Ocorrência do canário-rasteiro, Sicalis citrina (Passeriformes: Emberizidae) na Serra do Itatiaia: um registro inédito para a avifauna fluminense.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ocorrência do canário-rasteiro, Sicalis citrina (Passeriformes: Emberizidae) na Serra do Itatiaia: um registro inédito para a avifauna fluminense."

Transcrição

1 Ocorrência do canário-rasteiro, Sicalis citrina (Passeriformes: Emberizidae) na Serra do Itatiaia: um registro inédito para a avifauna fluminense. Bruno Rennó¹, Marco Antonio Rego, Marina Somenzari, Tatiana Pongiluppi & Luciano Lima. 1- Correspondência para o primeiro autor: Incluído na Família Emberizidae, o gênero Sicalis é representado por 12 espécies tipicamente campestres que se distribuem desde o sul da América do Norte até o sul da América do Sul. No Brasil ocorrem quatro espécies: Sicalis citrina, Sicalis columbiana, Sicalis flaveola e Sicalis luteola (Ridgely & Tudor 1989, Sick 1997, Silveira e Méndez 1999, Sigrist 2007, CBRO 2009). O canário-rasteiro (Sicalis citrina Pelzeln, 1870) é uma espécie restrita a América do Sul, distribuindo-se de forma disjunta ao longo da sua área de ocorrência (Ridgely & Tudor 1989, Sick 1997). Está presente em regiões montanhosas, geralmente entre 1000 e 3000 metros de altitude, desde as Guianas até a Argentina. No Brasil pode ser encontrado nos Estados de Roraima, Pará, Mato Grosso, Piauí, Bahia, Goiás e Paraná; em Minas Gerais, pode ser encontrada nas regiões central, leste e sul (Vasconcelos 2007) e, no estado de São Paulo está presente na região centro-sul principalmente (Sick 1997, Willis & Oniki 2003). Sicalis citrina habita, sobretudo, regiões associadas ao Bioma Cerrado e áreas de transição. (Ridgely & Tudor 1989, Sick 1997, Silveira e Méndez 1999, Sigrist 2007, Vasconcelos 2007). A espécie frequenta campos rupestres, campos de altitude, campos limpos, campos cerrados e os cerrados abertos. Sua alimentação é predominantemente granívora. Semelhante a outras espécies do gênero (e.g. Sicalis luteola), o canário-rasteiro apresenta hábitos migratórios e, embora estes movimentos ainda não sejam bem compreendidos, indícios sugerem que tais deslocamentos podem estar associados a sazonalidade das chuvas (Braz 2008). Vasconcelos et al. (2007, 2008) sugerem que haja uma sincronia da estação reprodutiva de Sicalis citrina com a estação chuvosa nos campos rupestres e campos de altitude das Serras de Minas Gerais.

2 No presente trabalho é divulgado um registro de Sicalis citrina para o Parque Nacional do Itatiaia, o qual representa o primeiro registro da espécie para o Estado do Rio de Janeiro. Em 27 de Setembro de 2008 às 11:35 h, durante uma saída de campo para a investigação da avifauna do Parque Nacional do Itatiaia, os autores tiveram a oportunidade de registrar um indivíduo de Sicalis citrina em uma área de campos altimontanos com afloramentos rochosos, à 2400 metros de altitude. O local do registro ( S, W) situa-se próximo à Pedra do Camelo, dentro dos domínios do Parque Nacional do Itatiaia, no município de Itatiaia RJ (Figura 1). Na ocasião, o indivíduo pôde ser rapidamente observado com o auxílio de binóculos Nikon Monarch (10x42) e, chamados de sua vocalização foram gravados utilizando gravador digital Marantz PMD 660 equipado com microfone direcional Sennheiser ME66 (figura 2). Precedendo o nosso registro, as únicas menções conhecidas da ocorrência do canário-rasteiro na Serra da Mantiqueira são para o Parque Estadual do Ibitipoca e para o Parque Estadual da Serra do Papagaio, ambos os locais situados no estado de Minas Gerais (Pacheco et al. 2009, Vasconcelos et al. 2007). Cabe destacar, que o encontro recente desse notável elemento campestre no Parque Estadual da Serra do Papagaio, a cerca de 2110 m de altitude, no município de Aiuruoca MG, distante 37 km ao Sul da Serra do Itatiaia, motivou Vasconcelos et. al. (2007), dada a proximidade das localidades, a aventarem a possibilidade da ocorrência da espécie nos campos de altitude da Serra do Itatiaia, vindo nosso registro de encontro as suas expectativas. Considerado como uma área importante para conservação das aves no país (Bencke et Al., 2006), o Parque Nacional do Itatiaia constitui um importante reduto para avifauna das montanhas do sudeste do Brasil, sendo a unidade de conservação mais antiga da federação. Sua ornitofauna já foi amplamente estudada por diversos autores (Holt 1928, Pinto 1954, Barth 1957, Parker & Goerck 1997, Lima & Rennó 2009), e o registro de Sicalis citrina, constitui o primeiro registro da espécie para esta unidade de conservação. Além disso, esse registro representa também o primeiro para o Estado do Rio de Janeiro, contribuindo para o aumento do conhecimento qualitativo sobre a avifauna fluminense.

3 Por apresentar tendências a realizar movimentos migratórios, a presença da espécie nos campos de altitude da Serra do Itatiaia, pode estar associada a deslocamentos exploratórios em busca de novos sítios para alimentação e/ou reprodução, ou mesmo representar um indivíduo vagante desviado das rotas habituais da espécie. A realização de mais estudos envolvendo Sicalis citrina e sua ocorrência na Serra da Mantiqueira, é de grande importância para que haja um melhor conhecimento à cerca do seu comportamento e para a elucidação dos deslocamentos sazonais dessa espécie, contribuindo, com isso, num melhor entendimento da história natural do canário-rasteiro. Agradecimentos: Somos extremamente gratos aos amigos José Fernando Pacheco e Vitor Torga Lombardi. Ao primeiro, pela confirmação da identificação dos chamados gravados de Sicalis citrina e, ao segundo, pela revisão e sugestões feitas ao manuscrito. Referências Bibliográficas: Barth, R. (1957) A fauna do Parque Nacional do Itatiaia. Boletim do Parque Nacional de Itatiaia 6: Bencke, G. A., Maurício, G. N., Develey, P. F. &Goerck, J. M. (2006) Áres importantes para a conservação das aves no Brasil: parte I estados do domínio da Mata Atlântica. São Paulo: SAVE Brasil. Braz, V. S. (2008) Ecologia e Conservação das aves campestres do Bioma Cerrado. Dissertação de doutorado em Ecologia. Instituto de Ciências Biológicas. Universidade de Brasília. Brasília, DF. CBRO Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (2007) Lista das aves do Brasil. Versão 9/8/2009. Disponível em <http:// Acesso em: 20/10/2009. Holt, E. (1928) An ornithological survey of the serra do Itatiaia, Brazil. Bulletin of the American Museum of Natural History 57: Lima, L. M. & B. Rennó (2009) As aves do Parque Nacional do Itatiaia 55 anos após Olivério Pinto. p.88. In: Resumos XVII Congresso Brasileiro de Ornitologia. SESC de Praia Formosa, Aracruz, ES. Pacheco, J. F., R. Parrini, L. E. Lopes & M. F. Vasconcelos. A avifauna do Parque Estadual do Ibitipoca e áreas adjacentes, Minas Gerais, Brasil, com uma revisão crítica dos registros prévios e comentários sobre biogeografia e conservação. Cotinga 30: Parker, T. A. III & Goerck, J. M. (1997). The importance ofnational parks and biological reserves to bird conservation in the Atlantic forest region of Brazil. In:

4 REMSEN JR., J. V. ed. Studies in Neotropical Ornithology honoring Ted Parker. Washington, American Ornithologists Union. p (Ornithological Monographs, 48). Pinto, O. M. O. (1954) Aves do Itatiaia. Lista remissiva e novas achegas à avifauna da região. Boletim do Parque Nacional de Itatiaia 3:1-87. Ridgely, R. S. & G. Tudor (1989). The Birds of South America. Vol. 1. The Oscines Passerines. Austin: University of Texas Press. Sick, H. (1997) Ornitologia Brasileira. Edição revista e ampliada por José Fernando Pacheco. Rio de Janeiro. Ed. Nova Fronteira. Sigrist, T. (2007) Aves do Brasil: uma visão artística. São Paulo: avisbrasilis. Silveira, L. F. & A. C. Méndez (1999). Caracterização das formas brasileiras do gênero Sicalis (Passeriformes, Emberezidae). Atualidades Ornitológicas 90: 6-8. Vasconcelos, M. F. & E. Endrigo (2008) O canário-rasteiro (Sicalis citrina) nas serras de Minas Gerais: notas adicionais. Atualidades Ornitológicas 141: Vasconcelos, M. F., V. T. Lombardi & S. D'Angelo Neto (2007) Nota Sobre o canáriorasteiro (Sicalis citrina) nas Serras de Minas Gerais, Brasil. Atualidades Ornitológicas 140: 6-7 Willis, E. O. & Oniki, Y Aves do Estado de São Paulo. Rio Claro, Divisa.

5 Figura 1: Aspecto dos campos de altitude com afloramentos rochosos, à 2400 metros de altitude, imediações da Pedra do Camelo, Parque Nacional do Itatiaia. Foto: Luciano Lima. Figura 2: Sonograma da vocalização espontânea de Sicalis citrina gravada nos campos altimontanos do Parque Nacional do Itatiaia, Itatiaia, Rio de Janeiro. Sonograma produzido utilizando o programa Raven Lite versão 1.0 (Cornell Lab of Ornithology).

Ornitofauna em consultoria ambiental

Ornitofauna em consultoria ambiental Ornitofauna em consultoria ambiental Prof. Dr. Alexandre Gabriel Franchin Contato: Email: agfranchin@hotmail.com Tel: (34) 32182243 (ramal 220) Universidade Federal de Uberlândia UFU Instituto de Biologia

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

IV ENCONTRO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA I FÓRUM DE DEBATES SOBRE A PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA 07 a 11 de maio de 2012

IV ENCONTRO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA I FÓRUM DE DEBATES SOBRE A PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA 07 a 11 de maio de 2012 LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA AVIFAUNA NA ÁREA DO IFMT CAMPUS JUÍNA MT: UMA PROPOSTA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR Edilson Luiz Cândido 1 Ronaldo Almeida de Souza 2 Romário Almeida de Souza 3 RESUMO A destruição

Leia mais

Primeiro registro fotográfico do desenvolvimento de ninhegos de tapaculo de colarinho

Primeiro registro fotográfico do desenvolvimento de ninhegos de tapaculo de colarinho Primeiro registro fotográfico do desenvolvimento de ninhegos de tapaculo de colarinho ISSN 1981-8874 9 771981 887003 0 0 1 4 1 1 Texto: Mieko Ferreira Kanegae e 2 Marina Telles Marques da Silva 3 Imagens:

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Registro da Ocorrência de Siricora-Mirim (Laterallus viridis) em Dourados, MS

Registro da Ocorrência de Siricora-Mirim (Laterallus viridis) em Dourados, MS ISSN 1679-043X Novembro, 2005 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 73 Registro da Ocorrência de Siricora-Mirim (Laterallus

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 AVIFAUNA DA REGIÃO DE CARRANCAS: RESULTADOS PRELIMINARES VITOR TORGA LOMBARDI 1, KASSIUS KLAY SANTOS 2, ARIANA DIAS EPIFÂNIO 3, RAISA GONÇALVES FAETTI 4, SANTOS D ANGELO NETO 5 RESUMO O estado de Minas

Leia mais

A avifauna das florestas de restinga de Itanhaém/Mongaguá, Estado de São Paulo, Brasil

A avifauna das florestas de restinga de Itanhaém/Mongaguá, Estado de São Paulo, Brasil A avifauna das florestas de restinga de Itanhaém/Mongaguá, Estado de São Paulo, Brasil ISSN 1981-8874 9 771981 887003 0 0 1 5 3 1 Bruno Lima 50 No litoral médio do Estado de São Paulo, a área de Itanhaém/Mongaguá

Leia mais

Participação do Observatório de Aves Instituto Butantan no Big Day Brasil Parque Nacional do Itatiaia

Participação do Observatório de Aves Instituto Butantan no Big Day Brasil Parque Nacional do Itatiaia Participação do Observatório de Aves Instituto Butantan no Big Day Brasil Parque Nacional do Itatiaia O primeiro Global Big Day, o dia mundial de observação de aves, em que pessoas do mundo inteiro se

Leia mais

Aves do Parque Nacional da Serra do Pardo, Pará, Brasil: Levantamento inicial

Aves do Parque Nacional da Serra do Pardo, Pará, Brasil: Levantamento inicial Aves do Parque Nacional da Serra do Pardo, Pará, Brasil: Levantamento inicial Fernando de Lima Fávaro 1 1 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, CEMAVE - Centro Nacional de Pesquisa e

Leia mais

Nova área de ocorrência da espécie ameaçada Coryphaspiza melanotis (Aves: Emberizidae) em Minas Gerais

Nova área de ocorrência da espécie ameaçada Coryphaspiza melanotis (Aves: Emberizidae) em Minas Gerais Nova área de ocorrência da espécie ameaçada Coryphaspiza melanotis (Aves: Emberizidae) em Minas Gerais Guilherme Henrique Silva de Freitas 1, Anderson Vieira Chaves 2 e Fabrício Rodrigues dos Santos 3

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

Diagnóstico de avifauna RPPN Ave Lavrinha

Diagnóstico de avifauna RPPN Ave Lavrinha 1 Diagnóstico de avifauna RPPN Ave Lavrinha Responsável técnico: Henrique Rajão Auxiliar de campo: Carlos Esteves MATERIAL E MÉTODOS O levantamento da avifauna na RPPN Ave Lavrinha e entorno foi feito

Leia mais

mata atlântica ciência zoologia y Novo levantamento aponta a existência de 891 espécies de aves no bioma, um quarto delas ameaçadas de extinção

mata atlântica ciência zoologia y Novo levantamento aponta a existência de 891 espécies de aves no bioma, um quarto delas ameaçadas de extinção ciência zoologia y Asas da mata atlântica Novo levantamento aponta a existência de 891 espécies de aves no bioma, um quarto delas ameaçadas de extinção Marcos Pivetta Apesar de ter sido desmatada até que

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Adrian Antonio Garda Departamento de Zoologia Laboratório de Anfíbios e Répteis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Estrutura da apresentação

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

PRESENÇA DA CORUJA-LISTRADA

PRESENÇA DA CORUJA-LISTRADA 167 PRESENÇA DA CORUJA-LISTRADA Strix hylophila Temminck, 1825 (AVES, STRIGIDAE) NO PARQUE ESTADUAL CARLOS BOTELHO, SÃO MIGUEL ARCANJO, ESTADO DE SÃO PAULO (NOTA CIENTÍFICA) 1 Alexsander Zamorano ANTUNES

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Ocorrência de caboclinhos austrais (Emberizidae, Sporophila sp.) no

Ocorrência de caboclinhos austrais (Emberizidae, Sporophila sp.) no Ocorrência de caboclinhos austrais (Emberizidae, Sporophila sp.) no ISSN 1981-8874 9 771981 887003 0 0 1 7 6 Cerrado Norte, Brasil: extensão da distribuição geográfica e implicações para conservação Túlio

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

4.10. Programa de Monitoramento da Avifauna. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

4.10. Programa de Monitoramento da Avifauna. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS Programa de Monitoramento da Avifauna 4.10 Técnico Responsável Eduardo Pio Mendes de Carvalho Filho CREA MG92152/D CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas...

Leia mais

Associação entre aves e flores de duas espécies de árvores do gênero Erythrina (Fabaceae) na Mata Atlântica do sudeste do Brasil

Associação entre aves e flores de duas espécies de árvores do gênero Erythrina (Fabaceae) na Mata Atlântica do sudeste do Brasil Associação entre aves e flores de duas espécies de árvores... 123 Associação entre aves e flores de duas espécies de árvores do gênero Erythrina (Fabaceae) na Mata Atlântica do sudeste do Brasil Ricardo

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Domínio Morfoclimático das Araucárias

Domínio Morfoclimático das Araucárias Domínio Morfoclimático das Araucárias Situação Geográfica Encontrado desde o sul paulista até o norte gaúcho, o domínio das araucárias ocupa uma área de 400.000 km²,, abrangendo em seu território cidades

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

Programa de Registros e Monitoramento Participativo das Aves Brasileiras como Ferramenta para a Conservação

Programa de Registros e Monitoramento Participativo das Aves Brasileiras como Ferramenta para a Conservação Programa de Registros e Monitoramento Participativo das Aves Brasileiras como Ferramenta para a Conservação Organização Responsável: SAVE Brasil Organização Parceira: WikiAves Financiamento: Fundação Grupo

Leia mais

Departamento de Biologia Geral, Universidade Estadual de Montes Claros, Avenida Rui Braga, s/n o, 39401-089, Montes Claros, MG, Brazil.

Departamento de Biologia Geral, Universidade Estadual de Montes Claros, Avenida Rui Braga, s/n o, 39401-089, Montes Claros, MG, Brazil. ORNITOLOGIA NEOTROPICAL 14: 477 489, 2003 The Neotropical Ornithological Society RANGE EXTENSIONS FOR THE GRAY-BACKED TACHURI (POLYSTICTUS SUPERCILIARIS) AND THE PALE-THROATED SERRA-FINCH (EMBERNAGRA LONGICAUDA)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SITE SOBRE AS AVES DE RAPINA BRASILEIRAS E MEDIDAS DE PRESERVAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE UM SITE SOBRE AS AVES DE RAPINA BRASILEIRAS E MEDIDAS DE PRESERVAÇÃO Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DESENVOLVIMENTO DE UM SITE SOBRE AS AVES DE RAPINA BRASILEIRAS E MEDIDAS DE PRESERVAÇÃO Willian Menq dos Santos 1 ; Fábio

Leia mais

Novos registros de Falconiformes raros e ameaçados para o estado de Minas Gerais.

Novos registros de Falconiformes raros e ameaçados para o estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ornitologia 14 (4) 417-421 dezembro de 2006 Novos registros de Falconiformes raros e ameaçados para o estado de Minas Gerais. S.O.S. FALCONIFORMES Centro de Pesquisa para a Conservação

Leia mais

AVES DA FAZENDA SANTA EMÍLIA, AQUIDAUANA, MATO GROSSO DO SUL

AVES DA FAZENDA SANTA EMÍLIA, AQUIDAUANA, MATO GROSSO DO SUL AVES DA FAZENDA SANTA EMÍLIA, AQUIDAUANA, MATO GROSSO DO SUL ISSN 1981-8874 9 7 7 1 9 8 1 8 8 7 0 0 3 0 0 1 4 3 Maria Antonietta C. Pivatto², Reginaldo José Donatelli³ e Daniel De Granville Manço¹ Introdução

Leia mais

Projeto Guia Fotográfico

Projeto Guia Fotográfico Projeto Guia Fotográfico Avifauna no Entorno do IFSP (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia) campus São Roque Márcia de Oliveira Campos Maria de Jesus Campos ISFP campus São Roque 2011 1

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL.

OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL. Universidade de Coimbra, Maio de 2 OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL. Emerson Galvani, Nádia Gilma Beserra de Lima, Rita

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

observações durante o XVII Congresso Brasileiro de Ornitologia

observações durante o XVII Congresso Brasileiro de Ornitologia As Aves do SESC Praia Formosa, Aracruz, Espírito Santo: ISSN 1981-8874 9 771981 887003 0 0 1 5 1 observações durante o XVII Congresso Brasileiro de Ornitologia Guilherme A. Serpa*, Fábio Olmos, Carlos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA, CONSERVAÇÃO E MANEJO DA VIDA SILVESTRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA, CONSERVAÇÃO E MANEJO DA VIDA SILVESTRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA, CONSERVAÇÃO E MANEJO DA VIDA SILVESTRE USCHI WISCHHOFF PERSONALIDADES E APTIDÃO DO CANÁRIO-DA-TERRA

Leia mais

AVIFAUNA NO MEIO URBANO DE PORANGATU: UM ESTUDO SOBRE PSITACIDEOS. Maria Valdicéia Cirqueira Pinto¹; Denise Dewing Gonçalves²

AVIFAUNA NO MEIO URBANO DE PORANGATU: UM ESTUDO SOBRE PSITACIDEOS. Maria Valdicéia Cirqueira Pinto¹; Denise Dewing Gonçalves² AVIFAUNA NO MEIO URBANO DE PORANGATU: UM ESTUDO SOBRE PSITACIDEOS. Maria Valdicéia Cirqueira Pinto¹; Denise Dewing Gonçalves² Graduanda¹, do Curso de Ciências Biológicas, UnU Porangatu- UEG. Orientaror²,

Leia mais

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus.

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus. 1 TIPOLOGIA DE FRUTOS E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE UMA COMUNIDADE DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Sabrina do Couto de Miranda 1,4 ; Marineide Abreu Batista 1,4 ; Jair

Leia mais

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS Jonathan Kreutzfeld FITOGEOGRAFIA É a ciência que estuda a distribuição geográfica dos vegetais de acordo com as suas características. BIÓTOPO: Delimitação de um habitat. Temperatura

Leia mais

Aves Endêmicas do Nordeste. por Roberto Dall'Agnol. Período: 15 a 30 de julho de 2014

Aves Endêmicas do Nordeste. por Roberto Dall'Agnol. Período: 15 a 30 de julho de 2014 Aves Endêmicas do Nordeste por Roberto Dall'Agnol Período: 15 a 30 de julho de 2014 Durante o mês de julho de 2014, constava na minha agenda uma viagem de negócios para Candeias, na Bahia (próximo a Salvador).

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: forrageamento, recursos artificiais, reprodução. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: forrageamento, recursos artificiais, reprodução. INTRODUÇÃO Padrão de uso de recursos artificiais por beija-flores no Museu de Biologia Profº Mello Leitão, Santa Teresa - ES Gabriel Silva dos Santos ¹, ³; Francisco Candido Cardoso Barreto²; Sérgio Lucena Mendes¹

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

4.11. Programa de Monitoramento da Avifauna. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

4.11. Programa de Monitoramento da Avifauna. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.11 Programa de Monitoramento da Avifauna NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

4.11. Programa de Monitoramento da Avifauna. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

4.11. Programa de Monitoramento da Avifauna. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS Programa de Monitoramento da Avifauna 4.11 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 2. Ações já Realizadas... 2 3. Justificativa... 4 4. Objetivos... 6 5. Área de Abrangência... 7 6.

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANA JANAÍNNA VALESKA BORATTO PROPOSTA DE MEIO INTERPRETATIVO NÃO PERSONALIZADO PARA O PARQUE ESTADUAL DE VILA VELHA

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANA JANAÍNNA VALESKA BORATTO PROPOSTA DE MEIO INTERPRETATIVO NÃO PERSONALIZADO PARA O PARQUE ESTADUAL DE VILA VELHA INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANA JANAÍNNA VALESKA BORATTO PROPOSTA DE MEIO INTERPRETATIVO NÃO PERSONALIZADO PARA O PARQUE ESTADUAL DE VILA VELHA PONTA GROSSA 2012 JANAÍNNA VALESKA BORATTO PROPOSTA DE MEIO

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes Zoo é notícia Ano 3 - No. 8 - Junho 2013 Gato-do-mato-pequeno Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes - Mestrado Profissional em parceria com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS ECOLOGIA COMPORTAMENTAL DE Aratinga aurea (AVES: PSITTACIDAE) NA ÁREA URBANA DE MORRINHOS-GO. Graziele Alves Campos (UEG)1 grazicampos_graziele@hotmail.com Drielly Auxiliadora de Oliveira Coelho2 drika_lili@hotmail.com

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

32 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 297

32 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 297 32 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 297 ARQUEOLOGIA Arte na pedra O surpreendente e pouco conhecido patrimônio pré-histórico de Mato Grosso do Sul O vasto território sul-mato-grossense abriga um patrimônio arqueológico

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Potencial de desenvolvimento do turismo de observação de aves na região do Parque Nacional da Serra da Canastra MG.

Potencial de desenvolvimento do turismo de observação de aves na região do Parque Nacional da Serra da Canastra MG. IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de Dezembro de 2011 Potencial de desenvolvimento do turismo de observação de aves na região do Parque Nacional da Serra

Leia mais

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 24/03/2012 Nota: Professor(a): Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná;

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná; LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Troglodytidae musculus, Zonotrichia capensis, Passer domesticus E Molothrus bonarienses EM ÁREAS URBANA: NA CIDADE DE APUCARANA, PR SILVA, E. B. 1 ; VILELA, V. L. D. 2 1 Graduanda

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Campus Luiz Meneghel Projeto de pesquisa LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE PTERIDÓFITAS NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO Ricardo Vinícius Zandonadi Bandeirantes

Leia mais

Aves do Centro de Triagem de Animais Silvestres do Estado do Amapá

Aves do Centro de Triagem de Animais Silvestres do Estado do Amapá Endrea Ariana Moura Santos 1, Márcia Bueno 2, Ananda Silva Araújo, Igor Fernando Anjos Barros, Núcia Nayara Guedes Paes, Samara Ronize Wanderley Rodrigues & Carlos Eduardo Costa Campos 1 Universidade Federal

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

NOTA TÉCNICA: CHUVAS SIGNIFICATIVAS EM JUNHO DE 2014 NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL

NOTA TÉCNICA: CHUVAS SIGNIFICATIVAS EM JUNHO DE 2014 NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NOTA TÉCNICA: CHUVAS SIGNIFICATIVAS EM JUNHO DE 2014 NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL No mês de junho de 2014 foram registradas precipitações significativas no sul do Brasil, centro e leste do Paraguai

Leia mais

Encontros com os muriquis, Brachyteles arachnoides (E.Geoffroy,1806), de São Francisco Xavier, Serra da Mantiqueira, São Paulo, Brasil.

Encontros com os muriquis, Brachyteles arachnoides (E.Geoffroy,1806), de São Francisco Xavier, Serra da Mantiqueira, São Paulo, Brasil. Encontros com os muriquis, Brachyteles arachnoides (E.Geoffroy,1806), de São Francisco por Antonio Silveira R. dos Santos Criador do Programa Ambiental: A Última Arca de Noé www.aultimaarcadenoe.com.br

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Parecer de Vistas. Segundo o parecer, favorável a intervenção de 64,1949 hectares ocorrerá em vegetação de campo cerrado.

Parecer de Vistas. Segundo o parecer, favorável a intervenção de 64,1949 hectares ocorrerá em vegetação de campo cerrado. Parecer de Vistas Processo n : 11030000081/12 Empreendedor: Cristiano Carvalho Otoni Propriedade: Fazenda Ouro Verde 4 Município: Tiros Trata-se de requerimento de Intervenção Ambiental com Supressão de

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias

Floresta Equatorial: Floresta Amazônica. Floresta Ombrófila: Mata Atlântica. Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias Floresta Equatorial: Floresta Amazônica Floresta Ombrófila: Mata Atlântica Floresta Ombrófila Mista: Floresta de Araucárias FLORESTA EQUATORIAL: FLORESTA AMAZÔNICA Floresta equatorial: floresta de baixa

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Uso do tempo por duas aves comuns em ambientes urbanos:

Uso do tempo por duas aves comuns em ambientes urbanos: Uso do tempo por duas aves comuns em ambientes urbanos: ISSN 1981-8874 9 771981 887003 0 0 1 8 0 o bem-te-vi (Pitangus sulphuratus) e a pomba asa-branca (Patagioenas picazuro) Ivan Celso C. Provinciato

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de

Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de Paula Daniel Fogaça (Identificação das árvores e fotos) Camila Pianca (Coordenação do projeto) Complemento das informações do georreferenciamento de árvores presentes nas trilhas no Parque do Zizo. Janeiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais