PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009"

Transcrição

1 PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO BARREIRO ANO 2009 Introdução A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Barreiro (adiante designada CPCJ do Barreiro) é constituída e funciona nos termos da Lei de Protecção de Crianças e Jovens Lei nº147/99 de 1 de Setembro. É uma instituição oficial não judiciária, com autonomia funcional e que desenvolve a sua actividade em modalidade alargada (Comissão Alargada) e restrita (Comissão Restrita), tendo como objectivo a promoção dos direitos e a protecção das crianças e dos jovens que se encontrem em perigo, por forma a garantir o seu bem-estar, segurança e desenvolvimento integral. Compete assim à Comissão desenvolver acções de intervenção comunitária, nos domínios da promoção dos direitos das crianças e jovens e da prevenção de situações de perigo, promovendo respostas aos problemas diagnosticados neste grupo alvo (na modalidade alargada). Compete-lhe também intervir nas situações sinalizadas no sentido da remoção do perigo, da promoção das condições que permitam proteger e promover a segurança, saúde, formação, educação bem-estar e desenvolvimento integral dos menores e de garantir a recuperação física e psicológica das crianças e jovens vitimas de qualquer forma de exploração ou abuso (na sua modalidade restrita). 1

2 Assim, no âmbito das suas competências e tendo em conta a avaliação da actividade da CPCJ no ano transacto, define-se para o ano de 2009 cinco eixos prioritários de intervenção: 1. Sensibilização da população para a problemática e divulgação da actividade da Comissão; 2. Reforço da articulação com as entidades e Instituições da comunidade; 3. Intervenção Familiar e tramitação processual; 4. Acções de Formação; 5. Organização de Projectos e actividades dirigidas aos menores e famílias. Para a persecução destes grandes eixos de intervenção, procede-se à definição de objectivos e planificação de projectos e actividades a desenvolver pela CPCJ do Barreiro este ano. 2

3 ENQUADRAMENTO LEGAL DA CPCJ DO BARREIRO Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo Lei nº147/99 de 1 de Setembro Lei n.º 31/2003 de 22 de Agosto (Altera o Código Civil, a Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, o Decreto-Lei n.º 185/93, de 22 de Maio, a Organização Tutelar de Menores e o Regime Jurídico da Adopção). Decreto-lei nº332/b-2000, regulamenta a Lei 147/99 de 1 de Setembro. Portaria de reorganização da CPM em CPCJ nº1226-dv/2000 de 30 de Dezembro. Protocolo de Cooperação entre a Associação Nacional de Municípios Portugueses, Ministério da Justiça e Ministério do Trabalho e da Solidariedade. Protocolo celebrado entre o IDS e o Município do Barreiro. Decreto-Lei nº 12/2008 de 17 de Janeiro, Regulamento das Medidas em Meio Natural de Vida. ÁREA GEOGRÁFICA DE INTERVENÇÃO Município do Barreiro FINANCIAMENTO E APOIO LOGISTICO Fundo de Maneio atribuído pelo ISS.IP CDSS de Setúbal; Município do Barreiro (no âmbito da Legislação e do Protocolo assinado entre a Associação de Municípios e o Ministério do Trabalho e da Solidariedade). 3

4 OBJECTIVOS E ACTIVIDADES Eixo 1 Sensibilização da população para a problemática e divulgação da actividade da Comissão Objectivos gerais: - Sensibilizar a Comunidade para a problemática das crianças e jovens em perigo; - Informar e criar mecanismos que facilitem a sinalização das situações de perigo detectadas pela população; - Dar a conhecer o âmbito, competências e formas de funcionamento da CPCJ. - Participação na Feira Pedagógica; - Distribuição de cartazes e desdobráveis informativos; - Criação de um sitio na Internet - Participação em iniciativas da comunidade, seminários ou colóquios. Comissão Alargada Grupo 1 4

5 Eixo 2 Reforço da articulação com as Entidades e Instituições da comunidade Objectivos Gerais: - Sensibilizar e informar os profissionais das Entidades com Competência em matéria de Infância e Juventude (ECMIJ) acerca da Problemática dos menores em risco, do Sistema de Promoção e Protecção e das competências e funcionamento das CPCJ; - Identificar constrangimentos e definir procedimentos de articulação com as várias ECMIJ; - Operacionalizar instrumentos e meios de comunicação com as várias ECMIJ de forma a optimizar a eficiência e eficácia das respostas às situações de perigo; Projectos: COMPETÊNCIAS DA ESCOLA ENQUANTO ELEMENTO DE PROTECÇÃO No dia 21 de Setembro de 1990, é oficializada em Portugal a Convenção sobre os Direitos das Crianças, promulgada pelas Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989, a partir da qual são reconhecidos o direito das crianças. Para operacionalizar estes direitos surge o Sistema de Promoção e Protecção à Infância e Juventude, suportado legalmente pela Lei de Protecção de Crianças e Jovens, aprovada pelo Decreto-Lei 147/99. Várias são as entidades com competência em matéria de Infância e Juventude, nomeadamente a Escola, que podem e devem prevenir e/ou intervir em momentos e situações que se considerem de risco e perigo para as crianças e jovens. No âmbito de esclarecer e informar o meio escolar e de estruturar um trabalho mais próximo das escolas, a CPCJ do Barreiro vai organizar Sessões de informação junto, numa primeira fase, dos Agrupamentos de Escolas e, posteriormente, Acções de formação junto dos Directores de Turma e de outros docentes que queiram participar nesta iniciativa. 5

6 Objectivos específicos: As Sessões de informação subordinadas ao tema COMPETÊNCIAS DA ESCOLA ENQUANTO ELEMENTO DE PROTECÇÃO visam reduzir as sinalizações de situações de absentismo escolar e esclarecer sobre dúvidas e questões prementes que se colocam no dia a dia dos profissionais que trabalham com crianças e jovens em meio escolar, nomeadamente: - Informar e sensibilizar sobre o que é a CPCJ e as suas competências; - Divulgar as actividades da CPCJ do Barreiro; - Uniformizar os procedimentos e os vários canais de comunicação; - Esclarecer quais as entidades com competência em matéria da infância e juventude; - Identificar e tentar ultrapassar as dificuldades e constrangimentos sentidos pela escola; - Informar/esclarecer sobre as competências da escola em situações de risco e perigo; - Informar sobre os procedimentos possíveis de utilizar pela escola em situações de risco e perigo. Preparação de uma apresentação com o seguinte Plano Temático: - Situações de risco e de perigo - Prevenção primária, secundária e terciária - A escola como elemento do sistema de protecção - Competências da escola - Deveres dos profissionais - Consenso com os pais para sinalizar uma situação de perigo - Procedimentos a ter numa situação de urgência na ausência de consentimento. Sessões de Informação e sensibilização com todos os Agrupamentos de Escolas do Concelho, compostas por: - Apresentação do Tema - Debate e definição de linhas de articulação 6

7 Acções de Formação dirigidas aos directores de turma, aprofundando a temática. Comissão alargada Grupo 2 O PAPEL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NO SISTEMA DE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO Dando continuidade ao projecto iniciado em 2008 junto do Centro de Saúde do Barreiro, que consistiu numa primeira abordagem aos profissionais de saúde, com uma sessão de informação em cada extensão, com a presença de médicos de família, equipa de saúde infantil, psicólogos e técnicos de serviço social, subordinada ao tema Quem somos o que fazemos, onde se pretendeu dar a conhecer a Comissão e o Sistema de Promoção e Protecção e debater os constrangimento e práticas na articulação entre a CPCJ e o Centro de Saúde, pretende-se organizar uma nova ronda de sessões durante este ano, no sentido de aprofundar o tema dos menores em perigo. Foi publicado em Diário da República 2º série, em 5 de Dezembro de 2008 o Despacho 31292/2008 do Ministério da Saúde, que vem aprovar o documento Maus Tratos em Crianças e Jovens Intervenção da Saúde, elaborado pela Direcção Geral da Saúde, e conferir-lhe carácter de orientação técnica denominada Acção de saúde para crianças e jovens em risco. Esta Acção tem como objectivos prevenir o mau trato, detectar precocemente os contextos, factores de risco e sinais de alarme, promover o acompanhamento e prestação de cuidados, sinalizar e/ou encaminhar os casos identificados. Por outro lado, define também como objectivo adequar os modelos organizativos dos serviços de saúde, preparar os técnicos e concertar os mecanismos de resposta promovendo a circulação atempada de informação. Tendo em conta este documento e o trabalho iniciado com a saúde no sentido de se concertar a cooperação entre serviços, é necessário que se aborde também durante as 7

8 Sessões/reuniões deste ano as medidas a tomar no sentido da operacionalização destas questões. Objectivos específicos: - Sensibilizar os profissionais de saúde para a detecção, sinalização e acompanhamento das situações de menores em risco; - Aprofundar a definição dos indicadores de maus tratos de crianças; - Aperfeiçoar os procedimentos de articulação inter serviços; - Analisar conjuntamente o Despacho 31292/2008 e definir medidas a adoptar para operacionalizar a articulação com as entidades previstas no documento. Sessões/reuniões com todas as extensões do centro de saúde do Barreiro. Comissão Alargada Grupo 2 REDE DE PROTECÇÃO No sentido de se constituir uma real rede de protecção de crianças e jovens, manteremos um diálogo permanente com as Instituições de carácter nacional, regional e local, bem como com as parcerias já estabelecidas, no sentido de debater casos, encontrar respostas e soluções aos problemas identificados e melhorar as formas de cooperação institucional. Objectivos específicos: - Sensibilizar os Técnicos para a detecção, sinalização e acompanhamento das situações de menores em risco; - Aperfeiçoar os procedimentos de articulação inter serviços; - Debater casos concretos e concertar estratégias de intervenção conjunta; - Representar a Comissão em Projectos e estruturas da Comunidade. 8

9 Reuniões periódicas com: - Procurador da República do Tribunal de Família e Menores do Barreiro; - Direcção Geral de Reinserção Social; - IDT Centro de Respostas Integradas - Equipa de Tratamento do Barreiro; - Instituto da Segurança Social. IP; - Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS); - Câmara Municipal do Barreiro; - Associações Juvenis; - Associação de Pais e Encarregados de Educação; - Forças de Segurança Manutenção dos Projectos / Parcerias / Representações: - Núcleo Local de Inserção (NLI); - Programa Escolhas 3ª Geração Acordo de Consórcio; - Conselho Municipal de Segurança (Comissão de Prevenção da Toxicodependência e Inserção Social); - Programa Rede Social; - Concelho Geral Transitório do Agrupamento de Escolas de Santo António. Comissão Alargada Grupo 2 9

10 EIXO 3 Intervenção familiar e tramitação processual Objectivos gerais: - Promover os direitos das crianças e jovens; - Prevenir ou pôr termo a situações susceptíveis de afectar a segurança, saúde formação, educação ou desenvolvimento integral dos menores; - Garantir a recuperação física e psicológica das crianças e jovens vitimas de qualquer forma de exploração ou abuso; - Intervir na família potenciando o papel dos pais na educação e formação dos filhos, no sentido de assumirem os seus deveres e responsabilidades parentais; - Cumprir os princípios orientadores da intervenção definidos na Lei. - Recolha de sinalizações; - Atendimento às famílias e menores; - Articulação com entidades e serviços; - Visitas domiciliárias; - Esclarecimento, informação e encaminhamento das famílias para os serviços da comunidade; - Elaboração do diagnóstico da situação; - Negociação e Contratualização com as famílias; - Elaboração de propostas de medidas e Plano de Intervenção; - Apreciação, discussão e deliberação das situações em Reunião da Comissão Restrita; - Elaboração e assinatura do Acordo de Promoção e Protecção com os intervenientes no processo; - Execução, acompanhamento e revisão das medidas aplicadas até ao arquivamento do processo. Comissão Restrita e Equipa Técnica 10

11 Eixo 4 Acções de Formação Objectivos Gerais: - Qualificar a prestação técnica da Comissão Restrita aprofundando temas específicos a partir das necessidades sentidas na intervenção social e gestão processual; - Aprofundar o conhecimento da Lei e do funcionamento da CPCJ pelos restantes elementos da Comissão Alargada e ECMIJ; - Promover as competências técnicas dos profissionais que na Comissão ou nas ECMIJ do Concelho desempenham funções dirigidas à infância e Juventude; - Promover um maior envolvimento das entidades no diagnóstico e acompanhamento das situações de menores em perigo; - Envolver estruturas da comunidade como a Rede Social e o Núcleo Local de Inserção, num projecto partilhado e articulado de formação. - Levantamento das necessidades formativas sentidas pela equipa técnica, Comissão Alargada e ECMIJ da comunidade; - Elaboração de um Plano de Formação; - Pesquisa temática e levantamento de recursos; - Organização de cursos/ acções de formação/ workshop; - Avaliação das acções desenvolvidas Comissão Alargada Grupo 1 11

12 Eixo 5 Organização de Projectos e actividades dirigidas aos menores e famílias Objectivos gerais: - Proporcionar às crianças e jovens acompanhadas pela CPCJ do Barreiro novas experiências e conhecimentos através de actividades de carácter lúdico e educativo; - Reforçar a relação técnico/família e técnico/menor através do acompanhamento dos mesmos em acções de animação sócio cultural; - Prevenir comportamentos de risco e trabalhar outras áreas de actividade que proporcionem a estimulação das potencialidades das crianças e jovens acompanhadas reforçando a sua auto estima e inserção social; - Reforçar mecanismos de relação interpessoal entre os menores e com as suas famílias; Projectos: ACTIVIDADES LÚDICAS E EDUCATIVAS PARA PREPARAÇÃO DO CAMPO DE FÉRIAS Objectivos específicos: - Aprofundar o conhecimento dos menores a participar no Campo de férias; - Definir e desenvolver um Tema a ser explorado nas várias actividades e Campo de férias; - Proporcionar a criação de grupos e equipas desenvolvendo dinâmicas de interacção entre os menores; - Passeios e Visitas de estudo; - Piqueniques; - Actividades desportivas; - Actividades culturais; Comissão Alargada Grupo 3 12

13 CAMPO DE FÉRIAS A MINHA CASA É UMA GRANDE RUA Este projecto é dirigido para crianças e jovens a partir dos 6 anos que pela sua experiência de vida e por um meio social e familiar desajustado e agressivo, têm dificuldade em manter relações pessoais que se constituam em laços de amizade, impedindo-as de um crescimento saudável. Por outro lado, tendo em conta o contexto desfavorecido em que se inserem, não têm acesso a um leque variado de experiências educativas, culturais e recreativas importantes para a sua estruturação pessoal e social. Objectivos específicos: - Conhecer as respostas existentes e divulgá-las; - Proporcionar novas experiências aos menores acompanhados pela Comissão; - Sensibilizar para a criação de novas respostas. - Pesquisa de respostas ao nível das colónias de férias e actividades de lazer; - Organização do Campo de Férias; - Acompanhamento dos menores e organização de actividades: Jogos Educativos e Dinâmicas de Grupo; Actividades lúdicas e desportivas; Realização de trabalhos manuais; Confraternização e comunhão das experiências; Festa de encerramento. - Avaliação do projecto. Comissão Alargada Grupo 3 13

14 CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE UMA FAMÍLIA, UM PRESENTE Natal de Objectivos específicos: - Promover junto da comunidade um movimento de solidariedade através da doação de géneros alimentares e presentes; - Organizar uma Festa de Natal com distribuição de um cabaz de Natal pelas famílias mais carenciadas do Município e por todas as crianças e jovens acompanhados pela Comissão. - Proporcionar momentos de convívio entre as famílias. - Lançamento da Campanha de Natal; - Contactos com várias entidades, serviços e empresas da comunidade, no sentido de solicitar a colaboração na iniciativa; - Organização dos Cabazes de Natal e atribuição de presentes; - Organização e execução da Festa de Natal. - Avaliação do projecto. Comissão Alargada Grupo 4 14

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida

Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida Actividades de dinamização social e melhoria da qualidade de vida O EXEMPLO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VALONGO EUNICE NEVES OBJECTIVOS Igualdade Direitos Humanos Cidadania Activa e Inclusiva Conciliação Novas

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO:

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO: LINHAS DE ACTUAÇÃO: OBJECTIVOS: Incentivar a criação das associações de pais e EE, do ensino não superior; Intervir e defender os interesses dos educandos, fomentando a colaboração entre pais, alunos e

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 O Plano Anual de Atividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das Atividades escolares, para um ano letivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades 2014 / 2015 APAEA Índice 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 1 2. RELAÇÃO COM OS PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCACAÇÃO E SOCIOS... 2 3. REPRESENTAÇÃO NOS ORGÃOS DO AGRUPAMENTO... 3 4. MELHORIA

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

" Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito...

 Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... " Crianças são como borboletas ao vento... algumas voam rápido... algumas voam pausadamente, mas todas voam do seu melhor jeito... Cada uma é diferente, cada uma é linda e cada uma é especial." De uma

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Clube da Proteção Civil

Clube da Proteção Civil Agrupamento de Escolas das Taipas Clube da Proteção Civil 1. Estrutura organizacional Coordenadora: Paula Ribeiro da Silva Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do grupo de trabalho:

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Com o presente relatório a Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Valença vem informar os seus associados sobre as atividades desenvolvidas

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

A Parceria CPCJ e Escolas na Garantia dos Direitos das Crianças

A Parceria CPCJ e Escolas na Garantia dos Direitos das Crianças A Parceria CPCJ e Escolas na Garantia dos Direitos das Crianças Setembro 2014 NENHUMA ESCOLA PODE SER UMA BOA ESCOLA A NÃO SER QUE SEJA UMA ESCOLA SEGURA E PROTETORA. Pressupostos gerais O reconhecimento

Leia mais

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas ESTATUTOS DA EPHM Artigo 1.º A Escola Profissional de Hotelaria de Manteigas, adoptou esta designação aquando da sua criação, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26/89 de 21 de Janeiro, por Contrato Programa

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

Plano de Ação Plano de Ação 2012

Plano de Ação Plano de Ação 2012 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel. 262 690 100/262

Leia mais

Apresentação Programa TEIP3

Apresentação Programa TEIP3 Apresentação Programa TEIP3 Programa TEIP O Programa TEIP visa estabelecer condições para a promoção do sucesso educativo de todos os alunos e, em particular, das crianças e dos jovens que se encontram

Leia mais

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000

Comissão Nacional. de Protecção das Crianças. e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos. de existência? Junho de 2000 Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR) Que actividade em dois anos de existência? Junho de 2000 Decorridos dois anos na existência da Comissão Nacional de Protecção das

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 O Plano Anual de Actividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das actividades es, para um ano lectivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os objectivos

Leia mais

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia Ano Lectivo 2010/2011

Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia Ano Lectivo 2010/2011 Planificação de Actividades do Serviço de Psicologia Ano Lectivo 2010/2011 Psicóloga Ana Rita Antunes (Pré-escolar e 1º Ciclo) C.P. nº 5148 Psicóloga Filipa Braamcamp Sobral (2º e 3º Ciclos e Representante

Leia mais

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA

DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PLANO DE AÇÃO DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA JUNHO DE 2015 A DEZEMBRO 2017 1 NOTA INTRODUTÓRIA Atualmente torna-se cada vez mais evidente a necessidade de adequar o crescimento

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico,

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99, de 1 de Setembro, regula

Leia mais

INFORMAÇÃO PESSOAL. Teresa Isabel Oliveira Neto

INFORMAÇÃO PESSOAL. Teresa Isabel Oliveira Neto M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Teresa Isabel Oliveira Neto Morada Rua 25 de Abril, 21 Casais Lagartos, 2070-366 Pontével Telefone 966384535 Correio

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Correio(s) eletrónico(s) Carvalho, Rute Alexandra Tomás Rua António Pinheiro Lacerda, N.º 7, 2630-370 Arruda dos Vinhos Telefone(s)

Leia mais

2000 Ano Mundial da Matemática

2000 Ano Mundial da Matemática 2000 Ano Mundial da Matemática Projecto de Actividades Semana da Matemática 20 a 25 de Março de 2000 Organização: Escola do Ensino Básico de Tondela Escola Secundária de Tondela O ano 2000 foi declarado

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS 2008/2009

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS 2008/2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE CENTRO DE ÁREA EDUCATIVA DE VILA REAL Cod. 345696 AGRUPAMENTO VERTICAL DO BAIXO BARROSO PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS

Leia mais

Associação dos Amigos da Ludoteca Parque Infantil Jardim Público Évora. Plano Anual de Atividades 2016

Associação dos Amigos da Ludoteca Parque Infantil Jardim Público Évora. Plano Anual de Atividades 2016 dos Amigos da Ludoteca Parque Infantil Jardim Público 7000 763 Évora Plano Anual de Atividades 2016 dos Amigos da Ludoteca de Évora Introdução A dos Amigos da Ludoteca, em parceria com a Câmara Municipal

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Reuniões de Turma As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário) ou com

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Centro de Recursos TEIA

Centro de Recursos TEIA Quem somos O Contrato Local Desenvolvimento Social 3ª Geração do Concelho Ourém (CLDS 3G) Centro de Recursos TEIA - iniciou a sua atividade a 2 de Novembro de 2015, tem como Entidade Coordenadora Local

Leia mais

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO

CPCJ P E N A C O V A C O M I S S Ã O D E P R O T E C Ç Ã O D E C R I A N Ç A S E J O V E N S REGULAMENTO INTERNO Aprovado em: 24-11-2006 Alterado em: 04-12-2007 (Introduzidas alterações alínea e), artigo 9º) REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal

PROTOCOLO. Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal PROTOCOLO Colaboração entre o Município de Setúbal e Núcleo de Bicross de Setúbal Entre A Câmara Municipal de Setúbal, adiante designada por CMS, na qualidade de 1.º Outorgante, representada pela Presidente,

Leia mais

Plano Anual de atividades 2012/2013 1º Periodo

Plano Anual de atividades 2012/2013 1º Periodo Plano Anual de atividades 2012/2013 1º Periodo Designação Objectivos Grupo alvo Calendarização Responsáveis pela actividade Recursos a afectar J F M A M J J A S O N D Humanos Materiais Logísticos 1ª Reunião

Leia mais

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce

Plano de Atividades Intervenção Precoce Plano de Atividades Intervenção Precoce Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 8 2015 Elaborado: Ângela Madureira Data: 20.02.2015 Aprovado: Direção Data: 26.02.2015 1 Mod46/V01. Org (09.02.2015) Página 2 de 9 ÍNDICE Introdução... 3 Objetivos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes

Plano Anual de Atividades. Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes Setembro Integração e adaptação das Crianças Reunião de pais - Promover a (re)integração e adaptação das crianças à creche; - Proporcionar um ambiente que

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas Informação Escrita Nos termos da alínea o) do artº.17º da Lei nº.5-a/2002 de 11 de Janeiro, e no âmbito das suas competências, a Junta de Freguesia de Portimão apresenta à Assembleia de Freguesia, a informação

Leia mais

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período

JANEIRO EXTERNATO DO PARQUE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014. Local. Data Ações a desenvolver Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período JANEIRO Turmas envolvidas 6 jan. Início do 2º período Receção dos alunos e diálogo sobre as férias de Natal Elaboração de um texto sobre as mesmas Prof./Educ. e Responsáveis Dia de Reis Comemoração desta

Leia mais

PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO

PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO BANCO DE VOLUNTARIADO PLANO DE FORMACÃO PARA A PRÁTICA DE VOLUNTARIADO 1 ORGANIZAÇÃO FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO OBSERVATÓRIO DA CIDADANIA E INTERVENÇÃO SOCIAL 1 ABRIL 2014 10 JULHO

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, O

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO

EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E ACREDITAÇÃO 18 de Novembro 2016 ENQUADRAMENTO Hospital gerido em regime de Parceria Público-Privada, prestador de cuidados de saúde diferenciados, integrado na rede do SNS

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS. Artigo 1 ENTIDADES PROMOTORAS

REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS. Artigo 1 ENTIDADES PROMOTORAS REGULAMENTO DE APOIO AOS EVENTOS DESPORTIVOS NO ÂMBITO DO DESPORTO PARA TODOS DESPORTO PARA TODOS A generalização da prática desportiva de recreação e lazer, como forma de promoção de estilos de vida saudáveis,

Leia mais

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades

Externato Cantinho Escolar. Plano Anual de Atividades Externato Cantinho Escolar Plano Anual de Atividades Ano letivo 2016 / 2017 Pré-escolar e 1º Ciclo Receção dos Fomentar a integração da criança no meio escolar. Promover a socialização dos alunos. Receção

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO ÂMBITO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA NA ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO N.º 1, AREIAS, SETÚBAL Considerando que: a) O Despacho n.º 14 460/2008, da Ministra da Educação, de 15 de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas Objectivo da

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO

PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO PROJETO DE REGULAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática regular e sistemática de atividades de animação gera significativas melhorias quer

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015

PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 PLANO DE AÇÃO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE PENAFIEL 2015 INTRODUÇÃO Pretende-se com a apresentação do plano de ação 2015 da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Penafiel delimitar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2012/2013

Agrupamento de Escolas de Samora Correia 2012/2013 Plano Anual de Actividades Jardins de Infância Organização do Ambiente Educativo e espaços comuns. (de 03 a 13 de Setembro) Cada educadora prepara a sua sala Organizar o Ambiente Educativo Todas as educadoras

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014

Conselho Local de Ação Social de. Pinhel. Plano de Ação 2014 Conselho Local de Ação Social de Pinhel Plano de Ação 2014 Plano de Ação 2014 Enquadramento Legal Objetivo Geral Área Geográfica de Intervenção Eixos de Intervenção Resolução do Conselho de Ministros nº

Leia mais