Finanças Comportamentais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Finanças Comportamentais"

Transcrição

1 Finanças Comportamentais Um modelo de avaliação de massa (11)

2 Precificação de Ativos e modelos Grandes personaliades buscaram modelos de precificação. No ínicio do século XX, em 1900 Louis Bachelier com sua tese Théorie de la Spéculation Em 1933 o rico cientista amador, Alfred Cowles III com seu centro de pesquisa em busca de malhor precisão dos mercados, chegou a mesma conclusão de Bachelier. Em 1938 e 1940, Ralf Nelson Elliott, um engenheiro estudioso em comportamento humano, escolheu os gráficos de preços por refletir de forma objetiva o comportamento das pessoas. Selecionou 13 padrões repetitivos humano coletivo num gráfico de preços do mercado de ações Norte Americanas. Elliott faleceu em Em 1953 o estatístico Inglês, Maurice G. Ksndall, com bases relevantes a um longo período, analisou as ações negociados no mercado Landline, as commodities; algodão de NY e trigo de Chicago mais de um século de série histórica analisado em busca de padrões convencionais que levassem a investidores ganhar dinheiro, declarou: No todo Concluíu laconicamente que sua experiência foi um fracasso Não há esperança de conseguir prever os movimentos das bolsas de forma linear. Surge então em 1956 com um foco diferenciado, o notável Economista Hanrry Markowitz defendia sua Tese até hoje muito conhecida, sobre a Ideal Carteira Teórica das ações. Hoje em dia os modêlos mais aceitos pela comunidade financeira é apoiado na visão de Markovitz, que tem a aplicação de modelos metemático com tratamento linear de quantificação dos preços. Em retorno, busca-se o acuramento do risco da composição do portifólio de uma teórica carteira de ações. 2

3 Psicologia e economia A pesquisa econômica freqüentemente assume que pessoas são motivadas primordialmente por incentivos materiais e fazem decisões de modo racional. Considera-se que elas avaliam o estado da economia e o efeito de seu comportamento processando de informações disponíveis de acordo com princípios estatísticos padrão. Esse enfoque tem sido formulado axiomaticamente na chamada teoria de utilidade esperada, que é a teoria econômica predominante para decisões sob incerteza. A visão prevalecente na psicologia em geral, psicologia cognitiva em particular, é olhar o ser humano como um sistema que codifica e interpreta a informação disponível de uma maneira consciente, mas em que outros fatores, menos conscientes, também influenciam decisões, em um processo interativo. Tais elementos incluem percepção, modelos mentais para interpretar situações específicas, emoções, atitudes e memórias de decisões anteriores e suas conseqüências. Existem bolhas especulativas, efeito manada, a memória muito fugaz nos mercados financeiros. A realidade nos mostra que as decisões dos agentes estão longe de ser perfeitamente racionais. Por isso, conceitos desenvolvidos pelas finanças comportamentais, como o da racionalidade limitada têm um poder de ser perfeitamente racionais. Prof. Dante Mendes Aldrighi, revista Estadão Investimentos de setembro 2006, pág.16. 3

4 Psicologia e economia Sendo o mercado formado por pessoas, e pessoas reagem pelos seus anseios e experiências passadas agem e reagem quando em busca do mesmo objetivo, por definição, os preços refletem o comportamento das pessoas massa quando em busca dos mesmos objetivos. Há duas formas de estudar a evolução dos preços: Por uma tabela; Por gráfico. Segundo o estudioso em movimento de massa Robert Prether em seu livro Sob o Princípio da Onda editado em 2000, cada decisão do mercado produz uma informação significativa e por conseqüência produzirá uma informação significativa. Cada transação, uma vez produzido o efeito, ingressa na estrutura do mercado e, comunicando o dado das transações para os investidores, formam do outro lado, as correntes das causas e efeito comportamentais. Esta realimentação é governada pela natureza social do homem, e uma vez que isso tem uma natureza própria, o processo gera formas padrões. Como essas formas são repetitivas, elas tem valor preditivo. Textos retirado de uma ampla pesquisa sobre o comportamento humano baseado em entrevistas e experimentos, Daniel Kahneman e outros psicólogos ou cientistas que questionaram a assunção da racionalidade econômica em algumas situações de decisão. Daniel Kahneman: Prêmio Nobel de 2002 em Economia. 4

5 Ralph Nelson Elliott - O Princípio das Ondas - Um modelo de Análise Considerações Básicas da Teoria de Elliott Os preços movimentam-se em Ciclos de onda; As ondas organizam-se em padrões de sub-ondas ou ondas menores; Ondas são classificadas em ondas ação e reação; As ondas e sub-ondas são dispersos de preço e de tempo; Modalidade da Onda: Cinco ondas ( ); 5

6 Ralph Nelson Elliott - O Princípio das Ondas - Um modelo de Análise Elliott em seus estudos do movimento do mercado, notou que os preços sempre variava dentro de uma relação e proporcionalidade. Observou que a relação entre sí dos movimentos obedeciam a razão encontrada nos números dourados ou números áureos, conhecido universalmente como números de Phi. Esta razão é a algoritmo da matemática mais verdadeira da expressão da natureza. Estas razões são encontradas na seqüência numérica de Fibonacci e, são aplicadas na beleza visual da Arquitetura, na música por Bach, Bethoven, Strauss e outros. Na arte, foi largamente explorada por Leonardo da Vinci e outros. Na biologia, na Matemática, na Física, na Sociologia, na dimensão e proporções humanas e, em muitas outras expressões da Natureza. 6

7 Fibonacci O primeiro grande matemático da idade média Leonardo Pizano nascido na Itália em 1.175, era filho de Bonaccio Um proeminente mercador italiano. Ficou conhecido por Fibonacci Pela contração filho de Bonaccio. Desde jovem Leonardo visitou e morou no Oriente e no Norte da África on de o sistema hindu era largamente usado. Estudou com os melhores matemáticos Se sua época e, ao longo de vida nos países árabes, assimilou numerosas informações aritméticas e algébricas. Tornou-se o primeiro matemático da Idade Média. Ao voltar a Itália, escreveu seu primeiro livro, o Liber Abacci o livro de ábaco que teve uma enorme influência para a introdução na Europa do sistema hindu-arábico. Foi nessa obra que Fibonacci introduziu sua seqüência numérica que divulga a de forma mais refinada a expressão da natureza. Após essa obra, Fibonacci continuou colaborando com a matemática, escrevendo depois, A Prática Geométrica contribuindo com a Geometria e Trigonometria. As três principais OBRAS DE FIBONACCI: Fibonacci escreveu cinco obras: quatro livros e uma que foi preservada como carta. Liber abacci-1202: Foi revisto em Foi neste livro que Fibonacci falou pela primeira vez do problema dos coelhos. Pratica Geometria-1220: Este é um livro sobre geometria e Trigonometria Liber quadratorum-1225: É o maior livro que Fibonacci escreveu. 7

8 Seqüência numérica de Fibonacci No Liber abacci escrito em 1202, que Fibonacci chegou a finura matemática da expressão da Natureza através da aplicação da fórmula: Fn= F (n-1) +F (n-2) Assim a seqüência numérica é: 1,1,2,3,5,8,13,21,34,55,89,144,233, Para encontrarmos a razão áurea ou números de ouro é simples. Basta aplicarmos a divisão do número (n) por (n-1) : 1/1 = 1; 2/1 = 2; 3/2 = 1,50; 5/3 = ; 8/5 = 1 6; 13/8 = 1 625; 21/13 = ; 34/21 = 1, ; 55/34 = 1, ; 89/55 = 1,61818; 144/89 = 1, Se invertermos o numerador pelo denominador, sendo (n-1)/(n) teremos as seguintes resultantes: 1/1 = 1; 1/2 = 0,50; 2/3 = 0, ; 3/5 = 0,60; 5/8 = 0,62500; 8/13 = 0, ; 13/21 = 0, ; 21/34 = 0, ; 34/55 = 0, ; 55/89 = 0,61797; 89/144 = 0,61818 Para encontrarmos outras razões douradas, basta aplicarmos a fórmula (n)/(n-2); (n)/(n-3) e assim por diante: 1/1 = 1; 1/2 = 0,50; 1/3 = 0, ; 2/5 = 0 40; 3/8 = 0,37500; 5/13 = ; 8/21 = 0, ; 13/34 = 0, ; 21/55 = 0, ; 34/89 = 0,

9 Número de Phi Aplicações dos números de ouro ou Phi em nossa vida e na Natureza fonte: 9

10 Algumas aplicações da Seção Dourada na Arquitetura Nas Pirâmides do Egito Parthenon na Grécia Catedral D Notre Dame em Paris 10

11 Seção Dourada na Arte Leonardo da Vinci Leonardo da Vinci Georges Pierre Seurat 11

12 Seção Dourada na Música A série de fibonacci aparece na estrutura básica da arte, e beleza e da vida. A música também tem uma relação intima com a razão dourada. Há 13 notas na extensão das oitavas, concluídas pela soma das 5 teclas brancas com as 3 teclas em preto ( 3.a + 5.a) ou as 3 teclas brancas com 2 teclas em preto 2ª com a 3ª. Observe ainda na figura abaixo o teclado do piano com 13 chaves sendo 8 teclas brancas e 5 teclas pretas reunidas em 2 grupos. Não é casual que os grandes nomes da música como Mozar; Sebastian Bach; Bethoven; Vivaldi e outros chegaram ao clímax de sua obra explorando com sua finura e genialidade uma freqüência harmônica pela nota dominante em que a soma e a combinação das 13 notas compreendem as quintas e as oitavas. 12

13 Seção Dourada no Marketing A razão dourada é utilizado na apresentação de muitos projetos para produtos de consumo. Phi é utilizado para buscar a beleza, harmonia visual, sensação de prazer e bem estar. É explorado para adicionar estilo dentro de um processo apelativo de marketing. A aplicação é intensa em nosso dia a dia, conforme algumas ilustrações: 13

14 Seção Dourada - base da Natureza A espiral do DNA é uma seção dourada. Sabe-se hoje que a molécula do DNA é o programa de toda a vida, e está baseada na seção dourada. A sua espiral mede 34 angstroms por 21 angstroms. Esses dois números fazem parte da seqüência de Fibonacci e quando extraídos a sua razão temos o número de Phi, (21/34)= 0,

15 Seção Dourada na Natureza - mundo animal...toda a vida é biologia. Toda a biologia é psicológica. Toda a psicologia é químico e prazeroso. O químico e prazeroso é físico. Toda a física é matemático Dr. Stephen Marquardt 15

16 Seção Dourada na Natureza - mundo vegetal Provavelmente muitos de nós, nunca examinamos com cuidado estrutura de uma planta. As pétalas de uma flor, por exemplo, freqüentemente encontramos a soma das pétalas o número de Fibonacci, conforme figuras.a associação de números de Fibonacci não é restringida a beleza harmônica do número de pétalas. Se traçarmos um diagrama esquemático de uma planta simples, no seu arcabouço encontraremos a composição dos números da seqüência de fibonacci estruturalmente fractada. daisy do shasta com 21 pétalas Na estrutura das plantas Na estrutura dos arbustos e árvores 16

17 Seção Dourada no homem Na beleza humana Phi é contemplado. A proporção dos órgãos do rosto e da forma física é bastante explorada pela natureza O pentagrama de Leonardo da Vinci 17

18 Seção Dourada no homem 18

19 Seção Dourada no comportamento humano coletivo no mercado O comportamento humano pode ser quantificado por um gráfico no mercado das commodities, como o Boi Gordo negociado na BMF pela a evolução de 1,382%, ou no mercado de Crude Oil, negociado em Nova York na Bolsa de energia Nymex, pela evolução de 1,618%. 19

20 Seção Dourada no comportamento humano coletivo no mercado Da mesma forma, um na quantificação dos movimentos das ações, como na Ação Vale do Rio Doce negociado na Bovespa ou mercado de moedas como na relação do preço Real x USD, com 1,382%. 20

21 Seção Dourada no comportamento humano coletivo no mercado Estudos foram organizados levando em consideração os impulsos e sentimento de realização do ser humano frente à suas ações. Quanto mais agradáveis eram as respostas, mais os estímulos seguiam em direção as proporções do número Phi. Após várias experiências, a pesquisa além de Elliott considerou que a conduta humana também obedece às proporções de Fibonacci. Para aplicarmos um modelo de quantificação desses impulsos da massa, basta aplicamos em um gráfico estes mesmos princípios dos movimentos de diversos ativos do mercado financeiro. Pela ampla aplicação de Phi na Natureza, Elliott estudou e demonstrou em sua Teoria, que a massa quando em busca do mesmo propósito e sob as mesmas condições, comportam-se expressando suas expectativas na relação de Phi 0,618; 0,50 e 0,382. Elliott concluiu que as emoções humanas pulsam em freqüência rítmicas; elas se movem em ondas de número e direção definidos. Este fenômeno ocorre em todas as atividades humanas, seja na economia, na política ou na busca do prazer. Elliott era persistente e conhecia o que fazia. De 1928 a 1938 Elliott aplicou a ferramenta gráficos e encontrou ao longo desse tempo 13 padrões comportamentais humano coletivo recorrente dos preços quantificando nos gráficos. Talvez isso ocorra por uma lei intrínseca na Natureza humana que busca nas suas diversas manifestações as proporções harmônicas de Fibonacci. Experiências foram feitas por arquitetos construindo-se ambientes com dimensões em proporções de Fibonacci e outros ambientes em proporções com combinações opostas a essas e foi pesquisada a impressão de visitantes, que acharam a primeira confortável e a segunda desconfortável. 21

22 Seção Dourada no comportamento humano coletivo no mercado A extensão desta tese carrega a explicação dos movimentos de preços de ativos nos mercados ao redor de todo o mundo. Qualquer Ativo negociado livremente no mercado tem como reflexo os impulsos humanos com tendências e oscilações de várias magnitudes. O que observa-se é que tais oscilações tem amplitudes que se relacionam entre si em proporções do número Phi. O motivo desse fenômeno é pelo julgamento das pessoas estar intimamente afetado por suas sensações próprias de satisfação frente a um negócio bem realizado ou de insatisfação a um negócio mal realizado, ou mesmo os sentimentos de oportunidade para entrar nos mercados. Justamente quando as relações de dimensão entre os movimentos atingem as proporções do número Phi, uma onda de novos compradores e ou novos vendedores atuam no mercado. Por este motivo, ferramentas de quantificação podem ser usadas com objetivo de precificar movimentos futuros dos ativos. Sem dúvida nenhuma, as aplicações destas proporções intrigam a muitos no mercado financeiro, fazendo a cada dia mais adeptos a ferramentas que se utilizam deste conceito. Nós da TCX, adeptos desta linha de estudo, desenvolvemos nossas próprias ferramentas de projeção futura do mercado. Aplicamos com sucesso este mesmo princípio a movimentos de diversos ativos do mercado financeiro. Classificamos um pequeno ou grande movimento passado, para concluirmos com alto índice de acerto os pontos prováveis de inflexões deste movimento ou encerramento de seu ciclo de ação. Para melhor otimização do resultado de nossos estudos, criamos a ferramenta Fibonacci Matrioshka. Esta ferramenta tem como proposta mensurar os objetivos prováveis e stop s técnicos. Internamente, a ferramenta tem a capacidade de referendar as menores turbulências de preços do mercado, de forma clara, simples e objetiva. 22

23 Modelo da TCX O modelo da TCX permite: Identificar os ciclos de tendências e sua reversão; Dimensionar magnitute provável de oscilações e alocação de stops técnicos; Antecipar médios e grandes movimentos de preços; Indicar timing correto das negociações; Correlacionar mercados e fundamentos; Identificar a mutação do status das tendências analisadas pelo Trading System Matrioshka. 23

24 Interpretação de eventos ocorridos em ativos nacionais e internacionais de juros, moedas, ações e commodities, usando o modelo TCX Contrato de USD x R$ BM&F Com a expansão de 1,382% Contrato de USD x R$ BM&F Com a exposição do Fibonacci Matrioshka 24

25 Interpretação de eventos ocorridos em ativos nacionais e internacionais de juros, moedas, ações e commodities, usando o modelo TCX Contrato de Ibovespa Futuro BM&F Com a expansão de 1,382% Contrato de Ibovespa Futuro BM&F Com a exposição do Fibonacci Matrioshka 25

26 Interpretação de eventos ocorridos em ativos nacionais e internacionais de juros, moedas, ações e commodities, usando o modelo TCX Contrato de Crude Oil negociado - Nymex Com a expansão de 1,618% Contrato de Crude Oil - Nymex Com a exposição do Fibonacci Matrioshka 26

27 Interpretação de eventos ocorridos em ativos nacionais e internacionais de juros, moedas, ações e commodities, usando o modelo TCX Juros Nacionais - DI BM&F Com a expansão de 1,618% Juros Nacionais DI BM&F Com a exposição do Fibonacci Matrioshka 27

28 Modelo da TCX Além do Fibonacci Matrioshka com indicação dos pontos objetivos, aplicamos o Trading System da TCX como ferramenta de alerta para mais de 120 Ativos por ele vigiados. Este sistema é alimentado em tempo real pelo Broadcast System e objetiva orientar e transmitir aos usuários o status atualizado de cada ativo analisado, acusando o dia e hora da mutação do status. Tendências: Venda (cor vermelha); Compra (cor verde) e Neutra (cor amarela). Ciclos de operação: Curto prazo: de 1 a 5 dias e Médio Prazo: de 6 a 30 dias. 28

29 TCX e seus produtos TCX TRADING CONSULTING On Line - Ações CURSOS CONSULTORIA GESTÃO DE CARTEIRAS - Análise Técnica - E-mini Presenciais - Mercado Financeiro para Investidores - Estratégias de Negociação Eletrônica - Sala de Negociação - Treinamento - Forex TCX - Consultoria Corporativa - Operações estruturadas - Análises de Ativos BOVESPA, BMF e Mercados Internacionais com suporte aos clientes via Sistema de consulta instantânea e Viva-voz - Indicação de Corretoras - Trade System Eletrônico - Mercado de Renda Variável Nacional: BOVESPA e BMF - Mercado de Renda Variável Internacional: CFDs de ADRs de empresas brasileiras 29

30 Área de atuação TCX TRADING CONSULTING INVESTIDOR/ CLIENTE NOSSA MISSÃO: CORRETORAS MERCADOS MAXIMIZAR OS GANHOS FINANCEIROS DE NOSSOS CLIENTES, ASSESSORANDO-OS NA SUA RELAÇÃO COM OS MERCADOS E OS AGENTES ATUANTES, DE FORMA ÁGIL E COM INFORMAÇÃO DE QUALIDADE. 30

31 Convite para Palestras 19/10 (5ª feira) Operações em Bolsa de Valores através do Home Broker Gabriel Vidigal, Gerente de Produtos da Ativa Corretora. 25/10 (4ª feira) Análise do Cenário Macroeconômico para o ano de 2007 Arthur Carvalho, Economista Chefe da Ativa Corretora 07/11 (3ª feira) Opções Gabriel Vidigal, Gerente de Produtos da Ativa Corretora. 09/11 (5ª feira) Mercado de Ações e Derivativos José Alcino Vendrame, da TCX. 16/11 (5ª feira) Análise de Mercado no Enfoque Técnico Luiz Antônio G. Pinto (Parddal), da TCX. 23/11 (5ª feira) Termo e Aluguel de Ações Gabriel Vidigal, Gerente de Produtos, da Ativa Corretora. 30/11 (5ª feira) Fundos de Investimento e Tesouro Direto Ricardo Junqueira, Estrategista-sócio da Ático Gestão de Recursos, e Gabriel Vidigal, Gerente de Produtos da Ativa Corretora. 31

32 VISITE NOSSO SITE OU NOS CONTATE PELO FONE: (11) VISITE TAMBÉM NOSSOS PARCEIROS EDUCACIONAIS Copyright Todos os direitos reservados a TCX Trading Consulting. 32

Educação Financeira Responsável. Escola de Operadores

Educação Financeira Responsável. Escola de Operadores Escola de Operadores Escola de Operadores Treinamentos e Ltda. São Paulo, SP, Brasil Telefone: (5511) 3022-4528 (5511) 99103-9827 www.escoladeoperadores.com.br Contato@escoladeoperadores.com.br http://twitter.com/operadoresbr

Leia mais

Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e

Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e proporcionar atendimento personalizado, sem perder de vista

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades Marília Lidiane Chaves da Costa marilialidiane@gmail.com Izamara

Leia mais

NÚMERO DE OURO. Palavras chave: Número de Ouro, Desenho Geométrico, Matemática, História, Aprendizagem, Geometria.

NÚMERO DE OURO. Palavras chave: Número de Ouro, Desenho Geométrico, Matemática, História, Aprendizagem, Geometria. NÚMERO DE OURO Giuliano Miyaishi Belussi Giu_mb@yahoo.com.br Daniel Aparecido Geraldini Danielgeraldini@gmail.com Enéias de Almeida Prado Neneias13@yahoo.com.br Profª. Ms. Maria Bernadete Barison barison@uel.br

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional em uma instituição que há 15 anos trabalha com

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B

Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B Escola Secundária de Dona Luísa de Gusmão 10º B David nº9 Ricardo Pereira nº15 Sílvia nº19 1 Introdução...3 O que é o número de ouro...4, 5 e 6 Quem foi Leonardo Fibonacci...7 Leonardo Da Vinci...8 O número

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Metodologia de Pesquisa Cientifica e Tecnológica I Profa. Dra. Eloize Seno Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização Rodolfo Pereira

Leia mais

Política. Gestão de Risco de Mercado

Política. Gestão de Risco de Mercado Política de Gestão de Risco de Mercado Superintendência de Riscos Aprovada no Comitê de Riscos e Liquidez de 30/09/2010 Índice 1. OBJETIVO 3 2. PERÍMETRO 3 2.1 CARTEIRA DE NEGOCIAÇÃO 3 2.2 CARTEIRA ESTRUTURAL

Leia mais

COM A TÉCNICA DE REGRESSÃO LINEAR SIMPLES

COM A TÉCNICA DE REGRESSÃO LINEAR SIMPLES DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA SIMULAÇÃO DE PREVISÃO DE PREÇO DE AÇÕES NA BOVESPA UTILIZANDO DATA MINING COM A TÉCNICA DE REGRESSÃO LINEAR SIMPLES Davi da Silva Nogueira Orientador: Prof. Oscar Dalfovo,

Leia mais

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec CANDLESTICK Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores Carlos Alberto Debastiani Novatec Fundamentos Capítulo 1 A formação dos elementos do gráfico: os candles Ao analisar o mercado, podemos utilizar

Leia mais

Introdução. 1.1 Histórico

Introdução. 1.1 Histórico 1 Introdução 1.1 Histórico O mercado brasileiro, assim como os mercados da maioria dos países emergentes, tem se caracterizado pela crescente volatilidade e dependência do capital estrangeiro. A integração

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Cássia Menatto Mebius Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Financial Administration CFM Cássia Menatto Mebius ESTUDO DE CASO: Aspectos da Análise fundamentalista versus análise gráfica para uma corretora São

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

O COMPORTAMENTO E PERFIL DO INVESTIDOR FRENTE AOS RISCOS DE INVESTIMENTOS EM AÇÕES

O COMPORTAMENTO E PERFIL DO INVESTIDOR FRENTE AOS RISCOS DE INVESTIMENTOS EM AÇÕES O COMPORTAMENTO E PERFIL DO INVESTIDOR FRENTE AOS RISCOS DE INVESTIMENTOS EM AÇÕES Bruna Hiromi USHIWA 1 RGM 072470 Camila Rodrigues BAGATTINE 1 RGM 073812 Karina Godoy CARVACHE 1 RGM 072793 Natali BARBOSA

