DECOMP. Exercícios Práticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECOMP. Exercícios Práticos"

Transcrição

1 Treinamento nos Modelos Newave/Decomp DECOMP Exercícios Práticos Maio de 2016

2 Contextualização Planejamento da Operação Energética MÉDIO PRAZO horizonte: 5 anos discretização: mensal NEWAVE CURTO PRAZO horizonte: 12 meses discretização: semanal / mensal DECOMP CURTÍSSIMO PRAZO horizonte: 1 semana discretização: horária

3 Roteiro Aplicação do modelo DECOMP Processamento do Arquivo de Vazões Processamento do DECOMP Principais blocos de dados do arquivo DADGER Onde encontrar DECKS DECOMP no site do ONS

4 1 Aplicação do modelo DECOMP O que é PMO O PLD Fluxo de Informações Representação do Sistema

5 1.1 -O que é o PMO O Programa Mensal da Operação Energética do Sistema Interligado Nacional PMO, tem como objetivo principal estabelecer as diretrizes energéticas de curto prazo da operação coordenada do Sistema Interligado Nacional - SIN, assegurando a otimização dos recursos de geração disponíveis (Lei 9.648, de 28 de maio de 1998; à Resolução ANEEL n.º 351, de 11 de novembro de 1998 e Resolução ANEEL n.º 290, de 03 de agosto de 2000). O PMO é elaborado pelo ONS com a participação dos Agentes, sendo os estudos realizados em base mensal, discretizados em etapas semanais e por patamar de carga, e revisto semanalmente, provendo metas e diretrizes a serem seguidas pelos órgãos executivos da Programação Diária da Operação e da Operação em Tempo Real. As semanas compreendidas no estudo semanas operativas, são definidas como o período que se inicia às 0:00h do sábado e termina às 24:00h da sexta-feira subseqüente, contendo todos os dias do mês a que se refere o estudo, podendo conter dias dos meses adjacentes.

6 1.2 -O PLD Preço de Liquidação e Diferenças O PLD é determinado em base semanal, considerando três patamares de carga, para cada submercado do sistema elétrico brasileiro. A definição dos submercados é responsabilidade do ONS e contempla a seguinte divisão do sistema elétrico brasileiro: Norte, Nordeste, Sudeste/Centro-Oeste e Sul. O PLD será calculado em base ex-ante (considerando informações previstas de disponibilidade e carga) para as semanas que se iniciam aos sábados e terminam na sexta feira, podendo conter dias de dois meses adjacentes. O preço servirá para a liquidação de toda a energia não contratada entre os agentes.

7 1.2 -O PLD Preço de Liquidação das Diferenças O Preço de Liquidação das Diferenças na CCEE é calculado pelos mesmos modelos utilizados pelo ONS para o planejamento semanal e com algumas modificações nos dados de entrada: as restrições elétricas internas aos submercados são retiradas; as usinas em teste não são consideradas. Calculado o CMO, o PLD deve considerar outros parâmetros: preço mínimo: 30,25 R$/MWh (ANEEL: Resolução Homologatória nº 2002 de 15/12/2015) preço máximo: 422,56 R$/MWh (ANEEL: Resolução Homologatória nº 2002 de 15/12/2015)

8 1.3 - Fluxo de Informações D/C Cargas T Disponibilidade e restrições de transmissão G Cronograma Manutenção (H e T) Armazenamento Inicial (H) Disponibilidade, Inflexibilidade, e Custo de Geração - CVU (T) Restrições na operação (H e T) Consolidação de carga Previsão de afluências Restrições para Controle de Cheias e Uso consuntivo NEWAVE Função de Custo Futuro Médio Prazo MENSAL Definição dos Limites de Intercâmbio entre Regiões DECOMP Otimizador a usina individualizada Conexões Internacionais Disponibilidade e Inflexibilidade Custo de Geração Legislação MME, CMSE, ANEEL e ANA Agentes Programação Diária da Operação e Operação em Tempo Real Deck de Dados DECOMP (subsídio para cálculo do PLD) CCEE

9 1.3 - Fluxo de Informações Recursos do Sistema Geração Térmica Inflexibilidade Disponibilidade Custos Variáveis Cronograma de Manutenção das Unidades Geradoras Geração Máxima da usina Geração Mínima por unidade Restrições Elétricas com Rebatimentos na Geração

10 1.3 - Fluxo de Informações Recursos do Sistema Geração Hidráulica Níveis de armazenamento previstos para o primeiro dia da semana operativa Cronogramas de Manutenção das Unidades Geradoras Restrições Elétricas com Rebatimentos na Geração Restrições Operativas Hidráulicas Restrições de Uso Múltiplo das Águas Abastecimento Irrigação Navegação Controle de Cheias Ambientais

11 1.3 - Fluxo de Informações Restrições Operativas Hidráulicas Reservatório Subestação Casa de Força Barragem Vazão Turbinada Vazão Vertida Vertedouro Vazão Defluente

12 1.3 - Fluxo de Informações NA máx Afluência Restrições Operativas Hidráulicas P = k.q t.h l NA min CASA DE FORÇA h l Volume Morto q t GERADOR Corte Transversal de um Reservatório Volume Útil Volume Morto

13 1.3 - Fluxo de Informações Dados de responsabilidade do ONS Planejamento de Médio Prazo Função de Custo Futuro (FCF) Estudos Hidrológicos Previsão de Vazões Limites de armazenamento para Controle de Cheias Riscos quando do rompimento de restrições de Controle de Cheias Número de cenários para o período estocástico Uso consuntivo dos reservatórios Estudos Elétricos Limites de intercâmbio entre subsistemas Despacho mínimo por razões confiabilidade elétrica Limitações devido a desligamentos no Sistema de Transmissão Estudos de Mercado Previsão de Carga (Energia e Demanda) Número de horas de cada patamar

14 1.4 - Representação do Sistema Subsistema 4 = NORTE Subsistema 3 = NORDESTE Subsistema 1 = SE/CO Subsistema 2 = SUL

15 1.4 - Representação dos Subsistemas N F 1 Imperatriz F 3 NE F 2 F 5 F 6 F 4 UHE P. Angical + UHE Lajeado G PA + G LAJ F 7 F8 F 15 UHE S. Mesa + UHE C. Brava + UHE São Salvador G SM + G CB + G SS F 9 F 10 SE / CO ANDE ~ F ELO CC F 11 F12 Itaipu 60 Hz F IT60 F 13 F 14 Ivaiporã Argentina S

16 1.4 Representação dos REEs O Despacho SRG/ANEEL nº 3276 de 22/09/2015aprovou o uso da topologia de reservatórios equivalentes de energia (REE), constituído de 9 REEs, no âmbito do planejamento e programação da operação do SIN e do cálculo de PLD, a partir de janeiro de 2016.

17 2 Arquivo de Vazões

18 2 -Arquivo de Vazões

19 2 -Arquivo de Vazões 600 Número de Cenários de Vazão para o 2º Mês PMO 500 número de aberturas Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0, , , , ,75 0,80 0,85 0,90

20 2.1 - Uma estrutura de diretórios TREINAMENTO VAZÕES rv0...listagem dos arquivos VAZÕES dadger.rv0...dados gerais de planejamento vazõesc.dat...histórico de vazões hidr.dat...cadastro de usinas hidráulicas postos.dat...cadastro de postos de vazões mlt.dat...arquivo de MLT s modif.dat...arquivo de modificações do cadastro prevs.rv0...arquivo com a previsão de vazões semanais vaz.bat datvaz.exe gevazp.exe prevcen.exe

21 2.2 Dados para árvore de cenários & & DADOS PARA O PROGRAMA CONFIGURADOR DO ARQUIVO DE CENARIOS DE VAZOES: & IDENTIFICADOR "& VAZOES" INDICA INICIO DO REGISTROS PARA LEITURA DO APLICATIVO & & VAZOES (COLUNAS: 40 A 70) & ARQ. DE VAZOES PREVISTAS - HIDROL => PREVS.BAS & HISTORICO DE VAZOES - HIDROL => 2011 VAZOESC.DAT & ARQ. DE POSTOS - HIDROL => POSTOS.DAT & MES INICIAL DO ESTUDO => 03 & MES FINAL DO ESTUDO => 04 & ANO INICIAL DO ESTUDO => 2016 & NO. SEMANAS NO MES INIC. DO ESTUDO=> 5 & NO. DIAS DO MES 2 NA ULT. SEMANA => 1 & ESTRUTURA DA ARVORE => 0020 & UTILIZA AGREGACAO => S Arquivo Dadger Fim do 1º mês 5 semanas Número de cenários da estrutura da árvore 1dias do 2º mês na última semana. 20cenários de afluência no 2º mês

22 2.3 - Processamento do arquivo de vazões

23 3 - Processamento do DECOMP Fluxograma Geral do Modelo Decomp Uma estrutura de diretórios Arquivos de Entrada Processamento do Caso Base Arquivos de Saída Planilha Auxiliar

