PROGRAMAÇÃO PARA A WEB Módulo: Programação para Internet. Benjamim Cardoso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO PARA A WEB Módulo: Programação para Internet. Benjamim Cardoso benjamim.cardoso@gmail.com"

Transcrição

1 MANUAL DO FORMANDO PROGRAMAÇÃO PARA A WEB Módulo: Programação para Internet Benjamim Cardoso

2 A política do governo em matéria de Sociedade de Informação e do Conhecimento, tem vindo a disponibilizar meios para que os intervenientes nacionais nesta área assumam um papel decisivo na aproximação dos cidadãos portugueses às novas tecnologias. Os objectivos definidos na medida 3.7 Sociedade de Informação - Certificar competências em TIC (OC), do POS_C, constituíram a motivação base para a concepção do Curso Programação para a Web considerando os requisitos centrais na construção da Sociedade da Informação e do Conhecimento que contribuem para o desenvolvimento de competências em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e para uma Cultura Digital activa. Pretende-se, desta forma, responder às solicitações do Governo na implementação da Sociedade de Informação e do Conhecimento, dando o nosso contributo ao colocar Portugal entre os países mais avançados nesta matéria, na aposta na Inovação Integrada em TIC e consolidação da Sociedade do Conhecimento como um instrumento de apoio à qualificação da descentralização do território. Este manual, faz parte da linha editorial da responsabilidade do Centro de Computação Gráfica para o curso Programação para a Web e destina-se ao apoio pedagógico nos módulos de formação. Co-financiamento: Entidade Certificada: 2

3 Índ ndice HTML...4 ASP...7 IIS...9 VBSCRIPT...12 VARIÁVEIS, FUNÇÕES E OPERADORES...12 CONTROLO, DECISÃO, REPETIÇÃO...18 PROCEDIMENTOS...20 OBJECTOS...22 INCLUDES...26 LIGAÇÃO À BASE DE DADOS...27 FORMULÁRIOS...36 BASES DE DADOS...38 REFERÊNCIAS...39 Co-financiamento: Entidade Certificada: 3

4 HTML O HTML (Hypertext Markup Language) é a base de uma página Web não contando claro com as páginas cujo conteúdo é uma animação em Flash (mesmo estas usam HTML). Ou seja, as páginas que o browser Web recebe do servidor têm HTML e este é interpretado pelo browser. O HTML diz ao browser o que deve fazer p.ex. mostrar texto ou imagem, formatar texto ou tocar um som. O HTML consiste num conjunto pré-definido de Tags ou Etiquetas, que são como comandos que o browser Web irá interpretar: As Tags têm o seguinte formato: <NOME_DA_TAG>. A maioria das Tags têm uma Tag de início, e uma Tag de fim (ou fecho), tendo a Tag de fecho o seguinte formato: </NOME_DA_TAG>. As Tags de início e de fim dizem ao browser Web que o que fica no meio é afectado por essa Tag. Por exemplo, para escrever o texto olá em bold (a Tag para escrever em bold é <b>), usamos: <b>olá</b>. Uma página Web é então um ficheiro de texto, que é enviado pelo servidor ao browser Web. O browser Web interpreta depois, localmente, o HTML, mostrando o resultado. Um ficheiro de HTML, cuja extensão é.htm ou.html, tem uma estrutura base que é a seguinte: <html> <head> <title>página Web</title> </head> <body>olá a <b>todos</b> </body> </html> Temos portanto a Tag <html> (e o seu fecho ), e dentro desta, uma Tag <head> e uma Tag <body>. No <head> são colocadas Tags gerais ao HTML, como o título (<title>) ou informação do autor da página. No <body> é onde é colocado tudo o que se pretende mostrar no browser Web, como texto ou imagem. Co-financiamento: Entidade Certificada: 4

5 O resultado da estrutura base de cima é a seguinte: É possível identificar o título (que aparece, como é normal, na barra de título do browser Web), bem como o texto olá a todos, estando todos em bold (negrito). Se repararmos, as Tags têm nomes em inglês, e estes sugerem sempre o que fazem - <b> de bold. Eis alguns exemplos de Tags: <b>texto</b> - negrito (bold) <i>texto</i> - itálico (italic) <u>texto</u> - sublinhado (underline) <br> - mudança de linha (break) <p>texto</p> - parágrafo (paragraph) <h1>texto</h1> - cabeçalho de tamanho 1 (heading) <h6>texto</h6> - cabeçalho de tamanho 6 (heading) <img src="go.gif" width="20" height="22" border="0" alt=""> - imagem (image) <a href="pagina_destino.html">texto</a> - link (anchor) Como foi dito anteriormente, algumas Tags não têm Tag de fecho, como é o caso do <br> ou do <img>. As Tags <img> e <a> têm entre o sinal de < e >, alguns valores. Estes valores src=, width=, href= são chamados atributos, e neles são configurados diversos valores, necessários ao correcto funcionamento (interpretação) das Tags respectivas. É necessário especial atenção ao src= go.gif ou href= pagina_destino.html. Estes dois atributos identificam ficheiros externos (imagem e ficheiro HTML respectivamente), pelo que o nome deve estar correcto, bem como o caminho (path) para os ficheiros (atenção às maiúsculas / minúsculas, pois podem ser importantes, dependendo do servidor onde estará alojado ver secção IIS) Co-financiamento: Entidade Certificada: 5

6 Existem alguns aspectos a ter em conta, dado que o browser Web apenas interpreta Tags: Para mudar de linha, deve-se usar o <br> e não o ENTER no ficheiro por mais ENTERs que o ficheiro de HTML tiver, nenhum é mostrado pelo browser Web como mudança / nova linha. Para representar mais do que um caracter de espaço seguidos, é necessário recorrer ao caracter especial (significa Non Breaking Space), dado que dois ou espaços seguidos são mostrados pelo browser Web como sendo apenas um espaço. Co-financiamento: Entidade Certificada: 6

7 ASP ASP significa Active Server Pages, e é uma tecnologia da Microsoft cuja finalidade é gerar páginas Web dinâmicas. Estas páginas dinâmicas não têm este nome por conter animação, mas sim porque são geradas dinamicamente no servidor. São geradas server-side (no servidor), sendo que o resultado é HTML. Este HTML é enviado para o browser Web, sendo aí interpretado client-side (localmente no browser Web). O ASP necessita de ser gerado no servidor, pelo que necessita de um servidor Web que suporte a tecnologia. O IIS é um servidor Web (ver secção IIS), vem instalado no Windows XP e trás já suporte para ASP. O HTML, esse pode ser sempre aberto directamente no browser Web. A tecnologia ASP permite que num mesmo ficheiro de ASP (cuja extensão é.asp) possa co-existir HTML puro e scripting (ver secção VBSCRIPT) que executa server-side. Eis um exemplo de uma página ASP: <html> <head> <title>página Web</title> </head> <body>olá a <b>todos</b>, são = now </body> </html> Todo o conteúdo a executar server-side encontra-se limitado por e. A execução desta página, estando ela a alojada no IIS, tem o seguinte resultado: Co-financiamento: Entidade Certificada: 7

