Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura"

Transcrição

1 Silvicultura 105

2 106 Balanço 2016 Perspectivas 2017

3 Perspectivas 2017 CRESCIMENTO DO SETOR DE FLORESTAS PLANTADAS E REDUÇÃO DA INSEGURANÇA JURÍDICA SÃO PRINCIPAIS APOSTAS A redução dos investimentos em novos plantios, observada há alguns anos principalmente nas culturas de eucalipto e pinus (figura 1), contradiz o compromisso do Brasil em restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares para o cumprimento do Acordo de Paris (COP 21) ratificado em Para que esse desafio nacional seja, de fato, uma oportunidade para o silvicultor brasileiro a partir de 2017, há necessidade de investimentos do produtor rural, ampliação das informações e capacitações técnicas que possibilitem o acesso ao crédito. Figura 1. Evolução da área de eucalipto e pinus no Brasil ( ) Área (Hectares) ,2% 6,0% 3,0% 0,6% 9,0% 4,4% 5,3% 2,3% 2,1% 2,1% 2,5% 6,5% 8,7% 5,0% 3,2% 0,6% 1,6% 1,2% 1,3% 0,5% 10% 5% 0% 5% Variação anual (%) % Eucalipto Pinus % anual Eucalipto % anual Pinus Fonte: Ibá, Elaboração CNA. O setor aguarda para 2017 o Plano Nacional de Desenvolvimento de Floresta Plantadas, previsto no Decreto n /2014. Sua execução será de responsabilidade do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a quem compete a coordenação do planejamento, a implementação e a avaliação de suas ações, assim como a promoção de sua integração com as demais políticas e setores da economia. O referido plano terá como conteúdo mínimo realizar o diagnóstico do setor de florestas plantadas, incluindo o inventário florestal, a proposição de cenários com tendências internacionais e macroeconômicas, metas de produção florestal e as respectivas ações para seu alcance. A publicação do plano é imprescindível para o replanejamento do setor para os próximos anos e irá sinalizar, por parte do governo, o compromisso com os acordos internacionais. 107

4 A soberania do país era o principal argumento do governo por não ter criado solução para a questão da compra de terras por estrangeiros e o incentivo à retomada dos investimentos. O novo governo iniciou a discussão com as entidades que representam o setor florestal e sinaliza para um acordo em breve. Isso irá exigir imediata organização e planejamento dos produtores rurais, para não perderem mercado frente à escala de produção das grandes indústrias que possuem capital estrangeiro e que deverão ficar ainda mais competitivas ao adquirir novas áreas e aumentar a produção. O mercado siderúrgico, grande consumidor de madeira para carvão vegetal e principal termômetro do setor florestal brasileiro, deverá permanecer, ao longo de 2017, dependente da China, maior produtor de aço do mundo. O país asiático, que está enfrentando pedidos de penalidades comerciais para bloquear suas exportações sob a justificativa de exportar aço abaixo do preço previsto, prometeu reduzir a capacidade de produção, de 1,1 bilhão de toneladas, entre 100 milhões e 150 milhões de toneladas ao longo de cinco anos embora ainda não tenha iniciado a redução. Por enquanto, o mercado siderúrgico interno permanece dependente do reaquecimento das indústrias da construção civil, automobilística e de eletrodomésticos. É fundamental que, no próximo ano, haja uma iniciativa ordenada de formulação de ações públicas específicas. O objetivo seria fomentar a utilização de matéria-prima florestal para fins energéticos no Brasil, de forma sustentável, tanto para atender às demandas crescentes do mercado interno quanto para aumentar a nossa participação no comércio internacional desses. Diante das características próprias que englobam o ciclo da atividade, há necessidade de caracterizar o setor como atividade específica para produção de energia. Assim, há a expectativa de realização de leilões públicos específicos para a utilização de cavaco de madeira proveniente das florestas plantadas. A recente adesão da borracha natural à Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum do Mercosul (Letec), cuja alíquota do Imposto de Importação passou de 4% para 14%, criou grande oportunidade de reorganização da cadeia produtiva da heveicultura a partir de 2017, com benefícios a todos os atores (produtores, sangradores e beneficiadores). A inclu são do produto na Letec por um ano atende às reivindicações do segmento e possibilita o reinício das discussões sobre um Plano de Desenvolvimento da Heveicultura Nacional. 108

5 Balanço 2016 INSEGURANÇA JURÍDICA PREJUDICA INVESTIMENTOS E CELULOSE É DESTAQUE NAS EXPORTAÇÕES Marcado pela queda de preço da madeira de eucalipto, 2016 não foi um ano fácil para o silvicultor brasileiro. Em algumas regiões acompanhadas pelo Projeto Campo Futuro da CNA, o valor pago ao produtor foi inferior a R$ 30/m³, enquanto a expectativa na época do plantio era receber R$ 50/m³. O tímido aumento da área plantada de eucalipto (1,3%) deveu-se aos investimentos das grandes indústrias, principalmente aquelas que abastecem o mercado de celulose. A área plantada de pinus teve retração (-0,5%) em relação ao ano anterior. Semelhantemente, a área plantada das demais culturas, cujo objetivo é principalmente a produção de madeira sólida, teve aumento pouco significativo. O ciclo de produção das florestas exige planejamento antecipado. O produtor florestal já está sem fôlego para permanecer na atividade com os baixos preços da madeira, ocasionado pelo excesso do produto em algumas regiões. Além de novas invasões por movimentos sociais em áreas privadas de empresas do setor florestal, sendo a maior delas no sul da Bahia, a insegurança jurídica, ocasionada pelo impedimento da compra de terras por estrangeiros ainda assombrou os investidores ao longo de Ainda assim, no acumulado de janeiro a setembro de 2016, o saldo da balança comercial dos produtos florestais foi positivo em US$ 6,5 bilhões, US$ 7,6 bilhões em vendas externas e US$ 1,1 bilhão em importações. Novamente, em 2016, o grande destaque foi o mercado de celulose, cujos embarques totalizaram US$ 4,1 bilhões (jan.-set.). Até setembro deste ano, o principal destino das exportações brasileiras de celulose foi a China (38%), seguido da Europa (34%). Já o papel brasileiro teve como principal mercado a América Latina (59%). 109

6 No segmento de madeira processada, no acumulado de janeiro a setembro de 2016, as exportações totalizaram US$ 2,1 bilhões, ante US$ 1,5 bilhão no mesmo período do ano passado. As importações neste ano totalizaram US$ 92 milhões e foram 16% superiores aos primeiros nove meses de Papel e borracha natural são os produtos que mais impactaram a balança comercial florestal, cujas importações, no período avaliado, foram superiores a US$ 550 milhões e US$ 220 milhões, respectivamente. Figura 2. Evolução da exportação e importação dos produtos florestais ao longo de 2016 (jan.-set.) Exportação (US$ Milhões) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Importação (US$ Milhões) Celulose (exp) Madeira (exp) Borracha e gomas naturais (exp) Papel (exp) Celulose (imp) Madeira (imp) Papel (imp) Borracha e gomas naturais (imp) Fonte: Ibá, Elaboração CNA. 110

7 111

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer

Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer Impactos Macroeconômicos da Indústria de Petróleo Prof.: Marcelo Colomer GEE - UFRJ Milhões de Reais Importância do Setor de Petróleo na Economia Brasileira (I) Desde de 2006 os investimentos na indústria

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio

Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial. Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio Evento: O Agronegócio e o Comércio Mundial Agronegócio Brasileiro: Atualidade e Desafio São Paulo, 22 de Setembro de 2015 Parece que estamos decolando ECONOMIA A BRASILEIR Agronegócio - Balança Comercial

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2016

Mamona Período: janeiro de 2016 Mamona Período: janeiro de 2016 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 78,96 93,13 88,33

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires CENÁRIO ECONÔMICO ASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE Marcelo Barros Amanda Aires SUMÁRIO Breve retrospectiva Demanda agregada Oferta agregada Crise política (contexto econômico) Emprego Análise de cenários PIB

Leia mais

CAMBIO EM ALTA FAVORECE DE FORMA VARIADA OS SEGMENTOS DO SETOR FLORESTAL

CAMBIO EM ALTA FAVORECE DE FORMA VARIADA OS SEGMENTOS DO SETOR FLORESTAL CAMBIO EM ALTA FAVORECE DE FORMA VARIADA OS SEGMENTOS DO SETOR FLORESTAL A análise conjuntural do Centro de Inteligência em Florestas (CI Florestas) de abril de 2015 observa que a condição estabelecida

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%):

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%): SIM SEBRAE Inteligência de Mercados Edição n - Fev/6 Índice de atividade econômica - IBC-Br (%) A produção industrial brasileira apresentou leve recuperação no período de novembro a dezembro de 25. pg

Leia mais

Evolução recente da indústria e importância do varejo de materiais de construção

Evolução recente da indústria e importância do varejo de materiais de construção Evolução recente da indústria e importância do varejo de materiais de construção Walter Cover (Presidente Executivo - ABRAMAT) Evento Fórum Momentos e Tendências do Varejo Brasileiro Para Materiais de

Leia mais

Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil

Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil Curitiba Fevereiro, 2014 1. INTRODUÇÃO Com objetivo de disponibilizar informação qualificada ao mercado de base florestal, a CONSUFOR desenvolveu uma pesquisa

Leia mais

Informe 05/2015 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Roc has Ornamentais

Informe 05/2015 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Roc has Ornamentais Informe 5/215 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais de Janeiro a Maio de 215 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista, 1313

Leia mais

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT

Biodiesel: Panorama e perspectivas. 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT Biodiesel: Panorama e perspectivas 23 de Abril 2014 Cuiabá - MT 1 Sumário Tecnologias de produção; A biomassa na matriz energética; Capacidade agrícola brasileira; Histórico do PNPB; Mercado; Novo marco

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Aves

Balanço 2016 Perspectivas Aves Aves 129 130 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 OFERTA E EXPORTAÇÃO EM CRESCIMENTO E QUEDA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO A produção brasileira de frango continuará crescendo em torno de 5% ao ano

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO A parceria do UFF inclui ONGs, institutos de setores de salvaguarda ambiental e social, peritos do sector financeiro e consultores

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL DE SC Agosto de 2015 Perspectivas continuam em baixa A Sondagem industrial, realizada junto a 169 indústrias catarinenses no mês de agosto, mostrou que as expectativas da indústria

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Suínos

Balanço 2016 Perspectivas Suínos Suínos 137 138 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 EXPECTATIVAS DE QUEDA DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO O abastecimento doméstico de milho a preços equilibrados está garantido para o próximo ano.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

INFLAÇAO E CAMBIO EM ALTA DEIXAM MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS INDEFINIDO

INFLAÇAO E CAMBIO EM ALTA DEIXAM MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS INDEFINIDO INFLAÇAO E CAMBIO EM ALTA DEIXAM MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS INDEFINIDO Os últimos acontecimentos nos cenários econômicos mundial e nacional, em especial, os sinais de estagnação em alguns países emergentes

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

Potencial para a produção florestal do Estado do Rio de Janeiro

Potencial para a produção florestal do Estado do Rio de Janeiro Potencial para a produção florestal do Estado do Rio de Janeiro 25 de Abril de 2013. Marcelo Santos Ambrogi Marcelo.ambrogi@imaflorestal.com.br Ibá - 2014 RJ =? Ibá - 2014 RIO DE JANEIRO O que os investidores

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

As perspectivas continuam positivas para as vendas externas

As perspectivas continuam positivas para as vendas externas FEVEREIRO/2016 As perspectivas continuam positivas para as vendas externas A Sondagem Industrial, pesquisa realizada junto a 167 indústrias catarinenses no mês de ereiro, mostrou que a indústria projeta

Leia mais

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos www.imea.com.br Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos Daniel Latorraca Superintendente Agenda Visão da cadeia de grãos nos últimos 10 anos Visão da pecuária nos últimos

Leia mais

Teleconferência dos Resultados 3T2010 Gerdau S.A. Consolidado IFRS

Teleconferência dos Resultados 3T2010 Gerdau S.A. Consolidado IFRS Teleconferência dos Resultados 3T2010 Gerdau S.A. Consolidado IFRS André Gerdau Johannpeter Diretor-Presidente e CEO Osvaldo B. Schirmer Vice-presidente e Diretor de RI 05 de novembro de 2010 1 Contexto

Leia mais

Internacionalização da Economia Brasileira

Internacionalização da Economia Brasileira ASPECTOS TÉCNICOS DO ACORDO BRASIL ARGENTINA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL Internacionalização da Economia Brasileira Paulo Vieira da Cunha São Paulo, Agosto/2007 1 Agenda 1. Internacionalização da Economia

Leia mais

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Competitividade na indústria brasileira e momento econômico Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Julho/2016 Evolução do PIB a preços de mercado (em US$ correntes) Fonte: World

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016

Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 JANEIRO/2016 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem Industrial, pesquisa realizada junto a 176 indústrias catarinenses no mês de janeiro, mostrou que o nível

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. Evair de Melo) Institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Borracha Natural de Qualidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Aquicultura e Pesca

Balanço 2016 Perspectivas Aquicultura e Pesca Aquicultura e Pesca 145 146 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 RETOMADA DO CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA REGULARIZAÇÃO SANITÁRIA Investimento em sanidade e legislação simplificada poderá

Leia mais

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif.

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif. COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min NOV 989,25 981,50 7,75 992,00 981,75 JAN 998,50 990,75 7,75 1.001,75 990,00 MAR 1005,50 997,25 8,25 1.007,75 996,25 MAI 1012,25 1004,00 8,25 1.014,25

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016

CENÁRIO ECONÔMICO. Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Outubro 2016 CENÁRIO ECONÔMICO Internacional - Destaques Mercados globais: avanço (modesto) da economia americana, bom desempenho(ainda) da China e melhora (discreta) da Zona do Euro

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Câmbio, custos e a indústria

Câmbio, custos e a indústria Câmbio, custos e a indústria Confederação Nacional da Indústria (CNI) Flávio Castelo Branco e Marcelo Azevedo Workshop Exportações e Indústria: os fatores que afetam a competitividade CINDES O que está

Leia mais

INFORME RURAL ETENE EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO NORDESTE

INFORME RURAL ETENE EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO NORDESTE O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO NORDESTE Ano 4 2010 Nº. 01 O nosso negócio é o desenvolvimento

Leia mais

EXPORTAÇÕES MODERADAS DÃO SUSTENTAÇÃO AO SETOR FLORESTAL FRENTE À CRISE

EXPORTAÇÕES MODERADAS DÃO SUSTENTAÇÃO AO SETOR FLORESTAL FRENTE À CRISE EXPORTAÇÕES MODERADAS DÃO SUSTENTAÇÃO AO SETOR FLORESTAL FRENTE À CRISE Neste mês de outubro de 2015, a Análise Conjuntural do Centro de Inteligência em Florestas (CI Florestas) acompanha as evoluções

Leia mais

ECONOMIA EM QUEDA REDUZ EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO DO SETOR FLORESTAL PARA 2014.

ECONOMIA EM QUEDA REDUZ EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO DO SETOR FLORESTAL PARA 2014. ECONOMIA EM QUEDA REDUZ EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO DO SETOR FLORESTAL PARA 2014. A conjuntura do mês de junho de 2014, do Centro de Inteligência em Florestas (CI Florestas), acompanha os movimentos dos

Leia mais

O Código Florestal e o alcance das metas brasileiras da COP 21: oportunidades e desafios

O Código Florestal e o alcance das metas brasileiras da COP 21: oportunidades e desafios CÓDIGO FLORESTAL E O ALCANCE DO DESMATAMENTO ILEGAL ZERO Brasília, 29 e 30 de março 2016 ANDI & Conservação Internacional Brasil O Código Florestal e o alcance das metas brasileiras da COP 21: oportunidades

Leia mais

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade

Objetivo do programa. Desenvolvimento competitivo e sustentável. Promoção de parcerias estratégicas. Produtividade. Valor agregado. Ganho de qualidade Objetivo do programa Desenvolvimento competitivo e sustentável Produtividade Promoção de parcerias estratégicas Valor agregado Ganho de qualidade Contextualização Os 3 Pilares para o desenvolvimento da

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Hernon José Ferreira - Presidente Mercado Florestal A indústria de base florestal no Brasil vive um momento de franca expansão, devido principalmente

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

Mamona Período: janeiro de 2015

Mamona Período: janeiro de 2015 Mamona Período: janeiro de 2015 Quadro I: preço pago ao produtor Centro de Produção UF Unidade 12 meses (a) Média de Mercado 1 mês (b) Mês atual (c) Preço mínimo Var % (c/a) Irecê BA 60kg 96,02 79,16 76,18

Leia mais

Teleconferência dos Resultados - 4º Trimestre de 2007 GERDAU S.A. CONSOLIDADO

Teleconferência dos Resultados - 4º Trimestre de 2007 GERDAU S.A. CONSOLIDADO Teleconferência dos Resultados - 4º Trimestre de 2007 GERDAU S.A. CONSOLIDADO André Gerdau Johannpeter Diretor-Presidente e CEO Osvaldo B. Schirmer Vice-Presidente Executivo de Finanças e Controladoria

Leia mais

Restauração de paisagens e florestas

Restauração de paisagens e florestas Restauração de paisagens e florestas Desenvolvimento de estratégias subnacionais e integração de agendas globais Marco Terranova Um conceito com enfoque na funcionalidade dos ecossistemas A restauração

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios

MPE INDICADORES Pequenos Negócios MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

A Sardinha como Insumo da Indústria de Conservas de Pescado Brasileira

A Sardinha como Insumo da Indústria de Conservas de Pescado Brasileira A Sardinha como Insumo da Indústria de Conservas de Pescado Brasileira Pressupostos Nova Economia Institucional Teoria da Ação Coletiva DIMENSÃO DA INDÚSTRIA DE CONSERVAS DADOS REFERENTES A 2010 6 indústrias

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/16 PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre de 2016 2 O PIB completa sexto trimestre seguido de queda Fonte:

Leia mais

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS Sumário BALANÇO DE 2016 SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PERSPECTIVAS 2 Como começamos 2016 BALANÇO 2016 Inflação de preços livres se manteve

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação

Leia mais

ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel

ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel Leonardo Botelho Zilio leonardo@abiove.org.br m³ ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Sistematização de

Leia mais

Período: a definir Local: São Paulo

Período: a definir Local: São Paulo Período: a definir Local: São Paulo Objetivo: Este seminário tem por objetivo conhecer e discutir o tema Biocombustíveis sob várias perspectivas relacionadas com economia, tecnologia de produtos e processo,

Leia mais

INDÚSTRIA CONTRARIA EXPECTATIVAS E VOLTA A CRESCER. SETOR FLORESTAL TEM DESEMPENHO SEMELHANTE.

INDÚSTRIA CONTRARIA EXPECTATIVAS E VOLTA A CRESCER. SETOR FLORESTAL TEM DESEMPENHO SEMELHANTE. INDÚSTRIA CONTRARIA EXPECTATIVAS E VOLTA A CRESCER. SETOR FLORESTAL TEM DESEMPENHO SEMELHANTE. Apesar da ausência de grandes transformações e eventos no cenário econômico mundial e certa ansiedade com

Leia mais

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC.

Fonte: Elaboração Própria com base nos dados do Alice Web / MDIC. O Gráfico 1 nos mostra a evolução das exportações do Brasil, estado de São Paulo e estado de São Paulo sem região metropolitana. O número 1 (um) após o nome de cada região na legenda da Figura 1 indica

Leia mais

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 Água Energia Evolução da População Mundial 1950 2011 2050 2,5 bi 7,5 bi 9,3 bi Evolução dos Famintos 1950 2011 2050 0,5 bi 0,9 bi 1,3 bi Alimentos Lixo Pobreza

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural

VP Negócios Emergentes SN Agronegócios. Crédito Rural VP Negócios Emergentes SN Agronegócios Crédito Rural Agronegócio no Brasil fonte: SECEX/MDIC PIB Brasil 2013 R$ 4.838 bi Agronegócios R$ 1.020 bi * 21.08% US$ Bilhões 300 250 200 Exportações Brasileiras

Leia mais

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Alinne B. Oliveira Superintendente de Relações Internacionais Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CNA 17 de novembro de 2015. O agronegócio e

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL. Brasília, 27 de Agosto de 2015

PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL. Brasília, 27 de Agosto de 2015 PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL Brasília, 27 de Agosto de 2015 PRODUÇÃO MUNDIAL Ano 2013 2014 Crescimento Produção Total de 717,72 778,15 8,42% Leite Cru Total de Leite Inspecionado

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

Debêntures. Mercado e Panorama

Debêntures. Mercado e Panorama Debêntures Mercado e Panorama Índice Fatores Macroeconômicos Debêntures O BB nesse Mercado Fatores Macroeconômicos Fatores Macroeconômicos Cenários Positivos Ambiente Externo: - Ainda há apetite para risco.

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Número 11, Fevereiro/2015 www.ratingdeseguros.com.br 1 Objetivo: O objetivo desta é ser uma avaliação mensal desse segmento e seus setores relacionados (resseguro,

Leia mais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Claudio Aparecido Spadotto* A importância da agricultura brasileira Nesse texto o termo

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL REUNIÃO APIMEC BH BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DA ABIT PRESIDENTE DA CEDRO TÊXTIL Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Hortaliças

Balanço 2016 Perspectivas Hortaliças Hortaliças 99 100 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DESTAQUE PARA MAIS INVESTIMENTOS EM SISTEMAS DE CULTIVO DAS HORTALIÇAS Com área cultivada de aproximadamente 837 mil hectares e volume

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Panorama do Setor de HPPC 2016

Panorama do Setor de HPPC 2016 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto próximo a 11,4% aa nos últimos 20 anos, tendo passado de um faturamento

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

Setembro/2014. Resultados do PIB e da PIM e Perspectivas para os Próximos Trimestres. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/2014. Resultados do PIB e da PIM e Perspectivas para os Próximos Trimestres. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/2014 Resultados do PIB e da PIM e Perspectivas para os Próximos Trimestres Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre: Economia Brasileira em Recessão 2

Leia mais

As principais empresas produtoras e seus percentuais de produção no Brasil são:

As principais empresas produtoras e seus percentuais de produção no Brasil são: 24 O Brasil é o décimo quinto maior produtor de Minério de, com produção em de 4 mil toneladas. Em, o IBRAM estima que o País poderá atingir 45 mil toneladas. Espera-se um crescimento mais significativo

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A CHINA SOBEM 82% EM FEVEREIRO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A CHINA SOBEM 82% EM FEVEREIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVIII 21/março/2016 n. 617 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR PARA A CHINA SOBEM 82% EM FEVEREIRO Os dados mais atualizados sobre as exportações de açúcar bruto, refinado

Leia mais

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Panorama

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 20/03/2009. Produção ASCOM

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 20/03/2009. Produção ASCOM EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 20/03/2009 Produção ASCOM Seapa 19/03/2009 www.agricultura.mg.gov.br Ministro e secretários de Agricultura discutem Código Florestal

Leia mais

No comparativo Dez.13/ Dez.12 o setor têxtil apresentou crescimento de 2,49% e o vestuário apresentou queda de 4,9%.

No comparativo Dez.13/ Dez.12 o setor têxtil apresentou crescimento de 2,49% e o vestuário apresentou queda de 4,9%. 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em 2013 cresceram, em valor (US$), 2,4%, as exportações caíram 1,4%, enquanto o crescimento do déficit na Balança Comercial foi de 3,4% em

Leia mais

Seminário Certificação e Fomento Florestal

Seminário Certificação e Fomento Florestal Programa Klabin Fomento Florestal Seminário Certificação e Fomento Florestal Diálogo Florestal Canoinhas SC Out 2012 Fomento Florestal Fomento Florestal tem o objetivo formar florestas produtivas em áreas

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais