IFSC - Instituto Federal de Educação, Ciência E Tecnologia de Sta. Catarina Curso Técnico Em Eletroeletrônica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IFSC - Instituto Federal de Educação, Ciência E Tecnologia de Sta. Catarina Curso Técnico Em Eletroeletrônica"

Transcrição

1 IFSC - Instituto Federal de Educação, Ciência E Tecnologia de Sta. Catarina Curso Técnico Em Eletroeletrônica Fonte Simétrica de Meia Onda Com Regulador de Tensão Aluno: Talvani Güttler Eletrônica Geral I Prof. Carlos T. Matsumi Joinville, 09 de Dezembro de 2009

2 Sumário 1 - Introdução Descrição do projeto O retificador Funcionamento do circuito retificador Filtro para a o circuito retificador Configuração final do retificador e funcionamento do circuito a - Semiciclo positivo b - Semiciclo negativo Dimensionamento dos capacitores Tensão de pico Tensão máxima Tensão de ripple Tensão mínima Tensão média Resistência na carga Capacitor de estabilização da tensão (capacitor de ripple) Tensão média após estabilização do sistema Dimensionamento dos diodos Tensão reversa no diodo Cálculo da potência na carga Estabilização da tensão de saída Saídas simétricas Saída fixa de 5V Esquema elétrico final do projeto Testes em laboratório Formas de onda Na saída do transformador No diodo No capacitor (ripple) Na carga a - Após reguladores de tensão LM317 e LM b - Após regulador de tensão LM Confecção do circuito impresso Lista de materiais utilizados Conclusão Referências bibliográficas

3 1 - Introdução Percebemos que no decorrer dos anos, a eletrônica assumiu grande importância em nossas vidas, facilitando nosso dia-a-dia. Tudo o que está ao nosso redor, está de alguma forma envolvido com a eletrônica. Os componentes eletrônicos foram realmente um marco na história das descobertas e, nos proporcionaram um imenso avanço tecnológico, tornando mais simples nosso modo de viver. A origem dos aparelhos eletrônicos remonta às pesquisas de Heinrich Hertz (1887) com o inicio do estudo da Fotoeletricidade e, Thomas Alva Edison (1883), com o que chamamos hoje de "Efeito Edison", ou efeito termiônico. Ele demonstrou a formação de uma corrente elétrica fraca no vácuo parcial entre um filamento aquecido e uma placa metálica. Que mais tarde, receberam o nome de elétrons. A partir daí, são vários os relatos de experiências envolvendo a eletricidade, desde J.A. Fleming (1897), com a chamada válvula de Fleming, que deu origem a todas as válvulas utilizadas em telecomunicações e, Lee de Forest (1906) que inventa o tríodo. A utilização dessas válvulas como geradores, amplificadoras e detectoras, foi aos poucos se impondo, até chegar-se a invenção do transistor em 1947 pela BELL TELEPHONE LABORATORIES. Este componente substitui a válvula, sendo muito menor e mais barato. Jonathan Zenneck, em 1905, desenvolve o Tubo de Braun e cria o osciloscópio catódico, origem dos cinescópios dos aparelhos de televisão. Em 1958 fabricou-se o primeiro Circuito Integrado, pequena pastilha com pinos metálicos, que em seu interior, de forma microscópica, encontram-se de dezenas até milhões de transistores e outros componentes. Com o aperfeiçoamento dos circuitos integrados surgiu em 1971 o primeiro microprocessador. Esta técnica é a base de toda Eletrônica atual. Numa definição mais abrangente, podemos dizer que a Eletrônica é o ramo da ciência que estuda o uso de circuitos formados por componentes elétricos e eletrônicos, com o objetivo principal de captar, armazenar, transmitir ou processar informações além do controle de processos e servo mecanismos. Para o funcionamento de circuitos eletrônicos se faz necessária a utilização de tensões de correntes contínuas, como é o exemplo de uma pilha ou bateria. Portanto, se torna imprescindível a retificação da tensão alternada disponibilizada na rede elétrica. Este relatório irá descrever passo a passo a construção de uma fonte de tensão simétrica regulável, material necessário para tal projeto e seu funcionamento. Demonstrando ainda todos os testes aplicados ao projeto em laboratório, para a verificação de seu correto funcionamento antes de sua montagem final. 3

4 2 - Descrição do projeto Este projeto tem como objetivo, montar uma fonte de tensão simétrica regulável, variando entre 1,2 e 20 volts. Tais fontes devem fornecer tensões positiva e negativa iguais em torno de uma referência comum de 0V ou terra (GND). Esta fonte deverá ainda, conter uma saída de tensão fixa de 5 volts. Tendo como necessidade para este projeto, uma considerável diminuição na tensão da rede de alimentação, usou-se para o devido fim um transformador abaixador, passando a tensão de entrada de 220 Volts, para uma tensão de 18 volts, com capacidade de fornecer uma corrente de até 0,8 ampéres. A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada, ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua, então se faz necessário retificá-la, e isto é feito através de um circuito retificador, que converte corrente alternada em corrente contínua. Seu funcionamento será descrito a seguir. 3 - O retificador O diodo tem a característica de conduzir corrente somente num sentido e, devido a esta característica unidirecional o mesmo é utilizado para retificar, transformando a tensão senoidal de entrada da rede elétrica em uma tensão contínua pulsante. O anodo apresenta-se como o lado positivo do componente, sendo o catodo o negativo. O diodo só conduz corrente quando polarizado diretamente, ou seja, quando o positivo da senoide atinge o anodo do mesmo, permanecendo bloqueado (se diz em aberto) quando polarizado reversamente (inversamente). O diodo deve suportar uma tensão reversa maior do que a tensão de pico e uma corrente direta maior que a corrente da fonte Funcionamento do circuito retificador O método de retificação utilizado neste projeto foi o de meia onda. Nos moldes do desenho a seguir: Para o ponto A positivo em relação a B, o diodo está polarizado diretamente e conduz. A corrente circula de A até B passando pelo diodo e RL. Para o ponto A negativo em relação a B, o diodo está polarizado inversamente e não conduz. Tem-se corrente em RL somente nos semiciclos positivos de entrada. 4

5 3.2 - Filtro para a o circuito retificador A ondulação na saída do circuito retificador é muito grande, o que torna a tensão de saída inadequada para alimentar a maioria dos circuitos eletrônicos. Torna-se então necessário fazer uma filtragem da tensão de saída do retificador. A maneira mais simples de efetuar esta filtragem, é ligar um capacitor de alta capacitância em paralelo com a carga RL e, normalmente utiliza-se um capacitor eletrolítico. A função deste capacitor é reduzir tal ondulação. Quanto maior for o valor deste capacitor menor será a ondulação na saída da fonte. Esta filtragem nivela a forma de onda na saída, tornando-a mais próxima de uma tensão contínua pura, que é a tensão de uma bateria ou pilha. Como a tensão da rede é de 60Hz, o capacitor se recarrega 60 vezes por segundo. Obs. O voltímetro de tensão contínua indica o valor médio da tensão medida. 3.3 Configuração final do retificador e funcionamento do circuito Por tratar-se de uma fonte simétrica, a configuração final do circuito da-se como se fossem duas fontes de meia onda montadas em conjunto, conforme esboço abaixo: Obs.: R1 e R2 apenas estão representando a carga RL aplicada à saída do sistema. 5

6 3.3.a - Semiciclo positivo No semiciclo positivo o diodo D2 conduz e carrega o capacitor C2 com o valor máximo de tensão (Vmax). Assim que a tensão de entrada cair a Zero, o diodo para de conduzir e o capacitor passa a descarregar-se lentamente em R2. Quando a tensão de entrada fica negativa (semiciclo negativo) o diodo D2 não conduz e o capacitor continua descarregando lentamente em R b - Semiciclo negativo No semiciclo negativo, quem conduz é o diodo D1, que carrega o capacitor C1 com o valor máximo de tensão (Vmax). Assim que a tensão de entrada subir a zero, o diodo D1 para de conduzir e o capacitor passa a descarregar-se lentamente em R1. Quando a tensão de entrada fica positiva (semiciclo positivo) o diodo D1 não conduz e o capacitor continua descarregando lentamente em R Dimensionamento dos capacitores Para o cálculo de dimensionamento do capacitor de ripple, levou-se em consideração a tensão eficaz real do transformador utilizado no projeto, medida com a utilização de um voltímetro digital (Vef = 18,6V). 6

7 4.1 - Tensão de pico A tensão medida na rede denomina-se tensão eficaz, para calcularmos a tensão de pico utiliza-se a seguinte fórmula: Vp = Vef. 2 Vp = 18,6. 2 Vp = 26,30V Tal tensão é possível de ser observada somente com o auxílio de um osciloscópio Tensão máxima No retificador de meia onda a tensão máxima no capacitor, é o pico de tensão de entrada menos 0,7V (queda de tensão no diodo), Vmax = Vef. 2 Vd. Vmax = Vp Vd Vmax = 26,30 0,7 Vmax = 25,60V Tensão de ripple Tensão de ripple denomina-se a variação de tensão entre a carga total e a descarga do capacitor. Adotou-se para o sistema, uma variação de 12%, considerando-se a necessidade de que a tensão média fique estabilizada acima dos 20 volts, que é o valor de tensão desejado na saída do sistema. Vripple = 12% Vripple = , Vripple = 3,07V Tensão mínima Tal tensão, é também observada somente com o auxílio de um osciloscópio. Vmin = Vmax Vripple Vmin = 25,60 3,07 Vmin = 22,53V Tensão média É a tensão que pode ser medida utilizando-se um voltímetro de tensão contínua. Vmed = Vmax + Vmin 2 Vmed = 25, ,53 2 Vmed = 24,07V 7

8 4.6 - Resistência na carga Carga ôhmica suposta na saída, para posterior cálculo do capacitor utilizado para estabilização do sistema. R = V I R = 24,07 0,8 R = 30,09Ω Considera-se V a tensão média e I a corrente máxima fornecida pelo transformador Capacitor de estabilização da tensão (Capacitor de ripple) Capacitor de ripple: Capacitor comercial = 4700 μf C = Vmax Vripple = Vmax Vripple. f. R C. f. R C = 25,60 Vripple = 25,60 3, , μF ,09 C = 4619μF Vripple = 3,02V O capacitor de valor comercial mais aproximado do cálculo feito é o de 4700μF. Refazendo-se o cálculo, encontramos o valor de 3,02V para a tensão de ripple. Foram utilizados 2 capacitores eletrolíticos de 4700μF de 35V (C1 e C2), levando -se em conta que a tensão de trabalho do mesmo deve ser igual ou superior a tensão máxima fornecida pelo sistema, a qual ficou em 25,60V, conforme cálculo feito anteriormente Tensão média após estabilização do sistema Tensão Mínima: Tensão Média: Vmin = Vmax Vripple Vmed = Vmax + Vmin 2 Vmin = 25,60 3,02 Vmed = 25, ,58 Vmin = 22,58V 2 Vmed = 24,09V 8

9 5 - Dimensionamento dos diodos Sabendo-se que o diodo deve suportar uma tensão reversa maior do que a tensão de pico e uma corrente direta maior que a corrente da fonte, levaremos em consideração para o dimencionamento dos diodos a tensão reversa em cima do mesmo Tensão reversa no diodo Através do desenho a seguir podemos observar que a tensão reversa em cima do diodo fica em torno do dobro da tensão de pico (Vrev = -2Vp), pois a tensão da fonte soma-se com a tensão de carga do capacitor. Vrev = Vp Vc Vrev = 26,3 25,6 Vrev = 51,9V Foram utilizados 2 diodos PR3002 (D1 e D2), responsáveis pela retificação da tensão alternada de entrada (onda senoidal) e, que conforme datasheet, suportam uma tensão de 70V RMS, 100V de tensão reversa e uma corrente de 3 Ampéres. Servindo perfeitamente para o propósito em questão. 6 - Cálculo da potência na carga Destina-se a dimensionar a potência dos resistores que serão conectados à saída da fonte durante testes em laboratório, evitando assim a queima dos mesmos. O cálculo da potência foi feito em cima da tensão de saída dos reguladores (LMs) que serão utilizados no projeto e a carga anteriormente calculada para a resistência. P = V² R P = 20² 30,09 P = 13,29W 9

10 7 - Estabilização da tensão de saída Saídas simétricas Para se alcançar a variação de tensão pretendida entre 1,2V e 20V, utilizou-se dois reguladores de tensão: - LM317, responsável pela estabilização da parte positiva do sistema; - LM337, responsável pela estabilização da parte negativa do sistema. Os quais atendem perfeitamente ao requisito do projeto, suportando segundo o datasheet, uma tensão de 40V e picos de corrente de 3,5 ampéres. A variação de tensão será feita através da utilização de dois trimpots de 2KΩ instalados na entrada de ajuste dos dois LMs. Segue o esquema de ligação: Os dois resistores de 120Ω tem a função de, quando o trimpot todo aberto, manter uma queda de potencial em relação ao GND, mantendo a tensão na saída estabilizada em 1,2 volts. Os capacitores de 10 e 22μF na sa ída do circuito, tem a função de corrigir algum eventual ruído, bem como suprir um eventual pico de corrente exigido pela carga a ser conectada à saída Saída fixa de 5V Para a obtenção dos 5V de tensão fixa de saída da fonte, foi utilizado um regulador de tensão LM7805. O qual, segundo datasheet, suporta uma tensão de 35V e picos de corrente de 2,2 ampéres. Neste não haverá a possibilidade de variação da tensão de saída assim como nos dois anteriores. O esquema de ligação está representado a seguir: 10

11 O capacitor de 0.22μF tem a mesma fun ção dos dois liga dos às saídas do esquema anterior, o de corrigir algum eventual ruído, bem como suprir um eventual pico de corrente exigido pela carga a ser conectada à saída. 8 - Esquema elétrico final do projeto Foi ainda, implementado no sistema um Led, para indicar o estado de funcionamento da fonte. Sendo este ligado em série com um resistor de 510Ω, para queda de tensão em cima do Led, evitando assim sua queima. Ficando assim o projeto, conforme esquema a seguir: Também foi implementado ao primário do trafo, uma chave duas posições ( V) e um interruptor (Liga-Desliga), os quais não aparecem no esquema do circuito. 9 - Testes em laboratório Após montagem do circuito em Proto-board, foram executados os testes em cima do projeto, verificando sua eficiência e permitindo a correção de algum eventual problema a ser diagnosticado. 11

12 10 - Formas de onda Na saída do transformador Nas imagens abaixo temos a onda senoidal na saída do transformador. Onde, na primeira podemos observar o valor de pico da tensão, ficando por volta dos 26,3V conforme cálculo anteriormente feito. Na segunda imagem, podemos observar um achatamento na onda senoidal, a qual acaba ocasionando uma queda no valor máximo de tensão fornecida ao sistema. Queda esta causada pela alta corrente drenada do sistema pela carga de 33Ω ligada as saídas da fonte. Saída do trafo sem carga. Saída do trafo com carga de 33Ω. 12

13 No diodo Na foto a seguir observamos a tensão reversa em cima do diodo, a qual conforme calculo feito anteriormente, ficou por volta de 51,9V. Motivo este, pelo qual o diodo deve suportar uma tensão reversa maior que a tensão de pico. Tensão reversa em cima do diodo. Para a melhor observação da onda, a escala foi elevada em duas divisões No capacitor (ripple) Para se observar a tensão de ripple, foi ligada uma carga de 33Ω a cada uma das saídas simétricas do circuito (3 resistores de 100Ω e 10Watts, em paralelo). Onde se observou a seguinte forma de onda: Tensão de ripple (em cima dos capacitores de 4700μ). Conforme cálculo anteriormente feito, a tesão média observada em cima dos capacitores de ripple deveria ficar por volta dos 24,09V, porém podemos observar através da imagem a cima que esta tensão acabou ficando um pouco abaixo da desejada, isto se deve a queda de tensão fornecida pelo transformador já na entrada do sistema, devido à grande corrente exigida pela carga, conforme visto anteriormente nas imagens da onda senoidal da saída do transformador. 13

14 Na carga 10.4.a - Após reguladores de tensão LM317 e LM337 Abaixo vemos as formas de onda nas saídas simétricas da fonte. Na primeira imagem temos as ondas de saída de tensão média com carga máxima de 33Ω conectada às saídas e com o trimpot totalmente aberto, ou seja, ajustadas para fornecerem tensão máxima de 20V na saída do sistema. Onde pode-se observar o ripple existente em ambas as saídas. Fornecendo uma tensão média de 17,8V no lado positivo e 19V no lado negativo. Na segunda imagem observamos a tensão de uma das saídas, com a mesma carga de 33Ω, juntamente com a tensão de ripple em cima do capacitor de 4700 μf, porém com trimpot totalmente fechado, tendo assim o sistema ajustado para fornecer 1,2V de tensão na saída da fonte. Onde observa-se a perfeita estabilização do sistema. Saídas ajustadas para 20V de tensão. Saída ajustada para 1,2V de tensão b - Após regulador de tensão LM7805 Na próxima imagem temos a forma de onda após o regulador de 5V, com carga máxima de 33 Ω conectada à saída. Onde podemos observar na parte superior da imagem o ripple em cima do capacitor de 4700μF e logo abaixo, a tensão de saída de 5V fornecida pela fonte. Saída fixa de 5V. 14

15 11 - Confecção do circuito impresso O Layout foi elaborado, com base na distribuição dos componentes sobre uma área de 10x10 cm (tamanho da placa adquirida). Depois de feita a transferência da imagem para a placa virgem por meio de processo térmico, foi feita a corrosão do cobre excedente em ácido percloreto de ferro, no qual a placa permaneceu submersa por um tempo médio de 25 minutos. Nas imagens a seguir vemos o layout original e o resultado final do processo, com a placa já devidamente furada para a posterior montagem dos componentes. Nas próximas imagens temos a placa já com os componentes soldados e o projeto concluído. Como pode-se observar nas imagens a cima, foi utilizado um dissipador de calor para os reguladores de tensão e conectores do tipo KRE tanto na entrada, para a alimentação do sistema, como nas saídas da fonte. 15

16 12 - Lista de materiais utilizados Transformador: 1 - Trafo com primário de acordo com a rede local e secundário de 18V. Resistores: 2-2KΩ Trimpot; 1-510Ω Resistor cerâmico de filme metálico; 2-120Ω 1% Resistor cerâmico de filme metálico. Semicondutores: 2 PR3002 Diodo retificador; 1 LM317 Circuito integrado (regulador de tensão); 1 LM337 Circuito integrado (regulador de tensão); 1 LM7805 Circuito integrado (regulador de tensão). Capacitores: μf x 35V Capacitor eletrolítico; 3 10 μf x 50V Capacitor eletrolítico; 1 22 μf x 50V Capacitor eletrolítico; 1 0,22 μf x 50V Capacitor eletrolítico. Diversos: 1 Placa de circuito impresso; 1 Led vermelho; 1 Dissipador de calor para os circuitos integrados; 2 Conectores duplos, passo 5mm; 1 Conector Triplo, passo 5mm; 1 Chave duas posições; 1 Interruptor; Cabo de força, fios, estanho para solda, etc Conclusão Através dos testes feitos em laboratório, pôde-se verificar o funcionamento do circuito elaborado neste projeto, sendo possível a variação de tensão conforme especificado no esquema inicial. Com a utilização do osciloscópio e voltímetro digital, pôde-se observar que a saída de 5V apresentou-se perfeitamente estabilizada mesmo com carga total, assim como as saídas simétricas quando ajustadas para baixa tensão (1,2V). Porém, os valores de tensão inicialmente calculados para o sistema de saída simétrica ajustados para 20V, quando conectados a uma carga de 33Ω ficaram abaixo do especificado, tendo assim a princípio, apresentado um resultado insatisfatório. 16

17 Observaram-se deformidades na tensão, tanto do lado positivo quanto do negativo das saídas simétrica, sendo que os reguladores de tensão (LMs) provocam uma queda de tensão por volta de 2 volts no sistema, o que já não se era esperado, agravando-se ainda mais pelo achatamento da tensão fornecida pelo transformador à entrada do sistema, devido a alta corrente drenada pela carga ligada à saída da fonte. Deduzindo-se assim que, para a obtenção da tensão inicialmente desejada, teríamos que substituir o transformador por um de maior tensão nominal. Porém, com uma carga maior (50Ω) conectada á saída da fonte, ela apresentou-se estável, ficando com valores satisfatórios de tensão na saída. E visto que, muito provavelmente, nunca conectaremos uma carga de impedância tão baixa na saída da fonte, gerando uma corrente tão elevada, ela atende satisfatoriamente os requisitos iniciais. Conclui-se assim que o projeto em questão apresentou-se satisfatório e, atenderá as necessidades futuramente exigidas a ele Referências bibliográficas 1 - A História da Eletrônica. Disponível em: eletronica/a eletronica.htm 2 - Maurício Caruzo Reis. Eletrônica Básica. Edição do autor. 3 - Circuitos Retificadores. Disponível em: Fontes Simétricas. Disponível em: LM317 - Terminal Adjustable Regulator. National Semiconductor. Disponível em: LM337 - Terminal Adjustable Negative Regulator. National Semiconductor. Disponível em: LM7805 Terminal Positive Voltage Regulator. Fairchild Semiconductor. Disponível em: PR3002 Diode. Diodes Incorporated. Disponível em: 17

Circuitos com Diodo. Prof. Jonathan Pereira

Circuitos com Diodo. Prof. Jonathan Pereira Circuitos com Diodo Prof. Jonathan Pereira Introdução Figura 1 Válvula hidráulica uidirecional 2 Sinal Senoidal Sinal elétrico alternado pode ser representado matematicamente

Leia mais

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua INTODUÇÃO À ENGENHI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI Professores velino Francisco Zorzo e Luís Fernando lves Pereira ula 6 Corrente lternada e Corrente Contínua

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA TEORIA Princípios básicos de transmissão a. Sinais de radiofreqüência (RF) Possuem freqüências acima de 100 KHz e são usados pelas emissoras para transportar

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA CIRCUITO PARA ACIONAMENTO DE LÂMPADA DE EMERGÊNCIA Equipe: Angela Crepaldi. Laís Pallaoro de Souza.

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto:

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto: Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, possui 8 pontos de entrada digital +24 Vdc isolada e monitorada, é indicado para aplicações onde a situação de linha rompida necessita ser detectada

Leia mais

1-Eletricidade básica

1-Eletricidade básica SENAI 1 1-Eletricidade básica 1.1 - Grandezas Elétricas: 1.1 - Carga Elétrica, Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistência Elétrica; 1.2 - Leis de Ohm: 1.2.1-1 a Lei de Ohm 1.2.2 múltiplos e submúltiplos

Leia mais

Acionamento de Motores: PWM e Ponte H

Acionamento de Motores: PWM e Ponte H Warthog Robotics USP São Carlos www.warthog.sc.usp.br warthog@sc.usp.br Acionamento de Motores: PWM e Ponte H Por Gustavo C. Oliveira, Membro da Divisão de Controle (2014) 1 Introdução Motores são máquinas

Leia mais

Veja na figura abaixo o retificador de meia onda sem filtro e o respectivo sinal de saída.

Veja na figura abaixo o retificador de meia onda sem filtro e o respectivo sinal de saída. Retificadores com filtro capacitivo Introdução As saídas dos retificadores são sinais contínuos, porém pulsados. Esse tipo de saída não interessa à maioria dos circuitos eletrônicos que necessitam de tensão

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br Link:

Leia mais

Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos de Energia Nikolas Libert Aula 13 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO 10 / 15 / 20 / 25 / 30 / 40 / 50 / 60 / 80 / 120 / 150 / 160 / 180/ 250kVA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31)

Leia mais

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável Eletrônica Geral 1 Introdução Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável O projeto de uma fonte de tensão tem como principal objetivo o exercício de montagem prática, colocando o aluno face aos conceitos

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS ELETRICIDADE ENSINO MÉDIO Aluno: Série: 3 a Professor: EDUARDO Disciplina: FÍSICA Data: ELETROSTÁTICA 1) (Unicamp-SP) Duas cargas elétricas Q 1 e Q 2 atraem-se quando colocadas próximas

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA Concurso Público - NÍVEL MÉDIO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Física Experimental III Unidade 4: Circuitos simples em corrente alternada: Generalidades e circuitos resistivos http://www.if.ufrj.br/~fisexp3 agosto/26 Na Unidade anterior estudamos o comportamento de

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555 ELE-59 Circuitos de Chaveamento Prof.: Alexis Fabrício Tinoco S. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA APLICADA TIMER 555 1. OBJETIVOS: Os objetivos

Leia mais

Aula 15 Amplificadores Operacionais (pág. 453 a 459)

Aula 15 Amplificadores Operacionais (pág. 453 a 459) Aula 15 Amplificadores Operacionais (pág. 453 a 459) Prof. Dr. Aparecido Nicolett PUC-SP Slide 1 Considerações gerais: Amplificadores Operacionais são amplificadores diferencias com ganho muito alto, impedância

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico Figura 35 Relé eletromecânico Figura 36 Aplicação para o relé eletromecânico INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE OS INDUTORES Três conclusões muito importantes podem ser tiradas em relação ao comportamento do

Leia mais

SUPERTEC2007 SINCRONISMO DETETOR DE MODOS MICRO

SUPERTEC2007 SINCRONISMO DETETOR DE MODOS MICRO XXVIII. SINCRONISMO DETETOR DE MODOS MICRO Os monitores analógicos usam um CI chamado Detetor de modos e configurador (às vezes é mais de um CI). Este CI recebe os sinais de sincronismo H e V vindos do

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com. LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.br CENTRAL ELETRÔNICA MONOFÁSICA DE CONTROLE DE PORTÃO rev8 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200 julho 2009 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do medidor ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Circuitos de Comunicação. Prática 1: PWM

Circuitos de Comunicação. Prática 1: PWM Circuitos de Comunicação Prática 1: PWM Professor: Hélio Magalhães Grupo: Geraldo Gomes, Paulo José Nunes Recife, 04 de Maio de 2014 SUMÁRIO Resumo 3 Parte I PWM - Teoria 3 Geração do PWM 5 Parte II Prática

Leia mais

Circuitos eléctricos Profª Helena Lança Ciências Físico-Química 9ºano

Circuitos eléctricos Profª Helena Lança Ciências Físico-Química 9ºano Profª Helena Lança Ciências Físico-Química 9ºano Um circuito eléctrico é um caminho por onde passa a corrente eléctrica. É constituído obrigatoriamente por um gerador e um receptor, podendo-se também intercalar

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica - CEL037

Universidade Federal de Juiz de Fora - Laboratório de Eletrônica - CEL037 Página 1 de 5 1 Título 2 Objetivos Prática 10 Aplicações não lineares do amplificador operacional. Estudo e execução de dois circuitos não lineares que empregam o amplificador operacional: comparador sem

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 03)

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 03) ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 03) 1.0 O CAPACÍMETRO É o instrumento usado para medir o valor dos capacitores comuns e eletrolíticos. Há dois tipos de capacímetro: o analógico (de ponteiro) e o digital

Leia mais

Capítulo 5. Sensores Digitais

Capítulo 5. Sensores Digitais Sensores Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 5 Sensores Digitais Capítulo 5 Codificador Incremental de Posição Capítulo 5 Codificador Incremental

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

Leitor MaxProx-PC. O leitor de cartões de proximidade MaxProx-PC é destinado aos Integradores de Controle de Acesso.

Leitor MaxProx-PC. O leitor de cartões de proximidade MaxProx-PC é destinado aos Integradores de Controle de Acesso. Leitor MaxProx-PC O leitor de cartões de proximidade MaxProx-PC é destinado aos Integradores de Controle de Acesso. Ele foi especialmente projetado para controle de acesso, para ser usado no modo de operação

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion DIA: MÊS: 02 RESISTORES 01. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( )

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion DIA: MÊS: 02 RESISTORES 01. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( ) LISTA: 05 2ª série Ensino Médio Professor(a): Jean Jaspion Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: QUESTÃO 01 (FM Petrópolis RJ/2015) Três resistores estão associados em paralelo entre os terminais

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Experiência nº 9 Retificador Trifásico de Três pulsos a Tiristor OBJETIVO: Verificar o comportamento

Leia mais

1) Modulação PWM. 1.1) Sinal de Referência

1) Modulação PWM. 1.1) Sinal de Referência 1) Modulação PWM Na maioria das aplicações industriais necessita-se ter variação de velocidade no motor a ser acionado. Isso é possível controlando-se a tensão na saída, no caso de motores CC ou controlando-se

Leia mais

Uso de escalas logaritmicas e linearização

Uso de escalas logaritmicas e linearização Uso de escalas logaritmicas e linearização Notas: Rodrigo Ramos 1 o. sem. 2015 Versão 1.0 Obs: Esse é um texto de matemática, você deve acompanhá-lo com atenção, com lápis e papel, e ir fazendo as coisas

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

Eletrônica Básica II. Amplificadores Diferenciais e Multiestágio

Eletrônica Básica II. Amplificadores Diferenciais e Multiestágio Eletrônica Básica II Amplificadores Diferenciais e Multiestágio Amplificadores Diferenciais O amplificador diferencial é a configuração mais utilizada em circuitos integrados analógicos Como exemplo, o

Leia mais

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação.

AutoFilt Type RF3 Exemplos de aplicação. Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos Filtro de retrolavagem automático AutoFilt RF3 para a tecnologia de processos. Para a operação de filtração contínua sem manutenção

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

Aula 02 Circuitos retificadores com e sem filtro capacitivo; Regulador Zener;

Aula 02 Circuitos retificadores com e sem filtro capacitivo; Regulador Zener; ELT 054 (LAB) Turmas D/D D3/D4 º. Sem 0 Aula 0 Circuitos retificadores com e sem filo capacitivo; egulador Zener; Objetivo. Simulação de tensões e correntes em circuitos retificadores Inodução O diodo

Leia mais

No contexto das ações de Pesquisa e Desenvolvimento

No contexto das ações de Pesquisa e Desenvolvimento Um método para avaliar o desempenho ótico de LEDs O LABelectron desenvolveu um método de testes para analisar influências ópticas em diferentes modos de acionamentos de LEDs André Andreta No contexto das

Leia mais

MÓDULO 2 Topologias de Redes

MÓDULO 2 Topologias de Redes MÓDULO 2 Topologias de Redes As redes de computadores de modo geral estão presentes em nosso dia adia, estamos tão acostumados a utilizá las que não nos damos conta da sofisticação e complexidade da estrutura,

Leia mais

Resolução Comentada Unesp - 2013-1

Resolução Comentada Unesp - 2013-1 Resolução Comentada Unesp - 2013-1 01 - Em um dia de calmaria, um garoto sobre uma ponte deixa cair, verticalmente e a partir do repouso, uma bola no instante t0 = 0 s. A bola atinge, no instante t4, um

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR I Semiconductor I Semicondutor I M-1104A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Eletrônica e Sistemas Prática 1: Modulação em Largura de Pulso (PWM) Circuitos de Comunicação Professor: Hélio Magalhães Alberto Rodrigues Vitor Parente

Leia mais

FIGURAS DE LISSAJOUS

FIGURAS DE LISSAJOUS FIGURAS DE LISSAJOUS OBJETIVOS: a) medir a diferença de fase entre dois sinais alternados e senoidais b) observar experimentalmente, as figuras de Lissajous c) comparar a frequência entre dois sinais alternados

Leia mais

Fonte de alta tensão CA/CC simultânea. Manual de operação

Fonte de alta tensão CA/CC simultânea. Manual de operação Fonte de alta tensão CA/CC simultânea Manual de operação Atenção! Risco de Vida! Este equipamento gera tensões e correntes que podem ser letais! Leia este manual até o fim, e somente tente utilizar o equipamento

Leia mais

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a:

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: I. Definir os critérios da Área de Trabalho para o Sistema de Cabeamento Siemon, tanto para interfaces

Leia mais

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 Directrizes Técnicas de Segurança de Instalações de Carregamento de Veículos Eléctricos 第 一 條 Artigo 1.º 標 的 Objecto 本 指 引 為 訂 定 安 裝 電 動 車 輛 充 電 設 施 應 遵 守 的 安 全 技 術 條 件 As presentes

Leia mais

3º Ensino Médio Trabalho de Física Data /08/09 Professor Marcelo

3º Ensino Médio Trabalho de Física Data /08/09 Professor Marcelo Nome 3º Ensino Médio Trabalho de Física Data /08/09 Professor Marcelo Em física, corrente elétrica é o movimento ordenado de partículas portadoras de cargas elétricas. Microscopicamente as cargas livres

Leia mais

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Sistemas Elétricos de Potência 3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL SENSORES MAGNETO-RESTRITIVOS UM CRUZAMENTO DE DOIS TIPOS DE SENSORES CONHECIDOS.

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL SENSORES MAGNETO-RESTRITIVOS UM CRUZAMENTO DE DOIS TIPOS DE SENSORES CONHECIDOS. MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL SENSORES MAGNETO-RESTRITIVOS UM CRUZAMENTO DE DOIS TIPOS DE SENSORES CONHECIDOS. Figura 1: Aqui uma vista dos sensores do eixo comando de válvulas de um NISSAN Máxima 2012.

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

Simplicidade aliada à competência

Simplicidade aliada à competência Simplicidade aliada à competência Operação simples, fácil instalação e baixo custo SINAMICS G110 Answers for industry. 1 SINAMICS G110 Simples instalação e fácil comissionamento Compacto por fora... Fácil

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO À BASE

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO À BASE CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO À BASE (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 10 Planejamento na utilização da energia elétrica no meio rural:

Leia mais

Esquema da fonte Philips 42PF7320 - Pouquinho de como funciona! PARA TODOS!!! June 18 2010 at 7:55 PM

Esquema da fonte Philips 42PF7320 - Pouquinho de como funciona! PARA TODOS!!! June 18 2010 at 7:55 PM De edson tadeu santos reis tadeu (edsontadeu57@hotmail.com) Enviada: domingo, 20 de junho de 2010 3:42:31 Para: From: marciopbr@hotmail.com Subject: Date: Sat, 19 Jun 2010 18:28:36-0400 Esquema da fonte

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 DIODOS SEMICONDUTORES E CURVAS CARACTERÍSTICAS

EXPERIÊNCIA 9 DIODOS SEMICONDUTORES E CURVAS CARACTERÍSTICAS EXPERIÊNCIA 9 DIODOS SEMICONDUTORES E CURVAS CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO Existem diversos tipos de diodos, muitos deles projetados e construídos com finalidades específicas. Os diodos semicondutores

Leia mais

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s:

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s: GABINETE - 1 - O gabinete é considerado a estrutura do PC porque é nele que todos os componentes internos serão instalados e fixados. Portanto, a escolha de um gabinete adequado aos componentes que serão

Leia mais

TRABALHO SOBRE DIODOS. AUTORES Al 2046 Fernandes Al 2430 Lourenço. Prof. Cap Carrilho

TRABALHO SOBRE DIODOS. AUTORES Al 2046 Fernandes Al 2430 Lourenço. Prof. Cap Carrilho MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA (REAL ACADEMIA DA ARTILHARIA, FORTIFICAÇÃO E DESENHO 1792) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SISTEMAS TRABALHO SOBRE

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA EXERCÍCIOS NOTAS DE AULA II Goiânia - 2014 01) Na figura abaixo, qual é a corrente na carga com um diodo ideal? R: 15 ma Figura

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica Eletrônica Analógica Experiência 01 - Bancada de Teste e uso dos equipamento de geração e medição de sinais ( Osciloscópio, multímetro, Gerador de Funções e Fonte de Alimentação. 1 - Objetivo Nesta experiência,

Leia mais

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação :

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação : UNIERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 8 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Em 22 de outubro de 2014. REISÃO:

Leia mais

Eletrônica Analógica Profº Akita. Experiência 04 - Retificadores Monofásicos com filtros Capacitivos.

Eletrônica Analógica Profº Akita. Experiência 04 - Retificadores Monofásicos com filtros Capacitivos. Eletrônica Analógica Profº Akita Experiência 04 - Retificadores Monofásicos com filtros Capacitivos. 1.Objetivo: Nesta experiência iremos determinar as formas de onda para retificadores de meia onda,onda

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Técnicas de Modulação

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Técnicas de Modulação Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Técnicas de Modulação Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br Aula

Leia mais

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma Aula 03 Processadores Prof. Ricardo Palma Definição O processador é a parte mais fundamental para o funcionamento de um computador. Processadores são circuitos digitais que realizam operações como: cópia

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Departamento de Química e Física- CCA/UFES Objetivo:

Leia mais

CRONÔMETRO DIGITAL PROJETO

CRONÔMETRO DIGITAL PROJETO CRONÔMETRO DIGITAL PROJETO OBJETIVOS: a) Verificação do funcionamento dos contadores; b) Aplicabilidade de circuitos contadores; c) Verificação do funcionamento de um cronômetro digital. INTRODUÇÃO TEÓRICA

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Circuito de Controle do Virador de Locomotivas

Circuito de Controle do Virador de Locomotivas Circuito de Controle do Virador de Locomotivas O objetivo deste Tutorial é o de fornecer uma explicação em linhas gerais e básicas do funcionamento desse circuito. Caso alguém queira mais detalhes técnicos

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Conceitos envolvidos: a) Memória de Dados (interna e externa) b) Memória de Programa (interna e externa) c) Operações aritméticas e lógicas d) Portas e) Endereçamento a Bit f) Contadores e Temporizadores

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA SISTEMAS ANALÓGICOS Prática: 4 Assunto: Amplificador Operacional - Parte IV Objetivos: Montar e testar as configurações de comparadores. Material

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Como podemos relacionar o calor, a agitação térmica e o equilíbrio térmico? Questão 2 O

Leia mais

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II

Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II Curso Técnico em Eletroeletrônica Eletrônica Analógica II Aula 15 Osciladores Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 OSCILADORES Oscilador eletrônico: circuito eletrônico que produz um sinal eletrônico

Leia mais

Eletrônica Digital II. Exemplo de um CI com encapsulamento DIP. Diagrama do CI 74XX76.

Eletrônica Digital II. Exemplo de um CI com encapsulamento DIP. Diagrama do CI 74XX76. Eletrônica Digital II Exemplo de um CI com encapsulamento DIP. Diagrama do CI 74XX76. Esquema interno do protoboard e colocação do CI com ligações. Aula Prática Ensaio Um Flip-Flop JK a) Objetivo: Testar

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DA OUVIDORIA DA AGERSA

RECOMENDAÇÕES DA OUVIDORIA DA AGERSA RECOMENDAÇÕES DA OUVIDORIA DA AGERSA MENSAGEM AO CONSUMIDOR ADMINISTRE A SUA CONTA DE ÁGUA PORQUE ADMINISTRAR Na maioria das vezes o morador de um imóvel ou o síndico de um condomínio somente se apercebe

Leia mais

Medidor TKE-01. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida

Medidor TKE-01. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida [1] Introdução O TKE-01 é um instrumento para instalação em fundo de painel, que permite a medição do consumo de energia ativa (Wh) ou reativa (Varh) em sistema de corrente alternada (CA). A leitura do

Leia mais

Fundamentos De Hardware

Fundamentos De Hardware Fundamentos De Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 O QUE É ELETRICIDADE?... 3 A TOMADA PARA COMPUTADOR... 3 ATERRAMENTO... 4 ESPECIFICAÇÕES DE UM ATERRAMENTO... 4 ELETRICIDADE

Leia mais

Manual das Biseladoras Externas ISD/ ISF/ SKD/ HYD

Manual das Biseladoras Externas ISD/ ISF/ SKD/ HYD Manual das Biseladoras Externas ISD/ ISF/ SKD/ HYD Antes de iniciar qualquer manutenção ou operação mantenha o equipamento desligado das fontes de energia, retire os bits da máquina, em seguida meça o

Leia mais

Coletor de Dados Ponto Digital Mundi 1060 Manual de Instruções

Coletor de Dados Ponto Digital Mundi 1060 Manual de Instruções Coletor de Dados Ponto Digital Mundi 1060 Manual de Instruções www.pontodigitalnetwork.com.br Sumário 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MUNDI 1060...3 2 - APLICAÇÕES...5 2.1 RECOMENDAÇÕES DE INSTALAÇÃO...6 2.1.1

Leia mais

VNT. Manual de Instruções. VISOR DE NÍVEL Tipo Transparente TECNOFLUID

VNT. Manual de Instruções. VISOR DE NÍVEL Tipo Transparente TECNOFLUID Português VNT VISOR DE NÍVEL Tipo Transparente Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo e número de

Leia mais

O circuito RLC. 1. Introdução

O circuito RLC. 1. Introdução O circuito C Na natureza são inúmeros os fenómenos que envolvem oscilações. Um exemplo comum é o pêndulo de um relógio, que se move periódicamente (ou seja, de repetindo o seu movimento ao fim de um intervalo

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Um pára-raios a resistor não-linear foi instalado em uma rede elétrica de distribuição para fins de proteção contra sobretensão provocada por descargas atmosféricas ou por chaveamento da rede. Em relação

Leia mais