8 Ao fazer refresh no browser Web, a hora é actualizada. Ao fazer Ver Código Fonte (view source) verifica-se que o que o browser recebe é apenas HTML, e é resultante do que foi gerado server-side, no servidor Web: A versão actual do ASP tem já alguns anos, e é a versão 3.0. A sua evolução é assegurada pelo ASP.NET que surgiu no ano de 2001, e que se encontra actualmente na versão 3.5. Co-financiamento: Entidade Certificada: 8

9 IIS O IIS (Internet Information Services - Serviços de informação Internet) é um servidor Web (ou servidor HTTP), cuja finalidade é disponibilizar um site Web através do protocolo HTTP (Hypertext Transfer Protocol). O IIS é instalado como componente do Windows XP (não vem na instalação default), pelo que para o instalar é necessário ir ao Painel de Controlo - Adicionar ou remover programas, e no lado esquerdo da janela que aparece, escolher Adicionar/remover componentes do Windows: O IIS é facilmente identificado no disco, dado que é criado na drive C: uma paste de nome inetpub. A pasta wwwroot (está dentro da inetpub) é a raiz do servidor Web, ou seja, é lá que são colocados os ficheiros que serão disponibilizados via HTTP. Ao abrir um browser Web, e escrever o endereço (este endereço aponta para o servidor Web local), abre a página de boas vindas do IIS: Co-financiamento: Entidade Certificada: 9

10 Para gerir o IIS é necessário ir a Painel de Controlo - Ferramentas administrativas e escolher Serviços de informação Internet (IIS): Ao seleccionar Web site predefinido e escolher configurações do IIS: ou botão direito e Propriedades temos acesso às Co-financiamento: Entidade Certificada: 10

11 O Windows não é sensível às maiúsculas / minúsculas, ou seja, trata-as de igual modo, mas caso as páginas Web estejam alojadas num servidor Web em UNIX / Linux, as maiúsculas e minúsculas são diferentes, pelo que se o ficheiro for go.gif e a Tag for <img src= go.gif >, a imagem não é mostrada, pois o browser não a carregou (ficheiro inexistente). Co-financiamento: Entidade Certificada: 11

12 VBSCRIPT A programação server-side (que executa no servidor Web) terá como base a linguagem de scripting VBScript, uma variante do Visual Basic. Outras linguagens de scripting podem ser usadas, como p.ex. o JScript ou o PerlScript. O VBScript não sensível ao case (maiúsculas / minúsculas), pelo que a instrução Dim a é igual a dim a. VARIÁVEIS,, FUNÇÕES E OPERADORES O VBScript contém apenas um tipo de variável, de nome Variant. O tipo Variant pode guardar qualquer tipo de dado, e de acordo com o tipo de dados que é armazenado, é possível classificá-lo de acordo com os subtipos de dados: Subtipo Empty Null Boolean Descrição Variável que contém 0 para valores numéricos e "" (string vazia) para strings. Variável que não contém dados. Contém True ou False Byte Números inteiros entre 0 e 255 Integer Números inteiros no intervalo de -32,768 a 32,767. Long Números inteiros no intervalo de -2,147,483,648 a 2,147,483,647. Single Números real de precisão simples no intervalo de E38 a E-45 para números negativos e E-45 a E38 para números positivos. Double Números real de dupla precisão no intervalo de E308 a E-324 para números negativos e E-324 a E308 para números positivos. Date (Time) Dados no formato de Data (data e hora) no intervalo de 1 de janeiro de 100 a 31 de dezembro de 999. (January 1, 100 a December 31, 9999). String Contém dados no formato de string, que podem ter até aproximadamente 2 milhões de caracteres. Em VBScript, uma variável pode ser declarada do seguinte modo: Dim var var=10 O uso de Dim não é obrigatório, pelo que o exemplo seguinte também funciona: Co-financiamento: Entidade Certificada: 12

13 var=10 No entanto, e para prevenir ter variáveis que não se usam, pode-se usar Option explicit deste modo, todas as variáveis devem declaradas: Option explicit Dim var var=10 Caso se retire o Dim var, surge um erro: Variável não definida: 'var'/man.asp, linha 4. Caso não se use Option explicit como primeira instrução da página, surge um erro: Instrução esperada /pagina.asp, linha 4 option Explicit. Para enviar texto para o browser Web, muitas vezes chamado gerar HTML (para verificar o valor de uma variável p.ex.) é possível usar o método write do objecto response (ver secção Objectos) ou o sinal de =. var="olá a todos" response.write var <br> =var O resultado é: olá a todos<br>olá a todos Como o browser Web interpreta as Tags de HTML, vai aparecer o texto olá a todos em duas linhas. É possível a conversão de dados de um tipo para outro, sendo que os dados devem ser compatíveis com o subtipo desejado, ou seja, a String "23/5/99" pode ser convertida para o subtipo Date, e vice-versa. Já a String "CURSO" não pode. É importante a conversão de tipos de dados uma vez que o modo como os dados serão manipulados dependem do seu subtipo. O VBScript contém cinco funções que servem para verificar o tipo de dados de um determinado valor. Essas funções devolvem um boolean (True ou False), conforme o valor passado seja do tipo Array (matriz), Date (data), Vazio (empty), Nulo (null) ou Numérico (numeric), usando respectivamente as funções IsArray(), IsDate(), IsEmpty(), IsNull() e IsNumeric(). Co-financiamento: Entidade Certificada: 13

14 Dim array(10) =IsArray(array) O resultado é: True =IsArray("olá a todos") O resultado é: False data="2008/02/20" =IsDate(data) O resultado é: True = IsDate ("olá a todos") O resultado é: False =IsEmpty(var_vazia) O resultado é: True =IsEmpty("Olá a todos") O resultado é: False var_nula=null =IsNull(var_nula) O resultado é: True =IsNull("Olá a todos") O resultado é: False =IsNumeric(23.65) O resultado é: True =IsNumeric("Olá a todos") O resultado é: False O VBScript contém também funções para converter dados de um tipo para outro (convertem respectivamente para Boolean, Byte, Currency, Date, Double, Integer, Long, Single e String) CBool(), CByte(), CCur(), CDate(), CDbl(), CInt(), CLng(), CSng() e CStr(). numero=1.23 =CBool(numero) Co-financiamento: Entidade Certificada: 14

15 O resultado é: True numero=(6.423) =CByte(numero) O resultado é: 6 var_moeda=(345) =CCur(var_moeda) O resultado é: 345 data=" " =CDate(data) O resultado é: numero= =CDbl(numero) O resultado é: 123,12 numero= =CInt(numero) O resultado é: 123 numero=123.5 =CLng(numero) O resultado é: 124 numero= =CSng(numero) O resultado é: 234,56 var=2345 =CStr(var) O resultado é: 2345 Como operadores básicos (matemáticos e de comparação) temos os seguintes: Co-financiamento: Entidade Certificada: 15

16 Operador Descrição And E lógico Or Ou lógico Xor Exclusão Not Negação Eqv Comparação Imp Implicação Is Referência Mod Resto da divisão = Igual < Menor > Maior <= Menor ou igual >= Maior ou igual <> Diferente + Soma & Concatenação/junção (texto) - Subtracção / Divisão \ Divisão Inteira * Multiplicação ^ Potenciação Para manipular dados numéricos temos as seguintes funções: Função Descrição Abs Valor absoluto Atn Arco-tangente Cos Coseno Exp Potência de e (operação inversa de Log) Fix Inteiro arredondado para cima Int Inteiro arredondado para baixo Log Logaritmo (operação inversa de Exp) Sin Seno Sqr Raiz quadrada Co-financiamento: Entidade Certificada: 16

