Conheça um pouco da importância do registro público na vida do cidadão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conheça um pouco da importância do registro público na vida do cidadão"

Transcrição

1 Conheça um pouco da importância do registro público na vida do cidadão O sentido geral da existência de registros públicos está em tornar públicos os atos e negócios, fazer o controle da sua legalidade e ainda conservar seus detalhes, pelo tempo que for necessário (alguns registros têm prazo indefinido), para garantir sua eficácia, autenticidade e segurança jurídica, constituindo e protegendo direitos dos cidadãos. Registrar um ato ou negócio significa prevenir-se contra questionamentos inconvenientes e lesivos a direitos conquistados, bem como contra efetivos danos a esses direitos. Apesar do conhecido pensamento melhor prevenir que remediar, de fato não vivenciamos a cultura da prevenção. É bem mais comum procurarmos o médico depois da doença instalada do que para preveni-la, mesmo sabendo que o preço que pagamos por essa postura é normalmente mais alto. Para quase tudo há prevenção, mas para muitas coisas não há remédio. Infelizmente, a mesma postura é adotada quando tratamos de negócios ou atos jurídicos das nossas vidas particulares. Com o crescimento da sociedade e, conseqüentemente, do volume e da complexidade dos negócios, foram criados diversos tipos de registros públicos para prevenir problemas e garantir direitos. Porém, muitos desses serviços colocados à disposição do cidadão não são efetivamente utilizados, por desconhecimento de seus valiosos efeitos. Como exemplo, temos: - o registro de marcas e patentes para, entre outras coisas, assegurar os direitos do inventor ou do criador de uma marca ou de um desenho industrial; - o Registro Mercantil para dar conhecimento ao cidadão sobre os dados principais das empresas com as quais ele se relaciona, fazer o controle da legalidade dessas empresas e, ao mesmo tempo proteger o nome delas. - o registro de obra literária na Biblioteca Nacional para garantir maior segurança aos direitos do autor da obra; - os registros profissionais, como os da Ordem dos Advogados do Brasil e dos diversos conselhos profissionais (de medicina, de contadores, de engenharia e arquitetura etc.) para que o cidadão possa saber se contratou os serviços de profissional habilitado e para dar proteção ao próprio profissional. Existem muitos outros registros e, no sentido de acompanhar a evolução da sociedade, outros registros são criados para tornar seguras novas modalidades de negócio ou ato, como é o caso de registro de domínio na internet. Para as novas situações para as quais ainda não foi criado um instituto de registro específico para prevenir direitos existe o Registro de Títulos e Documentos, que registra qualquer documento que não tenha registro próprio. O tipo de registro mais próximo da população, por envolver os atos mais comuns da vida do cidadão e existir em praticamente todos os municípios ou pelo menos na comarca, é aquele prestado pelos serviços conhecidos popularmente como cartório ou cartório extrajudicial. É o caso do Registro de Títulos e Documentos citado acima. O termo cartório está deixando de ser usado na legislação brasileira desde a Constituição Federal de 1988, que iniciou um processo de adequação legislativa do setor para torná-lo mais eficiente no atendimento ao cidadão, incluindo a necessidade de realização de concurso público para a delegação do serviço. São eles: - Registro de Imóveis, para garantir a publicidade, autenticidade, segurança e eficácia dos atos jurídicos envolvendo bens imóveis; - Registro Civil das pessoas naturais e de interdições e tutelas, que registra os atos essenciais da vida das pessoas, como os seus nascimentos, os casamentos, os óbitos, as adoções, alterações de nomes ou de estado civil;

2 - Registro Civil das Pessoas Jurídicas, que dá eficácia, publicidade e autenticidade aos atos constitutivos de associações, fundações, sociedades simples, partidos políticos e entidades religiosas, dando segurança jurídica a essas entidades e à população com a qual interagem. Além disso, nessa serventia é feita também a matrícula dos jornais, periódicos, oficinas impressoras, empresas de radiodifusão e agências de notícias, para que a livre manifestação de opinião não seja anônima ou clandestina e se preserve o direito de resposta e indenização do cidadão que sofrer dano moral, material ou à sua imagem; - Registro de Títulos e Documentos (RTD), que acolhe os atos e negócios descritos nos artigos 127 e 129 da lei de registros públicos (Lei 6.015/73), inclusive a alienação fiduciária para que tenha efeito contra terceiros, bem como todos os atos que não tenham registro próprio (acolhendo assim qualquer situação ainda que não prevista por legislação própria), e qualquer documento para fins de conservação. Além disso, por meio do RTD são feitas as notificações extrajudiciais, valioso instrumento de solução de conflitos para se evitar demandas judiciais ou para torná-las de mais fácil resolução. Existem também cartórios que não são registros públicos e são conhecidos como tabelionatos: - Tabelionato de Notas, para formalizar a vontade do cidadão em um negócio jurídico, fazendo o controle da sua legalidade, além de autenticar fatos; - Tabelionato de Protesto de Títulos, para realizar o protesto de documentos de dívida, proporcionando ao credor um instrumento de exigência do seu direito e garantindo ao devedor o seu direito de defesa; A Lei 8.935, de 18 de novembro de 1994, que regulamenta o art. 236 da Constituição Federal, dispondo sobre serviços notariais e de registro, ainda fala em outras serventias menos conhecidas: o tabelionato e registro de contratos marítimos e o registro de distribuição. Entenda como os registros efetuados pelos cartórios podem proteger seus direitos A Lei 8.935/94, no seu art. 1º dispõe: Serviços notariais e de registro são os de organização técnica e administrativa destinados a garantir a publicidade, autenticidade, segurança e eficácia dos atos jurídicos. A título de exemplo, um contrato de compra e venda de veículo automotor, se não for registrado no Registro de Títulos e Documentos, não tem garantia da data da sua existência ou do seu conteúdo original e por isso sua autenticidade é totalmente questionável. O registro permite acesso, a qualquer interessado, ao conteúdo do contrato, o que facilita a defesa de direitos relativos a ele. E como o registro garante a conservação eterna do documento, o próprio cidadão que adquiriu o veículo tem um instrumento de prova garantido para defesa de seus direitos. O registro do contrato, ao preservar todo o seu conteúdo e dar a ele transparência pública, gera ainda o efeito de preservar as garantias vinculadas à compra e venda desse veículo que constem no contrato. Caso a garantia seja a alienação fiduciária do veículo, o contrato deverá conter, segundo artigo do Código Civil, o total da dívida, ou sua estimativa, o prazo ou a época do pagamento, a taxa de juros, a descrição do veículo, com seus elementos de identificação. O registro vai gerar seus efeitos sobre essas cláusulas e ainda sobre todas as outras do contrato, com destaque para valor das prestações, taxa de quitação antecipada, taxa de abertura de crédito (TAC) e o total de tarifas incidentes, condições de pagamento, proporcionado ao consumidor de crédito, que se esforçou para adquirir veículo próprio, um instrumento de defesa de seus direitos contra cláusulas abusivas. O elemento principal desse tipo de contrato é o direito subjetivo de propriedade do consumidor, que se resolve a seu favor bastando a liquidação do financiamento. A garantia é um somente o acessório que dá maior força para a liquidação do contrato, mas que, no caso da alienação fiduciária, na qual se considera o

