SISTEMA DE GESTÃO DE CLÍNICA ODONTOLÓGICA: Estudo Caso Clínica Dentária Uniodonto, Lda.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO DE CLÍNICA ODONTOLÓGICA: Estudo Caso Clínica Dentária Uniodonto, Lda."

Transcrição

1 Departamento de Engenharia e Ciências do Mar Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto Fim de Curso SISTEMA DE GESTÃO DE CLÍNICA ODONTOLÓGICA: Estudo Caso Clínica Dentária Uniodonto, Lda. AUTOR: Flávio Danilson da Luz Dantas ORIENTADOR: Mestre Hernâni Delgado Chantre Mindelo, 2012

2 I

3 Termo de Responsabilidade Asseguro que sou o autor original teste trabalho e que não foi consultado nenhuma fonte de informação além das aqui devidamente referenciadas. Este projecto é propriedade da Universidade de Cabo Verde podendo a mesma na qualidade de Instituição de Ensino Superior Idónea utiliza-lo para quaisquer finalidades que se considerarem pertinentes. O Estudante O Orientador II

4 Resumo O presente projecto tem como objectivo desenvolver um SISTEMA DE GESTÃO DE CLÍNICA ODONTOLÓGICA (SGCO), este sistema foi desenvolvido com foco no funcionamento da Clínica Dentária Uniodonto, Lda., em São Vicente, visando adequar as regras de negócio da mesma, por forma a facilitar aos funcionários um maior controlo sobre as suas actividades, podendo registar os dados pessoais dos pacientes, a anamnese geral do mesmo, efectuar a marcação de uma consulta, controlar o histórico dos tratamentos efectuados, efectuar um orçamento entre outros, proporcionando ao dentista e aos seus pacientes um ambiente seguro, fiável e rápido. Este trabalho está dividido em 5 capítulos, organizado da seguinte forma: No capítulo 1 apresenta-se a introdução do projecto, dando a conhecer o funcionamento geral da clínica em estudo. O capítulo 2 apresenta o estado de arte dos SGCO, mostrando o porquê da implementação do SGCO e seus objectivos. No capítulo 3 se pode encontrar a modelação do SGCO proposto neste projecto, abordando também uma breve descrição do seu funcionamento. O capítulo 4 apresenta a Arquitectura e a implementação do SGCO. Palavras-chaves: Sistema Odontológico, Tecnologia WEB, ASP.NET III

5 Índices 1. Introdução Motivação Estado de arte dos SGCO Sistema Proposto Objectivos Metodologia Modelação do SGCO Funcionamento do SGCO Requisitos do SGCO Diagrama de Caso de Uso Diagrama de Sequência Diagrama de Actividade Diagrama de Classes Arquitectura do SGCO Camada de Acesso a Dados Camada Lógica de Negócio Camada de Apresentação Conclusão Trabalhos Futuros Referências Anexo IV

6 1. Introdução Hoje em dia estamos vivendo na Era da Informação que é marcada por muitas transformações em diversas áreas, sendo Informática e Telecomunicações as que tem causado um maior impacto nas sociedades. Tudo isso levou a uma evolução das TIC no sector da saúde com objectivo de servir as exigências e oportunidades da gestão interna das clínicas, fornecendo maior qualidade e flexibilidade no atendimento ao cliente. Cada vez mais o conhecimento é valorizado, o que levou a uma possibilidade de acesso interactivo on-line a arquivos de informações. São muitas empresas que fazem uso de técnicas que maximizem o processo de tratamento das informações recebidas, impulsionando uma grande competitividade entre elas Actualmente são muitos os softwares que auxiliam na gestão das Clínicas Odontológicas, mas a maioria das clínicas existentes em São Vicente carecem de um sistema de gestão que lhes possibilitem de competir com os demais existentes. Também ainda podemos encontrar muitas outras funcionando da forma tradicional, ou seja, fazendo uso de fichas de papéis para efectuarem o controlo dos serviços, dados dos pacientes, forma de pagamentos, agenda entre outros. Em São Vicente os números de clínicas Odontológicas vem aumentando de uma forma significativa nos últimos anos. Devido a este factor, houve um aumento da concorrência perante os mesmos e consequentemente levou a maioria da população a procurar um tratamento odontológico. A Clínica Dentária Uniodonto, Lda. ainda faz uso desse método tradicional, o que traz várias dificuldades, tanto para o bom funcionamento da clínica, como para os pacientes. Um paciente para começar um tratamento dentário precisa, obrigatoriamente, deslocar à clínica para fazer a marcação da primeira consulta, e raramente esta data é encaixada logo no mesmo dia por falta de lugares disponíveis. Também ao longo do tratamento, são muitas fichas de papel preenchidas manualmente, o que causa uma demora no atendimento e consequentemente pode levar a desistência por parte dos pacientes que se encontram na fila de espera para serem atendidos, por falta de tempo dos mesmos. O uso deste método ainda causa vários problemas, que podemos facilmente identificar como sendo: 1

