V CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP"

Transcrição

1 V CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP Novos Instrumentos para Aprofundamento dos Mercados [Novos Desafios para a Regulação da Energia] Lisboa, 31.Mai.2012

2 Agenda 1. Porquê Modelos de Mercado? 2. Modelos de Leilão 3. Porquê Plataformas Electrónicas? 4. Plataformas de Mercado (exemplos OMIP) 2

3 1 Porquê Modelos de Mercado? 3

4 Porquê Modelos de Mercado? Mecanismo de Atribuição Mercado Primário Mecanismo de Troca Mercado Secundário Fomenta a descoberta de preço Atribui o activo em causa a um preço justo Atribui o activo aos agentes que mais o valorizam Baseia-se na transparência e equidade no tratamento dos participantes Credibilidade dos resultados Modelo comprovado Melhor base de participantes (quantidade e qualidade) Maximiza as expectativas de resultado do leiloeiro (maximiza receita ou minimiza despesa, consoante o caso) Melhor imagem para o leiloeiro Tendência generalizada para substituição de modelos de fixação administrativa ou de negociação bilateral de preços Leilão 4

5 Leilão Definição Processo competitivo Baseado num conjunto explícito de regras Objectivo Determinar as condições de compra ou de venda de um ou mais activos pelos participantes, de acordo com as suas licitações Quantidade(s) atribuída(s) Preço(s) Going once, going twice,... 5

6 O Que se Pode Leiloar? Arte e antiguidades Gado e outros produtos agrícolas Direitos (Frequências, PRE, ) Títulos de tesouro Acções Propriedades Electricidade Gás 6

7 2 Modelos de Leilão 7

8 Atributos dos Leilões Resumo Mercado Produto Negociação Licitação Leiloeiro Único Comprador Vendedor Bilateral Produto único Divisível Indivisível Múltiplas Unidades Múltiplos Produtos Aberto/fechado Simultâneo Sequencial Rondas Apenas Preço Preço/Quantidade Preço Marginal Pay-as-bid Quantidade 8

9 3 Porquê Plataformas Electrónicas? 9

10 Porquê Plataformas Electrónicas? Posicionamento Reconhecimento internacional Utilização de standards Competência técnica Segurança jurídica Transparência acrescida Auditoria reforçada Litigância reduzida Equidade em todos os procedimentos (igualdade, simultaneidade) 10

11 Porquê Plataformas Electrónicas? Eficiência Processos rápidos e integrados Validações automáticas e em tempo real Redução de erros Instruções simultâneas Escalabilidade Condições Económicas Mais agentes ( ) Melhores agentes ( ) Concorrência acrescida (potenciais novos entrantes) Melhores ofertas ( ) 11

12 4 OMIP Plataformas de Mercado 12

13 Plataformas de Mercado Objectivos Gestão de Mercados Secundários Fomento da concorrência Critério de ordenação e valorização de activos Acesso a infraestruturas Acesso a bens, serviços e licenças Outros Serviços 13

14 Gestão de Mercados Secundários 14

15 OMI Organização Institucional Portugal OMIP (Holding) 10% 10% Spain OMEL (Holding) 50% 50% 50% 50% OMIP Exchange (Portugal) 2003 OMEL OMIE Exchange Exchange (Spain) (Spain) Common Board 100% OMIClear Clearing House (Portugal) % OMEL Diversificación) OMEL Mercados 15

16 Bolsa de Derivados do MIBEL Lógica do Negócio Bolsa Negociação Câmara de Compensação Registo Gestão de Risco Liquidação Trade Flow Trading Clearing Settlement 16

17 Participants Location Updated 29.Apr.2012

18 International Market Making Commitment Jan-.Dec.2012 May-.Dec.2012 Sep.07 Oct.08 Jan.-Dec.2012 Jan.-Dec.2012 Jan. Dec Updated 29.Apr.2012

19 Updated Jan.12 Volume Compensado (MWh) Auction OTC ECT

20 2006_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Negociação em Bolsa e Índice Herfindahl- 100% Hirschman 90% ECT (GWh) HHI 4.1% 2.0% 2.0% 3.2% 3.6% 5.2% 5.4% 6.1% 6.2% 1.2% 1.0% 1.6% 1.3% 8.1% 16.1% 9.1% 12.4% 11.6% 2011 Quotas Mercado Out Iberia; 51.7% Iberia; 48.3% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 52.7% 47.3% 74.1% 25.9% 68.7% 70.4% 31.3% 29.6% 77.1% 22.9% 80.1% 19.9% Others MSh. Incumbents Msh

21 Clearing Garantias Depositadas vs. Margem Inicial Margem Média (13.4%) 350% 300% 250% 200% 150% 100% 50% 0% 12% 199% 100% Clearing Fund Excess Collateral Initial Margin Futuros - Garantias Depositadas (290 M ) 21

22 Cadeia de Valor // Sistemas Trading Clearing Cash Settlement Physical Delivery TARGET2 The energy trading platform standard throughout Europe Brand new proprietary clearing platform Customer designed, open, flexible real time link with Trayport ECB Payment System Auctions Continuous Trading Bilateral Registration Already structurally compliant with EMIR 2012 EC Regulation Direct participant Ancillary system 22

23 Sistema de Trading 23

24 Sistema de Clearing Reports are organized in 10 main folders providing the user the ability to navigate between them on an organized and clear way. 24

25 Fomento da Concorrência 25

26 Fomento da Concorrência Electricidade VPP Virtual Power Plants Gas Natural GRP Gas Release Programs Contratos de Opções (Call) para compra de electricidade Vendedores: tipicamente incumbentes Compradores: consumidores, não incumbentes Contratos de Opções (Call) para compra de gás natural Vendedores: tipicamente incumbentes Compradores: consumidores, não incumbentes 26

27 Leilões VPP (Virtual Power Plant) Zona Portuguesa Vendedores: REN Trading e EDP 4 sessões // 9 leilões // Desenho, regulamentação, organização e gestão de toda a cadeia de valor: desde qualificação dos agentes até liquidação Sistemas (Condico + CrossClear) Auction Series Sellers Auction Date Product Sold Capacity (MW) Exercise Price Auct. Price (premium) 1 RENT 26.Jun.2007 Q RENT 21.Sep.2007 Q RENT+ EDP 16.Jan.2008 Feb Mar Q Q Q RENT+ EDP 7.Mar.2008 Q Q Prices: /MW/h 27

28 Leilão do Gas Release Program da GALP GALP Gás Natural 300 Mm 3 (n) gás natural Desenho, regulamentação, organização e gestão do leilão (2009) Sistema específico (OMIPlus-a) 28

29 Critério de Ordenação Acesso a Infraestruturas 29

30 Critério de Ordenação Electricidade PTR Physical Transmission Rights Opções Call (LEPO) de acesso a capacidade de interligação eléctrica Vendedores: TSOs Compradores: agentes Gás Natural DUCAS Direitos de Utilização de Capacidade de Armazenagem Subterrânea Opções Call de acesso a capacidade de armazenagem de gás natural Vendedor: TSO Compradores: agentes Telecomunicações Leilão de Espectro Multibanda 4ª Geração Leilão do tipo SMRA Vendedor: Regulador Compradores: agentes 30

31 Interligação PT-ES Direitos de acesso à capacidade de interligação eléctrica entre Portugal e Espanha (PTR Physical Transmission Rights) LEPOs = Low Exercise Price Options = Forwards (com liq. fin. por defeito) Gestão pelos Operadores de Sistema (TSO) PT e ES (REE & REN) Mercado de PTRs assegurados pela OMIClear Plataforma de Leilão: e-sica (REE) Leilão de envelope fechado Plataforma de Clearing: CrossClear Projecto suspenso em 2007, por decisão do Governo Espanhol 31

32 Leilão de Espectro Multibanda Gestão: a autoridade portuguesa de comunicações ICP- ANACOM Atribuição de 39 direitos de utilização de frequências (bandas 450MHz, 800MHz, 900MHz, 1800MHz, 2.1GHzand e 2.6GHz). Modelo de leilão: aberto, anónimo, simultâneo, ascendente com múltiplasrondas, conhecido como SMRA Período de licitação: 28.Nov.2011 a 30.Nov.2011 Resultados: 9 rondas 3 tomadores 29 lotes coocados 372 milhões de euros de receita 32

33 Leilão de Espectro Multibanda Desenhada uma solução SMRA específica Plataforma totalmente customizada de com acesso remoto internet Agentes podiam monitorizar e gerir o leilão de forma totalmente automatizada Sucesso operacional total 33

34 Critério de Ordenação Acesso a Bens, Serviços e Direitos 34

35 Acesso a Bens, Serviços e Direitos Electricidade Gás Natural Direitos Eólicos Atribuição de direitos de instalação e produção eólica 13 leilões tipo inglês Vendedor: DGEG Compradores: produtores eólicos Colocação Electricidade Compra regulada Venda Produção Regime Especial Múltiplos leilões Comprador: CUR Vendedor: Distribuidor Vnds./Cmps.: agentes mercado Compra GN colchão Compra de GN para armazenamento subterrâneo Leilão híbrido Comprador: TSO (gestor capacidade) Vendedores: agentes 35

36 Experiência Leilões de Atribuição de Licenças Eólicas DGEG 200 MW (13 lotes // 2008) Desenho, regulamentação, organização e gestão dos leilões (13) Sistema específico (OMIPlus-e) Lot Date Auct. Power (MVA) # Bidders Duration # Rounds Auct. Price 1 08.Oct : % 2 10.Oct : % 3 6.Oct : % 4 7.Oct : % 5 9.Oct : % 6 22.Jul : % 7 24.Jul : % 8 25.Jul : % 9 23.Jul : % Jul : % Jul : % Jul : % Jul : % Global Values % 16.92% 36

37 Leilão de compra de Gás Natural REN Armazenagem 60 Mm 3 (n) gás natural enchimento da sua 3ª caverna de armazenamento subterrâneo (2009) Desenho, regulamentação, organização e gestão do leilão Sistema específico (OMIPlus-g) 37

38 YR-07 (18.Oct) YR-07 (15.Nov) YR-08 (4.Jul) YR-08 (11.Jul) YR-08 (1.Aug) YR-08 (8.Aug) YR-08 (5.Sep) YR-08 (12.Sep) YR-08 (3.Oct) YR-08 (10.Oct) YR-08 (7.Nov) YR-08 (14.Nov) YR-08 (5.Dec) YR-08 (12.Dec) YR-09 (9.Jul) YR-09 (16.Jul) YR-09 (6.Aug) YR-09 (13.Aug) YR-09 (3.Sep) YR-09 (10.Sep) YR-09 (1.Oct) YR-09 (8.Oct) YR-09 (5.Nov) YR-09 (12.Nov) YR-09 (3.Dec) YR-09 (10.Dec) YR-10 (7.Jan) YR-10 (14.Jan) YR-10 (4.Feb) YR-10 (11.Feb) YR-10 (4.Mar) YR-10 (11.Mar) Q4-06 (19.Jul) Q4-06 (16.Aug) Q4-06 (20.Sep) Q1-07 (18.Oct) Q1-07 (15.Nov) Q1-07 (20.Dec) Q2-07 (3.Jan) Q2-07 (10.Jan) Q2-07 (7.Feb) Q2-07 (14.Feb) Q2-07 (7.Mar) Q2-07 (14.Mar) Q3-07 (4.Apr) Q3-07 (11.Apr) Q3-07 (3.May) Q3-07 (9.May) Q3-07 (6.Jun) Q3-07 (13.Jun) Q4-07 (4.Jul) Q4-07 (11.Jul) Q4-07 (1.Aug) Q4-07 (8.Aug) Q4-07 (5.Sep) Q4-07 (12.Sep) Q1-08 (3.Oct) Q1-08 (10.Oct) Q1-08 (7.Nov) Q1-08 (14.Nov) Q1-08 (5.Dec) Q1-08 (12.Dec) Q2-08 (2.Jan) Q2-08 (9.Jan) Q2-08 (6.Feb) Q2-08 (13.Feb) Q2-08 (5.Mar) Q2-08 (12.Mar) Q3-08 (2.Apr) Q3-08 (9.Apr) Q3-08 (7.May) Q3-08 Q3-08 (4.Jun) Q3-08 (11.Jun) Q4-08 (9.Jul) Q4-08 (16.Jul) Q4-08 (6.Aug) Q4-08 (13.Aug) Q4-08 (3.Sep) Q4-08 (10.Sep) Q1-09 (1.Oct) Q1-09 (8.Oct) Q1-09 (5.Nov) Q1-09 (12.Nov) Q1-09 (3.Dec) Q1-09 (10.Dec) Q2-09 (7.Jan) Q2-09 (14.Jan) Q2-09 (4.Feb) Q2-09 (11.Feb) Q2-09 (4.Mar) Q2-09 (11.Mar) Aug-06 (19.Jul) Sep-06 (2.Aug) Oct-06 (16.Aug) Oct-06 (20.Sep) Nov-06 (4.Oct) Dec-06 (18.Oct) Dec-06 (15.Nov) Jan-07 (7.Dec) Feb-07 (20.Dec) Mar-07 (17.Jan) Apr-07 (17.Jan) Apr-07 (21.Mar) May-07 (21.Mar) Jun-07 (21.Mar) Jun-07 (16.May) Jul-07 (16.May) Aug-07 (16.May) Aug-07 (18.Jul) Sep-07 (18.Jul) Sep-07 (16.Aug) Oct-07 (16.Aug) Oct-07 (19.Sep) Nov-07 (19.Sep) Nov-07 (17.Oct) Dec-07 (17.Oct) Dec-07 (21.Nov) Jan-08 (21.Nov) Jan-08 (19.Dec) Feb-08 (19.Dec) Feb-08 (16.Jan) Mar-08 (16.Jan) Mar-08 (20.Feb) Apr-08 (20.Feb) Apr-08 (19.Mar) May-08 (19.Mar) May-08 (16.Apr) Jun-08 (16.Apr) Jun-08 (21.May) Jul-08 (21.May) Jul-08 (18.Jun) Aug-08 (18.Jun) Aug-08 (23.Jul) Sep-08 (23.Jul) Sep-08 (20.Aug) Oct-08 (20.Aug) Oct-08 (17.Sep) Nov-08 (17.Sep) Nov-08 (15.Oct) Dec-08 (15.Oct) Dec-08 (19.Nov) Jan-09 (19.Nov) Jan-09 (17.Dec) Feb-09 (17.Dec) Feb-09 (21.Jan) Mar-09 (21.Jan) Mar-09 (18.Feb) Apr-09 (18.Feb) Apr-09 (18.Mar) May-09 (18.Mar) Leilões de Compra de Electricidade (Futuros) 19.Jul.06 > 14.Jul TWh (2846 M ) negociados 309 leilões: 44 Futuros anuais (Y) 117 Futuros trimestrais (Q) 148 Futuros mensais (M) (M) (Y) (Q)

39 Leilões de Venda da Produção em Regime Especial A Produção em Regime Especial em Portugal (pequena hídrica, eólica, solar, biomassa, cogeração), com tarifa regulada, é vendida em mercado. Parcela é vendida a prazo modelo de leilão Vendedor: Comercializador de Último Recurso (representante dos produtores em regime especial) Produto: Futuros de electricidade zona PT Leilão: Modelo de relógio ascendente Variáveis: preço e quantidade Plataforma: OMIPlus-A 39

40 Outras Plataformas de Mercado 40

41 Gestão do Processo de Mudança de Comercializador de Gas Natural (Switching) REN Gasodutos Gestor do processo de mudança de comercializador: 39 entidades ligadas 4600 mudanças estado/dia (Mai.12) Processo faseado: Fase 1 sistema web suportado em ecrãs (T3.2009) Fase 2 sistema de mensagens, totalmente automatizado (T2.2011) 41

42 Outros Serviços do Sector Electricidade Entidade Emissora de Garantias de Origem (Cogeração) Cliente: REN Rede Eléctrica Nacional (TSO Português) Emissão de certificados, negociação e exercício Projecto em três fases: Apoio na concepção do modelo ( ) Desenho do sistema e desenvolvimento ( ) Exploração ( ) Projecto em curso Serviço de Interruptibilidade Cliente: REN Rede Eléctrica Nacional (TSO Português) Apoio ao cálculo dos incentivos aos consumidores, facturação mensal e CRM Dois segmentos: Consumo de ponta > 4MW (Dez.2010) Consumo de ponta < 4MW (Mai.2011) 42

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Sumário No sentido de aprofundar o MIBEL - Mercado Ibérico de Electricidade, e em linha com o Acordo de Santiago de Compostela e

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 2014. Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 2014. Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 214 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Novembro de 214 O preço médio aritmético durante o mês foi de 46,8 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL FEVEREIRO 2015. Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL FEVEREIRO 2015. Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL FEVEREIRO 215 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Fevereiro de 215 O preço médio aritmético durante o mês foi de 42,57 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa

Leia mais

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O estudo analisa a evolução do Mercado Ibérico de Electricidade desde a sua

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015 Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema Julho/ 2015 1 Indice Organização da REN Organização da Gestão do Sistema Sistema Elétrico Nacional Função Segurança e Operação da RNT Função Equilíbrio Produção

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 5/2011. Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de PRE

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 5/2011. Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de PRE Diário da República, 2.ª série N.º 226 24 de Novembro de 2011 46437 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Directiva n.º 5/2011 Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de

Leia mais

PREÇÁRIO 1.JANEIRO.2011

PREÇÁRIO 1.JANEIRO.2011 PREÇÁRIO 1.JANEIRO.2011 PREÇÁRIO OMIP ÍNDICE DE VERSÕES DATA 1.Julho.2010 OBSERVAÇÕES Versão inicial. Substitui a versão original de 2006, que continha um Preçário conjunto OMIP e OMIClear. 1.Janeiro.2011

Leia mais

Integração da Electricidade Renovável em Mercado. José Carvalho Netto - OMIP

Integração da Electricidade Renovável em Mercado. José Carvalho Netto - OMIP Integração da Electricidade Renovável em Mercado José Carvalho Netto - OMIP 1. HÁ UMA VONTADE POLÍTICA DA UE PARA ATINGIR A META DE 20% ATÉ 2020... MAS EXISTEM DIFERENTES MECANISMOS DE APOIO. 2. O CASO

Leia mais

AVISO 03/2010 Preçário

AVISO 03/2010 Preçário AVISO 03/2010 Preçário 11.Abril.2014 Aviso OMIP 03/2010 Preçário Índice de Versões 1.Julho.2010 Versão Inicial Substitui o Aviso OMIP 9/2006. 1.Janeiro.2011 Alterado o Preçário 20.Maio.2011 Alterado o

Leia mais

REGRAS DE ATRIBUIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DA RNTIAT

REGRAS DE ATRIBUIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DA RNTIAT REGRAS DE ATRIBUIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DA RNTIAT A Condições Gerais 1. Âmbito O presente documento estabelece as Regras aplicáveis para atribuição de direitos de utilização de capacidade,

Leia mais

PREÇÁRIO 20.MAIO.2011

PREÇÁRIO 20.MAIO.2011 PREÇÁRIO 20.MAIO.2011 PREÇÁRIO OMIP ÍNDICE DE VERSÕES DATA 1.Julho.2010 OBSERVAÇÕES Versão inicial. Substitui a versão original de 2006, que continha um Preçário conjunto OMIP e OMIClear. 1.Janeiro.2011

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. I INTRODUÇÃO 1. Em 16 de Maio de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

Energias renováveis e o Mercado Ibérico Desafios de harmonização

Energias renováveis e o Mercado Ibérico Desafios de harmonização Energias renováveis e o Mercado Ibérico Desafios de harmonização Eduardo Teixeira ERSE 1 de junho de 2012 Agenda 1. A experiência do MIBEL 2. Renováveis e PRE 3. MIBEL, Renováveis e PRE 4. Os desafios

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

1º SEMESTRE 2011 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL. janeiro 2013. julho 2012

1º SEMESTRE 2011 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL. janeiro 2013. julho 2012 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL O Governo, através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/211, de 1 de Agosto, veio concretizar um calendário de extinção das tarifas reguladas de venda de

Leia mais

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados

Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Módulo 2 Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Mercados organizados e de balcão Bolsas de Derivados Principais Características Padronização

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS AGENTE COMERCIAL. Junho 2007

MANUAL DE PROCEDIMENTOS AGENTE COMERCIAL. Junho 2007 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO AGENTE COMERCIAL Junho 2007 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS...1 1.1. Disposições gerais... 1 1.1.1. Objecto... 1 1.1.2. Prazos de aplicação e modificações... 1 1.1.3.

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE)

Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE) Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE) Seminário AIP/E.Value Lisboa, 21 de Maio de 2009 A UE assumiu um compromisso independente de redução de 20% das emissões de GEE 1 até 2020,

Leia mais

Pedro M. Puente Furtado Director de Planeamento e Controlo Operacional da REN Gasodutos.

Pedro M. Puente Furtado Director de Planeamento e Controlo Operacional da REN Gasodutos. Pedro M. Puente Furtado Director de Planeamento e Controlo Operacional da REN Gasodutos. Índice 1. A cadeia de valor do GN ( estrutura e custos) 2. O Mercado de GN ( tendências e desafios) 3. As infra-estruturas

Leia mais

REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA PORTUGAL ESPANHA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO. Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA PORTUGAL ESPANHA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO. Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS REGRAS CONJUNTAS DE CONTRATAÇÃO DA CAPACIDADE DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL ESPANHA Novembro 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Uma Janela sobre o Futuro

Uma Janela sobre o Futuro CCB 26 Julho 2006 Uma Janela sobre o Futuro "Make everything as simple as possible, but not simpler." - Albert Einstein (1879-1955) Proposta de Regulamentação O papel das infra-estruturas Liberalização

Leia mais

GUIA DE ADMISSÃO. Serviço de Direitos de Utilização de Capacidade da RNTIAT

GUIA DE ADMISSÃO. Serviço de Direitos de Utilização de Capacidade da RNTIAT GUIA DE ADMISSÃO Serviço de Direitos de Utilização de Capacidade da RNTIAT 30.Ago.2013 Índice de Versões 30.Ago.2013 Versão inicial Este documento encontra-se disponível em www.omiclear.eu Copyright/Direitos

Leia mais

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 23/Maio/2012

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 23/Maio/2012 Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica 23/Maio/2012 Negociação energia elétrica no Brasil Mercado Cativo (ACR) Vendedores ACR e ACL Geradores Produtores independentes Autoprodutores Comercializadores

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE NOVEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento NOVEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Mercado da Energia Eléctrica, a. Actualidade e o Futuro. Paulo Moisés Almeida da Costa

Mercado da Energia Eléctrica, a. Actualidade e o Futuro. Paulo Moisés Almeida da Costa Actualidade e o Futuro 2 4 M A I O 2 0 0 0 Paulo Moisés Almeida da Costa Departamento de Engenharia Electrotecnia Escola Superior de Tecnologia de Viseu Paulomoises@elect.estv.ipv.pt http://www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/paulomoises/

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007).

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007). COMENTÁRIOS REN CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGÁS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE A. INTRODUÇÃO Na sequência do compromisso assumido, a CNE e a ERSE

Leia mais

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Seminário GVcev Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Produto Private Label fortalecendo a parceria entre varejo e instituições financeiras Marcelo Noronha Agenda Parceria Produto Private Label Bradesco

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Coordenação : Apoio : 0 Forte inversão da intensidade energética nos 2 últimos anos No entanto, a intensidade energética nacional continua significativamente acima

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX. Junho / 2012

Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX. Junho / 2012 Gestão de riscos utilizando a plataforma eletrônica BRIX Junho / 2012 Gestão de Riscos Swaps Alarmes iphone / ipad Liquidez Automação de trade Automação contratos Treinamento Mercado Agilidade tempo real

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento DEZEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Lig@dos para um ensino melhor

Lig@dos para um ensino melhor Conhecer e partilhar para inovar na Educação Alexandre Martins Lima alima@anpri.pt Ana Paula Jacinto Ferreira apjferreira@anpri.pt Associação Nacional de Professores de Informática Associação Nacional

Leia mais

O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial)

O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial) O REGIME ECONÓMICO DA COGERAÇÃO (Produção em Regime Especial) Diferencial de custos com a aquisição de energia eléctrica e impacto na Tarifa de Venda a Clientes Finais Julho 2009 Regime económico das instalações

Leia mais

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA Julho 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO Junho de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00

Leia mais

O consumidor e a mudança de paradigma

O consumidor e a mudança de paradigma O consumidor e a mudança de paradigma XIV Réunion Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energia 28 de Abril Maria Margarida Corrêa de Aguiar Índice 1. Envolvente do sector energético: tendências e

Leia mais

Ciclo de seminários A política ambiental no sistema fiscal português

Ciclo de seminários A política ambiental no sistema fiscal português 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Energia: até onde poderemos ir? Ano: %PIBpm 2004 : 2.8 2005 : 3.8 2006 : 3.9 2007 : 4.0 % PIBpm 12 10 8 6 4 Guerra Israelo-Árabe

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento JULHO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de 2006,

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS

ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS ANÁLISE DO DESEMPENHO E DAS PREVISÕES DAS EMPRESAS REGULADAS Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

PERSPECTIVA DA GESTÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELÉCTRICO

PERSPECTIVA DA GESTÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELÉCTRICO PERSPECTIVA DA GESTÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELÉCTRICO REN Rede Eléctrica Nacional, SA Victor Baptista 1 / 30 Potência instalada e consumo em Portugal MW 18000 16000 14000 12000 10000 8000 6000 4000 2000 0

Leia mais

Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade

Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade Comisión Nacional de Energía Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade Março 2002 Comisión Nacional de Energía Comisión Nacional de Energía c/ Marqués del Duero, 4 28001 Madrid Tel: 91

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE

CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE 13 de Novembro de 2007 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...1 2 PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS

Leia mais

COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014

COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 COMENTÁRIOS AO PARECER DO CONSELHO TARIFÁRIO À PROPOSTA DE TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 Dezembro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Os combustíveis rodoviários e o setor da energia

Os combustíveis rodoviários e o setor da energia Os combustíveis rodoviários e o setor da energia António Ferreira Gomes Audição Parlamentar Comissão de Economia e Obras Públicas 11 de Fevereiro de 2015 Tópicos Combustíveis Rodoviários 1. Breve caracterização

Leia mais

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014

Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída. Setembro de 2014 Enquadramento do novo regime de Produção Distribuída Setembro de 2014 Introdução Objectivos da apresentação Apresentar ponto de situação do atual enquadramento legislativo da Micro e Miniprodução Apresentar

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Resultados principais Novembro de 2014 Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação 1 22 Após décadas de preços de electricidade

Leia mais

Reunião com o MME: Visão sobre os mercados europeu e brasileiro de energia. Paulo Pedrosa e Walter Fróes Brasília, 22/12/2008

Reunião com o MME: Visão sobre os mercados europeu e brasileiro de energia. Paulo Pedrosa e Walter Fróes Brasília, 22/12/2008 Reunião com o MME: Visão sobre os mercados europeu e brasileiro de energia. Paulo Pedrosa e Walter Fróes Brasília, 22/12/2008 Associados da Abraceel Esforço de integração Europeu Mercado Europeu Um conglomerado

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Agosto 2015 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 1 1.2.1. Crédito à Economia... 2

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Jorge Esteves, XI Reunião Ibero-Americana de Reguladores de Energia Madrid, 18 de Junho de 2007 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

O Valor dos Activos Hídricos

O Valor dos Activos Hídricos edp sinta a nossa energia O Valor dos Activos Hídricos António Castro, Administrador de Desenvolvimento de Projectos, EDP Produção O Valor da Energia Hídrica Produção flexível da Hídrica permite obter

Leia mais

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA (ART.º 196.º DO RRC) PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS. Recomendação n.º 1/2008

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA (ART.º 196.º DO RRC) PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS. Recomendação n.º 1/2008 ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA (ART.º 196.º DO RRC) PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS Recomendação n.º 1/2008 Março 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores

Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Conferência Diário Económico Custo de Energia: Opções dos Consumidores Miguel S8lwell d Andrade Administrador EDP Lisboa, 4 de Julho de 2012 Os preços pra:cados pelos comercializadoras devem reflec:r os

Leia mais

ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos

ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 4º Dto 1000-081 Lisboa, Portugal T: +351 210 988 710 F :+351 210 988 719 www.bakertilly.pt ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos Relatório de auditoria nos

Leia mais

Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008. 1ª edição do estudo

Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008. 1ª edição do estudo Sistema de Avaliação da Qualidade Apercebida e Satisfação do Cliente da REN Apresentação de resultados 2008 1ª edição do estudo 1 Agenda 1 Objectivos 2 Metodologia Trabalho de campo Modelo de Satisfação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA Julho 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Telefone: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 Email: erse@erse.pt

Leia mais

V Conferência Anual da RELOP

V Conferência Anual da RELOP V Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis em Portugal António Sá da Costa 1 Junho 2012 Distribuição do Consumo e da Produção de Electricidade entre as várias fontes existentes Valores para Portugal

Leia mais

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL COMENTÁRIOS DA COGEN PORTUGAL AO ANUNCIO DE PROPOSTA DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Página 1 de 23 INTRODUÇÃO A actividade da produção combinada de calor e de electricidade cogeração tem tido,

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo

Leia mais

MIBEL Derivatives Market / Mercado de Derivados del MIBEL / Mercado de Derivados do MIBEL. Market Bulletin / Boletín del Mercado / Boletim do Mercado

MIBEL Derivatives Market / Mercado de Derivados del MIBEL / Mercado de Derivados do MIBEL. Market Bulletin / Boletín del Mercado / Boletim do Mercado Nº 185 VI Série 2011/03/30 MIBEL Derivatives Market / Mercado de Derivados del MIBEL / Mercado de Derivados do MIBEL Market Bulletin / Boletín del Mercado / Boletim do Mercado 1. Market Data / Datos de

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE CAPACIDADE DE INTERLIGAÇÃO VIP PORTUGAL-ESPANHA ENTRE REN - GASODUTOS, S.A., na qualidade de concessionária da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA»

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA» Comunicado de Imprensa PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA» Nesta data submete-se a Consulta Pública (28.ª Consulta Pública da ERSE) proposta

Leia mais

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Eficiência Energética na Industria Experiencia Save to Compete Sofia Tavares EDP Comercial sofia.tavares@edp.pt Lisboa, 6 Março,

Leia mais

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008

Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 Estratégias Empresariais - EDP João Manso Neto EDP Membro do Conselho de Administração Executivo Lisboa, 29 de Maio de 2008 0 Índice I Introdução II Internacionalização III Estratégia em Portugal 1 I Introdução

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Energias Renováveis em Portugal

Energias Renováveis em Portugal Energias Renováveis em Portugal António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Antonio.Joyce@ineti.pt

Leia mais

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Departamento de Planeamento e Controlo Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Fábrica Gelo-Puro (Luanda) Inferência Consultores de Negócio e Gestão Lisboa: Anexo ao Centro de Congressos de Lisboa -

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Simpósio Brasileiro para Gestão de Estratégias de Comercialização de Energia e Eficiência Energética PUC-RJ Alexandre Viana Gerência

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond PROSPECTO SIMPLIFICADO DEZEMBRO 2006 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond, um subfundo (doravante designado

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011 Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica Setembro / 2011 Tópicos 1. Mercado Livre de energia 2. Oportunidades de trading de energia elétrica 3. BRIX 2 Estrutura do setor elétrico brasileiro

Leia mais

O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética

O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética O Caso LS: Equipamento e Comportamento, os pilares da estratégia de Eficiência Energética Lisboa, Maio de 2009 Copyright: LS - Luís Simões Dalila Tavares www.luis-simoes.com Índice ➊ - A Luís Simões ➋

Leia mais