3 consumidor como depositário do veículo, pode levá-lo à prisão se ele não pagar a dívida e o veículo for roubado ou furtado ou se perder por acidente. O registro no Registro de Títulos e Documentos (RTD) assegura eficácia aos fortes efeitos da alienação fiduciária em favor do banco, financeira ou outro agente financiador do veículo, mas também garante todos os outros efeitos de conservação da prova das obrigações entre as partes, prova da data, autenticidade do documento, transparência pública e segurança jurídica, em favor dos direitos do consumidor. Nesse caso, a simples anotação no registro do veículo junto aos órgãos de trânsito de que existe uma alienação fiduciária tende a preservar somente o interesse do financiador da compra, deixando de preservar os demais direitos do consumidor financiado. Por isso a interpretação correta, e mais adequada à busca de direitos da população, é a de que a alienação se constitui com o registro (e portanto a transparência e garantia de autenticidade) de todo o conteúdo do contrato, feito no Registro de Títulos e Documentos, que tem atribuição legal e constitucional para isso. É de fundamental valor para a formação da cidadania, que toda a sociedade passe a conhecer melhor as instituições democráticas, no caso os Registros Públicos conhecidos como cartórios, para ter os benefícios que lhe são de direito e também para poder cobrar, com propriedade, eficiência desse importante serviço. O assunto Registro Público não é conhecido pela população da forma como seria o ideal, o que faria com que as pessoas usufruíssem melhor desse serviço para garantir seus direitos. Apesar dos avanços e melhorias no setor e na legislação, há ainda hoje, no Brasil, o pensamento e o discurso desestimulador da procura dos cartórios pelo cidadão. Esse fato já é bastante inquietante para aqueles que buscam o aprimoramento da democracia no Brasil. Custo Muito se fala sobre o Registro Público para desestimular o cidadão a buscar seus benefícios. Um dos recursos mais utilizados é criticar o custo do serviço. Fala-se em taxas abusivas, em cara peregrinação do cidadão pelos cartórios, atribuem aos gastos com o serviço a alcunha de prejuízo. Na verdade, quando se entende a função do registro e os benefícios que ele propicia, percebe-se que o custo é na verdade pequeno. Além de todos os efeitos já mencionados, o registro tem um efeito básico: ele conserva o documento. Assim, registrar é como fazer um seguro eterno do documento, especialmente no Registro de Títulos e Documentos. Caso a via original que a pessoa detenha se deteriore ou se perca ela pode solicitar outra via, com o conteúdo do documento totalmente preservado e autêntico, com a prova de existência do original desde a data do documento, se levado a registro em vinte dias, ou desde a data do registro se passado esse prazo. A sensação de segurança proporcionada ao cidadão pelo registro é algo que já faz valer o seu custo. Mas o valor dessa sensação não é puramente subjetivo. Ela facilita e agiliza decisões, aumentando o volume de negócios realizados e promovendo crescimento pessoal, bem como o desenvolvimento regional e nacional. O registro, ao prevenir discussões judiciais, ainda diminui a sobrecarga que sofre atualmente o Poder Judiciário. O registro garante direitos e facilita a sua defesa, prevenindo o cidadão contra indesejados contratempos, e também evita prejuízos financeiros. Considere, por exemplo, a situação de se perder um certificado de conclusão de um curso que já não existe mais, mas que é de extrema importância para o seu currículo na hora de procurar um emprego. Esse

4 documento, ao qual não há nem como atribuir valor financeiro, dada a importância para o cidadão que o perdeu, se tivesse sido registrado poderia ser refeito por meio de uma certidão cujo custo é de R$ 12,86 (doze reais e oitenta e seis centavos). Caro, abusivo? O custo para fazer o registro desse tipo de documento é de R$ 14,84 (quatorze reais e oitenta e quatro centavos) documento sem valor financeiro declarado, com uma folha e uma via certificada ao cliente. Prejuízo ou investimento? Tendo em vista esse custo em relação ao benefício obtido, não há como não considerar o registro um investimento bastante interessante. Para os documentos com valor financeiro declarado, o custo do registro aumenta de acordo com esse valor. Para se fazer o registro de documento de quitação, com uma folha e uma via certificada ao cliente, com valor declarado de R$ ,00 (cinqüenta mil reais), por exemplo, o custo seria de R$ 437,39 (quatrocentos e trinta e sete reais e trinta e nove centavos). Considerando que a perda desse documento poderia acarretar ao devedor, ter de pagar novamente ao credor o valor de R$ ,00, por não conseguir comprovar que já fez esse pagamento, e considerando o efeito de seguro do documento que o registro propicia, o custo do registro parece alto? Compare com o custo do seguro de um carro de mesmo valor. Considere ainda que o seguro do carro só vale por um ano, enquanto o efeito de seguro do documento registrado no Registro de Títulos e Documentos é eterno. A título de exemplo, o registro de contratos de alienação fiduciária, leasing ou reserva de domínio, envolvendo veículos automotores, tem o custo máximo de R$ 163,26 (cento e sessenta e três reais e vinte e seis centavos), somados R$ 3,51 (três reais e cinqüenta e um centavos) referente ao certificado lançado na via do contrato pertencente ao apresentante do documento e mais R$ 4,20 (quatro reais e vinte centavos) por folha do documento arquivado. Se o contrato tiver dez folhas e o apresentante do documento levar duas vias certificadas, por exemplo, o custo do registro será de R$ 212,28 (duzentos e doze reais e vinte e oito centavos). Estes valores podem facilmente ser aferidos nas tabelas 5 e 8 da Lei estadual /04, que encontra-se à disposição do cidadão em qualquer Registro de Títulos e Documentos em Minas Gerais, afixada em local visível. Acesso e Agilidade Parte do discurso para desestimular o registro trata do acesso ao serviço e à agilidade na sua realização, afirmando que o cidadão que buscar a garantia de seus direitos com o registro passaria por uma longa peregrinação pelos cartórios. Um dos motivos que sempre foi levantado para desencorajar o cidadão a buscar o registro dos contratos com alienação fiduciária de veículos seria a dificuldade em realizá-lo, tratada pelos que não querem o registro como desumana burocracia. Em Uberaba, o Registro de Títulos e Documentos (RTD), por exemplo, é localizado no endereço à Praça Rui Barbosa, nº 300, sala 42 (Elvira Shopping), no centro da cidade, local de fácil acesso, contando, inclusive com acesso para deficientes por elevador, e com ponto de ônibus para diversos bairros quase em frente ao prédio. Quanto à agilidade no processo, o RTD em Uberaba, está totalmente informatizado e conta com equipe com conhecimento jurídico para realizar o registro com toda agilidade e segurança necessárias. O processo de registro envolve análise do documento quanto à legalidade e forma, cálculo do custo, emissão de recibo detalhado (que no RTD de Uberaba é automático para todos os documentos), comparação das vias, lançamento de dados nos livros de protocolo, registro e indicador pessoal, transcrição do documento, certificação das vias, fixação do selo de fiscalização, anotações no controle de selos, no controle interno do valor a ser repassado ao Estado a título de taxa de fiscalização e no controle do valor repassado ao fundo de compensação dos atos gratuitos, arquivamento da via da serventia e finalmente liberação do documento ao cliente. Todo esse processo, no caso de contratos de financiamento, por exemplo, raramente ultrapassa quarenta e oito horas para ser concluído e, dependendo do volume de documentos a ser registrado no período, pode ser finalizado em menos de vinte e quatro horas, ou seja, no mesmo dia.

5 Chamar essa situação de longa peregrinação, ou de desumana burocracia, é absurdo e irreal. Mas, para facilitar o acesso ao serviço e garantir ainda mais agilidade, os serviços de Registro de Títulos e Documentos, através das associações estaduais e das nacionais, vem estudando como a tecnologia pode contribuir para melhor atender as necessidades do cidadão. Como exemplo, temos os convênios entre Detrans e Registro de Títulos e Documentos, já operantes em alguns Estados. Esse convênio de cooperação técnica entre os registros públicos e os Detrans foi desenvolvido para que o registro fosse feito no local correto, com comunicação informatizada e automática dos dados necessários, favorecendo o cidadão, garantindo seus direitos sem que isso acarrete qualquer aumento de tempo na concretização do negócio. Apesar dos evidentes benefícios ao cidadão, há a tentativa de incutir o sentimento de repugnância com relação aos convênios de cooperação técnica e ao serviço registral. Os únicos interessados na não realização dos convênios seriam os que querem dificultar o registro, impedindo a transparência dos contratos entre agentes financeiros e consumidores de crédito. Tentam, assim, convencer a população afirmando que o convênio foi criado para tornar obrigatório o registro desses contratos. A verdade é que o registro completo é opção de quem quiser constituir alienação fiduciária sobre veículo. Mas querem forçar a interpretação de que a alienação fiduciária se constitui com a simples anotação de sua existência no registro do veículo junto ao Detran, para fugir do registro completo do contrato que asseguraria, não somente a existência da garantia em favor do financiador, mas todos os seus termos e condições que o consumidor pode invocar em sua defesa. A necessidade do registro do contrato foi levantada inclusive pelo Conselho Nacional de Trânsito na Resolução 159 de 22 de abril de 2004, onde se diferencia o gravame (simples anotação da existência da garantia no Certificado de Registro de Veículos) do registro, que deve ser realizado em livro próprio com 300 folhas numeradas (veja artigo 132 da Lei de Registros Públicos Lei 6.015/73) com arquivamento de cópia, preservando todos os dados do contrato, especialmente, a identificação do credor e do devedor; o total da dívida ou sua estimativa; o local e a data do pagamento; a taxa de juros, as comissões cuja cobrança for permitida e, eventualmente, a cláusula penal e a estipulação de correção monetária, com indicação dos índices aplicáveis; a descrição do veículo objeto da alienação fiduciária e os elementos indispensáveis à sua identificação. O registro somente poderá ser executado por instituição que se invista de competência para tanto. A competência para esse caso é do Registro de Títulos e Documentos, conforme Lei 6.015/73 e art. 236 da Constituição Federal de 1988, regulamentado pela Lei 8.935/94. A Constituição atribui, entre outras coisas, competência do Poder Judiciário par fiscalizar o registro público, situação que não seria possível em órgão de trânsito do Poder Executivo. A resolução determina que os órgãos de trânsito somente façam a anotação do gravame, em favor da empresa credora, depois de realizado o registro, que garante os direitos do consumidor de crédito. Somente dessa forma pode se assegurar o equilíbrio na relação entre as instituições credoras e o consumidor. O artigo 2º da resolução do Conselho Nacional de Trânsito atribui aos órgãos de trânsito responsabilidade pelo registro (mas logicamente não para efetivá-lo, sob pena de inconstitucionalidade), podendo sua execução ser conveniada com instituição investida de competência nos termos da Lei. Os convênios visam tornar operacional essa disposição. REGISTRO DA ALIENAÇÃO Sobre o texto do art do Código Civil que segundo interpretação dos que não querem que esses documentos sejam registrados autorizaria a simples anotação do gravame no Certificado de Registro de Veículo, considere ainda o comentário no livro Novo Código Civil Comentado ed. Saraiva, 1ª ed.,

6 2002, página 1199, de coordenação do Relator do Projeto que alterou o Código Civil, o então Deputado Federal Ricardo Fiúza: Para que a propriedade fiduciária constitua-se juridicamente, isto é, seja hábil para gerar efeitos no mundo do direito, faz-se mister, impreterivelmente, a observância dos requisitos contidos no 1º do art , Todavia constata-se um sério equívoco, no texto do aludido parágrafo, que compromete alguns dos efeitos caracterizadores da natureza real do próprio instituto, pois em se tratando de veículo automotor, diante do emprego da conjunção ou utilizada inadequadamente, ficaria excluído o registro do contrato no Cartório do Registro de Títulos e Documentos, contentandose a norma com a simples inscrição na repartição de trânsito competente para o licenciamento, com as anotações de praxe no certificado de registro do automóvel ( 1º, in fine). Sem dúvida, essa não foi a vontade do legislador e, por conseguinte, não é a mens legis, tudo levando a crer que não passou de um lamentável erro de digitação que acabou passando despercebido por todos, durante as intermináveis fases de revisão. Basta que lancemos os olhos para a Lei dos Registros Públicos (arts. 127 a 131) quando trata do registro de títulos e documentos e transcrição dos respectivos instrumentos particulares. Sem nenhum sentido, sobretudo em sede de direitos reais, a prática de um negócio jurídico dessa ordem, voltada à concretização de propriedade fiduciária, realizada à margem do Registro de Títulos e Documentos. Ou seja, o próprio Relator do Projeto do novo Código Civil corrobora a informação de que a alternativa criada no Código Civil da alienação fiduciária constituir-se com registro no Registro de Títulos e Documentos do domicílio do devedor, ou, em se tratando de veículos, na repartição competente para o licenciamento, fazendo-se a anotação no certificado de registro, na verdade somente pode ter sido um erro de digitação. Isto porque os Detrans não têm competência constitucional para fazer registros, como afirmou o deputado em audiência pública da Comissão de Defesa do Consumidor, em 20/10/ A intenção do legislador seria garantir maior transparência nessa situação, fazendo com que, além da necessidade natural do registro para ser atribuir segurança jurídica para ambos os contratantes e para terceiros, ainda se anote no Certificado de Registro do veículo a existência dessa alienação constituída com o registro. Com base nesse erro de digitação, tenta-se convencer o cidadão de que ele não deve querer o registro do seu contrato, a despeito das interpretações extraídas de resolução do Conselho Nacional de Trânsito, de entendimento referendado pelo próprio relator do Código Civil e de todas as demonstrações de que a falta do registro deixa o consumidor desguarnecido frente aos eventuais abusos cometidos por agentes financeiros. De qualquer modo, essa disposição do Código Civil não altera a lei específica de registro público (Lei 6.015/73), no seu artigo 129, inciso V que dispõe que a alienação fiduciária tem validade contra terceiros quando registrada no Registro de Títulos e Documentos (RTD). Não há artifício por parte dos registradores para tornar obrigatório o registro. Há, sim, o entendimento consolidado de que para se constituir a alienação fiduciária (que é uma opção das partes contratantes) é necessário mais do que a simples anotação do gravame em favor da empresa credora, resguardando os interesses de somente uma dessas partes, mas deve-se resguardar a prova de todas as obrigações assumidas e os direitos pactuados entre empresa e consumidor, garantindo-se transparência e equilíbrio nessa relação. A verdade sobre o ataque aos serviços de registro público Resta ainda tratar da verdade acerca dos dados sobre os cartórios, especialmente sobre o Registro de Títulos e Documentos (que possui a atribuição para o registro da alienação fiduciária de veículos), distorcidos e omitidos em nome de interesses de quem quer enfraquecer essas instituições democráticas de 1 Fonte:

7 registro público, em prejuízo aos consumidores. Usualmente é dito por quem defende esses interesses escusos que os RTDs são uma mina de dinheiro e que usam artifícios ardilosos para arrancar mais dinheiro do bolso dos brasileiros. Como referência é usado um dado fornecido pelo jornal Valor Econômico, do qual se extrai que o setor arrecada cerca de R$ 7 bilhões/ano. O que a matéria relata 2, na verdade, é que os cartórios de registro civil e de imóveis, e tabelionatos de notas e de protesto movimentaram em torno de R$ 6,844 bilhões no ano passado em transações oficiais de documentos no país. Dessa análise, como se pode perceber, estão excluídos os Registros de Títulos e Documentos, bem como os Registros Civis das Pessoas Jurídicas, ambos de arrecadação bem menor. Apesar dos dados sobre a grande arrecadação, a mesma matéria informa: Os bacharéis de direito que decidirem aventurar-se por concursos para cartório não devem imaginar que se trata de uma atividade com ganhos fabulosos garantidos, e ainda dá exemplos como: As margens de lucro são restritas: chega a 15% para Paulo Gaiger Ferreira, 26º Tabelião de Notas, sediado na Praça João Mendes, Centro e local mais concorrido pelos cartórios de São Paulo. Além disso, a matéria divulga outros dados normalmente omitidos pelos defensores dos interesses dos agentes financeiros. Houve um importante passo na direção da profissionalização na prestação do serviço de registro, qual seja a obrigatoriedade de concurso público para a delegação do serviço. Em Uberaba, o Registro de Títulos e Documentos e Civil das Pessoas Jurídicas já é executado por delegatário aprovado em concurso público, bacharel em Direito, com pós-graduação em Direito Notarial Registral. Informações desse tipo são normalmente omitidas ou distorcidas para desestimular outros profissionais capacitados a tentarem o concurso, ou para criar na população a idéia de que o setor não exerce função relevante nem possui profissionais habilitados e prescinde deles. Para exercer a função, é exigido que o aprovado em concurso público seja bacharel em direito ou tenha a experiência de dez anos de trabalho em serviços de notas ou de registro. O cadastro da Corregedoria Nacional de Justiça mostra ainda outros dados 3 : O total arrecadado pelas serventias extrajudiciais em 2006 foi de R$ ,41 enquanto que em 2005 foi de R$ ,93. Pelas faixas de arrecadação (dados mais completos podem ser acessados no site do CNJ, no link Serviços On-line, Atos da Corregedoria, Divulgações), somente dois cartórios arrecadaram, naquele ano, acima de R$ 24 milhões - um no Estado de São Paulo e outro no Rio de Janeiro. A faixa de arrecadação que concentra o maior número de serventias é a de R$ 12 mil a R$ 60 mil ao ano: encontram-se nessa faixa em 2006 (cerca de 22% do total), e em 2005 (cerca de 23% do total de serventias cadastradas). Esses dados mostram que existem grandes desigualdades no setor que precisam ser revistas. São poucos os serviços registrais e de notas que fazem a fama de milionária de todo um setor. O setor nada tem de mina de ouro. A maioria em 2006 arrecadou entre R$ 12 mil a R$ 60 mil ao ano, ou seja, entre um mil e cinco mil reais por mês. Considere ainda que parte da arrecadação é repassada ao Estado e para diferentes fundos criados por lei, e que o restante não só remunera a atividade do oficial (sobre a qual é cobrado Imposto de Renda como pessoa física), como também paga o salário e os encargos dos funcionários contratados, mantém os custos da estrutura e é usado nos investimentos, especialmente de informatização para agilização do serviço. Quanto à gana por arrancar mais dinheiro do bolso dos brasileiros, considere o seguinte exemplo: o registro de um contrato de alienação fiduciária de um veículo de R$ ,00 (vinte e cinco mil reais) tem o custo de R$ 130,66 (cento e trinta reais e sessenta e seis centavos), somados R$ 3,51 (três reais e cinqüenta e um centavos) referente ao certificado lançado na via do contrato pertencente ao apresentante do documento e mais R$ 4,20 (quatro reais e vinte centavos) por folha do documento arquivado. Se o contrato tiver dez folhas e o apresentante do documento levar duas vias certificadas, por exemplo, o custo do registro será de R$ 176,17 (cento e setenta e seis reais e dezessete centavos). Lembre os efeitos valiosos ao consumidor que o registro proporciona. 2 Fonte: 3 Fonte:

8 O valor da taxa de abertura de crédito (TAC) cobrada do consumidor pelo agente financeiro no mesmo contrato (alienação fiduciária de veículo no valor de R$ ,00) fica em torno de R$ 500,00 (quinhentos reais). Considerando um contrato de 24 parcelas mensais a juros de 1,5% (comum nesses contratos) e, ainda, que a TAC (juntamente com outros encargos) é incluída no valor total e financiada, somente de juros sobre a TAC, o agente financeiro arrecada do consumidor mais o valor de R$ 99,04 (noventa e nove reais e quatro centavos). Aliás, fiquem atentos: sob a notícia de que a TAC será abolida, pode estar oculta a situação de simplesmente suspendê-la por um tempo para que retorne posteriormente com outro nome. Tendo em vista a situação, podemos, como consumidores, avaliar as instituições financeiras da seguinte forma: - agentes financeiros sérios e corretos disponibilizam àquele que adquire um bem financiado o contrato e todas as informações de interesse do consumidor; - aqueles que se dizem afinados com os interesses do cliente, além disso, deveriam recomendar o registro do contrato no Registro de Títulos e Documentos, mostrando que nada têm a temer com a transparência e conservação do documento; - mas, a demonstração evidente de que há, de fato, um compromisso com o cliente estaria na situação do agente financeiro que, tendo em vista o valor arrecadado com taxas embutidas no preço final e os juros sobre essas taxas, se dispusessem a pagar pelo registro do contrato no Registro de Títulos e Documentos. Você, consumidor de crédito, como avalia a seriedade e retidão da instituição de crédito com a qual negocia? Quanto aos agentes financeiros não tão sérios nem corretos pode-se esperar desde ocultar informações do consumidor e impedir acesso a documentos, até convencer a população a não buscar a transparência e as garantias do registro, com um discurso disfarçado de defesa do consumidor. Enquanto isso, o cidadão sai da negociação sem uma cópia sequer do contrato, mas sai com o carnê de cobrança e terá uma anotação de gravame no documento do veículo. Se a intenção é de fato defender os direitos do consumidor, exigindo uma efetiva prestação de serviço sem que lhe sejam retirados recursos desproporcional ou injustamente em favor de um setor já abonado, o discurso que critica o serviço de registro está apontado para o lado errado. A tentativa destes é, na verdade, de desencorajar a aplicação da lei que efetivamente protege o consumidor. E quando algum agente de imprensa, que deveria fazer por merecer ter credibilidade total na divulgação de informação sobre assunto tão importante para o cidadão, ou algum representante do povo, que deveria, de fato, buscar o melhor para toda a população (mas pode estar comprometido com o interesse de quem o financia), divulgam informação no sentido de desestimular o registro, afirmando que não há qualquer prestação efetiva de serviço, somente se pode pensar que estão mal informados ou mal intencionados. Não há muita diferença na razão que alimenta esse discurso extremamente prejudicial à cidadania: má informação ou má intenção tornam-se, para o caso, pecados de mesmo peso. Mas para os simplesmente mal informados e desejamos bem intencionados, ainda há esperança. É preciso que acreditem na inteligência do cidadão e evitem o discurso simplório e generalista que, envolvendo qualquer classe ou setor, apenas desinforma a população, prejudica o bom representante da classe e somente favorece os maus, que assim têm mais facilidade em se misturarem e se camuflarem. Sobre a importância de se dar transparência aos contratos de instituições financeiras, vale a pena ouvir o que tem a dizer o representante do PROCON na nossa cidade. Apesar de ainda ser um órgão que não tem suas vagas preenchidas por concurso público, como já começa a ocorrer com os cartórios, acredito que temos a sorte de ter servidores isentos e comprometidos com a defesa do consumidor. Aliás, o PROCON é um bom exemplo de instituição que, para que possa atingir seus objetivos, precisa que a população conheça e utilize efetivamente seus serviços. É igualmente importante que a sociedade conheça a verdade sobre o funcionamento e a importância dos serviços de Registro Público e Tabelionatos para que os

9 seus objetivos de defesa dos interesses dos cidadãos sejam atingidos e para que a população possa também cobrar eficiência e transparência de quem exerce essas funções. Carlos Renato de Oliveira C. Leão Oficial do Registro de Títulos e Documentos e Civil das Pessoas Jurídicas da Comarca de Uberaba; Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito Milton Campos; Especialista em Direito Notarial e Registral pelo Instituto de Educação Continuada da PUC-MG; Aprovado em concurso público para delegação do serviço de Registro de Títulos e Documentos e Civil das Pessoas Jurídicas da Comarca de Uberaba, em exercício da função desde 04 de abril de 2005.

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1 PARCELAMENTO DE DÉBITO 1.1 No caso de titular da conta 1. Original e cópia do RG ou da Carteira de Habilitação;

Leia mais

REGISTRO DE CONTRADOS / ES

REGISTRO DE CONTRADOS / ES REGISTRO DE CONTRADOS / ES O presente trabalho tem como objetivo padronizar procedimentos para implantação do sistema de registro de contratos de financiamentos de veículos com cláusula de alienação fiduciária,

Leia mais

Registro Eletrônico de Contratos Audiência Pública 25/03/2014. Marcos Elias Traad da Silva Diretor Geral

Registro Eletrônico de Contratos Audiência Pública 25/03/2014. Marcos Elias Traad da Silva Diretor Geral Registro Eletrônico de Contratos Audiência Pública 25/03/2014 Marcos Elias Traad da Silva Diretor Geral PRELIMINARES Como será a audiência protocolarmente a) Questões de ordem jurídica e técnica serão

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS

TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo Arpen-SP. Lei 11.331, de 26

Leia mais

LEI Nº 9.938, DE 18 DE JUNHO DE 2013. Autor: Poder Executivo Consolida a concessão de serviço público de registro

LEI Nº 9.938, DE 18 DE JUNHO DE 2013. Autor: Poder Executivo Consolida a concessão de serviço público de registro Diário Oficial nº : 26067 Data de 18/06/201 publicação: 3 Matéria nº : 586462 LEI Nº 9.938, DE 18 DE JUNHO DE 2013. Autor: Poder Executivo Consolida a concessão de serviço público de registro dos contratos

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS EXTRAJUDICIAL SIG-EX Atualizado em 27.05.2011 MANUAL DO USUÁRIO 1. Apresentação 1.1. Acessando o Sistema 1.2. Tela Principal 2. Página Principal SUMÁRIO 3. Módulo Corregedoria

Leia mais

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano

ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano ANEXO 9 Condições Mínimas do BNDES para Aprovação do Plano A - PRÉVIAS: 1. Apresentação de petição conjunta formulada pelos Interessados e pelo BNDES, com a anuência do Administrador Judicial, protocolizada

Leia mais

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DE FINANÇAS FERMOJU Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 1. Departamento de Gerência Executiva

Leia mais

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais;

PROVIMENTO Nº 34. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA em substituição, no uso de suas atribuições legais e constitucionais; PROVIMENTO Nº 34 Disciplina a manutenção e escrituração de Livro Diário Auxiliar pelos titulares de delegações e pelos responsáveis interinamente por delegações vagas do serviço extrajudicial de notas

Leia mais

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 39/2015-BNDES Rio de Janeiro, 21 de setembro de 2015. Ref.: Ass.: Produto BNDES Automático Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA Departamento Estadual de Trânsito Gabinete da Direção Geral

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA Departamento Estadual de Trânsito Gabinete da Direção Geral PORTARIA N. 1446/GAB/DETRAN-RO PORTO VELHO, 12 DE MAIO DE 2010. Disciplina procedimentos para o registro de contratos de financiamentos de veículos gravados com cláusula de alienação fiduciária, arrendamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Móveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 9 - Regulamentos Política de Empréstimos 9.1 Condições para associação O Funcionário, na sua admissão na empresa, assina a Proposta de Admissão e Depósito na Cooperativa, se for de seu interesse, sendo

Leia mais

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 TABELA A ATOS DOS TABELIÃES 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 02 ATAS NOTARIAIS (pela lavratura e registro, conforme a complexidade do fato observado a ser transformado em ato jurídico

Leia mais

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc.

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc. ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO Nº.../2008 Dispõe sobre a implantação do controle dos selos de autenticidade pelo novo Sistema de Impressão de Guia Extrajudicial Online

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS

TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS 1 - Registro, por todos os atos: I - com valor, inclusive certidão: de acordo com o ANEXO 3; II - sem valor (pactos antenupciais, citação, etc.): R$ 21,70

Leia mais

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO.

5º REVOGADO. 6º REVOGADO. 7º REVOGADO. 8º REVOGADO. 9º REVOGADO. CAPÍTULO II DO PARCELAMENTO DE DÉBITO Art. 163. O débito decorrente da falta de recolhimento de tributos municipais poderá ser pago em até 96 (noventa e seis) parcelas mensais e sucessivas, observado o

Leia mais

PORTARIA Nº 371/2009 DG. O DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARANÁ - DETRAN/PR usando de suas competências na forma da lei e;

PORTARIA Nº 371/2009 DG. O DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARANÁ - DETRAN/PR usando de suas competências na forma da lei e; PORTARIA Nº 371/2009 DG Estabelece o Registro Eletrônico de Contratos de Financiamento de Veículos no DETRAN/PR e dá outras providências. O DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

Válida até 30/03/2011

Válida até 30/03/2011 Tabela de Emolumentos / 2011 (1) Válida até 30/03/2011 Anexo da Portaria nº 1448 /CGJ/2010 (a que se refere o 1º do artigo 2º da Lei n.º 15.424, de 30 de dezembro de 2004, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

NORMATIVO SARB 005, de 09 de novembro de 2009. 1. DA ABRANGÊNCIA DA NORMA

NORMATIVO SARB 005, de 09 de novembro de 2009. 1. DA ABRANGÊNCIA DA NORMA O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias (as "Signatárias")

Leia mais

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ANEXO II - s dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS TABELA 1 (R$) Valor Final ao Usuário 1 Aprovação de testamento cerrado 139,36 43,83 183,19 1101-5 2 Ata

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

Revista Anoreg/SP. número 6. Cartório HOJE 1

Revista Anoreg/SP. número 6. Cartório HOJE 1 Revista Anoreg/SP número 6 Cartório HOJE 1 12 +Rapidez Para qualquer população atendida por uma empresa de abastecimento de água é essencial receber o precioso líquido em suas torneiras, como estamos aprendendo

Leia mais

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele.

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Saiba como limpar o nome. E mantê-lo limpo. Todos sabemos como é precioso o nosso nome e que dificuldades aparecem para todo mundo. Em muitos momentos da vida nos

Leia mais

NORMATIVO SARB 005/2009, de 09 de novembro de 2009.

NORMATIVO SARB 005/2009, de 09 de novembro de 2009. O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias (as "Signatárias")

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO FACULDADE 7 DE SETEMBRO PROCESSO SELETIVO 2015.1 EDITAL Nº 16/2014 A Faculdade 7 de Setembro (FA7), com base no seu Regimento Interno e nas disposições da legislação em vigor, torna pública, para conhecimento

Leia mais

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR VOCÊ SEMPRE OUVIU DIZER QUE... OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR O QUE VOCÊ VAI FAZER A RESPEITO? QUAL O FUTURO DOS REGISTROS PÚBLICOS O QUE QUEREMOS? A QUEM INTERESSA? COMO FAZER? CRISE OPORTUNIDADE Lei nº 11.977,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

CONVÊNIO Nº 015/2009

CONVÊNIO Nº 015/2009 ESTADO DE SERGIPE PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE CONVÊNIO Nº 015/2009 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE E A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. O

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências

LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências LEI N. 3.834-C - DE 14 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade Federal de Goiás, e dá outras providências Art. 1º É criada a Universidade Federal de Goiás, com sede em Goiás, capital do Estado de Goiás,

Leia mais

BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS

BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS BANCOS: SAIBA QUAIS SÃO OS SEUS DIREITOS Entre os primeiros no ranking de reclamações As instituições financeiras sempre estiveram entre os setores com maior número de queixas por parte do consumidor.

Leia mais

ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS

ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS ASSESPRO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E Internet - RS DESTAQUE E PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO PARA O PROJETO DE LEI 993/07. Artigo 1º, 1º constante no PL 993: CAPITULO

Leia mais

LEI Nº 1.265 DE 25 DE JUNHO DE 2014

LEI Nº 1.265 DE 25 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a campanha de fiscalização e melhoria da arrecadação de tributos, mediante o sorteio de prêmios e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACOBINA-BA, no uso de suas atribuições

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013

RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 523/2013 Institui, no âmbito do Sistema CFN/CRN, o Programa Nacional de Recuperação de Créditos (PNRC), autoriza a redução de encargos sobre dívidas em conciliação judicial

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TEORIA GERAL DO CRIME INSTITUTO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS CRIMINAIS IBCCRIM E INSTITUTO DE DIREITO PENAL ECONÓMICO E EUROPEU - IDPEE DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

EDITAL N.º 020/2015 PROCESSO DE INSCRIÇÕES E MATRÍCULAS NO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO

EDITAL N.º 020/2015 PROCESSO DE INSCRIÇÕES E MATRÍCULAS NO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO EDITAL N.º 020/2015 PROCESSO DE INSCRIÇÕES E MATRÍCULAS NO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO O Reitor do Centro Universitário La Salle - UNILASALLE, no exercício

Leia mais

NORMATIVO SARB 002/2008

NORMATIVO SARB 002/2008 O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS

4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 44 4 MÓDULO 4 DOCUMENTOS COMERCIAIS 4.1 Cheque O cheque é uma ordem de pagamento à vista. Pode ser recebido diretamente na agência em que o emitente mantém conta ou depositado em outra agência, para ser

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para as eleições de 2016. O Tribunal

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte Atualizado: 15 / 06 / 2015 - FAQ AI 1. Porte 1.1. Porte da empresa 1.1.1. Faturamento Bruto Anual 1.2. Classificação da empresa segundo seu porte 1.3. Comprovação de porte 1.3.1. Quando deve ser comprovado

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO OBRIGATÓRIO, DPVAT E DPEM, PARA A FROTA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO OBRIGATÓRIO, DPVAT E DPEM, PARA A FROTA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SEGURO OBRIGATÓRIO, DPVAT E DPEM, PARA A FROTA DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL N.º 01/SEPLAG/2004 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 EMENTA: ALTERA A LEI Nº 5981/2011, QUE DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DAS ONG S, OSCIP S E DEMAIS ENTIDADES QUE RECEBAM RECURSOS PÚBLICOS NO ESTADO DO RIO

Leia mais

GUARDA DE DOCUMENTOS

GUARDA DE DOCUMENTOS GUARDA DE DOCUMENTOS Tabela de Temporalidade de Documentos de Pessoa Física 1. VIDA FINANCEIRA 1.1 PAGAMENTO DE TRIBUTOS 1.1.1 Imposto de 5 anos, contados Renda de Pessoa a partir do Física (IRPF) e exercício

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES

ROTEIRO DE ENCERRAMENTO DE CONTAS CORRENTES Como resultado de uma série de reuniões técnicas envolvendo representantes da Febraban, do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor e do Banco Central do Brasil, no sentido de aprimorar ainda mais os procedimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

TABELA IV DOS TABELIONATOS DE PROTESTO DE TÍTULOS

TABELA IV DOS TABELIONATOS DE PROTESTO DE TÍTULOS TABELA IV DOS TABELIONATOS DE PROTESTO DE TÍTULOS Tabela elaborada sob responsabilidade do IEPTB-SP. Lei 11.331, de 26 de dezembro de 2002, publicada no DOE-SP em 27 de dezembro de 2002. Lei estadual 13.160,

Leia mais

P R O G R A M A F A T E S 2 0 1 1

P R O G R A M A F A T E S 2 0 1 1 Objetivos: Art. 1º O FATES, fundo previsto na lei 5764/71 art. 28, inciso II, destina-se à prestação de assistência técnica, educacional e social aos cooperados e cônjuges ou companheiro (a) em união estável,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

Mensagem do Administrador

Mensagem do Administrador Educação Financeira Índice 1. Mensagem do administrador... 01 2. O Cartão de crédito... 02 3. Conhecendo sua fatura... 03 4. Até quanto gastar com seu cartão... 07 5. Educação financeira... 08 6. Dicas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA - SEMFAZ, DE UM LADO, E DO OUTRO O BANCO DO BRASIL S.A., PARA OS FINS QUE ESPECIFICAM. Aos vinte

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3828. Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM).

RESOLUÇÃO Nº 3828. Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM). RESOLUÇÃO Nº 3828 Dispõe sobre a aplicação dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM). O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

1.3. Este Concurso é de cunho exclusivamente cultural e recreativo.

1.3. Este Concurso é de cunho exclusivamente cultural e recreativo. REGULAMENTO DO CONCURSO PARA O MBA LIVRE EM MERCADOS DE CAPITAIS E DERIVATIVOS e MBA LIVRE EM GESTÃO DE RISCO FINANCEIRO INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA e VALOR ECONÔMICO 1. CONCURSO 1.1. O Concurso

Leia mais

Cartilha de Empréstimo 1

Cartilha de Empréstimo 1 Cartilha de Empréstimo 1 Empréstimo Economus: Como é? Quem tem direito? Que tipo de empréstimos o Economus oferece? O Economus oferece apenas a modalidade de empréstimo pessoal. Quem poderá solicitar empréstimos?

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO: FESTIVAL DE PRÊMIOS PLANO CAMARGO

REGULAMENTO PROMOÇÃO: FESTIVAL DE PRÊMIOS PLANO CAMARGO REGULAMENTO PROMOÇÃO: FESTIVAL DE PRÊMIOS PLANO CAMARGO A presente PROMOÇÃO COMERCIAL sofreu algumas alterações, assim fiquem atentos as mesmas constantes nesse Regulamento que serão válidas a partir de

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO DE AQUISIÇÃO DOS SELOS DIGITAIS

MANUAL SIMPLIFICADO DE AQUISIÇÃO DOS SELOS DIGITAIS MANUAL SIMPLIFICADO DE AQUISIÇÃO DOS SELOS DIGITAIS I. APRESENTAÇÃO DO SELO DIGITAL Instituído pela Lei Estadual nº 10.132/2013, o Selo Digital de Fiscalização Extrajudicial é uma evolução do selo físico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE QUÍMICA EDITAL Nº 001/2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE QUÍMICA EDITAL Nº 001/2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE QUÍMICA EDITAL Nº 001/2015 EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA AO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011.

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Requisitos 3 - Comprovação 4 - Parcelas 4.1 - Parcelas Adicionais

Leia mais

Informativo sobre Feirão de imóveis

Informativo sobre Feirão de imóveis Informativo sobre Feirão de imóveis 2013 Realização: PROCON Campinas - DICAS DE AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS: 1- Pesquise o preço do imóvel Se for o caso, procure outros imóveis à venda no mesmo prédio, condomínio

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 002/2015

RESOLUÇÃO N. 002/2015 RESOLUÇÃO N. 002/2015 Atualiza a Resolução 005/2014 em seu artigo 3º (Taxa de juros do Consignado Estadual e renovação garantias I e II) de acordo com as condições e garantias oferecidas pelo sócio, inalteradas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 1 REGULAMENTA O FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE ALTO BELA VISTA GERAINVEST, REVOGA DECRETO 1883 E DA OUTRAS PROVIDENCIAS O Prefeito Municipal de Alto Bela Vista, Estado de Santa Catarina, no uso

Leia mais

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio Departamento de Estágios FACCAMP Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio OBRIGAÇÕES DO ESTAGIÁRIO. Solicitar na Secretaria Geral da FACCAMP declaração de autorização para

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para o pleito

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o exercício de 2005, e contém outras disposições. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas

Leia mais

Corregedoria Nacional de Justiça - Tabela de Temporalidade de Documentos

Corregedoria Nacional de Justiça - Tabela de Temporalidade de Documentos N/A 3-0 N/A 3-1 SERVIÇOS NOTARIAIS E DE REGISTRO PROCESSOS E DOCUMENTOS REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS N/A 3-1-1 LIVROS N/A 3-1-1-1 Livro tombo N/A 3-1-1-2 Livro de editais e proclamas N/A 3-1-1-3

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio firmado entre a UNICENTRO e o Banco UNIBANCO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Administração,

Leia mais

HIRATA CONSULTORES CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CURSOS LIVRES

HIRATA CONSULTORES CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CURSOS LIVRES HIRATA CONSULTORES CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CURSOS LIVRES Pelo presente instrumento particular, HIRATA CONSULTORES, sociedade empresária limitada com sede na Rua Nilo, 163, no Município de São

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal SPED Contábil e Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal SPED. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais