Cap. 4 - MOS 1. Gate Dreno. Fonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 4 - MOS 1. Gate Dreno. Fonte"

Transcrição

1 Cap. 4 - MO 1 Fonte ate reno O princípio de funcionamento do transístor de efeito de campo (TEC ou FET, na designação anglo-saxónica) assenta no controlo de uma carga móvel associada a uma camada muito fina de semicondutor, designada por canal, à custa de um campo eléctrico perpendicular à camada e que é criado por um terminal designado por porta (gate, na designação anglo-saxónica). Nas extremidades do canal existem dois contactos metálicos associados a dois terminais designados por dreno (drain) e fonte (source). É hoje o componente mais comercializado, tendo atingido densidades de 10 9 componentes por pastilha. raças à miniaturização é possível obter canais com dimensões da ordem do centésimo do mícron, facto que conduz à manifestação de efeitos quânticos interessantes que estão fora do âmbito desta disciplina. Os transístores de efeito de campo (Field Effect Transistor) são de dois tipos: os de junção (JFET) e os de Metal-Isolante-emicondutor (MIFET). Estes últimos utilizam normalmente o dióxido de silício como isolante e o silício como semicondutor, designando-se então por MOFET. O dispositivo mais próximo do JFET é o MEFET que utiliza materiais compostos da família do aas. evido à sua rapidez têm larga aplicação na área das micro-ondas. Na lista de problemas propostos e resolvidos (MO1 a MO5) é sempre calculado o ponto de funcionamento em repouso (PFR) do transístor, que define o seu funcionamento em regime estacionário e condiciona o seu comportamento em regime variável de pequenos sinais. No problema MO1 estuda-se a influência dos parâmetros estruturais do transístor na definição da tensão gate-fonte de iar. Nos restantes problemas os parâmetros característicos do MO são dados directamente (MO, MO3) ou extraídos a partir de curvas (MO4, MO5). A influência da escolha dos diversos dispositivos (resistências, fontes) ou dos parâmetros do transístor ( ), A nas diversas zonas de funcionamento do transístor (zona de tríodo, saturação, corte ou disrupção) é analisada nos problemas MO, MO3 e MO4. É estudada a influência da variação do sinal de entrada nas tensões e/ou correntes em

2 Cap. 4 - MO vários pontos do circuito. Nuns casos (Problema MO3), a análise é feita para grandes sinais em regime quase-estacionário. Nos problemas MO, MO4 e MO5 a perturbação é interpretada como uma variação corresponde a um sinal alternado sinusoidal de baixa amplitude colocado à entrada ( u () t ) i, e com efeitos importantes definidos, por exemplo à saída, através do ganho do circuito amplificador ( u () t A u () t ) o = v i.

3 Cap. 4 - MO 3 Problema MO1 Considerar o circuito da figura, que contém um transístor MOFET de canal n, cujas características são as seguintes: MOFET: espessura do óxido: a = 0, m; largura dos eléctrodos: b = 150 m comprimento do canal: L = 10 m; densidade de impurezas do substrato: tensão NA 1 3 m = 0, 10 ; B correspondente a carga espacial nula no semicondutor junto ao óxido: = V; B densidade de impurezas na fonte e no dreno: N 4 3 m = 10. ilício (T=300K): ni 16 3 m = 1, 4 10 ; 10 ε=10 F/m ; * 1 1 n 0,05 m V s μ = io (T=300K): 10 ε 0x = 0,33 10 F/m eterminar o ponto de funcionamento em repouso para: a) V = 0 V ; b) V = 3 V Nota: desprezar a contribuição da carga na região de depleção no substrato para a corrente de dreno. +5 V RL = 1 kω V

4 Cap. 4 - MO 4 Resolução A tensão porta-fonte de iar é dada pela expressão: = Q Q +φ (1) ss B V ms C0 C0 inv onde: N A φ = u ln 0,5 V inv T = () n Na situação de carga espacial nula no semicondutor junto ao óxido tem-se: i Q = Vms C ss 0 ou, atendendo a que = B : V ms Qss + = V (3) C 0 e salientar que esta situação corresponde à existência de bandas planas no semicondutor desde o óxido até ao terminal de substrato (B). εφ ε Q Q = qn d ; d = ; C = = 0,3 V (4) B ubstituindo (), (3) e (4) em (1) obtém-se: A inv ox B max max 0 qn A a C0 = 1, V Trata-se assim de um MOFET de canal n de depleção(ou empobrecimento). a) = V = 0 Hipótese: FET na saturação b * I = I = μ sat nc0 (5) sat L a análise do circuito: = I R + (6) 5 L