17 Tan Tangente Para manipular datas e horas temos as seguintes funções: Função Descrição Date Devolve a data actual do servidor DateSerial Converte numa variável do sub-tipo date Day Devolve o dia do mês a partir de uma data/hora ou data Hour Devolve as horas a partir de uma data/hora ou hora (completa) Minute Devolve os minutos a partir de uma data/hora ou hora (completa) Month Devolve o mês a partir de uma data/hora ou data Now Devolve a data/hora actual do servidor Second Devolve os segundos a partir de uma data/hora ou hora (completa) Time Devolve a hora (completa) actual do servidor TimeSerial Converte numa variável do sub-tipo date TimeValue Converte numa variável do sub-tipo date Weekday Devolve o dia da semana a partir de uma data/hora ou data (de 1 até 7, domingo a sábado respectivamente) Year Devolve o mês a partir de uma data/hora ou data Para manipular strings temos as seguintes funções: Função Descrição Asc Devolve o código ANSI de um caracter Chr Devolve o caracter de um código ANSI InStr Devolve a posição da primeira ocorrência de uma sub-string numa string LCase Converte uma string para minúsculas Left Devolve os primeiros (da esquerda) X caracteres de uma string Len Devolve o total de caracteres de uma string LTrim Remove os espaços em branco do início (esquerda) de um string Mid Devolve uma sub-string a partir de uma determinada posição Right Devolve os últimos (da direita) X caracteres de uma string RTrim Remove os espaços em branco do fim (direita) de um string Trim Remove os espaços em branco do início e do fim de um string UCase Converte uma string para maiúsculas Co-financiamento: Entidade Certificada: 17

18 Existem outras funções, que são as seguintes: Função Descrição LBound Devolve o limite inferior de um array Rnd Gera um número aleatório entre 0 e 1 (necessita de Randomize antes do Rnd para continuar a gerar números aleatórios) Sgn Devolve o sinal de um número (-1 se negativo, 1 se positivo e 0 se zero) UBound Devolve o limite superior de um array VarType Devolve o tipo de variável (0 para Empty, 1 para Null, 2 para Integer, 3 para Long, 4 para Single, 5 para Double, 7 para Date, 8 para String, 11 para Boolean, 17 para Byte) CONTROLO, DECISÃO,, REPETIÇÃO O if-then-else aplica-se quando é necessário verificar uma determinada condição, e realizar acções caso essa condição seja verdade (o que está depois do then), e opcionalmente, caso essa condição seja falsa (o que está depois do else). Para um if encadeado (vários if com condições), é necessário usar o ElseIf. nota=15 If nota >= 10 Then response.write "Aprovado" Else response.write "Reprovado" End if O resultado é: Aprovado O select-case aplica-se quando há vários valores possíveis, e estes devem ser tratados diferentemente. Caso nenhum dos valores esteja contemplado, o select-case usa o case else (este é opcional). nota=4 Select Case nota Case 1,2 resultado = "Reprovado" Case 3,4,5 resultado = "Aprovado" Case Else Co-financiamento: Entidade Certificada: 18

19 resultado = "falta de elementos" End Select response.write "Avaliação:"& resultado O resultado é: Aprovado O for-next é usado quando é necessário repetir um conjunto de instruções durante um número limitado de vezes. O incremento é uma unidade (1), podendo ser alterado usado o step (for i=1 to 10 step 2). É possível sair do ciclo for usando exit for. For i=1 To 4 If i=3 Then Exit For End If response.write "3 x "& i &" = "&(3*i)&"<br>" Next O resultado é: 3 x 1 = 3 3 x 2 = 6 O do-loop é usado para repetir um conjunto de instruções enquanto uma condição for verdadeira (while) ou até que uma condição se verifique (until). A diferença entre usar o while/until no início (do) ou no fim (loop), é que no do a condição é verificada no início, podendo no limite nunca a executar as instruções, enquanto que no loop a condição é verificada no fim, pelo que executa sempre pelo menos uma vez. a=3 Do Until a=6 a=a+1 response.write a &"" Loop O resultado é: Co-financiamento: Entidade Certificada: 19

20 a=3 Do a=a+1 response.write a &"" Loop While a < 10 O resultado é: O while-wend repete um conjunto de instruções enquanto a condição a validar for verdadeira. a=3 While a<8 a=a+1 response.write a &"" Wend O resultado é: É possível sair em qualquer momento do um for-next ou de um do-loop, usando respectivamente exit for e exit do. PROCEDIMENTOS Procedimentos são blocos de código, que apenas executam quando são chamados especificamente. Eles têm um nome (pelo o qual podem ser chamados para serem executados), e podem ter opcionalmente argumentos, que são valores que podem ser passados para dentro do procedimento. O ASP disponibiliza dois tipos de procedimentos Function (função) e Sub (subrotina). O Function tem a característica de devolver um valor, através de uma variável com o mesmo nome da Function. Function maior(a, b) If a>b Then maior="1º" ElseIf b>a Then maior="2º" Co-financiamento: Entidade Certificada: 20

21 Else maior="=s" End if End Function x=14 y=12 m=maior(x,y) response.write "valores:"& x &" e "& y &"<br>o maior é: "& m O resultado é: valores: 14 e 12 o maior é: 1º O Sub é semelhante ao Function, só que não devolve um valor. Sub maior(a, b) If a>b Then response.write "1º" ElseIf b>a Then response.write "2º" Else response.write "=s" End if End Sub x=14 y=14 response.write "valores:"& x &" e "& y &"<br>o maior é: " maior x,y O resultado é: valores: 14 e 14 o maior é: =s Co-financiamento: Entidade Certificada: 21

22 OBJECTOS O ASP disponibiliza um conjunto de objectos, para fins distintos. Estes sete objectos principais Request, Response, Server, Application, Session, ObjectContext e ASPError contêm cada um conjunto de collections, propriedades, métodos e eventos. REQUEST OBJECT O objecto Request dá acesso a toda a informação existente do pedido do browser Web ao servidor Web. Collections QueryString Form ServerVariables Cookies ClientCertificate Request Propriedades Métodos TotalBytes BinaryRead QueryString Contém os valores das variáveis que estão na querystring a enviar ao servidor Web Form Contém os valores dos elementos do <form> do pedido a enviar ao servidor Web ServerVariables Contém valores pré-definidos de variáveis de ambiente Cookies Contém os valores dos cookies do pedido a enviar ao servidor Web ClientCertificate Contém os dados de certificação do pedido a enviar ao servidor Web, segundo o standard X.509 TotalBytes Contém o número de bytes que o browser Web está a enviar ao servidor Web BinaryRead Contém os dados binários do <form> do pedido a enviar ao servidor Web RESPONSE OBJECT O objecto Response é responsável pelo envio de informação do servidor Web para o browser Web. Response Collections Propriedades Cookies Buffer CacheControl Charset ContentType Expires ExpiresAbsolute IsClientConnected PICS Status Métodos AddHeader ApppendToLog BinaryWrite Clear End Flush Redirect Write Co-financiamento: Entidade Certificada: 22

23 Cookies Contém os valores dos cookies a enviar ao browser Web Buffer Indica que conteúdo da página está em buffer CacheControl Indica se o servidor pode fazer cache da página ASP Charset Acrescenta ao content-type do cabeçalho o Chartset ContentType Indica o content-type da resposta HTTP Expires Indica o tempo (número de minutos) até que a página que está em cache no browser expire ExpiresAbsolute Indica a data / hora em que a página que está em cache no browser expira IsClientConnected Indica se o browser está desligado do servidor Web Pics Adiciona o valor do PICS ao cabeçalho da resposta Status Indica o valor do status devolvido pelo servidor Web AddHeader Indica o nome do cabeçalho da resposta AppendToLog Acrescenta texto ao log do servidor Web BinaryWrite Escreve dados na resposta do servidor Web sem qualquer conversão do charset Clear Limpa o que está em buffer End Pára de gerar a página ASP, devolvendo o que está gerado Flush Devolve o que está em buffer Redirect Redirecciona o browser para outra página Write Escreve directamente na resposta do servidor Web SERVER OBJECT O objecto Server é responsável por algumas acções do servidor Web. Collections Server Propriedades Métodos ScriptTimeout CreateObject HTMLEncode MapPath URLEncode Execute (novo 3.0) GetLastError (novo 3.0) ScriptTimeout Define o tempo (em segundos) que a página ASP pode demorar até dar timeout CreateObject Cria uma instância de um componente que esteja instalado no servidor HTMLEncode Aplica a sintaxe do HTML a uma string de texto MapPath Mapeia um path relativo ou virtual num path físico URLEncode Aplica regras de codificação de URLs a uma string de texto Execute - Chama outra página ASP a partir de uma página ASP GetLastError Devolve o objecto ASPError com a descrição do erro que ocorreu Co-financiamento: Entidade Certificada: 23

24 APPLICATION OBJECT O objecto Application está relacionado com toda a aplicação Web. Collections Contents StaticObjects Appplication Propriedades Lock Unlock Métodos Contents.Remove (novo 3.0) Contents.RemoveAll (novo 3.0) onstart onend Eventos Contents Contém itens que foram adicionados à aplicação através de scripting StaticObjects Contém itens que foram adicionados à aplicação através da Tag <Object> Lock Bloqueia o objecto Application, prevenindo que outros possam alterar (prevenir acesso concorrentes) Unlock Desbloqueia o objecto Application Contents.Remove Remove um item do Contents Contents.RemoveAll Remove todos os itens do Contents Application_OnStart Ocorre no primeiro acesso à aplicação (primeira sessão) Application_OnEnd Ocorre quando termina a última sessão Estes eventos estão definidos no ficheiro global.asa. SESSION OBJECT O objecto Session está relacionado com toda cada sessão individual da aplicação Web. Collections Contents StaticObjects Session Propriedades CodePage LCID SessionID Timeout Abandon Métodos Contents.Remove (novo 3.0) Contents.RemoveAll (novo 3.0) onstart onend Eventos Co-financiamento: Entidade Certificada: 24

25 Contents Contém itens que foram adicionados à aplicação através de scripting StaticObjects Contém itens que foram adicionados à aplicação através da Tag <Object> CodePage Indica o codepage a usar no que gerado pela página ASP LCID Indica o identificador do pais a ser usado SessionID Devolve um identificador único por sessão Timeout - Define o tempo (em minutos) que a página ASP pode demorar até dar timeout da sessão Abandon Remove tudo o que existe no objecto Session para a sessão actual Contents.Remove Remove um item do Contents Contents.RemoveAll Remove todos os itens do Contents Session_OnStart Ocorre no início de cada sessão Session_OnEnd Ocorre quando termina a sessão actual Estes eventos estão definidos no ficheiro global.asa. OBJECTCONTEXT OBJECT O objecto ObjectContext está relacionado com as transacções da aplicação Web. Collections ObjectContext Propriedades Métodos SetComplete SetAbandon Eventos ontransactioncommit ontransactionabort SetComplete Completa a transacção se todos os componentes da transacção estiverem com SetComplete SetAbandon Aborta uma transacção ontransactioncommit Ocorre depois do commit de uma transacção ontransactionabort Ocorre quando uma transacção é abortada ASPERROR OBJECT (novo 3.0) O objecto ASPError serve para obter dados sobre os erros ocorridos. Apenas pode ser acedido pelo método GetLastError (do objecto Server). Collections ASPError Propriedades Métodos Co-financiamento: Entidade Certificada: 25

26 ASPCode ASPDescription Category Column Description File Line Number Source ASPCode Devolve o código do erro gerado pelo IIS ASPDescription Devolve a descrição detalhada do erro Category Indica se o erro foi gerado pelo IIS, um objecto ou linguagem de scripting Column Devolve o número da coluna da página ASP onde ocorreu o erro Description Devolve a descrição resumida do erro File Devolve o nome da página ASP onde ocorreu o erro Line Devolve o número da linha da página ASP onde ocorreu o erro Number Devolve o número do código de erro do componente COM Source Devolve o código (source-code) da linha da página ASP onde ocorreu o erro INCLUDES Os Includes (ou SSI Server Side Includes) são usados quando é necessário colocar variáveis ou procedimentos comuns, ou mesmo um header ou footer, acessíveis a diversos ficheiros. Ao fazer um include de um ficheiro (footer com o informação de copyright p.ex.), este é incluído no ficheiro ASP que o chama, sendo que caso haja alterações, estas apenas são realizadas no ficheiro de include. Se esta informação (de copyright) não estivesse num include mas sim em todos os ficheiros ASP, a sua alteração implicava mexer em todos os ficheiros, em vez de apenas um (o de include). Os ficheiros de include têm normalmente a extensão.inc, mas podem ter uma outra extensão (.asp ou.ola p.ex.). O conteúdo é sempre ASP. A sua sintaxe de chamada é a seguinte (é fora do ): <!-- #include file="nome_do_ficheiro" --> Ou <!-- #include virtual="nome_do_ficheiro" --> O ficheiro ASP: <!-- #include file="funcoes.inc" --> x=14 y=12 m=maior(x,y) response.write "valores:"& x &" e "& y &"<br>o maior é: "& m Co-financiamento: Entidade Certificada: 26

27 O ficheiro funcoes.inc: Function maior(a, b) If a>b Then maior="1º" ElseIf b>a Then maior="2º" Else maior="=s" End if End Function O resultado é: valores: 14 e 12 o maior é: 1º LIGAÇÃO À BASE DE DADOS No ASP, a ligação a uma base de dados faz-se através do ADO ActiveX Data Objects. Estes consistem num conjunto de objectos, hierarquizados, e que permitem ligar a praticamente qualquer origem de dados. Esses objectos são Connection, Command e Recordset. DSN e DSN-less O DSN Data Source Name (nome para uma origem de dados) é uma ligação a uma origem de dados que se configura directamente no sistema operativo. Indo a Painel de Controlo - Ferramentas administrativas istrativas e escolhendo Origem de dados (ODBC) temos acesso à gestão de ligações via ODBC (Open Database Connectivity). Aqui é possível definir um DSN, sendo o DSN de Sistema o mais indicado. Ao adicionar um DSN, o primeiro passo é escolher qual o driver a usar, dependendo da origem de dados ficheiro Excel, TXT (texto) ou Access, SQL Server ou outros. Este driver é o responsável pela comunicação com a base de dados (ou outra origem de dados). De seguida, e dependendo do driver usado, é necessário definir os diversos atributos necessários, sendo estes os mais comuns: Origem de dados Access SQL Server Atributos necessários Nome do ficheiro.mdb Nome do servidor Nome da base de dados Credenciais login e password Co-financiamento: Entidade Certificada: 27

28 O nome para o DSN é obrigatório, pois é o que é usado para fazer depois a ligação real à origem de dados. A definição de um DSN requer acesso ao servidor. Exemplo de ligação usando DNS: Set conn=server.createobject("adodb.connection") conn.open "DSN=Curso;User ID=;Password=;" Na ligação de DSN-less não requer um DSN, mas é necessário indicar os mesmos atributos (excepto o nome do DSN) que numa ligação via DSN. Para usar o Access p.ex., é necessário indicar o driver (Microsoft.Jet.OLEDB.4.0) e o ficheiro (c:\inetpub\wwwroot\web.mdb). Exemplo de ligação sem DNS: Set conn=server.createobject("adodb.connection") conn.open "Provider=Microsoft.Jet.OLEDB.4.0;Data Source=c:\inetpub\wwwroot\web.mdb;User ID=;Password=;" Co-financiamento: Entidade Certificada: 28

29 CONNECTION O objecto Connection é usado para fazer a ligação a uma origem de dados, podendo também executar uma instrução de SQL (ver secção BASES DE DADOS), sendo menos flexível que o objecto Command. Collections Error Properties Connection Propriedades Attributes CommandTimeout ConnectionString ConnectionTimeout CursorLocation DefaultDatabase IsolationLevel Mode Provider State Version BeginTrans Cancel Close Métodos CommitTrans Execute Open OpenSchema RollbackTrans Eventos Os eventos não estão disponíveis nas linguagens de scripting, apenas em VB ou C++ p.ex. Erros Contém os erros gerados aquando uma falha numa connection Properties Contém as propriedades do provider Attributes Indica os atributos da transacção numa connection CommandTimeout Indica o número de segundo até a que a execução (Execute) de um comando SQL dê erro ConnectionString Indica a string com os dados necessários para ligar a uma origem de dados ConnectionTimeout Indica o número de segundo até que a connection dê erro CursorLocation Indica a localização do cursor a usar, client-site (3) ou server-side (2) DefaultDatabase Indica a base de dados pré-definida IsolationLevel Indica o nível de isolamento de uma transacção (como as transacções podem interagir entre elas) Mode Indica as permissões de acesso do provider (read, write, read/write p.ex) Provider Indica o nome do provider, de quem fornece os dados (ficheiro de texto, Active Directory, SQL Server p.ex.) State Indica o estado, se a connection está aberta ou fechada Version Indica a versão do ADO BeginTrans Inicia uma transacção Cancel Cancela a execução de um Execute ou Open Close Fecha a connection CommitTrans Conclui uma transacção Execute Executa uma instrução SQL ou um stored procedure Open Abre uma ligação a uma origem de dados OpenSchema Devolve do provider o esquema da origem de dados RollbackTrans Desfaz as acções de transacção e termina uma transacção Co-financiamento: Entidade Certificada: 29

ASP. Active Server Page. Scripts. ASP teoricamente suportaria qualquer linguagem de script, mas na prática os aceitados são. VBScript MS JScript

ASP. Active Server Page. Scripts. ASP teoricamente suportaria qualquer linguagem de script, mas na prática os aceitados são. VBScript MS JScript ASP Active Server Page Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Scripts ASP teoricamente suportaria qualquer linguagem de script, mas na prática os aceitados são VBScript

Leia mais

2.) Listagem Página a Página

2.) Listagem Página a Página Exemplos para construção de páginas em ASP 1.) Abertura de uma Base de Dados O código necessário para fazer a abertura de uma Base de Dados Access e execução de uma string SQL é muito simples. No exemplo

Leia mais

ASP Active Server Pages

ASP Active Server Pages ASP Active Server Pages Curso básico CURSO MASTER Pagina 1 INTRODUÇÃO A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, onde um misto de protocolos e serviços permitem

Leia mais

ASP. Autor: Nicleverson Silva

ASP. Autor: Nicleverson Silva ASP Autor: Nicleverson Silva ASP Active Server Pages Curso básico CURSO MASTER Pagina 1 INTRODUÇÃO A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, onde um misto de protocolos

Leia mais

Visual Basic for Applications

Visual Basic for Applications Visual Basic for Applications Introdução É uma linguagem de programação baseada na conhecida linguagem BASIC Está concebida para funcionar em conjunto com diferentes aplicações, de forma a potenciar a

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

[ASP (APPLICATION SERVER PROVIDER)] ASP (Application Server Provider) Formando: Fernando Duarte

[ASP (APPLICATION SERVER PROVIDER)] ASP (Application Server Provider) Formando: Fernando Duarte 2011 ASP (Application Server Provider) Formando: Fernando Duarte [ASP (APPLICATION SERVER PROVIDER)] É a tecnologia para a criação de páginas dinâmicas do lado do servidor, desenvolvida por Microsoft.

Leia mais

Construção de um website em ASP

Construção de um website em ASP 1 O HTML em 12 passos ASP: Expressões e operadores Funções Objectos Bases de Dados Construção de um website em ASP Avaliação 2 1 HTML versus ASP (2 horas) Conhecer o HTML em 12 passos Extensões, interpretadores

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VII Acesso a Bases de Dados via Web Duração: 50 tempos Conteúdos (1) Conceitos

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida ASP. Rubens Prates. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP Rubens Prates Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida ASP de Rubens Prates Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

10. Acessando o Banco de Dados através do Visual Basic

10. Acessando o Banco de Dados através do Visual Basic 10. Acessando o Banco de Dados através do Visual Basic Para acessar o Banco de Dados através do Visual Basic, pode ser utilizado dois métodos diferentes: 10.1 DAO ADO - ActiveX Data Objects DAO - Data

Leia mais

ACTIVE SERVER PAGES. Rua dos Otoni, 881/9º andar - Funcionários PABX/FAX : (31) 3273-2822 CEP 30150-270 - Belo Horizonte - MG

ACTIVE SERVER PAGES. Rua dos Otoni, 881/9º andar - Funcionários PABX/FAX : (31) 3273-2822 CEP 30150-270 - Belo Horizonte - MG Todos direitos reservados. Proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo mecânico, eletrônico, reprográfico, etc., sem a autorização, por escrito, do(s) autor(es) e da editora. ACTIVE SERVER

Leia mais

P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A. Criar uma relação mestre-detalhe. Pesquisa de informação

P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A. Criar uma relação mestre-detalhe. Pesquisa de informação P S I 2. º A N O F 5 M E S T R E / D E T A L H E E P E S Q U I S A Módulo 18 Ferramentas de Desenvolvimento de Páginas Web Criar uma relação mestre-detalhe 1. Cria uma cópia da página «listaferram.php»

Leia mais

Guia do RepositorioDocumento

Guia do RepositorioDocumento Módulo: RepositorioDocumento.Cls_Repositorio Versão: 1.0.0 Data: 16/05/2003 Analista: João Augusto de Moura DBA: Maria Cristina de Oliveira Zimmermann Coordenador: Alex Albert Henchel Gerente Operacional:

Leia mais

PHP. Hypertext Pre-Processor

PHP. Hypertext Pre-Processor PHP Hypertext Pre-Processor O que é o PHP? Uma linguagem de scripting é uma linguagem cujo código não tem de ser compilado para ser executado! O código escrito é interpretado em tempo de execução para

Leia mais

1 Função e criação do Programa. Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões

1 Função e criação do Programa. Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões 1) Função e criação do Programa 2) Lista de transacções/funções 3) Interface Gráfico do programa 4) A base de dados 4.1)

Leia mais

Melhorando a performance de suas páginas ASP

Melhorando a performance de suas páginas ASP Melhorando a performance de suas páginas ASP José Francisco do Santos Neto * Introdução Para velhos programadores como eu, o primeiro contato com o desenvolvimento de aplicações para a Internet é, no mínimo,

Leia mais

ASP - Active Server Pages

ASP - Active Server Pages ASP - Active Server Pages O PROBLEMA Introdução Anos 60, auge da guerra fria, o governo americano através de seu Departamento de Defesa e da recém criada ARPA (Agência de Projetos de Pesquisa Avançada),

Leia mais

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas.

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. MySQL 101 Recapitulando Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. As bases de dados são úteis quando necessitamos

Leia mais

PHP é um acrónimo para Hypertext Preprocessor.

PHP é um acrónimo para Hypertext Preprocessor. PHP 101 O que é o PHP? PHP é um acrónimo para Hypertext Preprocessor. É uma linguagem de scripting open-source que funciona do lado do servidor e é usada para gerar páginas web dinâmicas. Os scripts de

Leia mais

Tarefa Orientada 20 Cursores

Tarefa Orientada 20 Cursores Tarefa Orientada 20 Cursores Objectivos: Declarar cursores Utilizar cursores Utilizar funções do sistema para trabalhar com cursores Actualizar dados através de cursores Um cursor é um objecto da base

Leia mais

2.3. PHP Tipos de dados e operadores

2.3. PHP Tipos de dados e operadores Programação para Internet II 2.3. PHP Tipos de dados e operadores Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Tipos de dados Embora não seja necessário declarar os tipos de dados das variáveis,

Leia mais

Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr)

Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr) Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr) por Eduardo Vieira Machado (Good Guy) Hoje gostaria de tratar de um assunto bastante atraente no Access e que é muito trabalhado nas empresas - a manipulação

Leia mais

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL OBJECTIVOS Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL O objecto DOCMD Este objecto permite o acesso a todas as operações sobre todos os objectos

Leia mais

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento de Informática Ficha prática nº 7 SGBD Microsoft Access e SQL Server Objectivo: Criação de uma aplicação em arquitectura

Leia mais

Oracle PL/SQL Overview

Oracle PL/SQL Overview Faculdades Network Oracle PL/SQL Overview Prof. Edinelson PL/SQL Linguagem de Programação Procedural Language / Structured Query Language Une o estilo modular de linguagens de programação à versatilidade

Leia mais

Sub AcessaWeb(url, x) ' recebe uma url para pesquisar e devolve uma planilha ' Solicita a criação da planilha x

Sub AcessaWeb(url, x) ' recebe uma url para pesquisar e devolve uma planilha ' Solicita a criação da planilha x Aula 1 Planilha para Incluir / Excluir / Consultar dados em uma agenda telefônica (Nome, Endereço, Telefone) residindo em Banco de dados Access ou na WEB (usando um banco espelho no meu site, e uma página

Leia mais

APOSTILA DE VBA PARA EXCEL MARCOS DE BARROS OUTUBRO DE 2002 1 - RISK MANAGEMENT

APOSTILA DE VBA PARA EXCEL MARCOS DE BARROS OUTUBRO DE 2002 1 - RISK MANAGEMENT APOSTILA DE VBA PARA EXCEL MARCOS DE BARROS OUTUBRO DE 2002 1 - RISK MANAGEMENT ÍNDICE INTRODUÇÃO AO VBA 5 Constantes 5 Variáveis 5 Tipos de variáveis e constantes 6 O Comando Option Explicit 7 Comentários

Leia mais

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem.

O código JavaScript deve ser colocado entre tags de comentário para ficar escondido no caso de navegadores antigos que não reconhecem a linguagem. 1 - O que é JAVASCRIPT? É uma linguagem de script orientada a objetos, usada para aumentar a interatividade de páginas Web. O JavaScript foi introduzido pela Netscape em seu navegador 2.0 e posteriormente

Leia mais

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual.

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. 604 wifi FUNÇÕES WIFI e Internet Suplemento ao Manual do Utilizador ARCHOS 504/604 Versão 1.2 Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. Este manual contém informações

Leia mais

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados Guia do Usuário Parte 12 Serviço de conector de Dados Conteúdos 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Descrição do Serviço conector de Dados ou Data com nector... 4 2 CRIAR UMA CONFIGURAÇÃO DE ENLACE DE DADOS... 5 2.1

Leia mais

VBA e Access Modo de interacção

VBA e Access Modo de interacção VBA e Access Modo de interacção As funcionalidades do VBA estão completamente integradas com o Access Um bom exemplo dessa integração é o facto dos formulários e dos módulos fazerem por defeito parte integrante

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Aplic. Manutenção de Produtos - DataGridView

Tarefa Orientada 2 Aplic. Manutenção de Produtos - DataGridView Tarefa Orientada 2 Aplic. Manutenção de Produtos - DataGridView Objectivos: Criação de fonte de dados (Data Source) a partir de base de dados. Utilização de um controlo DataGridView para visualizar dados.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO)

INTRODUÇÃO AO MODELO ADO.NET (DESCONECTADO) INTRODUÇÃO AO MODELO ADONET (DESCONECTADO) O modelo ADONET (Activex Data Objects NET) consiste num conjunto de classes definidas pela NET framework (localizadas no namespace SystemData) que pode ser utilizado

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Visual Basic for Applications: # 1

Visual Basic for Applications: # 1 Visual Basic for Applications Introdução É uma linguagem de programação baseada na conhecida linguagem BASIC Está concebida para funcionar em conjunto com diferentes aplicações, de forma a potenciar a

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Apostila ASP 1 de 43. Apostila de Asp. O que é ASP?

Apostila ASP 1 de 43. Apostila de Asp. O que é ASP? Apostila ASP 1 de 43 Apostila de Asp O que é ASP? Active Server Pages (ASP) é uma linguagem para geração de páginas HTML dinamicamente. A partir de um Windows NT Server com o IIS3 ou IIS4 (Internet Information

Leia mais

O que é ASP? VBScript e ASP

O que é ASP? VBScript e ASP O que é ASP? Active Server Pages (ASP) é uma linguagem para geração de páginas HTML dinamicamente. A partir de um Windows NT Server com o IIS3 ou IIS4 (Internet Information Server) instalado, é possível

Leia mais

Bases de Dados. Parte VII Interface PHP ao MySQL

Bases de Dados. Parte VII Interface PHP ao MySQL Bases de Dados MI / LCC / LEG / LERSI / LMAT Parte VII Interface PHP ao MySQL 1 O Que é o PHP? O PHP é uma linguagem de programação especialmente desenhada para servidores web (server-side scripting language).

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Tarefa Orientada 5 Aplic. Manutenção de Facturas de Clientes

Tarefa Orientada 5 Aplic. Manutenção de Facturas de Clientes Tarefa Orientada 5 Aplic. Manutenção de Facturas de Clientes Objectivos: Aplicação Manutenção de Facturas de Clientes Utilização de uma fonte de dados. Formulários Master/Detail. Adicionar consultas a

Leia mais

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

SQL (Structured Querie Language) Escola Secundária de Emídio Navarro 2001/2002 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados SQL (Structured Querie Language) SQL é mais que uma linguagem de interrogação estruturada. Inclui características para a definição da estrutura de dados, para alterar os dados de uma base de dados, e para

Leia mais

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes Microsoft Access Nível I Introdução Objectivos Introdução; Criar tabelas; Fazer consultas; Elaborar formulários; Executar relatórios. 2 Introdução aos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Desde

Leia mais

Basicamente iremos precisar de uma base de dados na qual iremos armazenar os registros feitos pelos vistantes: Vamos armazenar os seguintes dados:

Basicamente iremos precisar de uma base de dados na qual iremos armazenar os registros feitos pelos vistantes: Vamos armazenar os seguintes dados: Livro de Visitas Basicamente iremos precisar de uma base de dados na qual iremos armazenar os registros feitos pelos vistantes: Vamos armazenar os seguintes dados: ID nome email mensagem data O código

Leia mais

6. Introdução à Linguagem PHP

6. Introdução à Linguagem PHP 6. Introdução à Linguagem PHP A comunicação na Web exige dois agentes: o cliente web e o servidor web. O cliente requer informação (a partir de uma página HTML acessada pelo navegador) e o servidor fornece

Leia mais

ASP Active Server Pages. ASP (Active Server Pages)

ASP Active Server Pages. ASP (Active Server Pages) ASP Active Server Pages Prof. Sérgio Rodrigues ASP (Active Server Pages) É um ambiente de programação por scripts que rodam no servidor: IIS Internet Information Services PWS Personal Web Server Utiliza

Leia mais

Notas sobre o MySQL: Resumo dos comandos no MySQL linha de comandos:

Notas sobre o MySQL: Resumo dos comandos no MySQL linha de comandos: EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Curso EFA SEC Turma C - 2012 / 2013 Notas sobre o MySQL: 1) A indicação mysql> é o prompt do sistema. 2) Uma instrução, no prompt do MySQL, deve terminar sempre com ponto

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL.

Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL. Construindo um sistema simples de cadastro de fornecedores em PHP e MySQL. Procuraremos mostrar os principais procedimentos para fazer um cadastro de registros numa base de dados MySQL utilizando a linguagem

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº8 Configuração e utilização do FTP 2004/2005 1 Objectivo Configuração de um servidor

Leia mais

Dim formulário As Object formulário = Me Me.Text = "Título"

Dim formulário As Object formulário = Me Me.Text = Título 1.1.1 OBJECT As variáveis do tipo Object representam referências a objectos alojados na memória, em endereços reservados. A partir do momento em que atribuímos um objecto a uma variável deste tipo, podemos

Leia mais

Scriptlets e Formulários

Scriptlets e Formulários 2 Scriptlets e Formulários Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Permitir ao aluno aprender a criar um novo projeto Java para web no Netbeans IDE,

Leia mais

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486

Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 1 Ferramentas para Multimídia e Internet - 1486 HTML BÁSICO: O que é uma página WEB? Uma página WEB, também conhecida pelo termo inglês webpage, é uma "página" na World Wide Web, geralmente em formato

Leia mais

Programação Web com ASP - Active Server Pages

Programação Web com ASP - Active Server Pages Centro Atlântico Programação Web com ASP - Active Server Pages João Vieira Centro Atlântico Programação Web com ASP - Active Server Pages Edições Centro Atlântico Portugal/2000 Reservados todos os direitos

Leia mais

Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr)

Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr) Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr) por Eduardo Vieira Machado (Good Guy) Hoje gostaria de tratar de um assunto bastante atraente no Access e que é muito trabalhado nas empresas - a manipulação

Leia mais

APOSTILA PHP PARTE 1

APOSTILA PHP PARTE 1 APOSTILA PHP PARTE 1 1. Introdução O que é PHP? PHP significa: PHP Hypertext Preprocessor. Realmente, o produto foi originalmente chamado de Personal Home Page Tools ; mas como se expandiu em escopo, um

Leia mais

Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard. Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter. Botão next na caixa de diálogo

Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard. Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter. Botão next na caixa de diálogo Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter Botão next na caixa de diálogo Se carregar em Cancel, o wizard é cancelado e podemos depois definir as propriedades

Leia mais

Deverá ser apresentada uma caixa de combinação para auxiliar o utilizador a escolher o distrito de residência do entrevistado.

Deverá ser apresentada uma caixa de combinação para auxiliar o utilizador a escolher o distrito de residência do entrevistado. 4.º PASSO PROGRAMAÇÃO DO CAMPO DISTRITO : PROJECTO COM ADO Deverá ser apresentada uma caixa de combinação para auxiliar o utilizador a escolher o distrito de residência do entrevistado. 1) Abra o formulário

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Hugo Pedro Proença, 2007

Hugo Pedro Proença, 2007 Stored Procedures À medida que a complexidade dos sistemas aumenta, torna-se cada vez mais difícil a tarefa de integrar o SQL com as aplicações cliente. Além disto, é necessário que todas as aplicações

Leia mais

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I

FCA - EDITORA DE INFORMÁTICA I 1 O PHP e a World Wide Web... XXXIII 1.1 Introdução... XXXIII 1.2 Breve apresentação do PHP... 1 1.3 Acesso a documentos na web... 1 1.4 HTML estático versus HTML dinâmico... 2 1.5 PHP, o que é?... 4 1.6

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

Programação para Internet I

Programação para Internet I Programação para Internet I Aulas 09 e 10 Fernando F. Costa nando@fimes.edu.br Formulários O formulário representa o modo mais importante de interatividade que a linguagem HTML oferece. Um formulário pode

Leia mais

Bibliografia. Pedro Quaresma 2008/2009. A diferença entre um manual (de estudo), e um manual de referência.

Bibliografia. Pedro Quaresma 2008/2009. A diferença entre um manual (de estudo), e um manual de referência. Bibliografia Programação Avançada Pedro Quaresma Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra 2008/2009 PHP and MySQL Web Development (3rd Edition) Luke Welling,

Leia mais

Trabalhando com Arquivos de Texto no VBA

Trabalhando com Arquivos de Texto no VBA OpenStax-CNX module: m47737 1 Trabalhando com Arquivos de Texto no VBA Joao Carlos Ferreira dos Santos This work is produced by OpenStax-CNX and licensed under the Creative Commons Attribution License

Leia mais

O que é o JavaScript?

O que é o JavaScript? JavaScript Introdução O JavaScript é utilizado por milhões de páginas na web para melhorar o design, validar forms, e muito mais O JavaScript foi inicialmente desenvolvido pela Netscape e é a linguagem

Leia mais

Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First

Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First Criação de uma aplicação Web ASP.NET MVC usando Code First Visual Studio > File > New Project > (Visual C#, Web) ASP.NET MVC 4 Web Application Name: MvcApplication11 Project Template: View Engine: Internet

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente. Figura 1. Base de dados de exemplo Departamento de Engenharia Informática 2014/2015 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Programação Web com ASP - Active Server Pages

Programação Web com ASP - Active Server Pages Centro Atlântico Programação Web com ASP - Active Server Pages João Vieira Centro Atlântico Programação Web com ASP - Active Server Pages Edições Centro Atlântico Portugal/2000 Reservados todos os direitos

Leia mais

Guia rápido do utilizador

Guia rápido do utilizador Guia rápido do utilizador Índice Relatório de roubo 3 Criar um novo relatório de roubo 4 Fornecer detalhes do relatório de roubo Secção 1. Especificar o computador 5 Fornecer detalhes do relatório de roubo

Leia mais

Laboratório 4 Validação do Formulário

Laboratório 4 Validação do Formulário Laboratório 4 Validação do Formulário Introdução Agora que já definimos os nossos documentos usando xhtml e já os embelezámos através da utilização das CSS, está na hora de validar a informação que o utilizador

Leia mais

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Para que serve? Serve para gerir vastos conjuntos de informação de

Leia mais

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS 4 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA 4 3.2 CONTROLO DE DATA 5 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 8 5. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO WEB DO LADO DO CLIENTE

PROGRAMAÇÃO WEB DO LADO DO CLIENTE PROGRAMAÇÃO WEB DO LADO DO CLIENTE FORMULÁRIO Na linguagem HTML é permitido que o usuário interaja com o servidor através de formulários ligados a scripts desenvolvidos em linguagens como PHP, Servlets,

Leia mais

PHP (Seções, Cookies e Banco de Dados)

PHP (Seções, Cookies e Banco de Dados) PHP (Seções, Cookies e Banco de Dados) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Seções Basicamente, as seções são métodos que preservam determinados dados ativos enquanto o navegador do cliente estiver

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro ! Transact-SQL (T-SQL) Extensão ao SQL Permite controlo do fluxo de execução Permite comandos DDL (contrariamente ao PLSQL) T-SQL combina: poder de manipulação de dados

Leia mais

HTML. Sessão 1 HTML. Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet Information Server), Apache, WebSphere,...

HTML. Sessão 1 HTML. Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet Information Server), Apache, WebSphere,... Sessão 1 A INTERNET Baseada no modelo Cliente-Servidor Cliente: programa que pede informação Servidor: programa que envia a informação No caso da WWW: Cliente: browser (IE, por exemplo) Servidor: IIS (Internet

Leia mais

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF

CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF CAPITULO 5 COMANDO DE FLUXO IF Sempre que for necessária a tomada de decisão dentro de um programa, você terá que utilizar um comando condicional, pois é por meio dele que o PHP decidirá que lógica deverá

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Informática de Gestão 1º ano / 1º semestre Ano letivo: 2014/2015. Visual Basic VBA

Informática de Gestão 1º ano / 1º semestre Ano letivo: 2014/2015. Visual Basic VBA Informática de Gestão 1º ano / 1º semestre Ano letivo: 2014/2015 Visual Basic VBA Macros Funções Conjunto de instruções que são executadas sempre que se desejar e pela ordem apresentada As funções são

Leia mais

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado

EDUTec Learning. José Paulo Ferreira Lousado EDUTec Learning MANUAL DO UTILIZADOR José Paulo Ferreira Lousado Índice Página Principal... ii Página de Desenvolvimento de Conteúdos... iii Página de Comunicações...iv Página de Transferência de Ficheiros...vi

Leia mais

Conteúdo. Linguagem Estática x Dinâmica O que é PHP? Configurando o Ambiente do PHP Sintaxe

Conteúdo. Linguagem Estática x Dinâmica O que é PHP? Configurando o Ambiente do PHP Sintaxe Unidade IV Introdução à Linguagem PHP Parte 1 Professor Fabiano de Paula Soldati fpsoldati@yahoo.com.br http://br.groups.yahoo.com/group/professorsoldati/ Conteúdo Linguagem Estática x Dinâmica O que é

Leia mais

APOSTILA DE PHP. Assuntos a serem abordados:

APOSTILA DE PHP. Assuntos a serem abordados: APOSTILA DE PHP 1ª AULA Assuntos a serem abordados: Conceito de PHP Conceito de Server Side Conceitos de Client Side Conceitos Servidor Web Conceito básico de Banco de Dados Funcionamento Ferramentas Utilizadas

Leia mais

Arq = Freefile Open C:\Pasta\Arquivo.dat For Binary As #arq Abrir o arquivo binario. X = Seek(arq) Mostra a posição que está sendo lida no arquivo

Arq = Freefile Open C:\Pasta\Arquivo.dat For Binary As #arq Abrir o arquivo binario. X = Seek(arq) Mostra a posição que está sendo lida no arquivo 6.3 Arquivos Binários Para ler arquivos binários é utilizado o seguinte comando. Arq = Freefile Open C:\Pasta\Arquivo.dat For Binary As #arq Abrir o arquivo binario Get #arq, 1, CabArquivo Lê o arquivo

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem PHP @wre2008 1 Sumário PHP: Tipos de dados; Manipulação de dados; Utilizando formulário. @wre2008 2 Tipos de dados As variáveis são declaradas no momento de sua

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

O que é o Javascript?

O que é o Javascript? O que é o Javascript? JavaScript é uma linguagem para criação de Home-Pages. Funções escritas em JavaScript podem ser embutidas dentro de seu documento HTML. Com JavaScript você tem muitas possibilidades

Leia mais

Introdução ao ASP.NET

Introdução ao ASP.NET Introdução ao ASP.NET Miguel Isidoro Agenda ASP ASP.NET Server Controls Separação de Código e Apresentação Acesso a Dados Web Services Aplicações Web ASP.NET 1 ASP Razões do Sucesso Modelo de programação

Leia mais

TEORIA BÁSICA SOBRE LINGUAGEM PHP

TEORIA BÁSICA SOBRE LINGUAGEM PHP PHP - Introdução Vantagens do Uso do PHP O php é uma linguagem de programação para ambiente web ou seja com ela, você pode desenvolver aplicações que possam ser acessadas via browser (netscape,internet

Leia mais

www.coldfusionbrasil.com.br

www.coldfusionbrasil.com.br www.coldfusionbrasil.com.br 2000 1 O que é Cold Fusion? 3 Arquitetura Cold Fusion 3 Cold Fusion Markup Language (CFML) 4 O que devo saber para programar em CFML? 4 HTML 4 Desenho de Banco de Dados Relacionais

Leia mais

Internet e Programação Web

Internet e Programação Web COLÉGIO ESTADUAL PEDRO MACEDO Ensino Profissionalizante Internet e Programação Web 3 Técnico Prof. Cesar 2014 1 SUMÁRIO Criar sites dinâmicos em PHP --------------------------------------------------------

Leia mais

Findo o processo de normalização, obtemos o conjunto de tabelas indicado na tabela 1.28.

Findo o processo de normalização, obtemos o conjunto de tabelas indicado na tabela 1.28. ACCESS 2007 MACROS & VBA - CURSO COMPLETO AS-44-33 Honda Civic YY-44-32 Opel Corsa UU-44-44 Fiat Uno UU-44-44 Fiat Uno UU-44-44 Fiat Uno AA-00-01 Ford Transit TABELA ERRO! NÃO EXISTE NENHUM TEXTO COM O

Leia mais