7 Uma demora na procura da ficha do paciente a ser atendido; Dificuldade na gestão da agenda das consultas; Incoerência dos dados devido a esse método de armazenamento de informação; A utilização do SGCO permitira resolver todos os problemas acimas descritos de uma forma eficaz, possibilitando o armazenamento dos Históricos de consulta dos pacientes de uma forma segura, o agendamento das consultas de uma forma mais eficaz, o controlo dos serviços prestados na clínica, entre outros. A clínica ganhará terreno no mercado competitivo, disponibilizando para seus pacientes um serviço de qualidade. O projecto tem como finalidade a criação de um sistema para a gestão de uma clínica odontológica, recorrendo a tecnologia WEB. Todos os recursos encontram-se facilmente integrado a uma única base de dados, proporcionando ao dentista uma gestão de uma forma fácil e eficiente. Assim para descrever as actividades envolvidas na elaboração e desenvolvimento do Sistema de Gestão de Clínica Odontológica, este trabalho está dividido em 5 capítulos. Cada um está organizado da seguinte forma. O capítulo 1 apresenta uma introdução, abordando a sua contextualização e dando a conhecer o funcionamento básico da clínica em estudo. Também neste mesmo está apresentada a motivação que levou a escolha deste tema. O capítulo 2 apresenta o estado de arte dos SGCO, dando enfâse ao funcionamento geral dos sistemas existentes, e mostrando o porquê da implementação deste sistema. Aborda também todos os objectivos do projecto. O capítulo 3 apresenta a modelação do SGCO proposto, bem como o funcionamento do sistema e seus requisitos. O capítulo 4 apresenta Arquitectura e o desenvolvimento do Sistema de Gestão da Clínica Odontológica. Por último o capítulo 5 aborda as conclusões tiradas com o desenvolvimento desse sistema, bem como sugestões para trabalhos futuros do projecto Motivação As clínicas odontológicas têm como principal função o atendimento a pessoas que apresentam algum tipo de problema bucal, ou até mesmo efectuar um controlo periódico da situação da saúde bucal destas mesmas. Informações relevantes às consultas devem ser mantidas para uma gestão eficaz e segura. 2

8 Com a construção do (SGCO), as pessoas já conseguem agendar a primeira consulta sem ter que sair de casa ou do local de trabalho. Também serão capazes de consultar, sempre que pretenderem, os seus horários das próximas consultas, bastando apenas ter em mãos um computador com acesso a internet, dispensando assim a utilização de fichas de papéis. Os profissionais da clínica terão uma grande facilidade com o sistema, fornecendo assim um maior controlo sobre as suas actividades. Nela, todos os recursos como a gestão dos pacientes, histórico médico, orçamentos, tratamentos, anamnese, tabela de serviços, registo dos funcionários e a agenda estão facilmente integrados de forma a fornecer um atendimento eficaz e rápido para satisfazer os seus clientes. 2. Estado de arte dos SGCO Actualmente, são muitos os softwares de Medicina Odontológica existentes, podendo ser destacadas várias funções como: Registo de clientes, fornecedores, dentistas, entre outros; Registos dos tratamentos que são efectuados na clínica; Registo das tabelas de preço; Registo e controlo dos materiais utilizados na clínica; Capacidade de agendamento, para controlar os horários das consultas dos pacientes; Controlo do Odontograma, onde são registados os tratamentos, anamnese, imagens, histórico dos pacientes; Capacidade de gerar orçamentos que podem ser impressos ou enviados por correio electrónico para os pacientes, entre outros. Grande parte destes softwares, como por exemplo DENTALCLINIC, SMILEPREV_GCO e TOTALCLINIC se encontram divididas em módulos, onde cada um é responsável por uma função, e maioria delas são disponibilizadas para serem utilizadas em apenas um computador, onde são instaladas directamente no disco duro. [10], [11] e [12] Para uma clínica que possui vários computadores, o custo da implementação destes softwares seria demasiado elevado, bem como o custo de manutenção. 3

9 Pode-se destacar também que as empresas desenvolvedoras dos softwares são todas internacionais e consequentemente a obtenção do suporte por parte das mesmas seria mais complicada e dispendiosa Sistema Proposto O Sistema de Gestão de Clínica Odontológica (SGCO) proposto, dificilmente poderia competir com os outros já existentes no mercado, mas veio com a intenção de melhor se adaptar a realidade das Clinicas existentes em Cabo Verde e faz uso da tecnologia WEB. O objectivo principal é construir um sistema que facilmente consegue integrar em qualquer clínica e que se adeqúe, eficazmente, as regras de negócio da clínica e focando nos diferentes perfis consoante o tipo de actor que usa o nosso sistema. O SGCO foi desenvolvido com foco no funcionamento da Clínica Dentária Uniodonto, Lda., localizada na Rua de Côco, São Vicente. Esse SGCO foi implementado num ambiente Web, através do qual os diferentes tipos de actores pudessem interagir com o sistema consoante o perfil associado a cada um. Nela podemos destacar 5 perfis diferentes: o perfil de administrador, o de dentista, o de secretária, o de paciente e o de utilizador anónimo. O perfil utilizador anónimo dá acesso a todas as informações relacionadas com a clínica. Conseguem efectuar um pedido de marcação de uma consulta, através de um formulário disponibilizado na página. Para auxiliar esse pedido, está disponível para este actor a agenda da clínica mostrando os horários ocupados. O perfil Paciente permite o acesso a todas as áreas do perfil acima descrito, com diferença na área onde este actor consegue visualizar os horários das consultas a serem efectuadas na clínica. O perfil secretária permite ao actor gerir todos os processos relacionados com a agenda da clínica, bem como efectuar o registo dos pacientes. Um grande destaque será a agenda, onde o actor consegue consultar o calendário diário, semanal e mensal e marcar um horário de uma consulta para um paciente. Este actor é responsável pela validação dos pedidos das 4

10 marcações das consultas e logo de seguida entrar em contacto com os 2 actores (paciente e utilizador anónimo) para acertar os detalhes. O perfil dentista permite o acesso as áreas do perfil secretária e ainda permite o controlo da gestão dos pacientes, onde consegue efectuar os orçamentos, controlar o histórico médico e odontológico, efectuar os tratamentos, emitir um recibo, levando a uma maior interacção entre clínica/paciente. Por ultimo, o perfil administrador permite ao actor efectuar a gestão interna da clínica, onde este mesmo consegue gerir os dentistas e as funcionárias e atribui-los o perfil pretendido. O SGCO trará um grande benefício para a clínica, que é a adaptação imediata ao meio que se envolve, o que não é conseguido com a maioria dos softwares existentes, visto que estes teriam de ser configuradas para se encaixarem com o funcionamento da clínica. Para uma clínica que pretende ter um software e um website, teria de ter estas duas funcionalidades separadas, logo este sistema veio unir estas duas partes e disponibilizar de uma vez o pretendido, tanto para os dentistas como para os pacientes Objectivos Objectivo Geral Este projecto tem como principal objectivo de desenvolver um sistema de gestão para uma clínica odontológica, proporcionando aos funcionários da clínica um maior controlo sobre as suas actividades. Nela pode-se efectuar a gestão dos pacientes, histórico médico, orçamentos, tratamentos, anamnese, tabela de serviços, registo dos funcionários e efectuar a marcação de uma consulta Metodologia Para a realização deste trabalho, foram feitas várias abordagens, das quais pesquisas na internet, consultas em livros, documentos e softwares da área (DENTALCLINIC, Smileprev_gco e TotalClinic). [10], [11] e [12] 5

11 O desenvolvimento do SGCO foi baseado na seguinte metodologia: Estudo de caso na Clínica Dentária Uniodonto, Lda., (Mindelo - São Vicente), onde este sistema visa ser implementado. O grande foco foi no controlo dos processos fornecidos pela clínica, a partir do qual estudou-se as regras de negócios da mesma, onde se dá início na marcação da primeira consulta até o término do mesmo e a marcação das próximas. A segunda foi efectuada em websites com o foco em pré-agendamento on-line e também em softwares que fazem o controlo geral de clínicas odontológicas. [10], [11] e [12] 3. Modelação do SGCO Neste capítulo serão apresentados todos os processos envolvidos no desenvolvimento do SGCO, fornecendo uma visão geral do funcionamento do sistema. Serão apresentados os requisitos funcionais e não funcionais do SGCO [1]. Com foco nesses requisitos foram modelados alguns Diagramas da UML que fornecem uma visão mais detalhada do SGCO, sendo eles: diagrama de Caso de Uso, diagrama de Sequência, diagrama de Classes e diagrama de Actividades. [2] 3.1. Funcionamento do SGCO O SGCO representará um grande instrumento para auxiliar as clínicas Odontológicas, que levará a um trabalho mais eficiente dos profissionais da área. Contribuirá na evolução dos métodos de atendimento e consultas realizadas nas clínicas, e também permitirá manter o histórico dos pacientes de forma organizada e sigilosa. Existem várias actividades envolvidas no bom funcionamento do sistema de gestão da clínica, sendo as mais principais: Registo dos actores/utilizadores (Paciente, Secretária e Dentista) Registo do Histórico Médico e Odontológico dos pacientes; Registo do Plano Geral de tratamento; Registo dos Procedimentos executados; Marcação do horário de consulta; Solicitação de marcação de uma consulta; 6

12 Validação do pedido de marcação de consulta; Registo de um orçamento; Consulta da agenda da clínica Como mencionado anteriormente, este sistema possui 5 perfis diferentes, onde cada actor associado ao perfil é responsável por efectuar funcionalidades distintas para o bom funcionamento da clínica Requisitos do SGCO Um requisito é definido como uma condição ou uma capacidade com a qual o sistema deve estar de acordo [2], ou seja, todas as funcionalidades que o SGCO deverá permitir efectuar. Os Requisitos Funcionais [2] descrevem as acções realizadas pelo SGCO. Os Requisitos Não Funcionais [2] são as características mínimas do SGCO para que o seu funcionamento seja com qualidade Requisitos Funcionais Segue a lista dos requisitos funcionais do SGCO proposto, com o propósito de fornecer todo o apoio interno para uma boa gestão e armazenamento de informações cruciais na clínica, a fim de permitir um atendimento rápido e eficaz. Registar pacientes O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção de um registo de pacientes. No caso de o paciente já estar registado, deve-se mostrar uma mensagem de erro informando que o mesmo já existe na base de dados. Registar actor/utilizador (Secretária e Dentista) O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção do registo de uma secretária ou de um dentista. No caso do mesmo já estar registado, deve-se mostrar uma mensagem de erro informando que este já existe na base de dados. O sistema deverá permitir a atribuição de papel ao actor para controlar as restrições de acesso ao sistema. Registar Histórico médico e odontológico 7

13 O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção dos históricos dos pacientes. Deverá permitir o acesso a esses dados de forma organizada e detalhada. Registar tratamentos O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção do plano geral de tratamento dos pacientes. Executar procedimentos O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção dos procedimentos executados dos pacientes. Antes, o mesmo deverá permitir o acesso aos planos de tratamentos para um maior controlo por parte do dentista. Registar serviços clínica. O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção do registo dos serviços da Agendar Consulta O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção de um horário de consulta na clínica. Conforme o horário livre na agenda, assim será feita a marcação. Registar Orçamento O sistema deverá permitir a inserção, alteração e remoção de um orçamento feito para um paciente num determinado dia. Solicitar marcação de consulta O sistema deverá permitir a inserção de um pedido de marcação de uma consulta por parte dos pacientes. Validar Pedido marcação de consulta O sistema deverá permitir a confirmação do pedido de marcação de uma consulta. Para isso deverá existir data livre na agenda. Consultar Agenda 8

14 O sistema deverá permitir a exibição dos horários das consultas registados na clínica, de uma forma sigilosa, mostrando apenas que na hora pretendida está ocupada. Consultar Horários das consultas O sistema deverá permitir a consulta de todos os horários registados de um paciente. Os dados serão exibidos caso o paciente disponibilizar o seu nome e seu número de BI Requisitos Não Funcionais Segue a lista de todos os requisitos não funcionais identificados no sistema em estudo. Todas as informações geradas pelo sistema e pela interacção com os utilizadores devem ser estar correctas. Deve permitir armazenar os dados de forma sigilosa, por se tratar de informações médicas dos pacientes. Para ter acesso a essas informações, deve-se estar registado no sistema pelo administrador. O sistema deverá realizar todas as funcionalidades de inserção, busca, entre outros num tempo considerado aceitável, para evitar esperas pelo lado do utilizador. O sistema deverá ser extensível em nível das funcionalidades. O sistema deverá ser compatível com a maioria dos navegadores mais utilizados pelos utilizadores. O sistema deverá estar integrado com a base de dados SQLServer. A Modelação é a arte e ciência que permite criar os vários modelos do SGCO. Permite a partilha de conhecimento entre diferentes os diferentes grupos de actores do sistema, facilita e promove a comunicação entre outros. [1] Através da modelação desse sistema se consegue extrair vários benefícios, tais como: Visualização do sistema; Especificar a estrutura ou o comportamento do sistema; Um maior controlo e guia no processo de construção do sistema; Documentar as decisões tomadas ao longo do desenvolvimento do SGCO. 9

15 Foi utilizada a ferramenta de software Microsoft Visio 2007 para modelar os diagramas da UML, pois permite uma fácil análise orientada a objectos. [13] 3.3. Diagrama de Caso de Uso O diagrama de Caso de Uso é de fácil compreensão para que os utilizadores/actores desse sistema possam ter uma ideia geral de como o SGCO irá se comportar, levando em conta as relações entre as funcionalidades permitidas pelo sistema. Através da entrevista feita com os decisores, foram definidas cinco actores/utilizadores: Paciente, Secretária, Dentista, Administrador e Utilizador Anónimo. A figura 3.1 seguir mostra todas as actividades consideradas principais a serem realizadas no sistema. 10

16 Figura 3.1: Diagrama de Caso de Uso do SGCO 11

17 A seguir apresentamos uma visão micro do caso de uso Validar Pedido Marcação. Figura 3.2: Validar Pedido de Marcação Existem duas relações importantes nesse diagrama que são uses (include) e extend. Um uses é considerado uma relação de dependência, ou seja, para que a funcionalidade base seja efectuada, necessariamente a outra tem de ser realizada em primeiro lugar. Um extend mostra todos os comportamentos opcionais do SGCO, ou seja, funcionalidades que caso não sejam efectuados não afecta no bom funcionamento do sistema. Esse caso de uso permite á secretária consultar os pedidos das marcações de consultas e confirmar ou rejeitar o pedido, dependendo da disponibilidade na agenda. Existe um relacionamento de include entre Validar Pedido Marcação e Consultar Agenda porque, para validar os pedidos é obrigatório que a secretária consulte a agenda da clínica para verificar a disponibilidade do referido pedido. Existe um relacionamento de extend entre Consultar Agenda e Agendar Consulta porque quando a secretária consulta a agenda da clínica ela tem a possibilidade de agendar uma consulta para um paciente. 12

18 3.4. Diagrama de Sequência A Figura 3.3 mostra o diagrama de sequência Executar Procedimento que ilustra interacções entre objectos num determinado período de tempo. [1] Figura 3.3: Diagrama de Sequência Executar Procedimento Este diagrama descreve o momento em que o actor, dentista, preenche os dados dos procedimentos executados no formulário. Procedimento executado é quando um dentista começa um tratamento odontológico num paciente e após efectuar um serviço neste mesmo, o dentista faz o registo do procedimento que foi efectuado. Inicialmente o dentista deve estar na área do paciente em tratamento para que possa visualizar o plano geral de tratamento desse mesmo paciente, antes de começar um novo tratamento. Este paciente deve ter efectuado um orçamento para descrever todos os tratamentos que serão efectuados durante esse tratamento. Para visualizar esse plano de tratamento numa determinada data, o dentista selecciona esta data num ComboBox e o resultado é listado numa tabela. Após a realização desse tratamento, o dentista escolhe inserir esses procedimentos executados, preenchendo um formulário na área de Procedimentos 13

19 executados. Clicando no botão de Novo Procedimento, o dentista tem a opção de inserir esses dados e enviar para o sistema. Após a solicitação de guardar os dados, o sistema recebe esses dados para validação e posteriormente envia-os para a base de dados com o pedido de inserção. No final desses processos, é enviada uma mensagem de confirmação do registo do novo procedimento executado e o sistema redirecciona o dentista para a ficha do paciente Diagrama de Actividade A Figura 3.4 mostra o diagrama de actividade de execução de um procedimento. Descreve os passos a serem percorridos para a conclusão dessa actividade. O diagrama de Actividade tem uma maior concentração na representação do fluxo de controlo de uma actividade. [1] 14

20 Figura 3.4: Diagrama de Actividade Executar Procedimento Para executar um Procedimento, inicialmente o actor/dentista tem de escolher qual opção pretende efectuar, sendo elas: Consultar o plano de tratamento ou inserir um novo plano de tratamento. Caso a primeira opção for escolhida, o dentista terá de seleccionar a data, e de seguida uma lista contendo os dados relativamente a essa data é apresentada. Caso a segunda opção for a pretendida, o dentista faz clique no botão de novo procedimento e o formulário de inserção do novo procedimento será aberto. O actor fornece os dados solicitados no 15

21 formulário, e após essa inserção, ele terá de confirmar a inserção clicando no botão de inserir. O sistema irá efectuar a validação dos dados e caso os dados estiverem incorrectos, este mesmo apresentará uma mensagem de erro ao utilizador. Caso esses dados estiverem correctos, o sistema grava esses mesmos na base de dados, exibe uma mensagem de sucesso e de seguida actualiza a lista dos procedimentos. Essa lista será visualizada pelo actor Diagrama de Classes O diagrama de Classes é considerado o mais importante da UML. Serve de apoio para a maioria dos demais diagramas. Descreve a estrutura estática do sistema, em particular as entidades existentes, as suas estruturas internas, e relações entre si. [1] A figura 3.5 apresenta o diagrama de classe elaborado para esse sistema, que foi concebido através da ferramenta de software DBDesigner v4. Composto por 18 classes, mostra os seus atributos e seus relacionamentos. 16

22 Figura 3.5: Diagrama de classes do SGCO 17

23 Este diagrama define todas as classes utilizadas pelo SGCO, mostrando as relações que cada um está sujeita. A Maioria dessas classes possuem relações de 1 para muitos (1_n) para descrever os vínculos entre si. O relacionamento entre a classe orçamento e serviço possui uma relação de muitos-para-muitos (n_m). Houve a necessidade de quebrar essa relação, gerando numa nova classe chamada de detalhe_orcamento que está relacionada com orçamento e serviço, todas com relações de 1 para muitos (1_n). A Figura 3.6 mostra o relacionamento projectada para efectuar um orçamento. Podemos identificar 7 classes importantes, sendo elas de paciente, orçamento, parcelamento_orcamento, forma_pagamento, detalhe_orcamento, serviço e dente. Figura 3.6: Relacionamento Efectuar Orçamento O quadro contendo as Entidades e Descrições das Tabelas que compõem o Diagrama de Classe do SGCO encontra-se no anexo A1. O dicionário de dados para o SGCO encontra-se no anexo A2. 18

24 4. Arquitectura do SGCO Para o desenvolvimento do SGCO foi utilizado o ambiente Microsoft Visual Studio 2010, responsável por desenvolver aplicações ASP.NET (Active Server Pages), recorrendo a linguagem de programação C#. Também foi utilizado o sistema de gestão de dados Microsoft SQL Server 2008 Express [3] para criar a base de dados responsável por guardar todas as informações da clínica. Como se pode observar, o SGCO é uma aplicação Web, logo a necessidade de ser desenvolvida na plataforma ASP.NET que é uma plataforma da Microsoft para o desenvolvimento de aplicações Web, [17] baseando no framework.net 4.0. Foi utilizada a aplicação Crystal Report [19] para projectar e gerar os relatórios necessários para os negócios da clínica. Para a parte da implementação da agenda foi utilizado utilizando o plugin jquery FullCalendar-asp-net. Todas essas ferramentas foram utilizadas com a intenção de satisfazer as necessidades de negócio da clínica. Para fins de teste do SGCO criou-se um ambiente de desenvolvimento assente num servidor Web (IIS). [4] O SGCO foi desenhado baseando na Arquitectura de 3 Camadas, onde está dividida da seguinte forma: Camada de Apresentação (Presentation Layer);Camada Lógica de Negócios (Business Logic Layer); Camada de Acesso a Dados (Data Access Layer). A arquitectura proposta é uma implementação bastante vantajosa, permitindo o desenvolvimento da aplicação de forma rápida e simples, o reaproveitamento de regras de negócios, a diminuição de sobrecarga no cliente, entre outros [6]. A figura 4.1 mostra de forma resumida essas 3 camadas e de que modo elas se interligam. 19

25 Figura 4.1: Arquitectura de 3 Camadas Camada de Acesso a Dados Camada responsável pela persistência e acesso aos dados do SGCO [7]. Nela são implementadas todos os métodos que acedem a base de dados. As tabelas da nossa base de dados foram implementadas de acordo com o modelo ER[18], modelo esse implementado de acordo com as regras de negócio da clínica em estudo. Foi feito o uso de Stored Procedure [8] que são conjuntos de instruções do SQL armazenados directamente na Base de Dados. Esse procedimento evita um grande tráfego na rede, levando a uma resposta mais rápida no acesso aos dados. 20

26 A Figura 4.2 mostra como foi implementado o SP no processo de guardar um procedimento executado. Figura 4.2: SP de Procedimento Executado 4.2. Camada Lógica de Negócio Esta camada é responsável pela lógica de negócio do SGCO. As classes de negócio (BO Business Object) dessa camada foram implementadas utilizando a linguagem C#. Esta camada faz a ligação com a camada de acesso a dados através de um objecto Connection que contem todas as informações necessárias para efectuar a conexão. A string de conexão (ConnectionString) contem as informações desse objecto Connection, e ela é a responsável pela conexão com a base de dados do SGCO. A Figura 4.3 mostra essa connectionstring. 21

27 Figura 4.3: Conexão da Base de Dados A seguir apresentamos a classe de negócio que representa a inserção de um plano de tratamento. Figura 4.4: Classe para adicionar Plano de Tratamento 22

28 Um plano de tratamento representa todos os serviços que um determinado paciente será submetido ao longo do tratamento odontológico. Esses serviços são guardados para que o dentista possa certificar dos procedimentos a serem executados durante esse tratamento Camada de Apresentação Esta camada é responsável pela exibição dos dados. Ela interage apenas com a camada de negócios [9] através dos Data Controllers, que são controlos de dados responsáveis por receber os dados através dos Stored Procedure e disponibilizá-los através de GridViews Personalizados, DetailsView, DataList, entre outros. Todas as ferramentas (ASP.NET, HTML, AJAX TOOLKIT, JAVASCRIPT e CSS) utilizadas no desenvolvimento do SGCO serão apresentadas nessa camada. Como apresentado anteriormente, o sistema faz uso de 5 actores diferentes e cada um com o seu perfil de acesso. A seguir será apresentada uma área para cada um dos actores do SGCO Interface Principal Ao aceder ao sistema, será apresentada a área principal que consiste num slideshow apresentando aos utilizadores as publicidades e notícias da clínica. Contem um menu para navegação, a área de newsletter e uma área de Acesso Restrito onde somente os funcionários da clínica conseguem aceder. 23

29 Figura 4.5: Área Principal Área do actor Utilizador Anónimo A seguir será ilustrada como um utilizador anónimo consegue efectuar um pedido de marcação de uma consulta. Para um maior suporte nessa marcação, foi disponibilizada a agenda da clínica, onde este mesmo actor consegue visualizar todos os horários ocupados. 24

30 Para implementar essa agenda, fez-se uso do CalendarSite [13] que é uma aplicação Web (WebForm) desenvolvida utilizando o plugin jquery FullCalendar-asp-net. Figura 4.6: Área para solicitar a marcação da consulta 25

31 Figura 4.7: Área de agenda para os utilizadores anónimos e paciente Área do actor Paciente O paciente consegue efectuar todas as funcionalidades do actor utilizador anónimo, com única diferença em que este mesmo consegue visualizar todos os seus horários agendados para as próximas consultas. Essas informações são disponibilizadas após o paciente fornecer o seu nome e seu número de BI. 26

32 Figura 4.8: Área de consulta dos horários das próximas consultas Área do actor Secretária Esse actor é responsável pelo registo dos pacientes e também por efectuar a gestão da agenda da clínica. Também é quem regista os serviços fornecidos pela clínica e, logo após uma consulta, este mesmo pode efectuar o orçamento para o paciente. A figura abaixo exemplifica como esse actor agenda uma consulta para um paciente no sistema. 27

33 Figura 4.9: Área de marcação de consulta Área do actor Dentista Este actor é responsável por registar todas as informações das consultas dos pacientes, como o histórico médico e odontológico, o plano geral de tratamento e os procedimentos executados. Para exemplificar a inserção de um novo plano geral de tratamento, as figuras abaixo ilustram esses 2 processos, sendo o primeiro de inserção do plano e o segundo de visualização da lista dos tratamentos que foram registados nesse plano. 28

34 Figura 4.10: Área de novo Tratamento Figura 4.11: Área de Plano Geral de Tratamento 29

35 Área do actor Administrador Este actor é responsável pela gestão dos utilizadores internos do sistema. É ele quem regista os dentistas e secretárias e ainda atribui a cada um o seu papel dependendo da função exercida por cada um. A figura a seguir ilustra a área principal desse actor. A partir dessa área ele consegue efectuar todas as suas funcionalidades no sistema. Figura 4.12:Área do Administrador 30

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) http://curriculum.degois.pt Março de 2012 Versão 1.5 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Vodafone Conferencing Como criar uma reunião

Vodafone Conferencing Como criar uma reunião Vodafone User Guide Vodafone Conferencing Como criar uma reunião Um guia passo-a-passo sobre como configurar uma reunião através do serviço Vodafone Conferencing. Visão geral Pode utilizar a Vodafone Conferencing

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Rock In Rio - Lisboa

Rock In Rio - Lisboa Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Manual de utilizador CRM

Manual de utilizador CRM Manual de utilizador CRM Formulário de Login Personalizado de acordo com a sua empresa mantendo a sua imagem corporativa. Utilizador: Admin Password: 123 1 Formulário Principal Este formulário está dividido

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Aplicação Administrativa de Gestão

Aplicação Administrativa de Gestão Aplicação Administrativa de Gestão DIAGNIMAGEM, Sociedade Unipessoal, Lda Clínica de Exames e Diagnósticos de Imagiologia A Empresa é constituída por 4 departamentos: Gerência (1) Administrativo/ Contabilidade

Leia mais

Software de Apoio a Gabinetes na Elaboração de Projetos

Software de Apoio a Gabinetes na Elaboração de Projetos SAGEP Software de Apoio a Gabinetes na Elaboração de Projetos www.sofware-global.info SAGEP geral@software-global.info Página 1 de 30 Destina-se a Gabinetes de Engenharia, Arquitectura ou idênticos, onde

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

PHC Clínica CS. A Gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A Gestão operacional total da clínica ou consultório PHCClínica CS DESCRITIVO O módulo PHC Clínica permite a gestão da informacão interna em duas vertentes: por um lado a informação confidencial sobre cada Paciente e o seu historial, por outro, se integrado

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima Trabalho sobre o Facebook De Sistemas Formador Tomás Lima Formando Marco Silva S - 13 Índice Facebook... 3 Porque todas essas perguntas para criar um perfil?... 3 O Facebook fornece várias maneiras de

Leia mais

PHC Clínica CS. A Gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A Gestão operacional total da clínica ou consultório PHCClínica CS DESCRITIVO O módulo PHC Clínica permite a gestão da informacão interna em duas vertentes: por um lado a informação confidencial sobre cada Paciente e o seu historial, por outro, se integrado

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

1ª Edição Outubro de 2007

1ª Edição Outubro de 2007 1 Ficha Técnica Título: Manual de utilização da ELGG - Aluno Autoria: Célia Tavares Direcção Pedagógica e Técnica: Paula Peres Copyright: Projecto de Apoio On-line 1ª Edição Outubro de 2007 O Manual de

Leia mais

[MANUAL DO NOVO PROGRAMA DE GESTÃO DE UNIVERSIDADES SENIORES]

[MANUAL DO NOVO PROGRAMA DE GESTÃO DE UNIVERSIDADES SENIORES] Dez 2014, v1 RUTIS Associação Rede de Universidades da Terceira idade [MANUAL DO NOVO PROGRAMA DE GESTÃO DE UNIVERSIDADES SENIORES] Desenvolvido por RUTIS Manual do Novo programa de Gestão de Universidades

Leia mais

ElectroControlo M01 Manual do Utilizador

ElectroControlo M01 Manual do Utilizador Manual do Utilizador Luis Panao 2015 INDICE Introdução 1 Funcionalidades 3 - Consultar 4 - Comunicar 7 - Financeiro 12 Ficha técnica 17 Luis Panao 2015 1 INTRODUÇÃO De acordo com o desafio deste projecto,

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

Plano de Projecto Multimédia

Plano de Projecto Multimédia Plano de Projecto Multimédia Equipa: (nomes dos elementos e emails respectivos) Vitor Manuel Gonçalves vg@ipb.pt Armindo Dias armindo.dias@dhvmc.pt Definição de objectivos: (indique os objectivos principais

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE GestProcessos Online Manual do Utilizador GestProcessos Online GABINETE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EAmb Esposende Ambiente, EEM Rua da Ribeira 4740-245 - Esposende

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS LABORATÓRIO DE GESTÃO DE PROJECTO Carlos Frias Manuel Seixas Sérgio Junior FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO 22 Março 2013 Filipe Mota Manuel Melo Tiago

Leia mais

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório PHC Clínica CS A gestão operacional total da clínica ou consultório A informação confidencial sobre cada paciente, o seu historial e, se integrado com o módulo PHC Gestão CS, a gestão financeira e a facturação

Leia mais

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Manual básico do Utilizador Software de Facturação e Gestão Comercial On-line Level 7 Basic, Light & Premium Este Software é fornecido com um número de

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

A Gestão operacional total da clínica ou consultório

A Gestão operacional total da clínica ou consultório Descritivo completo Clínica 2008 A Gestão operacional total da clínica ou consultório Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante Software PHC; Maior eficiência na Gestão de Marcações;

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento de Informática Ficha prática nº 7 SGBD Microsoft Access e SQL Server Objectivo: Criação de uma aplicação em arquitectura

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 2014 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Direcção Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social [DOCUMENTO DE APOIO À CANDIDATURA ON LINE ] Para mais esclarecimentos, ligue para 21 798 86 01/ 86 55 ou através

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa

RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa @ Copyright 2015 Desenvolvido pela Dória Software versão manual 1.3 Última atualização 23.03.2015 Sobre o RENT I. O que é o RENT? RENT- Registo Nominal

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

PROJECTO ASP - Site MDB.com - Loja Online

PROJECTO ASP - Site MDB.com - Loja Online Microsoft Windows 7 Configuração do IIS e Ligação ODBC Microsoft Access 2007 Criação da Base de Dados, Tabelas e Relações Adobe Photpshop CS4 Manipulação das Imagens utilizadas no site Adobe Illustrator

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 09-06-2010 Controlo do Documento Autor

Leia mais

Relatório de Análise de Requisitos

Relatório de Análise de Requisitos Relatório de Análise de Requisitos (15/03/02 Versão 1.0) Gestão de Beneficiários Eduardo Abreu ei98020@fe.up.pt Miguel David ei98019@fe.up.pt Nuno Ferreira ei98003@fe.up.pt Tiago Silva ei98015@fe.up.pt

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Termos Básicos Pesquisa Registo Fazendo Propostas A Minha Conta Pedindo Cotações Ajuda: Geral Bem-vindo! No texto que se segue iremos transmitir noções básicas sobre os termos e modos

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud

Leia mais

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho Prático Fase 1 Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Grupo 15 Cláudio Manuel Rigueiro

Leia mais

OBOSHotel - Central de Reservas Online. Especificação de Requisitos Funcionais. Lista de Casos de Uso Front-end e BackOffice

OBOSHotel - Central de Reservas Online. Especificação de Requisitos Funcionais. Lista de Casos de Uso Front-end e BackOffice OBOSHotel - Central de Reservas Online Lista de Casos de Uso Front-end e BackOffice Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 13-01-2008 1.0.0 Construção dos casos de uso. Nelson Santos 19-02-2008

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 10-07-2009 Controlo do Documento Autor

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Manual CallCenter para a IPBrick

Manual CallCenter para a IPBrick Manual CallCenter para a IPBrick iportalmais 1 de Outubro de 2010 1 1 Introdução As empresas usam call centers como forma de interagir e de construir relações com os seus clientes. Consciente da importância

Leia mais

Guia de Prova de Aptidão Profissional

Guia de Prova de Aptidão Profissional Guia de Prova de Aptidão Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Fábio Alexandre Lemos Ferreira Fábio Cardante Teixeira 2010/2011 Índice I. Apresentação permanente do projecto...

Leia mais

An enterprise distributed system

An enterprise distributed system An enterprise distributed system 2º Trabalho Prático Tecnologias de Distribuição e Integração 4º Ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação João Carlos Figueiredo Rodrigues Prudêncio

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática

Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática Introdução SQL SERVER hugomcp@di-ubi.pt, 2004 Arranque do MS SQLServer UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática Pode-se usar o

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

O CITIUS é uma ferramenta mais avançada do que a antiga aplicação Habilus.net, permitindo um conjunto de novas funcionalidades.

O CITIUS é uma ferramenta mais avançada do que a antiga aplicação Habilus.net, permitindo um conjunto de novas funcionalidades. Projecto CITIUS CITIUS (do latim mais rápido, mais célere) é o projecto de desmaterialização dos processos nos tribunais judiciais desenvolvido pelo Ministério da Justiça. Englobando aplicações informáticas

Leia mais

Manual de Iniciaça o. Índice

Manual de Iniciaça o. Índice Manual de Iniciaça o Índice Passo 1- Definir... 2 Definir grupos de tarefas... 2 Definir funções... 6 Definir utilizadores... 11 Definir o Workflow... 14 Definir tarefas... 18 Passo 2 - Planear... 21 Planear

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo 03 A SÈTIMA A SÉTIMA produz soluções de software maioritariamente com recurso à WEB, de modo a dar suporte ao crescimento tecnológico que é já a maior realidade do século XXI. Esta aposta deve-se ao facto

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

Manual de Utilizador de Clínicas. www.softwhere.com.pt

Manual de Utilizador de Clínicas. www.softwhere.com.pt Manual de Utilizador de Clínicas www.softwhere.com.pt Formulário de login de Clínicas Utilizador : Administrador Password: 123 Formulário Principal do Software de Clínicas Este formulário lista todos os

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB

GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB Plataforma Visioncast - SigmaContents GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB Visioncast - SigmaContents - Sistema de Gestão de Conteúdos Web 1 2 IT Web Soluções / Visioncast.net Plataforma Visioncast - SigmaContents

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA

MANUAL PARA USO DO SISTEMA Clínicas Odontológicas MANUAL PARA USO DO SISTEMA (GCO) GERENCIADOR CLÍNICO ODONTOLÓGICO SmilePrev Versão 2.0 SmilePrev Clínicas Odontológicas www.smilepev.com 2008 REQUISITOS BÁSICOS DO SISTEMA HARDWARE

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] ÍNDICE Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]... 1 ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 Prefácio... 4 2 Acesso ao OTRS ITSM... 5 Registo de Ticket Classificação do

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1 TOConline Suporte Página - 1 Documentos de Transporte Manual de Utilizador Página - 2 Índice Criação de um documento de transporte... 4 Definições de empresa- Criação de moradas adicionais... 9 Comunicação

Leia mais