DIRETORIA GERAL GRUPO PERMANENTE DE NORMAS TÉCNICAS. RT a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETORIA GERAL GRUPO PERMANENTE DE NORMAS TÉCNICAS. RT 06.01.a"

Transcrição

1 DIRETORIA GERAL GRUPO PERMANENTE DE NORMAS TÉCNICAS RT a USO E OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO DE RODOVIA SOB A CIRCUNSCRIÇÃO OU JURISDIÇÃO DO DER/MG Belo Horizonte, Janeiro, 2005

2 DIRETORIA GERAL GRUPO PERMANENTE DE NORMAS TÉCNICAS RT a USO E OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO DE RODOVIA SOB A CIRCUNSCRIÇÃO OU JURISDIÇÃO DO DER/MG GRUPO DE TRABALHO: Engº Adalberto Bahia DE/DCN Engº Eugênio Botinha DG/GPFD Engº Hélvécio Pereira Rondas DE/DCN Belo Horizonte, Janeiro, 2005

3 1. ORIGEM Esta Recomendação Técnica é baseada em estudos e observações desenvolvidos no DER/MG e fundamenta-se na Lei Federal nº 9.503, de 23/09/97 (Código de Trânsito Brasileiro), nas Leis Estaduais n os , de 21/01/94, , de 12/01/2000, , de 29/12/2003, no Decreto Estadual n.º , de 28/04/2000, no Regulamento do Uso ou Ocupação da Faixa de Domínio e Área Adjacente das Rodovias (RFDR), aprovado pelo Decreto Estadual nº , de 21/12/2004, em Portarias específicas do DER/MG e nas normas gerais da engenharia rodoviária. 2. OBJETIVO Esta Recomendação Técnica estabelece as exigências técnicas para a emissão de licença de uso ou ocupação das faixas de domínio de rodovias sob a circunscrição ou jurisdição do DER/MG, por serviços de terceiros, públicos ou particulares, resguardando a segurança do trânsito rodoviário e o meio-ambiente. 3. DEFINIÇÕES Para os efeitos desta recomendação são adotadas definições de caráter geral, de letra (a) à letra (h) e, de caráter específico, relativas à apresentação de projetos de linhas de energia elétrica, de letra (i) à letra (p), a saber: a) Licenciado Pessoa física, pessoa jurídica de direito privado ou órgão da administração pública e concessionária de serviço público que, no desempenho de suas atividades, necessite implantar e manter instalações específicas na faixa de domínio das rodovias sob a circunscrição ou jurisdição do DER/MG. 3/22

4 b) Faixa de Domínio É a área de terras onde se acha implantada a rodovia, cuja largura é fixada por Decreto de Utilidade Pública ou pelo Órgão Público responsável pela sua implantação ou operação. c) Serviços Públicos São as instalações implantadas e/ou mantidas por órgãos da administração pública ou concessionárias de serviço público. d) Serviços Particulares São as instalações implantadas e/ou mantidas por pessoas físicas ou jurídicas de direito privado. e) Licença de Uso ou Ocupação É a autorização concedida pelo DER/MG, remunerada ou não, mediante Termo de Licenciamento, para o uso ou ocupação de faixa de domínio de rodovia sob a sua circunscrição ou jurisdição, por serviços públicos ou particulares. f) Uso ou Ocupação de Faixa de Domínio É a utilização temporária ou permanente da faixa de domínio de uma determinada rodovia por instalações de serviços públicos ou particulares. A utilização pode ser pontual, quando se situar em ponto fixo da faixa de domínio, longitudinal, quando for paralela ao eixo da rodovia ou transversal, comumente chamada de travessia, quando for oblíqua ao eixo da rodovia, podendo ser aérea ou subterrânea nos casos devidamente previstos por esta Recomendação Técnica. g) Área Urbanizada É a área que apresenta vias em condições de tráfego permanente, com agrupamento de 4/22

5 edificações dispostas em seqüência regular, passeios, meios-fios e que é atravessada ou margeada por rodovia. h) Áreas Adjacentes São os terrenos lindeiros à faixa de domínio, com largura máxima de 15 (quinze) metros, contados do término da faixa, onde são proibidas construções de qualquer natureza, e que não sejam interrompidos por quaisquer acidentes naturais ou artificiais tais como rio, lago, via férrea, via marginal, avenida, rua e assemelhados. i) Linha de Energia Elétrica É a rota constituída por condutores de energia elétrica, acessórios elétricos, estruturas de sustentação (postes, torres) e dispositivos de proteção e balizamento. Pode ser aérea ou subterrânea, de transmissão (alta tensão) ou de distribuição (média ou baixa tensão), rural ou urbana. De acordo com as normas NBR 5410 e NBR da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, as redes elétricas classificam-se em: de Baixa Tensão: têm voltagem inferior ou igual a 1,0 KV (1000 V) de Média Tensão: têm voltagem superior a 1,0 KV (1000 V) e inferior a 36,2KV (36200V) de Alta Tensão: têm voltagem superior a 36,2 KV (36200 V) j) Altura Mínima de Linha É o afastamento vertical mínimo recomendado do condutor ao leito ou pista da rodovia. k) Vão de Linha Aérea É qualquer trecho de linha compreendido entre dois postes ou torres de sustentação. l) Flecha Máxima 5/22

6 É o afastamento vertical máximo entre a horizontal e o ponto central de um vão de linha aérea, calculado para a situação de temperatura admissível mais elevada. m) Distâncias de Segurança São os afastamentos mínimos obrigatórios do condutor e de seus acessórios energizados de qualquer ponto do terreno, da pista da rodovia e da cerca de vedação da faixa de domínio. n) Esconsidade de Linha É o ângulo formado entre a linha e a direção normal ao eixo da rodovia, nas travessias. o) Vão de Linha com Encabeçamento Mecânico É o vão de linha aérea em que os condutores são rigidamente fixados às estruturas de sustentação por dispositivos mecânicos. p) Coeficiente de Segurança Mecânica de Linha É a relação entre a carga de ruptura e a carga de trabalho aplicada ao condutor da linha. 4. CONDIÇÕES GERAIS 4.1. Os tipos de ocupação estabelecidos nesta Recomendação Técnica, são os seguintes: a) Linhas aéreas ou subterrâneas de telefonia convencional e cabos de fibra ótica; b) Polidutos (adutoras, oleodutos, gasodutos, galerias de esgotos, galerias de águas pluviais, tubulações diversas, etc.); c) Linhas de energia elétrica; d) Ocupações pontuais por torres e antenas A elaboração de projetos e as especificações técnicas relativas à implantação e à operação dos serviços, baseadas nas normas vigentes, são de inteira responsabilidade do interessado pela ocupação. 6/22

7 4.3. A implantação dos serviços dependerá da prévia análise da Coordenadoria Regional competente e aprovação dos projetos pela Diretoria de Engenharia do DER/MG. Para tal, o interessado deverá providenciar o preenchimento da solicitação constante do Anexo I, parte integrante desta Recomendação Todas as linhas de serviços a serem implantadas, aéreas ou subterrâneas, deverão ser identificadas com nome e código, caso este exista, devendo ainda ser apresentado o cronograma de execução dos trabalhos, bem como o nome e o número de registro do CREA do responsável pelo projeto, com sua assinatura e data de elaboração O DER/MG poderá exigir modificação ou complementação dos projetos apresentados, a seu critério e em qualquer tempo. O não atendimento da solicitação no prazo de 60 (sessenta) dias corridos, caso ainda persista o interesse na sua aprovação, acarretará o indeferimento do pedido Após o exame de toda a documentação e a conseqüente emissão do Relatório de Exame e Análise Prévia do Projeto pela Coordenadoria Regional envolvida, de acordo com a Instrução Normativa IN , de 05/10/2004 e aprovação do projeto pela Diretoria de Engenharia, o DER/MG providenciará a elaboração do Termo de Compromisso e Responsabilidade (TCR), a ser assinado pelo interessado e do Termo de Licenciamento (TLU), para que a Coordenadoria Regional competente autorize a instalação do dispositivo requerido O responsável pela implantação de qualquer projeto para uso ou ocupação da faixa de domínio deverá apresentar ao DER/MG, nos casos em que se fizerem necessários, o projeto de sinalização da obra, em conformidade com o disposto na Recomendação Técnica para a 7/22

8 Sinalização de Obras e Emergências, do DER/MG e no Código de Trânsito Brasileiro. Esta sinalização deverá estar inteiramente implantada antes do início da construção da travessia, devendo manter-se perfeitamente visível e legível até o final dos trabalhos, quando então deverá ser inteiramente removida Qualquer duto a ser implantado deverá situar-se a uma distância suficientemente segura de outros dutos já implantados ou de tubos de drenagem da rodovia A critério do DER/MG poderá ser autorizada a implantação de mais de um duto em uma mesma vala a ser construída, estabelecendo uma reserva técnica para ocupações futuras, por serviços de qualquer natureza, de acordo com o disposto no artigo 10 do Decreto Estadual nº , de 21/12/ Qualquer projeto para uso ou ocupação de faixa de domínio, apresentado ao DER/MG, deverá ser assinado por responsável técnico, devidamente identificado por nome e número de registro no CREA Todas as linhas longitudinais de serviços a serem implantados subterraneamente na faixa de domínio deverão se situar a uma profundidade mínima de 1 (um) metro e serem sinalizadas visivelmente Quando houver a destruição do pavimento ou de qualquer estrutura viária, o responsável deverá apresentar, de acordo com as normas técnicas em vigor no DER/MG, os projetos de reconstituição do pavimento, da drenagem, e de outros componentes que tiverem sido afetados, de modo a apresentar, após a reconstituição, qualidade igual ou superior à então existente. 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA A APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 8/22

9 5.1. Projetos de Linhas Aéreas ou Subterrâneas de Telefonia Convencional e Cabos de Fibra Óptica Uso ou Ocupação Longitudinal a) Deverão ser apresentados os croquis de localização mostrando, de forma esquemática e em escala conveniente, a posição da linha e de suas estruturas. Deverão ainda ser indicados, a rodovia, o trecho (pelo nome das localidades extremas), os quilômetros de localização ou extremos da ocupação, os bordos da plataforma, as linhas de "off-set" e, a largura e os limites da faixa de domínio. Na elaboração do projeto, o interessado deverá pesquisar previamente as linhas de serviço público já existentes (água, esgoto, energia elétrica, telefonia, etc.), bem como verificar o posicionamento de suas estruturas de sustentação e demais edificações localizadas na faixa de domínio. b) Toda estrutura de sustentação de linhas aéreas ou subterrâneas implantadas na faixa de domínio deverá, sempre que possível, situar-se a uma distância máxima de 2 (dois) metros do limite da faixa. c) Em áreas urbanizadas ou em áreas rurais com características urbanas, as estruturas de sustentação das linhas aéreas deverão ser instaladas a distâncias convenientemente seguras das bordas dos passeios, dos meios-fios ou das pistas de rolamento, sendo obrigatória a instalação de defensas metálicas semi-maleáveis simples em passeios laterais, ou duplas em canteiros centrais, de acordo com as normas NBR 6970 e NBR 6971 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT ou de acordo com a Recomendação Técnica RT-01.24, do DER/MG Uso ou Ocupação Transversal 9/22

10 a) No caso de travessia de qualquer linha aérea, deverão ser apresentadas, em escala conveniente (horizontal e vertical), a seção transversal da rodovia acompanhando o alinhamento da linha, além da indicação da seção e do número de fios, da tensão mecânica dos fios, dos valores máximos das flechas (calculadas para as situações mais desfavoráveis) das cotas do eixo e bordos da plataforma e das cristas de corte no local. b) As alturas mínimas dos fios nas travessias, em relação aos pontos de cota mais alta das plataformas, serão de 7 (sete) metros para as rodovias pavimentadas em zona rural e de 9 (nove) metros para as não pavimentadas. c) Em relação aos pontos de terreno natural da faixa de domínio, as alturas mínimas dos fios nas travessias serão de 5 (cinco) metros para as rodovias em zona rural, pavimentadas ou não. d) Não é de competência do DER/MG, a fixação dos valores de alturas mínimas de fios sobre segmentos interiores à faixa de domínio de vias urbanas ou acessos particulares que fazem entroncamento com as rodovias. e) Nas travessias subterrâneas deverão ser utilizadas camisas protetoras, a uma profundidade mínima de 1,0 (um) metro, medida entre o nível da pista de rolamento e a geratriz superior externa da camisa. f) Os poços de visita, as caixas subterrâneas e outros dispositivos, deverão estar localizados fora da faixa de domínio, a uma distância mínima de 5 (cinco) metros do limite da faixa nas rodovias pavimentadas e de 10 (dez) metros nas rodovias não pavimentadas. g) Nas travessias subterrâneas, o retorno da fiação à rede aérea deverá ser feito sempre 10/22

11 fora dos limites da faixa de domínio Projetos de Implantação Subterrânea de Polidutos (Adutoras, Oleodutos, Gasodutos, Galerias de Esgoto, Águas Pluviais e Tubulações Diversas) Uso ou Ocupação Longitudinal a) Deverão ser apresentados os croquis de localização mostrando, de forma esquemática e em escala conveniente, a posição da linha e de suas estruturas. Deverão ainda ser indicados, a rodovia, o trecho (pelo nome das localidades extremas), os quilômetros de localização ou extremos da ocupação, os bordos da plataforma, as linhas de "off-set" e, a largura e os limites da faixa de domínio. Na elaboração do projeto, o interessado deverá pesquisar previamente as linhas de serviço público já existentes (água, esgoto, energia elétrica, telefonia, etc.), bem como verificar o posicionamento de suas estruturas de sustentação e demais edificações localizadas na faixa de domínio. b) Os dutos deverão ser sempre implantados subterraneamente, em valas escavadas a céu aberto ou, preferencialmente, por método não destrutivo do terreno adjacente, podendo para isto ser necessária a realização de sondagens prévias. c) A profundidade mínima dos dutos nas ocupações longitudinais deverá ser de 1 (um) metro, medida a partir da geratriz superior dos mesmos, devendo o reaterro das valas ser feito com solo adequado e, compactado em camadas de até 20 (vinte) centímetros de espessura. d) Nas ocupações longitudinais, as linhas de dutos deverão obrigatoriamente ter o seu posicionamento sinalizado de forma bastante visível, para que possa permitir a sua posterior localização. 11/22

12 e) Nas ocupações próximas à obras de arte especiais, a linha de dutos deverá se situar o mais longe possível das fundações, devendo ficar acima das cotas de fundo dos apoios das fundações. f) Não serão permitidas, em princípio, a ocupação de canteiros centrais, acostamentos e obras de arte especiais (pontes e viadutos) por linhas de dutos. Caso não haja outra alternativa, o interessado deverá justificar tecnicamente o pedido, que poderá ser deferido em caráter excepcional pelo DER/MG Uso ou Ocupação Transversal a) Na travessia de qualquer duto, deverá ser apresentada a seção transversal da rodovia acompanhando o alinhamento do mesmo, em escalas convenientes (horizontal e vertical), mostrando os registros de segurança, a declividade, as cotas do eixo e dos bordos da rodovia, a profundidade do aterramento e o berço de assentamento. b) Nas travessias, os dutos deverão ser encamisados de acordo com as normas da ABNT, e situados a uma profundidade mínima de 1,0 (um) metro, medida a partir da geratriz superior do tubo-camisa. Em casos excepcionais, a critério do DER/MG, o encamisamento poderá ser dispensado se for constatada, através de ensaios ou laudos técnicos idôneos, a resistência do duto aos esforços oriundos do tráfego. c) O tubo-camisa deverá ser, preferencialmente, cravado por método não destrutivo do pavimento. No entanto, dependendo da classe, do volume médio diário de tráfego e do estado de conservação do pavimento da rodovia, a abertura da vala correspondente poderá ser aceita pelo DER/MG, a seu critério. d) O comprimento do tubo-camisa deverá ser, no mínimo, igual ao do "off-set", acrescido de 12/22

13 1 (um) metro para cada lado. e) Próximo às linhas de "off-set" deverão ser instalados registros de segurança, para a manutenção rotineira das instalações e, para o caso de eventuais acidentes. f) As travessias deverão ser providas de, pelo menos, um poço de inspeção em uma de suas extremidades. g) Os trabalhos de construção, reparos e manutenção de travessias não poderão prejudicar o tráfego da rodovia, exceto nos casos previamente autorizados pelo DER/MG. h) O Licenciado se responsabilizará pela continuidade do tráfego da rodovia durante todo o período de execução das obras, sendo permitida apenas a sua interrupção temporária por pequenos intervalos de tempo. i) O local das obras deverá ser inteiramente recomposto após o término dos serviços, não sendo permitida a presença de ressaltos, depressões ou quaisquer outras alterações na superfície de rolamento. Deverá ser ainda efetuada a remoção total de entulhos, restos de materiais, a lavagem das pistas pavimentadas e a eliminação de quaisquer problemas que possam comprometer a segurança do tráfego e a configuração estética do local. j) Durante a implantação ou manutenção das travessias, não deverá ser executado empréstimo ou bota-fora de materiais dentro dos limites da faixa de domínio, devendo o material escavado ser depositado em locais que não prejudiquem a drenagem e o tráfego da rodovia, sendo obrigatória a recomposição natural e o recobrimento vegetal dos locais que tiverem sofrido modificação durante a execução dos trabalhos Projetos de Ocupação Pontual por Torres e Antenas a) Deverão ser apresentados os croquis de localização mostrando, de forma esquemática e 13/22

14 em escala conveniente, a posição das estruturas. Deverão ainda ser indicados, a rodovia, o trecho (pelo nome das localidades extremas), os quilômetros de localização ou extremos da ocupação, os bordos da plataforma, as linhas de "off-set" e a largura e os limites da faixa de domínio. Na elaboração do projeto, o interessado deverá pesquisar previamente as linhas de serviço público já existentes (água, esgoto, energia elétrica, telefonia, etc.), bem como verificar o posicionamento de suas estruturas de sustentação e demais edificações localizadas na faixa de domínio. b) Todas as estruturas a serem implantadas na faixa de domínio deverão, sempre que possível, situar-se a uma distância máxima de 2 (dois) metros do limite da faixa e a uma distância mínima de 9 (nove) metros das bordas do acostamento. c) Será obrigatória a instalação de defensas metálicas, semi-maleáveis, simples ou duplas ou outro dispositivo de contenção viária, de acordo com as normas NBR-6970 e NBR 6971 da ABNT ou de acordo com a Recomendação Técnica RT-01.24, do DER/MG Projetos de Linha de Energia Elétrica Uso ou Ocupação Longitudinal Os projetos para linhas a implantar ou remanejar, deverão conter: a) Croquis de localização mostrando, de forma esquemática e em escala conveniente: a sigla da rodovia; trecho (pelo nome das localidades extremas); os bordos da plataforma: as linhas de off-set ; a largura e os limites da faixa de domínio; 14/22

15 as estruturas de sustentação e demais edificações pertinentes aos serviços públicos já existentes (água, esgoto, energia elétrica, telefonia, etc.); b) o nome da linha e seu código, caso este exista; c) a tensão nominal da linha; d) o cronograma de execução dos trabalhos; e) o nome, o número de registro no CREA e a assinatura do responsável pelo projeto; f) a aprovação do projeto elétrico pela concessionária, através de carimbo contendo o nome e o número de registro no CREA do responsável pela aprovação, bem como sua assinatura; g) a data de elaboração do projeto Em áreas urbanizadas ou em áreas rurais com características urbanas as estruturas de sustentação das linhas aéreas deverão ser instaladas à distâncias convenientemente seguras das bordas dos passeios, dos meios-fios ou das pistas de rolamento, sendo obrigatória a instalação de defensas metálicas semi-maleáveis, simples em passeios laterais, ou duplas em canteiros centrais, de acordo com as normas NBR-6970 e NBR-6971, da ABNT ou de acordo com a Recomendação Técnica RT-01.24, do DER/MG Todas as estruturas de sustentação de linhas implantadas na faixa de domínio deverão, sempre que possível, situar-se a uma distância máxima de 2 (dois) metros do limite da faixa Travessias Aéreas a) Nas travessias aéreas, além dos elementos mencionados no sub-item , deverá ainda ser apresentada a seção transversal da rodovia acompanhando a linha, em 15/22

16 escalas convenientes (horizontal e vertical), contendo: a indicação da seção e do número de condutores; a tensão mecânica dos condutores; a tensão nominal da corrente nos condutores; valor e a posição da flecha máxima; as cotas do eixo e bordos da plataforma; as cotas das cristas de corte e/ou pés de aterro. b) As alturas mínimas dos condutores nas travessias aéreas, em relação aos pontos de cota mais alta das plataformas, deverão ser de 7 (sete) metros para rodovias pavimentadas e de 9 (nove) metros para as não pavimentadas. c) Em relação aos pontos do terreno natural da faixa de domínio, as alturas mínimas dos condutores nas travessias aéreas deverão ser de 7 (sete) metros, para as rodovias pavimentadas ou não. d) Não é da competência do DER/MG, a fixação dos valores de alturas mínimas de condutores sobre segmentos interiores às faixas de domínio de vias urbanas ou acessos particulares, que fazem entroncamento com as rodovias. e) Nas travessias aéreas, os vãos das linhas deverão ter encabeçamento mecânico e coeficiente de segurança mecânica mínimo igual a 3 (três) Travessias Subterrâneas a) Na impossibilidade de uso de método não destrutivo, deverão ser utilizados tubos-camisa de concreto armado com diâmetro compatível com o número de eletrodutos a conduzir, instalados a uma profundidade mínima de 1,0 (um) metro, contada do nível da pista de 16/22

17 rolamento à geratriz superior externa dos tubos, e comprimento igual ao do off-set, acrescido de 1 (um) metro para cada lado. b) Nas travessias subterrâneas, o retorno da fiação à rede aérea deverá ser feito a uma distância mínima de 5 (cinco) metros, contada do pé do aterro ou crista de corte situado no alinhamento da travessia. c) Nos projetos de travessias subterrâneas deverão ser indicados os elementos mencionados no sub-item , além das cotas do eixo dos bordos da plataforma das cristas de corte ou pés de aterro Iluminação de Rodovias, Áreas Urbanizadas e Interseções a) O projeto deverá descrever os serviços necessários à execução da obra, incluindo o cronograma executivo, e conter o cadastro da faixa de domínio (fachadas de benfeitorias existentes, divisas de terrenos, canteiros centrais, meios-fios), além dos elementos mencionados no sub-item b) Para as interseções, deverão ser mostrados, em escala conveniente, todos os elementos geométricos em planta (pistas de giro, canteiros, gotas, ilhas e rótulas), os elementos de projeto em perfil (faixas de tráfego, acostamentos, drenagem superficial, canteiros, taludes, etc.). Detalhes importantes deverão ser mostrados separadamente, de forma clara e legível. 6. CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Os critérios descritos a seguir se referem, no que couber, a todos os tipos de utilização longitudinal ou transversal da faixa de domínio previstos nesta Recomendação Técnica. 17/22

18 6.1. Não será permitida, em nenhuma hipótese, a ocupação de canteiros centrais, ilhas e canteiros de trevos e acostamentos por linha aérea, podendo, no entanto, ser permitida em caso excepcional, devidamente justificado, a linha subterrânea. 6.2 Em casos de necessidade de ocupação longitudinal das estruturas de obras de arte especiais (pontes e viadutos), o interessado deverá consultar o DER/MG preliminarmente. As solicitações serão analisadas, caso a caso, e o próprio DER/MG orientará a execução mais adequada dos serviços Os processos construtivos das travessias subterrâneas deverão ser, sempre que possível, de natureza não destrutiva do corpo estradal, com utilização de camisas protetoras de acordo com as normas da ABNT, a uma profundidade mínima 1,0 (um) metro e comprimento mínimo igual ao do off-set acrescido de 1 (um) metro para cada lado. O DER/MG poderá, a seu critério, dispensar o encamisamento em locais onde existirem obstáculos de difícil remoção ou riscos de dano a estruturas ou dispositivos já implantados As travessias não poderão estar localizadas em áreas de vegetação relevante, nem em sítios de valor arqueológico, espeleológico ou científico, devendo ser observada a legislação vigente, especialmente a que trata do meio-ambiente As travessias deverão ser, sempre que possível, normais aos eixos das rodovias tolerando-se em casos excepcionais, devidamente justificados, uma esconsidade máxima de 30º (trinta) graus em relação à direção normal ao eixo 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 7.1. A licença para a ocupação longitudinal, transversal ou pontual da faixa de domínio será concedida a título precário, podendo, por exigência técnica ou interesse público, ser 18/22

19 cancelada a qualquer tempo, não cabendo ao Licenciado qualquer reembolso, indenização ou compensação No caso de cancelamento da licença, o Licenciado deverá fazer a devolução da área ocupada no prazo estabelecido pelo DER/MG, devendo esta estar livre, desimpedida e nas mesmas condições em que foi recebida. A restituição deverá ser formalizada mediante Termo de Recebimento, após vistoria da faixa de domínio, o que será feito em conjunto, pelo DER/MG e pelo Licenciado A licença não exime o Licenciado da responsabilidade por danos e prejuízos que por si ou por seus prepostos venham a causar às rodovias, ao DER/MG ou a terceiros, incluindo o meio-ambiente, advindos da implantação, da operação ou da manutenção de suas instalações O Licenciado obriga-se a remanejar ou executar às suas expensas, qualquer modificação das instalações em virtude de obras que o DER/MG necessite implantar na rodovia durante o período da licença. Para tal, o DER/MG deverá notificar o Licenciado para a execução das modificações solicitadas em prazo determinado Não cumprido o prazo estabelecido para o atendimento da solicitação referida no subitem anterior contado a partir da notificação, ficará o Licenciado sujeito a indenizar o DER/MG, caso este seja compelido a executar estes serviços ou solicitar a sua execução por terceiros Durante a implantação de projetos de maior complexidade, o Licenciado elaborará relatório de situação, sintetizando o estágio de realização da obra, com periodicidade a ser determinada pelo DER/MG. 19/22

20 7.7. Concluídas as obras de implantação longitudinal, o Licenciado enviará ao DER/MG o projeto "as-built" da implantação Quando se verificar caso fortuito ou motivo devidamente justificado, que impeça a implantação do projeto dentro do prazo estabelecido em cronograma, este poderá ser prorrogado, a critério do Diretor de Engenharia do DER/MG, mediante requerimento do Licenciado acompanhado de um novo cronograma de obras Não será permitida a construção, por pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado, de qualquer edificação na faixa de domínio e nas áreas adjacentes às rodovias, exceto em casos excepcionais, quando houver necessidade de implantar construções do próprio DER/MG ou de entidades da administração estadual ou federal A partir do término das obras de implantação, toda e qualquer modificação que se fizer necessária deverá ser apresentada em projeto e submetida à aprovação do DER/MG É vedada ao Licenciado a locação ou cessão de suas instalações para uso de serviços de terceiros sem prévia autorização do DER/MG, sob pena de cancelamento da licença São isentas da TFDR as ocupações longitudinais e transversais por redes aéreas ou subterrâneas de energia elétrica de baixa tensão, linhas telefônicas convencionais, linhas de telecomunicações (incluindo cabos de fibra óptica), por adutoras e por emissários de esgoto que visem atender, na condição de consumidores finais, a pessoas físicas proprietárias de imóveis lindeiros às rodovias, além das linhas de energia elétrica ou de telefonia destinadas a aumentar a segurança viária, incluindo a iluminação e energização de postos de pesagem, de pedágio, de semáforos e de outras instalações públicas, de acordo com os artigos 31 e 32, do decreto Estadual nº , de 21/12/ /22

21 7.13. Os casos omissos ou particulares serão resolvidos pelo Diretor Geral do DER/MG. 8. VIGÊNCIA Esta Recomendação Técnica entra em vigor no dia 03 de Janeiro de 2005, revogando as disposições em contrário e, especialmente a RT-06.01, de 21/05/ /22

22 Ilmo. Sr. ANEXO I SOLICITAÇÃO PARA USO E OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO DE RODOVIA SOB A Coordenador da CRG do DER/MG Endereço: Prezado Senhor, (nome) com sede à (endereço) (CGC ou CPF), vem pela presente solicitar de V.S a, a devida autorização para a ocupação da faixa de domínio da(s) Rodovia(s) _(sigla)_, Trecho(s), entre os km e, para a instalação de: (discriminar as instalações desejadas) Esclarecemos que conhecemos o contido no Decreto Estadual nº , de 21/12/2004 e na "RT a Uso e Ocupação da Faixa de Domínio nas Rodovias sob a Circunscrição ou Jurisdição do DER/MG" e, nos comprometemos a respeitar e cumprir todos os itens nela contidos. Para que seja procedida a análise técnica de nossa proposição, anexamos à presente solicitação a documentação abaixo relacionada, conforme estabelecido na referida Recomendação Técnica: (discriminar a documentação requerida). Sem mais para o momento, aguardamos o pronunciamento do DER/MG a respeito do assunto. Atenciosamente, (assinatura do representante legal) 22/22

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA USO DA FAIXA DE DOMÍNIO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA USO DA FAIXA DE DOMÍNIO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo DIRETORIA DE PLANEJAMENTO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA USO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1. OBJETIVO Padronizar os procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de adutoras de água e emissário de esgoto nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto

Leia mais

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas;

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas; 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de telecomunicações (cabos metálicos ou de fibras ópticas) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Denominação do Ato: INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Ocupação das Faixas de Domínio das Rodovias Sob Jurisdição do DER/AL

Denominação do Ato: INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Ocupação das Faixas de Domínio das Rodovias Sob Jurisdição do DER/AL 1-1 - I.0. OBJETIVO Esta Instrução Normativa tem por objetivo, padronizar os procedimentos técnicoadministrativos para a ocupação da faixa de domínio das rodovias estaduais e federais delegadas por empresas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS SOB JURISDIÇÃO DO DER/DF 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE INSTALAÇÕES OU OBRAS DE TERCEIROS, PÚBLICOS OU PARTICULARES, NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS ESTADUAIS

DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE INSTALAÇÕES OU OBRAS DE TERCEIROS, PÚBLICOS OU PARTICULARES, NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS ESTADUAIS DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE INSTALAÇÕES OU OBRAS DE TERCEIROS, PÚBLICOS OU PARTICULARES, NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS ESTADUAIS OBJETIVOS As presentes diretrizes dispõem sobre a autorização para

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS JOÃO BATISTA DOS REIS SANTOS UTILIZAÇÃO DE FAIXAS DE DOMÍNIO DE RODOVIAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS JOÃO BATISTA DOS REIS SANTOS UTILIZAÇÃO DE FAIXAS DE DOMÍNIO DE RODOVIAS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS JOÃO BATISTA DOS REIS SANTOS UTILIZAÇÃO DE FAIXAS DE DOMÍNIO DE RODOVIAS 2009 JOÃO BATISTA DOS REIS SANTOS UTILIZAÇÃO DE FAIXAS DE DOMÍNIO DE RODOVIAS Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES ÁREA: OPERAÇÕES ASSUNTO: OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO HISTÓRICO

ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES ÁREA: OPERAÇÕES ASSUNTO: OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO HISTÓRICO : Recuo: À esquerda: 0 cm, Primeira linha: 0 cm, À direita: 0 cm, Hifenizar, Tabulações: Não em 1,5 cm ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES ÁREA: OPERAÇÕES ASSUNTO:

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº IN005 ÁREA: OPERAÇÕES

ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº IN005 ÁREA: OPERAÇÕES ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL DE INSTRUÇÕES ÁREA: OPERAÇÕES ASSUNTO: HISTÓRICO PROTOCOLO Nº DESCRIÇÃO DELIBERAÇÃO Nº DATA 7.872.461-7 APROVAÇÃO 104/2011 12/06/2011 EM VIGÊNCIA

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O USO E OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O USO E OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O USO E OCUPAÇÃO DA 1 Objetivo Padronizar os procedimentos técnico-administrativos a serem efetuados para: 1.1 Concessão de acessos a propriedades marginais às rodovias; 1.2.

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS 1.0 As presentes instruções aplicam-se aos acessos de quaisquer propriedades às rodovias estaduais. 1.1 O acesso depende de autorização do DER/SC.

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A FIXAÇÃO DE PUBLICIDADE OU DE QUAISQUER LEGENDAS E SÍMBOLOS AO LONGO DAS RODOVIAS ESTADUAIS E FEDERAIS DELEGADAS.

REGULAMENTO SOBRE A FIXAÇÃO DE PUBLICIDADE OU DE QUAISQUER LEGENDAS E SÍMBOLOS AO LONGO DAS RODOVIAS ESTADUAIS E FEDERAIS DELEGADAS. Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo REGULAMENTO SOBRE A FIXAÇÃO DE PUBLICIDADE OU DE QUAISQUER LEGENDAS E SÍMBOLOS AO LONGO DAS RODOVIAS ESTADUAIS E FEDERAIS DELEGADAS. DO OBJETIVO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA

INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA Estas instruções regulamentam e estabelecem condições para a fixação de engenhos publicitários

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.0 SEÇÃO 3.0: AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS APROVAÇÃO: Em 1/06/1978 às fls. 197 dos autos 14.795/DER/197

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11 TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E Em atenção à solicitação de autorização para construção de Travessia Subterrânea ou Apoio, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO DNIT /2009 NORMA DNIT - PRO Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Decreto Nº 30.374, de 12 de setembro de 1989 12/09/1989. Aprova o regulamento de autorização de acesso pelas rodovias estaduais aos terrenos lindeiros às suas faixas de domínio, onde se instalem estabelecimentos

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras FASCÍCULO Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para elaboração de Projeto Civil de entradas consumidoras que envolvam a implantação de obras civis subterrâneas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Caxias do Sul 2015 1 Sumário 1 REDES DE ÁGUA... 3 1.1 Assentamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Ref.: Expediente nº 9-30.005/DP/2000 PORTARIA SUP/DER-420-27/10/2000 Aprova o regulamento para a permissão de uso da Faixa de Domínio, para implantação e utilização de dispositivos destinados a serviços

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração LEI Nº. 5.126 De 04 de janeiro de 2007. Dispõe sobre a colocação e a permanência de caçambas para a coleta de resíduos inorgânicos nas vias e logradouros públicos do município de Ourinhos. A Câmara Municipal

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES 29.09.2000 3/18 PÁG. 1. OBJETIVO... 3/18 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3/18 3. S COMPLEMENTARES... 3/18 4. TERMINOLOGIA...

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II Incorporação de Redes Particulares de Distribuição de Energia Elétrica Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Planejar o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.001

Leia mais

DER/PR ES-OC 13/05 OBRAS COMPLEMENTARES: MEIOS-FIOS

DER/PR ES-OC 13/05 OBRAS COMPLEMENTARES: MEIOS-FIOS OBRAS COMPLEMENTARES: MEIOS-FIOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

Parágrafo único. A instalação dos equipamentos e mobiliários referidos no art. 2º desta Lei deverá respeitar o direito à paisagem.

Parágrafo único. A instalação dos equipamentos e mobiliários referidos no art. 2º desta Lei deverá respeitar o direito à paisagem. LEI Nº 13.516, de 04 de outubro de 2005 Dispõe sobre a exploração da utilização e da comercialização, a título oneroso, das faixas de domínio e das áreas adjacentes às rodovias estaduais e federais delegadas

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem

Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem 2005 Introdução O DER/SP cresceu vertiginosamente e, em pleno século 21, já se vê à frente de um novo cenário

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO PREFEITURA MUNICIPAL DE ASCURRA ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 83.102.772/0001-61 PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO LOCAL: EM PARTE DA RUA RIBEIRÃO SÃO PAULO CONTEÚDO:

Leia mais

A DIRETORIA EXECUTIVA DA AGÊNCIA DE TRANSPORTES E OBRAS AGETOP,

A DIRETORIA EXECUTIVA DA AGÊNCIA DE TRANSPORTES E OBRAS AGETOP, A DIRETORIA EXECUTIVA DA AGÊNCIA DE TRANSPORTES E OBRAS AGETOP, no uso das atribuições que lhe são conferidas mediante Artigo 19 da Lei Estadual nº 14.408 de 21 de Janeiro de 2003, RESOLVE: REGULAMENTAR

Leia mais

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas

Anexo - IV. Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Anexo - IV Manual de Contratação de Serviços de Construção de Infra-estrutura de Redes de Fibras Ópticas Elaborado por: Data : 30/06/2005 Revisado por: Data: / / Fanton & Fanton Unidade Administrativa:

Leia mais

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES ANEXO 1 COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia - 2 - COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS

CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS - 2 - Engº Marcos Augusto Jabor 2 PROJETO DE DRENAGEM Normas ( Diâmetros mínimos e máximos, carga hidráulica, velocidades máximas); Materiais (tubos); Drenagem Superficial

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NP007 PROJETO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Revisão:03 Mai/09 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...4 5. Métodos e procedimentos de execução...4 5.1 Estudos preliminares... 4 5.2 Lançamento

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Proposta de equacionamento de conflito ambiental e urbanístico: plantio de eucalipto na faixa lateral

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EQUIPE TÉCNICA: Resolução nº 11 CA/DNIT, de 27/03/2008 D.O.U 11/04/2008 Processo 50600.002004/2003-92 32ª Reunião Ordinária

EQUIPE TÉCNICA: Resolução nº 11 CA/DNIT, de 27/03/2008 D.O.U 11/04/2008 Processo 50600.002004/2003-92 32ª Reunião Ordinária MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA A PERMISSÃO ESPECIAL DE USO DAS FAIXAS DE DOMÍNIO DE RODOVIAS FEDERAIS E OUTROS BENS PÚBLICOS SOB JURISDIÇÃO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT

Leia mais

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Os dispositivos de sinalização semafórica devem ser implantados segundo critérios de projeto, de modo que a informação resultante para os condutores de veículos

Leia mais

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas.

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. ELABORADO PELO GRUPO FORMADO PELO SINDUSCON, SECOVI, CBIC, LOCADORES,

Leia mais

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais