Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor"

Transcrição

1 Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 21 de março de 2011 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

2 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição orçamentária com renda endógena 3 Maximização de utilidade 4 Exemplos 5 Compra e venda Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

3 Rest. Orç. 1 Restrição orçamentária 2 Restrição orçamentária com renda endógena 3 Maximização de utilidade 4 Exemplos 5 Compra e venda Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

4 Rest. Orç. A restrição orçamentária Imagine um consumidor que deva escolher quanto consumirde cada bem sujeito à restrição de que ele não podegastar mais do que sua renda montária m. Sejam p 1,p 2,...,p n os preços de cada um dos n bens existentes. A cesta de bens a ser escolhida pelo consumidorx=(x 1,x 2,...,x n ) deve satisfazer então à restrição: n p i x i m. i=1 O conjunto de cestas de bens que satisfazem a restrição acima é chamado conjunto de restrição orçamentária. O conjuntode cestas de bens para as quais n i=1 p ix i =m é chamado linha de restrição orçamentária. Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

5 Rest. Orç. Representação gráfica: 2 bens x 2 m p 2 Linha de restrição orçamentária: (p 1 x 1 +p 2 x 2 =m) Conjunto de restrição orçamentária m p 1 tan= p 1 p 2 x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

6 Rest. Orç. Efeito de um aumento na renda x 2 m 1 p 2 m 0 p 2 m 0 p 1 m 1 p 1 x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

7 Rest. Orç. Efeito de uma redução no preço do bem 2 x 2 m p 1 2 m p 0 2 m p 1 x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

8 Rest. Orç. Exercício de fixação Esboce um gráfico mostrando o que ocorre com a linha de restrição orçamentária caso a A renda do consumidor diminua. b O preço do bem 2 aumente. c O preço do bem 1 diminua. d O preço do bem 1 aumente. Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

9 Exemplo Rest. Orç. Um consumidorcom renda igual a $100 que deve escolher as quantidadesa consumir de dois bens. O bem 2 tem preço constantee igual a $1 por unidade. Para o consumodo bem 1, o consumidorpaga um preço igual $1 para todasas unidades consumidas até um limite de 50 unidades. Caso queira consumir acima desse limite, ele deve pagar um preço igual a $1 por unidadepara as 50 primeiras unidades consumidaseum preço igual a $2 por unidadepara as unidades que excederem o limite de 50 unidades. Esboce a linha de restrição orçamentária desse consumidor. Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

10 Rest. Orç. Exemplo continuação Restrição orçamentária para x 1 50: x 1 +x Restrição orçamentária para x 1 >50: 50+2(x 1 50)+x Ou ainda, 2x 1 +x Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

11 Rest. Orç. Exemplo continuação x x 1 +x 2 = x 1 +x 2 = x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

12 Renda endógena 1 Restrição orçamentária 2 Restrição orçamentária com renda endógena 3 Maximização de utilidade 4 Exemplos 5 Compra e venda Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

13 Renda endógena Renda endógena No mundo real, a renda monetária de um consumidor típico é afetada pelos preços vigentes. Exemplos: salário afeta a renda do trabalhador, preços do bens agrícolas afetam a renda do agricultor... Uma forma de modelaresse fato,ésupor que o consumidor, ao invés de uma renda monetária dada, possui uma dotação inicial de bens. Esse consumidor pode vender, aos preços de mercado, alguns desses bens para comprar outros. Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

14 Renda endógena Notação ω 1 e ω 2 : dotaçõesiniciais dos bens 1 e 2, respectivamente. p 1 e p 2 : preços aos quais o consumidorpodecomprar pode comprar ou vender esses bens. x 1 e x 2 : quantidadesconsumidasdos bens 1 e 2. A restrição orçamentária tem a forma p 1 (x 1 ω 1 )+p 2 (x 2 ω 2 ) 0 ou ainda p 1 x 1 +p 2 x 2 p 1 ω 1 +p 2 ω 2 m(p 1,p 2 ) =p 1 ω 1 +p 2 ω 2 é a renda endógenado consumidor. Note que a dotaçãoinicial (ω 1,ω 2 ) pertence à linha de restrição orçamentária. Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

15 Renda endógena Representação gráfica x 2 ω 2 DotaçãoLinha de inicial restrição orçamentária p 1 p 2 ω 1 x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

16 Renda endógena Efeito de variações nos preços Redução em p 1 p 2 x 2 Aumento em p 1 p 2 x 2 ω 2 ω 2 ω 1 x 1 ω 1 x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

17 Maximização de utilidade 1 Restrição orçamentária 2 Restrição orçamentária com renda endógena 3 Maximização de utilidade 4 Exemplos 5 Compra e venda Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

18 Maximização de utilidade O problema da maximização de utilidade Suporemos que o consumidor sempre escolherá, entre todas as cestas que sua restrição orçamentária permite que ele escolha, a cesta de bens mais preferida ou com maior utilidade. A escolha do consumidor é, portanto a solução para o problema de escolher uma cesta de bens (x 1,x 2 ) que maximize a função de utilidade U(x 1,x 2 ) respeitando a restrição orçamentária e as condições de consumo não negativo p 1 x 1 +p 2 x 2 m, x 1 0, x 2 0 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

19 Maximização de utilidade Solução gráfica: solução interior. x 2 x 2 (p 1,p 2,m) Equilíbrio x 1 (p 1,p 2,m) x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

20 Maximização de utilidade Propriedades da solução interior Solução sobre a linha de restrição orçamentária (no caso de preferências monotônicas): p 1 x 1 (p 1,p 2,m)+p 2 x 2 (p 1,p 2,m)=m Tangência entre a curva de indiferença e a linha de restrição orçamentária: TMS = p 1 p 2 ou UMg 1 p 1 = UMg 2 p 2 =λ λ é utilidade marginal da renda. Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

21 Maximização de utilidade Solução pelo método de Lagrange O lagrangeano L =U(x 1,x 2 ) λ(p 1 x 1 +p 2 x 2 m) Condições de máximo de 1ª ordem L x 1 =0 UMg 1 λp 1 =0 L x 2 =0 UMg 2 λp 2 =0 L λ =0 p 1x 1 +p 2 x 2 m=0 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

22 Solução de canto Maximização de utilidade x 2 E x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

23 Maximização de utilidade Incorporando a possibilidade de solução de canto O lagrangeano L =U(x 1,x 2 ) λ(p 1 x 1 +p 2 x 2 m)+μ 1 x 1 +μ 2 x 2 Condições de 1ª ordem No ponto ótimo,existem λ,μ 1,μ 2 ge0 tais que L =0 UMg i λp i +μ i =0 x i λ i (p 1 x 1 +p 2 x 2 m)=0 μ i x i =0 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

24 Maximização de utilidade Preferências côncavas x 2 Não é máximo E x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

25 Maximização de utilidade Condição de máximo de 2ª ordem Condição necessária 0 p 1 p 2 p 2 U 2 U 1 x 2 1 p 2 2 U x 2 x 1 x 1 x 2 2 U x Condição suficiente 0 p 1 p 2 p 2 U 2 U 1 x 2 1 p 2 2 U x 2 x 1 x 1 x 2 2 U x 2 2 >0 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

26 Maximização de utilidade A função de demanda marshalliana Definição As funções de demandamarshalliana x 1 (p 1,p 2,m) e x 2 (p 1,p 2,m) são funções que fornecem os valores que resolvem o problema de maximizar a função de utilidade U(x 1,x 2 ) respeitando as condições. p 1 x 1 +p 2 x 2 m x 1 0 x 2 0. Nota: Por vezes é convenienteusar a notação x(p 1,p 2,m) para representar o vetor das funções de demanda, isto é x(p 1,p 2,m) =(x 1 (p 1,p 2,m),x 2 (p 1,p 2,m)) Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

27 Exemplos 1 Restrição orçamentária 2 Restrição orçamentária com renda endógena 3 Maximização de utilidade 4 Exemplos 5 Compra e venda Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

28 Exemplos Preferências Cobb-Douglas Função de Utilidade U(x 1,x 2 )=x a 1 xb 2 Condições de equilíbrio x 2 TMS = a = p 1 bx 1 p 2 p 1 x 1 +p 2 x 2 m Funções de demanda x 1 (p 1,p 2,m)= a m x 2 (p 1,p 2,m) = b m a+bp 1 a+b p 2 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

29 Substitutos perfeitos Exemplos O problema do consumidor Solução maximizar U(x 1,x 2 ) =ax 1 +x 2 p1 x 1 +p 2 x 2 =m dadas as restrições x 1,x 2 0 Da primeira restrição, vem x 2 = (m x 1)/p 2. Substituindona função objetivo, o problema passa a ser maximizar a p 1 x 1 + m p 2 p 2 Dadas as restrições x 1,x 2 0 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

30 Substitutos perfeitos continuação Exemplos As funções de demanda Caso a= p 1/p 2 teremos x 1 (p 1,p 2,m)= x 2 (p 1,p 2,m)= (x 1 (p 1,p 2,m),x 1 (p 1,p 2,m))= m p 1 caso a> p 1 p 2 0 caso a< p 1 p 2 p 0 caso a> 1 p 2 m p 2 caso a< p 1 p 2 {(x 1,x 2 ) R 2 + p 1x 1 +p 2 x 2 =m} Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

31 Exemplos Complementos perfeitos O problema do consumidor maximizar U(x 1,x 2 )=min(ax 1,x 2 ) p1 x 1 +p 2 x 2 =m dadas as restrições x 1,x 2 0 Solução y x 2 =ax 1 x Substituindox 2 =ax 1 na restrição orçamentária, m x 1 (p 1,p 2,m)= p 1 +ap 2 am x 2 (p 1,p 2,m)= p 1 +ap 2 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

32 Exemplos Exercício de fixação Determine a funções de demanda para cada uma das seguintes funções de utilidade a U(x 1,x 2 ) =[ax ρ 1 +(1 a)xρ 2 ]1 ρ. b U(x 1,x 2 ) =x 1 +lnx 2. c U(x 1,x 2 ) =min{x 1 + x 2 2, x 1 2 +x 2} d U(x 1,x 2 ) = x 1 +lnx 2 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

33 Compra e venda 1 Restrição orçamentária 2 Restrição orçamentária com renda endógena 3 Maximização de utilidade 4 Exemplos 5 Compra e venda Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

34 Compra e venda Definições x i (p 1,p 2,p 1 ω 1 +p 2 ω 2 ) é a chamada demandabruta pelo bem i (i=1,2). e i (p 1,p 2,ω 1,ω 2 ) =x i (p 1,p 2,p 1 ω 1 +p 2 ω 2 ) ω 1 é a chamadademandalíquida pelo bem i (i =1,2). Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

35 Compra e venda Representação gráfica x 2 x 2 ( ) ω 2 e 2 e 1 x 1 ( ) ω 1 p 1 p 2 x 1 Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

36 Exercício Compra e venda Um consumidor possui uma dotação inicial de 5 unidades do bem 1 e 3 unidadesdo bem 2 suas preferências são representadaspela função de utilidadeu(x 1,x 2 )=lnx 1 +lnx 2 na qual x 1 e x 2 são as quantidadesconsumidasdos bens 1 e 2, respectivamente. Supondo que esses dois bens podem ser negociadosaos preços p 1 e p 2, determinesuas funçõesde demanda e de demanda líquida desse consumidor por esses bens. Roberto Guena de Oliveira ( ) Preferências 21 de março de / 36

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor

Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Teoria do Consumidor: Equilíbrio do Consumidor Roberto Guena de Oliveira 16 de março de 2012 Roberto Guena de Oliveira () Equilíbrio 16 de março de 2012 1 / 36 Sumário 1 Restrição orçamentária 2 Restrição

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia 1 Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista 1 - Soluções Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Microeconomia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista - Soluções ) Suponha que existam apenas dois bens e o governo resolve controlar os preços desses bens

Leia mais

Teoria do Consumidor:

Teoria do Consumidor: Teoria do Consumidor: Excedente do consumidor e equação de Slutsky 28 de março de 2010 Sumário A função de utilidade indireta Função dispêndio e demanda compensada Medidas de variação de bem estar individual

Leia mais

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor

Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Capitulo 6: A Teoria do Consumidor Aplicações Guia para elaboração e interpretação de pesquisas de mercado; Fornecer métodos para comparar a eficácia de diferentes politicas de incentivo ao consumidor;

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/03 ) Avalie, com análise gráfica, a variação do Excedente do Consumidor e/ou Excedente do Produtor para as seguintes situações:

Leia mais

Demanda do Consumidor (Microeconomia)

Demanda do Consumidor (Microeconomia) Escolha ótima do consumidor: a demanda. Olá estimado(a) aluno(a), tudo bem? O objetivo deste artigo é apresentar algumas questões relacionadas à demanda. Ou seja, compreender de forma esquematizada qual

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO 2013 MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO Sumário PARTE I... 2 [RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA]... 2 [UTILIDADE E DEMANDA]... 2 [UTILIDADE E ESCOLHA]... 3 [PREFERÊNCIAS]... 3 [ÍNDICES DE PREÇO]... 3

Leia mais

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4.

Microeconomia. Bibliografia. Arilton Teixeira Mankiw, cap. 21. Pindyck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. Microeconomia Arilton Teieira arilton@fucape.br 2012 1 Bibliografia Mankiw, cap. 21. Pindck & Rubinfeld, caps. 3 e 4. 2 Mercados: Consumidores e Produtores P S(P, tech., insumos) P* D(P, renda, outros)

Leia mais

Modelo da Procura e da Oferta

Modelo da Procura e da Oferta Modelo da rocura e da Oferta IT, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Mercado: local de encontro da oferta (os que tentam vender) e da procura (os que desejam comprar), onde se determinam

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia REC110 MICROECONOMIA II EXERCÍCIOS SOBRE MONOPÓLIO, MONOPSÔNIO E DISCRIMINAÇÃO DE PREÇOS. ROBERTO GUENA DE OLIVEIRA 1. Uma empresa vende seu produto em dois mercados distintos. A demanda por esse produto

Leia mais

Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7.

Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7. Aula 13 Teoria do Consumidor 12/04/2010 Bibliografia VASCONCELLOS (2006) Capítulo 5 e MANKIW (2007) Capítulo 7. Utilidades da teoria do consumidor: a) Servir de guia para elaboração e interpretação de

Leia mais

SÉRIE CADERNOS ECONÔMICOS

SÉRIE CADERNOS ECONÔMICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS SÉRIE CADERNOS ECONÔMICOS O TEOREMA DO ENVELOPE E SUA APLICAÇÃO NA MICROECONOMIA Texto didático n.3 Autores: Rodrigo

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG PAER 0/ 6 de Janeiro de 0 Duração Total do Teste: h00m IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO NOME COMPLETO:......... Nº DE PROCESSO:. CURSO TURMA:. PARTE A (Duração:

Leia mais

Teoria do Consumidor: Preferências e Utilidade

Teoria do Consumidor: Preferências e Utilidade Teoria do Consumidor: Preferências e Utilidade Roberto Guena de Oliveira 17 de março de 2014 Roberto Guena de Oliveira Preferências 17 de março de 2014 1 / 55 Sumário 1 Cestas de bens e o conjunto de consumo

Leia mais

REC 2110 Microeconomia II exercícios sobre monopólio

REC 2110 Microeconomia II exercícios sobre monopólio REC 21 Microeconomia II exercícios sobre monopólio Prof. Dr. Roberto Guena de Oliveira 24 de novembro de 2011 1. A função de custo de uma empresa monopolista é dada por C T(q)=0,5q 2, sendo C T o custo

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Procura individual de um bem. Descreve as quantidades alternativas,

Leia mais

Aula 1 Funções de Várias Variáveis

Aula 1 Funções de Várias Variáveis Aula 1 Funções de Várias Variáveis MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008

A Teoria Neoclássica da Firma. Aula de setembro de 2008 A Teoria Neoclássica da Firma Alfred Marshall Aula 7 29-30 de setembro de 2008 Questões principais abordadas pela Teoria Neoclássica Como se relacionam produtores e consumidores no mercado? Qual o resultado

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA I PROF: Prof. Dr.Giácomo Balbinotto Neto Estágio Docência: Mestranda do PPGE/Economia

Leia mais

Microeconomia. Maximização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Maximização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Maimização da Utilidade Função Utilidade Cobb-Douglas Prof.: Antonio Carlos Assumpção Escolha por Parte do Consumidor O consumidor escolhe uma combinação de bens (cesta de consumo) que irá

Leia mais

preço das matérias primas e dos fatores de

preço das matérias primas e dos fatores de Oferta Individual versus Oferta de Mercado A oferta de determinado bem depende de vários fatores: preço do próprio bem preço das matérias primas e dos fatores de produção tecnologia utilizada Oferta Individual

Leia mais

Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia

Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia Prova de Seleção ao Doutorado Macroeconomia Programa de Pós-Graduação em Economia, FEA/USP Área Teoria Econômica 1. (40 pontos) Considere o modelo de Ramsey-Cass-Koopmans em tempo contínuo, o qual inclui

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Política Cambial Modelo IS LM BP. Prof. Waldery Rodrigues Jr.

Política Cambial Modelo IS LM BP. Prof. Waldery Rodrigues Jr. Política Cambial Modelo IS LM BP Modelo Mundell Fleming (Dornbush) Prof. Waldery Rodrigues Jr. Teoria: Macro IS LM BP Prof. Waldery Rodrigues Jr. 2 Macro IS LM BP Prof. Waldery Rodrigues Jr. 3 Macro IS

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ECONOMIA I PROGRAMA ANALÍTICO

INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ECONOMIA I PROGRAMA ANALÍTICO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ECONOMIA I Curso: Tronco Comum 1º Ano Curricular 1º Semestre (Fevereiro Junho) Ano Lectivo de 2011 PROGRAMA ANALÍTICO I. Introdução Com a disciplina de Economia

Leia mais

Equilíbrio Geral. Roberto Guena de Oliveira. 30 de julho de 2014 USP. Roberto Guena (USP) Equilíbrio Geral 30 de julho de 2014 1 / 112

Equilíbrio Geral. Roberto Guena de Oliveira. 30 de julho de 2014 USP. Roberto Guena (USP) Equilíbrio Geral 30 de julho de 2014 1 / 112 Equilíbrio Geral Roberto Guena de Oliveira USP 30 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Equilíbrio Geral 30 de julho de 2014 1 / 112 Parte I Modelo de Troca Roberto Guena (USP) Equilíbrio Geral 30 de julho

Leia mais

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva

Demanda. Universidade Federal de Santa Catarina. From the SelectedWorks of Sergio Da Silva. Sergio Da Silva Universidade Federal de Santa Catarina From the SelectedWorks of Sergio Da Silva 00 Demanda Sergio Da Silva Available at: htt://works.beress.com/sergiodasilva/35/ Demanda Hal R. Varian Intermediate Microeconomics,

Leia mais

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE I EQUAÇÕES DE UMA VARIÁVEL REAL. Introdução Considere f uma função, não constante, de uma variável real ou complexa, a equação f(x) = 0 será denominada equação de uma incógnita. EXEMPLO e x + senx

Leia mais

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A.

Parte 1: Oferta, demanda e equilíbrio de mercado. Parte 2: Elasticidades. O conceito de utilidade marginal. Microeconomia - Prof. Marco A. A lei da oferta e Parte 1: Oferta, e equilíbrio de mercado Parte 2: Elasticidades Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br BLOG: www.marcoarbex.wordpress.com Dois reais......e noventa centavos

Leia mais

A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral. Cataclismo ou transição suave?

A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral. Cataclismo ou transição suave? Capítulo 6 A teoria dos recursos esgotáveis e dos recursos renováveis: Visão Geral Cataclismo ou transição suave? Na visão pessimista do futuro de Beyond the Limits a procura de recursos excede a oferta

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

demandantes ofertantes

demandantes ofertantes MICROECONOMIA DEMANDA, OFERTA E EQUILIBRIO DE MERCAD0 O funcionamento do sistema de economia de mercado mercado demandantes ofertantes DEMANDA CONCEITO DE DEMANDA FATORES QUE AFETAM A DEMANDA: PREÇO DO

Leia mais

Variáveis que afetam a demanda 1

Variáveis que afetam a demanda 1 Variáveis que afetam a demanda 1 A demanda de um bem ou serviço pode ser afetada por muitos fatores, tais como: Riqueza (e sua distribuição); Renda (e sua distribuição); Preço dos outros bens; Fatores

Leia mais

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras

a) Monte a situação acima na forma de um jogo, escrevendo a tabela de payoffs b) Encontre todos os equilíbrios de Nash em estratégias puras Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Ecop 26 - Teoria Microeconômica II Prof. Sabino Porto Junior Teoria dos jogos 1 - Apresente os conceitos de: a) Equilíbrio em

Leia mais

Capítulo 7 Movimentos internacionais de fatores

Capítulo 7 Movimentos internacionais de fatores Capítulo 7 Movimentos internacionais de fatores Preparado por Iordanis Petsas Material de apoio para Economia internacional: teoria e política, 6ª edição de Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Organização

Leia mais

PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR

PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR PARTE III - TEORIA DO CONSUMIDOR Questão 14. Preferências dos Consumidores (a.) Preferências de consumidores são "bem-comportadas" se as quatro premissas da teoria do comportamento do consumidor são válidas.

Leia mais

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4

Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Aula 8 21/09/2009 - Microeconomia. Demanda Individual e Demanda de Mercado. Bibliografia: PINDYCK (2007) Capítulo 4 Efeito de modificações no preço: Caso ocorram modificações no preço de determinada mercadoria

Leia mais

Modelo Geral de Comércio

Modelo Geral de Comércio Modelo Geral de Comércio Economia Internacional Prof. Ms. Vladimir Maciel Características Gerais O Modelo Geral de Comércio é construído com base em 4 relações: FPP e Curva de Oferta Relativa Preços Relativos

Leia mais

TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice.

TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA. Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice. TEORIA DO CONSUMIDOR BIBLIOGRAFIA Samuelson e Nordhaus (2005), Economia., Procura e Comportamento do Consumidor; Capítulo 5 e apêndice. A RESTRIÇÃO ORÇAMENTAL R = P x.x + P y.y y = R / P y P x / P y. x

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Polinômios Lista C Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Polinômios Lista C Professor Marco Costa 1 1. (Fuvest 97) Suponha que o polinômio do 3 grau P(x) = x + x + mx + n, onde m e n são números reais, seja divisível por x - 1. a) Determine n em função de m. b) Determine m para que P(x) admita raiz

Leia mais

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1

VERSÃO PROVISÓRIA. Figura 2.1 VERSÃO ROVISÓRIA Questão Os valores assumidos pela taxa marginal de substituição de um bem por outro ao longo de uma dada curva de indiferença permitem-nos concluir sobre o formato das curvas de indiferença

Leia mais

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011

Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Oferta (Cap. 8) 2º SEMESTRE 2011 Marta Lemme - IE/UFRJ Função de Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz. Um insumo

Leia mais

MICROECONOMIA OBJECTIVOS

MICROECONOMIA OBJECTIVOS MICROECONOMIA OBJECTIVOS A microeconomia é uma área básica de um curso de economia. Não só a macroeconomia se constrói a partir da microeconomia, como também certas áreas especializadas da economia, tais

Leia mais

ão: Custos da Tributação

ão: Custos da Tributação Aplicação ão: Custos da Tributação Introdução à Economia Mankiw, N.G. Capítulo 8 Copyright 2001 by Harcourt, Inc. All rights reserved. Requests for permission to make copies of any part of the work should

Leia mais

Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado

Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado Módulo 7 Demanda, Oferta e Equilíbrio de mercado Como vimos, a microeconomia ou teoria dos preços analisa como consumidores e empresas interagem no mercado, e como essa interação determina o preço e a

Leia mais

Finanças e Economia no Excel

Finanças e Economia no Excel Finanças e Economia no Excel Minicurso de Economia e Estatística Computacionais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Semana Acadêmica da Economia 2012 Ronald Otto Hillbrecht Fabrício Tourrucôo Rodrigo

Leia mais

Jogos de soma zero com dois jogadores

Jogos de soma zero com dois jogadores Jogos de soma zero com dois jogadores Problema: Dada uma matriz A m n, encontrar um equilíbrio de Nash (de estratégias mistas). Jogador 1 quer encontrar p que maximize v sujeito a i p i = 1 sujeito a (pa)

Leia mais

FACULDADE MACHADO DE ASSIS

FACULDADE MACHADO DE ASSIS FACULDADE MACHADO DE ASSIS CURSO TURMA PER DISCIPLINA PROFESSOR (A) DATA Administração Única 1º MICROECONOMIA CEZAR T. FONSECA 2º sem/06 Exercício nº 1 Considere os preços e as correspondentes seqüências

Leia mais

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... }

Conjuntos Numéricos. I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } Conjuntos Numéricos I) Números Naturais N = { 0, 1, 2, 3,... } II) Números Inteiros Z = {..., -2, -1, 0, 1, 2,... } Todo número natural é inteiro, isto é, N é um subconjunto de Z III) Números Racionais

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Cesta de bens A cesta de bens, do ponto de vista econômico, é o conjunto de bens que está disponível para o consumidor. Outros conceitos surgem a partir daí, como cesta básica: conjunto de bens que satisfazem

Leia mais

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x?

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x? 2 a rovadeedi-38concretoestruturali rof. Flávio Mendes Neto Outubro de 2009 Sem consulta. A interpretação das questões faz parte da prova. Justifique cientificamente suas afirmações e comente, criticamente,

Leia mais

Capítulo 3. Equilíbrio Geral e Bem-estar

Capítulo 3. Equilíbrio Geral e Bem-estar Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Economia Disciplina: Teoria Microeconômica II utores: Luciano Marchese Silva e Camila Steffens Capítulo 3 Equilíbrio

Leia mais

Receita, Custo e Lucro

Receita, Custo e Lucro eceita, Custo e ucro eceita total eceita total ou, simplesmente, eceita é a quantia monetária recebida por uma empresa com a venda de seus produtos. Supondo que a empresa vende apenas um produto e que

Leia mais

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS

Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS Fundamentos de Álgebra Moderna Profª Ana Paula CONJUNTOS O conjunto é um conceito fundamental em todos os ramos da matemática. Intuitivamente, um conjunto é uma lista, coleção ou classe de objetods bem

Leia mais

1 Despacho económico

1 Despacho económico Trânsito de potência difuso DC com despacho incorporado Documento complementar à dissertação José Iria ee06210@fe.up.pt - 10-03-2011 1 Despacho económico 1.1 Considerações Gerais O problema de decisão

Leia mais

MICROECONOMIA AULA 02 Prof. Jorge Junior

MICROECONOMIA AULA 02 Prof. Jorge Junior MICROECONOMIA AULA 02 Prof. Jorge Junior AULA SOBRE ELASTICIDADE a) CONCEITO: Elasticidade se refere à um tipo de sensibilidade, tem a ver com variações co-relacionadas. Por exemplo: Se eu digo que a demanda

Leia mais

ERRATA. Ilya Lvovich Shapiro & Guilherme de Berredo Peixoto LF Editora, São Paulo, 2011

ERRATA. Ilya Lvovich Shapiro & Guilherme de Berredo Peixoto LF Editora, São Paulo, 2011 ERRATA Introdução à Mecânica Clássica Ilya Lvovich Shapiro & Guilherme de Berredo Peixoto LF Editora, São Paulo, 11 Esta Errata contém correções para o nosso livro Gostaríamos de agradecer aos alunos e

Leia mais

84 x a + b = 26. x + 2 x

84 x a + b = 26. x + 2 x Para a fabricação de bicicletas, uma empresa comprou unidades do produto A, pagando R$ 96,00, e unidades do produto B, pagando R$ 84,00. Sabendo-se que o total de unidades compradas foi de 6 e que o preço

Leia mais

Uma viga em balanço (figura abaixo), com comprimento 2c, engastada rigidamente na estrutura do túnel de vento é representada graficamente por:

Uma viga em balanço (figura abaixo), com comprimento 2c, engastada rigidamente na estrutura do túnel de vento é representada graficamente por: 1 a Série de exercícios Aeroelasticidade Estática Prof. Gil 2º semestre 2009 1ª Questão: Estude o problema de um modelo de uma bomba cuja geometria é axissimétrica, a ser testado em túnel de vento. Os

Leia mais

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57

Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE. Aula 2 p.1/57 Aula 2 p.1/57 Aula 2: Funções. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Definição e representação Aula 2 p.2/57 Aula 2 p.3/57 Função Definição: Uma função de um conjunto em um conjunto, é uma correspondência

Leia mais

As funções do 1º grau estão presentes em

As funções do 1º grau estão presentes em Postado em 01 / 04 / 13 FUNÇÃO DO 1º GRAU Aluno(: 1.1.2 TURMA: 1- FUNÇÃO DO PRIMEIRO GRAU As funções do 1º grau estão presentes em diversas situações do cotidiano. Vejamos um exemplo: Uma loja de eletrodomésticos

Leia mais

Figura 1 - Display de 7 segmentos

Figura 1 - Display de 7 segmentos Lista de exercicio para revisão Um display de 7 segmentos é um dispositivo eletrônico composto por sete led s com formato de segmento, posicionados de modo a possibilitar a formação de um algarismo decimal

Leia mais

Por vezes podemos identificar, em várias situações práticas, variáveis que estão em relação de dependência.

Por vezes podemos identificar, em várias situações práticas, variáveis que estão em relação de dependência. Título : B1 FUNÇÕES Conteúdo : 1. FUNÇÕES Na matemática, uma relação é apenas um conjunto de pares requisitados. Se utilizamos {} como o símbolo para o conjunto, temos abaixo alguns exemplos de relações

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 2 GABARITO 22 de junho de 201 1. Em cada um dos itens abaixo, dê, se possível,

Leia mais

- 1. CONCEITOS BÁSICOS

- 1. CONCEITOS BÁSICOS Microeconomia - Programa Detalhado da Unidade Curricular 1. CONCEITOS BÁSICOS 1.1 O que se entende por Economia 1.2 Economia como ciência: a abstração 1.3 Os instrumentos de análise económica 1.4 A escassez

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira 2016.2 Sumário Capítulo I. Introdução à Apostila... 4 Capítulo II. Fundamentos da Matemática Financeira... 5 2.1. INTRODUÇÃO... 5 2.2. CAPITAL, NÚMERO DE PERÍODOS, JURO, MONTANTE,

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS FUNDAMENTAIS CONCEITOS FUNDAMENTAIS ECONOMETRIA É a aplicação de métodos estatísticos e matemáticos na análise de dados econômicos com o propósito de dar conteúdo empírico a teorias econômicas e confirmá-las ou não.

Leia mais

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva

MICROECONOMIA II ( ) João Correia da Silva MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 08-03-2012 João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 1. A EMPRESA 1.1. Tecnologia de Produção. 1.2. Minimização do Custo. 1.3. Análise dos Custos. 1.4. Maximização do ucro.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA 1 Ano - 2010 1 Cadeira: Microeconomia 1 Esta disciplina irá capacitar o estudante a fazer análises simples do cenário económico usando conceitos por ele já conhecidos

Leia mais

2, 1x 4 se x > 10 representa a quantidade de água consumida (em m 3 ) e B(x) representa o valor a ser pago (em reais).

2, 1x 4 se x > 10 representa a quantidade de água consumida (em m 3 ) e B(x) representa o valor a ser pago (em reais). MATEMÁTICA 1 Na cidade A, o valor a ser pago pelo consumo de água é calculado pela companhia de saneamento, conforme mostra o quadro a seguir Quantidade de água consumida (em m 3 ) Valor a ser pago pelo

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta / /

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta / / Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 03 MICROECONOMIA DEMANDA E OFERTA SEMANA E DATA / / 3.1. A curva de demanda Em uma economia

Leia mais

«Valor utilidade» e «valor trabalho» 1

«Valor utilidade» e «valor trabalho» 1 «Valor utilidade» e «valor trabalho» 1 Os fundamentos da análise da demanda ou procura estão alicerçados no conceito subjetivo de «utilidade». A utilidade representa o grau de satisfação ou bem-estar que

Leia mais

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão.

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. 01 O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. Como as lâmpadas são idênticas, tem-se: U 1 = U 2 = U 3 = U 4 = U = lâmpada i Assim: U 1 + U 2 + U 3 + U 4 = 220 4U = 220 U = 55 V esposta: A 1 02

Leia mais

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos

Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Álgebra Linear Exercícios Resolvidos Agosto de 001 Sumário 1 Exercícios Resolvidos Uma Revisão 5 Mais Exercícios Resolvidos Sobre Transformações Lineares 13 3 4 SUMA RIO Capítulo 1 Exercícios Resolvidos

Leia mais

MATRIZES POSITIVAS DEFINIDAS

MATRIZES POSITIVAS DEFINIDAS MATRIZES POSITIVAS DEFINIDAS Álgebra Linear (MAT-27) Ronaldo Rodrigues Pelá IEFF-ITA 7 de novembro de 2011 Roteiro 1 2 3 Roteiro 1 2 3 Por que saber se uma matriz é definida positiva? Importância do sinal

Leia mais

1E207 - MACROECONOMIA II

1E207 - MACROECONOMIA II LIENIATURA EM EONOMIA (2009-10) 1E207 - MAROEONOMIA II ap. 2 Mercado de Trabaho e Desemprego Exercício 2.1 A empresa típica de uma dada economia dispõe de uma tecnoogia de produção descrita por Y = 20

Leia mais

Questões e Exercícios para a Disciplina de Microeconomia I Setembro de 2010

Questões e Exercícios para a Disciplina de Microeconomia I Setembro de 2010 Questões e Exercícios para a Disciplina de Microeconomia I Setembro de 2010 João Sousa Andrade Ana Abrunhosa Rita Martins Microeconomia I (2010/2011) - Caderno Prático Apresentação... 3 1. Economia como

Leia mais

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS,

I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, Sumário Resumido Ordem dos Economistas do Brasil, xiii Apresentação, xv Introdução Teoria Macroeconômica: Evolução e Situação Atual, 1 Parte I MACROECONOMIA BÁSICA: AGREGADOS MACROECONÔMICOS, 17 Apresentação,

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I SINTONIA DE CONTROLADOR PID

LABORATÓRIO DE CONTROLE I SINTONIA DE CONTROLADOR PID UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 6: SINTONIA DE CONTROLADOR PID COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas Pires

Leia mais

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Excedente do consumidor e equação de Slutsky Roberto Guena de Oliveira USP 1 de julho de 2015 Estrutura da aula 1 Consumo contingente 2 Utilidade esperada

Leia mais

Associação mista de resistores

Associação mista de resistores Associação mista de resistores 1 13.1. Tendo em vista a Fig. 13.1 analise as afirmativas abaixo: I. Os resistores R 1 e R 2 estão ligados em série. II. Os resistores R 1 e R 3 estão ligados em paralelo.

Leia mais

Demanda Individual e Demanda de Mercado

Demanda Individual e Demanda de Mercado TEORIA MICROECONÔMICA I Demanda Individual e Demanda de Mercado Prof. Giácomo Balbinotto Neto UFRGS Demanda Individual: Modificações na Renda Nominal Demanda individual Modificações na Renda Á medida que

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: REVISÃO 1. O que significa o termo transitividade de preferências

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: REVISÃO 1. O que significa o termo transitividade de preferências Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: REVISÃO 1. O que significa o termo transitividade de preferências? A transitividade de preferências significa que, se alguém prefere A em relação a B, e B

Leia mais

Questões utilizadas nas aulas de terça (15/10)

Questões utilizadas nas aulas de terça (15/10) Matemática Matemática financeira 3 os anos João/Blaidi out/13 Nome: Nº: Turma: Questões utilizadas nas aulas de terça (15/10) 1. (Fgv 013) Para o consumidor individual, a editora fez esta promoção na compra

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y . Cálculo Diferencial em IR.1. Função Exponencial e Função Logarítmica.1.1. Função Exponencial Comecemos por relembrar as propriedades das potências: Propriedades das Potências: Sejam a e b números positivos:

Leia mais

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2006 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Seja E um ponto externo a uma circunferência. Os segmentos e interceptam essa circunferência nos pontos B e A, e, C

Leia mais

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa.

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa. Tema 1 Lógica e Teoria dos Conjuntos 1. Proposições e valores lógicos. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira

Leia mais

116 Ciências Econômicas

116 Ciências Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

MACROECONOMIA Teoria, Análise e Métodos

MACROECONOMIA Teoria, Análise e Métodos MACROECONOMIA Teoria, Análise e Métodos João Basilio ereima Departamento de Economia Universidade Federal do araná - UFR Curitiba - araná Brasil joaobasilio@ufpr.br 5 de abril de 2016 arte I OFERTA E DEMANDA

Leia mais

Lista de Exercícios Glossário Básico

Lista de Exercícios Glossário Básico Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 8 - Notação Matemática e Glossário Básico - (parte 2 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=tnbv2ewa3q8

Leia mais

o) (V) a) D (6) = 6, 3, 2, 4. a) D (220) = 220, 110, 55, 44, 22, 20, 11, 10, 5, 4, 2, 16q 1 = 18q 2 8q 1 = 9q 2 (I) 9q 1 + 9q 2 = 9 68

o) (V) a) D (6) = 6, 3, 2, 4. a) D (220) = 220, 110, 55, 44, 22, 20, 11, 10, 5, 4, 2, 16q 1 = 18q 2 8q 1 = 9q 2 (I) 9q 1 + 9q 2 = 9 68 Matemática 5 aula. DIVISIBILIDADE a) N = 0 = 8. 9. 5 =.. 5 Seja n o número de divisores positivos, n = ( + )( + )( + ) = 4 b) Se n é o número de divisores negativos, n 4. Logo, a quantidade total é 48.

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Prof. Me. Edgard Lourenço Jr. 13 de março de 2015 Assisente de Contabilidade ETEC Gustavo Teixeira São Pedro Prof. Me. Edgard Lourenço Jr. Introdução à Matemática Financeira

Leia mais