Estatísticas sobre o endividamento das famílias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatísticas sobre o endividamento das famílias"

Transcrição

1 Estatísticas sobre o endividamento das famílias Filipa Lima 26 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Reunião Conjunta SPES e SPEE

2 Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. Enquadramento 2. Principais resultados 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) 2

3 Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. Enquadramento 2. Principais resultados 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) 3

4 1. Enquadramento Referencial metodológico Sistema Europeu de Contas Nacionais e Regionais (SEC 2010) Delimitação dos setores institucionais Definição dos instrumentos financeiros Apresentação de informação integrada sobre as operações de cada setor institucional: Produção Distribuição e utilização do rendimento Acumulação de ativos e passivos 4

5 Particulares 1. Enquadramento (setores institucionais) Sociedades financeiras Sociedades não financeiras 5 Administrações públicas Resto do mundo

6 Famílias (S.14) Agrupa os indivíduos ou grupos de indivíduos, na sua função de consumidores e de empresários, que produzem bens mercantis e serviços financeiros e não financeiros (produtores mercantis), desde que a produção de bens e serviços não seja feita por entidades distintas consideradas quase sociedades. Inclui igualmente os indivíduos ou grupos de indivíduos que produzem bens e serviços não financeiros exclusivamente para utilização final própria. (Inclui os empresários em nome individual) Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias (S.15) 1. Enquadramento (setores institucionais) Particulares famílias e instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias Agrupa as instituições sem fim lucrativo dotadas de personalidade jurídica que estão ao serviço das famílias e que são produtores não mercantis privados. Os seus recursos principais provêm de contribuições voluntárias, em espécie ou dinheiro, efetuadas pelas famílias enquanto consumidoras, de pagamentos efetuados pelas administrações públicas e de rendimentos de propriedade. 6

7 Instrumentos financeiros 1. Enquadramento (instrumentos financeiros) Ouro monetário e DSE Numerário e depósitos Dívida dos particulares Títulos de dívida Empréstimos Ações e outras participações Regimes de seguros, pensões e garantias estandardizadas Derivados financeiros, incluindo opções sobre ações concedidas a empregados Outros débitos e créditos Créditos comerciais Outros débitos e créditos 7

8 1. Enquadramento (informação estatística) Informação disponibilizada pelo Banco de Portugal Boletim Estatístico e BPstat Capítulo B Estatísticas monetárias e financeiras Capítulo B.4 Detalhes dos ativos das outras instituições financeiras monetárias face a residentes Capítulo B.7 Taxas de juro e rendibilidade de instituições financeiras monetárias Capítulo B.9 Informação estatística da central de responsabilidades de crédito Capítulo C Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional Capítulo C.2 Balança financeira Capítulo C.3 Posição de Investimento Internacional Capítulo F Contas nacionais financeiras Capítulo K Endividamento do setor não financeiro 8

9 Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. Enquadramento 2. Principais resultados 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) 9

10 Em percentagem do PIB Em percentagem 2. Principais resultados Redução das taxas de juro favoreceu o aumento do endividamento Perspetiva histórica empréstimos bancários e taxas de juro de novas operações Habitação Consumo e outros fins Tx juro - Habitação (escala da direita) Tx juro - Consumo e outros fins (escala da direita) 0 10

11 1996 Jun 1996 Dez 1997 Jun 1997 Dez 1998 Jun 1998 Dez 1999 Jun 1999 Dez 2000 Jun 2000 Dez 2001 Jun 2001 Dez 2002 Jun 2002 Dez 2003 Jun 2003 Dez 2004 Jun 2004 Dez 2005 Jun 2005 Dez 2006 Jun 2006 Dez 2007 Jun 2007 Dez 2008 Jun 2008 Dez 2009 Jun 2009 Dez 2010 Jun 2010 Dez 2011 Jun 2011 Dez 2012 Jun 2012 Dez 2013 Jun 2013 Dez 2014 Jun 2015 Jan Em milhões de euros 2. Principais resultados Aumento continuado da dívida até 2011, com posterior tendência de redução Evolução das dívida dos particulares por instrumento financeiro Empréstimos Créditos comerciais + de 90% corresponde a empréstimos concedidos pelo setor financeiro d.q. dez-2014: 2.7% Financiamento à atividade empresarial em nome individual % Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias

12 1999 Dez 2000 Jun 2000 Dez 2001 Jun 2001 Dez 2002 Jun 2002 Dez 2003 Jun 2003 Dez 2004 Jun 2004 Dez 2005 Jun 2005 Dez 2006 Jun 2006 Dez 2007 Jun 2007 Dez 2008 Jun 2008 Dez 2009 Jun 2009 Dez 2010 Jun 2010 Dez 2011 Jun 2011 Dez 2012 Jun 2012 Dez 2013 Jun 2013 Dez 2014 Jun Em percentagem 2. Principais resultados Evolução do rácio da dívida mais moderado na área euro do que em Portugal Rácio de dívida 1 dos particulares Portugal e área euro Área do euro Portugal 12 1 Inclui apenas empréstimos. Em % do rendimento disponível ajustado da participação em fundos de pensões

13 Em percentagem apesar das taxas de juro mais elevadas em Portugal, embora em níveis muito inferiores aos da década de Principais resultados Evolução das taxas de juros de empréstimos a particulares novas operações Euribor 6 meses Portugal Área euro 13

14 Rácio de dívida 1 dos particulares países área euro 2. Principais resultados 2014T3 2010T3 Portugal é um dos países com rácio de dívida mais elevado no conjunto dos países da área euro 14 Fonte: BCE e Eurostat 1 Inclui apenas empréstimos. Em % do rendimento disponível. * Dados anuais até 2013.

15 Em percentagem Em percentagem 2. Principais resultados Rácio de dívida, capacidade de financiamento e taxa poupança dos particulares Portugal IV 2001.IV 2003.IV 2005.IV 2007.IV 2009.IV 2011.IV 2013.IV 50 Taxa de poupança Capacidade/ necessidade líquida de financiamento (% do PIB) Dívida (escala da direita) (% rendimento disponível) 15 Até 2007, o aumento do rácio da dívida em Portugal foi acompanhado de uma diminuição da taxa de poupança e da capacidade líquida de financiamento

16 Em percentagem 2. Principais resultados A taxa de poupança em Portugal é inferior à da média da área euro Taxa de poupança 1 dos particulares Portugal e área euro Área euro Portugal 16 1 Em % do rendimento disponível ajustado da participação em fundos de pensões. SEC 95.

17 Taxa de poupança 1 dos particulares países área euro 2. Principais resultados 2014T3 2010T3 e corresponde a cerca de 2/3 da taxa de poupança de países como DE, NL e FR 17 Fonte: BCE e Eurostat 1 Em % do rendimento disponível ajustado da participação em fundos de pensões * Dados anuais até 2013.

18 Recursos Em milhões de euros Aplicações Nos últimos 3 anos, houve amortização líquida de dívida e as aplicações financeiras diminuíram de forma significativa Aplicações e recursos dos particulares (fluxos) Portugal 2. Principais resultados Aplicações financeiras (+) Aplicações não financeiras (+) Financiamento (-) Poupança e transferências de capital (-)

19 1999 Mar 1999 Set 2000 Mar 2000 Set 2001 Mar 2001 Set 2002 Mar 2002 Set 2003 Mar 2003 Set 2004 Mar 2004 Set 2005 Mar 2005 Set 2006 Mar 2006 Set 2007 Mar 2007 Set 2008 Mar 2008 Set 2009 Mar 2009 Set 2010 Mar 2010 Set 2011 Mar 2011 Set 2012 Mar 2012 Set 2013 Mar 2013 Set 2014 Mar 2014 Set Em percentagem do PIB Principais resultados Património financeiro líquido (ativos financeiros passivos) dos particulares Portugal e área euro Área do euro Portugal 19 o que se traduziu num aumento do património financeiro líquido dos particulares, embora permaneça abaixo do conjunto da área euro

20 Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. Enquadramento 2. Principais resultados 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) 20

21 Em percentagem 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) Evolução da taxa de variação anual (TVA) do crédito concedido às famílias, por finalidade Distribuição do crédito concedido às famílias por finalidade, em ,0 2,0 0,0-2, % -4,0-6,0 82% -8,0-10,0 Habitação Consumo e Outros Fins Total Habitação Consumo e Outros Fins -As taxas de variação anual têm sido negativas desde 2011, com tendência de estabilização no período mais recente - Maior volatilidade no crédito ao consumo, que representa cerca de 20% do total 21

22 Em percentagem 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) Indicadores de incumprimento no crédito concedido às famílias, por finalidade Agravamento dos indicadores de incumprimento, em especial no consumo Rácio de Crédito Vencido 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 22 Percentagem de devedores, pertencentes ao setor das famílias, com crédito vencido Total Habitação Consumo e Outros Fins

23 Em milhões de euros 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) Crédito concedido a famílias, por região, dezembro 2014 Variação anual Distribuição do Crédito As regiões do litoral concentram a maior percentagem de crédito obtido Crédito concedido a famílias em dezembro 2014: M Legenda: > 6% 5 a 6% 4 a 5% 3 a 4% 2 a 3% 1 a 2% 0 a 1% Peso no total de crédito concedido 23

24 Em milhões de euros 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) Crédito vencido no setor famílias, por região, dezembro Variação anual Distribuição do Crédito e de crédito vencido também Crédito vencido no setor das famílias em dezembro 2014: 6 415M Legenda: > 6% 5 a 6% 4 a 5% 3 a 4% 2 a 3% 1 a 2% 0 a 1% Peso no total de crédito vencido 24

25 Em percentagem 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) Rácio de crédito vencido do crédito concedido às famílias, por região, dezembro ,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Rácio de crédito vencido Rácio de crédito vencido No entanto, em termos de rácio de crédito vencido, existe menos dispersão entre as regiões RCV do crédito concedido a famílias em dezembro 2014: 4,9% Legenda: > 6% 5 a 6% 4 a 5% 3 a 4% 2 a 3% 1 a 2% 0 a 1% 25

26 Em percentagem 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) Percentagem de devedores com crédito vencido do setor das famílias, por região, dezembro de ,0 Percentagem de devedores com crédito vencido Percentagem de devedores com crédito vencido 15,0 10,0 5,0 0,0 A região de Lisboa e Algarve são as que apresentam maior % de devedores com crédito vencido Percentagem de devedores com crédito vencido no setor das famílias em dezembro 2014: 14,8% Legenda: > 17,5% 16 a 17,5% 14,5 a 16% 13 a 14,5% 11,5 a 13% 10 a 11,5% < 10% 26

27 Em percentagem Em percentagem 19,1% 12,6% 11,7% 3,0% 3. Empréstimos concedidos pelo setor financeiro às famílias (CRC) Repartição por escalões de crédito concedido, dezembro de Mais de 50% dos devedores deve menos de 25 mil euros, sendo o incumprimento nestas categorias mais elevado - 3% devem mais de 200 mil euros, dos quais cerca de 1/5 está em incumprimento com um rácio de crédito vencido de 7% 19,40% 20,0% 14,1% Inferior a a a a a a Superior a Rácio de crédito vencido Percentagem de devedores com crédito vencido 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 Inferior a Superior a ,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Inferior a a a a a a Superior a

28 Obrigada pela atenção! Filipa Lima Departamento de Estatística Diretora-Adjunta

concedidos pelo setor financeiro residente

concedidos pelo setor financeiro residente NOTA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 22 2016 Novas estatísticas sobre empréstimos concedidos pelo setor financeiro residente 22 de fevereiro de 2016 O Banco de Portugal apresenta hoje novas estatísticas sobre

Leia mais

Principais alterações nas estatísticas do Banco de Portugal decorrentes dos novos manuais internacionais

Principais alterações nas estatísticas do Banco de Portugal decorrentes dos novos manuais internacionais Principais alterações nas estatísticas do Banco de Portugal decorrentes dos novos manuais internacionais Filipa Lima Diretora-Adjunta 10 de outubro de 2014 14ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas

Leia mais

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE)

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE) 6.9.2014 L 267/9 ORIENTAÇÕES ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 3 de junho de 2014 que altera a Orientação BCE/2013/23 relativa às estatísticas das finanças públicas (BCE/2014/21) (2014/647/UE) A COMISSÃO

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria -

CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria - CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria - julho.2015 DESTAQUES 1. Desde o 3º trimestre de 2014 até ao 1º trimestre de 2015, a Restauração e a Hotelaria perderam 52.900 postos de trabalho (Fonte:

Leia mais

RESULTADOS Apresentação Resumo. 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO

RESULTADOS Apresentação Resumo. 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO RESULTADOS 2010 Apresentação Resumo 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO SÍNTESE DA ACTIVIDADE RESULTADOS CONSOLIDADOS BALANÇO 2 SÍNTESE DA ACTIVIDADE 2010 Resultado líquido consolidado de 33,4 M, implicando

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

O Valor da Informação no Turismo

O Valor da Informação no Turismo Vê Portugal 3.º Fórum Turismo Interno O Valor da Informação no Turismo João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística 30 de maio de 2016 1 O valor da informação 2 Caraterização das empresas dosetor

Leia mais

Fundo de Pensões Complementares ANA, S.A. Demonstração da Posição Financeira

Fundo de Pensões Complementares ANA, S.A. Demonstração da Posição Financeira Fundo de Pensões Complementares ANA, S.A. Demonstração da Posição Financeira 2011 Índice 1 Valor da quota-parte do fundo afecta... 3 2 Valor actual das responsabilidades passadas obtidas pelo cenário de

Leia mais

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a)

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a) Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e (a) Peso (b) 10 6 euros Variações homólogas (%) Dif. (p.p.) Tendência (x100) (c) Média Mensal (%) (d) 2014 2015 dez/15 jan/16

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. Dez-13. Jun-14. Ago-14. Abr-14. Fev-14

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. Dez-13. Jun-14. Ago-14. Abr-14. Fev-14 Dez-12 Fev-13 Abr-13 Ago-13 Out-13 Fev-14 Abr-14 Ago-14 Out-14 Fev-15 Abr-15 Ago-15 Out-15 Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação Dezembro de 2015 22 de janeiro de 2016 Taxa de juro 1 manteve

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

Actividade e Resultados em 2010

Actividade e Resultados em 2010 Actividade e Resultados em 2010 Ponto 1 da Ordem de Trabalhos Assembleia Geral de Accionistas 27 de Abril de 2011 I. Enquadramento II. Capital, Liquidez, Riscos III. Negócio e Reputação IV. Resultados

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004 COMUNICADO Página 1 / 6 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004 02 de Novembro de 2004 Volume de Negócios aumentou 5,9% para 4.813 M. Cash-Flow Operacional cresceu 25,8% para 548 M. Resultados

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

Sistema de Contabilidade Nacional: CEIs e TRUs. Daiana I. da Silva Doutoranda em Economia Aplicada

Sistema de Contabilidade Nacional: CEIs e TRUs. Daiana I. da Silva Doutoranda em Economia Aplicada Sistema de Contabilidade Nacional: CEIs e TRUs Daiana I. da Silva Doutoranda em Economia Aplicada Sistema de Contabilidade Nacional Contas Econômicas Integradas Conjunto de contas de operações e de ativos/passivos

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. abr-15. ago-15. jun-15. fev-15

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. abr-15. ago-15. jun-15. fev-15 dez-13 fev-14 abr-14 ago-14 out-14 fev-15 abr-15 ago-15 out-15 fev-16 abr-16 ago-16 out-16 Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação Dezembro de 2016 23 de janeiro de 2017 Taxa de juro 1 continuou

Leia mais

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA APOIO AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS A Norgarante é uma Sociedade de Garantia Mútua que: Apoia Micro, Pequenas e Médias Empresas da zona Norte e Centro Norte

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional

Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional 29 de Junho de 2010 Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional (Base 2006) (Versão corrigida em 29-06-2010, às 18H) 1º Trimestre de 2010 No parágrafo sob a epígrafe 1º trimestre 2010 Principais

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa em 2016

Projeções para a economia portuguesa em 2016 Projeções para a economia portuguesa em 2016 95 Projeções para a economia portuguesa em 2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma desaceleração do PIB, de 1,6 por cento em 2015 para

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO Legislação Societária CIRCULANTE Numerário disponível 8.081 6.646 Consumidores e revendedores 83.995 67.906 Devedores

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Workshop O Sistema Nacional de Investigação e Inovação - Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Eduardo Brito Henriques, PhD Presidente

Leia mais

Anexo à Instrução 17/96

Anexo à Instrução 17/96 Anexo à Instrução 17/96 SOCIEDADES EMITENTES OU GESTORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes Data de referência: 2.º trimestre 2014

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes Data de referência: 2.º trimestre 2014 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes Data de referência:.º trimestre 1 Redigido com informação disponível até 1 de setembro de 1 Índice Sistema Bancário Português Avaliação Global Medidas

Leia mais

A resiliência das empresas em contexto de crise Vasco Leite

A resiliência das empresas em contexto de crise Vasco Leite A resiliência das empresas em contexto de crise Vasco Leite 3 a sessão NORTE & ECONOMIA 30 novembro Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões Matosinhos www.ccdr-n.pt/norte-economia Sumário 1. A resiliência

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Índice 1. Situação Monetária... 4 1.1. Base Monetária... 4 1.2. Massa Monetária... 5 1.2.1. Crédito à Economia... 6 1.2.2. Activo Externo

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

CAIS INVEST EMPRESA PARA O DESENVOLVIMENTO DO MUNICIPIO DE SÃO ROQUE DO PICO E.E.M. EM LIQUIDAÇÃO. Relatório de Gestão 2015

CAIS INVEST EMPRESA PARA O DESENVOLVIMENTO DO MUNICIPIO DE SÃO ROQUE DO PICO E.E.M. EM LIQUIDAÇÃO. Relatório de Gestão 2015 Relatório de Gestão 2015 1. ENQUADRAMENTO ECONOMICO As projeções para a economia portuguesa publicadas pelas diversas instituições nacionais e internacionais apontam para a continuação do processo de recuperação

Leia mais

Notas: - Os dados apresentados nos quadros, referem-se às funções Maior, Menor e Mediana, podem corresponder a diferentes EC;

Notas: - Os dados apresentados nos quadros, referem-se às funções Maior, Menor e Mediana, podem corresponder a diferentes EC; ENQUADRAMENTO DO TEMA: DADOS FINANCEIROS DAS CVR INDICADORES DE EXECUÇÃO Notas: - Os dados apresentados nos quadros, referem-se às funções Maior, Menor e Mediana, podem corresponder a diferentes EC; -

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO. Dezembro Lisboa, 2014

BOLETIM ECONÓMICO. Dezembro Lisboa, 2014 BOLETIM ECONÓMICO Dezembro 2014 Lisboa, 2014 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Dezembro 2014 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Market Share Indicadores dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 set/13 Ativo Total * 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido * 11º 12º 11º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 7º

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

Que Bancos no Futuro?

Que Bancos no Futuro? Que Bancos no Futuro? Carlos da Silva Costa Governador Lisboa, 3 de outubro 2016 XXVI ENCONTRO DE LISBOA entre os Banco Centrais dos Países de Língua Portuguesa As instituições bancárias enfrentam atualmente

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

A DESPESA COM O PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REDUZ-SE MILHÕES DE EUROS ENTRE 2011 E 2013!

A DESPESA COM O PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REDUZ-SE MILHÕES DE EUROS ENTRE 2011 E 2013! A DESPESA COM O PESSOAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REDUZ-SE 3.800 MILHÕES DE EUROS ENTRE 2011 E 2013! 1. Quais são as medidas de Consolidação Orçamental que mais afetam os trabalhadores da AP e os aposentados?

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique

Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Desafios para o Crescimento e Desenvolvimento Económico de Moçambique Fernando Faria de Oliveira VIII Conferência Anual de Economistas de Moçambique Novembro 2012 Índice Desenvolvimento Económico de Moçambique:

Leia mais

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor do Departamento de Estatística 24 novembro 2015 Lisboa BPstat mobile Evolução da difusão estatística

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2016

CALENDÁRIO FISCAL 2016 CALENDÁRIO FISCAL 2016 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i n f o @ b a k e r

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 16/ (BO Nº 8, ) SUPERVISÃO Elementos de Informação

INSTRUÇÃO Nº 16/ (BO Nº 8, ) SUPERVISÃO Elementos de Informação INSTRUÇÃO Nº 16/2004 - (BO Nº 8, 16.08.2004) Temas SUPERVISÃO Elementos de Informação ASSUNTO: Divulgação de indicadores de referência Crédito em Risco Considerando a necessidade de se obter uma maior

Leia mais

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo

1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 1.ª Frequência de Contabilidade Financeira Ano letivo 2015-2016 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Gestão e Economia Data: 2015-10-29 Licenciatura em

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor:

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 20-jul-16 O Preçário completo do Banco Privado Atlântico Europa, S.A., contém o Folheto

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

FÓRUM DE PRESIDENTES DO SISTEMA UNIMED. Luis Carlos Melo SP, 04/08/2011

FÓRUM DE PRESIDENTES DO SISTEMA UNIMED. Luis Carlos Melo SP, 04/08/2011 FÓRUM DE PRESIDENTES DO SISTEMA UNIMED Luis Carlos Melo SP, 04/08/2011 UNIMED VALE DO SINOS - RS Fundação: Em 1975, na cidade de Novo Hamburgo/RS, por um grupo de 45 médicos; Área de ação: Vale do Sinos

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

O Financiamento das PME s em tempos de crise

O Financiamento das PME s em tempos de crise O Financiamento das PME s em tempos de crise CENFIM - Arcos de Valdevez 29 de Novembro 2010 Prólogo O Impensável Pouco provável Quase impossível Acontecem The Economist 20 Novembro 2010 2 CENFIM Arcos

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS

RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS Introdução 1. A contabilidade do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados encontra-se organizada de acordo com o POC, adaptado à especificidade da Ordem dos Advogados, e respeitando as orientações

Leia mais

Relatório Econômico 2015

Relatório Econômico 2015 Índice 2 Relatório de Auditoria... 4 Balanço... 8 Demonstração de Resultados... 12 Receitas e Despesas Reconhecidas e Demonstrações... 16 Demonstração de Fluxos de Caixa... 20 Índice 3 1 Relatório de Auditoria

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Análise do Documento de Estratégia Orçamental junho de 2014

Análise do Documento de Estratégia Orçamental junho de 2014 Análise do Documento de Estratégia Orçamental 2014-2018 junho de 2014 Cenário macroeconómico O cenário macroeconómico apresentado parece ser equilibrado e razoavelmente prudente: Previsão de crescimento

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Sistema de Contas Nacionais Brasil Conta Financeira e Conta de Patrimônio Financeiro 2004-2009 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE

MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE MANUAL DE CONTABILIDADE PARA JURISTAS ÍNDICE CAPÍTULO I. DEFINIÇÕES E DIVISÕES DA CONTABILIDADE 1 DEFINIÇÕES DE CONTABILIDADE 2 DIVISÕES DA CONTABILIDADE CAPÍTULO II. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS CONTABILÍSTICOS

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2007 INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Janeiro de 2017

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Janeiro de 2017 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Janeiro de 2017 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito de Janeiro de 2017 aos cinco grupos bancários incluídos

Leia mais

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 A AECOPS divulga a sua análise do comportamento do mercado imobiliário residencial em 2015, detalhando a evolução das vendas de alojamentos novos e

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades 30 Setembro 2012 Câmara Municipal de Cascais 30 Setembro 2012 1 Índice Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 3 Evolução

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1º Trimestre 2016 Coletiva de Imprensa 12 de Maio de 2016 Avisos Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/1975/CSE/EM 18ª DECISÃO DA SECÇÃO PERMANENTE S MACROECONÓMICAS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO SOBRE CONTAS NACIONAIS E REGIONAIS RELATIVO À ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE NOS OUTROS SERVIÇOS Considerando

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2.

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2. Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 76 junho

Leia mais

Implicações para o Crédito Rural

Implicações para o Crédito Rural II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Implicações para o Crédito Rural Mesa 5: Debilidade da governança de terras: o impacto no setor privado Felipe Prince Silva. Ms. Economista

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 2015 ÍNDICE 1. Nota Introdutória... 3 2. Relatório... 4 3. Receitas... 4 4. Receitas Próprias... 6 5. Transferências... 6 6. Despesas... 8 7. Encargos de Funcionamento... 9 8. Rácios

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 Informação à Comunicação Social 28 de Dezembro de 2001 SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 O INE dá início à difusão de estatísticas

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 28 de junho de 2013 Capacidade de financiamento da Economia portuguesa aumenta No ano acabado no 1º trimestre de 2013,

Leia mais

Desempregados da Construção já ultrapassam os 110 mil

Desempregados da Construção já ultrapassam os 110 mil Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 67 Fevereiro

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

Preçário CAIXA ECONÓMICA DO PORTO

Preçário CAIXA ECONÓMICA DO PORTO Preçário CAIXA ECONÓMICA DO PORTO CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o COMISSÕES E SPESAS Consulte o TAXAS JURO Data de O Preçário completo contém o Folheto de Comissões e Despesas (que incorpora os valores máximos

Leia mais

Obras licenciadas atenuaram decréscimo

Obras licenciadas atenuaram decréscimo Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2014- Dados preliminares 12 de junho de 2014 Obras licenciadas atenuaram decréscimo No 1º trimestre de 2014 os edifícios licenciados diminuíram

Leia mais

Conselho Superior de Estatística

Conselho Superior de Estatística Conselho Superior de Estatística Secção Permanente de Estatísticas Económicas Paula Casimiro 22 de maio de 2015 Estatísticas de Fundos de Investimento Estrutura da apresentação 1. Introdução 2. Compilação

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Mestrado: Forense Disciplina: Operações Bancárias Docente: Paulo Câmara Ano lectivo: 2009-2010 Semestre: 1º Semestre -2º Trimestre 1. Programa da disciplina: 1.º Introdução CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1. Delimitação

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE O trabalho de projeções do mercado de seguros, previdência privada e capitalização, realizado pela SISCORP, é desenvolvido com detalhes

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

PROVA-MODELO DE EXAME 2

PROVA-MODELO DE EXAME 2 Prova-modelo de Exame 191 PROVA-MODELO DE EXAME I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinale -a com uma cruz sobre a letra correspondente

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI 0 Investimento e financiamento, a relação com a banca Luís Rêgo, Banco BPI 1 Eficiência Energética Enquadramento Legal (1/2) 2 Mercado de serviços energéticos (Directiva 2006/32/CE, de 05 de Abril*) Metas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO NOTA TÉCNICA CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOVA METODOLOGIA DE APURAÇÃO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS Fernando J. Ribeiro Finalizado em 28/05/2015 O Banco Central do Brasil divulgou, no último mês de abril, uma nova

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Análise Económica e Financeira

Análise Económica e Financeira A n á l i s e e c o n ó m i Análise Económica e Financeira c a e f i n a n c e i r a Relatório e Contas 2012 Página 90 Síntese de resultados Página 91 Evolução da conta de exploração As demonstrações financeiras

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV

ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA. Mestrado em Finanças Empresariais ESTGV-IPV ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para a Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

BC Fund Webcast Resultados 4T15 e de fevereiro de 2016

BC Fund Webcast Resultados 4T15 e de fevereiro de 2016 BC Fund Webcast Resultados 4T15 e 2015 26 de fevereiro de 2016 Resultados 4T15 e 2015 Destaques 1 2 Resultados financeiros e operacionais Receita de locação: R$ 60 mi em 4T15 e R$ 237 mi no ano FFO ajustado:

Leia mais