TRANSMISSÃO DE CALOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSMISSÃO DE CALOR"

Transcrição

1 AULA INTRODUÇÃO TRANSMISSÃO DE CALOR Neste capítulo estudaremos os três processos de transmissão de calor e a dilatação térmica nos sólidos e nos líquidos.. 2- CONDUÇÃO Condução é o processo de transmissão de calor em que a energia se transfere de molécula para molécula sem que elas se desloquem. Obs. A condução não ocorre no vácuo. Como exemplo, temos um bloco de bronze com uma de suas extremidades em contato com o fogo. O calor atravessa esse bloco de molécula para molécula. 3- CONVECÇÃO Convecção é o processo de transmissão de calor, no qual a energia se transfere junto com as massas fluídas que trocam de posições devido às suas diferentes densidades provocadas pelas diferenças de temperatura. Obs. A convecção não ocorre no vácuo nem nos meios sólidos.

2 Como exemplo, temos o ar-condicionado de uma sala, instalado na parte superior. O aparelho está instalado na parte superior, para favorecer a convecção do ar. O ar que sai do aparelho está frio (mais denso) e por isso desce, já o ar que está na sala, em sua volta, está mais quente (menos denso) que o que sai do aparelho e por isso ele sobe. Esse sobe e desce das massas de ar, devido as diferentes temperaturas, é o que chamamos correntes de convecção. FIGURA 4- RADIAÇÃO OU IRRADIAÇÃO Radiação é o processo de transmissão de calor em que a energia se transfere de um local para outro através de ondas eletromagnéticas. Obs. Ocorre no vácuo e em meios materiais. Como exemplo, temos o calor que recebemos diariamente aqui na terra, vindo do sol. As ondas de calor emitidas pelo sol são eletromagnéticas e por isso não exigem meios materiais para se propagarem. FIGURA 5- FLUXO DE CALOR (f) Observe que esta barra de bronze está sendo atravessada por um fluxo de calor. O fluxo de calor representa a quantidade de calor que atravessa esta barra na unidade de tempo. Experimentalmente verificou-se que o fluxo depende do material que constitui esta barra, pois, há materiais mais condutores de calor e outros menos condutores. A condutibilidade térmica (C) é característica de cada material. Verificou-se ainda, que o fluxo era diretamente proporcional à área de secção transversal (A) desta barra, à diferença entre as temperaturas (Dq) das faces opostas e inversamente proporcional ao comprimento da barra (e).

3 6- DILATAÇAÃO TÉRMICA NOS SÓLIDOS Quando um corpo sólido sofre uma alteração em sua temperatura, suas dimensões se alteram. A essa alteração de dimensões chamamos dilatação térmica. Como exemplo, temos um cubo que será aquecido. Veja que ao se dilatar, ele sofre um aumento em suas arestas, na área de cada face e em seu volume. Podemos observar que os sólidos irão sofrer três tipos de dilatação, que estudaremos a seguir.

4 7- DILATAÇÃO LINEAR OU UNIDIMENSIONAL (DL) A dilatação linear mede o aumento do comprimento do corpo e tem duas definições. Uma definição óbvia que é a diferença entre os comprimentos final e inicial. Uma outra definição obtida experimentalmente verifica que a dilatação linear é diretamente proporcional ao comprimento inicial do corpo e a variação de temperatura sofrida por ele. O coeficiente de proporcionalidade é chamado de coeficiente de dilatação linear ou unidimensional e representado pela letra a.

5 8- GRÁFICO DA DILATAÇÃO LINEAR Através da ultima equação, verificamos que o comprimento do corpo cresce linearmente com a temperatura. Daí podemos traçar o gráfico abaixo. 9- DILATAÇÃO SUPERFICIAL OU BIDIMENSIONAL (DS) Para definir a dilatação superficial, foram usados conceitos análogos aos da dilatação linear. Veja que agora a dilatação é bidimensional e,

6 portanto, o coeficiente de dilatação é superficial ou bidimensional e será representado pela letra b. 10- DILATAÇÃO VOLUMÉTRICA OU CÚBICA OU TRIDIMENSIONAL (DV) Para definir a dilatação volumétrica, também foram usados conceitos análogos aos da dilatação linear. Veja que agora a dilatação é tridimensional e, portanto, o coeficiente de dilatação é volumétrico ou cúbico ou bidimensional e será representado pela letra g. 11- RELAÇÃO ENTRE OS COEFICIENTES a, b e g A relação entre os coeficientes de dilatação está mostrada a seguir.