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

MANUAL DE SWING TRADING

MANUAL DE SWING TRADING MANUAL DE SWING TRADING LIÇÕES PRÁTICAS DE UM FLOOR TRADER 1ª Edição Rio de Janeiro Antônio Charbel José Zaib 2013 Z25 Zaib, Charbel Manual de Swing Trading: Lições Práticas de um Floor Trader / Charbel

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 5: Os investidores SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 5: Os investidores o Quem são os investidores o Como o investidor decide o Métodos de Avaliação o Relações pós-abertura de capital

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Dar poder aos investidores através do conhecimento

Dar poder aos investidores através do conhecimento Dar poder aos investidores através do conhecimento Índice 3 4 6 8 10 incomeiq uma forma mais inteligente de pensar nas suas necessidades de rendimento A necessidade de rendimento nunca foi tão grande Qual

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução:

Capítulo 1 - Introdução: Capítulo 1 - Introdução: Todo desenho comunica uma ideia e a expressão gráfica é uma linguagem que passa o pensamento para o papel ou computador, facilitando a comunicação de quem envia ou recebe uma informação.

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 04 ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS 2 Dificuldades das avaliações imobiliárias características especiais dos imóveis, que

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Trabalhos. Carta. Livro do ábaco. 3. Flos (1225) Theodorum phylosophum domini Imperatoris. Fibonacci nasceu em Pisa, por volta de 1170.

Trabalhos. Carta. Livro do ábaco. 3. Flos (1225) Theodorum phylosophum domini Imperatoris. Fibonacci nasceu em Pisa, por volta de 1170. Fibonacci nasceu em Pisa, por volta de 1170. Grupo : André M. Gabrielli Arlane M. da Silva e Silva Elisabete T. Guerato Giovanna Gaspar Bezerra Juliana Ikeda Juliana Montagner Léslie Ferreira Lansky Mª

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA ISSN 2316-7785 ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA Luciane Bichet Luz UFPEL lbichet615@hotmail.com Amanda Prank UFPEL amandaprank@ymail.com RESUMO Esta pesquisa busca relacionar a Matemática

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

ebook - Forex para Iniciantes

ebook - Forex para Iniciantes Mercado financeiro Na economia, o mercado financeiro é um mecanismo que permite a compra e venda (comércio) de valores mobiliários (por exemplo ações e obrigações), mercadorias (como pedras preciosas ou

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Escola Secundária de D. Luísa de Gusmão Trabalho elaborado por: -Andreia Domingos nº 4 -Cátia Santos nº 7 10ºB 1 O que é o Número de Ouro...pág 3, 4 e

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l Sumário PARTE I O VEREDICTO DA HISTÓRIA CAPÍTULO l RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 "Todo mundo está destinado a ser rico" 3 Retornos dos mercados financeiros desde 1802 5 A performance dos títulos

Leia mais

INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO. Leonardo Brissant leo@brissant.com

INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO. Leonardo Brissant leo@brissant.com INTRODUÇÃO Este texto contém alguns trechos da monografia Sistema de negociação de ações utilizando indicadores de análise técnica otimizados por algoritmos genéticos apresentado por Leonardo Brissant,

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

COMO INVESTIR NA BOLSA DE VALORES

COMO INVESTIR NA BOLSA DE VALORES COMO INVESTIR NA BOLSA DE VALORES Enio Caldas & Associados Consultoria e Treinamento em Bolsa de Valores Olá, eu sou o ENIO CALDAS Professor, pesquisador, estudioso e o mais importante... Um entusiasta

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Gestão do conhecimento e inteligência Corporativa Conceitos fundamentais Aplicações do

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

Fibonacci e a Seção Áurea

Fibonacci e a Seção Áurea Na matemática, os Números de Fibonacci são uma seqüência (sucessão, em Portugal) definida como recursiva pela fórmula abaixo: Na prática: você começa com 0 e 1, e então produz o próximo número de Fibonacci

Leia mais

Há 30 anos no mercado, a Futura Corretora iniciou suas atividades nos mercados de derivativos, como sócia fundadora da BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros). Desde sua fundação, vem disseminando em todo

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Pergunta: O Ibovtrend um corretora? Resposta: Nós

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

O CAPM e futuros de setores selecionados

O CAPM e futuros de setores selecionados Introdução O Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (Capital Asset Pricing Model - CAPM) determina a taxa de retorno teórica que o investidor espera extrair do investimento em um ativo financeiro.

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

inovarti Sugestão baseada em estudo para redesenho da logotipo loja Brazil V1.0 - R1-30/11/2014 soluções avançadas em e-commerce

inovarti Sugestão baseada em estudo para redesenho da logotipo loja Brazil V1.0 - R1-30/11/2014 soluções avançadas em e-commerce inovarti soluções avançadas em e-commerce Sugestão baseada em estudo para redesenho da logotipo loja Brazil V1.0 - R1-30/11/2014 Porque mudar? 1. Expansão dos negócios para novos mercados, segmentos de

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola Música quase por acaso Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir o conceito de probabilidade de transição; 2. Introduzir Cadeias de Markov; 3. Usar matrizes, estatística e probabilidade para compor

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Sobre a Um Investimentos

Sobre a Um Investimentos Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

Conteúdo. Breve descritivo tecnologia ProfitChart

Conteúdo. Breve descritivo tecnologia ProfitChart Descritivo Produtos Conteúdo 1 Sobre a Nelogica... 3 2 Sistema ProfitChart RT... 4 3 Resumo das funcionalidades... 4 3.1 Negociação eletrônica... 4 3.1.1 Chart Trading... 4 3.1.2 Boleta Day-Trade... 5

Leia mais

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS O programa irá prepará-lo para ser um especialista em Design de Interiores Comerciais na elaboração de projetos comerciais ou de serviços. MBA EM DESIGN DE INTERIORES

Leia mais

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados

Leia mais

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes

Especulador Eletrônico. Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Especulador Eletrônico Murialdo Loch - Márcia Loch Alexandre Golin Krammes Apresentação Introdução Comentário de Mauro Halfeld Conceitos Bolsas de Valores no Brasil BM&F Bovespa Curiosidades Escolas de

Leia mais

chamados de números racionais.

chamados de números racionais. O Período Pré-Industrial e a Geometria Euclidiana Os números racionais Com o sistema de numeração hindu ficou fácil escrever qualquer número, por maior que ele fosse. 0, 13, 35, 98, 1.024, 3.645.872. Como

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

UMe Sobre a Um Investimentos

UMe Sobre a Um Investimentos UMe Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp

Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp PARA USO EXCLUSIVO DOS CONSULTORES INDEPENDENTES BELCORP Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp NOVEMBRO 2011 Guia de comunicação e uso das marcas Belcorp Este guia fornece orientação sobre boas

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

Mercado Futuro de Índice de Ações

Mercado Futuro de Índice de Ações Derivativos de Índice de Ações A apresentação resumida dos principais índices de ações, mostrando como eles representam um conjunto de ações de companhias listadas para negociação em Bolsa, dá inicio ao

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Como investir na Bolsa em

Como investir na Bolsa em 6 Como investir na Bolsa em s Para você investir com mais segurança e conhecimento, a Bolsa oferece um guia a facilitando sua entrada no mundo de ações. Siga o guia dos 6 s da Bolsa para investir no mercado

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

SEMINÁRIO Curso Safras Trading School Aplicado a Commodities. Dias 24, 25 e 26 de Agosto de 2011 Cascavel (PR)

SEMINÁRIO Curso Safras Trading School Aplicado a Commodities. Dias 24, 25 e 26 de Agosto de 2011 Cascavel (PR) SEMINÁRIO Curso Safras Trading School Aplicado a Commodities Dias 24, 25 e 26 de Agosto de 2011 Cascavel (PR) O Curso Safras Trading School se diferencia pelo fato de ser ministrado em 3 dias. Com isso,

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais