CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE ACTIVIDADE MOTORA DOS JOGADORES E DAS EQUIPAS PARTICIPANTES NO CAMPEONATO DO MUNDO DE FUTEBOL 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE ACTIVIDADE MOTORA DOS JOGADORES E DAS EQUIPAS PARTICIPANTES NO CAMPEONATO DO MUNDO DE FUTEBOL 2010"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DE ACTIVIDADE MOTORA DOS JOGADORES E DAS EQUIPAS PARTICIPANTES NO CAMPEONATO DO MUNDO DE FUTEBOL 2010 DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DO DESPORTO: ESPECIALIZAÇÃO EM JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS TIAGO DE CARVALHO ALVES MACHADO Orientador: Nuno Miguel Correia Leite VILA REAL, 2011

2 DEDICATÓRIA À minha esposa, ao Rodrigo, aos meus pais e às minhas irmãs Ao meu avô, estarás sempre comigo II

3 AGRADECIMENTOS A realização do presente trabalho exigiu muitas horas de esforço e dedicação. Ao longo de todo o tempo a que ele me dediquei, tive o apoio de inúmeras pessoas, que de alguma forma contribuíram para a sua concretização. A essas pessoas quero agradecer, humildemente, sabendo que não irei esquecer o que fizeram por mim. Ao Professor Doutor Nuno Leite, orientador deste trabalho, por todos os conhecimentos científicos transmitidos, pela paciência, compreensão e disponibilidade, pela amizade e boa disposição, não só na realização deste trabalho, mas também ao longo destes últimos anos da minha vida. Ao co-orientador Professor Doutor Jaime Sampaio, pelos conhecimentos, pela sabedoria, pela objectividade e genialidade que sempre me transmitiu ao longo da minha formação académica. À Susana, minha esposa, amiga e companheira, por todo o apoio, carinho, dedicação e por todos os momentos que passamos juntos. Ao Rodrigo, meu filho, obrigado por existires. À minha família, em especial aos meus pais e irmãs, agradeço todo o apoio e compreensão que sempre me deram. A eles devo muito da minha formação e tudo aquilo que sou. Aos meus amigos pelos momentos fantásticos que passei, passo e passarei na sua companhia. III

4 ÍNDICE GERAL DEDICATÓRIA AGRADECIMENTOS. ÍNDICE GERAL... ÍNDICE DE QUADROS.. RESUMO.. ABSTRACT. II III IV V VI VII I. INTRODUÇÃO.. 1 I. MATERIAL E MÉTODOS AMOSTRA PROCEDIMENTOS ANÁLISE ESTATISTICA II. RESULTADOS.. 14 III. DISCUSSÃO.. 22 IV. CONCLUSÃO 30 V. BIBLIOGRAFIA. 34 IV

5 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 3.1 Caracterização das variáveis em estudo em função da posição específica.. 15 Quadro 3.2 Caracterização das variáveis em estudo em função do resultado final do jogo (vitória, empate, derrota).. 18 Quadro 3.3 Caracterização e comparação das variáveis em estudo em função da classificação final da selecção (fase de grupos e eliminatórias).. 19 Quadro 3. 4 Caracterização e comparação das variáveis em estudo em função da fase em que o jogo se disputou (fase de grupos e eliminatórias).. 20 V

6 RESUMO Os objectivos do presente estudo foram: (i) comparar o perfil de actividade dos jogadores seleccionados para representar as equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010, em função da posição específica; (ii) comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função do resultado final do jogo; (iii) comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função da classificação final da equipa (fase de grupos ou eliminatórias); e (iv) comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função da fase em que o jogo se disputou (fase de grupos ou eliminatórias). Quando comparamos o perfil de actividade das equipas em função da posição específica, verificamos através da análise realizada, que os resultados da distância total percorrida pelos jogadores é de ± m para os defesas, ± m para os médios e de ± m para os avançados. Verificamos ainda que as equipas que saem vitoriosas dos jogos percorrem mais distância com posse de bola, enquanto que, aquelas que são derrotadas percorrem mais distância sem posse de bola. As equipas que passaram à fase de eliminatórias percorrem mais distância com posse de bola, realizam mais sprints na 1ª parte dos jogos no total do tempo de jogo e ainda que percorrem mais distâncias em actividades de baixa intensidade. Nos jogos disputados nas eliminatórias, as equipas percorrem maiores distâncias totais, com posse de bola, sem posse de bola, em actividades de baixa, média e alta intensidade, realizam ainda mais sprints e atingem maiores velocidades máximas, principalmente na primeira parte dos jogos. Palavras-Chave: Futebol, equipas, perfil de actividade. VI

7 ABSTRACT The goals of this study were: (i) compare the activity profile of the players selected to represent the teams in World Cup 2010, according to the specific position; (ii) compare the activity profile of the players selected to represent the teams in World Cup 2010, according to the final result of the match; (iii) compare the activity profile of the players selected to represent the teams in World Cup 2010, according to the final classification of the team ( group stage or qualifying); and (iv) compare the activity profile of the players selected to represent the teams in World Cup 2010, according to the stage where the match was played (group stage or qualifying). When comparing the activity profile of the teams according to the specific position, is verified by analysis, that the results of the total distance covered by the players is ± m for the defenders, ± m for the midfielders and ± m for forwards. We can also verify that the winning teams cover more distance with ball possession, while those who are defeated cover more distance without ball possession. The teams that went to qualifying stage cover more distance with ball possession, they do more sprints in the match first half, in the match full time and even cover more distance in low intensity activities. At the qualifying matches, the teams cover longer total distances, with ball possession, without ball possession, in low activity, medium and high intensity, they do even more sprints and reach higher maximum speeds, mainly at the first half of the matches. Keywords: Football, teams, activity profile. VII

8 Introdução I. INTRODUÇÃO 1

9 Introdução I. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, vários cientistas têm procurado identificar quais os factores que influenciam a performance e o sucesso nos vários Jogos Desportivos Colectivos. Inserido nestes, o futebol é um dos desportos mais praticados e complexos do mundo, no qual os jogadores necessitam de requisitos técnicos, tácticos e físicos para ter sucesso (Helgerud et al., 2001). O futebol é classificado, devido à sua intensidade e natureza acíclica, como um desporto colectivo intermitente de alta intensidade (Bangsbo, 1994a; Casas, 2008). Durante um jogo o atleta é submetido a diferentes tipos de esforços nas diferentes actividades (corrida lenta, saltos, sprints, giros, etc.) (Mohr et al., 2003; Bangsbo et al., 2006). Aproximadamente 88% de um jogo de futebol envolvem actividades aeróbias e os 12% restantes actividades anaeróbias de alta intensidade (Reilly, 1996). A performance do futebolista depende de múltiplos factores (Bangsbo, 2003; Arnason et al., 2004; Impellizeri et al., 2005) pois, a natureza dinâmica do futebol e o seu próprio objectivo do jogo, implicam um certo número de variáveis de determinados domínios que se inter-relacionam e condicionam o jogo da equipa levando a que, de acordo com Svensson & Drust (2005) e Santos & Soares (2001) se exija que os jogadores estejam aptos nas várias componentes. Neste sentido, a análise do jogo de futebol torna-se fundamental, uma vez que permite verificar e examinar os comportamentos que influenciam a performance, que ocorrem durante a competição. Através desta análise os treinadores podem identificar os pontos fortes e os pontos fracos da sua 2

10 Introdução equipa. Estes dados são um instrumento fundamental, pois permitem aos treinadores não só melhorarem os seus programas de treino semanais, como também, se tornam bastante úteis na planificação de uma temporada. Permitem igualmente ao treinador analisar a performance dos adversários de modo a arranjar estratégias para combater os seus pontos fortes e explorar as suas fraquezas (Hughes & Bartlett, 2002). As exigências fisiológicas do futebol têm sido intensamente estudadas, no futebol masculino, através dos estudos de tempo e de movimento (para refs. ver Lago et. al, 2010). Os estudos de tempo e de movimento são um método muito útil para quantificar as exigências físicas dos jogadores durante o jogo (Rienzi et al., 2000). Este tipo de estudos permite identificar o número, tipo e frequência das acções realizadas pelo jogador (Bangsbo, 1994b; Garganta, 1997). De todas as variáveis que influenciam a performance dos jogadores a distância percorrida é, talvez, a mais estudada e conhecida, sendo frequentemente apresentada pela televisão durante a transmissão dos jogos de futebol. Vários estudos de análise do tempo e do movimento demonstraram que jogadores de futebol de elite normalmente percorrem entre 9000 a m por jogo (Barros et al., 2007; Di Salvo et al., 2007; Mohr et al. 2005; Rampinini et al., 2007). Destacamos o estudo realizado por Di Salvo e colaboradores (2007), com 300 futebolistas analisados em 20 jogos da Primeira liga Espanhola e 10 jogos da Liga dos Campeões, tendo percorrido distâncias médias de m por jogo. Num outro estudo efectuado por Barros e colaboradores (2007), com 55 futebolistas brasileiros analisados em 4 jogos da Primeira Divisão Brasileira, 3

11 Introdução verificou-se que os atletas percorrem distâncias cerca de 1300 m inferiores às obtidas no estudo europeu. Por outro lado nem todos os jogadores percorrem as mesmas distâncias durante um jogo, variando estas de acordo com a posição que os jogadores ocupam no jogo. Alguns estudos referem que os médios centro percorrem maiores distâncias do que os defesas e os avançados, como por exemplo no estudo realizado por Ekblom (1986), cujos resultados demonstram que os médios centro percorreram m por jogo, enquanto que os defesas e os avançados percorreram m e 9600 m, respectivamente. No estudo efectuado por Barros e colaboradores (2007) os resultados demonstram que os defesas laterais percorrem maiores distâncias (10642 m) do que os médios laterais (10598 m), os médios centro (10476 m), os avançados (9612 m) e os defesas centrais (9029 m). Por outro lado, num outro estudo realizado por Di Salvo e colaboradores (2007), com jogadores envolvidos nas competições europeias, os médios centro e os médios laterais percorreram maiores distâncias do que os defesas centrais, defesas laterais e os avançados. Analisando as distâncias percorridas pelos futebolistas em função das diferentes partes do jogo, podemos igualmente concluir que existem padrões diferenciados, sendo que vários estudos sugerem a tendência para diminuir na 2ª parte (Bangsbo et al. 1991; Barros et al. 2007; Caixinha et al. 2004). De acordo com Barros e colaboradores (2007) as distâncias percorridas em função da posição do jogador também tiveram uma diminuição significativa, cerca de 7% na 2ª parte do jogo. Por outro lado, num estudo recente efectuado por Di 4

12 Introdução Salvo e colaboradores (2007), não foram encontradas diferenças significativas na distância percorrida entre a 1ª e a 2ª parte do jogo. Outro dos mais importantes indicadores da performance no futebol é a posse de bola (Garganta, 2000; Hughes, 2003; Hughes & Bartlett, 2002). Os estudos realizados procuram explicar quais as razões que levam a que uma equipa tenha mais posse de bola do que outra, como por exemplo, no estudo realizado por Lago & Martin (2007), no qual foram observados 170 jogos da Liga Espanhola, onde se verificou que as equipas têm mais posse de bola quando estão a perder do que quando estão a ganhar ou empatar e que nos jogos em casa a posse de bola aumenta 6%, quando comparada com os jogos fora. Apesar de existirem estudos que procuram explicar a maior ou menor posse de bola, de acordo com estes factores situacionais do jogo, ainda não foi feita uma análise muito exaustiva relativamente às distâncias percorridas com posse de bola e sem posse de bola, em função das diferentes posições dos jogadores, do resultado final do jogo, da classificação da equipa e da fase em que o jogo se disputou. De facto, o jogo de futebol é um dos mais imprevisíveis e aleatórios, apresentando uma enorme variabilidade de situações de jogo com um elevado grau de incerteza. Um jogador de alto rendimento executa aproximadamente 1330 actividades durante um jogo, incluindo 220 corridas de alta intensidade (Barros et al., 2007; Mohr et al. 2005; Rampinini et al., 2007). Estes estudos mostraram também diminuições a nível físico na performance dos futebolistas durante os jogos, em particular nas corridas de alta intensidade e nos sprints, nas segundas partes dos jogos comparativamente com as primeiras partes, 5

13 Introdução provavelmente devido à fadiga (Barros et al., 2007; Mohr et al. 2005; Rampinini et al., 2007). Vários estudos referem que o futebolista executa em elevado número de actividades a diferentes intensidades durante o jogo, tais como andar, corridas de baixa, média e alta intensidade, sprints, deslocamentos laterais e deslocamentos de costas (Bangsbo, 1997; Mohr et. al., 2003). No estudo de Mohr e colaboradores (2003), relativo ao futebol dinamarquês, podemos observar que os jogadores passam 19,5% do tempo parados, 41,8% a andar, 16,7% em corrida lenta, 16,8% em corrida intensa, 1,4% a sprintar e 3,7% em outras actividades. Na literatura podemos encontrar ainda alguns estudos que examinam as relações entre a performance física dos futebolistas com factores situacionais que podem influenciar o jogo, como por exemplo, a localização (casa ou fora), qualidade dos adversários (fracos ou fortes) e a resultado momentâneo do jogo (quando as equipas estão a ganhar, a perder ou empatadas) (Rampinini et. al 2009; Lago et. al., 2010). No entanto, não encontramos na literatura, estudos que comparem o perfil de actividade das equipas usando as variáveis que pretendemos estudar. Neste âmbito, o presente estudo justifica-se enquanto proposta para um entendimento sobre o jogo de futebol, sobretudo na análise do perfil de actividade das equipas em função da posição específica. Comparamos, também, o perfil de actividade das equipas nos jogos que ganharam, perderam ou empataram. Justifica-se ainda na medida em que vamos comparar este perfil mediante a classificação que a equipa alcançou no Campeonato do Mundo de 2010, mais propriamente se a equipa atingiu as eliminatórias, ou se ficou pela fase de grupos e fazemos ainda a comparação 6

14 Introdução do perfil de actividade em função da fase da prova em que o jogo se disputou (se o jogo foi realizado na fase de grupos ou nas eliminatórias). Considerando o referido anteriormente, propomo-nos no presente trabalho atingir os seguintes objectivos: i. Comparar o perfil de actividade dos jogadores seleccionados para representar as equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função da posição específica; ii. Comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função do resultado final do jogo; iii. Comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função da classificação final da equipa (fase de grupos ou eliminatórias); iv. Comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função da fase em que o jogo se disputou (fase de grupos ou eliminatórias). 7

15 Material e Métodos II. MATERIAL E MÉTODOS 8

16 Material e Métodos II. MATERIAL E MÉTODOS 2.1 AMOSTRA Para a realização deste estudo recorremos aos registos de 64 jogos de Futebol, disputados no Campeonato do Mundo de 2010 realizado da África do Sul. Desses 64 jogos, 48 foram disputados na fase de grupos e 16 foram disputados na fase de eliminatórias. Os jogadores (n=1633) foram agrupados em função da sua posição específica no campo, dos quais 574 são defesas, 606 médios e 453 avançados. Os guarda-redes foram excluídos da amostra, visto não se enquadrarem no objecto de estudo. A nossa amostra incluiu apenas os jogos com a duração de 90 minutos mais o tempo de compensação decidido pela equipa de arbitragem. Todos os jogos que envolveram prolongamento foram excluídos da amostra, pois os dados extraídos destes jogos poderiam contaminar os resultados finais. 2.2 PROCEDIMENTOS Os dados necessários para a realização deste estudo foram retirados do sítio da FIFA ( A informação necessária foi depois agrupada numa base de dados para posterior tratamento. As variáveis consideradas para a realização deste trabalho foram determinadas pela análise quantitativa que a entidade organizadora (FIFA) da prova efectua. Para cada jogo registamos o comportamento das duas equipas em trinta e duas variáveis: Distância percorrida na 1ª parte distância percorrida em metros, pelo futebolista durante a 1ª parte do jogo. 9

17 Material e Métodos Distância percorrida na 2ª parte - distância percorrida em metros, pelo futebolista durante a 2ª parte do jogo. Distância percorrida total distância total percorrida em metros, pelo futebolista durante todo o jogo. Distância percorrida com posse de bola distância percorrida em metros, pelo futebolista em posse de bola, durante o jogo. Distância percorrida sem posse de bola - distância percorrida em metros pelo futebolista sem posse de bola, durante o jogo. Tempo gasto (%) no meio campo adversário percentagem de tempo que o futebolista passa no meio campo da equipa adversária. Tempo gasto (%) no último terço do campo adversário - percentagem de tempo que o futebolista passa no último terço do campo da equipa adversária. Tempo gasto (%) na área de penálti do adversário - percentagem de tempo que o futebolista passa na área de penálti da equipa adversária. Número de sprints na 1ª parte número total de sprints realizados pelo futebolista durante a 1ª parte do jogo. Número de sprints na 2ª parte - número total de sprints realizados pelo futebolista durante a 2ª parte do jogo. Número de sprints total - número total de sprints realizados pelo futebolista durante todo o jogo. Velocidade máxima na 1ª parte velocidade máxima em Km/h que o futebolista atinge na 1ª parte do jogo. Velocidade máxima na 2ª parte - velocidade máxima em Km/h que o futebolista atinge na 2ª parte do jogo. 10

18 Material e Métodos Velocidade máxima total - velocidade máxima em Km/h atingida pelo futebolista durante todo do jogo. Tempo gasto (%) em actividade de baixa intensidade na 1ª parte - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de baixa intensidade durante a 1ª parte do jogo. Tempo gasto (%) em actividade de baixa intensidade na 2ª parte - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de baixa intensidade durante a 2ª parte do jogo. Tempo gasto (%) em actividade de baixa intensidade total - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de baixa intensidade durante todo o jogo. Tempo gasto (%) em actividade de média intensidade na 1ª parte - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de média intensidade durante a 1ª parte do jogo. Tempo gasto (%) em actividade de média intensidade na 2ª parte - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de média intensidade durante a 2ª parte do jogo. Tempo gasto (%) em actividade de média intensidade total - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de média intensidade durante todo o jogo. Tempo gasto (%) em actividade de alta intensidade na 1ª parte - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de alta intensidade durante a 1ª parte do jogo. 11

19 Material e Métodos Tempo gasto (%) em actividade de alta intensidade na 2ª parte - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de alta intensidade durante a 2ª parte do jogo. Tempo gasto (%) em actividade de alta intensidade total - percentagem de tempo que o futebolista passa em actividade de alta intensidade durante todo o jogo. Distância percorrida em actividade de baixa intensidade na 1ª parte - distância em metros que o futebolista percorre, em actividade de baixa intensidade durante a 1ª parte do jogo. Distância percorrida em actividade de baixa intensidade na 2ª parte - distância em metros que o futebolista percorre, em actividade de baixa intensidade durante a 2ª parte do jogo. Distância percorrida em actividade de baixa intensidade total distância em metros, que o futebolista percorre, em actividade de baixa intensidade durante todo o jogo. Distância percorrida em actividade de média intensidade na 1ª parte - distância em metros, que o futebolista percorre, em actividade de média intensidade durante a 1ª parte do jogo. Distância percorrida em actividade de média intensidade na 2ª parte - distância em metros que o futebolista percorre, em actividade de média intensidade durante a 2ª parte do jogo. Distância percorrida em actividade de média intensidade total - distância em metros que o futebolista percorre, em actividade de média intensidade durante todo o jogo. 12

20 Material e Métodos Distância percorrida em actividade de alta intensidade na 1ª parte - distância em metros que o futebolista percorre, em actividade de alta intensidade durante a 1ª parte do jogo. Distância percorrida em actividade de alta intensidade na 2ª parte - distância em metros que o futebolista percorre, em actividade de alta intensidade, durante a 2ª parte do jogo. Distância percorrida em actividade de alta intensidade total - distância em metros, que o futebolista percorre, em actividade de alta intensidade, durante todo o jogo. 2.3 ANÁLISE ESTATISTICA Os dados recolhidos foram analisados com recurso a medidas de estatística descritiva, designadamente a média e o desvio-padrão. Posteriormente, recorremos à comparação de médias em função da posição específica (defesa, médio e avançado), através da análise variância (ANOVA) e teste de comparações múltiplas Turkey HSD. O nível de significância foi estabelecido em 5%. O tratamento estatístico dos dados foi efectuado com recurso à utilização do software SPSS - versão 15.0 para Windows. 13

21 Resultados III. RESULTADOS 14

22 Resultados III. RESULTADOS No Quadro 3.1. apresentamos os resultados obtidos nas tabelas de comparações múltiplas de todas as variáveis em estudo (distância percorrida, percentagem de tempo gasto nas diferentes zonas do campo, número de sprints, velocidade máxima, percentagem de tempo gasto nos diferentes tipos de actividade, distância percorrida nos diferentes tipos de actividade) em função da posição específica (defesas, médios e avançados). Quadro 3.1 Caracterização das variáveis em estudo em função da posição específica. Variáveis Defesa Médio Avançado F p Turkey Effect Size HSD Distância percorrida (metros) Distância 1ª parte 4416,0 ± 1315,1 4073,6 ± 2289,8 3071,8 ± 2402,1 57,95 0,000 a) b) c) a) 0,1 b) 0,3 c) 0,2 Distância 2ª parte 4347,6 ± 1256,0 4022,3 ± 1792,1 3231,2 ± 1588,1 66,68 0,000 a) b) c) a) 0,1 b) 0,4 c) 0,2 Distância Total 8966,0 ± 2309,5 8311,4 ± 3563,5 6492,9 ± 3358,8 83,41 0,000 a) b) c) a) 0,1 b) 0,4 c) 0,3 Distância com posse de bola 3301,0 ± 1022,5 3234,8 ± 1482,8 2657,9 ± 1433,8 34,99 0,000 b) c) b) 0,3 c) 0,2 Distância sem posse de bola 3733,7 ± 1086,9 3382,7 ± 1601,3 2404,7 ± 1348,4 125,13 0,000 a) b) c) a) 0,1 b) 0,5 c) 0,3 Tempo (%) na zona do campo Tempo CA 0,19 ± 0,14 0,47 ± 0,16 4,83 ± 87,22 1,57 0,208 Tempo 1/3 CA 0,06 ± 0,06 0,17 ± 0,10 0,36 ± 0, ,54 0,000 a) b) c) a) -0,6 b) -0,8 c) - 0,6 Tempo área de penálti CA 0,01 ± 0,02 0,02 ± 0,02 0,08 ± 0,06 500,11 0,000 a) b) c) a) -0,3 b) -0,6 c) - 0,6 Número de Sprints Nº de sprints 1ª parte 39,6 ± 19,5 40,1 ± 26,2 32,4 ± 27,0 15,14 0,000 a) b) a) 0,0 b) 0,2 Nº de sprints 2ª parte 41,3 ± 19,5 41,9 ± 22,0 35,7 ± 19,3 13,91 0,000 b) c) b) 0,1 c) 0,1 Nº de sprints total 82,2 ± 34,7 83,3 ± 40,8 69,3 ± 37,4 20,84 0,000 b) c) b) 0,2 c) 0,2 Velocidade máxima (Km/h) Velocidade máxima 1ª parte 17,1 ± 9,2 10,3 ± 11,2 16,5 ± 143,5 0,45 0,640 Velocidade máxima 2ª parte 20,2 ± 6,1 19,0 ± 7,4 34,2 ± 180,3 1,12 0,328 Velocidade máxima total 22,9 ± 2,7 22,8 ± 2,9 23,4 ± 3,2 1,51 0,223 Tempo (%) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 0,78 ± 0,21 0,61 ± 0,33 0,52 ± 0,40 88,03 0,000 a) b) c) a) 0,3 b) 0,4 c) 0,1 Baixa intensidade 2ª parte 0,83 ± 0,12 0,77 ± 0,15 0,79 ± 0,18 25,35 0,000 a) b) c) a) 0,2 b) 0,1 c) - 0,1 Baixa intensidade total 0,99 ± 3,51 0,79 ± 0,04 0,82 ± 0,04 1,48 0,227 Média intensidade 1ª parte 0,08 ± 0,03 0,08 ± 0,05 0,05 ± 0,04 68,17 0,000 b) c) b) 0,4 c) 0,3 Média intensidade 2ª parte 0,07 ± 0,02 0,09 ± 0,04 0,08 ± 0,03 84,89 0,000 a) c) a) -0,3 c) 0,1 Média intensidade total 0,09 ± 0,33 0,12 ± 0,40 0,08 ± 0,02 1,90 0,150 Alta intensidade 1ª parte 0,08 ± 0,03 0,08 ± 0,05 0,06 ± 0,05 49,04 0,000 a) b) c) a) 0,0 b) 0,2 c) 0,2 Alta intensidade 2ª parte 0,08 ± 0,03 0,11 ± 0,04 0,09 ± 0,03 81,32 0,000 a) b) c) a) -0,4 b) -0,2 c) 0,3 Alta intensidade total 0,08 ± 0,03 0,11 ± 0,03 0,10 ± 0,03 148,73 0,000 a) b) c) a) -0,4 b) -0,3 c) 0,2 Distancia percorrida (m) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 2685,9 ± 777,0 2239,6 ± 1250,7 1839,2 ± 1424,5 67,69 0,000 a) b) c) a) 0,2 b) 0,3 c) 0,1 Baixa intensidade 2ª parte 2651,0 ± 761,9 2224,8 ± 998,6 1921,1 ± 962,3 83,65 0,000 a) b) c) a) 0,2 b) 0,4 c) 0,2 Baixa intensidade total 5458,1 ± 1405,6 4582,5 ± 2016,1 3831,9 ± 2092,6 99,35 0,000 a) b) c) a) 0,2 b) 0,4 c) 0,2 Média intensidade 1ª parte 684,6 ± 236,0 716,9 ± 424,8 461,7 ± 375,1 75,96 0,000 b) c) b) 0,3 c) 0.3 Média intensidade 2ª parte 648,7 ± 214,0 678,4 ± 319,5 477,0 ± 237,9 83,94 0,000 b) c) b) 0,4 c) 0,3 Média intensidade total 1343,1 ± 438,1 1415,2 ± 665,7 926,7 ± 522,1 111,87 0,000 b) c) b) 0,4 c) 0,4 Alta intensidade 1ª parte 1029,5 ± 429,7 1094,4 ± 681,0 779,4 ± 640,0 39,02 0,000 b) c) b) 0,2 c) 0,2 Alta intensidade 2ª parte 1045,0 ± 422,1 1126,3 ± 530,7 860,9 ± 426,9 42,73 0,000 a) b) c) a) -0,1 b) 0,2 c) 0,3 Alta intensidade total 2119,6 ± 771,1 2294,2 ± 1026,2 1677,1 ± 875,6 62,57 0,000 a) b) c) a) -0,1 b) 0,3 c) 0,3 a) Diferenças significativas entre defesas e médios; b) Diferenças significativas entre defesas e avançados; c) Diferenças significativas entre médios e avançados. 15

23 Resultados As diferenças nos valores das distâncias totais percorridas em função da posição específica são significativas (F=83.41; p <0.01), particularmente na comparação entre os defesas e os avançados (DEF= ± ; AVA= ± , p <0.01, ES= 0,4). Esta diferença nos valores médios está também presente quando analisamos os valores separadamente para a 1ª e para a 2ª parte do jogo. Relativamente aos valores médios do número de sprints podemos verificar que também existem diferenças estatisticamente significativas (F=20.84; p <0.01). Os médios realizam mais sprints quando comparados com os defesas e avançados, no entanto, esta diferença é mais acentuada na comparação com os avançados (DEF=82.2 ± 34.7; MED=83.3 ± 40.8; AVA=69.3 ± 37.4, p <0.01, ES= 0,2). Tal como podemos verificar estas diferenças também se verificam na 1ª e 2ª parte do jogo. Nos valores médios de percentagem de tempo gasto na actividade de baixa intensidade, na 1ª parte do jogo podemos observar que as diferenças são significativas (F=88.3; p<0.01), principalmente entre defesas e avançados (DEF=0.78 ± 0,21 ; AVA=0.52 ± 0.40,p<0.01, ES=0,4). Na 2ª parte do jogo estas diferenças dos valores médios são significativas (F=25.35; p <0.01), no entanto, estas diferenças são mais acentuadas entre os defesas e os médios (DEF=0.83 ± 0,12; MED=0.77 ± 0.15, p <0.01, ES=0,2). No que concerne à percentagem de tempo gasto na actividade de média intensidade, na 1ª parte do jogo as diferenças são significativas (F=68,17; p <0.01), particularmente entre defesas e avançados (DEF=0.08 ± 0.03; AVA=0.05 ± 0.04, p <0.01, ES=0,4) e entre médios e avançados (MED=0.08 ± 0.05; AVA=0.05 ± 0.04, p <0.01, ES=0,3). 16

24 Resultados Na percentagem de tempo gasto na actividade de alta intensidade, na 1ª parte as diferenças são significativas (F=49.04; p <0.01) principalmente entre defesas e avançados (DEF=0.08 ± 0.03; AVA=0.06 ± 0.05, p <0.01, ES=0,2) e entre médios e avançados (MED=0.08 ± 0.05; AVA=0.06 ± 0.05, p <0.01, ES=0,2). Na 2ª parte dos jogos, os médios apresentam valores médios superiores relativamente aos avançados e defesas (DEF=0.08 ± 0.03; MED=0.11 ± 0.04; AVA=0.09 ± 0.03). De salientar que nas 2ª partes, os médios e os avançados passam mais tempo em actividades de alta intensidade relativamente às 1ª partes, enquanto nos defesas não se verificam alterações de uma parte para outra. Nos valores médios da distância percorrida na actividade de baixa intensidade em função da posição específica existem diferenças significativas (F=99.35; p <0.01), particularmente entre os defesas e avançados (DEF= ± ; AVA= ± , p <0.01, ES=0,4). Estas diferenças também se verificam quando analisamos a 1ª e a 2ª parte dos jogos. Ao analisarmos os valores da distância percorrida, na actividade de média e de alta intensidade, verificamos que todos os jogadores apresentam valores superiores nas 2ª partes relativamente à 1ª parte dos jogos, no entanto, são os médios que apresentam os valores médios de distância percorrida mais elevados, quando comparados com os defesas e avançados. Estas diferenças são maiores entre os médios e os avançados nos dois tipos de intensidade (Média Intensidade: MED= ± 665.7; AVA=926.7 ± 522.1, p <0.01, ES=0,4; Alta Intensidade: MED= ± ; AVA= ± 875.6, p < 0.01, ES=0,3). 17

25 Resultados De seguida, caracterizamos as variáveis em estudo em função do resultado final do jogo (ver Quadro 3.2). Ao analisarmos o quadro verificamos que o número de variáveis onde se registam diferenças significativas diminui. Apenas registamos diferenças significativas (F=4.41; p <0.01) na distância percorrida com posse de bola entre vitória e derrota (VITÓRIA= ± ; DERROTA= ± , p <0.01, ES=0,1), e na distância percorrida sem posse de bola (F=5.92; p <0.01), entre vitória e derrota (VITÓRIA= ± ; DERROTA= ± , p <0.01, ES=-0,1). Estes resultados confirmam que as equipas com mais capacidade de posse de bola saem vitoriosas dos jogos, enquanto aquelas que são derrotadas percorrem mais distância sem posse de bola. Quadro 3.2 Caracterização das variáveis em estudo em função do resultado final do jogo (vitória, empate, derrota). Variáveis Vitória Empate Derrota F p Turkey Effect Size HSD Distância percorrida (metros) Distância 1ª parte 3894,7 ± 2124,3 3955,7 ± 2127,3 3915,2 ± 2083,5 0,10 0,908 Distância 2ª parte 3943,9 ± 1581,2 3873,0 ± 1747,5 3915,1 ± 1600,6 0,22 0,804 Distância Total 8060,5 ± 3427,4 7950,6 ± 3273,9 8062,1 ± 3106,6 0,16 0,852 Distância com posse de bola 3216,2 ± 1449,3 3069,5 ± 1332,2 2994,3 ± 1248,5 4,41 0,012 b) b) 0,1 Distância sem posse de bola 3116,1 ± 1475,9 3174,8 ± 1441,8 3389,0 ± 1464,0 5,92 0,003 b) b) -0,1 Tempo (%) na zona do campo Tempo CA 0,44 ± 0,26 0,46 ± 0,26 3,38 ± 73,8 0,79 0,454 Tempo 1/3 CA 0,18 ± 0,15 0,19 ± 0,16 0,18 ± 0,15 0,43 0,649 Tempo área de penálti CA 0,03 ± 0,04 0,04 ± 0,05 0,03 ± 0,05 0,62 0,536 Número de Sprints Nº de sprints 1ª parte 38,2 ± 25,2 37,6 ± 24,6 37,4 ± 23,8 0,19 0,829 Nº de sprints 2ª parte 39,9 ± 20,0 40,6 ± 22,0 39,8 ± 20,2 0,21 0,810 Nº de sprints total 79,8 ± 39,7 77,9 ± 40,2 78,9 ± 35,6 0,29 0,748 Velocidade máxima (Km/h) Velocidade máxima 1ª parte 19,4 ± 130,0 4,8 ± 9,4 12,2 ± 11,4 0,19 0,829 Velocidade máxima 2ª parte 29,9 ± 142,7 14,9 ± 10,1 19,2 ± 7,7 0,21 0,810 Velocidade máxima total 22,8 ± 2,9 22,3 ± 3,2 23,2 ± 2,8 0,29 0,748 Tempo (%) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 0,64 ± 0,34 0,64 ± 0,34 0,65 ± 0,33 0,11 0,896 Baixa intensidade 2ª parte 0,80 ± 0,13 0,79 ± 0,15 0,79 ± 0,17 1,60 0,202 Baixa intensidade total 0,95 ± 3,32 0,81 ± 0,04 0,81 ± 0,04 0,76 0,470 Média intensidade 1ª parte 0,07 ± 0,05 0,07 ± 0,04 0,07 ± 0,04 0,06 0,945 Média intensidade 2ª parte 0,08 ± 0,04 0,08 ± 0,02 0,08 ± 0,02 1,59 0,204 Média intensidade total 0,08 ± 0,03 0,08 ± 0,02 0,11 ± 0,50 1,46 0,232 Alta intensidade 1ª parte 0,07 ± 0,04 0,08 ± 0,05 0,07 ± 0,04 0,32 0,725 Alta intensidade 2ª parte 0,10 ± 0,04 0,10 ± 0,04 0,09 ± 0,04 2,03 0,132 Alta intensidade total 0,10 ± 0,03 0,10 ± 0,03 0,10 ± 0,03 2,30 0,101 Distancia percorrida (m) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 2272,6 ± 1220,1 2292,3 ± 1224,8 2294,6 ± 1195,4 0,06 0,941 Baixa intensidade 2ª parte 2321,7 ± 948,1 2259,4 ± 1004,8 2276,2 ± 937,8 0,60 0,549 Baixa intensidade total 4699,2 ± 2068,9 4620,8 ± 1916,8 4699,3 ± 1862,7 0,23 0,799 Média intensidade 1ª parte 630,7 ± 372,2 634,3 ± 371,4 639,1 ± 368,2 0,08 0,921 Média intensidade 2ª parte 607,9 ± 269,8 619,6 ± 279,2 611,9 ± 283,3 0,21 0,814 Média intensidade total 1248,1 ± 614,7 1266,0 ± 568,9 1254,1 ± 579,7 0,11 0,900 Alta intensidade 1ª parte 958,7 ± 617,1 1011,9 ± 614,3 995,4 ± 588,9 1,05 0,350 Alta intensidade 2ª parte 1012,6 ± 465,3 1037,9 ± 500,1 1028,3 ± 479,4 0,36 0,698 Alta intensidade total 2056,5 ± 968,0 2056,5 ± 958,2 2069,7 ± 887,3 0,04 0,962 a) Diferenças significativas entre vitória e empate; b) Diferenças significativas entre vitória e derrota; c) Diferenças significativas entre empate e derrota. 18

26 Resultados No Quadro 3.3 centramos a nossa atenção nas diferenças que ocorrem nas variáveis em estudo em função da classificação final da selecção (fase de grupos e eliminatórias). Quadro 3.3 Caracterização e comparação das variáveis em estudo em função da classificação final da selecção (fase de grupos ou eliminatórias). Variáveis Grupos Eliminatórias t p Effect Size Distância percorrida (metros) Distância 1ª parte 3905,5 ± 2092,8 3922,4 ± 2118,2 0,02 0,876 Distância 2ª parte 3927,2 ± 1595,9 3911,2 ± 1644,0 0,04 0,848 Distância Total 7848,7 ± 3055,6 8149,6 ± 3389,3 3,24 0,072 Distância com posse de bola 2928,3 ± 1225,7 3199,5 ± 1412,4 15,54 0,000* -0,1 Distância sem posse de bola 3293,6 ± 1462,7 3199,6 ± 1471,2 1,57 0,211 Tempo (%) na zona do campo Tempo CA 3,48 ± 75,11 0,45 ± 0,26 1,66 0,198 Tempo 1/3 CA 0,18 ± 0,16 0,18 ± 0,15 0,40 0,529 Tempo área de penálti CA 0,04 ± 0,05 0,03 ± 0,04 0,62 0,433 Número de Sprints Nº de sprints 1ª parte 36,2 ± 23,8 38,7 ± 25,0 3,94 0,047* -0,1 Nº de sprints 2ª parte 40,1 ± 21,1 40,0 ± 20,2 0,01 0,921 Nº de sprints total 76,2 ± 36,3 80,7 ± 39,3 5,43 0,020* -0,1 Velocidade máxima (Km/h) Velocidade máxima 1ª parte 1,9 ± 6,3 17,5 ± 96,3 3,62 0,058 Velocidade máxima 2ª parte 8,3 ± 10,6 24,9 ± 99,7 0,91 0,341 Velocidade máxima total 0,058 Tempo (%) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 0,65 ± 0,33 0,64 ± 0,34 0,01 0,912 Baixa intensidade 2ª parte 0,79 ± 0,15 0,79 ± 0,15 0,05 0,827 Baixa intensidade total 0,82 ± 0,05 0,90 ± 2,63 0,58 0,445 Média intensidade 1ª parte 0,07 ± 0,04 0,07 ± 0,06 0,11 0,744 Média intensidade 2ª parte 0,08 ± 0,03 0,08 ± 0,03 0,86 0,354 Média intensidade total 0,12 ± 0,51 0,09 ± 0,03 3,22 0,073 Alta intensidade 1ª parte 0,07 ± 0,05 0,07 ± 0,04 0,00 0,953 Alta intensidade 2ª parte 0,09 ± 0,04 0,09 ± 0,04 1,61 0,205 Alta intensidade total 0,10 ± 0,03 0,10 ± 0,03 0,85 0,358 Distancia percorrida (m) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 2669,7 ± 1199,1 2294,8 ± 1218,4 0,16 0,685 Baixa intensidade 2ª parte 2286,1 ± 934,2 2292,9 ± 970,2 0,02 0,889 Baixa intensidade total 4542,8 ± 1811,8 4765,3 ± 2035,1 4,96 0,026* -0,1 Média intensidade 1ª parte 639,4 ± 375,8 632,0 ± 367,1 0,16 0,693 Média intensidade 2ª parte 616,2 ± 275,4 609,5 ± 278,1 0,22 0,636 Média intensidade total 1258,4 ± 554,4 1252,0 ± 612,2 0,05 0,832 Alta intensidade 1ª parte 993,0 ± 602,8 979,6 ± 607,7 0,19 0,666 Alta intensidade 2ª parte 1031,1 ± 491,7 1020,1 ± 470,5 0,20 0,653 Alta intensidade total 2016,2 ± 918,6 2088,9 ± 943,7 2,31 0,129 * p<0.05 Os resultados evidenciam que existem diferenças estatisticamente significativas entre as equipas que não passaram da fase de grupos e as que passaram às eliminatórias. As diferenças situam-se na distância percorrida com posse de bola (t=15.54; p=0.000), no número de sprints na 1ª parte dos jogos (t=3.94; p=0.047), no número de sprints total (t=5.43; p=0.020) e na distância percorrida em actividade de baixa intensidade (t=4,96; 0.026). 19

