Estudos. A Demografia dos Fundos de Pensão. Ricardo Pena Pinheiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudos. A Demografia dos Fundos de Pensão. Ricardo Pena Pinheiro"

Transcrição

1 Estudos A Demografia dos Fundos de Pensão Ricardo Pena Pinheiro

2 Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social A Demografia dos Fundos de Pensão Ricardo Pena Pinheiro Coleção Previdência Social Volume 24

3 2007 Ministério da Previdência Social Presidente da República: Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Previdência Social: Luiz Marinho Secretário Eecutivo: Carlos Eduardo Gabas Secretário de Políticas de Previdência Social: Helmut Schwarzer Diretor do Depto. do Regime Geral de Previdência Social: João Donadon Diretor do Depto. dos Reg. de Prev. no Serviço Público: Delúbio Gomes Pereira da Silva Coordenador-Geral de Estudos Previdenciários: Rafael Liberal Ferreira de Santana A Coleção Previdência Social é uma publicação do Ministério da Previdência Social, de responsabilidade da Secretaria de Políticas de Previdência Social e organizada pela Coordenação-Geral de Estudos Previdenciários. Edição e Distribuição: Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social Esplanada dos Ministérios, Bloco F Brasília-DF Tel.: (61) /5264 Fa: (61) /5045 Também disponível no endereço: Tiragem: eemplares Impresso no Brasil / Printed in Brazil Coronário Editora Gráfi ca Ltda. As opiniões e propostas porventura contidas nesta publicação são de responsabilidade do(s) autor(es), não refl etindo, necessariamente, o ponto de vista do Ministério da Previdência Social. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Pinheiro, Ricardo Pena. A demografi a dos fundos de pensão. / Ricardo Pena Pinheiro. Brasília: Ministério da Previdência Social. Secretaria de Políticas de Previdência Social, p. (Coleção Previdência Social. Série estudos; v. 24) ISBN Demografi a. 2. Fundos de pensão. 3. Previdência complementar. 4. Técnicas Atuariais. 5. Capitalização. I. Brasil. Ministério da Previdência Social. Secretaria de Políticas de Previdência Social. II. Título. III. Série.

4 RESUMO A proposta central deste trabalho é avaliar os riscos demográficos e atuariais envolvidos na constituição da reserva matemática dos benefícios programados de aposentadoria dentro dos planos de benefício definido e de contribuição definida administrados por um fundo de pensão brasileiro. Trata-se, portanto, de uma aplicação micro-demográfica da análise dos efeitos da mudança nas variáveis demográficas, como mortalidade, entrada em invalidez, rotatividade e entrada de participantes nos planos previdenciários, sobre as reservas matemáticas de benefícios a conceder e já concedidos, necessárias para suportar o pagamento dos benefícios programados de aposentadoria de uma entidade fechada de previdência complementar. Uma outra dimensão investigada no trabalho diz respeito às implicações demográficas e econômicas do processo de mudança de preferência dos planos de benefício definido para os planos de contribuição definida no âmbito dos fundos de pensão, focalizando os riscos envolvidos e as escolhas dos participantes e patrocinadores. A partir das metodologias da tábua de decremento simples e de múltiplos decrementos, o trabalho eaminou os impactos das modificações das suposições das variáveis demográficas sobre a reserva matemática dos benefícios de aposentadoria e pensão. No eame dos resultados, a probabilidade de permanência anual do participante no plano de benefícios do fundo de pensão reflete, pela tábua de múltiplos decrementos, a eposição aos riscos de saída por vários decrementos que operam conjuntamente e competem entre si, representando custos dos benefícios programados de aposentadorias dos planos previdenciários para os fundos de pensão, em bases inferiores à tábua de decremento simples na qual os decrementos atuam de forma isolada. Por fim, o trabalho apresenta o fluo atuarial para os planos de benefício definido e de contribuição definida administrados pelo fundo de pensão em análise nesta tese a partir das projeções populacionais e financeiras num horizonte de trinta anos, de modo a orientar as decisões de aplicação dos recursos, com vistas à redução dos riscos, para os participantes e a empresa patrocinadora, de eventuais déficits atuariais relativos aos descasamentos nos estoques e fluos de recursos dos planos previdenciários.

5 ABSTRACT This work focuses on the assessment of actuarial and demographic risks involved in the mathematical reserve of programmed retirement benefits offered in defined benefit and defined contribution plans administrated by a Brazilian pension fund. Therefore, it is a micro-demographic analysis of the changing effects in demographic variables such as mortality rate, disability, withdrawal and participant entry in the retirement plans in relation to the mathematical reserves of benefits yet to be paid and already paid, which are necessary to support the payment of programmed retirement benefits offered by a closed entity of a complementary scheme. Another dimension assessed in this work is concerned with the demographic and economic implications in relation to the process of preference change from defined benefit plans to defined contribution plans in the pension fund environment, focusing on the risks involved and the choices made by participants and sponsors. Based on the methodology of the simple and multiple decrement tables, this work eamined the impacts of the modifications of assumptions regarding demographic variables on the mathematical reserve of retirement benefits and pensions. The results indicated that the probability of annual permanence of the participant in the benefit plan of the pension fund reflects, according to the multiple decrement table, the eposure to eit risks due to various decrements that operate together and compete against each other, imposing costs of the programmed retirement benefits on the retirement plans of the pension funds, with lower levels when compared to the simple decrement table in which the decrements act in an isolated way. Finally, this work presents the actuarial flow for defined benefit and defined contribution plans administrated by the pension fund under analysis, based on the population and financial projections on a thirty-year span so as to guide the decisions concerning resource allocation, aiming at the risk reduction of eventual actuarial deficits related to stock mismatches and cash flow in retirement plans, for participants and the sponsoring company.

6 Sumário APRESENTAÇÃO PREFÁCIO CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Introdução A PREVIDÊNCIA PRIVADA NO BRASIL Breve histórico Evolução recente Situação atual Conclusão ASPECTOS GERAIS DA PREVIDÊNCIA PRIVADA FECHADA Regimes previdenciários Organização e funcionamento de um fundo de pensão Razões para o estabelecimento dos fundos de pensão Métodos de financiamento dos fundos de pensão Métodos de acumulação do regime de capitalização Aspectos populacionais dos fundos de pensão Variáveis utilizadas pelos fundos de pensão Taa de Juros Rentabilidade dos investimentos Salário Benefício da previdência social Inflação Mortalidade Entrada em invalidez Geração futura de novos entrados Rotatividade Composição familiar Idade de aposentadoria Idade de entrada no emprego Taa de contribuição Conclusão BENEFÍCIOS E PLANOS PREVIDENCIÁRIOS DE UM FUNDO DE PENSÃO: MODALIDADES, MIGRAÇÃO ENTRE PLANOS E RISCOS ENVOLVIDOS Modalidades de benefícios Tipos de planos previdenciários Planos de Benefício Definido Planos de Contribuição Definida... 85

7 4.2.3 Planos Mistos Migração do plano de benefício definido para o plano de contribuição definida Eplicação para mudança de preferência entre planos de benefícios Efeitos demográficos e econômicos, produtividade e riscos envolvidos Conclusão BASE DE DADOS Características gerais dos planos de benefícios Registros administrativos Perfil dos participantes A Idade B Remuneração B.1 Escala de remuneração Decrementos e incrementos nos planos de benefícios Conclusão ADERÊNCIA DAS HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS NOS PLANOS DE BENEFÍCIOS Metodologia do teste de aderência Aderência das hipóteses demográficas para participantes ativos Mortalidade Entrada em invalidez Rotatividade Geração futura de novos entrados Aderência das hipóteses demográficas para participantes assistidos Conclusão EFEITOS SOBRE A RESERVA MATEMÁTICA DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA TÁBUA DE DECREMENTO SIMPLES Aspectos metodológicos Reserva matemática Reserva matemática para plano de benefício definido Reserva matemática para plano de contribuição definida Funções atuariais Função de sobrevivência Função de taa de juros Função de anuidade Função de salário Função de benefício Tábuas decrementais Análise de estática comparativa Elasticidade Situação de referência dos planos de benefícios Tábua de decremento simples: simulação dos efeitos sobre a reserva matemática

8 7.3.1 Mortalidade A Mortalidade de válidos B Mortalidade de inválidos Entrada em invalidez Rotatividade Geração futura de novos entrados Conclusão TÁBUA DE MÚLTIPLOS DECREMENTOS: UMA METODOLOGIA APLICÁVEL AOS FUNDOS DE PENSÃO Aspectos metodológicos Associação com a tábua de decremento simples Construindo a tábua de múltiplos decrementos Tábua de Serviço Tábua de múltiplos decrementos: simulação dos efeitos sobre a reserva matemática Riscos competitivos Conclusão PROJEÇÃO POPULACIONAL E FLUXO ATUARIAL NOS PLANOS DE BENEFÍCIOS DOS FUNDOS DE PENSÃO Considerações gerais Metodologia de projeção Projeções para o plano de benefício definido Projeções para o plano de contribuição definida Conclusão CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANEXOS Aneo 1 Tabelas do capítulo Aneo 2 Tabelas do capítulo Aneo 3 Tabelas do capítulo Aneo 4 Tabelas do capítulo Aneo 5 Metodologia do cálculo atuarial aplicado aos fundos de pensão Aneo 6 Formulação teórica da tábua de múltiplos decrementos Aneo 7 Tábuas de mortalidade, entrada em invalidez, composição da família e rotatividade utilizada pelos fundos de pensão no Brasil COLEÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL: TÍTULOS PUBLICADOS...289

9

10 LISTA DE FIGURAS, GRÁFICOS, QUADROS E TABELAS I FIGURAS Figura Esquema geral de funcionamento de um fundo de pensão Figura Regime de capitalização pelo método unidade de crédito (UC) Figura Diagrama de Leis...61 Figura 7.1A - População (l) de um plano de benefícios, considerando a evolução temporal e os decrementos de invalidez (i) e morte (d) Figura Entradas e saídas nos planos de benefícios previdenciários de um fundo de pensão II GRÁFICOS Gráfico Evolução da população participante das entidades fechadas de previdência complementar, no período de 1996 a Gráfico Fases do ciclo de vida econômico de uma pessoa Gráfico Heritor (H) ou encargo médio de herdeiros de um participante ativo de idade e aposentadoria mensal unitária Gráfico Plano de benefício definido: valor($) presente dos benefícios em função da idade de aposentadoria Gráfico Plano de contribuição definida: valor($) presente dos benefícios em função da idade de aposentadoria Gráfico Distribuição percentual dos tipos de planos de benefícios no Brasil, em Gráfico Distribuição percentual dos tipos de planos de benefícios no Brasil, em Gráfico Distribuição percentual dos tipos de planos de benefícios no Brasil, em Gráfico Evolução do salário e produtividade em função da idade Gráfico Distribuição etária dos participantes da entidade fechada de previdência complementar em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição etária dos participantes do plano de benefício definido do fundo de pensão em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição etária dos participantes do plano de contribuição definida do fundo de pensão em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição da remuneração dos participantes dos planos de benefícios da entidade fechada de previdência complementar em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição da remuneração dos participantes ativos dos planos de benefícios do fundo de pensão em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição da remuneração dos participantes assistidos dos planos de benefícios do fundo de pensão em 1998, 2001 e

11 Gráfico Distribuição da remuneração dos participantes ativos do plano de benefício definido do fundo de pensão em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição da remuneração dos participantes assistidos do plano de benefício definido do fundo de pensão em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição da remuneração dos participantes ativos do plano de contribuição definida do fundo de pensão em 1998, 2001 e Gráfico Distribuição da remuneração dos participantes assistidos do plano de contribuição definida do fundo de pensão em 1998, 2001 e Gráfico Escala de remuneração dos empregados do setor administrativo/ participante do fundo de pensão em Gráfico Escala de remuneração dos empregados do setor operacional/ participante do fundo de pensão em Gráfico Escala de remuneração dos empregados profissionais/participante do fundo de pensão em Gráfico Hipótese de rotatividade (qr) dos participantes ativos dos planos de benefícios do fundo de pensão, baseado na eperiência de saída da empresa patrocinadora em Gráfico Programas de desligamento voluntário na empresa patrocinadora dos planos de benefícios da entidade fechada de previdência complementar entre 1993 e Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade de válidos utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos de 18 a 30 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade de válidos utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos de 31 a 50 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade de válidos utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos acima de 50 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade de válidos utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes assistidos acima de 60 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade AT-49 e IBGE-2003, para participantes ativos de idades entre 18 e 30 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade AT-49 e IBGE-2003, para participantes ativos de idades entre 31 e 50 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade AT-49 e IBGE-2003, para participantes ativos de idades acima de 50 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade AT-49 e IBGE-2003, para participantes assistidos acima de 60 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade de inválidos utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos de 18 a 30 anos Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade de inválidos utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos de 31 a 50 anos...173

12 Gráfico Probabilidade de morte pelas tábuas de mortalidade de inválidos utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos acima de 50 anos Gráfico Probabilidade de entrada em invalidez pelas tábuas selecionadas utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos de 18 a 30 anos Gráfico Probabilidade de entrada em invalidez pelas tábuas selecionadas utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos de 31 a 50 anos Gráfico Probabilidade de entrada em invalidez pelas tábuas selecionadas utilizadas nos fundos de pensão, para as idades de participantes ativos acima de 50 anos Gráfico Probabilidade de saída (rotatividade) dos participantes ativos com idade de 18 a 30 anos dos planos de benefícios do fundo de pensão, por tábuas e percentuais selecionados Gráfico Probabilidade de saída (rotatividade) dos participantes ativos com idade de 31 a 50 anos dos planos de benefícios do fundo de pensão, por tábuas e percentuais selecionados Gráfico Probabilidade de saída (rotatividade) dos participantes ativos com idade acima de 50 anos dos planos de benefícios do fundo de pensão, por tábuas e percentuais selecionados Gráfico Probabilidade de permanência de um participante com idade do plano de benefício definido num fundo de pensão, em ambiente de decremento simples e de múltiplos decrementos, considerando quatro causas (morte, invalidez, rotatividade e aposentadoria) Gráfico Probabilidade de permanência de um participante com idade do plano de benefício definido num fundo de pensão, em ambiente de decremento simples e de múltiplos decrementos, considerando três causas (morte, rotatividade e aposentadoria) Gráfico Probabilidade de permanência de um participante com idade do plano de benefício definido num fundo de pensão, em ambiente de decremento simples e de múltiplos decrementos, considerando três causas (morte, invalidez e aposentadoria) Gráfico Ganho proporcional no tempo de permanência do participante com idade, ao se eliminar, isoladamente, os decrementos de invalidez e de rotatividade do conjunto de hipóteses assumidas pelos planos previdenciários do fundo de pensão Gráfico Distribuição etária dos participantes ativos e assistidos do plano de benefício definido no ano de Gráfico Evolução do número de participantes ativos e assistidos por benefícios programados de aposentadoria do plano de benefício definido no fundo de pensão entre o período de 2003 e Gráfico Fluo de compromissos líquidos (benefícios programados de aposentadoria menos contribuições do empregado e da empresa) do plano de benefício definido no fundo de pensão entre 2003 e

13 Gráfico Reserva matemática dos benefícios concedidos de aposentadoria programada do plano de benefício definido no fundo de pensão entre 2003 e Gráfico Reserva matemática dos benefícios a conceder de aposentadoria programada do plano de benefício definido no fundo de pensão entre 2003 e Gráfico Distribuição etária dos participantes ativos e assistidos do plano de contribuição definida no ano de Gráfico Número de participantes ativos do plano de contribuição definida no fundo de pensão entre 2003 e Gráfico Número de participantes assistidos por benefício programado de aposentadoria do plano de contribuição definida no fundo de pensão entre 2003 e Gráfico Fluo de compromissos líquidos (benefícios programados de aposentadoria menos contribuições do empregado e da empresa) do plano de contribuição definida no fundo de pensão entre 2003 e Gráfico Reserva matemática dos benefícios concedidos de aposentadoria programada do plano de contribuição definida no fundo de pensão entre 2003 e Gráfico Reserva matemática dos benefícios a conceder de aposentadoria programada do plano de contribuição definida no fundo de pensão entre 2003 e III QUADROS Quadros Custo normal e passivo atuarial dos planos de benefícios Quadros Planos de benefícios previdenciários como contratos de emprego de longo prazo IV TABELAS Tabela Número de entidades de previdência complementar no Brasil entre 1996 e Tabela Parâmetros técnico-atuariais para estruturação dos planos de benefícios das entidades fechadas de previdência complementar Tabela Efeito da capitalização em planos de previdência complementar, considerando o número de anos e a taa de juros real praticada Tabela Distribuição dos investimentos dos planos de benefícios dos fundos de pensão entre os segmentos de aplicação Tabela Quantidade e recursos financeiros administrados por modalidades de planos de benefícios em Tabela Características gerais dos planos de benefícios (PBD-Plano de Benefício Definido e PCD-Plano de Contribuição Definida) oferecidos pela entidade fechada de previdência complementar em 31/12/ Tabela Informações disponíveis dos PBD e PCD, por tipo de benefício e participantes, no período de 1998 a

14 Tabela Resumo das informações dos participantes ativos e assistidos do PBD entre 1998 e Tabela Resumo das informações dos participantes ativos e assistidos do PCD entre 1998 e Tabela Distribuição dos participantes do fundo de pensão por faia etária entre 1998 e Tabela Número médio de empregados da empresa patrocinadora, por categoria funcional, entre 1998 e Tabela Distribuição dos participantes do plano de benefício definido por faia etária entre 1998 e Tabela Distribuição dos participantes do plano de contribuição definida por faia etária entre 1998 e Tabela Decrementos do plano de benefício definido entre 1998 e Tabela Decrementos do plano de contribuição definida entre 1998 e Tabela Incrementos dos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão por faia etária dos participantes entre 1999 e Tabela 5.12A - Escala de remuneração dos participantes do fundo de pensão em Tabela Esperança de vida das tábuas de mortalidade selecionadas por idade e país de origem Tabela Verificação da hipótese de mortalidade de válidos para planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão entre 1998 a Tabela Desvio relativo quadrático médio (DQM) da hipótese de mortalidade de válidos dos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão, por tábuas selecionadas, entre 1998 e Tabela Verificação da hipótese de mortalidade de inválidos para planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão entre 1998 e Tabela Desvio relativo quadrático médio (DQM) da hipótese de mortalidade de inválidos dos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão, por tábuas selecionadas, entre 1998 e Tabela Verificação da hipótese de entrada em invalidez para planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão entre 1998 e Tabela Desvio relativo quadrático médio (DQM) da hipótese de entrada em invalidez dos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão, por tábuas selecionadas, entre 1998 e Tabela Verificação da hipótese de rotatividade para os planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão entre 1998 e

15 Tabela Desvio relativo quadrático médio (DQM) da hipótese de rotatividade dos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão, por tábuas e percentuais selecionados, entre 1998 e Tabela Verificação da hipótese de geração futura de novos entrados (GFNE) para os planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão entre 1999 e Tabela Benefícios previdenciários oferecidos pelos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão em 1998 e Tabela Índice de aderência (Adt) dos benefícios programados de aposentadoria para os planos de benefício definido (PBD) e de contribuição definida (PCD) num fundo de pensão entre 1998 e Tabela 6.13A - Tábua de vida construída a partir das probabilidades de morte da tábua de mortalidade AT Tabela Classificação das anuidades, segundo o tipo de renda, duração, periodicidade, valores, carência e vencimento dos pagamento/ recebimentos Tabela Hipóteses atuariais assumidas nos planos de benefícios do fundo de pensão em 31/dez/ Tabela Tábuas selecionadas de mortalidade, entrada em invalidez, rotatividade e taas (%) de novos entrados como variáveis demográficas a serem testadas nos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão Tabela Informações necessárias para o cálculo da reserva matemática do plano de benefício definido no fundo de pensão em 31 de dezembro de Tabela Informações necessárias para o cálculo da reserva matemática do plano de contribuição definida no fundo de pensão em 31 de dezembro de Tabela Balanço financeiro e atuarial dos planos previdenciários do fundo de pensão em 31/dez/ Tabela Efeitos sobre a reserva matemática da aposentadoria programada nos planos de benefício definido e de contribuição definida, pela variação relativa (%) e pela elasticidade, a partir de tábuas selecionadas de mortalidade Tabela Efeito esperado sobre a reserva matemática de benefícios programados a conceder e já concedidos no plano de benefício definido e a reserva matemática de benefício concedido no plano de contribuição definida, de acordo com a estrutura de mortalidade de válidos, por tábuas selecionadas e por faia etária dos participantes Tabela Efeitos sobre a reserva matemática de benefício programado de aposentadoria a conceder nos planos de benefício definido e de contribuição definida, pela variação relativa (%) e pela elasticidade, a partir de tábuas selecionadas de mortalidade de inválidos...172

16 Tabela Efeito esperado sobre a reserva matemática de benefícios programados a conceder e já concedidos no plano de benefício definido, de acordo com a estrutura de mortalidade de inválidos, por tábuas selecionadas e por faia etária dos participantes Tabela Efeitos sobre a reserva matemática de benefício programado de aposentadoria a conceder nos planos de benefício definido e de contribuição definida, pela variação relativa (%) e pela elasticidade, a partir de tábuas selecionadas de entrada em invalidez Tabela Efeito esperado sobre a reserva matemática de benefícios programados a conceder e já concedidos no plano de benefício definido, de acordo com a estrutura de entrada em invalidez, por tábuas selecionadas e por faia etária dos participantes Tabela Efeitos sobre a reserva matemática de benefício programado de aposentadoria a conceder nos planos de benefício definido e de contribuição definida, pela variação relativa (%) e pela elasticidade, a partir de percentual ou tábuas selecionadas de rotatividade de participantes Tabela Efeito esperado sobre a reserva matemática de benefícios programados a conceder e já concedidos no plano de benefício definido, de acordo com a estrutura de saída (rotatividade), por faia etária dos participantes e tábuas/percentuais selecionados Tabela Efeitos sobre a reserva matemática de benefício programado de aposentadoria a conceder nos planos de benefício definido e de contribuição definida, pela variação relativa (%) e pela elasticidade, a partir da hipótese de geração futura de novos entrados Tabela 7.16A - Benefícios previdenciários oferecidos pelos planos de benefício definido e de contribuição definida no fundo de pensão em 31/dez/ Tabela 7.17A - Valores da anuidade de pagamento por idade, utilizada no cálculo atuarial dos planos de benefícios do fundo de pensão Tabela Tábua de serviço dos decrementos totais e por causa individual e probabilidade total de saída em ambientes de decremento simples e de múltiplos decrementos no plano de benefício definido, construída a partir das hipóteses demográficas assumidas pelo fundo de pensão Tabela Reserva matemática dos benefícios programados de aposentadoria em ambientes de decremento simples e de múltiplos decrementos, para quatro causas (morte, invalidez, rotatividade e aposentadoria), nos planos de benefício definido e de contribuição definida do fundo de pensão em 31/ dez/ Tabela Reserva matemática dos benefícios programados de aposentadoria em ambientes de decremento simples (DS) e de múltiplos decrementos (MD), para três causas, nos planos de benefício definido e de contribuição definida num fundo de pensão em 31/dez/ Tabela Tábua de vida do fundo de pensão construída a partir das taas de decrementos específicas por idade para todas as causas combinadas...200

17 Tabela Probabilidade condicional de saída do plano de benefícios do fundo de pensão, por determinado decremento e por participante com idade Tabela Efeito da eliminação da hipótese de invalidez e rotatividade como causa de decremento dos participantes epostos ao risco de receber benefícios previdenciários no plano de aposentadoria do fundo de pensão Tabela 8.7A - Tábua de serviço da probabilidade de permanência dos participantes do plano de benefício definido, construída a partir das hipóteses demográficas assumidas pelo fundo de pensão Tabela 8.8A - Valores da anuidade de pagamento por idade, num ambiente de múltiplos decrementos, utilizada no cálculo atuarial dos planos de benefícios do fundo de pensão Tabela Fluo de participantes ativos e assistidos por aposentadoria programada do plano de benefício definido no fundo de pensão, considerando os benefícios mantidos e concedidos entre o período de 2003 e Tabela Fluo de participantes ativos e assistidos por aposentadoria programada do plano de contribuição definida no fundo de pensão, considerando os benefícios mantidos e concedidos entre o período de 2003 e Tabela Desligamentos voluntários dos participantes ativos da empresa patrocinadora, a partir de programas de demissão incentivada pela empresa patrocinadora, no período de 1993 a Tabela 9.4A - Número de participantes ativos e assistidos do plano de benefício definido e de contribuição definida do fundo de pensão no período de 2003 a Tabela 9.5A - Fluo financeiro (em R$) com receitas e despesas previdenciárias com pagamento de benefícios de aposentadoria programado do plano de benefício definido no fundo de pensão para o período entre 2003 e Tabela 9.6A - Reserva matemática dos benefícios a conceder e concedidos de aposentadoria programada do plano de benefício definido no fundo de pensão entre o período de 2003 e Tabela 9.7A - Fluo financeiro (em R$) com receitas e despesas previdenciárias com pagamento de benefícios de aposentadoria programada do plano de contribuição definida no fundo de pensão para o período entre 2003 e Tabela 9.8A - Reserva matemática dos benefícios a conceder e concedidos de aposentadoria programada do plano de contribuição definida no fundo de pensão entre o período de 2003 e

18 Apresentação Um dos maiores desafios, em termos governamentais, colocados atualmente diante dos administradores públicos é a questão previdenciária, foco de intenso debate nos últimos anos. E uma das principais metas, fiadas desde o início do Governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tem sido a democratização e a inclusão, no sistema de Previdência Social, do maior número possível de trabalhadores. Nesse sentido, o Governo Federal vem empreendendo grandes esforços para aperfeiçoar o sistema previdenciário brasileiro, a começar pela Emenda Constitucional nº 41, de 2003, em relação à previdência dos servidores públicos, passando pelo regime geral da previdência social, operado pelo Instituto Nacional do Seguro Social, que tem atuado na melhoria do atendimento ao segurado, no combate às fraudes e desperdícios, e na modernização da administração desse regime, e finalizando com avanços regulatórios e na supervisão, por meio da Secretaria de Previdência Complementar do Ministério da Previdência Social, do regime fechado de previdência complementar, que estimulou o controle social eercido pelos participantes e assistidos. Assim, considerando as características da previdência complementar, organizada por entidades privadas, de forma facultativa e complementar ao regime geral da previdência social, a melhora na compreensão dos aspectos demográficos que impactam o funcionamento dos planos de benefícios estruturados pelos fundos de pensão é bem vinda por este volume da Coleção Previdência Social, na medida em que se discutem as técnicas atuariais do regime financeiro de capitalização operado pelos planos de benefícios administrados por essas entidades de previdência. Do ponto de vista populacional, os ganhos de longevidade dos participantes e assistidos refletidos nas tábuas biométricas utilizadas pelos fundos de pensão, como por eemplo as tábuas AT-83 e AT-2000, têm efeitos financeiros significativos, a médio e longo prazo, sobre as reservas matemáticas acumuladas para pagamento de aposentadorias e pensões vitalícias, e portanto, a mitigação desse risco deve ser realizada com a atualização constante da hipótese demográfica da mortalidade e com as projeções dinâmicas do fluo financeiro de pagamentos e recebimentos, e da estrutura etária e de rendimentos dos participantes dos planos de benefícios. 17

19 É nesse conteto que a publicação deste livro, mais uma iniciativa do Ministério da Previdência Social, almeja oferecer um conteúdo teórico para aprofundar os estudos e pesquisas sobre a previdência complementar, servindo de referência para todos os profissionais que trabalham com a previdência, seja pública ou privada, no País. Boa leitura! Brasília, maio de LUIZ MARINHO Ministro de Estado da Previdência Social 18

20 Prefácio Recebi com imensa satisfação o convite para prefaciar esse novo título da Coleção Previdência Social, publicado pelo Ministério da Previdência Social, que reúne trabalhos de grande relevância para a compreensão da previdência brasileira, tanto pública quanto privada. Neste caso, trata-se de um teto de autoria de Ricardo Pena Pinheiro estudioso das questões previdenciárias que combina, de forma magistral, sólidos conhecimentos teóricos e grande eperiência prática elaborado a partir de tese apresentada à Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, com a qual o autor conquistou com brilhantismo o título de Doutor em Demografia. O estudo é bastante oportuno, em função das transformações que vêm ocorrendo no perfil populacional brasileiro. Desde a década de 1970, o Brasil vive um processo de transição demográfica que aumentou a epectativa de vida ao nascer e em vida da população. Além disso, ocorreu significativa mudança no padrão reprodutivo da sociedade brasileira, aproimando a taa de crescimento populacional à taa de reposição natural, o que implica alteração da estrutura etária da população. Esse envelhecimento populacional repercute em toda a sociedade, mas na Previdência Social seus resultados são mais visíveis, principalmente no regime geral da previdência social, baseado no regime financeiro de repartição simples, em que o pacto geracional faz com que o custeio das aposentadorias e pensões dos aposentados e pensionistas dependa da contribuição dos trabalhadores ativos. Contudo, o impacto do envelhecimento populacional também é relevante no âmbito da previdência complementar privada, fundamentada no regime de capitalização, em que não se admite a eistência de transferências monetárias intergeracionais. Os fundos de pensão, pelos epressivos recursos garantidores acumulados, que ultrapassam os R$ 350 bilhões, são normalmente estudados sob a ótica de seus ativos. Mas o acompanhamento do passivo atuarial dos planos de benefícios é tão relevante para a segurança dos participantes quanto o montante de recursos acumulados. O presente trabalho trata do funcionamento dos fundos de pensão, principalmente no que se refere à melhor compreensão das premissas atuariais que dimensionam os compromissos presentes e futuros dos planos de benefícios com seus participantes e assistidos. Aborda aspectos fundamentais como a aderência das 19

Estudos CONTABILIDADE APLICADA AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

Estudos CONTABILIDADE APLICADA AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO Estudos CONTABILIDADE APLICADA AOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

As reformas de previdência na América Latina e seus impactos nos princípios de seguridade social

As reformas de previdência na América Latina e seus impactos nos princípios de seguridade social Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social As reformas de previdência na América Latina e seus impactos nos princípios de seguridade social Carmelo Mesa-Lago Coleção

Leia mais

TERCEIRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA: ATÉ QUANDO ESPERAR? Meiriane Nunes Amaro. Textos para Discussão 84

TERCEIRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA: ATÉ QUANDO ESPERAR? Meiriane Nunes Amaro. Textos para Discussão 84 TERCEIRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA: ATÉ QUANDO ESPERAR? Meiriane Nunes Amaro Textos para Discussão 84 Fevereiro/2011 SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA Bruno Dantas Consultor Geral CONSULTORIA DE ORÇAMENTOS

Leia mais

Previdência no Brasil: um (modesto) passo adiante nas reformas

Previdência no Brasil: um (modesto) passo adiante nas reformas Previdência no Brasil: um (modesto) passo adiante nas reformas Paulo Tafner 1 1. Introdução 2. O Sistema de Seguridade brasileiro e a Previdência Social breve descrição 3. Como está a nossa Previdência

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: O Programa Bolsa-Família: seus efeitos econômicos e sociais na região Nordeste do Brasil

TÍTULO DO TRABALHO: O Programa Bolsa-Família: seus efeitos econômicos e sociais na região Nordeste do Brasil TÍTULO DO TRABALHO: O Programa Bolsa-Família: seus efeitos econômicos e sociais na região Nordeste do Brasil RESUMO: Este trabalho se propõe a realizar uma análise sobre a atuação do Programa Bolsa-Família

Leia mais

A população nas políticas públicas: gênero, geração e raça

A população nas políticas públicas: gênero, geração e raça A população nas políticas públicas: gênero, geração e raça CNPD - Comissão Nacional de População e Desenvolvimento Presidente Eduardo Luiz Gonçalves Rios Neto Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional

Leia mais

relações do trabalho i

relações do trabalho i LUIZ GUILHERME MORAES REGO MIGLIORA 2ª edição ROTEIRO De CURSO 2010.1 Sumário Relações do Trabalho I 1. Introdução...6 1.1. Visão Geral...6 1.2. Objetivos Gerais...6 1.3. Metodologia...6 1.4. Desafios

Leia mais

POBRES, POBREZA E CIDADANIA: OS DESAFIOS RECENTES DA PROTEÇÃO SOCIAL 1

POBRES, POBREZA E CIDADANIA: OS DESAFIOS RECENTES DA PROTEÇÃO SOCIAL 1 POBRES, POBREZA E CIDADANIA: OS DESAFIOS RECENTES DA PROTEÇÃO SOCIAL 1 Palavras-chave Luciana Jaccoud 2 Programa Bolsa Família, seguridade social, pobreza, garantia de direitos, mercado de trabalho. Resumo

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE

ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE ESTUDO DOS FATORES CONDICIONANTES DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ: INSTRUMENTO DE CONTROLADORIA PARA A TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO GOVERNAMENTAL Tema 3: Tributação,

Leia mais

O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NA AGENDA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS

O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NA AGENDA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS CAPÍTULO 8 O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NA AGENDA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Ana Amélia Camarano Da Diretoria de Estudos Macroeconômicos do IPEA Maria Tereza Pasinato Da Diretoria de Estudos Macroeconômicos

Leia mais

Trabalho no governo Lula: uma reflexão sobre a recente experiência brasileira

Trabalho no governo Lula: uma reflexão sobre a recente experiência brasileira GLOBAL LABOUR UNIVERSITY WORKING PAPERS PAPER NO. 9, May 2010 Trabalho no governo Lula: uma reflexão sobre a recente experiência brasileira Paulo Eduardo de Andrade Baltar Anselmo Luís dos Santos José

Leia mais

Auxílio-reclusão: uma abordagem conceitual¹

Auxílio-reclusão: uma abordagem conceitual¹ MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Artigo Junho de 2009 Volume 21 Número 06 Auxílio-reclusão: uma abordagem conceitual¹ Emanuel de Araújo Dantas Coordenador da CGEP/SPS/MPS

Leia mais

O Programa Minha Casa, Minha Vida e a Caixa Econômica Federal

O Programa Minha Casa, Minha Vida e a Caixa Econômica Federal cap_02.qxd:layout 1 8/1/11 10:38 PM Page 33 33 O Programa Minha Casa, Minha Vida e a Caixa Econômica Federal FABIANO D`AMICO / CURITIBA, PARANÁ Resumo O desenvolvimento econômico do Brasil está diretamente

Leia mais

UM ESTADO DE BEM-ESTAR SOCIAL NO BRASIL?

UM ESTADO DE BEM-ESTAR SOCIAL NO BRASIL? UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA UM ESTADO DE BEM-ESTAR SOCIAL NO BRASIL? CLAUDIA DO VALLE BENEVIDES FEVEREIRO 2011 UNIVERSIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO: A ROTA PARA A PRODUTIVIDADE

EDUCAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO: A ROTA PARA A PRODUTIVIDADE EDUCAÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO: A ROTA PARA A PRODUTIVIDADE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson Braga de Andrade 1º DIRETOR SECRETÁRIO Paulo Afonso Ferreira 1º VICE-PRESIDENTE Paulo

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: UMA CONTRIBUIÇÃO DEMOGRÁFICA*

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: UMA CONTRIBUIÇÃO DEMOGRÁFICA* ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 858 ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: UMA CONTRIBUIÇÃO DEMOGRÁFICA* Ana Amélia Camarano** Rio de Janeiro, janeiro de 2002 * A autora agradece a Ana Roberta

Leia mais

Brasil. Envelhecendo. Mais Velho. em um

Brasil. Envelhecendo. Mais Velho. em um Envelhecendo em um Brasil Mais Velho SUMÁRIO Implicações do envelhecimento populacional para o crescimento econômico, a redução da pobreza, as finanças públicas e a prestação de serviços Banco Mundial

Leia mais

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas Idosas

Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas Idosas Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Pessoas Idosas

Leia mais

CARLA DA COSTA CAMPOS UM ESTUDO DAS RELAÇÕES ENTRE OPERADORAS DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E PRESTADORES DE SERVIÇO

CARLA DA COSTA CAMPOS UM ESTUDO DAS RELAÇÕES ENTRE OPERADORAS DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E PRESTADORES DE SERVIÇO CARLA DA COSTA CAMPOS UM ESTUDO DAS RELAÇÕES ENTRE OPERADORAS DE PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E PRESTADORES DE SERVIÇO Trabalho de Conclusão do Curso de Mestrado Profissionalizante em Engenharia como requisito

Leia mais

Programas de transferência de renda e centralização nas famílias: prioridades do sistema de proteção social não contributivo brasileiro em questão

Programas de transferência de renda e centralização nas famílias: prioridades do sistema de proteção social não contributivo brasileiro em questão 197 Programas de transferência de renda e centralização nas famílias: prioridades do sistema de proteção social não contributivo brasileiro em questão Adriana de Andrade Mesquita 1 Rita de Cássia dos Santos

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos.

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Plano Nacional de Educação. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Art. 2º A partir da vigência desta Lei,

Leia mais

Gestão por competências em organizações de governo. Mesa-redonda de pesquisa-ação

Gestão por competências em organizações de governo. Mesa-redonda de pesquisa-ação Gestão por competências em organizações de governo Mesa-redonda de pesquisa-ação A Mesa-Redonda de Pesquisa-Ação em Gestão por Competências ocorreu no período de 9 de novembro de 2004 a 28 de março de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS

A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS ALYSSON ALVES DE SOUSA PAULA PINTO RAMALHO A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS Tese apresentada ao curso de Especialização em Gestão de Pessoas, da Escola de Administração

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia

Leia mais

Programação oficial. Apoio cultural. Apoio institucional

Programação oficial. Apoio cultural. Apoio institucional Patrocínio Programação oficial Apoio cultural Apoio institucional ABRAM SZAJMAN - AGUINALDO NERI ALDA B. DA MOTA - ANA AMÉLIA CAMARANO ANA P. FRAIMAN - ANTONIO CARLOS B. DOS SANTOS & ANDRÉ LORENZETTI CARLOS

Leia mais

OS FORMATOS FAMILIARES CONTEMPORÂNEOS: transformações demográficas

OS FORMATOS FAMILIARES CONTEMPORÂNEOS: transformações demográficas OS FORMATOS FAMILIARES CONTEMPORÂNEOS: transformações demográficas Professor Adjunto da Faculdade de Arquitetura Urbanismo e Design (FAUeD) Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Brasil. simonevilla@yahoo.com.br

Leia mais

O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil

O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as organizações no Brasil anos Sumário Sobre a pesquisa...04 Tendências transformadoras para os negócios...07 Mudanças no perfil do trabalho e nas expectativas

Leia mais

O IBGE e as pesquisas populacionais

O IBGE e as pesquisas populacionais O IBGE e as pesquisas populacionais Luiz Antonio Pinto de Oliveira * Celso Cardoso da Silva Simões ** Focaliza-se o histórico dos censos demográficos, do registro civil e da Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL

COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL população com def iciência no Brasil fatos e percepções COLEÇÃO FEBRABAN DE INCLUSÃO SOCIAL Créditos população com deficiência no Brasil fatos e percepções agosto/2006 Publicação: Febraban - Federação

Leia mais

O Papel do Estado no Sistema Único de Saúde: uma investigação teórico-bibliográfica e prática em. Minas Gerais

O Papel do Estado no Sistema Único de Saúde: uma investigação teórico-bibliográfica e prática em. Minas Gerais O Papel do Estado no Sistema Único de Saúde: uma investigação teórico-bibliográfica e prática em Minas Gerais Lêda Menezes Brant Lêda Menezes Brant O Papel do Estado no Sistema Único de Saúde: uma investigação

Leia mais