Regulamento da CMVM n.º 91/4 Ofertas Públicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento da CMVM n.º 91/4 Ofertas Públicas"

Transcrição

1 Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 91/4 Ofertas Públicas Ao abrigo do disposto na alínea b) do nº 1 do artigo 14º do Código do Mercado de Valores Mobiliários e para os efeitos previstos nas disposições gerais dos artigos 173º, 584º e 606º e dos preceitos especiais dos artigos 134º nº 1 alínea q) e nº 3 alínea d), 523º nºs 2 e 3, 539º nº 1 alínea o), 562º nº3, 569º nºs 2 e 3 e 590º nº 1 alínea g) do mesmo diploma legal, o Conselho Directivo da CMVM emitiu o seguinte regulamento: Secção I Ofertas Públicas de Subscrição 1. Instrução do pedido de registo - Para além dos referidos no artigo 134º do Código do Mercado de Valores Mobiliários, o pedido de registo de uma oferta pública de subscrição deve ser ainda acompanhado dos seguintes elementos: a) Requerimento dirigido ao Conselho Directivo da CMVM solicitando o registo da oferta; b) Impresso modelo SG-1 da CMVM explicitando os documentos enviados; c) Ficha técnica da operação, utilizando modelo apropriado da série DE-2 da inclusão, nomeadamente por já se encontrarem em poder da apropriado da série DE-1 da CMVM, devidamente preenchidos. 2. Estudo da viabilidade técnica económica e financeira - Para além dos casos previstos nas alíneas a), b) e c) do nº 3 do artigo 134º do Código do Mercado de Valores Mobiliários, deverá ainda ser apresentado estudo adequado da viabilidade técnica, económica e financeira da entidade emitente ou do empreendimento específico que estiver em causa, sempre que: a) Se preveja que a entidade emitente venha a apresentar prejuízos no exercício em curso; b) Se trate de uma emissão de acções e o montante do encaixe seja superior aos capitais próprios da entidade emitente, quando esta última não seja uma instituição financeira.

2 3. Conteúdo do estudo de viabilidade - Do estudo da viabilidade técnica, económica e financeira da entidade emitente ou do empreendimento específico que estiver em causa, a que se refere o nº 3 do artigo 134º do Código do Mercado de Valores Mobiliários, deverão obrigatoriamente constar os seguintes elementos: a) Identificação e fundamentação dos pressupostos utilizados; b) Descrição dos principais investimentos; c) Descrição das actividades futuras da entidade emitente; d) Balanços e demonstrações dos resultados previsionais relativos, pelo menos, aos próximos cinco anos de actividade; e) Conclusões do estudo de viabilidade. Secção II Ofertas Públicas de Transacção Subsecção I Disposições Gerais 4.Bolsa ou bolsas em que terá lugar a sessão especial a) Quando os valores mobiliários objecto da oferta se encontrem admitidos à negociação apenas numa bolsa, a sessão especial deverá ter lugar nessa bolsa; b) Quando os valores mobiliários objecto da oferta se encontrem admitidos à negociação em mais do que uma bolsa ou não estejam admitidos à negociação em qualquer bolsa, a sessão especial terá lugar na bolsa que para o efeito for escolhida pelo oferente; c) A CMVM poderá autorizar, a requerimento dos interessados, que a sessão especial de bolsa se realize através do sistema de negociação de âmbito nacional, com a participação de todas as bolsas. Subsecção II Ofertas Públicas de Aquisição 5. Quantidade mínima de valores - A oferta pública de aquisição parcial não pode ser lançada: a) Quando tiver por objecto acções, para adquirir quantidades representativas de menos de 5% do capital social da entidade emitente, com exclusão do representado por acções preferenciais sem voto; b) Quando tiver por objecto valores mobiliários convertíveis em acções ou que confiram o direito à subscrição de acções ou à sua aquisição a qualquer outro título, para adquirir quantidade inferior desses valores à necessária para subscrever ou adquirir acções representativas de pelo menos 5% do capital social da entidade emitente, com exclusão do representado por acções preferenciais sem voto.

3 6. Instrução do pedido de registo - Para além dos referidos no artigo 539º do Código do Mercado de Valores Mobiliários, o pedido de registo de uma oferta pública de aquisição deve ser ainda acompanhado dos seguintes elementos: a) Requerimento dirigido ao Conselho Directivo da CMVM solicitando o registo da oferta, indicando, nos casos da alínea b) do nº4 do presente regulamento, a bolsa em que o oferente pretende que se realize a sessão especial destinada à execução da operação; b) Impresso modelo SG-1 explicitando os documentos enviados; c) Ficha técnica da operação, utilizando modelo apropriado da série DE-3 da inclusão, nomeadamente por já se encontrarem em poder da apropriado da série DE-1 da CMVM,devidamente preenchidos; f) Declaração do oferente atestando desconhecer a existência de qualquer facto ou circunstância, não revelados ao público, susceptível de influenciar de modo decisivo e relevante os resultados ou o património da sociedade; g) Projecto do boletim destinado à transmissão das ordens de venda ou de troca a emitir pelos destinatários da oferta para efeitos de aceitação desta; h) Se o oferente pretender que a sessão especial de bolsa seja realizada através do sistema de negociação de âmbito nacional com intervenção de todas as bolsas, requerimento donde conste o respectivo pedido de autorização; i) Quando a totalidade ou parte da contrapartida seja constituída por valores mobiliários, indicação do valor em escudos atribuído pelo oferente: - à contrapartida oferecida por cada valor mobiliário que se propõe adquirir; - a cada um dos valores mobiliários que integram a contrapartida; j) Declaração assinada pelo oferente com indicação da percentagem de direitos de voto que já possui da sociedade visada, calculada de acordo com o disposto no artigo 530º do Código do MVM. 7. Condições das ofertas concorrentes - Para que uma oferta concorrente possa ser considerada como contendo condições mais favoráveis para os seus destinatários é necessário: a) Se a concorrência entre a nova oferta e as anteriores respeitar apenas à contrapartida, que o valor desta seja superior em, pelo menos, 5% ao da mais elevada das contrapartidas propostas em qualquer das ofertas precedentes que se encontrem em vigor;

4 b) Se a concorrência entre a nova oferta e as anteriores respeitar apenas à quantidade de valores mobiliários que o oferente se propõe adquirir, que a quantidade de valores a adquirir seja pelo menos superior em 20% à quantidade mais elevada cuja aquisição é proposta em qualquer das ofertas precedentes que se encontrem em vigor. 8. Ofertas mais favoráveis - Não são consideradas mais favoráveis as ofertas públicas em que, não obstante o número de valores a adquirir ser superior, o montante da contrapartida não é pelo menos equivalente ao mais elevado de qualquer das ofertas públicas já lançadas e ainda em vigor, nem aquelas em que, não obstante o montante da contrapartida ser superior, tenham por objecto uma quantidade de valores mobiliários inferior ao mais elevado de qualquer das outras ofertas. 9. Informação sobre transacções efectuadas a) As pessoas que, à data da publicação do anúncio de lançamento da oferta, detenham acções ou outros valores mobiliários convertíveis em acções ou que dêem direito à subscrição de acções ou à sua aquisição a qualquer outro título, que lhes confiram uma percentagem igual ou superior a 1% do total dos direitos de voto da sociedade oferente, da sociedade visada ou da sociedade emitente dos valores mobiliários oferecidos em contrapartida, e, bem assim, as pessoas que através da aquisição de tais valores realizadas posteriormente à publicação daquele anúncio, venham a deter idêntica percentagem do total dos direitos de voto de qualquer das referidas sociedades, devem comunicar diariamente à CMVM todas as operações de compra, venda ou troca dos valores em causa, efectuadas, após a publicação do anúncio e até ao encerramento da oferta, nos mercados secundários ou fora deles, por si próprias ou por outras pessoas que actuem de sua conta ou em concertação com elas; b) As comunicações à CMVM, previstas no nº 1 do artigo 569º do Código do Mercado de Valores Mobiliários e na alínea anterior, poderão ser feitas através de carta registada com aviso de recepção, telex, telefax ou telegrama, e mencionarão obrigatoriamente: - A oferta pública de aquisição em causa; - A natureza, categoria e quantidade dos valores transaccionados; - Os preços das operações, bem como as respectivas datas; - Os direitos de voto já anteriormente detidos; c) Caso as comunicações tenham sido efectuadas por telex, telefax ou telegrama, deverão ser confirmadas, imediatamente, por carta registada com aviso de recepção. Subsecção III Ofertas Públicas de Venda 10. Quantidade mínima de valores - A oferta pública de venda não pode ser lançada: a) Quando o objecto da oferta sejam acções, para alienar quantidades inferiores a 5% do capital social da sociedade emitente ou acções, quando esta quantidade seja inferior a tal percentagem;

5 b) Quando a oferta tiver por objecto valores mobiliários convertíveis em acções ou que confiram o direito à subscrição de acções ou à sua aquisição a qualquer outro título, para alienar quantidade inferior desses valores à necessária para subscrever ou adquirir acções representativas de pelo menos 5% do capital social da entidade emitente ou 10% da respectiva emissão, ou desses valores, quando esta quantidade seja inferior a tais percentagens; c) Quando a oferta tiver por objecto outros valores mobiliários, para alienar quantidades inferiores a 10% da respectiva emissão ou desses valores, quando esta quantidade seja inferior a tal percentagem. 11. Instrução do pedido de registo - Para além dos documentos referidos no artigo 590º do Código do Mercado de Valores Mobiliários, o pedido de registo de uma oferta pública de venda deve ser ainda acompanhado dos seguintes elementos: a) Requerimento dirigido ao conselho directivo da CMVM solicitando o registo da oferta, incluindo, nos casos da alínea b) do nº4 do presente regulamento, indicação da bolsa em que o oferente pretende que se realize a sessão especial destinada à execução da operação; b) Impresso modelo SG-1 da CMVM explicitando os documentos enviados; c) Ficha técnica da operação, utilizando modelo apropriado da série DE-4 da inclusão, nomeadamente por já se encontrarem em poder da apropriado da série DE-1 da CMVM, devidamente preenchidos; f) Se o oferente pretender que a sessão especial de bolsa seja realizada através do sistema de negociação de âmbito nacional, com intervenção de todas as bolsas, de requerimento donde conste o respectivo pedido de autorização. Secção III Disposições Finais 12. Documentos da Oferta - O conteúdo dos anúncios de lançamento das ofertas públicas, do prospecto, nos casos de ofertas públicas de subscrição, de venda e de oferta pública de troca, da nota informativa e do relatório do órgão de administração da sociedade visada sobre a oferta, nos casos de oferta pública de aquisição, constam de regulamentos autónomos da CMVM. 13. Entrada em vigor - O presente regulamento entra em vigor no dia imediato ao da sua publicação em Diário da Republica. 8 de Julho de O Presidente do Conselho Directivo, Fernando da Costa Lima.

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio *

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico dos warrants autónomos, regulando a sua emissão no mercado nacional, prevendo a admissão à negociação em mercado

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO (6.ª Edição) Actualização N.º 1 Código das Sociedades Comerciais 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 1

Leia mais

BANCO BPI, S.A. ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS CONVOCATÓRIA

BANCO BPI, S.A. ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS CONVOCATÓRIA BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, n.º 284, Porto Capital Social: 990 000 000 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e pessoa

Leia mais

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

IBERSOL S.G.P.S., S.A.

IBERSOL S.G.P.S., S.A. IBERSOL S.G.P.S., S.A. Sede: Praça do Bom Sucesso, 105/159, 9º, Porto Capital social: 20.000.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e de identificação

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001

Leia mais

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO

AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Publicado no Diário da República, I série, nº 74, de 22 de Abril AVISO N.º 07/2013 de 22 de Abril ASSUNTO: CONSTITUIÇÃO, FUNCIONAMENTO E EXTINÇÃO DE CASAS DE CÂMBIO Havendo necessidade de adequar as regras

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES Objecto O presente regulamento, elaborado nos termos e ao abrigo do disposto nos artigos 21.º a 23.º do Decreto Lei

Leia mais

EXTRACTO DA ACTA Nº 21. Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta

EXTRACTO DA ACTA Nº 21. Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta EXTRACTO DA ACTA Nº 21 Aos trinta dias do mês de Maio de dois mil e oito, pelas dezoito horas e trinta minutos, reuniu em Assembleia Geral, no Auditório do Estádio José Alvalade, na Rua Professor Fernando

Leia mais

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III) A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por

Leia mais

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal Ex.mo. Sr. Presidente da Mesa da Assembleia Geral de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. Voto por Correspondência Postal Assembleia Geral Extraordinária de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. de 27 de Abril de

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. Aviso Convocatório

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA. Aviso Convocatório ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS DL 495/88 1988-Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS SOCIEDADES HOLDING Artigo 1º (sociedades gestoras de participações sociais) 1 As sociedades gestoras de participações

Leia mais

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor OBJECTO O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do diretor da Escola Secundária Quinta das Palmeiras,

Leia mais

AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho

AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho AVISO Nº 08/2011 de 15 de Julho Havendo a necessidade de estabelecer regras complementares à regulação do processo de instrução do pedido de constituição, bem como estabelecer os requisitos mínimos de

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR Artigo 1º Princípio da legalidade regulamentar Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 22/2014 que define o novo Regime Jurídico da

Leia mais

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DA COMISSÃO EXECUTIVA DO BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. («BES») ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de

Leia mais

Despacho n.º B/99

Despacho n.º B/99 ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO Despacho n.º 21496-B/99 O Decreto-lei n.º 195/99, de 8 de Junho, estabelece o regime aplicável às cauções nos contratos de fornecimento aos consumidores dos serviços

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 17.6.2016 L 160/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/959 DA COMISSÃO de 17 de maio de 2016 que estabelece normas técnicas de execução para as sondagens de mercado no que se refere aos sistemas e modelos

Leia mais

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. DB PLATINUM IV - MARÇO 2014 - Identificação do Distribuidor O Banco de Investimento Global (de ora em diante o Distribuidor ),

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA CÓDIGO DA ESCOLA 404457 CONTRIBUINTE Nº: 600074129 RUA LONGJUMEAU 3150-122 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239940200 Fax: 239941090 Email: info@eps-condeixa-a-nova.rcts.pt REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião realizada em

Leia mais

1. INSTITUIÇÕES SUJEITAS A DISPONIBILIDADES MÍNIMAS DE CAIXA

1. INSTITUIÇÕES SUJEITAS A DISPONIBILIDADES MÍNIMAS DE CAIXA Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 28/96 ASSUNTO: Regime de constituição De acordo com o preceituado no Aviso nº 7/94, publicado no Diário da República II série, de 24 de Outubro de 1994, e no

Leia mais

Regime Especial do Ouro para Investimento

Regime Especial do Ouro para Investimento DL 362/99, de 16.09.99 ARTIGO 1.º - Regime especial do ouro para investimento ARTIGO 2.º - Alteração ao Código do IVA ARTIGO 3.º - Revogação ARTIGO 4.º - Entrada em vigor Regime Especial Aplicável ao Ouro

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO BRASILEIRO

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO BRASILEIRO INSCRIÇÃO DE ADVOGADO BRASILEIRO [art. 201º do EOA e art. 17º a 19º do RIAAE] Documentação a entregar 1) Norma de Requerimento de Inscrição de Advogado; 2) 2 Certidões de Registo de Nascimento; 3) Certificado

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE AÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A.

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE AÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A. CaixaBank, S.A. Sede: Avenida Diagonal, 621 Barcelona Capital Social: 5.981.438.031,00 Matriculada no Registo Comercial de Barcelona com o C.I.F A-08663619 (Oferente) ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Directiva 1/2008. Sobre publicações periódicas autárquicas.

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Directiva 1/2008. Sobre publicações periódicas autárquicas. Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Directiva 1/2008 Sobre publicações periódicas autárquicas Lisboa 24 de Setembro de 2008 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para

Leia mais

Freguesia de Penela da Beira

Freguesia de Penela da Beira EDITAL Alexandre Rui Lopes Escudeiro, Presidente da Junta de Freguesia de Penela da Beira: Torna público que esta Junta de Freguesia em reunião extraordinária de 17 de Setembro de 2010, aprovou o seguinte

Leia mais

LOTEAMENTO DO PARQUE EMPRESARIAL DE EIRAS

LOTEAMENTO DO PARQUE EMPRESARIAL DE EIRAS LOTEAMENTO DO PARQUE EMPRESARIAL DE EIRAS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO E VENDA DE LOTES Artigo Primeiro (Objecto) O presente regulamento estabelece as regras de atribuição e venda dos lotes do loteamento

Leia mais

AVISO REGULAMENTO PARA ALIENAÇÃO DE FOGOS PROPRIEDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTALEGRE NOTA JUSTIFICATIVA

AVISO REGULAMENTO PARA ALIENAÇÃO DE FOGOS PROPRIEDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTALEGRE NOTA JUSTIFICATIVA Publique-se no Diário da República O Presidente da Câmara, AVISO Aprovado pela Câmara Municipal de Portalegre em sua reunião ordinária, realizada em 12 de Novembro de 2003 e pela Assembleia Municipal em

Leia mais

ANÚNCIO DE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO E DE ADMISSÃO À COTAÇÃO E NEGOCIAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE CABO VERDE

ANÚNCIO DE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO E DE ADMISSÃO À COTAÇÃO E NEGOCIAÇÃO NA BOLSA DE VALORES DE CABO VERDE Caixa Económica de Cabo Verde, S.A Sede: Avenida Cidade de Lisboa, Praia Capital Social: 348.000.000 (trezentos e quarenta e oito milhões) Escudos Matriculada na Conservatória do Registo Comercial da Praia

Leia mais

Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro

Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro Diploma consolidado Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro O Decreto-Lei nº 156/2005, de 15 de Setembro, que institui a obrigatoriedade de existência e disponibilização do livro de reclamações a todos

Leia mais

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ SARAMAGO-MAFRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2015-2019 Preâmbulo O presente regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE BENS. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE BENS. Capítulo I Disposições gerais Capítulo I Disposições gerais Artigo 1 Objecto O presente regulamento estabelece o regime da alienação de bens móveis do património privado da APSS, SA, doravante designado abreviadamente por RAB. Artigo

Leia mais

Investeder, Investimentos, Lda.

Investeder, Investimentos, Lda. Investeder, Investimentos, Lda. Sede: Rua Gonçalves Zarco, n.º 21, 1º A, 1400-033 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Número único de matrícula e de pessoa coletiva 514 781

Leia mais

3. OFERT FER AS PÚBLICAS

3. OFERT FER AS PÚBLICAS . OFERTAS 3.. O PÚBLICAS 3. Ofertas Públicas O QUE É UMA OFERTA PÚBLICA NO MERCADO DE CAPITAIS? O QUE SÃO OPAS, OPVS, OPSS E OPTS? Uma oferta pública no mercado de capitais é uma proposta de negócio feita

Leia mais

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231

Portaria n.º 879-A/2010, de 29 de Novembro, Série II, n.º231 Aprova os modelos oficiais do recibo designado de recibo verde electrónico A generalização da utilização das tecnologias da informação e da comunicação nos procedimentos administrativos é reconhecida internacionalmente

Leia mais

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ARMANDO DE LUCENA MALVEIRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2017-2021 Preâmbulo O presente regulamento define as regras

Leia mais

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora)

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título IV Ofertas públicas de transacção CAPÍTULO I D isposições Gerais Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) Compete ao Banco de Cabo Verde, através da Auditoria

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO LITERÁRIO ERA UMA VEZ NA BIBLIOTECA CONTO INFANTO-JUVENIL

REGULAMENTO DO CONCURSO LITERÁRIO ERA UMA VEZ NA BIBLIOTECA CONTO INFANTO-JUVENIL REGULAMENTO DO CONCURSO LITERÁRIO ERA UMA VEZ NA BIBLIOTECA CONTO INFANTO-JUVENIL Aprovado em reunião de câmara a 14/10/2008 Secção I Introdução 1.º A Câmara Municipal de Estarreja organiza, anualmente,

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA

ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA ASSEMBLEIA GERAL DE 13 DE MAIO DE 2009 PONTO 8 DA ORDEM DO DIA (DELIBERAR SOBRE A ALIENAÇÃO DE ACÇÕES PRÓPRIAS A TRABALHADORES E MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE OU DE SOCIEDADES PARTICIPADAS,

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto INSTRUTIVO N.º 18/216 de 8 de Agosto ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE A COMPOSIÇÃO DOS FUNDOS PRÓPRIOS E RÁCIO DE SOLVABILIDADE Havendo necessidade de regulamentar o envio de informação a ser prestada

Leia mais

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 39 000 000 euros Capital Próprio: (75.593.000) euros aprovado em Assembleia Geral de 28 de Setembro de 2012 Sede Social: Estádio

Leia mais

Decreto-Lei nº 353-P/77, de 29 de Agosto

Decreto-Lei nº 353-P/77, de 29 de Agosto Decreto-Lei n.º 353-P/77 de 29 de Agosto * O início do processo de normalização do mercado de capitais levou a reponderar diversos aspectos com este relacionados, entre os quais o da reduzida dimensão

Leia mais

Nestes termos, de harmonia com o disposto no artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 118/92 de 25 de Junho:

Nestes termos, de harmonia com o disposto no artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 118/92 de 25 de Junho: Aprova o modelo de receita médica destinado à prescrição de medicamentos incluindo a de medicamentos manipulados A lei actual consagra a obrigatoriedade da prescrição por denominação comum internacional

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

GUIA PRÁTICO ORÇAMENTO E CONTAS DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

GUIA PRÁTICO ORÇAMENTO E CONTAS DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Manual de GUIA PRÁTICO ORÇAMENTO E CONTAS DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

ALIENAÇÃO DE EDIFICIOS DAS ESCOLAS DO 1.º CICLO DESACTIVADAS CONDIÇÕES DE VENDA

ALIENAÇÃO DE EDIFICIOS DAS ESCOLAS DO 1.º CICLO DESACTIVADAS CONDIÇÕES DE VENDA ALIENAÇÃO DE EDIFICIOS DAS ESCOLAS DO 1.º CICLO DESACTIVADAS CONDIÇÕES DE VENDA 1 Objecto É objecto do presente procedimento a alienação de edifícios das escolas do 1.º ciclo desactivadas, no estado em

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. 1.º Âmbito

TEXTO INTEGRAL. 1.º Âmbito DATA: 15 de Dezembro de 2005 NÚMERO: 239 SÉRIE I-B EMISSOR: Ministérios da Justiça e da Saúde DIPLOMA: Portaria n.º 1288/2005 SUMÁRIO: Aprova o modelo, edição, preço, fornecimento e distribuição do livro

Leia mais

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OVAR SUL DGEstE Direção de Serviços Região Centro Sede: Escola Secundária Júlio Dinis Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul Artigo 1.º

Leia mais

FACTO RELEVANTE. Boadilla del Monte (Madrid), 12 de Janeiro de 2012

FACTO RELEVANTE. Boadilla del Monte (Madrid), 12 de Janeiro de 2012 FACTO RELEVANTE No seguimento do comunicado de facto relevante de 12 de Dezembro de 2011 (número de registo 154599), o Banco Santander, S.A. comunica o suplemento ao documento informativo do aumento de

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro

Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro Portaria nº 1288/2005, de 15 de Dezembro O Decreto-Lei nº 156/2005, de 15 de Setembro, que institui a obrigatoriedade de existência e disponibilização do livro de reclamações a todos os fornecedores de

Leia mais

DOCUMENTOS A ENVIAR PELAS USF PARA A ELABORAÇÃO DE ADENDAS AOS PARECERES TÉCNICOS

DOCUMENTOS A ENVIAR PELAS USF PARA A ELABORAÇÃO DE ADENDAS AOS PARECERES TÉCNICOS DOCUMENTOS A ENVIAR PELAS USF PARA A ELABORAÇÃO DE ADENDAS AOS PARECERES TÉCNICOS No sentido de agilizar o processo de emissão de adendas aos pareceres técnicos das USF e evitar os atrasos que se têm verificado

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 02/2012

INSTRUTIVO N.º 02/2012 INSTRUTIVO N.º 02/2012 Considerando que o Banco Nacional de Angola é a instituição competente para autorizar a constituição e proceder à supervisão das casas de câmbio, nos termos da Secção I do Capítulo

Leia mais

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Custos do Mercado Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Rectificação do Regulamento n.º 2/2006, de 5

Leia mais

PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE Anúncio Ajuste Directo n.º 017/2011 PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE Formação 1 ANUNCIO ANUNCIO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO Artigo 1º Designação do contrato a

Leia mais

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira A Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, que regula o Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas, com efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2009,

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS

GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Concurso Venda de Imóveis PROPRIEDADE Segurança Social Património Imobiliário Instituto

Leia mais

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DO PRÉDIO SITO EM PENELA, FREGUESIA DE SÃO MIGUEL, CONCELHO DE PENELA, DESTINADO A CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO DA CASA DE CHÁ FREIRE GRAVADOR As presentes condições de venda

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

Caderno de Encargos AJUSTE DIRECTO N.º 2/2011 PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DOS PROFESSORES ARTIGO 1º IDENTIFICAÇÃO DO CONCURSO

Caderno de Encargos AJUSTE DIRECTO N.º 2/2011 PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DOS PROFESSORES ARTIGO 1º IDENTIFICAÇÃO DO CONCURSO Caderno de Encargos AJUSTE DIRECTO N.º 2/2011 PARA EXPLORAÇÃO DO BAR DOS PROFESSORES ARTIGO 1º IDENTIFICAÇÃO DO CONCURSO O presente procedimento é um Ajuste Directo e tem a seguinte designação: AJUSTE

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS Página 1 de 5 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento fixa os procedimentos relativos aos concursos especiais para acesso e ingresso no ensino superior, nos termos da lei.

Leia mais

1. A sociedade tem por objecto:.

1. A sociedade tem por objecto:. CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número de

Leia mais

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Na sequência da divulgação do anúncio preliminar em 2 de Outubro

Leia mais

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P.

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. Portaria n.º 1288/2005 de 15 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. Portaria n.º 1288/2005 de 15 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Portaria n.º 1288/2005 de 15 de Dezembro O Decreto-Lei n.º 156/2005, de 15 de Setembro, que institui a obrigatoriedade de

Leia mais

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P.

Leia mais

CONDIÇÕES DE PATROCÍNIO. (Papel Comercial)

CONDIÇÕES DE PATROCÍNIO. (Papel Comercial) CONDIÇÕES DE PATROCÍNIO (Papel Comercial) 1) RESPONSABILIDADE DO BES E DO NOVO BANCO O papel comercial é um valor mobiliário que integra dívida de curto prazo, pelo que não pode ser considerado um instrumento

Leia mais

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados.

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados. REGIME ESPECIAL APLICÁVEL AOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL E ÀS SOCIEDADES DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL Aprovado pelos artigos 102.º a

Leia mais

Instrução n.º 2/2014* Emissão de obrigações do Tesouro e estatuto de operadores de mercado

Instrução n.º 2/2014* Emissão de obrigações do Tesouro e estatuto de operadores de mercado Instrução n.º 2/2014* Emissão de obrigações do Tesouro e estatuto de operadores de mercado Ao abrigo da alínea p) do n.º 1 do art. 12.º dos Estatutos da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública

Leia mais

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Preâmbulo Considerando a importância crescente do papel das autarquias locais, no âmbito do apoio às populações, a Câmara Municipal de Grândola atenta que está

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de )

Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de ) Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de 08.06.2005) Artigo 1º (Processo de admissão e transferência) 1. O candidato a militante deverá formular o seu pedido

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

Regulamento do concurso de fotografia. Os Materiais e a Cidade

Regulamento do concurso de fotografia. Os Materiais e a Cidade Regulamento do concurso de fotografia Os Materiais e a Cidade Ponto 1. O concurso de fotografia Os Materiais e a Cidade, promovido pelos Departamentos de Engenharia Metalúrgica e de Materiais e de Engenharia

Leia mais

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004 6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 246 19 de Outubro de 2004 MINISTÉRIOS DAS CIDADES, ADMINISTRAÇÃO LO- CAL, HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIO- NAL E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

Leia mais

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A.

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA E FINANÇAS NOS, SGPS, S.A. 1/5 O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento, da Comissão de Auditoria e Finanças da NOS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA

DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA CONSTITUIÇÃO DE DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA (DRHP) Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 275/93, de 5 de Agosto, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 37/2011,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO ARTIGO 1.º PESSOAL ESPECIALMENTE CONTRATADO 1. Podem ser contratados

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO 5672 Diário da República, 1.ª série N.º 158 18 de Agosto de 2008 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Portaria n.º 896/2008 de 18 de Agosto Na sequência da publicação

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS

GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Concurso Venda de Imóveis PROPRIEDADE

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X PRESCRIÇÃO POR DENOMINAÇÃO COMUM INTERNACIONAL E DISPENSA DO MEDICAMENTO GENÉRICO DE PREÇO MAIS BAIXO. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X PRESCRIÇÃO POR DENOMINAÇÃO COMUM INTERNACIONAL E DISPENSA DO MEDICAMENTO GENÉRICO DE PREÇO MAIS BAIXO. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X PRESCRIÇÃO POR DENOMINAÇÃO COMUM INTERNACIONAL E DISPENSA DO MEDICAMENTO GENÉRICO DE PREÇO MAIS BAIXO Exposição de motivos O uso racional do medicamento implica

Leia mais

NORMA 40. Estas publicações podem ser editadas por empresas jornalísticas ou outras entidades que assumam a função de editor.

NORMA 40. Estas publicações podem ser editadas por empresas jornalísticas ou outras entidades que assumam a função de editor. NORMA 40 1. Definição Em termos de conceito geral, designa-se como Correio Editorial o serviço postal de envio de publicações periódicas e não periódicas, portuguesas e estrangeiras, doutrinárias e informativas,

Leia mais

ARTIGO 1.º (FUNDOS PRÓPRIOS)

ARTIGO 1.º (FUNDOS PRÓPRIOS) AVISO N.º 03/2000 de 10 de MARÇO Considerando a necessidade de melhor se definir os elementos que podem integrar os fundos próprios das instituições de crédito e das sucursais em Angola de instituições

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO PARCIAL E VOLUNTÁRIA SOBRE 12.750.000.001 ACÇÕES CATEGORIA B E 3.750

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO PARCIAL E VOLUNTÁRIA SOBRE 12.750.000.001 ACÇÕES CATEGORIA B E 3.750 METALGEST Sociedade de Gestão, SGPS, S.A. Sede Social: Rua da Torrinha, n.º 32 Funchal Capital Social: 51.603.790 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal (ZFM) sob o número único

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3.334 Estabelece normas a serem observadas pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, bem como altera e revoga disposições regulamentares

Leia mais

CONCESSÃO DO PRÉDIO URBANO NA RUA DO ARNADO - COIMBRA TERMOS DE REFERÊNCIA

CONCESSÃO DO PRÉDIO URBANO NA RUA DO ARNADO - COIMBRA TERMOS DE REFERÊNCIA CONCESSÃO DO PRÉDIO URBANO NA RUA DO ARNADO - COIMBRA TERMOS DE REFERÊNCIA 1 TERMOS DE REFERÊNCIA REGRAS DO PROCEDIMENTO Artigo 1.º Finalidade Destinam-se os presentes TERMOS DE REFERÊNCIA a regular o

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A CANDIDATURA À MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM TECNOLOGIAS DA MÚSICA MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DO INSTITUTO

Leia mais

2 16 de Março de 2011 Número 30. Artigo 1.º Objecto. Portaria n.º 20/2011 de 16 de Março

2 16 de Março de 2011 Número 30. Artigo 1.º Objecto. Portaria n.º 20/2011 de 16 de Março 2 16 Março 21 VICE-PRESIDÊNCIADO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIAREGIONALDO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 20/21 16 Março O n.º 4 do artigo 35.º da Lei n.º 12-A/20, 27 Fevereiro, com a redacção conferida pela

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes:

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes: CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA A) Declaram constituir uma sociedade nos termos dos artigos seguintes: Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A.

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A. TEIXEIRA DUARTE, S.A. Sede: Lagoas Park, Edifício 2, Porto Salvo, Oeiras Capital social: 287.880.799,00 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais sob o n.º único de matrícula e pessoa

Leia mais

CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE

CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE CONCURSO LITERÁRIO COLÉGIO DE ALFRAGIDE REGULAMENTO Artigo 1º Instituição e finalidade 1. O presente regulamento define as normas que regem a edição do Concurso Literário Colégio de Alfragide, através

Leia mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais 2005-2010 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE) Junho de 2005 1. CARACTERIZAÇÃO DO ICAE OBJECTO DE INVESTIMENTO : EMITENTE: RISCO DE PERDA DO

Leia mais