24 3.1 Fluxo de Informações CASO XXX DADGER.XXX DADGNL.XXX VAZÕES.XXX HIDR.DAT MLT.DAT LOSS.DAT DECOMP_24.EXE DECO.PRM... RELATO.XXX SUMÁRIO.XXX OUTROS RELATÓRIOS DE SAÍDA CORTES CORTESH

25 3.2 - Estrutura de dados em ambiente Windows (C:) TREINAMENTO DECOMP CASO_BASE CASO_EXE1 CASO_EXE2

26 3.2 Lista dos arquivos para um estudo TREINAMENTO DECOMP CASO_BASE Caso.dat...identificação do estudo (ex.: RV0) RV0...lista dos arquivos dadger.rv0...dados gerais de planejamento dadgnl.rv0...dados UTEs despacho antecipado vazões.rv0...arquivo de vazões hidr.dat...cadastro de usinas hidráulicas mlt.dat...arquivo de MLT s loss.dat...arquivo de perdas cortes.dat...arquivo FCF cortesh.dat...arquivo FCF convertenomesdecomp_24.exe converte arquivos txt decomp_24.exe...arquivo executável do DECOMP deco.prm...arquivo chave

27 3.3 Arquivos de Entrada - DADGER Dados dos Agentes Volumes iniciais Disponibilidade Inflexibilidade das térmicas Restrições operativas Navegação, irrigação, portarias (A. Tietê e P. do Sul) Eventuais problemas de transmissão/geração Limitações de combustível das UTE s Contrato de Itaipu Enchimento de volume morto Dados dos ONS Previsão de carga por subsistema Previsão de afluências Configuração e expansão do sistema Energias afluentes observadas Atualização do cadastro das UHE s e UTE s Restrições operativas - rebatimentos elétricos Usos consuntivos

28 3.3 Arquivos de Entrada HIDR.DAT

29 3.4 CASO_BASE - processamento DECOMP BASE Caso.dat...identificação do caso estudo rv0...listagem dos arquivos dadger.rv0...dados gerais de planejamento dadgnl.rv0...dados UTEs com despacho antecipado (GNL) hidr.dat...cadastro de usinas hidráulicas mlt.dat...arquivo de MLT s loss.dat...arquivo de perdas (não utilizado) vazões.rv0...arquivo de vazões cortes.p03...arquivo FCF cortesh.p03...arquivo FCF convertenomesdecomp_24.exe converte arquivos txt decomp.exe...arquivo executável do DECOMP deco.prm

30 3.4 CASO_BASE - processamento BASE

31 3.4 CASO_BASE - processamento BASE X----X X X X X Primeiro mes - iteracoes forward X Tot Def It Zinf Zsup GAP TEMPO X (1.0E+03 $) (1.0E+03 $) (%) Demanda Niv Seg Num. Tot. Inviab Tot. Inviab Tot. Inviab (MWmed) (MWmes) Inviab (MWmed) (m3/s) (Hm3) X----X X X X X X X X X X :00: :00: :00: :01: :01: :01: :01: :01: :02: :02: :02: :02: :02: :02: Fim do processamento dos arquivos. iterações convergência

32 3.5 -Arquivos de Saída Relato.rv0

33 3.5 -Arquivos de Saída Relato.rv0

34 3.5 -Arquivos de Saída Relato.rv0

35 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

36 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

37 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

38 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

39 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

40 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

41 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (pesada) N 3316 Imperatriz 3300 NE 1928 ANDE ~ 16 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 933 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

42 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (média) N 3357 Imperatriz 3300 NE 1556 ANDE ~ 57 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 940 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

43 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (leve) N 3148 Imperatriz 3148 NE 1325 ANDE ~ 0 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 562 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

44 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (médio) N 3277 Imperatriz 3245 NE ANDE ~ 32 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 802 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

45 3.6 Caso Base: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE

46 4 - Principais Blocos do DADGER Configuração do Sistema Interligado Carga dos Subsistemas Limites de Fluxo entre Subsistemas Restrições Elétricas Usinas Térmicas

47 4.1 Configuração do Sistema N F 1 Imperatriz F 3 NE F 2 F 5 F 6 F 4 UHE P. Angical + UHE Lajeado G PA + G LAJ F 7 F8 F 15 UHE S. Mesa + UHE C. Brava + UHE São Salvador G SM + G CB + G SS F 9 F 10 SE / CO ANDE ~ F ELO CC F 11 F12 Itaipu 60 Hz F IT60 F 13 F 14 Ivaiporã Argentina S

48 4.1 - Bloco SB Identificação dos subsistemas A ordem dos subsistemas deve ser definida em conformidade com o estudo do NEWAVE que disponibiliza a FCF REE deve ser definido em conformidade com o estudo do NEWAVE que disponibiliza a FCF

49 4.1 - Bloco UH: configuração e partida UHEs nos subsistemas nível de partida do reservatório (% de volume útil) valor nulo para os reservatórios de regulação diária IDENTIFICAÇÃO UH UHE código da usina hidrelétrica no arquivo HIDR.DAT REE reservatório equivalente VINI volume inicial em % do volume útil DEFMIN defluência mínima (m³/s) GRID número de pontos para a função de produção EVAP identificador para a consideração da evaporação (0/1) OPER estágio em que a usina entra em operação (em branco considera desde estágio inicial)

50 4.1 - Bloco CT: configuração das UTEs nos subsistemas IDENTIFICAÇÃO CT COD Sub NOMEDAUSI ES INFL DISP CVU código da usina termelétrica subsistema em que ela será considerada no DECOMP nome da usina estágio a partir do qual as informações são válidas geração mínima por patamar (inflexibilidade) geração máxima por patamar custo variável de geração da usina por patamar em R$/MWh

51 4.1 Blocos UE: configuração das usinas de bombeamento IDENTIFICAÇÃO UNE S Nome USM USJ Qmin m³/s Qmax m³/s Cons Mwmed/m³/s UE código da estação de bombeamento subsistema em que ela será considerada no DECOMP nome da estação usina de montante, para onde é enviada a água usina de jusante, de onde é retirada a água vazão bombeada mínima limite máximo de bombeamento consumo específico das estações de bombeamento

52 4.2 -Bloco DP Carga dos subsistemas Identificação IP S PAT MWmed PAT_1(h) DP índice do período (estágio) subsistema para o qual são inseridos os dados da curva de carga número de patamares no estágio carga de energia em MW médios (por patamar) duração do patamar em horas (por patamar)

53 4.2 CASO EXERCÍCIO 01 EXEMPLO 1: A partir do CASO_BASE considerar um acréscimo de 2.000MWmed na carga do subsistema SUL ( arquivo DADGER ) & & IP S PAT MWmed Pat_1(h) MWmed Pat_2(h) MWmed Pat_3(h) & &DP DP DP DP DP DP DP DP DP DP DP

54 4.2 CASO BASE x C01: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 01 50,8 52,2 54,1 56,0 58,0 59,7 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 01 Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 01 94,7 93,9 91,0 86,7 83,1 79,5 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 01 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 01 31,4 32,8 33,8 35,0 36,4 37,6 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 01 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 01 BASE CASO 01

55 4.2 SEMANA 1: BASE x C01 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz SE / CO S 6663 Ivaiporã CASO 01 Sem1 Pat_1 37,80 Pat_2 37,80 Pat_3 29,20 Med_SE 34,68 Pat_1 37,80 Pat_2 37,80 Pat_3 29,20 Med_S 34,68 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 37,80 Pat_2 37,80 Pat_3 29,20 Med_N 34,68

56 4.2 CASO BASE x C01: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 01 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 2865,7 2631,7 2661,0 2661,0 2661,0 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2178,0 2016,9 2092,7 1836,1 1869,9 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 0,0 6496,3 6058,9 6179,9 5928,5 5940,1 0,0

57 4.3 Interligação entre os subsistemas N F 1 Imperatriz F 3 NE F 2 F 5 F 6 F 4 UHE P. Angical + UHE Lajeado G PA + G LAJ F 7 F8 F 15 UHE S. Mesa + UHE C. Brava + UHE São Salvador G SM + G CB + G SS F 9 F 10 SE / CO ANDE ~ F ELO CC F 11 F12 Itaipu 60 Hz F IT60 F 13 F 14 Ivaiporã Argentina S

58 4.3 -Bloco IA Limite de fluxo entre subsistemas & & BLOCO 11 LIMITES DE INTERCAMBIO ENTRE SUBSISTEMAS & (REGISTRO IA) & & ----PATAMAR PATAMAR PATAMAR & EST S1 S2 DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE & xx XX xx XXXXXXXXXXxxxxxxxxxxXXXXXXXXXXxxxxxxxxxxXXXXXXXXXXxxxxxxxxxx &IA IA 1 N FC IA 1 N FC IA 1 NE FC IA 1 SE FC IA 1 SE IV IA 6 SE IV IA 1 SE NE IA 1 IV S REGISTROS INFORMADOS EM ORDEM CRESCENTE DOS ESTÁGIOS IDENTIFICAÇÃO EST S1 S2 DE -> PARA PARA -> DE IA estágio para o qual os dados são válidos índice do primeiro subsistema (DE) índice do segundo subsistema (PARA) limite de transferência no sentido DE->PARA (por patamar) limite de transferência no sentido PARA->DE (por patamar)

59 4.3 CASO EXERCÍCIO 02 A partir do CASO BASE considerar o limite de 3000 MWmed de Imperatriz para o Nordeste em todos os estágios e patamares de carga ARQUIVO DADGER IMPERATRIZ (FC) FC-NE 3000 NE & & BLOCO 11 *** LIMITES DE FLUXO ENTRE SUBSISTEMAS ** & (REGISTRO IA) & & ----PATAMAR PATAMAR PATAMAR & EST S1 S2 DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE &IA IA 1 NE FC

60 4.3 CASO BASE x C02: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 02 50,8 52,3 54,5 56,7 58,9 60,8 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 02 94,7 95,1 92,7 88,8 86,8 83,5 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 02 BASE CASO 02 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 02 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,6 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 02 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 02 BASE CASO 02

61 4.3 SEMANA 1: BASE x C02 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz SE / CO S 7983 Ivaiporã CASO 02 Sem1 Pat_1 21,71 Pat_2 21,71 Pat_3 17,29 Med_SE 20,11 Pat_1 21,71 Pat_2 21,71 Pat_3 17,29 Med_S 20,11 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 21,71 Pat_2 21,71 Pat_3 17,29 Med_N 20,11

62 4.3 CASO BASE x C02: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 02 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2277,6 2208,0 2295,4 1936,0 2071,2 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 6386,2 6213,6 6382,6 6028,4 6141,4

63 4.4 - Bloco RE Restrições Elétricas & & BLOCO 23 *** RESTRIÇÕES ELÉTRICAS** & (REGISTROS RE) & &RE &114- D. FRANCISCA &Mín/Máx ---> Informação do Agente (Controle de Tensão) & IDENTIFICAÇÃO E HORIZONTE (REGISTRO RE) & No. INI FIM & xxx XX xx RE & & LIMITES DA RESTRICAO (REGISTRO LU) & --- PATAMAR PATAMAR PATAMAR & RE EST GMIN GMAX GMIN GMAX GMIN GMAX & xxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LU & & & RE EST UHE FATOR & xxx XX xxx XXXXX FU IDENTIFICAÇÃO No. INI FIM IDENTIFICAÇÃO RE EST RE identificação da restrição elétrica número sequencial de identificação da restrição (definido pelo usuário) estágio inicial para consideração da restrição estágio final para consideração da restrição LU identificação dos limites da restrição elétrica número sequencial de identificação da restrição (definido registro RE) estágio a partir do qual os limites inseridos serão válidos GMIN limite inferior da restrição elétrica no patamar... GMAX limite superior da restrição elétrica no patamar... única usina na restrição

64 4.4 -Bloco RE Restrições Elétricas & & BLOCO 23 *** RESTRIÇÕES ELÉTRICAS** & (REGISTROS RE) & &RE &Somatório de Geração de SANTO ANTONIO E JIRAU & IDENTIFICAÇÃO E HORIZONTE (REGISTRO RE) & No. INI FIM & xxx XX xx RE & LIMITES DA RESTRICAO (REGISTRO LU) & ---PATAMAR PATAMAR PATAMAR & RE EST GMIN GMAX GMIN GMAX GMIN GMAX & xxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LU LU & RE EST UHE FATOR & xxx XX xxx XXXXX FU FU Várias usinas na restrição

65 4.4 -Bloco RE Restrições Elétricas & RE: FNS = GH LAJEADO GH P.ANGICAL + FC_SE & Máximo ---> Limites de Segurança de Transmissão - Restrição Interna ao Subsistema SE & MOP/CNOS 026/2015, vigência de 11/02/2015 & IDENTIFICAÇÃO E HORIZONTE DA RESTRICAO (REGISTRO RE) & No. INI FIM & xxx XX xx RE & LIMITES DA RESTRICAO (REGISTRO LU) & & --- PATAMAR PATAMAR PATAMAR & RE EST GMIN GMAX GMIN GMAX GMIN GMAX & xxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LU & RE EST UHE FATOR & xxx XX xxx XXXXX FU FU & RE EST DE PARA FATOR & xxx XX xx XX XXXXX FI FC SE 1.0 IDENTIFICAÇÃO RE EST DE PARA FATOR FI Combinada Hidráulica + Intercâmbio número seqüencial de identificação da restrição (definido registro RE) estágio a partir do qual o fator inserido será válido código do subsistema de origem, conforme definição nos registros SB código do subsistema de destino, conforme definição nos registros SB fator de participação do fluxo de intercâmbio na restrição elétrica

66 4.4 CASO EXERCÍCIO 03 N F FC-N = ZERO F N-FC = ZERO Imperatriz FC A partir do CASO BASE considerar o limite de fluxo na interligação do subsistema Norte para o nó fictício de Imperatriz igual a zero. & & BLOCO 23 *** RESTRIÇÕES ELÉTRICAS** & (REGISTROS RE) ARQUIVO DADGER & & Fornecimento Norte - limite NULO no fluxo Norte-IMPERATRIZ & RE LU FI N FC 1

67 4.4 CASO BASE x C03: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 03 50,8 52,2 53,7 55,3 57,1 58,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 03 94,7 93,8 90,4 85,8 82,0 78,1 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 03 BASE CASO 03 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 03 31,4 32,8 33,8 35,0 36,4 37,6 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 03 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 03 42,7 47,7 55,2 64,5 70,8 71,5 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 03

68 4.4 SEMANA 1: BASE x C03 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz SE / CO S 9042 Ivaiporã CASO 03 Sem1 Pat_1 49,16 Pat_2 49,16 Pat_3 34,03 Med_SE 43,67 Pat_1 49,16 Pat_2 49,16 Pat_3 34,03 Med_S 43,67 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 0,00 Pat_2 0,00 Pat_3 0,00 Med_N 0,00

69 4.4 CASO BASE x C03: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 03 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 2910,8 2631,7 2661,0 2822,6 2984,5 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2178,0 2016,9 2092,7 1838,7 1887,6 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 6541,4 6058,9 6179,9 6092,7 6281,3

70 4.5 - Bloco CT: dados das usinas térmicas nos subsistemas REGISTROS INFORMADOS EM ORDEM CRESCENTE DOS ESTÁGIOS

71 4.5 CASO EXE_4 A partir do CASO BASE incluir uma UTE no subsistema SE/CO com disponibilidade de 1000 MWmed e CVU igual a R$ 20,00/MWh Sugestão: identificar a nova usina com código 402 ARQUIVO DADGER & & BLOCO 4 *** USINAS TERMELÉTRICAS *** & (REGISTRO CT) & & PATAMAR PATAMAR PATAMAR & USI S NOME EST GMIN GMAX CUSTO GMIN GMAX CUSTO GMIN GMAX CUSTO & xxx XX xxxxxxxxxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx... CT FIC. SE/CO

72 4.5 CASO BASE x C04: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 04 50,8 52,4 54,5 56,8 59,0 60,9 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 04 94,7 95,3 93,5 89,6 87,3 84,8 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 110,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 04 BASE CASO 04 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 04 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 04 42,7 43,5 46,6 51,2 59,1 65,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 04 BASE CASO 04

73 4.3 SEMANA 1: BASE x C04 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz 32 2 SE / CO S 7511 Ivaiporã CASO 04 Sem1 Pat_1 20,31 Pat_2 20,31 Pat_3 16,67 Med_SE 18,99 Pat_1 20,31 Pat_2 20,31 Pat_3 16,67 Med_S 18,99 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 20,31 Pat_2 20,31 Pat_3 16,67 Med_N 18,99

74 4.5 CASO BASE x C04: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 04 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 3292,9 3232,2 3297,9 3226,5 3297,9 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2180,8 2018,1 2096,5 1836,2 1864,5 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 6926,3 6660,6 6820,6 6494,1 6571,6

75 5 -Onde Encontrar estudos do PMO DECOMP?

76 5.1 -Site ONS

77 5.1 -Site ONS

78 FIM

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP TREINAMENTO NEWAVE DECOMP Guia prático de utilização Modelo DECOMP versão 21 Maio de 2015 1 INTRODUÇÃO.. 4 2 ARQUIVOS DO PROGRAMA DECOMP.. 4 2.1 Executável e arquivos do sistema 5 2.2 Dados de cadastro

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 02 a 08/01/2015, ocorreu chuva fraca nas bacias

Leia mais

Treinamento dos modelos de planejamento e formação do PLD. São Paulo maio de 2015

Treinamento dos modelos de planejamento e formação do PLD. São Paulo maio de 2015 Treinamento dos modelos de planejamento e formação do PLD São Paulo maio de 2015 Agenda Diferenças entre o PLD e o CMO; Resolução Normativa ANEEL nº 568/2013; O PLD no site da CCEE; O PLD por SMS Agenda

Leia mais

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade

Do Propósito. Da Disponibilização. Da Periodicidade RDD Do Propósito A descrição das alterações nos arquivos de dados de entrada para o Cálculo do Preço tem como propósito aumentar a transparência na determinação do PLD. Da Disponibilização Em atendimento

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 10 a 16 de agosto, conforme a previsão, a atuação de duas frentes frias e de áreas de instabilidade voltou a ocasionar precipitação

Leia mais

Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP

Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP Relatório Técnico Metodologia de Cálculo de Garantia Física de Potência de Usinas Hidrelétricas Despachadas

Leia mais

Guia para reprodução do PLD utilizando os modelos NEWAVE e DECOMP

Guia para reprodução do PLD utilizando os modelos NEWAVE e DECOMP Guia para reprodução do PLD utilizando os modelos NEWAVE e DECOMP 01/08/2006 Versão 4 Coordenação de Preços 1 Índice 1. Observações gerais...3 2. Criar diretório NEWAVE...3 3. Download dos dados de entrada

Leia mais

O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD. Junho de 2016

O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD. Junho de 2016 O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD Junho de 2016 Agenda Introdução O Preço de Liquidação das Diferenças Fundamentos Teóricos Características

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA HÁ RISCO DE RACIONAMENTO? O título desta análise é a pergunta mais frequente neste início de 2013, e o objetivo deste artigo é aprofundar a discussão em busca de uma resposta. Desde setembro de 2012 há

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PERÍODO CRÍTICO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Fabiano Salomão de Oliveira Flavio Corga Cardinot Lilian Laubenbacher Sampaio

DETERMINAÇÃO DO PERÍODO CRÍTICO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Fabiano Salomão de Oliveira Flavio Corga Cardinot Lilian Laubenbacher Sampaio SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VII GRUPO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL DETERMINAÇÃO DO PERÍODO

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro ANÁLISE DE SENSIBILIDADE NA ADOÇÃO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA DE SISTEMAS INTERLIGADOS Beatriz Pamplona Cotia 2012

Leia mais

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/%.

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 1. EDITORIAL Há tempos as equipes do ONS responsáveis pela elaboração dos Programas Mensais

Leia mais

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C.

A seguir são apresentadas as informações básicas referentes às características técnicas e de operação das UHEs integrantes do Lote C. ANEXO II CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DAS USINAS HIDRELÉTRICAS INTEGRANTES DO LOTE C O Lote C é composto pelas Usinas Hidrelétricas Garcia, Bracinho, Cedros, Salto e

Leia mais

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada.

Caderno Algébrico. Reajuste da Receita de Venda de CCEAR. Versão ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. Caderno Algébrico Reajuste da Receita de Venda de CCEAR Versão 2013.3.1 ersãoerro! Fonte de referência não encontrada. ÍNDICE 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas da atualização da Receita de Venda dos empreendimentos

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional ENCONTRO DE DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO EDAO 2008 Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional São Paulo SP 11 de novembro de 2008 Hermes Chipp 1. Procedimentos para aumentar a segurança energética

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Revisão 0 Semana Operativa de 26/11 a 02/12/2011 (Revisão)

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Revisão 0 Semana Operativa de 26/11 a 02/12/2011 (Revisão) Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação de Dezembro Revisão 0 Semana Operativa de 26/11 a 02/12/2011 (Revisão) 1. EDITORIAL No Processo de consistência dos Resultados do para o mês de dezembro/2011,

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico.

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico. ENASE 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade Rio de Janeiro, 29.09.2009 Hermes Chipp 1 Sumário 1. Características

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE JUNHO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE JUNHO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE JUNHO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 9 05 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério de Minas e Energia Ministro Edison Lobão Secretário Executivo Márcio Pereira Zimmermann Secretário

Leia mais

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP. O SIN e os modelos para o Planejamento da Operação Energética

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP. O SIN e os modelos para o Planejamento da Operação Energética TREINAMENTO NEWAVE DECOMP O SIN e os modelos para o Planejamento da Operação Energética SUMÁRIO Capítulo 1 Visão Geral do Problema... 1.1. O Sistema Interligado Nacional... 1.2. Desagregação do planejamento

Leia mais

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja:

Em ambos os casos, o Custo Variável Unitário CVU é constituído de duas parcelas: custo do combustível; e demais custos variáveis, ou seja: 1. OBJETIVO A Portaria MME Nº 113, de 1º de fevereiro de 2011, deflagrou a promoção dos leilões de compra de energia elétrica proveniente de novos empreendimentos de geração (A-3/2011) bem como a contratação

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Dezembro 2014

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Dezembro 2014 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Dezembro

Leia mais

Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Boletim de Dezembro/212 As informações apresentadas neste Boletim de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro referem-se a dados consolidados até o dia

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE

Eletrobrás CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE Centrais Elétricas Brasileiras S/A DIRETORIA DE ENGENHARIA - DE CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE MOVIMENTAÇÕES 2006 CARVÃO MINERAL NACIONAL JANEIRO/2006 CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO TÍTULO

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE

MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE MUDANÇA CLIMÁTICA E CRESCIMENTO VERDE POLÍTICA PARA OS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Segundo Diálogo Nacional Rio de Janeiro (21/11/2014) CINDES Professor Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br ROTEIRO Novo contexto

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

Proposta de realização de um Workshop da ABRAGE para debater o Mecanismo de Formação de Preços de Curto Prazo

Proposta de realização de um Workshop da ABRAGE para debater o Mecanismo de Formação de Preços de Curto Prazo Proposta de realização de um Workshop da ABRAGE para debater o Mecanismo de Formação de Preços de Curto Prazo Brasília 14 de junho de 2007 Motivação Recentes questionamentos sobre a legitimidade e propriedade

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MAIO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MAIO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MAIO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de 2013 Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Visão geral de mercado Dados de Comercialização

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009

INFORME TÉCNICO Data: 15/05/2009 1. OBJETIVO Este informe técnico visa fornecer subsídios para a operacionalização do art. 5º da Portaria MME nº. 46, de 9 de março de 2007, com a redação dada na Portaria nº 175, de 16 de abril de 2009,

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE JANEIRO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE JANEIRO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE JANEIRO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

.0 0!)2 '34 )5')!) ) ) '0 ************************* " )8!90 ***************** ') %!:;&0**************************

.0 0!)2 '34 )5')!) ) ) '0 *************************  )8!90 ***************** ') %!:;&0************************** ! " ##$ %!&'" ()*******************************************************+ ) *******************************************************+ +, - %!**********************.. )) / ***********************************$.0,

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração. São Paulo, 21 de março de 2012

Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração. São Paulo, 21 de março de 2012 Formação de Preço de Curto Prazo no Setor Elétrico Sua Relação com a Expansão da Geração São Paulo, 21 de março de 2012 Agenda Critério de Suprimento Papel do Preço de Curto Prazo Formação de Preço e Critério

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

Programa Energia Transparente

Programa Energia Transparente Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento 9ª Edição Dezembro de 2013 Conclusões Principais 9ª Edição do Programa Energia Transparente Esta

Leia mais

Projetos de Agregação de Valor na Geração e Transmissão

Projetos de Agregação de Valor na Geração e Transmissão Projetos de Agregação de Valor na Geração e Transmissão Fernando Henrique Shuffner Neto Diretor de Geração e Transmissão Maio de 2008 1/XX AUTOMAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO REPOTENCIAÇÃO

Leia mais

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3444-9400 Fax (+21) 3444-9444

Leia mais

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Introdução A energia elétrica é produzida através de outras formas de energia; O Atlas

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Manoel Zaroni Torres São Paulo, 30 de Março de 2016 1 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 PIB: histórico x projeção 7,6%

Leia mais

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Brasília, DF Março de 2014 Estágios de Desenvolvimento de um Empreendimento

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014

COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 GRUPO TÉCNICO DE ASSESSORAMENTO PARA GESTÃO DO SISTEMA CANTAREIRA GTAG - CANTAREIRA COMUNICADO Nº 10 30/6/2014 DESCRITIVO GERAL DA SITUAÇÃO O conjunto de reservatórios Jaguari-Jacareí, Cachoeira e Atibainha

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE SETEMBRO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE SETEMBRO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE SETEMBRO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP Mesa Redonda 1: Modelo de Planejamento Energético PL Dual Estocástico e a definição de Preços de Mercado num Sistema Elétrico cuja Matriz Energética Nacional caminha fortemente para a diversificação Moderador:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Licenciamento e construção de 3 Usinas hidrelétricas no Rio das Antas (Bacia do Jacuí-Guaíba, Estado do Rio Grande do Sul)

Licenciamento e construção de 3 Usinas hidrelétricas no Rio das Antas (Bacia do Jacuí-Guaíba, Estado do Rio Grande do Sul) Passivo ambiental e licenciamento das usinas hidrelétricas e termelétricas (Tópicos especiais em Planejamento Energético - PE 180 turma) Prof. Oswaldo Sevá Licenciamento e construção de 3 Usinas hidrelétricas

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP Uma Metodologia

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013

ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 2013 ACOMPANHAMENTO MENSAL DA GERAÇÃO DE ENERGIA DAS USINAS EOLIELÉTRICAS COM PROGRAMAÇÃO E DESPACHO CENTRALIZADOS PELO ONS SETEMBRO / 213 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Diretoria de Operação DOP

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais