Fluxo TS Ar ambiente Ar insuflado Temperatura das sementes ( C) (m 3 /minuto/t) (h) T UR T UR PV PE Distâncias (cm) ( C) (%) ( C) (%) (kpa) (mm ca)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fluxo TS Ar ambiente Ar insuflado Temperatura das sementes ( C) (m 3 /minuto/t) (h) T UR T UR PV PE Distâncias (cm) ( C) (%) ( C) (%) (kpa) (mm ca)"

Transcrição

1

2

3

4 Fluxo TS Ar ambiente Ar insuflado Temperatura das sementes ( C) (m 3 /minuto/t) (h) T UR T UR PV PE Distâncias (cm) ( C) (%) ( C) (%) (kpa) (mm ca) ,9 0 23,0 78,0 21,7 84,4 2,2 30,0 22,3 22,5 22,0 2 23,0 71,0 43,0 23,1 2,0 30,0 31,5 27,1 26,5 4 24,0 68,0 42,0 24,8 2,0 30,0 36,6 27,3 26,7 6 26,0 62,0 41,7 25,8 2,1 30,0 39,9 29,4 26,5 8 26,0 68,0 42,7 26,9 2,3 30,0 39,8 32,8 25, ,0 62,0 41,8 24,2 2,0 30,0 39,6 35,3 26, ,0 70,0 41,2 28,2 2,2 30,0 38,4 34,8 26,6 28,4 0 21,0 69,0 22,7 62,2 1,7 30,0 23,1 23,2 21,8 2 21,0 61,0 42,2 18,3 1,5 30,0 35,1 25,7 25,2 4 23,0 60,0 42,0 20,6 1,7 30,0 38,1 30,0 25,2 6 24,0 60,0 42,4 21,4 1,8 30,0 38,8 34,1 26,3 8 25,0 60,0 42,1 23,1 1,9 30,0 39,6 35,8 28, ,0 62,0 40,4 26,1 2,0 30,0 40,0 36,8 30, ,0 71,0 41,4 28,3 2,2 30,0 40,8 37,3 32,1 33,2 0 21,0 73,0 21,1 72,5 1,8 40,0 21,6 21,7 20,2 2 21,0 72,0 41,0 23,1 1,8 40,0 37,5 28,2 26,5 4 22,0 68,0 42,2 21,7 1,8 40,0 39,1 33,9 26,5 6 24,0 64,0 40,6 23,5 1,9 40,0 39,8 36,5 29,7 8 27,0 60,0 42,0 26,1 2,1 40,0 41,4 38,6 33, ,0 62,0 40,6 30,8 2,3 40,0 40,2 39,0 34, ,0 71,0 41,1 34,3 2,7 40,0 39,3 38,0 35,5

5 Fluxo TS Ar ambiente Ar insuflado Temperatura das sementes ( C) (m 3 /minuto/t) (h) T UR T UR PV PE Distâncias (cm) ( C) (%) ( C) (%) (kpa) (mm ca) 26,9 0 23,0 82,0 25,2 71,8 2,3 30,0 27,7 28,8 26,0 2 23,0 76,0 46,5 20,7 2,1 30,0 39,5 30,6 30,3 4 25,0 66,0 45,6 21,2 2,1 30,0 41,3 34,1 30,4 6 28,0 60,0 45,3 23,3 2,3 30,0 42,5 37,7 30,3 8 29,0 58,0 46,1 22,9 2,3 30,0 44,1 38,5 31, ,0 60,0 45,7 24,2 2,4 30,0 44,0 40,8 33, ,0 76,0 47,1 27,0 2,9 30,0 45,7 41,9 35,9 28,4 0 19,0 72,0 21,3 62,5 1,6 30,0 22,2 22,4 19,8 2 19,0 70,0 44,7 16,3 1,5 30,0 35,9 25,9 25,5 4 21,0 54,0 45,3 13,8 1,3 30,0 40,0 20,8 24,6 6 23,0 46,0 46,3 12,6 1,3 30,0 42,1 32,6 24,3 8 25,0 46,0 45,3 15,0 1,5 30,0 42,5 36,3 26, ,0 47,0 45,9 15,8 1,6 30,0 43,6 37,7 30, ,0 56,0 45,2 19,5 1,9 30,0 42,2 38,8 31,0 33,2 0 23,0 83,0 22,6 85,0 2,3 40,0 22,8 22,8 21,9 2 23,0 81,0 45,5 23,2 2,3 40,0 39,5 31,2 29,0 4 24,0 77,0 44,0 25,3 2,3 40,0 40,8 36,4 30,2 6 25,0 84,0 45,6 27,0 2,7 40,0 41,6 38,6 32,9 8 25,0 82,0 46,8 24,8 2,6 40,0 43,1 40,7 35, ,0 84,0 45,6 27,0 2,7 40,0 42,5 40,7 36, ,0 81,0 45,7 25,9 2,6 40,0 42,1 41,2 38,3

6 Fluxo TS Ar ambiente Ar insuflado Temperatura das sementes ( C) (m 3 /minuto/t) (h) T UR T UR PV PE Distâncias ( C) (%) ( C) (%) (kpa) (mm ca) ,9 0 23,0 85,0 24,9 75,8 2,4 30,0 25,6 25,7 24,5 2 23,0 80,0 49,1 19,1 2,2 30,0 41,7 31,7 31,7 4 25,0 78,0 50,5 19,6 2,5 30,0 46,3 35,8 31,9 6 25,0 72,0 52,7 16,2 2,3 30,0 49,1 40,9 32,5 8 27,0 56,0 49,9 16,3 2,0 30,0 47,9 42,7 32, ,0 50,0 49,7 16,5 2,0 30,0 49,0 44,2 34, ,0 62,0 50,3 19,9 2,5 30,0 48,5 44,3 36,5 28,4 0 19,0 80,0 18,2 84,1 1,8 30,0 19,4 19,6 18,0 2 21,0 68,0 48,0 15,2 1,7 30,0 40,4 27,9 26,7 4 22,0 64,0 49,2 14,3 1,7 30,0 44,3 33,9 27,6 6 24,0 60,0 48,6 15,6 1,8 30,0 46,3 38,6 29,3 8 25,0 60,0 49,4 15,9 1,9 30,0 46,0 41,4 32, ,0 60,0 48,6 17,6 2,0 30,0 47,8 42,9 34, ,0 66,0 49,9 18,1 2,2 30,0 46,8 44,0 36,1 33,2 0 23,0 81,0 22,0 86,0 2,3 40,0 21,9 21,9 21,4 2 23,0 78,0 49,1 18,6 2,2 40,0 42,3 31,0 29,2 4 25,0 68,0 49,5 17,9 2,1 40,0 43,7 37,1 29,5 6 27,0 68,0 48,8 20,9 2,4 40,0 43,3 40,2 32,8 8 27,0 67,0 50,7 18,7 2,4 40,0 45,6 41,7 36, ,0 68,0 49,1 20,6 2,4 40,0 46,1 44,2 39, ,0 70,0 49,5 20,8 2,5 40,0 45,1 43,7 40,4

7 Temperatura Fluxo Tempo de secagem (hora) (ºC) (m 3 /minuto/t) ,9 5,0 9,9 13,4 14,2 12,9 11,8 28,4 9,9 12,9 12,5 11,3 9,6 8,7 33,2 11,0 12,6 10,1 8,2 5,5 3, ,9 9,2 10,9 12,2 12,8 10,7 9,8 28,4 10,4 15,4 17,8 15,8 13,6 11,2 33,2 10,5 10,6 8,7 7,2 5,9 3, ,9 10,0 14,4 16,6 15,0 14,2 12,0 28,4 13,7 16,7 17,0 13,7 13,7 10,7 33,2 13,1 14,2 10,5 8,9 6,5 4,7 Fluxo Tempo de Distância Média (m 3 /minuto/t) secagem (hora) 17 cm 34 cm 51 cm ponderada Teor de água 26,9 0 17,9 18,2 18,8 18,4 2 17,2 19,4 20,4 19,1 4 14,7 18,1 21,2 18,3 6 13,2 17,3 20,3 17,3 8 10,6 19,2 19,3 16, ,1 15,9 18,9 15, ,4 13,5 15,6 13,4 28,4 0 17,6 17,5 17,6 17,6 2 15,5 17,0 17,4 16,7 4 13,0 16,7 16,6 15,6 6 11,7 14,4 16,1 14,3 8 10,6 12,6 15,3 13, ,0 12,2 13,9 12,2 12 9,5 11,7 13,6 11,8 33,2 0 16,3 15,9 16,5 16,3 2 13,8 16,0 16,7 15,6 4 12,4 13,7 16,3 14,4 6 11,5 12,7 16,1 13,7 8 9,9 11,6 13,4 11,8 10 9,9 10,0 12,3 10,9 12 6,9 9,8 12,5 10,0 Equação de regressão 1 26,9 Y 17 cm = 19,31-0,74 X, R 2 = 0,84 Y 34 cm = 16,9 + 0,74 X - 0,07 X 2, R 2 = 0,75 Y 51 cm = 16,85 + 1,22 X - 0,09 X 2, R 2 = 0,64 28,4 Y 17 cm = 17,95-0,67 X, R 2 = 0,91 Y 34 cm = 18,82-0,55 X, R 2 = 0,95 Y 51 cm = 18,63-0,36 X, R 2 = 0,84 32,2 Y 17 cm = 17,00-0,69 X, R 2 = 0,95 Y 34 cm = 17,41-0,57 X, R 2 = 0,89 Y 51 cm = 18,22-0,42 X, R 2 = 0,61

8 Fluxo Tempo de Distância Média (m 3 /minuto/t) secagem (hora) 17 cm 34 cm 51 cm ponderada Teor de água 26,9 0 16,8 16,2 15,7 16,2 2 14,3 15,5 15,4 15,1 4 12,4 14,8 15,9 14,5 6 10,8 12,9 15,1 13,2 8 9,8 11,8 13,8 12,0 10 8,8 10,7 12,9 11,0 12 9,0 9,4 11,9 10,3 28,4 0 19,9 19,9 20,2 20,0 2 17,9 19,9 19,5 19,1 4 14,5 17,7 19,6 17,5 6 13,5 16,4 18,2 16,3 8 11,2 13,7 16,1 13, ,8 13,3 16,5 13,8 12 7,4 9,4 11,5 9,6 33,2 0 16,4 15,6 16,5 16,2 2 12,9 14,8 15,7 14,6 4 11,9 14,2 15,6 14,1 6 10,9 11,8 14,0 12,4 8 10,2 11,1 14,1 12,0 10 9,5 10,5 11,6 10,6 12 8,9 10,1 10,9 10,1 Equação de regressão 1 26,9 Y 17 cm = 16,97-0,66 X, R 2 = 0,88 Y 34 cm = 17,78 + 0,59 X R 2 = 0,96 Y 51 cm = 17,07 0,33 X R 2 = 0,79 28,4 Y 17 cm = 21,47-0,98 X, R 2 = 0,94 Y 34 cm = 22,73-0,87 X, R 2 = 0,92 Y 51 cm = 21,61-0,65 X, R 2 = 0,74 32,2 Y 17 cm = 15,98-0,56 X, R 2 = 0,83 Y 34 cm = 16,71-0,53 X, R 2 = 0,90 Y 51 cm = 17,84-0,48 X, R 2 = 0,88

9 Fluxo Tempo de Distância Média (m 3 /minuto/t) secagem (hora) 17 cm 34 cm 51 cm ponderada Teor de água 26,9 0 16,3 16,7 16,6 16,5 2 14,9 16,5 17,1 16,3 4 12,3 15,9 17,2 15,3 6 11,2 13,7 17,3 14,4 8 9,7 12,0 15,9 12,9 10 9,6 11,8 15,1 12,5 12 8,5 10,7 13,8 11,3 28,4 0 18,1 18,0 18,6 18,3 2 15,5 17,4 17,7 16,9 4 12,6 15,9 17,3 15,5 6 11,2 14,6 16,8 14,5 8 10,2 12,6 15,3 13,0 10 9,7 12,7 15,1 12,8 12 9,2 11,9 13,2 11,6 33,2 0 17,3 18,2 18,0 17,9 2 15,0 17,2 17,6 16,7 4 13,2 15,2 17,0 15,3 6 12,1 13,2 16,1 14,0 8 10,5 12,2 14,3 12, ,1 11,3 12,5 11,4 12 9,1 10,5 12,5 10,9 Equação de regressão 1 26,9 Y 17 cm = 16,99-0,65 X, R 2 = 0,91 Y 34 cm = 18,24-0,55 X R 2 = 0,91 Y 51 cm = 15,71 + 0,55 X - 0,05 X 2 R 2 = 0,84 28,4 Y 17 cm = 18,18-0,73 X, R 2 = 0,87 Y 34 cm = 19,06-0,53 X, R 2 = 0,83 Y 51 cm = 19,66-0,41 X, R 2 = 0,63 32,2 Y 17 cm = 17,81-0,67 X, R 2 = 0,92 Y 34 cm = 19,38-0,68 X, R 2 = 0,94 Y 51 cm = 19,63-0,53 X, R 2 = 0,88

10 Temperatura Fluxo Tempo de secagem (hora) (ºC) (m 3 /minuto/t) ,9 3,2 6,5 7,1 8,7 8,8 5,2 28,4 1,9 3,6 4,4 4,7 3,9 4,1 33,2 2,9 3,9 4,6 3,5 2,4 5, ,9 1,1 3,5 4,3 4,0 4,1 2,9 28,4 1,6 5,1 4,7 4,9 5,7 4,1 33,2 2,8 3,7 3,1 3,9 2,4 2, ,9 2,2 4,9 6,1 6,2 5,5 5,3 28,4 2,2 4,7 5,6 5,1 5,4 4,0 33,2 2,6 3,8 4,0 3,8 2,4 3,4 Temperatura Fluxo Distância (cm) Média (ºC) (m 3 /minuto/t) ponderada 42 26,9 0,63 0,39 0,27 0,41 28,4 0,68 0,48 0,33 0,48 33,2 0,78 0,51 0,33 0, ,9 0,65 0,57 0,32 0,49 28,4 1,04 0,88 0,73 0,87 33,2 0,63 0,46 0,47 0, ,9 0,65 0,50 0,23 0,44 28,4 0,74 0,51 0,45 0,56 33,2 0,68 0,64 0,46 0,58

11

12

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC.

b) Calcule as temperaturas em Kelvin equivalentes às temperaturas de 5,0 ºC e 17,0 ºC. Questão 1 A pressão P no interior de um fluido em equilíbrio varia com a profundidade h como P = P 0 + ρgh. A equação dos gases ideais relaciona a pressão, o volume e a temperatura do gás como PV = nrt,

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO DE BELO HORIZONTE

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO DE BELO HORIZONTE JANEIRO Precipitação total anual em milímetros 600 560,8 Precipitação (mm) 500 400 300 200 100 0 360,8 312,6 250,5 268,4 235,1 168,4 190,2 146,8 119,6 FEVEREIRO Temperatura em graus Celsius Precipitação

Leia mais

Lista 3- Atividades resolvidas

Lista 3- Atividades resolvidas Lista 3- Atividades resolvidas 4.2 Determine a fase ou as fases em um sistema constituído de H 2 0 para as seguintes condições esboçe os diagramas p-v e T-v mostrando a posição de cada estado. (a) p =

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO AUGUSTO SEVERO NATAL

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO AUGUSTO SEVERO NATAL JANEIRO FEVEREIRO Temperatura em graus Celsius Tem peratura ( C) 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Máxima Média Mínima MARÇO ABRIL Temperatura em graus Celsius Precipitação

Leia mais

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário CONCRETOS SANTANTONIO INDUSTRIA COMERCIO DE MATERI (6128)

Especificação Unid. Fornecedor Marca Ofer. Descto. (%) Preço Unitário CONCRETOS SANTANTONIO INDUSTRIA COMERCIO DE MATERI (6128) Página: 1/7 1 Tubos de concreto prensados com diâmetro 0,20 X 1,00 no mínimo 3 cm de espessura (a PREMOCON ARTEFATOS DE CONCRETO LTDA EPP (10676) 0 11,8000 1 Santantonio 0 11,9000 2 SANTA HELENA INDUSTRIAL

Leia mais

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP 1. (Fuvest 2012) Para ilustrar a dilatação dos corpos, um grupo de estudantes apresenta, em uma feira de ciências, o instrumento esquematizado na figura acima. Nessa montagem, uma barra de alumínio com

Leia mais

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração Temperatura Fundamentos teóricos A temperatura é uma grandeza que caracteriza os sistemas termodinâmicos em equilíbrio térmico. Por definição, dois sistemas em equilíbrio térmico estão à mesma temperatura.

Leia mais

Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal.

Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal. ventilação Desfruto de um ambiente saudável à temperatura ideal. VENTILAÇÃO ventoinhas ~ de mesa VTR-40 M i 974010344 EAN-13: 8412788015664 Orea ~ Ionizador. ~ Grelha protectora pintada de 45 cm. de diâmetro.

Leia mais

Problemas de Fluidos

Problemas de Fluidos Problemas de Fluidos DADOS: ρ água = g cm 3 γ água = 0,073 N m ρ mercúrio = 3,6 g cm 3 γ mercúrio = 0,54 N m ρ glicerina =,6 g cm 3 ρ ar =,5 kg m 3 g = 9,8 m s Densidade; Pressão; Tensão Superficial; Capilaridade

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORA: JORDANA MOURA CAETANO GOIÂNIA, GO 2015-1

Leia mais

NOVIDADE em medição de temperatura sem contato

NOVIDADE em medição de temperatura sem contato Tamanho real Compromisso com o futuro! NOVIDADE em medição de temperatura sem contato - Marca de medição pequena a curta ou longa distância respeito a superfície de medição com ZOOM: - Zoom para longas

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

Ciclo de potência: ciclo durante o qual uma quantidade líquida de trabalho é produzida Ciclo a gás: ciclo no qual o fluido de trabalho permanece no

Ciclo de potência: ciclo durante o qual uma quantidade líquida de trabalho é produzida Ciclo a gás: ciclo no qual o fluido de trabalho permanece no Ciclo de potência a gás Ciclo de potência: ciclo durante o qual uma quantidade líquida de trabalho é produzida Ciclo a gás: ciclo no qual o fluido de trabalho permanece no estado gasoso Ciclos real e

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Caixa de transporte 33cmx50cmx28cm - conforme edital Quantidade: 10 Unidade de Medida: Unidade

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Caixa de transporte 33cmx50cmx28cm - conforme edital Quantidade: 10 Unidade de Medida: Unidade PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Juiz de Fora Número: PE178/2012 Número do Processo: 04372/2012 Unidade de Compra: UG/PJF Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Caixa de transporte 33cmx50cmx28cm

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Papelão Ondulado Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Ronildo Peroti Experiência no setor nas áreas de Desenvolvimento de Produtos, Produção e Manutenção; Gerente de Desenvolvimento de Produtos da Cartonagem

Leia mais

Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis

Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis Propriedades de substâncias puras, simples e compressíveis Duas propriedades independentes definem o estado termodinâmico de uma substância Pode-se, portanto, determinar-se as outras propriedades, desde

Leia mais

BOOK CONSOLIDADO TABELA DE PREÇOS 2016 01/03/2016

BOOK CONSOLIDADO TABELA DE PREÇOS 2016 01/03/2016 BOOK CONSOLIDADO TABELA DE PREÇOS 2016 01/03/2016 ÁREA EXTERNA TABELA DE PREÇOS 2016 01/Março/2016 ÁREA PÚICA VA VIA DE ACESSO BUS STOP - 7 PONTOS (3 FACES) LA LUZ AMBIENTE Peças: 001BUS / 002BUS / 005BUS

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

EM34F Termodinâmica A

EM34F Termodinâmica A EM34F Termodinâmica A Prof. Dr. André Damiani Rocha arocha@utfpr.edu.br Propriedades 2 Fase e Substância Pura Fase: refere-se a uma quantidade de matéria que é homogênea como um todo, tanto em composição

Leia mais

Soluções em Bombeamento

Soluções em Bombeamento Linha INI www.imbil.com.br 3 4 www.imbil.com.br 3 2 1 MCA 4 3 2 4-1 4 1 2 3 1 2 3 1 3 MCA 2 1 32-.1 2 1 2 3 1 2 3 www.imbil.com.br Modelos Cavalete Largura do rotor Unidade mm 32-32- 9 32-2 4-4- 4-2 -

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO / UNIFAL/ 2008/2 QUÍMICA GABARITO FINAL COM DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS. Questão 1. H= - 1412 kj

PROCESSO SELETIVO / UNIFAL/ 2008/2 QUÍMICA GABARITO FINAL COM DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS. Questão 1. H= - 1412 kj QUÍMICA GABARIT FINAL CM DISTRIBUIÇÃ DS PNTS Questão 1 a) C 2 C 2 + 3 2 2C 2 + 2 2 ( 6 pontos) b) p.v C2 = n C2.R.T p= 1atm; V C2 =98 L; T=25+273=298K n C2 =(p.v C2 )/ (R.T) n C2 =(1.98)/ (0,082.298) moles

Leia mais

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Físico-Química Versão 2 Teste Intermédio Físico-Química Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 18.04.2013 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro????????????

Leia mais

Equipamentos de Ordenha

Equipamentos de Ordenha Equipamentos de Ordenha Recomendações do Comitê de Equipamentos Conselho Brasileiro de Qualidade do Leite Comitê de Equipamentos Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) C755e Conselho Brasileiro

Leia mais

Umidade do ar Chuva Vento

Umidade do ar Chuva Vento LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 7 Umidade do ar Chuva Vento ESALQ/USP 2009 Umidade do ar Umidade do ar A água é a única substância que ocorre

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

Cortinas de Ar. Índice Cortinas de Ar 4.1. Industrial Modular Pág.4.6 Preço Pág.4.10. Basic Pág.4.2 Preço Pág.4.8. Encastrável Pág.4.5 Preço Pág.4.

Cortinas de Ar. Índice Cortinas de Ar 4.1. Industrial Modular Pág.4.6 Preço Pág.4.10. Basic Pág.4.2 Preço Pág.4.8. Encastrável Pág.4.5 Preço Pág.4. Índice Cortinas de Ar Basic Pág.4.2 Preço Pág.4.8 Comercial Pág.4.3 Preço Pág.4.8 Optimal Pág.4.4 Preço Pág.4.8 Encastrável Pág.4.5 Preço Pág.4.9 Industrial Modular Pág.4.6 Preço Pág.4.10 Vertical Pág.4.7

Leia mais

Unidade de pressão 1 atm = 760 mmhg = 1013,3 mb = 1013,3 hpa = 101,33 kpa

Unidade de pressão 1 atm = 760 mmhg = 1013,3 mb = 1013,3 hpa = 101,33 kpa Umidade do ar O ar atmosférico é composto de constituintes não variáveis e variáveis dentre eles destacamos o água na forma de vapor. A presença de água na forma de vapor d água na atmosfera além de atuar

Leia mais

Geradoras de Vácuo Série WACV

Geradoras de Vácuo Série WACV Válvulas Geradoras de Vácuo (Alto vácuo / sem interruptor) As geradoras de vácuo da série WACV são elementos utilizados para se obter vácuo utilizando-se apenas o ar comprimido como fluido motor. As geradoras

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Sistemas Unitários: Análise Dimensional e Similaridades

Sistemas Unitários: Análise Dimensional e Similaridades Física Industrial-FBT415 1 s Unitários: Análise Dimensional e Similaridades 1. Magnitude e sistemas unitários O valor de qualquer magnitude física é expressa como o produto de dois fatores: o valor da

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 13/04/2013

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 13/04/2013 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 13/04/2013 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K)

Leia mais

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas Introdução a Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação Introdução a Hidrologia de Florestas A. Umidade atmosférica A soma de todo o vapor

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G= - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

TERMODINÂMICA Exercícios

TERMODINÂMICA Exercícios Escola Superior de Tecnologia de Abrantes TERMODINÂMICA Exercícios Professor: Eng. Flávio Chaves Ano lectivo 2003/2004 ESCALAS DE PRESSÃO Problema 1 Um óleo com uma massa específica de 0,8 kg/dm 3 está

Leia mais

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas Fontes Lineares não reguladas FAL 24Vcc / 5A FAL 24Vcc / 10A Referência FAL 24Vcc/5A C904385.2000 Referência FAL 24Vcc/10A C904404.2000 Dados nominais Tensão de Entrada (± 10%): Tensão de saída ± 5% (selecionável):

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PRODUÇÃO DE PEPINO TIPO CONSERVA EM FUNÇÃO DE DOSES DE FÓSFORO ELONHA RODRIGUES DOS SANTOS 1 ; ANTONIA PINTO DE CERQUEIRA 2 ; PAULO ROGÉRIO SIRIANO BORGES 3 ; PAULO ROBERTO PEREIRA 4 ; ARISTÓTELES CAPONE

Leia mais

Equações e diagramas T-dS

Equações e diagramas T-dS Equações e diagramas T-dS A segunda lei da termodinâmica 2 S=S S 2 1 1 δq T A Expressão matemática da segunda lei (para um sistema fechado). A entropia é uma propriedade que não é conservativa! Entropia

Leia mais

Analisador de fotossíntese (IRGA) através da fluorescência de troca gasosa com fluorômetro

Analisador de fotossíntese (IRGA) através da fluorescência de troca gasosa com fluorômetro Produto Analisador de Fotossíntese IRGA GFS-3000FL Analisador de fotossíntese (IRGA) através da fluorescência de troca gasosa com fluorômetro Utilizado para medir paralelamente trocas gasosas de CO2 e

Leia mais

Sistema ELITE de Ensino IME - 2014/2015 GABARITO COMENTADO FOLHA DE DADOS. Informações de Tabela Periódica

Sistema ELITE de Ensino IME - 2014/2015 GABARITO COMENTADO FOLHA DE DADOS. Informações de Tabela Periódica Sistema ELITE de Ensino IME - 014/015 FOLHA DE DADOS Informações de Tabela Periódica GABARITO COMENTADO Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 1,0 14,0 16,0 19,0 7,0 35,5 65,0 118,7 17,0

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

Lista de Exercícios #3 Retirados do livro Mecânica dos Fluidos Frank M. White 4ª e 6ª Edições

Lista de Exercícios #3 Retirados do livro Mecânica dos Fluidos Frank M. White 4ª e 6ª Edições Lista de Exercícios #3 Retirados do livro Mecânica dos Fluidos Frank M. White 4ª e 6ª Edições 3.3 Para escoamento permanente com baixos números de Reynolds (laminar) através de um tubo longo, a distribuição

Leia mais

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS A) MASSA ESPECÍFICA

Leia mais

PINÇA PNEUMÁTICA COM TRÊS GARRAS - SÉRIE P12

PINÇA PNEUMÁTICA COM TRÊS GARRAS - SÉRIE P12 PINÇA PNEUMÁTICA COM TRÊS GARRAS - SÉRIE P robusta de alta precisão com três garras e autocentrante. Dupla ação, prende a peça interna ou externamente. O corpo é feito de alumínio endurecido altamente

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Equipe Núcleo de Edificações Residenciais CB3E Florianópolis, setembro de 2012 CB3E - Centro Brasileiro de Eficiência Energética

Leia mais

Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr

Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr Lajes pré-fabricadas em situação de incêndio Ms. Kleber Aparecido Gomide Prof. Dr. Armando Lopes Moreno Jr Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

UFSM / UNIPAMPA. Marcelo Dias Oliveira Tatiana Cureau Cervo Geraldo Cechella Isaia

UFSM / UNIPAMPA. Marcelo Dias Oliveira Tatiana Cureau Cervo Geraldo Cechella Isaia UFSM / UNIPAMPA Estudo comparativo entre Resistência à tração na flexão e Resistência à compressão axial empregando diferentes métodos de cura em concreto para pavimentos Marcelo Dias Oliveira Geraldo

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções 2 ATENÇÃO Leia o Manual de Operação com atenção, para que o relógio opere de forma adequada e eficiente por um longo período de tempo. O relógio de ponto deve ser instalado em um ambiente

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A MAIO 2011

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A MAIO 2011 FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A MAIO 2011 APSA Nº21 11º Ano de Escolaridade 1- Classifique, justificando, as soluções aquosas dos sais que se seguem como ácidas, básicas ou neutras. a) CaCO 3 b)

Leia mais

Capítulo 04 Método de Turc, 1961

Capítulo 04 Método de Turc, 1961 Capítulo 04 Método de Turc, 1961 Anemômetro Varejao-Silva, 2005 4-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 4.1 Introdução 4.2 Método de Turc, 1961 4.3 Dia Juliano 4.4 Distância relativa da Terra ao Sol 4.5 Ângulo da hora

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

Precipitação. Umidade do ar. Vapor d água na atmosfera. Condensação na atmosfera. Resfriamento do ar úmido

Precipitação. Umidade do ar. Vapor d água na atmosfera. Condensação na atmosfera. Resfriamento do ar úmido Composição e estrutura vertical da atmosfera Precipitação Composição (em volume) Nitrogênio ~78% Oxigênio ~2 Argônio ~ CO 2 ~,3 Outros traços Vapor dágua de a 4% Prof. Dr. Silvio F. Barros Ferraz Depto.

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto CIMENTOL é uma tinta impermeável de grande durabilidade, que mantém a boa aparência por mais tempo. Apresenta ótima aderência sobre alvenaria, concreto e fibrocimento. Características Aparência:

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt)

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) Pavimentos de Infraestruturas de Transportes Dimensionamento expedito 1/14 1 Acções (tráfego)

Leia mais

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia

Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo. Irrigação Políticas públicas e tecnologia Antonio Dantas Costa Junior Engenheiro Agrônomo Irrigação Políticas públicas e tecnologia Área de Atuação Unidades locais da EMATER-DF Distrito Federal: 16 escritórios (oito em cidades satélites e oito

Leia mais

Comunicado 35 Técnico

Comunicado 35 Técnico Comunicado 35 Técnico ISSN 1516-8638 Jaguariúna, SP Maio, 2006 Estação Meteorológica Automática da Embrapa Meio Ambiente Anderson Soares Pereira 1 A Embrapa Meio Ambiente, localizada no município de Jaguariúna,

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista º Bimestre/0 Aluno(a): Número: Turma: ) Na função f : R R, com f()

Leia mais

Calor e Trabalho. Definição de trabalho mecânico: produto escalar de uma força aplicada sobre um corpo ou sistema pelo deslocamento

Calor e Trabalho. Definição de trabalho mecânico: produto escalar de uma força aplicada sobre um corpo ou sistema pelo deslocamento Calor e Trabalho Definição de trabalho mecânico: produto escalar de uma força aplicada sobre um corpo ou sistema pelo deslocamento W Fdx requerida a relação funcional entre força e trabalho Definição termodinâmica

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 Suporte redes do tipo: Monofásico; Bifásico, com neutro comum; Trifásico com ligação estrela com e sem neutro Trifásico

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E. J o s é P i o T a m a s s i a S a n t o s, P e r i t o J u d i c i a l, B r a s i l e i r o, C a s a d o, R G.

C U R R I C U L U M V I T A E. J o s é P i o T a m a s s i a S a n t o s, P e r i t o J u d i c i a l, B r a s i l e i r o, C a s a d o, R G. C U R R I C U L U M V I T A E J o s é P i o T a m a s s i a S a n t o s, P e r i t o J u d i c i a l, B r a s i l e i r o, C a s a d o, R G. 6 4 2 4 5 3 6-6 S S P / S P, C P F 6 4 8 2 1 4 2 0 8-7 2, E

Leia mais

Autocopiativos CFB CFB CFB CFB. Primeira via. Vias intermediárias. Vias intermediárias. Vias intermediárias. Vias intermediárias.

Autocopiativos CFB CFB CFB CFB. Primeira via. Vias intermediárias. Vias intermediárias. Vias intermediárias. Vias intermediárias. Autocopiativos Primeira via B B B B Última via Indicado para formulários contínuos de até 6 vias. *Garantia de imagem: desde que o papel seja armazenado à temperatura máxima de 38ºC, 65% de UR, sem exposição

Leia mais

FATEC CAMPUS POMPEIA MECÂNICA APLICADA PRESSÃO, TORQUE, POTÊNCIA E FORÇA CENTRÍFUGA. PROF MSc RUI CASARIN

FATEC CAMPUS POMPEIA MECÂNICA APLICADA PRESSÃO, TORQUE, POTÊNCIA E FORÇA CENTRÍFUGA. PROF MSc RUI CASARIN FATEC CAMPUS POMPEIA MECÂNICA APLICADA PRESSÃO, TORQUE, POTÊNCIA E FORÇA CENTRÍFUGA. PROF MSc RUI CASARIN PRESSÃO Definida como sendo a distribuição das forças atuantes num corpo, através da área que a

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20 Um tanque rígido com 0,5 m contém hidrogênio à 20 º C e 600 kpa esta conectado com outro tanque rígido com 0,5 m também com hidrogênio. A pressão e a temperatura nesse segundo tanque são de 0 º C e 150

Leia mais

EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA

EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA AS CONDIÇÕES DE EQUILÍBRIO DO AR ATMOSFÉRICO. ESTÃO SEMPRE RELACIONADAS COM AS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA DO AR AMBIENTE EM CONFRONTO COM A TEMPERATURA DE UMA PARCELA DE AR. VARIAÇÃO

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Considerações sobre psicrometria

Considerações sobre psicrometria Considerações sobre psicrometria utor: J. Fernando. ritto, engenheiro mecânico, sócio da driferco Engenharia, secretário da GEC-4 e membro do conselho editorial da revista SCC Contato: sbcc@sbcc.com.br

Leia mais

O Programa Computacional GRAPSI

O Programa Computacional GRAPSI 1 Os Fundamentos do GRAPSI O Programa Computacional GRAPSI Prof. Evandro de Castro Melo, DS A determinação das propriedades psicrométricas do ar é uma tarefa freqüente para muitos profissionais da área

Leia mais

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR I CIMMEC 1º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 8 A 10 DE OUTUBRO DE 008 Rio de janeiro, Brasil ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO

Leia mais

Catálogo de Produtos. Energia solar

Catálogo de Produtos. Energia solar Catálogo de Produtos Energia solar 01/2016 CM TUV NORD CERT GmbH Módulos fotovoltaicos Os módulos fotovoltaicos ReneSola VirtusII são reconhecidos globalmente por sua alta efi ciência, durabilidade e qualidade

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

5ª Experiência : Dilatação Térmica

5ª Experiência : Dilatação Térmica 5ª Experiência : Dilatação Térmica Objetivo Determinar o coeficiente de dilatação linear para três materiais: cobre, latão e alumínio. Introdução As conseqüências habituais de variações na temperatura

Leia mais

Folha de dados do produto

Folha de dados do produto Folha de dados do produto GRAXA PARA LAMINADOR TIMKEN (Classe NLGI 1) Graxa lubrificante Números de peça GR180G GR180P GR180K GR180D GR180B Balde de 11 lb (5 kg) Balde de 35,3 lb (16 kg) Barril de 121,3

Leia mais

Cabo para Sinal e Detecção de Incêndio - s/ blindagem - 600 V - flexível - Instalações contínuas cem tubulação de aço galvanizado para blindagem eletrostática e magnética; Cabo formado por dois ou mais

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA SANTO ANTÔNIO DO LEVEGER-MT

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA SANTO ANTÔNIO DO LEVEGER-MT ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA SANTO ANTÔNIO DO LEVEGER-MT ALESSANDRO FERRONATO 1, LÉO ADRIANO CHIG, DANIEL DE BRITO GOULART 3, JOSÉ HOLANDA CAMPELO JUNIOR, LUIZ CARLOS PEREIRA, MARCELO

Leia mais

Equação Geral dos Gases

Equação Geral dos Gases Equação Geral dos Gases EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (EEM-SP) Uma determinada massa gasosa, confinada em um recipiente de volume igual a 6,0 L, está submetida a uma pressão de 2,5 atm e sob temperatura de

Leia mais

OCORRÊNCIA DO ORVALHO NA CIDADE DE SÃO PAULO RESUMO ABSTRACT

OCORRÊNCIA DO ORVALHO NA CIDADE DE SÃO PAULO RESUMO ABSTRACT OCORRÊNCIA DO ORVALHO NA CIDADE DE SÃO PAULO Gustavo ARMANI Frederico Luiz FUNARI Sergio Torre SALUM RESUMO O presente trabalho analisa a ocorrência de dias com orvalho na cidade de São Paulo e a relaciona

Leia mais

CONSTRUÇÃO E AVALIAÇÃO DE PSICRÔMETRO ASPIRADO DE TERMOPAR

CONSTRUÇÃO E AVALIAÇÃO DE PSICRÔMETRO ASPIRADO DE TERMOPAR Psicrômetro aspirado de termopar 89 Nota / Note ONSTRUÇÃO E VLIÇÃO DE PSIRÔMETRO SPIRDO DE TERMOPR Fábio Ricardo Marin,4 *; Luiz Roberto ngelocci, ; Maurício ntônio oelho Filho,4 ; Nilson ugusto Villa

Leia mais

Índice. catálogo 2013 (11) 2796-6161. www.comlvalflex.com.br. valflex@comlvalflex.com.br

Índice. catálogo 2013 (11) 2796-6161. www.comlvalflex.com.br. valflex@comlvalflex.com.br Índice rupo g. rupo g. Ç Í Ó ÇÃ Á / / ÇÃ Á Ã Ó Ó Á É Í / Ó Á Ê Ó É Ç 04 04 04 05 05 05 05 05 07 07 07 07 07 07 07 08 08 08 08 08 08 08 08 08 09 09 09 09 09 10 10 10 10 10 10 10 11 11 11 11 11 12 12 12

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Por que precisamos calibrar os pneus dos carro? Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=9aapomthyje Pressão abaixo da recomendada reduz a durabilidade

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE 1. 1.1. s(cdcl 2 ) = 114,1g/100g H 2 O M(CdCl 2 )= 183,3 g/mol M(H 2 O) = 18,0 g/mol x(cdcl 2 ) = n (CdCl2)/n total m(h 2 O) = 100 g e m(cdcl

Leia mais

O efeito da cura térmica em concretos com cimento CPV ARI Plus pelos conceitos do método da maturidade

O efeito da cura térmica em concretos com cimento CPV ARI Plus pelos conceitos do método da maturidade O efeito da cura térmica em concretos com cimento CPV ARI Plus pelos conceitos do método The effect of steam curing on concretes with CPV ARI Plus cement based on the Maturity methods concepts Autores:

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C Questão 46 O movimento de uma partícula é caracterizado por ter vetor velocidade e vetor aceleração não nulo de mesma direção. Nessas condições, podemos afirmar que esse movimento é a) uniforme. b) uniformemente

Leia mais

Transpiração: é a evaporação devida a ação fisiológica dos vegetais, ocorrida, principalmente, através dos estômatos.

Transpiração: é a evaporação devida a ação fisiológica dos vegetais, ocorrida, principalmente, através dos estômatos. CAPÍTULO 6. EVAPORAÇÃO E TRANSPIRAÇÃO 6.1. Introdução O conhecimento da perda d água de uma superfície natural é de suma importância nos diferentes campos do conhecimento científico, especialmente nas

Leia mais

Equacionando problemas - II

Equacionando problemas - II A UA UL LA Equacionando problemas - II Introdução Nossa aula Nas duas últimas aulas, resolvemos diversas equações do º grau pelo processo de completar o quadrado perfeito ou pela utilização da fórmula

Leia mais