso de Direito

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

PROPOSTA MERCOSUL DE REGIME DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS PARA OS ACORDOS CELEBRADOS ENTRE O MERCOSUL E OS ESTADOS ASSOCIADOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL

PROPOSTA MERCOSUL DE REGIME DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS PARA OS ACORDOS CELEBRADOS ENTRE O MERCOSUL E OS ESTADOS ASSOCIADOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 49/10 PROPOSTA MERCOSUL DE REGIME DE SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS PARA OS ACORDOS CELEBRADOS ENTRE O MERCOSUL E OS ESTADOS ASSOCIADOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR

GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR MARKT/2526/02 PT Orig. EN GATS E EVOLUÇÃO INTERNACIONAL RELATÓRIO INTERCALAR Commission européenne, B-1049 Bruxelles / Europese Commissie, B-1049 Brussel Bélgica. Telefone: + 32-2-299.11.11 Escritório:

Leia mais

1. Introdução. Relatório Anual 2002

1. Introdução. Relatório Anual 2002 1. Introdução Na última Assembléia Geral Ordinária de Acionistas da Telefónica S.A. (doravante, Telefónica, a Companhia, ou a Sociedade ) que teve lugar no dia 12 de abril passado, seu Presidente renovou

Leia mais

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam;

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam; Convenção 170 PRODUTOS QUÍMICOS A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho da Administração do Departamento Internacional do Trabalho, e congregada

Leia mais

ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS

ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS DOCUMENTO PREPARADO PARA O MÊS DA ONU PETIÇÕES INDIVIDUAIS DANIELA IKAWA QUAIS SÃO OS MECANISMOS DE PROTEÇÃO EXISTENTES? O QUE SÃO MECANISMOS

Leia mais

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas

Arbitragem. Respostas objetivas para soluções rápidas 2 8 8 9 9 9 10 10 10 11 11 11 12 12 12 12 13 Respostas objetivas para soluções rápidas O que é a? Como surgiu o Instituto da? A é constitucional? A sentença arbitral tem validade jurídica? Quais são as

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA TUNÍSIA DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República da Tunísia, doravante designadas conjuntamente por "Partes" e separadamente

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

Acordo OMC - Acordo Que Cria a Organização Mundial do Comércio.

Acordo OMC - Acordo Que Cria a Organização Mundial do Comércio. Resolução da Assembleia da República n.º 75-B/94 Acordo Que Cria a Organização Mundial do Comércio, seus anexos, decisões, declarações ministeriais e o Acto Final, que consagra os resultados das negociações

Leia mais

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional

Fundamentos de Direito Internacional. Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD. Programa de Pós-Graduação em Direito Internacional São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires Aula Inaugural Escola Paulista de Direito - EPD Fundamentos de Direito Internacional

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais