DECOMP. Exercícios Práticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECOMP. Exercícios Práticos"

Transcrição

1 Treinamento nos Modelos Newave/Decomp DECOMP Exercícios Práticos Maio de 2016

2 Contextualização Planejamento da Operação Energética MÉDIO PRAZO horizonte: 5 anos discretização: mensal NEWAVE CURTO PRAZO horizonte: 12 meses discretização: semanal / mensal DECOMP CURTÍSSIMO PRAZO horizonte: 1 semana discretização: horária

3 Roteiro Aplicação do modelo DECOMP Processamento do Arquivo de Vazões Processamento do DECOMP Principais blocos de dados do arquivo DADGER Onde encontrar DECKS DECOMP no site do ONS

4 1 Aplicação do modelo DECOMP O que é PMO O PLD Fluxo de Informações Representação do Sistema

5 1.1 -O que é o PMO O Programa Mensal da Operação Energética do Sistema Interligado Nacional PMO, tem como objetivo principal estabelecer as diretrizes energéticas de curto prazo da operação coordenada do Sistema Interligado Nacional - SIN, assegurando a otimização dos recursos de geração disponíveis (Lei 9.648, de 28 de maio de 1998; à Resolução ANEEL n.º 351, de 11 de novembro de 1998 e Resolução ANEEL n.º 290, de 03 de agosto de 2000). O PMO é elaborado pelo ONS com a participação dos Agentes, sendo os estudos realizados em base mensal, discretizados em etapas semanais e por patamar de carga, e revisto semanalmente, provendo metas e diretrizes a serem seguidas pelos órgãos executivos da Programação Diária da Operação e da Operação em Tempo Real. As semanas compreendidas no estudo semanas operativas, são definidas como o período que se inicia às 0:00h do sábado e termina às 24:00h da sexta-feira subseqüente, contendo todos os dias do mês a que se refere o estudo, podendo conter dias dos meses adjacentes.

6 1.2 -O PLD Preço de Liquidação e Diferenças O PLD é determinado em base semanal, considerando três patamares de carga, para cada submercado do sistema elétrico brasileiro. A definição dos submercados é responsabilidade do ONS e contempla a seguinte divisão do sistema elétrico brasileiro: Norte, Nordeste, Sudeste/Centro-Oeste e Sul. O PLD será calculado em base ex-ante (considerando informações previstas de disponibilidade e carga) para as semanas que se iniciam aos sábados e terminam na sexta feira, podendo conter dias de dois meses adjacentes. O preço servirá para a liquidação de toda a energia não contratada entre os agentes.

7 1.2 -O PLD Preço de Liquidação das Diferenças O Preço de Liquidação das Diferenças na CCEE é calculado pelos mesmos modelos utilizados pelo ONS para o planejamento semanal e com algumas modificações nos dados de entrada: as restrições elétricas internas aos submercados são retiradas; as usinas em teste não são consideradas. Calculado o CMO, o PLD deve considerar outros parâmetros: preço mínimo: 30,25 R$/MWh (ANEEL: Resolução Homologatória nº 2002 de 15/12/2015) preço máximo: 422,56 R$/MWh (ANEEL: Resolução Homologatória nº 2002 de 15/12/2015)

8 1.3 - Fluxo de Informações D/C Cargas T Disponibilidade e restrições de transmissão G Cronograma Manutenção (H e T) Armazenamento Inicial (H) Disponibilidade, Inflexibilidade, e Custo de Geração - CVU (T) Restrições na operação (H e T) Consolidação de carga Previsão de afluências Restrições para Controle de Cheias e Uso consuntivo NEWAVE Função de Custo Futuro Médio Prazo MENSAL Definição dos Limites de Intercâmbio entre Regiões DECOMP Otimizador a usina individualizada Conexões Internacionais Disponibilidade e Inflexibilidade Custo de Geração Legislação MME, CMSE, ANEEL e ANA Agentes Programação Diária da Operação e Operação em Tempo Real Deck de Dados DECOMP (subsídio para cálculo do PLD) CCEE

9 1.3 - Fluxo de Informações Recursos do Sistema Geração Térmica Inflexibilidade Disponibilidade Custos Variáveis Cronograma de Manutenção das Unidades Geradoras Geração Máxima da usina Geração Mínima por unidade Restrições Elétricas com Rebatimentos na Geração

10 1.3 - Fluxo de Informações Recursos do Sistema Geração Hidráulica Níveis de armazenamento previstos para o primeiro dia da semana operativa Cronogramas de Manutenção das Unidades Geradoras Restrições Elétricas com Rebatimentos na Geração Restrições Operativas Hidráulicas Restrições de Uso Múltiplo das Águas Abastecimento Irrigação Navegação Controle de Cheias Ambientais

11 1.3 - Fluxo de Informações Restrições Operativas Hidráulicas Reservatório Subestação Casa de Força Barragem Vazão Turbinada Vazão Vertida Vertedouro Vazão Defluente

12 1.3 - Fluxo de Informações NA máx Afluência Restrições Operativas Hidráulicas P = k.q t.h l NA min CASA DE FORÇA h l Volume Morto q t GERADOR Corte Transversal de um Reservatório Volume Útil Volume Morto

13 1.3 - Fluxo de Informações Dados de responsabilidade do ONS Planejamento de Médio Prazo Função de Custo Futuro (FCF) Estudos Hidrológicos Previsão de Vazões Limites de armazenamento para Controle de Cheias Riscos quando do rompimento de restrições de Controle de Cheias Número de cenários para o período estocástico Uso consuntivo dos reservatórios Estudos Elétricos Limites de intercâmbio entre subsistemas Despacho mínimo por razões confiabilidade elétrica Limitações devido a desligamentos no Sistema de Transmissão Estudos de Mercado Previsão de Carga (Energia e Demanda) Número de horas de cada patamar

14 1.4 - Representação do Sistema Subsistema 4 = NORTE Subsistema 3 = NORDESTE Subsistema 1 = SE/CO Subsistema 2 = SUL

15 1.4 - Representação dos Subsistemas N F 1 Imperatriz F 3 NE F 2 F 5 F 6 F 4 UHE P. Angical + UHE Lajeado G PA + G LAJ F 7 F8 F 15 UHE S. Mesa + UHE C. Brava + UHE São Salvador G SM + G CB + G SS F 9 F 10 SE / CO ANDE ~ F ELO CC F 11 F12 Itaipu 60 Hz F IT60 F 13 F 14 Ivaiporã Argentina S

16 1.4 Representação dos REEs O Despacho SRG/ANEEL nº 3276 de 22/09/2015aprovou o uso da topologia de reservatórios equivalentes de energia (REE), constituído de 9 REEs, no âmbito do planejamento e programação da operação do SIN e do cálculo de PLD, a partir de janeiro de 2016.

17 2 Arquivo de Vazões

18 2 -Arquivo de Vazões

19 2 -Arquivo de Vazões 600 Número de Cenários de Vazão para o 2º Mês PMO 500 número de aberturas Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0, , , , ,75 0,80 0,85 0,90

20 2.1 - Uma estrutura de diretórios TREINAMENTO VAZÕES rv0...listagem dos arquivos VAZÕES dadger.rv0...dados gerais de planejamento vazõesc.dat...histórico de vazões hidr.dat...cadastro de usinas hidráulicas postos.dat...cadastro de postos de vazões mlt.dat...arquivo de MLT s modif.dat...arquivo de modificações do cadastro prevs.rv0...arquivo com a previsão de vazões semanais vaz.bat datvaz.exe gevazp.exe prevcen.exe

21 2.2 Dados para árvore de cenários & & DADOS PARA O PROGRAMA CONFIGURADOR DO ARQUIVO DE CENARIOS DE VAZOES: & IDENTIFICADOR "& VAZOES" INDICA INICIO DO REGISTROS PARA LEITURA DO APLICATIVO & & VAZOES (COLUNAS: 40 A 70) & ARQ. DE VAZOES PREVISTAS - HIDROL => PREVS.BAS & HISTORICO DE VAZOES - HIDROL => 2011 VAZOESC.DAT & ARQ. DE POSTOS - HIDROL => POSTOS.DAT & MES INICIAL DO ESTUDO => 03 & MES FINAL DO ESTUDO => 04 & ANO INICIAL DO ESTUDO => 2016 & NO. SEMANAS NO MES INIC. DO ESTUDO=> 5 & NO. DIAS DO MES 2 NA ULT. SEMANA => 1 & ESTRUTURA DA ARVORE => 0020 & UTILIZA AGREGACAO => S Arquivo Dadger Fim do 1º mês 5 semanas Número de cenários da estrutura da árvore 1dias do 2º mês na última semana. 20cenários de afluência no 2º mês

22 2.3 - Processamento do arquivo de vazões

23 3 - Processamento do DECOMP Fluxograma Geral do Modelo Decomp Uma estrutura de diretórios Arquivos de Entrada Processamento do Caso Base Arquivos de Saída Planilha Auxiliar

24 3.1 Fluxo de Informações CASO XXX DADGER.XXX DADGNL.XXX VAZÕES.XXX HIDR.DAT MLT.DAT LOSS.DAT DECOMP_24.EXE DECO.PRM... RELATO.XXX SUMÁRIO.XXX OUTROS RELATÓRIOS DE SAÍDA CORTES CORTESH

25 3.2 - Estrutura de dados em ambiente Windows (C:) TREINAMENTO DECOMP CASO_BASE CASO_EXE1 CASO_EXE2

26 3.2 Lista dos arquivos para um estudo TREINAMENTO DECOMP CASO_BASE Caso.dat...identificação do estudo (ex.: RV0) RV0...lista dos arquivos dadger.rv0...dados gerais de planejamento dadgnl.rv0...dados UTEs despacho antecipado vazões.rv0...arquivo de vazões hidr.dat...cadastro de usinas hidráulicas mlt.dat...arquivo de MLT s loss.dat...arquivo de perdas cortes.dat...arquivo FCF cortesh.dat...arquivo FCF convertenomesdecomp_24.exe converte arquivos txt decomp_24.exe...arquivo executável do DECOMP deco.prm...arquivo chave

27 3.3 Arquivos de Entrada - DADGER Dados dos Agentes Volumes iniciais Disponibilidade Inflexibilidade das térmicas Restrições operativas Navegação, irrigação, portarias (A. Tietê e P. do Sul) Eventuais problemas de transmissão/geração Limitações de combustível das UTE s Contrato de Itaipu Enchimento de volume morto Dados dos ONS Previsão de carga por subsistema Previsão de afluências Configuração e expansão do sistema Energias afluentes observadas Atualização do cadastro das UHE s e UTE s Restrições operativas - rebatimentos elétricos Usos consuntivos

28 3.3 Arquivos de Entrada HIDR.DAT

29 3.4 CASO_BASE - processamento DECOMP BASE Caso.dat...identificação do caso estudo rv0...listagem dos arquivos dadger.rv0...dados gerais de planejamento dadgnl.rv0...dados UTEs com despacho antecipado (GNL) hidr.dat...cadastro de usinas hidráulicas mlt.dat...arquivo de MLT s loss.dat...arquivo de perdas (não utilizado) vazões.rv0...arquivo de vazões cortes.p03...arquivo FCF cortesh.p03...arquivo FCF convertenomesdecomp_24.exe converte arquivos txt decomp.exe...arquivo executável do DECOMP deco.prm

30 3.4 CASO_BASE - processamento BASE

31 3.4 CASO_BASE - processamento BASE X----X X X X X Primeiro mes - iteracoes forward X Tot Def It Zinf Zsup GAP TEMPO X (1.0E+03 $) (1.0E+03 $) (%) Demanda Niv Seg Num. Tot. Inviab Tot. Inviab Tot. Inviab (MWmed) (MWmes) Inviab (MWmed) (m3/s) (Hm3) X----X X X X X X X X X X :00: :00: :00: :01: :01: :01: :01: :01: :02: :02: :02: :02: :02: :02: Fim do processamento dos arquivos. iterações convergência

32 3.5 -Arquivos de Saída Relato.rv0

33 3.5 -Arquivos de Saída Relato.rv0

34 3.5 -Arquivos de Saída Relato.rv0

35 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

36 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

37 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

38 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

39 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

40 3.5 - Arquivos de Saída Sumario.rv0

41 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (pesada) N 3316 Imperatriz 3300 NE 1928 ANDE ~ 16 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 933 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

42 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (média) N 3357 Imperatriz 3300 NE 1556 ANDE ~ 57 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 940 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

43 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (leve) N 3148 Imperatriz 3148 NE 1325 ANDE ~ 0 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 562 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

44 3.6 SEMANA 1: Fluxo nas interligações MWmed (médio) N 3277 Imperatriz 3245 NE ANDE ~ 32 SE / CO Itaipu 60 Hz Ivaiporã S 802 CM O Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40

45 3.6 Caso Base: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Armazenamento (%Earmáx) BASE

46 4 - Principais Blocos do DADGER Configuração do Sistema Interligado Carga dos Subsistemas Limites de Fluxo entre Subsistemas Restrições Elétricas Usinas Térmicas

47 4.1 Configuração do Sistema N F 1 Imperatriz F 3 NE F 2 F 5 F 6 F 4 UHE P. Angical + UHE Lajeado G PA + G LAJ F 7 F8 F 15 UHE S. Mesa + UHE C. Brava + UHE São Salvador G SM + G CB + G SS F 9 F 10 SE / CO ANDE ~ F ELO CC F 11 F12 Itaipu 60 Hz F IT60 F 13 F 14 Ivaiporã Argentina S

48 4.1 - Bloco SB Identificação dos subsistemas A ordem dos subsistemas deve ser definida em conformidade com o estudo do NEWAVE que disponibiliza a FCF REE deve ser definido em conformidade com o estudo do NEWAVE que disponibiliza a FCF

49 4.1 - Bloco UH: configuração e partida UHEs nos subsistemas nível de partida do reservatório (% de volume útil) valor nulo para os reservatórios de regulação diária IDENTIFICAÇÃO UH UHE código da usina hidrelétrica no arquivo HIDR.DAT REE reservatório equivalente VINI volume inicial em % do volume útil DEFMIN defluência mínima (m³/s) GRID número de pontos para a função de produção EVAP identificador para a consideração da evaporação (0/1) OPER estágio em que a usina entra em operação (em branco considera desde estágio inicial)

50 4.1 - Bloco CT: configuração das UTEs nos subsistemas IDENTIFICAÇÃO CT COD Sub NOMEDAUSI ES INFL DISP CVU código da usina termelétrica subsistema em que ela será considerada no DECOMP nome da usina estágio a partir do qual as informações são válidas geração mínima por patamar (inflexibilidade) geração máxima por patamar custo variável de geração da usina por patamar em R$/MWh

51 4.1 Blocos UE: configuração das usinas de bombeamento IDENTIFICAÇÃO UNE S Nome USM USJ Qmin m³/s Qmax m³/s Cons Mwmed/m³/s UE código da estação de bombeamento subsistema em que ela será considerada no DECOMP nome da estação usina de montante, para onde é enviada a água usina de jusante, de onde é retirada a água vazão bombeada mínima limite máximo de bombeamento consumo específico das estações de bombeamento

52 4.2 -Bloco DP Carga dos subsistemas Identificação IP S PAT MWmed PAT_1(h) DP índice do período (estágio) subsistema para o qual são inseridos os dados da curva de carga número de patamares no estágio carga de energia em MW médios (por patamar) duração do patamar em horas (por patamar)

53 4.2 CASO EXERCÍCIO 01 EXEMPLO 1: A partir do CASO_BASE considerar um acréscimo de 2.000MWmed na carga do subsistema SUL ( arquivo DADGER ) & & IP S PAT MWmed Pat_1(h) MWmed Pat_2(h) MWmed Pat_3(h) & &DP DP DP DP DP DP DP DP DP DP DP

54 4.2 CASO BASE x C01: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 01 50,8 52,2 54,1 56,0 58,0 59,7 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 01 Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 01 94,7 93,9 91,0 86,7 83,1 79,5 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 01 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 01 31,4 32,8 33,8 35,0 36,4 37,6 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 01 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 01 BASE CASO 01

55 4.2 SEMANA 1: BASE x C01 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz SE / CO S 6663 Ivaiporã CASO 01 Sem1 Pat_1 37,80 Pat_2 37,80 Pat_3 29,20 Med_SE 34,68 Pat_1 37,80 Pat_2 37,80 Pat_3 29,20 Med_S 34,68 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 37,80 Pat_2 37,80 Pat_3 29,20 Med_N 34,68

56 4.2 CASO BASE x C01: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 01 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 2865,7 2631,7 2661,0 2661,0 2661,0 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2178,0 2016,9 2092,7 1836,1 1869,9 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 0,0 6496,3 6058,9 6179,9 5928,5 5940,1 0,0

57 4.3 Interligação entre os subsistemas N F 1 Imperatriz F 3 NE F 2 F 5 F 6 F 4 UHE P. Angical + UHE Lajeado G PA + G LAJ F 7 F8 F 15 UHE S. Mesa + UHE C. Brava + UHE São Salvador G SM + G CB + G SS F 9 F 10 SE / CO ANDE ~ F ELO CC F 11 F12 Itaipu 60 Hz F IT60 F 13 F 14 Ivaiporã Argentina S

58 4.3 -Bloco IA Limite de fluxo entre subsistemas & & BLOCO 11 LIMITES DE INTERCAMBIO ENTRE SUBSISTEMAS & (REGISTRO IA) & & ----PATAMAR PATAMAR PATAMAR & EST S1 S2 DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE & xx XX xx XXXXXXXXXXxxxxxxxxxxXXXXXXXXXXxxxxxxxxxxXXXXXXXXXXxxxxxxxxxx &IA IA 1 N FC IA 1 N FC IA 1 NE FC IA 1 SE FC IA 1 SE IV IA 6 SE IV IA 1 SE NE IA 1 IV S REGISTROS INFORMADOS EM ORDEM CRESCENTE DOS ESTÁGIOS IDENTIFICAÇÃO EST S1 S2 DE -> PARA PARA -> DE IA estágio para o qual os dados são válidos índice do primeiro subsistema (DE) índice do segundo subsistema (PARA) limite de transferência no sentido DE->PARA (por patamar) limite de transferência no sentido PARA->DE (por patamar)

59 4.3 CASO EXERCÍCIO 02 A partir do CASO BASE considerar o limite de 3000 MWmed de Imperatriz para o Nordeste em todos os estágios e patamares de carga ARQUIVO DADGER IMPERATRIZ (FC) FC-NE 3000 NE & & BLOCO 11 *** LIMITES DE FLUXO ENTRE SUBSISTEMAS ** & (REGISTRO IA) & & ----PATAMAR PATAMAR PATAMAR & EST S1 S2 DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE DE->PARA PARA->DE &IA IA 1 NE FC

60 4.3 CASO BASE x C02: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 02 50,8 52,3 54,5 56,7 58,9 60,8 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 02 94,7 95,1 92,7 88,8 86,8 83,5 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 02 BASE CASO 02 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 02 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,6 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 02 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 02 BASE CASO 02

61 4.3 SEMANA 1: BASE x C02 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz SE / CO S 7983 Ivaiporã CASO 02 Sem1 Pat_1 21,71 Pat_2 21,71 Pat_3 17,29 Med_SE 20,11 Pat_1 21,71 Pat_2 21,71 Pat_3 17,29 Med_S 20,11 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 21,71 Pat_2 21,71 Pat_3 17,29 Med_N 20,11

62 4.3 CASO BASE x C02: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 02 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2277,6 2208,0 2295,4 1936,0 2071,2 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 6386,2 6213,6 6382,6 6028,4 6141,4

63 4.4 - Bloco RE Restrições Elétricas & & BLOCO 23 *** RESTRIÇÕES ELÉTRICAS** & (REGISTROS RE) & &RE &114- D. FRANCISCA &Mín/Máx ---> Informação do Agente (Controle de Tensão) & IDENTIFICAÇÃO E HORIZONTE (REGISTRO RE) & No. INI FIM & xxx XX xx RE & & LIMITES DA RESTRICAO (REGISTRO LU) & --- PATAMAR PATAMAR PATAMAR & RE EST GMIN GMAX GMIN GMAX GMIN GMAX & xxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LU & & & RE EST UHE FATOR & xxx XX xxx XXXXX FU IDENTIFICAÇÃO No. INI FIM IDENTIFICAÇÃO RE EST RE identificação da restrição elétrica número sequencial de identificação da restrição (definido pelo usuário) estágio inicial para consideração da restrição estágio final para consideração da restrição LU identificação dos limites da restrição elétrica número sequencial de identificação da restrição (definido registro RE) estágio a partir do qual os limites inseridos serão válidos GMIN limite inferior da restrição elétrica no patamar... GMAX limite superior da restrição elétrica no patamar... única usina na restrição

64 4.4 -Bloco RE Restrições Elétricas & & BLOCO 23 *** RESTRIÇÕES ELÉTRICAS** & (REGISTROS RE) & &RE &Somatório de Geração de SANTO ANTONIO E JIRAU & IDENTIFICAÇÃO E HORIZONTE (REGISTRO RE) & No. INI FIM & xxx XX xx RE & LIMITES DA RESTRICAO (REGISTRO LU) & ---PATAMAR PATAMAR PATAMAR & RE EST GMIN GMAX GMIN GMAX GMIN GMAX & xxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LU LU & RE EST UHE FATOR & xxx XX xxx XXXXX FU FU Várias usinas na restrição

65 4.4 -Bloco RE Restrições Elétricas & RE: FNS = GH LAJEADO GH P.ANGICAL + FC_SE & Máximo ---> Limites de Segurança de Transmissão - Restrição Interna ao Subsistema SE & MOP/CNOS 026/2015, vigência de 11/02/2015 & IDENTIFICAÇÃO E HORIZONTE DA RESTRICAO (REGISTRO RE) & No. INI FIM & xxx XX xx RE & LIMITES DA RESTRICAO (REGISTRO LU) & & --- PATAMAR PATAMAR PATAMAR & RE EST GMIN GMAX GMIN GMAX GMIN GMAX & xxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx LU & RE EST UHE FATOR & xxx XX xxx XXXXX FU FU & RE EST DE PARA FATOR & xxx XX xx XX XXXXX FI FC SE 1.0 IDENTIFICAÇÃO RE EST DE PARA FATOR FI Combinada Hidráulica + Intercâmbio número seqüencial de identificação da restrição (definido registro RE) estágio a partir do qual o fator inserido será válido código do subsistema de origem, conforme definição nos registros SB código do subsistema de destino, conforme definição nos registros SB fator de participação do fluxo de intercâmbio na restrição elétrica

66 4.4 CASO EXERCÍCIO 03 N F FC-N = ZERO F N-FC = ZERO Imperatriz FC A partir do CASO BASE considerar o limite de fluxo na interligação do subsistema Norte para o nó fictício de Imperatriz igual a zero. & & BLOCO 23 *** RESTRIÇÕES ELÉTRICAS** & (REGISTROS RE) ARQUIVO DADGER & & Fornecimento Norte - limite NULO no fluxo Norte-IMPERATRIZ & RE LU FI N FC 1

67 4.4 CASO BASE x C03: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 03 50,8 52,2 53,7 55,3 57,1 58,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 03 94,7 93,8 90,4 85,8 82,0 78,1 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 03 BASE CASO 03 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 03 31,4 32,8 33,8 35,0 36,4 37,6 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 03 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 03 42,7 47,7 55,2 64,5 70,8 71,5 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) BASE CASO 03

68 4.4 SEMANA 1: BASE x C03 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz SE / CO S 9042 Ivaiporã CASO 03 Sem1 Pat_1 49,16 Pat_2 49,16 Pat_3 34,03 Med_SE 43,67 Pat_1 49,16 Pat_2 49,16 Pat_3 34,03 Med_S 43,67 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 0,00 Pat_2 0,00 Pat_3 0,00 Med_N 0,00

69 4.4 CASO BASE x C03: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 03 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 2910,8 2631,7 2661,0 2822,6 2984,5 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2178,0 2016,9 2092,7 1838,7 1887,6 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 6541,4 6058,9 6179,9 6092,7 6281,3

70 4.5 - Bloco CT: dados das usinas térmicas nos subsistemas REGISTROS INFORMADOS EM ORDEM CRESCENTE DOS ESTÁGIOS

71 4.5 CASO EXE_4 A partir do CASO BASE incluir uma UTE no subsistema SE/CO com disponibilidade de 1000 MWmed e CVU igual a R$ 20,00/MWh Sugestão: identificar a nova usina com código 402 ARQUIVO DADGER & & BLOCO 4 *** USINAS TERMELÉTRICAS *** & (REGISTRO CT) & & PATAMAR PATAMAR PATAMAR & USI S NOME EST GMIN GMAX CUSTO GMIN GMAX CUSTO GMIN GMAX CUSTO & xxx XX xxxxxxxxxx XX xxxxxxxxxxxxxxxxxxxx... CT FIC. SE/CO

72 4.5 CASO BASE x C04: Armazenamento nos Subsistemas SE/CO BASE 50,8 52,3 54,2 56,5 58,8 60,7 CASO 04 50,8 52,4 54,5 56,8 59,0 60,9 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Sul BASE 94,7 94,9 92,5 88,8 86,6 83,9 CASO 04 94,7 95,3 93,5 89,6 87,3 84,8 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 110,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 04 BASE CASO 04 Nordeste BASE 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 CASO 04 31,4 32,8 33,9 35,1 36,5 37,7 Norte BASE 42,7 43,5 46,6 51,1 59,1 65,4 CASO 04 42,7 43,5 46,6 51,2 59,1 65,4 Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) Trajetórias de Armazenamento (%Earmáx) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 BASE CASO 04 BASE CASO 04

73 4.3 SEMANA 1: BASE x C04 Fluxo nas interligações MWmed (médio) N Imperatriz NE BASE Sem1 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_SE 21,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_S 21,40 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 23,30 Pat_2 23,30 Pat_3 18,07 Med_N 21,40 ANDE ~ Itaipu 60 Hz 32 2 SE / CO S 7511 Ivaiporã CASO 04 Sem1 Pat_1 20,31 Pat_2 20,31 Pat_3 16,67 Med_SE 18,99 Pat_1 20,31 Pat_2 20,31 Pat_3 16,67 Med_S 18,99 Pat_1 243,95 Pat_2 243,95 Pat_3 223,17 Med_NE 236,40 Pat_1 20,31 Pat_2 20,31 Pat_3 16,67 Med_N 18,99

74 4.5 CASO BASE x C04: DESPACHO TÉRMICO (médio) GT BASE GT CASO 04 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 Sem1 Sem2 Sem3 Sem4 Sem5 Sem6 SE 2656,0 2595,3 2661,0 2661,0 2661,0 3292,9 3232,2 3297,9 3226,5 3297,9 S 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 669,0 NE 2178,0 2016,9 2104,1 1836,2 1860,9 2180,8 2018,1 2096,5 1836,2 1864,5 N 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 783,6 741,3 757,2 762,4 740,2 TOTAL SIN 6286,6 6022,5 6191,3 5928,6 5931,1 6926,3 6660,6 6820,6 6494,1 6571,6

75 5 -Onde Encontrar estudos do PMO DECOMP?

76 5.1 -Site ONS

77 5.1 -Site ONS

78 FIM

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP TREINAMENTO NEWAVE DECOMP Guia prático de utilização Modelo DECOMP versão 21 Maio de 2015 1 INTRODUÇÃO.. 4 2 ARQUIVOS DO PROGRAMA DECOMP.. 4 2.1 Executável e arquivos do sistema 5 2.2 Dados de cadastro

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro ANÁLISE DE SENSIBILIDADE NA ADOÇÃO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA DE SISTEMAS INTERLIGADOS Beatriz Pamplona Cotia 2012

Leia mais

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/%.

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 1. EDITORIAL Há tempos as equipes do ONS responsáveis pela elaboração dos Programas Mensais

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional ENCONTRO DE DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO EDAO 2008 Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional São Paulo SP 11 de novembro de 2008 Hermes Chipp 1. Procedimentos para aumentar a segurança energética

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico.

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico. ENASE 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade Rio de Janeiro, 29.09.2009 Hermes Chipp 1 Sumário 1. Características

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério de Minas e Energia Ministro Edison Lobão Secretário Executivo Márcio Pereira Zimmermann Secretário

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

Preços de Referência para a Mudança de Combustível Exercícios 2012

Preços de Referência para a Mudança de Combustível Exercícios 2012 1. PRELIMINAR A mudança de combustível de usinas termelétricas que já celebraram o Contrato de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado CCEAR será autorizada pelo Ministério de Minas e

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

Programa Energia Transparente

Programa Energia Transparente Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento 9ª Edição Dezembro de 2013 Conclusões Principais 9ª Edição do Programa Energia Transparente Esta

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável Recife 30 de setembro de 2005 ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Conteúdo da Apresentação PARTE I A QUESTÃO AMBIENTAL NA ATUAÇÃO

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE SETEMBRO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE SETEMBRO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE SETEMBRO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS (Revisão 1) Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO

PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO ELETROENERGÉTICA PARA O MÊS DE MARÇO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA CONGRESSO BRASILEIRO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Geração Distribuída de Energia Elétrica Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais NELSON

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP Mesa Redonda 1: Modelo de Planejamento Energético PL Dual Estocástico e a definição de Preços de Mercado num Sistema Elétrico cuja Matriz Energética Nacional caminha fortemente para a diversificação Moderador:

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE)

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Visita à UTE PecémI 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014

Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014 Contribuições da AES Brasil para a Consulta Pública 009/2014 Metodologia de cálculo dos valores máximo e mínimo do Preço de Liquidação das Diferenças PLD Primeiramente, a AES Brasil gostaria de externar

Leia mais

Leiaute de arquivos XML para Carta-Circular 3254

Leiaute de arquivos XML para Carta-Circular 3254 Leiaute de arquivos XML para Carta-Circular 3254 TSE Tribunal Superior Eleitoral SEPEL2 / CSELE / STI / TSE 29 de abril de 2010 Contato: sepel2@tse.gov.br (61)3316-3696 Site: http://www.tse.jus.br/internet/eleicoes/2010/prestacaodecontas.html

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. Relatório Final(Versão 2)

EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. Relatório Final(Versão 2) EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO Relatório Final(Versão 2) Preparado para DUKE ENERGY Preparado por MERCADOS DE ENERGIA/PSR Janeiro 24 ÍNDICE 1 OBJETIVO...

Leia mais

Diretoria de Planejamento Energético

Diretoria de Planejamento Energético Conceitos e Práticas São Paulo, 9 de Fevereiro de 2009. Objetivos 1 Apresentar alguns conceitos fundamentais referentes ao Mercado de Energia Elétrica Brasileiro. 2 Apresentar a atuação da Diretoria de

Leia mais

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014

REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 REVISÃO ORDINÁRIA DAS GARANTIAS FÍSICAS DAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Vítor F. Alves de Brito outubro/2014 1 IMPACTOS DA GARANTIA FÍSICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO Art. 20, 3º, do Decreto nº 2.655,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO -IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO -IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO -IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP IMPACTOS NO

Leia mais

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5 MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5.1 MODELOS HIDROLÓGICOS PREVISÃO DE VAZÕES E GERAÇÃO DE CENÁRIOS NO ONS A previsão de vazões semanais e a geração de cenários hidrológicos

Leia mais

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PANORAMA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS E A UNIVERSALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA 8º CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIA NO MEIO RURAL Campinas, 15 de dezembro de 2010

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique para adicionar um título Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique Agendapara adicionar um título O Atual Modelo de Comercialização A MP 579 e a Lei 12.783 O Risco de suprimento

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 500 DA ANEEL, DE 17.07.2012 Outubro

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Energia elétrica 22 de setembro de 2015 Acreditamos que a bandeira tarifária amarela prevalecerá em 2016, a despeito da melhora da perspectiva de chuvas diante do El Niño Priscila Pacheco Trigo Departamento

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA Dispõe sobre as políticas, fluxos e os procedimentos para as solicitações de serviços de manutenção predial para a DMPV. 1 DA POLÍTICA 1.1 Todas as solicitações de serviço de manutenção predial deverão

Leia mais

O processo de formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD. 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres. Rodrigo Sacchi Gerente de Preços

O processo de formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD. 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres. Rodrigo Sacchi Gerente de Preços O processo de formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD 2º Encontro Nacional de Consumidores Livres Rodrigo Sacchi Gerente de Preços Agenda O papel da CCEE Processo de formação do PLD Fatores

Leia mais

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia Estrutura: Operador do Sistema (ONS): Responsável pela otimização centralizada da operação do sistema e pelo despacho, de acordo com regras aprovadas pelo ente

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços do MAE

PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços do MAE PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços Responsável pelo PM: Gerência de Contabilização CONTROLE DE ALTERAÇÕES Versão Data Descrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM PE.01 - Estabelecer

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Janeiro 215

Leia mais

Operação do SIN e Desafios para o Futuro

Operação do SIN e Desafios para o Futuro O ONS, suas Atribuições na Operação do SIN e Desafios para o Futuro Palestra para MBA de Economia e Gestão de Energia Rio de Janeiro, 02.04.2009 Hermes Chipp Sumário 1. Estrutura Institucional do Setor

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Eletrobrás Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Integração Energética na América Latina Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Fevereiro de 2010 O Sistema Eletrobrás O Sistema Eletrobrás

Leia mais

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE 06 de agosto de 2008 1. Simulações das regras propostas pela Aneel e CCEE Empresa Garantia Metodologia Atual (fev 08) R$ mil Garantia Metodologia

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006 Este Informe Técnico se destina a registrar esclarecimentos para o cadastramento, com fins de obtenção de habilitação técnica para participação do Leilão de Novos Empreendimentos A-5/2006, e cálculo da

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador Nacional do Sistema Elétrico, de que trata a Lei n o 9.648, de

Leia mais

ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Silvia Regina dos Santos Gonçalves PósMQI - Programa de Pós-graduação em Metrologia, PUC-Rio Rua Marquês de

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO OBJETIVOS DESTE ENCONTRO Apresentar e facilitar o entendimento dos Critérios da Modalidade Processo. Entender como demonstrar resultados requeridos nesta modalidade. 2 1 CRONOGRAMA 2010 ATIVIDADE MAR ABR

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria Comercialização de Energia Elétrica Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria ENCONSEL Novembro de 2011 Visão Geral Setor Elétrico Brasileiro Reestruturação do SEB Evolução das alterações no SEB Modelo

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 11 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL AVALIAÇÃO

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO

Leia mais