7 12- DILATAÇÃO TÉRMICA NOS LÍQUIDOS Nos líquidos só tem significado o estudo da dilatação volumétrica. Para se estudar a dilatação nos líquidos, devemos colocá-lo num recipiente sólido. Ao aquecermos o conjunto, tanto o líquido quanto o sólido sofrerão dilatação. Então, ao se estudar a dilatação dos líquidos, vamos observar dois tipos de dilatação. A dilatação real, que depende somente do líquido, e a dilatação aparente, que depende do líquido e do recipiente. Abaixo temos um recipiente totalmente cheio de um líquido. Ao se aquecer o conjunto, parte do líquido transborda e a este volume transbordado chamamos dilatação aparente. Como o recipiente também se dilatou, o volume final de líquido dentro do recipiente é maior que o inicial. Então, temos que a dilatação real do líquido é a soma da dilatação do recipiente e a dilatação aparente.

8 EXERCÍCIOS

9 1- (UNISA-SP) Uma panela com água está sendo aquecida num fogão. O calor das chamas se transmite através da parede do fundo da panela para a água que está em contato com essa parede e daí para o restante da água. Na ordem desta descrição, o calor se transmitiu predominantemente por a) radiação e convecção b) radiação e condução c) convecção e radiação d) condução e convecção e) condução e radiação 2- (FUVEST) Têm-se dois copos, com a mesma quantidade de água, um aluminizado A e outro negro N, que ficam expostos ao Sol durante uma hora. Sendo inicialmente as temperaturas iguais, é mais provável que ocorra o seguinte: a) Ao fim de uma hora não se pode dizer qual temperatura é maior. b) As temperaturas são sempre iguais em qualquer instante. c) Após uma hora a temperatura de N é maior que a de A. d) De início, a temperatura de A decresce (devido à reflexão) e a de N aumenta. e) As temperaturas de N e de A decresceram (devido à evaporação) e depois cresceram. 3- (UFU-MG) Um orifício numa panela de ferro, a 0 C, tem 5cm 2 de área. Se o coeficiente de dilatação linear do ferro é de 1, C -1, a área desse orifício a 300 C será, em cm 2 : a) 5,018 b) 10,036 c) 10,072 d) 5,036 e) 4, (MACKENZIE-SP) À temperatura de 0 C, uma barra metálica A ( a A = C -1 a ) tem comprimento de 202,0mm e = 5.10 outra barra metálica B ( B ) tem comprimento 200,8mm. Aquecendo-se essas barras, elas apresentarão o mesmo comprimento à temperatura de: a) 100 C b) 150 C c) 180 C d) 200 C e) 220 C (FATEC) Um fio de cobre de 100m sofre aumento de temperatura de 10 C. O coeficiente de dilatação linear do cobre é C -1. A variação do comprimento foi de: a) 17mm b) 17cm c) 17m d) 1,7m e) 100,17m C -1

10 1. ALTERNATIVA D 2. ALTERNATIVA C 3. ALTERNATIVA A 4. ALTERNATIVA D 5. ALTERNATIVA A RESPOSTAS

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Departamento de Estudos Básicos e Instrumentais 3 Termologia Física II Prof. Roberto Claudino Ferreira Prof. Roberto Claudino 1 ÍNDICE 1. Conceitos Fundamentais;

Leia mais

d) condução e convecção b) radiação e condução e) condução e radiação c) convecção e radiação

d) condução e convecção b) radiação e condução e) condução e radiação c) convecção e radiação Lista 7 Propagação de calor 01. Sabe-se que a temperatura do café se mantém razoavelmente constante no interior de uma garrafa térmica perfeitamente vedada. a) Qual o principal fator responsável por esse

Leia mais

Física 3 aulas 3 a 5.

Física 3 aulas 3 a 5. www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br/cei Os corpos sólidos sofrem alteração de suas dimensões quando submetidos à variação de temperatura. Isso se deve ao fato de a distância média entre as

Leia mais

Física 3 aulas 3 e 4.

Física 3 aulas 3 e 4. www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br/cei Os corpos sólidos sofrem alteração de suas dimensões quando submetidos à variação de temperatura. Isso se deve ao fato de a distância média entre as

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE CALOR A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos diferentes: a condução, a convecção e a radiação.

PROPAGAÇÃO DE CALOR A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos diferentes: a condução, a convecção e a radiação. PROPAGAÇÃO DE CALOR A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos diferentes: a condução, a convecção e a radiação. CONDUÇÃO TÉRMICA A condução térmica é um processo

Leia mais

αchumbo= ºC -1 αbronze= ºC -1

αchumbo= ºC -1 αbronze= ºC -1 Exercícios dilatação e transferência de calor 1.Um cilindro de aço, que se encontra em um ambiente cuja temperatura é de 20 C, tem como medida de seu diâmetro 10,00 cm. Levado para outro ambiente cuja

Leia mais

O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA??

O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA?? TERMOMETRIA O QUE É TERMOMETRIA E TEMPERATURA?? Termometria: Área específica da Termodinâmica que estuda a temperatura e suas diferentes escalas usadas pelo mundo Temperatura: Parâmetro termométrico que

Leia mais

A partir dos dados, tem-se a seguinte correspondência: Usando a proporcionalidade, tem-se: x x = =

A partir dos dados, tem-se a seguinte correspondência: Usando a proporcionalidade, tem-se: x x = = 01 A partir dos dados, tem-se a seguinte correspondência: Usando a proporcionalidade, tem-se: x 20 92 32 x 20 60 = = 80 20 212 32 60 180 x 20 = 20 x = 40 mm Resposta: B 1 02 A partir dos dados, tem-se:

Leia mais

Propagação do Calor e Calorimetria

Propagação do Calor e Calorimetria Condução Térmica Física 3 - Capítulo 3 Propagação do Calor e Calorimetria Propagação de calor em que a energia térmica passa de partícula para partícula, sem transporte de matéria. Ocorre nos materiais

Leia mais

ESCALAS TERMOMÉTRICAS E DILATAÇÃO

ESCALAS TERMOMÉTRICAS E DILATAÇÃO REVISÃO ENEM ESCALAS TERMOMÉTRICAS E DILATAÇÃO Temperatura é a grandeza física escalar que nos permite avaliar o grau de agitação das moléculas de um corpo. Quanto maior for o grau de agitação molecular,

Leia mais

instalação para que, no dia mais quente do verão, a separação entre eles seja de 1 cm? a) 1,01 b) 1,10 c) 1,20 d) 2,00 e) 2,02

instalação para que, no dia mais quente do verão, a separação entre eles seja de 1 cm? a) 1,01 b) 1,10 c) 1,20 d) 2,00 e) 2,02 1. (Ufg) Uma longa ponte foi construída e instalada com blocos de concreto de 5 m de comprimento a uma temperatura de 20 C em uma região na qual a temperatura varia ao longo do ano entre 10 C e 40 C. O

Leia mais

AULA 13 CALORIMETRIA. 1- Introdução

AULA 13 CALORIMETRIA. 1- Introdução AULA 13 CALORIMETRIA 1- Introdução Neste capítulo estudaremos o calor e suas aplicações. Veremos que o calor pode simplesmente alterar a temperatura de um corpo, ou até mesmo mudar o seu estado físico.

Leia mais

Tipos de transmissão. Sendo o calor a transmissão de energia térmica, podemos ter três diferentes formas de ocorrência: Transmissão por CONDUÇÃO

Tipos de transmissão. Sendo o calor a transmissão de energia térmica, podemos ter três diferentes formas de ocorrência: Transmissão por CONDUÇÃO Tipos de transmissão Sendo o calor a transmissão de energia térmica, podemos ter três diferentes formas de ocorrência: Transmissão por CONDUÇÃO Transmissão por CONVECÇÃO Transmissão por IRRADIAÇÃO Transmissão

Leia mais

2. (Fatec 2003) O gráfico a seguir relaciona as escalas termométricas Celsius e Fahrenheit.

2. (Fatec 2003) O gráfico a seguir relaciona as escalas termométricas Celsius e Fahrenheit. 1. (Ufpe 2006) O gráfico a seguir apresenta a relação entre a temperatura na escala Celsius e a temperatura numa escala termométrica arbitrária X. Calcule a temperatura de fusão do gelo na escala X. Considere

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV E HABILIDADES REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE IV 2 Vídeo - Primeira Lei de Newton - Lei da Inércia 3 As três leis de Newton do movimento Sir Isaac Newton desenvolveu as três

Leia mais

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA

CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA Tabela 5.1 - Condutividade térmica de alguns materiais CAPÍTULO 5: CONDUÇÃO DE ENERGIA 5.1 CONDUTIVIDADE TÉRMICA Além da transferência de energia por radiação, uma outra forma de calor (transferência de

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS Faculdade Sudoeste Paulista Engenharia Civil/Produção Notas de aula: CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS PROPRIEDADES TÉRMICAS Prof. Msc. Patrícia Corrêa Avaré, 2014 Propriedades de materiais: 1. Térmica

Leia mais

Unidade 2 Dilatação Térmica. Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica

Unidade 2 Dilatação Térmica. Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica Unidade 2 Dilatação Térmica Comportamento dos sólidos Dilatação Linear Dilatação Superficial Dilatação Volumétrica Comportamento dos sólidos De um modo geral, quando aumentamos a temperatura de um corpo

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO. Resp. D

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO. Resp. D 10) Antes de medir a temperatura de um paciente, uma enfermeira verifica que o termômetro clínico indica 35 C. Em seguida, usando esse termômetro, ela mede a temperatura do paciente, encontrando o valor

Leia mais

1ª Aula do cap. 19 Termologia

1ª Aula do cap. 19 Termologia 1ª Aula do cap. 19 Termologia T e m p e r a t u r a O valor da temperatura está associada ao nível de agitação das partículas de um corpo. A temperatura é uma medida da agitação térmica das partículas

Leia mais

ENERGIA BARREIROS LISTA FÍSICA 1 DILATAÇÃO DE LÍQUIDOS PROFESSOR: JOHN

ENERGIA BARREIROS LISTA FÍSICA 1 DILATAÇÃO DE LÍQUIDOS PROFESSOR: JOHN ENERGIA BARREIROS LISTA FÍSICA 1 DILATAÇÃO DE LÍQUIDOS PROFESSOR: JOHN 1. (CFTMG 2016) Para verificar se uma pessoa está febril, pode-se usar um termômetro clínico de uso doméstico que consiste em um líquido

Leia mais

Re s o l u ç õ e s Física 1 Au l a 1

Re s o l u ç õ e s Física 1 Au l a 1 Re s o l u ç õ e s Física 1 Au l a 1 Atividades para Sala Te r m o m e t r i a 1 a) Termômetro mede temperatura, não energia b) Não existe temperatura menor que o zero absoluto 3 78 34 D 8 D 34 D 78 34

Leia mais

Dilatação Térmica- Básico

Dilatação Térmica- Básico Questão 01 - (FGV/2012) Em uma aula de laboratório, para executar um projeto de construção de um termostato que controle a temperatura de um ferro elétrico de passar roupa, os estudantes dispunham de lâminas

Leia mais

Física Experimental - Termodinâmica - Conjunto para termodinâmica - EQ054

Física Experimental - Termodinâmica - Conjunto para termodinâmica - EQ054 Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Guarantee / Garantia... 7 Certificado de Garantia Internacional... 7 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTES

FENÔMENOS DE TRANSPORTES FENÔMENOS DE TRANSPORTES AULA 11 FUNDAMENTOS DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR PROF.: KAIO DUTRA Transferência de Calor Transferência de calor (ou calor) é a energia em trânsito devido a uma diferença de temperatura.

Leia mais

Transferência de Calor: Origens Físicas F Equações de Taxas de Transferência

Transferência de Calor: Origens Físicas F Equações de Taxas de Transferência Transferência de Calor: Origens Físicas F e Euações de Taxas de Transferência Transferência de Calor e Energia Térmica O ue é a transferência de calor? A transferência de calor éo trânsito de energia térmica

Leia mais

EP34D Fenômenos de Transporte

EP34D Fenômenos de Transporte EP34D Fenômenos de Transporte Prof. Dr. André Damiani Rocha arocha@utfpr.edu.br Introdução à Transferência de Calor 2 Introdução à Transferência de Calor O que é Transferência de Calor? Transferência de

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos P.22 Dados: L 0 00 cm; θ 0 0 C; θ 50 C; α 5 0 6 C L α L 0 θ 5 0 6 00 50 L 0,075 cm O comprimento da barra, quando a temperatura é 50 C, é dado por: L L 0 L L 00 0,075 L 00,075 m P.23 Dados: L 00 L 0; θ

Leia mais

Energia: Capacidade de realizar trabalho.

Energia: Capacidade de realizar trabalho. Energia: Capacidade de realizar trabalho. Formas de energia: Matéria: - Cinética (movim. macroscópico, térmica, etc) - Potencial (elétrica, gravitacional, elástica, etc) Tudo que tem massa e ocupa lugar

Leia mais

Transmissão de Calor

Transmissão de Calor Transmissão de Calor Revisão de Conceitos da Termodinâmica 11/08/2006 Referência: capítulos 7, 8 e 10 do livro de H. Moysés Nussenzveig, Curso de Física Básica 2 Fluidos. Oscilações e Ondas. Calor. 4 ed.

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍICA º ANO - ª MENAL - º TRIMETRE TIPO A ) Assinale V se verdadeiro e F se falso. (F) O coeficiente de dilatação é uma característica de cada material, não dependendo da composição e estrutura

Leia mais

Mecanismos de Transferência de Calor

Mecanismos de Transferência de Calor Mecanismos de Transferência de Calor Bibliografia de Aula: Halliday, Resnick e Walker, 8 a Ed; Vol 2, capítulo 18. Já estudamos como ocorrem as trocas de calor entre sistemas físicos. Aprendemos que em

Leia mais

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 FÍSICA TÉRMICA Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 Domínio da Física Térmica Como pode água aprisionada ser ejetada

Leia mais

Introdução aos Processos de Troca de Calor

Introdução aos Processos de Troca de Calor Introdução aos Processos de Troca de Calor Termodinâmica x : Termodinâmica voltada para os processos térmicos e principalmente para o balanço energético e a possibilidade de conversão entre calor e Trabalho.

Leia mais

Física Geral e Experimental III. Dilatação

Física Geral e Experimental III. Dilatação Física Geral e Experimental III Dilatação 6. Em um dia quente em Las Vegas um caminhão-tanque foi carregado com 37.000 L de óleo diesel. Ele encontrou tempo frio ao chegar a Payson, Utha, onde a temperatura

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo: Campo Magnético gerado por um fio e por um solenoide.

Conteúdo Eletromagnetismo: Campo Magnético gerado por um fio e por um solenoide. AULA 16.1 Conteúdo Eletromagnetismo: Campo Magnético gerado por um fio e por um solenoide. Habilidades: Compreender os princípios físicos envolvidos no magnetismo e eletromagnetismo para relacionar fenômenos

Leia mais

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez

Aula 25 Radiação. UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica. Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Aula 25 Radiação UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez REVISÃO: Representa a transferência de calor devido à energia emitida pela matéria

Leia mais

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap.

Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. Unimonte, Engenharia Física Aplicada, Prof. Marco Simões Transferência de calor, exercícios selecionados do Sears & Zemansky, cap. 17 17.65) Suponha que a barra da figura seja feita de cobre, tenha 45,0

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RADIAÇÃO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RADIAÇÃO TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RADIAÇÃO 1 Tema 3: Energia Térmica Tópicos / Habilidades 7 Transferência de calor por radiação 7.1 Aplicar o conceito de energia e suas propriedades para compreender situações

Leia mais

AQS Água quente sanitária. É a água aquecida, usada para banhos, preparação ou confeção de alimentos.

AQS Água quente sanitária. É a água aquecida, usada para banhos, preparação ou confeção de alimentos. Índice A... 2 Acumulador... 2 AQS... 2 Autoconsumo... 2 B... 2 Bomba de calor... 2 C... 2 Caldeira de condensação... 2 Coletor solar seletivo... 2 Condução... 3 Convecção... 3 COP (Coefficient Of Performance)...

Leia mais

Física II Profs Ricardo e Amauri 1

Física II Profs Ricardo e Amauri 1 Física II Profs Ricardo e Amauri PROPRIEDADES E PROCESSOS TÉRMICOS Quando um corpo recebe ou perde energia térmica, pode ser que ocorram diversas modificações em suas propriedades. Nesta parte do curso

Leia mais

20/01/2014 ONDAS 1. INTRODUÇÃO

20/01/2014 ONDAS 1. INTRODUÇÃO ONDAS 1. INTRODUÇÃO Quando uma pessoa liga um aparelho de rádio ou de televisão, imediatamente recebe a mensagem emitida pela estação de rádio ou TV (música, voz do locutor, imagens). Esses aparelhos foram

Leia mais

Editorial Módulo: Física

Editorial Módulo: Física 1. No gráfico a seguir, está representado o comprimento L de duas barras e em função da temperatura θ. Sabendo-se que as retas que representam os comprimentos da barra e da barra são paralelas, pode-se

Leia mais

Q 1 1. MÁQUINAS TÉRMICAS 2. RENDIMENTO ( ) DE UMA MÁQUINA TÉRMICA 3. MÁQUINA DE CARNOT

Q 1 1. MÁQUINAS TÉRMICAS 2. RENDIMENTO ( ) DE UMA MÁQUINA TÉRMICA 3. MÁQUINA DE CARNOT Tópico.07 Máquinas Térmicas. MÁUINAS TÉRMICAS É qualquer dispositivo que, trabalhando entre duas fontes térmicas ( fria e quente ), faz a conversão de calor em trabalho mecânico. Máquinas a vapor e motores

Leia mais

TEMPERATURA E ESCALAS TERMOMÉTRICAS - TEORIA

TEMPERATURA E ESCALAS TERMOMÉTRICAS - TEORIA TEMPERATURA E ESCALAS TERMOMÉTRICAS - TEORIA Freqüentemente, usamos a temperatura para indicar quando um corpo está mais quente ou mais frio que outro. Para entender o conceito de temperatura, vamos pensar

Leia mais

Lista Aula 24. É (são) verdadeira(s): a) todas b) nenhuma c) somente II d) II e III e) somente III

Lista Aula 24. É (são) verdadeira(s): a) todas b) nenhuma c) somente II d) II e III e) somente III 1. (Uece 2015) Dentre as fontes de energia eletromagnéticas mais comumente observadas no dia a dia estão o Sol, os celulares e as antenas de emissoras de rádio e TV. A característica comum a todas essas

Leia mais

Física E Semiextensivo V. 2

Física E Semiextensivo V. 2 GABARIO Física E Semiextensivo Exercícios 1) C ) A I erdadeira Caso ocorra a redução de temperatura do ambiente, o fio sofrerá contração, com o risco de rompimento II Falsa A distância entre os fios é

Leia mais

FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS. Prof. Fabio Reis INICIAR CLIK AQUI CURRÍCULO

FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS. Prof. Fabio Reis INICIAR CLIK AQUI CURRÍCULO FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS Prof. Fabio Reis CURRÍCULO INICIAR CLIK AQUI FUNDAMENTOS DE METEREOLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS VAPOR DE ÁGUA -

Leia mais

Exercício 3) A formação de cargas elétrica em objetos quotidianos é mais comum em dias secos ou úmidos? Justifique a sua resposta.

Exercício 3) A formação de cargas elétrica em objetos quotidianos é mais comum em dias secos ou úmidos? Justifique a sua resposta. Exercícios Parte teórica Exercício 1) Uma esfera carregada, chamada A, com uma carga 1q, toca sequencialmente em outras 4 esferas (B, C, D e E) carregadas conforme a figura abaixo. Qual será a carga final

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL LOM3228 - MÉTODOS EXPERIMENTAIS DA FÍSICA I Prof. Dr. Durval Rodrigues Junior Departamento de Engenharia de Materiais (DEMAR) Escola de Engenharia

Leia mais

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo

UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO. Conteúdo UNIDADE 4. TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA NO SISTEMA ATMOSFERA- OCEANO Conteúdo 4.1 POR QUE A ATMOSFERA E O OCEANO SE MOVEM CONTINUAMENTE?... 2 4.2 BALANÇO DE CALOR DO OCEANO E ATMOSFERA... 4 4.3 BALANÇO DE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

Introdução. Perturbação no primeiro dominó. Perturbação se propaga de um ponto a outro.

Introdução. Perturbação no primeiro dominó. Perturbação se propaga de um ponto a outro. Capitulo 16 Ondas I Introdução Perturbação no primeiro dominó. Perturbação se propaga de um ponto a outro. Ondas ondas é qualquer sinal (perturbação) que se transmite de um ponto a outro de um meio com

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

Termometria Marcel Becali Tononi

Termometria Marcel Becali Tononi Termometria Marcel Becali Tononi 01] (FATEC 2001) Em um laboratório um cientista determinou a temperatura de uma substância. Considerando-se as temperaturas: -100K; 32 F; -290 C; -250 C, Os possíveis valores

Leia mais

I. Você levaria vantagem ao abastecer o carro na hora mais quente do dia pois estaria comprando mais massa por litro de combustível.

I. Você levaria vantagem ao abastecer o carro na hora mais quente do dia pois estaria comprando mais massa por litro de combustível. 1. (ENEM-MEC) A gasolina é vendida por litro, mas em sua utilização como combustível, a massa é o que importa. Um aumento da temperatura do ambiente leva a um aumento no volume da gasolina. Para diminuir

Leia mais

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 2ª. Série Aula 13

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 2ª. Série Aula 13 Aula 13 Medindo o calor 1. Mudança de estado físico (solidificação) (liquefação) Sólido - Líquido - Gás (fusão) (ebulição) 2. Curvas de aquecimento Gráfico de Temperatura x Quantidade de calor: T x Q Exemplos:

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A 01) Baseado no que foi visto no laboratório sobre transmissão de calor, analise as alternativas abaixo. I. A convecção térmica só ocorre nos fluidos,

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

EM-524 Fenômenos de Transporte

EM-524 Fenômenos de Transporte EM-524 Fenômenos de Transporte Livro : Introdução às Ciências Térmicas F.W. Schmidt, R.E. Henderson e C.H. Wolgemuth Editora Edgard Blücher Denilson Boschiero do Espirito Santo DE FEM sala : ID301 denilson@fem.unicamp.br

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

Universidade Federal Rural do Semiárido - UFERSA

Universidade Federal Rural do Semiárido - UFERSA Universidade Federal Rural do Semiárido - UFERSA Temperatura e Calor Jusciane da Costa e Silva Mossoró, Junho de 2010 Introdução temperatura Termodinâmica calor energia interna Típico sistema termodinâmico,

Leia mais

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C DIFERENÇA DE POTENCIAL (DDP) CRIAR UMA DIFERENÇA ENTRE DOIS PONTOS. NUM DOS PONTOS HÁ EXCESSO E NO OUTRO FALTA DE ELETRONS QUANTO MAIOR A DIFERENÇA, MAIOR VAI

Leia mais

Aula 3 VETORES. Introdução

Aula 3 VETORES. Introdução Aula 3 VETORES Introdução Na Física usamos dois grupos de grandezas: as grandezas escalares e as grandezas vetoriais. São escalares as grandezas que ficam caracterizadas com os seus valores numéricos e

Leia mais

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP 1. (Fuvest 2012) Para ilustrar a dilatação dos corpos, um grupo de estudantes apresenta, em uma feira de ciências, o instrumento esquematizado na figura acima. Nessa montagem, uma barra de alumínio com

Leia mais

4. (Mackenzie 2010) Uma placa de alumínio (coeficiente de dilatação linear do alumínio = 2.10-5

4. (Mackenzie 2010) Uma placa de alumínio (coeficiente de dilatação linear do alumínio = 2.10-5 1. (Pucrs 214) O piso de concreto de um corredor de ônibus é constituído de secções de 2m separadas por juntas de dilatação. Sabe-se que o coeficiente de dilatação linear do concreto é 6 1 121 C, e que

Leia mais

As figuras acima mostram as linhas de indução de um campo magnético uniforme B r

As figuras acima mostram as linhas de indução de um campo magnético uniforme B r 1) No sistema mostrado abaixo, as roldanas e os fios são ideais e o atrito é considerado desprezível. As roldanas A, B, e C são fixas e as demais são móveis sendo que o raio da roldana F é o dobro do raio

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

Aulas 01 e 02 TEMPERATURA. Frente III

Aulas 01 e 02 TEMPERATURA. Frente III Física Frente III CAPÍTULO 1 TEMPERATURA E DILATAÇÃO TEMPERATURA Aulas 01 e 02 A temperatura está associada ao movimento das partículas, isto é, agitação térmica. Quanto maior o grau de agitação térmica

Leia mais

Lista de exercícios Prisma e cilindro

Lista de exercícios Prisma e cilindro Lista de exercícios Prisma e cilindro 1. Na figura a seguir, que representa um cubo, o perímetro do quadrilátero ABCD mede 8(1 + Ë2) cm. Calcule o volume do cubo em cm. 4. Em um tanque cilíndrico com raio

Leia mais

Física. Lista ENEM 22 - Propagação do Calor - SOLUÇÕES

Física. Lista ENEM 22 - Propagação do Calor - SOLUÇÕES Física Lista ENEM 22 - Propagação do Calor - SOLUÇÕES 1. (Unicamp 2016) Um isolamento térmico eficiente é um constante desafio a ser superado para que o homem possa viver em condições extremas de temperatura.

Leia mais

NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA:

NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA: NOME: TURMA: 33AA / 33IA / 33MA Nº PROFESSOR: ELIO ASSALIN TRABALHO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA (VALOR DE 2,0 PONTOS) NOTA: Questões do 1 bimestre: Conteúdo: Escalas termométricas, conversão de temperatura

Leia mais

3ª Série / Vestibular

3ª Série / Vestibular 3ª Série / Vestibular 21. Considere dois corpos A e B de mesma massa de substâncias diferentes. Cedendo a mesma quantidade de calor para os dois corpos, a variação de temperatura será maior no corpo: (A)

Leia mais

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR.

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR. Resistores A existência de uma estrutura cristalina nos condutores que a corrente elétrica percorre faz com que pelo menos uma parte da energia elétrica se transforme em energia na forma de calor, as partículas

Leia mais

Escoamento completamente desenvolvido

Escoamento completamente desenvolvido Escoamento completamente desenvolvido A figura mostra um escoamento laminar na região de entrada de um tubo circular. Uma camada limite desenvolve-se ao longo das paredes do duto. A superfície do tubo

Leia mais

Atividade extra. Questão 1 Cecierj Questão 2 Cecierj Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química

Atividade extra. Questão 1 Cecierj Questão 2 Cecierj Ciências da Natureza e suas Tecnologias Química Atividade extra Questão 1 Cecierj - 2013 Desenhe uma esfera de ferro e outra de chumbo que tenham massas iguais. Para isso, considere as seguintes densidades: densidade do ferro = 7,9 g/cm3 densidade do

Leia mais

Colégio Jardim Paulista

Colégio Jardim Paulista Colégio Jardim Paulista Nome: Nº Série: Profª:_ Roberto Salgado Período: 4º Bimestre Data: / / Trabalho de Matemática 6 º ano A Nota Medidas de comprimento: 1) Ana e Antônia fizeram algumas medições e

Leia mais

Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza. Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho

Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza. Eletromagnetismo I. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho de Carvalho - Eletrostática Densidade de Fluxo Elétrico e Lei de Gauss (Páginas 48 a 55 no livro texto) Experimento com esferas concêntricas Densidade de Fluxo elétrico (D) Relação entre D e E no vácuo

Leia mais

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (Eletromagnetismo) Nos capítulos anteriores estudamos as propriedades de cargas em repouso, assunto da eletrostática. A partir deste capítulo

Leia mais

Matemática Régis Cortes SISTEMA MÉTRICO

Matemática Régis Cortes SISTEMA MÉTRICO SISTEMA MÉTRICO 1 Unidades de medida ou sistemas de medida Para podermos comparar um valor com outro, utilizamos uma grandeza predefinida como referência, grandeza esta chamada de unidade padrão. As unidades

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 49. Questão 48. alternativa B. alternativa B. alternativa A. alternativa D. A distância média da Terra à Lua é

Questão 46. Questão 47. Questão 49. Questão 48. alternativa B. alternativa B. alternativa A. alternativa D. A distância média da Terra à Lua é Questão 46 A distância média da Terra à Lua é 3,9 10 m. Sendo a velocidade da luz no vácuo igual a 30, 10 5 km/s, o tempo médio gasto por ela para percorrer essa distância é de: a) 0,77 s d) 77 s b) 1,3

Leia mais

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA 1 SOBRE Apanhado de exercícios sobre física térmica selecionados por segrev. O objetivo é que com esses exercícios você esteja preparado para a prova, mas

Leia mais

Mas Da figura, temos:

Mas Da figura, temos: 1. Na tubulação da figura 1, óleo cru escoa com velocidade de 2,4 m/s no ponto A; calcule até onde o nível de óleo chegará no tubo aberto C. (Fig.1). Calcule também a vazão mássica e volumétrica do óleo.

Leia mais

Funções Potência. Cubo - Definições

Funções Potência. Cubo - Definições Funções Potência Aula 06 Cubo - Definições 1 Cubo-Arestas Área de Superfície do Cubo Se estivéssemos pintando um cubo, a área da superfície nos diria quanto de área teríamos que cobrir com tinta. Cada

Leia mais

PNV-2321 TERMODINÂMICA E TRANSFERÊNCIA DE CALOR

PNV-2321 TERMODINÂMICA E TRANSFERÊNCIA DE CALOR PNV-31 TERMODINÂMICA E TRANSFERÊNCIA DE CALOR TRANSMISSÃO DE CALOR 1) INTRODUÇÃO Sempre que há um gradiente de temperatura no interior de um sistema ou quando há contato de dois sistemas com temperaturas

Leia mais

Física Módulo 2 Ondas

Física Módulo 2 Ondas Física Módulo 2 Ondas Ondas, o que são? Onda... Onda é uma perturbação que se propaga no espaço ou em qualquer outro meio, como, por exemplo, na água. Uma onda transfere energia de um ponto para outro,

Leia mais

Transmissão de calor

Transmissão de calor UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia ransmissão de calor 3º ano Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Aula 5 * 3.Condução em regime permanente em uma parede plana Condução em regime permanente

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

2. (Uerj) Um quadrado ABCD de centro O está situado sobre um plano.ב Esse plano contém o segmento OV, perpendicular a BC, conforme ilustra a imagem:

2. (Uerj) Um quadrado ABCD de centro O está situado sobre um plano.ב Esse plano contém o segmento OV, perpendicular a BC, conforme ilustra a imagem: 1. (Insper) Uma empresa fabrica porta-joias com a forma de prisma hexagonal regular, com uma tampa no formato de pirâmide regular, como mostrado na figura. As faces laterais do porta-joias são quadrados

Leia mais

DILATAÇÃO TÉRMICA FONTE DA IMAGEM: CESGRANRIO. Esfriando-se o conjunto e supondo-se que o álcool não evapore, o volume da gota:

DILATAÇÃO TÉRMICA FONTE DA IMAGEM: CESGRANRIO. Esfriando-se o conjunto e supondo-se que o álcool não evapore, o volume da gota: DILATAÇÃO TÉRMICA 1. Fausto é dono de uma empresa que fabrica recipientes termicamente isolados. Ele herdou a empresa do pai e seguiu seus passos. Um dos recipientes termicamente isolados de Fausto contém

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Aços para concreto armado Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Aços para concreto armado Notas de aula da disciplina AU414 - Estruturas IV Concreto armado Prof. Msc. Luiz Carlos

Leia mais

Controle de Processos Aula: Balanço de energia

Controle de Processos Aula: Balanço de energia 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de energia Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de

Leia mais

Física - 1. Dados numéricos

Física - 1. Dados numéricos Física - 1 Dados numéricos celeração da gravidade: 1 m/s Densidade da água: 1, g/cm 3 Velocidade da luz no vácuo: 3, x 1 8 m/s 1 atm = 1, x 1 5 N/m = 1 4 π o = 9, x 1 9 N.m C 1. O gráfico da velocidade

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:26. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor em Física pela Universidade udwig Maximilian de Munique, Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

Dilatação Nível Básico

Dilatação Nível Básico Dilatação 016 Nível Básico 1. (Uerj 016) Fenda na Ponte Rio-Niterói é uma junta de dilatação, diz CCR De acordo com a CCR, no trecho sobre a Baía de Guanabara, as fendas existem a cada 400 metros, com

Leia mais

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS 7.1. INTRODUÇÃO As ondas mecânicas são fenómenos ondulatórios que necessitam de um meio material para se propagarem. Como exemplos destas ondas, vamos estudar neste capítulo

Leia mais

RESOLUÇÕES DA PROVA DE FÍSICA UFC PROFESSOR Célio Normando

RESOLUÇÕES DA PROVA DE FÍSICA UFC PROFESSOR Célio Normando PROFESSOR Célio Normando Ari Duque de Caxias Ari Washington Soares Ari Aldeota Da 5ª Série ao Pré-Vestibular Sede Hildete de Sá Cavalcante (da Educação Infantil ao Pré-Vestibular) Rua Monsenhor Catão,

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA ESTUDOS DILATAÇÃO TÉRMICA

EXERCÍCIOS PARA ESTUDOS DILATAÇÃO TÉRMICA 1. (Unesp 89) O coeficiente de dilatação linear médio de um certo material é = 5,0.10 ( C) e a sua massa específica a 0 C é ³. Calcule de quantos por cento varia (cresce ou decresce) a massa específica

Leia mais