5 Cap. 4 - MO 5 e (5) e (6) obtém-se I = 0,1 ma e = 4,9 V. Como = =1, V sat tem-se que > sat, o que confirma a hipótese de partida. O ponto de funcionamento em repouso P é dado por: b) = V = 3 V Hipótese: transístor na saturação I = 0,1 ma ; = 4,9 V ; = 0 V. P P P a equação (5) tem-se I = 1,3 ma e da equação (6) = 3,7 V. Como <, sat não se confirma a hipótese: o transístor encontra-se neste caso na zona de não saturação. esprezando a influência da carga fixa do substrato na corrente de dreno, tem-se: * bμnc0 = ( ) I L (7) as equações (6) e (7) obtêm-se soluções: 1 = 3,6 V e = 1,4 V. A ª hipótese corresponderia a >, além de que fisicamente seria impossível já que sat seria superior à tensão da bateria. O ponto de funcionamento em repouso Q é assim dado por: I = 1, ma ; = 3, 8 V ; = 3 V Q Q Q A figura mostra a representação gráfica das duas situações atrás estudadas. I Lugar geométrico dois pontos fronteira sat/tríodo Q = 3V P = 0V 5 (V)

6 Cap. 4 - MO 6 Problema MO Considerar o circuito da figura onde: R = 0 k Ω ; R = 5 k Ω ; R = 9 k Ω ; R = 1 k Ω ; E = 10 V Transístor ( T = 300 K) : a) Calcular as tensões e correntes indicadas. = V ; A= mav b) Calcular o valor de R 4 que leva o transístor à saturação. c) Calcular Δ Δ 1 = u u 1, admitindo que E sofre uma variação Δ E << E. d) Repetir c) quando se curto circuita a resistência R 4. e) erá possível o transístor entrar na saturação quando R =? Justificar. R 1 I 1 I R 3 E R 1 R4 Resolução a) I1 = R E + R 1 (1) Hipótese: Transístor na região de não saturação. = I R = + I R () = E I R + R (3) 3 4 I A = (4) e () e (3) obtém-se:

7 Cap. 4 - MO 7 1 E = R R + R ou seja, ( + ) ( + ) R3 R4 1 R3 R4 = E+ = F + R R 4 4 (5) sendo F = ( R + R ) R = e = = E F 1 10 V. e (4) e (5) obtém-se: I = A F + F + usando (): 1 = AR 4 F F F F sendo: ( ) ; ( ) 1 e ( ) A = F F AR B = AR F + F + C = AR B1± B1 4AC A1 = = 1,0167 V ; = 1,745 V I = 0,98 ma e = 0,167 V com = 3, 0 V sat 1 I = 0,5mA e = 7,45V com = 3,75V sat Como o transístor por hipótese se admitiu na zona de não saturação é escolhida a solução 1. O ponto de funcionamento em repouso será: = 1,017 V ; I = 0,98 ma e = 0,17 V b) Consideremos a situação correspondente à fronteira saturação/não saturação. A I = sat (6)

8 Cap. 4 - MO 8 e (6), (7), (8) e (9) obtém-se: I I 1 = (7) sat R4 sat E = R + R sat 3 4 = (9) sat (8) e (7) ou seja: e (6) e (7): 1 E + = 18 9 = 6R R R + R = RI = RI 1 4 sat 1 4 sat sat E R I R I = R I I = mA sat sat sat sat 4 (10) sat I sat = = 0,816 V = 1,18 V A e (10) obtém-se R 4 = 4,78 kω. Este é o valor mínimo de R 4 que garante que o transístor se encontre na zona de saturação. c) R 4 = 10 kω: o transístor está na zona de saturação. A I = sat (11) = E I R + R (1) sat 3 4 = + R I (13) 1 4 sat e (11) e (13) considerando: = 4 ; = ; = 4 1 A AR B R A C AR B ± B 4AC 1 A = =,68 V ou = 1, 4 V

9 Cap. 4 - MO 9 Escolhe-se a ª solução uma vez que na 1ª se verifica <. O ponto de funcionamento em repouso é I = 0,34 V ; = 3, V ; = 1,4 V. Note-se que o transístor está efectivamente na saturação uma vez que > sat = 0,58 V. Os parâmetros incrementais do circuito para pequenas variações em torno do P.F.R. são: g = A = 1,16 m g = 0 m sat O circuito para componentes incrementais (caso a variação ΔE esteja associada a um sinal de frequência f, pressupõe-se que esta seja suficientemente baixa para que os efeitos capacitivos associados ao MOFET não se façam sentir) é o seguinte: ds R 1 R 3 R u 1 u gs g m u gs u ds e=δe ~ R 4 ( 1 ) u = u + g R (14) 1 gs m 4 u = e g u R (15) m gs 3 u 1 = R R + R 1 e (16) e (14), (15) e (16) obtém-se: u R1+ R gmr3 = = 0,37 u R 1+ g R 1 m 4 d) R 4 = 0 : o transístor está na zona de não saturação. = 1 = V

10 Cap. 4 - MO 10 I A = (17) e (17) e (18) obtêm-se as seguintes soluções: = 0,14 V e 1 funcionamento em repouso é: Os parâmetros incrementais são: g m E = I R + (18) 3 = 7,97 V. Como = 4 Vexclui-se a ª solução. O ponto de sat I = 1, 08 ma ; = 14 V ; = V = A = 0,8 m g = A( ) = 8m ds sat O circuito para componentes incrementais é, para os mesmos pressupostos assumidos na alínea anterior: R 1 R 3 R u 1 u gs g m u gs g ds u ds e ~ e (19), (0) e (1) obtém-se: u = u (19) 1 gs u = e g u R g u R = u (0) ds m gs 3 ds ds 3 R + R Δ = = (1) 1 E e u1 R u R1+ R = gmr3 ( 1+ gdsr3) = 0,034 u1 R d) e R = verifica-se que: = E R I 4

11 Cap. 4 - MO 11 Atendendo a que: = E R + R I 3 4 endo o MOFET de canal n e de empobrecimento ( 0) <, o circuito anterior impõe uma tensão dreno-fonte inferior à tensão dreno-fonte da entrada na saturação: < < = sat Portanto com R = o transístor está sempre a funcionar na zona de não saturação.

12 Cap. 4 - MO 1 Problema MO3 Considerar o circuito da figura (a) que utiliza um MOFET de canal n de enriquecimento com as seguintes características: T = 300 K = 0,5 V; A= 1 ma/v a) Calcular o valor que R deve tomar para que o transístor esteja a funcionar no iar da saturação quando 1 = 1max (fig.b). Representar ( t ) durante o período de 1, calculando pelo menos o seu valor para 1max. b) upor que 1 é substituído por uma tensão constante 0 = 1max, em torno da qual existe uma variação Δ 0 << 0. Com E 1 constante e na aproximação quase estacionária, calcular Δ Δ 0. R 1 I 1 1max E 1 T/ T t (a) (b) ados: E1 = 4V ; 1max = 10V Resolução a) No iar de saturação tem-se: A A I I = = = e = = sat sat sat Como = E1 = 4V obtém-se I = 6,15 ma e = 3,5 V. O valor de R que conduz a esta situação é dado por:

13 Cap. 4 - MO 13 R 1max = = 1, 06 kω I Admitindo que 1 varia de uma forma suficientemente lenta para que se possa tomar a sua evolução como uma sequência de estados estacionários, verifica-se pelas características estacionárias I I (, ) = que se 1 variar de 0 a 1max em repouso correspondentes se situam sempre na zona de não saturação. os pontos de funcionamento I 1max T/ T t I A = I R AR C C 1 = + = + = com C1 = AR( ) + 1= 4,7 e C AR 0,53 ( V ) = =. Obtém-se: C ± C + 4C 4,71±,18,1 () t = = C 1, Escolhe-se o sinal negativo de modo a ter-se () t sat. Trata-se de uma parábola com a concavidade virada para cima uma vez que d () t > 0. d 1

14 Cap. 4 - MO 14 3,5 at 1,3 T/4 T/ T t t = T = e = 1,3 V< sat 1 1max b) O circuito para componentes incrementais é o seguinte: u gs =0 g m u gs =0 g ds R ~ i u 0 u gs = 0 1 u = R + g i 0 ds ds 1 ds u = g i u u ds 0 1 = 1 + g R ds endo gds A( ) = =, 7 m no ponto de funcionamento em repouso correspondente a 1 = 1max. ubstituindo na expressão da relação de tensões obtém-se o valor 0,9.

15 Cap. 4 - MO 15 Problema MO4 Considerar o circuito da figura (a) onde o MOFET apresenta a característica mútua representada em (b) correspondente a = 5 V. a) Calcular os parâmetros do transistor, A e. Calcular ainda E e com R E de modo que = R = 1 kω o transístor se encontre no iar da saturação com I = 9 ma. b) Considerar agora E = 5 V. Admitindo que E sofre uma variação Δ E << E e E se mantém constante, calcular Δ Δ Eg na aproximação quase estacionária e dizer como variaria essa relação se R aumentasse. R I (ma) I 1 R = 10 kω I I E E =10 V P 1 R -1 0 (V) (a) (b) Resolução a) a figura (b) tem-se I = 0 para = 1 V e = 5 V. Logo = 1V. O ponto P corresponde à zona de saturação pois assim: as condições impostas obtém-se: a análise do circuito: = 5V> = 1V. endo A I = = 1mA A= ma V A I = I V O = sat O = (1) O

16 Cap. 4 - MO 16 E = + I R = 11 V () O O este modo: = = = 3V, e portanto: O sat O 1 V E = + I R + R = sat sat b) Ao aumentar o valor de E o transístor entra na zona de saturação. Como as variáveis das equações (1) e () não se alteram, o novo ponto de funcionamento em repouso (ponto Q) não altera as suas coordenadas referentes à corrente de dreno e à tensão porta-fonte: ( ) A I = 9mA Q Q = = I e = E R I = V = O A alteração de Q s Q O E apenas provoca a alteração da tensão dreno-fonte, que é dada por: = E I R + R = 7 V> = = 3 V Q O O O confirmando que o ponto se encontra agora na saturação. raficamente pode verificar-se que a recta de carga mantém o mesmo declive, sofrendo no entanto uma translação para a direita (ver figura) I ( + ) ( + ) * E R R E R R O Q = V O Q E * E O circuito para componentes incrementais de baixa frequência quando o MOFET está na zona de saturação é o seguinte:

17 Cap. 4 - MO 17 R ΔI Δ g m Δ ~ ΔE Δ R R Δ E =Δ + RΔ I Δ I = gmδ I Δ = g Δ I R + R m ( Q ) g = A = 6 m m ( + ) Δ gm R R = = 1,714 Δ E 1+ g R m

18 Cap. 4 - MO 18 Problema MO5 a) Considerar o circuito da figura com o interruptor aberto. abendo que nessa situação a corrente de dreno é assim como a constante ( ma V ) I = 17 ma, calcular a zona em que o transístor está a funcionar A de proporcionalidade entre a corrente e a combinação de tensões. b) Considerar o circuito com o interruptor fechado. Calcular, I, I 1 e I. c) Admitir que E sofre uma variação Δ E << E. Calcular na aproximação quase estacionária ΔI Δ E nas duas situações anteriores (interruptor aberto e fechado). ados: E = 5 V ; E = 0 V ; R = 10 kω ; R = 1 kω ; = 1V. R I 1 I R I I I E E Resolução a) = E RI (1) = E () = (3) sat e (1) obtém-se = 3 V. e () obtém-se = 5 V. e (3) obtém-se = 4 V. sat O transístor está na zona de não saturação I A = (4)

19 Cap. 4 - MO 19 e (4) obtém-se A =,7 ma V. b) Com o interruptor fechado = >. Então o transístor encontra-se na zona de saturação. I1 = E R = 15 ma A I = I = 18,16 ma sat = I = I I 1 = 3,16 ma c) Com o interruptor aberto (transístor na zona de não saturação): Δ I = gmδ + gdsδ Δ = RΔI Δ I + RgdsΔ I = gmδe gm = A =6,81 m gds = A( ) =, 7 m ΔI gm = =,1 m Δ E 1+ g R ds Com o interruptor fechado (transístor na zona de saturação): Δ =Δ E =Δ R = Δ I = Δ 1 Δ I = g Δ = A Δ m ΔI ΔE = A = g = 9,08 m m

Problema MOS1. densidade de impurezas na fonte e no dreno: Determinar o ponto de funcionamento em repouso para: a) V = 0 V ; b) V = 3 V

Problema MOS1. densidade de impurezas na fonte e no dreno: Determinar o ponto de funcionamento em repouso para: a) V = 0 V ; b) V = 3 V CAPÍTLO 4 MO Cap. 4 1 Problema MO1 Considerar o circuito da figura, que contém um transistor MOFET de canal n, cujas características são as seguintes: MOFET: espessura do óxido: a = 0, μm; largura dos

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 5 Transistor MOSFET LABORATÓRIO

Leia mais

Fundamentos de Electrónica. Teoria Cap.4 Transístores de Efeito de Campo

Fundamentos de Electrónica. Teoria Cap.4 Transístores de Efeito de Campo Fundamentos de Electrónica Teoria Cap.4 Transístores de Efeito de Campo Jorge Manuel Torres Pereira T-010 ÍNCE CAP. 4 TRANÍTORE E EFETO E CAMPO Pag. 4.1 ntrodução... 4.1 4. Estrutura do MO-FET... 4.1

Leia mais

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo 1 FET - Transistor de Efeito de Campo Introdução Uma importante classe de transistor são os dispositivos FET (Field Effect Transistor). Transistor de Efeito de Campo. Como nos Transistores de Junção Bipolar

Leia mais

I D I DSS. Figura 3.1 Curva de transcondutância do MOSFET e definição do ponto Q em polarização zero.

I D I DSS. Figura 3.1 Curva de transcondutância do MOSFET e definição do ponto Q em polarização zero. 59 EXPERIÊNCIA 3: O MOFET PROCEDIMENTO: MOFET DO TIPO DEPLEÇÃO O MOFET do tipo Depleção basicamente pode operar em ambos os modos: Depleção ou Intensificação. Portanto, todos os métodos de polarização

Leia mais

Díodo de Junção Semicondutora

Díodo de Junção Semicondutora íodo de Junção emicondutora ispositivos Eletrónicos Licenciatura em Engenharia Electrónica C. Ferreira Fernandes 2012-13 Laboratório de ispositivos Electrónicos ÍOO E JUNÇÃO Material utilizado: Placa de

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

Resumo. Espelho de Corrente com Transistor MOS

Resumo. Espelho de Corrente com Transistor MOS p. 1/1 Resumo Espelho de Corrente com Transistor MOS Efeito de V 0 em I 0 Espelho de Corrente com Transistor Bipolares Diferenças entre espelhos de corrente MOS e Bipolares Fontes de Corrente Melhoradas

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (FET Field Effect Transistors) MOSFET (Metal-Oxide-Semiconductor) JFET (Junction) MESFET (MEtal-Semiconductor)

Transistores de Efeito de Campo (FET Field Effect Transistors) MOSFET (Metal-Oxide-Semiconductor) JFET (Junction) MESFET (MEtal-Semiconductor) 17ª Aula: O Transistor de Efeito de Campo Transistores de Efeito de Campo (FET Field Effect Transistors) MOSFET (Metal-Oxide-Semiconductor) JFET (Junction) MESFET (MEtal-Semiconductor) SI2223 1 17ª Aula:

Leia mais

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO Engenharia Elétrica Eletrônica Professor: Alvaro Cesar Otoni Lombardi Os Transistores Bipolares de Junção (TBJ ou BJT) São controlados pela variação da corrente de base (na maioria das aplicações) 1 Os

Leia mais

Escola de Educação Profissional Senai Plínio Gilberto Kroeff CETEMP TRANSISTOR DE EFEITO DE CAMPO DE PORTA ISOLADA - MOSFET

Escola de Educação Profissional Senai Plínio Gilberto Kroeff CETEMP TRANSISTOR DE EFEITO DE CAMPO DE PORTA ISOLADA - MOSFET Escola de Educação Profissional Senai Plínio Gilberto Kroeff CETEMP TRANSISTOR DE EFEITO DE CAMPO DE PORTA ISOLADA - MOSFET Os transistores de efeito de campo do tipo porta isolada (IGFET Isolated Gate

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo FET

Transistor de Efeito de Campo FET Transistor de Efeito de Campo FET FET - Aspectos gerais O FET (Field Effect Transistor) ou transistor de efeito de campo é um dispositivo unipolar (um tipo de portador - elétron ou lacuna), constituído

Leia mais

Análise de Circuitos com Díodos

Análise de Circuitos com Díodos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Análise de Circuitos com Díodos Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC- ACElectrónica

Leia mais

Via. Ligação entre as camadas de metal M1 e M2. Elementos parasitas principais: Resistência de contacto 0.05 Ω a 0.08 Ω

Via. Ligação entre as camadas de metal M1 e M2. Elementos parasitas principais: Resistência de contacto 0.05 Ω a 0.08 Ω Via Ligação entre as camadas de metal M1 e M2 Dimensões: 2 µm 2 µm Elementos parasitas principais: Resistência de contacto 0.05 Ω a 0.08 Ω Metal migration limit: 0.4 ma/contacto Correntes entre M1 e M2

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Eletrônica Analógica Transistores de Efeito de Campo Professor Dr. Lamartine Vilar de Souza lvsouza@ufpa.br www.lvsouza.ufpa.br

Leia mais

Como funciona o MOSFET (ART977)

Como funciona o MOSFET (ART977) Como funciona o MOSFET (ART977) Os transistores de efeito de campo não são componentes novos. Na verdade, em teoria foram criados antes mesmo dos transistores comuns bipolares. No entanto, com a possibilidade

Leia mais

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um O Díodo Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um componente, a intensidade da corrente eléctrica que o percorre também

Leia mais

MOSFET. Fábio Makihara 710921. Gustavo de Carvalho Bertoli 610992. Luís Gustavo Fazzio Barbin 712418. Luiza Pio Costa da Silva 712001

MOSFET. Fábio Makihara 710921. Gustavo de Carvalho Bertoli 610992. Luís Gustavo Fazzio Barbin 712418. Luiza Pio Costa da Silva 712001 MOSFET MOSFET tipo depleção (MOSFET-D) Curvas do MOSFET-D Amplificadores com MOSFET-D MOSFET tipo intensificação (MOSFET-E) Curvas de Dreno Tensão Porta-Fonte máxima Fábio Makihara 710921 Gustavo de Carvalho

Leia mais

Par Diferencial com Transístores Bipolares

Par Diferencial com Transístores Bipolares Resumo Par Diferencial com Transístores Bipolares Operação para grandes sinais Resistência diferencial de Entrada e Ganho Equivalência entre Amplificador diferencial e Amplificador em Emissor Comum Ganho

Leia mais

Obs.: No FET de canal P invertem-se camadas semicondutores N e P

Obs.: No FET de canal P invertem-se camadas semicondutores N e P FET - TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO Os transistores de Efeito de Campo, JFET e MOSFET's, tem como características básicas e controle de uma corrente por um campo elétrico aplicado. A corrente flui entre

Leia mais

Transistores II. Prof. Marcelo Wendling 2009 Versão 1.0

Transistores II. Prof. Marcelo Wendling 2009 Versão 1.0 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Prof. Carlos Augusto Patrício Amorim Transistores II Prof. Marcelo Wendling

Leia mais

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Sumário Introdução 5 Amplificação com FET 6 Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Estágio amplificador com FET 8 Princípio de funcionamento 9 Características

Leia mais

gradiente, divergência e rotacional (revisitados)

gradiente, divergência e rotacional (revisitados) gradiente, divergência e rotacional (revisitados) Prof Carlos R Paiva Prof Carlos R Paiva NOTA PRÉVIA Os apontamentos que se seguem não são um teto matemático: não se procura, aqui, o rigor de uma formulação

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

Humberto Hickel de Carvalho - IFSP Cubatão 2015 1 TRANSÍSTOR DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET

Humberto Hickel de Carvalho - IFSP Cubatão 2015 1 TRANSÍSTOR DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET Humberto Hickel de Carvalho - IFSP Cubatão 2015 1 TRANSÍSTOR DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET O JFET pode ter seu funcionamento comparado ao do transístor bipolar de junção, TBJ. Enquanto no TBJ a corrente

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS FET E TIRISTORES

LISTA DE EXERCÍCIOS FET E TIRISTORES Prof Vinícius ecchin de Melo Campus erra COORENAORIA E AUTOMAÇÂO INUTRIAL isciplina: ELETRÔNICA BÁICA Professores: Bene Régis Figueiredo Turma AN1 Vinícius ecchin de Melo Turma AM1 LITA E EXERCÍCIO FET

Leia mais

Circuitos Eletrónicos Básicos

Circuitos Eletrónicos Básicos Circuitos Eletrónicos Básicos Licenciatura em Engenharia Eletrónica Transparências de apoio às aulas Cap. 3: Fontes de corrente 1º semestre 2013/2014 João Costa Freire Instituto Superior Técnico Setembro

Leia mais

Electrónica I. Curso Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Dpt. Engenharia de Electrónica e Computadores

Electrónica I. Curso Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Dpt. Engenharia de Electrónica e Computadores Electrónica I Curso Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Dpt. Engenharia de Electrónica e Computadores 1º/ 2º 2005/2006 ET DEE Professor Responsável da Disciplina Docente Co-Responsável Corpo Docente

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO Nº 5 DTMNÇÃO D SSTÊNC NTN D UM PLH Objectivo - ste trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

Transistores de Alta Freqüência

Transistores de Alta Freqüência Transistores de Alta Freqüência Os transistores foram desenvolvidos logo após o final da Segunda Guerra Mundial e eram usados em produtos de consumo. Os primeiros se limitavam a aplicações de som e baixas

Leia mais

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s.

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. EXPERIÊNCIA : CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. PROCEDIMENTO: Polarização da porta:. Com o módulo e a fonte variável desligadas, instalar a placa CEB-0 no Slot E ou F do Módulo Universal 000. + V (Var)

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (npn)

Transistores de Efeito de Campo (npn) Slide 1 FET porta dispositivo de 3 terminais corrente e - de canal da fonte para dreno controlada pelo campo elétrico gerado pelo porta impedância de entrada extremamente alta para base Transistores de

Leia mais

Teresina - 2010. Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica

Teresina - 2010. Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Transistores de Efeito de Campo - Parte II - MOSFETs Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br Teresina - 2010 1. O Transistor

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo

Transistor de Efeito de Campo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOAO DEL REI Transistor de Efeito de Campo Trabalho de Eletrônica I Taumar Morais Lara Engenharia Elétrica Eletrônica I Matrícula: 0809048-3 U N I V E R S I D A D E F E D E

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

DIODOS. Professor João Luiz Cesarino Ferreira

DIODOS. Professor João Luiz Cesarino Ferreira DIODOS A união de um cristal tipo p e um cristal tipo n, obtém-se uma junção pn, que é um dispositivo de estado sólido simples: o diodo semicondutor de junção. Figura 1 Devido a repulsão mútua os elétrons

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE IÊNIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Apontamentos sobre Osciladores e Malhas de aptura de Fase IRUITOS E SISTEMAS ELETRÓNIOS APONTAMENTOS SOBRE OSILADORES E MALHAS DE APTURA DE FASE Índice

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Equação de Poisson, Corrente Elétrica

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Equação de Poisson, Corrente Elétrica letromagnetismo e Ótica (Mer/LN) quação de Poisson, orrente létrica 6ª Semana Probl. 1) ois tubos cilindricos de metal, coaxiais e muito compridos, são ligados a uma bateria de forma que o cilindro interior,

Leia mais

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET FET AMPLIFIERS Amplificadores FET M-1106A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo

Leia mais

Tecnologia VLSI - Uma Breve Introdução

Tecnologia VLSI - Uma Breve Introdução Tecnologia VLSI - Uma Breve Introdução S. W. Song MAC 412 - Organização de Computadores baseado em parte em Mead and Conway - Introduction to VLSI Systems, Addison-Wesley Tecnologia VLSI Tencologia de

Leia mais

Díodo Zener. Para funcionar com polarização inversa. Modelo mais simples assume r z =0. Electrónica 1

Díodo Zener. Para funcionar com polarização inversa. Modelo mais simples assume r z =0. Electrónica 1 Díodo Zener Para funcionar com polarização inversa. Modelo mais simples assume r z =0 exemplo como é que calcula I, I Z e I L? Díodo Zener Ef.Zener(V z 7V) Especificações: corrente

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO DE PARÂMETROS DE PROCESSO (TEPP) Prof. Victor Sonnenberg

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO DE PARÂMETROS DE PROCESSO (TEPP) Prof. Victor Sonnenberg TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO DE PARÂMETROS DE PROCESSO (TEPP) Prof. Victor Sonnenberg 1 o Experiência: Capacitor MOS Nome Número OBS. PREENHER O RELATÓRIO EM LETRA LEGÍVEL OU DE FORMA. Se necessário, use folha

Leia mais

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO DE JUNÇÃO JFET Transistores bipolares dispositivos controlados por corrente (corrente do coletor é controlada pela corrente da base). Transistores de efeito de campo (FET

Leia mais

Electrónica Geral. Transístor metal- óxidosemicondutor: Relatório do 2º Trabalho de Laboratório. Mestrado em Eng. Biomédica 2ºSemestre, 2012/2013

Electrónica Geral. Transístor metal- óxidosemicondutor: Relatório do 2º Trabalho de Laboratório. Mestrado em Eng. Biomédica 2ºSemestre, 2012/2013 Electrónica Geral Mestrado em Eng. Biomédica 2ºSemestre, 2012/2013 Transístor metal- óxidosemicondutor: Inversor CMOS Relatório do 2º Trabalho de Laboratório Prof: João Costa Freire Realizado por: Joana

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Alunos: António Azevedo António Silva Docente: Paulo Portugal Objectivos Este trabalho prático tem como finalidade implementar uma montagem

Leia mais

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 TRANSISTORES BIPOLARES O transistor de junção bipolar é um dispositivo semicondutor

Leia mais

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Circuitos de Comando

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Semestre I - 005/006 1.Objectivos 1) Estudo do campo magnético de espiras percorridas por corrente eléctrica. ) Estudo da lei de indução de Faraday.. Introdução

Leia mais

SOLUÇÃO DE CIRCUITOS COM DIODO

SOLUÇÃO DE CIRCUITOS COM DIODO 08/0/04 UNVERAE ECNOLÓGCA FEERAL O PARANÁ EPARAMENO ACAÊMCO E ELEROÉCNCA ELERÔNCA - E74C -- Profª Elisabete N Moraes AULA 4 MOELO MAEMÁCO O OO EMCONUOR Em 8 de outubro de 04. OLUÇÃO E CRCUO COM OO. Análise

Leia mais

1. TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO

1. TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO 1. TRANSSTORES E EFETO E CAMPO 1.1 CARACTERÍSTCAS FNAMENTAS Os transístores bipolares convencionais ( BJT ) e os transístores de efeito de campo ( FET ) Field Effect Transístor distinguem-se pela sua estrutura

Leia mais

(Texto de apoio às aulas teóricas e manual de consulta nas aulas práticas)

(Texto de apoio às aulas teóricas e manual de consulta nas aulas práticas) Manual de Tecnologia CMOS (Texto de apoio às aulas teóricas e manual de consulta nas aulas práticas) Características e descrição do processo A tecnologia usada é CMOS 2.0 µm n-well, 1 camada de Poly, 2

Leia mais

O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]:

O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]: 4 Tornado de Projeto O tornado de projeto é admitido, para fins quantitativos, com as seguintes características [15]: Tornado do tipo F3-médio; Velocidade máxima de 233km/h = 64,72m/s; Velocidade translacional

Leia mais

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal 2º Laboratório de Bases de Engenharia II 2005/2006 Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal Para este laboratório, as alíneas a) da Experiência 1 e da Experiência 2 devem ser calculadas préviamente,

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga:

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga: Unidade 3 SEMICONDUTORES E g ~ 1 ev E F E = 0 Elétron pode saltar da banda de valência para a banda de condução por simples agitação térmica Concentração de portadores de carga: Para metais: elétrons de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLES E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 5) «21. Um transistor NMOS, para operar na região de saturação, deve obedecer às seguintes condições: I. A diferença entre a tensão

Leia mais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais Física II Eng. Química + Eng. Materiais Carga Eléctrica e Campo Eléctrico Lei de Gauss Potencial Eléctrico Condensadores 1. Nos vértices de um quadrado ABCD, com 10 cm de lado, estão colocadas cargas pontuais

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Circuitos resistivos lineares e não lineares Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Setembro

Leia mais

] 1 λ V. Modelo Analítico de TMOS. Triodo: Resistência controlada por tensão: Saturação: Fonte de corrente controlada por tensão: V gs.

] 1 λ V. Modelo Analítico de TMOS. Triodo: Resistência controlada por tensão: Saturação: Fonte de corrente controlada por tensão: V gs. Triodo: Modelo Analítico de TMOS Resistência controlada por tensão: Saturação: L [ I ds =μ C ox W V I ds = gs V T V ds Fonte de corrente controlada por tensão: 2 V ds ] 1 λ V 2 ds para 0 V ds V gs V T

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Estudos Técnicos de Componentes e Periféricos (ETCP) Prof. Mauricio ETCP

Estudos Técnicos de Componentes e Periféricos (ETCP) Prof. Mauricio ETCP FTEP Estudos Técnicos de Componentes e Periféricos () Prof. Mauricio Portas Lógicas História: Em 854, o matemático britânico George oole (85-864), através da obra intitulada n Investigation of the Laws

Leia mais

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns:

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Díodos Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Têm dois terminais (tal como uma resistência). A corrente

Leia mais

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos

Diodo semicondutor. Índice. Comportamento em circuitos semicondutor Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de ) [1][2] semicondutor é um dispositivo ou componente eletrônico composto de cristal semicondutor de silício ou germânio numa película

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Condensadores (capacitores)

Condensadores (capacitores) es (capacitores) O condensador (capacitor) é um componente de circuito que armazena cargas eléctricas. O parâmetro capacidade eléctrica (C) relaciona a tensão aos terminais com a respectiva carga armazenada.

Leia mais

DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS

DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Transistores de Efeito de Campo - Parte II - MOSFETs Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.br/zurita

Leia mais

ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099. Prof. Pedro S. Almeida pedro.almeida@ufjf.edu.br

ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099. Prof. Pedro S. Almeida pedro.almeida@ufjf.edu.br ELETRÔNICA ANALÓGICA CEL099 Prof. Pedro S. Almeida pedro.almeida@ufjf.edu.br O Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada (MOSFET) 2 Conteúdo A Válvula Triodo Histórico O Transistor MOS de Canal N

Leia mais

Resistência Eléctrica

Resistência Eléctrica Resistência Eléctrica Definição de resistência A resistência é uma medida da oposição que a matéria oferece à passagem de corrente eléctrica. Os materiais são designados por condutores, semicondutores

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ELECTRÓNICA I. 3º ano - Ramo APEL TRANSÍSTORES DE EFEITO DE CAMPO

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ELECTRÓNICA I. 3º ano - Ramo APEL TRANSÍSTORES DE EFEITO DE CAMPO Faculdade de Engenharia da Uniersidade do Porto epartamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores ELECTRÓNIC I 3º ano - Ramo PEL Capítulo 5 TRNSÍSTORES E EFEITO E CMPO Este texto é oferecido aos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE Lista de Eletrostática da UFPE e UPE 1. (Ufpe 1996) Duas pequenas esferas carregadas repelem-se mutuamente com uma força de 1 N quando separadas por 40 cm. Qual o valor em Newtons da força elétrica repulsiva

Leia mais

Exemplo 4.1 (pag.245)

Exemplo 4.1 (pag.245) Exemplo 4.1 (pag.245) Considere um processo tecnológico com min =0,4 μm, t ox =8nm, μ n =450 cm 2 /V.s, e V t =0,7 V. a) Determine C ox e k n. b) Para um MOSFET com W/=8 μm/0,8 μm, determine os valores

Leia mais

Transitores CMOS, história e tecnologia

Transitores CMOS, história e tecnologia Transitores CMOS, história e tecnologia Fernando Müller da Silva Gustavo Paulo Medeiros da Silva 6 de novembro de 2015 Resumo Este trabalho foi desenvolvido com intuito de compreender a tecnologia utilizada

Leia mais

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C O Capacitor Componente eletrônico constituído de duas placas condutoras, separadas por um material isolante. É um componente que, embora não conduza corrente elétrica entre seus terminais, é capaz de armazenar

Leia mais

2013 年 度 通 訊 博 物 館 電 子 裝 置 製 作 比 賽

2013 年 度 通 訊 博 物 館 電 子 裝 置 製 作 比 賽 Regras Suplementares Grupos de Ensino Básico e Secundário Função operacional do dispositivo: Ser capaz de parar em posição pré-definida. Materiais: Não existe limitação a materiais excepto dispositivos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETRÔNICA 26. Com relação aos materiais semicondutores, utilizados na fabricação de componentes eletrônicos, analise as afirmativas abaixo. I. Os materiais semicondutores

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Tecnologias de Circuitos Integrados

Tecnologias de Circuitos Integrados Tecnologias de Circuitos Integrados Tecnologias de Circuitos Integrados MOS-CMOS MOSFET (Metal Oxide Silicon Field Effect Field) nmos (N-type MOS) pmos (P-type MOS) CMOS (Complementary - type MOS) Manoel

Leia mais

Capacitores. 1. Introdução

Capacitores. 1. Introdução Capacitores 1. Introdução 2. Tipos de Capacitores 3. Capacitores e suas marcações 4. Capacitores de cerâmica multicamadas 5. Capacitores de poliéster metalizado 6. Capacitores de tântalo 7. Capacitores

Leia mais

MARIA GLÓRIA CAÑO DE ANDRADE

MARIA GLÓRIA CAÑO DE ANDRADE 1 MARIA GLÓRIA CAÑO DE ANDRADE ESTUDO DA TENSÃO DE LIMIAR E INCLINAÇÃO DE SUBLIMIAR EM TRANSISTORES SOI FINFETs DE PORTA DUPLA E PORTA TRIPLA Dissertação de Mestrado apresentada ao Centro Universitário

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica. Pedro Araújo

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica. Pedro Araújo UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica Pedro Araújo ------------------------------------------------ PRELIMINAR 1 - Introdução A electricidade é um conjunto

Leia mais

Circuitos Analógicos com Transístores MOSFET

Circuitos Analógicos com Transístores MOSFET Circuitos Analógicos com Transístores MOFET Electrónica 1 (2º semestre) Instituto uperior Técnico 2013/2014 1 Transístor Estrutura - Transístor de Efeito de Campo (Field Effect Transistor - FET) - Transístor

Leia mais

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1

Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Prof. Rogério Eletrônica Geral 1 Apostila 2 Diodos 2 COMPONENTES SEMICONDUTORES 1-Diodos Um diodo semicondutor é uma estrutura P-N que, dentro de seus limites de tensão e de corrente, permite a passagem

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais