FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO"

Transcrição

1 Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO DA BAIXADA Outras designações ou siglas: RJ-LP-03 Município: BELFORD ROXO Localidade: VILA SANTA TEREZA Outras designações da localidade: CNSA : (campo reservado) UF RJ Nomes Antigos (Vila Marquesa de Santos, Engenho do Calundu) Descrição sumária: Sítio pré-histórico da Tradição Tupiguarani, localizado na Estrada da Cruz Vermelha 45, fica na vertente de um vale há 1470m da margem esquerda do Rio Sarapui no sopé de uma das sete colinas que margeiam o rio nesta Região. Caracterizado pela presença de grandes manchas de terra preta entremeadas por cacos de cerâmica indígena clássicas dos vasilhames da tradição Tupiguarani e alguns poucos artefatos líticos polidos. Embora já fosse conhecido desde 1966 quando da construção da primeira edificação do IAB sobre a área do sitio pelo Ondemar Dias (pai), só foi registrado pela primeira vez como sitio em dezembro de 1976 por Ondemar Dias Jr. quando ficou evidente que seu terreno fazia parte do espolio da família Ferreira Dias e ainda pertencia ao Município de Nova Iguaçu. Com características de aldeamento, se estende por uma área de cerca de 6.000m², alcançando a beira de um vestígio de lagoa pré-histórica que existe ate hoje. Nunca foram feitas escavações sistemáticas sobre o sitio, mas sempre que o material cultural aflora por conta de chuvas e ou outras razões, é coletado e guardado no acervo do IAB. Na década de 1990 uma pequena urna funerária foi retirada intacta da margem do barranco e também se encontra sob guarda sob o nº Catalogo 27 do IAB.. Sítios relacionados: Pela Tradição Tupiguarani: Sitio Dona Laura (Belford Roxo) / Sitio Vacaria (Belford Roxo ) Nome do proprietário do terreno: Instituto de Arqueologia Brasileira e Família Ferreira Dias. Endereço: Estrada da Cruz Vermelha, 45 Vila Santa Tereza CEP: Ocupante atual: Instituto de Arqueologia Brasileira IAB Acesso ao sítio: Cidade: Belford Roxo Fone/Fax UF RJ Vindo do Rio de Janeiro pela Linha Vermelha, entrar na via Presidente Dutra, depois na Av. Automóvel Clube na altura de Vilar dos Teles. Seguir até o Jardim Redentor em Belford Roxo e entrar na Estrada Belford Roxo até encontrar a Estrada Sarapui em Vila Santa Tereza. Seguir pela Sarapui até o Nº 3200 e virar à direita na Estrada da Conceição, seguir por cerca de 100 metros e virar ligeiramente à direita na Estrada da Cruz Vermelha. O ponto focal do sítio fica a cerca de 700 metros dos condomínios Minha Casa Minha Vida recém-construídos na Estrada Sarapuí, e está localizado exatamente no outro lado da colina onde fica o Sambaqui da Marquesa.

2 Medidas do sítio: Comprimento: 350m Largura Inicial: 180m Altura máxima: 120 cm (a partir do nível do solo) em 2003 Área: m² aproximadamente (espalhado) Medição: X GPS Passo Mapa Instrumento Nome e sigla do documento cartográfico: GPS Ano de edição: 2008 Órgão: IBGE DSG OUTRO Escala: Delimitação da área/coordenadas UTM: dados atualizados em 2016 Po central: Zona: 23 K E: N: GPS Em mapa DATUM: WGS 84 Margem de erro 3 metros Perímetro: Zona: Zona: Zona: Zona: 23K 23K 23K 23K E: E: E: E: N: N: N: N: Unidade geomorfológica: (vide tabela) Serra do Mar Altitude: (com relação ao nivel do mar) 47 m Outras referência de localização: Agua mais próxima: Corrego do Sarapui Compartimento topográfico: (vide tabela) Colinados em meia laranja manguezal Distância: 250 metros Rio: Sarapui Bacia: Baia de Guanabara Vegetação atual: Floresta ombrófita Campinarana Savana-estépica (caatinga Capoeira Floresta estacional Savana (cerrado) Estepe Outra: Arvores nativas da Mata Atlantica e arvores exoticas Uso atual do terreno: Atividade urbana Estrutura da fazenda Plantio Via pública Área não utilizada Outro: moradias e estradas sobre as áreas do sitio Propriedade da terra: SIM Área pública SIM Área privada Área militar Área indígena Outra: Proteção legal Unidade de conservação ambiental Categoria: Municipal Estadual Federal Patrimônio da humanidade/unesco Exposição: Contexto de deposição: Uniconponencial Multicomponencial Sim Pré-colonial De contato Histórico SIM Céu aberto Gruta Abrigo sob rocha Submerso Outra: SIM Em superfície Em profundidade

3 Tipo de sítio: Forma: (vide tabela) retangular Tipo de solo Areno-argiloso Estratigrafia: (indicar o número, espessura e profundidade das camadas arqueológicas) Primeira camada com cerca de 50 cm de espessura de areia foi retirada para uso em construções. Nela já existia a presença de algum material arqueológico; A segunda camada assentada sobre terreno de saibro e argila com 20 cm em media era a que detinha a maior predominância de cerâmica e algum lítico polido; A pequena urna foi localizada a cerca de 60 com no barranco quando do corte da rua por máquinas. Estruturas Área de refugo Vestígios de mineração Buracos de estacas De Lascamento Fossas Alinhamento de pedras De Combustão (fogueira, forno, fogão) Mancha preta SIM Muros de Pedra Funerárias Urna Canais tipo trincheira, valetas Palafitas Vestígios de edificação Círculo de pedra Paliçadas Concentrações cerâmicas SIM Quantidades Outras: Artefatos: Lítico lascado SIM Lítico político Cerâmico Sobre concha Sobre material orgânico Outros vestígios líticos: Material histórico: Outros vestígios orgânicos: Outros vestígios inorgânicos: Acervo: Instituições: (em que se encontra o material coletado) INSTITUTO DE ARQUEOLOGIA BRASILEIRA Arte rupestre: Pintura Gravura Ausente Artefatos líticos - Filiação cultural: Tradições: Tradiçao Tupiguarani Fases: Números de catálogo: Sernambitiba CAT. 27 Complementos: Outras atribuições: Artefatos cerâmicos - Filiação cultural: Tradições: Complementos: Tradiçao Tupiguarani Fases: Sernambitiba Outras atribuições: Arte rupestre - Filiação cultural: Tradições: Fases: Complementos: Datações absolutas: Outras atribuições: Datações relativas:

4 Pelas dataçoes dos sitios do Guandu, deve-se situar entre 500 e 700 Ap. Grau de integridade: mais de 75% entre 25 e 75% Sim menos de 25% Sim Fatores de destruição: Erosão eólica Erosão pluvial Construção de estradas Sim Vandalismo Sim Erosão Fluvial Atividades agrícolas Construções de moradias Sim Outros fatores naturais: Outros fatores antrópicos: Na decada de 1990 foi feita muita retirada de areia por moradores locais para uso em construção de moradias. Possibilidades de destruição: Abandono dos terrenos públicos pela prefeitura de Belford Roxo, erosão pluvial intensa, valas e lixeiras a céu aberto, licenças para obras públicas sem a obrigatoriedade da pesquisa arqueológica para resgate dos sítios, etc. Medidas para preservação: Educaçao patrimonial nas escolas locais pode ser uma medida importante; atenção ao patrimonio cultural material por parte da prefeitua municipal também. Relevância do sítio: Alta para a região Média Baixa Atividades desenvolvidas no local: Registro Coleta de Superfície SIM Responsável pelo registro Inicial: Ondemar Ferreira Dias Junior Josefa Jandira Neto Ferreira Dias ( este registro) Estrada Sarapui, 3200 Vila Santa Tereza Belford Roxo Sondagem ou Corte estratigráfico Escavação de grande superfície Levantamento de gráficos rupestres RJ UF Nome do projeto: Projeto de Monitoramento e Salvamento de Jazidas Arqueológicas na Baixada Fluminense Instituto de Arqueologia Brasileira. Nome da instituição: INSTITUTO DE ARQUEOLOGIA BRASILEIRA- IAB Endereço: CE IAB Estrada da Cruz Vermelha 45 Fone/Fax: Cidade: Belford Roxo - IAB UF RJ CEP Fone/Fax: (21) Documentação produzida: (quantidade) SIM Mapa com sítio plotado: Planta baixa dos locais afetados: Perfil topográfico: Foto preto e branco: Cópia total de arte rupestre: Caderneta de campo: Croqui: Planta baixa de estrutura: Foto aérea: Reprografia de imagem: Cópia parcial de arte rupestre: Video/filme: Planta baixa do sítio: Perfil estratigráfico: Foto colorida: Imagem de satélite: Ilustração de imagem: Outra: Quantidade de imagens anexadas à Ficha de registro para inclusão no Banco de imagens: 12 FOTOS + 2 MAPAS

5 Bibliografia: Dias, Ondemar & Neto, Jandira. No Prelo - Calundu De Aldeia Indígena a bairro Proletário da Baixada Fluminense Observações: 1. Esta ficha de registro devera ser acrescida as anteriores existentes no IPHAN Data Inicial : 1976 (1º RG) 27/11/1997( novo preenchimento de ficha por Rosana Najjar) Este Registro: 26/03/2016 Assinatura: Josefa Jandira Neto Ferreira Dias Registros antigos, mapas e fotos abaixo

6 1ª Ficha de Registro:

7

8

9 MAPAS Sítio da Baixada UTMs Sítio da Baixada- mapa de situação espacial 2016

10 Fotos 1963 O1. Sítio da Baixada 1963 Acervo IAB 02. Sítio da Baixada 1963 Acervo IAB 03. Sítio da Baixada 1963 Acervo IAB

11 04. Sítio da Baixada 1963 Acervo IAB 05. Sítio da Baixada 1963 Acervo IAB 06. Sítio da Baixada 1963 Acervo IAB

12 Fotos Sítio da Baixada 1965 Acervo IAB 02-Sítio da Baixada 1965 Acervo IAB 03-Sítio da Baixada 1965 Acervo IAB

13 Foto Sítio da Baixada 1967 Acervo IAB Fotos Sítio da Baixada - Esq. Est. Cruz Vermelha Sítio da Baixada - Est. da Cruz Vermelha- 2016

14 03-Sítio da Baixada - Est. da Conceição - CIEP Sítio da Baixada - Est. da Conceição esq. Cruz Vermelha Sítio da Baixada - do alto da Estrada Nova Iguaçu-2016

15 06-Sítio da Baixada - alto da Est. Nova Iguaçu

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: MORRO DA OLARIA Outras designações ou siglas: Município: SEROPÉDICA

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO SÃO SEBASTIÃO I Outras designações ou siglas: Município:

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: JOSÉ GRANDE Outras designações ou siglas: ZÉ GRANDE Município:

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SAMBAQUI DE IGUAÇU Outras designações ou siglas: CNSA : (campo

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: CNSA : (campo reservado) SÍTIO SAMBAQUI DA MARQUESA Outras designações

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO DO CRUZEIRO Outras designações ou siglas: CNSA : (campo reservado)

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: K 4 Outras designações ou siglas: Município: DUQUE DE CAXIAS Localidade:

Leia mais

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO

FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Sist. Nac. de Informações Culturais SNIC FICHA DE REGISTRO DE SÍTIO ARQUEOLÓGICO Depto.de Identificação e Documentação-DID Nome do Sítio: SÍTIO DAS PALMEIRAS Outras designações ou siglas: Município: NOVA

Leia mais

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do

Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Anexo II.5.3-4 Ficha de Sítios Cadastrados por Daivisson Santos Durante a Etapa de Campo para Confecção do Diagnóstico Arquelógico do Gasoduto do Pará Nome do sítio: Ilha da Montanha Outras designações

Leia mais

Aula 1 de 4 Versão Aluno

Aula 1 de 4 Versão Aluno Aula 1 de 4 Versão Aluno O QUE É ARQUEOLOGIA? Arqueologia é a ciência que busca entender as culturas humanas a partir do estudo do registro arqueológico, que é o conjunto de todos os traços materiais da

Leia mais

N1a Levantamento, Histórico e Danos. patrimônio arquitetônico prof. lucas jordano

N1a Levantamento, Histórico e Danos. patrimônio arquitetônico prof. lucas jordano N1a Levantamento, Histórico e Danos conteúdo 1. Levantamento plani-altimétrico - plantas, um corte (passando pela escada social principal) e fachada principal 2. Ficha de identificação no padrão do IPHAN

Leia mais

Núcleo de Pesquisas Arqueológicas do Alto Rio Grande

Núcleo de Pesquisas Arqueológicas do Alto Rio Grande Núcleo de Pesquisas Arqueológicas do Alto Rio Grande Relatório de Visita a Sítio Arqueológico Pinturas da Princesa Mar de Espanha Este relatório pode ser reproduzido total ou parcialmente, desde que citada

Leia mais

Relatório mergulho Nossa Senhora do Rosário e Santo André (1737) Baía de Todos os Santos/BA

Relatório mergulho Nossa Senhora do Rosário e Santo André (1737) Baía de Todos os Santos/BA Projeto Naufrágios do Brasil Colonial: Relatório mergulho Nossa Senhora do Rosário e Santo André (1737) Baía de Todos os Santos/BA Salvador, 5 de agosto de 2001. Índice: Introdução:... 3 Localização:...

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura - RJ Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE Denominação: Represa do Camorim Localização: Parque Estadual da Pedra

Leia mais

Kit educativo da Amazônia Central

Kit educativo da Amazônia Central Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Kit educativo da Amazônia Central http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47564

Leia mais

Relatório Técnico N o /46 APÊNDICE 2 FICHAS DAS ÁREAS DE RISCO MAPEADAS E VISTORIADAS

Relatório Técnico N o /46 APÊNDICE 2 FICHAS DAS ÁREAS DE RISCO MAPEADAS E VISTORIADAS Relatório Técnico N o 131.179-205 - 32/46 APÊNDICE 2 FICHAS DAS ÁREAS DE RISCO MAPEADAS E VISTORIADAS Relatório Técnico N o 131.179-205 - 33/46 ÁREA HOL-01 Chácaras de Recreio Danúbio Azul Risco Alto (R3)

Leia mais

Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões Sul e Sudeste do Brasil

Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões Sul e Sudeste do Brasil Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Casas subterrâneas: a arqueologia nas regiões

Leia mais

OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO

OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO 1 OS INCÊNDIOS DE 2010 NOS PARQUES NACIONAIS DO CERRADO Dra. Helena França Centro de Engenharia e Ciências Sociais Aplicadas Universidade Federal do ABC email: helena.franca@ufabc.edu.br Este relatório

Leia mais

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite. Silvia Viana

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite. Silvia Viana Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Silvia Viana Introdução Introdução Objetivos do Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite,

Leia mais

Associação de Desenvolvimento da Microbacia do Ribeirão das Pedras Taió (SC)

Associação de Desenvolvimento da Microbacia do Ribeirão das Pedras Taió (SC) Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí Rua XV de Novembro, 218 sala 27 Rio do Sul (SC) Fone/fax: (47) 3521-0326 Email: info@apremavi.org.br Associação de Desenvolvimento da Microbacia

Leia mais

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO RURAL... 7 1.1 O Panorama Mundial... 7 1.2 O Panorama Brasileiro... 9 1.2.1

Leia mais

Relatório 01 - Avaliação das áreas visitadas em Tomazina e Pinhalão - PR

Relatório 01 - Avaliação das áreas visitadas em Tomazina e Pinhalão - PR Relatório 01 - Avaliação das áreas visitadas em Tomazina e Pinhalão - PR Início da missão: 10/02/2010 Data deste relatório: 10/02/2010 Integrantes da missão: Rosângela Tapia Carla Camargo Corrêa Obs. A

Leia mais

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Projeto de Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Humberto Mesquita Chefe do Centro de Sensoriamento Remoto Introdução Introdução Objetivos do Projeto de Monitoramento do Desmatamento

Leia mais

2. o acesso às unidades; 3. a fiscalização; 4. o monitoramento e avaliação dos Planos de Manejo; 5. a pesquisa científica; e 6. a alocação de recursos

2. o acesso às unidades; 3. a fiscalização; 4. o monitoramento e avaliação dos Planos de Manejo; 5. a pesquisa científica; e 6. a alocação de recursos Decreto nº 44.518, de 16 de maio de 2007 Dispõe sobre o reconhecimento do Mosaico de Unidades de Conservação localizadas nos Municípios de Tiradentes, Prados, Coronel Xavier Chaves, São João Del Rei e

Leia mais

1.1 - PORCENTAGEM DAS ESTRADAS PAVIMENTADAS E NÃO-PAVIMENTADAS (MUNICIPAIS E ESTADUAIS) NO ESTADO DE SÃO PAULO...2

1.1 - PORCENTAGEM DAS ESTRADAS PAVIMENTADAS E NÃO-PAVIMENTADAS (MUNICIPAIS E ESTADUAIS) NO ESTADO DE SÃO PAULO...2 vii Lista de Figuras Figura n o Página 1.1 - PORCENTAGEM DAS ESTRADAS PAVIMENTADAS E NÃO-PAVIMENTADAS (MUNICIPAIS E ESTADUAIS) NO ESTADO DE SÃO PAULO....2 2.1 - PORCENTAGEM DOS TIPOS DE SOLOS DAS ESTRADAS

Leia mais

Relatório de Ocorrência de Incêndio Florestal N. 009 /2015

Relatório de Ocorrência de Incêndio Florestal N. 009 /2015 Relatório de Ocorrência de Incêndio Florestal N. 009 /2015 UNIDADE DE CONSERVAÇÃO: PARQUE ESTADUAL DA PEDRA AZUL Municípios envolvidos: Domingos Martins Nome do gestor: MARCELO NASCIMENTO DA SILVA Responsável

Leia mais

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR

Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Página 1 de 9 Como entender o Sistema de Catalogação de Bens Culturais do Município de Nova Esperança-PR Em 08 de julho de 2016

Leia mais

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294 Código Ambiental Atualizado Santa Catarina Santa Catarina é o primeiro estado brasileiro em aprovar e fazer virar lei um código ambiental independente da legislação federal (é importante salientar que

Leia mais

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território

Arqueologia e História Indígena em Museu de Território Arqueologia e História Indígena em Museu de Território 154 vaso de cerâmica reconstituído pelo MAC / (200 a 500 anos antes do presente) Sede do MAC em Pains, MG Na cidade de Pains, MG, encontra-se o Museu

Leia mais

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 4 ATUALIZAÇÃO

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA UD 4 ATUALIZAÇÃO UD 4 ATUALIZAÇÃO Quando se chega à decisão pela elaboração de um documento cartográfico, seja uma carta, um mapa ou um atlas, é porque a obra ainda não existe, ou existe e se encontra esgotada ou desatualizada

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Ref.: ICP / TAC n.º 006/2008 de 29 de setembro de Participaram da vistoria os seguintes representantes:

RELATÓRIO TÉCNICO. Ref.: ICP / TAC n.º 006/2008 de 29 de setembro de Participaram da vistoria os seguintes representantes: PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA RELATÓRIO TÉCNICO RELATÓRIO N.º 004/2011 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: ICP 1.33.003.001011/2005-01

Leia mais

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas

Mapeamento Costeiro. Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Mapeamento Costeiro Métodos e técnicas para configurar espacialmente feições costeiras para interpretações geológicas e geomorfológicas Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES

SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES Autores: Ana Maria Pace João Carlos Pinto Nazário de Oliveira Silva Ricardo Eiji Noguti Sergio Hideo Arakaki SOLO: CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES Contexto: Esta aula é destinada a alunos da 5 a série (3

Leia mais

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO GENERALIDADES Fotogrametria => é o processo de derivação de informação métrica de um objeto através de medições feitas em fotografias desse objeto Foto-interpretação =>

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO

AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO AVALIAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO USO DO SOLO NOS BAIRROS ROQUE E MATO GROSSO EM PORTO VELHO RO 1 Tito José de Barba Avaroma Universidade Federal de Rondônia - UNIR tito.geo.ro@gmail.com Introdução Porto

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Professor

Aula 3 de 4 Versão Professor Aula 3 de 4 Versão Professor As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 6 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 6 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 6 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 3 1- (0,5) Embora haja dificuldade em oficializar a data do primeiro mapa

Leia mais

PORTARIA 193/2014 RESOLVE:

PORTARIA 193/2014 RESOLVE: PORTARIA 193/2014 CONSIDERANDO os termos da Portaria 067/2011 do Diretor do Instituto de Ciências Humanas que regulamenta a concessão de Endosso Institucional pelo Instituto de Ciências Humanas para a

Leia mais

ESTRUTURA BÁSICA LAUDO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

ESTRUTURA BÁSICA LAUDO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS MODELO SIMPLIFICADO (MODELO PARA FINS ACADÊMICOS) REFERÊNCIA NORMATIVA: ABNT- NBR 14.653-3 I- DADOS PRELIMINARES 1) PROPRIETÁRIO: Informar, sempre que possível, o proprietário do imóvel, citando a fonte

Leia mais

PROPOSTA DE COOPERAÇÃO

PROPOSTA DE COOPERAÇÃO PROPOSTA DE COOPERAÇÃO CIDADE DE CAMPINAS E MONTE MOR 4 3 5 1 2 AÇÃO EMERGENCIAL PARA RECONHECIMENTO DE ÁREAS DE ALTO E MUITO ALTO RISCO A MOVIMENTOS DE MASSAS E ENCHENTES Monte Mor -São Paulo -Maio 2013

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CHAPÉU

DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CHAPÉU DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CHAPÉU CONHECENDO O MEIO AMBIENTE EM QUE VIVEMOS E OS SEUS PROBLEMAS Temos uma bela paisagem, arquitetura e patrimônio cultural (Rodolfo Gedeon, morador

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM. Prof. Fernando Campos Mendonça. Aula 11 Drenagem Subterrânea

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM. Prof. Fernando Campos Mendonça. Aula 11 Drenagem Subterrânea Hidrologia e Drenagem Aula 11 Drenagem Subterrânea 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Aula 11 Drenagem Subterrânea

Leia mais

Nome Instituição Gestora INSTITUTO FLORESTAL Tipo de instituição X governamental não governamental empresa mista Federal x Estadual Municipal

Nome Instituição Gestora INSTITUTO FLORESTAL Tipo de instituição X governamental não governamental empresa mista Federal x Estadual Municipal Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida PARQUE ESTADUAL DE CAMPOS DO JORDÃO Estado Municipio (s) SÃO PAULO CAMPOS DO JORDÃO Nome Instituição

Leia mais

BASE CARTOGRÁFICA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL

BASE CARTOGRÁFICA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIENCIAS NATURAIS E EXATAS DEPARTAMENTO DE GEOCIENCIAS CURSO DE GEOGRAFIA III JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: MEIO AMBIENTE PROMOÇÃO FEPAM / FZB BASE CARTOGRÁFICA

Leia mais

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo

Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo SOLO CONSERVAÇÃO Erosão Alguns processos erosivos que contribuem para o empobrecimento do solo Assoreamento: Depósito de acúmulo de sedimentos nos cursos d água, geralmente provocada, principalmente, pela

Leia mais

FICHA DE CADASTRO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS

FICHA DE CADASTRO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS 127 FICHA DE CADASTRO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS CADASTRO N : 061 Coordenadas Planas: N-S = 381900 E-VV = 6980200 01. NOME DO SÍTIO: José DeI Posso 02. LOCALIDADE: Linha Poço Rico 03. MUNICÍPIO: Concórdia

Leia mais

A Convenção do Patrimônio Mundial

A Convenção do Patrimônio Mundial A CANDIDATURA A Convenção do Patrimônio Mundial A UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura cuida de promover a identificação, a proteção e a preservação do patrimônio

Leia mais

BAIXADA FLUMINENSE: HISTÓRIA, MEMÓRIA E DOCUMENTAÇÃO (GUIA DE FONTES PARA A HISTÓRIA DA BAIXADA FLUMINENSE) ( ) Marcos Paulo Mendes Araújo 1

BAIXADA FLUMINENSE: HISTÓRIA, MEMÓRIA E DOCUMENTAÇÃO (GUIA DE FONTES PARA A HISTÓRIA DA BAIXADA FLUMINENSE) ( ) Marcos Paulo Mendes Araújo 1 BAIXADA FLUMINENSE: HISTÓRIA, MEMÓRIA E DOCUMENTAÇÃO (GUIA DE FONTES PARA A HISTÓRIA DA BAIXADA FLUMINENSE) (2004-2005) Marcos Paulo Mendes Araújo 1 Bolsista: Gilson Lopes RESUMO: Este projeto de pesquisa

Leia mais

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu

AAVA. Associação dos Amigos do Vale do Aracatu AAVA Associação dos Amigos do Vale do Aracatu Conceitos importantes Bacia Hidrográfica Divisor de águas Nascente Bacia Hidrográfica * Bacias hidrográficas são áreas da superfície terrestre separadas topograficamente

Leia mais

GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL

GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL GEOGRAFIA FÍSICA DO BRASIL (26/10/2016 às 15h ) 1) Há um domínio morfoclimático brasileiro, que está situado em zona climática temperada, mas ainda sob efeito dos trópicos, por isso in uenciado por um

Leia mais

2. CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA DAS ÁREAS EM ESTUDO

2. CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA DAS ÁREAS EM ESTUDO 2. CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA DAS ÁREAS EM ESTUDO O presente trabalho foi efectuado em três áreas, que se situam na região do Minho, no NW de Portugal (Fig. 2.1.). Fig. 2.1. Localização geográfica das áreas

Leia mais

EVENTO EXTREMO DE CHUVA NO LITORAL DE SÃO PAULO E NO RIO DE JANEIRO DE ABRIL DE 2014

EVENTO EXTREMO DE CHUVA NO LITORAL DE SÃO PAULO E NO RIO DE JANEIRO DE ABRIL DE 2014 EVENTO EXTREMO DE CHUVA NO LITORAL DE SÃO PAULO E NO RIO DE JANEIRO 13-15 DE ABRIL DE 2014 Entre o domingo (13/04/2014) e a terça-feira (15/04/2014) houve grande acumulado de chuva em localidades do litoral

Leia mais

Johnny Lye/Thinkstock/Getty Images. Image Source/Thinkstock/Getty Images

Johnny Lye/Thinkstock/Getty Images. Image Source/Thinkstock/Getty Images 1 Abaixo há imagens de paisagens que apresentam elementos naturais ou elementos humanizados. Circule de verde os elementos naturais e de laranja os elementos humanizados. Em seguida, escreva o nome do

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Milton Satoshi Matsushita Instituto Emater e Facsul Curitiba Paraná Brasil

Leia mais

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III

EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TECNOLOGIAS E MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO III EUVG PARQ 5 TMTC III 24.10 ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES TÉCNICA DE ENGENHARIA NATURAL AMRP-AP NATURAIS E ARTIFICIAIS: TALUDE NATURAL é aquele

Leia mais

Diante desse quadro, podemos inferir que existiriam várias arqueologias. Contudo, todas têm em comum:

Diante desse quadro, podemos inferir que existiriam várias arqueologias. Contudo, todas têm em comum: Questão 1: O quadro abaixo apresenta algumas modalidades e especialidades da Arqueologia, além de duas disciplinas de apoio. ARQUEOLOGIA ZOOARQUEOLOGIA ANTROPOLOGIA ARQUEOBOTÂNICA GEOLOGIA CLÁSSICA HISTÓRICA

Leia mais

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA DE PERFIS DE SOLO

DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA DE PERFIS DE SOLO DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA DE PERFIS DE SOLO Como reconhecer e interpretar as características de um solo? USO DE NOSSOS SENTIDOS. 1 DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA DE PERFIS DE SOLO Tem como objetivo caracterizar as

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NAS PAREDES E FUNDO DO CANAL DO GUARULHOS

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NAS PAREDES E FUNDO DO CANAL DO GUARULHOS UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NAS PAREDES E FUNDO DO CANAL DO GUARULHOS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Marçal Brasil Alves de Souza DEZEMBRO 1992

Leia mais

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ

Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE. Secretaria de Estado de Cultura - RJ Instituto Estadual do Patrimônio Cultural Secretaria de Estado de Cultura - RJ Inventário de Identificação dos Reservatórios da CEDAE Denominação: Represa do Rio Cabeça. Localização: Rua Faro s/nº - Jardim

Leia mais

Segurança em escavações e fundações. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança em escavações e fundações. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança em escavações e fundações Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho A área de trabalho deve ser previamente limpa, devendo ser retirados ou escorados solidamente árvores,

Leia mais

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA A cidade de João Pessoa, na Paraíba, possui bastantes obras modernas importantes e interessantes, mas que não foram levantadas devidamente, para fins acadêmicos.

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Juliano Boeck Santos Osmar Delmanto Junior Célia Regina Lopes Zimback Ana Paula

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DAS VISTORIAS AMBIENTAIS PÓS CHUVAS NAS DEPÊNDENCIAS DA UHE ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NO PERIODO DE SETE ANOS 2011 A 2015.

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DAS VISTORIAS AMBIENTAIS PÓS CHUVAS NAS DEPÊNDENCIAS DA UHE ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NO PERIODO DE SETE ANOS 2011 A 2015. 2015 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DAS VISTORIAS AMBIENTAIS PÓS CHUVAS NAS DEPÊNDENCIAS DA UHE ALZIR DOS SANTOS ANTUNES NO PERIODO DE SETE ANOS 2011 A 2015. DSA Desenvolvimento e Sust. Ambiental UHE Monjolinho

Leia mais

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR

ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA DO MUNICÍPIO DE JARDIM OLINDA - PR 17 Luiz Giovanni Bornia Acadêmico 4º Geografia - UEM luiz.bornia@cocamar.com.br Wérica Cardoso de Oliveira Acadêmica 1º Geografia - UEM wericaco@gmail.com

Leia mais

FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto

FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Estudos para a criação de UC com objetivo de proteger e regulamentar o uso sustentável dos recursos naturais nas áreas ocupadas pelas

Leia mais

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE.

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. PRIMAVERA DO LESTE-MT ABRIL DE 2014. 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ Metodologia De Interpretação Visual Da Banda 6 (Infra Vermelha Termal) Das Imagens Do Satélite Landsat 7 Para Identificação Das Dinamicas De Chuvas De Verão Em Duque De Caxias - RJ Wilson Leal Boiça Wilson

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir diretrizes para implantação do Sistema de Manutenção, Recuperação e Proteção da Reserva Florestal Legal e Áreas de Preservação Permanente SISLEG nos imóveis,

Leia mais

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA. Aula 5: Levantamento Conservacionista e classes de capacidade. Prof. Marx Leandro Naves Silva

PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA. Aula 5: Levantamento Conservacionista e classes de capacidade. Prof. Marx Leandro Naves Silva PCS 502 CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA Aula 5: Levantamento Conservacionista e classes de capacidade de uso do solo Prof. Marx Leandro Naves Silva Levantamento Conservacionista e classes de capacidade de

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS

2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 2. AS PAISAGENS NATURAL E CULTURAL DAS UNIDADES FEDERATIVAS 1. Escreva V para as informações verdadeiras e F para as informações falsas. A superfície dos lugares não é igual em toda a sua extensão. b)

Leia mais

Denominação Bacia hidrográfica Sub-bacia. III CARACTERIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO Finalidade.

Denominação Bacia hidrográfica Sub-bacia. III CARACTERIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO Finalidade. ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS OCUPAÇÃO DO DOMÍNIO PÚBLICO HÍDRICO I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal

Leia mais

PHD Água em Ambientes Urbanos

PHD Água em Ambientes Urbanos PHD 2537 - Água em Ambientes Urbanos Erosões em Áreas Urbanas Professores: Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Prof. Dr. José Rodolfo Scarati Martins Profª. Drª. Monica Ferreira do Amaral Porto Alunos: Filipe

Leia mais

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa.

Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. Distribuição gratuita Dicas importantes para você construir ou reformar a sua casa. 1 Este folheto fornece informações úteis para orientá-lo na construção ou reforma de sua casa. Qualquer construção ou

Leia mais

Orientação Técnica N 004/09 - DIBAP, de 17 de novembro de 2009.

Orientação Técnica N 004/09 - DIBAP, de 17 de novembro de 2009. Orientação Técnica N 004/09 - DIBAP, de 17 de novembro de 2009. PARA OS MAPAS DOS IMÓVEIS NOS PROCESSOS DE SISLEG A Diretora de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP, do Instituto Ambiental do Paraná

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DE PESQUISA XXIII

RELATÓRIO PARCIAL DE PESQUISA XXIII 1 HABITUS ASSESSORIA & CONSULTORIA LTDA. CONSÓRCIO CRUZEIRO DO SUL - CECS RELATÓRIO PARCIAL DE PESQUISA XXIII SALVAMENTO ARQUEOLÓGICO UHE MAUÁ - PR PORTARIAS IPHAN Nº 7/88 E 230/02 EVERSON PAULO FOGOLARI

Leia mais

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006

II Semana de Geografia UNESP / Ourinhos 29 de Maio a 02 de Junho de 2006 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA MICROBACIA CÓRREGO DO PORTO-TRÊS LAGOAS MS SILVA, Laís C.N. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- UFMS lais_cns@yahoo.com.br DELGADO, Valeria P. Universidade Federal de

Leia mais

TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA

TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-2 Objetivos Conhecer as formas de representar a Terra Conhecer os erros envolvidos Conhecer algumas das referências usadas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANTIO DE MUDAS NATIVAS EM ÁREAS DE REFLORESTAMENTO

ORIENTAÇÕES PARA O PLANTIO DE MUDAS NATIVAS EM ÁREAS DE REFLORESTAMENTO ORIENTAÇÕES PARA O PLANTIO DE MUDAS NATIVAS EM ÁREAS DE REFLORESTAMENTO UHE Promissão Rio Grande Quem Somos A AES Tietê oferece soluções em gestão de energia, atuando na geração e na comercialização de

Leia mais

MODELO: /10 (VOLUME: LITROS; ESPESSURA DO MATERIAL: 1,00 MM)

MODELO: /10 (VOLUME: LITROS; ESPESSURA DO MATERIAL: 1,00 MM) MODELO: 274.500/10 (VOLUME: 274.500 LITROS; ESPESSURA DO MATERIAL: 1,00 MM) MANUAL DE ESCAVAÇÃO E DE INSTALAÇÃO DO KIT RESERVATÓRIO A instalação é muito simples e pode ser feita sem a presença de técnicos

Leia mais

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE

ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE ANEXO III PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DOS LAGOS ARTIFICIAIS E DAS OBRAS DE INFRAESTRUTURA DA FASE 01 DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo... 4 2 Características Principais... 4 2.1 Área de Intervenção...

Leia mais

TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA

TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA TOPOGRAFIA MEDIDAS E REFERÊNCIAS: FORMA DA TERRA Prof. Dr. Daniel Caetano 2014-1 Objetivos Conhecer as formas de representar a Terra Conhecer os erros envolvidos Conhecer algumas das referências usadas

Leia mais

Apoio do IG à CETESB para análise de áreas de preservação permanente (APP's) na Fazenda Serramar, em Caraguatatuba SP.

Apoio do IG à CETESB para análise de áreas de preservação permanente (APP's) na Fazenda Serramar, em Caraguatatuba SP. São Paulo, 18 de junho de 2010 Processo SMA: 14.287/2009 Interessado: IG Instituto Geológico Assunto: Apoio do IG à CETESB para análise de áreas de preservação permanente (APP's) na Fazenda Serramar, em

Leia mais

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2

USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 USO DA TERRA, EROSÃO ACELERADA E ASSOREAMENTO NA MICROBACIA DO CÓRREGO DOS GÓIS, ANÁPOLIS (GO) 1 Bolsista PBIC/UEG; Karine Vicência Souto 1 ; Homero Lacerda 2 2 Orientador, Curso de Geografia, Unidade

Leia mais

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM.

USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO XIDARINI NO MUNICÍPIO DE TEFÉ-AM. Selma Coelho de Carvalho- Discente do curso de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas - CEST. Bolsista

Leia mais

TOMBAMENTO DA APA DA ESCARPA DEVONIANA: ANÁLISE DE REQUERIMENTOS MINERARIOS NO MUNICÍPIO DE BALSA NOVA, PR

TOMBAMENTO DA APA DA ESCARPA DEVONIANA: ANÁLISE DE REQUERIMENTOS MINERARIOS NO MUNICÍPIO DE BALSA NOVA, PR 107 TOMBAMENTO DA APA DA ESCARPA DEVONIANA: ANÁLISE DE REQUERIMENTOS MINERARIOS NO MUNICÍPIO DE BALSA NOVA, PR LETENSKI, Ricardo 1. Introdução A Escarpa Devoniana é uma importante região biogeográfica,

Leia mais

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PARA LICENCIAMENTO DE LOTEAMENTOS LICENÇA PREVIA

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PARA LICENCIAMENTO DE LOTEAMENTOS LICENÇA PREVIA ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PARA LICENCIAMENTO DE LOTEAMENTOS LICENÇA PREVIA 1. Requerimento a SUDEMA, solicitando o licenciamento; 2. Cadastro devidamente preenchido; 3. Guia de Recolhimento

Leia mais

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva.

SÍNTESE. AUTORES: MSc. Clibson Alves dos Santos, Dr. Frederico Garcia Sobreira, Shirlei de Paula Silva. Mapeamento da cobertura vegetal e uso do solo nas bacias do ribeirão Carioca, córrego do Bação e córrego da Carioca, no município de Itabirito - MG: uma análise preliminar. AUTORES: MSc. Clibson Alves

Leia mais

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Supressão de vegetação para edificação em área urbana no Estado de São Paulo aplicação a loteamentos Biomas Cerrado e Mata Atlântica - Quadro comparativo Marcelo Augusto de Barros 1 marcelo@fortes.adv.br

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4)

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DE OBRAS CONCLUÍDAS (Q4) INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO DO SISTEMA ESTATÍSTICO NACIONAL (LEI Nº 22/2008 DE 13 DE MAIO) DE RESPOSTA CONFIDENCIAL E OBRIGATÓRIA, REGISTADO NO INE SOB O Nº 10118 VÁLIDO ATÉ 2015/03/31 Contactos para resposta

Leia mais

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela

Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela Elementos lineares / paisagem a integrar na área útil da parcela (aplicação do artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014) 1- Introdução O artigo 9.º do Regulamento (UE) n.º 640/2014 define as regras

Leia mais

Endereço da sede da unidade Estrada do Parque Nacional, km 8,5 Municipio Itatiaia - RJ Telefo(24) /7001 Endereço Eletrônico da unidade

Endereço da sede da unidade Estrada do Parque Nacional, km 8,5 Municipio Itatiaia - RJ Telefo(24) /7001 Endereço Eletrônico da unidade Ficha Resumo de Unidade de Conservação/Área Protegida Informações Básicas Nome da Unidade/Área Protegida Parque Nacional do Itatiaia Estado Municipio (s) RJ e MG Itatiaia e Resende (RJ), Itamonte e Bocaina

Leia mais

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina,

Art. 1º A exploração florestal em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96 PORTARIA INTERSETORIAL N 01/96. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE, e o DIRETOR GERAL DA FUNDAÇÃO DO MEIO AMBIENTE FATMA, com fundamento nas

Leia mais

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil)

Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Dinâmica da paisagem no parque nacional de Jurubatiba e seu entorno (Rio de Janeiro, Brasil) Carla Bernadete Madureira Cruz Simone R. Freitas Vinicius Seabra Rafael Barros Departamento de. Geografia Universidade

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS ARAQUARI BR 280, km 27,

Leia mais

PAISAGENS DO PANTANAL

PAISAGENS DO PANTANAL Biomas Brasileiros 35 % 65% PAISAGENS DO PANTANAL BAÍAS Lagoas temporárias ou permanentes de tamanho variado, podendo apresentar muitas espécies de plantas aquáticas emergentes, submersas, ou flutuantes.

Leia mais

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos 1 Art. 115. As águas pluviais que escoam nos limites das propriedades não poderão aumentar as vazões do sistema de drenagem acima das condições naturais e as intervenções por edificações não poderão introduzir

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina.

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. 1. Método Racional A vazão máxima pode ser estimada com base na precipitação, por

Leia mais