27 Resultados Analisando os valores médios das variáveis onde existem diferenças estatisticamente significativas, verificamos que os valores mais elevados pertencem às equipas que passaram à fase de eliminatórias. Por último, apresentamos os resultados da caracterização e comparação das variáveis em estudo em função da fase em que o jogo se disputou (fase de grupo; eliminatórias) (ver Quadro 3.4). Tal como podemos verificar pelos resultados, existem diferenças estatisticamente significativas entre os jogos que se disputaram na fase de grupos e nas eliminatórias. As diferenças estão presentes na distância percorrida total (t=16.61; p=0.000), na distância percorrida com posse de bola (t=10.27; p=0.001), na distância percorrida sem posse de bola (t=12.06; p=0.001), no número de sprints total (t=15.09; 0.000), na velocidade máxima na 1ª parte (t=10.23; p=0.001), na distância percorrida em actividade de baixa intensidade (t=20.32; p=0.000), na distância percorrida em actividade de média intensidade (t=14.22; p=0.000) e finalmente na distância percorrida em actividade de alta intensidade (t=11.14; p=0.001). Dissecando os valores médios das variáveis com diferenças estatisticamente significativas, constatamos que os valores mais elevados se verificaram nos jogos que se disputaram nas eliminatórias. Quadro 3. 4 Caracterização e comparação das variáveis em estudo em função da fase em que o jogo se disputou (fase de grupos ou eliminatórias). Variáveis Grupos Eliminatórias t p Effect Size Distância percorrida (metros) Distância 1ª parte 3901,5 ± 2101,6 3960,1 ± 2129,4 0,24 0,628 Distância 2ª parte 3907,4 ± 1623,9 3946,7 ± 1632,8 0,18 0,674 Distância Total 7848,2 ± 3156,3 8607,7 ± 3537,8 16,61 0,000* -0,1 Distância com posse de bola 3036,6 ± 1318,0 3283,8 ± 1434,1 10,27 0,001* -0,1 Distância sem posse de bola 3162,4 ± 1440,1 3453,4 ± 1531,5 12,06 0,001* -0,1 Tempo (%) na zona do campo Tempo CA 1,96 ± 53,00 0,44 ± 0,26 0,34 0,562 Tempo 1/3 CA 0,18 ± 0,16 0,18 ± 0,15 0,14 0,712 Tempo área de penálti CA 0,03 ± 0,05 0,04 ± 0,04 0,03 0,863 Número de Sprints Nº de sprints 1ª parte 37,2 ± 24,4 39,6 ± 24,9 2,86 0,092 Nº de sprints 2ª parte 39,9 ± 20,6 40,3 ± 20,4 0,11 0,744 Nº de sprints total 76,9 ± 37,2 85,4 ± 40,7 15,09 0,000* -0,1 Velocidade máxima (Km/h) Velocidade máxima 1ª parte 1,7 ± 6,1 23,0 ± 111,3 10,23 0,001* -0,1 Velocidade máxima 2ª parte 8,9 ± 10,7 26,0 ± 103,1 1,69 0,194 Velocidade máxima total 22,3 ± 3,1 23,0 ± 2,9 0,88 0,348 Tempo (%) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 0,64 ± 0,34 0,65 ± 0,33 0,04 0,845 20

28 Resultados Baixa intensidade 2ª parte 0,79 ± 0,15 0,79 ± 0,18 0,37 0,542 Baixa intensidade total 0,88 ± 2,40 0,82 ± 0,05 0,30 0,586 Média intensidade 1ª parte 0,07 ± 0,05 0,07 ± 0,04 0,03 0,865 Média intensidade 2ª parte 0,08 ± 0,03 0,08 ± 0,03 2,67 0,103 Média intensidade total 0,10 ± 0,36 0,09 ± 0,02 0,84 0,358 Alta intensidade 1ª parte 0,07 ± 0,04 0,07 ± 0,04 0,02 0,898 Alta intensidade 2ª parte 0,09 ± 0,04 0,09 ± 0,04 1,16 0,282 Alta intensidade total 0,10 ± 0,03 0,10 ± 0,03 1,37 0,243 Distancia percorrida (m) nos diferentes tipos de actividade Baixa intensidade 1ª parte 2268,4 ± 1210,6 2336,7 ± 1211,8 0,97 0,325 Baixa intensidade 2ª parte 2276,8 ± 959,1 2331,4 ± 949,2 0,99 0,319 Baixa intensidade total 4557,2 ± 1883,5 5059,3 ± 2121,9 20,32 0,000* -0,1 Média intensidade 1ª parte 632,6 ± 370,6 641,2 ± 369,6 0,16 0,686 Média intensidade 2ª parte 611,2 ± 276,0 614,5 ± 280,4 0,06 0,832 Média intensidade total 1222,7 ± 579,9 1349,8 ± 614,4 14,22 0,000* -0,1 Alta intensidade 1ª parte 974,3 ± 608,0 1015,7 ± 598,5 1,43 0,232 Alta intensidade 2ª parte 1027,4 ± 481,5 1014,5 ± 469,3 0,22 0,638 Alta intensidade total 2017,4 ± 917,0 2195,4 ± 975,6 11,14 0,001* -0,1 * p<

29 Discussão IV. DISCUSSÃO 22

30 Discussão IV. DISCUSSÃO Os objectivos do presente trabalho foram: (i) comparar o perfil de actividade dos jogadores seleccionados para representar as equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010, em função da posição específica, (ii) comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função do resultado final do jogo, (iii) comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função da classificação final da equipa (fase de grupos ou eliminatórias), e por fim, (iv) comparar o perfil de actividade das equipas participantes no Campeonato do Mundo de 2010 em função da fase em que o jogo se disputou (fase de grupos ou eliminatórias). Quando comparamos o perfil de actividade das equipas em função da posição específica, verificamos através da análise realizada, que os resultados da distância total percorrida pelos jogadores é de ± m para os defesas, ± m para os médios e de ± m para os avançados. Estes valores são ligeiramente inferiores aos estudos realizados anteriormente, como por exemplo, no estudo realizado por Ekblom (1986), cujos resultados demonstram que os médios centro percorreram 10600m por jogo, enquanto que os defesas e os avançados percorreram 10100m e 9600m, respectivamente. No estudo efectuado por Barros e colaboradores (2007) os resultados demonstram que os defesas laterais percorrem maiores distâncias (10642 m) do que os médios laterais (10598 m), os médios centro (10476 m), os avançados (9612 m) e os defesas centrais (9029 m). Di Salvo e colaboradores (2007) verificaram no seu estudo realizado com 300 futebolistas 23

31 Discussão de elite em 20 jogos da Primeira Liga Espanhola e 10 jogos da Liga dos Campeões, que os médios centro percorreram distâncias de ± 625 m, os médios laterais ± 776 m, os defesas laterais ± 708 m, os defesas centrais ± 893 m e os avançados ± 894 m. Tal como podemos verificar pelo que foi acima descrito, no nosso estudo foram percorridas menores distâncias em todas as posições dos jogadores e foram os defesas que percorreram maiores distâncias, quando comparados com os médios e os avançados. Estes resultados contrariam os estudos anteriores, onde normalmente os médios percorrem maior distância durante os jogos, seguidos pelos defesas laterais, atacantes e defesas centrais (Bangsbo et al., 1991; Mohr et al. 2005; Di Salvo et al e Barros et al. 2007). O modelo técnicotáctico de jogo das equipas, bem como as novas funções exercidas por determinadas posições, podem ter influência nestes resultados, visto que, actualmente, os treinadores contemporâneos delegam funções mais tácticas a determinados jogadores, o que pode influenciar directamente o comportamento das suas acções de jogo. Quando analisamos as distâncias percorridas na 1ª e 2ª do jogo, em função da posição específica, verificamos uma ligeira diminuição na 2ª parte dos jogos para os defesas e os médios e um aumento para os avançados. Os resultados dos defesas e dos médios vão de encontro aos resultados obtidos por Barros e colaboradores (2007), nos quais, também se verificou uma diminuição na 2ª parte do jogo. Esta diminuição ocorre devido à fadiga, pois, segundo Barros e colaboradores, (2007) a fadiga no futebol pode manifestar-se como a deterioração das acções dos futebolistas até ao final do jogo. Os resultados dos avançados poderão talvez ser explicados pelo facto de os avançados 24

32 Discussão serem mais frequentemente substituídos no decorrer dos jogos, o que leva a que o jogador que entra se encontre no total das suas capacidades físicas, não tendo a fadiga um papel tão preponderante na diminuição das distâncias percorridas pelos avançados. Constatamos, ainda, que existem diferenças significativas relativamente à distância percorrida com posse de bola, nomeadamente entre defesas e avançados e entre os médios e os avançados, com os avançados a percorrerem muito menos distância em posse da mesma, o que poderá ser explicado pela maior pressão exercida pelas equipas na sua zona defensiva, a fim de evitar situações de perigo para a sua baliza. No presente estudo verificamos, ainda, que os avançados passam mais tempo no último terço do campo adversário e na grande área adversária do que os médios e os defesas respectivamente. Não encontramos, na literatura, estudos para comparar estes resultados, no entanto, isto poderá ser explicado pelas funções específicas de cada jogador, de acordo com a posição que ocupam no jogo e consequentemente pelas respectivas zonas de actuação dessas posições. No estudo de Di Salvo e colaboradores (2007), verificamos que os médios laterais e os defesas laterais realizaram mais sprints do que os jogadores que ocupam posições mais centrais (defesas centrais, médios centro e avançados). No entanto, no nosso estudo apenas consideramos três grupos posicionais de jogadores (defesas, médios e avançados) e verificamos que os resultados podem estar de acordo com os do estudo anteriormente citado, visto que os médios (médios centro e médios laterais) realizam mais sprints do que os 25

33 Discussão defesas (defesas centrais e defesas laterais) e do que os avançados respectivamente quer na 1ª, quer na 2ª parte dos jogos. No que concerne ao tempo gasto na actividade de baixa intensidade e à distância percorrida neste tipo de actividade, apuramos que os defesas passam mais tempo em actividade de baixa intensidade e percorrem também maiores distâncias do que os médios e os avançados, o que vai de encontro ao que verificou Di Salvo e colaboradores (2007), no seu estudo, onde os defesas centrais passaram significativamente mais tempo a andar e a correr a baixa intensidade do que qualquer jogador de outra posição específica. No nosso estudo, os defesas e os médios passam mais tempo em actividades de média intensidade do que os avançados. Os médios percorrem também mais distância em actividades de média e alta intensidade quando comparados com os defesas e os avançados. Estes resultados assemelham-se aos do estudo realizado por Di Salvo e colaboradores (2007), onde os médios centro também percorrem mais distância em actividades de moderada intensidade e os médios exteriores são aqueles que passam mais tempo e percorrem mais distância em actividades de alta intensidade. Verificamos, ainda, que todos os jogadores das diferentes posições apresentam valores da distância percorrida na actividade de média e alta intensidade superiores na 2ª parte dos jogos relativamente à 1ª parte. Na literatura, quando é feita a comparação entre a 1ª e a 2ª parte, relativamente às distâncias percorridas no jogo, verifica-se um decréscimo de 5%-9% (Bangsbo, 1994b). Esta diminuição da distância total percorrida pode ter a sua origem em factores como a depleção do glicogénio muscular, intensidade da corrida, condições ambientais e estilo de jogo (Bangsbo, 1994b). Por outro lado, no estudo efectuado por Di Salvo e 26

34 Discussão colaboradores (2007), não foram encontradas diminuições significativas na distância percorrida entre a 1ª e a 2ª parte do jogo e também não se verificou uma diminuição na actividade de alta intensidade até ao fim do jogo. No estudo realizado por Caixinha e colaboradores (2004), todos os jogadores, à excepção do defesa central, percorreram maior distância na 2ª parte do treino comparativamente à primeira. A intensidade com que um jogador executa as acções no jogo depende da forma como as equipas jogam (sistema, estilo e modelo de jogo) e da forma como condicionam o ritmo de jogo (Garganta, 1997). No entanto, os jogadores de nível competitivo mais elevado empregam uma maior percentagem do tempo total de jogo percorrido a uma velocidade maximal (Bangsbo et al, 1991; Reilly, 1996). Numa segunda etapa do trabalho, comparamos o perfil de actividade das equipas em função do resultado final do jogo. Apuramos que as equipas que saem vitoriosas dos jogos percorrem mais distância com posse de bola, enquanto que, aquelas que são derrotadas percorrem mais distância sem posse de bola. A comparação deste indicador com o resultado final do jogo ainda não foi muito explorada na literatura, mas um dos mais importantes indicadores da performance no futebol é a posse de bola (Garganta, 2000; Hughes, 2003; Hughes & Bartlett, 2002), logo, pensamos que estes resultados confirmam que as equipas com maior capacidade de manter a bola em sua posse, normalmente conseguem alcançar melhores resultados. Na terceira fase do trabalho procuramos comparar o perfil de actividade das equipas em função da classificação final no referido campeonato, isto é, se as equipas foram eliminadas na fase de grupos ou se passaram às eliminatórias. Analisando os valores médios das variáveis, verificamos que as equipas que 27

35 Discussão passaram à fase de eliminatórias percorrem mais distância com posse de bola, realizam mais sprints na 1ª parte dos jogos e no total do tempo de jogo e ainda que percorrem mais distâncias em actividades de baixa intensidade. Estes resultados vêm confirmar a maior qualidade das equipas que passam à fase de eliminatórias, porque conseguem ter mais tempo a bola em seu poder do que os seus adversários, porque realizam mais actividades de alta intensidade durante todo o jogo como por exemplo os sprints, o que pode indicar uma melhor preparação física e um treino mais eficaz. Estas equipas percorrem, ainda, uma maior distância em actividade de baixa intensidade o que poderá ser, por um lado, o resultado do maior esforço despendido até agora, visto que disputaram muito mais jogos e por outro poderá evidenciar uma maior experiência na gestão do esforço, aspecto importantíssimo neste tipo de competições devido ao curto espaço de tempo em que estas se realizam. Por último, comparamos o perfil de actividade das equipas em função da fase em que o jogo se disputou (fase de grupos ou eliminatórias). Assim, nos jogos disputados nas eliminatórias, as equipas percorrem maiores distâncias totais, com posse de bola, sem posse de bola, em actividades de baixa, média e alta intensidade, realizam ainda mais sprints e atingem maiores velocidades máximas, principalmente na primeira parte dos jogos. Isto poder-se-á dever à extrema importância destes jogos, pois só a vitória interessa para seguir em frente na competição, fazendo com as equipas demostrem uma maior capacidade de esforço e de sacrifício para terem sucesso, reflectindo-se isso num aumento das distâncias percorridas e das diversas actividades realizadas a diferentes intensidades pelos futebolistas durante o jogo. Num Campeonato do Mundo de Futebol, talvez a competição mais importante e mediática do 28

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL José Cícero Moraes / UFRGS Daniel Perin / UFRGS Marcelo Francisco da Silva Cardoso Cardoso / UFRGS Alberto de Oliveira

Leia mais

CAPÍTULO III METODOLOGIA

CAPÍTULO III METODOLOGIA CAPÍTULO III METODOLOGIA 1. Amostra Para a realização deste trabalho foram recolhidos dados de 4 jogos completos de Hóquei em Patins, relativos ao Campeonato Europeu de Juvenis, nos quais havia necessariamente

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo será efectuada a discussão dos resultados apresentados anteriormente. A discussão visa compreender os resultados obtidos, mediante a comparação com estudos

Leia mais

TAÇA DA LIGA 11 DEIXA A TUA MARCA FAZ A DIFERENÇA!

TAÇA DA LIGA 11 DEIXA A TUA MARCA FAZ A DIFERENÇA! TAÇA DA LIGA 11 DEIXA A TUA MARCA FAZ A DIFERENÇA! Época 2015/2015 REGULAMENTO Na tradição dos grandes eventos desportivos nacionais e internacionais e do sucesso inquestionável alcançado com a realização

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC

1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna. 16h00m Guia FC vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs Imortal DC GOLFINHOS A 4 EQUIPAS Associação Academia Alto Colina FC Ferreiras 1ª Jornada 12 Março, Estádio Arsénio Catuna Hora 16h00m vs Associação Academia Alto Colina 16h00m FC Ferreiras vs 2ª Jornada 26 de Março

Leia mais

Associação de Futebol do Porto

Associação de Futebol do Porto RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, 96/100 4100.068 PORTO COMUNICADO OFICIAL Circular n.º 79 = 2014/2015= Para o conhecimento e orientação dos Clubes Filiados, SAD s, SDUQ s, Árbitros, Órgãos de Comunicação Social

Leia mais

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011 CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub 18 2010 / 2011 O Departamento de Competições da FPR vai organizar o Circuito Nacional de Rugby de 7, para os escalões Sub 16 e Sub 18. Este Circuito realiza-se

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE AVEIRO REGULAMENTO DE PROVAS OFICIAIS FUTEBOL 11 / 7 CAMPEONATOS DISTRITAIS

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE AVEIRO REGULAMENTO DE PROVAS OFICIAIS FUTEBOL 11 / 7 CAMPEONATOS DISTRITAIS ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE AVEIRO REGULAMENTO DE PROVAS OFICIAIS FUTEBOL 11 / 7 CAMPEONATOS DISTRITAIS Aprovado nas Assembleias Gerais da AFA de 03.07.2000, 25.10.2002, 06.12.2004 e 28.01.2005 I REGULAMENTO

Leia mais

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO?

Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? Se é possível cuidar, recuperar e integrar as pessoas internadas, dependentes com incapacidade funcional, sem a ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO? É, mas não com a mesma qualidade.. (Mark Twain) AGRADECIMENTOS

Leia mais

Associação de Futebol do Porto RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, PORTO

Associação de Futebol do Porto RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, PORTO RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, 96 4100. PORTO COMUNICADO OFICIAL Circular n.º 87 = 2015/2016= Para o conhecimento e orientação dos Clubes Filiados, SAD s, SDUQ s, Árbitros, Órgãos de Comunicação Social e demais

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) FREQUENTLY ASKED QUESTIONS ( FAQ )

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) FREQUENTLY ASKED QUESTIONS ( FAQ ) SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) FREQUENTLY ASKED QUESTIONS ( FAQ ) Fevereiro 2009 1- Porquê o escalonamento das federações em níveis? É uma forma de impedir distorções no modelo resultantes,

Leia mais

Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto

Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto Regulamento Prova FUTEBOL 7 Gabinete de Actividades Desportivas da Universidade do Porto GADUP Rua da Boa Hora n.º 18-A 4050-099 Porto Telefone: 222 074 164 Fax: 222 003 067 E-mail: gadup@sas.up.pt Web:

Leia mais

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ÉPOCA 2014-2015 TAÇA DE PROMOÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA REGULAMENTO Regulamento da Taça de Promoção da Associação de Futebol da Guarda Época 2014-2015 Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE VOLEIBOL

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE VOLEIBOL GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE VOLEIBOL 2001-2002 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. ESCALÕES ETÁRIOS... 4 2. CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS... 5 2.1. INFANTIS VER REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO...

Leia mais

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS 2016-2017 Pressupostos básicos - Poderão participar nestes Campeonatos todos os atletas filiados na ATMM, independentemente do seu escalão. - Para poder participar num

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

Periodização do Treino no Futebol

Periodização do Treino no Futebol Curso de Preparadores Físicos 9 de Fevereiro de 2013 Periodização do Treino no Futebol João Aroso Periodizar Modelo Teórico Desenvolvimento do processo de treino no tempo A periodização do treino tem vindo

Leia mais

REGRAS DO CAMPEONATO

REGRAS DO CAMPEONATO REGRAS DO CAMPEONATO 1) O campeonato será constituído de fase eliminatória e fase final. Apenas quatro times da fase eliminatória passarão para as finais. 2) Serão dois tempos de 5 minutos cada, com intervalo

Leia mais

PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA DEFESA INDIVIDUAL PRESSIONANTE TODO O CAMPO

PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA DEFESA INDIVIDUAL PRESSIONANTE TODO O CAMPO PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA TODO O CAMPO (O MODELO ADOPTADO NAS SELECÇÕES NACIONAIS DE SUB 16 E 20 FEM. E NO C.N.T CALVÃO) RICARDO VASCONCELOS EUGÉNIO RODRIGUES Clinic Campeonatos Nacionais

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE PISTA

ESCOLA NACIONAL DE PISTA CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2014 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL

REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL Época 2010/11 Basquetebol Masculino e Feminino Página 1 de 8 ÍNDICE I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Âmbito II. ORGANIZAÇÃO DE PROVAS Artigo 2º - Modelo Competitivo Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL

REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL REGULAMENTO DE PROVA OFICIAL Época 2010/11 de 11 Página 1 de 8 ÍNDICE I. DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º - Âmbito II. ORGANIZAÇÃO DE PROVAS Artigo 2º - Modelo Competitivo Artigo 3º - Sistema Competitivo

Leia mais

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência.

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência. Treinador Eficaz Resende, R., Fernández, J. J., Aranha, Á., & Albuquerque, A. (2011). Treinador eficaz. In J. Prudente & H. Lopes (Eds.), Seminário Internacional de Desporto e Ciência 2011 (pp. 7). Funchal:

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. (Revisto em setembro de 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. (Revisto em setembro de 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL 2013 2017 (Revisto em setembro de 2015) ÍNDICE 1. Introdução 2 2. Escalões etários 3 3. Constituição das Equipas 4 4. Regulamento Técnico-Pedagógico 5 5. Classificação,

Leia mais

Exercício de treino Mais do que uma repetição uma oportunidade para inovar!

Exercício de treino Mais do que uma repetição uma oportunidade para inovar! Exercício de treino Mais do que uma repetição uma oportunidade para inovar! Bruno Travassos 1 & Duarte Araújo 2 1 Universidade da Beira Interior / Faculdade Motricidade Humana - UTL 2 Faculdade Motricidade

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

Torneio das Habilidades

Torneio das Habilidades Torneio das Habilidades de maio de 2016 10:45 h Regulamento Torneio das Habilidades O torneio das habilidades decorrerá no Complexo Desportivo de Amarante, no dia a partir das 10:15h. Este torneio é destinado

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 3 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA ORGANIZAÇÃO E CONDUÇÃO DO PROCESSO DE TREINO As Componentes da Carga de Treino A Carga...no esforço

Leia mais

2ª MARATONA DE FUTEBOL 5 JUNTA DE FREGUESIA AVENIDAS NOVAS Seniores

2ª MARATONA DE FUTEBOL 5 JUNTA DE FREGUESIA AVENIDAS NOVAS Seniores Uma Organização da 2ª MARATONA DE FUTEBOL 5 JUNTA DE FREGUESIA AVENIDAS NOVAS Seniores INTRODUÇÃO O TORNEIO realizar-se-á no dia 4 de Junho, de acordo com as regras da FIFA-FPF e Associação Futebol Lisboa.

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã III TORNEIO FUTSAL INTER-FREGUESIAS DO CONCELHO DE CANTANHEDE REGULAMENTO 1. INTRODUÇÃO 1.1 O presente regulamento aplica-se ao III Torneio de Futsal Inter-Freguesias do concelho de Cantanhede. 1.2. A

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

FUTEBOL DE PRAIA 2015

FUTEBOL DE PRAIA 2015 FUTEBOL DE PRAIA 2015 I - Campeonato Nacional de Futebol de Praia 2015 1. O Campeonato Nacional de futebol de praia é composto por duas divisões: Elite e Nacional. 2. Participam na divisão de elite os

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE XADREZ DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES

ASSOCIAÇÃO DE XADREZ DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES ASSOCIAÇÃO DE XADREZ DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DE COMPETIÇÕES Aprovado em Assembleia Geral de 13 de Outubro de 2014 PRIMEIRA PARTE Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito de Aplicação) 1. O presente

Leia mais

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM RECOMENDAÇÕES DO ACSM PARA NUTRIÇÃO RECOMENDAÇÃO ACSM 6-10g/kg por dia HCO PELAS RAZÕES ABAIXO REFERIDAS, DEVEM SER PRIVILEGIADOS OS ALIMENTOS RICOS EM AMIDO E CELULOSE (POLISSACARIDEOS)

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Infantis (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Infantis (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico DE Infantis (Futebol) Época 2015-2016 Organização Competitiva e Regulamento Específico CLUBES PARTICIPANTES ILHA DO FAIAL ANGÚSTIAS ATLÉTICO CLUBE FAYAL SPORT CLUB CLUBE FLAMENGOS GRUPO DESPORTIVO CEDRENSE

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 1 Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 20 horas Total de

Leia mais

Regulamento do Torneio Regional de Tens Feminino 2016/2017 2

Regulamento do Torneio Regional de Tens Feminino 2016/2017 2 REGULAMENTO DO TORNEIO REGIONAL DE TENS FEMININO 2016/2017 Artigo 1.º (Regime Supletivo) Ao Torneio Regional de Tens Feminino aplicam-se as normas do Regulamento Geral de Competições em tudo o que não

Leia mais

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS 2015-2016 Pressupostos básicos - Poderão participar nestes Campeonatos todos os atletas filiados na ATMM, independentemente do seu escalão. - Para poder participar num

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 DESPORTO ESCOLAR

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL 2009-2013 DESPORTO ESCOLAR ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ESCALÕES ETÁRIOS/ BOLA DE JOGO/DURAÇÃO DE JOGO...4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA...5 4. ARBITRAGEM...6 5. CLASSIFICAÇÃO/

Leia mais

JOGO (OUT 2016) - PORTO

JOGO (OUT 2016) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (OUT 2016) - PORTO Neste curso completo de 24 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto

MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto MUNICÍPIO DO CADAVAL Serviço de Desporto 5º CAMPEONATO CONCELHIO DE FUTSAL 2009/10 (Seniores Masculinos) Normas de Participação 1- PARTICIPAÇÃO 1.1- Todas Associações

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais

O Campeonato Nacional da 3.ª Divisão é disputado por um número ilimitado de Equipas.

O Campeonato Nacional da 3.ª Divisão é disputado por um número ilimitado de Equipas. Regulamento Variante: Pool Português Disciplina: Bola 8 Competição: Campeonato Nacional 3ª Divisão O Campeonato Nacional da 3.ª Divisão é disputado por um número ilimitado de Equipas. A competição, para

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. (Revisto em Setembro de 2014)

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. (Revisto em Setembro de 2014) REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL 2013 2017 (Revisto em Setembro de 2014) Índice 1. Introdução 2 2. Escalões etários 3 3. Constituição das Equipas 4 4. Regulamento Técnico Pedagógico 5 5. Classificação,

Leia mais

2011/2012. I - TABELA DE PRÉMIOS DE JOGO (valores sujeitos a IRS) MASCULINOS ÁRBITROS OFICIAIS DE MESA COMISSÁRIOS

2011/2012. I - TABELA DE PRÉMIOS DE JOGO (valores sujeitos a IRS) MASCULINOS ÁRBITROS OFICIAIS DE MESA COMISSÁRIOS A) 2011/2012 I - TABELA DE PRÉMIOS DE JOGO (valores sujeitos a IRS) MASCULINOS ÁRBITROS OFICIAIS DE MESA COMISSÁRIOS Liga Portuguesa de 108 36 * 50 Basquetebol / Taça Federação LPB Final do Play-Off da

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 131 ANÁLISE DE GOLS QUANTO A FORMA E LOCAL DA EQUIPE SUB-8 DO CLUBE DE REGATAS FLAMENGO NO CAMPEONATO ESTADUAL DA LIGA RIOFUTSAL, MÓDULO NOVOS TALENTOS DE 2012 Luiz Fernando A. Serpas Filgueiras 1 RESUMO

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL 708 ROLHFS, I. C. P. M; et al. A escala de humor de Brunel (Brums): instrumetno para detecção precoce da síndrome do excesso de treinamento. Rev Bras Med Esporte. v. 14, n. 3, mar/jun, p. 176-181, 2008.

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12)

FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) FUNDAÇÃO UNIRG CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG (FONTE 12) Nome do autor (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA (FONTE 12) GURUPI TO MÊS, ANO. MODELO DE FOLHA DE ROSTO NOME DO ALUNO (FONTE 12) TÍTULO DO PROJETO

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

Torneio Masculino de Fut3 REGULAMENTO

Torneio Masculino de Fut3 REGULAMENTO REGULAMENTO CAPÍTULO I 1. Generalidades 1.1. Todos os jogos serão realizados no Salão da Associação Cultural e Recreativa de Maceirinha; 1.2. Não são permitidas alterações de horários ou adiamento de jogos;

Leia mais

DEFINIÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DEFINIÇÃO DE COMPETÊNCIAS REGULAMENTO NOTA JUSTIFICATIVA A promoção e generalização da prática desportiva junto da população é um fator essencial de melhoria da qualidade de vida e de formação pessoal, social e desportiva. Neste

Leia mais

Andebol. Iniciados Masculinos

Andebol. Iniciados Masculinos Clube da Propaganda da Natação Associação de do Porto ( de Infantis) Boavista Futebol Clube Associação Académica de São Fernando Melfe João Queirós Pedro Henriques Rafael Carolo Nuno Guimarães Promover

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013

PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 PROCESSO SELETIVO EDITAL 17/2013 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas. I N S T

Leia mais

Voleibol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-22h00) Futebol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-21h00)

Voleibol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-22h00) Futebol de Praia Equuspolis, Golegã (19h00-21h00) PROGRAMA* DIA 7 DIA 8 DIAS 10, 11, 12 E 13 DIAS 14 DIA 15 DIAS 17,18, 19 E 20 DIAS 21, 22 E 23 DIAS 24, 25 E 26 DIA 27 E 28 DIA 29 Apresentação das Equipas Equuspolis Golegã (22h00) Desfile Cada equipa

Leia mais

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto Guifões 21/05/2012 Introdução: Os jogadores Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Os nossos jogadores sabem cada

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 16 ANÁLISE DO TEMPO DE POSSE DE BOLA E A SUA INFLUÊNCIA NO RESULTADO DOS JOGOS DO CAMPEONATO MUNDIAL DE FUTSAL Rafael Acosta Caetano 1 Rogério Cunha Voser 2 José Cícero Moraes 2 Marcelo Silva Cardoso 2

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

50 Anos Jogos Juvenis do Barreiro TORNEIO BASQUETEBOL 3 X 3

50 Anos Jogos Juvenis do Barreiro TORNEIO BASQUETEBOL 3 X 3 REGULAMENTO 1 Introdução 50 Anos Jogos Juvenis do Barreiro TORNEIO BASQUETEBOL 3 X 3 2014 O 3x3 (pronunciado 3 por 3), e anteriormente conhecido como FIBA 33, é uma versão formalizada do basquetebol de

Leia mais

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971 REGULAMENTO CAMPEONATO MINEIRO INFANTIL DE CLUBES 2013 1. A Competição será realizada de acordo com o Regulamento Geral de Competições da FMH, pelas regras oficiais da IHF e por este Regulamento Especifico.

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência e Factores de Sucesso do Aleitamento Materno no Hospital

Leia mais

XVI Torneio de Futebol 11 Sénior 2011

XVI Torneio de Futebol 11 Sénior 2011 Regulamento Geral Introdução Para a realização da XVI edição deste Torneio, no qual participam todos os 6 Clubes do Concelho com Futebol de 11 Sénior não profissional devidamente inscritos na Associação

Leia mais

Associação de Futebol do Porto RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, PORTO

Associação de Futebol do Porto RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, PORTO RUA ANTÓNIO PINTO MACHADO, 96 4100. PORTO COMUNICADO OFICIAL Circular n.º 179 = 2016/2017= FUTSAL Para o conhecimento e orientação dos Clubes Filiados, SAD s, SDUQ s, Árbitros, Órgãos de Comunicação Social

Leia mais

PROJECTO PULSAR EFEITOS DA RADIAÇÃO CÓSMICA EM PELÍCULA HOLOGRÁFICA

PROJECTO PULSAR EFEITOS DA RADIAÇÃO CÓSMICA EM PELÍCULA HOLOGRÁFICA 1 of 6 PROJECTO PULSAR - Efeitos da radiação cósmica em película holográfica Alexandre Cabral (INETI), Paulo Pires (INCM), José Manuel Rebordão (INETI) LISBOA, 24 DE JUNHO DE 2002 ACTIVIDADE Efeitos da

Leia mais

Classificação Year Academic degree Institution. Classification 2008 DOUTOURANDO Faculdade de Motricidade Humana MESTRADO Muito Bom

Classificação Year Academic degree Institution. Classification 2008 DOUTOURANDO Faculdade de Motricidade Humana MESTRADO Muito Bom Curriculum vitae 1. Dados pessoais 1. Personal data Nome completo Full name Bruno Filipe Rama Travassos BI National identity card 11878126 Local e data de Nascimento Birth place and date Coimbra 23-04-1981

Leia mais

Regulamento Específico de Andebol

Regulamento Específico de Andebol Regulamento Específico de Andebol Regulamento Andebol 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESCALÕES ETÁRIOS / BOLA DE JOGO... 4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... 4 4. MESA DE JOGO... 4 5. ARBITRAGEM... 5 6. DURAÇÃO

Leia mais

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001

Contas Económicas da Silvicultura 1990 2001 Informação à Comunicação Social 27 de Dezembro de 22 Contas Económicas da Silvicultura 199 21 O Valor Acrescentado Bruto da Silvicultura decresceu,4% em termos reais, mas aumentou 35% em valor entre 199

Leia mais

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola

O Treino da Resistência Aeróbia na Escola O Treino da Resistência Aeróbia na Escola Leiria, 27 de Janeiro 2006 Análise da Situação Aumento da obesidade juvenil 1 terço das crianças (dos 7 aos 11 anos) é obesa Sedentarismo juvenil Jogam mais computador

Leia mais

1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO REGULAMENTO GERAL

1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO REGULAMENTO GERAL 1º CAMPEONATO INTERNO DA UNIOESTE CAMPUS TOLEDO FUTEBOL SETE SINTÉTICO - 2010 - REGULAMENTO GERAL DAS FINALIDADES 1 O Campeonato Interno da Unioeste / Campus de Toledo tem por finalidade a integração e

Leia mais

CIRCUITO DE BEACH POLO ANNP E T A P A S

CIRCUITO DE BEACH POLO ANNP E T A P A S CIRCUITO DE BEACH POLO ANNP E T A P A S I - CALDAS DE AREGOS Resende 24 de Agosto 2008 II - MONDIM DE BASTO - Mondim Basto 30 de Agosto 2008 III BARRAGEM DA QUEIMADELA Fafe 06 de Setembro 2008 Data Limite

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? A equipa e o Campo O é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos são introduzir

Leia mais

Departamento de Estatística

Departamento de Estatística Laboratório de Ciências - Aula 3 Departamento de Estatística 7 de Janeiro de 2014 Introdução Suponha que dispomos de um conjunto de dados, por exemplo, número de gols (ou número de impedimentos, chutes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA Fundada em 30-03-1925 www.afbeja.com FUTEBOL ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO 1. OBJETIVOS GERAIS 1.01. Possibilitar a todas as crianças da nossa Associação praticar futebol

Leia mais

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Faculdade de Motricidade Humana Escola Secundária Fernando Namora Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Orientadores: Professores Estagiários:

Leia mais

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO

AND PRAIA ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO AND PRAIA 2016 18ª Edição REGULAMENTO DO CIRCUITO 1 Organização: A organização deste conjunto de eventos é da responsabilidade da Associação de Andebol do Porto, em colaboração com diversas entidades.

Leia mais

Normas Olimpíadas Desporto

Normas Olimpíadas Desporto Normas Olimpíadas Desporto Atletismo 1. Elementos por equipa Sem critérios 2. Provas As provas escolhidas para as Olimpíadas foram: 60 Metros; 1500 Metros; 3. Sistema de competição 60 Metros: 1ª Fase (+60)

Leia mais

Análise: Relógio TomTom Spark Cardio+Music GPS Fitness

Análise: Relógio TomTom Spark Cardio+Music GPS Fitness Análise: Relógio TomTom Spark Cardio+Music GPS Fitness Date : 12 de Maio de 2016 A moda dos dias de hoje é fazer desporto e ter gadgets que monitorizem cada acção que fazemos. Depois de registadas as actividades

Leia mais

U. D. VILAFRANQUENSE S. L. BENFICA SPORTING C. P ODISSEIA BASKET C. SANTARÉM BASKET U. D. OLIVEIRENSE F. C. BARREIRENSE ATLÉTICO DE REGUENGOS

U. D. VILAFRANQUENSE S. L. BENFICA SPORTING C. P ODISSEIA BASKET C. SANTARÉM BASKET U. D. OLIVEIRENSE F. C. BARREIRENSE ATLÉTICO DE REGUENGOS U. D. VILAFRANQUENSE S. L. BENFICA SPORTING C. P. 2010 ODISSEIA BASKET C. SANTARÉM BASKET U. D. OLIVEIRENSE ATLÉTICO DE REGUENGOS F. C. BARREIRENSE No sentido de garantir mais momentos de prática desportiva

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO TORNEIO DE FUTEBOL 7 - MONTEIRO LOBATO 2016 NOME DA EQUIPE: REPRESENTANTE: CELULAR: 1. RG/MATRÍCULA 2.

FICHA DE INSCRIÇÃO TORNEIO DE FUTEBOL 7 - MONTEIRO LOBATO 2016 NOME DA EQUIPE: REPRESENTANTE: CELULAR:   1. RG/MATRÍCULA 2. FICHA DE INSCRIÇÃO TORNEIO DE FUTEBOL 7 - MONTEIRO LOBATO 2016 NOME DA EQUIPE: REPRESENTANTE: CELULAR: EMAIL: 1. RG/MATRÍCULA 2. RG/MATRÍCULA: 3. RG/MATRÍCULA: 4. RG/MATRÍCULA 5. RG/MATRÍCULA 6. RG/MATRÍCULA

Leia mais

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. Guilherme Sanches Valverde 2 Fernanda Pereira de Souza 3 Rosangela Marques Busto 4 Abdallah Achour Junior 4 Fausto Orsi de Medola 4 RESUMO Este estudo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Benjamins (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA HORTA Benjamins (Futebol) Época Organização Competitiva e Regulamento Específico DE Benjamins (Futebol) Época 2015-2016 Organização Competitiva e Regulamento Específico CLUBES PARTICIPANTES ILHA DO FAIAL ANGÚSTIAS ATLÉTICO CLUBE FAYAL SPORT CLUB CLUBE FLAMENGOS GRUPO DESPORTIVO CEDRENSE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA Carlos Sacadura Outubro de 2011 Possibilitar a todas as crianças do nosso distrito a oportunidade de praticar futebol como um desporto de recreação, tempo livre e formação;

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL Marcelo Odilon Cabral de Andrade / UFV Israel Teoldo da Costa / UFV marcelo.andrade@ufv.br ոո Palavras-chave: Tática,

Leia mais

ES3QM - Resultados dos exames do 12º ano de escolaridade A evolução dos resultados dos exames do 12º ano Médias por escola 4

ES3QM - Resultados dos exames do 12º ano de escolaridade A evolução dos resultados dos exames do 12º ano Médias por escola 4 Escola Secundária com 3º Ciclo da Quinta do Marquês, Oeiras Resultados dos exames do 12º ano de escolaridade 2000-2010 2 Índice Introdução 3 A evolução dos resultados dos exames do 12º ano Médias por escola

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL 2009 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, TEMPO DE JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE... 4 3. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... 5 4. ARBITRAGEM... 5 5. CLASSIFICAÇÃO,

Leia mais

[OBSERVAÇÃO E ANÁLISE NO FUTEBOL PROFISSIONAL] Protocolo Treinador Adjunto/Observador e Analista

[OBSERVAÇÃO E ANÁLISE NO FUTEBOL PROFISSIONAL] Protocolo Treinador Adjunto/Observador e Analista 2016 Pedro Monteiro [OBSERVAÇÃO E ANÁLISE NO FUTEBOL PROFISSIONAL] Protocolo Treinador Adjunto/Observador e Analista Índice Objetivos da Observação e Análise no Futebol... 3 Enquadramento na equipa técnica...

Leia mais