OS (IN)VISÍVEIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ACESSO E PERMANÊNCIA DE ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PEDAGOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS (IN)VISÍVEIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ACESSO E PERMANÊNCIA DE ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PEDAGOGIA"

Transcrição

1 OS (IN)VISÍVEIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ACESSO E PERMANÊNCIA DE ESTUDANTES DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PEDAGOGIA Ana Carolina Grangeia Cardoso Mestre em Educação PPGE/Universidade Federal Fluminense Rio de Janeiro Eixo Temático: Pesquisa, Políticas Públicas e Direito à Educação Categoria: Comunicação RESUMO Este trabalho analisa se e como a Universidade Federal Fluminense (UFF) tem elaborado e efetivado políticas de acesso e permanência a partir de uma perspectiva democratizante, ou seja, estendendo oportunidades educacionais a novos perfis de alunos, e garantindo sua permanência. Seleciona, para tanto, um curso de maior prestígio social, a Engenharia Mecânica, oferecido em Niterói e em Volta Redonda e um curso de menor prestígio social, a Pedagogia, oferecido em Niterói e em Angra dos Reis. Com base em dados fornecidos pela COSEAC-UFF (Coordenadoria de Seleção Acadêmica) e extraídos do ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes), a pesquisa investiga políticas de ação afirmativa e de permanência praticadas na UFF; caracteriza o perfil socioeconômico de estudantes beneficiados por essas políticas e entrevista alunos que se encontram nas várias possibilidades de confluência das ações afirmativas e das políticas de permanência. Dessa forma, é possível compreender se essas políticas se complementam, as lógicas por trás das carreiras escolares, processos de exclusão internos, estratégias de sobrevivência dos alunos e mecanismos de permanência criados pela universidade dentro desse pretendido processo de democratização. Palavras-chave: educação superior acesso permanência UFF curso de engenharia mecânica curso de pedagogia 1

2 Os (in)visíveis da Universidade Federal Fluminense Acesso e permanência de estudantes do curso de engenharia mecânica e pedagogia CARDOSO, Ana Carolina Grangeia 1 INTRODUÇÃO A história da educação superior brasileira é marcada por fortes traços de elitismo e seletividade que deixaram marcas até os dias de hoje. Porém, esse cenário tem se modificado visto que algumas políticas têm sido desenvolvidas para expandir e democratizar o sistema de educação superior brasileiro, visando superar as dicotomias presentes no passado e a exclusão de um determinado grupo social da educação superior. O crescimento das oportunidades de acesso enseja atenção quanto ao crescimento das taxas de abandono, que são provocadas por inúmeros problemas de caráter objetivo, tais como as questões de ordem financeira e pedagógica e de caráter subjetivo, relacionados à dimensão simbólica, tais como: valores, crenças, expectativas, sentimentos etc. Por isso, o objetivo central que norteou essa pesquisa foi compreender se e como as políticas de acesso e de permanência na universidade pública têm atuado de forma convergente no combate à exclusão dos jovens historicamente marginalizados da educação superior, investigando o desdobramento dessas políticas em um curso de maior prestígio social, Engenharia Mecânica, e em um de menor prestígio social, Pedagogia. Além disso, a pesquisa buscou compreender de que forma as políticas de permanência contribuem objetiva e subjetivamente para a formação acadêmica do aluno, através da análise da política de assistência estudantil da UFF. O trabalho privilegiou o equilíbrio entre a pesquisa quantitativa e a pesquisa qualitativa, compartilhando a perspectiva de Zaia Brandão (2010). Para recuperar o contexto e a dimensão institucional da problemática, foram realizadas análises bibliográfica e documental, especialmente nos sites e setores específicos da universidade, do MEC/INEP e do IBGE. Através desses sites, buscamos informações sobre os estudantes dos cursos selecionados no tocante ao seu quantitativo, perfil socioeconômico, tipo e quantitativo de ações afirmativas e de permanência praticados, dentre outras. O aprofundamento qualitativo se deu por meio de pesquisa de campo através de entrevistas semiestruturadas. Afinal, realizamos 9 entrevistas, sendo 3 de alunos 1 Pedagoga e Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense. 2

3 do curso de Pedagogia (Niterói), 3 do curso de Pedagogia (Angra dos Reis), 2 do curso de Engenharia Mecânica (Niterói) e 1 do curso de Engenharia Mecânica (Volta Redonda). Esses nove entrevistados cobriram os perfis de estudantes que buscávamos conhecer, ou seja: bonificados e bolsistas, não bonificados e bolsistas e bonificados e não bolsistas. No caso da Engenharia Mecânica de Niterói, não encontramos nenhum aluno que se encaixasse no perfil não bonificado + bolsa 2. O referencial teórico, eixo articulador entre as análises documentais, de dados e a pesquisa de campo, advém de autores como Pierre Bourdieu (2007, 2010, 2011 e outros), Ezcurra (2011) Sousa e Portes (2011), Lahire (2003), Heringer e Paula (2009), Zago (2006), Nogueira e Nogueira (2005), Vargas (2008, 2010, 2012), Gomes (2001), Nascimento (2012), Coulon (2008), entre outros. Acesso e permanência na universidade pública: velhas demandas e novas ações Desde o início da consolidação do sistema de educação superior, foram criadas várias medidas, decretos e leis que tiveram como objetivo conter o fluxo de passagem do ensino secundário para o superior. Esse cenário começa a sofrer mudanças significativas a partir do governo de Fernando Henrique Cardoso ( ) diante de um movimento expansionista da educação superior e intensificado com uma perspectiva mais democratizante (PROUNI, REUNI, fortalecimento das políticas de ação afirmativa etc.) durante o governo de Luís Inácio Lula da Silva ( ). Dessa forma, um número cada vez maior de jovens tem tido acesso ao nível superior e mais ainda, o perfil desses jovens tem se modificado. Nesse sentido, os esforços devem se voltar para a formulação de mecanismos de permanência, garantindo a consolidação desse processo de democratização. Atualmente, um grande número de universidades públicas já adotou alguma modalidade de ação afirmativa e o esperado é que no prazo máximo de quatro anos, a partir da data de publicação da Lei , as instituições reservem o mínimo de 50% de suas vagas para atender os estudantes dentro do perfil selecionado 3. Estudo realizado por Sousa e Portes (2011) em 2009 revela que das 59 universidades federais pesquisadas, 64% adotavam políticas/ações afirmativas e 36% não 2 Nesse caso, esses alunos estão invisíveis também para a pesquisa. 3 A referida lei prevê que as instituições federais de educação superior reservem no mínimo 50% de suas vagas para estudantes que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas. Metade dessas vagas deverá ser reservadas aos estudantes oriundos de famílias com renda igual ou inferior a 1,5 salário-mínimo per capita e preenchidas por curso e turno, por autodeclarados pretos, pardos e indígenas, segundo a proporção na população do Estado. 3

4 adotavam. Os autores ainda mostram que do total das universidades federais que adotam as políticas/ações afirmativa (38 universidades), 74% não citam na documentação analisada a questão da permanência/assistência e apenas 26% mencionam a permanência/ assistência (SOUZA e PORTES, 2011). Tal situação evidencia os olhares devem se voltar para a criação de programas de assistência estudantil aos estudantes que se utilizam das promoções de ingresso e conseguem chegar a esse nível de ensino (SOUZA e PORTES, 2011, p. 527), de maneira que sua permanência seja garantida e, assim, se possa falar em democratização das universidades públicas (Ibidem). Na atual conjuntura da educação superior podemos chamar muitos dos sujeitos que ainda sofrem os resquícios da tradição elitista e excludente desse nível de ensino de excluídos do interior (BOURDIEU e CHAMPAGNE, 2011) ou ainda dizer que esses sujeitos fazem parte de um processo de inclusão excludente (EZCURRA, 2011). De acordo com Bourdieu e Champagne (2011), a instituição é habitada, permanentemente, por excluídos potenciais que introduzem nela as contradições e conflitos associados a uma escolarização cujo único objetivo é ela mesma (BOURDIEU e CHAMPAGNE, 2011, p. 221). A pesquisa de Alain Coulon (2008) evidencia que a democratização do acesso ao ensino superior [...] não foi acompanhada por uma democratização do acesso ao saber (COULON, 2008, p. 21). Essas experiências mostram que as dificuldades encontradas pelos estudantes se referem tanto à questão material como à questão imaterial da permanência. Os programas de assistência estudantil são importantes para a garantia da permanência dos alunos dentro das instituições de educação superior, pois os obstáculos dos estudantes vão desde a escolha do curso até a sua conclusão. Segundo Alain Coulon (2008), os relatos diários analisados em sua pesquisa indicaram que muitos alunos dizem escolher o curso ao acaso. Coulon relaciona essa escolha não ao acaso, mas a interferência de sua posição social e cultural (COULON, 2008). Por isso, a questão da permanência na instituição se torna tão complexa e ao mesmo tempo imprescindível, pois cada curso apresenta suas especificidades em relação as necessidade dos alunos, visto que o perfil socioeconômico interfere no processo de escolha da carreira. 4

5 O acesso e a permanência na Universidade Federal Fluminense: um olhar sobre os cursos de Pedagogia (Niterói e Angra dos Reis) e Engenharia Mecânica (Niterói e Volta redonda) Estudar a permanência de estudantes em carreiras de prestígio social diferenciado é imprescindível para se compreender como a universidade vem elaborando suas estratégias frente aos desafios do processo de democratização da educação superior. Na Universidade Federal Fluminense, o curso de Engenharia Mecânica, tanto em Niterói como no interior está entre os seis cursos mais concorridos de acordo com a relação candidato/vaga do vestibular de 2012 (18,46% e 8,17% respectivamente) ao passo que o curso de Pedagogia se encontra entre os sete cursos menos concorridos tanto em Niterói como no interior (3,32% e 0,71% respectivamente) (UFF, 2013). Essa diferenciação interna das carreiras também provoca uma diferenciação dos estudantes, ou seja, alunos de origens sociais menos favorecidas tendem a se direcionar para cursos de menor prestígio social e vice-versa. Perfil socioeconômico dos estudantes de cursos selecionados, ações afirmativas e de permanência. A literatura aponta que indicadores de titulação dos pais, renda, situação de trabalho, origem do ensino médio, cor e estado civil são vantajosos no processo de escolarização (SETTON, 1999 e VARGAS, 2008). Portanto, as variáveis para a análise do perfil socioeconômico trabalhadas nessa pesquisa são essas já descritas como favorecedoras do êxito escolar: cor, escolaridade dos pais, renda familiar e escola que estudou durante todo o ensino médio. À guisa de síntese, é possível apontar alguns aspectos que os dados do ENADE 4 e da COSEAC revelaram: 1) o perfil socioeconômico do aluno de Pedagogia é mais baixo do que o de Engenharia Mecânica, mesmo quando comparado no interior; 2) as condições de favorecimento social (branco, renda nos estratos mais elevados, alta escolaridade de pais, ensino médio privado) se acentuam entre os concluintes, quando comparados com os ingressantes;3) à exceção do curso de Pedagogia em Niterói, a adoção da política de bônus em 2008 não contribuiu para democratizar os indicadores sociais estudados; 4) o perfil do aluno de Niterói no curso 4 Não foram utilizados os dados do ENADE 2005, pois nesse ano a UFF ainda não havia adotado as ações afirmativas. Em relação ao ENADE 2008, só foram analisadas as respostas dos alunos ingressantes nesse ano, pois quem concluiu o curso em 2008, ingressou na UFF provavelmente em Logo, ainda não havia ação afirmativa nesse ano. Com relação ao ano de 2011, o ENADE 2011 só trabalhou com os dados de alunos concluintes, por isso as informações obtidas se referem aos alunos que concluíram o curso nesse ano. 5

6 de Engenharia Mecânica é mais elevado do que o do interior; 5) o percentual de alunos ingressantes via ação afirmativa na UFF (recorte social) no cursos 5 selecionados é muito próximo e bem pequeno, tendo a Engenharia Mecânica de Volta Redonda o maior percentual (Pedagogia /Niterói: 2,5% Pedagogia/ Angra dos Reis : -; Engenharia Mecânica / Niterói: 2,6%; Engenharia Mecânica /Volta Redonda : 2,8%) ; 5) em 2011, nenhum aluno bonificado concluiu os cursos de Pedagogia (Angra dos Reis), Engenharia Mecânica (Niterói) e Engenharia Mecânica (Volta Redonda), apenas no curso de Pedagogia (Niterói), 3,9% dos alunos concluintes entraram na UFF através das ações afirmativas; 6) o perfil socioeconômico do aluno bonificado é menor do que do aluno não bonificado; 7) apesar de haver uma diferença entre o perfil socioeconômico do aluno bonificado e do aluno não bonificado, no curso de Pedagogia essa diferença não é tão acentuada; 8) o perfil socioeconômico do aluno do interior no curso de Pedagogia apresenta uma diferença suave em relação aos alunos da sede, enquanto no curso de Engenharia Mecânica essa diferença é mais acentuada; 9) o percentual de alunos que recebe algum tipo de bolsa 6 da instituição, em 2011, no curso de Pedagogia é maior do que no curso de Engenharia Mecânica (Pedagogia / Niterói: 23,4%; Pedagogia / Angra dos Reis: 0 %; Engenharia Mecânica / Niterói: 9,9%; Engenharia Mecânica / Volta Redonda: 0%); 10) os dados coletados sobre o percentual de alunos contemplados com algum tipo de bolsa ou auxílio nos cursos aqui analisados mostram que em 2011 apenas 23,4% dos alunos Pedagogia (Niterói) e 9,9% dos alunos de Engenharia Mecânica (Niterói) recebeu alguma bolsa da própria instituição. Nenhum aluno desses cursos no interior recebeu algum tipo de bolsa ou auxílio da própria UFF; 11) em 2011 nenhum aluno concluinte de Engenharia Mecânica, em ambas as localidades, entrou na universidade via ação afirmativa, porém, nesse mesmo ano, 9.9% dos alunos que concluíram o curso de Engenharia Mecânica em Niterói recebeu algum tipo de bolsa da própria instituição. No curso de Pedagogia (Niterói), 3,9% dos alunos concluintes, em 2011, entraram via AA, ao passo que 23,4% dos alunos concluintes desse mesmo ano receberam alguma bolsa da instituição; 12) o perfil de alunos que necessitam de um maior acompanhamento se encontra em cursos de menor prestígio social, como a Pedagogia. 5 Em 2008, não houve vestibular no curso de Pedagogia de Angra dos Reis. 6 A utilização apenas das respostas do Questionário ENADE de 2011 se deve ao fato do mesmo ser o único que possui uma questão específica sobre bolsas e auxílios nas Instituições Federais de Educação Superior (IFES). Os Questionários do ENADE de 2005 e 2008 não possuem esse tipo de questão. 6

7 Nesse caso, os dados analisados apontam para possíveis questões e reflexões acerca da situação do acesso e da permanência dos alunos dos cursos por nós estudados. Podemos dizer que não são apenas os alunos que entraram por ação afirmativa que necessitam e buscam uma bolsa de assistência estudantil da instituição, mas que outros alunos também precisam do apoio e suporte da universidade no tocante à permanência. As especificidades da relação entre acesso e permanência desses cursos na UFF serão mais bem compreendidas a partir dos relatos dos alunos dos cursos de Pedagogia e Engenharia Mecânica que são os sujeitos dessa relação. Artimanhas da universidade: a invisibilidade dos alunos As entrevistas foram realizadas com alunos que têm um perfil socioeconômico baixo, pois esse é o recorte para a obtenção do bônus e/ou das bolsas/auxílios de assistência estudantil. Aqueles que não entram na universidade através das ações afirmativas, fizeram o ensino médio em instituição privada. Em quase todas as entrevistas, os pais têm uma escolaridade baixa, assim como a renda familiar. Das seis entrevistas realizadas com alunos do curso de Pedagogia, apenas dois dizem ter escolhido esse curso por vocação, os outros optaram pela facilidade e por ser o curso que estava no campo das possibilidades, reforçando o conceito de causalidade do provável (BOURDIEU, 2011). No caso dos alunos entrevistados da Engenharia Mecânica, apesar de também terem um perfil socioeconômico mais baixo, escolheram esse curso por vocação e também pela experiência no curso técnico. A hierarquia de carreiras (COELHO 1999; VARGAS, 2010) aparece com grande destaque na relação dos alunos com o fato de serem ou não bonificados e bolsistas. Grande parte dos alunos de Pedagogia acha que deveria haver uma bolsa específica que atendesse diretamente aqueles que entraram via ação afirmativa, ao passo que na fala de um aluno da Engenharia Mecânica fica evidente a questão do mérito, do esforço próprio na aquisição de determinado benefício, sancionando a herança cultural e o dom social como formas de legitimar as desigualdades sociais (BORDIEU, 2011), como se observa abaixo: C.: Acredito que principalmente alunos do meu curso precisam de algum apoio financeiro da universidade, porque é uma característica do curso de Pedagogia que os alunos têm baixa renda (Pedagogia- Niterói). K.: Sem trabalhar e sem bolsa é impossível se manter na faculdade, pois é tudo caro (Pedagogia-Angra dos Reis). 7

8 A.: Eu não acho que essa bolsa deveria ser dada assim, logo que você entra, sabe? Eu acho que tem que haver um esforço da parte do aluno porque aquilo que você ganha sem esforço você acaba não dando valor, sabe? (Engenharia Mecânica-Niterói). Outro fato que colabora com o processo de hierarquização das carreiras emerge quando não é possível encontrar alunos não bonificados e bolsistas no curso de Engenharia Mecânica. Ainda sobre o processo de diferenciação de carreiras, um número muito pequeno de alunos da Engenharia Mecânica tiveram ao longo do curso, dificuldades subjetivas, ao contrário dos estudantes de Pedagogia que relatam preconceitos e discriminações. Essas práticas brandas e dissimuladas de exclusão interferem de forma intensa na permanência simbólica. E: As pessoas veem tudo na minha mão; um pano, uma panela, uma vassoura, tudo invisível. Isso me incomoda não pelo fato de poder trabalhar aqui, mas eu me sinto mal por acharem que eu não posso estar aqui estudando. Velho e negro na faculdade tem que estar lá para trabalhar. (Pedagogia-Niterói). É necessário, portanto, a criação de estratégias capazes de fomentar a inserção e inclusão de grupos socialmente marginalizados nos espaços sociais. Em todas as entrevistas realizadas com os alunos dos diferentes cursos, a questão da falta de divulgação das bolsas de assistência estudantil é enfocada, assim como a falta de infraestrutura em Niterói e principalmente no interior. Além disso, os estudantes ressaltam que as bolsas de assistência estudantil, em sua maioria, só os ajudam financeiramente e que sentem falta de uma inserção acadêmica e pedagógica que contribuísse na trajetória dentro da universidade. D.: As pautas do interior são sempre colocadas para escanteio (Pedagogia- Angra dos Reis). R: A divulgação de bolsas é muito fraca, geralmente quem quer a bolsa é que corre atrás de informações (Engenharia Mecânica Volta Redonda). N.: Essa bolsa é financeira na verdade, ela é só para te ajudar a pagar o aluguel (Engenharia Mecânica Niterói). T.: A universidade precisa conhecer mais a região em que está inserida, a comunidade que atende, os cursos que atraem a população residente na região e que os alunos de outras regiões têm dificuldades de se manterem (Pedagogia- Angra dos Reis). As entrevistas mostraram ainda que os mecanismos de permanência da UFF - bolsas e auxílios de assistência estudantil- são extremamente valiosos para os alunos, 8

9 porém é necessário expandir esses programas. As políticas de acesso e permanência se relacionam de diferentes maneiras na UFF e muitas vezes uma não complementa a outra, visto que os alunos podem ter entrado via ação afirmativa, mas não fazem parte de nenhum programa ou auxílio de assistência estudantil, podem ter entrado via AA e possuir alguma bolsa ou auxílio e podem também não ter entrado via AA, mas possuírem alguma bolsa ou auxílio. É fato que existem diversos tipos de bolsa nessa universidade, porém é importante ressaltar que a permanência deve se referir ao suporte material e imaterial e poucas bolsas e auxílios tem a proposta de contribuir simultaneamente nos aspectos financeiros, intelectual e pedagógico. Apesar de haver um esforço da universidade em fomentar as políticas de acesso e permanência, não parece que elas estão caminhando juntas - apesar de haver um investimento considerável nessas políticas por parte da UFF - haja vista que os alunos se apropriam de formas diferentes das políticas de acesso e permanência. Considerações Finais Entre a análise histórica, os dados coletados e as falas dos alunos, esse trabalho buscou compreender de que forma as políticas de ação afirmativa e as políticas de permanência interagem na Universidade Federal Fluminense sob o olhar de cursos de diferentes prestígios sociais e mais ainda, como as bolsas e auxílios oferecidos pela instituição contribuem para a trajetória escolar dos estudantes. A democratização da educação superior é um processo em curso e as políticas de ação afirmativa e permanência se constituem em aspectos fundamentais no esforço para a diminuição das desigualdades sociais. Porém, ainda há muitos limites. Como se vê, a democratização da educação superior não se limita à ampliação das oportunidades de acesso (SOBRINHO, 2011, p. 122), pois é necessário acabar com as diferentes formas de exclusão que se desenvolvem e se reproduzem dentro da própria instituição. As políticas de democratização da educação superior devem ser capazes de transformar significativamente os modelos institucionais e pedagógicos para que não se continue oferecendo os mesmos serviços educativos, com as mesmas orientações metodológicas e concepções curriculares que reproduzem as desigualdades sociais, tornando os alunos invisíveis. As instituições devem se abrir às políticas de democratização, recriando-as cotidianamente. Afinal, democratizar a universidade pública é um ensaio permanente. 9

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOURDIEU, P; CHAMBOREDON, Jean-Claude; PASSERON, Jean-Claude. Ofício do sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis, RJ: Vozes, BOURDIEU, Pierre. Futuro de classe e causalidade do provável. In: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (orgs). Escritos de Educação. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011, p BOURDIEU, Pierre e CHAMPAGNE, Patrick. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (orgs). Escritos de Educação. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011, p BOURDIEU, Pierre & PASSERON, Jean- Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3 ed, Petrópolis, RJ: Vozes, BRANDÃO, Zaia. Entre questionários e entrevistas. In: Pesquisa em Educação: conversas com pós-graduandos. São Paulo: Loyola, 2010, p COELHO, Edmundo. As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: Record, CORDENAÇÃO DE SELEÇÃO ACADÊMICA DA UFF. Disponível em: Acesso em: 24/05/213 COULON, Alain. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia (Edufba), ENADE 2005, 2008 e Relatório de curso. Disponível em: Acesso em: 29/04/2013. ESCURRA, Ana María. Massificación y enseñanza superior: una inclusión excluyente. In: FERNANDEZ LAMARRA, Norberto e PAULA, Maria de Fátima Costa de. La democratización de la educación superior en América Latina: límites e posibilidades. Saenz Peña: Universidad Nacional de Tres de Febrero, 2011, p GOMES, Joaquim Barbosa. Ação afirmativa e princípio constitucional da igualdade. Rio de Janeiro, Renovar, HERINGER, Rosana e PAULA, Marilene de. Caminhos Convergentes: Estado e Sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro. Fundação Heinrich Boll, ActionAid, LAHIRE, Bernard. Crenças coletivas e desigualdades culturais. Educ. Soc. Campinas, vol 24, n. 84, p , setembro LEI n de 29 de agosto de Disponível em: Acesso em: 26/11/2012. NASCIMENTO, Clara Martins do. A assistência estudantil e a democratização da permanência do estudante no ensino superior público. XXVIII Congresso 10

11 Internacional da ALAS, 6 a 11 de setembro de 2011, UFPE, Recife-PE. Disponível em: <http://www.alas2011recife.com/>. Acesso em: 25 fev NOGUEIRA, Maria Alice e NOGUEIRA, Claúdio Martins. Bourdieu & a Educação. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, PIOVESAN, Flávia. Ações afirmativas sob a perspectiva dos Direitos Humanos. In SANTOS, Sales Augusto dos. (Org). Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada Alfabetização e Diversidade, 2005 PNAES. Disponível em: Acesso em: 20/11/2013. SETTON, Maria da Graça Jacinto. A divisão interna do campo universitário: uma tentativa de classificação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 80, n. 196, p , 1999 SOBRINHO, José Dias. Educação superior: democratização, acesso e permanência com qualidade. In: PAULA, Maria de Fátima Costa de e FERNÁNDEZ LAMARRA, Norberto (Orgs.). Reformas e democratização da educação superior no Brasil e na América Latina. Aparecida, S.P.: Idéias e Letras, p SOUSA, Letícia Pereira e PORTES, Écio Antônio. As propostas de políticas/ações afirmativas das universidades públicas e as políticas/ações de permanência nos ordenamentos legais. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 92, n. 232, p , set./dez UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Vestibular Estatística. Relação Candidato Vaga. Disponível em: Acesso em: 03/08/2013. VARGAS, Hustana Maria. Políticas de permanência na Universidade Federal Fluminense: um estudo na perspectiva das carreiras e da interiorização. In: PAULA, Maria de Fátima Costa de e SILVA, Maria das Graças Martins da (Orgs.). As políticas de democratização da educação superior nos estados do Rio de Janeiro e de Mato Grosso: produção de pesquisas e questões para o debate. Cuiabá: Editora da UFMT, 2012, p Represando e distribuindo distinção: a barragem do ensino superior. Tese (Doutorado em Educação), PUC, Rio de Janeiro, Sem perder a majestade: "profissões imperiais" no Brasil. Estudos de Sociologia (São Paulo), v. 15, p , ZAGO, Nadir. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v 11, n 32, 2006, p

Afro-descendentes no Brasil: combate à pobreza e políticas de ação afirmativa como estratégias de superação das desigualdades de gênero e

Afro-descendentes no Brasil: combate à pobreza e políticas de ação afirmativa como estratégias de superação das desigualdades de gênero e Afro-descendentes no Brasil: combate à pobreza e políticas de ação afirmativa como estratégias de superação das desigualdades de gênero e étnico/raciais Debate nacional sobre a implantação das políticas

Leia mais

FATORES QUE INFLUENCIAM O PROCESSO DE ESCOLHA DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

FATORES QUE INFLUENCIAM O PROCESSO DE ESCOLHA DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR FATORES QUE INFLUENCIAM O PROCESSO DE ESCOLHA DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Pryscilla Ayhumi Aymori Martelli 1 Adriana Regina de Jesus Santos 2 Resumo O segmento de Educação Superior no Brasil tem

Leia mais

EIXO 2: Políticas de educação básica e de formação e gestão escolar

EIXO 2: Políticas de educação básica e de formação e gestão escolar EIXO 2: Políticas de educação básica e de formação e gestão escolar A IDENTIDADE DO ENSINO MÉDIO, UM DESAFIO PARA AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS Silvana Mesquita Pontifícia Universidade Católica RJ silvana.mesquita@ig.com.br

Leia mais

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS Rodolfo Dias Pinto 1 Maria de Lourdes dos Santos 2 1 Bolsista do Programa de Projetos de Pesquisa na Licenciatura

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Faculdade Zumbi dos Palmares RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA INSTITUTO AFRO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR Faculdade Zumbi dos Palmares Faculdade de Pedagogia RESUMO SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO E BUROCRACIA O MITO DA EDUCAÇÃO LIBERTADORA JOYCE MOURÃO RODRIGUES

Leia mais

O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR

O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR O ACESSO E PERMANÊNCIA DOS ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR E A PRÁXIS DO GESTOR Gisele do Rocio Cordeiro Luis Fernando Lopes RESUMO A pesquisa tem o intuito de contribuir com a discussão sobre o papel do

Leia mais

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA

TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA TÍTULO: OS DESAFIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO MÉDIO PARAÍBA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO O estudo a seguir refere-se ao perfil dos alunos ingressantes na USP, ou seja, alunos aprovados no vestibular da FUVEST e que efetivamente confirmaram a sua matrícula no curso escolhido. Para o cálculo

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

Gabinete do Deputado Davidson Magalhães PCdoB/BA

Gabinete do Deputado Davidson Magalhães PCdoB/BA PROJETO DE LEI Nº,DE 2015. (Do Sr. Davidson Magalhães) Dispõe sobre a reserva de vagas para o ingresso na pós-graduação nas universidades e instituições federais de ensino superior e dá outras providências.

Leia mais

Tecnologia Assistiva: uma análise das percepções dos professores sobre o uso desse recurso na promoção da inclusão educacional

Tecnologia Assistiva: uma análise das percepções dos professores sobre o uso desse recurso na promoção da inclusão educacional Tecnologia Assistiva: uma análise das percepções dos professores sobre o uso desse recurso na promoção da inclusão educacional Cláudia Danielle de França Otoni Rejane Fernandes da Silva Vier Prof. Dra.

Leia mais

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios

Leia mais

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS

RESOLUÇÃO n 048 TÍTULO I DA NATUREZA, DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS RESOLUÇÃO n 048 0 CONSUPER/2012 Regulamenta o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal Catarinense. Processo nº 23348.000931/2012-24. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina²

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² Introdução: Em fevereiro de 2004, o Ministério da Saúde institui

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

MMC E MDC: COMO ENSINAR? UM DESAFIO PARA O PROFESSOR

MMC E MDC: COMO ENSINAR? UM DESAFIO PARA O PROFESSOR MMC E MDC: COMO ENSINAR? UM DESAFIO PARA O PROFESSOR Erysson Romero Gomes de Brito, Neuziene Garcia Pereira; Patrícia Conrado de Souza; Tâmila Kasimura da silva Fernandes Universidade estadual da Paraíba,

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS INTRODUÇÃO SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Thialy Thaís da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) thialy_thais@hotmail.com As Salas de Recursos Multifuncionais (SRMF) foram instituídas pelo Programa

Leia mais

ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL

ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL Mileide Cristina Stoco de Oliveira Magda Campos Curcino Eliane Ferrari Chagas

Leia mais

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade Antônio Lidio de Mattos Zambon Coordenador Geral de Políticas

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO

Leia mais

2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI

2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI 2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI Atividades da Coordenação Geral de Educação Escolar Indígena 18.11.2014 TERRITÓRIOS ETNOEDUCACIONAIS Pactuação de 02 TEEs TEE

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 33/CUn/2013, DE 17 SETEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 33/CUn/2013, DE 17 SETEMBRO DE 2013. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SC TELEFONE (048) 3721-9522 - 3721-9661 -3721-4916

Leia mais

Acesso e Permanência no Ensino Superior

Acesso e Permanência no Ensino Superior Acesso e Permanência no Ensino Superior José Francisco Soares Presidente do INEP Brasília-DF Março 2015 Censo da Educação Superior Características: Anual e sistemático; Declaratório; Participação obrigatória;

Leia mais

Masculinidade na Construção da Saúde do Homem

Masculinidade na Construção da Saúde do Homem UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Masculinidade na Construção da Saúde do Homem Autores Marianne Cardoso Julio Neuza Cristina Gomes da

Leia mais

Uma contribuição para o debate sobre a renovação do sistema de cotas da UEL.

Uma contribuição para o debate sobre a renovação do sistema de cotas da UEL. 1 Uma contribuição para o debate sobre a renovação do sistema de cotas da UEL. Apresentação Este texto apresenta algumas reflexões e considerações do NEAB (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros) a respeito

Leia mais

Conceito de raça e relações étnico-raciais

Conceito de raça e relações étnico-raciais Conceito de raça e relações étnico-raciais Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP email: prof.dpastorelli@usjt.br blog: danilopastorelli.wordpress.com Você já sofreu ou conhece alguém que

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN AVALIAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFAM Lei Nª 11.872/2008 Art. 7ª - Objetivos dos Institutos Federais: I - ministrar educação profissional

Leia mais

ALFABETIZAR PARA E PELA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UM DESAFIO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

ALFABETIZAR PARA E PELA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UM DESAFIO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZAR PARA E PELA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UM DESAFIO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Raquel de Sousa Poubaix Diniz Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF / arpourbaix@gmail.com

Leia mais

ENADE: OS RESULTADOS INFLUENCIAM NA GESTÃO ACADÊMICA E NA QUALIDADE DOS CURSOS

ENADE: OS RESULTADOS INFLUENCIAM NA GESTÃO ACADÊMICA E NA QUALIDADE DOS CURSOS ENADE: OS RESULTADOS INFLUENCIAM NA GESTÃO ACADÊMICA E NA QUALIDADE DOS CURSOS Maria Luiza Miranda Ribeiro ¹,Nalzilene Raposo ² Universidade Estadual do Maranhão 1, Universidade Estadual do Maranhão 2

Leia mais

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope

PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR. Realização: Ibope PERFIL DO DIRETOR ESCOLAR Realização: Ibope A Fundação Victor Civita, que tem por missão contribuir para a melhoria da qualidade da Educação Básica no Brasil, produzindo publicações, sites, material pedagógico,

Leia mais

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. 16 TÍTULO: UM RELATO DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM SINDROME DE DAWN NA REDE REGULAR DE ENSINO CORAÇÃO DE JESUS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO 1º/ 2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO 1º/ 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO 1º/ 2016 EDITAL Nº 213 DIPS/UFLA, de 16 de dezembro de 2015 A Pró-Reitora de Graduação, por meio

Leia mais

Proposta de Ação de Extensão

Proposta de Ação de Extensão Proposta de Ação de Extensão Dados Gerais Evento: PET INCENTIVA PREAE: Proponente: Daniel Juliano Pamplona da Silva (Instituto de Ciência e Tecnologia) Edital: 06/2015 (Fluxo contínuo - EVENTOS) Área CNPq:

Leia mais

Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Diversidade NEPED/IFRN

Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Diversidade NEPED/IFRN Dias 20 e 21 Auditório CE FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS PARA LEVANTAMENTO DE INDICADORES DA QUALIDADE SOCIAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Márcio Adriano de Azevedo Doutor em Educação pela UFRN e

Leia mais

GUIA PROCESSO SELETIVO

GUIA PROCESSO SELETIVO GUIA PROCESSO SELETIVO Você sabia que o IF Sudeste MG leva você aonde quiser chegar? Pois é. E para aproveitar do nosso ensino público, gratuito e de qualidade é preciso ficar atento às datas e regras

Leia mais

MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação

MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação MEI Agenda de Aprimoramento de Recursos Humanos para Inovação Proposta de Trabalho Brasília, 30 de novembro de 2012 São Paulo, Agosto 2011 Apresentação do projeto HORÁCIO PIVA 1 Recursos humanos qualificados

Leia mais

XIII Congresso Brasileiro de Sociologia 29 de maio a 1 de junho de 2007, UFPE, Recife (PE)

XIII Congresso Brasileiro de Sociologia 29 de maio a 1 de junho de 2007, UFPE, Recife (PE) XIII Congresso Brasileiro de Sociologia 29 de maio a 1 de junho de 2007, UFPE, Recife (PE) GT Educação e Sociedade ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO E PROPRIEDADES CULTURAIS: SELETIVIDADE E DEMOCRATIZAÇÃO

Leia mais

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO

O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO O OLHAR DOS FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA SOBRE O PAPEL DO PIBID EM SUA FORMAÇÃO Simone Marks Santos 1 Alessandro Frederico da Silveira 2 Resumo: O presente artigo apresenta o resultado de uma investigação

Leia mais

Pesquisa. Artigo: André Pereira Neto Pesquisador defende criação de selo de qualidade para sites com informações sobre Saúde

Pesquisa. Artigo: André Pereira Neto Pesquisador defende criação de selo de qualidade para sites com informações sobre Saúde VENDA PROIBIDA DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Pesquisa ANO VIII N 32 SETEMBRO DE 2015 Sistema promete otimizar uso de energia solar na iluminação de ambientes Entrevista: Luis Fernandes Presidente da Finep diz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO RESULTADO DA 1ª ETAPA DO PROCESSO SELETIVO EDITAL NPGED/POSGRAP Nº 01/2014 VAGAS INSTITUCIONAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

EDITAL PPGSP PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD-CAPES 2016

EDITAL PPGSP PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD-CAPES 2016 EDITAL PPGSP PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD-CAPES 2016 O Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF informa que

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS EM DEBATE: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

AÇÕES AFIRMATIVAS EM DEBATE: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI 1 AÇÕES AFIRMATIVAS EM DEBATE: O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI APRESENTAÇÃO Letícia Pereira de Sousa pedagogaleticia@gmail.com Écio Antônio Portes eaportes@gmail.com No contexto atual

Leia mais

Compras a prazo por mulheres

Compras a prazo por mulheres Compras a prazo por mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE FORMULAÇÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA

Leia mais

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília 2014 Extensão: 8,5 milhões km 2 População: 191,5 milhões População

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA DA UEPG SINAES ENADE 2010 Ponta Grossa 2012 REITORIA Reitor João Carlos Gomes Vice-reitor Carlos Luciano Sant Ana Vargas PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO

EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO EDITAL 004/2016 Câmpus Araraquara SELEÇÃO DE BOLSISTAS - BOLSA EXTENSÃO ABERTURA O Diretor Geral do câmpus Araraquara do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, torna pública,

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE TANQUE NOVO, ESTADO DA BAHIA, usando de uma das suas atribuições que lhes são conferidas por lei, e PORTARIA Nº 01/2011 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre o processo de matrícula/2012 dos alunos nas Unidades Escolares Municipais - UEM e organização do período letivo de ensino 2012 no município de

Leia mais

Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB

Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB SEÇÃO 1 Evento de Alinhamento de Conhecimentos e Habilidades para Aplicação do SAEB SAEB: Compromisso com a promoção, melhoria da qualidade da Educação Básica e promoção da equidade Em uma escola pública...

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS Andrea Soares Wuo Aline Martins Varela Juliany Mazera Fraga Rita Buzzi Rausch Universidade Regional de Blumenau FURB Eixo Temático: Política

Leia mais

e educação de jovens e adultos

e educação de jovens e adultos Formação de neoleitores e educação de jovens e adultos Tancredo Maia Filho III Fórum do Plano Nacional do Livro e Leitura III Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias 20 de agosto

Leia mais

DOSSIÊ EDUCAÇÃO INTEGRAL / INTEGRAL EDUCATION DOSSIER

DOSSIÊ EDUCAÇÃO INTEGRAL / INTEGRAL EDUCATION DOSSIER DOSSIÊ EDUCAÇÃO INTEGRAL / Integral Education Dossier 19 APRESENTAÇÃO EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL: desafios e possibilidades no campo das políticas afirmativas de direitos * INTRODUCTION Full-time

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil

Política Nacional de Educação Infantil Política Nacional de Educação Infantil Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Conferência Global sobre Desenvolvimento na Primeira

Leia mais

Florianópolis, 06 de dezembro de 2013.

Florianópolis, 06 de dezembro de 2013. AVALIAÇÃO DE POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL RESULTADOS DA PARCERIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL E UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EAD Ariane Rodrigues Pereira; Mestre

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO Palavras-chave: Identidade do Pedagogo. Formação de Professores. Licenciatura em Pedagogia. LDB 9394/96. Introdução Este trabalho

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Políticas Públicas Educacionais 02

Políticas Públicas Educacionais 02 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDITAL Nº 01/2016 EDITAL DE INSCRIÇÃO E CREDENCIAMENTO DE DOCENTES NO QUADRO

Leia mais

PROFUNCIONÁRIO CURSO TÉCNICO DE FORMAÇÃO PARA OS FUNCIONÁRIOS DA EDUCAÇÃO.

PROFUNCIONÁRIO CURSO TÉCNICO DE FORMAÇÃO PARA OS FUNCIONÁRIOS DA EDUCAÇÃO. PROFUNCIONÁRIO CURSO TÉCNICO DE FORMAÇÃO PARA OS FUNCIONÁRIOS DA EDUCAÇÃO. Mariulce da Silva Lima Leineker.(UNICENTRO). Colégio Estadual Visconde de Guarapuava.- Guarapuava Paraná Palavras-chaves: funcionários,

Leia mais

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES

OFERTA DE DISCIPLINAS ALUNOS REGULARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO OFERTA DE DISCIPLINAS 2015.1 ALUNOS REGULARES DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS (ALUNOS REGULARES): MESTRADO

Leia mais

SERLIBRAS: ESPAÇO DE FORMAÇÃO CONTINUADA. PALAVRAS - CHAVE: SERLIBRAS, surdos e formação de professores.

SERLIBRAS: ESPAÇO DE FORMAÇÃO CONTINUADA. PALAVRAS - CHAVE: SERLIBRAS, surdos e formação de professores. SERLIBRAS: ESPAÇO DE FORMAÇÃO CONTINUADA Larissa Mota de Cerqueira 1 Maria Caroline Mota de Cerqueira 2 Maria de Jesus Oliveira 3 Universidade Estadual da Bahia- Campus XIV Eixo temático: Formação de professores

Leia mais

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil!

Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Cotas raciais nas universidades, a contradição do Brasil! Nathália Norgi Weller 1 RESUMO: A partir do ano de 2001, entra em vigor a lei 3.708, que assegura a negros e pardos 20% das vagas nas universidades

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PERSPECTIVA INCLUSIVA: UMA ANÁLISE DA REESTRUTURAÇÃO DAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PERSPECTIVA INCLUSIVA: UMA ANÁLISE DA REESTRUTURAÇÃO DAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA PERSPECTIVA INCLUSIVA: UMA ANÁLISE DA REESTRUTURAÇÃO DAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Tânia Gonçalves Martins 1 Sergio Vasconcelos de Luna 2 Rua Jacuí, 40; bl.09, apto. 402 - Floresta.

Leia mais

ÁREA 1 GESTÃO, PRODUÇÃO E MEIO AMBIENTE

ÁREA 1 GESTÃO, PRODUÇÃO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL EDITAL 2015/01 - A O DIRETOR DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, CONSIDERANDO

Leia mais

EDUCAÇÃO (POPULAR) EM SAÚDE NO CONTEXTO DAS PRÁTICAS DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA: BREVES REFLEXÕES. Rio de Janeiro 2014

EDUCAÇÃO (POPULAR) EM SAÚDE NO CONTEXTO DAS PRÁTICAS DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA: BREVES REFLEXÕES. Rio de Janeiro 2014 II Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente Desenvolvimento, conflito territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para justiça ambiental nas políticas públicas Minascentro Belo Horizonte, 19 22 de

Leia mais

EDITAL Nº 007/2016 POSEDUC/UERN

EDITAL Nº 007/2016 POSEDUC/UERN Campus Central BR 1 KM 46 Rua Prof. Antônio Campos, s/n - Costa e Silva. CEP: 59.633-0 - Caixa Postal 70 - Mossoró RN / Telefones: (84) 3314-3452 FAX: (84) 3314-3452 EDITAL Nº 007/2016 POSEDUC/UERN A Coordenação

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira INFORMATIVO TÉCNICO Nº 2/2015 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: LINHA DE BASE E PROJEÇÕES DE METAS INTRODUÇÃO A Lei do Plano Nacional de Educação (Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014) estabelece

Leia mais

As condições do Trabalho Docente na Universidade Aberta do Brasil: As exigências de formação profissional e as relações de trabalho

As condições do Trabalho Docente na Universidade Aberta do Brasil: As exigências de formação profissional e as relações de trabalho 1 As condições do Trabalho Docente na Universidade Aberta do Brasil: As exigências de formação profissional e as relações de trabalho Tânia Barbosa Martins Orientador: Dr. João dos Reis Silva Júnior Doutorado

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

OSMANYR BERNARDO FARIAS POLÍTICAS DE INSERÇÃO INDÍGENA NA UNIVERSIDADE: O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO SUPERIOR PARA OS ÍNDIOS TERENA

OSMANYR BERNARDO FARIAS POLÍTICAS DE INSERÇÃO INDÍGENA NA UNIVERSIDADE: O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO SUPERIOR PARA OS ÍNDIOS TERENA OSMANYR BERNARDO FARIAS POLÍTICAS DE INSERÇÃO INDÍGENA NA UNIVERSIDADE: O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO SUPERIOR PARA OS ÍNDIOS TERENA UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO CAMPO GRANDE-MS MARÇO 2008 OSMANYR BERNARDO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA INSIKIRAN DE FORMAÇÃO SUPERIOR INDÍGENA GESTÃO TERRITORIAL INDÍGENA MARCOS SILVA DE SOUZA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA INSIKIRAN DE FORMAÇÃO SUPERIOR INDÍGENA GESTÃO TERRITORIAL INDÍGENA MARCOS SILVA DE SOUZA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA INSIKIRAN DE FORMAÇÃO SUPERIOR INDÍGENA GESTÃO TERRITORIAL INDÍGENA MARCOS SILVA DE SOUZA A PERMANÊNCIA DO INDÍGENA NO ENSINO SUPERIOR JULHO/2011 INTRODUÇÃO A pesquisa realizada

Leia mais

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015

Indicadores de Qualidade da Educação Superior. Brasília-DF Agosto 2015 Indicadores de Qualidade da Educação Superior Brasília-DF Agosto 2015 Sobre o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES MARCOS LEGAIS da AVALIAÇÃO da EDUCAÇÃO SUPERIOR Constituição Federal

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Proeja no IFG - Campus Goiânia: os desafios do trabalho docente

Leia mais

EDITAL Nº 015/2015. POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL

EDITAL Nº 015/2015. POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL EDITAL Nº 015/2015. POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL REAVALIAÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS DO BENEFÍCIO PERMANENTE 2014 A Diretoria Geral

Leia mais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES: UM OLHAR SOBRE O TERRITÓRIO DE ABRANGÊNCIA DO CRAS VILA OPERÁRIA-PARANAVAÍ/PR Gabriela Santana de Andrade- (Acadêmica) Unespar/Campus de Paranavaí gabi_santanaandrade@hotmail.com

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016

PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO E COMBATE AO TRABALHO INFANTIL. Araucária 2016 Soeli do Rocio Nunes Lechinhoski Pedagoga do Departamento de Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação (2013-2016) Secretaria

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTE BELO Nº 02/2015

EDITAL PROCESSO SELETIVO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTE BELO Nº 02/2015 EDITAL PROCESSO SELETIVO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONTE BELO Nº 02/2015 A Fundação Educacional Monte Belo, com sede na Alberto de Oliveira Santos, nº 42, Loja 02, Centro, Vitória/ES CEP: 29010-901, torna público

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

MAIS. São Paulo CLARETIANO. Concurso Público. Curso Preparatório para PRA QUEM QUER MAIS EXPERIÊNCIA. MAIS RECONHECIMENTO. de Diretor da SEE/SP

MAIS. São Paulo CLARETIANO. Concurso Público. Curso Preparatório para PRA QUEM QUER MAIS EXPERIÊNCIA. MAIS RECONHECIMENTO. de Diretor da SEE/SP Curso Preparatório para Concurso Público de Diretor da SEE/SP MAIS EXPERIÊNCIA. MAIS RECONHECIMENTO. CLARETIANO PRA QUEM QUER MAIS São Paulo RUA MARTIM FRANCISCO, 604 SANTA CECÍLIA - PRÓXIMO DO MÊTRO (11)

Leia mais

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação Dr. Luiz F. Dourado -UFG Brasília, 16.04.08 Democratização gestão e qualidade social da educação = Coneb

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE CULTURA, EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROCEA. COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE CULTURA, EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROCEA. COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Edital 001/2010- PROCEA/UNIR PROGRAMA CONEXÕES DE SABERES/ESCOLA ABERTA A Pró-Reitora de Cultura, Extensão e Assuntos Estudantis - PROCEA, por meio da Coordenação de Extensão, no uso de suas atribuições

Leia mais

Dia 21/07/2016 Quinta-Feira Horário: 15:50. Formação de auxiliares de arquivo e biblioteca como política pública brasileira de educação profissional

Dia 21/07/2016 Quinta-Feira Horário: 15:50. Formação de auxiliares de arquivo e biblioteca como política pública brasileira de educação profissional 3º INTEGRAR Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus Tema: PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES São Paulo, 19 a 21 de julho de 2016. Dia 21/07/2016 Quinta-Feira

Leia mais

EDITAL MOBILIDADE INTERNACIONAL AMÉRICA LATINA Edital N 05/2014 DRI/PROAES

EDITAL MOBILIDADE INTERNACIONAL AMÉRICA LATINA Edital N 05/2014 DRI/PROAES EDITAL MOBILIDADE INTERNACIONAL AMÉRICA LATINA Edital N 05/2014 DRI/PROAES Dispõe sobre o programa de Mobilidade Acadêmica Internacional para alunos de graduação da Universidade Federal Fluminense que

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI CAMPUS URUÇUÍ

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI CAMPUS URUÇUÍ EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI URUÇUÍ PI, 02 DE FEVEREIRO DE 2015 DIRETORIA GERAL Miguel Antônio Rodrigues DITERORIA DE ENSINO Dayonne Soares dos Santos

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA PROJETO DE EXTENSÃO ACADÊMICA ENSINANDO PARA APRENDER: CAMINHOS DA PROFISSÃO Edital 006/2015 FVJ Seleção de alunos dos

Leia mais

NORMAL MÉDIO. Parte Diversificada. Tópicos Educacionais

NORMAL MÉDIO. Parte Diversificada. Tópicos Educacionais NORMAL MÉDIO Parte Diversificada Tópicos Educacionais 2013 GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Eduardo Campos VICE-GOVERNADOR João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO Ricardo Dantas SECRETÁRIO EXECUTIVO DE PLANEJAMENTO,

Leia mais

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC AÇÕES AFIRMATIVAS EDITAL PIBIC-AF/ CNPq/UPE 2012-2013 APRESENTAÇÃO O programa PIBIC nas Ações Afirmativas resulta

Leia mais